Ernâni Lopes e o Mar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ernâni Lopes e o Mar"

Transcrição

1 Ernâni Lopes e o Mar Discurso proferido pelo Presidente da Academia de Marinha Almirante Nuno Vieira Matias na Sessão de Homenagem ao Prof. Doutor Hernâni Lopes realizada na Universidade Católica Portuguesa no passado dia 16 de Junho Tive o privilégio de conhecer o Prof. Doutor Ernâni Lopes por causa do mar. Depois, ao longo do tempo, o nosso relacionamento estreitou-se e transformou-se numa amizade de marinheiros e de portugueses. De facto, esses dois traços fortes do carácter de Ernâni Lopes a veneração pelo mar e o amor a Portugal conduziram a que nos encontrássemos e que com ele colaborasse no esforço de divulgação das potencialidades multifacetadas do mar para Portugal. Foi uma actividade muito gratificante nos seus objectivos, mas igualmente muito enriquecedora pela expressão intensa do portuguesismo e do sentido do mar que brotava, jorrava, continuamente do Prof. Ernâni Lopes. Por isso muito o admirei. Ao seu exemplo de cidadão pleno de virtudes nacionais fiquei a dever o gosto que constituía observar a sua intensa vontade de acreditar naquilo que a racionalidade madura lhe oferecia. Poucos meses antes de nos deixar, disse numa entrevista: Todos os Portugueses têm amor a Portugal, porém nem todos se expressam correctamente. Em contraponto, o Professor Ernâni Lopes foi um português de um imenso amor a Portugal e que o sabia expressar de uma forma vibrante, convicta e apaixonada. Era uma expressão que ultrapassava a mera oralidade, para se traduzir sobretudo em acções determinadas, de verdadeira cruzada em favor da terra onde nasceu. 1

2 Uma das linhas dessas acções orientou-se para o Mar ou, como preferia dizer, para o Oceano, e foi precisamente por isso que muito com ele privei. A sua qualidade de membro fundador da Associação de Oficiais da Reserva Naval (AORN) e seu único presidente da Assembleia-geral deu-nos a possibilidade de directamente colaborarmos nos últimos 15 anos. De facto, apesar de a sua ligação à Marinha ter começado muito antes, só por meio dessa Associação nos encontramos. Na verdade, em 1964, o então licenciado Ernâni Lopes ingressou na Escola Naval para o início de prestação do serviço militar obrigatório, que duraria até Logo nesse primeiro contacto com a Marinha se notaram as suas qualidades intelectuais e de carácter. A forma como se aplicou, quer nas actividades académicas, quer nas essencialmente militares, evidenciou-o entre o numeroso conjunto de cadetes de várias classes e de formações diversas. Ficaria classificado em primeiro lugar e ser-lhe-ia atribuído o prémio Reserva Naval. As fotografias do Juramento de Bandeira e da entrega daquele prémio na Escola Naval estavam sempre em grande evidência na sala de reuniões da sua empresa, a SAER. Essa passagem pela Escola Naval marcá-lo-ia intensamente, assim como a viagem de instrução a bordo de uma fragata que o levou até mares africanos. Por isso, não se cansava de reafirmar a mensagem que, tempos antes, havia sido transmitida aos cadetes da Reserva Naval pelo Comandante da Escola Naval, Almirante Sarmento Rodrigues: Os que para cá vieram, sairão da Marinha mais homens, mais portugueses, e terão decerto uma melhor compreensão do valor da Marinha e da sua gente. E nas futuras missões que o destino lhes reservar, hão-de, com certeza ser-lhes muito úteis os ensinamentos colhidos e saberão por sua vez ajudar a reivindicar para a Marinha o lugar que lhe deve pertencer, dentro do conjunto das actividades nacionais. Terminada a formação na Escola Naval, serviu na área administrativa e financeira da Inspecção das Construções Navais, organismo encarregado de projectar, adquirir e manter as unidades navais da Marinha. Foi talvez o período em que maior volume de navios foi obtido para a Marinha nos últimos séculos, o que certamente permitiu ao nosso homenageado aperceber-se do funcionamento dos sectores da construção e reparação naval, no país e no estrangeiro. De facto, entre 1964 e 1967, foram encomendados 4 submarinos e 4 fragatas a França, foram construídos, nos nossos estaleiros, 3 fragatas americanas, dezenas de patrulhas e lanchas de desembarque, começadas a 2

3 Hernâni Lopes e o Mar projectar 10 corvetas pelos nossos engenheiros, as João Coutinho e Baptista de Andrade, que haveriam de ser copiadas para Espanha e Marrocos, etc. Foi, de facto, um período de rara intensidade de trabalho e de demonstração da capacidade nacional em projecto e em construção de navios, muito invejada em países europeus. Outros tempos. Ao logo do nosso conhecimento, percebi que o Ernâni Lopes, era um homem de convicções fortes, alicerçadas num processo de raciocínio metódico, laborioso e inteligente, desprezando sempre entusiasmos ligeiros. Por isso, rejubilei quando, há cerca de sete anos, vi que, aos por si identificados quatro domínios de maior potencial estratégico da economia portuguesa turismo, ambiente, serviços de valor acrescentado e cidades adicionou um quinto: a economia do mar. Isso significava que tinha estudado o tema e que, racionalmente, o considerava, de facto, como um domínio de grande valor prospectivo para a economia nacional, apesar de ser, como costumava afirmar o que está no ponto de partida mais baixo. Contudo, também sempre acrescentava como o fez, provavelmente na sua última entrevista (publicação Cx de Nov/Dez 2010), que O mar é o único domínio com carácter identitário O mar não é só para tirar, extrair valor, é um elemento que nos define, que nos dá identidade. E acrescentou ainda: Para Portugal a vocação Atlântica é o resultado do carácter identitário do mar. Em termos históricos, a vocação atlântica está no Atlântico Médio (polígono: Portugal Continental, Madeira, Açores, Brasil, Angola, S. Tomé e Príncipe, Guiné e Cabo Verde): um espaço enorme que fala português. A vocação atlântica nasce aqui A nossa vocação atlântica, do ponto de vista geopolítico, é onde vamos clarificar o futuro de Portugal se o não fizermos, Portugal não tem papel. Foi a partir dessa visão abrangente sobre a importância do mar para Portugal que estruturou a ideia de um cluster da economia do mar, de que se vinha a falar no seio da AORN, fazia algum tempo. E foi nessa linha que, em 10 de Março de 2004, apresentou em conferência muito ansiada, no Palácio da Bolsa, no Porto, a logificaçao do Hypercluster da economia do mar. Esta acção, veio a demonstrar-se, foi decisiva para o lançamento do processo de Hypercluster. Começou por ser como que a faina de largada do navio da AORN, com o Ernâni ao leme (é assim que o tratamos na AORN), para uma rota que iria passar por outras sete cidades do Continente e uma nos Açores, deixando em 3

4 cada uma delas o saber de distintos conferencistas. Constituiu este peregrinar uma actividade de cidadania voluntária em que, seguindo o lema da AORN, servimos sem esperar recompensa. Foram tratados temas diversos, como construção e reparação naval, pesca, aquacultura e transformação do pescado, recursos da margem profunda, portos e transporte marítimo, turismo e recreio náuticos, investigação científica do mar, segurança e defesa, etc. Esta navegação teve continuidade na empresa SaeR, gerida pelo Prof. Ernâni Lopes, onde foi, sob a sua orientação, desenvolvido um estudo longo e profundo, com a participação de dezenas de especialistas, que conduziu à publicação da notável obra O Hypercluster da Economia do Mar. Foram anos de labor até este nascimento da menina dos seus olhos, mas valeu a pena. O estudo veio preencher um vazio enorme no domínio do mar e constitui uma verdadeira carta de marear, com os rumos a seguir para o desenvolvimento de cada um dos sectores da economia do mar. Felizmente que a sociedade civil, através da Associação Comercial de Lisboa o está a procurar pôr em prática, com a adesão, para já, de cerca de 80 empresas. As sociedades civil e política honrarão a memória do Ernâni Lopes, marinheiro e português, se implantarem na prática as valiosas medidas ali preconizadas, recuperando a economia do mar Estes breves traços da vocação e actividade de Marinheiro do nosso saudoso Amigo apenas visam complementar a sua talvez mais conhecida actividade de distinto professor universitário, de brilhante economista, de político providencial, de diplomata notável e, sobretudo, de cidadão verdadeiramente exemplar, sempre apaixonado pelo seu País e pela sua Família. O seu amor a Portugal e aos seus valores impressionava-me muito. Mas, sobretudo, pela visão que emanava desse forte sentimento. Por isso, quando em 2007, fui, por solicitação de um grupo de bons portugueses incumbido de organizar o 14º Encontro Nacional de Combatentes sob o lema Homenagear os heróis do passado com o olhar no futuro convidei o nosso saudoso Amigo para proferir a alocução aos milhares de combatentes e suas famílias que, no 10 de Junho, se juntaram no monumento aos nossos mortos, em Belém. Proferiu uma comunicação notável, densamente rica de conceitos, em que quis honrar o passado, lembrar os feitos, preservar a memória, mas 4

5 Hernâni Lopes e o Mar com a ideia, a perspectiva de longo prazo, fazendo sempre a ligação entre passado e futuro. Constituiu um apelo constante para encontrarmos os factos portadores de futuro e percorrermos vias de projecção afastando do nosso percurso colectivo a carga negativa da descrença e desânimo que vamos detectando na vida corrente actual (10.JUN.2007). Os Combatentes por Portugal, emocionados, ouviram-no terminar com o apelo: Nós só seremos nós quando formos além de nós. A vontade férrea, a inteligência, o saber e o amor a Portugal do Prof. Ernâni Lopes contribuíram, de forma determinante, para levantar, de novo, o nome do Mar Português, ou do Oceano Português, como mais gostava. Cabenos, aos que o apreciámos, dar continuidade ao seu esforço e trabalhar determinadamente numa afirmação de vontade colectiva por Portugal e pelo seu Oceano. Será a melhor forma de homenagearmos o Marinheiro que foi o Ernâni, repetindo agora o que já escrevi na Revista de Marinha. O seu corpo fez a última navegação até ao Cemitério de S. Martinho do Porto, no passado dia 3 de Dezembro. A sua Alma chegara antes ao Cais da Eternidade, onde certamente foi recebida com as honras só devidas aos Eleitos. Nuno Vieira Matias Almirante (R) 5

ASSOCIAÇÃO DOS OFICIAIS DA RESERVA NAVAL PROCLAMAÇÃO DE CASCAIS

ASSOCIAÇÃO DOS OFICIAIS DA RESERVA NAVAL PROCLAMAÇÃO DE CASCAIS ASSOCIAÇÃO DOS OFICIAIS DA RESERVA NAVAL PROCLAMAÇÃO DE CASCAIS Alm. Nuno G. Vieira Matias A nobre Associação dos Oficiais da Reserva Naval convidou-me a reafirmar aqui, hoje, aquilo que, em nove conferências,

Leia mais

Quero, também, que os Estaleiros Navais de Viana do Castelo sejam capazes de colocar no exterior noutros mercados, projectos

Quero, também, que os Estaleiros Navais de Viana do Castelo sejam capazes de colocar no exterior noutros mercados, projectos DECLARAÇÕES AOS JORNALISTAS DO MINISTRO PAULO PORTAS, EM VIANA DO CASTELO, APÓS REUNIÕES DE TRABALHO COM O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E COM A COMISSÃO DE TRABALHADORES DOS ESTALEIROS NAVAIS DE VIANA DO

Leia mais

A Evolução da Economia Portuguesa

A Evolução da Economia Portuguesa Prólogo ao XIII Curso de Verão da Ericeira, ICEA 28 de Maio de 2011 O Mar no Futuro de Portugal. O Hypercluster da Economia do Mar José Poças Esteves A Realidade da Economia Portuguesa A Economia Portuguesa

Leia mais

FÓRUM OCEANO Associação da Economia do Mar

FÓRUM OCEANO Associação da Economia do Mar FÓRUM OCEANO Associação da Economia do Mar FÓRUM DO MAR 2015 Apresentação da MARE STARTUP Inovação empresarial e formação Francisco Beirão Exponor, 18 de Novembro 2015 APRESENTAÇÃO 1.QuemSomos 2.PortugalMarítimo

Leia mais

As descobertas do século XV

As descobertas do século XV As descobertas do século XV Expansãomarítima: Alargamento do espaço português procurando terras noutros continentes através do mar; O acontecimento que marca o início da expansão portuguesaéaconquistadeceutaem1415;

Leia mais

Afinal, o que é o Navio-Escola Sagres? Qual é a sua função? E que simbologia contém?

Afinal, o que é o Navio-Escola Sagres? Qual é a sua função? E que simbologia contém? Etapa 2 Afinal, o que é o Navio-Escola Sagres? Qual é a sua função? E que simbologia contém? Segue as propostas desta ficha de trabalho para aprenderes a explorar e a organizar a informação a que a Internet

Leia mais

Jacques Piccard e o Ten. Don Walsh atingiram o Challenger Deep, a 10.911 m (35.797pés) abaixo da linha de água, em 23 de Janeiro de 1960.

Jacques Piccard e o Ten. Don Walsh atingiram o Challenger Deep, a 10.911 m (35.797pés) abaixo da linha de água, em 23 de Janeiro de 1960. Jacques Piccard e o Ten. Don Walsh atingiram o Challenger Deep, a 10.911 m (35.797pés) abaixo da linha de água, em 23 de Janeiro de 1960. Jacques Piccard bathyscaphe Trieste de Auguste Piccard Mais nenhum

Leia mais

Programa de Treino de Mar

Programa de Treino de Mar ÍNDICE 1 - APORVELA 1.1 Objectivos 1.2 - Parceiros 1.3 - Programa Jovens e o Mar 2 - PROGRAMA JOVENS E O MAR 3 - TREINO DE MAR 3.1 Treino de Mar 3.2 Organização a Bordo 3.3 Actividades a Bordo e em Terra

Leia mais

Ernâni Rodrigues Lopes Curriculum Vitae

Ernâni Rodrigues Lopes Curriculum Vitae Ernâni Rodrigues Lopes Curriculum Vitae Dados pessoais: Nasceu em Lisboa, 1942, casado, 9 netos Faleceu em Lisboa, 2.Dez.2010 Habilitações Académicas e Profissionais: Licenciado em Economia (ISCEF, Universidade

Leia mais

EMPREENDEDORISMO E INDÚSTRIAS CRIATIVAS

EMPREENDEDORISMO E INDÚSTRIAS CRIATIVAS EMPREENDEDORISMO E INDÚSTRIAS CRIATIVAS O MAR QUE NOS INSPIRA NOVAS POTENCIALIDADES NUNO MATOS 1 11 DE ABRIL DE 2014 AGENDA - Questão prévia: Empreendedorismo no Mar é junto à costa? - As Dimensões do

Leia mais

Abertura da Exposição Álvaro Cunhal, no Porto Segunda, 02 Dezembro 2013 17:57

Abertura da Exposição Álvaro Cunhal, no Porto Segunda, 02 Dezembro 2013 17:57 Intervenção de Jerónimo de Sousa, Secretário-Geral, Porto, Acto de abertura da Exposição «Álvaro Cunhal Vida, Pensamento e Luta: Exemplo que se Projecta na Actualidade e no Futuro» Em nome do Partido Comunista

Leia mais

O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal. (Resumo)

O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal. (Resumo) O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal (Resumo) O Hypercluster da Economia do Mar em Portugal Um novo domínio estratégico e um factor de afirmação A economia portuguesa está a sofrer uma descontinuidade

Leia mais

Operação Cisne Branco 2015. Imagem: CB SEVERIANO

Operação Cisne Branco 2015. Imagem: CB SEVERIANO Operação Cisne Branco 2015 Imagem: CB SEVERIANO Operação Cisne Branco O que é e quem participa; Como participar; Concurso de Redação; Prêmios; Conhecendo a Marinha do Brasil; e Como ingressar na Marinha.

Leia mais

Novembro 2010 Professor de Geopolítica do Instituto de Estudos Superiores Militares

Novembro 2010 Professor de Geopolítica do Instituto de Estudos Superiores Militares Curriculum Vitae Informação pessoal Nome(s) próprio(s) / Apelido(s) Jaime Carlos do Vale Ferreira da Silva Morada(s) Rua das Palmeiras, n.º 249, 2.º B, 2775-347 Parede (Portugal) Telefone(s) 214664714

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO SERRALVES EM FESTA 2012

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO SERRALVES EM FESTA 2012 PROGRAMA DE VOLUNTARIADO SERRALVES EM FESTA 2012 VOLUNTARIADO SERRALVES EM FESTA 2012 Preparado para mais um Serralves em Festa? É já nos dias 2 e 3 de Junho que se realiza mais uma edição do Serralves

Leia mais

Fundo Mundial para o Ambiente

Fundo Mundial para o Ambiente Check upon delivery Só a versão proferida faz fé Fundo Mundial para o Ambiente Comunicação Apresentada por Monique Barbut, directora geral e presidente Fundo Mundial do Ambiente Em visita à Guiné-Bissau

Leia mais

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal 19 de Abril de 2012 (5.ª feira), 17h00 CONVITE O Presidente da Sociedade de Geografia de Lisboa (SGL) tem a honra de convidar V. Ex.ª e sua Exma.

Leia mais

Se o mar fos. empresa, já v. mil milhões. Tiragem: 44789. Pág: 8. Cores: Cor. País: Portugal. Área: 29,47 x 37,87 cm². Period.: Diária.

Se o mar fos. empresa, já v. mil milhões. Tiragem: 44789. Pág: 8. Cores: Cor. País: Portugal. Área: 29,47 x 37,87 cm². Period.: Diária. empresa, já v Tiragem: 44789 Pág: 8 Área: 29,47 x 37,87 cm² Corte: 1 de 6 Se o mar fos mil milhões Pág: 9 Área: 29,17 x 37,87 cm² Corte: 2 de 6 se uma PAULO RICCA valia dez em bolsa Pág: 10 10 P2 Área:

Leia mais

A Faculdade pode-se orgulhar do conjunto de grandes Mestres que marcaram o Direito Português de forma indelével.

A Faculdade pode-se orgulhar do conjunto de grandes Mestres que marcaram o Direito Português de forma indelével. Cerimónia de abertura das Comemorações do Centenário da FDL 1 Eduardo Paz Ferreira É para mim um natural motivo de orgulho participar na cerimónia solene de abertura das comemorações do centenário da Faculdade

Leia mais

Requalificação da Frente Ribeirinha do Concelho de Vila Franca de Xira Polis & Polis XXI

Requalificação da Frente Ribeirinha do Concelho de Vila Franca de Xira Polis & Polis XXI Requalificação da Frente Ribeirinha do Concelho de Vila Franca de Xira Polis & Polis XXI Luís Matas de Sousa Director do Projecto de Requalificação Urbana da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira Área

Leia mais

AS NOSSAS EMBARCAÇÕES

AS NOSSAS EMBARCAÇÕES Trabalho de Projecto AS NOSSAS EMBARCAÇÕES Disciplinas intervenientes: Língua Portuguesa, Língua Estrangeira, História e Geografia de Portugal, Educação Visual e Tecnológica. Tópicos que podem ser tratados

Leia mais

Importância geoestratégica de Portugal

Importância geoestratégica de Portugal GRANDE REPORTAGEM CLUBE EUROPEU AEVILELA Importância geoestratégica de Portugal PORTO DE SINES Porta ideal de entrada num conjunto de mercados CIDADE DA HORTA Telegraph Construction and Maintenance Company

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

Não é sem um certo tremor que se aceita um convite como o que a Directora da nossa Biblioteca me endereçou, o de apresentar em breves palavras esta pequena exposição, uma exposição que despretensiosamente

Leia mais

ABERTURA DO ANO OPERACIONAL 19 DE NOVEMBRO 2015

ABERTURA DO ANO OPERACIONAL 19 DE NOVEMBRO 2015 1 ABERTURA DO ANO OPERACIONAL 19 DE NOVEMBRO 2015 Senhor Presidente da Câmara Municipal do Barreiro, Senhor Almirante Saldanha Lopes meu ilustre antecessor Senhor General Chefe da Casa Militar de Sua Exa.

Leia mais

Intervenção do Subsecretário Regional dos Assuntos Europeus e Cooperação Externa do Governo dos Açores. Cimeira da Macaronésia

Intervenção do Subsecretário Regional dos Assuntos Europeus e Cooperação Externa do Governo dos Açores. Cimeira da Macaronésia Intervenção do Subsecretário Regional dos Assuntos Europeus e Cooperação Externa do Governo dos Açores Cimeira da Macaronésia 12 de Dezembro de 2010, Mindelo, Cabo Verde - Senhor Primeiro-Ministro do Governo

Leia mais

Galp Energia Projecto Vidas Galp

Galp Energia Projecto Vidas Galp Galp Energia Projecto Vidas Galp Situação Informação sobre a empresa O Grupo Galp Energia é constituído pela Galp Energia e subsidiárias, as quais incluem a Petróleos de Portugal Petrogal, S.A., a Galp

Leia mais

Nº 32 ANO 6 DISTRIBUIÇÃO GRATUITA MARÇO/ABRIL 15 EDIÇÃO BIMESTRAL

Nº 32 ANO 6 DISTRIBUIÇÃO GRATUITA MARÇO/ABRIL 15 EDIÇÃO BIMESTRAL Nº 32 ANO 6 DISTRIBUIÇÃO GRATUITA MARÇO/ABRIL 15 EDIÇÃO BIMESTRAL 32 3 EDITORIAL Rui d Orey Presidente da Direcção Nacional da AGEPOR Orey Shipping Quem folhear, ainda que distraidamente, as páginas deste

Leia mais

ENS e EJNS em Portugal encruzilhadas de vida

ENS e EJNS em Portugal encruzilhadas de vida ENS e EJNS em Portugal encruzilhadas de vida Nós e as EJNS testemunho pessoal Somos a Isabel e o Paulo, casámos no dia 30 de Maio de 1992, temos duas filhas, a Patrícia com 18 anos e a Inês com 16 anos,

Leia mais

Academia Nacional de Medicina de Portugal

Academia Nacional de Medicina de Portugal Academia Nacional de Medicina de Portugal Apontamentos e recordações João Ribeiro da Silva* 1 Em 1991 a Sociedade das Ciências Médicas de Lisboa, a que nessa data eu presidia e da qual era secretário geral

Leia mais

V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP

V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP Intervenção do Secretário Executivo da CPLP Senhor Presidente, Senhores Ministros, Senhor Secretário de Estado do Turismo, Senhores Embaixadores Senhores Representantes

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

INDICE. 1. Introdução 3. 2. Objectivos 4. 3. Público alvo 4. 4. Material 4. 5. Conteúdos programáticos 5. 6. Actividades Propostas 5

INDICE. 1. Introdução 3. 2. Objectivos 4. 3. Público alvo 4. 4. Material 4. 5. Conteúdos programáticos 5. 6. Actividades Propostas 5 INTRODUÇÃO INDICE 1. Introdução 3 2. Objectivos 4 3. Público alvo 4 4. Material 4 5. Conteúdos programáticos 5 6. Actividades Propostas 5 7. Descrição das Actividades 6 7.1 Formação em sala de aula: 6

Leia mais

O Presidente da República visitou o Hospital das Forças Armadas

O Presidente da República visitou o Hospital das Forças Armadas Crónicas Militares Nacionais Coronel Nuno Miguel Pascoal Dias Pereira da Silva A Força Aérea no apoio à população Em 2015, a Força Aérea realizou 406 missões de transporte aeromédico (488 doentes e mais

Leia mais

Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO. (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007)

Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO. (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007) Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007) Excelentíssimos membros do Conselho Directivo, excelentíssimos professores, caríssimos alunos, É com enorme satisfação que

Leia mais

Hypercluster do Mar Que Futuro? Painel 4 Visibilidade, Comunicação, Imagem e Cultura Marítima

Hypercluster do Mar Que Futuro? Painel 4 Visibilidade, Comunicação, Imagem e Cultura Marítima Hypercluster do Mar Que Futuro? Painel 4 Visibilidade, Comunicação, Imagem e Cultura Marítima Joaquim Moreira, AORN Cascais 24 de Setembro 2009 _ Estrutura da Apresentação 1. AORN Associação dos Oficiais

Leia mais

Workshop Coaching ao Serviço da Engenharia. Ordem dos Engenheiros, Lisboa. Abril 2015. Maggie João. Fortalecendo os líderes.

Workshop Coaching ao Serviço da Engenharia. Ordem dos Engenheiros, Lisboa. Abril 2015. Maggie João. Fortalecendo os líderes. Maggie João Fortalecendo os líderes Workshop Coaching ao Serviço da Engenharia de hoje e criando os de amanhã. Ordem dos Engenheiros, Lisboa maggie.joao@maggiejoaocoaching.com www.maggiejoao-coaching 91

Leia mais

1) Breve apresentação do AEV 2011

1) Breve apresentação do AEV 2011 1) Breve apresentação do AEV 2011 O Ano Europeu do Voluntariado 2011 constitui, ao mesmo tempo, uma celebração e um desafio: É uma celebração do compromisso de 94 milhões de voluntários europeus que, nos

Leia mais

Uma história de sucesso do Programa Marie Curie em Portugal

Uma história de sucesso do Programa Marie Curie em Portugal Ref.: MTKD-CT-2004-014312 Uma história de sucesso do Programa Marie Curie em Portugal por Suhita Osório-Peters CEIFA ambiente Lda Sessão de Divulgação do 7º Programa-Quadro de ID&T Lisboa, 20 de Outubro

Leia mais

Náutica Press.com, 07-10-2009. Hypercluster da Economia Do Mar Abre oportunidade ao sector empresarial 2009/10/06

Náutica Press.com, 07-10-2009. Hypercluster da Economia Do Mar Abre oportunidade ao sector empresarial 2009/10/06 Náutica Press.com, 07-10-2009 Hypercluster da Economia Do Mar Abre oportunidade ao sector empresarial 2009/10/06 - As oportunidades proporcionadas pelo desenvolvimento do Hypercluster da Economia do Mar,

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO 946 Diário da República, 1.ª série N.º 47 6 de março de 2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO Decreto-Lei n.º 51/2012 de 6 de março A segurança do transporte

Leia mais

MINISTERIO DA ECONOMIA DIRECÇÃO DO TURISMO E HOTELARIA (Unidade-Disciplina-Trabalho)

MINISTERIO DA ECONOMIA DIRECÇÃO DO TURISMO E HOTELARIA (Unidade-Disciplina-Trabalho) REPUBLICA DEMOCRATICA DE S. TOMÉ E PRINCIPE MINISTERIO DA ECONOMIA DIRECÇÃO DO TURISMO E HOTELARIA (Unidade-Disciplina-Trabalho) CONCLUSÕES E PROPOSTAS DA 1ª CONFERÊNCIA DO TURISMO DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE

Leia mais

ROV s robots submarinos. Disciplinas intervenientes Língua Portuguesa, Educação Visual e Tecnológica, Ciências Naturais, Língua Inglesa.

ROV s robots submarinos. Disciplinas intervenientes Língua Portuguesa, Educação Visual e Tecnológica, Ciências Naturais, Língua Inglesa. Disciplinas intervenientes Língua Portuguesa, Educação Visual e Tecnológica, Ciências Naturais, Língua Inglesa. 1 Motivação. Visita ao Instituto Hidrográfico ou. Visita a um Veículo de Operação Remota

Leia mais

Discurso do Comandante da Marinha na abertura do III Simpósio das Marinhas CPLP

Discurso do Comandante da Marinha na abertura do III Simpósio das Marinhas CPLP Discurso do Comandante da Marinha na abertura do III Simpósio das Marinhas CPLP PALAVRAS DO CM NA ABERTURA NO III SIMPÓSIO DAS MARINHAS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA (CPLP) Inicialmente,

Leia mais

Monumento à Autonomia

Monumento à Autonomia Monumento à Autonomia Monumento inicialmente levantado na rotunda de acesso ao aeroporto da Madeira e, em 1991, transferido para a praça com esse nome. 1987 Monumento à Autonomia Praça da Autonomia Monumento

Leia mais

EN 1 EN. Documento oficioso MEDIDAS TÉCNICAS ESPECÍFICAS PARA ÁGUAS DO SUDOESTE. INTRODUÇÃO

EN 1 EN. Documento oficioso MEDIDAS TÉCNICAS ESPECÍFICAS PARA ÁGUAS DO SUDOESTE. INTRODUÇÃO EN EN Documento oficioso MEDIDAS TÉCNICAS ESPECÍFICAS PARA ÁGUAS DO SUDOESTE. INTRODUÇÃO O Conselho, nas suas conclusões de Junho de 2004 para promover métodos de pesca mais respeitadores do ambiente,

Leia mais

UNIVERSIDADE POPULAR DO PORTO

UNIVERSIDADE POPULAR DO PORTO ACÇÃO DE FORMAÇÃO MEMÓRIAS DO TRABALHO A PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA E DA HISTÓRIA ORAL RELATÓRIO FINAL Enquadramento A acção de formação Memórias do trabalho a preservação da memória e da história oral realizou-se

Leia mais

Folha Informativa nº 135

Folha Informativa nº 135 Folha Informativa nº 135 VISITA DA AACDN AO MUSEU DO AR EM SINTRA No seguimento do XII Congresso da AACDN, teve lugar, no dia 27 de Outubro, uma visita às instalações do Museu do Ar, situado na Base Aérea

Leia mais

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência.

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência. KIT_PEDA_EST_MEIO_5:FERIAS_5_6 09/12/28 15:07 Page 1 1. o CICLO KIT PEDAGÓGICO Pedro Reis ESTUDO DO MEIO 5 Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência ISBN

Leia mais

ajudam a lançar negócios

ajudam a lançar negócios Capa Estudantes portugueses ajudam a lançar negócios em Moçambique Rafael Simão, Rosália Rodrigues e Tiago Freire não hesitaram em fazer as malas e rumar a África. Usaram a sua experiência para construírem

Leia mais

1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico

1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico 1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico O documento legislativo que estabelece o regime jurídico de enquadramento da segurança, higiene e saúde no trabalho é determinado

Leia mais

MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO

MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO Arlindo Zandamela Instituto Nacional das Comunicações de Moçambique (INCM) Lisboa, Portugal Zandamela.arlindo@gmail.com Sumário

Leia mais

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique Programa de Acção Luis Filipe Baptista ENIDH, Setembro de 2013 Motivações para esta candidatura A sociedade actual está a mudar muito

Leia mais

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO O Capítulo 36 da Agenda 21 decorrente da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, realizada em 1992, declara que a educação possui um papel fundamental na promoção do desenvolvimento

Leia mais

Ana Maria Bettencourt

Ana Maria Bettencourt 16 17 Entrevista Ana Maria Bettencourt Ana Maria Bettencourt Tendo optado por mudar o mundo através da educação, Ana Maria Bettencourt fala de uma escola onde a responsabilidade pelas aprendizagens está

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS. Tema Princípios de conduta, de igualdade e equidade

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS. Tema Princípios de conduta, de igualdade e equidade 1 de 5 Princípios de conduta, de igualdade e equidade OBJECTIVO: Assumir condutas adequadas às instituições e aos princípios de lealdade comunitária. Competência e critérios de evidência Reconhecer princípios

Leia mais

Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular

Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular Introdução A APECV, utilizando vários processos de consulta aos seus associados

Leia mais

SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6.

SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6. SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6. E T-CPLP: Entrevistas sobre a CPLP CI-CPRI Entrevistado: Embaixador Miguel Costa Mkaima Entrevistador:

Leia mais

CONCURSO UNIVERSITÁRIO DE ENSAIOS AMAZÔNIA AZUL: O MAR QUE NOS PERTENCE

CONCURSO UNIVERSITÁRIO DE ENSAIOS AMAZÔNIA AZUL: O MAR QUE NOS PERTENCE CONCURSO UNIVERSITÁRIO DE ENSAIOS AMAZÔNIA AZUL: O MAR QUE NOS PERTENCE REGULAMENTO DO CONCURSO 1 DO OBJETIVO Com o objetivo de promover uma reflexão mais aprofundada sobre a importância do mar para o

Leia mais

ESPAÇO(S) E COMPROMISSOS DA PROFISSÃO

ESPAÇO(S) E COMPROMISSOS DA PROFISSÃO ESPAÇO(S) E COMPROMISSOS DA PROFISSÃO 18 de Novembro de 2010 Teatro Municipal de Almada Senhora Presidente da Associação dos Profissionais de Serviços Social, Dr.ª Fernanda Rodrigues Senhoras e Senhores

Leia mais

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010 INTERVENÇÃO DO SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS Dr. Isaltino Afonso Morais Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010 LOCAL: Figueirinha, Oeiras REALIZADO

Leia mais

Açores no Mercado do Turismo Chinês Sessão de Formação. Informação Adicional

Açores no Mercado do Turismo Chinês Sessão de Formação. Informação Adicional Açores no Mercado do Turismo Chinês Sessão de Formação Informação Adicional Informação adicional: COTRI EDELUC Fundação Jardim José do Canto Agenda do Evento Apoio OCOTRI é um instituto de pesquisa independente

Leia mais

- Fernão, mentes? - Minto!

- Fernão, mentes? - Minto! Na etapa 3, leste um excerto do primeiro capítulo da Peregrinação de Fernão Mendes Pinto, numa adaptação de Aquilino Ribeiro. Nesta etapa, vais ler um excerto do último capítulo do original, Peregrinação,

Leia mais

Economia do Mar como desígnio estratégico -- discursos políticos de Oliveira Martins e Gonçalves Pereira

Economia do Mar como desígnio estratégico -- discursos políticos de Oliveira Martins e Gonçalves Pereira Economia do Mar como desígnio estratégico -- discursos políticos de Oliveira Martins e Gonçalves Pereira Fernando António Pereira Pinto I: Definição prévia: conceitos e opções A Economia do Mar, nas suas

Leia mais

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPEIA E CONQUISTA DA AMÉRICA Nos séculos XV e XVI, Portugal e Espanha tomaram a dianteira marítima e comercial europeia, figurando entre as grandes

Leia mais

Guião de Entrevista. 1- Para ti, quais foram as coisas que Portugal descobriu na época dos Descobrimentos?

Guião de Entrevista. 1- Para ti, quais foram as coisas que Portugal descobriu na época dos Descobrimentos? Guião de Entrevista 1- Para ti, quais foram as coisas que Portugal descobriu na época dos Descobrimentos? 2- Consideras os Descobrimentos portugueses um assunto importante? Porquê? 3- Na tua opinião, por

Leia mais

Encontro Internacional Património Cultural, a Cortiça e os Museus, Seixal, 2 e 3 de Julho de 2010

Encontro Internacional Património Cultural, a Cortiça e os Museus, Seixal, 2 e 3 de Julho de 2010 A Fábrica do Inglês: reabilitação do património industrial corticeiro Encontro Internacional Património Cultural, a Cortiça e os Museus, Seixal, 2 e 3 de Julho de 2010 Sumário: O Museu da Cortiça da Fábrica

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista?

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? Navegar era preciso, era Navegar era preciso navegar... Por quê? O que motivou o expansionismo marítimo no século

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR. RUI MARIA DE ARAÚJO POR OCASIÃO DA XIII REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DOS MINISTROS DO TRABALHO E DOS ASSUNTOS SOCIAIS DA CPLP A extensão da Protecção Social

Leia mais

Ministério da Justiça. Intervenção do Ministro da Justiça

Ministério da Justiça. Intervenção do Ministro da Justiça Intervenção do Ministro da Justiça Sessão comemorativa do 30º Aniversário da adesão de Portugal à Convenção Europeia dos Direitos do Homem Supremo Tribunal de Justiça 10 de Novembro de 2008 Celebrar o

Leia mais

Guia do VOLUNTÁRIO COM ASAS

Guia do VOLUNTÁRIO COM ASAS Guia do VOLUNTÁRIO COM ASAS O Guia do VoluntárioscomAsas tem como objectivo facilitar a sua integração nas Instituições promotoras alertando o para alguns deveres de cidadania, solidariedade, responsabilidade,

Leia mais

RECEPÇÃO AO EMBAIXADOR DE ANGOLA

RECEPÇÃO AO EMBAIXADOR DE ANGOLA INTERVENÇÃO DO SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS Dr. Isaltino Afonso Morais RECEPÇÃO AO EMBAIXADOR DE ANGOLA LOCAL: Tagus Parque REALIZADO A: 12 de Fevereiro de 2010 Pelas: 12,00 Horas Senhor

Leia mais

REGULAMENTO. Desafio Beleza Mediterrânea

REGULAMENTO. Desafio Beleza Mediterrânea REGULAMENTO Desafio Beleza Mediterrânea 1. DEFINIÇÕES 1.1 Passatempo: Iniciativa que visa premiar as 5 belezas mediterrâneas que melhor personificam as características da nova gama Garnier Ultra Suave

Leia mais

DOCUMENTO DE ENQUADRAMENTO

DOCUMENTO DE ENQUADRAMENTO 3ª JORNADA CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS DO MAR DOCUMENTO DE ENQUADRAMENTO 1. OBJECTIVOS GERAIS DOS ROTEIROS PARA A CIÊNCIA Tal como foi definido, no discurso proferido pelo Senhor Presidente da República por

Leia mais

Mensagem do 1º de Dezembro

Mensagem do 1º de Dezembro Mensagem do 1º de Dezembro 2011 Por S.A.R. o Duque de Bragança Portugal atravessa uma das maiores crises da sua longa vida. Crise que, disfarçada por enganosas facilidades, foi silenciosamente avançando

Leia mais

II SIMPÓSIO DAS MARINHAS DA CPLP LUANDA- 30 JUNHO- 1 DE JULHO 2010 ACTA

II SIMPÓSIO DAS MARINHAS DA CPLP LUANDA- 30 JUNHO- 1 DE JULHO 2010 ACTA II SIMPÓSIO DAS MARINHAS DA CPLP LUANDA- 30 JUNHO- 1 DE JULHO 2010 ACTA Decorreu de 30 de Junho a 01 de Julho de 2010 no Centro de Conferencias da Marinha à Base Naval de Luanda o II SIMPÓSIO DAS MARINHAS

Leia mais

Missão Arronches 2012 Artigo Cluny

Missão Arronches 2012 Artigo Cluny Na semana de 10 a 17 de Julho, cinco jovens acompanhadas pela Irmã Olinda Neves, desenvolveram uma semana missionária em Arronches. Esta foi a segunda vez, que a Vila Alentejana foi palco de uma Missão

Leia mais

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau)

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Plano de Acção para a Cooperação Económica e Comercial (2014-2016) 4ª Conferência Ministerial Preâmbulo

Leia mais

Uma política de língua para o português

Uma política de língua para o português Uma política de língua para o português Maria Helena Mira Mateus Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa Instituto de Linguística Teórica e Computacional As várias intervenções sobre política linguística

Leia mais

Participação de Portugal na 1.ª Guerra Mundial. Pressupostos. Portugal tinha obrigações no âmbito da Aliança Inglesa (Luso-Britânica)

Participação de Portugal na 1.ª Guerra Mundial. Pressupostos. Portugal tinha obrigações no âmbito da Aliança Inglesa (Luso-Britânica) Pressupostos Portugal tinha obrigações no âmbito da Aliança Inglesa (Luso-Britânica) Portugal tinha fronteiras comuns com a Alemanha no Sul de Angola e no Norte de Moçambique As Colónias portuguesas eram

Leia mais

14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA. [Escrever o subtítulo do documento] Bruna

14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA. [Escrever o subtítulo do documento] Bruna 14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA [Escrever o subtítulo do documento] Bruna Autobiografia O meu nome é Maria João, tenho 38 anos e sou natural da Nazaré, onde vivi até há sete anos atrás, sensivelmente.

Leia mais

Seminário A Qualidade nas Intervenções de Conservação, Reabilitação e Valorização das Casas Antigas

Seminário A Qualidade nas Intervenções de Conservação, Reabilitação e Valorização das Casas Antigas Seminário A Qualidade nas Intervenções de Conservação, Reabilitação e Valorização das Casas Antigas Data: Sábado, 14 de Novembro de 2009, 14h00 18h30 Local: Palácio dos Marqueses de Fronteira, em Lisboa

Leia mais

António Teixeira. AMart. António José Teixeira Presidente da Rota do Vinho do Porto. AMont.

António Teixeira. AMart. António José Teixeira Presidente da Rota do Vinho do Porto. AMont. António Teixeira António José Teixeira Presidente da Rota do Vinho do Porto António José Teixeira destacou o papel da Rota do Vinho do Porto, que comemora em 2011 o seu 15º aniversário, na promoção dos

Leia mais

A Clusterização da Economia Marítima

A Clusterização da Economia Marítima A Clusterização da Economia Marítima Nuno Vieira Matias Almirante Resumo A maior parte dos sectores da economia marítima portuguesa registou crescimentos negativos nas últimas três décadas. As excepções

Leia mais

Um mar de oportunidades. Mestrado em Gestão Portuária. Mensagem do Presidente da ENIDH Escola Superior Náutica Infante D. Henrique.

Um mar de oportunidades. Mestrado em Gestão Portuária. Mensagem do Presidente da ENIDH Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Um mar de oportunidades Mestrado em Gestão Portuária Mensagem do Presidente da ENIDH Escola Superior Náutica Infante D. Henrique A ENIDH é a Escola Superior pública portuguesa que assegura a formação de

Leia mais

Comunicado de Imprensa PRÉMIOS RH 2009

Comunicado de Imprensa PRÉMIOS RH 2009 Comunicado de Imprensa PRÉMIOS RH 2009 Os Prémios RH são o reconhecimento público do mérito dos profissionais da Gestão de Recursos Humanos que se distinguem nas suas várias dimensões. É crescente o prestígio

Leia mais

www.projecto-ecos.blogspot.com

www.projecto-ecos.blogspot.com www.projecto-ecos.blogspot.com Objectivo Central do Programa Criar Cidades e Redes de Cidades Competitivas e Inovadoras a Nível Internacional Rede ECOS TEMÁTICA Eficiência energética e aplicação de energias

Leia mais

Centro de Mar em Portimão Apresentação do Estudo Preliminar

Centro de Mar em Portimão Apresentação do Estudo Preliminar Centro de Mar em Portimão Apresentação do Estudo Preliminar 24.Julho.2009 Auditório do Museu de Portimão Sumário (I) 2 Introdução I. As questões teóricas de enquadramento 1. O contexto económico e social

Leia mais

Entrevista de António Paiva menção qualidade poesia

Entrevista de António Paiva menção qualidade poesia Entrevista de António Paiva menção qualidade poesia A poesia é útil na sua vida ou o poeta sente-se serviçal da palavra? (Dionísio) Tal como já escrevi; Às palavras tudo darei, até a minha vida. Não diria

Leia mais

Estatutos da. Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

Estatutos da. Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Estatutos da (com revisões de São Tomé/2001, Brasília/2002, Luanda/2005 e Bissau/2006) Artigo 1º (Denominação) A, doravante designada por CPLP, é o foro multilateral privilegiado para o aprofundamento

Leia mais

MANIFESTO. A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa

MANIFESTO. A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa QUEM SOMOS NÓS? MANIFESTO A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa Somos adultos que participam em acções de alfabetização oriundos da Bélgica, França, Alemanha, Irlanda, Holanda,

Leia mais

ALEISTER CROWLEY FOI ASSASSINADO?

ALEISTER CROWLEY FOI ASSASSINADO? Fernando Pessoa ALEISTER CROWLEY FOI ASSASSINADO? «ALEISTER CROWLEY FOI ASSASSINADO? Um novo aspecto do caso da "Boca do Inferno". Deve estar ainda na memória de todos, porque foi largamente tratado no

Leia mais

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 UNIÓN EUROPEA 1 de junio de 2011 3. SUMÁRIO EXECUTIVO A avaliação do Plano de

Leia mais

DA REFLEXÃO À ACÇÃO - UMA PROPOSTA DE TRABALHO

DA REFLEXÃO À ACÇÃO - UMA PROPOSTA DE TRABALHO DA REFLEXÃO À ACÇÃO - UMA PROPOSTA DE TRABALHO - Grupo de reflexão na área de psicologia sobre questões relativas à orientação sexual - Artigo apresentado no Colóquio de Estudos G(ay)L(ésbicos)Q(ueer)

Leia mais

Protocolo da Entrevista a Maria

Protocolo da Entrevista a Maria Protocolo da Entrevista a Maria 1 O que lhe vou pedir é que me conte o que é que aconteceu de importante desde que acabou o curso até agora. Eu... ah!... em 94 fui fazer um estágio, que faz parte do segundo

Leia mais

Os combatentes agradecem reconhecidos a presença de V. Exas.

Os combatentes agradecem reconhecidos a presença de V. Exas. DIA DO COMBATENTE NA BATALHA, EM 14 DE ABRIL DE 2007 GENERAL JOAQUIM CHITO RODRIGUES Exmo. senhor Ministro da Defesa Nacional. Digna-se V. Exa. presidir a esta cerimónia evocativa do Dia do Combatente

Leia mais

XI Jornadas Técnicas. O Sector Marítimo Português

XI Jornadas Técnicas. O Sector Marítimo Português XI Jornadas Técnicas O Sector Marítimo Português Modernização e Inovação na Construção e Reparação Naval J. Ventura de Sousa e Filipe Duarte IST, 25 de Novembro de 2008 A Associação das Indústrias Marítimas

Leia mais

Estratégia da Comissão Europeia para uma Política Comunitária de Inovação

Estratégia da Comissão Europeia para uma Política Comunitária de Inovação Estratégia da Comissão Europeia para uma Política Comunitária de Inovação Como fomentar os instrumentos de apoio à INOVAÇÃO? Enquadramento Comunitário para a inovação na construção e reparação naval vs

Leia mais