CAMPUS REGIONAL DE RESENDE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ÊNFASE EM PRODUÇÃO MECÂNICA

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAMPUS REGIONAL DE RESENDE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ÊNFASE EM PRODUÇÃO MECÂNICA"

Transcrição

1 UERJ CAMPUS REGIONAL DE RESENDE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ÊNFASE EM PRODUÇÃO MECÂNICA CAPÍTULO 8: AÇOS PARA CONSTRUÇÃO MECÂNICA DEPARTAMENTO DE MECÂNICA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA IV PROF. ALEXANDRE ALVARENGA PALMEIRA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Estrada Resende Riachuelo s/n. - Morada da Colina Resende RJ - CEP: Tel.: (024) ou e Fax: (024)

2 SUMÁRIO 8- AÇOS PARA CONSTRUÇÃO MECÂNICA Introdução Classificação dos Aços Sistema SAE e ABNT Sistema DIN Composição química e propriedades dos aços carbono Elementos de Liga Distribuição dos Elementos de Liga nos Aços Efeitos dos Elementos de Liga nos Aços Tipos de aços Aços Para Fundição Aços Estruturais Aços para chapas Aços para tubos Aços Para Arames e Fios Aços Para Molas Aços Para Cementação e Nitretação Aços Inoxidáveis Bibliografia AAP 8-2

3 ÍNDICE DE FIGURAS Figura 8-1: Ação relativa na dureza do aço de alguns elementos de liga que se dissolvem na ferrita AAP 8-3

4 ÍNDICE DE TABELAS AAP 8-4

5 8- AÇOS PARA CONSTRUÇÃO MECÂNICA 8.1 Introdução É, de certo modo, difícil determinar com precisão o que seja aço para construção mecânica. Sendo assim, serão abordados os aços empregados não somente na construção de equipamentos para a indústria mecânica, como igualmente os utilizados em veículos de transporte de toda a natureza, em aparelhos elétricos, eletrônicos, em máquinas em geral, eletrodomésticos etc. Aço: Aços são ligas a base de ferro deformáveis no estado sólido (F. Oeters, Metallurgy of Steelmaking, VDEh, 1989). De forma geral, ligas com menos de 2,1% (em peso) de carbono. Tipos de Aços: Aço-carbono liga ferro-carbono contendo até 2,11% de carbono, além de certos elementos residuais, resultantes processos de fabricação (Mn, Si, P e S). Contém em geral, basicamente, os seguintes elementos: Fe, C, Mn, Si, P e S; Aço-liga aço-carbono que contém outros elementos de liga ou apresenta os elementos residuais em teores acima dos que são considerados normais. Contém em geral, basicamente, os seguintes elementos de liga: Al, Pb, Nb, Ta, B, H, Se, Cr, Mo, Ti, Cu, Ni, W, Co, N e V; Aço Inoxidáveis aço-carbono que contém certos elementos de liga que os tornam resistentes a corrosão atmosférica e a ação de alguns meios gasosos ou líquidos. Contém em geral, basicamente, os seguintes elementos de liga: Cr, Ni, Si, Mo, Al, Nb, Ti, Ta e Cu; Aço Rápido aço-carbono que contém elementos de liga que mantêm a dureza do aço elevada mesmo a altas temperaturas. Contém em geral, basicamente, os seguintes elementos de liga: W, Cr, Mo, Co e V. AAP 8-5

6 Propriedades Gerais dos Aços: Alta resistência mecânica (Tração); Boa retenção de corte (aço rápido); Boa usinabilidade; Baixo custo; Alta resistência a corrosão (aço inox). 8.2 Classificação dos Aços Os aços são classificados por normas em função da sua composição química e, consequentemente de suas propriedades. Associações técnicas especializadas classificam os aços dando origem aos sistemas: SAE e AISI (americanos); DIN (alemão); ABNT (brasileiro), etc Sistema SAE e ABNT O sistema brasileiro da ABNT baseou-se nos sistemas americanos. Neles, basicamente, os vários tipos de aços até 1% de carbono, com os elementos comuns manganês, silício, fósforo e enxofre ou com a presença de elementos de liga em baixos teores, são indicados por quatro algarismos: os dois últimos correspondem ao teor de carbono médio e os dois primeiros à presença ou não de elementos de liga. Assim, toda vez que os dois primeiros algarismos sejam 1 e 0, trata-se de aços-carbono; a mudança de um desses algarismos ou de ambos indica um novo tipo de aço, com a presença de outros elementos que não os comuns, ou com estes elementos comuns em teores superiores aos que são considerados normais. AAP 8-6

7 Estes sistemas utilizam, geralmente, quatro algarismos para especificar o aço: XX XX a) Tipo de Aço: 1º algarismo especifica os elementos de liga: 0 e 1 aço carbono; 2 níquel (Ni); 3 níquel-cromo (Ni-Cr); 4 molibidênio (Mo); 5 cromo (Cr); 6 cromo-vanádio (Cr-V); 7 tungstênio (W); Tipo de aço 8 cromo-níquel-molibidênio (Cr-Ni-Mo); % de carbono x silício-manganêns e cromo-níquel-molibidênio (Si-Mn, Cr-Ni-Mo). 2º algarismo especifica o padrão de comparação para medir a usinabilidade: 0 aço carbono, com Mn < 1%; 1 aço ressulfurado, fácil usinagem; 3 aço ressulfirado e refosorado; 4 aço com nióbio (Nb); 5 aço carbono com Mn variando de 1 à 1,65%, etc. b) Prefixos e Sufixos: Prefixos: X variação de S ou de Cr; T Mn acima do normal; D composição química idêntica à da norma DIN; B fabricado em forno Besserment; C fabricado em forno Siens-Martin; E fabricado em forno elétrico; AAP 8-7

8 Sufixos: XX L XX presença de chumbo (Pb); XX B XX presença de boro (B) Sistema DIN A norma alemã DIN adota outro critério para classificar os aços. Os aços comuns, por exemplo, são indicados pelo símbolo St (Stahl = aço), seguido de um algarismo que corresponde ao valor mínimo de resistência à tração - St42, St35 etc. OBS.: Os aços especiais, com teores de carbono acima de 1% ou com a presença de elementos de liga em altos teores, como aços para ferramentas e matrizes, resistentes à corrosão e ao calor etc., obedecem a outros critérios de classificação. 8.3 Composição química e propriedades dos aços carbono As propriedades dos aços-carbono dependem, basicamente, dos seguintes fatores: Composição química; Tratamento mecânico; Tratamento térmico. A composição química determina, em função do teor de carbono, se o aço é hipoeutetóide, hipereutetóide ou eutetóide. O tratamento mecânico relaciona-se com as condições de deformação do material: se a quente ou se a frio e, neste caso, a intensidade do encruamento resultante. O tratamento térmico influi sob dois aspectos: temperatura e tempo de aquecimento e velocidade de esfriamento. AAP 8-8

9 8.3.1 Elementos de Liga De um modo geral, ao introduzir-se elementos de liga nos aços, visam-se os seguintes objetivos: Alterar as propriedades mecânicas; Aumentar a usinabilidade; Aumentar a temperabilidade; Conferir dureza a quente; Aumentar a capacidade de corte; Conferir resistência ao desgaste; Conferir resistência à corrosão; Conferir resistência à oxidação (ao calor); Modificar os característicos elétricos e magnéticos. A figura mostra a ação de alguns elementos de liga que se dissolvem na ferrita, no sentido de aumentar a dureza dos aços. As ações mais positivas correspondem às do fósforo, silício, manganês e níquel. Os dois primeiros, na realidade, não são empregados com esse objetivo. Figura 8-1: Ação relativa na dureza do aço de alguns elementos de liga que se dissolvem na ferrita. AAP 8-9

10 8.3.2 Distribuição dos Elementos de Liga nos Aços Solução; Carbonetos, nitretos, etc Efeitos dos Elementos de Liga nos Aços a) Alumínio (Al)*: Desoxidante; Restringe o crescimento do grão, pela formação de óxidos e nitretos. b) Cromo (Cr)*: Aumenta a resistência a corrosão e a oxidação em teor elevado; Aumenta a temperabilidade (dureza em profundidade); Melhora a resistência a altas temperaturas; Aumenta a resistência no desgaste, pelos carbonetos que forma (aumenta dureza). c) Cobalto (Co): Contribui para a dureza a quente, pelo mecanismo de endurecimento da ferrita; Eleva a condutibilidade térmica. d) Fósforo (P): Aumenta a resistência dos aços de baixo teor de carbono; Aumenta a resistência a corrosão; Aumenta a usinabilidade em aços de difícil usinagem. e) Manganês (Mn): Contrabalança a fragilidade devido ao enxofre; Aumenta a endurecibilidade; Em teores elevados e em presença de carbono eleva a resistência a abrasão; Melhora a resistência mecânica, desde que seu teor supere a 1%; pode ser empregado isoladamente; AAP 8-10

11 f) Molibidênio (Mo)*: Aumenta a temperabilidade; Contribui para evitar a fragilidade ao revenido; Contribui para a manutenção da dureza a quente, resistência a quente e a fluência; Melhora a resistência a corrosão dos aços inoxidáveis; Aumenta a resistência ao desgaste pelos carbonetos que forma. g) Níquel (Ni)*: Aumenta a resistência dos aços recozidos; Aumenta a tenacidade de aços ferríticos-perlíticos, sobretudos às baixas temperaturas; Em teores elevados junto com o cromo torna o aço resistente ao calor; Em alto teor, torna austeníticas as ligas ferro-cromo em. Melhora a resistência à corrosão Contribui para refinar o grão; h) Nióbio (Nb): Promove o refino do grão; Forma carbonetos duros e resistentes ao desgaste; Aumenta a resistência a quente; Melhora as propriedades mecânicas e de resistência a corrosão. i) Silício (Si): Desoxidante; Elemento de liga utilizado em aços para chapas elétricas e magnéticas; Aumenta a endurecibilidade dos aços contendo elementos não grafitizantes; Aumenta a resistência dos aços de baixo teor de liga; Diminui a usinabilidade. AAP 8-11

12 j) Titânio (Ti): Impede a formação da autenita em aços de alto teor de cromo; Desoxidante; Refina o grão autenítico; Em aços inoxidáveis, estabiliza o aço contra a formação de carbonetos de cromo no contorno de grão. k) Tungstênio (W)*: Forma carbonetos duros e resistentes ao desgaste em aços ferramenta; Aumenta a dureza e a resistência a altas temperaturas, mantendo as propriedades de corte. l) Vanadio (V): Eleva a temperatura de crescimento de grão da austenita (promove o refino do grão); Aumenta a temperabilidade; Causa acentuado endurecimento secundário. 8.4 Tipos de aços Em face das aplicações são considerados os seguintes tipos de aço: aços para fundição; aços para arames, fios e molas; aços estruturais; aços de usinagem fácil; aços para chapas; aços para cementação e nitretação; aços para tubos; aços para fins especiais. AAP 8-12

13 8.4.1 Aços Para Fundição São utilizados para fundição de peças empregadas em máquinas operatrizes, indústria automobilística, indústria ferroviária, indústria naval, implementos agrícolas, tratores, equipamento para escavação e construção, equipamento elétrico, na indústria química, em equipamento para refino de petróleo, para a indústria de papel e muitas outras aplicações. Os requisitos exigidos nos aços para fundição são: Homogeneidade; Granulação fina e regular; Completa isenção de tensões. Os aços para fundição podem ser classificados nos seguintes grupos: aços de baixo carbono, até 0,20%; aços de médio carbono, de 0,20 a 0,50%; aços de alto carbono, acima de 0,50%; aços-liga de baixo teor em liga (soma dos elementos de liga inferior a 8%); aços-liga de alto teor em liga (soma dos elementos de liga acima de 8%). Estes últimos, que incluem, entre outros, aços inoxidáveis, aços refratários etc. Os elementos de liga geralmente encontrados nos aços para fundição são: Carbono - 0,09 a 0,90%; Manganês - 0,50 a 1,00%; Silício - 0,20 a 0,75%; Fósforo - até 0,05%; Enxofre - até 0,06%; Níquel - 0,50 a 3,50%; Cromo - 0,50 a 3,50%; Vanádio - 0,10 a 0,20%; Molibdênio - até 0,60%. AAP 8-13

14 8.4.2 Aços Estruturais São aços empregados principalmente em construção civil e em equipamento de transporte: veículos em geral, equipamento rodoviário, ferroviário, naval etc. Nessas aplicações, alguns requisitos fundamentais são: Baixo custo; Resistência a corrosão; Resistência mecânica deformabilidade; Soldabilidade; Relação adequada resistência/peso. Os elementos de liga geralmente encontrados nos aços estruturais são: Carbono - 0,15 a 0,40%; Cobre - até 1,30%; Silício - até 0,90%; Manganês - até 1,75%; Cromo - até 1,25%; Níquel - até 2,00%; Molibdênio - até 0,25%; Zircônio - até 0,15%; Nióbio; Vanádio Aços para chapas As chapas são materiais que exigem: Elevada deformabilidade ou ductilidade, ainda que com prejuízo da resistência mecânica; Soldabilidade adequada; Superfície sem defeitos; Baixo custo. AAP 8-14

15 A expressão "chapa" compreende uma série de produtos, todos importantes na indústria. A ABNT, pela sua P-TB-20 de 1968, assim distingue os vários produtos laminados planos de aço: Folha: produto plano com espessura inferior a 0,30 mm e qualquer largura; Tira: produto plano com espessura compreendida entre 0,30 mm e 5,00 mm e largura inferior a 300 mm; Chapa fina: produto plano com espessura compreendida entre 0,30 mm e 6,00 mm e largura igual ou superior a 300 mm; Barra chata: produto plano com espessura superior a 5,00 mm e largura inferior a 300 mm; Chapa grossa: produto plano com espessura superior a 5,00 mm e largura igual ou superior a 300 mm. As chapas de aço-carbono são especificadas de acordo com o uso nas seguintes qualidades: Qualidade usos gerais: chapas finas a frio; chapas finas a quente Qualidade estrutural para automóveis: chapas grossas, chapas finas a quente; Qualidade recipientes transportáveis para gases liquefeitos de petróleo; cubas de galvanização: chapas finas a quente; chapas grossas, 'sendo estas últimas utilizadas para cubas de galvanização; Qualidade estrutural: chapas finas a frio; chapas finas a quente; para partes de máquinas e veículos, tubos, recipientes, estruturas metálicas etc.; Qualidade estrutural: chapas grossas; pontes, locomotivas, vagões, edifícios, máquinas, equipamentos em geral; Qualidade soldável de alta resistência: chapas grossas; chapas finas a quente; para estruturas em geral; pontes, edifícios, navios, guindastes, vagões, implementos agrícolas, vasos de pressão etc.; Qualidade tubos: chapas grossas; chapas finas a quente; para tubulações, oleodutos etc.; Qualidade estampagem: chapas finas a frio; chapas finas a quente; para estampagem média, estampagem profunda ou extra-profunda e resistência ao envelhecimento. AAP 8-15

16 A composição química situa-se dentro das seguintes faixas: Carbono - 0,05 a 0,55%; Manganês - 0,15 a 1,50%; Silício - 0,30 a 0,50%; Fósforo e Enxofre - 0,05% máx Aços para tubos Os aços para tubos são comumente de baixo carbono (até um máximo de 0,30%) e manganês até 1,50%. Para aplicações a temperaturas mais elevadas, torna-se conveniente adicionar cromo, que melhora a resistência à corrosão e à oxidação, e molibdênio, que melhora as propriedades de fluência Aços Para Arames e Fios Não há uma distinção precisa entre "arame" e "fio". Pode-se definir ambos como produtos obtidos por trefilação, apresentando seção transversal uniforme, muito pequena em relação ao comprimento, geralmente circular, mas eventualmente quadrada, ovalada, meio-circular, hexagonal etc. Os aços podem ser agrupados em dois grupos: Não patenteados: indicados para eletrodos de soldagem utilizados no revestimento de peças que devam apresentar considerável resistência ao desgaste ou em peças que serão submetidas a tratamentos térmicos posteriores, como arruelas de pressão e certos tipos de molas, peças essas que, depois de conformadas, serão temperadas e revenidas; Patenteados: ou seja, sujeitos ao tratamento térmico de "patenteamento"; o qual consiste em aquecer o fio a uma temperatura acima de A3, seguindo-se resfriamento rápido ao ar ou preferivelmente em banho de sal ou de chumbo mantidos a uma temperatura entre 450 e 550 C. A estrutura resultante é perlita fina ou bainita, ou perlita fina e ferrita, dependendo da composição do aço e do meio de esfriamento. Essa estrutura é a que melhor se presta para produzir, após a trefilação, os mais elevados limites de proporcionalidade, escoamento (ou n) e de resistência à AAP 8-16

17 tração. Além disso, a tenacidade do material é elevada, de modo que ele pode ser convenientemente deformado ou conformado Aços Para Molas As molas, quaisquer que sejam os seus tipos -helicoidais (de extensão, de compressão, de torção) ou semi-elípticas - são materiais que devem apresentar, em princípio, as seguintes propriedades: - Altos valores para os limites de proporcionalidade ou elasticidade sob tensão ou de proporcionalidade sob torção; nessas condições, as molas poderão suportar as cargas de serviço, geralmente apreciáveis, sem deformação permanente; - Elevada resistência ao choque, sobretudo no caso de serviço máis pesado em veículos em geral; - Alto limite de fadiga, visto que normalmente, na indústria automobilística, as molas falham por fadiga, a ruptura se iniciando em algum ponto de concentração de tensões. Os elementos de liga geralmente encontrados nos aços estruturais são: Carbono - 0,50 a 1,20%; Silício - até 2,20%; Manganês - até 0,90%; Cromo - até 1,10%; Vanádio até 0,20% Aços Para Cementação e Nitretação Os melhores aços para os tratamentos termoquímicos são aços ligados, embora na cementação muitos aços-carbono sejam empregados, o mesmo acontecendo com o processo de nitretação em banho de sal. São aços que apresentam, após o tratamento termo-químico, as seguintes propriedades: Alta resistência ao impacto; Alta resistência ao desgaste. AAP 8-17

18 8.4.8 Aços Inoxidáveis São aços que adquirem "passividade" quando ligados com alguns elementos metálicos, entre os quais o mais importante são o cromo e o níquel e, em menor grau, o cobre, o silício, o molibdênio e o alumínio. Tipos de Aços Inoxidáveis Aços inoxidáveis martensíticos; Aços inoxidáveis ferríticos; Aços inoxidáveis austeníticos. Os primeiros podem ser endurecidos por têmpera, ao passo que os outros dois não. No último grupo, caracterizado pela presença simultânea de cromo e níquel, a estrutura austenftica pode ser retirada à temperatura ambiente. Os dois primeiros grupos compreendem os aços inoxidáveis essencialmente ao cromo, em teores elevados. O cromo tende a restringir o campo austenítico, estabilizando a ferrita. O níquel elimina, por assim dizer, a alotropia do ferro; mas estabiliza o ferro gama ou a austenita, de tal modo que, em determinadas condições e para teores elevados de níquel, esta estrutura é mantida à temperatura ambiente. a) Aços Inoxidáveis Martensíticos São essencialmente ligas Fe-C-Cr, com, eventualmente em alguns tipos, pequenas quantidades de níquel. Os tipos mais comuns são classificados nas normas AISI com os números 403, 410, 414, 416, 420, 420F, 431, 440A, 440B, 440C e 440F. Os tipos 403, 410, 414, 416 e 420 caracterizam-se por baixo teor de carbono e um mínimo de 11,5% de cromo, que, no tipo 431, pode chegar a 17,0%. Embora o carbono seja baixo, esses aços possuem boa temperabilidade, devido à presença de cromo. Assim sendo, podem ser temperados ao ar, em óleo ou água e revenidos a temperaturas que dependem das propriedades mecânicas desejadas. AAP 8-18

19 Esses aços são chamados também "tipo turbina" e suas aplicações são feitas em lâminas de turbina e compressor, molas, eixos e hélices de bombas, hastes de válvulas, parafusos, porcas etc. Para conferir melhor usinabilidade, introduz-se enxofre ou selênio em quantidades mínimas de 0,07%. O tipo 420F possui carbono entre 0,30 e 0,40% e nos tipos 440A, 440B e 440C, o teor de carbono é mais elevado, mínimo de 0,60% no tipo 440A e máximo 1,20% no tipo 440C. O teor de cromo varia de 12,0 a 18,0%, os maiores teores para os tipos com mais carbono. São temperados e revenidos, podendo atingir valores de dureza Brinell entre 500 e 620 e limites de resistência à tração até cerca de 200 kgf/mm 2, além de alta resistência ao desgaste. São denominados "tipo cutelaria" e empregados em cutelaria, instrumentos cirúrgicos, molas, mancais antifricção etc. b) Aços Inoxidáveis Feríticos Neles, o carbono é mantido, de um modo geral, baixo, entre 0,08 a 0,12%. Alguns tipos, os de maior quantidade de cromo, podem apresentar teor máximo de carbono correspondente a 0,35%. O teor de cromo mínimo varia de 11,5% nos tipos de carbono mais baixo e o máximo pode chegar a 27,0%, nos de carbono mais elevado. A designação AISI indica como tipos principais: 405, 406, 430, 430F, 442, 443 e 446. A adição eventual de enxofre ou selênio, em teores mínimos de 0,07%, melhora a sua usinabilidade, de modo a toná-los mais adequados na fabricação de parafusos, porcas e peças semelhantes. Eventualmente, ainda contêm alumínio, de 0,10 a 0,30%, ou 3,50 a 4,50%, cobre de 0,90 a 1,25% e níquel, 0,50% máx. O tipo de conformação mais fácil e, portanto, muito comum, é o 430, com 0,12% de carbono e 14,00 a 18,00% de cromo. É empregado em equipamento para a indústria química, em equipamentos de restaurantes e cozinhas, peças de fornos e em componentes arquitetônicos ou decorativos. AAP 8-19

20 O tipo de melhor resistência à corrosão é o 446, que contém um máximo de 0,35% de carbono e 23,00 a 27,00% de cromo. Possuem esses tipos, ainda, boa resistência à oxidação até a temperatura da ordem de C. Utilizado em componentes de fornos, queimadores, radiadores etc. c) Aços Inoxidáveis Austeníticos Os tipos AISI mais comuns são designados pelos números 301, 302, 302B, 303, 304, 308, 309, 309S, 310, 316, 317, 321 e 347. Apresentam simultaneamente cromo e níquel como principais elementos de liga e são considerados os mais importantes aços inoxidáveis. Geralmente, o carbono é mantido baixo (0,08% máx.), podendo, contudo, em alguns casos, admitir-se teores de 0,25% máx., desde que o cromo seja aumentado a teores de 22, 24 ou 26% e o níquel a teores de 12, 15 ou 22%. O tipo mais conhecido é o "18-8", em que o teor médio de cromo é 18% e o de níquel 8%. O níquel, além de melhorar a resistência à corrosão, melhora igualmente a resistência à oxidação a altas temperaturas, de modo que esses aços são também aplicados em condições de temperatura diferentes da ambiente. São aços não-magnéticos e não endurecíeis por tratamento térmico, devido a sua estrutura austenítica, a qual é retida por resfriamento rápido em água, após aquecimento entre e C. Entretanto, se submetidos à deformação mecânica a frio, resulta um encruamento que aumenta apreciavelmente a dureza à resistência mecânica, em proporções maiores que no encruamento de um aço comum. O fato é atribuído à instabilidade da austenita, a qual, deformada a frio, transformar-se-ia em ferrita supersaturada de carbono. O aço 18-8, por exemplo, pode, após estiramento a frio, atingir valores de limite de resistência à tração da ordem de 230 Kgf/mm 2. O aço nessas condições, se reaquecido, readquire a estrutura austenítica normal. AAP 8-20

21 Como se mencionou, nesses aços pode ocorrer o fenômeno de corrosão intergranular, que se evita com adições de titânio, tântalo e nióbio. O titânio, quando adicionado, o é em teores correspondentes a cinco vezes o teor de carbono e o nióbio a dez vezes. Outros elementos presentes nos aços inoxidáveis austeníticos são: silício, até 1,0 ou 1,5%, manganês, até 2,0%, eventualmente fósforo, enxofre ou selênio, em tomo de 0,07% para conferir melhor usinabilidade, molibdênio, até 3 ou 4,0% para melhorar a resistência à corrosão química. Os aços inoxidáveis austeníticos, antes de utilizados, são "austenitizados" ou seja, aquecidos entre e C, seguindo-se resfriamento rápido em água ou ar (no caso de peças de pequenas dimensões), de modo a reter a estrutura austenítica à temperatura ambiente e, igualmente, evitar, na faixa C, a precipitação de carboneto de cromo. Pode-se realizar, posteriormente, um tratamento a baixa temperatura, no máximo a 425 C, para alívio de tensões. Depois de tratados termicamente, os aços inoxidáveis austeníticos podem atingir limites de resistência à tração de 60 a 70 Kgf/mm 2, limites de escoamento de 21,0 a 28,0 Kgf/mm 2, alongamento de 45 a 60%, dureza Brinell de 140 a 175 e resistência ao choque correspondente a 9,7 a 15,2 Kgf/mm 2. As principais aplicações desses aços inoxidáveis são as seguintes: peças decorativas, utensílios domésticos, peças estruturais, componentes para a indústria química, naval, alimentícia, de papel e inclusive componentes que devam estar sujeitos a temperaturas elevadas, como peças de estufas e fornos, devido à boa resistência à oxidação que apresentam. 8.5 Bibliografia AAP 8-21

AÇOS ESTRUTURAIS. Fabio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 1

AÇOS ESTRUTURAIS. Fabio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 1 ESTRUTURAIS Fabio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 1 INTRODUÇÃO Dentre os materiais encontrados no nosso dia-a-dia, muitos são reconhecidos como sendo metais, embora, em quase sua totalidade, eles sejam,

Leia mais

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 08. Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) Tratamentos Termo-Físicos e Termo-Químicos

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 08. Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) Tratamentos Termo-Físicos e Termo-Químicos Aula 08 Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) e Termo-Químicos Prof. Me. Dario de Almeida Jané Tratamentos Térmicos Parte 2 - Introdução - - Recozimento - Normalização - Têmpera - Revenido

Leia mais

Tratamento Térmico. Profa. Dra. Daniela Becker

Tratamento Térmico. Profa. Dra. Daniela Becker Tratamento Térmico Profa. Dra. Daniela Becker Diagrama de equilíbrio Fe-C Fe 3 C, Fe e grafita (carbono na forma lamelar) Ligas de aços 0 a 2,11 % de C Ligas de Ferros Fundidos acima de 2,11% a 6,7% de

Leia mais

endurecíveis por precipitação.

endurecíveis por precipitação. Introdução Tipos de Aços Inoxidáveis Aço inoxidável é o nome dado à família de aços resistentes à corrosão e ao calor contendo no mínimo 10,5% de cromo. Enquanto há uma variedade de aços carbono estrutural

Leia mais

UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE. Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Materiais para Produção Industrial

UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE. Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Materiais para Produção Industrial UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE Curso: Disciplina: Aula 5 Tratamento Térmico Tratamento Térmico O tratamento térmico pode ser definido de forma simples como um processo de aquecimento e/ou

Leia mais

AULA 6: MATERIAIS METÁLICOS

AULA 6: MATERIAIS METÁLICOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO I E (TEC 156) AULA 6: MATERIAIS METÁLICOS Profª. Cintia Maria Ariani Fontes 1 MATERIAIS

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMO - QUÍMICOS

TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMO - QUÍMICOS TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMO - QUÍMICOS Tratamentos térmicos e termo-químicos Recozimento Normalização Têmpera Revenimento Cementação Nitretação Tratamentos Térmicos Operações de aquecimento de um material

Leia mais

Materiais Aço Inox /Aço Carbono

Materiais Aço Inox /Aço Carbono Materiais Aço Inox /Aço Carbono DEFINIÇÕES DOS AÇOS Aço Carbono: Uma liga ferrosa em que o carbono é o principal elemento de liga. Aço Inoxidável: Uma liga de aço altamente resistente a corrosão em uma

Leia mais

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS TECNOLOGIA DOS MATERIAIS Aula 7: Tratamentos em Metais Térmicos Termoquímicos CEPEP - Escola Técnica Prof.: Transformações - Curva C Curva TTT Tempo Temperatura Transformação Bainita Quando um aço carbono

Leia mais

Curso de MIQ - Profa. Simone P. Taguchi Borges DEMAR/EEL/USP COBRE E SUAS LIGAS

Curso de MIQ - Profa. Simone P. Taguchi Borges DEMAR/EEL/USP COBRE E SUAS LIGAS Cobre e suas ligas 1 COBRE E SUAS LIGAS Cobre e suas ligas 2 PRINCIPAIS RESERVAS DE COBRE Encontram-se no Chile, EUA, Canadá,, antiga URSS, Peru, Zambia e Zaire CUSTO 3-4 vezes mais caro que o Al e 6-7

Leia mais

Tratamentos térmicos. 1. Introdução

Tratamentos térmicos. 1. Introdução Universidade Estadual do Norte Fluminense Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias Laboratório de Engenharia Agrícola EAG 3204 Mecânica Aplicada * Tratamentos térmicos 1. Introdução O tratamento

Leia mais

Tratamentos térmicos dos aços

Tratamentos térmicos dos aços Tratamentos térmicos dos aços Recozimento Aquecimento a Trec., seguido de arrefecimento lento Rec. relaxação de tensões Rec. esferoizidação Rec. completo Normalização Rec. após deformação plástica Têmpera

Leia mais

AÇOS. Construção Mecânica

AÇOS. Construção Mecânica AÇOS Construção Mecânica SÃO CERCA DE 10.000 TONELADAS EM AÇOS E METAIS A PRONTA ENTREGA GGD 10 Composição Química C Mn Si Cr Al P S 0,17 0,24 0,18 0,23 0, 0,60 0,60 0,90 0, máx 0,15 0, ----- --- 0, 0,

Leia mais

Escola Politécnica de Pernambuco Departamento de Ensino Básico PROGRAMA

Escola Politécnica de Pernambuco Departamento de Ensino Básico PROGRAMA PROGRAMA Disciplina: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA Código: MECN0039 Carga Horária Semestral: 45 HORAS Número de Créditos: TEÓRICOS: 00; PRÁTICOS: 03; TOTAL: 03 Pré-Requisito: MECN0004 CIÊNCIA DOS MATERIAIS

Leia mais

Materiais de construção de máquinas

Materiais de construção de máquinas Universidade Estadual do Norte Fluminense Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias Laboratório de Engenharia Agrícola EAG 03204 Mecânica Aplicada * Materiais de construção de máquinas 1. Introdução

Leia mais

Os tratamentos termoquímicos. micos

Os tratamentos termoquímicos. micos Os tratamentos termoquímicos micos Os tratamentos termoquímicos micos Turma 6821 Arthur Galvão, Fábio F Borges, Israel Lima e Vitor Alex Tratamentos Termoquímicos? micos? são os tratamentos que visam o

Leia mais

Tubos mecânicos Vallourec. facilitam o seu trabalho e aumentam o seu retorno. www.vallourec.com/br

Tubos mecânicos Vallourec. facilitam o seu trabalho e aumentam o seu retorno. www.vallourec.com/br Tubos mecânicos Vallourec. facilitam o seu trabalho e aumentam o seu retorno. www.vallourec.com/br Tubos mecânicos: Aço VMec134AP Diferencial nas Condições de Fornecimento do VMec134AP. Análise Química

Leia mais

Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia (ICET)

Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia (ICET) Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia (ICET) Tratamentos Térmicos Ciência dos Materiais Prof. Alcindo Danilo Oliveira Mendes 340.261-4 EP6P01 2009 2 Sumário SUMÁRIO...2 1. INTRODUÇÃO...3 1.1 TÊMPERA...6

Leia mais

Soldadura do cobre e suas ligas

Soldadura do cobre e suas ligas Soldadura do cobre e suas ligas As principais ligas são os latões (Cu-Zn) e os bronze-alum alumínios (Cu-Al) A maior dificuldade que surge na soldadura dos cobres está relacionada com a presença de óxido

Leia mais

metais não ferrosos aluminio-cobre-latão - aço inoxidável

metais não ferrosos aluminio-cobre-latão - aço inoxidável metais não ferrosos aluminio-cobre-latão - aço inoxidável Arames Barras chatas Bobinas Cantoneiras Chapas Discos Perfis Buchas Tubos Tubos de cobre para refrigeração Vergalhões, redondos, sextavados e

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Forjamento: O forjamento, um processo de conformação mecânica em que o material é deformado por martelamentoou prensagem, é empregado para a fabricação

Leia mais

Aços Inoxidáveis AÇOS INOXIDÁVEIS

Aços Inoxidáveis AÇOS INOXIDÁVEIS AÇOS INOXIDÁVEIS Aços Inoxidáveis 1 A corrosão dos aços carbono e dos aços baixa-liga é caracterizada pela presença de uma camada de oxidação permeável. Em um meio corrosivo, estes aços sofrem oxidação

Leia mais

Propriedades Mecânicas. Prof. Hamilton M. Viana

Propriedades Mecânicas. Prof. Hamilton M. Viana Propriedades Mecânicas Prof. Hamilton M. Viana Propriedades Mecânicas Propriedades Mecânicas Definem a resposta do material à aplicação de forças (solicitação mecânica). Força (tensão) Deformação Principais

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Tratamentos térmicos dos aços 1 TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Os tratamentos térmicos empregados em metais ou ligas metálicas, são definidos como qualquer conjunto de operações de aquecimento e resfriamento,

Leia mais

ASPECTOS TECNOLÓGICOS DOS AÇOS ESTRUTURAIS

ASPECTOS TECNOLÓGICOS DOS AÇOS ESTRUTURAIS Estruturas de aço. Aspectos tecnológicos e de concepção. Prof. Edson Lubas Silva Agradecimento ao Prof. Dr. Valdir Pignatta pelo material cedido ASPECTOS TECNOLÓGICOS DOS AÇOS ESTRUTURAIS 1 O que é o aço?

Leia mais

Perguntas de Materiais 2. Perguntas para Teste 1

Perguntas de Materiais 2. Perguntas para Teste 1 Perguntas de Materiais 2 Perguntas para Teste 1 1. De que dependem as propriedades mecânicas, físicas, químicas, tecnológicas dum material? 2. Que propriedades mecânicas, físicas, químicas, tecnológicas

Leia mais

Classificação de arames Porcentagem

Classificação de arames Porcentagem 1. Introdução Barras, arames e fios de aço são produtos de secção transversal uniforme, com diâmetros variáveis desde 0,02 mm até 20 mm ou mais. As barras, obtidas por laminação a quente, dão origem ao

Leia mais

3. Procedimento para Avaliação da Integridade Estrutural em estruturas de equipamentos de transporte e elevação de materiais

3. Procedimento para Avaliação da Integridade Estrutural em estruturas de equipamentos de transporte e elevação de materiais 3. Procedimento para Avaliação da Integridade Estrutural em estruturas de equipamentos de transporte e elevação de materiais Neste capítulo serão descritos os passos para a avaliação da Integridade Estrutural

Leia mais

Mecânica Tratamentos Térmicos

Mecânica Tratamentos Térmicos CPM - Programa de Certificação de Pessoal de Manutenção Mecânica Tratamentos Térmicos SENAI Departamento Regional do Espírito Santo 3 Tratamentos Térmicos - Mecânica SENAI - ES, 1997 Trabalho realizado

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS.

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS. TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS. 1.Curvas de transformação contínua para os aços. as curvas ttt (tempo-temperatura-transformação) dos aços eram obtidas antigamente pelo método metalográfico. hoje em dia

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP Tecnologia Mecânica Tratamentos térmicos e termo-químicos Recozimento Normalização Têmpera Revenimento Cementação Nitretação Tratamentos Térmicos

Leia mais

EM 833 Seleção de Materiais

EM 833 Seleção de Materiais EM 833 Seleção de Materiais PROFESSOR RESPONSÁVEL João Batista Fogagnolo fogagnolo@fem.unicamp.br Seleção de materiais Natureza interativa da viabilização de um produto Projeto Materiais Procedimento de

Leia mais

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Universidade Presbiteriana Mackenzie Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Danila Pedrogan Mendonça Orientador: Profº Giovanni S. Crisi Objetivo

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo. Aços. Adilson de Melo Poggiato

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo. Aços. Adilson de Melo Poggiato Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Aços Adilson de Melo Poggiato Noções básicas de siderurgia: O ferro é um metal que existe em grande quantidade na natureza principalmente

Leia mais

Esferas de Aço Inox. Catálogo de Produtos Esferas de Aço Inox

Esferas de Aço Inox. Catálogo de Produtos Esferas de Aço Inox Esferas de Aço Inox Catálogo de Produtos Esferas de Aço Inox Esferas de Aço Inox A MultiEsferas possui uma larga experiência na produção e comercialização de esferas de aço inox em diversas ligas austeníticas,

Leia mais

GGD INOX MARTENSÍTICO

GGD INOX MARTENSÍTICO AÇOS INOXIDÁVEIS GGD INOX MARTENSÍTICO Generalidades Podem ser beneficiados para altas durezas e ampla faixa de resistência mecânica. São magnéticos e possuem boa usinabilidade. Resistência à corrosão:

Leia mais

Tudo no Brasil favorece a produção da sua usina: o clima, o solo e o inox.

Tudo no Brasil favorece a produção da sua usina: o clima, o solo e o inox. Tudo no Brasil favorece a produção da sua usina: o clima, o solo e o inox. Criada em 2011, como resultado do desmembramento do setor inox da ArcelorMittal, a Aperam surgiu como um player global em aços

Leia mais

Capítulo 76. Alumínio e suas obras

Capítulo 76. Alumínio e suas obras Capítulo 76 Alumínio e suas obras Nota. 1. Neste Capítulo consideram-se: a) Barras: os produtos laminados, extrudados, estirados ou forjados, não enrolados, cuja seção transversal, maciça e constante em

Leia mais

AÇOS PARA FERRAMENTAS

AÇOS PARA FERRAMENTAS AÇOS PARA FERRAMENTAS FEA Processo de Fabricação de Aços Convencionais e s Lingotamento Convencional Forno Panela VD Lingotamento Contínuo ACIARIA Processo Fusão (Convencional): FEA (Forno Elétrico Arco)

Leia mais

O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1

O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1 O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1 João Carmo Vendramim 2 Marco Antonio Manz 3 Thomas Heiliger 4 RESUMO O tratamento térmico de ligas ferrosas de média e alta liga já utiliza há muitos anos a tecnologia

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS

GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS 1 NITRAMET TRATAMENTO DE METAIS LTDA PABX: 11 2192 3350 nitramet@nitramet.com.br GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS Austêmpera Tratamento isotérmico composto de aquecimento até a temperatura

Leia mais

UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE. Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Materiais para Produção Industrial

UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE. Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Materiais para Produção Industrial UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE Curso: Disciplina: Aula 1 PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS METAIS POR QUÊ ESTUDAR? A determinação e/ou conhecimento das propriedades mecânicas é muito importante

Leia mais

Soldabilidade de Metais. Soldagem II

Soldabilidade de Metais. Soldagem II Soldabilidade de Metais Soldagem II Soldagem de Ligas Metálicas A American Welding Society (AWS) define soldabilidade como a capacidade de um material ser soldado nas condições de fabricação impostas por

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 19/08/2008 1 CONFORMAÇÃO MECÂNICA Em um ambiente industrial, a conformação mecânica é qualquer operação durante a qual se aplicam esforços mecânicos

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 1 Forjamento Ferreiro - Uma das profissões mais antigas do mundo. Hoje em dia, o martelo e a bigorna foram substituídos por máquinas e matrizes

Leia mais

ENCARREGADO DE MONTAGEM MECÂNICA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA

ENCARREGADO DE MONTAGEM MECÂNICA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA ENCARREGADO DE MONTAGEM MECÂNICA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA 1-1 - ENCARREGADO DE MONTAGEM MECÂNICA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA 2 PETROBRAS Petróleo Brasileiro S.A. Todos os direitos reservados

Leia mais

2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 33 2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2.1.AÇOS Os aços são definidos como ligas de ferro-carbono, contendo geralmente 0.008% até aproximadamente 2,11% de carbono, e outros elementos resultantes de seu processo de

Leia mais

Prof. Casteletti. MRG Medidas e Representações Gráficas

Prof. Casteletti. MRG Medidas e Representações Gráficas MRG Medidas e Representações Gráficas Classificação e características dos materiais Escolha do material X Produto Avaliar o material: -suas qualidades mecânicas; -custo. Página 133 Classificação e características

Leia mais

Ciência e engenharia de materiais: Uma introdução Ciências dos Materiais

Ciência e engenharia de materiais: Uma introdução Ciências dos Materiais Diagrama de Fases Bibliografia Callister Jr., W. D. Ciência e engenharia de materiais: Uma introdução. LTC, 5ed., cap 9, 2002. Shackelford, J.F. Ciências dos Materiais, Pearson Prentice Hall, 6ed., cap

Leia mais

PROJETO DE RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I:

PROJETO DE RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I: IFES INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO ANDRÉ VANDER PERINI CARLOS EDUARDO POLATSCHEK KOPPERSCHMIDT WILLIAM SFALSIN MANHÃES PROJETO DE RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I: CADEIRA DE RODAS SÃO MATEUS ES 2013

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS A BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS Última atualização Maio/2011 CLASSIFICAÇÃO DAS FOLHAS DE ALUMÍNIO A folha de Alumínio é um produto resultante do processo de laminação a frio com secção transversal variando

Leia mais

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 12 Ensaio de Impacto. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 12 Ensaio de Impacto. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Ensaios Mecânicos de Materiais Aula 12 Ensaio de Impacto Tópicos Abordados Nesta Aula Ensaio de Impacto. Propriedades Avaliadas do Ensaio. Tipos de Corpos de Prova. Definições O ensaio de impacto se caracteriza

Leia mais

Classificação dos materiais. Profa. Daniela Becker

Classificação dos materiais. Profa. Daniela Becker Classificação dos materiais Profa. Daniela Becker Classificação dos materiais A classificação tradicional dos materiais é geralmente baseada na estrutura atômica e química destes. Classificação dos materiais

Leia mais

24/10/2015. Materias de Construção. Metais. José Carlos G. Mocito email:jmocito@ipcb.pt. Metais. Os átomos se encontram coesos pela ligação metálica.

24/10/2015. Materias de Construção. Metais. José Carlos G. Mocito email:jmocito@ipcb.pt. Metais. Os átomos se encontram coesos pela ligação metálica. Materiais de Construção Metais José Carlos G. Mocito email:jmocito@ipcb.pt 1 Metais Os átomos se encontram coesos pela ligação metálica. 2 1 Propriedades Mecânicas Resistência à rotura Deformabilidade

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Sumário Introdução Padronização e Definições Tipos e Usos de Parafusoso Introdução Elementos de fixação: Importância Por que estudar elementos de fixação. Papel em projetos

Leia mais

UM ENSAIO DO PROCESSO DE RECOZIMENTO PLENO

UM ENSAIO DO PROCESSO DE RECOZIMENTO PLENO UM ENSAIO DO PROCESSO DE RECOZIMENTO PLENO Anderson Fanchiotti da Silva, Deyvson Martins Fanti, Diego Serra, Everton Moreira Chaves, Fabiano Botassoli, Hedylani N. F. Corsini, Patrik Mantovani de Oliveira,

Leia mais

AISI 420 Tratamento Térmico e Propriedades. InTec 012. 1. Introdução

AISI 420 Tratamento Térmico e Propriedades. InTec 012. 1. Introdução 1. Introdução Este texto tem por objetivo discutir importantes aspectos da seleção de temperaturas de têmpera e revenimento das diferentes marcas para o aço AISI 420 em função das propriedades mecânicas

Leia mais

1. Difusão. A difusão só ocorre quando houver gradiente de: Concentração; Potencial; Pressão.

1. Difusão. A difusão só ocorre quando houver gradiente de: Concentração; Potencial; Pressão. 1. Difusão Com frequência, materiais de todos os tipos são tratados termicamente para melhorar as suas propriedades. Os fenômenos que ocorrem durante um tratamento térmico envolvem quase sempre difusão

Leia mais

PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA OS PRODUTOS LONGOS INOXIDÁVEIS

PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA OS PRODUTOS LONGOS INOXIDÁVEIS PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA OS PRODUTOS LONGOS INOXIDÁVEIS Marc Mantel - SIMaP Grenoble INP / Ugitech França 25 de agosto 2015 Resistência à corrosão Classificação dos aços inoxidáveis + Austeníticos

Leia mais

MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS

MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS Ligações rosqueadas; Ligações soldadas; Ligações flangeadas; Ligações de ponta e bolsa; Outras Ligações: - Ligações de compressão; - Ligações patenteadas. 1 Fatores que influenciam

Leia mais

PRINCÍPIOS DE LUBRIFICAÇÃO

PRINCÍPIOS DE LUBRIFICAÇÃO PRINCÍPIOS DE LUBRIFICAÇÃO Baseado no principio de que qualquer movimento relativo entre dois corpos (sólidos, líquidos e mesmo gasosos) leva ao surgimento do chamado atrito. Fenômeno que se opõe ao movimento

Leia mais

TW103 TW203 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE.

TW103 TW203 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. TW103 TW203 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. BROCAS TW103 E TW203 PROPORCIONAM FUROS COM EXCELENTE QUALIDADE E MÁXIMO DESEMPENHO NO LATÃO E MATERIAIS DE CAVACO QUEBRADIÇO EM GERAL. Conheça suas características:

Leia mais

Tratamentos térmicos de ferros fundidos

Tratamentos térmicos de ferros fundidos FERROS FUNDIDOS Usados em geral para: Resistência ao desgaste Isolamento de vibrações Componentes de grandes dimensões Peças de geometria complicada Peças onde a deformação plástica é inadmissível FERROS

Leia mais

Maná EDI. tiras a quente. Impresso em fevereiro de 2013. www.usiminas.com

Maná EDI. tiras a quente. Impresso em fevereiro de 2013. www.usiminas.com Maná EDI tiras a quente wwwusiminascom Impresso em fevereiro de 13 3 ÍNDICE 6 Soluções Completas em Aço 10 Tiras a Quente 10 Processo de produção 12 14 28 32 34 36 38 40 Aço para Uso Geral Aço Estrutural

Leia mais

Capítulo 73. Obras de ferro fundido, ferro ou aço

Capítulo 73. Obras de ferro fundido, ferro ou aço Capítulo 73 Obras de ferro fundido, ferro ou aço Notas. 1.- Neste Capítulo, consideram-se de ferro fundido os produtos obtidos por moldação nos quais o ferro predomina em peso sobre cada um dos outros

Leia mais

Previsão da vida em fadiga de aços inoxidáveis dúplex SAF 2205 e SAF 2507.

Previsão da vida em fadiga de aços inoxidáveis dúplex SAF 2205 e SAF 2507. Projeto de iniciação científica Previsão da vida em fadiga de aços inoxidáveis dúplex SAF 2205 e SAF 2507. Relatório final. Bolsista: Gustavo H. B. Donato e-mail:superguga@uol.com.br Orientador: Prof.

Leia mais

Materiais usados em resistores

Materiais usados em resistores Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Elétrica Materiais usados em resistores EEL7051 Laboratório de Materiais Elétricos Aluno: Cristiano P. Costa Neves Turma:

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM 82 CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM 83 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM Nas operações de soldagem, principalmente as que envolvem a fusão dos materiais, temos uma variação não uniforme e

Leia mais

ENSAIO DE DUREZA EM-641

ENSAIO DE DUREZA EM-641 ENSAIO DE DUREZA DEFINIÇÃO: O ensaio de dureza consiste na aplicação de uma carga na superfície do material empregando um penetrador padronizado, produzindo uma marca superficial ou impressão. É amplamente

Leia mais

Rugosidade. O supervisor de uma empresa verificou que. Um problema. Rugosidade das superfícies

Rugosidade. O supervisor de uma empresa verificou que. Um problema. Rugosidade das superfícies A UU L AL A Rugosidade O supervisor de uma empresa verificou que os trabalhos de usinagem não estavam em condições de atender aos requisitos do projeto. Por isso, contratou um técnico para explicar ao

Leia mais

Universidade Paulista Unip

Universidade Paulista Unip Elementos de Produção de Ar Comprimido Compressores Definição Universidade Paulista Unip Compressores são máquinas destinadas a elevar a pressão de um certo volume de ar, admitido nas condições atmosféricas,

Leia mais

Ligação Metálica Elétrons da última camada dão origem a nuvens eletrônicas Elétrons livres entre cátions de metais

Ligação Metálica Elétrons da última camada dão origem a nuvens eletrônicas Elétrons livres entre cátions de metais 1 2 3 Ligação Metálica Elétrons da última camada dão origem a nuvens eletrônicas Elétrons livres entre cátions de metais 4 Agregado de cátions mergulhados em um mar de elétrons livres Rede Cristalina Disposição

Leia mais

ANÁLISE DA SENSITIZAÇÃO DE JUNTAS SOLDADAS EM AÇO INOXIDÁVEL AISI 409 PARA USO EM SISTEMA DE EXAUSTÃO VEICULAR

ANÁLISE DA SENSITIZAÇÃO DE JUNTAS SOLDADAS EM AÇO INOXIDÁVEL AISI 409 PARA USO EM SISTEMA DE EXAUSTÃO VEICULAR ANÁLISE DA SENSITIZAÇÃO DE JUNTAS SOLDADAS EM AÇO INOXIDÁVEL AISI 409 PARA USO EM SISTEMA DE EXAUSTÃO VEICULAR Giovanna Agarelli 1 ; Susana Marraccini Giampietri Lebrão 2 1 Aluno de Iniciação Científica

Leia mais

DIAGRAMA Fe-C. DIAGRAMA Fe-Fe 3 C

DIAGRAMA Fe-C. DIAGRAMA Fe-Fe 3 C 1 DIAGRAMA Fe-C DIAGRAMA Fe-Fe 3 C ALOTROPIA DO FERRO PURO Na temperatura ambiente, o ferro puro apresenta estrutura cristalina cúbica de corpo centrado (CCC), denominada ferrita alfa (α). A estrutura

Leia mais

Evolução da fração volumétrica de ferrita durante a formação de fase sigma do aço SAF 2205.

Evolução da fração volumétrica de ferrita durante a formação de fase sigma do aço SAF 2205. Projeto de iniciação científica Evolução da fração volumétrica de ferrita durante a formação de fase sigma do aço SAF 2205. Relatório Final Bolsista: RODRIGO DI PIETRO GERZELY e-mail: rpietro@fei.edu.br

Leia mais

Art. 3º - Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta deverão ser encaminhadas para o endereço abaixo:

Art. 3º - Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta deverão ser encaminhadas para o endereço abaixo: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 161, de 30 de setembro de 2003. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

Período de injeção. Período que decorre do início da pulverização no cilindro e o final do escoamento do bocal.

Período de injeção. Período que decorre do início da pulverização no cilindro e o final do escoamento do bocal. CAPÍTULO 9 - MOTORES DIESEL COMBUSTÃO EM MOTORES DIESEL Embora as reações químicas, durante a combustão, sejam indubitavelmente muito semelhantes nos motores de ignição por centelha e nos motores Diesel,

Leia mais

Aços Longos. Barras Trefiladas

Aços Longos. Barras Trefiladas Aços Longos Barras Trefiladas Soluções em aço seguro e sustentável. Resultado da união dos dois maiores fabricantes mundiais de aço, a ArcelorMittal está presente em mais de 60 países, fabricando Aços

Leia mais

USO DA INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA NO TRATAMENTO TÉRMICO DE FERRAMENTAS DE PENETRAÇÃO DE SOLOS: AUMENTO DO DESEMPENHO OPERACIONAL E DA DE DURABILIDADE

USO DA INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA NO TRATAMENTO TÉRMICO DE FERRAMENTAS DE PENETRAÇÃO DE SOLOS: AUMENTO DO DESEMPENHO OPERACIONAL E DA DE DURABILIDADE USO DA INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA NO TRATAMENTO TÉRMICO DE FERRAMENTAS DE PENETRAÇÃO DE SOLOS: AUMENTO DO DESEMPENHO OPERACIONAL E DA DE DURABILIDADE Ramos, Daniela Magalhães 1 Ferreira, Carlos Roberto 2

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS. Prof. Carlos Falcão Jr.

INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS. Prof. Carlos Falcão Jr. INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS Prof. Carlos Falcão Jr. Conformação de Materiais Metálicos Estampagem É um processo de conformação mecânica, que compreende um conjunto de operações por intermédio

Leia mais

Resistência dos Materiais

Resistência dos Materiais Aula 5 Carga Axial e Princípio de Saint-Venant Carga Axial A tubulação de perfuração de petróleo suspensa no guindaste da perfuratriz está submetida a cargas e deformações axiais extremamente grandes,

Leia mais

DIAGRAMAS DE FASE. Prof. Rubens Caram

DIAGRAMAS DE FASE. Prof. Rubens Caram DIAGRAMAS DE FASE Prof. Rubens Caram 1 CONCEITOS GERAIS DIAGRAMAS DE FASES: REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DAS FASES PRESENTES EM UM SISTEMA MATERIAL DE ACORDO COM AS CONDIÇÕES DE PRESSÃO, TEMPERATURA E COMPOSIÇÃO

Leia mais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais 3.1 O ensaio de tração e compressão A resistência de um material depende de sua capacidade de suportar uma carga sem deformação excessiva ou ruptura. Essa

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

2 Revisão Bibliográfica

2 Revisão Bibliográfica 20 2 Revisão Bibliográfica 2.1 Aços utilizados na Indústria Automotiva Os aços automotivos podem ser classificados de três formas diferentes: 1) por denominação metalúrgica; 2) pela resistência do aço

Leia mais

Conformação dos Metais Prof.: Marcelo Lucas P. Machado

Conformação dos Metais Prof.: Marcelo Lucas P. Machado Conformação dos Metais Prof.: Marcelo Lucas P. Machado INTRODUÇÃO Extrusão - processo no qual um tarugo de metal é reduzido em sua seção transversal quando forçado a fluir através do orifício de uma matriz,

Leia mais

TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE.

TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. PARA FURAR MATERIAIS DE ALTA RESISTÊNCIA OU EM CONDIÇÕES EXTREMAS, UTILIZE NOSSA GAMA DE SOLUÇÕES. ALTA PERFORMANCE COM MÁXIMA

Leia mais

Telecurso 2000 Processos de fabricação Peça; Retalho; Tira.

Telecurso 2000 Processos de fabricação Peça; Retalho; Tira. Conjunto de processos: Corte, Dobramento/curvamento (calandragem), Embutimento (estamp. profunda), Cunhagem, Perfilamento, Repuxamento. Processo a frio, Produto acabado, Matéria prima laminada, Forma volumétrica,

Leia mais

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Tópico 7E Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Introdução Já vimos que a deformação plástica de um metal decorre da movimentação interna de discordâncias, fazendo com que planos cristalinos

Leia mais

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Este processo é empregado para produzir peças de diferentes tamanhos e formas, constituído de materiais variados (ferrosos

Leia mais

2.4-Aços inoxidáveis dúplex:

2.4-Aços inoxidáveis dúplex: N (Nitrogênio): Juntamente com o cromo e molibdênio, é usado para dar maior resistência à corrosão. Adições de nitrogênio (0,1% a 0,3%) aumentam significativamente a resistência à corrosão por pite. Estudos

Leia mais

Figura 6.1 - Ar sangrado do compressor da APU

Figura 6.1 - Ar sangrado do compressor da APU 1 Capítulo 6 - SANGRIA DE AR 6.1 - Finalidade e características gerais A finalidade da APU é fornecer ar comprimido para os sistemas pneumáticos da aeronave e potência de eixo para acionar o gerador de

Leia mais

RESFRIAMENTO ACELERADO DE CHAPAS GROSSAS: O FUTURO CHEGOU 1. Antonio Augusto Gorni Companhia Siderúrgica Paulista COSIPA gorni@cosipa.com.

RESFRIAMENTO ACELERADO DE CHAPAS GROSSAS: O FUTURO CHEGOU 1. Antonio Augusto Gorni Companhia Siderúrgica Paulista COSIPA gorni@cosipa.com. RESFRIAMENTO ACELERADO DE CHAPAS GROSSAS: O FUTURO CHEGOU 1 Antonio Augusto Gorni Companhia Siderúrgica Paulista COSIPA gorni@cosipa.com.br José Herbert Dolabela da Silveira Companhia Siderúrgica Paulista

Leia mais

Usinagem com Altíssima Velocidade de Corte

Usinagem com Altíssima Velocidade de Corte Capítulo 2 Revisão da Literatura Usinagem com Altíssima Velocidade de Corte 2.1. Aspecto Histórico A primeira sugestão de um trabalho com HSM foi feita por Salomon, em 1931, que propôs que existiria uma

Leia mais

Parâmetros de corte. Você só vai saber a resposta, se estudar esta aula. Os parâmetros

Parâmetros de corte. Você só vai saber a resposta, se estudar esta aula. Os parâmetros Parâmetros de corte Na aula passada, você aprendeu que usinagem é todo o processo de fabricação pelo qual o formato de uma peça é modificado pela remoção progressiva de cavacos ou aparas de material. Você

Leia mais

Parafusos III. Até agora você estudou classificação geral. Parafuso de cabeça sextavada

Parafusos III. Até agora você estudou classificação geral. Parafuso de cabeça sextavada A U A UL LA Parafusos III Introdução Até agora você estudou classificação geral dos parafusos quanto à função que eles exercem e alguns fatores a serem considerados na união de peças. Nesta aula, você

Leia mais

- CAPÍTULO 2 MATERIAIS CONDUTORES

- CAPÍTULO 2 MATERIAIS CONDUTORES MATERIAIS ELÉTRICOS Prof. Rodrigo Rimoldi - CAPÍTULO 2 MATERIAIS CONDUTORES (Aula 6) Metais Mercúrio (Hg) Metais Único metal líquido à temperatura ambiente; Resistividade relativamente elevada (95 10-8

Leia mais

Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid

Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid Tensão Propriedades Mecânicas: Tensão e Deformação Deformação Elástica Comportamento tensão-deformação O grau com o qual a estrutura cristalina

Leia mais

Assuma o controle com as soluções SKF para o setor de siderurgia

Assuma o controle com as soluções SKF para o setor de siderurgia Assuma o controle com as soluções SKF para o setor de siderurgia O Poder do Conhecimento em Engenharia A única coisa mais intensa que o calor é a sua concorrência Poucos ambientes industriais têm condições

Leia mais

Tratamento térmico. A.S.D Oliveira

Tratamento térmico. A.S.D Oliveira Tratamento térmico Porque fazer Tratamentos Térmicos? Modificação de propriedades sem alterar composição química, pela modificação da microestrutura Sites de interesse: www.infomet.com.br www.cimm.com.br

Leia mais