24/10/2015. Materias de Construção. Metais. José Carlos G. Mocito Metais. Os átomos se encontram coesos pela ligação metálica.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "24/10/2015. Materias de Construção. Metais. José Carlos G. Mocito email:jmocito@ipcb.pt. Metais. Os átomos se encontram coesos pela ligação metálica."

Transcrição

1 Materiais de Construção Metais José Carlos G. Mocito 1 Metais Os átomos se encontram coesos pela ligação metálica. 2 1

2 Propriedades Mecânicas Resistência à rotura Deformabilidade Tenacidade Dureza Soldabilidade Térmicas Elevada condutividade térmica Coeficiente de dilatação 3 Propriedades Eléctricas Elevada condutividade eléctrica Resistividade, que aumenta com a temperatura Ópticas Reflectividade Químicas Corrosão Oxidação 4 2

3 Divisão dos metais Metais ferrosos Aço Ferro Fundido Metais Não ferrosos Elevada densidade p> 5g.cm -3 (Cu, Ni, Zu, Pb) Baixa densidade p< 5g.cm -3 (Al, Ti) 5 Diagrama Tensão/Deformação Diagrama Tensão/Deformação caraterístico dos metais 6 3

4 Modo de obtenção Mineração - Colheita Céu Aberto Subterrânea A ferro A Fogo - Concentração > Processos mecânicos Trituração Classificação Levigação Flotação > Processos químicos 7 Estrutura Cristalina Os metais têm estrutura cristalina; a forma regular dos cristais permite uma maior energia de ligação entre os átomos. Estrutura Cúbica de Faces Centradas Alumínio Cobre Ouro Chumbo Ferro (a temperaturas elevadas) Estrutura Cúbica de Corpo Centrado Sódio Titânio Ferro 8 4

5 Estrutura Cristalina Estrutura Hexagonal Magnésio Zinco Zircónio 9 Estrutura Metais simples - têm átomos de apenas 1 elemento ex. Cobre, ferro, Alumínio. Metais impuros (ligas) - geralmente de elementos com raios atómicos idênticos e com tendência semelhante para ceder e receber electrões. ex. Latão 70% de Cu e 30% de Zn. 10 5

6 Estrutura A tecnologia moderna não usa metais em estado puro e sim metais novos que não existem na natureza. Acrescentando-se um pouco de sal de cozinha a um copo de água verifica-se a dissolução do sal com a água. Os metais fundidos podem se dissolver e se misturar depois de solidificados formando novos materiais de características diferentes. Isso é realizado porque em geral os metais puros não reúnem todas as qualidades necessárias. O latão, chamado de liga Muntz é muito resistente à tracção e acção corrosiva da água salgada, sendo por isso empregada na fabricação de partes de embarcações. 11 Estrutura Grão - núcleo de cristais com rede cristalina de orientação bem definida. Zona de fronteira - que separa os grãos e onde a densidade de átomos é menor dada as diferentes orientações. Têm por isso mais energia disponível participando facilmente nas reacções. O tamanho do grão é importante nas propriedades de um metal porque influencia a área de fronteira de acordo com a sua superfície específica. Ferrite (0.006% C) Ferrite + Perlite (0.25% C) 12 6

7 Diagramas de Equilíbrio Liga Chumbo-Antimónio (O Antimónio é responsável por endurecer o chumbo e expandi-lo após ser arrefecido. Esta propriedade torna-o muito útil pois na liga de chumbo o Antimónio permite dar um melhor acabamento aos objetos. A aplicação da liga é em finas peças moldadas, como por exemplo, em ligas para sinos. 13 Diagramas de Equilíbrio Liga Chumbo-Antimónio 14 7

8 Diagramas de Equilíbrio Diagrama de Equilíbrio característico de uma liga 15 Diagramas de Equilíbrio Liga Chumbo-Antimónio Cálculo das percentagens de elementos líquidos e sólidos (ponto A) % Pb líquido = b / a + b = 0.3 / = 0.6 = 60% % Sb sólido = sa / a + b = 0.2 / = 0.4 = 40% 16 8

9 Deformação Deformação elástica - O Módulo de Young dos metais é geralmente elevado, descendo com a temperatura. O ferro a 900 o C é uma excepção. Deformação plástica - Os metais têm deformação plástica ou seja a deformação no plano do cristal, introduzindo deformações pelo deslocamento dos átomos, criando zonas de tensão e compressão 17 Processamento A maioria dos metais é processada inicialmente por fundição, sendo químicamente refinados, enquanto fundidos, para remover as impurezas. Após a fundição o metal é vazado no interior de um molde onde solidificará. Posteriormente os metais podem ser processados através de deformação induzida por trabalho mecânico designada por formação (processamento mecânico). Neste caso a forma é permanentemente modificada. Inicialmente pode-se utilizar uma temperatura muito alta, já que neste caso, o material é mais macio e mais dúctil. A essas temperaturas é necessário menos energia para a deformação e a hipótese de fractura é menor. 18 9

10 Processamento Os processos mais comuns de formação mecânica a quente, também designados de técnicas primárias, são: Laminagem Forjamento: molde ou matelamento Extrusão 19 Processamento Após as etapas de deformação primária, é frequentemente desejável continuar o processo à temperatura ambiente. Nesta altura do processamento as dimensões já são menores e por isso, as forças e energia necessárias são mais reduzidas. Evitam-se assim os custos de instalação e operação de fornos e de consumo de combustível. Também porque a maioria dos metais oxida-se rapidamente a altas temperaturas, sendo mais vantajoso operar a baixas temperaturas. O controle dimensional também é mais exacto

11 Processamento Os processos mais comuns de deformação a frio (também designados de técnicas secundárias) são: Trefilagem Rotação Embutimento ou Estampagem 21 Processamento O acto do processamento mecânico por rotação designa-se geralmente por maquinação e é o método mais usado de remoção de metal. É um processo que combina o corte com a deformação mecânica. A lamina que executa a maquinação recebe o nome de freza. A maquinação pode ser executado através de: Torno Perfuradora Frezadora 22 11

