Curso de MIQ - Profa. Simone P. Taguchi Borges DEMAR/EEL/USP COBRE E SUAS LIGAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso de MIQ - Profa. Simone P. Taguchi Borges DEMAR/EEL/USP COBRE E SUAS LIGAS"

Transcrição

1 Cobre e suas ligas 1 COBRE E SUAS LIGAS

2 Cobre e suas ligas 2 PRINCIPAIS RESERVAS DE COBRE Encontram-se no Chile, EUA, Canadá,, antiga URSS, Peru, Zambia e Zaire CUSTO 3-4 vezes mais caro que o Al e 6-7 vezes mais caro que o aço-carbono

3 Cobre e suas ligas 3 PROPRIEDADES FÍSICAS F DO COBRE Ponto de Fusão 1083 C Densidade 8,96 g/cm 3 Estrutura Cristalina cfc Resistividade Elétrica 1,673x10-6 ohm.cm Condutividade TérmicaT 0,941 cal/cm 2.s. C Retração ao solidificar 4,2%

4 Cobre e suas ligas 4 PROPRIEDADES MECÂNICAS Deforma-se facilmente Apresenta grande alongamento nos estados: recozido, encruado e fundido f (Elongação ~60%) Têm baixa dureza Apresenta elevada resistência à corrosão O COBRE é um material criogênico,, pois suas prop.. mecânicas melhoram a baixa temperatura. A temperatura do nitrogênio líquido l sua resist. é 50% superior à da temp. ambiente. As prop.. mecânicas do Cu permanecem satisfatórias até o C Cerca de 1/3 de todo o cobre produzido é de alguma forma usado na indústria elétrica

5 Cobre e suas ligas 5 A DUREZA DO COBRE PODE SER AUMENTADA POR Adição de elementos de liga (Cr, Cd) Tratamento térmicot Encruamento As ligas de cobre apresentam boas propriedades mecânicas e boa resistência à fadiga

6 Cobre e suas ligas 6 ELEMENTO RESIDUAL Prata Oxigênio Aumenta a condutividade térmica Aumenta a dureza Responsável pela fragilização

7 Cobre e suas ligas 7 CLASSIFICAÇÃO QUANTO AO TEOR DE COBRE I- Cobre IA- Tipos comerciais de Cu mínimo de 99,3% de Cu IB- Cobres Ligados elementos de liga <1% Podem ser dúcteis d ou para fundição II- Ligas de Cobre elementos de liga >1%

8 Cobre e suas ligas 8 O PROBLEMA DA PRESENÇA A DO OXIGÊNIO NO COBRE O oxigênio forma um composto eutético com o cobre (CuO 2 - Cu), de ponto de fusão mais baixo (1066 C) que o Cobre puro comercial, segregando então para a região intergranular. Isso faz-se que a haja perda da ductilidade Outro agravante dá-se na presença de gases redutores, como por exemplo H 2, e à temperaturas elevadas onde o composto eutético forma vapor d'água na região intergranular. Este fenômeno pode acontecer no processo de soldagem.

9 Cobre e suas ligas 9 TIPOS DE COBRE COMERCIAL (MÍNIMO DE Cu 99,3%) 1- COBRE ETP COBRE ELETROLÍTICO TENAZ 2- COBRE FRNC COBRE REFINADO À FOGO DE ALTA CONDUTIVIDADE 3- COBRE FRTP COBRE REFINADO À FOGO, TENAZ 4- COBRE CUOF COBRE ISENTO DE OXIGÊNIO 5- COBRE CU CAST COBRE RE-FUNDIDO 6- COBRE DLP COBRE DESOXIDADO COM FÓSFORO (Baixo teor de P) 7- COBRE DHP COBRE DESOXIDADO COM FÓSFORO (alto teor de P)

10 Cobre e suas ligas 10 TIPOS DE COBRE COMERCIAL (MÍNIMO DE Cu 99,3%) 1- COBRE ETP COBRE ELETROLÍTICO TICO TENAZ % Cu 99,9% no mínimom Oxigênio 0,02-0,07% 0,07% Condutividade no estado recozido Standard) Aplicações 100% IACS (International Anneald Cooper Industrias elétrica, mecânica, química, construção civil

11 Cobre e suas ligas 11 TIPOS DE COBRE COMERCIAL (MÍNIMO DE Cu 99,3%) 1- COBRE ETP COBRE ELETROLÍTICO TICO TENAZ APLICAÇÕES NA INDÚSTRIA ELÉTRICA Cabos para rede elétrica Linhas telefônicas Transformadores Peças de rádio r e TV Ânodos

12 Cobre e suas ligas 12 TIPOS DE COBRE COMERCIAL (MÍNIMO DE Cu 99,3%) 1- COBRE ETP COBRE ELETROLÍTICO TENAZ APLICAÇÕES NA INDÚSTRIA MECÂNICA Arruelas Rebites Radiadores de automóveis Trocadores de calor Fios, tiras, APLICAÇÕES NA INDÚSTRIA QUÍMICA Caldeiras Destiladores Tanques Alambiques APLICAÇÕES NA CONSTRUÇÃO CIVIL Objetos artísticos Telhados Calhas,

13 Cobre e suas ligas 13 TIPOS DE COBRE COMERCIAL (MÍNIMO DE Cu 99,3%) 2- COBRE FRNC COBRE REFINADO À FOGO DE ALTA CONDUTIVIDADE % Cu 99,9% Oxigênio Teor incerto (é( de menor custo) Condutividade 100% IACS Aplicações não tão nobres quanto o eletrolítico tico

14 Cobre e suas ligas 14 TIPOS DE COBRE COMERCIAL (MÍNIMO DE Cu 99,3%) 3- COBRE FRTP COBRE REFINADO À FOGO, TENAZ % Cu 99,8 % ou 99,85% Oxigênio Teor controlado Condutividade não é 100% IACS Impurezas teores maiores que o ETP e FRNC Aplicações mesmas do eletrolítico, tico, com restrições a indústria elétrica (não tão nobre)

15 Cobre e suas ligas 15 TIPOS DE COBRE COMERCIAL (MÍNIMO DE Cu 99,3%) 4- COBRE CUOF COBRE ISENTO DE OXIGÊNIO % Cu 99,95 % a 99,99% É o Cu eletrolítico tico sem óxido Condutividade 100% IACS É mais caro que os anteriores É resistente à fragilização pelo Hidrogênio APLICAÇÕES Equipamentos eletro-eletrônicos eletrônicos como: Peças para radar Antenas Ânodos de tubos de raios-x

16 Cobre e suas ligas 16 TIPOS DE COBRE COMERCIAL (MÍNIMO DE Cu 99,3%) 5- COBRE CU CAST COBRE REFUNDIDO GRAU A 99,75 A % de Cu GRAU B 99,5 B % de Cu É obtido de cobre secundário É destinado a fabricação de ligas de Cu

17 Cobre e suas ligas 17 TIPOS DE COBRE COMERCIAL (MÍNIMO DE Cu 99,3%) 6- COBRE DLP COBRE DESOXIDADO COM FÓSFOROF % Cu 99,85% de Cu Teor de Fósforo F é baixo 0,004-0,012% 0,012%

18 Cobre e suas ligas 18 TIPOS DE COBRE COMERCIAL (MÍNIMO DE Cu 99,3%) 7- COBRE DHP COBRE DESOXIDADO COM FÓSFOROF % Cu 99,9-99,8% de Cu Teor de Fósforo F é alto 0,015-0,04% 0,04%

19 Cobre e suas ligas 19 COBRES LIGADOS OU COBRES BAIXA LIGA CONTÉM M ELEMENTOS DE LIGA MENORES QUE 1% DÚCTEIS produtos semi-manufaturados manufaturados por conformação mecânica apresentam-se na forma de chapas, fios, arames, tiras, barras, tubos,.. PARA FUNDIÇÃO

20 Cobre e suas ligas 20 COBRES LIGADOS OU COBRES BAIXA LIGA PODEM SER REUNIDOS EM 3 GRUPOS DE LIGAS Ligas de alta condutividade elétrica (Ag) Ligas de alta resistência mecânica (As, Cd, Cr, Zr) Ligas de alta usinabilidade (Pb, Te, S, Se, Cd) Algumas ligas podem possuir uma ou + características dos grupos

21 Cobre e suas ligas 21 COBRES LIGADOS OU COBRES BAIXA LIGA LIGAS DE ALTA CONDUTIVIDADE TÉRMICA E ELÉTRICA PRINCIPAL ELEMENTO DE LIGA: Ag: 0,02-0,12% 0,12% A Ag melhora a resistência mecânica do Cu puro A Ag melhora a fluência do Cu puro a altas temperaturas A Ag tem solubilidade total no Cu nessas concentrações Condutividade elétrica % IACS APLICAÇÕES Na indústria elétrica, como: Bobinas, Interruptores, Aletas de radiadores, etc.

22 Cobre e suas ligas 22 COBRES LIGADOS OU COBRES BAIXA LIGA LIGAS DE ALTA RESISTÊNCIA MECÃNICA PRINCIPAL ELEMENTO DE LIGA: As: 0,013-0,05% 0,05% Tem condutividade elétrica % IACS O As melhora a resistência mecânica do Cu puro, principalmente à altas temperaturas O As melhora a resistência à corrosão do Cu puro APLICAÇÕES Na indústria química é usada em tubulações industriais que entram em contato com líquidos e gases pouco corrosivos Na construção mecânica em trocadores de calor, tubulações para caldeiras

23 Cobre e suas ligas 23 COBRES LIGADOS OU COBRES BAIXA LIGA LIGAS DE ALTA RESISTÊNCIA MECÃNICA PRINCIPAL ELEMENTO DE LIGA: Cd: 0,6-1% Tem condutividade elétrica 80 % IACS O Cd é solúvel no Cu O Cd melhora a resistência mecânica, à fadiga e ao desgaste do Cu puro Esse cobre ligado apresenta elevada resistência ao amolecimento pelo aquecimento

24 Cobre e suas ligas 24 COBRES LIGADOS OU COBRES BAIXA LIGA LIGAS DE ALTA RESISTÊNCIA MECÃNICA PRINCIPAL ELEMENTO DE LIGA: Cd: 0,6-1% Tem condutividade elétrica 80 % IACS O Cd é solúvel no Cu O Cd melhora a resistência mecânica, à fadiga e ao desgaste do Cu puro Esse cobre ligado apresenta elevada resistência ao amolecimento pelo aquecimento Aplicações: Na indústria elétrica, molas de contato, linhas de transmissão

25 Cobre e suas ligas 25 COBRES LIGADOS OU COBRES BAIXA LIGA LIGAS DE ALTA RESISTÊNCIA MECÃNICA PRINCIPAL ELEMENTO DE LIGA: Cr: 0,8% Tem condutividade elétrica 80-85% IACS O Cr não é totalmente solúvel no Cu Esse cobre ligado pode ser tratado termicamente por solubilização para melhorar as propriedades mecânicas em geral

26 Cobre e suas ligas 26 COBRES LIGADOS OU COBRES BAIXA LIGA LIGAS DE ALTA RESISTÊNCIA MECÃNICA PRINCIPAL ELEMENTO DE LIGA: Zr: : 0,1-0,25% 0,25% Tem condutividade elétrica 90% IACS O Zr é solúvel no Cu Esse cobre ligado pode ser tratado termicamente por solubilização para melhorar as propriedades mecânicas em geral Aplicações na indústria elétrica, especialmente em aplicações em que estão sujeitas à alta solicitação

27 Cobre e suas ligas 27 COBRES LIGADOS OU COBRES BAIXA LIGA LIGAS DE ALTA USINABILIDADE Essas ligas combinam alta condutividade elétrica e boa usinabilidade Cu-Te (0,3-0,8%) usinabilidade 85 Cu-S (0,2-0,5%) usinabilidade 85 Cu-Se Cu-Pb (0,8-1,3%) usinabilidade 85 Cu-Cd Cd (0,8%)-Sn (0,6%) usado em cabos aéreos a de metrô, eletrodos para solda elétrica

28 Cobre e suas ligas 28 COBRES LIGADOS OU COBRES BAIXA LIGA COBRE LIGADO PARA FUNDIÇÃO Cu (99-99,5) 99,5)-Cr (1%)-Si (0,1%) Apresenta resistência à tração mínima m de 37 kgf/mm 2 Cu-Cr Cr (0,6-12%)

29 Cobre e suas ligas 29 LIGAS DE COBRE CONTÉM M ELEMENTOS DE LIGA EM TEORES MAIORES QUE 1% Latões (Cu-Zn) dúcteis e para fundição Bronzes (Cu-Sn) dúcteis e para fundição Cu-Ni Cu-Ni Ni-Zn (alpacas) Cu-Al Cu-Be Cu-Si

30 Cobre e suas ligas 30 LATÕES (Cu-Zn) LIGAS DE COBRE Latão CONTÉM M Cu e Zn (5-50%)( 50%) com ou sem adição de elementos secundários INFLUÊNCIA DO Zn Aumenta a resistência mecânica Baixa o ponto de fusão Baixa o custo

31 Cobre e suas ligas 31 TIPOS DE LATÕES (Cu-Zn) Latão binário Cu e Zn Latão com Pb Cu, Zn e Pb (o Pb melhora a usinabilidade) Latões especiais Cu e Zn (com ou sem Pb) e outros elementos de liga que proporcionam determinadas características (Al, Sn)

32 Cobre e suas ligas 32 LATÕES BINÁRIOS (Cu-Zn) Fase α cfc,, dúctil d e tenaz Fase ß ccc, é + resistente A resistência à tração aumenta com o teor de Zn e a resistência à corrosão diminui (processo de dezinficação corrosão preferencial do Zn) A partir de 30% de Zn a ductilidade começa a a diminuir Até 37% de Zn fase α (latões α) 37-45% de Zn fases α e ß (latões α+ ß) 46-50% de Zn fase ß (latões ß) Acima de 50% de Zn começa a a precipitar a fase γ que é quebradiça Por isso os latões com %Zn> 50% não tem uso comercial

33 Cobre e suas ligas 33 EXEMPLOS LATÕES α LATÃO α PROPRIEDADES APLICAÇÕES É dourada Cartuchos de armas Cu-Zn 95-5 É de fácil conformação à frio Medalhas É resistente à corrosão sob Moedas tensão Objetos decorativos É resistente à dezinficação Cu-Zn Também conhecida como bronze comercial Cu-Zn CONHECIDO COMO LATÃO VERMELHO Apresenta as mesmas características do Latão 95-5 Apresenta propriedades também semelhantes aos latões 95-5 e 90-10, porém é: Mais dúctil Mais resistente Arquitetura (ferragens, condutos) Objetos ornamentais Zippers Outros componentes obtidos por conformação Cu-Zn Cu-Zn É conhecido como latão para cartucho Cu-Zn É também conhecida como metal muntz Elevada conformabilidade à frio Resistência `a corrosão sob tensão Resistência à dezinficação Combinam alta resistência e ductilidade Possui elevado alongamento Liga apropriada para estampagem É uma liga para trabalho à quente É latão α+ β Apresenta ponto de fusão inferior ao latão α Fins decorativos Artigos de uso doméstico Peças para automóveis Cartuchos Arames para rebites Parafusos Produtos semimanufaturados (placas, barras, perfis) Trocadores de calor

34 Cobre e suas ligas 34 LATÕES COM Pb O Pb é insolúvel no Cobre, formando pequenas bolsas (Efeito lubrificante) O Pb é adicionado para melhorar a usinabilidade APLICAÇÕES Peças a serem usinadas (parafusos, porcas, rebites, ) ) e peças sujeitas a atrito

35 Cobre e suas ligas 35 LATÕES COM Pb Cu= 60-63% Pb= 2,5-3,7% Zn= = restante Estrutura predominante é α Suporta deformação à frio limitadas É bastante usado nos EUA Cu= 56-60% 60% Pb= 2-3,5% 2 Zn= restante Tem na estrutura mais fase ß Suporta mais a deformação à quente É mais barato É bastante usado na Europa

36 Cobre e suas ligas 36 LATÕES ESPECIAIS ELEMENTOS DE LIGA PRESENTES NOS LATÕES ESPECIAIS Al As Sn Mg Ni CuZn28Al2, com pequenos teores de As podendo conter Pb Si Fe O Al melhora a resistência mecânica Esta liga apresenta boa resistência à corrosão devido a presença do Al e do As O As diminui o problema da dezinficação

37 Cobre e suas ligas 37 LATÕES PARA FUNDIÇÃO Os latões binários são pouco usados para fundição A maioria das ligas de fundição contém m Pb e Sn PAPEL DO Pb Facilita a usinagem Aumenta a estanquiedade (diminui porosidade) PAPEL DO Sn Melhora a resistência à dezinficação Permite a utilização de sucata com Sn EXEMPLOS DE PEÇAS FUNDIDAS Hélices de navios, Lemes de navios, Rotores para turbinas movidas à agua, Buchas, Engrenagens, Eixos

38 Cobre e suas ligas 38 BRONZES (Cu+Sn) CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS BRONZES Elevada resistência à corrosão A dureza e a resistência mecânica aumentam com o teor de Sn A partir de 5% de Sn a ductilidade diminui

39 Cobre e suas ligas 39 BRONZES (Cu+Sn) FASES Fase α cfc,, dúctil d e tenaz Fase γ é + dura ELEMENTO DE LIGA P (até 0,4%) Pb Zn PROPRIEDADES Melhora a resistência mecânica Atua como desoxidante Constitui a classe dos bronzes fosforosos Melhora as propriedades anti-fricção Melhora a usinabilidade Diminui a porosidade Aumenta a resistência mecânica Atua como desoxidante em peças fundidas

40 Cobre e suas ligas 40 PRINCIPAIS BRONZES COMERCIAIS BRONZES α LIGA Cu-Sn 98-2 Cu-Sn 96-4 Cu-Sn 95-5 PROPRIEDADES Liga monofásica com pequenos teores de P Apresenta boa resistência à corrosão Apresenta boa conformabilidade à frio A condutividade elétrica é 40% IACS Aplicações: - Ind. Elétrica : contatos, molas condutoras - Ind. Mecânica: tubos flexíveis, parafusos, rebites, varetas de solda Liga monofásica com teores de P Apresenta maior dureza e maior resistência mecânica que a anterior Têm maior resistência mecânica que a anterior Têm resistência mecânica, à fadiga e ao desgaste, Cu-Sn 94-6 bem como maior resist. à tração e à corrosão que as demais ligas anteriores

41 Cobre e suas ligas 41 PRINCIPAIS BRONZES COMERCIAIS BRONZES α + γ LIGA Cu-Sn 92-8 Cu-Sn PROPRIEDADES Tem elevada resistência à fadiga e ao desgaste Apresenta características anti-friçção (usado na fabricação de discos anti-fricção) Possui maior dureza e maior resistência mecânica de todos os bronzes dúcteis Tem elevada resistência à fadiga e ao desgaste Apresenta características anti-friçção

42 Cobre e suas ligas 42 PRINCIPAIS BRONZES COMERCIAIS BRONZES PARA FUNDIÇÃO LIGA APLICAÇÕES Cu-Sn Pb1 Ni1 Buchas e engrenagens para diversos fins Cu-Sn 85-5 Pb9 Zn1 Mancais e buchas pequenas Cu-Sn Pb10 Cu-Sn 78-7 Pb15 Cu-Sn 70-5 Pb25 Mancais para altas velocidades e grandes pressões, mancais para laminadores Mancais para pressões médias, mancais para automóveis Mancais para altas velocidades e pequenas pressões

43 Cobre e suas ligas 43 LIGAS CUPRONÍQUEIS (Cu + Ni) Apresentam excelente resistência à corrosão, especialmente à água do mar; São dúcteis, Permanecem monofásicas para qualquer composição, Podem ser trabalhadas a frio e à quente; Algumas ligas apresentam resistividade independente da temperatura (aplicações em resistência elétrica) A medida que aumenta o teor de Ni aumenta a dureza, a resistência mecânica e o limite a fadiga; Nas ligas comerciais o teor de Ni varia de % A maioria das ligas Cuproníqueis contém Fe e Mn em teores em torno de 2%, para elevar a resist. à corrosão.

44 Cobre e suas ligas 44 LIGAS CUPRONÍQUEIS (Cu + Ni) LIGA Ligas com 5% de Ni contendo Fe e Mn APLICAÇÕES Indústria naval, tubos condutores de água do mar, serviços sanitários. Ligas com 10% de Ni Ligas com 20% de Ni Ligas com 45% de Ni (CONSTANTAN) Indústria naval, tubos para condensadores e aquecedores. Indústria elétrica: resistores, guias de onda para radar Ind. Mecânica: aquecedores de água doméstica, moedas, medalhas. Elementos de aquecimento, termopares (a resistência independe da temperatura)

45 Cobre e suas ligas 45 LIGAS CUPRONÍQUEIS PARA FUNDIÇÃO (Cu + Ni) A maioria das ligas contém m Si, Fe e Mn, além m do Cu-Ni Aplicações das ligas para fundição: Buchas Flanges Conecções

46 Cobre e suas ligas 46 LIGAS Cu + Ni + Zn ALPACAS COMPOSIÇÃO DAS ALPACAS: Ni: 10-30% Cu: 45-70% Zn: restante CARACTERÍSTICAS DAS ALPACAS: Cor esbranquiçada, ada, brilhante Tem elevada resistência à corrosão Podem ser deformadas a frio e a quente APLICAÇÕES DAS ALPACAS: Cutelaria Objetos decorativos Componentes de aparelhos ópticos e fotográficos ficos Molas de contato para equip. elétricos

47 Cobre e suas ligas 47 Elementos de liga que promovem o endurecimento por precipitação no Cu e suas ligas Si Al Be Elevado preço do Sn levou à sua substituição por Al, Be, Si e Pb

48 Cobre e suas ligas 48 LIGAS Cu + Al CARACTERÍSTICAS : Todas as ligas possuem boa resistência à corrosão A resist. varia de MPa COMPOSIÇÃO: Contém de 5-10% de Al ELEMENTOS DE LIGA que melhoram a resist. mec. e à corrosão - Ni: 7% - As: 0, 4% (pode conter) - Mn (até 3%) - Fe (até 6%) APLICAÇÕES : Tubos condensadores, Recipientes para a indústria química, Autoclaves, Instalações criogênicas, Tubos marítimos, Engrenagens, Buchas,

49 Cobre e suas ligas 49 LIGAS Cu + Be Composição : 1-2,7 % de Be Elementos de Liga : Co, Ni, Fe Características: Alta resist. Mecânica (A resist. varia de Mpa) Alta condutividade elétrica e térmica Aplicações : Molas de instrumentos ( o módulo de elasticidade dessas ligas é MPa) Componentes eletro-eletrônicos em geral

50 Cobre e suas ligas 50 LIGAS Cu + Si O Si melhora a resistência mecânica do Cu (a resist. varia de Mpa) e a resist. à corrosão O Si melhora a soldabilidade e a fundibilidade Composição das Ligas : 3-55% de Si para peças fundidas Elementos de liga: Zn, Fe, Mn Aplicações: Tanques, Tubulações, Parafusos, Eixos de hélice para navios,

51 Cobre e suas ligas 51

52 Cobre e suas ligas 52 TRATAMENTOS TÉRMICOS DO Cu E SUAS LIGAS Recozimento para homogeneização para peças fundidas Recozimento para recristalização para ligas trabalhadas à frio Temp. para o Cu: < 260 C Temp. para as ligas de Cu: C Alívio de tensões Solubilização e envelhecimento (bronzes ao Al e Si e ligas Cu-Be)

Metais Não Ferrosos. Cobre

Metais Não Ferrosos. Cobre Metais Não Ferrosos Cobre O cobre é um metal vermelho-marrom, que apresenta ponto de fusão corresponde a 1.083ºC e densidade correspondente a 8,96 g/cm 3 (a 20ºC), sendo, após a prata, o melhor condutor

Leia mais

LIGAS DE COBRE GENERALIDADES

LIGAS DE COBRE GENERALIDADES Cobre e Ligas Propriedades: Densidade: 8,96 g/cm 3 Ponto de Fusão: 1083 C Condutividade térmica: 0,941 cal/cm 2 /cm/ C/s Condutividade elétrica: 1,673 x10-6 ohms.cm ou 100% IACS-International International

Leia mais

Informações Técnicas Bronze

Informações Técnicas Bronze em geral são ligas de cobre (Cu), com adição de zinco (Zn), Chumbo (Pb) e Fósforo (P), metais que se caracterizam por sua baixa dureza, dependendo da sua aplicação e das condições que será utilizado. Aplicações

Leia mais

Metalografia e tratamento térmico do cobre e suas ligas

Metalografia e tratamento térmico do cobre e suas ligas PMT-2402 Metalografia e Tratamentos Térmicos dos Metais Metalografia e tratamento térmico do cobre e suas ligas André Paulo Tschiptschin Histórico Primeiro metal a ser utilizado pelo homem Facas de cobre

Leia mais

Capítulo 11 - Ligas Não-Ferrosas

Capítulo 11 - Ligas Não-Ferrosas Capítulo 11 - Ligas Não-Ferrosas Ligas de Cu Latão: Cu-Zn (bijuteria, moeda, canalizações, resistente corrosão) Bronze: Cu-Sn (rolamentos, engrenagens) Cu-Be: Endurecida por precip. Orgãos de máquinas

Leia mais

Ligação metálica corrente elétrica

Ligação metálica corrente elétrica Ligações Metálicas Ligação metálica É o tipo de ligação que ocorre entre os átomos de metais. Quando muitos destes átomos estão juntos num cristal metálico, estes perdem seus elétrons da última camada.

Leia mais

Propriedades típicas e algumas aplicações das ligas de alumínio conformadas

Propriedades típicas e algumas aplicações das ligas de alumínio conformadas 1 Propriedades típicas e algumas aplicações das ligas de alumínio conformadas Liga / tratamento resistência escoamento Alongamento em 50mm 1 [%] Resistência à corrosão (geral) 2 Conformação a frio 3 Usinagem

Leia mais

Transição Dúctil-Frágil

Transição Dúctil-Frágil Transição Dúctil-Frágil O Problema : fratura dos navios da série Liberty ancorados nos portos ou navegando: De 4.694 navios > 1.289 apresentaram fratura no casco (233 perda total, 19 partiram ao meio)

Leia mais

Conteúdo de metal nobre < 25% (ouro, Tabela 2 Classificação das ligas para fundição odontológica em função da nobreza e indicação clínica

Conteúdo de metal nobre < 25% (ouro, Tabela 2 Classificação das ligas para fundição odontológica em função da nobreza e indicação clínica 1. Ligas de ouro tradicionais ou clássicas As ligas de ouro tradicionais já estavam bem estudadas até o início da década de 30. Elas foram classificadas em 4 tipos em função da dureza, que por sua vez

Leia mais

LIGAS DE COBRE GENERALIDADES PROPRIEDADES APLICAÇÕES TRATAMENTOS

LIGAS DE COBRE GENERALIDADES PROPRIEDADES APLICAÇÕES TRATAMENTOS LIGAS DE COBRE GENERALIDADES Dos primeiros metais usados 3-4 vezes mais caro que o Al e 6-7 vezes mais caro que o aço-carbono Forma ligas c/ Sn, Zn, Al, Be, Ni, Si Existem 3 grupos básicos de ligas Latões:

Leia mais

AÇOS CARBONO E BAIXA LIGA (DOCE - CORTEN - PATINAX - CORALDUR - SAC 50 - USIAR)

AÇOS CARBONO E BAIXA LIGA (DOCE - CORTEN - PATINAX - CORALDUR - SAC 50 - USIAR) MAC BLUE AÇOS CARBONO E BAIXA LIGA (DOCE - CORTEN - PATINAX - CORALDUR - SAC 50 - USIAR) DESENV. ESPECIAL (2,5=60-90) (3,2=80-120) (4,0=110-160) (5,0=150-200) Eletrodo Revest. Rutílico Posições de Soldagem:

Leia mais

Programa de Pós-graduação em Ciência e Tecnologia de Materiais 2º semestre de Informações e instruções para a resolução da prova

Programa de Pós-graduação em Ciência e Tecnologia de Materiais 2º semestre de Informações e instruções para a resolução da prova Programa de Pós-graduação em Ciência e Tecnologia de Materiais 2º semestre de 2015 Informações e instruções para a resolução da prova 1. A prova deve ser realizada sem consulta; 2. A duração da prova é

Leia mais

Ligação metálica É o tipo de ligação que ocorre entre os átomos de metais. Quando muitos destes átomos estão juntos num cristal metálico, estes

Ligação metálica É o tipo de ligação que ocorre entre os átomos de metais. Quando muitos destes átomos estão juntos num cristal metálico, estes Ligações Metálicas Ligação metálica É o tipo de ligação que ocorre entre os átomos de metais. Quando muitos destes átomos estão juntos num cristal metálico, estes perdem seus elétrons da última camada.

Leia mais

EFEITO DOS ELEMENTOS DE LIGA NOS AÇOS RSCP/ LABATS/DEMEC/UFPR

EFEITO DOS ELEMENTOS DE LIGA NOS AÇOS RSCP/ LABATS/DEMEC/UFPR EFEITO DOS ELEMENTOS DE LIGA NOS AÇOS RSCP/ LABATS/DEMEC/UFPR Seleção do processo de fundição Metal a ser fundido [C. Q.]; Qualidade requerida da superfície do fundido; Tolerância dimensional requerida

Leia mais

PMT 2420 Metalurgia Geral

PMT 2420 Metalurgia Geral PMT 2420 Metalurgia Geral Metalurgia Metalurgia Extrativa Extração e refino de metais e ligas Metalurgia Física Relaciona estrutura interna dos metais com suas propriedades Metalurgia de Transformação

Leia mais

ALUMÍNIO PARA MOLDES ALTA DUREZA ALTA RESISTÊCIA ÓTIMO ACABAMENTO. Alumínio Cobre Latão Bronze Cortados sob medida

ALUMÍNIO PARA MOLDES ALTA DUREZA ALTA RESISTÊCIA ÓTIMO ACABAMENTO. Alumínio Cobre Latão Bronze Cortados sob medida ALUMÍNIO PARA MOLDES ALTA DUREZA ALTA RESISTÊCIA ÓTIMO ACABAMENTO Alumínio Cobre Latão Bronze Cortados sob medida Alumínio para Moldes Aplicações Especiais Ampla Linha de Produtos Nacionais e importados

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 8º Teste sumativo de FQA 20. maio Versão 1 11º Ano Turma A Professor: Maria do Anjo Albuquerque

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 8º Teste sumativo de FQA 20. maio Versão 1 11º Ano Turma A Professor: Maria do Anjo Albuquerque ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 8º Teste sumativo de FQA 20. maio. 2015 Versão 1 11º Ano Turma A Professor: Maria do Anjo Albuquerque Duração da prova: 90 minutos. Este teste é constituído por 9 páginas

Leia mais

Curso de MIQ - Profa. Simone P. Taguchi Borges DEMAR/EEL/USP Aços e Ferro fundido 1. Aços inoxidáveis

Curso de MIQ - Profa. Simone P. Taguchi Borges DEMAR/EEL/USP Aços e Ferro fundido 1. Aços inoxidáveis Curso de MIQ - Profa. Simone P. Taguchi Borges DEMAR/EEL/USP Aços e Ferro fundido 1 Aços inoxidáveis Os aços inoxidáveis são aços de baixo teor de carbono, ligados principalmente ao: Cromo Níquel Molibdênio

Leia mais

Eletroquímica: Pilha e Eletrólise

Eletroquímica: Pilha e Eletrólise Eletroquímica: Pilha e Eletrólise Enem 15 semanas 1. O trabalho produzido por uma pilha é proporcional à diferença de potencial (ddp) nela desenvolvida quando se une uma meia-pilha onde a reação eletrolítica

Leia mais

ALUMÍNIO E SUAS LIGAS

ALUMÍNIO E SUAS LIGAS ALUMÍNIO E SUAS LIGAS Ligas de alumínio conformadas 1 O alumínio metálico é obtido pela redução eletrolítica da alumina (Al 2 O 3 ) dissolvida em criolita líquida. O processo, chamado de Hall-Herolut foi

Leia mais

Dependendo da habilidade do material em deformar plasticamente antes da fratura, dois tipos de fratura pode ocorrer: Dúctil Frágil.

Dependendo da habilidade do material em deformar plasticamente antes da fratura, dois tipos de fratura pode ocorrer: Dúctil Frágil. Fratura Separação do material devido a tensão aplicada, numa temperatura abaixo do ponto de fusão. Passos da fratura: Formação da trinca Propagação da trinca Dependendo da habilidade do material em deformar

Leia mais

AULA 07 DEFORMAÇÃO PLÁSTICA DOS METAIS

AULA 07 DEFORMAÇÃO PLÁSTICA DOS METAIS AULA 07 DEFORMAÇÃO PLÁSTICA DOS METAIS Conceitos fundamentais σ Os materiais experimentam dois tipos de deformação: elástica e plástica. Elástica: retornável. Plástica: permanente. ε Em uma escala microscópica:

Leia mais

SOS QUÍMICA - O SITE DO PROFESSOR SAUL SANTANA.

SOS QUÍMICA - O SITE DO PROFESSOR SAUL SANTANA. SOS QUÍMICA - O SITE DO PROFESSOR SAUL SANTANA. QUESTÕES Exercícios de Eletroquímica. 01) Dos fenômenos indicados a seguir, agrupe os que constituem uma oxidação e os que constituem uma redução: a) Mg

Leia mais

01. (UFV-MG) Considere a pilha, em funcionamento, esquematizada a seguir:

01. (UFV-MG) Considere a pilha, em funcionamento, esquematizada a seguir: 01. (UFV-MG) Considere a pilha, em funcionamento, esquematizada a seguir: A equação da reação total desta pilha é: a) Zn 0 + 2 Ag 0 Zn +2 + Ag + b) Zn 0 + 2 Ag + Zn +2 + 2 Ag 0 c) Zn +2 + 2 Ag 0 Zn 0 +

Leia mais

Ciência e Tecnologia dos Materiais Elétricos. Aula 4. Prof.Clebes André da Silva

Ciência e Tecnologia dos Materiais Elétricos. Aula 4. Prof.Clebes André da Silva Ciência e Tecnologia dos Materiais Elétricos Aula 4 Prof.Clebes André da Silva Aula 4 Capítulo 3 Materiais Condutores Objetivo do capítulo: - Breve estudo dos materiais condutores - Aplicações em componentes

Leia mais

Pb 2e Pb E 0,13 v. Ag 2e Ag E +0,80 v. Zn 2e Zn E 0,76 v. Al 3e Al E 1,06 v. Mg 2e Mg E 2,4 v. Cu 2e Cu E +0,34 v

Pb 2e Pb E 0,13 v. Ag 2e Ag E +0,80 v. Zn 2e Zn E 0,76 v. Al 3e Al E 1,06 v. Mg 2e Mg E 2,4 v. Cu 2e Cu E +0,34 v QUÍMICA 1ª QUESTÃO Umas das reações possíveis para obtenção do anidrido sulfúrico é a oxidação do anidrido sulfuroso por um agente oxidante forte em meio aquoso ácido, como segue a reação. Anidrido sulfuroso

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS Eletroquímica

LISTA DE EXERCÍCIOS Eletroquímica DISCIPLINA: Química Geral e Inorgânica PERÍODO: LISTA DE EXERCÍCIOS Eletroquímica CURSO: Engenharia de Produção e sistemas 1. Indique o número de oxidação de cada átomo nos compostos abaixo: a) CO; C:

Leia mais

10 testes - GABARITO. Estrutura Atômica e Ligação Interatômica

10 testes - GABARITO. Estrutura Atômica e Ligação Interatômica 10 testes - GABARITO Estrutura Atômica e Ligação Interatômica 1) Calcule o número de átomos de Cu em um cilindro de cobre maciço com 1 m de altura e 1 m de diâmetro. densidade do Cu = 8,9 g/cm ; massa

Leia mais

Sistemas Estruturais. Prof. Rodrigo mero

Sistemas Estruturais. Prof. Rodrigo mero Sistemas Estruturais Prof. Rodrigo mero Aula 4 O Material aço Índice Características de Aço da Construção Civil Propriedades Modificadas Ligas Metálicas Ligas Ferrosas Ligas Não-Ferrosas Teor de Carbono

Leia mais

Atividade prática - Como se forma a ferrugem? Parte 3

Atividade prática - Como se forma a ferrugem? Parte 3 Atividade prática - Como se forma a ferrugem? Parte 3 1º e 2º ANOS DO ENSINO MÉDIO Objetivo Vivenciar alguns testes para a determinação das causas do surgimento da ferrugem, ou seja, da oxidação dos objetos

Leia mais

PRODUÇÃO DE HIDROGÊNIO A PARTIR DA REFORMA DO ETANOL

PRODUÇÃO DE HIDROGÊNIO A PARTIR DA REFORMA DO ETANOL PROCEL PRODUÇÃO DE HIDROGÊNIO A PARTIR DA REFORMA DO ETANOL VANDERLEI SÉRGIO BERGAMASCHI E-mail: vsberga@ipen ipen.br PROCEL / IPEN-SP OUTUBRO / 2003 COMBUSTÍVEL PETRÓLEO: VANTAGENS: -LÍQUIDO DE FÁCIL

Leia mais

AÇOS INOXIDÁVEIS (Fe-Cr-(Ni))

AÇOS INOXIDÁVEIS (Fe-Cr-(Ni)) AÇOS INOXIDÁVEIS (Fe-Cr-(Ni)) Ligas à base de Fe, com um mínimo de 11%Cr em solução para prevenir a corrosão Podem apresentar estrutura ferrítica, austenítica, martensítica, ou mista, consoante às % de

Leia mais

EXPERIÊNCIA 4 REAÇÕES E EQUAÇÕES QUÍMICAS

EXPERIÊNCIA 4 REAÇÕES E EQUAÇÕES QUÍMICAS CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS - CCT Departamento de Ciências Básicas e Sociais - DCBS Disciplina Química Experimental QEX Prof. Sivaldo Leite Correia EXPERIÊNCIA 4 REAÇÕES E EQUAÇÕES QUÍMICAS 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Teoria da ligação de valência

Teoria da ligação de valência Teoria da ligação de valência Prof. Leandro Zatta Prof. Leandro Zatta 1 Prof. Leandro Zatta 2 RPENV Maneira simples Lewis Quântica Orbitais atômicos TLV Prof. Leandro Zatta 3 Teoria de ligação de valência

Leia mais

Uso de Separação Gravimétrica na Concentração de Metais Provenientes de Sucatas de Placas de Circuito Impresso.

Uso de Separação Gravimétrica na Concentração de Metais Provenientes de Sucatas de Placas de Circuito Impresso. Uso de Separação Gravimétrica na Concentração de Metais Provenientes de Sucatas de Placas de Circuito Impresso. Nichele de Freitas Juchneski Agosto de 2014 RESÍDUO ELETRÔNICO É todo produto que utiliza

Leia mais

Sulfureto (S2-) Catiões (alguns exemplos, raio dado em 10-8 cm) 1,81 1,84. 2) Semi-metais (Ar, arsénio, Bi, bismuto, Sb, antimónio) Grafite (C)

Sulfureto (S2-) Catiões (alguns exemplos, raio dado em 10-8 cm) 1,81 1,84. 2) Semi-metais (Ar, arsénio, Bi, bismuto, Sb, antimónio) Grafite (C) Classificação Aniões (alguns exemplos) A classificação dos minerais baseia-se na sua composição química, nomeadamente no anião ou grupo aniónico dominante Óxido (O2-) o mais abundante! 1,40 Sulfureto (S2-)

Leia mais

PRODUTOS SIDERÚRGICOS MCC1001 AULA 11

PRODUTOS SIDERÚRGICOS MCC1001 AULA 11 PRODUTOS SIDERÚRGICOS MCC1001 AULA 11 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil 1. PRODUTOS

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS A BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS Última atualização Dez/2009 VERSÃO DEZ/2009 ACABAMENTOS NATURAL: O acabamento padrão da chapa possui baia reflectância e pode apresentar variações de brilho. BRILHANTE: Esse

Leia mais

Capítulo 74. Cobre e suas obras

Capítulo 74. Cobre e suas obras Capítulo 74 Cobre e suas obras Nota. 1.- Neste Capítulo, consideram-se: a) Cobre refinado o metal de teor mínimo, em peso, de 99,85 % de cobre; ou o metal de teor mínimo, em peso, de 97,5 % de cobre, desde

Leia mais

ROÇADEIRA SPARTA 25 E 25S ACESSÓRIOS (SPARTA 25 E 25S)

ROÇADEIRA SPARTA 25 E 25S ACESSÓRIOS (SPARTA 25 E 25S) ACESSÓRIOS (SPARTA 25 E 25S) ACESSÓRIOS (SPARTA 25 E 25S) REF. CÓDIGO DESCRIÇÃO QUANT. 1 63019021 Carretel de fio de nylon 1 2 3960040R Parafuso 2 3 61240161R Chapa 1 4 3801011 Parafuso 4 5 4179113A Proteção

Leia mais

Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada. Columbus Stainless. Nome X2CrNil2. Elementos C Mn Si Cr Ni N P S

Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada. Columbus Stainless. Nome X2CrNil2. Elementos C Mn Si Cr Ni N P S Aço Inoxidável Ferrítico com 11% de Cromo para Construção Soldada ArcelorMittal Inox Brasil S.A. Ugine S.A. Columbus Stainless P410D F12N 3CR12 * equivalência aproximada Designação Européia NF EN 10088-2

Leia mais

Tubos de cobre, pancake e drysealed

Tubos de cobre, pancake e drysealed Tubos de cobre, pancake e drysealed Empresa classificada entre as maiores indústrias privadas brasileiras, é líder no setor de transformação de metais nãoferrosos cobre e suas ligas em produtos semielaborados

Leia mais

Aula 01: Introdução à Metalurgia

Aula 01: Introdução à Metalurgia Disciplina : - MFI Professor: Guilherme Ourique Verran - Dr. Eng. Metalúrgica Fundamentos da Metalurgia Introdução à Fundamentos da Metalurgia O que é Metalurgia? Metalurgia é o ramo da Engenharia dos

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA II (EM307) 2º Semestre 2005/ Materiais para Ferramentas

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA II (EM307) 2º Semestre 2005/ Materiais para Ferramentas MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA II (EM307) 2º Semestre 2005/06 6. Materiais para Ferramentas F. Jorge Lino Alves 1 Resumo 6. Materiais para ferramentas de corte. Materiais cerâmicos para abrasivos. 2

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA Disciplina: Materiais de Construção Mecânica Assunto: Diagrama de equilíbrio de fases Professor: Jorge Teófilo de Barros Lopes 1) Determine a composição e a quantidade relativa de cada fase presente em

Leia mais

Aula 1: Aços e Ferros Fundidos Produção Feito de Elementos de Liga Ferros Fundidos. CEPEP - Escola Técnica Prof.: Kaio Hemerson Dutra

Aula 1: Aços e Ferros Fundidos Produção Feito de Elementos de Liga Ferros Fundidos. CEPEP - Escola Técnica Prof.: Kaio Hemerson Dutra Aula 1: Aços e Ferros Fundidos Produção Feito de Elementos de Liga Ferros Fundidos CEPEP - Escola Técnica Prof.: Kaio Aços e Ferros Fundidos O Ferro é o metal mais utilizado pelo homem. A abundância dos

Leia mais

Química. Xandão e Allan Rodrigues (Victor Pontes) Eletroquímica

Química. Xandão e Allan Rodrigues (Victor Pontes) Eletroquímica Eletroquímica Eletroquímica 1. Pilhas e baterias são dispositivos tão comuns em nossa sociedade que, sem percebermos, carregamos vários deles junto ao nosso corpo; elas estão presentes em aparelhos de

Leia mais

Produção pirometalúrgica do cobre I

Produção pirometalúrgica do cobre I Produção pirometalúrgica do cobre I Prof. Luiz T. F. Eleno Departamento de Engenharia de Materiais Escola de Engenharia de Lorena Universidade de São Paulo 2016 LOM3027 (EEL-USP) Pirometalurgia do cobre

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA TÉCNICA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL REPÚBLICA

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA TÉCNICA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL REPÚBLICA GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA TÉCNICA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL REPÚBLICA Aulas de Apoio Química 3ª Série Eletroquímica II 1.

Leia mais

P o d e s e r u t i l i z a d o c o m o r e v e s t i m e n t o i n t e r m e d i á r i o e m a p l i c a ç õ e s t é c n i c a s.

P o d e s e r u t i l i z a d o c o m o r e v e s t i m e n t o i n t e r m e d i á r i o e m a p l i c a ç õ e s t é c n i c a s. AÇOS REVESTIDOS Além dos acabamentos de superfície convencionais, a tira relaminada pode ainda ser revestida superficialmente pelos mais diversos metais com propósitos técnicos, decorativos ou outros fins,

Leia mais

BR 530 BAT LISTA DE PEÇAS DE REPOSIÇÃO LIMPADORA DE PISO BR 530 BAT /11/2013 Kärcher Ind. e Com. Ltda. Depto. de Serviços ao Cliente

BR 530 BAT LISTA DE PEÇAS DE REPOSIÇÃO LIMPADORA DE PISO BR 530 BAT /11/2013 Kärcher Ind. e Com. Ltda. Depto. de Serviços ao Cliente LISTA DE PEÇAS DE REPOSIÇÃO LIMPADORA DE PISO BR 530 BAT 1.127-331.0 Reservados os direitos a alterações técnicas! Acesse o portal para download: http://portal.karcher.com.br/assist/manuais.aspx 19/11/2013

Leia mais

Metalurgia de Mates. Essencialmente, mates são misturas líquidas de sulfetos de metais. Produção de Cu, Ni e Co. Definição

Metalurgia de Mates. Essencialmente, mates são misturas líquidas de sulfetos de metais. Produção de Cu, Ni e Co. Definição Metalurgia de Mates Metalurgia de Mates Produção de Cu, Ni e Co Definição Essencialmente, mates são misturas líquidas de sulfetos de metais. Calcopirita CuFeS 2 34,5% Cu, 30,5% Fe, 35% S outros minerais

Leia mais

HIDROGÊNIO CQ133 FSN

HIDROGÊNIO CQ133 FSN HIDROGÊNIO CQ133 FSN GASES NOBRES CQ133 FSN HIDROGÊNIO o hidrogênio é o elemento mais abundante do universo com 92% seguido do hélio (7%) e os demais elementos (1%); é quarto elemento mais abundante na

Leia mais

121,8 127,6 126,9 131,3. Sb Te I Xe. Pb Bi Po At Rn 69,7 72,6 74,9 79,0 79,9 83, Ga Ge As Se Br Kr. In Sn 114,8 118,7.

121,8 127,6 126,9 131,3. Sb Te I Xe. Pb Bi Po At Rn 69,7 72,6 74,9 79,0 79,9 83, Ga Ge As Se Br Kr. In Sn 114,8 118,7. PROVA DE QUÍMICA TABELA PERIÓDICA DOS ELEMENTOS º 2º 3º 4º 5º 6º 7º (IA) H,0 3 Li 6,9 Na 23,0 9 K 39, 2 (IIA) 4 Be 9,0 2 Mg 24,3 3 (III B) 4 5 6 7 8 9 0 2 20 2 22 23 24 25 26 27 28 29 30 Ca Sc Ti V Cr

Leia mais

FUNDAMENTOS DE TECNOLOGIA NUCLEAR. Ipen Tópicos do Módulo

FUNDAMENTOS DE TECNOLOGIA NUCLEAR. Ipen Tópicos do Módulo FUNDAMENTOS DE TECNOLOGIA NUCLEAR Materiais e Ciclo do Combustível Profs.: Afonso Aquino e Arnaldo Andrade Ipen 2007 Tópicos do Módulo Noções sobre o Ciclo do Combustível Nuclear Materiais e Componentes

Leia mais

O seu problema é lubrificação? A evolução dos sistemas de lubrificação

O seu problema é lubrificação? A evolução dos sistemas de lubrificação 1 2 O seu problema é lubrificação? Todos sabemos que para um bom desempenho de máquinas e equipamentos em geral é necessário a utilização de óleo lubrificante atuando em um sistema perfeito de lubrificação.

Leia mais

SUMÁRIO. 1 Introdução Obtenção dos Metais Apresentação do IBP... xiii. Apresentação da ABENDI... Apresentação da ABRACO...

SUMÁRIO. 1 Introdução Obtenção dos Metais Apresentação do IBP... xiii. Apresentação da ABENDI... Apresentação da ABRACO... SUMÁRIO Apresentação do IBP... xiii Apresentação da ABENDI... xv Apresentação da ABRACO... xvii Prefácio... xix 1 Introdução... 1 1.1 Exercícios... 3 2 Obtenção dos Metais... 5 2.1 Minérios... 5 2.1.1

Leia mais

Reações de oxirredução

Reações de oxirredução LCE-108 Química Inorgânica e Analítica Reações de oxirredução Wanessa Melchert Mattos 2 Ag + + Cu (s) 2 Ag (s) + Cu 2+ Baseada na transferência de elétrons de uma substância para outra Perde oxigênio e

Leia mais

Tocha de solda - MIG/MAG

Tocha de solda - MIG/MAG TECNOLOGIA PARA O MUNDO DOS SOLDADORES Tocha de solda - MIG/MAG As características técnicas correspondem à linha VDE para fontes de energia (U = 14 + 0,05xl). Solda de arco pulsado reduzem 35% o consumo.

Leia mais

(baseado em 17 avaliações)

(baseado em 17 avaliações) Experimento cadastrado por Leandro Fantini em 30/11/2008 Classificação Total de exibições: 18733 (até 24/06/2014) (baseado em 17 avaliações) Palavras-chave: química, moeda, cobe, zinco em pó, latão, NaOH,

Leia mais

Deformação e Mecanismos de Endurecimento Metais DEMEC TM242-B Prof Adriano Scheid

Deformação e Mecanismos de Endurecimento Metais DEMEC TM242-B Prof Adriano Scheid Deformação e Mecanismos de Endurecimento Metais DEMEC TM242-B Prof Adriano Scheid Tensão Propriedades Mecânicas: Tensão e Deformação Deformação Elástica Comportamento tensão-deformação O grau com o qual

Leia mais

Ensaio de Fluência. A temperatura tem um papel importantíssimo nesse fenômeno; Ocorre devido à movimentação de falhas (como discordâncias);

Ensaio de Fluência. A temperatura tem um papel importantíssimo nesse fenômeno; Ocorre devido à movimentação de falhas (como discordâncias); Ensaio de Fluência Adaptado do material do prof. Rodrigo R. Porcaro. Fluência é a deformação plástica que ocorre num material, sob tensão constante ou quase constante, em função do tempo ; A temperatura

Leia mais

Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio

Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio Conteúdo: Pilhas e baterias Eletrólise Recuperação do 4 Bimestre disciplina Química 2ºano Lista de exercícios 1- Na pilha Al/ Al 3+ // Cu 2+ / Cu é correto afirmar

Leia mais

PROBLEMAS PROPOSTOS PARA AS AULAS PRÁTICAS Retirados do livro: Princípios de Ciência e Engenharia dos Materiais, W.F. Smith, McGraw Hill.

PROBLEMAS PROPOSTOS PARA AS AULAS PRÁTICAS Retirados do livro: Princípios de Ciência e Engenharia dos Materiais, W.F. Smith, McGraw Hill. PROBLEMAS PROPOSTOS PARA AS AULAS PRÁTICAS Retirados do livro: Princípios de Ciência e Engenharia dos Materiais, W.F. Smith, McGraw Hill. 7ª Aula Considere uma liga com 70% pond. Ni e 30% pond. Cu (ver

Leia mais

K-FLEX K-FLEX TWIN SOLAR SYSTEM 32 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO

K-FLEX K-FLEX TWIN SOLAR SYSTEM 32 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO K-FLEX 32 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO K-FLEX TWIN SOLAR SYSTEM K-FLEX SOLAR R Acoplamento rápido à compressão Sistema completo para instalações de painéis solares térmicos Fácil e rápido

Leia mais

QUÍMICA - 3 o ANO MÓDULO 29 ELETROQUÍMICA: PILHAS

QUÍMICA - 3 o ANO MÓDULO 29 ELETROQUÍMICA: PILHAS QUÍMICA - 3 o ANO MÓDULO 29 ELETROQUÍMICA: PILHAS PILHA (ESPONTÂNEO) ENERGIA QUÍMICA ENERGIA ELÉTRICA ELETROIDE (NÃO ESPONTÂNEO) elétrons fio condutor Ânodo - Cu Cátodo + Cátions Ânions Zn 2+ SO 22+ Cu

Leia mais

Metalurgia do Pó. Introdução

Metalurgia do Pó. Introdução Metalurgia do Pó Introdução Peças automotivas e filtros Metal Duro (Cermets) Aplicações Esquema geral do processo Métodos Químicos de produção de pós Redução de óxidos Ex.: Fe3O4 Precipitação a partir

Leia mais

PROPAGAÇÃO DE CALOR A propagação do calor entre dois sistemas pode ocorrer através de três processos diferentes: a condução, a convecção e a radiação.

PROPAGAÇÃO DE CALOR A propagação do calor entre dois sistemas pode ocorrer através de três processos diferentes: a condução, a convecção e a radiação. PROPAGAÇÃO DE CALOR A propagação do calor entre dois sistemas pode ocorrer através de três processos diferentes: a condução, a convecção e a radiação. CONDUÇÃO TÉRMICA A condução térmica é um processo

Leia mais

Alumínio e suas ligas. A.S.D Oliveira

Alumínio e suas ligas. A.S.D Oliveira Alumínio e suas ligas Características do Al: - Cor prata - baixa densidade - Estrutura cristalina: CFC - Tfusão- 660C - maleável - Resistência a corrosão - Boa condutividade térmica e elétrica - Elevada

Leia mais

29/11/2010 DEFINIÇÃO:

29/11/2010 DEFINIÇÃO: Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-056 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 DEFINIÇÃO: Trocadores de calor são dispositivo utilizados

Leia mais

QUÍMICA - 1 o ANO MÓDULO 20 RELAÇÕES QUÍMICAS: CASOS ESPECIAIS

QUÍMICA - 1 o ANO MÓDULO 20 RELAÇÕES QUÍMICAS: CASOS ESPECIAIS QUÍMICA - 1 o AN MÓDUL 20 RELAÇÕES QUÍMICAS: CASS ESPECIAIS Fixação 1) (UERJ) De acordo com a equação a seguir, etermine o valor numérico dos coeficientes estequiométricos a e b. a C 2 H 4 (g) + b KMn

Leia mais

Aula 02 Propriedades Gerais dos Materiais

Aula 02 Propriedades Gerais dos Materiais Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Materiais Elétricos - Teoria Aula 02 Propriedades Gerais dos Materiais Clóvis Antônio Petry, professor. Florianópolis, setembro

Leia mais

Os elementos que têm 5 elétrons de valência, ou seja, pertencem à família VA, são P e As, portanto está correto o item D.

Os elementos que têm 5 elétrons de valência, ou seja, pertencem à família VA, são P e As, portanto está correto o item D. 01 Os elementos que têm 5 elétrons de valência, ou seja, pertencem à família VA, são P e As, portanto está correto o item D. 02 A energia de ionização cresce para direita da tabela periódica, portanto

Leia mais

FERROS FUNDIDOS. Peças de geometria complexa. Peças onde a deformação plástica é inadmissível.

FERROS FUNDIDOS. Peças de geometria complexa. Peças onde a deformação plástica é inadmissível. FERROS FUNDIDOS FERROS FUNDIDOS Peças de geometria complexa. Peças onde a deformação plástica é inadmissível. FERROS FUNDIDOS FF CINZENTO (Gray iron) FF DÚCTIL ou Nodular (Spheroidal iron) FF BRANCO

Leia mais

GABARITO COMENTADO 2 ANO ELETROQUIMICA EXERCÍCIOS DE APROFUNDAMENTO. Serão aqueles que possuem menos força redutora que o cobre

GABARITO COMENTADO 2 ANO ELETROQUIMICA EXERCÍCIOS DE APROFUNDAMENTO. Serão aqueles que possuem menos força redutora que o cobre GABARITO COMENTADO 2 ANO ELETROQUIMICA EXERCÍCIOS DE APROFUNDAMENTO 1 Alternativa B Serão aqueles que possuem menos força redutora que o cobre 2 Alternativa C Agente oxidante é aquela substancia que contém

Leia mais

P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 08/04/03

P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 08/04/03 P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 08/04/03 Nome: Nº de Matrícula: Turma: Assinatura: GABARITO Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,0 2 a 2,0 3 a 2,0 4 a 2,0 5 a 2,0 Total 10,0 R = 0,0821 atm L mol -1 K -1 K =

Leia mais

121,8 127,6 126,9 131,3. Sb Te I Xe. In Sn 69,7 72,6 74,9 79,0 79,9 83,8 112,4 107,9 85,5 87,6 88,9 91,2 92,9 95,9 (98) 101,1 102,9 106,4 140,1

121,8 127,6 126,9 131,3. Sb Te I Xe. In Sn 69,7 72,6 74,9 79,0 79,9 83,8 112,4 107,9 85,5 87,6 88,9 91,2 92,9 95,9 (98) 101,1 102,9 106,4 140,1 PROVA DE QUÍMICA º 2º 3º 4º 5º 6º 7º TABELA PERIÓDICA DOS ELEMENTOS (IA) H,0 3 Li 6,9 Na 23,0 9 K 39, 2 (IIA) 4 Be 9,0 2 Mg 24,3 3 (III B) 4 5 6 7 8 9 0 2 20 2 22 23 24 25 26 27 28 29 30 Ca Sc Ti V Cr

Leia mais

Factores Influentes na Corrosão e Protecção de Metais. Química 12º Ano

Factores Influentes na Corrosão e Protecção de Metais. Química 12º Ano Factores Influentes na Corrosão e Protecção de Metais Química 12º Ano Unidade 1 Metais e ligas metálicas Actividades de Projecto Laboratorial Outubro 2005 Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva Dep. Eng. Cerâmica

Leia mais

Capítulos 7 e 8 SOLIDIFICAÇÃO E DIFUSÃO ATÓMICA EM SÓLIDOS

Capítulos 7 e 8 SOLIDIFICAÇÃO E DIFUSÃO ATÓMICA EM SÓLIDOS Capítulos 7 e 8 SOLIDIFICAÇÃO E DIFUSÃO ATÓMICA EM SÓLIDOS 1*. Considere a nucleação homogénea durante a solidificação de um metal puro. Sabendo que a energia livre de Gibbs de um agregado de átomos aproximadamente

Leia mais

PDF created with pdffactory trial version ProfªAna Carmela ProfªDulce Lins Profº Eduardo Alécio

PDF created with pdffactory trial version  ProfªAna Carmela ProfªDulce Lins Profº Eduardo Alécio COMPOSIÇÃO E CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS ProfªAna Carmela ProfªDulce Lins Profº Eduardo Alécio VIDRO VIDRO Vidro Alcalino (Corning 0080): Lâminas descartáveis de microscópio e frasco reagente de baixo

Leia mais

Sólidos metálicos. Fe Hg

Sólidos metálicos. Fe Hg Sólidos metálicos Fe Hg Quais são? Metalóides Não-metais Metais Sólidos metálicos partilha de e - s por muitos átomos iguais (muitos átomos e poucos electrões). Energias de ionização baixas. Propriedades

Leia mais

PHYWELD 625. The World Specialist in Nickel Based Alloy Wire

PHYWELD 625. The World Specialist in Nickel Based Alloy Wire PHYWELD 625 Baixo Carbono - Baixo Ferro - Elementos de liga Níquel-Cromo-Molibdênio-Nióbio PHYWELD 625 offers > Destacada resistência à corrosão em diversos meios. > Resistência à corrosões localizadas

Leia mais

Cursos Técnicos Integrados ao Ensino Médio

Cursos Técnicos Integrados ao Ensino Médio Cursos Técnicos Integrados ao Ensino Médio Referência: BROWN, THEODORE L.; LEMAY JR., H. EUGENE; BURSTEN, BRUCE E.; BURDGE, JULIA R.. Química, a ciência central. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005.

Leia mais

Reacções de Oxidação-Redução

Reacções de Oxidação-Redução Reacções de Oxidação-Redução Há transferência de electrões entre espécies reagentes, com variação do número de oxidação de elementos dessas espécies. Regras simples para determinar o número de oxidação

Leia mais

CORTADOR DE GRAMA OM-SL RG 55/6 - MOTOR 6.5HP BASE COMPLETA

CORTADOR DE GRAMA OM-SL RG 55/6 - MOTOR 6.5HP BASE COMPLETA BASE COMPLETA BASE COMPLETA REF. CÓDIGO DESCRIÇÃO QUANT. 1 FC782-0084 Base para cortador 22 1 2 FC749-1086 Cabo de comando superior 1 3 FC749-1087 Cabo de comando inferior 1 4 FC747-6666 Alavanca do freio

Leia mais

É a perda de elétrons. É o ganho de elétrons

É a perda de elétrons. É o ganho de elétrons 1 É a perda de elétrons 2 É o ganho de elétrons 3 Na + Cl É o número que mede a carga real ou aparente de uma espécie química Nox = + 1 Nox = 1 4 Na + Cl É a perda de elétrons ou aumento do Nox 5 É o ganho

Leia mais

Susana Sequeira Simão

Susana Sequeira Simão Susana Sequeira Simão Dissertação apresentada à Universidade Nova de Lisboa, Faculdade de Ciências e Tecnologia, para a obtenção do grau de Mestre em Energia e Bioenergia Orientador: Doutor Pedro Abelha

Leia mais

Determinação dos calores específicos do Cobre (Cu), Chumbo (Pb), e vidro utilizando um calorímetro

Determinação dos calores específicos do Cobre (Cu), Chumbo (Pb), e vidro utilizando um calorímetro Determinação dos calores específicos do Cobre (Cu), Chumbo (Pb), e vidro utilizando um calorímetro TEORIA A quantidade de calor Q que é absorvida ou libertada, quando um corpo é aquecido ou arrefecido,

Leia mais

C R E E M SOLDAGEM DOS MATERIAIS. UNESP Campus de Ilha Solteira. Prof. Dr. Vicente A. Ventrella

C R E E M SOLDAGEM DOS MATERIAIS. UNESP Campus de Ilha Solteira. Prof. Dr. Vicente A. Ventrella C R E E M 2 0 0 5 SOLDAGEM DOS MATERIAIS Prof. Dr. Vicente A. Ventrella UNESP Campus de Ilha Solteira C R E E M 2 0 0 5 SOLDAGEM DOS MATERIAIS 1. Introdução 2. Terminologia de Soldagem 3. Simbologia de

Leia mais

Prof. Luís Fernando Pagotti

Prof. Luís Fernando Pagotti Laboratório de Qualidade e Racionalização da Energia Elétrica Prof. Luís Fernando Pagotti energia não pode ser criada nem destruída, só pode ser transformada! Como Converter Energia? Combustores;

Leia mais

Química Analítica Avançada

Química Analítica Avançada Química Analítica Avançada Volumetria de Óxido-redução Profa. Lilian Silva LMBRANDO Reações de Oxi-redução Oxidação e redução 0 0 +1-1 0 0 +1-1 Reações redox e semi-células Zn 0 + Cu 2+ Zn 2+ + Cu 0 semi-célula

Leia mais

FUNDIÇÃO POR CENTRIFUGAÇÃO

FUNDIÇÃO POR CENTRIFUGAÇÃO FUNDIÇÃO POR CENTRIFUGAÇÃO Rscp/labats/demec/ufpr/2017 O processo de fabricação por centrifugação consiste em vazar-se metal líquido num molde dotado de movimento de rotação, de modo que a força centrífuga

Leia mais

Determinação dos calores específicos do cobre (Cu), chumbo (Pb) e vidro utilizando um calorímetro

Determinação dos calores específicos do cobre (Cu), chumbo (Pb) e vidro utilizando um calorímetro Determinação dos calores específicos do cobre (Cu), chumbo (Pb) e vidro utilizando um calorímetro TEORIA A quantidade de calor Q que é absorvida ou libertada, quando um corpo é aquecido ou arrefecido,

Leia mais

Exercícios Sobre Potenciais elétricos e Pilhas - Eletroquímica

Exercícios Sobre Potenciais elétricos e Pilhas - Eletroquímica Exercícios Sobre Potenciais elétricos e Pilhas - Eletroquímica 01. (U. F. Uberlândia MG) São dadas as seguintes semi-reações, com respectivos potenciais de eletrodos: Mg Mg 2+ + 2e - Ni Ni 2+ + 2e - Cu

Leia mais

SEMI 2016 UNIDADES 04 e 05 Química A (Com gabarito)

SEMI 2016 UNIDADES 04 e 05 Química A (Com gabarito) SEMI 2016 UNIDADES 04 e 05 Química A (Com gabarito) 1 - (UFPR) - Considere um elemento químico (E) com número atômico (Z) igual a 16. a) Qual sua configuração eletrônica para o estado fundamental? a) 1s

Leia mais

Meios de Ligação. Ligações nas Estruturas Metálicas Aço. O uso do Aço na Arquitetura 1 Aluízio Fontana Margarido. Objetivo.

Meios de Ligação. Ligações nas Estruturas Metálicas Aço. O uso do Aço na Arquitetura 1 Aluízio Fontana Margarido. Objetivo. O uso do Aço na Arquitetura 1 Aluízio Fontana Margarido Meios de Ligação 4 Objetivo Conhecer os sistemas de ligação utilizados nas estruturas de aço Ligações nas Estruturas Metálicas Aço As ligações nas

Leia mais

Revestimentos e Metalização

Revestimentos e Metalização Revestimentos e Metalização Conteúdo Iniciação à engenharia de superfície (conceitos e aplicações); Revestimento x tratamento de superfícies; Aspersão térmica a gás fundamentos, processos, equipamentos,

Leia mais

QUESTÕES. 1. Complete a tabela com os Números de Oxidação das espécies químicas: Espécie Química

QUESTÕES. 1. Complete a tabela com os Números de Oxidação das espécies químicas: Espécie Química 2º EM Química B Natalia Av. Dissertativa 30/03/16 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta

Leia mais

Sólidos metálicos. Fe Hg

Sólidos metálicos. Fe Hg Sólidos metálicos Fe Hg Quais são? Metalóides Não-metais Metais Sólidos metálicos partilha de e - s por muitos átomos iguais (muitos átomos e poucos electrões). Energias de ionização baixas. Propriedades

Leia mais

Aspectos Metalúrgicos na Produção de Trefilados em Ligas de Alumínio

Aspectos Metalúrgicos na Produção de Trefilados em Ligas de Alumínio Aspectos Metalúrgicos na Produção de Trefilados em Ligas de Alumínio Eng o. Marcelo Gonçalves, M.E., Ph.D. Alpina Consultoria e ESEG Escola Superior de Engenharia e Gestão Objetivo da Palestra Trefilação

Leia mais