Parque Nacional La Campana, Chile

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Parque Nacional La Campana, Chile"

Transcrição

1 RELATO DE VIAGEM Parque Nacional La Campana, Chile ISSN ,2 Marcelo A. Villegas Vallejos Embora chileno de nascimento, toda minha experiência de vida, pessoal e profissional, se passou no sul do Brasil, em Curitiba e em menor grau em Foz do Iguaçu. Quando ainda não me considerava um observador de aves inveterado, eu fazia viagens ocasionais ao Chile acompanhando meus pais em trâmites burocráticos diversos e raras vezes visitei lugares com o objetivo de contemplar as paisagens naturais da região, ou sua rica e interessante avifauna. Em dezembro de 2009 fui convidado por meu primo e um amigo a acampar no Parque Nacional (PN) La Campana. A ideia era passar apenas uma noite, para conhecer a paisagem da porção central do Chile, conhecida de muitas pessoas por abrigar o morro La Campana, visitado por Charles Darwin em agosto de Há alguns Figura 1. Situação geográfica do PN La Campana, inserido na V Região (em vermelho) no Chile Central. meses, acompanhando o interesse de observadores de aves pela América do Sul, recordei-me daqueles momentos e, sendo uma experiência tão peculiar do ponto de vista ornitológico, decidi descrevê-la para divulgar esse local, especialmente aos entusiastas por aves que, como eu, não perdem uma chance de passarinhar. Cabe aqui alguns esclarecimentos sobre a geografia de meu país de origem. É de conhecimento geral que a Cordilheira dos Andes percorre todo o Chile, limitando-o a leste da vizinha Argentina. Sobre essa linha de montanhas sei que nem preciso me referir, de tantas informações que o leitor pode encontrar em buscas das mais simples. O que poucos sabem é que o Chile conta também com uma segunda cadeia montanhosa, que percorre o País paralelamente aos Andes. Ela é chamada de Cordilheira da Figura 2. O PN La Campana quando visto de cima, mostra duas áreas bem nitidamente distintas, Costa e aparece no norte do Chile (na separadas pela cadeia de montanhas. Um bosque úmido (direita), na face sul, pode ser reconhecido pela região de Arica), se estendendo até o sul, coloração esverdeada; essa aparência contrasta com a cor acinzentada do matorral esclerofilo (esquerda). onde se encontra com o Oceano Pacífico. Sua origem geológica é cos redutos da vegetação seca típica da região. Ali são encontramais antiga que os Andes e, assim, tem altitudes muito mais mode- das formações vegetacionais bem características e contrastantes radas. É essa cordilheira que, na região central do Chile, separa para um observador de aves brasileiro (Figura 2). Uma delas é o sua capital Santiago da região costeira de Valparaíso. E é justa- localmente chamado matorral esclerofilo, tipo de mata seca mente em sua face leste que se encontra o Parque Nacional La bastante densa com domínio de arbustos e entremeada por árvo- Campana, já no município de Valparaíso. res isoladas ou agrupamentos da palmeira-do-chile (Jubaea chi- Localizado na zona central do Chile (Figura 1) e a pouco mais lensis). Essa paisagem contrasta fortemente com as matas hidróde 100 km da capital, essa unidade de conservação é um dos úni- filas e esclerofilas nas encostas úmidas da face sul as quais, devi- 33

2 Figura 3. As trilhas no interior do PN La Campana recebem manutenção frequente e são ricamente sinalizadas (Foto: Marcelo A. Villegas V.). do às maiores condições de umidade chegam a se parecer com algumas matas alteradas de Curitiba, até mesmo como certas áreas do Parque Barigui. O parque, criado em 1967, conta com uma área de cerca de 8000 hectares, tem três acessos (um pelo norte e dois pelo sul) e é possível acampar em seu interior mediante pagamento de uma taxa (cerca de 12 dólares), além da taxa de entrada (3 dólares). A estrutura de trilhas é muito boa e a sua manutenção é constante (Figura 3). Por elas é possível atingir diversos pontos do Parque, cujos caminhos levam a paisagens áridas e, por sua peculiaridade, verdadeiramente fascinantes. Visitei essa localidade em 29 de dezembro de 2009, quando adentrei pela porção sul, no setor Granizo, e percorri parte do parque em direção ao setor Ocoa, ponto inserido no coração do matorral esclerofilo, tipo vegetacional tão peculiar. Ali os maiores atrativos ornitológicos são, tradicionalmente, as espécies endêmicas locais que podem ser encontradas com relativa facilidade. Essas aves, ilustradas pela turca (Pteroptochos megapodius), o tapaculo (Scelorchilus albicollis) e o canastero (Pseudasthenes modesta), podem ser encontradas nessa região. A visita rendeu cerca de 20 registros, uma riqueza bastante pequena se comparada com passeios em outros lugares onde estou habituado como a Serra do Mar. No entanto, o que me trouxe grande interesse foram justamente os endemismos locais. Já no caminho para o parque flagrei algumas aves interessantes e bastante comuns na região, como o zorzal (Turdus falcklandii), grupos de tordos (Curaeus curaeus) ao longo das estradas, e os pri- meiros endemismos: a tenca (Mimus thenca) e alguns indivíduos da loica (Sturnella loyca; Figura 4)! Logo na entrada do parque Figura 4. As primeiras aves a serem avistadas são usualmente as mais comuns, mas não necessariamente as menos interessantes. Acima dois endemismos: a tenca (Mimus thenca) e a loica (Sturnella loyca). Abaixo a pomba-araucana (Patagioenas araucana) e o carpinterito (Veniliornis lignarius) (Fotos: Fábio Olmos). 34

