INTRODUÇÃO À QUÍMICA Apostila

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTRODUÇÃO À QUÍMICA Apostila"

Transcrição

1 INTRODUÇÃO À QUÍMICA Apostila Profa. Graça Porto

2 Índice 1. Introdução Idéia de átomo Teorias e modelos atômicos As partículas do átomo Conceitos fundamentais Números Quânticos Diagrama de Linus Pauling Distribuição eletrônica Tabela periódica dos elementos Propriedades aperiódicas dos elementos Propriedades periódicas dos elementos Ligações químicas Tipos de ligações químicas...21

3 1. Introdução: Para iniciarmos os estudos sobre teorias e aplicações da química, primeiramente temos que compreender alguns conceitos, quais sejam: - Química é a ciência que estuda a constituição, a composição e as transformações da matéria e dos materiais. - Matéria é tudo que tem massa e ocupa lugar no espaço. - Materiais são objetos constituídos de matéria. - Substâncias são as diferentes variedades de matéria. - Molécula é a menor porção de uma substância que tem as mesmas propriedades dessa substância. - A molécula é composta de átomos. 2. Idéia de Átomo: A idéia de átomo surgiu na Antiguidade, com os filósofos gregos questionando sobre o que ocorreria se dividíssemos indefinidamente certa porção de matéria? Apesar de não obterem consenso, a idéia que prevaleceu foi a de que ao dividirmos indefinidamente certa porção de matéria, chegaríamos a pedaços cada vez menores até atingirmos uma situação que haveria uma partícula tão pequena que não mais poderia ser dividida! A esta partícula, deram o nome de átomo, que em grego significa não divisível (a = não; tomo = parte). Então, temos a primeira noção de que a matéria seria constituída de partículas indivisíveis, os átomos. Muito tempo depois, no final do século XVII, as leis das combinações químicas somente foram explicadas com base na premissa de que a matéria é constituída de partículas indivisíveis. No século XIX surgiram os primeiros experimentos que vieram a confirmar o conceito de átomo, cujos modelos propostos vêm evoluindo até os dias de hoje! 3. Teorias e Modelos Atômicos: Através dos tempos, vários modelos teóricos foram propostos para explicar o átomo, enunciaremos na seqüência a evolução e algumas das teorias e modelos mais significativas para o prosseguimento do nosso estudo. Teoria Atômica de Dalton: Em 1803, o cientista John Dalton propôs sua teoria, baseando-se em resultados experimentais, encontrando uma explicação para as leis ponderais conhecidas na época, na qual enunciava que poderíamos imaginar um átomo como uma esfera maciça e indivisível. Figura modelo de Dalton

4 Teoria Atômica de Thomson: Em 1895, Joseph John Thommson comprovou a existência de partículas menores do que o átomo. Thommson descobriu os elétrons e em 1897 propôs um modelo teórico de átomo ainda como uma unidade esférica indivisível de carga elétrica positiva, que para se tornar eletricamente neutra estaria incrustada de partículas de cargas elétricas negativas, os elétrons, que ficou conhecido como modelo do pudim de passas. Em 1913, por meio de vários experimentos com o gás hidrogênio, Thomson identifica partículas de carga positiva que apresenta massa aproximadamente 1836 vezes maior que a massa do elétron, que foi denominada próton. Figura modelo de Thomson Teoria Atômica de Rutherford-Bohr: Entre 1907 e 1910, Ernest Rutherford e uma equipe de cientistas realizaram experimentos com materiais radiativos e, com as observações feitas nesses experimentos Rutherford propôs um modelo atômico onde o átomo é constituído de uma região central muito pequena e de grande concentração de massa, que denominou núcleo, onde se concentra toda a carga positiva, e, ao redor desta região central, estaria, circundando a uma distância bem considerável os elétrons, semelhante ao sistema planetário. Figura Experiência Rutherford Figura modelo de Rutherford Em 1913, Niels Bohr, relacionando a energia dos elétrons com a teoria quântica de Max Plank complementa o modelo de Rutherford ao propor que os elétrons giram ao redor do núcleo, numa região chamada eletrosfera, dividida em camadas eletrônicas (identificaram 7 níveis de energia) onde os elétrons giram em órbitas bem definidas em função das quantidades de energia (denominadas quantum ) que possuem.

5 Níveis de energia subdivididos por quantidades de energia em kcal Sommerfeld, por intermédio de estudos de espectros de emissão de outros elementos químicos descobriu que em uma camada eletrônica havia uma órbita circular e uma elíptica e propôs que o elétron teria uma quantidade de energia conforme a distância do núcleo (camada) e outra conforme o tipo de órbita descrita. Figura modelo de Sommerfeld Em 1932, Jammes W. Chadwick descobriu e provou a existência de uma nova partícula constituinte do núcleo do átomo, à qual denominou nêutron, por não ter carga elétrica, porém, de massa quase igual à do próton. Desta forma, o modelo atômico mais próximo do utilizado atualmente seria uma mescla da contribuição de Rutherford, Bhor, Sommerfeld e Chadwick: Figura modelo planetário com órbitas circulares e elípticas com núcleo apresentando prótons e elétrons Atualmente, o modelo proposto pela Teoria das Órbitas formulada por Erwin Schrodinger, que usa o conceito de orbital, que são regiões do espaço ao redor do núcleo,onde os elétrons se movem com grande velocidade, sendo que cada camada de energia contém de um a quatro tipos de orbitais de formas diferentes, conforme a quantidade de energia dos elétrons nela contidos. Figura modelo 1s 2s 2p na forma de orbitais s esféricos e p alteres Em 1963, Murray Gell-Mann propôs um novo modelo, no qual as partículas constituintes do núcleo são constituídas por partículas menores, denominadas quarks. Para nosso estudo, utilizaremos o modelo Planetário com os conceitos de Orbitais.

6 Exercícios de fixação 1 De as características do modelo atômico de Dalton e de Thomson? 2 Como se define modelo atômico de Rutherford Bohr? 3 O físico Inglês James Chadwick em 1932 constatou a presença de partículas com carga positiva e outras com carga neutra (os nêutrons ). O que esta descoberta influenciou na proposição do modelo atômico atual? 4 Onde estão dispostos os Prótons, Nêutrons e Elétrons? 5 Onde está localizada a maior concentração de massa no átomo de determinado elemento? 4. As partículas do Átomo: Conforme apresentado anteriormente, poderíamos resumir a idéia de átomo como um núcleo pequeno, de grande massa onde se encontram os prótons e os nêutrons circundados por elétrons, numa região denominada eletrosfera conforme figura abaixo: Figura modelo núcleo e eletrosfera Podemos resumir as características das partículas constituintes do átomo da seguinte forma: Partícula Carga elétrica relativa Massa reletiva Próton Elétron Nêutron 0 1 Exercícios de fixação 6) Faça um esquema de um átomo, contendo as partículas fundamentais com sua massa e carga elétrica respectivamente.

7 5. Conceitos fundamentais: úmero Atômico (Z) é o número que indica o número de prótons (cargas positivas) no núcleo de um átomo, podemos dizer também, que é a carteira de identidade de um elemento químico, pois átomos com diferentes números atômicos são átomos de diferentes elementos químicos e vice-versa. EXEMPLO: O átomo de Oxigênio tem 8 prótons no núcleo. Portanto seu número atômico é 8. úmero de Massa (A) é o número que corresponde à soma dos prótons e nêutrons no núcleo de um átomo. EXEMPLO: O átomo de Oxigênio tem 8 prótons e 8 nêutrons no núcleo. Portanto seu número de massa é 16 Resumindo temos: A = Z + Onde A = nº. de massa Z = nº. de prótons e = nº. de nêutrons. Usaremos então, a seguinte simbologia, de acordo com a IUPAC (International Union of Pure and Applied Chemistry): A (número de massa) E (Símbolo do elemento quúimico) Z (número atômico) EXEMPLO: 40 Ca indica um átomo de Cálcio que apresenta 20 prótons e 20 nêutrons 20 pois A=Z=N e então: 40 = 20 + N, portanto N = 20. Observe que: O símbolo do elemento sempre é escrito com letra maiúscula quando houver uma só letra para representá-lo e com uma letra maiúscula seguida de outra minúscula quando for representado por duas letras. Sempre que nos referirmos à um elemento químico, usaremos seu nome ou seu símbolo ou seu nome seguido de seu número de massa ( Exemplo: Carbono ou C carbono 12). Exercícios de fixação 7 O que é número atômico? 8 O que significa número de massa?

8 9 Complete o quadro (considere os átomos eletricamente neutros): Átomo Z A Número de Prótons Número de Elétrons Número de Nêutrons B O Fe Ca O átomo constituído por 10 nêutrons, 9 prótons e 9 elétrons; apresenta número atômico e número de massa iguais a : a) 09 e 08 b) 10 e 09 c) 09 e 01 d) 09 e 19 e) 09 e 10 ISÓTOPOS, ISÓTO OS E ISÓBAROS. Isótopos são átomos de um mesmo elemento químico, pois apresentam o mesmo número atômico (Z), porém diferentes números de massa (A). EXEMPLO: Isótopos do carbono C C C C Isótonos são átomos de diferentes elementos químicos, pois apresentam mesmo número de nêutrons (N), porém, diferentes números atômicos (Z), e consequentemente, de massa (A). EXEMPLO: Cobalto Co e Níquel i Co Note que: O cobalto 58 é isótono do níquel 59, pois ambos apresentam número de nêutrons (N) igual a 31. Isóbaros são átomos de diferentes elementos químicos, pois apresentam mesmo número de massa (A), porém, diferentes números atômicos (Z). EXEMPLO: Carbono C e Nitrogênio C 6 7 i

9 Note que: O carbono 14 é isóbaro do nitrogênio 14, pois ambos apresentam número de massa (A) igual a 14. Apesar de grafarmos de forma errônea as palavras, podemos fixar esses conceitos se memorizarmos izótonos tem mesmo Z, isóto os tem mesmo N e, isóbaros tem mesmo A. Exercícios de fixação 11 Considere os átomos neutros seguintes 2 A 9, 3 B 9, 3 C 9 e 4 D 9 e identifique quais deveriam ser representados com o mesmo elemento químico. 12 Classifique os átomos em isótopos, isóbaros ou isótonos: 18ª 40 20B 40 30C 65 38D 73 29E 47 28F Identifique e classifique os pares em Isótopos, Isóbaros e Isótonos: 19Kr 40 12Mg 24 13Al 27 1H 2 14Si 28 20Ca 40 1H 1 11Na úmeros Quânticos: A partir desta etapa, usaremos os conhecimentos e fundamentos teóricos de Sommerfeld, Planck, Schrodinger ( Teoria da Mecânica Ondulatória ), Broglie (... elétron apresenta natureza de partícula-onda. ), Heisenberg (Princípio da Incerteza) e de Pauli (Princípio da Exclusão) para resumir de forma sucinta e prática a utilização dos quatro números quânticos que servem para identificar os elétrons de um determinado átomo. Lembramos que é importante saber que: Orbital é a região do espaço ao redor do núcleo de um átomo onde temos a maior probabilidade de encontrar um elétron. Como já foi dito, são quatro os números que identificam um elétron conforme a posição, energia, idéia de orbital e do princípio da incerteza: Principal n (indica a camada ou nível de energia) Números Quânticos Secundário ou Azimutal l (indica o subnível de energia) Terciário ou Magnético m (indica o orbital onde está o elétron)

10 Quaternário ou de Spin S (indica o sentido de rotação do elétron) úmero Quântico Principal, simbolizado por n, caracteriza a energia, indicando o nível energético, ou seja, a camada de energia onde se encontra o elétron. É indicado por um número inteiro cujo valor pode variar de 1 a 7, pois o número máximo de camadas de energia que utilizamos para identificar todos os átomos até então conhecidos é 7 e, podemos associá-los às camadas da seguinte forma: n = º máx. de elétrons = Observação: O número máximo de elétrons por camada é igual a 2. n² úmero Quântico Secundário ou Azimutal, simbolizado por l, caracteriza o subnível de energia, ou seja, uma subdivisão da camada de energia onde se encontra o elétron. É indicado por um número cujo valor pode variar de 0 a (n 1) onde n é o número quântico principal, podemos associá-los às camadas da seguinte forma: L = 0, 1, 2... (n 1) Então, temos: Número Quântico Principal ( n ) ,1 3 0,1,2 4 0,1,2,3, 5 0,1,2,3,4 6 0,1,2,3,4,5 Número Quântico Secundário L = 0, 1, 2... (n 1) 7 0,1,2,3,4,5,6 Observaremos que para os elétrons dos átomos conhecidos, alguns dos números quânticos secundários indicam subníveis de energia que, conforme observações experimentais comprovam, na realidade não existem. Na prática, utilizaremos os subníveis de energia na ordem de energia e os denominaremos conforme abaixo: L = 0 => indica o subnível s L = 1 => indica o subnível p

11 L = 2 => indica o subnível d L = 3 => indica o subnível f Exercícios de fixação 14 Um elétron está na camada M e no subnível d. Quais os valores de n e L para este elétron? 15 Qual é o número máximo de elétrons possíveis na 4ª camada de energia? 16 Indique a camada e o subnível em que se localiza um elétron que apresenta n=6 e L=2 úmero Quântico Terciário ou Magnético, simbolizado por m, caracteriza o orbital onde se encontra o elétron. É indicado por um número cujo valor pode variar de L L onde é o número quântico secundário e a expressão que nos permite calcular o número de orbitais por subnível é: nº de orbitais por subnível = 2. L + 1 Deste ponto em diante representaremos cada orbital por (como uma caixinha), e o número quântico terciário será indicado abaixo da caixinha, à partir do 0, aumentando positivamente para a direita e negativamente para a esquerda conforme descrito abaixo: O subnível s tem 1 orbital => O subnível p tem 3 orbitais => O subnível d tem 5 orbitais => O subnível f tem 7 orbitais => Na prática, ao dizer que um elétron apresenta n = 3, L = 2, e m = -1, significa dizer que o mesmo está na terceira camada (M), num subnível do tipo d no orbital designado por úmero Quântico Quaternário ou de Spin, simbolizado por S, caracteriza o sentido de rotação de um elétron em um determinado orbital. É indicado pelos números: + 1/2 e - 1/2 e serão indicados por e respectivamente. Conforme o Princípio da Exclusão de W. Pauli,... num mesmo átomo, dois elétrons sempre apresentarão conjuntos diferentes dos quatro números quânticos. Portanto, podemos afirmar que num mesmo orbital, encontraremos, no máximo, 2 elétrons com spins contrários.

12 Então, teremos: Utilizando o exemplo anterior, ao dizer que um elétron apresenta n = 3, L = 2, m = -1 e S = + ½, significa dizer que o mesmo está na terceira camada (M), num subnível do tipo d no orbital designado por -1 e com flechinha para cima Exercícios de fixação 17 Dê os 4 números quânticos dos 2 elétrons que estão situados na camada M, subnível d, e orbital central. 18 Identifique a camada, subnível e orbital que se encontra um elétron que apresenta: n = 5, L = 3, m = -1 e S = - ½, 7. Diagrama de Linus Pauling: O químico Linus Pauling criou um diagrama prático que nos fornece a ordem crescente de energia dos subníveis eletrônicos: K 1s² L 2s² 2p 6 M 3s² 3p 6 3d 10 N 4s² 4 p 6 4d 10 4f 14 O 5s² 5 p 6 5d 10 5 f 14 P 6s² 6 p 6 6d 10 Q 7s² Ao seguirmos a seqüência das setas obteremos: 1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 6 4s 2 3d 10 4p 6 5s 2 4d 10 5p 6 6s 2 4f 14 5d 10 6p 6 7s 2 5f 14 6d 10 ===================================================== >

13 >>> Ordem crescente de energia >>> 8. Distribuição Eletrônica: A distribuição eletrônica é uma ferramenta poderosa para nossos estudos, pois nos permitirá entender melhor o comportamento dos átomos e suas combinações. EXEMPLO: A distribuição eletrônica do Manganês Mn (Z=25) segundo o diagrama de Pauling seria: (consideramos, sempre que não houver outra informação, o átomo eletricamente neutro, ou seja, com o mesmo número de prótons e elétrons) 1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 6 4s 2 3d 5 Da distribuição eletrônica acima, podemos dizer que: O Manganês tem 4 camadas eletrônicas. O Manganês apresenta subníveis do tipo s, p e d O Manganês tem 2 elétrons na última camada (4s 2 ) Os elétrons estariam localizados nos orbitais conforme o esquema abaixo: K 1s² L 2s² 2p 6 M 3s² 3p 6 3d 5 N 4s² Existe uma regra para o preenchimento dos elétrons nos orbitais, denominada Regra de Hund, onde os elétrons devem preencher os orbitais da esquerda para a direita, sempre num mesmo sentido, e após completarmos cada orbital num mesmo sentido, retornamos no mesmo orbital preenchendo, os orbitais no sentido contrário, até completarmos todos os elétrons da distribuição eletrônica. Duas definições importantes: Camada de valência -> é a camada mais externa da distribuição eletrônica. Elétron de diferenciação -> é o último elétron da distribuição eletrônica. Então, utilizando o exemplo do Manganês, dizemos que a camada de valência é a camada N, e os quatro números quânticos do elétron de diferenciação são 3, 2, +2, +1/2. Exercícios de fixação

14 21 Dê o número atômico de um elemento químico cujo átomo tem como elétron de valência n = 3, L = 1, m = -1 e S = + ½. 22 Faça a distribuição eletrônica e identifique o elétron de diferenciação do 42 Mo. 9. Tabela Periódica dos Elementos: A Tabela periódica atual é resultado de várias colaborações de diferentes cientistas, dentre os quais destacamos o alemão Julius Lothar Meyer, o russo Dmitri Ivanovitch Mendeleev e o inglês Henry G. J. Moseley. Veremos que as propriedades dos elementos variam conforme a periodicidade de seus números atômicos. Existem algumas características dos elementos distribuídos pela tabela periódica que podemos distinguir logo de imediato, somente ao olharmos para a tabela: Tabela Periódica dos Elementos 1A 0 2A 3A 4A 5A 6A 7A 3B 4B 5B 6B 7B == 8B == 1B 2B Série dos Lantanídeos Série dos Actinídeos Não Metais Semi metais Série dos Lantanídeos Metais Gases Nobres Série dos Actinídeos Metais : São sólidos nas condições ambientes ( exceto o Gálio e o Mercúrio que são líquidos), dúcteis, maleáveis e são bons condutores de calor e eletricidade. ão-metais: São os elementos mais abundantes na natureza, alguns são sólidos ( Carbono, Fósforo, Enxofre, Selênio, Iodo e Astato), outros líquidos (Bromo), outros gasosos( Hidrogênio, Nitrogênio, Oxigênio, Flúor e Cloro ), não são maleáveis nem dúcteis e são maus condutores de calor e eletricidade.