12 Processamento Térmico Por vezes os metais necessitam de um processamento térmico posterior às técnicas primárias, que pode ter os seguintes objectivos: - Libertação de tensões introduzidas por. processamento mecânico por desvio do plano dos átomos. processamento térmico dado que no arrefecimento podem coexistir partes líquidas e partes sólidas. 23 Processamento Térmico - Homogeneização, nomeadamente da sua estrutura cristalina; pode haver diferenças significativas na distribuição dos cristais criando-se zonas mais densas que outras. Também uniformizar e diminuir o tamanho dos grãos. - Modificação da dureza. Os processos mais comuns são o recozimento e a recristalização 24 12

13 Processamento Térmico Recozimento - Processo pelo qual o material sofre um aquecimento prolongado e é lentamente arrefecido (ao contrário da têmpera). As vantagens obtidas variam de material para material. O vidro, quando recozido e arrefecido lentamente, não modifica a dureza e reduz a possibilidade de quebra posterior pela remoção das tensões residuais, evitando a fractura térmica. O bronze, depois de trabalhado a frio, se for recozido ficará mais macio. No ferro fundido, após recozimento, aumenta-se a ductilidade. 25 Processamento Térmico Recristalização - É um processo de recozimento, mas a uma temperatura determinada, que varia consoante o material, pretendendo-se uma elevação da temperatura que permita nova nucleação e/ou crescimento de novos cristais

14 Processamento Térmico Homogeneização (Saturação) Um produto uniforme é desejável na maioria dos casos. Uma maior uniformidade da composição do produto é conseguida através de tratamentos térmicos apropriados. A homogeneização obtém-se submetendo os metais fundidos a temperatura tão alta quanto possível (considerávelmente superior à da recristalização), mas menor que a da fusão e daquela que possa provocar excessivo 27 Endurecimento Endurecimento A necessidade de tornar os metais mais fortes, a fim de poderem resistir aos esforços que lhe são exigidos, levou à criação de técnicas que permitissem o seu endurecimento. Já vimos que o endurecimento pode ser obtido através de processos térmicos. Vamos ver agora 2 outros processos

15 Endurecimento Encruamento - a deformação plástica conduz ao aparecimento de deslocações em cunha na estrutura dos metais. Se estas forem muito numerosas, interaccionam entre si, requerendo uma maior tensão para que se desloquem. Aumentam, portanto, a resistência de um metal. Os metais são deformados plásticamente a frio, introduzindo-se tensões, aumentando-se a dureza e a resistência, reduzindo-se a ductibilidade. 29 Endurecimento O segundo modo de endurecer os metais é através de solução sólida (liga), que é também mais forte que um metal puro. Esse é um dos motivos porque se utiliza o latão, solução sólida de zinco e cobre, em trabalhos que requerem ligas fortes. O endurecimento deve-se ao facto de um átomo estranho de maior ou menor raio, implicar uma maior densidade e maior área, requerendo maior energia

16 Corrosão Os metais encontram-se na Natureza na forma de óxidos, carbonatos e sulfatos. Têm tendência para passarem à forma em que se encontravam. Estados de reacção à Corrosão: Passivação: estado em que os potenciais se equilibram diminuindo a intensidade da corrente; Corrosão: estado em que o metal se corrói. Imunidade: metais potencialmente muito negativos ou muito positivos. 31 Formas de Corrosão Oxidação: Combinando-se com moléculas de oxigénio. Corrosão electroquímica: Originando-se uma galvanização (ex. Zinco -1V e Cobre +0.1V). Cloratos: aumentam o potencial eléctrico dos metais Ácidos: Dióxido de enxofre na presença da água transforma-se em ácido sulfúrico. Alcalinos: Carbonatação, ácido carbónico

17 Formas de Corrosão OXIDAÇÃO É uma reacção catódica (consome electrões). A ferrugem é uma forma hidratada não solúvel na água, em que o ferro é o Ânodo. É necessária presença abundante de oxigénio. CORROSÃO ELECTROQUÍMICA Ocorre quando existem células galvânicas na presença de um electrólito. De composição: ex. aço galvanizado, ligas bifásicas (martensite >ferrite+perlite)(latão aço). De tensão: ex. grãos, zonas deformadas, impurezas. De concentração: Em eléctrólitos pouco concentrados, Arejamento diferencial (pouco oxigénio). 33 Fatores que podem aumentar a Corrosão Defeitos de superfície Soldaduras Humidade Humidade salina Formas das peças: cantos, ângulos, reentrâncias. Esforços residuais, fadiga, vibração Têmpera 34 17

18 Proteção de metais Os metais necessitam, na sua generalidade, de protecção adequada nas suas superfícies, como forma de os proteger das várias acções a que podem estar sujeitos. As técnicas mais utilizadas relacionam-se com a aplicação de um revestimento.: Imersão - com a aderência de um metal fundido; Deposição electrolítica - também designada de galvanização, é executada através da constituição de uma pilha, em que a superfície a proteger é carregada negativamente eoelectrólitocontémumsaldometal protector. 35 Proteção de metais Projecção - feita com pistolas que projectam um metal no estado líquido ou em pó. Pintura - aplicando-se tintas ou vernizes Calorização - por aplicação de um metal com baixo ponto de fusão. Laminagem com adesão de uma lâmina de um outro metal por via mecânica

19 Proteção de metais Evitando pares galvânicos: Um só metal, película superficial passiva (Aço inox) Introduzindo protecção galvânica: Metal menos nobre, Tensão aplicada ao metal (electrões extras são fornecidos criando-se um cátodo). 37 Proteção de metais Série Catódica (Extremidade nobre) Ouro Aço Inox Níquel Bronze Cobre Latão Estanho Chumbo Aço Ferro fundido Cádmio Zinco Alumínio Magnésio Série Anódica (Extremidade activa) 38 19