3 Figura 5. Detalhe da cor avermelhada das costas do aguilucho (Geranoaetus polyosoma), de outra forma virtualmente idêntico a seu primo, o gavião-de-cauda-branca (G. albicaudatus) (Foto: Fábio Olmos). Quando se chega finalmente ao Portezuelo Ocoa, e finalmente pode-se vislumbrar a paisagem do matorral (de um local mui- tíssimo privilegiado, diga-se de passagem), é possível perceber a grande representatividade e imponência dos agrupamentos da palmeira-chilena (Jubaea chilensis), que salpicam a paisagem seca até onde a vista pode alcançar (Figura 7). A descida não guardou muitas surpresas, provavelmente pelo intenso calor e sol constan- te! Aliás, o clima local é bastante agressivo com seus moradores. A aridez é constante ao longo do ano, e o clima varia entre verões (bem) secos e (muito) quentes e invernos chuvosos e muito frios. A concepção de chuvoso, no entanto, deve ser contextualizada. vêm de muito longe e o uso do playback é virtualmente inútil A precipitação anual na região de La Campana varia entre 400 fomos bem recebidos e devidamente informados pelos guardaparques sobre locais de acampamento, mapas com as trilhas, onde há guaritas, banheiros etc. Iniciamos a subida pelo setor Granizo, portanto na face sul e pela vertente mais úmida e florestada. Ali é comum ouvir ao longo do caminho diversas aves, sendo o fio-fio (Elaenia chilensis) uma das mais frequentes. Como todo representante do gênero, é muito difícil visualizá-la sem auxílio de chama eletrônica, mas como é uma espécie bastante comum, mesmo em parques de Santiago, não me esforcei demais para avistá-la. Também figurou a pomba-araucana (Patagioenas araucana; Figura 4), semelhante à minha velha conhecida pomba-amargosa (P. cayennensis) e, em altitude maior e fora das florestas, um avistamento custoso de um carpinterito, ou picapauzinho (Veniliornis lignarius; Figura 4). Esse pica-pau é bastante sem sal se comparado a seus parentes brasileiros, afinal, é simplesmente cinza! Um fato interessante desse grupo de pica-paus é que a cor de suas plumagens varia geograficamente de acordo com a vegetação predominante, ou seja, os que vivem em áreas florestadas são oliva e aqueles que ocupam regiões áridas são acinzentados. Dentre aquelas aves que costumam passar por sobre nossas cabeças registrei o urubu-de-cabeça-vermelha (Cathartes aura), o chimango, localmente tiuque (Milvago chimango), e o aguilucho (Geranoaetus polyosoma; Figura 5), que forrageava planando contra o vento, imóvel e sem bater as asas, de forma semelhante a seu congênere gavião-de-cauda-branca (G. albicaudatus) e algumas outras espécies do gênero Buteo. Essas aves ocorrem também no Brasil, mas apenas ali podem ser observadas associadas a esse tipo especial de paisagem, o que confere um sabor todo especial ao momento da observação. Depois de uma boa caminhada morro acima, se chega a uma zona de transição entre as vertentes úmida e seca, onde vi diversos objetivos ornitológicos pessoais (Figura 6): o carpintero (Colaptes pitius), habitante comum mesmo em áreas agrícolas; o tijeral (Leptasthenura aegithaloides) típico representante do gênero, do qual sou bem familiarizado ao nosso grimpeiro (L. setaria); e um dos mais interessantes para mim, o cachudito (Anairetes parulus), simpático tiranídeo de pequeno porte que, pelo comportamento, me lembrou um alegrinho (Serpophaga subcristata). Aqui também o observador já tem contato com os endemismos mais interessantes, alguns rinocriptídeos muito vocais e muito tímidos, de difícil visualização. A voz da turca (Pteroptochos megapodius) é ouvida de longe que curiosamente me remeteu à voz de Nyctibius griseus assim como do churrín (Scytalopus fuscus), aquela característica voz repetitiva. Usualmente, e para desespero do observador mais ansioso, esses primeiros contatos Figura 6. Mais três peculiares aves locais: o cachudito (Anairetes parulus), o tijeral (Leptasthenura aegithaloides) e o carpintero (Colaptes pitius). (Fotos: Gonzalo Gonzalez C., Juan José Soto Sanhueza e Fábio Olmos). 35

4 Figura 7. O Portezuelo Ocoa se localiza na crista que dá acesso ao monte El Guanaco e permite uma excelente vista da paisagem de ambas as faces. Acima e à direita uma vista da paisagem com destaque para a distribuição da palmeira-do-chile em meio à vegetação arbustiva. Abaixo, dois típicos e endêmicos representantes da flora local, a palmeira-do-chile (Jubaea chilensis) e o quisco (Echinopsis chiloensis). mm a barlavento, portanto na face sul - e 300 mm a sotavento, na do-se rapidamente e que hoje conta com populações distribuídas região mais árida da face norte. É válida uma comparação destes por boa parte do país. Ao entardecer ainda tive a oportunidade de valores, pois são menores que aqueles registrados no semi-árido chamar e vislumbrar o canastero (Pseudoasthenes modesta; Figubrasileiro, no nordeste do país, cuja precipitação anual varia entre ra 9), este sim um dos endemismos restritos à vegetação seca des- 300 e 800 mm! A umidade relativa do ar, em média, varia entre sa porção do Chile. Estas aves têm comportamento bem interes- 75% e 70%, respectivamente nos setores mais úmidos e secos do sante. Assim como muitos furnarídeos, fazem seus ninhos em parque. Garrafas de água são fundamentais, especialmente consi- locais facilmente avistados: grandes estruturas feitas de ramos derando que ao longo de todo o trajeto não encontramos sequer secos. Tal como acontece entre nossos Phacellodomus, uma das uma fonte de água. melhores maneiras de avistá-los é encontrar os ninhos, pois sem- No local que escolhemos para acampar ainda consegui obser- pre ficam nas imediações. Também como muitos parentes da famívar brevemente a codorna-da-califórnia (Callipepla californica; lia, são bastante agressivos e, portanto, respondem bem ao play- Figura 8), ave exótica introduzida no Chile em 1870, aclimatan- back, ficando bem agitados ao redor do observador. 36

