Estudo de Mortalidade e Hospitalizações por acidentes com crianças de até 14 anos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo de Mortalidade e Hospitalizações por acidentes com crianças de até 14 anos"

Transcrição

1 Estudo de Mortalidade e Hospitalizações por acidentes com crianças de até 14 anos Iniciativa: Patrocínio:

2 CRIANÇA SEGURA Safe Kids Brasil CRIANÇA SEGURA Safe Kids Brasil A CRIANÇA SEGURA Safe Kids Brasil é uma organização sem fins lucrativos, dedicada à prevenção de acidentes com crianças e adolescentes. Atuante no Brasil desde 2001, a instituição é integrante de uma rede internacional, a Safe Kids Worldwide, que soma mais de 15 países espalhados pelos 5 continentes. Presente nas cidades de São Paulo, Recife e Curitiba, a CRIANÇA SEGURA atua de maneira integrada por meio de programas de prevenção, campanhas de comunicação e articulação com o governo. Mais informações:

3 Panorama dos acidentes no mundo Panorama dos acidentes no mundo 1 milhão de crianças até 14 anos morrem em decorrência de acidentes todos os anos ao redor do mundo. Cerca de 50 milhões ficam com seqüelas permanentes. Mais de 90% destas mortes acontece nos países em desenvolvimento. Nestes países, o acidente é a principal causa de morte de crianças de 1 a 14 anos. O número de mortes de crianças irá crescer dramaticamente em decorrência de mudanças no ambiente e no aumento da exposição ao risco. Fonte: World Health Organization, 2000 Fonte: OMS Organização Mundial da Saúde

4 Estudo de Mortalidade e Hospitalizações por acidentes com crianças de até 14 anos Você está recebendo informações importantes sobre acidentes com crianças no Brasil. Este estudo, coordenado pela ONG CRIANÇA SEGURA, tem como objetivo esclarecer à população sobre a realidade destes acidentes que representam a principal causa de morte de crianças e adolescentes de 1 a 14 anos - gerando alerta e conscientizando que a prevenção é o melhor caminho a ser seguido. Estudo patrocinado por:

5 Estudo de Mortalidade e Hospitalizações por acidentes com crianças de até 14 anos Levando em consideração que os acidentes ocupam lugar de destaque entre as causas que levam à morte e/ou hospitalizações, temos como objetivo, dentro desta perspectiva dos acidentes, conhecer como, quando e de que morrem e são hospitalizados os menores de 15 anos no Brasil. A partir destes dados pretendemos gerar mais subsídios para a continuidade do trabalho da organização, baseado na formulação de políticas públicas, educação, campanhas de comunicação e mobilização da sociedade para a prevenção destes eventos e conseqüente reversão do quadro atual.

6 Estudo de Mortalidade e Hospitalizações por acidentes com crianças de até 14 anos Coordenação: ONG CRIANÇA SEGURA Fontes: IBGE e o Ministério da Saúde, por meio do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM/MS) e do Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH/SUS) Universo estudado: Dados de mortalidade e hospitalizações por acidentes, em todo território Brasileiro, na faixa etária de 0 a 14 anos no período de 2000 a 2005 Pesquisadoras: Dra. Maria Helena de Mello Jorge, da Faculdade de Saúde Pública da USP, Dra. Maria Sumie Koizumi da Escola de Enfermagem da USP e a mestranda Vanessa Luiza Tuono, da Faculdade de Saúde Pública da USP

7 Panorama geral Segundo Censo de 2000 (IBGE, 2002), os menores de 15 anos totalizaram cerca de 50 milhões, correspondendo a aproximadamente 28% do total da população. Fig 1 - População de menores de 15 anos, segundo idade, 2005: Menor de 1 ano 1 a 4 anos 5 a 9 anos 10 a 14 anos Total

8 Mortalidade por todas as causas Fig 2 Mortalidade por todas as causas, 2005: Menor de 1 ano De 1 a 14 anos 1ª Causa 2ª Causa Afecções período perinatal Malformações congênitas Acidentes Doenças respiratórias Os acidentes representam a principal causa de morte de crianças e adolescentes de 1 a 14 anos 3ª Causa Doenças Infecciosas e parasitárias Doenças Infecciosas e parasitárias

9 Mortalidade por causas externas No ano de 2005, crianças morreram vítimas de causas externas, que incluem acidentes e violência. Do total dessas mortes, 79% representaram os acidentes: Fig 3 Mortalidade por causas externas, 2005: Mortalidade por Causas Externas - 0 a 14 anos % 13% 79% Acidentes Violência Ignorados Os números mostram que os acidentes fazem mais vítimas que a violência até 14 anos. Vale reforçar que os acidentes representam a principal causa de morte de crianças de 1 a 14 anos no Brasil.

10 Mortalidade principais destaques Fig 4 Histórico de Mortalidade, fonte Ministério da Saúde: Mortalidade - 0 a 14 anos a

11 Mortalidade principais destaques Fig 5 Mortalidade por causa, em %, 2005: Mortalidade - 0 a 14 anos % 6% 2% 5% 1% 40% trânsito afogamento sufocação queimaduras outras 14% quedas intoxicação armas fogo 26%

12 Mortalidade principais destaques Fig 6 Mortalidade por causa, em números absolutos, 2005: Trânsito Afogamento Sufocação Queimadura Outras Queda Intoxicação Arma de fogo TOTAL Média de 16 mortes por dia

13 Mortalidade principais destaques Fig 7 Mortalidade por gênero 2005: Masculino Feminino Ignorado Total O número de mortes O número de de mortes meninos foi duas de meninos foi vezes duas maior vezes maior comparado ao de comparado ao de meninas. meninas.

14 Mortalidade recorte Trânsito Dentre os acidentes com crianças de até 14 anos, o trânsito é responsável por 40% das mortes, sendo a grande parte atropelamentos. Fig 8 Mortalidade por acidentes de trânsito, 2005: Mortalidade por acidentes de Trânsito - 0 a 14 anos % 6% 48% Pedestre Passageiro Ciclista Outros 24% Nota: Acidentes de trânsito referem-se apenas aos acidentes ocorridos no meio terrestre, excluindo-se os meios aéreos, aquáticos e não especificados.

