Violência: Uma epidemia silenciosa

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Violência: Uma epidemia silenciosa"

Transcrição

1 RODA DE DISCUSSÃO: Violência: Uma epidemia silenciosa Brasília, 06 de agosto de 2008 Nereu Henrique Mansano

2 O IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE: O IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE: A EPIDEMIA SILENCIOSA

3 ÓBITOS OCORRIDOS EM 2006* COMO CONSEQUÊNCIA DA VIOLÊNCIA: HOMICÍDIOS NO ANO POR DIA OBSERVAÇÃO 1óbito a cada 11minutos VIOLÊNCIA NO TRÂNSITO óbito a cada 15 minutos SUICÍDIOS óbito a cada 65 minutos FONTE: SIM / SVS / MS *Dados Preliminares

4 Não podemos nos esquecer que os óbitos correspondem apenas à ponta do iceberg, uma vez que o número de pessoas vitimadas é muito maior.

5 A VIOLÊNCIA se configura como uma verdadeira epidemia ocorrendo de forma silenciosa, uma vez que se destacam alguns episódios, mas não se tem a percepção da dimensão total deste grave problema, com grande repercussão social, especialmente no setor saúde.

6 DEFINIÇÃO Uso intencional da força física ou do poder, real ou em ameaça, contra si próprio, contra outra pessoa, ou contra um grupo ou comunidade que possa resultar em ou tenha alta probabilidade de resultar em morte, lesão, dano psicológico, problemas de desenvolvimento ou privação Organização Mundial da Saúde. Relatório mundial sobre violência e saúde. Genebra: OMS; 2002.

7 Com base na definição anterior: v estariam excluídos incidentes não intencionais (lesões ocasionadas por acidentes de trânsito, quedas, afogamentos, queimaduras, dentre outros); v considerando porém: ü relevância epidemiológica dos acidentes de transporte, ü tendência de importantes autores nacionais, que o incluem como uma forma de violência ü que nem sempre podemos excluir a intencionalidade, ü que envolvem geralmente infrações de trânsito que na verdade poderiam ser chamados de crimes; optamos por incluir a violência / acidentes no trânsito entre os eixos a serem discutidos.

8 IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA MORTALIDADE

9 DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL DOS ÓBITOS POR SUICÍDIO SEGUNDO GÊNERO E FAIXA ETÁRIA, BRASIL Fem 21% GÊNERO FAIXA ETÁRIA Ign 60 e+ 2% 0% % 7% Masc 79% % % Fonte: SIM / SVS / MS DADOS PRELIMINARES

10 TAXA ESPECÍFICA DE MORTALIDADE POR SUICÍDIO SEGUNDO FAIXA ETÁRIA, BRASIL ,0 7,0 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 0 a 14 anos 15 a 19 anos 20 a 39 anos 40 a 59 anos mais de 60 anos TAXA ESPECÍFICA 0,2 3,1 6,0 7,9 7,4 Fonte: SIM / SVS / MS e IBGE DADOS PRELIMINARES

11 TAXA DE MORTALIDADE POR SUICÍDIOS POR HABITANTES, SEGUNDO REGIÃO, BRASIL ,0 7,0 TAXA / HABITANTES 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 Regiao Norte Regiao Nordeste Regiao Sudeste TAXA SUICÍDIOS 3,0 3,7 3,9 7,8 5,6 4,5 REGIÃO Regiao Sul Regiao Centro- Oeste BRASIL Fonte: SIM / SVS / MS e IBGE DADOS PRELIMINARES

12 EVOLUÇÃO DA TAXA DE MORTALIDADE POR SUICÍDIO, POR HABITANTES, BRASIL A ,0 4,5 4,0 3,5 3,3 3,4 3,2 3,6 3,4 3,2 3,2 3,4 3,2 3,2 3,4 3,5 3,5 3,7 3,9 4,2 4,3 4,3 4,3 4,0 4,0 4,5 4,4 4,4 4,5 4,6 4,5 3,0 2,5 2,0 1,5 1,0 0,5 0, Fonte: SIM / SVS / MS e IBGE DADOS PRELIMINARES

13 DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL DOS ÓBITOS POR HOMICÍDIOS SEGUNDO GÊNERO E FAIXA ETÁRIA, BRASIL Fem 8% SEXO: 60 anos ou mais 4% 40 a 59 anos 16% FAIXA ETÁRIA: Ignorado 2% 0 a 14 anos 2% 15 a 19 anos 15% Fonte: SIM / SVS / MS Masc 92% 20 a 39 anos 61% DADOS PRELIMINARES

14 TAXA ESPECÍFICA DE MORTALIDADE POR HOMICÍDIO, POR HABITANTES, SEGUNDO FAIXA ETÁRIA BRASIL, ,0 45,0 40,0 TAXA / HAB. 35,0 30,0 25,0 20,0 15,0 10,0 5,0 0,0 0 a 14 anos 15 a 19 anos 20 a 39 anos 40 a 59 anos 60 anos ou mais TAXA ESPECÍFICA 1,5 37,2 47,1 22,4 11,4 FAIXA ETÁRIA Fonte: SIM / SVS / MS e IBGE DADOS PRELIMINARES

15 DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL DOS ÓBITOS POR HOMICÍDIO SEGUNDO RAÇA / COR, BRASIL Indígena 0,3% Amarela 0,2% Não informada 6,6% Branca 32,0% Parda 53,0% Preta 7,9% RR 1,8 X > em 2004 Fonte: SIM / SVS / MS DADOS PRELIMINARES

16 TAXA DE MORTALIDADE POR HOMICÍDIO, POR HABITANTES, SEGUNDO REGIÃO, BRASIL ,0 25,0 20,0 TAXA 15,0 10,0 5,0 0,0 Regiao Norte Regiao Nordeste Regiao Sudeste Regiao Sul Regiao Centro- BRASIL TAXA HOMICÍDIOS 25,9 27,3 25,4 20,8 26,8 25,4 Fonte: SIM / SVS / MS e IBGE REGIÃO DADOS PRELIMINARES

17 TAXA DE MORTALIDADE POR AGRESSÕES / HOMICÍDIOS EM HOMENS JOVENS POR MICRORREGIÃO BRASIL, 2002 A 2004 Extraído de: Ministério da Saúde. Saúde Brasil Uma análise da desigualdade em saúde. Brasília: Ministério da Saúde; p 413

18 EVOLUÇÃO DA TAXA DE MORTALIDADE POR HOMICÍDIO, POR HABITANTES, BRASIL A ,0 TAXA / HAB. 30,0 25,0 20,0 15,0 11,7 12,6 12,6 13,8 15,3 15,0 15,3 16,9 16,8 20,3 22,2 20,9 19,1 20,2 21,2 23,8 24,8 25,4 25,9 26,2 26,7 27,8 28,5 28,9 27,0 25,8 25,4 10,0 5,0 0, ANO Fonte: SIM / SVS / MS e IBGE DADOS PRELIMINARES Fonte: SIM / SVS / MS e IBGE

19 TENDÊNCIA DO NÚMERO DE ÓBITOS SEMESTRAIS POR ARMA DE FOGO NO BRASIL Óbitos observados e óbitos previstos a Inicio estatuto desarmamento observed prediction 95% ci limits Óbitos por arma de fogo observados e previstos Brasil 2004 e Observado Previsto entre obs. e previsto observado previsto entre obs. e previsto Fonte: DASIS/SVS/MS (Saúde Brasil 2007 in press)

20 DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL DOS ÓBITOS POR ACIDENTES DE TRÂNSITO SEGUNDO GÊNERO E FAIXA ETÁRIA, BRASIL Fem 18,5% GÊNERO: 40 a 59 anos 27% mais de 60 anos 14% FAIXA ETÁRIA 0 a 14 anos 6% 15 a 19 anos 9% Masc 81,5% 20 a 39 anos 44% Fonte: SIM / SVS / MS DADOS PRELIMINARES

21 TAXA ESPECÍFICA DE MORTALIDADE POR ACIDENTES DE TRANSPORTE TERRESTRE POR HABITANTES, SEGUNDO FAIXA ETÁRIA, BRASIL ,0 30,0 TAXA / HAB. 25,0 20,0 15,0 10,0 5,0 0,0 0 a 14 anos 15 a 19 anos 20 a 39 anos 40 a 59 anos mais de 60 anos TAXA ESPECÍFICA 3,8 15,2 25,5 26,6 30,2 Fonte: SIM / SVS / MS e IBGE FAIXA ETÁRIA DADOS PRELIMINARES

22 DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL DOS ÓBITOS POR ACIDENTES DE TRÂNSITO SEGUNDO MEIO DE TRANSPORTE DA VÍTIMA, BRASIL Outros ATT 23% Pedestre 27% Fonte: SIM / SVS / MS Ocupante de outros veículos 2% Ocupante de ônibus 1% Ocupante de automóvel 22% Ciclista 5% Motociclista 20% DADOS PRELIMINARES

23 DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL DOS ÓBITOS POR ACIDENTES DE TRANSPORTE TERRESTRE, SEGUNDO MEIO DE TRANSPORTE E FAIXA ETÁRIA, BRASIL % 90% 80% % 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% Outros ATT Ocupante de outros veículos Ocupante de ônibus Ocupante de automóvel Motociclista Ciclista Pedestre 0% 0 a 14 anos 15 a 19 anos 20 a 39 anos 40 a 59 anos mais de 60 anos Fonte: SIM / SVS / MS FAIXA ETÁRIA DADOS PRELIMINARES

24 TAXA DE MORTALIDADE POR ACIDENTES DE TRANSPORTE TERRESTRE POR HABITANTES, SEGUNDO REGIÃO, BRASIL ,0 25,0 TAXA / HAB. 20,0 15,0 10,0 5,0 0,0 Regiao Norte Regiao Nordeste Regiao Sudeste Regiao Sul Regiao Centro- BRASIL TAXA ATT 16,0 16,4 17,5 25,1 24,5 18,7 REGIÃO Fonte: SIM / SVS / MS e IBGE DADOS PRELIMINARES

25 TAXA PADRONIZADA DE MORTALIDADE POR ATT NAS MICRORREGIÕES, BRASIL Extraído de: Ministério da Saúde. Saúde Brasil Uma análise da desigualdade em saúde. Brasília: Ministério da Saúde; p 485 Fonte: SIM / SVS / MS e IBGE

26 EVOLUÇÃO DA TAXA PADRONIZADA DE MORTALIDADE POR ACIDENTES DE TRANSPORTE TERRESTRE, BRASIL a ,0 Taxa padronizada 20,0 15,0 10,0 5,0 0, MOTO OCUPANTE PEDESTRE TODOS Fonte: SIM / SVS / MS e IBGE DADOS PRELIMINARES

27 EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE ÓBITOS E TAXA DE MORTALIDADE POR HABITANTES POR ACIDENTES DE TRANSPORTE CUJA VÍTIMA ERA OCUPANTE DE MOTOCICLETA, BRASIL A 2006 TAXA / HAB. Nº ÓBITOS ,0 3,5 3,0 2,5 2,0 1,5 1,0 0, ,0 NÚMERO DE ÓBITOS TAXA 0,5 0,6 0,6 1,0 1,5 1,8 2,1 2,4 2,8 3,2 3,7 ANO Fonte: SIM / SVS / MS e IBGE DADOS PRELIMINARES

28 TAXA PADRONIZADA DE MORTALIDADE POR ATT EM MOTOCICLISTAS NAS MICRORREGIÕES, BRASIL Extraído de: Ministério da Saúde. Saúde Brasil Uma análise da desigualdade em saúde. Brasília: Ministério da Saúde; p 485 Fonte: SIM / SVS / MS e IBGE

29 IMPACTO DA VIOLÊNCIA IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA MORBIDADE

30 ATENDIMENTOS DE EMERGÊNCIA SEGUNDO TIPO DE OCORRÊNCIA E SEXO DA VÍTIMA. SERVIÇOS SENTINELAS, Acidentes Violências FONTE: CGDANT / DASIS / SVS Masculino Femininio

31 ATENDIMENTOS DE EMERGÊNCIA SEGUNDO TIPO DE OCORRÊNCIA E FAIXA ETÁRIA DA VÍTIMA. SERVIÇOS SENTINELAS, a 9 10 a a a a e + Ignorado FONTE: CGDANT / DASIS / SVS Acidentes Violências

32 ATENDIMENTOS DE EMERGÊNCIA SEGUNDO TIPO E LOCAL DE OCORRÊNCIA. SERVIÇOS SENTINELAS, Via pública Residência Bar Trabalho Escola Lazer Ignorado FONTE: CGDANT / DASIS / SVS Acidentes Violências

33 ATENDIMENTOS DE EMERGÊNCIA SEGUNDO HORÁRIO DE OCORRÊNCIA. SERVIÇOS SENTINELAS, 2006 FONTE: CGDANT / DASIS / SVS

34 ATENDIMENTOS DE EMERGÊNCIA SEGUNDO PROVÁVEL AGRESSOR E TIPO DE AGRESSÃO. SERVIÇOS SENTINELAS, 2006 Familiar Conhecido Desconhecido Não se aplica Ignorado FONTE: CGDANT / DASIS / SVS Maus-tratos Agressão

35 80 70 ATENDIMENTOS DE EMERGÊNCIA SEGUNDO SEXO DO PROVÁVEL AGRESSOR E TIPO DE AGRESSÃO. SERVIÇOS SENTINELAS, Masculino Feminino Ambos Não se aplica Ignorado FONTE: CGDANT / DASIS / SVS Maus-tratos Agressão

36 ATENDIMENTOS DE EMERGÊNCIA POR ACIDENTES E VIOLÊNCIAS SEGUNDO EVOLUÇÃO. SERVIÇOS SENTINELAS, 2006 FONTE: CGDANT / DASIS / SVS

37 IMPACTO DO USO ABUSIVO DE ÁLCOOL NA IMPACTO DO USO ABUSIVO DE ÁLCOOL NA VIOLÊNCIA E ACIDENTES DE TRÂNSITO

38 INTENSIDADE DO BEBER ENTRE ADULTOS. BRASIL, 2006 Extraído de: Laranjeira R, et al. Levantamento nacional sobre padrões de consumo de álcool na população brasileira. Brasília: Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República / Secretaria Nacional Antidrogas; p. 36

39 Beber em binge adultos distribuição percentual segundo gênero. Brasil, 2006 Extraído de: Laranjeira R, et al. Levantamento nacional sobre padrões de consumo de álcool na população brasileira. Brasília: Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República / Secretaria Nacional Antidrogas; p. 48

40 relação do álcool com violência se manifesta sobretudo em estados de intoxicação etílica, ou seja: A história pregressa de alcoolismo não parece influir tanto na agressão como a quantidade de álcool ingerida no momento do confronto (Franch, 2004)

41 PREVALÊNCIA DE PROBLEMAS DECORRENTES DO USO DE ÁLCOOL (%). vapresentou algum problema após beber: 45% Extraído de: Laranjeira R, et al. Levantamento nacional sobre padrões de consumo de álcool na população brasileira. Brasília: Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República / Secretaria Nacional Antidrogas; p. 54

42 IMPACTO DA VIOLÊNCIA NOS CUSTOS DA ATENÇÃO À SAÚDE

43 ESTUDO PUBLICADO PELO IPEA ESTIMOU O CUSTO DOS ACIDENTES E VIOLÊNCIAS PARA OS SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE EM 2004: Custo Estimado Causa (milhares de reais) Causas Externas (total) ,76 Agressões ,13 Acidentes de Transporte ,66 Fonte: Cerqueira DRC, Carvalho AXY, Lobão WJA, Rodrigues RI. Análise dos Custos e Conseqüências da Violência no Brasil. Texto para discussão Nº Brasília: Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas; 2007.

44 SEMINÁRIOS VIOLÊNCIA: UMA EPIDEMIA SEMINÁRIOS VIOLÊNCIA: UMA EPIDEMIA SILENCIOSA

45 SEMINÁRIOS VIOLÊNCIA: UMA EPIDEMIA SILENCIOSA vassembléia do CONASS de 26/09/07: Inserção da questão da violência como um problema de saúde pública na agenda de prioridades da entidade e das SES; velaboração e publicação do CONASS documenta Nº15: Violência: Uma epidemia silenciosa; varticulação com o Ministério da Saúde, CONASEMS, OPAS/OMS, UNESCO, UNIFEM, PNUD E UNODC; vrealização dos seminários regionais no Paraná (Sul 06 e 07/12/07), Mato Grosso do Sul (Centro-Oeste 24 e 25/01), Amazonas (Norte 14 e 15/02/08), Maranhão (Nordeste- 18 e 19/02/08) e Rio de Janeiro (Sudeste 28 e 29/02. vpublicação do CONASS documenta Nº 16, com o resumo das experiências estaduais e municipais e a síntese das discussões realizadas nos seminários regionais; vrealização do Seminário Nacional no Rio Grande do Sul (29 e 30 de abril): Mais de 1700 participantes.

46

47 SEMINÁRIOS VIOLÊNCIA: UMA EPIDEMIA SILENCIOSA v Sistematizado documento com conjunto de propostas para atuação do setor saúde no enfrentamento da violência, considerando as experiências nacionais e internacionais apresentadas e incorporando contribuições dos diversos pesquisadores e profissionais que participaram dos seminários regionais e seminário nacional; vrealizada oficina de trabalho que contou com a participação da equipe de assessores técnicos do CONASS e representantes do Ministério da Saúde, OPAS e CONASEMS para discussão do documento e incorporação de críticas e sugestões; veste conjunto de propostas será ainda levado à discussão e pactuação tripartite e à apreciação do Conselho Nacional de Saúde.

48 PROPOSTAS, ESTRATÉGIAS E PARCERIAS POR ÁREAS DE ATUAÇÃO 1. VIGILÂNCIA v Implementar os Núcleos de Prevenção de Violências e Promoção da Saúde: vinstituir Observatórios de acidentes e violências vimplementar em toda a rede de assistência à saúde a Ficha de Notificação e Investigação de Violência Doméstica, Sexual e/ou outras violências vimplementar e ampliar os Serviços Sentinela de Violências e Acidentes vmapear as áreas com maior freqüência de lesões e mortes ligadas à violência e acidentes vaprimorar a qualidade e agilizar as informações dos sistemas de informações já existentes vimplantar sistemas de vigilância, prevenção e cuidado aos casos de tentativas de suicídio/suicídio nos estados e municípios

49 2. PREVENÇÃO E PROMOÇÃO PROPOSTAS, ESTRATÉGIAS E PARCERIAS POR ÁREAS DE ATUAÇÃO vincentivar a promoção, o acompanhamento do desenvolvimento integral e o atendimento às necessidades essenciais da primeira infância vampliação e fortalecimento da Rede Nacional de Prevenção da Violência e Promoção da Saúde vinserir na organização da rede de atenção à saúde, as ações de prevenção da violência e promoção da saúde nas atividades cotidianas das equipes, especialmente na atenção primária e Programa de Saúde da Família vimplementar ações de mobilização social, comunitária e de promoção da cultura de paz vimplementar campanhas de comunicação social vinstituir nas 3 esferas de governo câmaras setoriais das políticas de saúde, segurança, prevenção da violência e promoção da cultura de paz vimplantar sistemas de vigilância, prevenção e cuidado aos casos de tentativas de suicídio/suicídio nos estados e municípios

50 PROPOSTAS, ESTRATÉGIAS E PARCERIAS POR ÁREAS DE ATUAÇÃO 3. ORGANIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA vorganizar as Redes de Atenção à Saúde* com o centro de comunicação na Atenção Primária (AP) oferecendo assistência contínua a determinada população - no tempo certo, no lugar certo, com o custo certo e com a qualidade certa - responsabilizando-se pelos resultados sanitários e econômicos relativos a essa população ücom base nos indicadores de saúde e no diagnóstico elaborado pelas equipes de saúde, disponibilizar ações e serviços de saúde (pontos de atenção) de acordo com território sanitário e o nível de atenção.

51 PROPOSTAS, ESTRATÉGIAS E PARCERIAS POR ÁREAS DE ATUAÇÃO Concepção de Redes de Atenção à Saúde Organização piramidal Organização em rede Alta Complex.. Média Complexidad e APS Atenção Primária Fonte: Mendes, 2002

52 PROPOSTAS, ESTRATÉGIAS E PARCERIAS POR ÁREAS DE ATUAÇÃO NÍVEL DE ATENÇÃO PONTO DE ATENÇÃO À SAÚDE TERRITÓRIO SANITÁRIO ATENÇÃO TERCIÁRIA À SAÙDE ATENÇÃO SECUNDÁRIA À SAÚDE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE Hospital especializado (referência para assistência e reabilitação) Hospital Geral Pronto Socorro (unidade de emergência, UTI, centro cirúrgico 24 horas) Ambulatório de referência para reabilitação Pronto Atendimento, Unidade 24 horas e Pronto Socorro;Centro de apoio às vítimas de violência; Centro de Referência/ Unidade ambulatorial especializadacaps, CAPS I e CAPS AD CAPS, CAPS I e CAPS ADPronto Atendimento, Unidade 24 horas e Pronto Socorro UBS/ Unidade de Saúde 24 horas e Pronto Atendimento ACS MACRORREGIÃO MICRORREGIÃO MUNICÍPIO ÁREA DE ABRANGÊNCIA MICRO-ÁREA

53 PROPOSTAS, ESTRATÉGIAS E PARCERIAS POR ÁREAS DE ATUAÇÃO 4. FORMAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE v Promover a capacitação das equipes do Programa de Saúde da Família e Agentes comunitários de Saúde (especialmente aqueles com atuação em áreas mais violentas), com vistas a desenvolver habilidades cognitivas para identificar possíveis violências no ambiente familiar e na comunidade, encaminhando as vítimas à Rede de Atenção, além de desenvolver ações de promoção da cultura de paz e prevenção da violência; vdesenvolver atividades de educação permanente com vistas a desenvolver nos profissionais envolvidos as competências necessárias para torná-los aptos a prestar atenção integrada e humanizada às vítimas de violência doméstica e organizar a Rede Local de Atenção às Vítimas de Violência; vdesenvolver ações educativas com adolescentes, relacionadas à saúde preventiva, cidadania e meio ambiente, através de atividades artísticas, culturais ou de pré-qualificação profissional, formando agentes multiplicadores para fomentar uma cultura de paz e de prevenção à violência, a partir de uma construção coletiva permitida através de ampla discussão de idéias, fatos estatísticos e planejamento;

54 PROPOSTAS, ESTRATÉGIAS E PARCERIAS POR ÁREAS DE ATUAÇÃO 4. FORMAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE vdesenvolver programas de transferência de tecnologia de abordagem da violência e construção da paz nos estados e municípios, com vistas a: ü mapear, sistematizar e organizar experiências de abordagem da violência e de construção de cultura da paz; ü desenvolver ação multiplicadora de capacitação aos gestores, gerentes e profissionais dos diferentes setores para a abordagem da violência; ü contribuir para o desenvolvimento do diagnóstico da violência (por meio da análise dos bancos de dados disponíveis, rotinização dos mecanismos de notificação e produção de dados primários); ü desenvolver a atenção às vítimas de violência e agressores e divulgar medidas de responsabilização, desenvolvimento e disseminação de práticas de prevenção da violência e construção da paz; vformação e capacitação de pessoal ü pós graduação ü curso de atualização ü mestrado ü doutorado ü Formação superior da força policial

55 PROPOSTAS, ESTRATÉGIAS E PARCERIAS POR ÁREAS DE ATUAÇÃO 5. PESQUISA vestudos sobre morbimortalidade por violência vestudos relacionados ao conhecimento do perfil das vítimas e dos agressores vavaliação das políticas públicas, programas e serviços existentes vestudos sobre custos e impacto econômico e financeiro vorganização de um observatório de divulgação dos conhecimentos produzidos

56 PROPOSTAS, ESTRATÉGIAS E PARCERIAS POR ÁREAS DE ATUAÇÃO 6. LEGISLAÇÃO v Intersetorialidade (Câmaras intersetoriais) v Controle sobre o consumo e publicidade de bebidas alcoólicas v Acidentes de trânsito e uso de bebidas alcoólicas v Violência no Trânsito v Ações de combate e repressão ao crime v Violência de gênero e contra grupos etários mais vulneráveis

57 A mensagem mais importante que se pode dar a partir do setor saúde é que, na sua maioria, os eventos violentos e os traumatismos não são acidentais, não são fatalidades, não são falta de sorte: eles podem ser enfrentados, prevenidos e evitados. Maria Cecília de S. Minayo

58 publicações CONASS documenta CONASS documenta 15 e CONASS documenta 16 CONSENSUS 2008 CONSENSUS 34

59 Você deve ser o exemplo da mudança que deseja para o mundo Gandhi OBRIGADO!

CAPTAÇÃO DE RECURSOS FEDERAIS LINHAS DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

CAPTAÇÃO DE RECURSOS FEDERAIS LINHAS DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS CAPTAÇÃO DE RECURSOS FEDERAIS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS 1. SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA - SENASP Gestão do Conhecimento e de Informações criminais; Formação e Valorização Profissional; Implantação

Leia mais

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência?

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Dados preliminares do sistema de informações de mortalidade do Ministério da Saúde de

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 1 Introdução

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 1 Introdução Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 1 Introdução Em Introdução, veremos os conceitos gerais referentes à violência, sua

Leia mais

NOTA TÉCNICA N. º22 CGDANT/DASIS/SVS/MS

NOTA TÉCNICA N. º22 CGDANT/DASIS/SVS/MS MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Departamento de Análise de Situação de Saúde Esplanada dos Ministérios, Edifício Sede, 1º andar, sala 148 - CEP 70.058-900 Tel. 61-3315 3419/ 3498

Leia mais

Plano Intersetorial de Políticas sobre o Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Intersetorial de Políticas sobre o Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Intersetorial de Políticas sobre o Crack, Álcool e Outras Drogas Estruturar e organizar a rede de serviços de prevenção, tratamento e acolhimento do município de São Paulo destinadas aos cuidados

Leia mais

Mapeamento da rede de atenção aos usuários de drogas: Um método exp loratór

Mapeamento da rede de atenção aos usuários de drogas: Um método exp loratór Mapeamento da rede de atenção aos Linha usuários de drogas: Um método Políticas Públicas sobre Drogas exploratório Pedro Henrique Antunes da Costa Telmo Mota Ronzani Fernando Basile Colugnati Centro de

Leia mais

Conferência Temática da Saúde Integral da População Negra no Estado do PR. Curitiba, 28-06-2013

Conferência Temática da Saúde Integral da População Negra no Estado do PR. Curitiba, 28-06-2013 Conferência Temática da Saúde Integral da População Negra no Estado do PR Curitiba, 28-06-2013 A POPULAÇAO NEGRA NO BRASIL E A LUTA PELA CIDADANIA Quilombos e Movimentos Sociais (movimentos de mulheres

Leia mais

Comissão Municipal Interinstitucional de Enfrentamento à Violência contra Crianças e Adolescentes

Comissão Municipal Interinstitucional de Enfrentamento à Violência contra Crianças e Adolescentes 1 Comissão Municipal Interinstitucional de Enfrentamento à Violência contra Crianças e Adolescentes PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO ÀS VIOLÊNCIAS CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Ponta Grossa Paraná 2013

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO LUIZA MACHADO COORDENADORA Objetivo estratégico do MS relacionado ao envelhecimento

Leia mais

Sumário. Aids: a magnitude do problema. A epidemia no Brasil. Característica do Programa brasileiro de aids

Sumário. Aids: a magnitude do problema. A epidemia no Brasil. Característica do Programa brasileiro de aids Sumário Aids: a magnitude do problema A epidemia no Brasil Característica do Programa brasileiro de aids Resultados de 20 anos de luta contra a epidemia no Brasil Tratamento Prevenção Direitos humanos

Leia mais

Política Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas

Política Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas Política Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1 A Política Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas tem por finalidade estabelecer princípios, diretrizes

Leia mais

SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil

SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil ID 1676 SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil Dutra, Laís; Eugênio, Flávia; Camargo, Aline; Ferreira

Leia mais

NOTA TÉCNICA 55 2011

NOTA TÉCNICA 55 2011 Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com transtornos mentais e com necessidades decorrentes do uso prejudicial de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do SUS. Minuta de portaria: Institui a Rede

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS ACRE

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS ACRE PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS ACRE OBJETIVOS ATIVIDADES RESPONSÁVEIS E PARCERIAS CRONOGRAMA (PRAZO) Realizar reuniões com Conselhos de Saúde,

Leia mais

A gestão regionalizada das Redes de Atenção Luís s Carlos Casarin Ministério da Saúde Secretaria de Atenção àsaúde -SAS

A gestão regionalizada das Redes de Atenção Luís s Carlos Casarin Ministério da Saúde Secretaria de Atenção àsaúde -SAS A gestão regionalizada das Redes de Atenção Luís s Carlos Casarin Ministério da Saúde Secretaria de Atenção àsaúde -SAS DESAFIO DESAFIO Extensão: 8.547.403,5 Km² (dimensão continental) População: 190.732.694

Leia mais

Área Técnica Saúde do Idoso CGAPSES SMS PMPA

Área Técnica Saúde do Idoso CGAPSES SMS PMPA Área Técnica Saúde do Idoso SMS PMPA Tatiana De Nardi Psicóloga Mestre em cognição humana/ envelhecimento Lúcia Trajano Médica do Trabalho Terapeuta Comunitária 2013 Política Nacional de Saúde da Pessoa

Leia mais

Projeto Vida no Trânsito: aplicação em Manaus.

Projeto Vida no Trânsito: aplicação em Manaus. Projeto Vida no Trânsito: aplicação em Manaus. Thalita Renata Oliveira das Neves 1 ; Uarodi Pereira Guedes 2 ; 1 Secretaria Municipal de Saúde de Manaus, Gerência de Promoção à Saúde, Rua Comandante Lasmar,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 250

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 250 PROGRAMA Nº- 250 QUALIFICAÇÃO E CAPACITAÇÃO DE PROFISSIONAIS E DEPENDENTES QUÍMICOS SUB-FUNÇÃO: 244 ASSISTÊNCIA COMUNITÁRIA Realizar Cursos de Capacitação para Profissionais que atuam na área de reabilitação

Leia mais

CRI R AN A ÇA Ç SEGURA R Safe Kids Bras B il il 2009

CRI R AN A ÇA Ç SEGURA R Safe Kids Bras B il il 2009 CRIANÇA SEGURA Safe Kids Brasil 2009 CRIANÇA SEGURA Organização sem fins lucrativos presente no Brasil desde 2001, com atuação nacional. Missão: Promover a prevenção de acidentes com crianças e adolescentes

Leia mais

Carta de recomendações para o enfrentamento às violências na primeira infância

Carta de recomendações para o enfrentamento às violências na primeira infância Carta de recomendações para o enfrentamento às violências na primeira infância Rio de Janeiro, 2 de abril de 2015 A todas as pessoas que atuam na promoção e defesa dos direitos das crianças A Rede Nacional

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 385 VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE

Leia mais

Sistema de Planejamento do SUS (PlanejaSUS)

Sistema de Planejamento do SUS (PlanejaSUS) Sistema de Planejamento do SUS (PlanejaSUS) (PROPOSTA) Plano de Trabalho 10º Termo de Cooperação e AssistênciaTécnica MS Opas/OMS Brasília, maio de 2007. 1 1. Introdução A necessidade de organização de

Leia mais

Princípios e proposições gerais para a Saúde no Governo Wagner:

Princípios e proposições gerais para a Saúde no Governo Wagner: Princípios e proposições gerais para a Saúde no Governo Wagner: 1) defesa do Sistema Único de Saúde (SUS) universal, humanizado e de qualidade; 2) compromisso do governo com a geração de emprego, distribuição

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA: O ENVELHECIMENTO E A QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS

AUDIÊNCIA PÚBLICA: O ENVELHECIMENTO E A QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS AUDIÊNCIA PÚBLICA: O ENVELHECIMENTO E A QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS BRASÍLIA, Julho de 2014 1 Proteção Social entre os Idosos (pessoas com 60 anos ou mais de idade) - Brasil 2 Cobertura Social entre os

Leia mais

Redução de Homicídios no Brasil

Redução de Homicídios no Brasil Ministério da Saúde MS Secretaria de Vigilância em Saúde - SVS Redução de Homicídios no Brasil SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 1 METODOLOGIA DE ANÁLISE... 1 RESULTADOS... 2 Homicídios no Brasil... 2 Óbitos por Arma

Leia mais

EQUIPE TÉCNICA DO PROGRAMA DE SAÚDE DO TRABALHADOR ADOLESCENTE/NÚCLEO DE ESTUDOS DA SAÚDE DO ADOLESCENTE/UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

EQUIPE TÉCNICA DO PROGRAMA DE SAÚDE DO TRABALHADOR ADOLESCENTE/NÚCLEO DE ESTUDOS DA SAÚDE DO ADOLESCENTE/UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EQUIPE TÉCNICA DO PROGRAMA DE SAÚDE DO TRABALHADOR ADOLESCENTE/NÚCLEO DE ESTUDOS DA SAÚDE DO ADOLESCENTE/UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Carmen Maria Raymundo (Assistente Social/Coordenação) Carmen

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

NOTA TÉCNICA 03 2012 REDE DE CUIDADOS À PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ÂMBITO DO SUS

NOTA TÉCNICA 03 2012 REDE DE CUIDADOS À PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ÂMBITO DO SUS NOTA TÉCNICA 03 2012 REDE DE CUIDADOS À PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ÂMBITO DO SUS Atualização da Minuta de portaria para a Assembleia do CONASS em 21/03/2012 1. Contextualização Pessoas com deficiência são

Leia mais

Políticas de Educação de Jovens e

Políticas de Educação de Jovens e Ministério da Educação Políticas de Educação de Jovens e Adultos Junho de 2011 Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Documentos de Referência Legislação Constituição

Leia mais

Rua do Atendimento Protetivo. Municipalino:

Rua do Atendimento Protetivo. Municipalino: Rua do Atendimento Protetivo Municipalino: Esta é a Rua do Atendimento Protetivo. Esta rua tem como missão fundamental resgatar os direitos das crianças e dos adolescentes que foram violados ou ameaçados

Leia mais

Vigilância de Violências e Acidentes VIVA (Inquérito) 2006 e 2007 Notas Técnicas. Origem dos dados

Vigilância de Violências e Acidentes VIVA (Inquérito) 2006 e 2007 Notas Técnicas. Origem dos dados Vigilância de Violências e Acidentes VIVA (Inquérito) 2006 e 2007 Notas Técnicas Origem dos dados Descrição das variáveis disponíveis para tabulação Outras formas de obtenção de informações Origem dos

Leia mais

AIDS NÃO TEM CARA. A DOENÇA ESTÁ SEMPRE CAMISINHA É A ÚNICA PROTEÇÃO.

AIDS NÃO TEM CARA. A DOENÇA ESTÁ SEMPRE CAMISINHA É A ÚNICA PROTEÇÃO. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA DAS DST/HIV/AIDS E HEPATITES VIRAIS CARNAVAL 2011 AIDS NÃO TEM CARA. A DOENÇA ESTÁ SEMPRE

Leia mais

CONTEXTO: Entendimento de que o crack é um problema grave e complexo, visto que não é só uma questão da saúde pública, mas da assistência social,

CONTEXTO: Entendimento de que o crack é um problema grave e complexo, visto que não é só uma questão da saúde pública, mas da assistência social, Recife, 16 de setembro de 2011 CONTEXTO: Entendimento de que o crack é um problema grave e complexo, visto que não é só uma questão da saúde pública, mas da assistência social, desenvolvimento econômico,

Leia mais

Direito à Educação. Parceria. Iniciativa. Coordenação Técnica. Apoio

Direito à Educação. Parceria. Iniciativa. Coordenação Técnica. Apoio Direito à Educação Apoio Parceria Coordenação Técnica Iniciativa Objetivos Refletir sobre: O que é Direito à Educação e como chegamos até aqui Garantia do direito à educação no Brasil Papel atual do Gestor

Leia mais

Fóruns Regionais de VISA: Política e práticas em vigilância sanitária

Fóruns Regionais de VISA: Política e práticas em vigilância sanitária Fóruns Regionais de VISA: Política e práticas em vigilância sanitária Brasília, 2010. Presidente da República Luís Inácio Lula da Silva Ministro da Saúde José Gomes Temporão Diretor Presidente da Anvisa