5 Figura 8. A codorna-da-califórnia (Callipepla californica) é uma espécie exótica no Chile, ou seja, não é nativa do país. Adaptou-se muito bem ao clima e vegetação locais e hoje pode ser encontrada em quase todo o Chile em ambientes nativos (Foto: Juan José Soto Sanhueza). nejado um passeio curto, já não tínhamos mais água para suportar um retorno em pleno sol. Fomos obrigados a iniciar a volta ainda de manhã! O caminho de volta se passou sem grandes surpresas, mas pude avistar novamente grande parte das aves que vi no dia anterior. Essas oportunidades são ótimas, pois pode-se reparar em outros aspectos do comportamento ou da plumagem que em um primei- ro momento não se presta atenção. Como é comum quando se está passarinhando, uma diuca (Diuca diuca; Figura 12) resolveu nos surpreender nos últimos momentos da passagem por essas terras tão secas, deixando claro que uma única visita, e tão curta, não é suficiente para o observador aproveitar a avifauna local. Lenta- Passei somente uma noite em La Campana e na manhã seguinte tive o privilégio de ouvir todas as espécies de maior interesse nas proximidades do local de acampamento. As vozes da turca (Pteroptochos megapodius; Figura 11) e do churrín (Scytalopus fuscus), desta vez fortes e abundantes, dominaram o cenário acústico no amanhecer, deixando breves janelas para se ouvir o canto do tapaculo (Scelorchilus albicollis; Figura 10), pássaro enigmático que é consideravelmente raro em outras localidades, mas que ali tem população aparentemente saudável, como testemunhei e pela sinfonia de vozes que ouvi nessa manhã. Com auxílio de playback pude contemplar todos eles, embora apenas brevemente, pois são todas aves muito tímidas. Além disso, como tínhamos pla- Figura 9. Uma das aves mais interessantes e atrativas do PN La Campana, o canastero (Pseudoasthenes modesta) é facilmente atraído com auxílio de chama eletrônica (playback) (Foto: Fábio Olmos). Figura 10. O tapaculo Scelorchilus albicollis é bastante tímido e um dos endemismos mais desafiadores do PN La Campana (Foto: Gonzalo Gonzalez C.). 37

6 Figura 11. Outro representante da família, a turca (Pteroptochus megapodius; esquerda) é facilmente ouvida no PN La Campana (Foto: Fábio Olmos). À direita o local de acampamento, de onde se podem registrar vários dos endemismos locais e muitas aves que habitam essa vegetação. mente deixamos a paisagem árida para trás, substituindo os cantos ásperos típicos da sequidão da face norte, pelas vozes melodiosas e menos sujeitas às rudezas da vertente mais úmida do parque. Destaco que esta viagem não foi especificamente para passarinhar. Estava acompanhado de meu primo e um amigo, ambos não aficionados por aves como eu, e por isso todo o trajeto foi menos privilegiado por buscas pelos emplumados do que seria se fosse um grupo exclusivamente ornitófilo. Lembro também, ao leitor, que o parque está muito próximo a centros urbanos, e há uma entrada diretamente pela face norte, aonde se chega diretamente à vegetação seca (Sector Ocoa). Sem sombra de dúvidas, o cenário pitoresco e a sensação de grandiosidade da região fazem valer qualquer incursão ao PN La Campana (Figura 13). Figura 12. Ilustre residente local, a diuca (Diuca diuca) nos presenteou com uma ultima aparição antes de partirmos de La Campana (Foto: Gonzalo Gonzalez C.). Agradecimentos Fábio Olmos, Gonzalo Gonzalez C. e Juan José Soto Sanhueza gentilmente cederam grande parte das imagens que ilustram o texto. Agradeço também aos amigos Rodrigo Alarcón Vasquez e Larry J. Gonzalez pela companhia na excursão. Links interessantes moreira/actualizacion_2012/ LaCampanapag1_26.pdf redobservadores.cl/ category/chiricoca/ Figura 13. Uma bela imagem que o visitante tem no PN La Campana: a vista privilegiada do Cerro La Campana, local explorado entusiasticamente por Charles Darwin em 1834 (Foto: Marcelo A. Villegas V.). 1 Equipe Atualidades Ornitológicas. 2 Hori Consultoria Ambiental 38

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes Clima e Formação Vegetal O clima e seus fatores interferentes O aquecimento desigual da Terra A Circulação atmosférica global (transferência de calor, por ventos, entre as diferentes zonas térmicas do

Leia mais

Professores: Clodoaldo e Jaime

Professores: Clodoaldo e Jaime Professores: Clodoaldo e Jaime A atmosfera é uma camada gasosa que envolve a Terra composta por vários gases. Ela é dividida em camadas de acordo com a altitude e as propriedades físicas, e composição

Leia mais

AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS

AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS Tema 1: A América no mundo 1. Um continente diversificado A América possui grande extensão latitudinal e, por isso, nela encontramos diversas paisagens. 2. Fatores

Leia mais

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 8 ANO B Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1- (1,0) A mundialização da produção industrial é caracterizada

Leia mais

Itinerário detalhado: Detalhes do Programa. As principais atracções. Itinerário resumido

Itinerário detalhado: Detalhes do Programa. As principais atracções. Itinerário resumido Itinerário detalhado: Dia 1: Chegando ao aeroporto, começa a aventura na Reserva Biológica Huilo Huilo Aeroporto até a Reserva Biológica Huilo Huilo, Chile Detalhes do Programa Código: NAT 01 Temporada:

