Interferentes: Transfusão recente com sangue incompatível, crioaglutininas, anemias hemolíticas com Coombs direto positivo.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Interferentes: Transfusão recente com sangue incompatível, crioaglutininas, anemias hemolíticas com Coombs direto positivo."

Transcrição

1 NOME DO EXAME: ABO-FATOR Rh Página 1 Código: ABORH, ABO Sinonímia: Sorotipagem, ABO-Rh, grupo sanguíneo, tipagem sanguínea. Amostra Biológica: Sangue com anticoagulante EDTA. Volume mínimo: 2,0 ml. Estabilidade e conservação: 15 dias entre 2 e 8 ºC Preparo do Cliente: Jejum não obrigatório Método: Hemaglutinação com soro específico. Materiais de coleta: Tubo com anticoagulante EDTA Interferentes: Transfusão recente com sangue incompatível, crioaglutininas, anemias hemolíticas com Coombs direto positivo. Valores de referência: Não aplicável Interpretação e Comentários: Exame útil para a determinação do tipo sanguineo antes de transfusão, perfil pré-natal para aconselhamento, preparo pré-operatório, na suspeita de incompatibilidade materno-fetal e na seleção de gestantes para imunoterapia anti-d (prevenção de sensibilização quando o feto é D positivo). Exames relacionados: Teste de Coombs.

2 NOME DO EXAME: ÁCIDO LÁTICO Página 2 Código: LAC Sinonímia: Lactato ou ácido lático. Amostra Biológica: plasma venoso ou arteial colhito com fluoreto. Volume mínimo: 1 ml. Estabilidade e conservação: Amostra estável 3 dias entre 2 e 8 ºC e 6 meses a 10 ºC negativos. Preparo do Cliente: O paciente deve estar em repouso. Método: enzimático colorimétrico. Materiais de Coleta: tubo fluoretado. Interferentes: Ácido ascórbico mesmo em baixas concentrações induz a resultados falsamente diminuídos. Hemoglobina em baixa concentração (hemólise discreta) não interfere. Bilirrubina até 10 mg/dl também não interfere. Valores de referência: Plasma arterial: 3,0 a 7,0 mg/dl Plasma venoso: 5,7 a 22,0 mg/dl Interpretação Clínica: Em medicina esportiva, entre atletas expostos a um mesmo exercíciopadrão, pode avaliar os resultados de melhor preparo físico através da comparação de seus delta ácido lático ou delta lactato: Delta= lactato após o exrecício menos lactato em repouso. Exames relacionados: gasometria arterial e venosa.

3 NOME DO EXAME: ÁCIDO ÚRICO Página 3 Código: URICO Sinonímia: Uricemia. Amostra Biológica: Soro. Volume mínimo: 0,5 ml. Estabilidade e conservação: Amostra estável 3 dias entre 2 e 8 ºC e 6 meses a 10 ºC negativos. Preparo do Cliente: Jejum de 8 horas. Método: Enzimático Trinder Materiais de Coleta: Tubo sem aditivo ou com gel separador Interferentes: Vários diuréticos, álcool, salicilatos em pequenas doses e anti-neoplásicos aumentam os níveis do ácido úrico in vivo. A presença de ácido ascórbico produz resultados falsamente diminuídos Valores de referência: Homens: 2,5 a 7,0 mg/dl Mulheres: 1,5 a 6,0 mg/dl Interpretação Clínica: A determinação do ácido úrico é útil no diagnóstico das hiperuricemias, como as encontradas na gota, calculose, nefropatia úricas, insuficiência renal, em neoplasias, leucemias, linfomas, mieloma, policitemia, toxemia da gravidez, psoríase, glicogenose tipo 1. Associa-se com hiperlipidemia, obesidade, diabetes, ingestão de álcool, acromegalia, sarcoidose e hipertensão. Encontra-se diminuído em situações como: síndrome de Fanconi, doença de Wilson, secreção inapropriada de hormônio antidiurético; diminui ainda sob efeito de drogas como alopurinol, aspirina em altas doses, contrastes radiológicos, altas doses de vitamina C. Exames relacionados: Ácido úrico urinário, provas de atividade reumática, pesquisa de fator reumatóide.

4 NOME DO EXAME: ÁCIDO ÚRICO NA URINA DE 24 HORAS Página 4 Código: URICU Sinonímia: Uricosúria. Amostra Biológica: Urina de 24 horas. Volume mínimo: 5,0 ml. Estabilidade e conservação: Amostra estável 3 dias entre 2 e 8 ºC e 6 meses a 10 ºC negativos. Preparo do paciente: A coleta de urina segue as orientações abaixo: Desprezar a primeira urina da manhã e marcar o horário. Colher todas as urinas por um período de 24 horas. Encerrar a coleta no dia seguinte exatamente no mesmo horário do dia anterior. Durante o período da coleta, os frascos devem ser mantidos em geladeira. Método: Enzimático Trinder Materiais de Coleta: Coletores plásticos de 500 a 1000 ml fornecidos conforme diurese do cliente. Interferentes: Vários diuréticos, álcool, salicilatos em pequenas doses e anti-neoplásicos aumentam os níveis do ácido úrico in vivo. Presença de ácido ascórbico produz resultados falsamente diminuídos Valores de referência: 250 a 750 mg/24h Interpretação e Comentários: O teste é útil no diagnóstico das hiperuricosúrias, encontrando sua indicação principal para a verificação de clientes com tendências a calculoses. Hiperuricosúria ocorre, isolada ou associada a outros distúrbios metabólicos, em aproximadamente 15 % destes Clientes. Dietas ricas em purinas causam aumento na uricosúria, mas nem sempre é acompanhada de hiperuricemia. Exames relacionados: Ácido úrico sérico.

5 NOME DO EXAME: ALBUMINA Página 5 Código: ALBUM Sinonímia: Albuminemia. Amostra Biológica: Soro. Volume mínimo: 0,5 ml. Estabilidade e conservação: Amostra estável 3 dias entre 2 e 8 ºC e 6 meses a 10 ºC negativos. Preparo do Cliente: Jejum de 8 horas. Método: Colorimétrico Verde de Bromocresol. Materiais de Coleta: Tubo sem aditivo ou com gel separador Interferentes: Lipemia, hemólise, hiperbilirrubinemia. Valores de referência: 3,5 a 5,5 g/l Interpretação e Comentários: O teste é útil na avaliação diagnostica das hipoproteinemias, quer por defeito de síntese protéica (hepatopatias, desnutrição), quer por perda protéica (síndrome nefrótica, enteropatia com perda protéica). Exames relacionados: Proteínas e Eletroforese de proteínas.

6 NOME DO EXAME: ALBUMINA URINÁRIA Página 6 Código: ALBU Sinonímia: Urina de 24 horas Amostra Biológica: Uirna Volume mínimo: alíquota de 10 ml. Estabilidade e conservação: Manter refrigerada. Preparo do Cliente: coleta de urina de 24 horas Método: Colorimétrico Verde de Bromocresol. Materiais de Coleta: frasco de 2 litros Interferentes: hemoglobinúria ou hematúria. Valores de referência: 50 a 150 mg/24 horas Interpretação e Comentários: Exames relacionados: Proteínas urinárias, proteínas séricas e eletroforese de proteínas.

7 NOME DO EXAME: ALFA-GLICOPROTEÍNA ÁCIDA Página 7 Código: ALFA Sinonímia: mucoproteínas, orosomucoídes, seromucoídes. Amostra Biológica: Soro. Volume mínimo: 0,5 ml. Estabilidade e conservação: 7 dias entre 2 e 8 ºC Preparo do Cliente: Jejum Método: Turbidimétrico Materiais de coleta: Tubo sem aditivo ou com gel separador Interferentes: lipemia e hemólise. Valores de referência: 47 a 125 mg/dl Interpretação e Comentários: Exame útil na vigência de processos infeccciosos e/ou inflamatórios. É um dos melhores indicadores de atividade inflamatória. Diminui na desnutrição, em hepatopatias severas, enteropatias, e na gravidez. Exames relacionados: mucoproteínas, PCR, alfa 1 anti-tripsina, haptoglobina.

8 NOME DO EXAME: AMILASE Página 8 Código: AMILA Sinonímia: Amilasemia Amostra Biológica: Soro Volume mínimo: 0,5 ml de soro Estabilidade e conservação: Estável por 6 horas entre 15 e 25 ºC e vários meses entre 2 e 8 ºC. Preparo do Cliente: Jejum de 4 horas para a dosagem no soro. Método: Colorimétrico Materiais de Coleta: Tubo sem aditivo ou com gel separador Interferentes: Anovulatórios e diuréticos podem aumentar os níveis da substância, in vivo. Contaminação das amostras com saliva resulta em níveis elevados. Valores referência: 60 a 160 U/l Interpretação e Comentários: A determinação no soro é útil no diagnóstico de pancreatites e parotidites. Aumentos são vistos também em infarto ou perfuração intestinal, peritonite, gravidez ectópica, apendicite, doenças de vias biliares, cetoacidose diabética, alguns tumores pulmonares ou ovarianos, traumas e queimaduras. Na insuficiência renal há aumentos, mas raramente chegando a níveis 3 vezes superiores ao normal. Valores elevados no líquido ascítico ocorrem em pancreatites e perfurações intestinais, no líquido pleural, aumenta em perfurações do esôfago ou na pancreatite com formação de fístula. Nos líquidos cavitários o valor deve ser superior ao normal pelo menos 3 vezes para atingir valor diagnóstico. Exames relacionados: TGO, TGP, Fosfatase Alcalina, Bilirrubinas, Gama GT.