20 Preparação das superfícies As superfícies necessitam previamente de ser preparadas, por forma a remover as impurezas indesejáveis, nomeadamente os óxidos que se possam ter formado. As formas mais comuns são: Via mecânica - por projecção de areia ou de partículas metálicas (grenalha), desbaste (em profundidade) ou polimento (na superfície). Via química - decapagem por imersão, projecção ou aplicação de pasta

Tratamento Térmico. Profa. Dra. Daniela Becker

Tratamento Térmico. Profa. Dra. Daniela Becker Tratamento Térmico Profa. Dra. Daniela Becker Diagrama de equilíbrio Fe-C Fe 3 C, Fe e grafita (carbono na forma lamelar) Ligas de aços 0 a 2,11 % de C Ligas de Ferros Fundidos acima de 2,11% a 6,7% de

Leia mais

Soldadura do cobre e suas ligas

Soldadura do cobre e suas ligas Soldadura do cobre e suas ligas As principais ligas são os latões (Cu-Zn) e os bronze-alum alumínios (Cu-Al) A maior dificuldade que surge na soldadura dos cobres está relacionada com a presença de óxido

Leia mais

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 08. Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) Tratamentos Termo-Físicos e Termo-Químicos

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 08. Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) Tratamentos Termo-Físicos e Termo-Químicos Aula 08 Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) e Termo-Químicos Prof. Me. Dario de Almeida Jané Tratamentos Térmicos Parte 2 - Introdução - - Recozimento - Normalização - Têmpera - Revenido

Leia mais

CORROSÃO. Química Geral Prof a. Dr a. Carla Dalmolin

CORROSÃO. Química Geral Prof a. Dr a. Carla Dalmolin CORROSÃO Química Geral Prof a. Dr a. Carla Dalmolin CORROSÃO - DEFINIÇÃO Ferrugem Deterioração Oxidação Perda de material ASTM G15: Reação química ou eletroquímica entre um material (geralmente metálico)

Leia mais

- CAPÍTULO 2 MATERIAIS CONDUTORES

- CAPÍTULO 2 MATERIAIS CONDUTORES MATERIAIS ELÉTRICOS Prof. Rodrigo Rimoldi - CAPÍTULO 2 MATERIAIS CONDUTORES (Aula 6) Metais Mercúrio (Hg) Metais Único metal líquido à temperatura ambiente; Resistividade relativamente elevada (95 10-8

Leia mais

Metais alcalinos - Grupo 1A

Metais alcalinos - Grupo 1A Metais alcalinos - Grupo 1A Li / Na / K / Rb / Cs / Fr Na e K são os mais abundantes ns 1 - aparecem normalmente como iões positivos ( +) Não se encontram isolados na natureza / reacção com não-metais

Leia mais

1. Difusão. A difusão só ocorre quando houver gradiente de: Concentração; Potencial; Pressão.

1. Difusão. A difusão só ocorre quando houver gradiente de: Concentração; Potencial; Pressão. 1. Difusão Com frequência, materiais de todos os tipos são tratados termicamente para melhorar as suas propriedades. Os fenômenos que ocorrem durante um tratamento térmico envolvem quase sempre difusão

Leia mais

Tratamentos térmicos dos aços

Tratamentos térmicos dos aços Tratamentos térmicos dos aços Recozimento Aquecimento a Trec., seguido de arrefecimento lento Rec. relaxação de tensões Rec. esferoizidação Rec. completo Normalização Rec. após deformação plástica Têmpera

Leia mais

METAIS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

METAIS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho METAIS E LIGAS METÁLICAS Os metais e as ligas metálicas são solicitados, para determinadas aplicações, pelas propriedades que apresentam. Ligas Metálicas São materiais que possuem propriedades metálicas,

Leia mais

AÇOS ESTRUTURAIS. Fabio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 1

AÇOS ESTRUTURAIS. Fabio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 1 ESTRUTURAIS Fabio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 1 INTRODUÇÃO Dentre os materiais encontrados no nosso dia-a-dia, muitos são reconhecidos como sendo metais, embora, em quase sua totalidade, eles sejam,

Leia mais

Classificação dos materiais. Profa. Daniela Becker

Classificação dos materiais. Profa. Daniela Becker Classificação dos materiais Profa. Daniela Becker Classificação dos materiais A classificação tradicional dos materiais é geralmente baseada na estrutura atômica e química destes. Classificação dos materiais

Leia mais

Conformação dos Metais Prof.: Marcelo Lucas P. Machado

Conformação dos Metais Prof.: Marcelo Lucas P. Machado Conformação dos Metais Prof.: Marcelo Lucas P. Machado INTRODUÇÃO Extrusão - processo no qual um tarugo de metal é reduzido em sua seção transversal quando forçado a fluir através do orifício de uma matriz,

Leia mais

Ligação Metálica Elétrons da última camada dão origem a nuvens eletrônicas Elétrons livres entre cátions de metais

Ligação Metálica Elétrons da última camada dão origem a nuvens eletrônicas Elétrons livres entre cátions de metais 1 2 3 Ligação Metálica Elétrons da última camada dão origem a nuvens eletrônicas Elétrons livres entre cátions de metais 4 Agregado de cátions mergulhados em um mar de elétrons livres Rede Cristalina Disposição

Leia mais

Perguntas de Materiais 2. Perguntas para Teste 1

Perguntas de Materiais 2. Perguntas para Teste 1 Perguntas de Materiais 2 Perguntas para Teste 1 1. De que dependem as propriedades mecânicas, físicas, químicas, tecnológicas dum material? 2. Que propriedades mecânicas, físicas, químicas, tecnológicas

Leia mais

Actividade de Química 12º ano

Actividade de Química 12º ano Actividade de Química 12º ano AL 1.3- Corrosão e Protecção dos metais O laboratório é um local de trabalho onde a segurança é fundamental na manipulação de materiais e equipamentos, devendo por isso adoptar-se

Leia mais

LIGAS METÁLICAS IMPUREZAS NOS METAIS

LIGAS METÁLICAS IMPUREZAS NOS METAIS LIGAS METÁLICAS 1 Os metais são geralmente utilizados na forma de ligas, ou seja; consistem em misturas de dois ou mais elementos químicos. Nas ligas metálicas, pelo menos um dos elementos é metal e a

Leia mais

endurecíveis por precipitação.

endurecíveis por precipitação. Introdução Tipos de Aços Inoxidáveis Aço inoxidável é o nome dado à família de aços resistentes à corrosão e ao calor contendo no mínimo 10,5% de cromo. Enquanto há uma variedade de aços carbono estrutural

Leia mais

Soldabilidade de Metais. Soldagem II

Soldabilidade de Metais. Soldagem II Soldabilidade de Metais Soldagem II Soldagem de Ligas Metálicas A American Welding Society (AWS) define soldabilidade como a capacidade de um material ser soldado nas condições de fabricação impostas por

Leia mais

MEDIÇÃO DE TEMPERATURA

MEDIÇÃO DE TEMPERATURA MEDIÇÃO DE TEMPERATURA 1 INTRODUÇÃO Temperatura é sem dúvida a variável mais importante nos processos industriais, e sua medição e controle, embora difíceis, são vitais para a qualidade do produto e a

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMO - QUÍMICOS

TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMO - QUÍMICOS TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMO - QUÍMICOS Tratamentos térmicos e termo-químicos Recozimento Normalização Têmpera Revenimento Cementação Nitretação Tratamentos Térmicos Operações de aquecimento de um material

Leia mais

UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE. Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Materiais para Produção Industrial

UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE. Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Materiais para Produção Industrial UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE Curso: Disciplina: Aula 5 Tratamento Térmico Tratamento Térmico O tratamento térmico pode ser definido de forma simples como um processo de aquecimento e/ou

Leia mais

Curso de MIQ - Profa. Simone P. Taguchi Borges DEMAR/EEL/USP COBRE E SUAS LIGAS

Curso de MIQ - Profa. Simone P. Taguchi Borges DEMAR/EEL/USP COBRE E SUAS LIGAS Cobre e suas ligas 1 COBRE E SUAS LIGAS Cobre e suas ligas 2 PRINCIPAIS RESERVAS DE COBRE Encontram-se no Chile, EUA, Canadá,, antiga URSS, Peru, Zambia e Zaire CUSTO 3-4 vezes mais caro que o Al e 6-7

Leia mais

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS TECNOLOGIA DOS MATERIAIS Aula 7: Tratamentos em Metais Térmicos Termoquímicos CEPEP - Escola Técnica Prof.: Transformações - Curva C Curva TTT Tempo Temperatura Transformação Bainita Quando um aço carbono

Leia mais

Curso de MIQ - Profa. Simone P. Taguchi Borges DEMAR/EEL/USP Proteção de superfícies 1

Curso de MIQ - Profa. Simone P. Taguchi Borges DEMAR/EEL/USP Proteção de superfícies 1 Curso de MIQ - Profa. Simone P. Taguchi Borges DEMAR/EEL/USP Proteção de superfícies 1 CORROSÃO METÁLICA: É a deterioração e a perda de material devido a ação química ou eletroquímica do meio ambiente,

Leia mais

Prevenção da corrosão de componentes metálicos da construção

Prevenção da corrosão de componentes metálicos da construção Seminário MATERIAIS EM AMBIENTE MARÍTIMO Prevenção da corrosão de componentes metálicos da construção Rute Fontinha Funchal Outubro de 2007 Corrosão DEGRADAÇÃO DOS COMPONENTES METÁLICOS Consequências:

Leia mais

Os metais aparecem na natureza em estado livre ou compostos. Concentrados em jazidas. Os principais minérios são:

Os metais aparecem na natureza em estado livre ou compostos. Concentrados em jazidas. Os principais minérios são: Materiais Metálicos INTRODUÇÃO Metal (do ponto de vista tecnológico) pode ser definido como elemento químico que existe como cristal ou agregado de cristais, no estado sólido, caracterizado pelas seguintes

Leia mais

Propriedades Mecânicas. Prof. Hamilton M. Viana

Propriedades Mecânicas. Prof. Hamilton M. Viana Propriedades Mecânicas Prof. Hamilton M. Viana Propriedades Mecânicas Propriedades Mecânicas Definem a resposta do material à aplicação de forças (solicitação mecânica). Força (tensão) Deformação Principais

Leia mais

TECNOLOGIA NAVAL. Parte - III MATERIAIS METÁLICOS 2003-2004

TECNOLOGIA NAVAL. Parte - III MATERIAIS METÁLICOS 2003-2004 TECNOLOGIA NAVAL 2003-2004 Parte - III MATERIAIS METÁLICOS INDICE 1 Metais ferrosos 1 1.1 Introdução 1 1.1.1 Generalidades 1 1.1.2 Composição e Estrutura 1 1.1.3 Elementos de liga e seus efeitos 6 1.2

Leia mais

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Este processo é empregado para produzir peças de diferentes tamanhos e formas, constituído de materiais variados (ferrosos

Leia mais

CAMPUS REGIONAL DE RESENDE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ÊNFASE EM PRODUÇÃO MECÂNICA

CAMPUS REGIONAL DE RESENDE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ÊNFASE EM PRODUÇÃO MECÂNICA UERJ CAMPUS REGIONAL DE RESENDE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ÊNFASE EM PRODUÇÃO MECÂNICA CAPÍTULO 8: AÇOS PARA CONSTRUÇÃO MECÂNICA DEPARTAMENTO DE MECÂNICA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA IV PROF. ALEXANDRE

Leia mais

UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE. Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Materiais para Produção Industrial

UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE. Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Materiais para Produção Industrial UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE Curso: Disciplina: Aula 1 PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS METAIS POR QUÊ ESTUDAR? A determinação e/ou conhecimento das propriedades mecânicas é muito importante