Leia mais

1 Você já participou de alguma atividade do Programa de Formação Cultural?

1 Você já participou de alguma atividade do Programa de Formação Cultural? 1 1 Você já participou de alguma atividade do Programa de Formação Cultural? sim não Não respondeu (NR) Não entregou 78 30 2 17 sim não NR Não entregou 2% 13% 24% 61% 2 2 - Conhecia o Parque Estadual da

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

Exploradores da Patagônia

Exploradores da Patagônia Rota One Way Exploradores da Patagônia Ushuaia - Punta Arenas 4 noites M/N Via Australis A partir de US$ 1,440 em acomodação dupla ALL INCLUSIVE Mapa AMÉRICA DO SUL Santiago Buenos Aires Mapa com fins

Leia mais

PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA

PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA UFRGS 2012 São fatores limitantes dos biomas: Umidade: ausência ou excesso; Solo: tipo de nutrientes e tempo de intemperismo; Temperatura: Amplitude Térmica; Luz solar:

Leia mais

MAS O QUE É A NATUREZA DO PLANETA TERRA?

MAS O QUE É A NATUREZA DO PLANETA TERRA? MAS O QUE É A NATUREZA DO PLANETA TERRA? A UNIÃO DOS ELEMENTOS NATURAIS https://www.youtube.com/watch?v=hhrd22fwezs&list=plc294ebed8a38c9f4&index=5 Os seres humanos chamam de natureza: O Solo que é o conjunto

Leia mais

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R:

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R: Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 7 ANO A Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1-(1,0) A paisagem brasileira está dividida em domínios morfoclimáticos.

Leia mais

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA Profª Margarida Barros Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA RAMO DA GEOGRAFIA QUE ESTUDA O CLIMA Sucessão habitual de TEMPOS Ação momentânea da troposfera em um determinado lugar e período. ELEMENTOS

Leia mais

EXPEDIÇÃO IMPÉRIO INCA 2015

EXPEDIÇÃO IMPÉRIO INCA 2015 MACHU PICCHU, LAGO TITICACA, DESERTO DO ATACAMA, NORTE ARGENTINO 23 DIAS (veículos) FORMATO EXPEDIÇÃO COM VEÍCULOS GRUPO MÁXIMO PARA A VIAGEM: 20 PESSOAS OU 08 VEÍCULOS Saída Brasil (em veículos) : 03/09/

Leia mais

GEOGRAFIA. Professora Bianca

GEOGRAFIA. Professora Bianca GEOGRAFIA Professora Bianca TERRA E LUA MOVIMENTO DA LUA MOVIMENTOS DA TERRA TEMPO E CLIMA Tempo é o estado da atmosfera de um lugar num determinado momento. Ele muda constantemente. Clima é o conjunto

Leia mais

Geografia - Clima e formações vegetais

Geografia - Clima e formações vegetais Geografia - Clima e formações vegetais O MEIO NATURAL Clima e formações vegetais 1. Estado do tempo e clima O que é a atmosfera? A atmosfera é a camada gasosa que envolve a Terra e permite a manutenção

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

CORREÇÃO DA ORIENTAÇÃO PARA PROVA TRIMESTRAL = 8º ANO = DIA 25/10 (3ª FEIRA)

CORREÇÃO DA ORIENTAÇÃO PARA PROVA TRIMESTRAL = 8º ANO = DIA 25/10 (3ª FEIRA) CORREÇÃO DA ORIENTAÇÃO PARA PROVA TRIMESTRAL = 8º ANO = DIA 25/10 (3ª FEIRA) BOM ESTUDO Profª Sueli Rocha CONTEÚDO: Os tipos de clima do continente Americano 01 Conceituar clima R: Clima é a seqüência

Leia mais

Os diferentes climas do mundo

Os diferentes climas do mundo Os diferentes climas do mundo Climas do Mundo Mapa dos climas do mundo Climas quentes Equatoriais Tropical húmido Tropical seco Desértico quente Climas temperados Temperado Mediterrâneo Temperado Marítimo

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Grande extensão territorial Diversidade no clima das regiões Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Motivação! Massas de Ar Grandes

Leia mais

REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1

REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1 REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1 Continente Americano Prof. Ivanei Rodrigues Teoria sobre a formação dos continentes Transformação da crosta terrestre desde a Pangeia até os dias atuais. A Teoria da

Leia mais

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR CLIMAS DO BRASIL São determinados pelo movimento das massas de ar que atuam no nosso território. É do encontro dessas massas de ar que vai se formando toda a climatologia brasileira. Por possuir 92% do

Leia mais

Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais

Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais Início Zonas climáticas No planeta Terra existem cinco grandes zonas climáticas:

Leia mais

Aves Endêmicas do Nordeste. por Roberto Dall'Agnol. Período: 15 a 30 de julho de 2014

Aves Endêmicas do Nordeste. por Roberto Dall'Agnol. Período: 15 a 30 de julho de 2014 Aves Endêmicas do Nordeste por Roberto Dall'Agnol Período: 15 a 30 de julho de 2014 Durante o mês de julho de 2014, constava na minha agenda uma viagem de negócios para Candeias, na Bahia (próximo a Salvador).

Leia mais

GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL

GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL GEOGRAFIA DO RIO GRANDE DO SUL 1. Posição e situação geográfica. O Rio Grande do Sul é o estado mais meridional do Brasil, localiza-se no extremo sul do país. Tem um território de 282.062 km 2, ou seja,

Leia mais

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8 Climas e Formações Vegetais no Mundo Capítulo 8 Formações Vegetais Desenvolvem-se de acordo com o tipo de clima, relevo, e solo do local onde se situam.de todos estes, o clima é o que mais se destaca.

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 www.colegiomr.com.br PROFESSOR ALUNO ANA CAROLINA DISCIPLINA GEOGRAFIA A TURMA SIMULADO: P3 501 Questão

Leia mais

Avenida São João, centro de São Paulo: luz do Sol não chega ao solo por causa do excesso de prédios

Avenida São João, centro de São Paulo: luz do Sol não chega ao solo por causa do excesso de prédios Avenida São João, centro de São Paulo: luz do Sol não chega ao solo por causa do excesso de prédios te o dia e geladeiras à noite. O põe-e-tira de agasalho - e, claro, a propagação de habitações precárias,

Leia mais

América Latina: quadro natural e exploração dos recursos naturais

América Latina: quadro natural e exploração dos recursos naturais Yiannos1/ Dreamstime.com América Latina: quadro natural e exploração dos recursos naturais Imagem de satélite do continente americano. Allmaps Allmaps Divisão Política (por localização) América do Norte

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 O Sol e a dinâmica da natureza. O Sol e a dinâmica da natureza. Cap. II - Os climas do planeta Tempo e Clima são a mesma coisa ou não? O que

Leia mais

1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram. na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de julho de 2013

1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram. na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de julho de 2013 1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de julho de 2013 O mês de julho foi caracterizado pela presença de sete sistemas frontais,

Leia mais

Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série. A Biosfera A terra, um planeta habitado. Biomas e ambientes aquáticos. Os biomas terrestres

Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série. A Biosfera A terra, um planeta habitado. Biomas e ambientes aquáticos. Os biomas terrestres Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série A Biosfera A terra, um planeta habitado De todos os planetas conhecidos do Sistema Solar, a Terra é o único que apresenta uma biosfera, onde a vida se desenvolve.

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

Audax Randonneurs Ciclismo de Longa Distância por Claudia Franco

Audax Randonneurs Ciclismo de Longa Distância por Claudia Franco Audax Randonneurs Ciclismo de Longa Distância por Claudia Franco O que é o Audax Randonneurs Audax Randonneur é um evento ciclístico nãocompetitivo e de longa distância realizado somente por estrada e

Leia mais

CAPÍTULO 11 O FENÔMENO EL NINO

CAPÍTULO 11 O FENÔMENO EL NINO CAPÍTULO 11 O FENÔMENO EL NINO 1.0. O que é o El Nino? É o aquecimento anômalo das águas superficiais na porção leste e central do oceano Pacífico equatorial, ou seja, desde a costa da América do Sul até

Leia mais

O estado de tempo e o clima Elementos e fatores climáticos

O estado de tempo e o clima Elementos e fatores climáticos O estado de tempo e o clima Elementos e fatores climáticos Escola Estadual Desembargador Floriano Cavalcanti PIBID-UFRN Geografia 6º ano O ESTADO DE TEMPO O ESTADO DE TEMPO VARIA: 11H 30M AO LONGO DO DIA

Leia mais

Exercícios Tipos de Chuvas e Circulação Atmosférica

Exercícios Tipos de Chuvas e Circulação Atmosférica Exercícios Tipos de Chuvas e Circulação Atmosférica 1. De acordo com as condições atmosféricas, a precipitação pode ocorrer de várias formas: chuva, neve e granizo. Nas regiões de clima tropical ocorrem

Leia mais

Agência de Desenvolvimento Turístico e Cultural da Rota dos Tropeiros do Paraná

Agência de Desenvolvimento Turístico e Cultural da Rota dos Tropeiros do Paraná 1ª etapa Na área central de Castro, estão distribuídos diversos prédios históricos tombados, além de diversas áreas verdes e de lazer como o Morro do Cristo, o Parque Lacustre e o Parque Dr. Libânio E.

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS DO MUNDO SAVANAS E DESERTOS 2011 Aula VI AS PRINCIPAIS FORMAÇÕES VEGETAIS DO PLANETA SAVANAS As savanas podem ser encontradas na África, América do Sul e Austrália sendo

Leia mais

FERNANDA ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO

FERNANDA ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO Aluno (a): Disciplina GEOGRAFIA Curso Professor ENSINO MÉDIO FERNANDA ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO Série 1ª SÉRIE Número: 1 - Conteúdo: Domínios morfoclimáticos - estudar as interrelações

Leia mais

TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL

TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA CONFORTO AMBIENTAL I PROFª RITA SARAMAGO TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL PROJETO: SUGAWARADAISUKE ARCHITECTS LOANY GONZAGA.LUIZA DALVI.MÁRCIA MICHELLE.THAÍS MARA 1.ANÁLISE

Leia mais

As grandes paisagens naturais

As grandes paisagens naturais As grandes paisagens naturais Prof. Jutorides Regiões Polares Dividem-se em Ártica e Antártica; Ártica: Norte da Europa, Rússia, Canadá e Groenlândia; Clima: mínima -35oC e máxima 10oC; Vegetação: Tundra

Leia mais

BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES

BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES Nome: Data: / / 2015 ENSINO FUNDAMENTAL Visto: Disciplina: Natureza e Cultura Ano: 1º Lista de Exercícios de VC Nota: BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES QUANDO OS PORTUGUESES CHEGARAM AO BRASIL, COMANDADOS

Leia mais

Sugestões de avaliação. Geografia 8 o ano Unidade 3

Sugestões de avaliação. Geografia 8 o ano Unidade 3 Sugestões de avaliação Geografia 8 o ano Unidade 3 5 Nome: Data: Unidade 3 1. Complete o trecho a seguir com informações sobre a localização do continente americano. O continente americano é o segundo

Leia mais

O Clima do Brasil. É a sucessão habitual de estados do tempo

O Clima do Brasil. É a sucessão habitual de estados do tempo O Clima do Brasil É a sucessão habitual de estados do tempo A atuação dos principais fatores climáticos no Brasil 1. Altitude Quanto maior altitude, mais frio será. Não esqueça, somente a altitude, isolada,

Leia mais

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de A U A UL LA Observar a paisagem Nesta aula, vamos verificar como a noção de paisagem está presente na Geografia. Veremos que a observação da paisagem é o ponto de partida para a compreensão do espaço geográfico,

Leia mais

Unidade Portugal. Nome: 3 o ano (2ª série) Manhã. AVALIAÇÃO DO GRUPO X 4 o BIMESTRE. Borboletas Urbanas

Unidade Portugal. Nome: 3 o ano (2ª série) Manhã. AVALIAÇÃO DO GRUPO X 4 o BIMESTRE. Borboletas Urbanas Unidade Portugal Ribeirão Preto, de de 2011. Nome: 3 o ano (2ª série) Manhã AVALIAÇÃO DO GRUPO X 4 o BIMESTRE Eixo temático - Natureza amiga Disciplina/Valor Português 3,0 Matemática 3,0 Hist/Geo 3,0 Ciências

Leia mais

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 30 O CLIMA NO BRASIL

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 30 O CLIMA NO BRASIL GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 30 O CLIMA NO BRASIL Como pode cair no enem (PUC Adaptado) ºC 30 20 10 0 mm 500 350 250 150 1811 mm anuais 50 0 Baseado no climograma e nas afirmativas a seguir, responda a

Leia mais

Guia Ilustrado: Região dos Lagos e Vulcões, Chile.

Guia Ilustrado: Região dos Lagos e Vulcões, Chile. Guia Ilustrado: Região dos Lagos e Vulcões, Chile. Fig. 1: Mapa do sul da América do Sul com detalhamento da Região dos Lagos no sul do Chile. Em amarelo as principais estradas e em azul a rota percorrida

Leia mais

REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH

REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH 01. (UDESC_2011_2) Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), existem no Brasil oito Bacias Hidrográficas. Assinale a alternativa

Leia mais

FOTO-AVENTURA.!Fuji X-T1. XF 18-55mm. 22,3mm. f/8. 1/1000. ISO 400. 10 zoom - FOTOGRAFIA PRÁTICA

FOTO-AVENTURA.!Fuji X-T1. XF 18-55mm. 22,3mm. f/8. 1/1000. ISO 400. 10 zoom - FOTOGRAFIA PRÁTICA FOTO-AVENTURA!Fuji X-T1. XF 18-55mm. 22,3mm. f/8. 1/1000. ISO 400 10 zoom - FOTOGRAFIA PRÁTICA Sudoeste americano UMA AMÉRICA FEITA DE MONTANHAS E DESFILADEIROS MAURÍCIO MATOS DECIDIU EXPLORAR O LADO SELVAGEM

Leia mais

Terminologia Vegetal

Terminologia Vegetal Efeitos da latitude e da altitude sobre os biomas. Terminologia Vegetal Aciculifoliadas folhas em forma de ; Coriáceas folhas, e normalmente ; Decíduas antes de secas ou invernos rigorosos; Latifoliadas

Leia mais

D) As planícies brasileiras terminam, na sua grande maioria, em frentes de cuestas nome que se dá às áreas planas das praias.

D) As planícies brasileiras terminam, na sua grande maioria, em frentes de cuestas nome que se dá às áreas planas das praias. 01 - (UDESC 2008) Para classificar o relevo, deve-se considerar a atuação conjunta de todos fatores analisados a influência interna, representada pelo tectonismo, e a atuação do clima, nos diferentes tipos

Leia mais

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL 1.0. Clima no Mundo A grande diversidade verificada na conjugação dos fatores climáticos pela superfície do planeta dá origem a vários tipos de clima. Os principais

Leia mais

A importância do continente europeu reside no fato de este ter

A importância do continente europeu reside no fato de este ter Conhecido como velho mundo, o continente europeu limitase a oeste com o Oceano Atlântico, ao sul com o Mediterrâneo, ao norte com o oceano Glacial Ártico e a leste com a Ásia, sendo que os Montes Urais

Leia mais

NACIONAIS DIA NA COLÔNIA. HOLANDA NO PARANÁ (Carambeí e Castrolanda) (Witmarsum) Catálogo de Viagens CATÁLOGO DE VIAGENS

NACIONAIS DIA NA COLÔNIA. HOLANDA NO PARANÁ (Carambeí e Castrolanda) (Witmarsum) Catálogo de Viagens CATÁLOGO DE VIAGENS Catálogo de Viagens Catálogo de Viagens CATÁLOGO DE VIAGENS DIA NA COLÔNIA (Witmarsum) Venha participar de um dia inesquecível, onde vamos ter a oportunidade de conhecer o modo de vida dos imigrantes menonitas

Leia mais

Setembro 2015 - Abril 2016. português

Setembro 2015 - Abril 2016. português Setembro 2015 - Abril 2016 português Viva uma experiência única no fim do mundo TRAVESSIA ÚNICA PELO FIM DO MUNDO Convidamos você a explorar as maravilhas dos fiordes mais austrais da Patagônia com a Australis,

Leia mais

mundo JÁ PENSOU EM CONHECER O PLANETA A PÉ? Para Andando pelo Inspiração horizontes

mundo JÁ PENSOU EM CONHECER O PLANETA A PÉ? Para Andando pelo Inspiração horizontes Inspiração horizontes Andando pelo mundo Conheça os mais belos roteiros de viagem para desafiar a própria resistência e praticar uma boa caminhada [ Por Viviane Oliveira e Carol Rocha ] JÁ PENSOU EM CONHECER

Leia mais

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente 7. o ANO FUNDAMENTAL Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Tempo, espaço, fontes históricas e representações cartográficas

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Os Grandes Biomas Terrestres. PROF Thiago Rocha

Os Grandes Biomas Terrestres. PROF Thiago Rocha Os Grandes Biomas Terrestres PROF Thiago Rocha Bioma: Uma comunidade de plantas e animais, com formas de vida e condições ambientais semelhantes. (Clements, 1916) Florestas tropicais A área de ocorrência

Leia mais

Tarefa online 8º ANO

Tarefa online 8º ANO Tarefa online 8º ANO 1) Estabelecendo-se correlações entre a exploração florestal no Globo e as Zonas Climáticas, pode-se inferir que: 2) O Domínio morfoclimático das pradarias é uma área marcada: a) pelo

Leia mais

R010 NAT Patagônia Argentina

R010 NAT Patagônia Argentina R010 NAT Patagônia Argentina INTRODUÇÃO AO DESTINO A Ando leva você a um dos mais incríveis Patrimônios Universais da UNESCO! Aquele que estiver disposto a andar em suas trilhas magníficas, com certeza

Leia mais

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber Ipê Amarelo Fatores que influenciam na distribuição das formações vegetais: Clima 1. Temperatura; 2. Umidade; 3. Massas de ar; 4. Incidência

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

BIOMAS BRASILEIROS. Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia

BIOMAS BRASILEIROS. Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia BIOMAS BRASILEIROS Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia BIOMA: É CONJUNTO DE ECOSSISTEMAS TERRESTRES, CLIMATICAMENTE CONTROLADOS, QUE SÃO CARACTERIZADOS POR UMA VEGETAÇÃO PRÓPRIA (RAVEN ET AL., 2001) LOCALIZAÇÃO

Leia mais

A origem, evolução e diversidade da fauna da Mata Atlântica. André Victor Lucci Freitas Departamento de Biologia Animal Unicamp

A origem, evolução e diversidade da fauna da Mata Atlântica. André Victor Lucci Freitas Departamento de Biologia Animal Unicamp A origem, evolução e diversidade da fauna da Mata Atlântica André Victor Lucci Freitas Departamento de Biologia Animal Unicamp Distribuição da Mata Atlântica Aparentemente, uma faixa homogênea de florestas

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

HIDROGRAFIA GERAL E DO BRASIL

HIDROGRAFIA GERAL E DO BRASIL HIDROGRAFIA GERAL E DO BRASIL QUESTÃO 01 - A Terra é, dentro do sistema solar, o único astro que tem uma temperatura de superfície que permite à água existir em seus três estados: líquido, sólido e gasoso.

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

Nós temos muitas aves e outros animais. Hà alguns meses atrás, eu vi uma irara próximo à nossa fazenda. Era bem cedo pela manhã e eu fui até a

Nós temos muitas aves e outros animais. Hà alguns meses atrás, eu vi uma irara próximo à nossa fazenda. Era bem cedo pela manhã e eu fui até a Olá, eu sou Alex. Na verdade, meu nome é Tito Alexander, mas todos me chamam de Alex. Eu vivo em São Miguelito, nas montanhas do oeste de El Salvador, próximo do Parque Nacional O Impossível. O parque

Leia mais

Bioma é um conceito estabelecido para classificar ambientes com base na

Bioma é um conceito estabelecido para classificar ambientes com base na 1 Bioma é um conceito estabelecido para classificar ambientes com base na composição predominante da vegetação. O padrão climático (temperatura e precipitação) representa o principal aspecto utilizado

Leia mais

As grandes paisagens naturais da Terra. - Regiões Polares: latitudes maiores que 66 Norte e Sul. (critério = latitude)

As grandes paisagens naturais da Terra. - Regiões Polares: latitudes maiores que 66 Norte e Sul. (critério = latitude) As grandes paisagens naturais da Terra - Regiões Polares: latitudes maiores que 66 Norte e Sul. (critério = latitude) > Pólo Norte (Ártico): compreende o Oceano Glacial Ártico, Noruega, Suécia e Finlândia,

Leia mais

ECOSSISTEMA INDIVÍDUO

ECOSSISTEMA INDIVÍDUO Biodiversidade O diversidade biológica - descreve a riqueza e a variedade do mundo natural. As plantas, os animais e os microrganismos fornecem alimentos, remédios e boa parte da matéria-prima industrial

Leia mais

Figura1: Trajeto da Trilha da Saracura com seus respectivos pontos interpretativos.

Figura1: Trajeto da Trilha da Saracura com seus respectivos pontos interpretativos. PLANEJAMENTO E IMPLANTAÇÃO DE UMA TRILHA INTERPRETATIVA NA MATA ATLÂNTICA PARA ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS RIO DO SUL Autores: Alessandra Lariza KRUG, Marcelo

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5. o ANO/EF - 2015

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5. o ANO/EF - 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC MINAS E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5. o ANO/EF - 2015 Caro(a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados

Leia mais

Conjunto de ecossistemas caracterizados por tipos fisionômicos vegetais comuns.

Conjunto de ecossistemas caracterizados por tipos fisionômicos vegetais comuns. OS BIOMAS BIOMAS Conjunto de ecossistemas caracterizados por tipos fisionômicos vegetais comuns. ECOSSISTEMA Comunidade de organismos (biocenose) junto com o ambiente físico e químico (biótopo) no qual

Leia mais

Em horário oportuno traslado ao aeroporto para embarque em vôo com destino a Ushuaia (Tierra del Fuego). Chegada, recepção e traslado ao hotel.

Em horário oportuno traslado ao aeroporto para embarque em vôo com destino a Ushuaia (Tierra del Fuego). Chegada, recepção e traslado ao hotel. Buenos Aires ** roteiro e fotos Viva Terra Chegada em Buenos Aires, recepção e traslado ao hotel. Hospedagem por 01 noite com café da manhã. Buenos Aires Ushuaia Em horário oportuno traslado ao aeroporto

Leia mais

Paisagens Climatobotânicas do Brasil

Paisagens Climatobotânicas do Brasil Paisagens Climatobotânicas do Brasil 1. (UEL-2012) Os domínios morfoclimáticos brasileiros são definidos a partir da combinação dos elementos da natureza, como os climáticos, botânicos, pedológicos, hidrológicos

Leia mais

ESTUDO DE CASO. São Paulo, novembro de 2009

ESTUDO DE CASO. São Paulo, novembro de 2009 ESTUDO DE CASO São Paulo, novembro de 2009 O PROJETO PATRIMÔNIO DO CARMO Local: residência em condomínio fechado em São Roque / SP Área: 2.700 m² (que se unem às áreas de reserva, comuns a todos os condôminos)

Leia mais

Caatinga: exclusivamente brasileira

Caatinga: exclusivamente brasileira Caatinga: exclusivamente brasileira Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Biodiversidade e Florestas Departamento de Conservação da Biodiversidade Parque Nacional da Serra da Capivara - PI Caatinga:

Leia mais

BIOMAS DOMÍNIOS VEGETAIS. Jonathan Kreutzfeld

BIOMAS DOMÍNIOS VEGETAIS. Jonathan Kreutzfeld BIOMAS DOMÍNIOS VEGETAIS Jonathan Kreutzfeld FITOGEOGRAFIA É a ciência que estuda a distribuição geográfica dos vegetais de acordo com as suas características. BIÓTOPO: Delimitação de um habitat. Temperatura

Leia mais

Prof: Franco Augusto

Prof: Franco Augusto Prof: Franco Augusto Efeito de latitude A forma esférica da Terra, faz os raios solares chegarem com intensidades variadas nas diversas porções do planeta. Nas áreas próximas à linha do Equador, com baixas

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

ENSINO MÉDIO. Data :23/05/2012 Etapa: 1ª Professor: MARCIA C. Nome do (a) aluno (a): Ano:1 º Turma: FG Nº

ENSINO MÉDIO. Data :23/05/2012 Etapa: 1ª Professor: MARCIA C. Nome do (a) aluno (a): Ano:1 º Turma: FG Nº Rede de Educação Missionárias Servas do Espírito Santo Colégio Nossa Senhora da Piedade Av. Amaro Cavalcanti, 2591 Encantado Rio de Janeiro / RJ CEP: 20735042 Tel: 2594-5043 Fax: 2269-3409 E-mail: cnsp@terra.com.br

Leia mais

Terminologia Vegetal Aciculifoliadas folhas em forma de agulha; Latifoliadas folhas largas e grandes; Perenes nunca perdem as folhas por completo; Caducas (decíduas) perdem as folhas antes de secas ou

Leia mais

Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar

Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar A U A U L L A Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar o lugar em que vivemos na superfície da Terra. Vamos verificar que os lugares são agrupados em grandes conjuntos chamados de continentes,

Leia mais

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Diversidade global de climas Motivação! O Clima Fenômeno da atmosfera em si: chuvas, descargas elétricas,

Leia mais

AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53.

AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53. AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53. AULAS 6 e 7: O RELEVO BRASILEIRO PLANALTOS BRASILEIROS: Muito desgastados, antigos, conhecidos também como cinturões orogênicos

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE METEOROLOGIA

NOÇÕES BÁSICAS DE METEOROLOGIA NOÇÕES BÁSICAS DE METEOROLOGIA O objetivo principal deste documento é fornecer conhecimentos básicos de meteorologia prática para a interpretação dos principais sistemas meteorológicos que atingem boa

Leia mais

N O V E E S C O L H A S

N O V E E S C O L H A S comissão turismo Brasil Sul NOVE ESCOLHAS Nove escolhas. Um destino encantador em cada roteiro no sul do Brasil. Escolha um mar azul, um cânion, uma cidade de outro tempo ou as capitais mais modernas da

Leia mais

Biomas e formações vegetais mundiais

Biomas e formações vegetais mundiais Biomas e formações vegetais mundiais Bioma é uma comunidade biológica, ou seja, a fauna e a flora e suas interações entre si e com o ambiente físico, o solo, a água, o ar. O bioma da Terra compreende a

Leia mais

Observe o mapa múndi e responda.

Observe o mapa múndi e responda. EXERCÍCIOS DE REVISÃO COM RESPOSTAS PARA O EXAME FINAL GEOGRAFIA 5ª SÉRIE 1) Escreva V para verdadeiro e F para falso: ( V ) No globo terrestre, no planisfério e em outros mapas são traçadas linhas que

Leia mais

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter Distribuição digital, não-comercial. 1 Três Marias Teatro Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter O uso comercial desta obra está sujeito a direitos autorais. Verifique com os detentores dos direitos da

Leia mais

Itinerário detalhado. Detalhes do Programa. Principais atrações. Itinerário resumido

Itinerário detalhado. Detalhes do Programa. Principais atrações. Itinerário resumido Itinerário detalhado Dia 1: Chegada em Huilo Huilo, a aventura começa! Aeroporto de Detalhes do Programa Código: MA 01 Temporada: Novembro a Abril Saídas regulares: Todos os días Estilo da Viagem: Esportes

Leia mais

PASSEIO NO BOSQUE. Página 1 de 8-10/04/2015-11:18

PASSEIO NO BOSQUE. Página 1 de 8-10/04/2015-11:18 PROFESSOR: EQUIPE DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - HISTÓRIA E GEOGRAFIA 3 ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== PASSEIO NO BOSQUE

Leia mais

Exercícios - Fatores Exógenos

Exercícios - Fatores Exógenos Exercícios - Fatores Exógenos 1. A figura abaixo retrata a barreira que o relevo representa para os ventos e as massas de ar. Com base nesta figura são feitas as seguintes afirmativas: ( F ) As letras

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais