UMA REFLEXÃO DA IDENTIDADE E A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DO ENSINO SUPERIOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA REFLEXÃO DA IDENTIDADE E A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DO ENSINO SUPERIOR"

Transcrição

1 1 UMA REFLEXÃO DA IDENTIDADE E A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DO ENSINO SUPERIOR Cristiana Flores Kurschner i Janete Rosa da Fonseca ii EIXO TEMÁTICO: Práticas Pedagógicas: propostas de melhoria da qualidade do ensino e aprendizagem RESUMO O objetivo foi apresentar as características primordiais do professor do ensino superior. A metodologia utilizada foi a funcionalista que serviu para incluir reflexões sobre a prática pedagógica, apontar diferentes considerações em relação à identidade e a formação do professor do ensino superior, além de demonstrar os avanços e as perspectivas para o ensino superior no Brasil nas últimas décadas. Os avanços do ensino superior se voltam para a produção de novos conhecimentos a partir da pesquisa científica. A complexidade dos fenômenos deve ser compreendida para a busca de solução dos problemas e esta aprendizagem se dá através de uma dimensão multi e interdisciplinar, ou seja, envolve a participação de diferentes profissionais e essencialmente a figura do professor. Palavras-chave: Professor. Identidade e Formação. Docência. ABSTRACT The aim was to present the basic characteristics of the teacher in higher education. The methodology used was a functionalist who served to include reflections on teaching practice, pointing out various considerations concerning the identity and teacher education in higher education, and demonstrate the progress and prospects for higher education in Brazil in recent decades. Advances in higher education turn to the production of new knowledge from scientific research. The complexity of the phenomena must be understood to search for problem solving and learning that occurs through a multi and interdisciplinary dimension, ie, involves the participation of different professionals and essentially the figure of the teacher. Keywords: Teacher. Identity and Training. Teaching. INTRODUÇÃO Baseado na obra Professor do Ensino Superior: identidade, docência e formação de Marilia Costa Morosini (org.), uma análise reflexiva foi realizada com a finalidade de conhecer quem é o professor do ensino superior baseado nas

2 2 características primordiais tais como a identidade, a docência e a formação, além de sua contribuição no processo de ensino-aprendizagem no Brasil nas últimas décadas. A rápida expansão do Ensino Superior no Brasil nas ultimas décadas vem acontecendo em razão da tamanha busca por qualificação, as pessoas assumem a necessidade de competir por uma vaga no mercado de trabalho em suas áreas de atuação. O aumento do numero de matriculas do ensino superior duplicou devido à importância dada ao grau de escolaridade e sua utilização no espaço social e no mercado de trabalho na era globalizada. No Brasil, a formação do professor universitário se fundamenta na produção de conhecimento científico a partir da pesquisa, visando desenvolver o senso crítico. A Pós-graduação possibilita ao professor o aprimoramento de sua competência técnica - cientifica para lhe proporcionar o exercício mais qualificado da sua pratica docente. E a busca intensificada por novos cursos de pós-graduação, surge do propósito de investir na pesquisa que se fortalece desde as ultimas décadas decorrente da expansão do ensino superior no Brasil e o fortalecimento da hegemonia ocidental. A formação especialista do docente vem para atender a demanda esperada do modelo empresarial e ao mercado moderno. Ao final da década de 90, são múltiplos os interesses baseados no próprio sistema capitalista, para o investimento em pesquisas e até mesmo para a implantação instituições privadas de ensino para fomentar a produção de conhecimentos científicos em diferentes áreas de interesse publico. Atualmente a necessidade do mundo globalizado demonstrada pelo crescimento do diversificado mercado de trabalho, requer profissionais com habilidades e dispostos a se manter atualizado em quaisquer segmentos de atuação. E a comunidade do conhecimento universidade sempre será o foco central das mudanças sociais. Os integrantes dela precisam aderir às perspectivas de crescimento, desenvolvimento e ampliação do conhecimento científico. As habilidades do professor em sala de aula dependem de vários fatores sociais. O modelo tradicional de ensino na sala de aula ou no espaço de aprendizado, nem sempre permitem a reforma o inovação da metodologia de ensino. Mas o personagem professor juntamente com a instituição de ensino que podem transformar essa realidade da sala de aula, em um contexto inovador. São as metodologias utilizadas e a reflexão da própria pratica docente que facilitam a

3 3 reforma do processo de ensino. A sala de aula é o lugar mais rico de conhecimento empírico e a partir dela que o professor define as necessidades de produção de conhecimento e norteia as intenções de pesquisa de acordo com a área de atuação do professor. O ajuste teórico dar se a de acordo com a compreensão da dimensão humana e a necessidade de formação individual. Esse conjunto de praticas de pesquisa e formação de novos conhecimentos que surge a partir da universidade são peças chaves para a formação da identidade do professor. A identidade do professor pode ser mais bem definida baseada na sua formação pessoal, na busca por novos conhecimentos, de acordo com a instituição que pertence ou com a situação política da educação. METODOLOGIA Trata-se de uma pesquisa bibliográfica, tendo como base a obra de Morosini Professor do ensino superior: identidade, docência e formação. Esse estudo adotou a abordagem indutiva, utilizando o método funcionalista, em busca da interpretação da leitura realizada. REVISÃO E DISCUSSÃO DA LITERATURA Formação e Identidade do Professor do Ensino Superior Isaia (2000) contextualiza que a vida adulta ou o adulto é resultado de um entre jogo com quatro níveis desenvolvimentista: biológico-interno, psico - individual sociocultural e físico-externo. Essa correlação entre esses fatores possibilitam os confrontos e transformações no individuo e também na sociedade onde o individuo interage. Para a autora, as transformações e as mudanças que ocorrem na vida do ser humano em todas as etapas de sua vida envolvem desafios, crises e transtornos a partir do momento em que as necessidades e expectativas pessoais se combinam com as exigências sociais, assim como a capacidade de enfrentar e gerenciar dentro de um marco histórico e geracional. Ruegel (1979, p.139) (apud MOROSINI, 2000, p.23) apresenta os níveis e eventos da vida adulta, conforme o quadro 1.

4 4 Para Isaia (2000) a razão da existência do ser humano se dá pelo fator psicossocial que é capaz de explicar o transcurso existencial. Já a dinâmica do desenvolvimento depende de outros fatores biopsíquicos para definir em uma escala de amadurecimento o nível que o individuo se encontra e caso os saldos sejam negativos das crises, os resultados podem ser bastante destrutivos. Com isso a trajetória profissional do professor envolve uma multiplicidade de gerações que não só se sucedem, mas se entrelaçam na permanente tarefa de produzir o mundo. Pode ser entendido também de uma forma mais simples a vivencia de cada um no meio social estabelece inúmeras experiências e de diferentes pessoas que nos interessam. A trajetória profissional enquanto ativo no mercado de trabalho corresponde a diferentes gerações pedagógicas que objetivam produzir um mundo para diferentes pessoas e gerações e para que estas compreendam o processo de construção do conhecimento. Enquanto que a trajetória pessoal do professor se constrói de acordo com alguns parâmetros (tais como o estilo de vida, espaço e tempo) na medida em que ele se desenvolve ou convive em sociedade. A compreensão da trajetória pessoal e profissional permite que o professor seja inserido no contexto de professor universitário. E cada pessoa está sujeita a passar por inúmeras e diversificadas transformações em seu ciclo de vida ao longo do crescimento e desenvolvimento biológico. Estas transformações estão ilustradas no quadro 2, em acordo com Huberman (1998, p.23) (apud MOROSINI, 2000, p.28).

5 5 O entendimento da trajetória profissional como a necessidade da incorporação do eu profissional, quando o professor assume esse caráter individualizado e se coloca diante de suas obrigações certo do que quer fazer ou do que ele é. Mesmo que o eu profissional possa ser entendido de diferentes maneiras e depende necessariamente do individuo, este eu sofre o jogo de influências interhumanas, objetos amados ou odiados para melhor representar os aspectos da pessoa ou do grupo. É uma espécie de conectividade entre o professor e o mundo que o rodeia. Mas na base deste mundo interior, individual ou coletivo estão os mecanismos de defesa que asseguram a proteção do individuo contra a ansiedade. E caso a ansiedade se torne permanente, ira por si mesma impedir o contato do professor com a realidade. Para Isaia (2000) ao longo de sua carreira a busca por compreender o professor como pessoa ou como profissional envolve diversas tensões do dia a dia, tais como a centração na própria pessoa e a problemática dos alunos; a inventividade/inovação ou o conformismo; aspirações, necessidades, valores pessoais e estrutura institucional. Para Ariza e Toscano (2000) é importante à compreensão da relação cultural de quem se dispõe a aprender e as ideologias vivenciadas no espaço social, para que o professor associe-as no contexto da disciplina. Faz se necessário também o conhecimento dos procedimentos metodológicos para favorecer o aprendizado e a evolução desta perspectiva. A busca por um novo modelo de ensino, especialmente

6 6 aquele em sala de aula, pode estar diretamente relacionado com a quantidade de conhecimento adquirido e a habilidade do professor em transmiti-lo. O conhecimento, a capacidade adquirida, do professor especialista depende muito de qual disciplina ele ira lecionar na sala de aula e não se restringe apenas as habilidades didáticas, mas na disciplina que pode ser chata de estudar e vão alem das técnicas de ensino. A evolução histórica do conteúdo exige que o professor precise estar atualizado diante das inúmeras teorias escritas e as diferentes pesquisas que surgem. Um balanço realista da trajetória do professor universitário possibilitou que ele encontrasse as condições reais existentes que resultaram do trabalho ao longo da carreira profissional. Mas também não é absurdo se deparar/encontrar com um professor universitário que apresente um quadro de isolamento e intransigências diante das novidades e das mudanças que os tornam em um mundo vazio. Morosini (2000) demonstrou que na década de 60 e 70 ainda acompanhadas de um modelo desenvolvimentista a universidade ficou entendida como um espaço reservado para produzir conhecimento desenvolvimento e fortalecimento das políticas publica do Estado. Nesta época o Estado também viveu um período autoritário onde a estratégia era de anular ou diminuir a ideia clássica da universidade e possibilitar a liberdade e a contestação. A reflexão pode ser feita a partir da ideia de concepção reducionista da formação de professores investigadores especialistas, não se nega a importância da investigação como função do professor universitário. As práticas da docência eram muito voltadas à organização de cada instituição de ensino em razão das políticas publicas omitirem as determinações referentes ao processo de ensinar. A partir da década de 90, o Estado avaliativo marca presença efetiva no processo para orientar a qualidade e a excelência do ensino no Brasil. Nesta época surge o questionamento de quem é o professor universitário. E a resposta que se tinha era baseava no tipo de formação acadêmica, área de atuação e experiência em sala de aula, não era muito exigida para a formação didática do professor universitário. Cunha (2000) demonstra em seu texto que, com o passar dos anos as transformações vivenciadas no ensino superior permitiram metodologia da pesquisa e da didática se tornassem aliadas na formação do professor universitário. Não é possível se basear apenas na qualidade ou tipo de

7 7 formação do docente, sem basear-se nas suas experiências onde a teoria esta associada fortemente com a prática. E os avanços no Ensino Superior puderam ser visualizados ao longo das ultimas décadas, pois a maioria dos professores já domina o ensino contemporâneo e o incentivo para a busca de conhecimento vem sendo muito estimulado (seja acadêmico ou formação complementar). Por exigência do Estado para que novas instituições de ensino superior sejam credenciadas, a formação para a pesquisa é considerado um parâmetro de qualidade para o ensino. Com o entendimento de que a formação do professor de ensino superior de construiria com base na pesquisa é que nas ultimas décadas muito se tem investido em instituições de ensino superior. Para Morosini (2000) o professor universitário, na última década, sofre uma marcante pressão, advinda da legislação, imposta pela instituição e buscada por ele, para sua qualificação de desempenho, no qual o didático passa a ocupar um papel de destaque. Advinda do governo com o fito de avaliar a qualidade do ensino superior, imposta pela instituição com o objetivo de obter credenciamento da mesma junto ao Ministério da Educação (MEC) e para captar os alunos e buscada pelo professor para a manutenção de seu emprego e aumento de remuneração, entre outros requisitos. Como a base pedagogia universitária no Brasil é exercida por professores que não têm uma identidade única a exigência do desempenho didático pode ser muito mais criteriosa e dependerá do sistema educacional e este inclui a política institucional, tipo de instituição e suas particularidades podendo ser menos ou mais complexas. A Docência e a Prática Pedagógica O foco central de uma sociedade se baseia na educação, e esta, abrange a produção e a qualidade do conhecimento além de sua aplicação. Neste contexto, o professor é a figura de maior representatividade para a produção do conhecimento, pois na sua individualidade já possui um vasto conhecimento que deve ser associado à prática de investigar e produzir mais conhecimento (CUNHA, 2000). O professor exerce um papel essencial com capacidade exclusiva de intervir junto ao espaço social e junto dos seus alunos, para estruturar ou mesmo instalar bases solidas para a aquisição e produção de conhecimento científico. Com isso a

8 8 identidade do professor universitário tem sua dimensão de atuação ampliada. A reflexão a respeito da pesquisa cientifica, permite que o professor compreenda a importância de conhecer os passos que levam o pesquisador a melhor desenvolver suas habilidades. Cunha (2000), afirma que a experiência pratica como um campo infinito de saber é um estímulo para a pesquisa. O conhecimento aplicado em uma sociedade possibilita a formação de ideias, costumes e tradições em que as pessoas vivenciam experiências culturais. Somente a partir de métodos, regras e planos que a pratica educativa ou a formação de conhecimento se estabelece. As mudanças sociais e a inclusão diversificada das tecnologias propõe que o campo de atuação do professor seja ampliado. A reflexão se volta para a importância da pratica da metodologia da pesquisa e da metodologia didática para a formação de novos pesquisadores, compreendida para explicar que não seja as disciplinas, o avanço do conhecimento que forma o professor, mas sua pratica pedagógica concreta. A formação do professor esta voltada para a investigação, assim o perfil do professor vem sendo aprimorado pouco a pouco. Franco (apud COSTA, 1998) menciona que o poder esta em quem sabe narrar e dizer como as coisas são feitas para quem produz as coisas. Nesse sentido, isso é para ser aplicado ao professor em sala de aula, pois quem conhece, pode governar/administrar o conhecimento. Em um momento de reflexão para a importância do ensino, os objetivos e sua aplicação na sociedade, à busca de outras formas de transmissão dos saberes científico passa a ser a preocupação da universidade para formação do professor. Assim as instituições de ensino adéquam suas realidades e podem articular entre demais instituições com a finalidade de atender as necessidade de cooperar para a produção de novos conhecimentos, também com o intuito de se juntar às diferentes habilidades dos profissionais e permitir que as instituições se tornem também mais abrangentes e inovadoras no espaço social. Essa integração possibilita e melhora a formação de todos os envolvidos. E a ideia de inovar os processos educativos passa a ser um desafio da contemporaneidade, pois o modelo tradicional do ensino pode se romper e a reconstrução do status do professor faz um exercício continuo para a reflexão da sala pratica docente, a representação social, as obrigações a serem cumpridas bem como seu poder de transformação.

9 9 A prática reflexiva pelos professores diante desta proposta inovar para produzir novos conhecimentos e a importância da docência no ensino-aprendizagem os leva ao entendimento e o reconhecimento de si próprio. A prática profissional estabelece a legitimidade do professor diante da produção de novos conhecimentos e melhor caracteriza o professor tanto na individualidade quanto na sua profissão. Se o pensamento reflexivo ocorrer, tornar se possível ocorrer o ensino reflexivo, mas este ensino requer que os professores tenham pelo menos essa três atitudes: abertura de espírito, para que o professor se adapte as diferentes situações e possa ser receptivo a novas ideias sem sofre qualquer tipo de prejuízo profissional; responsabilidade, para considerar as decisões tomadas, as consequências e as repercussões éticas para atender os objetivos da formação acadêmica e por fim o entusiasmo, este deve possibilitar a realização das tarefas do ensino com segurança e energia. O pensamento crítico orienta o professor nas ações para que ele compreenda e identifique as situações esperadas ou mesmo inesperadas e possa direciona-la da melhor forma para a tomada de decisões pedagógicas. Grillo (2000) aponta que a condição mais singular do professor, pode ser representada pelo estar em sala de aula onde exige que o professor seja um investigador nato, pois os alunos estão em constantes mudanças e adequações pessoais. E o espaço ocupado pelo professor em sala de aula, possibilita o avanço para a produção de conhecimentos. As decisões imediatas, o planejamento de atividades de atividades a longa data que o torna essencial na sala de aula ou em sua representação social. Compete ao professor a reflexão e o entendimento do seu papel na busca por adequações e mesmo construção do conhecimento através de um modelo inovador. Essa inovação deve facilitar a aplicação dos saberes já adquiridos para a formação e expansão de novos saberes e possibilitar o interesse em manter-se atualizado com questões novas. Grillo (2000) fundamentada em Bourdieu (1972) explana o habitus que traduz a relação do professor com a cultura e o mundo, pois sintetizam experiências, conhecimento implícitos e explícitos, valores alem de possibilitar a realização de tarefas diversificadas que podem ser chamadas em sala de aula de improvisação. Refletir sobre a ação é a capacidade de descrever a ação para as demais pessoas compreenderem em que há uma associação entre a teoria a pratica. E ao aprofundar a reflexão sobre o significado de suas decisões, o professor consegue olhar no contexto global o sentido, a dimensão, a compreensão e a importância da

10 10 construção de uma nova teoria. Essa pratica pode ser coletiva para chegar a uma produção de conhecimento em um espaço voltado para o dialogo sobre a prática da docência. A produção do conhecimento deve obedecer a normas de elaboração para que ele seja produzido e reconhecido como algo inovador para a comunidade do saber. As formas de aprender o conhecimento têm muito a ver com a inovação, um remodelar na forma de aplicar o ensino em sala de aula. A aplicação da inovação no ensino não tem que necessariamente modificar todo o sistema de ensino. Na busca de melhorar o processo de ensino, romper com os marcos tradicionais pode não ser fácil inovar já que esses docentes respondem a necessidade social onde estão inseridos para sustentar de modo geral toda a sociedade. A partir do conhecimento social a construção da cidadania fica facilitada, pois é capaz de emancipar e resgatar o indivíduo pela sua capacidade de compreensão. Dita como a racionalidade como base para direcionar o processo de construção que resulta na inovação. Leite (2000) afirma que é necessário e urgente que o docente integre o conhecimento social, compreenda a potencialidade que esse traz para sua autoformarão. Independente de quem é o professor, essa dinâmica permite que ele atenda as necessidades da sua sociedade, adequando ate mesmo a metodologia do seu ensino na sala de aula. Assim a produção de novos conhecimentos se intensifica e permite a ampliação da sua aplicação na pratica vivencia social. Perspectivas e Avanços no Ensino Superior Para Franco (2000) o mercado de trabalho é competitivo e a necessidade da reflexão referente a pratica do professor universitário possibilita que ocorra o entendimento para a adequação e sustentabilidade dos padrões de formação esperados. A adequação não se aplica tão somente ao professor, mas também a universidade, para planejar e melhor fazer o atendimento das expectativas sociais. Nesse sentido, o professor lidera na formação do conhecimento, pois a exigência de produzir conhecimento se intensifica e surge à necessidade do professor triar um caminho especifico para responder melhor a demanda exigida. Assim, os cursos de pós-graduação permitem essa busca para aprimorar o conhecimento a ser produzido.

11 11 Apesar da complexa relação do professor com a universidade, é nesse ambiente que ele deve ser estimulado para a prática investigativa e reflexiva do seu desenvolvimento profissional. Geralmente os interesses do professor se baseia na pratica pedagógica em que suas habilidades se desenvolvem melhor, por isso a importância da pós-graduação possibilitar a verdadeira pratica da reflexão. A pósgraduação é um tipo de formação complementar que visa à preparação e a diversificação das áreas de conhecimento, que possibilita o investimento pessoal e institucional com a finalidade de produzir conhecimentos específicos e científicos através de novas propostas de pesquisa e aplicabilidades destes na sociedade que sejam uteis. Não há possibilidade de preparar um professor para a pesquisa investigativa, argumentos fundamentados e entendimento crítico sem que as estruturas pedagógicas fomentem a necessidade da construção do espaço social e o comprometimento com a construção do conhecimento. Franco (2000) afirma que o professor do ensino superior pode atuar em diferentes instituições de ensino, desenvolver atividades que o qualifiquem em sua área de atuação ou outra que o interessa, com isso ele aprende a se relacionar com diferentes maneiras de produzir ou utilizar o conhecimento que será produzido. A partir deste entendimento em que a especialização do professor universitário é de grande valor e de grande necessidade é que o surgimento de cursos de mestrados surge para aprimorar ainda mais os conhecimento já adquiridos, mas com a finalidade de enfatizar que cada área especifica produza ou de volte para a ampliação da pesquisa e melhor ênfase para as necessidades de cada área temática estudada. Pode ser entendido como forma racional de produzir o conhecimento com intuito de nutrir as bases da formação do próprio professor. A comunidade do conhecimento precisa se basear na ciência para que as relações científicas se estabeleçam assim cada professor ira se dedicar a uma área especifica e cientifica existe para fundamentar seus conceitos de pesquisa e produção de conhecimento. Essa base cientifica possui duas dimensões distintas para que as pesquisas sejam norteadas no espaço da universidade. Uma delas representada pela autoridade, em que se responsabiliza pela avaliação/julgamento final dos trabalhos submetidos além de compor um banco de trabalhos (acumulo e recebimento de trabalhos científicos e posse) e a outra é a submissão do

12 12 pesquisador para que seu trabalho tenha um seguimento pertinente e ao ser submetido à avaliação o mesmo seja aceito. Novas universidades ainda estão implantadas ou fase de implantação para atender as exigências de novas pesquisas. O objetivo ainda se volta para a formação de diferentes pessoas com necessidade de se qualificar para a permanência ou entrada no mercado de trabalho. Os professores precisam acompanhar essa cadeia produtiva e investir ainda mais no campo especifico de sua atuação, pois esse conhecimento se aplica a maior aceitação e aplicabilidade de suas produções cientifica. Para Franco (2000) em razão da existência dos cursos de pós-graduação que o professor constrói sua pratica de modo mais criterioso no âmbito da pesquisa. A ideia da universidade pode ser diferente do professor que esta como participante ativo da sociedade do conhecimento. Compete a todos uma pratica reflexiva e na totalidade para que se tenha uma resposta mais adequada dos propósitos da pesquisa como formação do professor. CONSIDERAÇÕES FINAIS Em relação à identidade, a docência e a formação do professor de ensino superior tida como características essenciais sua constituição parece ser a mais complexa, pois se entrelaça com diferentes gerações sociais que contribuem para sua formação docente. Essas gerações podem significar a realização concreta do professor, bem como a realização não bem sucedida. É preciso que ele conheça si mesmo para construir a imagem real ou ideal de professor para sentir se como agente ativo e transformador do meio em que ele se encontra. É da própria necessidade humana de conviver em sociedade para que os indivíduos tornem se habilitados e se aprimorem na vivencia para contribuir e atender as necessidades sociais. Não há como negar que a falta de interação social dificulta essa habilidade em conhecer a si próprio e aos demais envolvidos. E são as experiências de sucesso ou de fracasso na trajetória pessoal que geralmente influenciam na vida profissional, especialmente do professor. Atualmente nossa realidade social se fundamenta no sistema é capitalista, o mercado de trabalho tornou-se mais competitivo e a corrida por cursos de aperfeiçoamento tornou - se um critério para o profissional se manter no competitivo

13 13 mercado de trabalho. Investir na formação possibilita melhores adequações do aprendizado e melhorar a formação profissional, mas não substituem necessariamente as ideologias que contrariam a trajetória pessoal do professor. A busca pela valorização do professor já esta sendo discutida, pois nem sempre as instituições de ensino compreendem as necessidades individuais do professor e a sobrecarga de trabalho o leva a desmotivação ou o não cumprimento de suas obrigações. Vale salientar que essa colocação é referente aos diferentes modelos institucionais - pois são inúmeros os limites da realidade educacional e as mudanças de ideológicas nesses espaços de ensino, seguem a passos moderados. Na educação o processo de inovação repercute na capacidade dos envolvidos em produzir o conhecimento cientifico. A metodologia do ensino abrange e influencia na capacidade de interação na sala de aula em que o estimulo do professor possibilita a transferência de valores culturais e científicos para transformar as ideologias empíricas de seus alunos em um campo rico de aprendizado. Os conhecimentos produzidos devem ser essenciais para atender as necessidades no espaço social. A ideia de inovar os processos educativos passa a ser um desafio da contemporaneidade, pois o modelo tradicional do ensino pode se romper e a reconstrução do status do professor tornar-se um exercício contínuo para a reflexão da sua pratica docente, a representação social, as obrigações a serem cumpridas bem como seu poder de transformação. O ganho econômico pela ampliação de novas instituições privadas para esse ensino são exemplos do sistema capitalista em que o lucro é o foco da sociedade. Para que pudesse manter a autonomia, o Estado precisou regular o credenciamento das instituições de ensino superior a partir do requisito pesquisa, para a formação da docência e as especializações. Mas na fase de hegemonia ocidental as intenções do ensino se voltam para atender as necessidades do mercado. Com isso, o professor passa a ser um elemento fundamental para auxiliar a produção de conhecimentos que atenda as demandas do mercado. Nas ultimas décadas são inúmeras as mudanças ocorridas especialmente o investimento em formação superior especializada para o entendimento da pesquisa cientifica. Faz se necessário uma nova reflexão de quem é esse profissional que esta na competitividade e seu valor para a sociedade já que a tecnologia avança em direção do ensino. Nessa evolução abrangente, o professor precisa ter em mente que sua capacidade não será substituída, mas disputa o espaço do ensino-aprendizagem de modo diferenciado.

14 14 Ele estará atendendo as expectativas que sua instituição pactuou e que poderá responder pela qualidade da formação no momento da avaliação (Estado). Ao analisar a carreira do docente, pode se fazer uma pausa para refletir: o que é mais útil para o docente o investimento na linha de pesquisas para produzir novos conhecimentos ou a busca por capacitação especializada para ajudar na formação de novos pesquisadores? Poderia ser oferecida uma melhor recompensa aos formadores de conhecimento, para que no decorrer de seu trabalho se sentisse mais realizado e valorizado financeiramente. A necessidade de investir mais na pesquisa para manter esse elo forte entre a formação do professor universitário e produção de conhecimento vem sendo mais bem trabalhada nas duas ultimas décadas. Existe um conjunto de variáveis quem interferem o direcionamento a essa pratica. São inúmeras situações préestabelecidas que prejudiquem a construção da identidade do docente. Não há como estabelecer uma condição mais favorável para estimular o professor em dedicar se a pratica da pesquisa. Entende-se que o professor ainda esta inserido em uma sociedade onde o conhecimento não tem a mesma repercussão das diferentes sociedades e comunidade de conhecimento e muitas vezes as ideologias não se cruzam para somar as forças. É muito eficaz a compreensão da importância de uma pratica de pesquisa para construção de novos conhecimentos, só que não se pode esperar muito de uma comunidade cultural, em que o próprio professor esta inserido, e que não corresponde às expectativas da comunidade que pretende produzir o conhecimento. Então não é o professor o culpado pela pouca busca de formação e produção de novos conhecimentos. Mas ele esta para representar e compartilhar o conhecimento que já possui até mesmo com a pouca formação acadêmica, caso ele não seja um especialista. Assim a proposta pedagógica precisa ser bem trabalhada para que venha a estimular o professor a participar, como agente ativo, da construção de novos conhecimentos e também acompanhar as transformações sociais e não manter apenas a pratica do ensino no modo tradicional. A comunidade de conhecimento representada pela universidade esta sendo muito abrangente e atuante no espaço social por integrar, renovar e disseminar novos conhecimentos na comunidade/sociedade de modo geral. REFERÊNCIA

15 15 ARIZA, Rafael Porlán e TOSCANO José Martín. O saber prático dos professores especialistas: contribuições a partir das didáticas específicas. In: MOROSINI, Marília Costa (Org.). Professor do Ensino Superior: identidade, docência e formação. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, CUNHA, Maria Isabel da. Ensino como mediação da Formação do Professor Universitário. In: MOROSINI, Marília Costa (Org.). Professor do Ensino Superior: identidade, docência e formação. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, FRANCO, Maria Estela Dal Pai. Comunidade de conhecimento, pesquisa e formação do professor do ensino superior. In: MOROSINI, Marília Costa (Org.). Professor do Ensino Superior: identidade, docência e formação. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, GRILLO, Marlene Correro. O lugar da reflexão na construção do conhecimento profissional. In: MOROSINI, Marília Costa (Org.). Professor do Ensino Superior: identidade, docência e formação. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, ISAIA, Silvia Maria de Aguiar. Professor universitário no contexto de suas trajetórias como pessoa e profissional. In: MOROSINI, Marília Costa (Org.). Professor do Ensino Superior: identidade, docência e formação. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, LEITE, Denise. Conhecimento social na sala de aula universitária e a autoformação docente. In: MOROSINI, Marília Costa (Org.). Professor do Ensino Superior: identidade, docência e formação. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, MOROSINI, Marília Costa (Org.). Professor do Ensino Superior: identidade, docência e formação. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, i Bacharel em Enfermagem pela Universidade Federal de Mato Grosso - Campus de Sinop em 2010; Pós graduanda em Docência para o Ensino Superior pela Faculdade de Sinop (FASIPE); ii Coordenadora do curso de Pedagogia da Faculdade La Salle de Lucas do Rio Verde; Doutoranda em Educação; Docente do Programa de Pós graudação Latu sensu da Faculdade de Sinop (FASIPE) ;Orientadora deste artigo.

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

Formação Pedagógica em Educação Profissional: A Prática Pedagógica na Tutoria em Enfermagem

Formação Pedagógica em Educação Profissional: A Prática Pedagógica na Tutoria em Enfermagem Formação Pedagógica em Educação Profissional: A Prática Pedagógica na Tutoria em Enfermagem Resumo Maria Marly de Oliveira Coelho 1 Francinete Massulo Corrêa 2 O texto em pauta tem como foco reflexões,

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Brasília, 25 de novembro de 2009 1 POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO,

Leia mais

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA Autor - Juliana ALVES - IFTM 1 Coautor - Andriza ASSUNÇÃO IFTM 2 Coautor - Aparecida Maria VALLE IFTM 3 Coautor - Carla Alessandra NASCIMENTO

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES

ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES ESTUDO SOBRE A APRENDIZAGEM DA DOCÊNCIA NA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES Nara Dias Brito 1 ; Daniel Mill 2 Grupo 2.1. Docência na educação a distância: Formação

Leia mais

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL Kenya Vieira de Souza e Silva Vanessa Duarte Resumo A educação

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA ESTÁGIO DOCENTE NA DISCIPLINA METODOLOGIA DA GEOGRAFIA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA ESTÁGIO DOCENTE NA DISCIPLINA METODOLOGIA DA GEOGRAFIA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA ESTÁGIO DOCENTE NA DISCIPLINA METODOLOGIA DA GEOGRAFIA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Gilvan Charles Cerqueira de Araújo 1 INTRODUÇÃO Este

Leia mais

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE)

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE) PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE (SÍNTESE) Ao longo de mais de cinco décadas, a Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) estruturou um ambiente acadêmico intelectualmente rico

Leia mais

Área de Ciências Humanas

Área de Ciências Humanas Área de Ciências Humanas Ciências Sociais Unidade: Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia (FCHF) www.fchf.ufg.br Em Ciências Sociais estudam-se as relações sociais entre indivíduos, grupos e instituições,

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PEDAGOGIA PARA A FORMAÇÃO DOCENTE

AS CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PEDAGOGIA PARA A FORMAÇÃO DOCENTE AS CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PEDAGOGIA PARA A FORMAÇÃO DOCENTE RESUMO: Este artigo tem como objetivo apresentar as contribuições do PIBID Pedagogia do Campus Avançado de Patu CAP/UERN para a formação docente.

Leia mais

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO:

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1. Profissionais da educação: formação inicial e continuada 1.1. Implantar

Leia mais

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI Maria Antonia Alves Lima Graduanda em Pedagogia /UFPI Bárbara Maria Macedo

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA Ementário Relações Interpessoais e Ética Profissional Concepções sobre o Processo Inter-relacional no Trabalho; Competência Interpessoal; Qualidade de Vida no

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

Geocassia de Fátima Souza (UERN) Marta Jussara Frutuoso da Silva (UERN)

Geocassia de Fátima Souza (UERN) Marta Jussara Frutuoso da Silva (UERN) AS CONTRIBUIÇÕES DO PIBID-ESPANHOL PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE LÍNGUA ESPANHOLA: UMA EXPERIÊNCIA EM DUAS ESCOLAS DA CIDADE DE PAU DOS FERROS-RN Geocassia de Fátima Souza (UERN) Marta Jussara

Leia mais

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente,

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente, O COMPROMISSO DA UNIVERSIDADE NO EXERCÍCIO DA DOCÊNCIA BROILO, Cecília Luiza UNISINOS ceciliab@unisinos.br FAGUNDES, Maurício César UNISINOS mc.fagundes@terra.com.br GOMES, Marta Quintanilha UNISINOS martaqg@unisinos.br

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO.

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. Resumo Paula Lopes Gomes - Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: paulagomes20@msn.com

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR E NA PÓS- GRADUAÇÃO.

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR E NA PÓS- GRADUAÇÃO. FORMAÇÃO DE PROFESSORES E A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR E NA PÓS- GRADUAÇÃO. Vilma M. Marcassa Barra NIMAD/ UFPR O conceito de Educação Ambiental mais aceito hoje em dia estabelece que esta é

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física

Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física Amanda Pires Chaves Universidade de Sorocaba, Sorocaba/SP e-mail: amanda.pireschaves@gmail.com Maura Maria Morita Vasconcellos

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE Ana Paula Moura da Silva (UNEAL / SENAI-AL) Israel Silva de Macêdo (SENAI-AL, UNIAFRA, FRM) Resumo Esta pesquisa apresenta uma reflexão sobre

Leia mais

QUERO SER PROFESSOR UNIVERSITÁRIO: o interesse de licenciados em Educação Física

QUERO SER PROFESSOR UNIVERSITÁRIO: o interesse de licenciados em Educação Física QUERO SER PROFESSOR UNIVERSITÁRIO: o interesse de licenciados em Educação Física Susana Schneid Scherer 1 - IFSUL-RS Carmem Lucia Lascano Pinto - IFSUL- RS Resumo: Partindo da premissa de que a profissão

Leia mais

A DIDÁTICA DO PROFESSOR NO ENSINO SUPERIOR: a importância de uma prática reflexiva nos dias atuais.

A DIDÁTICA DO PROFESSOR NO ENSINO SUPERIOR: a importância de uma prática reflexiva nos dias atuais. 1 A DIDÁTICA DO PROFESSOR NO ENSINO SUPERIOR: a importância de uma prática reflexiva nos dias atuais. Introdução Amanda Da Fonseca Cavalcanti &Isabely Fernandes Leão Nunes O ensino superior, incluso numa

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. O Presidente

Leia mais

No entanto, a compreensão e a implicação de ser docente envolve reflexões que necessitam cada vez mais de sentido e significado para que se possa

No entanto, a compreensão e a implicação de ser docente envolve reflexões que necessitam cada vez mais de sentido e significado para que se possa CONCEPÇÕES DE FORMAÇÃO/DOCÊNCIA DOS PROFESSORES DO CURSO DE FISIOTERAPIA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO *Hedioneia Maria Foletto Pivetta **Silvia Maria de Aguiar Isaia A educação superior vem passando

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL RESUMO

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL RESUMO FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL Edvard Luiz da Silva Filho, edvardluiz@folha.com.br - FMU, Brasil. RESUMO

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 432 horras/aulla Coordenação Geral: Eng. Jacob Gribbler 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais

Leia mais

Desenvolvimento de Ambiente Virtual e Recursos Interativos para o Ensino de Ciências (Parte I)

Desenvolvimento de Ambiente Virtual e Recursos Interativos para o Ensino de Ciências (Parte I) Desenvolvimento de Ambiente Virtual e Recursos Interativos para o Ensino de Ciências (Parte I) Prof. Júlio Wilson Ribeiro, Dr. (DC/UFC) Prof. Gilson Pereira do Carmo Filho, MSc. (DC/UFC) Prof. Hermínio

Leia mais

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS Maria da Graça Ramos GEUIpesq/UFPel Resumo: No presente texto procura-se estabelecer as relações fundamentais entre a produção da ciência com a

Leia mais

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS.

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. 1 Marcos Antonio de Sousa Rodrigues Bolsista/ PIBID/ UESPI 2 Sara Juliana Lima Ferreira Bolsista/

Leia mais

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Projeto de Implantação do Núcleo Tecnológico de Educação Aberta - NTEA Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Ourinhos - 2012 2 1- DADOS GERAIS 1.1 UNIDADE EXECUTORA FIO - FACULDADES INTEGRADAS DE OURINHOS

Leia mais

CURSO EXCLUSIVO IBECO

CURSO EXCLUSIVO IBECO PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR EM ESTÉTICA CURSO EXCLUSIVO IBECO Destinado aos docentes que atuam ou que pretendem atuar no ensino superior e profissionalizante da área estética, o curso

Leia mais

Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores

Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores Temas geradores Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores têm à sua disposição algumas estratégias

Leia mais

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Jovanka de Freitas S. Limeira Psicóloga Setor Socioeducacional Caruaru 2014 APRESENTAÇÃO O presente projeto sugere

Leia mais

Duração: 8 meses Carga Horária: 360 horas. Os cursos de Pós-Graduação estão estruturados de acordo com as exigências da Resolução CNE/CES nº 01/2007.

Duração: 8 meses Carga Horária: 360 horas. Os cursos de Pós-Graduação estão estruturados de acordo com as exigências da Resolução CNE/CES nº 01/2007. Arte em Educação Considerando que a ação educacional é uma prática social mediadora da prática social mais ampla, nossa missão é: Formar o profissional de arte educação contemplando suas três dimensões:

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Maribel Manfrim Rohden PUCPR Ana Maria Eyng PUCPR Este trabalho apresenta a reflexão desenvolvida num projeto de

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL Jair Bevenute Gardas Isabel Corrêa da Mota Silva RESUMO A presente pesquisa objetiva um conhecimento amplo sobre a temática interdisciplinaridade, idealizando

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica 15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME Política Nacional de Educação Infantil Mata de São João/BA Junho/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores urbanos e rurais

Leia mais

Palavras-chave: Ensino Superior. Formação Docente. Estágio de Docência.

Palavras-chave: Ensino Superior. Formação Docente. Estágio de Docência. ESTÁGIO DE DOCÊNCIA: TEMPO E ESPAÇO DE FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Costa, Daiene de Cássia Souza Resumo Este artigo apresenta parte de discussão teórica de dissertação de mestrado

Leia mais

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos RESUMO PDI PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL E PPC PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO, ENTRE O DITO E O FEITO ESTUDOS DE CASO MÚLTIPLOS / IES/ RS BRASIL 2007/2008. Autora

Leia mais

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA Rose Madalena Pereira da Silva Prof. da Educação Básica e Pós graduanda em Educação e Novas Tecnologias Sara Ingrid Borba Mestra em

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL De acordo com o Decreto 5.773/2006 PERÍODO - 2012-2015 Resolução COP Nº 113/2011, de 08/12/2011 PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 Lucas

Leia mais

Metodologia Para a realização desse trabalho foi analisado o Documento orientador

Metodologia Para a realização desse trabalho foi analisado o Documento orientador FORMAÇÃO CONTINUADA: UMA ANÁLISE DA APLICAÇÃO DO SISMÉDIO NA ESCOLA PROFESSOR JOSÉ SOARES DE CARVALHO- GUARABIRA-PB Gyslâynne Mary dos Santos Hermenegildo Rodrigues EEEFM Professor José Soares de Carvalho

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI ASSOCIAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE IBAITI FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS COORDENADORA

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: EXPERIMENTAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Mariely Rodrigues Anger marielyanger@hotmail.com

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: EXPERIMENTAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Mariely Rodrigues Anger marielyanger@hotmail.com ISSN 2177-9139 PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: EXPERIMENTAÇÃO DOCENTE NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Mariely Rodrigues Anger marielyanger@hotmail.com 000 Alegrete, RS, Brasil. Ana Carla Ferreira Nicola Gomes

Leia mais

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática.

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática. ESTÁGIO E DIDÁTICA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Maria do Socorro Sousa e Silva Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA Resumo O presente artigo objetiva registrar e refletir sobre a disciplina de Estágio

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS

AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS AS PRÁTICAS DE DOCÊNCIA ORIENTADA NOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO: UM CAMINHO POSSÍVEL NA TRAJETÓRIA FORMATIVA DOS DOCENTES UNIVERSITÁRIOS Resumo Manuelli Cerolini Neuenfeldt 1 Silvia Maria de

Leia mais

DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR: DILEMAS E PERSPECTIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MÚSICA

DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR: DILEMAS E PERSPECTIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MÚSICA DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR: DILEMAS E PERSPECTIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MÚSICA Everson Ferreira Fernandes Universidade Federal do Rio Grande do Norte eversonff@gmail.com Gislene de Araújo Alves

Leia mais

Plano Plurianual de Gestão 2013-2017. Etec Rubens de Faria e Souza. Município: Sorocaba Plano Político Pedagógico

Plano Plurianual de Gestão 2013-2017. Etec Rubens de Faria e Souza. Município: Sorocaba Plano Político Pedagógico Plano Plurianual de Gestão 2013-2017 Etec Rubens de Faria e Souza Município: Sorocaba Plano Político Pedagógico ORIENTAÇÕES: O Projeto Político Pedagógico é a identidade da escola. Nesta tela, apresente

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Política Pedagógica Institucional Faculdade Eniac Ver. 02 (2010 / 2011) APRESENTAÇÃO

PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Política Pedagógica Institucional Faculdade Eniac Ver. 02 (2010 / 2011) APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O presente documento tem por finalidade apresentar o PPI que é o Projeto Pedagógico Institucional do ENIAC, conjunto das melhores práticas pedagógicas, tecnológicas, administrativas e de gestão

Leia mais

APRESENTANDO UM PROJETO PIBID INTERDISCIPLINAR

APRESENTANDO UM PROJETO PIBID INTERDISCIPLINAR APRESENTANDO UM PROJETO PIBID INTERDISCIPLINAR Marceli Behm Goulart Universidade Estadual Ponta Grossa marcelibg@gmail.com Resumo: O último edital do Programa de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID) da

Leia mais

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL.

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. TayaraCrystina P. Benigno, UERN; tayara_bbg@hotmail.com Emerson Carlos da Silva, UERN; emersoncarlos90@hotmail.com

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

É oportuno considerar a disciplina como núcleo do sistema pedagógico acadêmico, sendo fundamental focar o papel que desempenha na formação

É oportuno considerar a disciplina como núcleo do sistema pedagógico acadêmico, sendo fundamental focar o papel que desempenha na formação INTRODUÇÃO O presente livro constitui registro e reflexão coletiva sobre a primeira experiência desenvolvida na disciplina Docência no Ensino Superior, ofertada pelo Departamento de Teoria e Planejamento

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO. Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO. Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC A BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR É parte de um Sistema Nacional

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO PROPOSIÇÕES ESTRATÉGIAS E RESPONSABILIDADE* UNIÃO DF ESTADOS MUNICÍPIOS 1. Profissionais da educação:

Leia mais

PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL QUANDO ANALISADA SOB A CÁTEDRA FORMAL Terezinha Corrêa Lindino UNIOESTE

PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL QUANDO ANALISADA SOB A CÁTEDRA FORMAL Terezinha Corrêa Lindino UNIOESTE 1 PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL QUANDO ANALISADA SOB A CÁTEDRA FORMAL Terezinha Corrêa Lindino UNIOESTE Resumo O presente trabalho procura vincular a Educação formal aos princípios da Educação Ambiental

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

O campo científico e os conflitos e relações de poder no trabalho de professores de uma universidade pública

O campo científico e os conflitos e relações de poder no trabalho de professores de uma universidade pública 1 O campo científico e os conflitos e relações de poder no trabalho de professores de uma universidade pública Resumo Carla Fabiana Graetz Orientador Prof. Dr. Eduardo Pinto e Silva Mestrado Linha de Pesquisa:

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO PROBLEM BASED LEARNING (PBL) NA FORMAÇÃO DO ALUNO NO ENSINO SUPERIOR

CONTRIBUIÇÃO DO PROBLEM BASED LEARNING (PBL) NA FORMAÇÃO DO ALUNO NO ENSINO SUPERIOR CONTRIBUIÇÃO DO PROBLEM BASED LEARNING (PBL) NA FORMAÇÃO DO ALUNO NO ENSINO SUPERIOR Jose Lucas dos Santos Oliveira Universidade Federal de Campina Grade UFCG - Patos, Paraíba. e-mail: lucasoliveira.ufcg@gmail.com

Leia mais

AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Santa Cruz do Sul RS Maio/2013 LANZARINI, Joice Nunes - UNISC - joice@unisc.br OLIVEIRA, Cláudio J.

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

EDUCAR PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO ENVOLVENDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA

EDUCAR PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO ENVOLVENDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA EDUCAR PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO ENVOLVENDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA 1 DEUS, Josiani Camargo & 1 AMARAL, Anelize Queiroz 1 Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste RESUMO Nos

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 Autora: Maria Thaís de Oliveira Batista Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Email: taholiveira.thais@gmail.com

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária Apresentação Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária A Vice-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pósgraduação da Universidad Arturo Prat del Estado de Chile, ciente da importância dos estudos

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT 1 RESOLUÇÃO CONSU 2015 04 de 14/04/2015 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT Campus Virtual 2 A. JUSTIFICATIVA A vida universitária tem correspondido a um período cada vez mais

Leia mais

JOGO DIDÁTICO COMO AUXILIAR PARA O APRENDIZADO EM QUÍMICA

JOGO DIDÁTICO COMO AUXILIAR PARA O APRENDIZADO EM QUÍMICA JOGO DIDÁTICO COMO AUXILIAR PARA O APRENDIZADO EM QUÍMICA SAIDELLES, Ana Paula Fleig¹*; CRUZ, Litiele Cezar da²; KIRCHNER, Rosane Maria³; PIVOTTO, Otávio Lavarda²; SANTOS, Douglas Silva dos²; SANTOS, Nara

Leia mais

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO Andrelisa Goulart de Mello Universidade Federal de Santa Maria andrelaizes@gmail.com Ticiane

Leia mais

FORMAÇÃO DO PROFESSOR NO ENSINO SUPERIOR E INDISCIPLINA

FORMAÇÃO DO PROFESSOR NO ENSINO SUPERIOR E INDISCIPLINA FORMAÇÃO DO PROFESSOR NO ENSINO SUPERIOR E INDISCIPLINA CAVALHEIRO, Roberto PUC/PR r_cavalheiro@hotmail.com SIMON, Ingrid FADEP ingridsimon02@hotmail.com Eixo Temático: Formação de Professores e Profissionalização

Leia mais