Leia mais

UM ENSAIO DO PROCESSO DE RECOZIMENTO PLENO

UM ENSAIO DO PROCESSO DE RECOZIMENTO PLENO UM ENSAIO DO PROCESSO DE RECOZIMENTO PLENO Anderson Fanchiotti da Silva, Deyvson Martins Fanti, Diego Serra, Everton Moreira Chaves, Fabiano Botassoli, Hedylani N. F. Corsini, Patrik Mantovani de Oliveira,

Leia mais

Materiais de construção de máquinas

Materiais de construção de máquinas Universidade Estadual do Norte Fluminense Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias Laboratório de Engenharia Agrícola EAG 03204 Mecânica Aplicada * Materiais de construção de máquinas 1. Introdução

Leia mais

Os tratamentos termoquímicos. micos

Os tratamentos termoquímicos. micos Os tratamentos termoquímicos micos Os tratamentos termoquímicos micos Turma 6821 Arthur Galvão, Fábio F Borges, Israel Lima e Vitor Alex Tratamentos Termoquímicos? micos? são os tratamentos que visam o

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 19/08/2008 1 CONFORMAÇÃO MECÂNICA Em um ambiente industrial, a conformação mecânica é qualquer operação durante a qual se aplicam esforços mecânicos

Leia mais

Materiais / Materiais I

Materiais / Materiais I Materiais / Materiais I Guia para o Trabalho Laboratorial n.º 4 CORROSÃO GALVÂNICA E PROTECÇÃO 1. Introdução A corrosão de um material corresponde à sua destruição ou deterioração por ataque químico em

Leia mais

GalvInfo Center - Um programa do International Zinc Association

GalvInfo Center - Um programa do International Zinc Association - Um programa do International Zinc Association 2. Processos de Revestimento e Tratamentos de Superfície GalvInfoNote 2.3 Introdução Galvanização por Imersão a Quente por Processo Contínuo Versus Galvanização

Leia mais

Parabond Zinco. Produto elástico para todo tipo de metais.

Parabond Zinco. Produto elástico para todo tipo de metais. Parabond Zinco Produto elástico para todo tipo de metais. Produto: Parabond Zinco é um elastómero de alta qualidade, de rápido endurecimento, permanentemente elástico, à base de MS polímero com elevada

Leia mais

PETG DATASHEET. www.vick.com.br

PETG DATASHEET. www.vick.com.br Pág. 1 / 5 Um plástico que pode ser parafusado, estampado à quente, cortado, facilmente termoformado, ou mesmo dobrado a frio sem lascar, esbranquiçar, rachar ou ficar irregular. É um plástico econômico

Leia mais

Materiais Aço Inox /Aço Carbono

Materiais Aço Inox /Aço Carbono Materiais Aço Inox /Aço Carbono DEFINIÇÕES DOS AÇOS Aço Carbono: Uma liga ferrosa em que o carbono é o principal elemento de liga. Aço Inoxidável: Uma liga de aço altamente resistente a corrosão em uma

Leia mais

Tecnologia Mecânica MATERIAIS. Roda de aço. Mapa do Brasil em cobre. Prof. Marcio Gomes

Tecnologia Mecânica MATERIAIS. Roda de aço. Mapa do Brasil em cobre. Prof. Marcio Gomes Alumínio Tecnologia Mecânica Ferro fundido MATERIAIS Roda de aço Mapa do Brasil em cobre Introdução Átomo: modelo de Bohr Tecnologia Mecânica O átomo, que não dá para a gente ver nem com um microscópio,

Leia mais

AULA 11 FORMAÇÃO, TIPOS E GEOMETRIAS DE CAVACO

AULA 11 FORMAÇÃO, TIPOS E GEOMETRIAS DE CAVACO AULA 11 FORMAÇÃO, TIPOS E GEOMETRIAS DE CAVACO 83 11. VARIÁVEIS DEPENDENTES DE SAÍDA: FORMAÇÃO, TIPOS E GEOMETRIAS DE CAVACO. 11.1. Generalidades Nas operações de usinagem que utilizam corte contínuo

Leia mais

ÂNODO DE SACRIFÍCIO CORRENTE IMPRESSA e- e-

ÂNODO DE SACRIFÍCIO CORRENTE IMPRESSA e- e- 1 Proteção catódica A proteção catódica é um dos métodos mais empregados para a proteção de grandes estruturas quer seja enterradas ou submersas (parcial ou totalmente). Assim, tubulações e tanques de

Leia mais

TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS

TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS 1) Numa célula eletroquímica a solução tem que ser um eletrólito, mas os eletrodos

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Tratamentos térmicos dos aços 1 TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Os tratamentos térmicos empregados em metais ou ligas metálicas, são definidos como qualquer conjunto de operações de aquecimento e resfriamento,

Leia mais

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste.

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Recobrimento metálico Um problema Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Essa proteção pode

Leia mais

Como se fazem jantes para veículos automóveis

Como se fazem jantes para veículos automóveis Supervisor: Abel Santos Monitor: Rui Barbosa 1 Como se fazem jantes para veículos automóveis Processos de Fabrico Ana Carolina Costa Ana Rita Pintão Daniel Almeida Carlos Pereira Francisco Menezes MIEM,

Leia mais

Resumo de Materiais Metálicos

Resumo de Materiais Metálicos Resumo de Materiais Metálicos André Duarte B. L. Ferreira Porto, Julho de 2012. Última atualização em Outubro de 2014 MATÉRIA 5 PROPRIEDADES 7 MECÂNICAS 7 TÉRMICAS 7 FÍSICAS 7 ELÉTRICAS 7 PREÇO 8 TERMOS

Leia mais

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos Materiais cerâmicos e vítreos Materiais inorgânicos e não-metálicos processados e / ou usados a elevadas temperaturas Cerâmicas / argilas / silicatos das mais velhas indústrias humanas (15000 AC) resistentes