15 Mortalidade recorte Trânsito Fig 9 Mortalidade por acidentes de trânsito,por idade e tipo, 2005: Idade/tipo Pedestre Passageiro de Veículo Ciclista Outros Total Menor que a 4 anos a 9 anos a 14 anos Total

16 Mortalidade recorte Afogamentos Fig 10 Afogamentos por idade, 2005: Menor que 1 1 a 4 anos 5 a 9 anos 10 a 14 anos Total Fig 11 Afogamentos por tipo, 2005: Mortalidade por afogamento, segundo tipo - 0 a 14 anos Banheira 0,4% Piscina 6,7% NE 44,1% Águas Naturais 41,9% Outros 7,0%

17 Mortalidade recorte Quedas Fig 12 Quedas por idade, 2005: Menor que 1 1 a 4 anos 5 a 9 anos 10 a 14 anos Total Fig 13 Quedas por tipo, 2005: Mortalidade por quedas acidentais, segundo tipo - 0 a 14 anos NE 33,8% Leito 9,3% Escada 4,5% Edifício/Lage 11,6% Árvore 9,3% Outros 31,5%

18 Mortalidade recorte Queimaduras Fig 14 Queimaduras por idade, 2005: Menor que 1 1 a 4 anos 5 a 9 anos 10 a 14 anos Total Fig 15 Queimaduras por tipo, 2005: Mortalidade por queimadura, segundo tipo - 0 a 14 anos Líquidos quentes e outras fontes de calor 4% Fogo Fogo 45% Choque Elétrico Choque Elétrico 51% Líquidos quentes e outras fontes de calor

19 Mortalidade recorte Intoxicações Fig 16 Intoxicações por idade, 2005: Menor que 1 1 a 4 anos 5 a 9 anos 10 a 14 anos Total Fig 17 Intoxicações por tipo, 2005: Mortalidade por Intoxicação, segundo tipo - 0 a 14 anos Plantas e animais venonosos 57% Intoxicação - subst. nocivas 43% Intoxicação - subst. nocivas Plantas e animais venonosos

20 Mortalidade recorte outros acidentes Fig 18 Sufocações e acidentes com armas de fogo por idade, 2005: Idade Sufocações Arma de fogo Menor que 1 1 a a 9 10 a 14 Total Crianças menores de um ano apresentam elevado risco a problema de sufocação acidental na cama, inalação de conteúdo gástrico, inalação/ingestão de alimentos causando obstrução do trato respiratório, entre outros;

21 Mortalidade Ranking de causas Fig 19 Mortalidade por faixa etária x ranking de causas, 2005: Idade 1º Posto 2º Posto 3º Posto 4º Posto 5º Posto 6º Posto < de 1 Sufocação 586 Queda 56 Passageiro de veículo 34 Afogamento 28 Queimadur a com fogo 26 Choque elétrico 20 1 a 4 Afogamento 482 Atropelamento 242 Sufocação 128 Passageiro de veículo 108 Queda 83 Queimadura com fogo 80 5 a 9 Atropelamento 427 Afogamento 385 Passageiro de veículo 158 Queda 75 Sufocação 52 Ciclista e Queimadura com fogo a 14 Afogamento 601 Atropelamento 422 Passageiro de veículo 251 Queda 96 Ciclista 91 Choque elétrico 64

22 Hospitalizações por causas externas No ano de 2005, crianças foram hospitalizadas vítimas de causas externas, que incluem acidentes e violência. Do total dessas mortes, 93% representaram os acidentes: Fig 20 Hospitalizações por causas externas, 2005: Hospitalizações por Causas Externas - 0 a 14 anos % 3% Acidentes Violência Ignorados 93%

23 Hospitalizações principais destaques Fig 21 Histórico de Hospitalizações, fonte Ministério da Saúde: Hospitalizações - 0 a 14 anos a

24 Hospitalizações principais destaques Fig 22 Hospitalizações por causa, em %, 2005: Hospitalizações - 0 a 14 anos % 0% 4% 0% 0% quedas outras transito queimaduras 13% 55% intoxicação sufocação armas de fogo afogamento 16%

25 Hospitalizações principais destaques Fig 23 Hospitalizações por causa, em números absolutos, 2005: Queda Outras Trânsito Queimadura Intoxicação Sufocação Arma de fogo Afogamento TOTAL Média de 380 hospitalizações por dia

26 Hospitalizações principais destaques Fig 24 Hospitalizações por gênero 2005: Masculino Feminino Ignorado Total O número de O número de hospitalizações mortes de de meninos meninos foi duas foi duas vezes maior vezes maior comparado ao comparado de ao de meninas. meninas.

27 Hospitalizações recorte Quedas Fig 25 Quedas por idade, 2005: Menor que 1 1 a 4 anos 5 a 9 anos 10 a 14 anos Total Fig 26 Quedas por tipo, 2005: Hospitalização por quedas, segundo tipo - 0 a 14 anos % mesmo nivel leito / mobília. playground 50% escada / andaime arvore / penhasco 2% 1% janela edifícios / laje não especificado 7% 4% 3%

28 Hospitalizações recorte Trânsito Fig 27 Hospitalizações por acidentes de trânsito,por idade e tipo, 2005: Idade/tipo Pedestre Ciclista Passageiro de Veículo Outros Total Menor que a 4 anos a 9 anos a 14 anos Total

29 Hospitalizações recorte Trânsito Fig 28 Acidentes de trânsito por idade, 2005: Menor que 1 1 a 4 anos 5 a 9 anos 10 a 14 anos Total Fig 29 Acidentes de trânsito por tipo, 2005: Hospitalizações por acidentes de Trânsito - 0 a 14 anos % 16% 53% Pedestre Passageiro Ciclista Outros 12%

30 Hospitalizações recorte Queimadura Fig 30 Queimaduras por idade, 2005: Menor que 1 1 a 4 anos 5 a 9 anos 10 a 14 anos Total Fig 31 Queimaduras por tipo, 2005: Hospitalização por queimaduras, segundo tipo - 0 a 14 anos % fogo 45% líquidos quentes e outras fontes de calor choque elétrico 36%

31 Hospitalizações recorte Intoxicação Fig 32 Intoxicações, 2005: Menor que 1 1 a 4 anos 5 a 9 anos 10 a 14 anos Total Fig 33 Intoxicações por tipo, 2005: Hospitalizações por intoxicações - 0 a 14 anos % 47% Intoxicação - substâncias nocivas Plantas e animais venenosos

32 Hospitalizações recorte Afogamentos Fig 34 Afogamentos por idade, 2005: Menor que 1 1 a 4 anos 5 a 9 anos 10 a 14 anos Total Fig 35 Afogamentos por tipo, 2005: Hospitalizações por afogamentos - 1 a 14 anos % 12% 2% 18% Banho Piscina Águas naturais Outros NE 65%

33 Hospitalizações Ranking de causas, 2005 Fig 36 Mortalidade por faixa etária x ranking de causas, 2005: Hospitalizações 1º Posto 2º Posto 3º Posto 4º Posto 5º Posto 6º Posto < de 1 ano Queda Queimadura com líquidos quentes e outras fontes de calor 469 Choque elétrico 270 Atropelamento 260 Envenenam. medicamentos pesticidas e outros 145 Queimadura com fogo a 4 anos Queda Queimadura com líquidos quentes e outras fontes de calor Atropelamento Choque elétrico Envenenam Queimadura com fogo a 9 anos Queda Atropelamento Choque elétrico Queimadura com líquidos quentes e outras fontes de calor Queimadura com fogo Ciclista a 14 anos Queda Atropelamento Choque elétrico Ciclista Envenenam. por plantas e animais venenosos Passageiro de veículo 991

34 Conclusões importantes - Mortalidade Taxas em leve declínio de 2000 para 2005: 13,2 para 11,6 por cem mil habitantes Masculino: 16,8 para 14,8 por cem mil habitantes Feminino: 9,5 para 8,3 por cem mil habitantes O sexo masculino tem taxas mais altas que o feminino, numa razão aproximada de 1,8:1 Quanto às idades: 0 a 4 anos: 14,3 por cem mil habitantes 5 a 9 anos: 9,5 por cem mil habitantes 10 a 14 anos: 11,1 por cem mil habitantes

35 Conclusões importantes - Hospitalizações Taxas de internação elevadas, mantendo-se estacionadas no tempo. Em 2005 foi de 277,7 internações por cem mil habitantes. Taxas mais elevadas no sexo masculino que no feminino, em uma razão aproximada de 2,1:1 Masculino: 375,2 por cem mil habitantes Feminino: 176,8 por cem mil habitantes Quanto às idades, prepondera as internações da faixa de 5 a 9 anos: 0 a 4 anos: 216,9 por cem mil habitantes 5 a 9 anos: 332,8 por cem mil habitantes 10 a 14 anos: 238,7 por cem mil habitantes À exceção do grupo de 0 a 4 anos, os demais apresentam taxas em elevação.

36 Outras informações apontadas pelo estudo Fig 37 Custo médio (em reais), hospitalizações 2005: Acidente Queimadura: fumaça, fogo e chama *Total R$ 1.145,00 Acidente de trânsito: passageiro de automóvel 888,36 Queimadura: fonte de calor e substâncias quentes 847,27 * As médias destacadas correspondem aos três maiores gastos A informação trabalhada neste item refere-se ao valor médio das internações de menores de 15 anos (segundo idades), medido em reais. Só foram trabalhados os dados de 2005 para impedir que a elevação de preços de procedimentos ou diárias hospitalares verificado no período interfira na análise da informação.

37 Considerações Finais Segundo uma estimativa da RIPSA (Rede Integrada de Informações para a Saúde), os dados aqui apresentados deixam a desejar em alguns aspectos qualitativos, principalmente no que se refere ao detalhamento da causa. São exemplos deste fato óbitos por acidentes, acidentes de trânsito não especificados e quedas não especificadas, casos que evidentemente prejudicam programas de prevenção destes eventos. O mesmo acontece no sentido da não especificação do tipo de acidente responsável pelas lesões que levaram às internações (exemplo, somente acidente de trânsito, não tendo em conta a qualidade da vítima, ou queda, não informando se da escada, janela ou outra). O que é importante, entretanto, é verificar que mesmo existindo em proporções elevadas, os valores estão em declínio, o que mostra que as instituições estão preenchendo melhor os dados e, em última análise, valorizando mais a informação. Os dados de hospitalização derivam do Sistema de Informações Hospitalares do Sistema Único de Saúde e tem como limitação o fato de se referirem exclusivamente às internações pagas pelo SUS, não cobrindo portanto as internações particulares ou pagas por convênios médicos. Estima-se que essa abrangência refira-se, aproximadamente, a cerca de 70% para o Brasil, quando consideradas todas as causas (RIPSA, 2007). Com relação as causas externas, dado o caráter de atendimento de emergência, sempre presente nos acidentes e violências, vários autores afirmam que essa cobertura deva ser maior.

38

CRI R AN A ÇA Ç SEGURA R Safe Kids Bras B il il 2009

CRI R AN A ÇA Ç SEGURA R Safe Kids Bras B il il 2009 CRIANÇA SEGURA Safe Kids Brasil 2009 CRIANÇA SEGURA Organização sem fins lucrativos presente no Brasil desde 2001, com atuação nacional. Missão: Promover a prevenção de acidentes com crianças e adolescentes

Leia mais

CRIANÇA SEGURA Safe Kids Brasil

CRIANÇA SEGURA Safe Kids Brasil CRIANÇA SEGURA Safe Kids Brasil Palestra Criança Segura no Carro II Seminário DENATRAN de Educação e Segurança no Trânsito Brasília, 23 de novembro de 2010. CRIANÇA SEGURA Organização sem fins lucrativos

Leia mais

Vigilância de Violências e Acidentes VIVA (Inquérito) 2006 e 2007 Notas Técnicas. Origem dos dados

Vigilância de Violências e Acidentes VIVA (Inquérito) 2006 e 2007 Notas Técnicas. Origem dos dados Vigilância de Violências e Acidentes VIVA (Inquérito) 2006 e 2007 Notas Técnicas Origem dos dados Descrição das variáveis disponíveis para tabulação Outras formas de obtenção de informações Origem dos

Leia mais

Os trabalhadores da agropecuária desenvolvem

Os trabalhadores da agropecuária desenvolvem FEVEREIRO/ 2012 Edição nº4, ano 2 FEVEREIRO/ 2012 Edição nº4, ano 2 ACIDENTES DE TRABALHO DEVIDO À INTOXICAÇÃO POR AGROTÓXICOS ENTRE TRABALHADORES DA AGROPECUÁRIA 2000-2011 INFORME DO CENTRO COLABORADOR

Leia mais

Região Centro Oeste DISTRITO FEDERAL Total

Região Centro Oeste DISTRITO FEDERAL Total Dimensão Demografia Cidadania Saúde Região Centro Oeste DISTRITO FEDERAL Diferença CADÊ Posição Nacional Estadual 2010 para 2011 Nacional 45.886.531-711.009 - - 19º População Infanto Juvenil por Faixa

Leia mais

Acidentes com Crianças no Brasil e o Comportamento das Mães

Acidentes com Crianças no Brasil e o Comportamento das Mães Acidentes com Crianças no Brasil e o Comportamento das Mães Percepção X Realidade dos Números Iniciativa: Patrocínio: CRIANÇA SEGURA Safe Kids Brasil A CRIANÇA SEGURA Safe Kids Brasil é uma organização

Leia mais

CRIANÇA SEGURA Safe Kids Brasil. II Seminário da Saúde e Primeira Infância 29 de março de 2016 Rio de Janeiro - RJ

CRIANÇA SEGURA Safe Kids Brasil. II Seminário da Saúde e Primeira Infância 29 de março de 2016 Rio de Janeiro - RJ CRIANÇA SEGURA Safe Kids Brasil II Seminário da Saúde e Primeira Infância 29 de março de 2016 Rio de Janeiro - RJ CRIANÇA SEGURA Organização sem fins lucrativos, qualificada como OSCIP, presente no Brasil

Leia mais

ACIDENTES E CAUSAS EXTERNAS MEDIDAS DE PREVENÇÃO

ACIDENTES E CAUSAS EXTERNAS MEDIDAS DE PREVENÇÃO ACIDENTES E CAUSAS EXTERNAS MEDIDAS DE PREVENÇÃO Dr.Vinícius B. Cruz Acidentes A Organização Mundial de Saúde OMS define acidente como um acontecimento independente da vontade humana, desencadeado pela

Leia mais

Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008

Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008 Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008 José Cechin Superintendente Executivo Carina Martins Francine Leite Nos últimos meses, vários relatórios publicados por diferentes instituições

Leia mais

Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo Centro de Controle de Doenças Centro de Vigilância Epidemiológica Dr Marco Antonio de Moraes

Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo Centro de Controle de Doenças Centro de Vigilância Epidemiológica Dr Marco Antonio de Moraes Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo Centro de Controle de Doenças Centro de Vigilância Epidemiológica Dr Marco Antonio de Moraes Diretor Técnico DCNT/CVE/SES SP Secretaria de Estado da Saúde de

Leia mais

COBERTURA DE INVALIDEZ PERMANENTE POR CATEGORIA ACIDENTE

COBERTURA DE INVALIDEZ PERMANENTE POR CATEGORIA ACIDENTE Seguro Coletivo de Pessoas Bradesco Registro do Produto na SUSEP: 15414.005521/2011-20 COBERTURA DE INVALIDEZ PERMANENTE POR CATEGORIA ACIDENTE Cláusulas Complementares CAPÍTULO I - OBJETIVO DA COBERTURA

Leia mais

Redução de Homicídios no Brasil

Redução de Homicídios no Brasil Ministério da Saúde MS Secretaria de Vigilância em Saúde - SVS Redução de Homicídios no Brasil SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 1 METODOLOGIA DE ANÁLISE... 1 RESULTADOS... 2 Homicídios no Brasil... 2 Óbitos por Arma

Leia mais

Acidentes na Infância

Acidentes na Infância Acidentes na Infância Realizado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro ACIDENTES NA INFÂNCIA Os acidentes são a maior causa de morbilidade e mortalidade na infância e a maioria deles é prevenível,

Leia mais

QUEDAS EM CRIANÇAS E JOVENS: UM ESTUDO RETROSPETIVO (2000-2013) Reedição, revista e adaptada Novembro 2014

QUEDAS EM CRIANÇAS E JOVENS: UM ESTUDO RETROSPETIVO (2000-2013) Reedição, revista e adaptada Novembro 2014 PRINCIPAIS RESULTADOS Na Europa todos os anos morrem 1500 crianças e jovens entre os 0 e os 19 anos na sequência de uma queda. Apesar de não ser a maior causa de morte nestas faixas etárias, é uma causa

Leia mais

Uso de Substâncias Psicoativas

Uso de Substâncias Psicoativas Uso de Substâncias Psicoativas X Direção Veicular ALOISIO ANDRADE Psiquiatra e Homeopata XI Jornada Mineira de Medicina de Tráfego Belo Horizonte - MG 18 e 19/07/2014 I-Dados Estatísticos - O Brasil ocupa

Leia mais

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade C.9 Taxa de mortalidade por causas externas O indicador mede o número de óbitos por causas externas (conjunto de acidentes e violências) por 1. habitantes, estimando o risco de morrer por essas causas.

Leia mais

Sumário. Aids: a magnitude do problema. A epidemia no Brasil. Característica do Programa brasileiro de aids

Sumário. Aids: a magnitude do problema. A epidemia no Brasil. Característica do Programa brasileiro de aids Sumário Aids: a magnitude do problema A epidemia no Brasil Característica do Programa brasileiro de aids Resultados de 20 anos de luta contra a epidemia no Brasil Tratamento Prevenção Direitos humanos

Leia mais

Projeto Vida no Trânsito: aplicação em Manaus.

Projeto Vida no Trânsito: aplicação em Manaus. Projeto Vida no Trânsito: aplicação em Manaus. Thalita Renata Oliveira das Neves 1 ; Uarodi Pereira Guedes 2 ; 1 Secretaria Municipal de Saúde de Manaus, Gerência de Promoção à Saúde, Rua Comandante Lasmar,

Leia mais

MATRIZ DOS INDICADORES

MATRIZ DOS INDICADORES MATRIZ DOS INDICADORES 1. DEMOGRAFIA Indicador: População infantojuvenil, de 0 a 19 anos, por sexo e cor/raça, residente nos setores urbano e rural. Definição: apresenta o número total de crianças e adolescentes,

Leia mais

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de Porto Alegre PORTO ALEGRE

Leia mais

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística Área Temática: Emprego e Mercado de Trabalho, Demografia Econômica. 1 - Introdução Este texto

Leia mais

2014 JUNHO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos

2014 JUNHO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos 2014 JUNHO Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários, Operadoras e Planos MINISTÉRIO DA SAÚDE Agência Nacional de Saúde Suplementar Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários,

Leia mais

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre Sumário I. Apresentação do Manual II. A Prevenção de Acidentes com Crianças III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre IV. Como a Educação pode contribuir para a Prevenção de Acidentes no Trânsito V. Dados

Leia mais

1º Encontro do Projeto Vida no Trânsito 2014 Teresina - Piaui

1º Encontro do Projeto Vida no Trânsito 2014 Teresina - Piaui Estado Do Piauí Prefeitura Municipal de Teresina - PMT Fundação Municipal de Saúde - FMS Diretoria de Vigilância em Saúde - DVS Gerência de Vigilância de DANT GEVIDANT 1º Encontro do Projeto Vida no Trânsito

Leia mais

Apoio. Patrocínio Institucional

Apoio. Patrocínio Institucional Patrocínio Institucional Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima de jovens

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina Secretaria da Saúde do Estado de Santa Catarina Diretoria de Planejamento e Coordenação Gerência de Estatística e Informática Setor de Mortalidadade Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Leia mais

ACIDENTES NA ÁREA DA PEDIATRIA

ACIDENTES NA ÁREA DA PEDIATRIA ACTIVIDADE AVALIATIVA 1 ACIDENTES NA ÁREA DA PEDIATRIA Ana Patrícia Silva n.º 1886 Ana Margarida n.º 1885 Bárbara Santos n. º 1993 Carolina Lobo n.º 1867 Cláudia Mendes n.º 1873 Diogo Sousa n.º 1683 Joana

Leia mais

São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO E OS TRABALHADORES Pulverizado, com uma grande concentração de empresas de pequeno porte - mais de 60% dos trabalhadores estão

Leia mais

Lista de Exercícios de Recuperação do 1 Bimestre

Lista de Exercícios de Recuperação do 1 Bimestre Lista de Exercícios de Recuperação do 1 Bimestre Instruções gerais: Resolver os exercícios à caneta e em folha de papel almaço ou monobloco (folha de fichário). Copiar os enunciados das questões. Entregar

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 Rio de Janeiro, 19 / 06 / 2013 1 - Introdução 2 - Objetivos 3 - Coleta dos Dados 4 - Instrumentos de Coleta 5 - Temas abordados 6 - Universo da Pesquisa 7 - Análise

Leia mais

INDICAÇÃO Nº, DE 2013 (Do Sr. Augusto Carvalho)

INDICAÇÃO Nº, DE 2013 (Do Sr. Augusto Carvalho) INDICAÇÃO Nº, DE 2013 (Do Sr. Augusto Carvalho) Sugere ao Ministério da Educação a adoção de providências para criação e implementação, em conjunto com o Ministério da Saúde, do Programa de Prevenção ao

Leia mais

Redução da Morbimortalidade por Acidentes e Violências Diagnóstico do Problema em Santa Catarina

Redução da Morbimortalidade por Acidentes e Violências Diagnóstico do Problema em Santa Catarina Redução da Morbimortalidade por Acidentes e Violências Diagnóstico do Problema em Santa Catarina Heloisa Côrtes Gallotti Peixoto Introdução Os acidentes e violências passaram a figurar, no início da década

Leia mais

Graduada de Ciência Sociais; Rua General Jardim, 522 CEP 01223-010 Vila Buarque São Paulo/SP; (11) 3123-7800 www.fespsp.org.br 4

Graduada de Ciência Sociais; Rua General Jardim, 522 CEP 01223-010 Vila Buarque São Paulo/SP; (11) 3123-7800 www.fespsp.org.br 4 TÍTULO: Ensaio acadêmico de aplicação do método PES - Planejamento Estratégico Situacional, na estratégia de formulação de uma de política de segurança viária AUTORES: Danielle Penha 1 ; Marinalva da Silva

Leia mais

Queda da mortalidade por câncer em crianças as nas capitais de estados do Brasil, 1980-2005

Queda da mortalidade por câncer em crianças as nas capitais de estados do Brasil, 1980-2005 Queda da mortalidade por câncer em crianças as nas capitais de estados do Brasil, 1980-2005 Luiz Augusto Marcondes Fonseca e José Eluf Neto Departamento de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina USP

Leia mais

PREVENÇÃO E ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA LETAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

PREVENÇÃO E ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA LETAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PREVENÇÃO E ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA LETAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Adriana Karina Diesel Chesani 1 Realizou-se, em dezembro de 2010, em Brasília-DF, o Seminário Nacional do Programa de Proteção a Crianças

Leia mais

XXVI Seminário de Extensão Universitária da Região Sul TENDÊNCIA HISTÓRICA DAS VISITAS DOMICILIARES A EGRESSOS DE INTOXICAÇÃO, MARINGÁ-PR, 1992-2004.

XXVI Seminário de Extensão Universitária da Região Sul TENDÊNCIA HISTÓRICA DAS VISITAS DOMICILIARES A EGRESSOS DE INTOXICAÇÃO, MARINGÁ-PR, 1992-2004. TENDÊNCIA HISTÓRICA DAS VISITAS DOMICILIARES A EGRESSOS DE INTOXICAÇÃO, MARINGÁ-PR, 1992-2004. Área temática: Saúde Magda Lúcia Félix de Oliveira (Coordenadora do Projeto) Érika Okuda Tavares¹, Rachel

Leia mais

PREVENÇÃO DE ACIDENTES NA PRIMEIRA INFÂNCIA NO ÂMBITO DOMÉSTICO: UMA PERSPECTIVA DE GÊNERO

PREVENÇÃO DE ACIDENTES NA PRIMEIRA INFÂNCIA NO ÂMBITO DOMÉSTICO: UMA PERSPECTIVA DE GÊNERO PREVENÇÃO DE ACIDENTES NA PRIMEIRA INFÂNCIA NO ÂMBITO DOMÉSTICO: UMA PERSPECTIVA DE GÊNERO Liliane Batista Araújo 1 Kilvia Bezerra Silva 2 Francisca Markilene Nogueira da Cruz 3 RESUMO Na primeira infância,

Leia mais

O envelhecimento populacional brasileiro e a abordagem da mídia em relação a pessoa idosa Moreira, Thais dos Santos*

O envelhecimento populacional brasileiro e a abordagem da mídia em relação a pessoa idosa Moreira, Thais dos Santos* O envelhecimento populacional brasileiro e a abordagem da mídia em relação a pessoa idosa Moreira, Thais dos Santos* Resumo: Este presente artigo tem por finalidade demonstrar de forma sucinta no cenário

Leia mais

CARTILHA DE TRÂNSITO. Dicas para você viver mais e melhor!

CARTILHA DE TRÂNSITO. Dicas para você viver mais e melhor! CARTILHA DE TRÂNSITO Dicas para você viver mais e melhor! Este material foi concebido pela SBOT Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia com o intuito de ser um agente expressivo na prevenção

Leia mais

Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em números 2013

Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em números 2013 ISSN: 2183-0762 Portugal Prevenção e Controlo do Tabagismo em números 2013 Programa Nacional para a Prevenção e Controlo do Tabagismo www.dgs.pt Portugal. Direção-Geral da Saúde. Direção de Serviços de

Leia mais

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar 1. Informações Gerais A partir de setembro de 2008 o cenário econômico mundial e o brasileiro mudaram e com eles se reverteu a tendência

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA ESTADUAL DE DEFESA SOCIAL DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DETRAN/AL

ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA ESTADUAL DE DEFESA SOCIAL DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DETRAN/AL RELATÓRIO COMPARATIVO DE ACIDENTES DE TRÂNSITO DADOS REFERENTES AO DETRAN-AL, POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL (PRF), DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM (DER), BATALHÃO DE POLICIAMENTO RODOVIÁRIO (BPRv) E AO

Leia mais

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 288,39 Urbana 309,57 Rural 167,10

Rendimento Médio Populacional (R$) Total 288,39 Urbana 309,57 Rural 167,10 SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Jacundá DEMOGRAFIA População Total 51.360 População por Gênero Masculino 25.769 Participação % 50,17 Feminino 25.591

Leia mais

EDUCAÇÃO Total de Escolas no Município Ensino Fundamental Ensino Médio Número de Matrículas Educação Infantil Creche 237

EDUCAÇÃO Total de Escolas no Município Ensino Fundamental Ensino Médio Número de Matrículas Educação Infantil Creche 237 SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Água Azul do Norte DEMOGRAFIA População Total 25.057 População por Gênero Masculino 13.618 Participação % 54,35 Feminino

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Ananindeua DEMOGRAFIA População Total 471.

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Ananindeua DEMOGRAFIA População Total 471. SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Ananindeua DEMOGRAFIA População Total 471.980 População por Gênero Masculino 226.635 Participação % 48,02 Feminino 245.345

Leia mais

Acidentes: como preveni-los?

Acidentes: como preveni-los? Acidentes: como preveni-los? Mónica Oliva Ilustrações de António João 31 Janeiro 2009 Oliveira do Hospital 1 Sabia que... Os acidentes são a maior causa de morte, doença a e incapacidade definitiva e temporária

Leia mais

Aluno: Carolina Terra Quirino da Costa Orientador: Irene Rizzini

Aluno: Carolina Terra Quirino da Costa Orientador: Irene Rizzini Primeira infância no Brasil urbano. Análise das políticas públicas voltadas à promoção do direito ao desenvolvimento integral de crianças de 0 a 6 anos 1 Aluno: Carolina Terra Quirino da Costa Orientador:

Leia mais

Estação Elektro Educação para a Segurança. Luciana Alvarez Elektro - Eletricidade e Serviços S.A. luciana.alvarez@elektro.com.br

Estação Elektro Educação para a Segurança. Luciana Alvarez Elektro - Eletricidade e Serviços S.A. luciana.alvarez@elektro.com.br 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Estação Elektro Educação para a Segurança Luciana Alvarez Elektro - Eletricidade e Serviços S.A. luciana.alvarez@elektro.com.br RESUMO Em novembro de 2005,

Leia mais

Apoio. Patrocínio Institucional

Apoio. Patrocínio Institucional Patrocínio Institucional Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima de jovens

Leia mais

Trabalho infantil e adolescente_. Impactos econômicos e os desafios para a inserção de jovens no mercado de trabalho no Cone Sul

Trabalho infantil e adolescente_. Impactos econômicos e os desafios para a inserção de jovens no mercado de trabalho no Cone Sul Trabalho infantil e adolescente_ Impactos econômicos e os desafios para a inserção de jovens no mercado de trabalho no Cone Sul A Convenção n o 182 da OIT de 1973 determina como idade mínima para iniciar

Leia mais

1º Levantamento Nacional sobre Padrões de Consumo de Álcool na População Brasileira

1º Levantamento Nacional sobre Padrões de Consumo de Álcool na População Brasileira 1º Levantamento Nacional sobre Padrões de Consumo de Álcool na População Brasileira Equipe Brasil: Universidade Federal de São Paulo - Ronaldo Laranjeira - Ilana Pinsky - Marcos Zaleski USA: Universidade

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 3ª Ano Tema da aula: Crescimento populacional: tendências e dilemas Objetivo da aula: contextualizar

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santos, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 281,35 km² IDHM 2010 0,840 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 419400 hab. Densidade

Leia mais

MORBIMORTALIDADE POR ACIDENTE DE TRABALHO EM SANTA CATARINA: A EVOLUÇÃO DE 1996 A 2012

MORBIMORTALIDADE POR ACIDENTE DE TRABALHO EM SANTA CATARINA: A EVOLUÇÃO DE 1996 A 2012 č Ï Č ł Ÿ Ï ŸÁČŸˇł ł ş ï ł ÁÏ ı ï Ÿˇł ş ï Ï ï ş ş ÁÏ ï ˆ ï ş ł ČÏ ÙČ ł ş ï ÁÏ ï ĞşČČ ł şïï ČÁÏ XII nº 2/214 MORBIMORTALIDADE POR ACIDENTE DE TRABALHO EM SANTA CATARINA: A EVOLUÇÃO DE 1996 A 212 EDITORIAL

Leia mais

GASTO COM SAÚDE NO BRASIL EM 2007. Gilson Carvalho 1

GASTO COM SAÚDE NO BRASIL EM 2007. Gilson Carvalho 1 GASTO COM SAÚDE NO BRASIL EM 2007 Gilson Carvalho 1 1. INTRODUÇÃO Quanto se gasta com saúde no Brasil? Esta pergunta é constantemente feita nas rodas de saúde e continua sem uma resposta correta. O que

Leia mais

Dia Mundial em Memória das Vidas Perdidas no Trânsito

Dia Mundial em Memória das Vidas Perdidas no Trânsito 15 de novembro Dia Mundial em Memória das Vidas Perdidas no Trânsito Pare! Pense! Siga com mais segurança! 15 de Novembro - Dia Mundial em Memória das Vidas Perdidas no Trânsito Os acidentes de trânsito

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO MEDICINA SOCIAL ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO MEDICINA SOCIAL ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO MEDICINA SOCIAL ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA RENATO MARTINEZ REBELLATO ENFRENTAMENTO DAS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS:

Leia mais

Notas técnicas. Morbidade Hospitalar do SUS por Causas Externas - por local de internação - Brasil

Notas técnicas. Morbidade Hospitalar do SUS por Causas Externas - por local de internação - Brasil Ajuda Morbidade Hospitalar do SUS por Causas Externas - por local de internação - Brasil Internações por Ano competência segundo Grande Grupo Causas Grande Grupo Causas 2000 2001 2002 2003 2004 2005 Total

Leia mais

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version IDENTIFICAÇÃO DE FATORES DE RISCO DE ACIDENTES DOMICILIARES NA INFÂNCIA : O PAPEL DA ENFERMAGEM INTRODUÇÃO E OBJETIVO FERNANDES NETO, José de Anchieta HOLANDA, Eliane Rolim de HOLANDA, Viviane Rolim de

Leia mais

UNIÃO DOS ESCOTEIROS DO BRASIL REGIÃO DO RIO DE JANEIRO 1º RJ/ Grupo Escoteiro João Ribeiro dos Santos

UNIÃO DOS ESCOTEIROS DO BRASIL REGIÃO DO RIO DE JANEIRO 1º RJ/ Grupo Escoteiro João Ribeiro dos Santos Desde 1999, a União dos Escoteiros do Brasil promove anualmente o Mutirão Nacional Escoteiro de Ação Comunitária (MutCom), que visa envolver todos os 60.000 escoteiros (jovens de 7 a 21 anos e adultos

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Areado, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 282,6 km² IDHM 2010 0,727 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 13731 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Violência: Uma epidemia silenciosa

Violência: Uma epidemia silenciosa RODA DE DISCUSSÃO: Violência: Uma epidemia silenciosa Brasília, 06 de agosto de 2008 Nereu Henrique Mansano nereu.mansano@conass.org.br O IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE: O IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE:

Leia mais

CIRANDA DO TRÂNSITO. Alessandra Sant Anna Bianchi 12

CIRANDA DO TRÂNSITO. Alessandra Sant Anna Bianchi 12 CIRANDA DO TRÂNSITO Alessandra Sant Anna Bianchi 12 Leticia Cristina Ferreira Barbosa, Alline Flores e Brito, Talissa Macedo Correia, Bruna dos Santos Rodrigues, Eleine Shivallier Spinelli Freitas, Leticia

Leia mais

IV Jornada de Alimentação Escolar 21/10/2010 Ana Carolina Feldenheimer

IV Jornada de Alimentação Escolar 21/10/2010 Ana Carolina Feldenheimer Perfil nutricional da população brasileira segundo inquéritos populacionais (POF, PNDS e outros) e o SISVAN (Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional) quanto a transição nutricional e excesso de peso

Leia mais

PREVENÇÃO DE ACIDENTES NA INFÂNCIA CAUSAS E SOLUÇÕES

PREVENÇÃO DE ACIDENTES NA INFÂNCIA CAUSAS E SOLUÇÕES PREVENÇÃO DE ACIDENTES NA INFÂNCIA CAUSAS E SOLUÇÕES Introdução As crianças pequenas não têm a capacidade para avaliar o perigo, pelo que qualquer objeto que encontram em casa pode transformar-se num brinquedo

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Botelhos, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 335,24 km² IDHM 2010 0,702 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14920 hab. Densidade

Leia mais

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das Comentários dos resultados As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das despesas das famílias e da distribuição dessas despesas, segundo os diversos itens adquiridos ou pagos, possibilitam

Leia mais

Relacionamento dos médicos associados à SOGESP com os Planos de saúde. Apresentação em Agosto de 2012

Relacionamento dos médicos associados à SOGESP com os Planos de saúde. Apresentação em Agosto de 2012 1 Relacionamento dos médicos associados à SOGESP com os Planos de saúde Apresentação em Agosto de 2012 Índice 2 Objetivo Metodologia Perfil do médico associado Avaliação das operadoras de planos de saúde

Leia mais

Educação, crescimento, equidade Não temos espaço para errar

Educação, crescimento, equidade Não temos espaço para errar Educação, crescimento, equidade Não temos espaço para errar Desafios da Educação O PNE Quantidade Qualidade Equidade Diversidade Inovação Quantidade www.observatoriodopne.org.br 1 - Educação Infantil Universalizar,

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Boa Vista, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2248,35 km² IDHM 2010 0,651 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5247 hab. Densidade

Leia mais

A situação do câncer no Brasil 1

A situação do câncer no Brasil 1 A situação do câncer no Brasil 1 Fisiopatologia do câncer 23 Introdução O câncer é responsável por cerca de 13% de todas as causas de óbito no mundo: mais de 7 milhões de pessoas morrem anualmente da

Leia mais

O panorama do Brasil anterior à Década de Ação pela Segurança Viária 2011-2020.

O panorama do Brasil anterior à Década de Ação pela Segurança Viária 2011-2020. O panorama do Brasil anterior à Década de Ação pela Segurança Viária 2011-2020. Cintia Isabel de Campos¹; Talita Fernanda Feltrin²; Nivaldo Gerôncio da Silva Filho³; Archimedes Azevedo Raia Junior 4. ¹Universidade

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Assunto: O perfil da Extrema Pobreza no Brasil com base nos dados preliminares do universo do Censo 2010. 1. INTRODUÇÃO O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais

82,5% dos brasileiros são atendidos com abastecimento de água tratada

82,5% dos brasileiros são atendidos com abastecimento de água tratada Saneamento no Brasil Definição: Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), saneamento é o controle de todos os fatores do meio físico do homem que exercem ou podem exercer efeitos nocivos sobre o bem

Leia mais

As tendências do Sistema Único de Saúde FGV 2009 1693 A Cidade de Curitiba 1916 2009 316 anos Missão da SMS Planejar e executar a política de saúde para o Município de Curitiba, responsabilizando- se pela

Leia mais

CRIANÇA SEGURA Safe Kids Brasil. A criança no trânsito Ciclo Conversas sobre Mobilidade Urbana Campinas, 23 de agosto de 2012

CRIANÇA SEGURA Safe Kids Brasil. A criança no trânsito Ciclo Conversas sobre Mobilidade Urbana Campinas, 23 de agosto de 2012 CRIANÇA SEGURA Safe Kids Brasil A criança no trânsito Ciclo Conversas sobre Mobilidade Urbana Campinas, 23 de agosto de 2012 CRIANÇA SEGURA Organização sem fins lucrativos, qualificada como OSCIP, presente

Leia mais

MAÍSA PALAORO DE CAMPOS

MAÍSA PALAORO DE CAMPOS UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL MAÍSA PALAORO DE CAMPOS PROJETO DE PESQUISA REDES

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Sorriso, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9382,37 km² IDHM 2010 0,744 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 66521 hab. Densidade

Leia mais

Saúde privada no Brasil

Saúde privada no Brasil Análise 12 Saúde privada no Brasil O futuro chegou e pede reformas Marcio Coriolano Projeções apontam que o Brasil terá 65 milhões de idosos em 2050, o que equivale à população de mais de cinco cidades

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO TURISMO EM ALAGOAS, PARA MAIO DE 2015

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO TURISMO EM ALAGOAS, PARA MAIO DE 2015 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO TURISMO EM ALAGOAS, PARA MAIO DE 2015 Superintendência de Produção da Informação e do Conhecimento (SINC) Diretoria de Estatística e Indicadores A análise do setor de Turismo

Leia mais

Causas de morte 2013

Causas de morte 2013 Causas de morte 2013 26 de maio de 2015 Causas de morte 2013 Os tumores malignos e as doenças do aparelho circulatório estiveram na origem de mais de metade dos óbitos ocorridos no país em 2013, representando

Leia mais

Doador do Futuro - Trabalho com adolescentes de escolas do 1º e 2º graus

Doador do Futuro - Trabalho com adolescentes de escolas do 1º e 2º graus Doador do Futuro - Trabalho com adolescentes de escolas do 1º e 2º graus Autores: Medeiros, Sueli B; Silva, Maria F. P. Hemope Recife - Brasil O desenvolvimento social de um país envolve vários aspectos,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA DEPARTAMENTO DE TRÂNSITO DO ESTADO DO PARÁ UNIDADE CENTRAL DE PLANEJAMENTO RELATÓRIO ESTATÍSTICO DE TRÂNSITO NO ESTADO DO PARÁ E MUNICÍPIO

Leia mais

O QUE MAIS ESTRESSA O CARIOCA? FEVEREIRO

O QUE MAIS ESTRESSA O CARIOCA? FEVEREIRO Enquete Algumas reportagens e matérias dão conta que o Brasil é o segundo país mais estressado do mundo e o trabalho é apontado como uma das principais causas desse mal. Porém, nem só de trabalho vive

Leia mais

Produção de mamografias no SUS do Estado de São Paulo Production of mammographies by SUS from the state of São Paulo

Produção de mamografias no SUS do Estado de São Paulo Production of mammographies by SUS from the state of São Paulo Nesta edição Nº 16 Produção de mamografias no SUS do Estado de São Paulo Production of mammographies by SUS from the state of São Paulo José Dínio Vaz Mendes I ; Mônica Aparecida Marcondes Cecilio II ;

Leia mais

Perfil das pessoas mortas na cidade de São Paulo por policiais em serviço (2002-2011)

Perfil das pessoas mortas na cidade de São Paulo por policiais em serviço (2002-2011) Perfil das pessoas mortas na cidade de São Paulo por policiais em serviço (2002-2011) Sobre o estudo Objetivo: trazer mais elementos para o debate sobre letalidade policial na cidade de São Paulo; dialogar

Leia mais

segurança é coisa séria

segurança é coisa séria segurança é coisa séria Nosso objetivo é conscientizar o consumidor para os riscos do uso do álcool com fins domésticos e, conseqüentemente, combater o uso do produto NÃO USE O ÁLCOOL EM AMBIENTE DOMÉSTICO

Leia mais

REGULAMENTO. Duplas Mistas: Formada por um integrante do sexo masculino e outro do sexo feminino.

REGULAMENTO. Duplas Mistas: Formada por um integrante do sexo masculino e outro do sexo feminino. REGULAMENTO A Prova de Corrida de Rua Meia Maratona SESC de Revezamento tem como objetivo promover a qualidade de vida dos empregados do comércio de bens, serviços e turismo, seus dependentes e da comunidade

Leia mais

Mercado de meios de pagamento eletrônico. ANO II Outubro/2009

Mercado de meios de pagamento eletrônico. ANO II Outubro/2009 Mercado de meios de pagamento eletrônico ANO II Outubro/2009 Objetivo Estudar a utilização dos meios eletrônicos de pagamento e os níveis de satisfação dos consumidores e estabelecimentos comerciais, em

Leia mais

UNEC CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA HNSA HOSPITAL NOSSA SENHORA AUXILIADORA

UNEC CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA HNSA HOSPITAL NOSSA SENHORA AUXILIADORA UNEC CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA HNSA HOSPITAL NOSSA SENHORA AUXILIADORA NORMAS E ROTINAS PARA ACOMPANHANTES E VISITANTES DO HOSPITAL NOSSA SENHORA AUXILIADORA CARATINGA, 16 JANEIRO DE 2015 Objetivo:

Leia mais

Prefeitura Municipal de Bom Despacho Estado de Minas Gerais Secretaria Municipal de Esportes e Lazer

Prefeitura Municipal de Bom Despacho Estado de Minas Gerais Secretaria Municipal de Esportes e Lazer REGULAMENTO OFICIAL RESUMO 3ª MEIA MARATONA RÚSTICA JOÃO JILÓ Data: 20 de março de 2016 Inscrições: 25 de janeiro até a data da prova Valor da inscrição: 25/01 à 01/03 R$30,00 para categoria LOCAL (10

Leia mais

Cenário Epidemiológico do Estado de Alagoas

Cenário Epidemiológico do Estado de Alagoas Cenário Epidemiológico do Estado de Alagoas Situação epidemiológica da AIDS em Alagoas 1 Registro de caso Total de casos Nº de óbitos Até 06.2010 1986 3842 949 (fonte MS/SVS/Departamento de DST/Aids e

Leia mais

REGULAMENTO. Leia atentamente o regulamento do Acampamento de Verão 2016.

REGULAMENTO. Leia atentamente o regulamento do Acampamento de Verão 2016. REGULAMENTO Leia atentamente o regulamento do Acampamento de Verão 2016. 1. Do local 1.1 O Acampamento de Verão 2016 acontecerá na Chácara Verde Vida, na BR116, km 151, na cidade de Mandirituba. 2. Do

Leia mais

Regulamento da 1ª MEIA MARATONA INTERNACIONAL LIVRAMENTO/RIVERA

Regulamento da 1ª MEIA MARATONA INTERNACIONAL LIVRAMENTO/RIVERA Regulamento da 1ª MEIA MARATONA INTERNACIONAL LIVRAMENTO/RIVERA A Prova Pedestre 1ª MEIA MARATONA INTERNACIONAL DE LIVRAMENTO/RIVERA, agora em diante denominada apenas EVENTO, será realizada no dia 10

Leia mais

Projeto de Capacitação de Crianças e Adolescentes sobre Socorrismo, prevenção de acidentes, Defesa Civil e Cidadania

Projeto de Capacitação de Crianças e Adolescentes sobre Socorrismo, prevenção de acidentes, Defesa Civil e Cidadania R e s g a t e M i r i m Comunitário Projeto de Capacitação de Crianças e Adolescentes sobre Socorrismo, prevenção de acidentes, Defesa Civil e Cidadania 1 B E L O H O R I Z O N T E, S A N T A L U Z I A

Leia mais

II SEMINÁRIO SOBRE COMPLEXO INDUSTRIAL DA SAÚDE

II SEMINÁRIO SOBRE COMPLEXO INDUSTRIAL DA SAÚDE II SEMINÁRIO SOBRE COMPLEXO INDUSTRIAL DA SAÚDE ASSISTÊNCIA OBSTETRÍCA: ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL E AO PARTO ULTRA-SONOGRAFIA E O MONITORAMENTO DO PARTO JACOB ARKADER EXPECTATIVA DE VIDA Mulheres 71,97 64,33

Leia mais