9 NOME DO EXAME: ANTIBIOGRAMA Página 9 Código: ANTIB. Sinonímia: Sensibilidade a antibióticos, teste de Kirby-Bauer, prova de sensibilidade, sensibilidade a antimicrobianos. Amostra Biológica: Cultura positiva ou germe isolado. Volume Mínimo: Não aplicável Estabilidade e conservação: Manter a cepa em condições de temperatura e ambiente de acordo com as características do germe isolado. Preparo do Cliente: Não Aplicável Método: Disco difusão de Kirby-Bauer. Materiais de coleta: Não aplicável Interferentes: Uso de Antibióticos Valores de referência: O resultado do antibiograma é expresso como sensível (S), resistente (R) ou moderadamente sensível (P) ao antibiótico testado, de acordo com tabela internacional de referência. Tais critérios guardam relação com os níveis habitualmente atingíveis no plasma. Interpretação e Comentários: O teste é útil no tratamento das infecções bacterianas, onde o antibiograma pode orientar quais os antibióticos a que a bactéria é sensível ou resistente. Não é realizado se a bactéria for considerada não patogênica (ex. Staphylococcus coagulase negativa em materiais como secreção uretral, ou bacilos difteróides em secreção vaginal). Exames relacionados: Cultura de diversos materiais.

10 NOME DO EXAME: ANTIESTREPTOLISINA O Página 10 Código: ASLO Sinonímia: ASLO, sorologia para estreptococcias. Amostra Biológica: Soro. Volume mínimo: 0,5 ml. Estabilidade e conservação: Amostra estável 3 dias entre 2 e 8 ºC e 6 meses a 10 ºC negativos. Preparo do Cliente: Jejum de 6 horas. Em crianças abaixo de 2 anos recomenda-se a coleta antes da próxima alimentação. Método: Aglutinação em látex. Materiais de Coleta: Tubo sem aditivo ou com gel separador Interferentes: Hemólise ou lipemia excessivas. Valores de referência: Até 200UI/ml Interpretação e Comentários: É utilizado para o diagnóstico de estreptococcias por estreptococcos beta hemolítico do grupo A. Exames Relacionados: Provas de Atividade reumática, Alfa1 glicoproteína, PCR, VHS.

11 Página 11 NOME DO EXAME: AUTOVACINA Código: AUTO Sinonímia: Vacina Antígena Amostra Biológica: Secreção de orofaringe, de furúnculo, de amígdalas ou qualquer outro material. Volume mínimo: Não aplicável Estabilidade e conservação: Conservação é feita em geladeira entre 2 e 8 o C. Preparo do Cliente: Não aplicável. Método: Diluição e esterilização pelo calor do(s) microrganismo(s) isolado(s) do próprio paciente. Materiais de coleta: Placas para cultura Interferentes: Antibióticos. Valores de referência: Não aplicável. Interpretação Clínica: Utilizada no tratamento complementar de determinadas infeções bacterianas de caráter crônico ou recidiante como faringites e amidalites, furunculose, sinusites e outras, e também como tratamento auxiliar em processos alérgicos associados, tais como renite, bronquite, etc. Exames relacionados: Cultura, antibiograma.

12 Página 12 NOME DO EXAME: BACTERIOSCOPIA EM GERAL Código: BACTE Sinonímia: Gram. Amostra Biológica: Qualquer Amostra Biológica ou materiais correlatos. Volume mínimo: Não aplicável Estabilidade e conservação: Os esfregaços preparados em duas (2) ou três (3) lâminas, com a amostra biológica coletada podem ser conservadas, após fixação pelo calor, sem coloração, por prazo indeterminado. Preparo do Cliente: Evitar interferentes locais, como pomadas, mercúrio cromo, iodo e outros, evitar o uso de antibióticos nos 3 dias que antecedem o exame. Método: Microscopia após coloração pelo método de Gram. Materiais de Coleta: Swab, lâmina com extremidade fosca, alça de platina, espátula de Ayres. Para líquidos biológicos, utilizar frasco estéril. Interferentes: Uso de pomadas, Iodo, Mercúrio e outros de maneira tópica. Valores de referência: Não Aplicável Interpretação e Comentários: O exame bacterioscópico através da coloração pelo Gram permite a observar a presença de bactérias e seus tipos morfológicos, bem como de fungos, leucócitos e outros elementos celulares. Exames relacionados: Cultura, antibiograma.

13 NOME DO EXAME: BETA HCG Página 13 Código: PACK Sinonímia: HCG, Teste de gravidez no sangue. Amostra Biológica: Soro Volume mínimo: 0,5 ml. Estabilidade e conservação: 7 dias entre 2 e 8 ºC e 2 meses a 20 ºC negativos. Preparo do Cliente: Jejum de 4 horas. Método: Imunocromatografia Materiais de coleta: Tubo sem aditivo ou com gel separador Interferentes: Não aplicável Valores de referência: Negativo Interpretação e Comentários: Exame útil no diagnóstico precoce da gravidez. Não tem valor na avaliação de tempo gestacional. Exames relacionados: Não aplicável

14 Página 14 NOME DO EXAME: BILIRRUBINAS TOTAIS E FRAÇÕES (Bilirrubina Total, Direta e Indireta) Código: BILI Sinonímia: Bilirrubinemia. Amostra Biológica: Soro protegido da luz. Volume mínimo: Adultos: 1,0 ml. Recém-nascidos: 0,3 ml Estabilidade e conservação: Colher sangue, separar o soro e proteger da luz se o exame não for realizado imediatamente. Amostra protegida da luz é estável 3 dias entre 2 e 8 ºC e 6 meses a 10 ºC negativos. Preparo do Cliente: Jejum de 3 horas. Recém-nascido: antes da próxima mamada Método: Sims Horn Materiais de Coleta: Tubo sem aditivo ou com gel separador, e após a coleta deve ser protegido da luz. Interferentes: Lipemia, intensa hemólise e Luz. Valores de referência: Bilirrubina Total: Bilirrubina Direta: Bilirrubina Indireta: até 1,2 mg/dl até 0,4 mg/dl até 0,8 mg/dl Interpretação e Comentários: A determinação é útil na avaliação de hepatopatias e de quadros hemolíticos. Também é utilizada na avaliação da icterícia do recém-nascido. Exames Relacionados: TGO, TGP, Gama GT, Fosfatase Alcalina.

15 NOME DO EXAME: CÁLCIO IÔNICO Página 15 Código: CAIO, CALIO. Sinonímia: Calcemia ou cácio ionizável. Amostra Biológica: Soro. Volume mínimo: 0,5 ml. Estabilidade e conservação: Amostra 24 horas entre 2 o C e 8 ºC e 7 dias a 10 ºC negativos. Preparo do Cliente: Jejum de 4 horas. Método: cálculos Materiais de Coleta: Tubo sem aditivo ou com gel separador. Interferentes: Uso crônico de diuréticos, uso de vitamina D, e antiácidos podem aumentar a calcemia; corticosteróides, uso agudo de diuréticos, insulina, podem diminuí-ia. Valores de referênicia: 4,6 a 5,4 mg/dl Interpretação e Comentários: Exame útil no diagnóstico e seguimento de distúrbios do metabolismo de cálcio e fósforo, incluindo doenças ósseas, nefrológicas e neoplásicas com repercussões no seu metabolismo. Valores elevados são encontrados no hiperparatiroidismo primário e terciário, em neoplasias com envolvimento ósseo, em particular tumores de mama, pulmões e rins e mieloma múltiplo. Certos tumores podem provocar hipercalcemia sem envolvimento ósseo. Sarcoidose e alguns linfomas induzem hipercalcemia. Esta pode ainda ser vista na tirotoxicose, acromegalia, intoxicação por vitamina D, excesso de antiácidos e na fase diurética de necrose tubular aguda. Valores diminuídos são encontrados no hipoparatiroidismo primário e/ou pós-cirúrgico, no pseudohipoparatiroidismo em déficit da vitamina D, insuficiência renal crônica pancreatite aguda, hipofunção hipofisária, acidose crônica e hipoalbuminemia. Exames relacionados: Fósforo sérico, PTH, creatinina, proteínas séricas.

16 NOME DO EXAME: CÁLCIO NA URINA DE 24 HORAS Página 16 Código: CA24H Sinonímia: Calciúria. Amostra Biológica: Urina de 24 horas. Volume mínimo: 10 ml Estabilidade e conservação: Urina colhida com conservante ácido (HCl a 50%, 20 ml por litro de urina). Amostra estável 7 dias entre 2 e 8 ºC e 6 meses a 10 ºC negativos. Preparo do Cliente: Na rotina o Cliente segue sua dieta normal. A critério do médico assistente o Cliente pode ser orientado para ingerir dieta pobre em cálcio. A coleta de urina segue as orientações abaixo: Desprezar a primeira urina da manhã e marcar o horário. Colher todas as urinas por um período de 24 horas. Encerrar a coleta no dia seguinte exatamente no mesmo horário do dia anterior. Durante o período da coleta, os frascos devem ser mantidos a temperatura ambiente. Atenção, manipular os frascos contendo ácido com muito cuidado, guardar longe do alcance de crianças. Em caso de acidente, lavar o local com água abundante. Método: cinético Materiais de Coleta: Garrafas com capacidade entre 500 e 1000 ml contendo 5 ml de HCl a 50%. Interferentes: A calciúria pode aumentar, por efeito in vivo, com o uso de acetazolamida, cloreto de amônio, corticosteróides, vitamina D e diuréticos (efeito inicial). Diminui com o uso crônico de diuréticos, bicarbonato, estrógenos, lítio, anovulatórios. Valores de referência: 60 a 200 mg/24 horas Interpretação e Comentários: A determinação é útil, sobretudo na avaliação de cálculo renal e eventualmente no seguimento de portadores de hiperparatiroidismo, lesões ósseas metastáticas, mieloma, intoxicação por vitamina D, acidose tubular renal, tirotoxicose e outros distúrbios associados. Exames relacionados: Cálcio e fósforo séricos fosfatase alcalina, uricosúria de 24 horas.

17 Página 17 NOME DO EXAME: CÁLCIO TOTAL Código: CA Sinonímia: Calcemia. Amostra Biológica: Soro. Volume mínimo: 0,5 ml. Estabilidade e conservação: Amostra 1 dia 2 e 8 ºC e 7 dias a 10 ºC negativos. Preparo do Cliente: Jejum de 4 horas. Método: Arsenazo Materiais de coleta: Tubo sem aditivo ou com gel separador. Interferentes: Uso crônico de diuréticos, uso de vitamina D, e antiácidos podem aumentar a calcemia; corticosteróides, uso agudo de diuréticos, insulina, podem diminuí-ia. Valores de referência: de 8,0 a 11,0 mg/dl Interpretação e Comentários: Exame útil no diagnóstico e seguimento de distúrbios do metabolismo de cálcio e fósforo, incluindo doenças ósseas, nefrológicas e neoplásicas com repercussões no seu metabolismo. Valores elevados são encontrados no hiperparatiroidismo primário e terciário, em neoplasias com envolvimento ósseo, em particular tumores de mama, pulmões e rins e mieloma múltiplo. Certos tumores podem provocar hipercalcemia sem envolvimento ósseo. Sarcoidose e alguns linfomas induzem hipercalcemia. Esta pode ainda ser vista na tirotoxicose, acromegalia, intoxicação por vitamina D, excesso de antiácidos e na fase diurética de necrose tubular aguda. Valores diminuídos são encontrados no hipoparatiroidismo primário e/ou pós-cirúrgico, no pseudohipoparatiroidismo em déficit da vitamina D, insuficiência renal crônica pancreatite aguda, hipofunção hipofisária, acidose crônica e hipoalbuminemia. Exames relacionados: Fósforo sérico, PTH, creatinina, proteínas séricas.

18 Página 18 NOME DO EXAME: CAPACIDADE DE LIGAÇÃO DO FERRO Código: CAPFE Sinonímia: TIBC, Saturação da transferrina, CFF. Amostra Biológica: Soro. Volume mínimo: 0,5 ml. Estabilidade e conservação: 4 dias entre 15 e 25 ºC e 6 dias entre 2 e 8 ºC.. Preparo do Cliente: Jejum de 4 horas. Preferencialmente realizar a coleta pela manhã. Método: Goodwin modificado Materiais de coleta: Tubo sem aditivo ou com gel separador. Interferentes: Hemólise Valores de referência: Capacidade latente de ligação de ferro a 180 ug/dl Capacidade total de ligação de ferro a 410 ug/dl Índice de saturação de Transferrina - 20 a 50% Interpretação e Comentários: Siderofilina, ou tranferrina é a proteína plasmática responsável pelo transporte do ferro. Sua determinação é útil na investigação das anemias microcíticas e da hemocromatose. Na hemacromatose, o seu grau de saturação com ferro está acima do normal, ao contrário dos estados de carência de ferro onde se encontra diminuída. Exames relacionados: Hemograma, ferro sérico, Transferrina, Ferritina.

19 Página 19 NOME DO EXAME: CÉLULAS LE Código: LE. Sinonímia: Células do Lúpus eritromatoso ou fenômeno LE Amostra Biológica: Soro. Volume mínimo: 1,0 ml. Estabilidade e conservação: 7 dias entre 2 e 8 e 3 meses a 10 ºC negativos. Preparo do Cliente: Jejum de 4 horas. Método: Direto. Valores de referência: Negativo Interferentes: Não aplicável. Materiais de coleta: Tubo sem aditivo ou com gel separador. Interpretação e Comentários: Está presente em doenças auto-imunes e no Lúpus eritromatoso sistêemico. Exames relacionados: Hemograma

20 NOME DO EXAME: CHAGAS Página 20 Código: CHAGA, TRIPA. Sinonímia: Machado Guerreiro, pesquisa de anticorpos anti-tripanossoma cruzi, sorologia para tripanossomíase. Amostra Biológica: Soro. Volume mínimo: 1,0 ml. Estabilidade e conservação: 7 dias entre 2 e 8 e 3 meses a 10 ºC negativos. Preparo do Cliente: Jejum de 4 horas. Método: Hemaglutinação. Valores de referência: Não Reagente Materiais de Coleta: Tubo sem aditivo ou com gel separador Interferentes: Amostras de soros, recentemente colhidas, contêm muitas aglutininas naturais contra uma grande variedade de epítopos antigênicos, que podem permanecer ativas quando da diluição das amostras com 2 mercaptoetanol e utilização imediata. Placas com cargas eletrostáticas. Evita-se as colocando sobre papel ou pano úmido Materiais de coleta: Tubo sem aditivo ou com gel separador. Interpretação e Comentários: Teste útil no diagnóstico da infecção pelo Tripanossoma cruzi, que pode corresponder à doença de chagas ou a quadros de infecção latente, sem qualquer expressão clínica. Reações falsas positivas ocorrem com freqüência em clientes com leishmanioses. Exames relacionados: Hemograma

21 NOME DO EXAME: CITOLOGIA DE SECREÇÃO CONJUNTIVAL Página 21 Código: CTOLO Sinonímia: Citograma ou Citologia de secreção conjuntival e Pesquisa de Eosinófilos Amostra Biológica: Raspado da Mucosa ocular Volume Mínimo: Não aplicável. Estabilidade e conservação: Não aplicável. Preparo do Cliente: Não usar medicação tópica nas 24 horas que antecedem o exame. Método: Estudo citológico após coloração pelo Método Leishman. Materiais de coleta: Swab, lâminas. Interferentes: Medicação tópica. Valores de referência: Não aplicável Interpretação Clínica: Exame utilizado para caracterizar processos alérgicos, inflamações ou infecçãoes da área ocular. Exames relacionados: Rasts específicos.

22 NOME DO EXAME: CITOGRAMA NASAL Página 22 Código: CITOG, CINAS Sinonímia: Citograma ou Citologia Nasal e Pesquisa de Eosinófilos Amostra Biológica: Raspado da Mucosa Nasal Volume Mínimo: Não aplicável. Estabilidade e conservação: Não aplicável. Preparo do Cliente: Não usar medicação tópica nas 24 horas que antecedem o exame. Método: Estudo citológico após coloração pelo Método Leishman. Materiais de coleta: Swab, lâminas. Interferentes: Medicação tópica. Valores de referência: Não aplicável Interpretação Clínica: Exame utilizado para caracterizar as renite, nos processos alérgicos (asma, renites) ocorre o aumento de mastócitos e/ou eosinófilos. Exames relacionados: Rasts específicos.

23 NOME DO EXAME: CK-MB Página 23 Código: CKMB Sinonímia: Não aplicável Amostra Biológica: Soro deve ser protegido da luz. Volume mínimo: 0,5 ml. Estabilidade e conservação: 24 horas entre 15 e 25 ºC e 7 dias entre 2 e 8 ºC, protegido da luz. Preparo do Cliente: Jejum de 4 horas. Método: Cinético UV Materiais de coleta: Tubo sem aditivo ou com gel separador Interferentes: Lipemia, hemólise. Valores de referência: até 24 U/L Interpretação e Comentários: Este exame associado a determinação das atividades de CK total, TGO, DHL total, tem a finalidade de diagnosticar e acompanhar a ocorrência e evolução de infarto do miocárdio. Alterações significativas da fração CKMB ocorrem mais precocemente do que as da CK total. OS valores máximos são obtidos após 12 e 24 horas do Infarto do miocárdio (IM), mas níveis anormais ja podem ser observados 4 a 6 horas após isquemia. Resultados falso-positivos podem ocorrer em algumas doenças neurológicas. Resultados falso-negativos podem se observados quando o exame é realizado muito precocemente, antes de 2 horas, ou 48 horas após o IM. Exames relacionados: DHL, TGO, Aldolase, CPK total.

24 NOME DO EXAME: CLEARENCE DE CREATININA Página 24 Código: CLEAR Sinonímia: Creatininúria, Depuração da cretinina endógena. Amostra Biológica: Soro e Urina de 24. Volume mínimo: 5 ml de Urina e 0,5 ml de soro Estabilidade e conservação: Urina Soro -7 dias ente 2 e 8 ºC e 3 meses a 10 ºC negativos. -1 semana entre 2 e 8 ºC e 6 meses a 10 ºC negativos. Preparo do Cliente: Jejum de 4 horas para coleta do sangue. A coleta de urina segue as orientações abaixo: Desprezar a primeira urina da manhã e marcar o horário. Colher todas as urinas por um período de 24 horas. Encerrar a coleta no dia seguinte exatamente no mesmo horário do dia anterior. Durante o período da coleta, os frascos devem ser mantidos em geladeira. Método: Picrato Alcalino (Jaffé). Materiais de coleta: Tubo sem aditivo ou com gel separador para o sangue, e garrafas de 500 a 1000 ml sem aditivo para a coleta da urina. Interferentes: Cefalosporinas, ácido ascórbico e levodopa interferem positivamento no exame. Valores de referência: Homens - 97 a 137 ml/minuto Mulheres - 88 a 128 ml/minuto Interpretação e Comentários: O teste é útil na avaliação funcional renal. A depuração está diminuída em nefropatias agudas e crônicas e sua determinação é útil no acompanhamento desses pacientes. Na insuficiência renal terminal o teste é usado para indicar estados onde processos dialíticos se tornam imperiosos. Pode estar aumentada em diabetes (fase inicial), hipertiroidismo, acromegalia. Exames relacionados: Uréia urinária, Creatinina urinária, Uréia e Creatinina sérica.

25 NOME DO EXAME: CLORETOS Página 25 Código: CL, CLORO, CLOSU, CLSU. Sinonímia: Cloro Amostra Biológica: Soro, urina, liquor, suor ou saliva. Volume mínimo: Soro, suor, urina ou líquor- 0,5 ml. Estabilidade e conservação: Soro: Estável 7 dias entre 15 e 25 ºC e 6 meses a 10 ºC negativos. Urina: Estável 7 dias entre 2 e 8 ºC e 6 meses a 10 ºC negativos. Líquor: Estável 7 dias entre 2 e 8 ºC e 6 meses a 10 ºC negativos. Suor: Estável 7 dias entre 2 e 8 ºC e 6 meses a 10 ºC negativos. Preparo do Cliente: Manter a dieta usual. Método: Colorimétrico Materiais de Coleta: Tubo sem aditivo ou com gel separador. Interferentes: Diuréticos aumentam a excreção de cloro. Valores de referência: Soro Líquor Suor Urina 96 a 105 meq/l 118 a 132 meq/l Até 40 meq/l 170 a 254 meq/l Interpretação e Comentários: O teste é útil na avaliação do metabolismo hidro-salino e na avaliação de distúrbios do equilíbrio hidroeletrolítico e ácido básico. Exames relacionados: Sódio, potássio, ph e bicarbonato.

26 NOME DO EXAME: COAGULOGRAMA Página 26 Código: COAII, COAI Sinonímia: Conjunto de exames composto por Contagem de plaquetas Tempo de sangramento, Tempo de protrombina, Tempo de tromboplastina parcial ativada e Prova do laço. Amostra Biológica: Sangue total com EDTA, Citrato de Sódio, (Plasma citratado) Volume mínimo: Sangue em tubo seco, Sangue total com EDTA: 3,0 ml. Plasma citratado: 4,0 ml Estabilidade e conservação: Vide exames acima Preparo do Cliente: Jejum de 4 horas. Método: Vide exames individualmente. Materiais de Coleta: Tubo com EDTA e Tubo com citrato. Interferentes: Hemólise e microcoágulos. Valores de referência: Vide exames individualmente. Interpretação e Comentários: O teste é útil no diagnóstico de coagulopatias, sendo particularmente utilizado em avaliações pré-operatórias. Exames relacionados: Fibrinogênio.

27 NOME DO EXAME: COLESTEROL Página 27 Código: COLES Sinonímia: Colesterolemia. Amostra Biológica: Soro. Volume mínimo: 0,5 ml Estabilidade e conservação: 7 dias entre 2 e 8 ºC e 6 meses a 10 ºC Preparo do Cliente: Jejum de 8 horas Método: Enzimático, automatizado. Interferentes: Não aplicável Materiais de Coleta: Tubo sem aditivo ou com gel separador Valores de referência: Desejável - até 200 mg/dl Limite superior - até 239 mg/dl Elevado - acima de 240 mg/dl Interpretação e Comentários: Exame útil na avaliação de risco de aterosclerose. Encontra-se aumentado na hipercolesterolemia primária, na síndrome nefrótica, hipotiroidismo, diabetes mellitus, cirrose biliar primária e hipoalbuminemia. Níveis baixos podem ser vistos na desnutrição, hipertiroidismo. Exames relacionados: LDL-colesterol, HDL-colesterol, VLDL-colesterol, triglicérides.

28 Página 28 NOME DO EXAME: COLESTEROL - HDL Código: HDL Sinonímia: HDL coleterol Amostra Biológica: Soro. Volume mínimo: 0,5 ml. Estabilidade e conservação: 7 dias entre 2 e 8 ºC Preparo do Cliente: Jejum de 12 horas, evitar alimentos ricos em gorduras e carboidratos, exercícios físicos prolongados e bebídas alcoolicas 24 horas antes da coleta do exame. Método: Enzimático Colorimétrico Direto sem precipitação ou HDL c colesterol por preciptação. Materiais de coleta: Tubo sem aditivo ou com gel separador Interferentes: Anticoncepicionais orais, estrógenos, aumento da dieta de carboidratos, colestiramine, vitamina C e clofibrato. Valores de referência: Acima de 35 mg/dl Interpretação e Comentários: Exame útil na avaliação do risco de doença aterosclerótica. A fração alfa (HDL) é tida como protetora de desenvolvimento de aterosclerose. Exames relacionados: Lipidograma, colesterol, triglicérides, LDL-colesterol.

29 Página 29 NOME DO EXAME: COLINESTERASE Código: COLI, COLIN, COLI1 Sinonímia: Acetilcolinesterase, colinesterase aguda, CHE, pseudocolinesterase Amostra Biológica: Soro. Volume mínimo: 0,5 ml Estabilidade e conservação: 7 dias entre 2 e 8 ºC e 6 meses a 10 ºC Preparo do Cliente: Jejum de 8 horas Método: Cinético. Interferentes: Não aplicável Materiais de Coleta: Tubo sem aditivo ou com gel separador Valores de referência: a 37ºC 4970 a U/l Interpretação e Comentários: Os agentes organofosforados e carbamatos agem inibindo a ação da acetilcolinesterase, provocando o acúmulo de acetilcolina endógena na junção neuromuscular, causando anormalidades na transmissão neuromuscular.

30 Página 30 NOME DO EXAME: COOMBS DIRETO Código: COMBD Sinonímia: Pesquisa de sensibilização eritrocitária. Amostra Biológica: Sangue total com EDTA, sangue do cordão umbilical com qualquer anticoagulante. Volume mínimo: 1,0 ml. Estabilidade e conservação: 8 horas ente 15 o e 25 o C. Preparo do Cliente: Jejum não obrigatório. Método: Hemaglutinação com soro de coombs. Materiais de coleta: Tubo com anticoagulante EDTA Interferentes: Não aplicável Valores de referência: Ausência de anticorpos. Interpretação e Comentários: Teste útil no diagnóstico das anemias hemolíticas do recémnascido, decorrentes de incompatibilidade ABO-Rh, processos auto-imunes ou induzidos por drogas. Exames relacionados: Coombs indireto, reticulócitos, série vermelha.

Coombs Indireto Soro Jejum desnecessário Fibrinogênio Plasma Jejum desnecessário Grupo Sangüíneo Sangue total com EDTA e K3 Jejum desnecessário

Coombs Indireto Soro Jejum desnecessário Fibrinogênio Plasma Jejum desnecessário Grupo Sangüíneo Sangue total com EDTA e K3 Jejum desnecessário HEMATOLOGIA: Células LE Sangue sem anticoagulante Jejum desnecessário Coombs Direto Sangue total com EDTA Jejum desnecessário Coombs Indireto Soro Jejum desnecessário Fibrinogênio Plasma Jejum desnecessário

Leia mais

Preparo para Exames Laboratoriais

Preparo para Exames Laboratoriais Preparo para Exames Laboratoriais Seção: Bioquímica 1) Dosagem de Colesterol 1.1) Dosagem de colesterol (sangue) :Dosagem de Colesterol Total 2.1) Permanecer em jejum, à exceção de água, durante 12 a 14

Leia mais

Tempo de Jejum para realização de Exames

Tempo de Jejum para realização de Exames Tempo de Jejum para realização de Exames Jejum não necessário Amilase, Bilirrubina, Células LE, CKMB, Coombs Direto, Coombs Indireto, CPK, Desidrogenase Lática, Gasometria, Pesquisa de Drepanócitos, Eletroforese

Leia mais

CAPÍTULO 13: PROTEÍNAS PLASMÁTICAS DE INTERESSE CLÍNICO

CAPÍTULO 13: PROTEÍNAS PLASMÁTICAS DE INTERESSE CLÍNICO CAPÍTULO 13: PROTEÍNAS PLASMÁTICAS DE INTERESSE CLÍNICO Autores: Prof. Dr. Paulo Cesar Naoum Biólogo: Paulo Francisco Naoum Introdução Cerca de 100 tipos diferentes de proteínas plasmáticas foram identificadas

Leia mais

Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado

Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado HEMOGRAMA COMPLETO Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado ERITROGRAMA V.R: Homens Mulheres Hemacias em milhoes/mm3...: 5,08 4,5 a 5,9 4,0 a 5,4

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 29 Página 1 de 5 1. Sinonímia Pesquisa de anticorpos frios. 2. Aplicabilidade Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de Imunologia. 3. Aplicação clínica As Crioaglutininas são anticorpos

Leia mais

Autor. Revisão Técnica. Durval Alex Gomes e Costa

Autor. Revisão Técnica. Durval Alex Gomes e Costa Apresentação A estrutura do Guia de Interpretação de Exames, em que cada capítulo aborda um exame diferente, foi concebida para ser uma alternativa à literatura especializada na melhor interpretação possível

Leia mais

Interpretação de exames laboratoriais Lactato desidrogenase (LDH)

Interpretação de exames laboratoriais Lactato desidrogenase (LDH) Interpretação de exames laboratoriais Lactato desidrogenase (LDH) Nathália Krishna O que é? NAD+ está presente em quantidades somente catalíticas na célula e é um cofator essencial para a glicólise,dessa

Leia mais

Após a leitura deste texto não deixe de ler também nossas outras postagens sobre exames laboratoriais:

Após a leitura deste texto não deixe de ler também nossas outras postagens sobre exames laboratoriais: Aula Prática Profa. Dra. Fernanda Ayala O exame de urina é usado como método diagnóstico complementar desde o século II. Trata-se de um exame indolor e de simples coleta, o que o torna muito menos penoso

Leia mais

EXAMES CLASSIFICAÇÃO prazo material COLETA VETERINARIO. cloretos Bioquimico até 24h tubo vermelho R$ 20,00 R$

EXAMES CLASSIFICAÇÃO prazo material COLETA VETERINARIO. cloretos Bioquimico até 24h tubo vermelho R$ 20,00 R$ . TABELA DE PREÇOS 2015 EXAMES CLASSIFICAÇÃO prazo material COLETA VETERINARIO ácido úrico Bioquimico até 24h tubo vermelho R$ 20,00 R$ 14,00 Aplicação ACTH = R$ 15,00/Kg Hormonal ----------- -----------------

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema Elaboradora Texto Introdutório TESTES IMUNO-HEMATOLÓGICOS E TRANSFUSÃO EM ANEMIA HEMOLÍTICA AUTO-IMUNE A FRIO Margarida de Oliveira Pinho. Bióloga, Responsável pelo Laboratório de Imunohematologia

Leia mais

Anexo I Relação de exames laboratoriais Pregão presencial nº 20/2015

Anexo I Relação de exames laboratoriais Pregão presencial nº 20/2015 Anexo I Relação de exames laboratoriais Pregão presencial nº 20/2015 ITEM CÓDIGO DESCRIÇÃO DO PROCEDIMENTO VALOR 01 02.02.05.001-7 ANÁLISE DE CARACTERES FÍSICOS, 3,70 ELEMENTOS E SEDIMENTOS NA URINA (EQU)

Leia mais

O Laboratório Clínico do D.A.V. do Jockey Club de São Paulo conta com amplo e bem estruturado espaço, além de equipamentos modernos que conferem

O Laboratório Clínico do D.A.V. do Jockey Club de São Paulo conta com amplo e bem estruturado espaço, além de equipamentos modernos que conferem O Laboratório Clínico do D.A.V. do Jockey Club de São Paulo conta com amplo e bem estruturado espaço, além de equipamentos modernos que conferem fidedignidade aos resultados. Seu principal objetivo é assegurar

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Instrumento de convênio que entre si fazem, de um lado a CNPJ nº, com sede social na CEP Nº inscrita no CREMEB-BA sob o Nº, Telefone, Endereço eletrônico, doravante denominado

Leia mais

LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS. Dúvidas Técnicas: Telefone: PABX (011) 3053-6611 Ramal: 2028

LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS. Dúvidas Técnicas: Telefone: PABX (011) 3053-6611 Ramal: 2028 Telefone PABX (011) 3053-6611 e-mail hcor@hcor.com.br Dúvidas Técnicas Telefone PABX (011) 3053-6611 Ramal 2028 EQUIPE CLINIC CHECK UP Num. Pedido 050802886 10/08/2005 060000 Emissão 11/08/2005 135055

Leia mais

MANUAL DE COLETA PARA ANÁLISES CLÍNICAS

MANUAL DE COLETA PARA ANÁLISES CLÍNICAS MANUAL DE COLETA PARA ANÁLISES CLÍNICAS O material coletado e conservado adequadamente torna-se de grande valor, proporcionando informações importantes para o clínico chegar a um diagnóstico. Uma coleta

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Instrumento de convênio que entre si fazem, de um lado a CNPJ nº, com sede social na CEP Nº -inscrita no CREMEB-BA sob o Nº, Telefone ( ), Endereço eletrônico, doravante

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 22 Página 1 de 5 1. Sinonímia Beta 2 Microglobulina, b2m 2. Aplicabilidade Aos técnicos e bioquímicos do setor de imunologia 3. Aplicação clínica A beta-2-microglobulina é uma proteína presente

Leia mais

TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA

TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA Parte I: Múltipla Escolha 01 Quanto à classificação do grupo

Leia mais

RELAÇÃO DE EXAMES REALIZADOS NO IBEx

RELAÇÃO DE EXAMES REALIZADOS NO IBEx 1 Ácido úrico 2 Albumina 3 Alfa 1 glicoproteína ácida 4 Alfa fetoproteína 5 Amilase 6 Androstenediona 7 Anticorpos Anti-HIV I, Western Blot 8 Anticorpos anti-hiv1 + HIV2 (Determinação Conjunta) ELISA 9

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS

INTERPRETAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS INTERPRETAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS CINÉTICA DO FERRO Danni Wanderson Introdução A importância do ferro em nosso organismo está ligado desde as funções imune, até as inúmeras funções fisiológicas, como

Leia mais

Coleta Domiciliar Diurna e Noturna 3215-8585

Coleta Domiciliar Diurna e Noturna 3215-8585 URINA TIPO 1 EAS SUMÁRIO DE URINA Preferencialmente deve ser colhida a primeira urina da manhã, caso isso não ocorra, ficar sem urinar por pelo menos duas horas que antecedem a coleta. Para exame parcial

Leia mais

Ácido Cítrico Líquido Seminal. Análise Seminal Computadorizada

Ácido Cítrico Líquido Seminal. Análise Seminal Computadorizada Ácido Cítrico Líquido Seminal O ácido cítrico é produzido pela próstata. Tem sua produção dependente da atividade hormonal e está ligado ao processo de coagulação e liquefação do esperma. Colorimétrico

Leia mais

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses PERFIL PANCREÁTICO Prof. Dr. Fernando Ananias MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses 1 DISSACARÍDEO COMPOSIÇÃO FONTE Maltose Glicose + Glicose Cereais Sacarose Glicose + Frutose Cana-de-açúcar Lactose Glicose

Leia mais

EXAMES LABORATORIAIS MATERIAL PRAZO DE ENTREGA ANIMAL PAT LAB HEMATOLOGIA

EXAMES LABORATORIAIS MATERIAL PRAZO DE ENTREGA ANIMAL PAT LAB HEMATOLOGIA TABELA DE EXAMES EXAMES LABORATORIAIS MATERIAL PRAZO DE ENTREGA Hemograma completo (eritrograma + leucograma + plaquetas + Ppt + Pesq hemoparasita) *** Exame encaminhado para laboratórios conveniados.

Leia mais

CBHPM 4.03.01.40-0 AMB 28.01.032-9. 20 40,078 1.112 K 1,0 1.713 K 1,550 g/cm 3 Ca [Ar]4s 2 Cálcio

CBHPM 4.03.01.40-0 AMB 28.01.032-9. 20 40,078 1.112 K 1,0 1.713 K 1,550 g/cm 3 Ca [Ar]4s 2 Cálcio CÁLCIO Ca CBHPM 4.03.01.40-0 AMB 28.01.032-9 Sinonímia: Ca. Calcemia. Cálcio total. Calciúria. Cálcio urinário. Sulkowitch = prova obsoleta para calciúria. Fisiologia: 20 40,078 1.112 K 1,0 1.713 K 1,550

Leia mais

Avaliação da Função Renal. Dr. Alexandre S. Fortini Divisão de Laboratório Central HC-FMUSP

Avaliação da Função Renal. Dr. Alexandre S. Fortini Divisão de Laboratório Central HC-FMUSP Avaliação da Função Renal Dr. Alexandre S. Fortini Divisão de Laboratório Central HC-FMUSP Funções do Rim Balanço hídrico e salino Excreção de compostos nitrogenados Regulação ácido-base Metabolismo ósseo

Leia mais

Ácido cítrico, líquido seminal. Análise seminal computadorizada. Instituto Hermes Pardini - Líquido Seminal 1

Ácido cítrico, líquido seminal. Análise seminal computadorizada. Instituto Hermes Pardini - Líquido Seminal 1 Ácido cítrico, líquido seminal O ácido cítrico é produzido pela próstata. Tem sua produção dependente da atividade hormonal e está ligado ao processo de coagulação e liquefação do esperma. Níveis baixos

Leia mais

ANTI HUMANO. Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico

ANTI HUMANO. Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico ANTI HUMANO Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar Conservante:

Leia mais

Página ORIGEM PULMONAR E EXTRAPULMONAR 01 de 05. Anexo 1. Figura 1: Características do frasco rígido com tampa rosca para a coleta de escarro

Página ORIGEM PULMONAR E EXTRAPULMONAR 01 de 05. Anexo 1. Figura 1: Características do frasco rígido com tampa rosca para a coleta de escarro 01 de 05 Anexo 1 Figura 1: Características do frasco rígido com tampa rosca para a coleta de escarro Figura 2: Exemplo de caixa com tampa de material não poroso, rígido, resistente à descontaminação, identificada

Leia mais

7. SEÇÃO DE MICOLOGIA

7. SEÇÃO DE MICOLOGIA 7. SEÇÃO DE MICOLOGIA 7.1 Orientações gerais de coleta e transporte das amostras em relação ao exame solicitado EXAMES MATERIAL BIOLÓGICO ONDE COLHER Pele, couro cabeludo, unha, cabelo em placa de Petri

Leia mais

ANTI IgG (Soro de Coombs)

ANTI IgG (Soro de Coombs) ANTI IgG (Soro de Coombs) Soro Anti Gamaglobulinas Humanas PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM DANIELLY CRISTINA DA SILVA LUANA CAROLINE URETRITE GONOCÓCICA E NÃO-GONOCÓCICA

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM DANIELLY CRISTINA DA SILVA LUANA CAROLINE URETRITE GONOCÓCICA E NÃO-GONOCÓCICA UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM DANIELLY CRISTINA DA SILVA LUANA CAROLINE URETRITE GONOCÓCICA E NÃO-GONOCÓCICA BOM DESPACHO 2011 UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS

Leia mais

Rejeição de amostras: Urinas com contaminações fecais, menstruação ou recipiente em más condições de assepsia serão rejeitadas e uma nova amostra

Rejeição de amostras: Urinas com contaminações fecais, menstruação ou recipiente em más condições de assepsia serão rejeitadas e uma nova amostra URINA TIPO 1 EAS SUMÁRIO DE URINA Preferencialmente deve ser colhida a primeira urina da manhã, caso isso não ocorra, ficar sem urinar por pelo menos duas horas que antecedem a coleta. Para exame parcial

Leia mais

Tabela de Exames. Anatomia Patológica. Exame Amostra Valor Prazo Histopatológico. Citologia. Lâminas de punção aspirativa ou líquido refrigerado.

Tabela de Exames. Anatomia Patológica. Exame Amostra Valor Prazo Histopatológico. Citologia. Lâminas de punção aspirativa ou líquido refrigerado. Tabela de Exames - Novos valores válidos a partir de 01 de SETEMBRO de 2012 - Qualquer dúvida quanto ao acondicionamento e envio das amostras favor entrar em contato pelos nossos telefones (19) 3342-9312

Leia mais

SÓDIO: 140 meq/l [DATA DA COLETA : 19/11/13 07:00] Método...: Fotometria de chama Vlor. Ref.: 135 a 145 meq/l Material..: sangue

SÓDIO: 140 meq/l [DATA DA COLETA : 19/11/13 07:00] Método...: Fotometria de chama Vlor. Ref.: 135 a 145 meq/l Material..: sangue GLICEMIA DE JEJUM: 115 mg/dl Método...: Enzimático Vlor. Ref.: 65 a 99 mg/dl Material..: Plasma fluoretado RESULTADOS ANTERIORES: 06/09/13 = 110 mg/dl 02/08/13 = 97 mg/dl URÉIA: 32 mg/dl Método...: Enzimático

Leia mais

DATA DE APROVAÇÃO: 23/10/2015

DATA DE APROVAÇÃO: 23/10/2015 1/6 1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO O Trichomonas vaginalis é um parasita flagelado e é o agente causador da tricomoníase. Existe em apenas em uma única forma (trofozoíto), que é simultaneamente infecciosa

Leia mais

Dúvidas frequentes sobre exames laboratoriais.

Dúvidas frequentes sobre exames laboratoriais. Dúvidas frequentes sobre exames laboratoriais. Remédios interferem em exames laboratoriais? Alguns, sim. Os antibióticos e os anti-inflamatórios, por exemplo, interferem nos testes de coagulação do sangue,

Leia mais

OFICINA INTEGRADA DE DOENÇAS IMUNOPREVINÍVEIS

OFICINA INTEGRADA DE DOENÇAS IMUNOPREVINÍVEIS OFICINA INTEGRADA DE DOENÇAS IMUNOPREVINÍVEIS OFICINA INTEGRADA DE DOENÇAS IMUNOPREVINÍVEIS DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DAS MENINGITES- ESTUDO DO LCR TÓPICOS A SEREM ABORDADOS : FASE PRÉ ANALÍTICA PROCESSAMENTO

Leia mais

Instituto Veterinário de Imagem

Instituto Veterinário de Imagem Instituto Veterinário de Imagem Tabela de Preço ABRIL DE 2012 CARDIOLOGIA VALOR R$ Eletrocardiografia (E.C.G.) 98,00 Ecodopplercardiografia Colorido 138,00 Pressão Arterial 41,00 ULTRASSONOGRAFIA (U.S.G.)

Leia mais

Adriano de Lima Machado

Adriano de Lima Machado 1. Sinonímia: POP: M 15 Página 1 de 8 - Cultura ou secreção de orofaringe, cultura ou secreção de nasofaringe, secreção nasal, punção de seios maxilares, raspado de lesão da boca. - Secreção conjuntival,

Leia mais

HEMATOLOGIA Resultados de pacientes anêmicos - contagem de reticulócito sem ônus. Prazo (dias úteis)

HEMATOLOGIA Resultados de pacientes anêmicos - contagem de reticulócito sem ônus. Prazo (dias úteis) HEMATOLOGIA Resultados de pacientes anêmicos - contagem de reticulócito sem ônus Hemograma 1 (Eritrograma C/ ret, leucograma, cont. plaq. + proteína plasmática total) Hemograma 2 (Hemograma 1+ pesq. Hematoz.

Leia mais

Urocultura. Introdução

Urocultura. Introdução Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Urocultura Introdução A infecção do trato urinário (ITU) situa-se entre as

Leia mais

Citologia Clínica. Exame qualitativo da urina. Exame de urina de rotina. Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos

Citologia Clínica. Exame qualitativo da urina. Exame de urina de rotina. Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos Citologia Clínica Aula 9 Exame qualitativo de Urina Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos Exame qualitativo da urina Diagnóstico de doença renal, no trato urinário, sistêmicas não relacionadas com o rim.

Leia mais

REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL

REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL Bioquímica Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes Referências Bioquímica Clínica M A T Garcia e S Kanaan Bioquímica Mèdica J W Baynes e M H Dominiczack Fundamentos

Leia mais

TÉCNICO DE LABORATÓRIO/ANÁLISES CLÍNICAS 1 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 35

TÉCNICO DE LABORATÓRIO/ANÁLISES CLÍNICAS 1 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 35 TÉCNICO DE LABORATÓRIO/ANÁLISES CLÍNICAS 1 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 35 11. A coleta de sangue venoso deve ser cuidadosa e depende dos tipos de exames solicitados pelo prescritor. Alguns

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA POP n.º: B35 Página 1 de 6 1. Sinonímia: FOLATO Mnemônico: FOL 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação clínica: Determinação quantitativa in vitro do Ácido Fólico

Leia mais

Matriz/Analito. Gram - Esfregaço preparado a partir de crescimento bacteriano, na forma física e digitalizada.

Matriz/Analito. Gram - Esfregaço preparado a partir de crescimento bacteriano, na forma física e digitalizada. Folha: 1 de 19 BACTERIOLOGIA Bacterioscopia BAAR e Gram, identificação e teste de susceptibilidade a antimicrobianos de microrganismos ambulatoriais e hospitalares BAAR - Lâmina com esfregaço prepara com

Leia mais

ECLIPSE. Indice ÁCIDO ÚRICO 3 ALBUMINA 4

ECLIPSE. Indice ÁCIDO ÚRICO 3 ALBUMINA 4 Indice ÁCIDO ÚRICO 3 ALBUMINA 4 α-amilase 5 BILIRRUBINA DIRETA 6 BILIRRUBINA TOTAL 7 CÁLCIO 8 CÁLCIO AZUL DE METILTIMOL 9 CLORETO 10 COLESTEROL 11 COLESTEROL HDL 12 CREATININA 13 CREATINO KINASE MB (CK-MB)

Leia mais

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional Tipos de Diabetes Diabetes Gestacional Na gravidez, duas situações envolvendo o diabetes podem acontecer: a mulher que já tinha diabetes e engravida e o diabetes gestacional. O diabetes gestacional é a

Leia mais

Abordagem do Paciente Renal F J Werneck

Abordagem do Paciente Renal F J Werneck Síndromes Nefrológicas Síndrome infecciosa: Infecciosa Nefrítica Nefrótica Urêmica Hipertensiva Calculosa - infecção do trato urinário alta: pielonefrite - Infecção do trato urinário baixa: cistite, uretrite

Leia mais

Laboratório. PATOLOGIA CLÍNICA (laboratório) BIOQUÍMICA

Laboratório. PATOLOGIA CLÍNICA (laboratório) BIOQUÍMICA Laboratório PATOLOGIA CLÍNICA (laboratório) BIOQUÍMICA Tel: 2107-5313 1 Acido Úrico. 2 Albumina. 3 Albumina em urina isolada. 4 Albumina Fluidos Corporais. 5 Alfa 1 glicoproteína ácida. 6 Alfa Amilase.

Leia mais

Infecções do Trato Urinário

Infecções do Trato Urinário Infecções do Trato Urinário Anatomia e Fisiologia do Trato Urinário Órgãos secretores: Rins (2) Órgãos excretores: Ureteres (2) Bexiga Uretra Fonte: http://www.auladeanatomia.com Microbiota Normal da Uretra

Leia mais

Procedimentos Técnicos NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR

Procedimentos Técnicos NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Versão: 1 Pg: 1/6 NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Ivo Fernandes Sobreiro Gerente da Qualidade 01/09/2009 DE ACORDO Renato de Lacerda Diretor Técnico 05/09/2009 APROVADO POR Jose Carlos Santos

Leia mais

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição.

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. 1. Introdução: Atualmente, a transfusão de hemocomponentes é considerado um procedimento

Leia mais

T3 - TRIIODOTIRONINA Coleta: 18/11/2005 06:28. T3 LIVRE Coleta: 18/11/2005 06:28. T4 - TETRAIODOTIRONINA Coleta: 18/11/2005 06:28

T3 - TRIIODOTIRONINA Coleta: 18/11/2005 06:28. T3 LIVRE Coleta: 18/11/2005 06:28. T4 - TETRAIODOTIRONINA Coleta: 18/11/2005 06:28 AUTENTICIDADE: 755339 Set.Tecnico Imunoensaio T3 - TRIIODOTIRONINA Coleta: 18/11/2005 06:28 Resultado 108.6 ng/dl Referencial: Criancas ate 5 anos 105.0 a 269.0 ng/dl 5 a 10 anos 94.0 a 241.0 ng/dl Maiores

Leia mais

Infecção Bacteriana Aguda do Trato Respiratório Inferior

Infecção Bacteriana Aguda do Trato Respiratório Inferior ESPECIALIZAÇÃO EM MICROBIOLOGIA APLICADA CASCAVEL - 2009 Infecção Bacteriana Aguda do Trato Respiratório Inferior Profa. Vera Lucia Dias Siqueira Bacteriologia Clínica DAC - UEM Sistema Respiratório Pneumonias

Leia mais

O estudo laboratorial da série vermelha é composto de vários testes que serão comentados a seguir. Ele é chamado de eritrograma.

O estudo laboratorial da série vermelha é composto de vários testes que serão comentados a seguir. Ele é chamado de eritrograma. Introdução O hemograma pode ser entendido como o exame do sangue periférico que permite fazer avaliação da série vermelha, série branca (leucócitos), e das plaquetas. Grosso modo, o sangue pode ser conceituado

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO MODALIDADE: Tomada de Preços

EDITAL DE LICITAÇÃO MODALIDADE: Tomada de Preços EDITAL DE LICITAÇÃO MODALIDADE: Tomada de Preços Processo nº...: 25/11 Modalidade...: Tomada de Preços nº 3/2011 Data de Recebimento dos Envelopes: 17/05/11 Horário...: 09:00 --------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

EXAMES BIOQUÍMICOS EXAMES VALORES DE REFERÊNCIA VALOR ABAIXO VALOR AUMENTADO

EXAMES BIOQUÍMICOS EXAMES VALORES DE REFERÊNCIA VALOR ABAIXO VALOR AUMENTADO EXAMES BIOQUÍMICOS EXAMES VALORES DE REFERÊNCIA VALOR ABAIXO VALOR AUMENTADO Albumina 1 4g/dL Sobrecarga hídrica, diarreia, queimaduras, desnutrição, estresse, câncer, gestação, idosos, síndrome nefrótica,

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. São pequenas partículas originadas do citoplasma dos megacariócitos na medula óssea, desprovidas de núcleo (sem capacidade de síntese

Leia mais

Cuidados e indicações atuais

Cuidados e indicações atuais Hemotransfusão em Pediatria Cuidados e indicações atuais Priscila Cezarino Rodrigues Pediatra Hematologista e Hemoterapeuta Fundação Hemominas Grupo de Hematologia Pediátrica do HC UFMG Belo Horizonte

Leia mais

Protocolos de Aplicação

Protocolos de Aplicação Protocolos de Aplicação IN VITRO Diagnóstica MEGA Rua Cromita 278 - Distrito Industrial - Itabira - MG Telefax: 31 3834-6400 e.mail: dsa@invitro.com.br ÁCIDO ÚRICO ENZIMÁTICO Cat: 10687 Volume: 100 ml

Leia mais

CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO

CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO As infecções bacterianas nos RN podem agravar-se muito rápido. Os profissionais que prestam cuidados aos RN com risco de infecção neonatal têm por

Leia mais

GUIA DE COLETA DE AMOSTRAS

GUIA DE COLETA DE AMOSTRAS Diretrizes para coleta da amostra As análises laboratoriais e seus resultados dependem da coleta adequada da amostra, como também, do armazenamento e transporte apropriados até o laboratório. A equipe

Leia mais

POP- AULA PRÁTICA DE HEMOGRAMA (ERITROGRAMA) Prof.Archangelo

POP- AULA PRÁTICA DE HEMOGRAMA (ERITROGRAMA) Prof.Archangelo POP- AULA PRÁTICA DE HEMOGRAMA (ERITROGRAMA) Prof.Archangelo Material Necessário Seringa 5ml com agulha 25x7 Alcool 70% (iodado) Garrote Tubo vacuun EDTA ( tampa roxa ) microscópio lâminas para microscopia

Leia mais

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Cetoacidose Diabética Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Complicações Agudas do Diabetes Mellitus Cetoacidose diabética: 1 a 5% dos casos de DM1 Mortalidade de 5% Coma hiperglicêmico

Leia mais

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Vírus da Rubéola Togavirus Vírus de RNA fita simples Principal epítopo dominante:

Leia mais

2 Conservação do sangue e hemocomponentes

2 Conservação do sangue e hemocomponentes 2 Conservação do sangue e hemocomponentes Alguns problemas de saúde hematológicos ou hemodinâmicos podem ser tratados utilizando produtos hemoterápicos, como por exemplo, problemas ligados à coagulação,

Leia mais

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas.

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas. HEMOGRAMA DEFINIÇÃO É o exame mais requisitado pela medicina e nele analisa-se as células sanguíneas. É comum você pegar um laudo dividido em três partes:eritrograma, parte que analisa as células vermelhas

Leia mais

ETIOLOGIA. Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica

ETIOLOGIA. Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica PANCREATITE AGUDA ETIOLOGIA Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica FISIOPATOLOGIA MANIFESTAÇÃO CLÍNICA CRITÉRIOS PROGNÓSTICOS Ranson Na admissão: Idade > 55 anos Leucócitos > 1600 N uréico aumento

Leia mais

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Tecido sanguíneo Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Transporte Regulação Proteção Funções do Sangue Sangue É um tecido conjuntivo especializado pois apresenta sua matriz extracelular totalmente fluida. O sangue

Leia mais

Programações de Automação Biotécnica Clinline 150

Programações de Automação Biotécnica Clinline 150 Indice ÁCIDO ÚRICO - MONO 3 ALBUMINA 4 α-amilase 5 ALT / TGP 6 AST / TGO 7 BILIRRUBINA DIRETA 8 BILIRRUNINA TOTAL 9 CÁLCIO ASX 10 CÁLCIO 11 CK NAC 12 CK MB 13 CLORO 14 COLESTEROL 15 CREATININA 16 DESIDROGENASE

Leia mais

ESPERMOCULTURA A amostra de esperma deve ser recente, efectuada após higiene dos órgãos genitais e colhida em recipienteiente esterilizado

ESPERMOCULTURA A amostra de esperma deve ser recente, efectuada após higiene dos órgãos genitais e colhida em recipienteiente esterilizado ESPERMOCULTURA A amostra de esperma deve ser recente, efectuada após higiene dos órgãos genitais e colhida em recipienteiente esterilizado ESPERMOGRAMA É importante que o esperma seja colhido em boas condições

Leia mais

ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO. Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO

ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO. Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar Conservante: Azida de Sódio 0,1 % Responsável

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

Anhanguera - Uniderp

Anhanguera - Uniderp Anhanguera - Uniderp CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PARA A SELEÇÃO DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICO- VETERINÁRIA - PRMV R1 / TURMA 2012 ÁREA DE CLÍNICA E CIRURGIA DE PEQUENOS ANIMAIS 1. Terapêutica Clínica Geral

Leia mais

PERFIL BIOQUÍMICO DO SANGUE

PERFIL BIOQUÍMICO DO SANGUE Perfil bioquímico: PERFIL BIOQUÍMICO DO SANGUE Professora: Ms. Renata Aparecida Fontes Medicina Veterinária Período: 3 Metabolismo energético: Glicose, colesterol e ácidos graxos livres Ruminantes: β-hidroxibutirato

Leia mais

CONTROLE DE COPIA: PT-LB-HM-010 CONTAGEM DE PLAQUETAS - FÔNIO 22/10/2015

CONTROLE DE COPIA: PT-LB-HM-010 CONTAGEM DE PLAQUETAS - FÔNIO 22/10/2015 PT-LB-HM-0 22/10/25 1/5 1. INTRODUÇÃO/FINALIDADE DO MÉTODO O método de Fônio tem como finalidade confirmar a contagem efetuada através dos analisadores hematológicos ADVIA 120, 2120 e 2120i, além de investigar

Leia mais

DEZ PASSOS NA INTERPRETAÇÃO LABORATORIAL NO VEGETARIANO PROF. ANTONIO CLÁUDIO GOULART DUARTE 2006

DEZ PASSOS NA INTERPRETAÇÃO LABORATORIAL NO VEGETARIANO PROF. ANTONIO CLÁUDIO GOULART DUARTE 2006 DEZ PASSOS NA INTERPRETAÇÃO LABORATORIAL NO VEGETARIANO PROF. ANTONIO CLÁUDIO GOULART DUARTE 2006 Agradecimento: A todos os pacientes e seus familiares que permitem que possamos usar seus exames laboratoriais

Leia mais

Fibrose Cística. Triagem Neonatal

Fibrose Cística. Triagem Neonatal Fibrose Cística Triagem Neonatal Fibrose cística Doença hereditária autossômica e recessiva, mais frequente na população branca; Distúrbio funcional das glândulas exócrinas acometendo principalmente os

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO. I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Keroxime cefuroxima sódica

LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO. I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Keroxime cefuroxima sódica 2 LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Keroxime cefuroxima sódica APRESENTAÇÃO Keroxime (cefuroxima) 750 mg: frasco-ampola contendo 750 mg de cefuroxima

Leia mais

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS Resolução da Diretoria Colegiada RDC no 57, de 16 de dezembro de 2010. Determina o Regulamento Sanitário para Serviços que desenvolvem atividades relacionadas

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho NUTRIÇÃO ENTERAL INDICAÇÕES: Disfagia grave por obstrução ou disfunção da orofaringe ou do esôfago, como megaesôfago chagásico,

Leia mais

Hemoglobina. Uma mulher com Hb de 11,5 a vida toda pode ser considerada normal e não anêmica.

Hemoglobina. Uma mulher com Hb de 11,5 a vida toda pode ser considerada normal e não anêmica. 11 de Agosto de 2008. Professor Fernando Pretti. Anemia Abordagem Diagnóstica Definição É a redução, abaixo do normal, da concentração de hemoglobina circulante total. A anemia não é um diagnóstico de

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 64 3,20 Carboidratos 14,20 4,73 Proteínas 1,30 1,73 Gorduras

Leia mais

Isaac de Melo Xavier Junior Fernando Jose Goncalves Cardoso

Isaac de Melo Xavier Junior Fernando Jose Goncalves Cardoso 535C5710 «$E9T"J0 03.362451.01.41:15 Setor Técnico Urinalise Emissão 03/10/2008 SUMARIO DE URINA Coleta: 03/10/2008 ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS Valores de referência Cor Amarelo claro Amarelo claro - amarelo

Leia mais

CREATININA CREATININIUM

CREATININA CREATININIUM CREATININA CREATININIUM CBHPM 4.03.01.63-0 AMB 28.01.054-0 Sinonímia: Creatininium. Glicolmetilguanidina. Creatinina endógena. 2-imino-1-metilimidazolidin-4-ona. 1-metilhidantoin-2-imida. Fisiologia: Fórmula

Leia mais

Mônica H. C. Fernandes de Oliveira

Mônica H. C. Fernandes de Oliveira DISTÚRBIOS DA COAGULAÇÃO Mônica H. C. Fernandes de Oliveira Conceito A hemostasia é o processo fisiológico responsável pela manutenção do sangue em estado líquido e a integridade do envelope vascular.

Leia mais

Aula 14 Sistema ABO. Grupo sangüíneo (fenótipo) Aglutinogênio (hemácias) Aglutinina (soro) Anti - B. Anti - A. A e B.

Aula 14 Sistema ABO. Grupo sangüíneo (fenótipo) Aglutinogênio (hemácias) Aglutinina (soro) Anti - B. Anti - A. A e B. Aula 14 Sistema ABO A transfusão de sangue incompatível pode provocar queda de pressão, escurecimento da visão, desmaio e até a morte. Esses efeitos são devidos a uma reação de aglutinação, ou seja reunião

Leia mais

ATLAS CITOLÓGICO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE CITOLOGIA CLÍNICA E LABORATORIAL DA ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP

ATLAS CITOLÓGICO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE CITOLOGIA CLÍNICA E LABORATORIAL DA ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP ATLAS CITOLÓGICO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE CITOLOGIA CLÍNICA E LABORATORIAL DA ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP Tema Citológico : Diagnóstico laboratorial diferencial entre anemia

Leia mais

Valores de Referencia (Adultos - Homens) HEMACIAS: 4.85 milhoes/mm3. Relativo (%) /mm3 VR (%) VR (mm3) LEUCOCITOS: 4.400

Valores de Referencia (Adultos - Homens) HEMACIAS: 4.85 milhoes/mm3. Relativo (%) /mm3 VR (%) VR (mm3) LEUCOCITOS: 4.400 Resultados Página: 1/13 HEMOGRAMA ERITROGRAMA Valores de Referencia (Adultos - Homens) HEMACIAS: 4.85 milhoes/mm3 04.50 a 06.10 HEMOGLOBINA: 13.5 g/dl 13.00 a 16.50 HEMATOCRITO: 41.1 % 36.00 a 54.00 VCM:

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema PROTEINÚRIA, HEMATÚRIA E GLOMERULOPATIAS Elaboradora Texto Introdutório Questão 1 Luciene Alves Silva, Biomédica, Gestora de Qualidade, Laboratório Central do Hospital do Rim e Hipertensão-Fundação

Leia mais

Hepatites Virais 27/07/2011

Hepatites Virais 27/07/2011 SOCIEDADE DIVINA PROVIDÊNCIA Hospital Nossa Senhora da Conceição Educação Semana Continuada de Luta Contra em CCIH as Hepatites Virais 27/07/2011 Enfº Rodrigo Cascaes Theodoro Enfº CCIH Rodrigo Cascaes

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. XV Jornada Interiorana de Hematologia e Hemoterapia II Encontro Interiorano de Enfermagem em Hemoterapia e Hemovigilância TESTES PRÉ

Leia mais

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA

DIVISÃO DE LABORATÓRIO CENTRAL HC FMUSP PARAMETRIZAÇÃO DE COLETA Dengue Dengue em tempo Real RT Adenovírus Colher 5 ml de sangue em tubo com gel separador (tampa amarela). Colher a primeira amostra na fase aguda da doença (até 7 dias após o início dos sintomas). Coletar

Leia mais

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida DEFINIÇÃO: Pathos: doença Logos: estudo Estudo das alterações estruturais, bioquímicas e funcionais nas células, tecidos e órgãos visando explicar os mecanismos

Leia mais

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES 5.5.2009 Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES Introdução Diabetes Mellitus é uma doença metabólica, causada pelo aumento da quantidade de glicose sanguínea A glicose é a principal fonte de energia

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA REALIZAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS

ORIENTAÇÕES PARA REALIZAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS ORIENTAÇÕES PARA REALIZAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS Tempo de Jejum O jejum para alguns exames não é obrigatório, para outros, é necessário que ele seja de 4, 8 ou 12 horas. Verifique com antecedência no

Leia mais