Leia mais

Curso de MIQ - Profa. Simone P. Taguchi Borges DEMAR/EEL/USP Titânio e suas ligas 1. Ligas de titânio: classificação, propriedades e

Curso de MIQ - Profa. Simone P. Taguchi Borges DEMAR/EEL/USP Titânio e suas ligas 1. Ligas de titânio: classificação, propriedades e Curso de MIQ - Profa. Simone P. Taguchi Borges DEMAR/EEL/USP Titânio e suas ligas 1 Ligas de titânio: classificação, propriedades e aplicações práticas Curso de MIQ - Profa. Simone P. Taguchi Borges DEMAR/EEL/USP

Leia mais

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Tópico 7E Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Introdução Já vimos que a deformação plástica de um metal decorre da movimentação interna de discordâncias, fazendo com que planos cristalinos

Leia mais

CORROSÃO DOS MATERIAIS METÁLICOS

CORROSÃO DOS MATERIAIS METÁLICOS Capítulo 8 CORROSÃO DOS MATERIAIS METÁLICOS 8.1 Conceitos gerais A corrosão pode ser definida como a dissolução eletroquímica de metais em íons, liberando elétrons, que ocorre quando metais dessemelhantes

Leia mais

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL. Resistência à corrosão dos aços inoxidáveis

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL. Resistência à corrosão dos aços inoxidáveis COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL Resistência à corrosão dos aços inoxidáveis Formas localizadas de corrosão Os aços carbono sofrem de corrosão generalizada, onde grandes áreas da superfície

Leia mais

2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 33 2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2.1.AÇOS Os aços são definidos como ligas de ferro-carbono, contendo geralmente 0.008% até aproximadamente 2,11% de carbono, e outros elementos resultantes de seu processo de

Leia mais

Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia (ICET)

Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia (ICET) Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia (ICET) Tratamentos Térmicos Ciência dos Materiais Prof. Alcindo Danilo Oliveira Mendes 340.261-4 EP6P01 2009 2 Sumário SUMÁRIO...2 1. INTRODUÇÃO...3 1.1 TÊMPERA...6

Leia mais

Escola Politécnica de Pernambuco Departamento de Ensino Básico PROGRAMA

Escola Politécnica de Pernambuco Departamento de Ensino Básico PROGRAMA PROGRAMA Disciplina: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA Código: MECN0039 Carga Horária Semestral: 45 HORAS Número de Créditos: TEÓRICOS: 00; PRÁTICOS: 03; TOTAL: 03 Pré-Requisito: MECN0004 CIÊNCIA DOS MATERIAIS

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS.

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS. TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS. 1.Curvas de transformação contínua para os aços. as curvas ttt (tempo-temperatura-transformação) dos aços eram obtidas antigamente pelo método metalográfico. hoje em dia

Leia mais

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO De acordo com o meio corrosivo e o material, podem ser apresentados diferentes mecanismos. Os principais são: MECANISMO QUÍMICO

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE MOEDAS

CONSERVAÇÃO DE MOEDAS CONSERVAÇÃO DE MOEDAS A presente apostila é parte integrante do treinamento e-learning sobre como reconhecer cédulas e moedas legítimas do Real. Brasília, maio de 2005 Copyright Banco Central do Brasil

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP Tecnologia Mecânica Tratamentos térmicos e termo-químicos Recozimento Normalização Têmpera Revenimento Cementação Nitretação Tratamentos Térmicos

Leia mais

1. Qual a fórmula do composto formado entre o cálcio, Ca (Z = 20) e o flúor F (Z = 9)?

1. Qual a fórmula do composto formado entre o cálcio, Ca (Z = 20) e o flúor F (Z = 9)? EXERCÍCIOS REVISÃO 1ª série 1. Qual a fórmula do composto formado entre o cálcio, Ca (Z = 20) e o flúor F (Z = 9)? 2. Qual a fórmula do composto formado entre o potássio, K (Z = 19) e o enxofre, S (Z =

Leia mais

Tratamentos térmicos. 1. Introdução

Tratamentos térmicos. 1. Introdução Universidade Estadual do Norte Fluminense Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias Laboratório de Engenharia Agrícola EAG 3204 Mecânica Aplicada * Tratamentos térmicos 1. Introdução O tratamento

Leia mais

MATERIAIS SEMICONDUTORES. Prof.: Sheila Santisi Travessa

MATERIAIS SEMICONDUTORES. Prof.: Sheila Santisi Travessa MATERIAIS SEMICONDUTORES Prof.: Sheila Santisi Travessa Introdução De acordo com sua facilidade de conduzir energia os materiais são classificados em: Condutores Semicondutores Isolantes Introdução A corrente

Leia mais

USINAGEM. Prof. Fernando Penteado.

USINAGEM. Prof. Fernando Penteado. USINAGEM 1 USINAGEM Usinagem é um processo onde a peça é obtida através da retirada de cavacos (aparas de metal) de uma peça bruta, através de ferramentas adequadas. A usinagem confere à peça uma precisão

Leia mais

1. Introdução 2. 2. As funções da embalagem 2. 3. Classificação das embalagens 5. 4. Principais características dos materiais de embalagem 6

1. Introdução 2. 2. As funções da embalagem 2. 3. Classificação das embalagens 5. 4. Principais características dos materiais de embalagem 6 Capítulo I CONCEITOS GERAIS SOBRE EMBALAGEM 1. Introdução 2 2. As funções da embalagem 2 3. Classificação das embalagens 5 4. Principais características dos materiais de embalagem 6 5. O ambiente e a embalagem

Leia mais

AULA 4 AGLOMERANTES continuação

AULA 4 AGLOMERANTES continuação AULA 4 AGLOMERANTES continuação Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dra. Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil O que tem em comum

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

ENSAIO DE DUREZA EM-641

ENSAIO DE DUREZA EM-641 ENSAIO DE DUREZA DEFINIÇÃO: O ensaio de dureza consiste na aplicação de uma carga na superfície do material empregando um penetrador padronizado, produzindo uma marca superficial ou impressão. É amplamente

Leia mais

PLOCHERKAT PLOCHER KAT. Os efeitos do Plocher WasserKat: Os problemas da água canalizada: Redução substancial da adesão calcária

PLOCHERKAT PLOCHER KAT. Os efeitos do Plocher WasserKat: Os problemas da água canalizada: Redução substancial da adesão calcária PLOCHER KAT Sistema bio-catalítico para tratamento de águas canalizadas Este processo 1% natural ercializado há mais de 25 anos, garante a regeneração e estabilização meios aquáticos o: águas canalizadas,

Leia mais

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 12 Ensaio de Impacto. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 12 Ensaio de Impacto. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Ensaios Mecânicos de Materiais Aula 12 Ensaio de Impacto Tópicos Abordados Nesta Aula Ensaio de Impacto. Propriedades Avaliadas do Ensaio. Tipos de Corpos de Prova. Definições O ensaio de impacto se caracteriza

Leia mais

Usinagem I. 2016.1 Parte I Aula 6 Processos não convencionais e MicroUsinagem. Prof. Anna Carla - MECÂNICA - UFRJ

Usinagem I. 2016.1 Parte I Aula 6 Processos não convencionais e MicroUsinagem. Prof. Anna Carla - MECÂNICA - UFRJ Usinagem I 2016.1 Parte I Aula 6 Processos não convencionais e MicroUsinagem Processos não- convencionais O termo usinagem não tradicional refere- se a este grupo, que remove o material em excesso de uma

Leia mais

Tratamento térmico. A.S.D Oliveira

Tratamento térmico. A.S.D Oliveira Tratamento térmico Porque fazer Tratamentos Térmicos? Modificação de propriedades sem alterar composição química, pela modificação da microestrutura Sites de interesse: www.infomet.com.br www.cimm.com.br

Leia mais

Nesta aula falaremos sobre os metais da família do Boro e do. Ocorrência, Estrutura, Métodos de Obtenção, Aplicações e Propriedades

Nesta aula falaremos sobre os metais da família do Boro e do. Ocorrência, Estrutura, Métodos de Obtenção, Aplicações e Propriedades Aula 11 Temática: Metais da Família do Boro e do Carbono Carbono. Boa aula! Nesta aula falaremos sobre os metais da família do Boro e do METAIS DA FAMÍLIA DO BORO Ocorrência, Estrutura, Métodos de Obtenção,

Leia mais

TM 704 - Metalurgia Fisica PIPE e PG-MEC

TM 704 - Metalurgia Fisica PIPE e PG-MEC TM 704 - Metalurgia Fisica PIPE e PG-MEC Ana Sofia C. M. d Oliveira, Ph.D. Profa Titular/DEMEC Principais estruturas cristalinas dos metais Estruturas cristalinas Sistema cristalino Triclinico Monoclinico

Leia mais

AÇOS PARA FERRAMENTAS

AÇOS PARA FERRAMENTAS AÇOS PARA FERRAMENTAS FEA Processo de Fabricação de Aços Convencionais e s Lingotamento Convencional Forno Panela VD Lingotamento Contínuo ACIARIA Processo Fusão (Convencional): FEA (Forno Elétrico Arco)

Leia mais

As redes de AVAC deverão ser executadas em tubagem e acessórios de aço carbono E195NBK galvanizado, tipo STEELPRES.

As redes de AVAC deverão ser executadas em tubagem e acessórios de aço carbono E195NBK galvanizado, tipo STEELPRES. Especificações As redes de AVAC deverão ser executadas em tubagem e acessórios de aço carbono E195NBK galvanizado, tipo STEELPRES. Quando instalada em contacto directo com alvenarias, pavimentos, entre

Leia mais

Evolução da fração volumétrica de ferrita durante a formação de fase sigma do aço SAF 2205.

Evolução da fração volumétrica de ferrita durante a formação de fase sigma do aço SAF 2205. Projeto de iniciação científica Evolução da fração volumétrica de ferrita durante a formação de fase sigma do aço SAF 2205. Relatório Final Bolsista: RODRIGO DI PIETRO GERZELY e-mail: rpietro@fei.edu.br

Leia mais

Mateco UCP - Civil. Mateco UCP - Civil. Mateco UCP - Civil. Mateco UCP - Civil

Mateco UCP - Civil. Mateco UCP - Civil. Mateco UCP - Civil. Mateco UCP - Civil Mateco - UCP - Civil Materiais Metálicos: Os materiais metálicos são substâncias inorgânicas que contêm um ou mais elementos metálicos e que também podem conter alguns elementos nãometálicos; Visando à

Leia mais

Características do processo

Características do processo SOLDAGEM POR OXIGÁS Processo de soldagem que utiliza o calor gerado por uma chama de um gás combustível e o oxigênio para fundir o metal-base e o metal de adição A temperatura obtida através da chama é

Leia mais

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação:

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação: Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais Fundamentos Definição e princípio de operação: A soldagem a arco com eletrodo de tungstênio e proteção gasosa (Gas Tungsten

Leia mais

Ciência e engenharia de materiais: Uma introdução Ciências dos Materiais

Ciência e engenharia de materiais: Uma introdução Ciências dos Materiais Diagrama de Fases Bibliografia Callister Jr., W. D. Ciência e engenharia de materiais: Uma introdução. LTC, 5ed., cap 9, 2002. Shackelford, J.F. Ciências dos Materiais, Pearson Prentice Hall, 6ed., cap

Leia mais

Esferas de Aço Inox. Catálogo de Produtos Esferas de Aço Inox

Esferas de Aço Inox. Catálogo de Produtos Esferas de Aço Inox Esferas de Aço Inox Catálogo de Produtos Esferas de Aço Inox Esferas de Aço Inox A MultiEsferas possui uma larga experiência na produção e comercialização de esferas de aço inox em diversas ligas austeníticas,

Leia mais

Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Departamento de Engenharia Elétrica mehl@ufpr.br

Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Departamento de Engenharia Elétrica mehl@ufpr.br Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Departamento de Engenharia Elétrica mehl@ufpr.br 1 Ciência e Tecnologia dos Materiais faz parte do núcleo de conteúdos básicos obrigatórios para todos os cursos de Engenharia

Leia mais

Física. Questão 1. Questão 2. Avaliação: Aluno: Data: Ano: Turma: Professor:

Física. Questão 1. Questão 2. Avaliação: Aluno: Data: Ano: Turma: Professor: Avaliação: Aluno: Data: Ano: Turma: Professor: Física Questão 1 (Unirio 2000) Um aluno pegou um fina placa metálica e nela recortou um disco de raio r. Em seguida, fez um anel também de raio r com um fio

Leia mais

GalvInfo Center - Um programa do International Zinc Association

GalvInfo Center - Um programa do International Zinc Association - Um programa do International Zinc Association 2. Processos de Revestimento e Tratamentos de Superfície GalvInfoNote Gerenciamento de Banho de Zinco em Linhas de Galvanização Contínua por imersão a quente

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE)

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) Concurso Público - NÍVEL SUPERIOR CARGO: Tecnologista da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Tecnologista Junior Padrão I TEMA: CADERNO DE PROVAS

Leia mais

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio Forjamento Conceitos Iniciais Forjamento é o processo de conformação através do qual se obtém a forma desejada da peça por martelamento ou aplicação gradativa de uma pressão. Forjamento a quente Forjamento

Leia mais

REDUÇÃO E OXIDAÇÃO EM SISTEMAS INORGÂNICOS

REDUÇÃO E OXIDAÇÃO EM SISTEMAS INORGÂNICOS REDUÇÃO E OXIDAÇÃO EM SISTEMAS INORGÂNICOS EXTRAÇÃO DE ELEMENTOS A definição original de oxidação foi a da reação que um elemento reage com oxigênio e é convertido em seu óxido. Comparativamente, redução

Leia mais

Capítulo 3 Documento Rascunho Eurico Ferreira S.A. 23 de Fevereiro de 2012. António Luís Passos de Sousa Vieira 070503362 ee07362@fe.up.

Capítulo 3 Documento Rascunho Eurico Ferreira S.A. 23 de Fevereiro de 2012. António Luís Passos de Sousa Vieira 070503362 ee07362@fe.up. Capítulo 3 Documento Rascunho Eurico Ferreira S.A. 23 de Fevereiro de 2012 António Luís Passos de Sousa Vieira 070503362 ee07362@fe.up.pt Capítulo 3 Baterias Solares As baterias solares, também conhecidas

Leia mais

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA Princípios A soldagem por resistência elétrica representa mais uma modalidade da soldagem por pressão na qual as peças a serem soldadas são ligadas entre si em estado

Leia mais

Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. jan. 2014

Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. jan. 2014 METAIS E LIGAS METÁLICAS jan. 2014 Classificação 2 Aplicação Os metais e as ligas metálicas são solicitados, para determinadas aplicações, pelas propriedades que apresentam. 3 Apresentação Minério: corpo

Leia mais

Actividade Experimental 1.3 Determinação da Capacidade Térmica Mássica

Actividade Experimental 1.3 Determinação da Capacidade Térmica Mássica Actividade Experimental 1.3 Determinação da Capacidade Térmica Mássica 1.Que significa dizer que a capacidade térmica mássica do alumínio é 900 Jkg 1 K 1? 2.Se fornecermos a mesma quantidade de energia

Leia mais

Prof. Casteletti. MRG Medidas e Representações Gráficas

Prof. Casteletti. MRG Medidas e Representações Gráficas MRG Medidas e Representações Gráficas Classificação e características dos materiais Escolha do material X Produto Avaliar o material: -suas qualidades mecânicas; -custo. Página 133 Classificação e características

Leia mais

ASPECTOS TECNOLÓGICOS DOS AÇOS ESTRUTURAIS

ASPECTOS TECNOLÓGICOS DOS AÇOS ESTRUTURAIS Estruturas de aço. Aspectos tecnológicos e de concepção. Prof. Edson Lubas Silva Agradecimento ao Prof. Dr. Valdir Pignatta pelo material cedido ASPECTOS TECNOLÓGICOS DOS AÇOS ESTRUTURAIS 1 O que é o aço?

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS

GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS 1 NITRAMET TRATAMENTO DE METAIS LTDA PABX: 11 2192 3350 nitramet@nitramet.com.br GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS Austêmpera Tratamento isotérmico composto de aquecimento até a temperatura

Leia mais

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1 CORTE DOS METAIS INTRODUÇÃO: Na indústria de conformação de chapas, a palavra cortar não é usada para descrever processos, exceto para cortes brutos ou envolvendo cortes de chapas sobrepostas. Mas, mesmo

Leia mais

O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1

O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1 O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1 João Carmo Vendramim 2 Marco Antonio Manz 3 Thomas Heiliger 4 RESUMO O tratamento térmico de ligas ferrosas de média e alta liga já utiliza há muitos anos a tecnologia

Leia mais

Propriedades da matéria e mudanças de estado físico

Propriedades da matéria e mudanças de estado físico INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO Campus Valença Propriedades da matéria e mudanças de estado físico Professor: José Tiago Pereira Barbosa 1 Propriedades da Matéria A matéria é

Leia mais

AULA 1: MATÉRIAS E SUAS PROPRIEDADES

AULA 1: MATÉRIAS E SUAS PROPRIEDADES AULA 1: MATÉRIAS E SUAS PROPRIEDADES Prof.Me Elayne Química-Aula 1 MATÉRIA Tudo que ocupa lugar no espaço e tem massa é matéria. Energia tudo aquilo que pode modificar a estrutura da matéria, provocar

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais