FORMULÁRIO DE AUTORIZAÇÃO AMBIENTAL- AUA Restaurante, pizzaria, padaria, confeitaria, lanchonete, pastelaria, açougue e hipermercado/supermercado

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FORMULÁRIO DE AUTORIZAÇÃO AMBIENTAL- AUA Restaurante, pizzaria, padaria, confeitaria, lanchonete, pastelaria, açougue e hipermercado/supermercado"

Transcrição

1 FORMULÁRIO DE AUTORIZAÇÃO AMBIENTAL- AUA Restaurante, pizzaria, padaria, confeitaria, lanchonete, pastelaria, açougue e hipermercado/supermercado 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão social: Pessoa jurídica para a qual está sendo solicitado o licenciamento, conforme consta no contrato social/cnpj. Nome fantasia: Informar nome fantasia da empresa. Inscrição municipal: Nº do alvará municipal, apenas quando a empresa já possui alvará no endereço a ser licenciado, inclusive do alvará provisório. CNPJ: Informar CNPJ do requerente. No CNPJ devem constar as mesmas atividades desenvolvidas no local, mesmo que com nomenclatura diferente. Endereço da Unidade a ser licenciada: Informar o nome da rua, número, nº km e complemento (caso possua). CEP: Informar o CEP. Bairro: Informar bairro. Pessoa para contato (empresa): Pessoa da empresa que responde pelo processo de licenciamento, não informar o nome do prestador de serviços (contador, técnico, engenheiro, etc.). Município: Blumenau Distrito: Quando cabível ex.: Distrito Garcia, distrito Vila Itoupava. Telefone: Nº do telefone da pessoa da empresa responsável pelo processo de licenciamento. Endereço eletrônico da empresa ou pessoa da empresa responsável pelo processo de licenciamento. 2. INFORMAÇÕES SOBRE O IMÓVEL 1. Área do terreno: 2. Área construída utilizada pela atividade: 2. INFORMAÇÕES SOBRE O IMÓVEL 3. Área útil da atividade ao ar livre: 4. Área útil total:...m 2...m 2...m 2...m 2 5. Característica da construção: 6. Ano da construção: 7. Ampliação: ( )sim ( )não ( ) alvenaria ( ) madeira ( ) misto Ano ampliação: 8. Recursos hídricos: ( ) sim ( ) não ( ) possui nos terrenos estremantes. 9. Tipo do recurso hídrico: 10. Distância do recurso hídrico ( ) rio ( ) ribeirão ( )lagoa ( ) outros...metros 12. Cobertura vegetal: 13. Tipo de vegetação: 14. Área do terreno com vegetação arbórea: ( ) sim ( ) não... m Faixa de APP e/ou FSNA: ( )...m curso d água ( )... m nascente ( )... m FSNA 15. Observações: 1. Área do terreno: Área total do terreno onde está sendo desenvolvida a atividade, mesmo que possuam outras edificações sobre o mesmo. 2. Área construída utilizada pela atividade: Informar apenas a área edificada que é utilizada pela atividade licenciável, inclusive áreas administrativas, comercial, áreas de depósito, etc. Se no mesmo terreno ou mesmo prédio estiverem estabelecidas outras empresas, desconsiderar a área utilizada pelas mesmas. 3. Área útil da atividade ao ar livre: É a área, que mesmo não coberta ou edificada, é utilizada para o desenvolvimento da atividade. Por exemplo: área de tancagem, gerador de energia, equipamentos de controle ambiental, etc. 4. Área útil total: São todas as áreas efetivamente utilizadas para o desenvolvimento da atividade industrial, construídas ou não, como: depósitos de insumos e mercadorias, resíduos, áreas de tancagem, equipamentos de controle ambiental, áreas administrativas, refeitório, almoxarifado, área de carga e descarga, etc. A área útil total deve ser o somatório da área útil construída total e da área útil total das atividades ao ar livre.

2 5. Característica da construção: Informar sobre o material empregado na edificação. 6. Ano da construção: Informar o ano de construção da edificação, consultar o alvará de construção ou estrato do imóvel. 7. Ampliação: Informar se a edificação já foi ampliada e o ano da ampliação. 8. Recursos hídricos: Informar se no terreno existe algum recurso hídrico no próprio terreno ou em terreno extremante. 9. Tipo do recurso hídrico: Informar o tipo de recurso hídrico no próprio terreno ou em terreno extremante, por ex.: Rio, ribeirão, córrego, lagoa Distância do recurso hídrico: Verificar e informar qual a distância do recurso hídrico (rio, ribeirão, córrego,...) em relação à construção existente sobre o terreno, medida da margem até a construção em linha horizontal. 11. Faixa de APP: Informar a Faixa APP (área de preservação permanente): definida no art. 4º da Lei nº /2012, se for o caso. Informar a FSNA (faixa sanitária non aedificandi), se for o caso. 12. Cobertura vegetal: Indicar se possui cobertura vegetal no terreno. 13. Tipo de vegetação: Indicar o tipo de vegetação por ex.: Rasteira, nativa de porte arbóreo, plantas exóticas, pastagens, Área do terreno com vegetação arbórea: Avaliar e informar qual a área do terreno, em m 2, coberta por vegetação. 15. Observações: Informar outras considerações relevantes sobre o imóvel ou terreno onde se localiza a empresa. 3. INFORMAÇÕES SOBRE A VIZINHANÇA 3. INFORMAÇÕES SOBRE A VIZINHANÇA 1. Direita: 2. Esquerda: 3. Frente: 4. Fundos: Distância aprox.:...m Distância aprox.:...m Distância aprox.:...m Distância aprox.:...m 1. Direita: Informar o tipo de uso à direita; exemplo: Residência, indústria e sua característica (indústria metalúrgica, têxtil, alimentos,...), comércio e sua característica (comércio de alimentos, de materiais de construção,...), parques, área de pastagem, escritórios, Esquerda: Informar o tipo de uso à esquerda; exemplo: Residência, indústria e sua característica (indústria metalúrgica, têxtil, alimentos,...), comércio e sua característica (comércio de alimentos, de materiais de construção,...), parques, área de pastagem, escritórios, Frente: Informar o tipo de uso à frente; exemplo: Residência, indústria e sua característica (indústria metalúrgica, têxtil, alimentos,...), comércio e sua característica (comércio de alimentos, de materiais de construção,...), parques, área de pastagem, escritórios, etc. 4. Fundos: Informar o tipo de uso nos fundos da empresa; exemplo: residência, indústria e sua característica (indústria metalúrgica, têxtil, alimentos,...), comércio e sua característica (comércio de alimentos, de materiais de construção,...), parques, área de pastagem, escritórios,... Distância aproximada: Informar a distância aproximada da construção vizinha em relação à edificação onde se estabelecerá ou estiver estabelecida a atividade. 4. PRINCIPAL(IS) ATIVIDADE(S) DA EMPRESA 4. PRINCIPAL(IS) ATIVIDADE(S) DA EMPRESA Descrever resumidamente a(s) atividade(s) desenvolvida(s) pela empresa, sendo que estas deverão estar em concordância com a documentação apresentada (CNPJ, contrato social, consulta de viabilidade, etc.), bem como com a situação no local. Deverão ser consideradas as atividades licenciáveis, ou seja, as atividades passíveis de causar interferência ambiental (poluição sonora, hídrica, do solo e/ou atmosférica, ou ainda radiação eletromagnética e vibração), inclusive as atividades inerentes. As atividades apenas comerciais mesmo que constantes no contrato social da

3 empresa, não são licenciáveis, ou passíveis de licenciamento, exceto comércios especiais (produtos químicos, combustíveis,...) 5. INFORMAÇÕES SOBRE A ATIVIDADE 5.1. Regime de Funcionamento 1. Data início das 2. Dias de funcionamento atividades: da semana: 5. INFORMAÇÕES SOBRE A ATIVIDADE 3. Horário de funcionamento: 4. Horas/dia:.../... / Número de Funcionários Total: Regime de Funcionamento 1. Data início das atividades: Data de início de funcionamento da atividade no local: / / 2. Dias de funcionamento da semana: Informar o número de dias semanais de funcionamento da empresa 3. Horário de funcionamento: Informar o horário de funcionamento da empresa 4. Horas/dia: Informar a quantidade de horas trabalhadas no período de um dia Número de Funcionários: Informar o número total de funcionários da empresa. 6. FONTES DE ABASTECIMENTO DE ENERGIA 6. FONTE(S) DE ABASTECIMENTO DE ENERGIA E COMBUSTÍVEL 6.1. Fonte(s) de abastecimento de energia 1. ( ) Concessionária pública:celesc 2. ( ) Outra:... Consumo de energia:... kwh/mês Consumo de energia:...kwh/mês 6.2. Tanques para consumo e/ou armazenamento de combustíveis Tanques para consumo e/ou armazenamento de combustíveis: ( ) Sim ( ) Não Tipo e Finalidade: ( ) Tanque Aéreo V tanque =... m³ ( ) Tanque Subterrâneo V tanque =... m³ ( ) Bacia de Contenção V bacia : =... m³ ( ) Caixa Separadora de Água e Óleo: V SAO =... m³ ( ) Equipamento/método de detecção de vazamento: Qual: Fonte(s) de abastecimento de energia 1. Informar o consumo médio mensal de energia na empresa, em kwh/mês, conforme consta na fatura de energia da CELESC. 2. Informar o consumo médio mensal de energia na empresa, caso possua outra fonte geradora de abastecimento (gerador, gás natural, óleo Diesel, outros) Tanques para consumo e/ou armazenamento de combustíveis Assinalar se possui ou não tanques para consumo e/ou armazenamento de combustíveis. Em caso positivo, Informar o tipo de combustível e a finalidade de uso, informar qual o tipo de tanque (aéreo e/ou subterrâneo), bem como seus

4 volumes em metros cúbicos, caso possua mais de um tanque informar o volume de cada tanque individualmente. Informar a existência de bacia de contenção, caixa separadora de água e óleo, bem como seus volumes. Informar os equipamentos ou métodos de detecção de vazamento, por exemplo: monitoramento intersticial do tanque, ensaio de estanqueidade ou métodos de inventário de volume que identifiquem o vazamento de produto ou a infiltração de água. 7. FONTES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA 7. FONTES DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA ( ) Rede Pública: SAMAE ( ) Poço Artesiano: ( ) Nascente.... ( ) Rio/Ribeirão. Nome m 3 /mês... m 3 /mês... m 3 /mês... m 3 /mês ( ) água de chuva reservada ( ) água de reuso ( ) Outras: TOTAL: V reservatorio :... m 3, litros... m 3 /mês... m 3 /mês... m 3 /mês... m 3 /mês Assinalar qual(is) a(s) fonte(s) de abastecimento de água utilizada pela empresa e informar a quantidade de água consumida de cada fonte. No caso de abastecimento pelo SAMAE observar fatura de água atualizada e anexá-la ao processo. Para empresas em fase de constituição considerar 50 litros/dia de água consumida por pessoa. Em caso de água de reuso, o volume informado deve ser compatível com o informado no item Quando há utilização de poços artesianos, informar também a profundidade do mesmo e número do cadastro na Agência Nacional de Águas. Também aquelas que captam água diretamente do corpo hídrico deverão informar o número do cadastro na Agência Nacional de Águas. 8. FINALIDADES DO USO DA ÁGUA 8. FINALIDADES DO USO DA ÁGUA ( ) Sanitários ( ) Incorporada produto ( ) Refeitório ( ) Lavador de gases m 3 /mês m 3 /mês m 3 /mês m 3 /mês ( ) Lavagem de pisos e ( ) Água de reposição ( ) Outro: TOTAL louças m 3 /mês m 3 /mês m 3 /mês m 3 /mês Assinalar qual(is) a(s) finalidade(s) de uso de água utilizada pela empresa e informar a quantidade de água consumida para cada uma das finalidades. Informar o total de água utilizada pela empresa em concordância com o consumo de água informado no item anterior. Água de reposição: É a água necessária para repor perdas ocorridas, tais como por evaporação. 9. INFORMAÇÕES SOBRE A ATIVIDADE DESENVOLVIDA PELA EMPRESA 9. INFORMAÇÕES SOBRE A ATIVIDADE DESENVOLVIDA 1. Produtos preparados, fabricados ou comercializados 2. Quantidade/ mês 3. Unidade 1. Produtos preparados, fabricados ou comercializados: Listar todos os produtos preparados, comercializados ou fabricados pela empresa. Por exemplo: Refeições preparadas, pizzas, doces, salgados, bebidas, Quantidade/mês: Informar aproximadamente a quantidade de pães, refeições preparadas, pizzas, doces, salgados, bebidas,...

5 3. Unidade: Informar a unidade das quantidades de produtos preparados, comercializados ou fabricados. Por exemplo, Kg de comida, unidades de pizza, L (litros), ml (mililitros), INFORMAÇÕES SOBRE ATIVIDADES TERCEIRIZADAS 1. Empresa prestadora do serviço 10. INFORMAÇÕES SOBRE ATIVIDADES TERCEIRIZADAS 2. Nº Licença Ambiental 3. Serviços prestados 4. Quantidade/ mês 1. Empresa prestadora do serviço: Informar o nome das empresas prestadoras de serviço. Empresas nas quais o requerente terceiriza atividades da sua empresa. 2. Nº Licença Ambiental: Informar o nº da licença ambiental das empresas prestadoras de serviço. 3. Serviços prestados: Informar os serviços prestados pelas empresas prestadoras de serviço. 4. Quantidade/mês: Corresponde à quantidade mensal dos itens dos serviços prestados pelas empresas prestadoras de serviço. Ex.: produtos fabricados, peças consertadas. Deverá informar a unidade de medida de referência dos produtos fabricados/serviços prestados (unidades, quilogramas, litros...). Os serviços contratados esporadicamente também deverão ser relacionados. 11. INFORMAÇÕES SOBRE OS EFLUENTES LÍQUIDOS 11. INFORMAÇÕES SOBRE OS EFLUENTES LÍQUIDOS Efluentes líquidos gerados ( X ) Esgoto sanitário ( ) Lavagem de pisos, ( ) Refeitório ( ) Lavador de gases louças e equipamentos m 3 /mês m 3 /mês m 3 /mês m 3 /mês ( ) Outra: m 3 /mês TOTAL m 3 /mês Sistema de tratamento para os efluentes sanitários ( ) Fossa séptica e sumidouro ( ) Fossa séptica, filtro anaeróbio e V fossa = m 3 sumidouro V fossa = m 3 V filtro = m 3 ( ) Caixa de gordura ( ) Fossa séptica e filtro anaeróbio V fossa = m 3 V filtro = m 3 V =...m 3 ( ) Concessionária Pública ( ) Outro. m Sistema de tratamento de efluentes gerados ( ) Físico ( ) Físico-químico ( ) Biológico ( ) Terceirizado Local: Local de lançamento dos efluentes tratados ( ) Rio/Ribeirão ( ) Córrego ( ) Rede pluvial canalizada ( ) Outra: Volume dos efluentes tratados e volume reutilizado, exceto sanitário ( ) Volume total tratado: m 3 Reutiliza o efluente tratado?: ( ) sim ( ) Não Volume reutilizado: m Informações sobre os efluentes líquidos: o item 11.1 está relacionado diretamente ao item 8 deste formulário, sendo que as informações devem ser coerentes entre si em termos de lançamento de efluentes Efluentes líquidos gerados: Efluentes líquidos são todos os despejos, na forma líquida, gerados em qualquer atividade. Assinalar os itens de acordo com os efluentes gerados pela empresa. Efluentes líquidos sanitários: São provenientes de banheiros (chuveiros e vasos sanitários), de refeitórios, de vestiários, etc., sendo que toda empresa gera este tipo de efluente. O volume de efluentes líquidos gerados não pode ser superior ao consumo de água. Atentar que 1 m³ = litros.

6 Quando houver a necessidade de coletar amostras de efluentes para análise em laboratório externo, estas deverão ser coletadas por profissional habilitado do laboratório, não serão aceitos relatórios de análise quando a(s) amostra(s) for(em) coletada(s) pelo próprio requerente ou seu prestador de serviços Sistema de tratamento para os efluentes sanitários: Indicar qual o sistema de tratamento utilizado pela empresa para os efluentes líquidos sanitários. O sistema de tratamento informado deve ser compatível com o instalado no local e deve estar de acordo com as normas vigentes. Caso o sistema esteja subdimensionado ou com instalações inadequadas, o mesmo deverá ser adequado antes de encaminhar o processo de licenciamento. Informar o volume dos tanques utilizados para o tratamento de esgoto, observando os projetos já aprovados quando da construção/regularização da edificação. Caso os projetos não estejam em posse da empresa, identificar o sistema no local e calcular suas dimensões. Os esgotos somente são tratados por concessionária pública quando no local possuir rede coletora de esgoto do SAMAE/Foz de Blumenau, e houver cobrança na fatura de água (observar fatura) Sistema de tratamento de efluentes gerados: Assinalar o tipo adotado para tratamento dos efluentes gerados, por exemplo, físico, físico-químico e ou biológico. O projeto/memorial descritivo do sistema de tratamento de efluentes deve contemplar todas as especificidades inerentes ao projeto. Quando a empresa optar por terceirizar o tratamento de seus efluentes, deverá informar o local para onde os efluentes serão levados e anexar à licença ambiental de operação da empresa prestadora deste serviço, bem como do transportador dos mesmos. Quando se tratar de tratamento de efluentes em circuito fechado, esta informação deve ser mencionada no formulário Local de lançamento dos efluentes tratados: Informar o local onde serão lançados os efluentes tratados Volume dos efluentes tratados e volume reutilizado, exceto sanitário: Informar o volume dos efluentes tratados e, caso haja reuso, informar o volume reutilizado em caso de parcialidade. As informações sobre o reuso devem ser contempladas no projeto/memorial descritivo. 12. INFORMAÇÕES SOBRE EMISSÕES ATMOSFÉRICAS Emissão atmosférica é todo lançamento de energia ou matéria, na forma de radiação, gás, vapor, material particulado, etc, na atmosfera. 12. EQUIPAMENTOS/PONTOS GERADORES DE EMISSÕES ATMOSFÉRICAS 2. Combustível 3. Caracterização 4. Equipamento de Controle 1. Equipamento/ponto Tipo Volume do Poluente Ambiental 1. Equipamento/ponto: Informar o equipamento ou ponto onde são geradas emissões atmosféricas. Caso exista mais de um equipamento do mesmo tipo, identifique cada equipamento separadamente. 2. Combustível: Informar o tipo e o volume do combustível utilizado no equipamento gerador de poluentes atmosféricos, quando aplicável. Por exemplo: óleo BPF, lenha, biocombustíveis, etc. 3. Caracterização do poluente: Informar o tipo de poluente gerado no equipamento ou ponto mencionado no item 1. Por exemplo: gases, poeiras, odores, etc. 4. Equipamento de controle ambiental: Se existe equipamento de controle instalado nas fontes geradoras de emissão, listar os equipamentos de controle por fonte. Ex.: lavador de gases, filtro manga, sistemas de exaustão com elemento filtrante, etc. Obs.: Apresentar, em anexo, croqui dos equipamentos que geram emissões atmosféricas, identificando os respectivos dutos de saída para a atmosfera, bem como de seus equipamentos de controle (inclusive fichas técnicas), com ART do responsável técnico. 13. FONTES GERADORAS DE RUÍDOS OU VIBRAÇÕES

7 13. FONTES GERADORAS DE RUÍDOS OU VIBRAÇÕES 1. Fontes geradoras 2. Quantidade 3. Controle Ambiental 1. Fontes geradoras: Informar todos os equipamentos que geram ruídos ou vibrações na empresa. Por exemplo: compressor, gerador, câmara fria, etc. 2. Quantidade: Informar a quantidade de equipamentos geradores de ruído ou vibração. Ex.: 2 (dois) geradores, 1 (um) compressor, etc. 3. Controle ambiental: Informar o sistema de controle acústico e/ou de vibração instalado para eliminar ou atenuar os ruídos ou vibrações, atendendo a legislação vigente. As informações referentes a ruídos ou vibrações devem considerar suas interferências com a vizinhança. Equipamentos de proteção individual como protetores auriculares não são considerados como de controle ambiental. Obs.: Caso a fonte geradora de ruídos não possua controle ambiental para atenuação ou minimização de ruídos a empresa deverá informar os níveis de ruídos produzidos pelas fontes geradoras e os níveis medidos na vizinhança. 14. INFORMAÇÕES SOBRE RESÍDUOS SÓLIDOS Resíduo sólido: É todo resíduo resultante da atividade da empresa que apresenta estado físico sólido, semi-sólido ou pastoso, ou ainda que apresente estado físico líquido com características que tornem inviável seu tratamento para posterior lançamento na rede de esgotos ou corpos d água, e que exige confinamento para a destinação final, por exemplo, borras. 14. RESÍDUOS SÓLIDOS (INCLUSIVE RECICLÁVEIS) 3. Quantidade /mês 1. Resíduos 2. Local de origem 4. Acondicionamento e armazenagem 5. Período de armazenagem 1. Resíduos: Descrever os tipos de resíduos gerados pela atividade, inclusive em sistemas de tratamento de águas e efluentes. 2. Local de origem: Informar o local de geração do resíduo na empresa. 3. Quantidade /mês: Informar a quantidade mensal de cada um dos tipos de resíduos gerados, acompanhados de suas unidades (toneladas, quilogramas, metros, etc.). Em caso de resíduos gerados esporadicamente, estes também deverão ser informados. 4. Acondicionamento e armazenagem: Informar a forma de acondicionamento e armazenagem dos resíduos. Exemplo de acondicionamento: tambores, bombonas, caçambas, containers, tanques, a granel, fardos, sacos plásticos, etc. Exemplo de armazenamento: área fechada, área aberta sem telhado, área aberta com telhado, área com piso impermeabilizado, área com contenção de vazamentos, etc. 5. Período de armazenagem: Informar o tempo aproximado que cada um dos tipos de resíduo permanece armazenado na empresa antes de seu destino final. 15. RESÍDUOS OLEOSOS USADOS OU CONTAMINADOS 15. RESÍDUOS OLEOSOS USADOS OU CONTAMINADOS (INCLUSIVE RECICLÁVEIS) 2. Local de 3.Quantidade 4. Acondicionamento e 5. Período de 1. Resíduos origem /mês armazenagem armazenagem 1. Resíduos: Descrever os tipos de resíduos oleosos gerados pela atividade, por exemplo, óleo de fritura, borras oleosas, etc.

8 2. Local de origem: Informar o local de geração do resíduo na empresa. 3. Quantidade/mês: Informar a quantidade mensal de cada um dos tipos de resíduos gerados, acompanhados de suas unidades (Toneladas, quilogramas, litros, etc.). Em caso de resíduos gerados esporadicamente, estes também deverão ser informados. 4. Acondicionamento e armazenagem: Informar a forma de acondicionamento e armazenagem dos resíduos. Exemplo de acondicionamento: Tambores de 50 litros abertos ou fechados, bombonas de 5 litros abertas ou fechadas, tanques, etc. Exemplo de armazenamento: área fechada, área aberta sem telhado, área aberta com telhado, área com piso impermeabilizado, área com contenção de vazamentos, etc. Podem ser indicadas mais de uma das opções caso aplicável. 5. Período de armazenagem: Informar o tempo aproximado que cada um dos tipos de resíduo permanece armazenado na empresa antes de seu destino final. 16. TRANSPORTE E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS 1. Resíduos 16. TRANSPORTE E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS 2. Transportador 3. Local de destino final (Nome, CPF/ CNPJ e LO) (Nome, CPF/CNPJ e LO) 1. Resíduos: Neste item devem aparecer todos os resíduos relatados nos itens anteriores, exceto aqueles que serão reutilizados na própria empresa, pois estes deverão constar no próximo item. 2. Transportador: É a pessoa física ou jurídica, responsável pelo transporte dos resíduos até seu destino final. O transporte de resíduos perigosos somente poderá ser realizado por empresa devidamente licenciada para transportar resíduos de Classe I ou Classe II. As empresas transportadoras deverão ter sua Licença de Operação dentro do prazo de validade e a mesma deverá ser anexada ao processo de licenciamento. No caso de transporte de resíduos recicláveis (papel, plástico, vidro, etc.) por pessoa física, anexar declaração de responsabilidade do mesmo. Informações complementares sobre o transportador também poderão ser inclusas neste item. Informar o nome, o nº do CPF se pessoa física ou CNPJ se pessoa jurídica e o nº da licença de operação e órgão expedidor. 3. Local de destino final: É o local onde os resíduos serão dispostos ou reprocessados. Por exemplo: Aterro sanitário, aterro industrial, incorporação ao solo, em fornos, em caldeira, em incinerador, empresa de reciclagem, reprocessamento externo, compostagem, etc. Informações complementares sobre o local de destino também poderão ser inclusas neste item. 17. RESÍDUOS REUTILIZADOS PELA PRÓPRIA EMPRESA 17. RESÍDUOS REUTILIZADOS PELA PRÓPRIA EMPRESA 1. Resíduos 2. Quantidade/mês (unidade) 3. Forma de reuso 1. Resíduos: Neste item devem aparecer todos os tipos de resíduos, já constantes em item anteriores, que serão reutilizados na própria empresa, sendo novamente incorporados a novos produtos ou outras formas de uso. Por exemplo, aparas de papel, rejeitos plásticos, etc. 2. Quantidade/mês: Informar a quantidade mensal de cada um dos tipos de resíduos, acompanhados de suas unidades (toneladas, quilogramas, litros, etc.). 3. Forma de reuso: Descrever em que etapa e para qual finalidade será reutilizado o resíduo

9 RESPONSÁVEL PELO PREENCHIMENTO DAS INFORMAÇÕES Nome:... Formação profissional:... Registro do Profissional:... Assinatura:... (junto a entidade de classe): Informar os dados do profissional responsável pelo preenchimento das informações, mesmo que este seja o proprietário da empresa. DECLARAÇÃO DE RESPONSABILIDADE (ADMINISTRADOR OU RESPONSÁVEL LEGAL DA EMPRESA) Eu,...nome...,...cargo..., declaro, sob as penas da Lei, a veracidade das informações prestadas neste documento. Assinatura:... Carimbo da empresa:... Preencher com os dados do sócio administrador da empresa ou seu responsável legal. INFORMAÇÕES GERAIS PARA FACILITAR O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO: O formulário deve ser preenchido no computador, entretanto, deve ser impresso e assinado pelo responsável pelo preenchimento das informações e pelo representante legal da empresa (Todas as páginas devem ser rubricadas). Este roteiro, bem como o formulário, estão disponíveis na Internet: O formulário não poderá ser alterado exceto nos casos em que os espaços não sejam suficientes. Neste, caso digite enter ou insira linhas, quando necessário. Informações importantes deverão ser inclusas próximas ao tema de referência. Se as linhas disponibilizadas para preenchimento forem excessivas, estas também poderão ser eliminadas. Não poderão ser suprimidos nenhum dos itens. Os pontilhados deverão ser substituídos pelas informações, palavras ou valores numéricos. Se algum dos campos não se aplicar a atividade que está sendo licenciada, tal informação deverá ser explicitada dentro do próprio campo. Procure fazer adequações relativas ao meio ambiente antes de encaminhar o processo, isso agiliza a expedição das licenças e facilita o desenvolvimento do processo. Dúvidas podem ser esclarecidas na própria FAEMA pelo telefone

BARES, CASAS NOTURNAS, RESTAURANTES, LANCHERIAS, AÇOUGUES, PADARIAS

BARES, CASAS NOTURNAS, RESTAURANTES, LANCHERIAS, AÇOUGUES, PADARIAS Formulário para licenciamento BARES, CASAS NOTURNAS, RESTAURANTES, LANCHERIAS, AÇOUGUES, PADARIAS INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO: As instruções necessárias para o preenchimento da folha de rosto deste formulário

Leia mais

CADASTRO 7- Indústrias

CADASTRO 7- Indústrias CADASTRO 7- Indústrias 1.Identificação Empresa/Interessado: Endereço para correspondência: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Fone: Fax: E-mail: Atividade: Localização do empreendimento: End. Contato: Bairro:

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1. Tipo e Características do solo: 1.2. Topografia: 1.3. Cobertura Vegetal: 1.4. Descrição do acesso: 1.5.

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente SISTEMA DE INFORMAÇÃO E DIAGNÓSTICO É expressamente proibido qualquer tipo de intervenção em Área de Preservação Permanente. Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo

Leia mais

CADASTRO 10 - Atividades de serviços de saúde

CADASTRO 10 - Atividades de serviços de saúde CADASTRO 10 - Atividades de serviços de saúde 1. Identificação Empresa/Interessado: Endereço para correspondência: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Fone: Fax: E-mail: Descrição da atividade principal:

Leia mais

PORTARIA MA/CGCA Nº 001 DE 29 DE ABRIL DE 2013, (DOM 30/04/2013)*

PORTARIA MA/CGCA Nº 001 DE 29 DE ABRIL DE 2013, (DOM 30/04/2013)* PORTARIA MA/CGCA Nº 001 DE 29 DE ABRIL DE 2013, (DOM 30/04/2013)* Estabelece novos modelos de Formulário de Caracterização da Atividade (FCA) e do Termo de Responsabilidade Ambiental (TRA) e dá outras

Leia mais

I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA e/ou INSTALAÇÃO LAVA-JATO E SIMILARES

I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA e/ou INSTALAÇÃO LAVA-JATO E SIMILARES I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA e/ou INSTALAÇÃO LAVA-JATO E SIMILARES ( ) Este documento Requerimento padrão do empreendedor ou representante legal; deve ser preenchido e assinado

Leia mais

ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS

ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS Este documento. Requerimento padrão do empreendedor ou representante legal. Cadastro Descritivo da Atividade - Geral devidamente

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente SISTEMA DE INFORMAÇÃO E DIAGNÓSTICO É expressamente proibido qualquer tipo de intervenção em Área de Preservação Permanente. Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo

Leia mais

Licenciamento Ambiental Simplificado Secretaria de Meio Ambiente - SMA

Licenciamento Ambiental Simplificado Secretaria de Meio Ambiente - SMA Licenciamento Ambiental Simplificado Secretaria de Meio Ambiente - SMA PROTOCOLO Nº PROCESSO Nº Aviso: Este formulário só é válido para empreendimentos de pequenos porte e impacto ambiental, definidos

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente SISTEMA DE INFORMAÇÃO E DIAGNÓSTICO É expressamente proibido qualquer tipo de intervenção em Área de Preservação Permanente. Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente SISTEMA DE INFORMAÇÃO E DIAGNÓSTICO É expressamente proibido qualquer tipo de intervenção em Área de Preservação Permanente. Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo

Leia mais

Formulário para Licenciamento Ambiental de Extração Mineral. Responsável pela leitura no GPS Nome: Profissão: Telefone: ( )

Formulário para Licenciamento Ambiental de Extração Mineral. Responsável pela leitura no GPS Nome: Profissão: Telefone: ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL CPF/ CNPJ End. n Bairro CEP Município Telefone ( ) 2. IDENTIFICAÇÃO DA ATIVIDADE/ EMPREENDIMENTO Atividade Endereço Logradouro (Rua, Av,Linha, Picada,

Leia mais

RENOVAÇÃO DA LICENÇA DE OPERAÇÃO DOCUMENTOS NECESSÁRIOS Este documento;

RENOVAÇÃO DA LICENÇA DE OPERAÇÃO DOCUMENTOS NECESSÁRIOS Este documento; RENOVAÇÃO DA LICENÇA DE OPERAÇÃO DOCUMENTOS NECESSÁRIOS Este documento; Requerimento padrão do empreendedor ou representante legal; Cadastro Descritivo da Atividade ; Cópia da Outorga de Lavra do DNPM,

Leia mais

Oficinas, serviços de reparação e manutenção, e similares com lavagem automotiva

Oficinas, serviços de reparação e manutenção, e similares com lavagem automotiva Oficinas, serviços de reparação e manutenção, e similares com lavagem automotiva 1. Identificação Empresa/Interessado: Endereço para correspondência: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: E-mail:

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE LICENÇA OPERAÇÃO/REGULARIZAÇÃO LO - Nº 14/2015 DEMA A Secretaria Municipal da Agricultura, Desenvolvimento Econômico e Meio

Leia mais

ATENÇÃO! FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES

ATENÇÃO! FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES ATENÇÃO! O PROCESSO DE LICENCIAMENTO NÃO PODERÁ SER ABERTO SEM O CORRETO PREENCHIMENTO. Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo permitida qualquer inclusão, exclusão

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE INDÚSTRIAS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE INDÚSTRIAS TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE INDÚSTRIAS 1. INTRODUÇÃO: Este Termo de Referência visa orientar a elaboração de Projeto Ambiental - PA a ser apresentado pelos empreendedores

Leia mais

SISTEMA DE CADASTRO INDUSTRIAL - I (DADOS GERAIS) RUBRICA FL. (

SISTEMA DE CADASTRO INDUSTRIAL - I (DADOS GERAIS) RUBRICA FL. ( SISTEMA DE CADASTRO INDUSTRIAL - I (DADOS GERAIS) FL. ( I.1 Não preencher os espaços ao lado ESTADO MUNIC. R.A/DIST N. DE CONTROLE ATIVIDADES ATENÇÃO: Este Cadastro foi elaborado para ser preenchido diretamente

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de Óleo de Veículos - Licença de Instalação (LI) -

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de Óleo de Veículos - Licença de Instalação (LI) - Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente SISTEMA DE INFORMAÇÃO E DIAGNÓSTICO É expressamente proibido qualquer tipo de intervenção em Área de Preservação Permanente. Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo

Leia mais

ATIVIDADE INDUSTRIAL. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax:

ATIVIDADE INDUSTRIAL. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: ATIVIDADE INDUSTRIAL 1. Identificação Empresa/Interessado: Endereço: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: E-mail: Atividade: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: Contato:

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO E MONITORAMENTO AMBIENTAL RAMA. a) Empreendedor: b) CPF ou CNPJ: c) E-mail: d) Endereço: e) Telefone e celular:

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO E MONITORAMENTO AMBIENTAL RAMA. a) Empreendedor: b) CPF ou CNPJ: c) E-mail: d) Endereço: e) Telefone e celular: RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO E MONITORAMENTO AMBIENTAL RAMA 1. DADOS GERAIS 1.1 Dados do Empreendedor a) Empreendedor: b) CPF ou CNPJ: c) E-mail: d) Endereço: e) Telefone e celular: 1.2 Dados do Empreendimento:

Leia mais

SLEA SISTEMA DE LICENCIAMENTO ELETRÔNICO DE ATIVIDADES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO

SLEA SISTEMA DE LICENCIAMENTO ELETRÔNICO DE ATIVIDADES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO SLEA SISTEMA DE LICENCIAMENTO ELETRÔNICO DE ATIVIDADES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO Manual passo-a-passo para obtenção do Auto de Licença de Funcionamento/ Auto de Licença de Funcionamento Condicionado Eletrônico

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE Página 1 de 5 SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE A Secretaria Municipal da Agricultura, Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente, através do Departamento de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2012 DISPÕE SOBRE TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA E DÁ OUTRAS PROVIDENCIAS. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE GUARAPARI, Estado

Leia mais

Informações para Licenciamento Ambiental Municipal de DEPÓSITO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) CLASSES I E II (CODRAM 4.750,10 Depósito de GLP)

Informações para Licenciamento Ambiental Municipal de DEPÓSITO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) CLASSES I E II (CODRAM 4.750,10 Depósito de GLP) DEPÓSITO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) CLASSES I E II (CODRAM 4.750,10 Depósito de GLP) 1 - IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR Nome ou Razão Social: CNPJ: CPF: CGC/TE: Endereço (Rua/Av.) : nº: Bairro:

Leia mais

Formulário para licenciamento de POSTOS DE LAVAGEM, OFICINAS MECÂNICAS E SIMILARES

Formulário para licenciamento de POSTOS DE LAVAGEM, OFICINAS MECÂNICAS E SIMILARES PREFEITURA MUNICIPAL DE ARROIO DO MEIO Formulário para licenciamento de POSTOS DE LAVAGEM, OFICINAS MECÂNICAS E SIMILARES DMA 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR Nome / Razão Social: CNPJ CPF End. n Bairro

Leia mais

Anexo I INFORME PRÉVIO. Indústria de Medicamentos e/ou insumos farmacêuticos. Nome da Empresa /RS, 20

Anexo I INFORME PRÉVIO. Indústria de Medicamentos e/ou insumos farmacêuticos. Nome da Empresa /RS, 20 Anexo I INFORME PRÉVIO Indústria de Medicamentos e/ou insumos farmacêuticos Nome da Empresa /RS, 20 NOTA: 1. Este informe prévio deverá ser preenchido no que couber, por indústria fabricante de medicamentos

Leia mais

http://doweb.rio.rj.gov.br/imprimir.htm?id=305287&edi_id=2960 1/5

http://doweb.rio.rj.gov.br/imprimir.htm?id=305287&edi_id=2960 1/5 Data de publicação: 14/12/2015 Matéria nº : 305287 Diário Oficial nº : 184 RESOLUÇÃO SMAC Nº 606 DE 11 DE DEZEMBRO DE 2015 Estabelece parâmetros ambientais para a implantação e o funcionamento de Subestações

Leia mais

Documento sujeito a revisões periódicas Natal RN CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-1975 / 3232-2118

Documento sujeito a revisões periódicas Natal RN CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-1975 / 3232-2118 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Bases de Apoio a Empresas Transportadoras de Cargas e Resíduos

Leia mais

SAÚDE. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP:

SAÚDE. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: SAÚDE 1. Identificação Empresa/Interessado: Endereço: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: E-mail: Atividade: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: Contato: Cargo/Função: 2.Informações

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Diretoria de Licenciamento Ambiental Coordenação Geral de Transporte, Mineração

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICIPALIDADE DE BIGUAÇU FUNDAÇÃO MUN. DE MEIO AMBIENTE DE BIGUAÇU

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICIPALIDADE DE BIGUAÇU FUNDAÇÃO MUN. DE MEIO AMBIENTE DE BIGUAÇU IN-16 AVICULTURA Última atualização: 18/06/2014 INSTRUÇÕES GERAIS: A FAMABI coloca-se a disposição dos interessados para dirimir possíveis dúvidas sobre esta Instrução Normativa. Sempre que julgar necessário

Leia mais

OFICINAS MECÂNICAS E POSTOS DE LAVAGEM

OFICINAS MECÂNICAS E POSTOS DE LAVAGEM Informações para Solicitação de Licenciamento Ambiental de OFICINAS MECÂNICAS E POSTOS DE LAVAGEM no Âmbito do Município de Charqueadas (5.220,00 Oficina Mecânica / 3.421,00 Posto de Lavagem de Veículos)

Leia mais

Indústrias. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP:

Indústrias. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: Indústrias 1. Identificação Empresa/Interessado: Endereço: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: E-mail: Atividade: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: Contato: Cargo/Função:

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. DADOS DO EMPREENDEDOR:

1. INTRODUÇÃO 2. DADOS DO EMPREENDEDOR: TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL E PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA PARQUES DE GERAÇÃO DE ENERGIAS ALTERNATIVA (SOLAR, EÓLICA E OUTRAS) 1. INTRODUÇÃO Este Termo de

Leia mais

Documento sujeito a revisões periódicas Natal RN CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-1975 / 3232-2118

Documento sujeito a revisões periódicas Natal RN CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-1975 / 3232-2118 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Postos (Revendedores e de Abastecimento) e Sistemas

Leia mais

FORMULÁRIO DE CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO

FORMULÁRIO DE CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO FORMULÁRIO DE CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo permitida qualquer inclusão, exclusão ou alteração de campos, sob pena de não

Leia mais

Instruções para o cadastramento da Operação de Transporte e geração do Código Identificador da Operação de Transporte CIOT.

Instruções para o cadastramento da Operação de Transporte e geração do Código Identificador da Operação de Transporte CIOT. Instruções para o cadastramento da Operação de Transporte e geração do Código Identificador da Operação de Transporte CIOT. Versão: 01/2013 As presentes instruções aplicam-se a todas as Operações de Transportes

Leia mais

ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS

ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS Este documento. Requerimento padrão do empreendedor ou representante legal. Cadastro Descritivo da Atividade - Geral devidamente

Leia mais

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS Hotel e restaurante com queima de combustível

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS Hotel e restaurante com queima de combustível ROTIRO PR LBORÇÃO DO RS 1 Informações iniciais Indentificação do empreendedor Razão Social CNPJ ndereço Telefone 2 Responsável pelo empreendimento: Responsável pelo RS Caracterização do mpreendimento Nome

Leia mais

Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações.

Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. INTRODUÇÃO SUSTENTABILIDADE,

Leia mais

2.7. Informar se há reserva particular na propriedade com registro em órgão ambiental (IBAMA/IPAAM/Secretaria Municipal

2.7. Informar se há reserva particular na propriedade com registro em órgão ambiental (IBAMA/IPAAM/Secretaria Municipal TERMO DE REFERÊNCIA TR PARA PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL (PCA) P/ A ATIVIDADE DE AQUICULTURA (Este TR aplica-se a empreendimentos desenvolvidos em viveiros escavados a partir de 10,00 ha) O Instituto de

Leia mais

Instrução Normativa nº 017, de 23 de outubro de 2014.

Instrução Normativa nº 017, de 23 de outubro de 2014. Instrução Normativa nº 017, de 23 de outubro de 2014. O diretor-presidente do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo - IDAF, usando das atribuições que lhe confere o artigo 48 do

Leia mais

(TIMBRE DA EMPRESA) INFORMAÇÕES BÁSICAS DA EMPRESA. Município: Estado: Telefone: Data de Fundação: Inscrição Estadual: CNPJ /MF: Em Constituição

(TIMBRE DA EMPRESA) INFORMAÇÕES BÁSICAS DA EMPRESA. Município: Estado: Telefone: Data de Fundação: Inscrição Estadual: CNPJ /MF: Em Constituição 1.*Empresa: Nome Empresarial: INFORMAÇÕES BÁSICAS DA EMPRESA Nome de Fantasia: Nome para Contato: E-mail para Contato: Contato Comercial ou Assessoria de Imprensa Endereço: Tel. Fixo: Celular: Tel. fixo:

Leia mais

DE COMBUSTÍVEIS POST

DE COMBUSTÍVEIS POST POSTOS E SISTEMAS RET ETALHIST ALHISTAS AS DE COMBUSTÍVEIS ROTEIRO PARA POST OSTOS JÁ EXISTENTES PROCEDIMENTOS PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE POSTOS E SISTEMAS RETALHISTAS DE COMBUSTÍVEIS CADASTRO 2001

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA DE BENEFICIAMENTO DE PESCADO (Produção acima de 1.500kg dia)

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA DE BENEFICIAMENTO DE PESCADO (Produção acima de 1.500kg dia) Instituto de Proteção Ambiental do Estado do Amazonas PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA DE BENEFICIAMENTO DE PESCADO (Produção acima de 1.500kg dia) 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1. Indique o consumo médio mensal

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA

LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Renato das Chagas e Silva Engenheiro Químico Departamento de Controle FEPAM LEI FEDERAL 6938/81 DECRETO FEDERAL 99274/90 BASE PARA GESTÃO AMBIENTAL obrigatoriedade

Leia mais

1. Canteiro de Obra Campo Grande 03

1. Canteiro de Obra Campo Grande 03 1. Canteiro de Obra Campo Grande 03 A cidade de Campo Grande, localizada no estado do Rio Grande do Norte (RN), é um dos municípios no qual dispõe de boa estrutura para implantação de um dos três canteiros

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE 1. OBJETIVO: Este Termo de Referência têm como objetivo atender as Resoluções CONAMA Nº 237/1997, 273/2000 e 319/2002, Norma Técnica da ABNT NBR 14973:2004, bem como outras normas da Associação Brasileira

Leia mais

PORTAL DA EMPRESA DOCUMENTOS INSTRUTÓRIOS. Estabelecimento industrial tipo 1 - autorização prévia para instalação. 29_10_2011 Página 1 de 5

PORTAL DA EMPRESA DOCUMENTOS INSTRUTÓRIOS. Estabelecimento industrial tipo 1 - autorização prévia para instalação. 29_10_2011 Página 1 de 5 1 - a) Projeto de instalação com o conteúdo previsto no n.º 2; b) Pagamento da taxa que for devida nos termos do regime de exercício da atividade industrial; c) Identificação da decisão sobre o pedido

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA nº 334, de 3 de abril de 2003 Publicada no DOU n o 94, de 19 de maio de 2003, Seção 1, páginas 79-80

RESOLUÇÃO CONAMA nº 334, de 3 de abril de 2003 Publicada no DOU n o 94, de 19 de maio de 2003, Seção 1, páginas 79-80 RESOLUÇÃO CONAMA nº 334, de 3 de abril de 2003 Publicada no DOU n o 94, de 19 de maio de 2003, Seção 1, páginas 79-80 Dispõe sobre os procedimentos de licenciamento ambiental de estabelecimentos destinados

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO E ENTREGA DE DOCUMENTOS NOVOS

PROCEDIMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO E ENTREGA DE DOCUMENTOS NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO E ENTREGA DE DOCUMENTOS NOVOS Este manual foi elaborado para orientar o Cliente, Órgão/Entidade, sobre os procedimentos necessários a serem seguidos com relação à preparação

Leia mais

Fundação de Apoio à Ciência, Tecnologia e Educação

Fundação de Apoio à Ciência, Tecnologia e Educação MANUAL DO PESQUISADOR SUMÁRIO 1. Apresentação 2. Inclusão de Projetos 2.1. Apresentações de novos projetos 2.2. Tipos de instrumentos legais 2.3. Situação de adimplência das instituições 3. Orientações

Leia mais

NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS

NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS ÍNDICE 1. OBJETIVOS... 1 2. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 1 3. EMPREENDIMENTOS DE INTERESSE... 2 4.

Leia mais

1 Objetivo. 2 Instrumentos do Processo de Controle Ambiental. 3 Etapas do Processo de Cadastramento. 4 Instruções Gerais

1 Objetivo. 2 Instrumentos do Processo de Controle Ambiental. 3 Etapas do Processo de Cadastramento. 4 Instruções Gerais Termo de Referência nº. 01 (Versão setembro/2015) Atividades sujeitas a Autorização Ambiental 1 Objetivo Definir a documentação necessária ao cadastro ambiental das atividades da Listagem Baixo Impacto

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS COORDENAÇÃO DE AGROPECUÁRIA PESQUISA DE ESTOQUES PRIMEIRO SEMESTRE - 2010 MANUAL DE INSTRUÇÕES

DIRETORIA DE PESQUISAS COORDENAÇÃO DE AGROPECUÁRIA PESQUISA DE ESTOQUES PRIMEIRO SEMESTRE - 2010 MANUAL DE INSTRUÇÕES DIRETORIA DE PESQUISAS COORDENAÇÃO DE AGROPECUÁRIA PESQUISA DE ESTOQUES PRIMEIRO SEMESTRE - 2010 MANUAL DE INSTRUÇÕES 1. CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DA PESQUISA 1.1 - OBJETIVO Fornecer informações estatísticas

Leia mais

22 o. Prêmio Expressão de Ecologia

22 o. Prêmio Expressão de Ecologia 22 o. Prêmio Expressão de Ecologia 2014-2015 Estação tratamento Efluentes Industriais Estação tratamento de água Estação tratamento Efluentes Doméstico Campanha interna Sistema de gestão de águas Fotos:

Leia mais

ANEXO IV LAUDO DE CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE HIGIENE

ANEXO IV LAUDO DE CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE HIGIENE ANEXO IV LAUDO DE CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE HIGIENE 119 LAUDO TÉCNICO PREVISTO NO DECRETO Nº 6.795 DE 16 DE MARÇO DE 2009 LAUDO DE CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE HIGIENE 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTÁDIO 1.1. Nome

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE PGRSS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE PGRSS PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE PGRSS ATENÇÃO! O PROCESSO DE LICENCIAMENTO NÃO PODERÁ SER ABERTO SEM O CORRETO PREENCHIMENTO. Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste

Leia mais

MANUAL DO SERIE ALIMENTAÇÃO

MANUAL DO SERIE ALIMENTAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO SECRETÁRIO ADJUNTO DIRETORIA DE APOIO AO ESTUDANTE ASSESSORIA DE ANÁLISE E ESTATÍSTICA GERÊNCIA DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR 3 SUMÁRIO 1. ACESSO... 05 1.1 Alterar

Leia mais

EXTRATO DA INSPEÇÃO REGULAR DE BARRAGEM. Nome da Barragem: Segundo Nome da Barragem: Coordenadas - datum WGS-84: Latitude _ (S) Volume: m³ RPGA:

EXTRATO DA INSPEÇÃO REGULAR DE BARRAGEM. Nome da Barragem: Segundo Nome da Barragem: Coordenadas - datum WGS-84: Latitude _ (S) Volume: m³ RPGA: Nome do empreendedor EXTRATO DA INSPEÇÃO REGULAR DE BARRAGEM Modelo INEMA 2015 - Lei Federal 12.334/2010 I - Dados Gerais Nome da Barragem: Segundo Nome da Barragem: Coordenadas - datum WGS-84: Latitude

Leia mais

Tecnologias de Tratamento de Resíduos e Solos Contaminados

Tecnologias de Tratamento de Resíduos e Solos Contaminados Tecnologias de Tratamento de Resíduos e Solos Contaminados Prof. Dr. José Roberto de Oliveira jroberto@cefetes.br DEFINIÇÃO Define-se por "tratamento de resíduos sólidos" qualquer processo que altere as

Leia mais

COMUSA Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo

COMUSA Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo 2011 PREFEITO MUNICIPAL DE NOVO HAMBURGO Sr. Tarcísio João Zimmermann DIRETOR GERAL DA COMUSA Eng. Arnaldo Luiz Dutra DIRETOR TÉCNICO DA COMUSA Eng. Júlio César Macedo COORDENADOR DE PROJETOS E OBRAS Eng.

Leia mais

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI. Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI. Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo Programa AMG Manual de Operação Conteúdo 1. Sumário 3 2. Programa

Leia mais

A NR-20 e o armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis em instalações administrativas

A NR-20 e o armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis em instalações administrativas A NR-20 e o armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis em instalações administrativas Autora Patrícia Lins de Paula A NR-20, Norma Regulamentadora 20 do Ministério do Trabalho e Emprego, trata

Leia mais

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS I IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome/Denominação social, identificação fiscal n.º, bilhete

Leia mais

Regulamento de admissão de Resíduos Não Perigosos (RNP) no Aterro de Sermonde

Regulamento de admissão de Resíduos Não Perigosos (RNP) no Aterro de Sermonde o Regulamento o Anexos: I. Inquérito para Pedido de Autorização para Deposição no Aterro de Sermonde II. III. IV. Descrição da Atividade da Empresa Produtora Declaração de Responsabilidade do Produtor

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO POR MEIO DA WEB

ORIENTAÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO POR MEIO DA WEB ORIENTAÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO POR MEIO DA WEB 1 Com finalidade de auxiliar nas respostas às perguntas formuladas ou de esclarecer alguma dúvida sobre questões que não foram expressas

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO. Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO. Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO PRAD Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PRAD O Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD), deverá

Leia mais

NORMAS GERAIS PARA RECEBIMENTO E CONFERÊNCIA DE DOCUMENTOS

NORMAS GERAIS PARA RECEBIMENTO E CONFERÊNCIA DE DOCUMENTOS NORMAS GERAIS PARA RECEBIMENTO E CONFERÊNCIA DE DOCUMENTOS PROCEDIMENTO PADRÃO Nº. 001/2006. Teresina, Março 2008 ATUALIZADO EM MARÇO DE 2008 NORMAS GERAIS PARA RECEBIMENTO E CONFERÊNCIA DE DOCUMENTOS

Leia mais

FORMULÁRIO 11 PADARIAS, PASTELARIAS, CONFEITARIAS, RESTAURANTES, SUPERMERCADOS E SIMILARES

FORMULÁRIO 11 PADARIAS, PASTELARIAS, CONFEITARIAS, RESTAURANTES, SUPERMERCADOS E SIMILARES FORMULÁRIO 11 PADARIAS, PASTELARIAS, CONFEITARIAS, RESTAURANTES, SUPERMERCADOS E SIMILARES FORMULÁRIO DE REQUERIMENTO PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL A pessoa jurídica de direito privado, abaixo identificada,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (APLICADO A INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais

TUTORIAL PARA PREENCHIMENTO DO MEMORIAL DESCRITIVO

TUTORIAL PARA PREENCHIMENTO DO MEMORIAL DESCRITIVO TUTORIAL PARA PREENCHIMENTO DO MEMORIAL DESCRITIVO Campos A Preencher: Todos os campos deverão ser preenchidos. Os campos que não se aplicam ao estabelecimento/empreendimento, preencher com não há. 01

Leia mais

FORMULÁRIO DE PETIÇÃO PARA REGISTRO DE EQUIPAMENTOS Classe I e II

FORMULÁRIO DE PETIÇÃO PARA REGISTRO DE EQUIPAMENTOS Classe I e II FORMULÁRIO DE PETIÇÃO PARA REGISTRO DE EQUIPAMENTOS Classe I e II ESTE FORMULÁRIO CORRESPONDE À FICHA TÉCNICA MENCIONADA NO ANEXO I DA IN Nº 13/2009. VERSÃO 02 09/12/2010 ORIENTAÇÕES GERAIS PARA PREENCHIMENTO

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

PROCEDIMENTOS E CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE DEPÓSITOS DE EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS

PROCEDIMENTOS E CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE DEPÓSITOS DE EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS PROCEDIMENTOS E CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE DEPÓSITOS DE EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS Serviço Agro-Silvo-Pastoril SEASP/DECONT OUTUBRO/2003 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1.1 Objetivo

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PGRS)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PGRS) TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PGRS) 1 - DIRETRIZ GERAL O presente Termo de Referência tem o objetivo de orientar os empreendimentos, sujeitos ao

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação e avaliação contínua dos aspectos ambientais das atividades, produtos, serviços e instalações a fim de determinar quais desses tenham ou possam

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS CIESP COTIA GMA GRUPO DE MEIO AMBIENTE RONALD FERFILA BRASIL E ESTADO DE SÃO PAULO Valor desconhecido Estima-se a geração de 2,9 milhões de toneladas por ano de resíduos perigosos

Leia mais

INTRODUÇÃO. Assim, a Marítima disponibiliza nesse comunicado algumas dicas para agilizar os processos de análise de risco de proposta. DICAS!

INTRODUÇÃO. Assim, a Marítima disponibiliza nesse comunicado algumas dicas para agilizar os processos de análise de risco de proposta. DICAS! INTRODUÇÃO Prezado corretor, Tendo como princípio o bom atendimento e a prestação de serviço com qualidade, a Marítima Seguros frequentemente revisa seus processos, desenvolve e aperfeiçoa os diversos

Leia mais

ANEXO I SECRETARIA DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM

ANEXO I SECRETARIA DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM ANEXO I SECRETARIA DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM REQUERIMENTO DE AUTORIZAÇÃO ESPECÍFICA - AE Ilmo. Sr. Superintendente do Departamento de Estradas de Rodagem do Estado de São Paulo,

Leia mais

Regimento Interno do Sistema

Regimento Interno do Sistema Identificação: R.01 Revisão: 05 Folha: 1 / 14 Artigo 1 - Objetivo do documento 1.1. Este documento tem como objetivo regulamentar as atividades para credenciamento de uma planta de produção com o SELO

Leia mais

Estado: CEP: Fone: Fax: CONTA PARA PAGAMENTO Banco: Agência: Conta Corrente: REPRESENTANTE CREDENCIADO (PREENCHIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL)

Estado: CEP: Fone: Fax: CONTA PARA PAGAMENTO Banco: Agência: Conta Corrente: REPRESENTANTE CREDENCIADO (PREENCHIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL) EMPRESA INTERESSADA Nome/Razão Social: Nome Fantasia: E-mail: E-mail vendas: Site na web: N.º INSCRIÇÃO CNPJ: Estadual: Junta Comercial: Municipal: ENDEREÇO Endereço: Nº: Bairro: Cidade: Estado: CEP: Fone:

Leia mais

Revogada pela Resolução ANP nº 20, de 18.6.2009 DOU 19.6.2009 Efeitos a partir de 19.6.2009.

Revogada pela Resolução ANP nº 20, de 18.6.2009 DOU 19.6.2009 Efeitos a partir de 19.6.2009. AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS PORTARIA ANP Nº 127, DE 30.7.1999 - DOU 2.8.1999 - REPUBLICADA DOU 30.9.1999 E 28.4.2000 Estabelece a regulamentação para a atividade de coleta

Leia mais

Título do trabalho: Pesquisa para Elaboração do Diagnóstico do Recreio da Borda do Campo, Município de Santo André

Título do trabalho: Pesquisa para Elaboração do Diagnóstico do Recreio da Borda do Campo, Município de Santo André Título do trabalho: Pesquisa para Elaboração do Diagnóstico do Recreio da Borda do Campo, Município de Santo André Autores: Departamento de Gestão Ambiental SEMASA Serviço Municipal de Saneamento Ambiental

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACAÉ RJ AGÊNCIA MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA DE RESÍDUOS

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACAÉ RJ AGÊNCIA MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA DE RESÍDUOS ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACAÉ RJ AGÊNCIA MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA DE RESÍDUOS MODELO BÁSICO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS

Leia mais

S U P E R I N T E N D Ê N C I A E S T A D U A L D O M E I O A M B I E N T E

S U P E R I N T E N D Ê N C I A E S T A D U A L D O M E I O A M B I E N T E DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA REGISTRO DE ESTABELECIMENTOS QUE COMERCIALIZA PRODUTOS AGROTÓXICOS (VALIDADE DO REGISTRO = 01 ANO) 1. Requerimento do Registro dirigido ao Superintendente da SEMACE. 2. Formulário

Leia mais

CeC. Cadastro eletrônico de Contribuintes. Usuário Anônimo

CeC. Cadastro eletrônico de Contribuintes. Usuário Anônimo CeC Cadastro eletrônico de Contribuintes Usuário Anônimo Versão 1.2 13/10/2010 Sumário Apresentação... 3 Objetivo... 3 1. Solicitação de CeC... 4 1.1. Cadastro de Pessoas Físicas... 6 1.1.1 Cadastro de

Leia mais

Sistema Eletrônico de Informações - Notificação de ato de concentração ordinário 1

Sistema Eletrônico de Informações - Notificação de ato de concentração ordinário 1 Sistema Eletrônico de Informações - Notificação de ato de concentração ordinário 1 Sistema Eletrônico de Informações Guia para notificação de atos de concentração 2 Notificação Eletrônica de Ato de Concentração

Leia mais

RESOLUÇÃO DP Nº. 12.2012, DE 27 DE JANEIRO DE 2012.

RESOLUÇÃO DP Nº. 12.2012, DE 27 DE JANEIRO DE 2012. RESOLUÇÃO DP Nº. 12.2012, DE 27 DE JANEIRO DE 2012. ESTABELECE PROCEDIMENTOS PARA OS SERVIÇOS DE COLETA, TRANSPORTE E DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS PROVENIENTES DE EMBARCAÇÕES NAS ÁREAS DO PORTO ORGANIZADO DE

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 O processo administrativo para aprovação e licenciamento de parcelamentos de

Leia mais

CADASTRO 3 - Comércio varejista de combustível

CADASTRO 3 - Comércio varejista de combustível CADASTRO 3 - Comércio varejista de combustível 1. Identificação Empresa/Interessado: Nome fantasia: para correspondência: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Fone: Fax: E-mail: Atividade: Localização do

Leia mais

I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO

I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO ( ) Este documento Requerimento padrão do empreendedor ou representante legal; deve ser preenchido e assinado pelo requerente

Leia mais

Instruções para o Preenchimento do PGRSS

Instruções para o Preenchimento do PGRSS ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Instruções para o Preenchimento do PGRSS I Finalidade

Leia mais

Q TIC. Produtor/ Fornecedor:... Quimil Indústria e Comércio LTDA

Q TIC. Produtor/ Fornecedor:... Quimil Indústria e Comércio LTDA Revisão: 00 Data de revisão: 12/2011 Página 1 de 9 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto:... Produtor/ Fornecedor:... Endereço:...Via periférica II, 2460 CIA SUL- Simões Filho. Bahia.

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 189,de 17 de novembro de 2004. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

MANUAL DOCUMENTAÇÕES E ORIENTAÇÕES PARA EXPEDIÇÃO E TRANSPORTE DE EMBALAGENS VAZIAS NÃO LIMPAS

MANUAL DOCUMENTAÇÕES E ORIENTAÇÕES PARA EXPEDIÇÃO E TRANSPORTE DE EMBALAGENS VAZIAS NÃO LIMPAS MANUAL DOCUMENTAÇÕES E ORIENTAÇÕES PARA EXPEDIÇÃO E TRANSPORTE DE EMBALAGENS VAZIAS NÃO LIMPAS 1. OBJETIVO DO MANUAL A TECNOTAM vem, através do presente documento, orientar os fornecedores de embalagens

Leia mais

CeC. Cadastro Eletrônico de Contribuintes

CeC. Cadastro Eletrônico de Contribuintes CeC Cadastro Eletrônico de Contribuintes Versão 1.0 Usuário Externo Março/2010 Índice 1. Apresentação... 3 2. Objetivos... 3 3. Solicitação de CeC... 4 3.1. Cadastro de pessoas físicas... 5 3.1.1. Cadastro

Leia mais