Fóruns Regionais de VISA: Política e práticas em vigilância sanitária

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fóruns Regionais de VISA: Política e práticas em vigilância sanitária"

Transcrição

1 Fóruns Regionais de VISA: Política e práticas em vigilância sanitária Brasília, 2010.

2 Presidente da República Luís Inácio Lula da Silva Ministro da Saúde José Gomes Temporão Diretor Presidente da Anvisa Dirceu Raposo de Mello Diretores Dirceu Brás Aparecido Barbano José Agenor Álvares da Silva Maria Cecília Martins Brito Promoção e Realização: NADAV Edna Maria Covem NEPEC Daniella Guimaraes de Araujo CEVEN Márcio Antonio Rodrigues 2

3 1. JUSTIFICATIVA A Vigilância Sanitária vem ampliando seu espaço na agenda política da saúde, a partir da constituição do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária - SNVS (Lei 9782/99): criação da Anvisa, definição das responsabilidades e atribuições para as três esferas de governo, formulação e implementação do Plano Diretor de Vigilância Sanitária, adoção dos instrumentos e mecanismos de pactuação e integração efetiva aos colegiados de gestão do SUS. Tais medidas, para alcançar os resultados almejados necessitam aperfeiçoar estratégias de articulação entre as esferas de governo, ao mesmo tempo abrir espaços para diálogo com a sociedade no sentido de consolidar um controle social mais participativo, integrar as ações de vigilância sanitária no Sistema Único de Saúde e aliviar as pressões exercidas pelo setor regulado. Nos últimos anos, diversos eventos reuniram profissionais e gerentes de vigilância sanitária que apontaram avanços significativos na consolidação desta área no campo da saúde coletiva, na modificação dos seus processos de trabalho, na reflexão e produção acadêmica. Idealizados para fomentar a aproximação e interlocução entre os componentes do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária, instituições comprometidas com a construção da cidadania, e representantes da sociedade, os Fóruns Regionais se consolidaram como espaço promotor de articulação e compartilhamento de experiências para o fortalecimento da vigilância sanitária. Em 2010 será realizada a quarta edição dos Fóruns Regionais de Vigilância Sanitária, um evento que tem sua importância reconhecida entre os trabalhadores e gerentes da vigilância sanitária, gestores do SUS e representantes dos diversos segmentos da sociedade voltados ou relacionados com o controle social no campo da saúde pública. É neste espaço que se propõe a realização de uma mostra de experiências inovadoras e bem sucedidas que possam contribuir para o desenvolvimento das ações de vigilância sanitária nas unidades federadas do país. 3

4 2. OBJETIVOS 2.1. Objetivo Geral Promover reunião entre os profissionais de vigilância sanitária, os representantes de campos de atuação afins e a sociedade, para refletir e discutir temas relevantes da política e práticas de VISA Objetivos Específicos Promover a divulgação da Vigilância Sanitária e sua importância na promoção e proteção da saúde; Divulgar as experiências inovadoras e transformadoras na política e nas praticas em vigilância sanitária nas três esferas de governo promovendo a sua divulgação, debate e intercambio; Promover a reflexão crítica sobre as práticas dos serviços de vigilância, tendo em conta a intersetorialidade e o princípio da integralidade; Estimular a interação e a construção de uma rede de comunicação entre os serviços de vigilância sanitária e grupos representativos da sociedade civil. 4

5 3. TEMA E EIXOS TEMÁTICOS O tema central do evento Política e práticas em vigilância sanitária será subdividido em 3 eixos temáticos: Eixo I Regionalização Eixo II Educação Permanente e Pesquisa Eixo III Integração entre as Vigilâncias e a Atenção Básica Os eixos serão desdobrados em sub-temas para orientar a seleção e organização das experiências inéditas a serem apresentadas em cada Região, tendo o risco sanitário como tema transversal. Não serão aceitos relatos de experiências divulgadas na publicação do Fórum de VISA/2009. Os sub-temas propostos são: Eixo I Regionalização e descentralização de VISA Participação no processo de regionalização do SUS; CIB, Colegiado de Gestão Regional e Câmaras Técnicas: participação da vigilância sanitária estadual e municipal nestas instâncias de gestão; Articulação entre os municípios de uma região para intervenção conjunta em problemas sanitários; Articulação entre os municípios e as estruturas regionais dos Estados para intervenção conjunta em problemas sanitários; Experiências estaduais de regionalização e microregionalização; Experiências municipais de regionalização de seu território; Participação no financiamento das ações. Eixo II Educação e Pesquisa Pactuação em Comissão de Integração Ensino e Serviço CIES dos Colegiados de Gestão Regional CGR e CIB de programas de educação permanente financiados por incentivo federal específico, ou de outras fontes; Experiências na formação de técnicos de nível médio em VISA; 5

6 Capacitação e formação: realização de atividades inovadoras relativas à qualificação dos profissionais de VISA; Experiências em Qualificação à distância dos trabalhadores; Utilização e otimização de recursos próprios em Educação; Desenvolvimento de pesquisas pelos serviços, em parcerias com outras instituições sobre as diversas áreas de atuação em VISA. Comunicação: práticas de comunicação social sobre o risco e intervenções realizadas. Inserção da VISA nos processos de educação das equipes da Atenção Primária à Saúde; Eixo III Integração entre as Vigilâncias e com a Atenção Básica Planejamento integrado no âmbito das Vigilâncias e Atenção Primária de Saúde; Integração entre a Vigilância Sanitária e a Vigilância Epidemiológica, Ambiental, Saúde do Trabalhador e Assistência, para execução de ações de intervenção no risco; Cooperação com a União na área de Portos, Aeroportos e Fronteiras; Integração entre as Vigilâncias e o Laboratório de Saúde Pública para intervenção no risco; Incorporação das ações de Visa, em conjunto com a Atenção Primária à Saúde, no cotidiano das comunidades. 6

7 4. CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE EXPERIÊNCIAS INOVADORAS As experiências serão selecionadas pelo Núcleo Estadual (Visa Estadual, COSEMS e Coordenação Estadual de PAF/ANVISA), que observará os seguintes critérios: 1. Experiências realizadas e com apresentação de resultados; 2. Experiências desenvolvidas em âmbito institucional. Não serão aceitas experiências de caráter individual, não assumidas pela instituição; Forma de apresentação Os trabalhos serão apresentados em Painel, contemplando seis (6) experiências selecionadas por eixo. Será disponibilizado equipamento áudiovisual para as apresentações. A experiência devera ser relatada também por meio de resumos, contendo no máximo caracteres com espaços, e contemplará os seguintes tópicos: 1. Cabeçalho contendo o título da experiência, identificação por sub-tema, nome do(s) autor(es), identificação da instituição, município/estado de origem e período de realização; 2. Corpo do resumo contemplando introdução; justificativa (opcional); objetivos; metodologia; resultados; aprendizado com a vivência; considerações finais; Este padrão foi estabelecido para a organização da publicação que conterá todos os resumos aprovados. Os prazos para identificação e análise, seleção e resposta aos autores serão os seguintes: Identificação e análise de experiências pelo Núcleo Seleção pelo núcleo e comissão de organização Resposta aos autores Inscrição: 21/06 a 09/07/09 12/07/09 Até 17/07/09 7

8 5. INSTITUIÇÕES PARTICIPANTES O evento tem como público alvo representantes das seguintes áreas e segmentos: Secretarias Estaduais de Saúde; Secretarias Municipais de Saúde; Serviços estaduais e municipais de vigilância sanitária, vigilância epidemiológica, atenção básica, vigilância ambiental, saúde do trabalhador, programa saúde da família e Ouvidorias do SUS; Dirigentes, gestores e técnicos da ANVISA; Representantes dos COSEMS; Representantes dos Laboratórios de Saúde Pública; Representantes dos Conselhos Estaduais e municipais de Saúde da Região; Representantes do poder legislativo estadual; Representantes de Órgãos de defesa do consumidor; Representantes do Ministério Público Estadual; Universidades. Está prevista a participação de um total de 451 convidados nos cinco Fóruns Regionais, com a seguinte proposta de distribuição de vagas: FORUM/ ANVISA DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR TOTAL REGIÃO ESTADO (350)(**) Centro-Oeste (4) Nordeste (9) Norte (7) Sul (3) Sudeste (4) TOTAL GERAL 50(*) (*) Vagas reservadas aos servidores da ANVISA e custeadas por áreas internas; (**) O total de vagas foi distribuído igualmente pelo nº. de Estados da Região, a serem divididas entre os segmentos participantes, com um maior percentual destinado aos municípios. 8

9 6. LOCAL E DATA DE REALIZAÇÃO REGIÃO DATA* LOCAL* Centro-Oeste 11 e 12/08/10 Brasília/DF Sul 18 e 19/08/10 Florianópolis/SC Sudeste 25 e 26/08/10 Rio de Janeiro/RJ Norte 1º e 02/09/10 Manaus/AM Nordeste 16 e 17/09/10 Salvador/BA (*) Datas e locais sujeitos a alterações. 9

10 7. PROGRAMAÇÃO A programação do evento deverá contemplar: Três painéis temáticos, que propiciem a discussão das experiências bemsucedidas, com apresentação e a troca de experiência em debate mediado por um coordenador em cada painel. PROGRAMA DATA HORÁRIO ATIVIDADE COORDENADOR 1º DIA 8:30 ABERTURA 9:30 10:15 Debate Painel: apresentação e debate de 03 experiências bem sucedidas do Eixo I Regionalização Painel: apresentação e debate de 03 experiências bem 11:10 sucedidas do Eixo I - Regionalização 12:00 Intervalo Painel: apresentação e debate de 03 experiências bem 14:00 sucedidas do Eixo II Educação Permanente e Pesquisa 15:00 Debate 15:45 Intervalo Painel: apresentação e debate 16:00 de 03 experiências bem sucedidas do Eixo II Educação Permanente e Pesquisa 17:00 Debate 18:00 Encerramento do dia Eixo II Eixo III PROGRAMA DATA HORÁRIO ATIVIDADE COORDENADOR 10

11 2º DIA Painel: apresentação e debate de 03 experiências bem 8:30 sucedidas do Eixo III - Integração entre as Vigilâncias e a Atenção Básica 9:30 Debate 10:15 Intervalo Painel: apresentação e debate de 03 experiências bem 10:30 sucedidas do Eixo III - Integração entre as Vigilâncias e a Atenção Básica 11:30 Debate 12:15 Avaliação do Fórum 12:30 Encerramento 11

12 8. ORGANIZAÇÃO Para realização do evento deverão ser instituídas as seguintes Comissões: 1. Organizadora: ANVISA (NADAV, ASTEC, CGTEC, ASCOM, OUVIDORIA, GGPAF, UNIPE), CONASS, CONASEMS; 2. Mobilização: constituição de um núcleo estadual, composto por representantes da Visa Estadual, COSEMS e Coordenação Estadual de PAF/ANVISA, com a definição de um interlocutor regional para questões de organização; 3. Seleção de Experiências: Núcleo Estadual (Visa Estadual, COSEMS e Coordenação Estadual de PAF/ANVISA). Fica a critério do Núcleo a inclusão de outras representações na composição. Os recursos financeiros para custeio das despesas de deslocamento e diárias para os participantes, locação de espaço, infra-estrutura áudio-visual, montagens mobiliárias e lanche, estão alocados no PLANOR do NADAV para 2010, além daqueles necessários aos eventos de organização. 12

13 9. RESULTADOS ESPERADOS Com resultado, propõe-se: Ampliação do debate sobre política e práticas de Visa entre os profissionais de vigilância sanitária, os representantes de campos de atuação afins e a sociedade; Apresentação e intercâmbio de experiências em gestão, produção de conhecimento e controle social em Visa; A sistematização das experiências apresentadas e do debate realizado em uma publicação a ser lançada no Fórum Nacional, com realização prevista para novembro/

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO PERMANENTE PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENSINO-SERVIÇO: O OLHAR DA GESTÃO DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO PERMANENTE PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENSINO-SERVIÇO: O OLHAR DA GESTÃO DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE POLÍTICA DE EDUCAÇÃO PERMANENTE PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENSINO-SERVIÇO: O OLHAR DA GESTÃO DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE Coordenação Geral de Educação em Saúde e Gestão Subsecretaria de Gestão do Trabalho e da Educação

Leia mais

Sistema de Planejamento do SUS (PlanejaSUS)

Sistema de Planejamento do SUS (PlanejaSUS) Sistema de Planejamento do SUS (PlanejaSUS) (PROPOSTA) Plano de Trabalho 10º Termo de Cooperação e AssistênciaTécnica MS Opas/OMS Brasília, maio de 2007. 1 1. Introdução A necessidade de organização de

Leia mais

Acompanhamento da Programação Anual das Ações de Visa

Acompanhamento da Programação Anual das Ações de Visa Agência Nacional de Vigilância Sanitária Acompanhamento da Programação Anual das Ações de Visa DIMCB/Nadav Brasília/DF, julho de 2009. Acompanhamento da Programação das Ações de Vigilância Sanitária/Nadav/2009

Leia mais

PORTARIA Nº 1.599, DE 30 DE SETEMBRO DE 2015

PORTARIA Nº 1.599, DE 30 DE SETEMBRO DE 2015 PORTARIA Nº 1.599, DE 30 DE SETEMBRO DE 2015 Dispõe sobre o Programa de Melhoria do Acesso e Qualidade dos Centros de Especialidades Odontológicas (PMAQ-CEO). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso da atribuição

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015

CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015 CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015 2015 uma década de existência do SUAS Decisão política de priorização, na agenda federal, da atenção às populações mais vulneráveis, do

Leia mais

PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA

PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE 2013-2015 Proposta formulada no âmbito do Comitê Nacional de Educação

Leia mais

PORTARIA No- 2.681, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2013

PORTARIA No- 2.681, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2013 PORTARIA No- 2.681, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2013 Redefine o Programa Academia da Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos

Leia mais

ANEXO 1. Programas e Ações do Ministério da Educação - MEC. 1. Programas e Ações da Secretaria da Educação Básica SEB/2015

ANEXO 1. Programas e Ações do Ministério da Educação - MEC. 1. Programas e Ações da Secretaria da Educação Básica SEB/2015 ANEXO 1 Programas e Ações do Ministério da Educação - MEC 1. Programas e Ações da Secretaria da Educação Básica SEB/2015 Docência em Educação Infantil A oferta de curso integra a política nacional de formação

Leia mais

Projeto Grêmio em Forma. relato de experiência

Projeto Grêmio em Forma. relato de experiência Projeto Grêmio em Forma relato de experiência Instituto Sou da Paz Organização fundada em 1999, a partir da campanha dos estudantes pelo desarmamento. Missão: Contribuir para a efetivação, no Brasil, de

Leia mais

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011.

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. 1 Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Economia Solidária e o Fundo Municipal de Fomento à Economia Solidária e dá outras providências. O Prefeito Municipal

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL)

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) TÍTULO 1 Da Instituição e seus Fins Art. 1 0 O Centro de Estudos em Educação e Linguagem (CEEL), criado em 2004, para integrar uma

Leia mais

Indicador(es) Órgão(s) 26 - Ministério da Educação

Indicador(es) Órgão(s) 26 - Ministério da Educação Programa úmero de Ações 13 1060 Brasil Alfabetizado e Educação de Jovens e Adultos Objetivo Indicador(es) Garantir acesso e permanência de jovens e adultos a programas educacionais que visam atender as

Leia mais

REGULAMENTO DA 2ª FENACEB FEIRA NACIONAL DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA

REGULAMENTO DA 2ª FENACEB FEIRA NACIONAL DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica REGULAMENTO DA 2ª FENACEB FEIRA NACIONAL DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA I - CONCEITO, DENOMINAÇÃO, REALIZAÇÃO Art. 1º A 2ª Feira Nacional de Ciências

Leia mais

Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências.

Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. Versão final do Workshop 09/07/2010 PROJETO DE LEI ESTADUAL - PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS LEI Nº 1.378, DE 28 DE JUNHO DE 2013. Dispõe sobre a oferta de cursos na modalidade a distância, bem como, dispõe sobre a implantação do Pólo Universitário de Apoio Presencial de São Gonçalo do Amarante,

Leia mais

unidades, serviços e ações que interagem para um objetivo comum: a promoção, proteção e recuperação da Saúde.

unidades, serviços e ações que interagem para um objetivo comum: a promoção, proteção e recuperação da Saúde. O SISTEMA DE SAÚDE PÚBLICA EM SANTA CATARINA Fevereiro/2013 SUS S O SUS é um SISTEMA, um conjunto de unidades, serviços e ações que interagem para um objetivo comum: a promoção, proteção e recuperação

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 1. Contexto Roteiro 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 02/2015-CEE/PR. Dispõe sobre as Normas Estaduais para a Educação em Direitos Humanos no Sistema Estadual de Ensino do Paraná.

DELIBERAÇÃO Nº 02/2015-CEE/PR. Dispõe sobre as Normas Estaduais para a Educação em Direitos Humanos no Sistema Estadual de Ensino do Paraná. DELIBERAÇÃO Nº 02/2015-CEE/PR Dispõe sobre as Normas Estaduais para a Educação em Direitos Humanos no Sistema Estadual de Ensino do Paraná. Curitiba Abril de 2015 EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS DELIBERAÇÃO

Leia mais

EIXO V 348. Gestão Democrática, Participação Popular e Controle Social 349. A articulação e mobilização da sociedade civil e de setores do Estado

EIXO V 348. Gestão Democrática, Participação Popular e Controle Social 349. A articulação e mobilização da sociedade civil e de setores do Estado EIXO V 348. Gestão Democrática, Participação Popular e Controle Social 349. A articulação e mobilização da sociedade civil e de setores do Estado assumiram grande importância, especialmente a partir do

Leia mais

Projeto: I Seminário para formação dos servidores da saúde em temas relacionados à política nacional de saúde do trabalhador/ Betim (MG)

Projeto: I Seminário para formação dos servidores da saúde em temas relacionados à política nacional de saúde do trabalhador/ Betim (MG) CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde Projeto: I Seminário para formação dos servidores da saúde em temas relacionados à política nacional de saúde do

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO, DIVERSIDADE E INCLUSÃO COORDENAÇÃO GERAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO, DIVERSIDADE E INCLUSÃO COORDENAÇÃO GERAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO, DIVERSIDADE E INCLUSÃO COORDENAÇÃO GERAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO TERMO DE REFERÊNCIA N.º e Título do Projeto Projeto OEI BRA/10/001

Leia mais

PERSPECTIVAS DE VIABILIZAÇÃO DO REGIME DE COLABORAÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA NO PARANÁ

PERSPECTIVAS DE VIABILIZAÇÃO DO REGIME DE COLABORAÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA NO PARANÁ PERSPECTIVAS DE VIABILIZAÇÃO DO REGIME DE COLABORAÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA NO PARANÁ Mauricio Pastor dos Santos 1 PUCPR Grupo de Trabalho Políticas Públicas, Avaliação e Gestão da Educação Básica Agência

Leia mais

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação

Leia mais

Apoio à Valorização da Diversidade no Acesso e na Permanência na Universidade

Apoio à Valorização da Diversidade no Acesso e na Permanência na Universidade Programa 1377 Educação para a Diversidade e Cidadania Objetivo Combater as desigualdades étnico-racial, de gênero, orientação sexual, geracional, regional e cultural no espaço escolar. Justificativa Público

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 5/2014

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 5/2014 PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 5/2014 Dispõe sobre a reorganização da Rede Nacional de Certificação Profissional - Rede Certific. OS MINISTROS DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO, no

Leia mais

Projeto Capacitação online de gestores e conselheiros da saúde IDISA-ONLINE

Projeto Capacitação online de gestores e conselheiros da saúde IDISA-ONLINE Projeto Capacitação online de gestores e conselheiros da saúde IDISA-ONLINE Projeto Cooperação e Capacitação online de gestores e conselheiros da saúde Projeto de Cooperação envolvendo a Secretaria de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.053 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2009. Institui a Política Nacional para a População em Situação de Rua e seu Comitê Intersetorial

Leia mais

Estruturação dos processos de trabalho relativos a Serviços de Interesse à Saúde

Estruturação dos processos de trabalho relativos a Serviços de Interesse à Saúde Estruturação dos processos de trabalho relativos a Serviços de Interesse à Saúde Brasília, 23 de março de 2015. 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO 1.1. Título do Projeto Estruturação dos processos de trabalho

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE MATO GROSSO

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE MATO GROSSO DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE MATO GROSSO EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE DIRETRIZ: Direito à saúde, garantia de acesso e atenção de qualidade. Prioritária

Leia mais

Oficina Nacional Planejamento no Âmbito do SUS. Planejamento Regional Integrado

Oficina Nacional Planejamento no Âmbito do SUS. Planejamento Regional Integrado Oficina Nacional Planejamento no Âmbito do SUS Planejamento Regional Integrado Brasília DF, novembro de 2014 LEGISLAÇÃO ANTERIOR AO DECRETO - VIGENTE Lei 8142/90-1º. art. 1 A Conferência de Saúde reunir-se-á

Leia mais

Agendas Estaduais de Desenvolvimento Integrado de Alfabetização e de Educação de Jovens e Adultos

Agendas Estaduais de Desenvolvimento Integrado de Alfabetização e de Educação de Jovens e Adultos Agendas Estaduais de Desenvolvimento Integrado de Alfabetização e de Educação de Jovens e Adultos PROGRAMA BRASIL ALFABETIZADO As Agendas Estaduais de Desenvolvimento Integrado de Alfabetização e Educação

Leia mais

EDITAL N 01/2014/PPO/UFV SELEÇÃO DE PROJETOS PARA FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA REFERENTE À AÇÃO 20RJ DO MEC

EDITAL N 01/2014/PPO/UFV SELEÇÃO DE PROJETOS PARA FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA REFERENTE À AÇÃO 20RJ DO MEC EDITAL N 01/2014/PPO/UFV SELEÇÃO DE PROJETOS PARA FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA REFERENTE À AÇÃO 20RJ DO MEC O Presidente do Comitê Gestor Institucional de Formação Inicial e Continuada

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO BÁSICA

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO BÁSICA GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO BÁSICA ORIENTAÇÕES BÁSICAS À GESTÃO MUNICIPAL: ORGANIZAÇÃO DA CONFÊRENCIA

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PARATY INSTITUTO C&A DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO CASA AZUL

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PARATY INSTITUTO C&A DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO CASA AZUL SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PARATY INSTITUTO C&A DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO CASA AZUL EDITAL CONCURSO ESCOLA DE LEITORES PARATY - RJ 2009/2010 OBJETO: Seleção de projetos para o Concurso

Leia mais

PLANO NACIONAL DE DANÇA

PLANO NACIONAL DE DANÇA PLANO NACIONAL DE DANÇA I APRESENTAÇÃO II - DIRETRIZES E AÇÕES II HISTÓRICO DO SETOR NO PAÍS III DIAGNOSE DE POTENCIAL E PONTOS CRÍTICOS DO SETOR IV DADOS DO SETOR PARA O SISTEMA DE INFORMAÇÕES E INDICADORES

Leia mais

PRÊMIO DE PRÁTICAS EXITOSAS DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS COEGEMAS/CE

PRÊMIO DE PRÁTICAS EXITOSAS DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS COEGEMAS/CE EDITAL COEGEMAS/CE Nº 01/ 2016 PRÊMIO DE PRÁTICAS EXITOSAS DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS COEGEMAS/CE A Diretoria Executiva do Colegiado Estadual de Gestores Municipais de Assistência Social

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA SETORIAL DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS

ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA SETORIAL DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS CRITERIOS PARA SELEÇÃO DE PARTICIPANTES DO CURSO DE CAPACITAÇÃO EM PROCESSOS EDUCACIONAIS NA SAÚDE A Secretaria de Estado da Saúde de Alagoas SESAU em parceria com o Hospital Sírio Libanês HSL, Ministério

Leia mais

VIGILÂNCIA SANITÁRIA E A TRANSVERSALIDADE NA PROMOÇÃO DA SAÚDE

VIGILÂNCIA SANITÁRIA E A TRANSVERSALIDADE NA PROMOÇÃO DA SAÚDE VIGILÂNCIA SANITÁRIA E A TRANSVERSALIDADE NA PROMOÇÃO DA SAÚDE Francisca Miranda Lustosa Gerente da Célula de Vigilância Sanitária e Ambiental de Fortaleza A SAÚDE É UM DIREITO SOCIAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL

Leia mais

PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE

PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE NOTA TÉCNICA 16/2011 PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE Brasília, 23 de maio de 2011. PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE 1. INTRODUÇÃO: O Programa Academia da Saúde foi instituído no âmbito do Sistema Único de Saúde através

Leia mais

2.1. Curso de Especialização em Gestão da Clínica nas Regiões de Saúde

2.1. Curso de Especialização em Gestão da Clínica nas Regiões de Saúde EDITAL DE SELEÇÃO DE ESPECIALIZANDOS PROCESSO DE SELEÇÃO DE ESPECIALIZANDOS PARA OS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO EM: GESTÃO DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE PARA PRECEPTORES DO SUS, GESTÃO DA CLÍNICA NAS REGIÕES DE SAÚDE;

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS XII / GUANAMBI BA REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS XII / GUANAMBI BA REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS XII / GUANAMBI BA REGIMENTO INTERNO GUANAMBI 2005 CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1º - O Núcleo de Pesquisa e Extensão () do Departamento

Leia mais

Encontros estaduais do MEC e da Undime com os dirigentes municipais de educação. Secretaria de Educação a Distância

Encontros estaduais do MEC e da Undime com os dirigentes municipais de educação. Secretaria de Educação a Distância Encontros estaduais do MEC e da Undime com os dirigentes municipais de educação Secretaria de Educação a Distância Mapa da Exclusão Digital Percentagem da população com acesso a computadores em rede Fonte:

Leia mais

Projeto Hospitais de Excelência /Ministério da Saúde / Programa de Desenvolvimento e Apoio àgestão Hospital Samaritano

Projeto Hospitais de Excelência /Ministério da Saúde / Programa de Desenvolvimento e Apoio àgestão Hospital Samaritano Análise do processo de implementação de políticas na área hospitalar do Ministério da Saúde: contratualização de hospitais de ensino e filantrópicos no Brasil Projeto Hospitais de Excelência /Ministério

Leia mais

PRÊMIO DE BOAS PRÁTICAS NA GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL REGULAMENTO

PRÊMIO DE BOAS PRÁTICAS NA GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL REGULAMENTO PRÊMIO DE BOAS PRÁTICAS NA GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL REGULAMENTO A Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs), com apoio do: Colegiado Estadual de Gestores Municipais de Assistência

Leia mais

MANIFESTO ABENEFS: Alinhando a formação inicial em Educação Física às necessidades do setor saúde

MANIFESTO ABENEFS: Alinhando a formação inicial em Educação Física às necessidades do setor saúde Associação Brasileira de Ensino da Educação Física para a Saúde MANIFESTO : Alinhando a formação inicial em Educação Física às necessidades do setor saúde INTRODUÇÃ O A Associação Brasileira de Ensino

Leia mais

EDITAL Nº 006/2013 PARA SELEÇÃO DE ALUNOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO / PRÓ- CONSELHO/UFSJ

EDITAL Nº 006/2013 PARA SELEÇÃO DE ALUNOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO / PRÓ- CONSELHO/UFSJ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROGRAMA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS

Leia mais

Gestão da saúde indígena O Modelo Brasileiro de Atenção à Saúde Indígena

Gestão da saúde indígena O Modelo Brasileiro de Atenção à Saúde Indígena Primer Foro Nacional de Salud de los Pueblos Indígenas San José Costa Rica 26, 27 y 28 de octubre de 2005 Gestão da saúde indígena O Modelo Brasileiro de Atenção à Saúde Indígena Edgard Dias Magalhaes

Leia mais

META NACIONAL 12: elevar a taxa bruta de matrícula na educação superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por

META NACIONAL 12: elevar a taxa bruta de matrícula na educação superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por META NACIONAL 12: elevar a taxa bruta de matrícula na educação superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por cento) da população de 18 (dezoito) a 24 (vinte e quatro)

Leia mais

NOTA INFORMATIVA Nº 20/2014 de 07 de novembro de 2014. Assunto: processo de pactuação de vagas 2015-1. Prezados Coordenadores,

NOTA INFORMATIVA Nº 20/2014 de 07 de novembro de 2014. Assunto: processo de pactuação de vagas 2015-1. Prezados Coordenadores, NOTA INFORMATIVA Nº 20/2014 de 07 de novembro de 2014 Assunto: processo de pactuação de vagas 2015-1. Prezados Coordenadores, Nos dias 3 e 4 deste mês participamos de reunião com a coordenação nacional

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Capacitação para o Desenvolvimento Sustentável na Amazônia

Capacitação para o Desenvolvimento Sustentável na Amazônia Programa 0502 Amazônia Sustentável Objetivo Promover o desenvolvimento da Amazônia, mediante o uso sustentável de seus recursos naturais. Indicador(es) Número de Ações 9 Taxa de participação de produtos

Leia mais

EDITAL Nº 09/2014 PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO DESCENTRALIZADO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DO TRABALHO E EDUCAÇÃO NA SAÚDE

EDITAL Nº 09/2014 PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO DESCENTRALIZADO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DO TRABALHO E EDUCAÇÃO NA SAÚDE EDITAL Nº 09/2014 PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO DESCENTRALIZADO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DO TRABALHO E EDUCAÇÃO NA SAÚDE A Secretaria de Estado da Saúde do Rio Grande do Sul (SES/RS) por meio da Escola

Leia mais

Lei 141/2012 - Comentários

Lei 141/2012 - Comentários Lei 141/2012 - Comentários Áquilas Mendes Prof. Dr. Livre-Docente de Economia da Saúde da FSP/USP e do Departamento de Economia da PUC-SP agosto/2012 BREVE CONTEXTO DA LEI 141/2012 CONSIDERAÇÕES GERAIS

Leia mais

Nova Estrutura Organizacional da Anvisa

Nova Estrutura Organizacional da Anvisa Nova Estrutura Organizacional da Anvisa Agenda Histórico Planejamento Estratégico Nova Estrutura Agenda Histórico Planejamento Estratégico Nova Estrutura Organograma antigo da agência Orientação das áreas

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014 Redação do vencido, para o turno suplementar, do Substitutivo do Senado ao Projeto de Lei da Câmara nº 90, de 2013 (nº 757, de 2011, na Casa de origem). A Comissão

Leia mais

Perguntas e Respostas Mais Cultura nas Escolas

Perguntas e Respostas Mais Cultura nas Escolas Perguntas e Respostas Mais Cultura nas Escolas O que é "Mais Cultura nas Escolas"? O PROGRAMA MAIS CULTURA NAS ESCOLAS consiste em iniciativa interministerial firmada entre os Ministérios da Cultura (MINC)

Leia mais

II SEMINÁRIO BRASILEIRO DE EFETIVIDADE DA PROMOÇÃO DA SAÚDE DECLARAÇÃO SOBRE COOPERAÇÃO ENTRE PAÍSES NA EFETIVIDADE DA PROMOÇÃO DA SAÚDE

II SEMINÁRIO BRASILEIRO DE EFETIVIDADE DA PROMOÇÃO DA SAÚDE DECLARAÇÃO SOBRE COOPERAÇÃO ENTRE PAÍSES NA EFETIVIDADE DA PROMOÇÃO DA SAÚDE II SEMINÁRIO BRASILEIRO DE EFETIVIDADE DA PROMOÇÃO DA SAÚDE DECLARAÇÃO SOBRE COOPERAÇÃO ENTRE PAÍSES NA EFETIVIDADE DA PROMOÇÃO DA SAÚDE O II Seminário Brasileiro de Efetividade da Promoção da Saúde (II

Leia mais

3.1 Anexo I: Gestão de Projetos de Investimentos em Saúde em Saúde; 3.2 Anexo II: Vigilância Sanitária.

3.1 Anexo I: Gestão de Projetos de Investimentos em Saúde em Saúde; 3.2 Anexo II: Vigilância Sanitária. Rio de Janeiro, 29 de setembro de 2009 CHAMADA PARA SELEÇÃO DE ALUNOS PARA VAGAS REMANESCENTES DE CURSOS DA EAD/ENSP/FIOCRUZ INSERIDOS NO PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL (UAB/SEED/MEC) A Educação

Leia mais

http://www.conselhoescolar.virtual.ufc.br/index.php/noticia/9-destaque/109-edital-2015-2

http://www.conselhoescolar.virtual.ufc.br/index.php/noticia/9-destaque/109-edital-2015-2 Link para acessar o ambiente e fazer a pré-inscrição: http://www.conselhoescolar.virtual.ufc.br/index.php/noticia/9-destaque/109-edital-2015-2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA

Leia mais

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Abril/2012 Apresentação O Planejamento Estratégico (PLANES) da UNICAMP é um processo acadêmico/administrativo dinâmico cujo objetivo central é de ampliar

Leia mais

Academia da Saúde: um Espaço de Promoção da Saúde no Território

Academia da Saúde: um Espaço de Promoção da Saúde no Território SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICA Academia da Saúde: um Espaço de Promoção da Saúde no Território HÊIDER AURÉLIO PINTO Diretor do Departamento de Atenção Básica/SAS/MS Rio de Janeiro, agosto de

Leia mais

Fomento a Projetos Culturais na Área do Livro e da Leitura

Fomento a Projetos Culturais na Área do Livro e da Leitura Programa 0168 LIVRO ABERTO Objetivo Estimular o hábito da leitura, facilitando o acesso às bibliotecas públicas e propiciar a difusão do conhecimento científico, acadêmico e literário. Indicador(es) Taxa

Leia mais

PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011

PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas,

Leia mais

AGENDA PROPOSITIVA DO CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE

AGENDA PROPOSITIVA DO CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE AGENDA PROPOSITIVA DO CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE Com o objetivo de estimular o debate democrático, o Conselho Nacional de Saúde (CNS) apresenta à sociedade brasileira sua Agenda Propositiva para a Saúde

Leia mais

Rede de Atenção à Saúde

Rede de Atenção à Saúde Rede de Atenção à Saúde Aparecida Linhares Pimenta Secretaria de Saúde de Diadema-SP Vice presidente do CONASEMS (Contribuições de Silvio Fernandes, assessor do CONASEMS) Desde o início da construção do

Leia mais

Atenção: Recomenda-se a leitura atenta de todo o Edital antes de realizar a inscrição.

Atenção: Recomenda-se a leitura atenta de todo o Edital antes de realizar a inscrição. EDITAL DE PRÉ-INSCRIÇÃO DE CANDIDATOS PARA OS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO EM REGULAÇÃO, PRECEPTORIA E GESTÃO DA CLÍNICA- IEP/HSL, MS, CONASS E CONASEMS PARA SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DA SECRETARIA DE

Leia mais

FORMAR PARA FORMAR: PROCESSOS PARTICIPATIVOS PARA FORMAÇÃO EM PNGATI.

FORMAR PARA FORMAR: PROCESSOS PARTICIPATIVOS PARA FORMAÇÃO EM PNGATI. EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE PARTICIPANTES DOS CURSOS BÁSICOS DE FORMAÇÃO EM PNGATI DE RORAIMA, RONDÔNIA, SUL DO AMAZONAS, BIOMA MATA ATLÂNTICA SUL-SUDESTE E NORDESTE, MINAS GERAIS E ESPÍRITO SANTO PARA O CURSO

Leia mais

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR <!ID1282866-0> PORTARIA No- 112, DE 1o- DE AGOSTO DE 2008

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR <!ID1282866-0> PORTARIA No- 112, DE 1o- DE AGOSTO DE 2008 COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR PORTARIA No- 112, DE 1o- DE AGOSTO DE 2008 O PRESIDENTE SUBSTITUTO DA FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL

Leia mais

O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais

O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais Departamento da Rede Socioassistencial Privada do SUAS. Secretaria Nacional de Assistencia Social. DADOS

Leia mais

MEIO AMBIENTE DESENVOLVIMENTO COM SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE DESENVOLVIMENTO COM SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE DESENVOLVIMENTO COM SUSTENTABILIDADE Introdução A capacidade da atuação do Estado Brasileiro na área ambiental baseia-se na ideia de responsabilidades compartilhadas entre União, Estados,

Leia mais

Ministério da Educação COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR. PORTARIA No- 140, DE 1o- DE JULHO DE 2010

Ministério da Educação COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR. PORTARIA No- 140, DE 1o- DE JULHO DE 2010 Diário Oficial Imprensa Nacional. Nº 126 DOU de 05/07/10 p. 5 seção 1 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL BRASÍLIA - DF Ministério da Educação COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR PORTARIA

Leia mais

Contexto. Educação para o mundo do trabalho. Por Mozart Neves Ramos - Todos Pela Educação em 01/03/2013

Contexto. Educação para o mundo do trabalho. Por Mozart Neves Ramos - Todos Pela Educação em 01/03/2013 META NACIONAL 11 - Educação Profissional- Triplicar as matrículas da Educação Profissional Técnica de nível médio, assegurando a qualidade da oferta e pelo menos 50% da expansão no segmento público. Contexto

Leia mais

EIXO I - IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE CULTURA

EIXO I - IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE CULTURA III CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE CULTURA APRESENTAÇÃO DOS 04 (QUATRO) EIXOS A SEREM DISCUTIDOS NA CONFERÊNCIA EIXO I - IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Foco Nacional: Impactos da Emenda Constitucional

Leia mais

NOTA TÉCNICA 55 2011

NOTA TÉCNICA 55 2011 Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com transtornos mentais e com necessidades decorrentes do uso prejudicial de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do SUS. Minuta de portaria: Institui a Rede

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 14.310, DE 30 DE SETEMBRO DE 2013. (publicada no DOE n.º 189, de 1º de outubro de 2013) Institui o Sistema

Leia mais

META NACIONAL 15: garantir, em regime de colaboração entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, no prazo de 1 (um) ano de vigência deste PNE, política nacional de formação dos profissionais

Leia mais

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO DOUTORAL DOCENTE - PRODOUTORAL

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO DOUTORAL DOCENTE - PRODOUTORAL COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO DOUTORAL DOCENTE - PRODOUTORAL Agosto de 2008 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO DOUTORAL DOCENTE PRODOUTORAL

Leia mais

72,0% DA POPULAÇÃO É NEGRA É DE 75,6% ALAVANCADO PELO GRANDE NÚMERO DE PESSOAS QUE SE AUTODECLARAM PARDAS (68,1%) 40,2 MILHÕES 38,0 MILHÕES

72,0% DA POPULAÇÃO É NEGRA É DE 75,6% ALAVANCADO PELO GRANDE NÚMERO DE PESSOAS QUE SE AUTODECLARAM PARDAS (68,1%) 40,2 MILHÕES 38,0 MILHÕES IGUALDADE RACIAL AGENDA IGUALDADE RACIAL O Governo Federal vem promovendo a incorporação da perspectiva da igualdade racial nas políticas governamentais, articulando ministérios e demais órgãos federais,

Leia mais

Plano de Lutas Em Defesa do Trabalho e da Formação e Contra a Precarização do Ensino Superior

Plano de Lutas Em Defesa do Trabalho e da Formação e Contra a Precarização do Ensino Superior Plano de Lutas Em Defesa do Trabalho e da Formação e Contra a Precarização do Ensino Superior 1. Apresentação Em cumprimento à deliberação 1-F do Eixo Formação, aprovada no 37 0 Encontro Nacional CFESS/CRESS,

Leia mais

A atuação do Assistente Social na Atenção Básica Inês Pellizzaro I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas que abrangem múltiplas facetas

Leia mais

PNE: análise crítica das metas

PNE: análise crítica das metas PNE: análise crítica das metas Profa. Dra. Gilda Cardoso de Araujo Universidade Federal do Espírito Santo Ciclo de Palestras do Centro de Educação 2015 Metas do PNE Contexto Foram 1.288 dias de tramitação,

Leia mais

DIRETRIZES DIRETRIZES

DIRETRIZES DIRETRIZES A grande entrada de novos Doutores pelo REUni nas IFES, bem como a capacitação proposta nos âmbitos pré e pós PAPG, deve gerar um aumento significativo na demanda para financiamento de Projetos de Pesquisa.

Leia mais

PPC. Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC METODOLOGIA PARA O ENSINO DE LINGUA PORTUGUESA. Parte 1 (solicitante)

PPC. Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC METODOLOGIA PARA O ENSINO DE LINGUA PORTUGUESA. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ENSINO CENTRO DE REFENCIA EM FORMAÇÃO E APOIO

Leia mais

AÇÕES DA EXTENSÃO PROJETOS 2009 - ENCERRADOS. Programa ESAG Sênior. Coordenador: Mário César Barreto Moraes

AÇÕES DA EXTENSÃO PROJETOS 2009 - ENCERRADOS. Programa ESAG Sênior. Coordenador: Mário César Barreto Moraes AÇÕES DA EXTENSÃO PROJETOS 2009 - ENCERRADOS Programa ESAG Sênior Mário César Barreto Moraes Bolsistas: Vanessa Vidal Riso Danielle Cândido Vecchietti Juliana Oliveira Lima de Souza A busca pro metodologias

Leia mais

VIII CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE REGIMENTO INTERNO. Capítulo I Dos objetivos

VIII CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE REGIMENTO INTERNO. Capítulo I Dos objetivos VIII CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE REGIMENTO INTERNO Capítulo I Dos objetivos Art.1º - A VIII Conferência Municipal de Saúde terá por objetivos: I - Impulsionar, reafirmar e buscar a efetividade dos princípios

Leia mais

(Assessoria de Comunicação Social/MEC) INSTRUMENTO DIAGNÓSTICO PAR MUNICIPAL 2011-2014. (6ª versão maio 2011) Ministério da Educação

(Assessoria de Comunicação Social/MEC) INSTRUMENTO DIAGNÓSTICO PAR MUNICIPAL 2011-2014. (6ª versão maio 2011) Ministério da Educação (Assessoria de Comunicação Social/MEC) INSTRUMENTO DIAGNÓSTICO PAR MUNICIPAL 2011-2014 (6ª versão maio 2011) Ministério da Educação Instrumento Diagnóstico - PAR Municipal 2011-2014 A gestão que prioriza

Leia mais

PROGRAMA DE EXTENSÃO PROEX

PROGRAMA DE EXTENSÃO PROEX PROGRAMA DE EXTENSÃO PROEX INTRODUÇÃO A extensão universitária é, na realidade, uma forma de interação que deve existir permanentemente entre a universidade e os diversos setores da sociedade. Assim, a

Leia mais

:: SEI / MJ - 1098734 - Edital :: http://sei.mj.gov.br/sei/controlador.php?acao=documento_imprimir...

:: SEI / MJ - 1098734 - Edital :: http://sei.mj.gov.br/sei/controlador.php?acao=documento_imprimir... Boletim de Serviço em 17/09/2015 1098734 08004.001091/2015-67 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Esplanada dos Ministérios, Bloco T, Ed. Sede, 3º Andar, Sala 300-A - Bairro Zona Cívico Administrativa, Brasília/DF,

Leia mais

ATO NORMATIVO DA DIREÇÃO SUPERIOR Nº 003/2009 INICIAÇÃO À PESQUISA CIENTÍFICA E PESQUISA INSTITUCIONAL

ATO NORMATIVO DA DIREÇÃO SUPERIOR Nº 003/2009 INICIAÇÃO À PESQUISA CIENTÍFICA E PESQUISA INSTITUCIONAL FACULDADE DE DIREITO DA FUNDAÇÃO ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO Credenciada pela Portaria MEC n. 3.640, de 17/10/2005 DOU de 20/10/2005. CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO Autorizado pela Portaria MEC

Leia mais

DELIBERAÇÃO CES Nº 130 /2015 De, 10 de junho de 2015.

DELIBERAÇÃO CES Nº 130 /2015 De, 10 de junho de 2015. Secretaria Estadual De Saúde Conselho Estadual De Saúde - RJ DELIBERAÇÃO CES Nº 130 /2015 De, 10 de junho de 2015. APROVA O REGIMENTO IN- TERNO DA 7ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO. O

Leia mais

AGENDA DA PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

AGENDA DA PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL AGENDA DA PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Ações do Ministério da Saúde Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição CGAN/ DAB / SAS Ministério da Saúde Encontro com Referências Estaduais de Alimentação

Leia mais

EDITAL N 05/2015 ESPP/SESA/IEP DO HOSPITAL SÍRIO LIBANÊS/MS

EDITAL N 05/2015 ESPP/SESA/IEP DO HOSPITAL SÍRIO LIBANÊS/MS EDITAL N 05/2015 ESPP/SESA/IEP DO HOSPITAL SÍRIO LIBANÊS/MS PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE POLÍTICAS DE SAÚDE INFORMADAS POR EVIDÊNCIAS ESPIE Macrorregião Leste

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR DECRETO Nº 4.059, DE 1º DE OUTUBRO DE 2008 CRIA OS NÚCLEOS DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL NO ÂMBITO DA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DO ESPORTE E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA AUTARQUIA MUNICIPAL DE SAÚDE PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR 2005

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA AUTARQUIA MUNICIPAL DE SAÚDE PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR 2005 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA AUTARQUIA MUNICIPAL DE SAÚDE PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR 2005 LONDRINA PR 2005 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA Nedson Luiz Micheleti - Prefeito AUTARQUIA

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESASTRES CEPED/RS CAPACITAÇÃO

Leia mais

NOTA TÉCNICA 03 2012 REDE DE CUIDADOS À PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ÂMBITO DO SUS

NOTA TÉCNICA 03 2012 REDE DE CUIDADOS À PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ÂMBITO DO SUS NOTA TÉCNICA 03 2012 REDE DE CUIDADOS À PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ÂMBITO DO SUS Atualização da Minuta de portaria para a Assembleia do CONASS em 21/03/2012 1. Contextualização Pessoas com deficiência são

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Campo Grande 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Espanhol Obs.:

Leia mais

MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE TURISMO DEPARTAMENTO DE PRODUTOS E DESTINOS

MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE TURISMO DEPARTAMENTO DE PRODUTOS E DESTINOS MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE TURISMO DEPARTAMENTO DE PRODUTOS E DESTINOS Categorização dos Municípios das Regiões Turísticas do Mapa do Turismo Brasileiro PERGUNTAS E RESPOSTAS

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS: A ESCOLA DE GOVERNANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ: EGPA EM FOCO

GESTÃO DE PESSOAS: A ESCOLA DE GOVERNANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ: EGPA EM FOCO GESTÃO DE PESSOAS: A ESCOLA DE GOVERNANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ: EGPA EM FOCO Vera Ruth de Carvalho Fidalgo Luiz Frederico Franco Pacheco Ruy Martini Santos Filho Rosirayna Maria Rodrigues Remor 2

Leia mais

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES 1 PPA-UFCG PROGRAMA PERMANENTE DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES (MAPAS VIVOS DA UFCG) 2 DIMENSÃO MISSÃO E PDI MAPAS VIVOS DE

Leia mais