Anexo I INFORME PRÉVIO. Indústria de Medicamentos e/ou insumos farmacêuticos. Nome da Empresa /RS, 20

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anexo I INFORME PRÉVIO. Indústria de Medicamentos e/ou insumos farmacêuticos. Nome da Empresa /RS, 20"

Transcrição

1 Anexo I INFORME PRÉVIO Indústria de Medicamentos e/ou insumos farmacêuticos Nome da Empresa /RS, 20

2 NOTA: 1. Este informe prévio deverá ser preenchido no que couber, por indústria fabricante de medicamentos e/ou insumos farmacêuticos; 2. Para fins de inspeção para verificação de cumprimento de boas práticas de fabricação é imprescindível que a empresa esteja em funcionamento, e tenha o acompanhamento das etapas críticas das linhas de produção (ex: pesagem, manipulação das matérias-primas, compressão, encapsulamento, etc.); 3. Todos os itens devem ser preenchidos integralmente (em arquivo de texto tipo Word) e enviados em meio eletrônico (CD); 4. Os itens 14.4 e 14.6 devem ser encaminhados também de forma impressa; O Informe Prévio e os demais documentos solicitados devem ser encaminhados para o Setor de Medicamentos/NVP/DVS/CEVS, endereçados ao técnico que os solicitou. 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Nome Fantasia: Razão Social: CNPJ: Endereço: Município/UF: Telefone: Home page: Representante Legal: Fax: Porte/ANVISA: CPF: CEP: Responsável Técnico: Conselho Regional/UF: CPF: N.º do Alvará de Licença de Funcionamento: N.º da Autorização de Funcionamento de Empresa, Data da Publicação e nº Resolução: Autorização Especial ( ) SIM ( ) NÃO Resolução n.º/ano: Certificação de Boas Práticas de Fabricação (Resolução e data): Licença Ambiental: Órgão Expedidor: Validade: Licença do Corpo de Bombeiros: Validade: PCMSO: Data de elaboração: Validade: PPRA: Data de elaboração: Validade: Período da última inspeção - Data: / / a Objetivo: Linhas/formas farmacêuticas objeto da inspeção: / /. 2. ATIVIDADES AUTORIZADAS Produzir Importar Exportar Transportar Medicamentos Reembalar Envasar Armazenar Distribuir Insumos Fabricar Embalar Outras: especificar 3. CLASSES LICENCIADAS 3.1. Medicamentos Homeopáticos Solução Parenteral de Grande Volume Solução Parenteral de Pequeno Volume Solução Estéril Oftálmica Fitoterápicos Versão 11/2010 Página 2 de 7

3 Concentrado Polieletrolítico para Hemodiálise Antibióticos Produto Biológico Hemoderivado Gases Medicinais Genéricos Hormônios Outras: especificar Produto controlado (Port. 344/98) Antissépticos Oficinais Radiofármacos Pós estéreis 3.2. Insumos Farmacêuticos (especificar o tipo de obtenção) 4. RELAÇÃO DAS DEMAIS PLANTAS (insumos, cosméticos, alimentos, saneantes e produtos para saúde, se for o caso). 5. RELAÇÃO DE TODOS OS INSUMOS FARMACÊUTICOS ATIVOS Insumo Fabricante Fornecedor Origem Procedência Produto 6. RELAÇÃO DE TODOS EXCIPIENTES Insumo Fabricante Fornecedor Origem Procedência Produto 7. RELAÇÃO DOS PRODUTOS EM COMERCIALIZAÇÃO Data última Resolução Forma Nome do N. de renovação RE farmacêutica/ produto registro/ms de registro n.º/data Classe Produção média mensal 8 RELAÇÂO DE TODOS OS PRODUTOS EXPORTADOS PELA EMPRESA 9 TERCEIRIZAÇÃO 9.1 COMO CONTRATANTE Etapas de produção/ C.Q./ armazenamento Empresa contratada/ Localização CNPJ Produto/ Forma Farmacêutica Situação/ANVISA 9.2 COMO CONTRATADA Etapas de produção/ C.Q./ armazenamento Empresa contratante/ Localização CNPJ Produto/ Forma Farmacêutica Situação/ANVISA 10 FUNCIONÁRIOS DAS ATIVIDADES INDUSTRIAIS 10.1 FUNCIONÁRIOS RESPONSÁVEIS PELAS ATIVIDADES INDUSTRIAIS Área Formação Nome Representante Legal Responsável Técnico Versão 11/2010 Página 3 de 7

4 Garantia da Qualidade Controle da Qualidade Produção Outros (discriminar) 10.2 FUNCIONÁRIOS ENVOLVIDOS NAS ATIVIDADES INDUSTRIAIS N.º de turnos e horários Nº de funcionários N.º de funcionários envolvidos com atividades industriais N.º total de funcionários Produção Controle de qualidade Garantia da qualidade Armazenamento e distribuição Engenharia e manutenção Outras áreas (discriminar) 11 ÁREA FÍSICA Área construída m 2 Área Total da Empresa m 2 Planta aprovada na VISA/RS em. Processo encaminhado para avaliação alteração/ampliação do projeto arquitetônico:. 12 INFORMAÇÕES GERAIS OBS.: AS INFORMAÇÕES SEGUINTES DEVEM SER DESCRITAS COMO RESUMO SUCINTO DOS PROCEDIMENTOS (MENCIONANDO O NÚMERO DO POP CORRESPONDENTE, O NÚMERO E A DATA DA VERSÃO) UTILIDADES a. Sistema de ar estéril e/ou não estéril (condicionador, central, split): Diagrama do sistema de ar de todas as áreas produtivas (insuflamento e exaustão); Parâmetros de temperatura e umidade, monitoramento, controle e registros, com descrição de ações em caso de desvios; Balanceamento ou diferencial de pressão entre as áreas (quando aplicável); Classificação das áreas limpas (quando aplicável); Status de certificação (certificada/não certificada) (quando aplicável); Limpeza (coifas, filtros, dutos, etc); Manutenção; Relação dos testes realizados para comprovação da contínua conformidade do sistema e suas freqüências (quando aplicável); Monitoramento microbiológico do sistema de ar, plano de amostragem, limites de alerta e ação (quando aplicável). b. Sistema de água (potável e purificada): Processo de purificação (tecnologia envolvida) e distribuição da água purificada; Versão 11/2010 Página 4 de 7

5 Diagrama (fluxo); Fonte de obtenção; Pontos de coleta; Tipo da água utilizada na produção; Especificações físico-químicas e microbiológicas utilizadas e análises realizadas em linha e no controle de qualidade e suas freqüências (ex: água WFI-USP, água PW-EP, entre outros); Procedimentos de limpeza e sanitização do sistema, bem como sua frequência de realização; Manutenção e monitoramento do sistema (limites de alerta e ação); Procedimento de revisão periódica dos dados; Lista das mudanças ocorridas no último ano (se houver). c. Outros (se houver. Ex.: ar comprimido, nitrogênio, caldeira/vapor, câmara fria, etc.) 12.2 AMOSTRAGEM, ARMAZENAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE MATERIAIS a. Amostragem: Área específica para amostragem (registros de uso e de limpeza da área e dos utensílios); Plano de amostragem (responsável, descrição); Procedimentos de amostragem (identificação da matéria-prima, da amostra e de como o material vai para o controle de qualidade); Parâmetros de temperatura e umidade, monitoramento, controle e registros, com descrição de ações em caso de desvios. b. Armazenamento: Organização do almoxarifado, tendo em vista os diferentes materiais e status; Sistema (eletrônico/manual) para o gerenciamento do estoque do almoxarifado (status: validado ou não); Procedimento de recebimento/expedição (registros de recebimento, limpeza de recipientes antes das amostragens e armazenamento); Parâmetros de temperatura e umidade, monitoramento, controle e registros, com descrição de ações em caso de desvios; Qualificação das câmaras frias (monitoramento, controle e registros, com descrição de ações em caso de desvios) e demais equipamentos de armazenamento (quando aplicável) PRODUÇÃO a. Área de pesagem: Descrição das instalações; Procedimentos de pesagem/entrega da matéria-prima fracionada; Procedimento de limpeza e registros de utilização da área e de equipamentos; Qualificação/calibração de sistemas eletrônicos de pesagem e instrumentos; b. Área de produção: Linhas de produção e relação de equipamentos; Controles em processo por linhas de produção; Limpeza e sanitização das áreas; c. Área de embalagem: Versão 11/2010 Página 5 de 7

6 Controles em processo realizados por linhas de produção durante a embalagem; Procedimento de liberação das áreas; Procedimento de reconciliação de materiais de embalagem; 12.4 CONTROLE DE QUALIDADE a. Instalações; b. Relação de equipamentos (controles físico-químico, microbiológico e biológico); c. Procedimento de reanálise ou reteste (quando aplicável); d. Padrões de referência (procedência/ certificados, armazenamento, controle e uso); e. Cepas (procedência, número de repiques realizados); f. Procedimento relacionado a amostras de referência; g. Bibliografia utilizada (farmacopéias e outros) GARANTIA DA QUALIDADE a. Sistema de garantia de qualidade; b. Programa/procedimento de auto-inspeção; c. Sistema de gerenciamento de mudanças; d. Sistema de gerenciamento de desvios; e. Recolhimento; f. Reclamação e devolução g. Programa e cronograma de treinamentos; h. Programa, relação e situação da qualificação dos fornecedores, i. Estudos de estabilidade de produtos intermediários e terminados (situação dos estudos, critérios de escolha, informar os produtos, formas farmacêuticas e lotes em estudo); j. Plano mestre de validação (informar alterações realizadas e versão atual); k. Programa de manutenção preventiva e calibração de equipamentos (cronograma): produção e controle de qualidade; l. Histórico, situação e cronograma das validações/revalidações e qualificações/requalificações previstas e em andamento: Processos produtivos; Métodos analíticos; Utilidades (ar, água, outros); Limpeza; Equipamentos de produção e controle de qualidade; Processos terceirizados; Outras (quando aplicável). m. Desenvolvimento de produtos; n. Liberação de produto terminado; o. Programa de gerenciamento de resíduos; p. Revisão periódica de produtos (cronograma e itens incluídos no estudo); q. Sistema de Farmacovigilância. 13 RELAÇÃO DE DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS DURANTE A INSPEÇÃO Versão 11/2010 Página 6 de 7

7 OBS: Solicitamos que estes documentos já estejam separados e à disposição dos inspetores no início da inspeção PCMSO e registros; 13.2 PPRA; 13.3 PGRSS e registros; 13.4 Licença do órgão para proteção ambiental; 13.5 Licença do corpo de bombeiros; 13.6 Cronograma e registros de treinamentos; 13.7 Registros de controle de pragas; 13.8 Registros de limpeza de caixas d água; 13.9 Programas e registros de manutenção preventiva e calibração de equipamentos; Documentação de qualificação dos fornecedores; Especificações de MP, ME e PT; Fórmula-padrão original registrada para cada produto e tamanho de lote a ser fabricado; Ordem de produção para cada lote de produto; Registros de reclamações/devoluções/recolhimento; Relatório da última auto-inspeção e registros das providências tomadas quanto às adequações necessárias; Plano mestre de validação; Protocolos de validações e relatórios; Notificação ANVISA dos contratos de terceirização; Procedimentos operacionais padrão e seus registros (atualizados). 14 DOCUMENTOS A SEREM ENCAMINHADOS EM MEIO VIRTUAL (CD) JUNTAMENTE COM O INFORME PRÉVIO 14.1 Publicação da Certificação de Boas Práticas de Fabricação atualizada (se for o caso); 14.2 Alvará Sanitário Estadual atualizado; 14.3 Certificado de Regularidade expedido pelo Conselho Regional de Farmácia atualizado; 14.4 Lista Mestre de Procedimentos Operacionais Padrão atualizada (também impressa); 14.5 Organograma vigente da empresa (com descrição dos cargos); 14.6 Rótulos de todos os medicamentos registrados e comercializados pela empresa (somente no envio do 1º informe prévio ou quando houver alteração de rotulagem/produto novo); 14.7 Relação das empresas que realizam transporte de materiais e/ou produtos terminados, com respectivas AFE/MS atualizadas. Responsável pelas Informações Nome/ Cargo: Local e Data: Assinatura: Versão 11/2010 Página 7 de 7

Anexo II INFORME PRÉVIO. FRACIONADORA DE insumos farmacêuticos. Nome da Empresa /RS, 20

Anexo II INFORME PRÉVIO. FRACIONADORA DE insumos farmacêuticos. Nome da Empresa /RS, 20 Anexo II INFORME PRÉVIO FRACIONADORA DE insumos farmacêuticos Nome da Empresa /RS, 20 NOTA: 1. Para fins de inspeção para verificação de cumprimento de boas práticas de fracionamento é imprescindível que

Leia mais

COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA E AMBIENTAL

COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA E AMBIENTAL 4 MÉDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 G- DISTRIBUIDORAS Drogarias; Ervanária, posto de medicamento, dispensário de medicamentos; Distribuidora com fracionamento de cosmético, perfume, produtos de higiene; Distribuidora

Leia mais

Não conformidades mais comuns em inspeções de Boas Práticas de Fabricação de medicamentos realizadas pelas Visas

Não conformidades mais comuns em inspeções de Boas Práticas de Fabricação de medicamentos realizadas pelas Visas Não conformidades mais comuns em inspeções de Boas Práticas de Fabricação de medicamentos realizadas pelas Visas Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa Roteiro da Apresentação Dados sobre os

Leia mais

Manual de Utilização do SIPEAGRO Módulo de Estabelecimento PRODUTOS VETERINÁRIOS Versão Empresa

Manual de Utilização do SIPEAGRO Módulo de Estabelecimento PRODUTOS VETERINÁRIOS Versão Empresa Manual de Utilização do SIPEAGRO Módulo de Estabelecimento PRODUTOS VETERINÁRIOS Versão Empresa Versão 1.0 FFA 09/06/2014 Sumário 1- Informações gerais (slides 3 a 5) 2- Quais os arquivos que devem ser

Leia mais

Gerência-Geral de Inspeção e Controle de Insumos, Medicamentos e Produtos.

Gerência-Geral de Inspeção e Controle de Insumos, Medicamentos e Produtos. Gerência-Geral de Inspeção e Controle de Insumos, Medicamentos e Produtos. Apresentação da Gerência de Inspeção e Certificação de Medicamentos, Insumos Farmacêuticos e Produtos. CONTEÚDO Organograma Inspeções

Leia mais

ANVISA - Agencia Nacional de Vigilância Sanitária. Att. Exmos.:

ANVISA - Agencia Nacional de Vigilância Sanitária. Att. Exmos.: À ANVISA - Agencia Nacional de Vigilância Sanitária Att. Exmos.: Dr. Paulino Shiguer Araki - Gerência-Geral De Tecnologia de Produtos para a Saúde GGTPS Dr. Marcio Luiz Varani - Gerência de Tecnologia

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional

Diário Oficial Imprensa Nacional INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 13, DE 22 DE OUTUBRO DE 2009 Dispõe sobre a documentação para regularização de equipamentos médicos das Classes de Risco I e II. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE MEDICAMENTOS -

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE MEDICAMENTOS - SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE - RS NVES/DVS/CEVS ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE MEDICAMENTOS - 1. LEGISLAÇÃO SANITÁRIA ESPECÍFICA Lei Federal nº 6.360/76; Reg. Sanitário

Leia mais

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO ORMAÇOES GERAS Período da nspeção: / / a / / Tipo de serviço: ( ) HC ( ) HR ( ) NH ( ) UC fixa ( ) UC móvel ( ) UCT ( ) CTLD ( ) AT Objetivo da nspeção: nspeção ( )Licença nicial Reinspeção ( )Segmento/Monitoramento

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAGOA VERMELHA Secretaria Municipal da Saúde Divisão de Vigilância Sanitária

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAGOA VERMELHA Secretaria Municipal da Saúde Divisão de Vigilância Sanitária PREFEITURA MUNICIPAL DE LAGOA VERMELHA Secretaria Municipal da Saúde Divisão de Vigilância Sanitária DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA REQUERER ALVARÁ SANITÁRIO 1. ESTABELECIMENTOS DE ALIMENTOS Comércio de alimentos

Leia mais

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná Ministério da Saúde/ Diretoria de Coordenação e Articulação do Sistema Nacional - DSNVS Apresentaçã ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012 Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril

Leia mais

Atualizada.: 25/07/2013 4 MÉDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 G- DISTRIBUIDORAS

Atualizada.: 25/07/2013 4 MÉDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 G- DISTRIBUIDORAS 4 MÉDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 G- DISTRIBUIDORAS Drogarias; Ervanária, posto de medicamento, dispensário de medicamentos; Distribuidora com fracionamento de cosmético, perfume, produtos de higiene; Distribuidora

Leia mais

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA)

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) ANEXO I Solicitação de Autorização de Funcionamento de Empresas Distribuidoras de Produtos Farmacêuticos (HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) A empresa interessada em desenvolver

Leia mais

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários.

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Nº PROCESSO REQUERIMENTO RAZÃO SOCIAL IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO NOME DE FANTASIA NÚMERO DO CNPJ NÚMERO ÚLTIMO

Leia mais

METODOLOGIA ANALITICA Objetivo, Requisitos, Padrões. Dra. Maria Inês Harris INSTITUTO HARRIS

METODOLOGIA ANALITICA Objetivo, Requisitos, Padrões. Dra. Maria Inês Harris INSTITUTO HARRIS METODOLOGIA ANALITICA Objetivo, Requisitos, Padrões Dra. Maria Inês Harris INSTITUTO HARRIS Dra. Maria Inês Harris Bacharel em Química (Unicamp,1987) e Doutora em Química (Unicamp, 1994) Pós-Doutorado

Leia mais

SGT Nº 11 SALUD / Comisión de Productos para la Salud / Grupo Ad Hoc Domisanitarios/ Acta Nº 01/09. UNIDO IV Documentos de Trabajo

SGT Nº 11 SALUD / Comisión de Productos para la Salud / Grupo Ad Hoc Domisanitarios/ Acta Nº 01/09. UNIDO IV Documentos de Trabajo SGT Nº 11 SALUD / Comisión de Productos para la Salud / Grupo Ad Hoc Domisanitarios/ Acta Nº 01/09 UNIDO IV Documentos de Trabajo Montevideo, 5 al 7 de octubre de 2009 ATUALIZAÇÃO DE BPF (RES. GMC Nº 56/96)

Leia mais

Anexo III INFORME PRÉVIO. IMPORTADORA De Medicamentos. Nome da Empresa /RS, 20

Anexo III INFORME PRÉVIO. IMPORTADORA De Medicamentos. Nome da Empresa /RS, 20 Anexo III INFORME PRÉVIO IMPORTADORA De Medicamentos Nome da Empresa /RS, 20 NOTA: 1. Para fins de inspeção para verificação de cumprimento de boas práticas de fracionamento é imprescindível que a empresa

Leia mais

MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12

MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12 MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12 PROCEDIMENTOS COMUNS E CONTEÚDO MÍNIMO DE RELATÓRIOS DE INSPEÇÃO NOS ESTABELECIMENTOS FARMACÊUTICOS NOS ESTADOS PARTES (REVOGAÇÃO DA RES. GMC Nº 16/09)

Leia mais

Art. 3º Para efeito deste Regulamento são adotadas as seguintes definições:

Art. 3º Para efeito deste Regulamento são adotadas as seguintes definições: Portaria SES-RS nº 767 DE 13/08/2015 Norma Estadual - Rio Grande do Sul Publicado no DOE em 26 ago 2015 Aprova os critérios e procedimentos para o recolhimento de alimentos, inclusive in natura, bebidas

Leia mais

Produto Químico produtos que contém substâncias químicas que pode causar danos à saúde do trabalhador

Produto Químico produtos que contém substâncias químicas que pode causar danos à saúde do trabalhador SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO) Procedimento SUPRIMENTO DE PRODUTOS, MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TERCEIROS PR 7.3 Revisão: 00 Página 1 de 2 Requisito

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 31, DE 23 DE MAIO DE 2013

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015. (DOU Seção 1, nº 164, pag. 47, 27.08.2015) (Retificação DOU Seção 1, nº 165, pag. 69, 28.08.

RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015. (DOU Seção 1, nº 164, pag. 47, 27.08.2015) (Retificação DOU Seção 1, nº 165, pag. 69, 28.08. RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 (DOU Seção 1, nº 164, pag. 47, 27.08.2015) (Retificação DOU Seção 1, nº 165, pag. 69, 28.08.2015) Define os requisitos do cadastro de produtos médicos. A

Leia mais

FAZER O CERTO DA PRIMEIRA VEZ

FAZER O CERTO DA PRIMEIRA VEZ FAZER O CERTO DA PRIMEIRA VEZ Boas Práticas de Fabricação APLICAÇÃO NA PRÁTICA Linha do Tempo nas BoasPráticas Criação Pela pelo constatação FDA do primeiro de problemas guia referentes de GMP; OMS à contaminações

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 249, DE 13 DE SETEMBRO DE 2005.

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 249, DE 13 DE SETEMBRO DE 2005. RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 249, DE 13 DE SETEMBRO DE 2005. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11, inciso IV,

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO - RDC Nº 39, DE 14 DE AGOSTO DE 2013 DOU de 15/08/2013 [Página 50] Dispõe sobre os procedimentos administrativos

Leia mais

CÓPIA CONTROLADA POP - PRIMATO 002 / REV. 01

CÓPIA CONTROLADA POP - PRIMATO 002 / REV. 01 Procedimento Operacional Padrão Sistema de Gestão Qualificação de Fornecedores e Controle de Matérias - primas e Embalagens POP - PRIMATO 002 / REV. 01 QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES Este método tem por

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE RECEPÇÃO DE PRODUTOS PARA A SAÚDE DE USO CIRÚRGICO EM CENTRO DE MATERIAIS

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE RECEPÇÃO DE PRODUTOS PARA A SAÚDE DE USO CIRÚRGICO EM CENTRO DE MATERIAIS 1 MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE RECEPÇÃO DE PRODUTOS PARA A SAÚDE DE USO CIRÚRGICO EM CENTRO DE MATERIAIS 2 Apresentação Menos de dez meses depois de ter sido criada pela Associação Médica Brasileira, a Câmara

Leia mais

DISTRIBUIDORA DE COSMÉTICOS

DISTRIBUIDORA DE COSMÉTICOS 1. Identificação do Estabelecimento Razão Social: Nome Fantasia: CNPJ: Endereço: Bairro: Município: CEP: Fone: Fax: E-mail: Responsável Legal: CPF: Responsável Técnico: CPF: CR : 2. Inspeção Data: Objetivo:

Leia mais

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO. Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS)

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO. Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS) 1 DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS) DROGARIAS (CONFORME LEI FEDERAL 5991/73, RESOLUÇÃO RDC ANVISA 44/09 E OUTRAS PERTINENTES)

Leia mais

Hemobrás. ELABORADO POR RUBRICA DATA Nome: José Eduardo S. Martins / / Função: Gerente de Garantia da Qualidade

Hemobrás. ELABORADO POR RUBRICA DATA Nome: José Eduardo S. Martins / / Função: Gerente de Garantia da Qualidade Programa da Qualidade Página 1/20 ELABORADO POR RUBRICA DATA Nome: José Eduardo S. Martins / / Função: Gerente de Garantia da Qualidade REVISADO POR RUBRICA DATA Nome: Renato César Vieira de sousa / /

Leia mais

RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013

RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013 RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013 ITEM 10 DOCUMENTAÇÕES E REGISTROS Palestrante: Carlos Cezar Martins RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO Carlos Cezar Martins DE 2013 Farmacêutico com especialização em Qualidade

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA À ABERTURA DE PROCESSO PARA SOLICITAÇÃO LICENÇA SANITÁRIA DE FARMÁCIAS

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA À ABERTURA DE PROCESSO PARA SOLICITAÇÃO LICENÇA SANITÁRIA DE FARMÁCIAS ANEXO I DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA À ABERTURA DE PROCESSO PARA SOLICITAÇÃO LICENÇA SANITÁRIA DE FARMÁCIAS atividade, endereço, CEP, telefone, assinado pelo Representante Legal e Responsável Técnico do estabelecimento

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RDC N 24, DE 8 DE JUNHO DE 2015

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RDC N 24, DE 8 DE JUNHO DE 2015 AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RDC N 24, DE 8 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre o recolhimento de alimentos e sua comunicação à Anvisa e aos consumidores. A Diretoria Colegiada

Leia mais

Licença de Operação Corretiva. INTEGRAL ZONA DE AMORTECIMENTO USO SUSTENTÁVEL X NÃO BACIA FEDERAL: Rio Paraná BACIA ESTADUAL: Rio Grande UPGRH: GD4

Licença de Operação Corretiva. INTEGRAL ZONA DE AMORTECIMENTO USO SUSTENTÁVEL X NÃO BACIA FEDERAL: Rio Paraná BACIA ESTADUAL: Rio Grande UPGRH: GD4 Pág. 1 de 8 ANEXO DE INCLUSÃO DE CONDICIONANTES NO PARECER ÚNICO Nº 1771652/2013 (SIAM), APROVADO NA 104ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA URC DO COPAM SUL DE MINAS, REALIZADA EM 30 DE SETEMBRO DE 2013 INDEXADO AO

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO Nº 39, DE 14 DE AGOSTO DE 2013

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO Nº 39, DE 14 DE AGOSTO DE 2013 MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO Nº 39, DE 14 DE AGOSTO DE 2013 Dispõe sobre os procedimentos administrativos para concessão da Certificação de

Leia mais

IMPUGNAÇÃO AO EDITAL

IMPUGNAÇÃO AO EDITAL ILMO EXCELENTISSIMO SR. ALCEU RICARDO SWAROWSKI PREFEITO MUNICIPAL DO MUNICIPIO DE RIO NEGRO DO ESTADO DO PARANÁ REFERENTE: PREGÃO PRESENCIAL Nº 117/2010 IMPUGNAÇÃO AO EDITAL A empresa STERMAX PRODUTOS

Leia mais

PAC 11. Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens

PAC 11. Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens PAC 11 Página 1 de 8 PAC 11 Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens PAC 11 Página 2 de 8 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE PROMOÇÃO A SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Orientações

SECRETARIA EXECUTIVA DE PROMOÇÃO A SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Orientações SECRETARIA EXECUTIVA DE PROMOÇÃO A SAÚDE GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Orientações 2014 Vigilância Sanitária Lei Federal 8.080 de 19 de setembro de 1990 1º Entende-se

Leia mais

1.2 Responsável pelas informações da ação de campo: Dados da pessoa responsável por apresentar informações à Anvisa a respeito da ação de campo.

1.2 Responsável pelas informações da ação de campo: Dados da pessoa responsável por apresentar informações à Anvisa a respeito da ação de campo. FORMULÁRIO 01: NOTIFICAÇÃO DE AÇÃO DE CAMPO Este formulário deve ser utilizado pelos detentores de registro de produtos para a saúde para atender às determinações do artigo 9 da RDC nº 23/2012. 1. INFORMAÇÕES

Leia mais

Perguntas e respostas sobre a RDC nº 44/2010

Perguntas e respostas sobre a RDC nº 44/2010 Perguntas e Respostas (atualizada em 27/01/2011) 1. De que trata a RDC 44/2010? Esta resolução estabelece novos mecanismos para a prescrição e o controle da dispensação de medicamentos antimicrobianos.

Leia mais

DOCUMENTOS NECESSARIOS PARA REQUERER ALVARÁ SANITÁRIO

DOCUMENTOS NECESSARIOS PARA REQUERER ALVARÁ SANITÁRIO DOCUMENTOS NECESSARIOS PARA REQUERER ALVARÁ SANITÁRIO PESSOA JURIDICA. Cópia CNPJ; Nº Inscrição estadual; Nº telefone; Comprovante de endereço; Cópia RG e CPF resp. Legal; Cópia RG e CPF resp. Técnico;

Leia mais

S U P E R I N T E N D Ê N C I A E S T A D U A L D O M E I O A M B I E N T E

S U P E R I N T E N D Ê N C I A E S T A D U A L D O M E I O A M B I E N T E DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA REGISTRO DE ESTABELECIMENTOS QUE COMERCIALIZA PRODUTOS AGROTÓXICOS (VALIDADE DO REGISTRO = 01 ANO) 1. Requerimento do Registro dirigido ao Superintendente da SEMACE. 2. Formulário

Leia mais

ROTEIRO DE AUTO-INSPEÇÃO E INSPEÇÃO Clínicas e/ou Consultórios

ROTEIRO DE AUTO-INSPEÇÃO E INSPEÇÃO Clínicas e/ou Consultórios SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA, FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA E CONTROLE DE ZOONOSES ROTEIRO DE AUTO-INSPEÇÃO E INSPEÇÃO Clínicas e/ou Consultórios 1 IDENTIFICAÇÃO 1.1

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 02/2014

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 02/2014 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 02/2014 O Presidente da Fundação Ezequiel Dias, no uso das atribuições que lhe confere o Decreto n.º 45.712, de 30/08/2011, em consonância ao disposto na Lei Delegada

Leia mais

NOVO PRISMA AGRO FLORESTAL

NOVO PRISMA AGRO FLORESTAL NOVO PRISMA AGRO FLORESTAL PROCEDIMENTO INTERNO PARA INGRESSO DE COLABORADORES DAS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS FLORESTAIS HISTÓRICO DAS REVISÕES: REVISÃO DESCRIÇÃO 01 Criação do procedimento 11/2007

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS E AQUISIÇÃO DE BENS COM EMPREGO DE RECURSOS PROVENIENTES DO PODER PÚBLICO

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS E AQUISIÇÃO DE BENS COM EMPREGO DE RECURSOS PROVENIENTES DO PODER PÚBLICO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS E AQUISIÇÃO DE BENS COM EMPREGO DE RECURSOS PROVENIENTES DO PODER PÚBLICO CAPÍTULO I DA INTRODUÇÃO Art. 1º - O presente regulamento

Leia mais

www.cpsol.com.br MODELO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES

www.cpsol.com.br MODELO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES MODELO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES CONTRATANTE: (Nome da Contratante), com sede em (...), na Rua (...), nº.

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 71, de 4 de novembro de 2009. D.O.U de 10/11/2009 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

Diretor Técnico 01/10/2009 Dr. Jose Carlos dos Santos. Diretor Executivo 01/10/2009

Diretor Técnico 01/10/2009 Dr. Jose Carlos dos Santos. Diretor Executivo 01/10/2009 Versão: 2 Pg: 1/5 ELABORADO POR DE ACORDO APROVADO POR NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA Dr. Ivo Gerente da Fernandes Qualidade 01/10/2009 Dr. Renato de Lacerda Diretor Técnico 01/10/2009 Dr. Jose Carlos dos

Leia mais

Relatório de Certificação Metodologia ONA

Relatório de Certificação Metodologia ONA Relatório de Certificação Metodologia ONA IDENTIFICACAO DO AVALIADO Razão Social: Henrique Tommasi Netto Análises Clínicas Nome Fantasia: Tommasi Laboratório Endereço: Rua São João Batista, 200 Trevo de

Leia mais

Atualizada.: 19/04/2012 ANEXO 1 E

Atualizada.: 19/04/2012 ANEXO 1 E COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA E AMBIENTAL MEDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 E Ótica; Creches; Instituições de longa permanência para idosos; Instituições que prestem serviços de atenção a pessoas com

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE Página 1 de 5 SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE A Secretaria Municipal da Agricultura, Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente, através do Departamento de

Leia mais

Abbott Laboratórios do Brasil Ltda (São Paulo) DOCUMENTOS DA EMPRESA

Abbott Laboratórios do Brasil Ltda (São Paulo) DOCUMENTOS DA EMPRESA PROCEDIMENTO PARA ENTREGA DE DOCUMENTOS PARA ACESSO Abbott Laboratórios do Brasil Ltda (São Paulo) Segue procedimento que deverá ser seguido exatamente como orientado para que o serviço contratado seja

Leia mais

uso in vitro são aceitos os seguintes documentos como comprovação do cumprimento das Boas Práticas de Fabricação e Controle:

uso in vitro são aceitos os seguintes documentos como comprovação do cumprimento das Boas Práticas de Fabricação e Controle: 1. Vamos registrar um contador hematológico. Gostaríamos de saber como registrar os reagentes de uso exclusivo para ele (tampão de diluição, solução de limpeza, lisante). Como devemos classificar estes

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA SDA Nº 25, DE 8 DE NOVEMBRO DE 2012 O

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA SDA Nº 25, DE 8 DE NOVEMBRO DE 2012 O MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA SDA Nº 25, DE 8 DE NOVEMBRO DE 2012 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, SUBSTITUTO, DO MINISTÉRIO

Leia mais

Informações para Licenciamento Ambiental Municipal de DEPÓSITO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) CLASSES I E II (CODRAM 4.750,10 Depósito de GLP)

Informações para Licenciamento Ambiental Municipal de DEPÓSITO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) CLASSES I E II (CODRAM 4.750,10 Depósito de GLP) DEPÓSITO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) CLASSES I E II (CODRAM 4.750,10 Depósito de GLP) 1 - IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR Nome ou Razão Social: CNPJ: CPF: CGC/TE: Endereço (Rua/Av.) : nº: Bairro:

Leia mais

REGIMENTO DA COMISSÃO PERMANENTE DE PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS MÉDICO HOSPITALARES DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO

REGIMENTO DA COMISSÃO PERMANENTE DE PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS MÉDICO HOSPITALARES DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO COMISSÃO PERMANENTE DE PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES REGIMENTO DA COMISSÃO PERMANENTE DE PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS MÉDICO

Leia mais

MANUAL DE PROCESSOS SUP12 - DISTRIBUIR PRO- DUTOS PARA SAÚDE

MANUAL DE PROCESSOS SUP12 - DISTRIBUIR PRO- DUTOS PARA SAÚDE MANUAL DE PROCESSOS SUP12 - DISTRIBUIR PRO- DUTOS PARA SAÚDE SUMÁRIO GLOSSÁRIO (SIGLAS, SIGNIFICADOS)... 3 I. OBJETIVO DO PROCESSO... 5 II. ÁREAS ENVOLVIDAS... 5 III. DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES... 5 IV.

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária. Página Inicial Pesquisa Complementar Estatísticas do site Normas Consolidadas Publicações de Hoje Glossário Ajuda

Legislação em Vigilância Sanitária. Página Inicial Pesquisa Complementar Estatísticas do site Normas Consolidadas Publicações de Hoje Glossário Ajuda Legislação em Vigilância Sanitária Página Inicial Pesquisa Complementar Estatísticas do site Normas Consolidadas Publicações de Hoje Glossário Ajuda título: Resolução RDC nº 99, de 30 de dezembro de 2008

Leia mais

Centro de material e esterilização e a RDC ANVISA nº15 Análise e pontos críticos. Rafael Queiroz de Souza

Centro de material e esterilização e a RDC ANVISA nº15 Análise e pontos críticos. Rafael Queiroz de Souza Centro de material e esterilização e a RDC ANVISA nº15 Análise e pontos críticos Rafael Queiroz de Souza São Paulo 2014 Aspectos críticos Críticos no bom sentido... Gestão de ambientes Gestão de pessoas

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE INSTRUÇÃO NORMATIVA 4/07

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE INSTRUÇÃO NORMATIVA 4/07 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE INSTRUÇÃO NORMATIVA 4/07 Dispõe sobre a obrigatoriedade no cumprimento das Normas e Rotinas de Dispensação, Solicitação de Material, Recebimento, Armazenamento e Controle

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE (PMPA) SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE (SMAM) TERMO DE REFERÊNCIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE (PMPA) SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE (SMAM) TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE (P- GRSS) 1. DADOS GERAIS 1.1. Identificação do Empreendedor - Identificação - Endereço Completo - Telefone de Contato - Correio

Leia mais

Nota Fiscal de Serviço eletrônica NFSe. Manual de acesso e utilização do sistema

Nota Fiscal de Serviço eletrônica NFSe. Manual de acesso e utilização do sistema PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LEOPOLDO Nota Fiscal de Serviço eletrônica NFSe Manual de acesso e utilização do sistema Versão: 1.0.30 Maio/2011 SUMÁRIO 1. TELA INICIAL... 3 2. CADASTRO DO PRESTADOR... 4

Leia mais

Vigilância Sanitária de. Saneantes

Vigilância Sanitária de. Saneantes Vigilância Sanitária de Saneantes Gerência-Geral Geral de Saneantes Curitiba, junho de 2013 BASE LEGAL PARA REPRESSÃO AOS SANEANTES CLANDESTINOS Art. 2º - Somente poderão extrair, produzir, fabricar, transformar,

Leia mais

Formulário para Licenciamento Ambiental de Extração Mineral. Responsável pela leitura no GPS Nome: Profissão: Telefone: ( )

Formulário para Licenciamento Ambiental de Extração Mineral. Responsável pela leitura no GPS Nome: Profissão: Telefone: ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL CPF/ CNPJ End. n Bairro CEP Município Telefone ( ) 2. IDENTIFICAÇÃO DA ATIVIDADE/ EMPREENDIMENTO Atividade Endereço Logradouro (Rua, Av,Linha, Picada,

Leia mais

Inserir logo da VISA Estadual ou Municipal

Inserir logo da VISA Estadual ou Municipal RELATÓRIO DE INSPEÇÃO VERIFICAÇÃO DO ATENDIMENTO ÀS DISPOSIÇÕES DA RDC n 67/07 2ª ETAPA DO CURSO DE CAPACITAÇÃO DE INSPETORES PARA INSPEÇÃO EM FARMÁCIAS 1. IDENTIFICAÇÃO DA FARMÁCIA: 1.1. Razão Social:

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PGRS)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PGRS) TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PGRS) 1 - DIRETRIZ GERAL O presente Termo de Referência tem o objetivo de orientar os empreendimentos, sujeitos ao

Leia mais

PEI Peticionamento eletrônico de importação

PEI Peticionamento eletrônico de importação PEI Peticionamento eletrônico de importação MÔNICA FIGUEIREDO P VPA F J O I NVILLE RESOLUÇÃO - RDC Nº 74, DE 2 DE MAIO DE 2016 Os processos protocolados eletronicamente deverão conter a documentação prevista

Leia mais

PROCEDIMENTO POP XX RECOLHIMENTO DE ALIMENTOS CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO REGISTRO DAS REVISÕES

PROCEDIMENTO POP XX RECOLHIMENTO DE ALIMENTOS CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO REGISTRO DAS REVISÕES PÁGINA: 1 de 7 CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO ÁREA/SETOR Nº DE CÓPIAS REGISTRO DAS REVISÕES N.º REVISÃO DATA ALTERAÇÃO SUGERIDA POR: 00 Emissão inicial do documento - ELABORADO POR: Assinatura: Data: REVISADO

Leia mais

Avaliação de Risco Potencial - Resultados do Projeto AT

Avaliação de Risco Potencial - Resultados do Projeto AT Avaliação de Risco Potencial - Resultados do Projeto AT Equipe GESAC/GGSTO/Anvisa Brasília, 09 de novembro de 2013 Vigilância Sanitária RISCO SANITÁRIO...eliminar, diminuir ou prevenir riscos à saúde e

Leia mais

FUMSSAR - FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE SAÚDE DE SANTA ROSA DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

FUMSSAR - FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE SAÚDE DE SANTA ROSA DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA QUIMIOTERAPIA R E N O V A Ç Ã O PARA SOLICITAR A RENOVAÇÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO: Juntar os seguintes documentos: 1. Requerimento com os dados do estabelecimento (razão social, endereço, CNPJ,) dirigido

Leia mais

Elaboração e acompanhamento de Processos de Certificação

Elaboração e acompanhamento de Processos de Certificação Data: 06/06/2003 Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento Anexo A Formulários 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável à

Leia mais

PROCESSO DE LIBERAÇÃO DE ACESSO Aos prestadores de serviço AKZONOBEL Rev. 12

PROCESSO DE LIBERAÇÃO DE ACESSO Aos prestadores de serviço AKZONOBEL Rev. 12 PROCESSO DE LIBERAÇÃO DE ACESSO Aos prestadores de serviço AKZONOBEL Rev. 12 Este procedimento tem por objetivo estabelecer os critérios a serem observados pelas empresas e suas subcontratadas com relação

Leia mais

MUNICÍPIO DE ESTEIO SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA - NFS-E MANUAL DE ACESSO E UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO ON-LINE

MUNICÍPIO DE ESTEIO SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA - NFS-E MANUAL DE ACESSO E UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO ON-LINE MUNICÍPIO DE ESTEIO SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA - NFS-E MANUAL DE ACESSO E UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO ON-LINE Versão 1.0.5 Março/2014 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 6 2.

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 189,de 17 de novembro de 2004. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS CONTROLE DE DOCUMENTOS E DADOS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS CONTROLE DE DOCUMENTOS E DADOS 1. Objetivo POP-L02 Página 1 de 12 Estabelecer as diretrizes para o controle de todos documentos e dados do Sistema de Gestão da Qualidade, de modo a garantir a rastreabilidade e padronização dos processos

Leia mais

PROCEDIMENTO DO CLIENTE

PROCEDIMENTO DO CLIENTE PROCEDIMENTO DO CLIENTE Título: Manual da Loja Virtual. Objetivo: Como anunciar produtos e acompanhar as vendas. Onde: Empresa Quem: Cliente Quando: Início Através deste manual, veremos como anunciar e

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA. Art. 5º - Publicar esta Portaria de Consulta Pública no Diário Oficial da União, quando iniciará a sua vigência.

CONSULTA PÚBLICA. Art. 5º - Publicar esta Portaria de Consulta Pública no Diário Oficial da União, quando iniciará a sua vigência. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n º 105, de 02 de junho de 2005 CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013

Leia mais

Ass.: Programa BNDES de Apoio a Instituições de Saúde BNDES Saúde Subprograma Atendimento SUS

Ass.: Programa BNDES de Apoio a Instituições de Saúde BNDES Saúde Subprograma Atendimento SUS Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 49/2014-BNDES Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2014 Ref.: Produto BNDES Automático Ass.: Programa BNDES de Apoio a Instituições

Leia mais

FORMULÁRIO DE PETIÇÃO PARA REGISTRO DE EQUIPAMENTOS Classe I e II

FORMULÁRIO DE PETIÇÃO PARA REGISTRO DE EQUIPAMENTOS Classe I e II FORMULÁRIO DE PETIÇÃO PARA REGISTRO DE EQUIPAMENTOS Classe I e II ESTE FORMULÁRIO CORRESPONDE À FICHA TÉCNICA MENCIONADA NO ANEXO I DA IN Nº 13/2009. VERSÃO 02 09/12/2010 ORIENTAÇÕES GERAIS PARA PREENCHIMENTO

Leia mais

Resíduos de Serviços de Saúde

Resíduos de Serviços de Saúde Programa de Gerenciamento dos Serviços de Saúde no Brasil Resíduos de Serviços de Saúde PGRSS PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Responsabilidade civil: Art. 3 da Lei de Introdução

Leia mais

FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS CULTURAIS 2012

FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS CULTURAIS 2012 GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE CULTURA CENTRO DE CULTURAS POPULARES E IDENTITÁRIAS FUNDO DE CULTURA Nº. PROTOCOLO (Uso exclusivo da SECULT) FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS CULTURAIS 2012

Leia mais

Os 1 Item(ns) da lista de documentos que não foram cumprido(s):

Os 1 Item(ns) da lista de documentos que não foram cumprido(s): Agência Nacional de Vigilância Sanitária Unidade de Atendimento e Protocolo - UNIAP Listagem de Encaminhamento de Documentação em Caráter Precário Data: 14.11.05 EMPRESA: ANCHIETA INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS PADRE ALBINO - FIPA

FACULDADES INTEGRADAS PADRE ALBINO - FIPA INSTRUÇÕES PARA ENVIO DE PROJETOS Senhor(a) Usuário(a): Para o envio de projetos que utilizam animais, o Requerimento e o Formulário deverão ser preenchidos e encaminhados com as assinaturas do pesquisador

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE CONSIGNADOS COMPRAS/ RECEBIMENTO/ ARMAZENAGEM E DISTRIBUIÇÃO

SOLICITAÇÃO DE CONSIGNADOS COMPRAS/ RECEBIMENTO/ ARMAZENAGEM E DISTRIBUIÇÃO 1 de 8 Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Processo MTQ, OAP, JBM 1 Objetivo Gestão de material de alto custo consignado, estabelecendo fluxo de solicitação,

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de Óleo de Veículos - Licença de Instalação (LI) -

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de Óleo de Veículos - Licença de Instalação (LI) - Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Serviços de Lavagem, Lubrificação e Troca de

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO SISTEMA CCA

MANUAL DE ORIENTAÇÃO SISTEMA CCA MANUAL DE ORIENTAÇÃO SISTEMA CCA Versão.0 Sistema de Controle de Concessão de Adiantamentos Sumário O Sistema CCA ----------------------------------------------------- 3 Iniciando a operacionalização do

Leia mais

PROBLEMAS SANITÁRIOS NA PRÁTICA

PROBLEMAS SANITÁRIOS NA PRÁTICA PROBLEMAS SANITÁRIOS NA PRÁTICA Dr. Alessandro Vieira De Martino Farmacêutico Bioquímico CRF 33754 Formado no curso de Farmácia e Bioquímica pela Universidade Bandeirante de São Paulo UNIBAN Pós-Graduado

Leia mais

Relato de experiência. Farmácia Hospital Unimed BH 2010 HOSPITAL UNIMED

Relato de experiência. Farmácia Hospital Unimed BH 2010 HOSPITAL UNIMED Relato de experiência Farmácia Hospital Unimed BH 2010 Classificação do Hospital Hospital vertical: 11 andares, 4 exclusivos para internação) 250 leitos de internação : 20 de terapia intensiva 136 apartamentos

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 120, DE 25 DE ABRIL DE 2002

RESOLUÇÃO - RDC Nº 120, DE 25 DE ABRIL DE 2002 RESOLUÇÃO - RDC Nº 120, DE 25 DE ABRIL DE 2002 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o inciso IV do art. 11 do Regulamento da ANVISA, aprovado

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

MANUAL DE RELACIONAMENTO COM FORNECEDORES

MANUAL DE RELACIONAMENTO COM FORNECEDORES Código: MI.SEDE.CC.001 Revisão: 08 Página: 1 / 18 MANUAL DE RELACIONAMENTO COM FORNECEDORES Código: MI.SEDE.CC.001 Revisão: 08 Página: 2 / 18 SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. APRESENTAÇÃO DA CENTRAL DE COMPRAS...

Leia mais

Mobilização Obras. 4. RESPONSABILIDADES E AUTORIDADES Função Atividade. Gerente/ Gestor

Mobilização Obras. 4. RESPONSABILIDADES E AUTORIDADES Função Atividade. Gerente/ Gestor Elaborado por Aline Duarte Visto Aprovado por Márcio Flávio Ribeiro Pereira Visto CONTROLE DE REVISÃO Revisão Data Item Natureza das alterações 0 24/08/2012 - Emissão inicial 1 18/10/2012 1. OBJETIVO 5.2

Leia mais

MEDICAMENTOS ESPECÍFICOS

MEDICAMENTOS ESPECÍFICOS MEDICAMENTOS ESPECÍFICOS ASPECTOS TÉCNICOS, DÚVIDAS E EXIGÊNCIAS MAIS FREQÜENTES NAS ANÁLISES TÉCNICAS DOS PROCESSOS DE REGISTRO DE MEDICAMENTOS ESPECÍFICOS E FITOTERÁPICOS 1 Objetivos Definir quais são

Leia mais

Abaixo, questionamentos referentes ao certame supracitado e respostas conforme área técnica da CESAMA.

Abaixo, questionamentos referentes ao certame supracitado e respostas conforme área técnica da CESAMA. Juiz de Fora, 17 de maio de 2013. Referência: Concorrência 009/12 Objeto: Contratação de empresa especializada para fornecimento de licenças de uso perpétuo, implantação, customização, treinamento e manutenção

Leia mais

DECRETO Nº 10.296 DE 13 DE JULHO DE 2000

DECRETO Nº 10.296 DE 13 DE JULHO DE 2000 DECRETO Nº 10.296 DE 13 DE JULHO DE 2000 Aprova as Diretrizes Básicas e o Regulamento Técnico para apresentação e aprovação do Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde no Município de Belo

Leia mais

NOVA VERSÃO DO SNGPC

NOVA VERSÃO DO SNGPC NOVA VERSÃO DO SNGPC DIGITAÇÃO NO SNGPC -Entrada de Inventário -Confirmação do Inventário Inicial Base de Dados Do SNGPC Computador da Farmácia (Sistema Operacional) Gerar Arquivo XML do Estoque (Controlados

Leia mais

EDITAL DO 1º CONCURSO DE IDEIAS E PROJETOS ECONOMIA VERDE

EDITAL DO 1º CONCURSO DE IDEIAS E PROJETOS ECONOMIA VERDE EDITAL DO 1º CONCURSO DE IDEIAS E PROJETOS ECONOMIA VERDE Sumário: 1. Apresentação 2. Finalidade do Prêmio 3. A quem se destina 4. Requisitos de elegibilidade para inscrição 5. Critérios de Avaliação 6.

Leia mais