15 Semi-metais: São sólidos nas condições ambientes e apresentam propriedades intermediárias entre a dos não-metais e a dos metais. Gases +obres: São gasosos, encontrados na natureza sob a forma de moléculas monoatômicas e são elementos químicos inertes A tabela periódica é composta por linhas denominadas período (cada período corresponde a uma camada de energia) e colunas denominadas famílias (cada família tem uma configuração eletrônica distinta). Eis algumas regras práticas, para a localização de um elemento na tabela periódica: 1. Fazer a distribuição eletrônica utilizando-se o número atômico do elemento químico (Z). 2. Verificar onde se localiza o elétron mais energético (como termina a distribuição eletrônica). Nos subníveis s ou p, elemento das famílias A. Nos subnível d, elemento das famílias B. Nos subnível 4f, elemento da Série dos Lantanídeos. Nos subnível 5f, elemento da Série dos Actinídeos 3. Se for das famílias A, para identificar o número da família, basta somar os elétrons da camada de valência, nsx npy => nº da família = X + Y. 4. Se for das famílias B, para identificar o número da família, usaremos: Terminando em d9 = Família 1 B Terminando em d10 = Família 2 B

16 Terminando em d x = Família (X+2)B até X=5 Terminando em d 6 = 8B, 1ª coluna / d 7 =. 8B, 2ª coluna / d 8 =. 8B, 3ª coluna. 5. Para identificarmos o Período (linha horizontal) basta verificar qual o maior número quântico principal (n) da distribuição eletrônica, pois este, determina o período. EXEMPLO: Determinemos a localização do Manganês na tabela periódica (família e período) e suas propriedades. A distribuição eletrônica do Manganês Mn (Z=25) segundo o diagrama de Pauling 1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 6 4s 2 3d 5 O elétron mais energético é o 5º elétron do subnível d da terceira camada, então, trata-se de um elemento que se localiza no quarto período, na família 7B (pela regra: d x, onde X=5 X+2 = 7) e esta família localiza-se na região dos metais, portanto o Manganês, de forma geral, é um metal, bom condutor de calor e eletricidade, sólido, nas condições ambientes, dúctil e maleável. Exercício de fixação 23 Dê o número atômico de um elemento químico cujo átomo tem como elétron de valência n = 3, L = 1, m = -1 e S = + ½., e informe algumas de suas características gerais, bem como sua posição na tabela periódica (família e período) 10. Propriedades Aperiódicas dos Elementos: Estas propriedades apresentam valores que crescem ou decrescem conforme aumenta o número atômico. - Massa atômica: cresce com o aumento do número atômico. - Calor específico: decresce com o aumento do número atômico. 11. Propriedades Periódicas dos Elementos: Estas propriedades apresentam valores que se assemelham em intervalos mais ou menos regulares, conforme aumenta o número atômico os valores se repetem periodicamente com certa ordem de grandeza. Citaremos algumas mais importantes. - Tamanho do átomo - Densidade - Volume atômico

17 - Eletronegatividade - Potencial de Ionização - Reatividade Química - Pontos de Fusão e Ebulição - Tamanho do átomo: determinado pelo número de camadas eletrônicas e pela carga nuclear. Nas famílias, o número de camadas eletrônicas aumenta com o aumento do número atômico, então, numa família quanto maior o número atômico, maior o tamanho dos átomos. Nos períodos, quanto maior o número atômico, maior a carga nuclear e maior a atração do núcleo sobre os elétrons periféricos, então, conforme aumenta o número atômico num período, menor o tamanho dos átomos. Quadro resumo da variação do tamanho do átomo Na Tabela Periódica - Densidade: É a relação entre a massa correspondente ao átomo-grama, isto é, a quantidade em gramas correspondente à massa atômica do elemento e o volume ocupado por um átomo-grama (depende do tamanho do átomo e do arranjo desses átomos na substância simples). Depende da temperatura sendo esta definida como 20 C para líquidos e sólidos; Para os gases, definida como a temperatura do líquido em estado de ebulição. Nas famílias, a densidade aumenta com o aumento do número atômico. Nos períodos, aumenta das laterais para o centro da tabela periódica. Quadro resumo da variação da densidade Na Tabela Periódica - Volume atômico: É a relação entre a massa correspondente ao átomo-grama, isto é, a quantidade em gramas correspondente à massa atômica do elemento e a densidade desse elemento no estado sólido. Nas famílias o volume atômico aumenta com o aumento do número atômico. Nos períodos, aumenta do centro da tabela periódica, para as laterais.

18 Quadro resumo da variação do volume atômico Na Tabela Periódica - Eletronegatividade: É a maior ou menor tendência de um átomo atrair elétrons para si. Depende do tamanho do átomo (atração da carga nuclear) e do número de elétrons da última camada (observou-se que os átomos apresentam estabilidade eletrônica quando possuem oito elétrons na última camada Teoria do Octeto). A eletronegatividade será maior quanto maior for o número de elétrons na última camada e menor for o átomo (observe que não citamos eletronegatividade para gases nobres - são inertes). Nas famílias, aumenta com a diminuição do número atômico. Nos períodos aumenta com o aumento do número atômico. Quadro resumo da variação da eletronegatividade Na Tabela Periódica - Potencial de Ionização: É a medida da energia fornecida para retirar um elétron de um átomo no estado gasoso, formando um íon (átomo ou grupo de átomos que perdeu ou ganhou elétrons e ficou eletricamente carregado) gasoso positivo. Nas famílias, o valor do potencial de ionização diminui com o aumento do número atômico (atração da carga nuclear). Nos períodos o valor do potencial de ionização aumenta com o aumento do número atômico (existem oscilações, mas o aumento é geral). Quadro resumo da variação do potencial de ionização Na Tabela Periódica - Reatividade Química: É a propriedade que um elemento tem de reagir quimicamente.

19 Está relacionada ao caráter metálico ou não metálico do elemento e depende de outras propriedades. Quanto maior o potencial de ionização, o tamanho do átomo, maior o caráter metálico, e portanto, maior a reatividade do metal. Quanto menor o tamanho do átomo e maior a eletronegatividade, maior o caráter não metálico, e portanto, maior a reatividade do não metal. Nas famílias, o caráter metálico aumenta com o aumento do número atômico. Nos períodos, aumenta com a diminuição do número atômico. Observe que a situação é inversa quando se refere ao caráter não metálico. Quadro resumo da variação da reatividade química Na Tabela Periódica - Pontos de Fusão e Ebulição: Apresentam a mesma variação, de um modo geral. Nas famílias, aumentam com o aumento do número atômico, exceto nas famílias 1A e 2A, onde aumentam com a diminuição do número atômico. Nos períodos, aumenta das laterais para o centro da tabela periódica. Quadro resumo da variação dos pontos de Fusão e Ebulição Na Tabela Periódica Exercício de fixação 24 O que são propriedades aperiódicas? 25 O que é um íon? 26 O que é potencial de ionização?

20 27 O que é eletronegatividade? 28 Como a carga nuclear interfere na variação do tamanho de um átomo? 29 Qual o elemento mais eletronegativo da Tabela Periódica? 30 Qual o elemento de maior energia de ionização da Tabela Periódica? 31 Sabendo-se que os elementos X (Z=35), Y (z=16) e Z (Z=57), pergunta-se: a. Qual átomo tem maior tamanho? b. Qual átomo tem menor densidade? c. Qual átomo tem maior volume atômico? 12. Ligações Químicas: Verificamos anteriormente que os Gases Nobres são inertes, não participam de reações, e apresentam a última camada eletrônica com os orbitais s e p completos. Com base nessas observações, os cientistas ao longo do tempo desenvolveram várias teorias, dentre elas, a Teoria do Octeto. Conforme a Teoria do Octeto, um átomo adquire estabilidade eletrônica ao perder, ganhar ou compartilhar elétrons com outro átomo de tal forma que a configuração da última camada eletrônica seja semelhante à de um gás nobre, onde exceto o He (Hélio) com 2 elétrons na última camada, todos os demais apresentam 8 elétrons na última camada, daí o nome Octeto. Pode-se dizer que os átomos se ligam para adquirir estabilidade eletrônica, mas, observe que estabilidade eletrônica não significa necessariamente neutralidade eletrônica. Você saberia explicar a diferença? Já foi mencionado que um íon é um átomo ou grupo de átomos que perdeu ou ganhou elétrons e ficou eletricamente carregado. Observe o quadro àbaixo: Estrutura Carga elétrica º de prótons e elétrons Átomo 0 ou neutra nº prótons = nº elétrons Cátion + ou positiva nº prótons > nº elétrons ( O átomo perdeu elétrons ) Ânion - ou negativa nº elétrons > nº prótons ( O átomo ganhou elétrons ) Perceberemos que as interações eletrônicas é que determinam as ligações químicas. Exercício de fixação 32 O que são íons?

21 33 Como são denominados os íons positivos e negativos? 34 Qual a relação entre o número de elétrons e prótons num átomo neutro? 35 Qual a relação entre o número de elétrons e prótons num Cátion e num ânion? 36 Porque os átomos se ligam? 13. Tipos de Ligações Químicas: Existem três tipos, ligação metálica, ligação iônica ou eletrovalente e ligação covalente ou molecular. - Ligação Metálica: Ocorre entre metais, onde os átomos dos elementos metálicos apresentam baixa eletronegatividade, e os elétrons das camadas mais externas são fracamente atraídos pelo núcleo, e podem se movimentar de um átomo para outro, pois os núcleos permanecem fixos na estrutura do metal, envolvidos pelos elétrons que se movimentam entre eles. Esquema de núcleos e elétrons em uma ligação metálica Os compostos formados a partir de ligações metálicas apresentam Pontos de Fusão e Ebulição geralmente elevados, são sólidos (exceto o Hg Mercúrio que é líquido), são os melhores condutores de calor e eletricidade, são insolúveis em qualquer solvente, apresentam brilho metálico e facilmente se transformam em lâminas (maleáveis) e em fios (dúcteis). - Conceito de Valência: Capacidade de combinação dos átomos. Corresponde ao número de elétrons que um átomo pode ganhar (indica-se o número com sinal negativo) ou perder (indica-se o número com sinal positivo). - Ligação Iônica: Ocorre entre metais e não metais, onde o metal perde elétrons para o não metal (mais eletronegativo), formando dois íons de cargas opostas, e a atração dessas cargas opostas, através de uma associação iônica, une os íons formando um composto iônico. Exemplifiquemos com a ligação dos átomos de Cloro e Sódio no Cloreto de Sódio: 11Na => 1s 2 2s 2 2p 6 3s 1 1 elétron na última camada, tende a perdê-lo para que a última camada passe a ser a 2ª

22 camada 2s 2 2p 6 com 8 elétrons, para ficar estável. Logo, tem valência Cl => 1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 5 7 elétrons na última camada, tende a ganhar 1 elétron para que a última camada 3s 2 3p 6 passe a ter 8 elétrons, para ficar estável. Logo, tem valência -1. Representamos os elétrons da camada de valência ou pela valência da seguinte forma: _ a * + Cl a + [ * Cl ] ou a + Cl - a + Cl - atração sólido Iônico Esquemas de Lewis para representação dos elétrons Dizemos que Na + Cl ou NaCl é o íon-fórmula do composto iônico Cloreto de Sódio. Conhecendo as valências dos átomos ligantes, conseguimos determinar o íon-fórmula do composto. Exemplo: Ligação entre Alumínio (Al, família 3A, metal) e Oxigênio (O, família 6ª, não metal) Al família 3A, portanto 3 elétrons na última camada. Metal tem tendência de perder elétrons, portanto valência 3. O família 6A, portanto 6 elétrons na última camada. Não metal tem tendência de ganhar elétrons se ligado a metais, portanto valência 2. O íon-fórmula será escrito com o símbolo do metal tendo como índice a valência do não metal, seguido do símbolo do não metal tendo como índice a valência do metal: Al valência 3 O valência 2 Então temos Al 2 O 3 Os compostos formados à partir de ligações iônicas apresentam Pontos de Fusão e Ebulição geralmente elevados devido a forte atração entre os íons, geralmente são sólidos, duros e quebradiços, são bons condutores de eletricidade no estado líquido e em solução aquosa e maus condutores de eletricidade no estado sólido. - Ligação Covalente ou Molecular: Ocorre entre não metais, onde os átomos de não metal compartilham pares elétrons para estabilizarem suas nuvens eletrônicas e formar um composto molecular. Exemplifiquemos uma ligação simples para os átomos de Hidrogênio e Cloro: 1H => 1s 1 1 elétron na última camada, como não é metal, tende a compartilha-lo para que a última camada passe a ter 2 elétrons (como o gás nobre He 1s 2 ) com última camada completa, para ficar estável.

23 17Cl => 1s 2 2s 2 2p 6 3s 2 3p 5 7 elétrons na última camada, tende compartilhar 1 elétron com o outro não metal para que a última camada 3s 2 3p 6 passe a ter 8 elétrons, para ficar estável. Representamos os elétrons da camada de valência da seguinte forma: Esquemas de Lewis para representação dos elétrons Composto molecular Dizemos que HCl é fórmula molecular do composto Ácido Clorídrico. Exemplifiquemos uma ligação dupla com átomos de Oxigênio: 8O => 1s 2 2s 2 2p 4 6 elétrons na última camada, como não é metal, tende a compartilhar 2 elétrons para que a última camada 2s 2 2p 6 passe a ter ter 8 elétrons, para ficar estável. Representamos os elétrons da camada de valência da seguinte forma: Esquemas de Lewis para representação dos elétrons Composto molecular Dizemos que O 2 é fórmula molecular do composto Oxigênio. Exemplifiquemos uma ligação tripla com átomos de Nitrogênio: 7N => 1s 2 2s 2 2p 3 5 elétrons na última camada, como não é metal, tende a compartilhar 3 elétrons para que a última camada 2s 2 2p 6 passe a ter 8 elétrons, para ficar estável. Representamos os elétrons da camada de valência da seguinte forma: Esquemas de Lewis para representação dos elétrons Composto molecular Dizemos que N 2 é fórmula molecular do composto Nitrogênio. Note que o par de elétrons da ligação é originário dos dois átomos ligantes, um elétron de cada átomo. Neste caso, especificamos a ligação como ligação covalente comum e a representamos como um traço entre os átomos ligantes, na fórmula estrutural. Exemplos: H Cl, H O H, Cl Cl.

24 Quando o par de elétrons da ligação é originário de apenas um dos átomos ligantes, especificamos a ligação como ligação covalente dativa. Exemplo: H 2 SO 4 Esquemas de Lewis para representação dos elétrons Ligação covalente dativa Às ligações onde temos somente um par de elétrons são classificadas como tipo sigma σ Às ligações onde temos dois ou três pares de elétrons são classificadas um como tipo sigma σ, e as demais como tipo pi π. Exercício de fixação 37 Como é a ligação entre um metal e um não metal? 38 Um elemento da família 5A ao ligar-se com um elemento da família 7ª forma qual tipo de composto químico? 39 Para o H 3 PO 4, quais os tipos de ligação se pode esperar? Justifique. 40 Obtenha o íon-fórmula dos compostos constituídos por: a. Ca e F b. Sr e Br c. Li e O 41 Cite algumas propriedades dos compostos moleculares, iônicos e metálicos.

Ligações Químicas. Profª. Drª Narlize Silva Lira. Agosto /2014

Ligações Químicas. Profª. Drª Narlize Silva Lira. Agosto /2014 União de Ensino Superior de Campina Grande Faculdade de Campina Grande FAC-CG Curso de Fisioterapia Ligações Químicas Profª. Drª Narlize Silva Lira Agosto /2014 A Química Orgânica e a Vida A química orgânica

Leia mais

Apresentar, através da configuração eletrônica, propriedades físicas e químicas dos elementos químicos.

Apresentar, através da configuração eletrônica, propriedades físicas e químicas dos elementos químicos. CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS (I) META Apresentar, através da configuração eletrônica, propriedades físicas e químicas dos elementos químicos. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: reconhecer

Leia mais

Hidrogênio x Hidrogênio Hidrogênio x Não metal Não metal x Não metal

Hidrogênio x Hidrogênio Hidrogênio x Não metal Não metal x Não metal LIGAÇÃ QUÍMICA Introdução: s átomos, ao se unirem, procuram perder ou ganhar elétrons na última camada até atingirem a configuração eletrônica de um gás nobre. Teoria do octeto: s átomos dos elementos

Leia mais

= 0 molécula. cada momento dipolar existente na molécula. Lembrando que u R

= 0 molécula. cada momento dipolar existente na molécula. Lembrando que u R Lista de Exercícios de Geometria e Ligações 1) Numere a segunda coluna (estruturas geométricas) de acordo com a primeira coluna (compostos químicos). 1. NH 3 ( ) linear 2. CO 2 ( ) angular 3. H 2 O ( )

Leia mais

RESUMOS TEÓRICOS de QUÍMICA GERAL e EXPERIMENTAL

RESUMOS TEÓRICOS de QUÍMICA GERAL e EXPERIMENTAL RESUMOS TEÓRICOS de QUÍMICA GERAL e EXPERIMENTAL 5 ESTUDO DA MATÉRIA 1 DEFINIÇÕES Matéria é tudo que ocupa lugar no espaço e tem massa. Nem tudo que existe no universo e matéria. Por exemplo, o calor e

Leia mais

QUIMICA ORGÂNICA BÁSICA

QUIMICA ORGÂNICA BÁSICA QUIMICA ORGÂNICA BÁSICA Hibridização Revisão - Química Orgânica Básica 1 Tabela Periódica 2 Moléculas Diatômicas 3 Moléculas Poliatômicas 4 Eletronegatividade 5 A interação da luz e a matéria 6 Hibridização

Leia mais

LIGAÇÕES INTERATÔMICAS

LIGAÇÕES INTERATÔMICAS UNIDADE 2 - LIGAÇÕES INTERATÔMICAS 2.1. FORÇAS DE LIGAÇÃO FORTES Importante conhecer-se as atrações que mantêm os átomos unidos formando os materiais sólidos. Por exemplo, uma peça de cobre contém 8,4x10

Leia mais

1. Qual a fórmula do composto formado entre o cálcio, Ca (Z = 20) e o flúor F (Z = 9)?

1. Qual a fórmula do composto formado entre o cálcio, Ca (Z = 20) e o flúor F (Z = 9)? EXERCÍCIOS REVISÃO 1ª série 1. Qual a fórmula do composto formado entre o cálcio, Ca (Z = 20) e o flúor F (Z = 9)? 2. Qual a fórmula do composto formado entre o potássio, K (Z = 19) e o enxofre, S (Z =

Leia mais

Modelos atômicos. A origem da palavra átomo

Modelos atômicos. A origem da palavra átomo Modelos???? Modelos atômicos A origem da palavra átomo A palavra átomo foi utilizada pela primeira vez na Grécia antiga, por volta de 400 ac. Demócrito (um filósofo grego) acreditava que todo tipo de matéria

Leia mais

Escola Secundária Anselmo de Andrade Teste Sumativo de Ciências Físico - Químicas 9º Ano Ano Lectivo 08/09

Escola Secundária Anselmo de Andrade Teste Sumativo de Ciências Físico - Químicas 9º Ano Ano Lectivo 08/09 Escola Secundária Anselmo de Andrade Teste Sumativo de Ciências Físico - Químicas 9º Ano Ano Lectivo 08/09 1ºTeste Sumativo 1ºPeríodo Duração do Teste: 90 minutos Data: 07 / 11 / 08 Prof. Dulce Godinho

Leia mais

Exercícios Sobre LigaÇões iônicas

Exercícios Sobre LigaÇões iônicas Exercícios Sobre LigaÇões iônicas Dados: 01. (Ufrj - adaptado) A caiação é um processo tradicionalmente utilizado na pintura de casas. Uma das maneiras de se preparar o pigmento consiste em misturar cal

Leia mais

As cargas elétricas escoam do metal para o corpo humano e depois para o solo, pois todos são bons condutores --- R- C

As cargas elétricas escoam do metal para o corpo humano e depois para o solo, pois todos são bons condutores --- R- C 01-(UFPE-PE) Condutores são os materiais que permitem que as cargas (elétrons livres) se movimentem com facilidade no seu interior --- os metais, de uma maneira em geral, são bons condutores -- - assim,

Leia mais

Resolução da Prova de Química Vestibular Verão UERGS/2003 Prof. Emiliano Chemello

Resolução da Prova de Química Vestibular Verão UERGS/2003 Prof. Emiliano Chemello Fácil Resolução da Prova de Química Vestibular Verão UERGS/2003 Prof. Emiliano Chemello Médio www.quimica.net/emiliano emiliano@quimica.net Difícil Níveis de dificuldade das Questões 01. Em um frasco,

Leia mais

Respostas da terceira lista de exercícios de química. Prof a. Marcia M. Meier

Respostas da terceira lista de exercícios de química. Prof a. Marcia M. Meier Respostas da terceira lista de exercícios de química Prof a. Marcia M. Meier 1) O íon brometo não aceita mais de um elétron, pois este segundo elétron ocupará numeros quânticos maiores quando comparado

Leia mais

Introdução à Química. Profº André Montillo www.montillo.com.br

Introdução à Química. Profº André Montillo www.montillo.com.br Introdução à Química Profº André Montillo www.montillo.com.br Química Átomo Ligações Químicas Química Definição: Química - do egípcio kēme (chem) que significa "terra. É a ciência que estuda as substâncias

Leia mais

Leia com atenção todas as questões antes de responder.

Leia com atenção todas as questões antes de responder. Ficha de Trabalho 0.º ano - Física e Química A Das Estrelas ao átomo Ano Lectivo: 007/008 Nome: Leia com atenção todas as questões antes de responder.. Seleccione a opção que corresponde ao nome que se

Leia mais

17-11-2011. Marília Peres Adaptado de (Corrêa 2007)

17-11-2011. Marília Peres Adaptado de (Corrêa 2007) FQA 10º Ano Unidade 1 Química Espectro de Absorção Fonte: http://www.brasilescola.com/quimica/espectroseletromagneticos-estrutura-atomo.htm Adaptado de (Corrêa 2007) 1 Carlos Corrêa Fernando Basto Noémia

Leia mais

Prova de Química Resolvida Segunda Etapa Vestibular UFMG 2011 Professor Rondinelle Gomes Pereira

Prova de Química Resolvida Segunda Etapa Vestibular UFMG 2011 Professor Rondinelle Gomes Pereira QUESTÃO 01 Neste quadro, apresentam-se as concentrações aproximadas dos íons mais abundantes em uma amostra de água típica dos oceanos e em uma amostra de água do Mar Morto: 1. Assinalando com um X a quadrícula

Leia mais

Apostila de Química Geral

Apostila de Química Geral Cursinho Vitoriano UNESP - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Câmpus de São José do Rio Preto Apostila de Química Geral Período noturno Ligações químicas interatômicas Vanessa R.

Leia mais

QUÍMICA POR QUE ESTUDAR QUÍMICA?

QUÍMICA POR QUE ESTUDAR QUÍMICA? QUÍMICA POR QUE ESTUDAR QUÍMICA? A Química contribui para a melhora da qualidade de vida das pessoas, se souber usá-la corretamente. Nosso futuro depende de como vamos usar o conhecimento Químico. A química

Leia mais

TABELA PERIÓDICA Propriedades periódicas e aperiódicas

TABELA PERIÓDICA Propriedades periódicas e aperiódicas TABELA PERIÓDICA Propriedades periódicas e aperiódicas De um modo geral, muitas propriedades dos elementos químicos variam periodicamente com o aumento de seus números atômicos (portanto, ao longo dos

Leia mais

Estrutura Eletrônica e Ligação Aula 2. QO-427 Prof. J. Augusto

Estrutura Eletrônica e Ligação Aula 2. QO-427 Prof. J. Augusto Estrutura Eletrônica e Ligação Aula 2 QO-427 Prof. J. Augusto Química Orgânica Orgânica até meados de 1800 referia-se a compostos de fontes com vida ( fontes minerais eram inorgânicos ) Wöhler em 1828

Leia mais

-2013- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE

-2013- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE -2013- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE DISCURSIVA OBJETIVA QUÍMICA FÍSICA QUÍMICA FÍSICA Matéria e energia Propriedades da matéria Mudanças de estado físico

Leia mais

Juliana Cerqueira de Paiva. Modelos Atômicos Aula 2

Juliana Cerqueira de Paiva. Modelos Atômicos Aula 2 Juliana Cerqueira de Paiva Modelos Atômicos Aula 2 2 Modelo Atômico de Thomson Joseph John Thomson (1856 1940) Por volta de 1897, realizou experimentos estudando descargas elétricas em tubos semelhantes

Leia mais

Lista de exercícios 04 Modelos atômicos incluindo Böhr - Revisão

Lista de exercícios 04 Modelos atômicos incluindo Böhr - Revisão Lista de exercícios 04 Modelos atômicos incluindo Böhr - Revisão Observação teórica - Os postulados de Böhr A partir das suas descobertas científicas, Niels Böhr propôs cinco postulados: 1 o.) Um átomo

Leia mais

Tabela periódica e propriedades periódicas

Tabela periódica e propriedades periódicas Tabela periódica e propriedades periódicas Mendeleev Vários cientistas procuravam agrupar os átomos de acordo com algum tipo de semelhança, mas o químico russo Dmitri Ivanovich Mendeleev foi o primeiro

Leia mais

Tecnologia Mecânica MATERIAIS. Roda de aço. Mapa do Brasil em cobre. Prof. Marcio Gomes

Tecnologia Mecânica MATERIAIS. Roda de aço. Mapa do Brasil em cobre. Prof. Marcio Gomes Alumínio Tecnologia Mecânica Ferro fundido MATERIAIS Roda de aço Mapa do Brasil em cobre Introdução Átomo: modelo de Bohr Tecnologia Mecânica O átomo, que não dá para a gente ver nem com um microscópio,

Leia mais

REVISÃO PARA VESTIBULAR

REVISÃO PARA VESTIBULAR REVISÃO PARA VESTIBULAR MODELOS ATÔMICOS Desvendar os segredos da matéria, sua estrutura, sua constituição, sempre foi um desejo dos estudiosos. Cinco séculos antes de Cristo, os filósofos gregos especulavam

Leia mais

O Átomo. a + thomos = sem divisão

O Átomo. a + thomos = sem divisão O Átomo 1. O nome átomo tem origem na Grécia Antiga no sec. V a.c. Os pensadores antigos falavam da existência de partículas invisíveis e indivisíveis que formariam toda matéria. a + thomos = sem divisão

Leia mais

LIGAÇÕES QUÍMICAS. Prof a. Dr a. Carolina Fortes Rigos

LIGAÇÕES QUÍMICAS. Prof a. Dr a. Carolina Fortes Rigos LIGAÇÕES QUÍMICAS Prof a. Dr a. Carolina Fortes Rigos INTRODUÇÃO O QUE DETERMINA O TIPO DE LIGAÇÃO EM CADA SUBSTÂNCIA E SUAS DIFERENTES PROPRIEDADES FÍSICAS E QUÍMICAS? ESTRUTURA ELETRÔNICA FORÇAS DAS

Leia mais

Próton Nêutron Elétron

Próton Nêutron Elétron Próton Nêutron Elétron ARNOLD SOMMERFELD MODELO ATÔMICO DE ARNOLD SOMMERFELD - 1916 Ao pesquisar o átomo, Sommerfeld concluiu que os elétrons de um mesmo nível, ocupam órbitas de trajetórias diferentes

Leia mais

Como sendo aquelas cujos valores variam apenas com o número atômico e não com a ordem da Tabela Periódica. São propriedades que não se repetem em

Como sendo aquelas cujos valores variam apenas com o número atômico e não com a ordem da Tabela Periódica. São propriedades que não se repetem em Como sendo aquelas cujos valores variam apenas com o número atômico e não com a ordem da Tabela Periódica. São propriedades que não se repetem em ciclos, períodos ou famílias. O Calor Específico varia

Leia mais

MOLÉCULAS NA TROPOSFERA. Espécies Maioritárias e Espécies Vestigiais

MOLÉCULAS NA TROPOSFERA. Espécies Maioritárias e Espécies Vestigiais MOLÉCULAS NA TROPOSFERA Espécies Maioritárias e Espécies Vestigiais 18-01-2013 Dulce Campos 2 Estudo da molécula de oxigénio A atmosfera é constituída maioritariamente por moléculas. Os átomos ligam-se,

Leia mais

AULA PRÁTICA DE SALA DE AULA FQA - Espécies maioritárias e vestigiais 10º ANO 8 fev. 2013

AULA PRÁTICA DE SALA DE AULA FQA - Espécies maioritárias e vestigiais 10º ANO 8 fev. 2013 AULA PRÁTICA DE SALA DE AULA FQA - Espécies maioritárias e vestigiais 10º ANO 8 fev. 2013 / Nome: nº 1. Atualmente, a troposfera é constituída por espécies maioritárias, como o azoto, N 2, o oxigénio,

Leia mais

Estrutura Atômica. Parte I. www.soexatas.com Página 1

Estrutura Atômica. Parte I. www.soexatas.com Página 1 Parte I Estrutura Atômica 1. (Ufg 2013) Para estimular um estudante a se familiarizar com os números atômicos de alguns elementos químicos, um professor cobriu as teclas numéricas de uma calculadora com

Leia mais

O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica

O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica A U L A 3 Metas da aula Descrever a experiência de interferência por uma fenda dupla com elétrons, na qual a trajetória destes

Leia mais

Capítulo LIGAÇÕES QUÍMICAS

Capítulo LIGAÇÕES QUÍMICAS Capítulo LIGAÇÕES QUÍMICAS Um dos aspectos mais intrigantes da química é o estudo das forças que agem entre os átomos. Às mais fortes destas forças, denominadas ligações químicas, são forças que unem átomos

Leia mais

Evolução do Modelo Atómico

Evolução do Modelo Atómico Evolução do Modelo Atómico Desde a antiguidade que os homens se preocupavam em saber de que é que as «coisas» são feitas. No entanto, existiam perspectivas diversas sobre o assunto, a mais conhecida das

Leia mais

Lista de exercícios 11 Classificação periódica

Lista de exercícios 11 Classificação periódica Lista de exercícios 11 Classificação periódica 01. (UNESP) Associar os números das regiões da tabela periódica esquematizada a seguir com: a) os metais alcalinos, b) os não-metais, c) os gases nobres,

Leia mais

Adaptado de Professora: Miwa Yoshida. www.colegionobel.com.br/2004quimica1oano/atomo.ppt

Adaptado de Professora: Miwa Yoshida. www.colegionobel.com.br/2004quimica1oano/atomo.ppt Adaptado de Professora: Miwa Yoshida www.colegionobel.com.br/2004quimica1oano/atomo.ppt Leucipo de Mileto ( 440 a.c.) & Demócrito (460 a.c. - 370 a.c. ) A ideia de dividirmos uma porção qualquer de matéria

Leia mais

OS EFEITOS DA POLARIDADE DAS LIGAÇÕES NAS MOLÉCULAS ORGÂNICAS DOS HALOGENETOS DE ALQUILA

OS EFEITOS DA POLARIDADE DAS LIGAÇÕES NAS MOLÉCULAS ORGÂNICAS DOS HALOGENETOS DE ALQUILA OS EFEITOS DA POLARIDADE DAS LIGAÇÕES NAS MOLÉCULAS ORGÂNICAS DOS HALOGENETOS DE ALQUILA Natalia Soares Quinete Bolsista de Inic. Científica, Eng. Química, UFF Peter Rudolf Seidl Orientador, Químico industrial,

Leia mais

Capítulo 6: Estrutura dos Materiais Ligação química e propriedades

Capítulo 6: Estrutura dos Materiais Ligação química e propriedades Capítulo 6: Estrutura dos Materiais Ligação química e propriedades Questões a abordar... O que promove a ligação química? Que tipos de ligações químicas existem? Que propriedades dependem da ligação química?

Leia mais

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de Química

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de Química Vestibular UFRGS 2015 Resolução da Prova de Química 26. Alternativa (C) Assunto: Propriedades físicas das substâncias densidade Os materiais apresentam diferentes densidades e mesma massa envolvida logo,

Leia mais

EXERCÍCIOS. Questão 01) Analise a tabela:

EXERCÍCIOS. Questão 01) Analise a tabela: 18 EXERCÍCIOS Questão 01) Analise a tabela: Substância Pontode Pontode Raio Fusão/ o C Ebulição/ o C Atômico/pm Bromo -7,20 58,8 114 Cloro -102-34,0 100 Iodo 114 184 133 Ozônio -193-112 73,0 Sódio 98,0

Leia mais

CPV o cursinho que mais aprova na fgv Fgv - 05/12/2004

CPV o cursinho que mais aprova na fgv Fgv - 05/12/2004 37 QUÍMICA 31. s irradiadores de alimentos representam hoje uma opção interessante na sua preservação. alimento irradiado, ao contrário do que se imagina, não se torna radioativo, uma vez que a radiação

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA Departamento de Química e Exatas DQE Curso: Farmácia Disciplina: Química Geral Professora: Karina

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA Departamento de Química e Exatas DQE Curso: Farmácia Disciplina: Química Geral Professora: Karina UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA Departamento de Química e Exatas DQE Curso: Farmácia Disciplina: Química Geral Professora: Karina TESTE DE CHAMAS Laercio Lago Lenine Mafra Samile Rúbia JEQUIÉ

Leia mais

11.1 EQUAÇÃO GERAL DOS BALANÇOS DE ENERGIA. Acúmulo = Entrada Saída + Geração Consumo. Acúmulo = acúmulo de energia dentro do sistema

11.1 EQUAÇÃO GERAL DOS BALANÇOS DE ENERGIA. Acúmulo = Entrada Saída + Geração Consumo. Acúmulo = acúmulo de energia dentro do sistema 11 BALANÇOS DE ENERGIA EM PROCESSOS FÍSICOS E QUÍMICOS Para utilizar adequadamente a energia nos processos é preciso que sejam entendidos os princípios básicos envolvidos na geração, utilização e transformação

Leia mais

TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS

TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS 1) Numa célula eletroquímica a solução tem que ser um eletrólito, mas os eletrodos

Leia mais

Química Atomística Profª: Bruna Villas Bôas. Exercícios

Química Atomística Profª: Bruna Villas Bôas. Exercícios NÚMERO ATÔMICO (Z) Os diferentes tipos de átomos (elementos químicos) são identificados pela quantidade de prótons (P) que possui. Esta quantidade de prótons recebe o nome de número atômico e é representado

Leia mais

Teoria Atômica. Constituição da matéria. Raízes históricas da composição da matéria. Modelos atômicos. Composição de um átomo.

Teoria Atômica. Constituição da matéria. Raízes históricas da composição da matéria. Modelos atômicos. Composição de um átomo. Teoria Atômica Constituição da matéria Raízes históricas da composição da matéria Modelos atômicos Composição de um átomo Tabela periódica Raízes Históricas 6000 a.c.: descoberta do fogo 4000 a.c.: vidros,

Leia mais

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL AULA QUÍMICA. Unidade III. Ligações químicas e funções inorgânicas.

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL AULA QUÍMICA. Unidade III. Ligações químicas e funções inorgânicas. Unidade III Ligações químicas e funções inorgânicas. 2 Aula 12.1 Conteúdo: Geometria molecular Polaridade das moléculas 3 Habilidades: Relacionar informações apresentadas em diferentes formas de linguagem

Leia mais

L I G A Ç Õ E S Q U Í M I C A S

L I G A Ç Õ E S Q U Í M I C A S L I G A Ç Õ E S Q U Í M I C A S PR. AGAMENN RBERT < 2010 Prof. Agamenon Roberto LIGAÇÕES QUÍMICAS www.agamenonquimica.com 2 LIGAÇÕES QUÍMICAS 1. INTRDUÇÃ Existe uma grande quantidade de substâncias na

Leia mais

LIGAÇÃO QUÍMICA NO CARBONO GEOMETRIA MOLECULAR HIBRIDAÇÃO. 06-11-2006 Maria da Conceição Paiva 1

LIGAÇÃO QUÍMICA NO CARBONO GEOMETRIA MOLECULAR HIBRIDAÇÃO. 06-11-2006 Maria da Conceição Paiva 1 LIGAÇÃO QUÍMICA NO CARBONO GEOMETRIA MOLECULAR IBRIDAÇÃO 06-11-2006 Maria da Conceição Paiva 1 Geometria molecular O arranjo tri-dimensional dos átomos numa molécula geometria molecular A teoria da repulsão

Leia mais

c) diretamente proporcional ao quadrado da distância entre as partículas. d) diretamente proporcional à distância entre as partículas.

c) diretamente proporcional ao quadrado da distância entre as partículas. d) diretamente proporcional à distância entre as partículas. LISTA 0 ELETOSTÁTICA POFESSO MÁCIO 01 - (UFJ ) Três cargas q 1, q e q 3 ocupam três vértices de um quadrado, como mostra a figura a seguir. Sabendo que q 1 e q têm o mesmo módulo e que a força que q 1

Leia mais

QUÍMICA 9º ano 1º Trimestre / 2016 BATERIA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

QUÍMICA 9º ano 1º Trimestre / 2016 BATERIA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES QUÍMICA 9º ano 1º Trimestre / 2016 BATERIA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES 1. Observe as figuras a seguir, onde os átomos são representados por esferas e cada tamanho representa um átomo diferente. Depois,

Leia mais

Água e Soluções Biológicas

Água e Soluções Biológicas Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular Disciplina de Biofísica Água e Soluções Biológicas 1. Introdução 2. A estrutura da molécula de água 2.1.

Leia mais

ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO

ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO COLÉGIO ESTADUAL RAINHA DA PAZ, ENSINO MÉDIO REPOSIÇÃO DAS AULAS DO DIA 02 e 03/07/2012 DAS 1 ª SÉRIES: A,B,C,D,E e F. Professor MSc. Elaine Sugauara Disciplina de Química ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO As ondas

Leia mais

3. Elemento Químico Elemento Químico é um conjunto de átomos iguais (do mesmo tipo). E na linguagem dos químicos eles são representados por Símbolos.

3. Elemento Químico Elemento Químico é um conjunto de átomos iguais (do mesmo tipo). E na linguagem dos químicos eles são representados por Símbolos. Química Profª SIMONE MORGADO Aula 1 Elemento, substância e mistura 1. Conceito de Química A Química é uma ciência que busca compreender os mistérios da matéria, sua organização e transformações, bem como

Leia mais

Cadex Pré-vestibular Química Volume I Série 4 Geometria molecular; polaridade; forças intermoleculares

Cadex Pré-vestibular Química Volume I Série 4 Geometria molecular; polaridade; forças intermoleculares 01 I. H 2, linear (a) II. O 2, linear (a) III. H 2 O, angular (b) IV. NH 3, piramidal (c) V. CH 4, tetraédrica (e) VI. CO 2, linear (a) VII. BF 3, trigonal (d) VIII. H 2 S, angular (b) IX. CCl 4, tetraédrica

Leia mais

Além do Modelo de Bohr

Além do Modelo de Bohr Além do Modelo de Bor Como conseqüência do princípio de incerteza de Heisenberg, o conceito de órbita não pode ser mantido numa descrição quântica do átomo. O que podemos calcular é apenas a probabilidade

Leia mais

IX Olimpíada Catarinense de Química 2013. Etapa I - Colégios

IX Olimpíada Catarinense de Química 2013. Etapa I - Colégios I Olimpíada Catarinense de Química - 2013 I Olimpíada Catarinense de Química 2013 Etapa I - Colégios Imagem: Oxidação Fonte:Gilson Rocha Reynaldo, 2013 Primeiro Ano Conselho Regional de Química CRQ III

Leia mais

3. Ligações Químicas Deslocalizadas

3. Ligações Químicas Deslocalizadas 3. Ligações Químicas Deslocalizadas 3.1. Ressonância 3.2. Ligações Duplas em Conjugação 3.3. Ligação dupla em conjugação com um orbital p em um átomo adjacente 3.4. Hiperconjugação 3.5. Aromaticidade 3.6.

Leia mais

Química Orgânica I Profª Dra. Alceni Augusta Werle Profª Dra.Tânia M. Sacramento Melo

Química Orgânica I Profª Dra. Alceni Augusta Werle Profª Dra.Tânia M. Sacramento Melo Química Orgânica I Profª Dra. Alceni Augusta Werle Profª Dra.Tânia M. Sacramento Melo Ligação Química e Estudo do Átomo de Carbono Aula 1 1- INTRODUÇÃO Os átomos são formados por nêutrons, prótons e elétrons.

Leia mais

TD nº 02 Química 2 1º ano - 2011

TD nº 02 Química 2 1º ano - 2011 Prof. Willame TD nº 02 Química 2 1º ano - 2011 TABELA PERIÓDICA 1. A organização dos elementos Com a descoberta de uma grande variedade de átomos, tornou-se necessária à criação de uma sistemática de classificação.

Leia mais

PROPRIEDADES ELÉTRICAS DOS MATERIAIS

PROPRIEDADES ELÉTRICAS DOS MATERIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas (CECS) BC-1105: MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES PROPRIEDADES ELÉTRICAS DOS MATERIAIS INTRODUÇÃO Resistência elétrica

Leia mais

CURSO de QUÍMICA - Gabarito

CURSO de QUÍMICA - Gabarito UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2009 e 1 o semestre letivo de 2010 CURSO de QUÍMICA - Gabarito INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Verifique se este caderno contém: PROVA DE REDAÇÃO

Leia mais

QUÍMICA SEGUNDA ETAPA - 1997

QUÍMICA SEGUNDA ETAPA - 1997 QUÍMICA SEGUNDA ETAPA - 1997 QUESTÃO 01 Os valores das sucessivas energias de ionização de um átomo constituem uma evidência empírica da existência de níveis de energia. Os diagramas abaixo pretendem representar,

Leia mais

Módulo 1 Unidade 4. Use protetor solar! Para início de conversa... força estamos tratando: possível aproveitar um gostoso banho de Sol.

Módulo 1 Unidade 4. Use protetor solar! Para início de conversa... força estamos tratando: possível aproveitar um gostoso banho de Sol. Módulo 1 Unidade 4 Use protetor solar! Para início de conversa... Quando Rutherford formulou o seu modelo atômico, conforme você estudou na unidade anterior, não levou em consideração uma força natural

Leia mais

Pergunta I II III IV Total. Nota: Apresente todos os cálculos que efetuar

Pergunta I II III IV Total. Nota: Apresente todos os cálculos que efetuar 3 de março 2012 (Semifinal) Pergunta I II III IV Total Classificação Escola:. Nome:. Nome:. Nome:. Nota: Apresente todos os cálculos que efetuar Dados: Constante de Avogadro: N A = 6,022 x 10 23 mol -1

Leia mais

PROVA DESAFIO EM QUÍMICA 04/10/14

PROVA DESAFIO EM QUÍMICA 04/10/14 PROVA DESAFIO EM QUÍMICA 04/10/14 Nome: Nº de Inscrição: Assinatura: Questão Valor Grau 1 a 2,0 2 a 2,0 3 a 2,0 4 a 2,0 5 a 2,0 Total 10,0 IMPORTANTE: 1) Explique e justifique a resolução de todas as questões.

Leia mais

Associe corretamente a coluna da direita à da esquerda.

Associe corretamente a coluna da direita à da esquerda. 1. (G1 - ifba 2014) A respeito da geometria, polaridade e ligações químicas das moléculas dos compostos, previstas por suas estruturas de Lewis, pode-se afirmar corretamente que a) a molécula do PC 3 é

Leia mais

38 C 37 B 39 D. Sabendo-se que a amônia (NH 3. ) é constituída por moléculas polares e apresenta boa solubilidade em água. o diclorometano (CH 2.

38 C 37 B 39 D. Sabendo-se que a amônia (NH 3. ) é constituída por moléculas polares e apresenta boa solubilidade em água. o diclorometano (CH 2. QUÍMICA 37 B Sabendo-se que a amônia (N 3 ) é constituída por moléculas polares e apresenta boa solubilidade em água o diclorometano (C Cl ) não possui isômeros Sua molécula apresenta polaridade, devido

Leia mais

Escola Secundária Anselmo de Andrade Teste Sumativo de Ciências Físico - Químicas 9º Ano Ano Lectivo 08/09

Escola Secundária Anselmo de Andrade Teste Sumativo de Ciências Físico - Químicas 9º Ano Ano Lectivo 08/09 Escola Secundária Anselmo de Andrade Teste Sumativo de Ciências Físico - Químicas 9º Ano Ano Lectivo 08/09 2ºTeste Sumativo 1ºPeríodo Duração do Teste:60 minutos Data: 05 / 12 / 08 Prof. Dulce Godinho

Leia mais

Ligações Químicas Ligação Iônica Ligação Metálica

Ligações Químicas Ligação Iônica Ligação Metálica Química Geral e Inorgânica QGI0001 Eng a. de Produção e Sistemas Prof a. Dr a. Carla Dalmolin Ligações Químicas Ligação Iônica Ligação Metálica Periodicidade O átomo é visto como uma esfera, onde só as

Leia mais

3.2. ORBITAIS E NÚMEROS QUÂNTICOS 3.3. CONFIGURAÇÕES ELETRÔNICAS. Aline Lamenha

3.2. ORBITAIS E NÚMEROS QUÂNTICOS 3.3. CONFIGURAÇÕES ELETRÔNICAS. Aline Lamenha 3.2. ORBITAIS E NÚMEROS QUÂNTICOS 3.3. CONFIGURAÇÕES ELETRÔNICAS Aline Lamenha OBJETIVOS Referir os contributos de vários cientistas e das suas propostas de modelo atómico, para a criação do modelo atómico

Leia mais

Evolução do modelo atómico

Evolução do modelo atómico Os neutrões só foram descobertos em 1932 por Chadwick. Evolução do modelo atómico Demócrito (400 a.c.) Enunciou a primeira ideia de átomo como sendo a partícula elementar que constitui toda a matéria.

Leia mais

Prova de Recuperação Bimestral de Ciências Nome Completo: Data: / /2010

Prova de Recuperação Bimestral de Ciências Nome Completo: Data: / /2010 COLÉGIO MARIA IMACULADA QI 05 ch. 72 LAGO SUL BRASÍLIA DF E-MAIL: cmidf@cmidf.com.br FONE: 248 4768 SITE: www.cmidf.com.br VALOR:10 pontos. NOTA: 9ºano 2º PERÍODO Prova de Recuperação Bimestral de Ciências

Leia mais

3.4 O Princípio da Equipartição de Energia e a Capacidade Calorífica Molar

3.4 O Princípio da Equipartição de Energia e a Capacidade Calorífica Molar 3.4 O Princípio da Equipartição de Energia e a Capacidade Calorífica Molar Vimos que as previsões sobre as capacidades caloríficas molares baseadas na teoria cinética estão de acordo com o comportamento

Leia mais

Módulo III: A visão quantomecânica da ligação covalente

Módulo III: A visão quantomecânica da ligação covalente Módulo III: A visão quantomecânica da ligação covalente Aula 6: Teoria clássica de ligação de valência (TLV clássica) 4. Hibridação de orbitais atômicos Como o átomo de carbono é capaz de formar quatro

Leia mais

Exercícios para a Prova 1 de Química - 1 Trimestre

Exercícios para a Prova 1 de Química - 1 Trimestre Exercícios para a Prova 1 de Química - 1 Trimestre 1. Seja o esquema: Entre as alternativas abaixo, indique as corretas sobre o esquema: a) Temos 5 componentes. b) É formado por 2 substâncias simples.

Leia mais

Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística SEFAZ - Analista em Finanças Públicas Prova realizada em 04/12/2011 pelo CEPERJ

Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística SEFAZ - Analista em Finanças Públicas Prova realizada em 04/12/2011 pelo CEPERJ Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística SEFAZ - Analista em Finanças Públicas Prova realizada em 04/1/011 pelo CEPERJ 59. O cartão de crédito que João utiliza cobra 10% de juros ao mês,

Leia mais

LIGAÇÕES QUÍMICAS TEORIA CORPUSCULAR

LIGAÇÕES QUÍMICAS TEORIA CORPUSCULAR LIGAÇÕES QUÍMICAS 5 TEORIA CORPUSCULAR 1 INTRODUÇÃO O fato de os gases nobres existirem na natureza como átomos isolados, levou os cientistas KOSSEL e LEWIS a elaborar um modelo para as ligações químicas.

Leia mais

Aulas 13 e 14. Soluções

Aulas 13 e 14. Soluções Aulas 13 e 14 Soluções Definição Solução é a denominação ao sistema em que uma substância está distribuída, ou disseminada, numa segunda substância sob forma de pequenas partículas. Exemplos Dissolvendo-se

Leia mais

Material Extra: Modelos atômicos e atomística Química professor Cicero # Modelos Atômicos e atomística - Palavras chaves

Material Extra: Modelos atômicos e atomística Química professor Cicero # Modelos Atômicos e atomística - Palavras chaves Material Extra: Modelos atômicos e atomística Química professor Cicero # Modelos Atômicos e atomística - Palavras chaves Evolução da ideia do átomo 1) Partícula maciça, indivisível e indestrutível; 2)

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Programa de Recuperação Final. 1ª Etapa 2013. Ano: 1

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Programa de Recuperação Final. 1ª Etapa 2013. Ano: 1 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Final 1ª Etapa 2013 Disciplina: Química Professora: Maria Luiza Ano: 1 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação. Faça a lista de

Leia mais

UFMG - 2005 3º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2005 3º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2005 3º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Química Questão 01 Carbono é um elemento cujos átomos podem se organizar sob a forma de diferentes alótropos. Alótropos H de combustão a 25

Leia mais

Processo Seletivo/UFU - Janeiro 2004-2ª Prova Comum - PROVA TIPO 1 QUÍMICA QUESTÃO 32

Processo Seletivo/UFU - Janeiro 2004-2ª Prova Comum - PROVA TIPO 1 QUÍMICA QUESTÃO 32 QUÍMICA QUESTÃO 31 Considerando a Tabela Periódica e as propriedades dos elementos químicos, assinale a alternativa correta A) Um metal é uma substância dúctil e maleável que conduz calor e corrente elétrica

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS

CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS EXERCÍCIOS Questão 01) O correto uso da tabela periódica permite determinar os elementos químicos a partir de algumas de suas características. Recorra a tabela periódica

Leia mais

ESTUDO DO ÁTOMO. Palavras-chave: átomo. Nuclear. Radiação.

ESTUDO DO ÁTOMO. Palavras-chave: átomo. Nuclear. Radiação. ESTUDO DO ÁTOMO Isaias Jose dos Santos ISE - santosisaiasjose@yahoo.com.br Rodrigo dos Santos ISE.- antos.rodrigo10@hotmail.com Orientador: Francisco de Assis Andrade Resumo Desde o princípio da humanidade

Leia mais

CAPÍTULO 6 Termologia

CAPÍTULO 6 Termologia CAPÍTULO 6 Termologia Introdução Calor e Temperatura, duas grandezas Físicas bastante difundidas no nosso dia-a-dia, e que estamos quase sempre relacionando uma com a outra. Durante a explanação do nosso

Leia mais

Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica

Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica Num metal os electrões de condução estão dissociados dos seus átomos de origem passando a ser partilhados por todos os iões positivos do sólido, e constituem

Leia mais

Ligações Químicas. Profa. Daniela Becker

Ligações Químicas. Profa. Daniela Becker Ligações Químicas Profa. Daniela Becker Referências Callister Jr., W. D. Ciência e engenharia de materiais: Uma introdução. LTC, 5ed., cap 2, 2002. Shackelford, J.F. Ciências dos Materiais, Pearson Prentice

Leia mais

www.enemdescomplicado.com.br

www.enemdescomplicado.com.br Exercícios de Física Gravitação Universal 1-A lei da gravitação universal de Newton diz que: a) os corpos se atraem na razão inversa de suas massas e na razão direta do quadrado de suas distâncias. b)

Leia mais

AULA 02: TABELA PERIÓDICA

AULA 02: TABELA PERIÓDICA AULA 02: TABELA PERIÓDICA 1. INTRODUÇÃO A Tabela Periódica é, efetivamente, um instrumento organizador de conhecimentos sobre os elementos químicos, onde estes estão ordenados por ordem crescente de número

Leia mais

Eletromagnetismo: imãs, bobinas e campo magnético

Eletromagnetismo: imãs, bobinas e campo magnético Eletromagnetismo: imãs, bobinas e campo magnético 22 Eletromagnetismo: imãs, bobinas e campo magnético 23 Linhas do campo magnético O mapeamento do campo magnético produzido por um imã, pode ser feito

Leia mais

Departamento de Química ICEx UFMG Exercícios de Fixação LIGAÇÃO COVALENTE

Departamento de Química ICEx UFMG Exercícios de Fixação LIGAÇÃO COVALENTE Departamento de Química ICEx UFMG Exercícios de Fixação LIGAÇÃO COVALENTE Questão 1 Considerando os íons NO 2+ e NO 2-, faça o que se pede: a. Represente cada um dos íons através de um número adequado

Leia mais

Soluções Químicas são misturas homogêneas de duas ou mais substâncias, onde o solvente aparece em maior quantidade e o soluto em menor quantidade. O estado de agregação do solvente é que determina o estado

Leia mais

TERMOQUÍMICA. Desta forma podemos dizer que qualquer mudança química geralmente envolve energia.

TERMOQUÍMICA. Desta forma podemos dizer que qualquer mudança química geralmente envolve energia. TERMOQUÍMICA 1 Introdução A sociedade moderna depende das mais diversas formas de energia para sua existência. Quase toda a energia de que dependemos é obtida a partir de reações químicas, como a queima

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS FQA Ficha 3 - Forças fundamentais, leis de Newton e Lei da gravitação universal 11.º Ano Turma A e B 1 outubro 2014 NOME Nº Turma 1. Associe um número da coluna 1 a uma

Leia mais

sábado, 28 de julho de 12 Prof: Alex

sábado, 28 de julho de 12 Prof: Alex Modelo de Sommerfeld (1916) Modelo de Sommerfeld (1916) Sommerfeld aperfeiçoou o modelo de BOHR, incluindo órbitas elípticas para o elétron, que teria energias diferentes dependendo do tipo de órbita descrita.

Leia mais