Leia mais

Educação Integral Desafios para a implementação

Educação Integral Desafios para a implementação Educação Integral Desafios para a implementação Educação Integral: uma demanda da sociedade Enfrentamento da desigualdade social: Garantia de direitos Ampliação das redes de proteção para crianças e adolescentes

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ARTICULADOR

TERMO DE REFERÊNCIA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ARTICULADOR TERMO DE REFERÊNCIA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ARTICULADOR PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL PARA ARTICULAÇÃO DE REDES INTERSETORIAIS DE ATENÇÃO AO USUÁRIO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS I CONTEXTO

Leia mais

Políticas de recursos humanos no sistema de saúde brasileiro: estudo avaliativo

Políticas de recursos humanos no sistema de saúde brasileiro: estudo avaliativo Políticas de recursos humanos no sistema de saúde brasileiro: estudo avaliativo Coordenação Geral Dra. Celia Regina Pierantoni, MD, DSc Professora Associada do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS PERNAMBUCO

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS PERNAMBUCO PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS PERNAMBUCO OBJETIVO GERAL DO PLANO ESTADUAL Enfrentar a epidemia do HIV/aids e das DST entre gays, outros HSH

Leia mais

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade Introdução Há cerca de 20 anos, a Secretaria de Saúde de um grande município começou a desenvolver e implantar iniciativas relacionadas à Alimentação

Leia mais

Seminário de Políticas para o trânsito Seguro de Motos Saúde, Processo de Habilitação e Questões Socioeducativas

Seminário de Políticas para o trânsito Seguro de Motos Saúde, Processo de Habilitação e Questões Socioeducativas Seminário de Políticas para o trânsito Seguro de Motos Saúde, Processo de Habilitação e Questões Socioeducativas Marta Maria Alves da Silva CGDANT/DASIS/SVS/MS Brasília/DF, 13 de setembro de 2012 2009:

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS/GM Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS/GM Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS/GM Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 Institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde

Leia mais

CARTILHA DE TRÂNSITO. Dicas para você viver mais e melhor!

CARTILHA DE TRÂNSITO. Dicas para você viver mais e melhor! CARTILHA DE TRÂNSITO Dicas para você viver mais e melhor! Este material foi concebido pela SBOT Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia com o intuito de ser um agente expressivo na prevenção

Leia mais

Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha

Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha Coordenação Geral de Ações Estratégicas - CGAE Instituto Nacional de Câncer - INCA Cenário do Câncer no Mundo: perspectiva de crescimento

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO DAET- Departamento de Atenção Especializada e Temática POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM Diretriz Promover ações de saúde que contribuam

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS GOIÁS

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS GOIÁS PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS GOIÁS OBJETIVOS ATIVIDADES RESPONSÁVEIS E PARCERIAS Estimular 80% da população de gays, HSH e travestis do

Leia mais

PROJETO MAPEAR MAPEAMENTO DOS PONTOS VULNERÁVEIS À EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

PROJETO MAPEAR MAPEAMENTO DOS PONTOS VULNERÁVEIS À EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Ministério da Justiça Polícia Rodoviária Federal Comissão Nacional de Direitos Humanos/PRF PROJETO MAPEAR MAPEAMENTO DOS PONTOS VULNERÁVEIS À EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Capilaridade 2.

Leia mais

MATRIZ DOS INDICADORES

MATRIZ DOS INDICADORES MATRIZ DOS INDICADORES 1. DEMOGRAFIA Indicador: População infantojuvenil, de 0 a 19 anos, por sexo e cor/raça, residente nos setores urbano e rural. Definição: apresenta o número total de crianças e adolescentes,

Leia mais

A INFÂNCIA É O TEMPO DE MAIOR CRIATIVIDADE NA VIDA DE UM SER HUMANO (J. PIAGET)

A INFÂNCIA É O TEMPO DE MAIOR CRIATIVIDADE NA VIDA DE UM SER HUMANO (J. PIAGET) A INFÂNCIA É O TEMPO DE MAIOR CRIATIVIDADE NA VIDA DE UM SER HUMANO (J. PIAGET) I Encontro de Apoio Técnico Estadual a Gestão Descentralizada do Suas: Redesenho do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil

Leia mais

Contexto São Paulo, Brasil: 1980-2000

Contexto São Paulo, Brasil: 1980-2000 Contexto São Paulo, Brasil: 1980-2000 Transição para Democracia. Constituição de 1988. Aumento do efetivo, equipamento e armamento das polícias. Integração das polícias civil e militar + separação da polícia

Leia mais

O USO DO ÁLCOOL ENTRE OS JOVENS: HISTÓRIA, POLÍTICAS GOVERNAMENTAIS, CONSEQÜÊNCIAS SOCIAIS E TRATAMENTO.

O USO DO ÁLCOOL ENTRE OS JOVENS: HISTÓRIA, POLÍTICAS GOVERNAMENTAIS, CONSEQÜÊNCIAS SOCIAIS E TRATAMENTO. ANTONIO WILKER BEZERRA LIMA O USO DO ÁLCOOL ENTRE OS JOVENS: HISTÓRIA, POLÍTICAS GOVERNAMENTAIS, CONSEQÜÊNCIAS SOCIAIS E TRATAMENTO. 1ª Edição Arneiroz Edição do Autor 2013 [ 2 ] Ficha catalográfica. Lima,

Leia mais

ÁREAS TEMÁTICAS SITUAÇÕES PROBLEMA SOLUÇÕES SUGERIDAS PROFISSIONALIZAÇÃO E ORGANIZAÇÃO SOCIAL

ÁREAS TEMÁTICAS SITUAÇÕES PROBLEMA SOLUÇÕES SUGERIDAS PROFISSIONALIZAÇÃO E ORGANIZAÇÃO SOCIAL Contribuições do GT Capoeira, Profissionalização e Internacionalização. Este documento apresenta os resultados dos debates desenvolvidos pelo Grupo de Trabalho Capoeira, Profissionalização e Internacionalização

Leia mais

Portaria GM n. 1130 que institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS)

Portaria GM n. 1130 que institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) Portaria GM n. 1130 que institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) PORTARIA Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 O MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011

PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas,

Leia mais

Saúde pública de qualidade para cuidar bem das pessoas: direito do povo brasileiro

Saúde pública de qualidade para cuidar bem das pessoas: direito do povo brasileiro Saúde pública de qualidade para cuidar bem das pessoas: direito do povo brasileiro Objetivos da 15ª. Reafirmar, impulsionar e efetivar os princípios e diretrizes do SUS- saúde como DH Mobilizar e estabelecer

Leia mais

Rede de Atenção à Saúde

Rede de Atenção à Saúde Rede de Atenção à Saúde Aparecida Linhares Pimenta Secretaria de Saúde de Diadema-SP Vice presidente do CONASEMS (Contribuições de Silvio Fernandes, assessor do CONASEMS) Desde o início da construção do

Leia mais

Graduada de Ciência Sociais; Rua General Jardim, 522 CEP 01223-010 Vila Buarque São Paulo/SP; (11) 3123-7800 www.fespsp.org.br 4

Graduada de Ciência Sociais; Rua General Jardim, 522 CEP 01223-010 Vila Buarque São Paulo/SP; (11) 3123-7800 www.fespsp.org.br 4 TÍTULO: Ensaio acadêmico de aplicação do método PES - Planejamento Estratégico Situacional, na estratégia de formulação de uma de política de segurança viária AUTORES: Danielle Penha 1 ; Marinalva da Silva

Leia mais

O Planejamento na Administração Municipal. - Plano Plurianual Participativo 2010 2013 -

O Planejamento na Administração Municipal. - Plano Plurianual Participativo 2010 2013 - O Planejamento na Administração Municipal - Plano Plurianual Participativo 2010 2013 - Informação é Cidadania Março - 2013 Orçamento = Planejamento Programa de Governo Planejamento Estratégico Situacional

Leia mais

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes. Disque Denúncia Nacional: DDN 100

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes. Disque Denúncia Nacional: DDN 100 Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Contra Crianças

Leia mais

DST/Aids e Rede Básica : Uma Integração Necessária. Programa Estadual de DST/AIDS de São Paulo

DST/Aids e Rede Básica : Uma Integração Necessária. Programa Estadual de DST/AIDS de São Paulo DST/Aids e Rede Básica : Uma Integração Necessária Programa Estadual de DST/AIDS de São Paulo DST/AIDS E ATENÇÃO BÁSICA O Sistema Único de Saúde ( SUS ) preconiza a descentralização,hierarquização e territorialização

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE-SPAIS Goiânia Agosto/2011 SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE - SPAIS 7. GERÊNCIA DE

Leia mais

1º Encontro do Projeto Vida no Trânsito 2014 Teresina - Piaui

1º Encontro do Projeto Vida no Trânsito 2014 Teresina - Piaui Estado Do Piauí Prefeitura Municipal de Teresina - PMT Fundação Municipal de Saúde - FMS Diretoria de Vigilância em Saúde - DVS Gerência de Vigilância de DANT GEVIDANT 1º Encontro do Projeto Vida no Trânsito

Leia mais

1ª Oficina Nacional do QUALIDIA

1ª Oficina Nacional do QUALIDIA 1ª Oficina Nacional do QUALIDIA LINHAS DE CUIDADO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES EXPERIÊNCIA DE DIADEMA SP Dra Lidia Tobias Silveira Assistente Gbi Gabinete SMS Diadema Linhas de cuidado de HA e DM

Leia mais

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO E ELIMINAÇÃO

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO E ELIMINAÇÃO Ministério da Saúde TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO E ELIMINAÇÃO Brasília - DF 2014 Ministério da Saúde TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO

Leia mais

Agenda Estratégica para o SUS e a Reforma Sanitária Brasileira: Objetivos e Metas para a Política de Saúde no Período 2011-2014

Agenda Estratégica para o SUS e a Reforma Sanitária Brasileira: Objetivos e Metas para a Política de Saúde no Período 2011-2014 Agenda Estratégica para o SUS e a Reforma Sanitária Brasileira: Objetivos e Metas para a Política de Saúde no Período 2011-2014 Diretrizes para articular saúde e desenvolvimento social Para contribuir

Leia mais

O DESAFIO DO ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA: SITUAÇÃO ATUAL, ESTRATÉGIAS E PROPOSTAS

O DESAFIO DO ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA: SITUAÇÃO ATUAL, ESTRATÉGIAS E PROPOSTAS O DESAFIO DO ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA: SITUAÇÃO ATUAL, ESTRATÉGIAS E PROPOSTAS Brasília, agosto de 2008 Parceiros 2 ÍNDICE 2 Apresentação Introdução: Os Seminários Violência uma epidemia silenciosa 4

Leia mais

Experiência: Pacto nacional pelo enfrentamento da violência contra as mulheres

Experiência: Pacto nacional pelo enfrentamento da violência contra as mulheres Experiência: Pacto nacional pelo enfrentamento da violência contra as mulheres Presidência da República Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres Responsável: Aparecida Gonçalves, Subsecretária

Leia mais

Rede de Atenção à. Pessoa em Situação de Violência

Rede de Atenção à. Pessoa em Situação de Violência Rede de Atenção à Pessoa em Situação de Violência AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE Art. 198 da CF/ 1988: A ações e os serviços públicos de saúde integram uma rede regionalizada e hierarquizada e constituem

Leia mais

PPSUS Programa Pesquisa para o SUS São Paulo. Maritsa C. de Bortoli

PPSUS Programa Pesquisa para o SUS São Paulo. Maritsa C. de Bortoli PPSUS Programa Pesquisa para o SUS São Paulo Maritsa C. de Bortoli PPSUS O que é? Iniciativa de Fomento Descentralizado à Pesquisa em Saúde do Ministério da Saúde (MS) Decit. Objetivo Financiar pesquisas

Leia mais

PRIMEIRA SEMANA MUNDIAL DAS NAÇÕES UNIDAS DE SEGURANÇA VIÁRIA 23 a 29 de abril de 2007. Mensagens chave

PRIMEIRA SEMANA MUNDIAL DAS NAÇÕES UNIDAS DE SEGURANÇA VIÁRIA 23 a 29 de abril de 2007. Mensagens chave PRIMEIRA SEMANA MUNDIAL DAS NAÇÕES UNIDAS DE SEGURANÇA VIÁRIA 23 a 29 de abril de 2007 (Documento da OMS traduzido e adaptado pela Coordenação de Doenças e Agravos Não Transmissíveis/Departamento de Análise

Leia mais

JOVEM HOMOSSEXUAL substituir por JOVENS GAYS, LÉSBICAS, BISSEXUAIS E TRANSGÊNEROS (GLBT) ou por JUVENTUDE E DIVERSIDADE SEXUAL

JOVEM HOMOSSEXUAL substituir por JOVENS GAYS, LÉSBICAS, BISSEXUAIS E TRANSGÊNEROS (GLBT) ou por JUVENTUDE E DIVERSIDADE SEXUAL JOVEM HOMOSSEXUAL substituir por JOVENS GAYS, LÉSBICAS, BISSEXUAIS E TRANSGÊNEROS (GLBT) ou por JUVENTUDE E DIVERSIDADE SEXUAL OBJETIVOS E METAS 1. Prover apoio psicológico, médico e social ao jovem em

Leia mais

RELATÓRIO DO GRUPO DE TRABALHO NO SUBTEMA PREVENÇÃO

RELATÓRIO DO GRUPO DE TRABALHO NO SUBTEMA PREVENÇÃO RELATÓRIO DO GRUPO DE TRABALHO NO SUBTEMA PREVENÇÃO Coordenadora Deputada Aline Corrêa Membros: Deputados Áureo e William Dib Propostas do grupo de trabalho sobre prevenção A partir dos trabalhos realizados

Leia mais

IV SEMINÁRIO DE ATENÇÃO PRIMÁRIA/ SAÚDE DA FAMÍLIA A TRAJETÓRIA DE IMPLANTAÇÃO DO ACOLHIMENTO: RELATO DE EXPERIÊNCIA

IV SEMINÁRIO DE ATENÇÃO PRIMÁRIA/ SAÚDE DA FAMÍLIA A TRAJETÓRIA DE IMPLANTAÇÃO DO ACOLHIMENTO: RELATO DE EXPERIÊNCIA IV SEMINÁRIO DE ATENÇÃO PRIMÁRIA/ SAÚDE DA FAMÍLIA A TRAJETÓRIA DE IMPLANTAÇÃO DO ACOLHIMENTO: RELATO DE EXPERIÊNCIA Geordany Rose de Oliveira Viana Esmeraldo Enfermeira e Mestranda em Saúde PúblicaUECE

Leia mais

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO NA AREA DA SAÚDE

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO NA AREA DA SAÚDE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO NA AREA DA SAÚDE Porto Alegre, 01 de julho de 2011 EDUCAÇÃO PROFISSIONAL LDB Nº 9394/96 É uma modalidade de ensino integrada às diferentes formas de educação,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 GABINETE DO PREFEITO LEI Nº. 277/2007. CEP: 5.50-000 Institui o Programa Casa da Família e dá outras providências. A Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito do Município de Pilões, sanciono e promulgo a seguinte lei: Art.

Leia mais

Ministério Público do Estado de Mato Grosso Procuradoria de Justiça Especializada na Defesa da Cidadania e do Consumidor. Planejamento Estratégico

Ministério Público do Estado de Mato Grosso Procuradoria de Justiça Especializada na Defesa da Cidadania e do Consumidor. Planejamento Estratégico Ministério Público do Estado de Mato Grosso Procuradoria de Justiça Especializada na Defesa da Cidadania e do Consumidor Planejamento Estratégico 2011 SEGURANÇA PÚBLICA Violência Contra a Pessoa Idosa

Leia mais

O Vereador ODON OLIVEIRA DE SOUZA JÚNIOR apresenta nos termos regimentais e legais, Projeto de Lei de teor abaixo:

O Vereador ODON OLIVEIRA DE SOUZA JÚNIOR apresenta nos termos regimentais e legais, Projeto de Lei de teor abaixo: O Vereador ODON OLIVEIRA DE SOUZA JÚNIOR apresenta nos termos regimentais e legais, Projeto de Lei de teor abaixo: PROJETO DE LEI Nº /2015, em 05 de Maio de 2015. Dispõe sobre o Procedimento de Notificação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA SÃO GONÇALO ARTICULADOR

TERMO DE REFERÊNCIA SÃO GONÇALO ARTICULADOR TERMO DE REFERÊNCIA SÃO GONÇALO ARTICULADOR PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA INDIVIDUAL EM ARTICULAÇÃO DE REDE INTERSETORIAL ALCOOL E DROGAS DESCENTRALIZADO I. CONTEXTO O decreto 7.179 de 2010 da Presidência

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE 9ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL

CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE 9ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL 9ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL RELATÓRIO FINAL TEMA CENTRAL Saúde e Qualidade de Vida: Política de Estado e Desenvolvimento DIRETRIZES PROPOSTAS PELAS OFICINAS TEMÁTICAS PARA COLOMBO, BIÊNIO 2007-2009, APROVADAS

Leia mais

Características Em 2013, foram visitados 149 mil domicílios e entrevistadas 363 mil pessoas.

Características Em 2013, foram visitados 149 mil domicílios e entrevistadas 363 mil pessoas. Rio de Janeiro, 18/09/2014 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho e rendimento Trabalho infantil Fecundidade Características

Leia mais

Pesquisa. Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República

Pesquisa. Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República Pesquisa A Implementação do PNEDH nas Diretrizes do Ensino Fundamental nos Municípios Brasileiros Instituição Executora: Coordenação Geral: Apoio: Gajop Gajop e Undime Secretaria de Direitos Humanos da

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO Ações de Inclusão Social e de Combate à Pobreza Modelo Próprio de Desenvolvimento Infra-estrutura para o Desenvolvimento Descentralizado Transparência na Gestão

Leia mais

9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA

9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA 9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA 9.1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO INDÍGENA 9.1.1 Objetivos gerais A Constituição Federal assegura às comunidades indígenas o direito de uma educação escolar diferenciada e a utilização

Leia mais

LEVANTAMENTO SOBRE CRIANÇAS EM SITUAÇÕES DE RISCO NO BRASIL

LEVANTAMENTO SOBRE CRIANÇAS EM SITUAÇÕES DE RISCO NO BRASIL ESTUDO LEVANTAMENTO SOBRE CRIANÇAS EM SITUAÇÕES DE RISCO NO BRASIL Renata Baars Consultora Legislativa da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário ESTUDO JULHO/2009 Câmara dos Deputados Praça 3 Poderes

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 1. Contexto Roteiro 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA

PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE 2013-2015 Proposta formulada no âmbito do Comitê Nacional de Educação

Leia mais

LEI Nº 6559 DE 16 DE OUTUBRO DE 2013. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DO IDOSO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

LEI Nº 6559 DE 16 DE OUTUBRO DE 2013. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DO IDOSO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 6559 DE 16 DE OUTUBRO DE 2013. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DO IDOSO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS SERGIPE

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS SERGIPE PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS SERGIPE METAS ATIVIDADES PARCERIAS EXECUSSÃO CRONOGRAMA - Articular através da criação de uma rede via internet

Leia mais

Contexto. Educação para o mundo do trabalho. Por Mozart Neves Ramos - Todos Pela Educação em 01/03/2013

Contexto. Educação para o mundo do trabalho. Por Mozart Neves Ramos - Todos Pela Educação em 01/03/2013 META NACIONAL 11 - Educação Profissional- Triplicar as matrículas da Educação Profissional Técnica de nível médio, assegurando a qualidade da oferta e pelo menos 50% da expansão no segmento público. Contexto

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO 2. CONTEXTUALIZAÇÃO

1. APRESENTAÇÃO 2. CONTEXTUALIZAÇÃO TÍTULO: PREVENÇÃO DE ACIDENTES E CAPACITAÇÃO PARA EXECUÇÃO DE PRIMEIROS-SOCORROS EM ESCOLAS PÚBLICAS (RECIFE-PE). INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE NÚCLEO DE SAÚDE

Leia mais

Sistema Único de Saúde, para fortalecimento dos processos de descentralização da gestão da saúde, em conformidade com a legislação vigente.

Sistema Único de Saúde, para fortalecimento dos processos de descentralização da gestão da saúde, em conformidade com a legislação vigente. GOVERNO DO ESTADO DO ESPIRÍTO SANTO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DO ESPÍRITO SANTO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR EDITAL Nº 1 SESA/ES,

Leia mais

2011 a 2020: As concessionárias de rodovias e a Década Mundial de Ações de Trânsito

2011 a 2020: As concessionárias de rodovias e a Década Mundial de Ações de Trânsito 2011 a 2020: As concessionárias de rodovias e a Década Mundial de Ações de Trânsito J. Pedro Corrêa Consultor em Programas de Segurança no Trânsito Foz do Iguaçu, 24/10/2011 Nova Iorque Brisbaine Hanói

Leia mais

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 Institui no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

ACOMPANHAMENTO E APOIO TÉCNICO À GESTÃO DESCENTRALIZADA DO SUAS

ACOMPANHAMENTO E APOIO TÉCNICO À GESTÃO DESCENTRALIZADA DO SUAS ACOMPANHAMENTO E APOIO TÉCNICO À GESTÃO DESCENTRALIZADA DO SUAS O ACOMPANHAMENTO E APOIO NO ÂMBITO DO SUAS LINHA DO TEMPO Acompanhamento e Apoio Técnico no SUAS 2005 2007 2008 NOB-SUAS Prevê a habilitação

Leia mais

OFICINA DE ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE GAYS, HSH E TRAVESTIS METAS ATIVIDADES RESPONSÁVEIS

OFICINA DE ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE GAYS, HSH E TRAVESTIS METAS ATIVIDADES RESPONSÁVEIS OFICINA DE ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE GAYS, HSH E TRAVESTIS METAS ATIVIDADES RESPONSÁVEIS 1 Estimular 80% da população de gays, HSH e travestis do

Leia mais