Pró-Reitoria de Graduação Curso de Nutrição Trabalho de Conclusão de Curso COLÁGENO HIDROLISADO NA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DO FIBROEDEMA GELÓIDE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pró-Reitoria de Graduação Curso de Nutrição Trabalho de Conclusão de Curso COLÁGENO HIDROLISADO NA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DO FIBROEDEMA GELÓIDE"

Transcrição

1 Pró-Reitoria de Graduação Curso de Nutrição Trabalho de Conclusão de Curso COLÁGENO HIDROLISADO NA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DO FIBROEDEMA GELÓIDE Autora: Carolina Cruz de Freitas Borges Orientadora: Prof. MsC. Fernanda Damas de Matos Brasília - DF 2012

2 CAROLINA CRUZ DE FREITAS BORGES COLÁGENO HIDROLISADO NA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DO FIBROEDEMA GELÓIDE Artigo apresentado ao curso de graduação em Nutrição da Universidade Católica de Brasília, como requisito parcial à obtenção do título de Bacharel em Nutrição. Professora Orientadora: MsC. Fernanda Damas de Matos Brasília 2012

3 Artigo de autoria de Carolina Cruz de Freitas Borges, intitulado COLÁGENO HIDROLISADO NA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DO FIBROEDEMA GELÓIDE, apresentado como requisito parcial para obtenção do grau de bacharel em Nutrição na Universidade Católica de Brasília - UCB, em de 2012, defendida e aprovada pela banca examinadora abaixo assinada: MsC. Fernanda Damas de Matos Professora orientadora - UCB Nutrição - UCB MsC. Maria Fernanda Castioni Gomes de Souza Membro da banca - Avaliação escrita Nutrição - UCB MsC. Antônio José de Rezende Membro da banca - Avaliação oral Nutrição - UCB Brasília 2012

4 Dedico este trabalho à Deus por tudo que ele me proporciona na vida, a minha família, meu namorado e amigos.

5 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus por me proporcionar força, sabedoria, iluminar meu caminho frente a mais esta caminhada e pela oportunidade de estar realizando este trabalho. Agradeço aos meus pais, Paulo César e Walkíria Cruz, por me incentivarem sempre a enfrentar os obstáculos da vida, aos conselhos de conforto, força, carinho, amor, atenção, por acreditarem em mim e serem a minha referência de tantas maneiras. Essa conquista também é de vocês. Agradeço aos meus irmãos, Júlio e Larissa, pelo companheirismo, por me trazerem tantos momentos alegria, palavras de incentivo e apoio sempre que precisei. Agradeço ao meu namorado, Thiago Moraes, por todo apoio durante esses anos, por estar ao meu lado nos momentos difíceis, pela paciência, consideração, momentos de muita alegria, por tua vibração com as minhas conquistas, de forma tão carinhosa me deu forças e coragem para enfrentar essa jornada, agradeço também a sua família pelo apoio e por me acolherem em todos os momentos que precisei. Agradeço a toda a minha família, avós, tios, primos, em especial as minhas primas, Adna Almeida e Thauany Oliveira, pela ajuda nos trabalhos, cooperação e motivação. Agradeço aos meus amigos, em especial a Flávia Sarkis, Milenna Rosa, Maryana Pedroza, Nataly Niho e Sara Prates, obrigada pela amizade e por todos os momentos únicos que passamos juntas. E agradeço a todos os professores, a minha orientadora, Fernanda Damas, pela paciência e por toda a experiência que adquiri com cada um de vocês.

6 COLÁGENO HIDROLISADO NA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DO FIBROEDEMA GELÓIDE Borges, C. C. F. Colágeno hidrolisado na prevenção e tratamento do fibroedema gelóide. Departamento de Nutrição da Universidade Católica de Brasília, Brasília-DF, Resumo O fibroedema gelóide (FEG), também conhecido popularmente como celulite, é uma das maiores queixas de distorção da estética feminina, por causar um aspecto irregular no tecido subcutâneo. O surgimento dessa alteração ocorre pela compressão dos vasos linfáticos e das microveias, gerada pelo aumento do volume das células de gordura provocando, assim, uma modificação do estado fisiológico da circulação. O FEG atinge principalmente as mulheres, pois se associa à presença do hormônio estrógeno que atua nos locais onde há maior quantidade de tecido adiposo, ou seja, regiões glúteas, coxas, braços e joelhos. Por se tratar de uma disfunção complexa, com causas multifatoriais, o FEG apresenta diversos tratamentos, podendo caracterizar-se por preventivos ou terapêuticos, visando à redução do aspecto irregular. Dentre as opções pode-se destacar a alimentação, a prática de exercícios físicos e a suplementação de substâncias que contribuem para a sustentação da pele, como o colágeno hidrolisado. Este último consiste em uma proteína extraída da articulação e da pele de bovinos, produzido a partir da degradação enzimática do colágeno. Esta proteína desempenha papel benéfico no estímulo da síntese do colágeno natural, que é reduzido com o envelhecimento, na manutenção dos ossos e na integridade das articulações. O objetivo desse trabalho é mostrar de forma sucinta como o FEG acomete a população, principalmente a feminina, suas complicações, evolução e os tratamentos. A suplementação do colágeno hidrolisado aponta resultados significativos, de modo que, essa proteína, principalmente associada à vitamina C, é eficaz na prevenção e tratamento do FEG. Palavras-chave: Fibroedema gelóide. Celulite. Colágeno hidrolisado.

7 1. INTRODUÇÃO Com o avançar da tecnologia, a sociedade vem se tornando cada vez mais acomodada devido à facilidade, à praticidade e ao conforto oriundos desse meio. Como lembra Pitanga e Lessa (2005), a maioria da população está se tornando sedentária, com maus hábitos alimentares, sem tempo de se preocupar com a saúde e com o bem-estar físico e mental. Dentro deste contexto, a população feminina é a mais prejudicada, principalmente em relação à estética, o que diminui sua autoestima, gerada pelo estereótipo imposto pela sociedade. Um dos problemas estéticos que atinge a maioria das mulheres é o fibroedema gelóide (FEG), também conhecido como celulite, sendo uma patologia definida como uma alteração na hipoderme com presença de edema e função linfática alterada. Apresenta aspectos multifatoriais como a predisposição genética, estresse, sedentarismo, fatores hormonais, hábitos alimentares errôneos, etilismo em excesso e tabagismo. A partir dos fatores de risco, os adipócitos aumentam de volume e ocorre compressão de vasos gerando uma série de alterações nas trocas metabólicas (GUIRRO & GUIRRO, 2002). A Nutrição, juntamente com a Estética, contribui na prevenção de certas disfunções e patologias como a própria celulite, ocasionadas tanto pelos maus hábitos como pelas alterações geradas pelo envelhecimento. Dentre as mudanças associadas ao envelhecimento citam-se as rugas, as estrias e a pele flácida, que são modificações aparentes geradas por fatores intrínsecos e extrínsecos que preocupam a população feminina. Com o passar dos anos, há uma perda do colágeno, ocorrendo diminuição da densidade dos ossos, flacidez dos músculos, perda de elasticidade das articulações e dos ligamentos (PUJOL, 2011). Para evitar o envelhecimento precoce, o colágeno é um grande aliado, proporcionando firmeza da pele, elasticidade e tônus. Já na celulite, como ocorre à compressão do núcleo das células adiposas, com distensão do tecido conjuntivo agravando a perda de elasticidade, o colágeno age melhorando a perfusão do sangue, descomprimindo as células adiposas (DAVID et al., 2011; PUJOL, 2011).

8 O colágeno hidrolisado é uma forma especial de colágeno que consiste na degradação enzimática desta substância, que contém glicina, prolina e lisina em sua composição. Este composto auxilia no fortalecimento de unhas e cabelos, na cicatrização, na recuperação de lesões e ainda em processos de emagrecimento, chegando facilmente à corrente sanguínea por meio do trato intestinal. Esta forma hidrolisada garante absorção de aproximadamente 90% pelo organismo (PUJOL, 2011). Diante do exposto, este artigo visa descrever as propriedades do colágeno hidrolisado na atenuação e prevenção do fibroedema gelóide, uma disfunção tão comum na população feminina e tão mal vista do ponto de vista estético e nutricional. 2. MATERIAL E MÉTODOS Este estudo possui como referência artigos, textos e livros no período compreendido entre 1997 a 2012, nos seguintes bancos de dados: Scielo e livros do acervo e da Biblioteca da Universidade Católica de Brasília, contendo as palavras chaves em português e inglês: fibroedema gelóide, celulite, colágeno hidrolisado. 3. REFERENCIAL TEÓRICO 3.1. ENVELHECIMENTO CUTÂNEO O envelhecimento cutâneo consiste em um fenômeno multifatorial, em que ocorrem mudanças graduais nas células e tecidos, afetando várias camadas da pele e envolve fatores externos e internos. De acordo com o estilo de vida assumido pelo indivíduo, como hábitos alimentares, a prática de exercícios físicos, o etilismo, o tabagismo e a genética, o envelhecimento pode se tornar tardio ou precoce (PUJOL, 2011). Para melhor estudar os mecanismos que ocorrem no envelhecimento cutâneo, é de grande importância compreender as mudanças estruturais e funcionais que incidem nesse tecido com o avançar da idade, de forma a analisar as alterações advindas tanto dos processos externos como internos (ORIÁ et al, 2003; PEREIRA et al., 2006). Todos os dias, estamos expostos a fatores externos como a toxicidade do meio ambiente, a exposição crônica e cumulativa à luz solar, o álcool, o cigarro, o

9 estresse e a poluição do ar, bem como os fatores internos, como a alimentação carente de nutrientes, sobretudo de nutrientes antioxidantes (como as vitaminas C e E), fatores genéticos (caracterizado por manifestar-se por volta dos 30 anos) e menopausa devido à redução dos níveis de estrógeno (PEREIRA et al., 2006; PUJOL, 2011). Embora a pele represente apenas 12% do peso seco corporal, com peso de aproximadamente 4,5 quilos, é considerado o maior órgão do corpo humano, sendo o maior sistema de órgãos expostos ao meio ambiente e o mais sensível de todos. Nosso primeiro meio de comunicação e nosso mais eficiente protetor com várias funções, dentre elas: barreira entre o organismo e o meio ambiente, proteção contra os efeitos da radiação, traumas mecânicos e elétricos, metabolismo e armazenamento de gordura, reservatório de nutrientes e água (GUIRRO & GUIRRO, 2002; KEDE & SABATOVICH, 2003). Encontra-se dividida em três camadas distintas: epiderme, derme e hipoderme (GUIRRO & GUIRRO, 2002; PEREIRA et al, 2006; JUNQUEIRA & CARNEIRO, 1999). A epiderme é constituída por epitélio estratificado pavimentoso queratinizado. Sua porção mais profunda é constituída por células epiteliais que se proliferam continuamente. É constituída por três tipos de células distintas: os melanócitos (responsáveis por produzir o pigmento melanina que confere a coloração da pele), as células de Langerhans (componentes do sistema imunitário) e as células de Merkel (portadoras de terminações nervosas). É em geral constituída de quatro ou cinco camadas celulares: germinativa (basal), espinhosa, granulosa, lúcida e córnea. A derme é constituída por uma espessa camada de tecido conjuntivo sobre a qual a epiderme se apoia. Nela situam-se fibras elásticas e reticulares, bem como muitas fibras colágenas, sendo também suprida por vasos sanguíneos, linfáticos e nervos Pode-se dividir a derme em duas camadas: papilar e reticular (GUIRRO & GUIRRO, 2002; PEREIRA et al, 2006). A hipoderme (tela subcutânea) além de ser a camada mais profunda, é também o tecido sobre o qual a pele repousa. É formada por tecido conjuntivo que varia do tipo frouxo ou adiposo ao denso nas várias localizações e nos diferentes indivíduos. Não faz parte da pele, porém é muito importante, pois

10 fixa a pele às estruturas subjacentes (GUIRRO & GUIRRO, 2002; PEREIRA et al, 2006). A espessura da pele e suas propriedades visco elásticas não dependem somente da quantidade de material presente na derme, como também de sua organização estrutural. Considera-se que, independente da idade do indivíduo, a espessura total da pele, espessura relativa da epiderme e derme, distribuição e fenótipo da população celular na derme, presença de anexos cutâneos e densidade da microvasculatura e de nervos variam conforme a região (ORIÁ et al, 2003). Durante o processo de envelhecimento ocorre a redução da espessura da derme e da epiderme, bem como ao aplanamento da junção dermoepidérmica. As mudanças da pele ao longo da vida nem sempre seguem um perfil linear, apresentando alterações severas nas últimas décadas de vida (ORIÁ et al, 2003). A pele tende a se tornar delgada e em alguns locais enrugada e seca. Apesar da camada córnea não apresentar uma grande alteração em sua espessura, ela se torna mais permeável, ou seja, permite a passagem de substâncias através dela de forma mais rápida. Na senescência, as fibras colágenas da derme tornam-se mais grossas e as fibras elásticas perdem parte de sua elasticidade, havendo um decréscimo da gordura depositada no tecido subcutâneo de forma gradual (GUIRRO & GUIRRO, 2002). O envelhecimento culmina na diminuição de todos os elementos da pele (firmeza, elasticidades e o tônus) de forma progressiva. O resultado é diferente para cada indivíduo, estando relacionado aos fatores genéticos e a exposição a múltiplos agentes. A partir dessas mudanças, o colágeno perde sua aparência regular e fascicular, e altera-se tanto qualitativamente quanto quantitativamente, ocorrendo a diminuição de material elástico e fibroblastos (RODRIGUES, 2009). A manifestação dessas mudanças na pele, ocasionadas pelo processo natural do envelhecimento ou a exposição às intempéries por muito tempo, faz com que a população se preocupe com a integridade da mesma, embora a maioria das mudanças seja percebida apenas na derme, as alterações na pele são mais facilmente reconhecidas a partir de sinais de enrugamento, ptose, lassidão, estrias e a tão temida fibroedema gelóide (PUJOL, 2011; RODRIGUES, 2009).

11 3.2. FIBROEDEMA GELÓIDE DEFINIÇÃO O fibroedema gelóide (FEG), também conhecido como celulite, é uma combinação do termo francês para designar célula - cellule e o sulfixo - ite que significa inflamação, apesar de não ser seu verdadeiro significado, visto que não se trata propriamente de um processo inflamatório. Foi descrito pela primeira vez em 1920, na França, onde o pesquisador Paviot identificou e descreveu as alterações que ocorrem na pele. (DAVID et al., 2011; SANT ANA et al., 2007). Consiste em uma condição clínica comum, caracterizada por alterações em relevo na superfície da pele que confere o aspecto de casca de laranja, com depressões irregulares, afetando a maioria das mulheres (SANT ANA et al., 2007; GUIRRO & GUIRRO, 2002). O FEG, além de ser desagradável aos olhos, pode causar problemas álgicos nas zonas acometidas e diminuição das atividades funcionais. Provoca sérias complicações, podendo levar a total imobilidade dos membros inferiores além de dores intensas e problemas emocionais (GUIRRO & GUIRRO, 2002). As mulheres são as mais atingidas pela celulite, pois esta ocorre nas áreas onde o tecido adiposo está sob a influência do hormônio estrógeno (principalmente em coxas, quadris e glúteos), sendo um dos fatores desencadeantes da patologia, atingindo cerca de 80 a 90% dessa população principalmente associada à puberdade, à menopausa, à gravidez e à síndrome pré-menstrual. A incidência maior ocorre na raça branca, quando compara às raças amarela e negra (AFONSO et al., 2010) FISIOPATOLOGIA O FEG se desenvolve na camada hipoderme localizada abaixo da epiderme e derme. Nas mulheres, a camada subcutânea de gordura encontra-se organizada em câmaras verticais e, nos homens, está organizada em forma diagonal e em pequenas unidades. Dessa forma, acumula menos gordura, sendo uns dos motivos da celulite ocorrer em menor prevalência na população masculina (DALSASSO, 2007). Não há uma causa específica que justifique o aparecimento da disfunção, visto que há vários fatores que contribuem para o desenvolvimento

12 da ceclulite, como: os fatores predisponentes, os fatores determinantes e os fatores condicionantes (DALSASSO, 2007; SANT ANA et al., 2007; GUIRRO & GUIRRO, 2002). Os fatores predisponentes consistem em etnia, sexo, biotipo, distribuição do tecido adiposo corporal, ou seja, fatores hereditários e múltiplos englobando também a quantidade, a disposição e a sensibilidade dos receptores das células afetadas pelos hormônios envolvidos (SANT ANA et al., 2007; GUIRRO & GUIRRO, 2002). Dentre os fatores determinantes citam-se os maus hábitos alimentares, o sedentarismo, o estresse, o fumo, os desequilíbrios glandulares, a disfunção hepática, as perturbações metabólicas do organismo em geral, os medicamentos e a gravidez, de forma que aceleram o processo de desequilíbrio, como as alterações na pele (SANT ANA et al., 2007; GUIRRO & GUIRRO, 2002). Um dos fatores condicionantes são as alterações hormonais que ocorrem na adolescência, sendo o estrógeno o principal hormônio envolvido para o surgimento da FEG. Este hormônio exerce efeito sobre o metabolismo, a deposição de gordura e sobre o equilíbrio eletrolítico. É responsável pela grande deposição de gordura no tecido subcutâneo. A partir dos fatores citados, surgem perturbações hemodinâmicas locais como: aumento da pressão capilar, dificuldade de reabsorção linfática, o que favorece a transudação linfática nos espaços intersticiais (SANT ANA et al., 2007; GUIRRO & GUIRRO, 2002). Existem várias suposições que orientam a história do FEG até os dias de hoje. Diversas teorias se solicitam a fim de serem escolhidas para explicar o desenvolvimento do problema. Dentre elas, destacam-se as teorias: alérgica, tóxica, circulatória, metabólica, bioquímica, hormonal, além dos fatores sexo e idade (GUIRRO & GUIRRO, 2002): Teoria alérgica: o FEG é resultado da repetição local de formação de edemas devido a uma sensibilidade do organismo a vários agentes agressores. Associa-se essa alergia a um conflito imunitário e endócrino, gerando o edema, com proliferação de histiócitos e fibrose; Teoria tóxica: considerada como uma reação do organismo às toxinas que o invadem. Uma substância nociva proveniente do sangue causaria uma irrupção no aparelho linfático, levando os tecidos a se retraírem para estirar essa substância e a partir dessa retração, o edema produzido por esta substância tóxica, impede sua difusão e dificulta a passagem da linfa e seu retorno ao sangue. Com isso, o

13 acúmulo de resíduos tende a estimular o aumento de volume nas células, causando o FEG; Teoria circulatória: causada pelo uso de roupas muito apertadas e ainda associada a fatores endógenos (alterações do estado físico-químico da substância fundamental conjuntiva) que impedem a livre circulação dos líquidos intersticiais. A má oxigenação dos tecidos e o aumento de tecido adiposo, leva ao aumento da pressão no espaço intercelular, favorecendo a dilatação dos capilares, piorando nutrição celular, aumentando a FEG; Teoria metabólica: o FEG é resultado do acúmulo de gordura acima do aceitável, formada por ácidos graxos saturados. Esse desvio metabólico acarreta na diminuição do anabolismo proteico e aumento do anabolismo lipídico; segundo alguns autores, é uma perturbação nutritiva histológica. Teoria bioquímica: o FEG é resultado de um distúrbio da fisiologia molecular no interior da matriz intercelular conjuntiva, especialmente de uma polimerização dos mucopolissacarídeos; Teoria hormonal: o estrógeno é hormônio responsável pelo agravamento do FEG. Uma vez que ocorre mais na população feminina, surge após a puberdade, após o ciclo menstrual e torna-se mais grave com a gestação, a lactação e a estrogenioterapia; Sexo: os hormônios sexuais possuem um papel relevante no processo de localização da gordura corporal. As mulheres apresentam acúmulo de gordura nos glúteos e coxas, ao passo que nos homens, situa-se principalmente no abdome. Nas mulheres, com o aumento de peso, o tecido adiposo se dirige às regiões chamadas ginóides regiões preferidas para se desenvolver o FEG; Idade: com o passar da idade, qualquer aumento de tecido adiposo tende a depositar-se nos locais de preferência onde atua o estrógeno (braços, quadris, glúteos e coxas). Devido a fatores relacionados à diminuição da habilidade das células em regenerar moléculas que compõem a matriz extracelular (particularmente os fibroblastos), a firmeza da pele, tônus e elasticidade são perdidos de forma gradual (RODRIGUES, 2009). A matriz extracelular faz parte da unidade matriz-intersticial, composta por uma parte fibrosa (fibras colágenas, elásticas e reticulares) e por substância fundamental amorfa constituída por proteoglicanas, glicoproteínas e ácido hialurônico (RODRIGUES, 2009).

14 No FEG as alterações causadas nos fibroblastos, especialmente pelo hormônio estrógeno, promovem modificações estruturais nas glicosaminoglicanas (cadeias de polissacarídeos ligadas covalentemente às proteínas formando moléculas de proteoglicanas e possuem alta propriedade hidrofílica) com hiperpolimerização aumentando seu poder hidrofílico e a pressão osmótica intersticial. Esse mecanismo gera acúmulo de líquido entre os adipócitos com consequente deposição de colágeno na matriz-intersticial. A não uniformidade na deposição dessas fibras de colágeno acarreta uma esclerose irregular de tamanhos variados tanto ao redor dos adipócitos quanto dos vasos sanguíneos. As mudanças no tamanho dos capilares levam quase sempre à formação de microaneurismas, por estrangulamento dos mesmos, permitindo o extravasamento de plasma para o interstício em conjunto com algumas citocinas e linfócitos reforçando esta desordem. A partir dessas alterações, o FEG tem suas classificações e estágios evolutivos (SANT ANA et al., 2007) CLASSIFICAÇÃO E GRAUS DE VISUALIZAÇÃO O FEG pode ser classificado como localizado ou generalizado. A forma localizada, como o próprio nome diz, ocorre apenas em algumas regiões, normalmente nas nádegas, quadris, culotes e coxas, podendo também afetar braços e abdômen. Na generalizada, afeta todas as partes do corpo, normalmente em mulheres obesas e em casos mais graves da doença (PUJOL, 2011). Dentre os aspectos clínicos e epidemiológicos há quatro evidências clínicas encontradas na palmação do fibroedema gelóide, conhecida como tétrade de Ricoux, são elas: aumento da espessura do tecido celular subcutâneo, diminuição da facilidade para se mover por aderência aos planos mais profundos, maior resistência tecidual e sensibilidade à dor (GUIRRO & GUIRRO, 2002). A partir de testes simples é possível verificar os sinais patológicos do FEG. Em certos estágios basta um simples olhar para identificar a infiltração tecidual, sem a necessidade de fazer um teste. No exame físico é de grande relevância que haja a propedêutica de inspeção (efetuada com a paciente na posição ortostática) e a palpação (efetuada com a paciente na posição de decúbito), sendo essa última inadequada por mascarar o grau de acometimento dos tecidos, visto que a ação da gravidade faz com que os tecidos se acomodem (GUIRRO & GUIRRO, 2002).

15 Segundo o grau de visualização, os aspectos clínicos e histopatológicos consistem em quatro graus (SANTOS et al., 2011): Grau I: assintomático, sem alterações clínicas observáveis; são percebidos quando a pele é comprimida. Segundo a avaliação histopatológica, há um espessamento da camada aureolar, aumento da permeabilidade capilar, microaneurismas fusiformes nas vênulas pós-capilares, sendo muito comum em adolescentes; Grau II: há alterações clínicas como diminuição da elasticidade e o relevo cutâneo modificam-se com a contração muscular. Os exames histopatológicos apresentam dilatação e espessamento da membrana basal dos capilares; Grau III: a partir da sensação palmatória já se percebe ondulação, aspecto de casca de laranja sem precisar comprimir o tecido cutâneo, presença de dor e diminuição da elasticidade do tecido. Segundo a avaliação histopatológica observase dissociação e rarefação do tecido adiposo por fibrilas colágenas neoformadas e inclusão de adipócitos nos conectivos dos estratos mais profundos da derme; Grau IV: apresenta as mesmas características do grau III somadas à presença de nódulos com consistência endurecida, demonstrando que houve fibrose, associada à dor. Exibe ainda grande ondulação na superfície (aspecto de saco de nozes ). Segundo a avaliação histopatológica ocorre atrofia da derme devido ao desaparecimento da estrutura lobular do tecido adiposo e com isso surgem nódulos encapsulados por tecido conjuntivo denso formando a fibrose TRATAMENTO Em função da escassez do embasamento científico para comprovar a utilização de um recurso e tratamento para o FEG, há uma gama de produtos, equipamentos, diversidade de protocolos e profissionais para tratar os problemas patogênicos complexos que o mesmo apresenta, sendo que várias técnicas se complementam (CORRÊA, 2005; DALSASSO, 2007). Dentre as abordagens terapêuticas cita-se: tratamento cirúrgico, terapia medicamentosa, eletroterapia, endermologia (dermotonina), massagem, bandagem fria, terapia física e terapia nutricional. Estas últimas citadas, terapia física e nutricional podem ser utilizadas como prevenção e tratamento do FEG, pois além de não serem invasivas, são fácil de adquirir e de baixo custo em relação às demais. O tratamento envolve uma dieta alimentar hipocalórica no caso de sobrepeso/obesidade ou apenas uma educação

16 alimentar orientada pelo profissional nutricionista, aliado à terapia física, visto que o sedentarismo contribui para o agravamento do FEG por meio da diminuição da massa magra, com aumento de massa gordurosa e diminuição do mecanismo de bombeamento muscular dos membros inferiores, dificultando o retorno venoso e linfático (GUIRRO & GUIRRO, 2002). Juntamente a essas terapias, a suplementação do colágeno hidrolisado está sendo cada vez mais procurada para prevenir e tratar o FEG de forma a amenizar as alterações não inflamatórias causadas no tecido subcutâneo. Algumas indústrias lançaram mão deste colágeno por ser uma molécula menor, possivelmente com melhores características para penetração apesar de ter poder umectante menor. As pesquisas científicas têm comprovado que os produtos, formulações cosméticas a base de colágeno proporcionam balanço hídrico desejável à pele. Com isso, a hidratação é a grande função dos cosméticos à base de proteínas; entretanto é comprovado que não há efeitos biológicos quando aplicados externamente à pele, visto que a molécula da proteína não consegue ultrapassar a epiderme (DAVID et al., 2011; GUIRRO & GUIRRO, 2002; SANTOS et al., 2011) COLÁGENO O colágeno consiste em uma proteína, cujo nome, de origem grega, significa cola. É um dos principais aliados à prevenção e manutenção da pele; é a proteína mais abundante do organismo humano, representando 30% do total de proteínas, sendo 70% do peso da pele seca. Em sua constituição, é formado por glicina que representa um terço da molécula, além dos aminoácidos prolina e lisina. É uma proteína fibrosa, insolúvel e de fundamental importância na constituição da matriz extracelular do tecido conjuntivo, sendo sintetizada pelos fibroblastos (células mais numerosas do tecido conjuntivo frouxo) (GUIRRO & GUIRRO, 2002; RODRIGUES, 2009). O tecido conjuntivo é constituído por vários tipos de células separadas por abundante material intercelular, representado pelas fibras do conjuntivo e pela substância fundamental amorfa (substância viscosa, que preenche espaços entre células e fibras, servindo como barreira à penetração de partículas estranhas no interior do tecido). A água extracelular presente no conjuntivo está na camada de solvatação dos glicosaminoglicanos. Os tecidos desse grupo possuem como função

17 sustentação, preenchimento, defesa, nutrição, transporte e reparação (GUIRRO & GUIRRO, 2002). O colágeno é sintetizado como pró-colágeno. Após a secreção dessas moléculas para o meio extracelular, seus fragmentos terminais são clivados pela ação das colagenases (enzimas extracelulares) e, em seguida, são formadas as moléculas de colágeno que se polimerizam para formar fibrilas e por fim se agregam para formar as fibras de colágeno presente no tecido conjuntivo denso (RODRIGUES, 2009; GUIRRO & GUIRRO, 2002). Na célula, cada molécula de colágeno é um bastão pequeno e rígido, formado pelo entrelaçamento em tríplice hélice de três cadeias polipeptídicas (cadeias alfa). Essa estrutura proteica justifica as propriedades físicas e biológicas dos colágenos: rigidez, solidez e estabilidade (VARGAS et al., 1997). Até o presente, estão classificados pelo menos 27 tipos diferentes de colágeno, sendo caracterizados de acordo com suas propriedades estruturais. Os colágenos I a IV são os mais conhecidos. São diferenciados pelas suas funções, fórmula química e modo de associação entre as moléculas. Os colágenos tipo I, II e III são os mais abundantes no organismo. O colágeno tipo I está presente na pele, tendão e osso; o tipo II está presente em cartilagens e o tipo III está presente em pele e músculos (VARGAS et al., 1997). Por ser uma macromolécula, o colágeno para ser absorvido, deve ser degradado em moléculas menores, porém na área de cosméticos cria-se uma falsa ideia de que essa proteína possa penetrar o tecido cutâneo, cumprindo suas devidas funções, como sustentação de tecidos e preenchimento. É incompatível com as teorias de assimilação cutânea, já que a absorção é inversamente proporcional ao tamanho da molécula e à viscosidade do meio. O peso molecular não é bem definido, porém o limite máximo de absorção parece ser menor que unidades de peso molecular. A molécula de colágeno possui unidades de peso molecular, portanto, é inviável que ocorra a difusão através da pele. Com isso, pode-se concluir de vários trabalhos que os cosméticos a base de proteínas, quando aplicados externamente à pele, se houver penetração, a molécula não conseguirá ultrapassar a epiderme (GUIRRO & GUIRRO, 2002).

18 Com isso, algumas indústrias na tentativa de amenizar o problema da penetração dos produtos à base de colágeno sintetizaram o colágeno hidrolisado, como forma de se obter uma melhor absorção (GUIRRO & GUIRRO, 2002) COLÁGENO HIDROLISADO O colágeno hidrolisado consiste na degradação enzimática do colágeno, o que garante uma maior absorção intestinal e chegada à corrente sanguínea. É obtido principalmente a partir dos ossos, cartilagens e pele de bovinos, peixes e suínos (RODRIGUES, 2009). É eficaz na hidratação da pele, conferindo maior resistência e firmeza cutânea, além de participar do tratamento de doenças osteoarticulares por promover a regeneração das cartilagens. (SANT ANA et al., 2007). Do ponto de vista nutricional, o colágeno é considerado uma proteína não completa, devido à ausência do aminoácido triptofano, além da baixa concentração de outros aminoácidos essenciais. (OESSER et al., 1999). O uso diário dessa substância não apresenta contraindicação e é capaz de estimular a produção do colágeno natural que é perdido com o passar do tempo. A quantidade recomendada de colágeno é de 10 gramas por dia. Na forma de pó deve ser misturado a 200 ml de água ou suco, consumido nos intervalos das refeições e na forma de cápsulas durante as refeições. Como benefício, proporciona a saciedade e auxilia no controle de peso. O colágeno hidrolisado fornece aminoácidos fundamentais para a manutenção de ossos e a reconstituição ou regeneração de algumas articulações. É um eficiente aliado contra processos de flacidez tecidual e juntamente a atividade física torna-se uma excelente fonte proteica capaz de sintetizar massa magra. (DAVID et al, 2011; GUIRRO & GUIRRO, 2002; PITANGA e LESSA, 2005). A biodisponibilidade de colágeno hidrolisado tem sido demonstrada por várias pesquisas. Em um estudo de 1999, cientistas demonstraram em camundongos que mais de 90% da administração oral de colágeno hidrolisado é digerido e absorvido em até 6 horas após a ingestão. Uma fração importante é acumulada na cartilagem e pele. (RAVELOJAONA et al., 2007). Estudos apontam que a partir dos 30 anos de idade ocorre a perda de colágeno; o organismo passa a perder 1% da proteína ao ano e após os 50, passa a

19 produzir apenas uma média de 35% do colágeno necessário para os órgãos de sustentação (pele, ossos, tendões e cartilagem). (PUJOL, 2011). Em vários estudos, o uso do colágeno hidrolisado tem obtido ótimos resultados para a saúde, melhorando a circulação sanguínea e problemas articulares. (RAVELOJAONA et al., 2007). Muitas outras aplicações terapêuticas vêm sendo estudadas. Pesquisas demonstram efeitos positivos da ingestão de colágeno hidrolisado no crescimento de cabelos e unhas. Outros estudos têm identificado no sangue ou no tecido cartilaginoso a presença de peptídeos de colágeno, após ingestão, esclarecendo o processo de absorção desta proteína. (OESSER et al., 1999). O colágeno hidrolisado pode ser encontrado na forma em pó, cápsulas, balas, shakes e afins, e quando associado à vitamina C, minerais e licopeno observa-se uma melhor resposta da pele às técnicas de estímulo de produção dessa proteína. (RODRIGUES, 2009). De acordo com as pesquisas científicas realizadas com o colágeno hidrolisado, observaram-se efeitos benéficos para doenças articulares. A hipótese é de que o colágeno hidrolisado, por possuir peptídeos que também podem ser absorvidos, causaria uma sinalização de como se o organismo estivesse degradando o próprio colágeno (pela semelhança destes peptídeos na corrente sanguínea). Isto faria com que o organismo reagisse como se estivesse degradando seu próprio colágeno, precisando produzir mais pra se recuperar. Então haveria um aumento de produção endógena do colágeno em resposta à presença destes peptídeos na corrente sanguínea (GUIRRO & GUIRRO, 2002). Para obter o máximo de benefícios associados ao colágeno hidrolisado é recomendado à prática de atividades físicas regulares e a adoção de uma alimentação balanceada.

20 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS O fibroedema gelóide é caracterizado por uma desordem localizada, que se manifesta por um espessamento dos tecidos dérmico e subcutâneo, demonstrada em forma de nódulos de variada extensão e localização, podendo também gerar dor no local. Suas alterações vasculares e lipodistrofia resultam no inestético aspecto macroscópico que são causadas por multifatores e fazem com que a população busque modalidades de intervenção para melhorar sua aparência e reverter às mudanças no tecido cutâneo. Com a diversidade de tratamentos e terapias, é de grande relevância obter um bom diagnóstico para escolher o melhor tratamento para tal disfunção. O colágeno hidrolisado por ser uma proteína com tantos benefícios só terá seus resultados esperados quando aliado a terapia nutricional e terapia física. Para que os benefícios relacionados ao colágeno hidrolisado sejam bem aproveitados, outras substâncias devem fazer parte como os aminoácidos: lisina, glicina, prolina e hidroxiprolina, e as vitaminas: C, E, piridoxina, betacaroteno, ácido pantotênico e biotina, e os minerais: manganês, selênio, cromo, cobre, zinco e silício. Uma alimentação balanceada, de forma a absorver todas essas substâncias, é o que estimula o corpo a sintetizar o colágeno. Como existem diversos tipos de colágeno, o corpo irá escolher os locais onde achar melhor sintetizar o tipo específico do colágeno para melhorar a elasticidade e a firmeza da pele, portanto, devem ser fornecidos todos os nutrientes para o corpo funcionar. Necessitam-se de mais estudos para determinar sua melhor eficácia.

21 Collagen hydrolyzate in the prevention and treatment of fiber edema geloid. Borges, C. C. F. Collagen hydrolyzate in the prevention and treatment of fiber edema geloid. Department of Nutrition at the Catholic University of Brasília, Brasília-DF, Abstract The fiber edema geloid (FEG), also popularly known as cellulite is one of the biggest complaints of distortion of feminine aesthetic, for causing an irregular appearance in the subcutaneous tissue. The onset of this change occurs due to compression of micro veins and lymphatics, generated by the increased volume of the fat cells thereby causing a change in the physiological state of the circulation. The FEG primarily affects women as associates with the presence of the hormone estrogen that acts in places where there is a greater amount of adipose tissue, ie, gluteal, thigh, arms and knees. Because it is a complex disorder with multifactorial causes, the FEG has several treatments and can be characterized by preventive or therapeutic, aimed at reducing irregular aspect. Among the options can highlight nutrition, physical exercise and supplementation of substances that contribute to the support of skin, such as collagen hydrolyzate. The latter consists of a joint and protein extracted from bovine skin, produced from the enzymatic degradation of collagen. This protein plays a beneficial role in stimulating the synthesis of natural collagen, which is reduced with aging in maintaining the integrity of the bones and joints. Supplementation of collagen hydrolyzate indicates significant results, so that this protein, primarily associated with vitamin C is effective in the prevention and treatment of FEG. Keywords: Fiber edema geloid. Cellulitis. Collagen hydrolyzate

22 5. REFERÊNCIAS AFONSO, J. P. J. M., et al. Celulite: artigo de revisão. VOLUME 2 - Nº 3: Artigo de revisão da literatura com crítica Disponível em: < Acesso em: 8 out ALMEIDA, P. F., et al. Produção de gelatina: uma perspectiva competitiva para a cadeia produtiva de frango de corte Disponível em: < Acesso em: 6 out ARAÚJO, R. P. Z.; MACEDO, J. A. B. Avaliação do processo de filtração pelo controle de qualidade microbiológico da água usada na fabricação de cápsulas Disponível em: < Acesso em: 6 out CORRÊA, M. B. Efeitos obtidos com a aplicação do ultra-som associado à fonoforese no tratamento do fibro edema gelóide Disponível em: < Acesso em: 8 out DALSASSO, J. C. Fibroedema gelóide: um estudo comparativo dos efeitos terapêuticos, utilizando ultrassom e endermologia-dermovac, em mulheres não praticantes de exercício físico Disponível em: < Acesso em: 8 out DAVID, R. B., et al. Lipodistrofia ginoide: conceito, etiopatologia e manejo nutricional Disponível em: < em: 6 out GUIRRO, E. C. O.; GUIRRO, R. R. J. Fisioterapia Dermato-Funcional. 3ª ed. São Paulo: Editora Manole, JUNQUEIRA, L. C., Carneiro, J. Histologia básica. 9ª ed. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan, KEDE, M. P. V. Sabatovich, O. Dermatologia estética. São Paulo: Editora Atheneu, OESSER, S., et al. Oral Administration of 14C labeled gelatin hydrolysate leads to an accumulation of radioactivity in cartilage of mice Disponível em: < 5a01c747f2e0>. Acesso em: 14 nov ORIÁ, R. B., et al. Estudo das alterações relacionadas com a idade na pele humana, utilizando métodos de histo-morfometria e autofluorescência Disponível em: < Acesso em: 14 nov

23 PEREIRA, J. M., et al. A utilização de microcorrentes no envelhecimento cutâneo Disponível em: < Acesso em: 14 nov PITANGA, F. J. G.; LESSA, I. Prevalência e fatores associados ao sedentarismo no lazer em adultos Disponível em: < em: 13 set PUJOL, Ana Paula Pelágio. Nutrição aplicada à estética. Rio de Janeiro: Editora Rubio, RAVELOJAONA, V., et al. Effect of cellular aging on collagen biosynthesis II. Collagen synthesis and deposition by a human skin fibroblast strain over 25 passages. Archives of Gerontology and geriatrics Disponível em: < Acesso em: 14 nov RODRIGUES, V. Análise dos efeitos do colágeno bovino e derivados na proliferação celular e biossíntese de colágeno em fibroblastos humanos f. Dissertação (Mestrado em Biotecnologia) Programa de Pós-Graduação Interunidades em Biotecnologia USP/Instituto Butantan/IPT, Universidade de São Paulo, São Paulo, SANT ANA, E. M. C., et al. Fibro edema gelóide (celulite): Fisiopatologia e tratamento com endermologia Disponível em: < Acesso em: 8 out SANTOS, D. B. F. A influência da massagem modeladora no tratamento do fibro edema gelóide. Disponível em: < Acesso em: 6 out SANTOS, I. M. N. S. R., et al. Hidrolipodistrofia ginoide: aspectos gerais e metodologias de avaliação da eficácia Disponível em: <files.bvs.br/upload/s/ /2011/v36n2/a2199.pdf>. Acesso em: 8 out VARGAS, D. M., et al. Peptídeos derivados do colágeno: novos marcadores bioquímicos do metabolismo ósseo Disponível em: < Acesso em: 8 out

Fibro Edema Gelóide. Tecido Tegumentar. Epiderme. Epiderme. Fisiopatologia do FibroEdema Gelóide

Fibro Edema Gelóide. Tecido Tegumentar. Epiderme. Epiderme. Fisiopatologia do FibroEdema Gelóide Lipodistrofia Ginóide Estria Discromia Distúrbios inestéticos O termo "celulite" foi primeiro usado na década de 1920, para descrever uma alteração estética da superfície cutânea (ROSSI & VERGNANINI, 2000)

Leia mais

FASES DO FEG Primeira fase: Congestiva simples

FASES DO FEG Primeira fase: Congestiva simples FIBRO EDEMA GELÓIDE DEFINIÇÃO O FEG é uma disfunção localizada que afeta a derme e o tecido subcutâneo, com alterações vasculares e lipodistrofia com resposta esclerosante. FASES DO FEG Primeira fase:

Leia mais

ORIGEM: TECIDO CONJUNTIVO

ORIGEM: TECIDO CONJUNTIVO ORIGEM: TECIDO CONJUNTIVO TECIDO EPITELIAL MUITAS CÉLULAS; CÉLULAS JUSTAPOSTAS; POUCA OU NENHUMA SUBSTÂNCIA INTERCELULAR; FORMADO POR UMA OU VÁRIAS CAMADAS DE CÉLULAS; NÃO POSSUI FIBRAS; É AVASCULARIZADO;

Leia mais

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 1ª TURMA(S):

Leia mais

Coffea arábica (Coffee) seed oil and Vegetable steryl esters. Modificador mecanobiológico da celulite e gordura localizada.

Coffea arábica (Coffee) seed oil and Vegetable steryl esters. Modificador mecanobiológico da celulite e gordura localizada. Produto INCI Definição Propriedades SLIMBUSTER L Coffea arábica (Coffee) seed oil and Vegetable steryl esters Modificador mecanobiológico da celulite e gordura localizada. - Diminui a gordura localizada

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO. Embrionário. - Conjuntivo Propriamente Dito. - Especializados - Cartilaginoso - Ósseo - Sanguineo

TECIDO CONJUNTIVO. Embrionário. - Conjuntivo Propriamente Dito. - Especializados - Cartilaginoso - Ósseo - Sanguineo TECIDO CONJUNTIVO Embrionário - Conjuntivo Propriamente Dito - Especializados - Cartilaginoso - Ósseo - Sanguineo Origem Embrionária Mesoderma Células Mesenquimais Funções Gerais Fornecer suporte estrutural

Leia mais

Diversas funções no organismo: revestimento, absorção, secreção. Tecido epitelial e tecido conjuntivo. Prof. Mauro. Quanto ao formato da célula:

Diversas funções no organismo: revestimento, absorção, secreção. Tecido epitelial e tecido conjuntivo. Prof. Mauro. Quanto ao formato da célula: TECIDO EPITELIAL Diversas funções no organismo: revestimento, absorção, secreção. Tecido epitelial e tecido conjuntivo Característica principal: Células justapostas, permitindo a existência de pouco material

Leia mais

Anatomia da pele. Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira. marcos.oliveira@fadergs.edu.br

Anatomia da pele. Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira. marcos.oliveira@fadergs.edu.br Anatomia da pele Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira marcos.oliveira@fadergs.edu.br SISTEMA TEGUMENTAR: PELE E FÁSCIA Funções: proteção regulação térmica sensibilidade Sua espessura varia de 0.5mm nas

Leia mais

ESTUDO DOS TECIDOS ANIMAIS

ESTUDO DOS TECIDOS ANIMAIS TECIDO CONJUNTIVO células pouco numerosas e bastante espaçadas Substância intercelular composição varia de acordo com o tipo de tecido, ex: derme: há uma substância gelatinosa que dá resistência e elasticidade

Leia mais

ATIVIDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA 3º E.M.

ATIVIDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA 3º E.M. Nome: n.º Barueri, / / 2009 1ª Postagem Disciplina: Educação Física 3ª série E.M ATIVIDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA 3º E.M. Orientações para desenvolvimento da atividade: Esse será um texto a ser utilizado no

Leia mais

Workshop de Conhecimentos sobre Pele

Workshop de Conhecimentos sobre Pele Workshop de Conhecimentos sobre Pele Objetivos Após concluir o treinamento você será capaz de compartilhar com suas clientes: Como funciona a pele. Características de cada tipo de pele. Como classificar

Leia mais

C O NJUNTIVO D I C E T

C O NJUNTIVO D I C E T C NJUNTIVO TECIDO ORIGEM EMBRIONÁRIA Mesoderma OBS.: Os tecidos conjuntivos da cabeça se originam das células das cristas neurais (neuroectoderma). CARACTERISTICAS MORFOLÓGICAS Formado por inúmeros tipos

Leia mais

Grupo de células que, em geral, tem umaorigem embrionária comum e atuam juntas para executar atividades especializadas

Grupo de células que, em geral, tem umaorigem embrionária comum e atuam juntas para executar atividades especializadas UNIVERSIDADE DE CUIABÁ NÚCLEO DE DISCIPLINAS INTEGRADAS DISCIPLINA: CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS I Considerações Gerais sobre HISTOLOGIA Professores: Ricardo, Lillian, Darléia e Clarissa UNIVERSIDADE DE CUIABÁ

Leia mais

Prof. Rita Martins rita.martins@ibmr.br

Prof. Rita Martins rita.martins@ibmr.br Prof. Rita Martins rita.martins@ibmr.br Classificação: A. Tecidos conjuntivos embrionários: 1- Tecido Conjuntivo Mesenquimal (mesênquima) 2- Tecido Conjuntivo Mucoso B. Tecidos conjuntivos propriamente

Leia mais

FISIOTERAPIA DERMATO FUNCIONAL ESTRIAS

FISIOTERAPIA DERMATO FUNCIONAL ESTRIAS FISIOTERAPIA DERMATO FUNCIONAL ESTRIAS ESTRIA DEFINI DEFINIÇÃO ÃO Atrofia tegumentar adquirida, de aspecto linear Dispõem-se paralelamente umas as outras perpendicularmente às linhas de fenda da pele Desequilíbrio

Leia mais

Vida saudável. Dicas e possibilidades nos dias de hoje.

Vida saudável. Dicas e possibilidades nos dias de hoje. CENTRO UNIVERSITÁRIO ASSUNÇÃO- Vida saudável. Dicas e possibilidades nos dias de hoje. Profa. Dra. Valéria Batista O que é vida saudável? O que é vida saudável? Saúde é o estado de complexo bem-estar físico,

Leia mais

NUTRIÇÃO DE GATOS. DUTRA, Lara S. 1 ; CENTENARO, Vanessa B. 2 ; ARALDI, Daniele Furian 3. Palavras-chave: Nutrição. Gatos. Alimentação.

NUTRIÇÃO DE GATOS. DUTRA, Lara S. 1 ; CENTENARO, Vanessa B. 2 ; ARALDI, Daniele Furian 3. Palavras-chave: Nutrição. Gatos. Alimentação. NUTRIÇÃO DE GATOS DUTRA, Lara S. 1 ; CENTENARO, Vanessa B. 2 ; ARALDI, Daniele Furian 3 Palavras-chave: Nutrição. Gatos. Alimentação. Introdução Nutrição veterinária é a ciência que tem por objetivo descobrir

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA BANDAGEM CRIOTERÁPICA NA ADIPOSIDADE ABDOMINAL EM MULHERES ENTRE 25 E 30 ANOS

A UTILIZAÇÃO DA BANDAGEM CRIOTERÁPICA NA ADIPOSIDADE ABDOMINAL EM MULHERES ENTRE 25 E 30 ANOS A UTILIZAÇÃO DA BANDAGEM CRIOTERÁPICA NA ADIPOSIDADE ABDOMINAL EM MULHERES ENTRE 25 E 30 ANOS USE OF BANDAGE CRYOTHERAPYIN ABDOMINAL ADIPOSITY IN WOMEN BETWEEN 25 AND 30 YEARS Caroline Romano -carol.romano.93@gmail.com

Leia mais

HISTOLOGIA. Folículos ovarianos

HISTOLOGIA. Folículos ovarianos HISTOLOGIA No ovário identificamos duas porções distintas: a medula do ovário, que é constituída por tecido conjuntivo frouxo, rico em vasos sangüíneos, célula hilares (intersticiais), e a córtex do ovário,

Leia mais

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data!

Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Lembrete: Antes de começar a copiar cada unidade, coloque o cabeçalho da escola e a data! Use canetas coloridas ou escreva palavras destacadas, para facilitar na hora de estudar. E capriche! Não se esqueça

Leia mais

Nutrientes. E suas funções no organismo humano

Nutrientes. E suas funções no organismo humano Nutrientes E suas funções no organismo humano O corpo humano necessita de uma série de substâncias básicas indispensáveis para a formação de tecidos, para obtenção de energia, para a realização de atividades

Leia mais

Alterações dos tecidos ósseo e articular na terceira idade. Fluxo do conteúdo. Fluxo do conteúdo. OSTEOPOROSE Caracterização

Alterações dos tecidos ósseo e articular na terceira idade. Fluxo do conteúdo. Fluxo do conteúdo. OSTEOPOROSE Caracterização Alterações dos tecidos ósseo e articular na terceira idade Fluxo do conteúdo ALTERAÇÕES NO TECIDO ÓSSEO Prevenção Sintomas Tratamento Prof. Germano Fluxo do conteúdo ALTERAÇÕES NO TECIDO ARTICULAR Prevenção

Leia mais

Tecido conjuntivo 1º ano Pró Madá Componentes da matriz extracelular A matriz é uma massa amorfa, de aspecto gelatinoso e transparente. É constituída principalmente por água e glicoproteínas e uma parte

Leia mais

MASSAGEM EM POPULAÇÃO IDOSA PREVENÇÃO E MANUTENÇÃO DO ENVELHECIMENTO CUTÂNEO

MASSAGEM EM POPULAÇÃO IDOSA PREVENÇÃO E MANUTENÇÃO DO ENVELHECIMENTO CUTÂNEO MASSAGEM EM POPULAÇÃO IDOSA PREVENÇÃO E MANUTENÇÃO DO ENVELHECIMENTO CUTÂNEO Prof. Esp.* ANDRÉ LEONARDO DA SILVA NESSI Prof. Ms.**AIDE ANGÉLICA DE OLIVEIRA Prof. Dra.*VILMA NATIVIDADE *Universidade Anhembi

Leia mais

ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO

ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO Melissa Betel Tathiana Bombonatti A endermoterapia foi criada na França em 1970 por Louis Paul Guitay. Ele sofreu um grave acidente de carro que causou queimaduras de

Leia mais

Tecido Conjuntivo. Prof Leonardo M. Crema

Tecido Conjuntivo. Prof Leonardo M. Crema Tecido Conjuntivo Prof Leonardo M. Crema Variedades de Tecido Conjuntivo Propriamente dito (frouxo, denso modelado e não modelado) Com propriedades especiais (tecido elástico, reticular, adiposo, mielóide,

Leia mais

Teste seus conhecimentos: Caça-Palavras

Teste seus conhecimentos: Caça-Palavras Teste seus conhecimentos: Caça-Palavras Batizada pelos médicos de diabetes mellitus, a doença ocorre quando há um aumento do açúcar no sangue. Dependendo dos motivos desse disparo, pode ser de dois tipos.

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP 42883

ANATOMIA E FISIOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP 42883 ANATOMIA E FISIOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP 42883 Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira 2 DEFINIÇÕES Anatomia é a ciência que estuda, macro e microscopicamente, a constituição e o desenvolvimento

Leia mais

Onze superalimentos que você deveria consumir mais

Onze superalimentos que você deveria consumir mais 1 Onze superalimentos que você deveria consumir mais Eles são pouco populares, mas enchem o prato de vitaminas, minerais e proteínas Por Fernando Menezes - atualizado em 07/05/2012 http://www.minhavida.com.br/alimentacao/galerias/12441-onze-superalimentos-que-voce-deveria-consumirmais?utm_source=news_mv&utm_medium=alimentacao&utm_campaign=785913

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

Mas, antes conheça os 4 passos que lhe ajudará a eliminar e viver para sempre sem celulite.

Mas, antes conheça os 4 passos que lhe ajudará a eliminar e viver para sempre sem celulite. A celulite é uma afecção do tecido subcutâneo que afeta em maior medida as mulheres e que dá lugar à formação de irregularidades na camada superficial da pele, chegando a ser muito antiestética e em muitas

Leia mais

COMO SURGEM OS TECIDOS

COMO SURGEM OS TECIDOS TECIDO EPITELIAL COMO SURGEM OS TECIDOS Nos seres de reprodução sexuada, que constituem a maioria dos organismos, todas as células surgem a partir de uma única célula, a célula-ovo. Esta sofre divisões

Leia mais

Gráficos: experimento clássico de Gause, 1934 (Princípio de Gause ou princípio da exclusão competitiva).

Gráficos: experimento clássico de Gause, 1934 (Princípio de Gause ou princípio da exclusão competitiva). 1 Gráficos: experimento clássico de Gause, 1934 (Princípio de Gause ou princípio da exclusão competitiva). 2 O câncer surge de uma única célula que sofreu mutação, multiplicou-se por mitoses e suas descendentes

Leia mais

PROVA DE BIOLOGIA. Observe o esquema, que representa o transporte de lipoproteína LDL para dentro da célula. Receptores de LDL.

PROVA DE BIOLOGIA. Observe o esquema, que representa o transporte de lipoproteína LDL para dentro da célula. Receptores de LDL. 11 PROVA DE BIOLOGIA Q U E S T Ã O 1 6 Observe o esquema, que representa o transporte de lipoproteína LDL para dentro da célula. Partícula de LDL (Lipoproteína de baixa densidade) Receptores de LDL Endossomo

Leia mais

OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES. Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes

OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES. Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes OS 5 PASSOS QUE MELHORAM ATÉ 80% OS RESULTADOS NO CONTROLE DO DIABETES Mônica Amaral Lenzi Farmacêutica Educadora em Diabetes TER DIABETES NÃO É O FIM... É o início de uma vida mais saudável, com alimentação

Leia mais

CURSO LIVRE EM TERAPIAS CORPORAIS ESTÉTICAS

CURSO LIVRE EM TERAPIAS CORPORAIS ESTÉTICAS CURSO LIVRE EM TERAPIAS CORPORAIS ESTÉTICAS INSTITUTO LONG TAO Melissa Betel Tathiana Bombonati Sistema Linfático Sistema auxiliar de drenagem que faz a retirada do excesso de líquidos do meio extracelular,

Leia mais

A Moda do Bronzeado... Entre as duas grandes Guerras inicia-se a liberação feminina. Coco Chanel lança a moda do bronzeado.

A Moda do Bronzeado... Entre as duas grandes Guerras inicia-se a liberação feminina. Coco Chanel lança a moda do bronzeado. Histórico A Moda do Bronzeado... Entre as duas grandes Guerras inicia-se a liberação feminina. Coco Chanel lança a moda do bronzeado. A pele bronzeada tornou-se moda, sinal de status e saúde. Histórico

Leia mais

Na aula de hoje, iremos ampliar nossos conhecimentos sobre as funções das proteínas. Acompanhe!

Na aula de hoje, iremos ampliar nossos conhecimentos sobre as funções das proteínas. Acompanhe! Aula: 21 Temática: Funções bioquímicas das proteínas parte III Na aula de hoje, iremos ampliar nossos conhecimentos sobre as funções das proteínas. Acompanhe! 1) Função Estrutural (Arquitetônica): Os materiais

Leia mais

Tecido Conjuntivo. Tecido Conjuntivo

Tecido Conjuntivo. Tecido Conjuntivo Tecido Conjuntivo Tecido com diversos tipos de células c separadas por abundante material intercelular sintetizado por elas. - Origem: mesênquima (derivado do mesoderma); conjuntivo Coloração depende muito

Leia mais

Sistema Tegumentar. Arquitetura do Tegumento. Funções do Sistema Tegumentar Proteção 09/03/2015

Sistema Tegumentar. Arquitetura do Tegumento. Funções do Sistema Tegumentar Proteção 09/03/2015 Sistema Tegumentar Sistema Tegumentar É constituído pela pele, tela subcutânea e seus anexos cutâneos Recobre quase toda superfície do corpo Profa Elaine C. S. Ovalle Arquitetura do Tegumento Funções do

Leia mais

SISTEMA EXCRETOR P R O F E S S O R A N A I A N E

SISTEMA EXCRETOR P R O F E S S O R A N A I A N E SISTEMA EXCRETOR P R O F E S S O R A N A I A N E O que não é assimilado pelo organismo O que o organismo não assimila, isto é, os materiais inúteis ou prejudiciais ao seu funcionamento, deve ser eliminado.

Leia mais

Tratamento com Bandagens e Cosméticos

Tratamento com Bandagens e Cosméticos Tratamento com Bandagens e Cosméticos Argilaterapia A argila é uma terra especial que absorve os princípios vitais do sol, da água e do ar, constituindo-se em um poderoso agente de recuperação física.

Leia mais

Tipos de Diabetes e 10 Super Alimentos Para Controlar a Diabetes

Tipos de Diabetes e 10 Super Alimentos Para Controlar a Diabetes Esse Ebook Tem O Objetivo de Ajudar Diabéticos, a Levar Uma Vida Normal Lembrando Que A Diabetes E Uma doença Silenciosa, e Muito Perigosa se Você Ignora-la. Um Outro Ponto Importante e Que A forma de

Leia mais

Reduz a acumulação de gordura durante a adipogênese. Reduz o tamanho de adipócito com efeito de lipólise.

Reduz a acumulação de gordura durante a adipogênese. Reduz o tamanho de adipócito com efeito de lipólise. ADIPO-TRAP Adipo-Trap a planta carnívora que remodela o corpo. 1. Introdução In Vitro Reduz a acumulação de gordura durante a adipogênese. Reduz o tamanho de adipócito com efeito de lipólise. Ensaio Clínico

Leia mais

Hipotireoidismo. O que é Tireóide?

Hipotireoidismo. O que é Tireóide? Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Hipotireoidismo O que é Tireóide? É uma glândula localizada na parte anterior do pescoço, bem abaixo

Leia mais

Vou lhe apresentar os 4 passos para eliminar e viver para sempre sem celulite.

Vou lhe apresentar os 4 passos para eliminar e viver para sempre sem celulite. A celulite é uma afecção do tecido subcutâneo que afeta em maior medida as mulheres e que dá lugar à formação de irregularidades na camada superficial da pele, chegando a ser muito antiestética e em muitas

Leia mais

Stresstabs 600 com zinco polivitamínico e polimineral

Stresstabs 600 com zinco polivitamínico e polimineral Stresstabs 600 com zinco polivitamínico e polimineral Nome comercial: Stresstabs 600 com zinco Nome genérico: polivitamínico e polimineral Forma farmacêutica e apresentação referente a esta bula: Stresstabs

Leia mais

Processo de Consolidação das Fraturas Consolidação Óssea

Processo de Consolidação das Fraturas Consolidação Óssea André Montillo UVA Processo de Consolidação das Fraturas Consolidação Óssea O Tecido ósseo é o único que no final de sua cicatrização originará tecido ósseo verdadeiro e não fibrose como os demais tecidos

Leia mais

Vera Lúcia Castro Jaguariúna, novembro 2005.

Vera Lúcia Castro Jaguariúna, novembro 2005. HORIZONTES DA AVALIAÇÃO NEUROTOXICOLÓGICA DE AGROQUÍMICOS Vera Lúcia Castro Jaguariúna, novembro 2005. Uma vez que a neurotoxicidade contribui para vários distúrbios mentais e neurológicos é cada vez mais

Leia mais

Ciências E Programa de Saúde

Ciências E Programa de Saúde Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Estado da Educação Ciências E Programa de Saúde 13 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE SP Vai e avisa a todo mundo que encontrar que ainda existe um sonho

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA

TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA TECIDO CONJUNTIVO HISTOLOGIA CARACTERÍSTICAS GERAIS: - Unem e sustentam outros tecidos - Não apresentam células justapostas - Possuem vários tipos de células - Possuem matriz intercelular material gelatinoso

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL & SAÚDE: ABORDANDO O TEMA RECICLAGEM NO CONTEXTO ESCOLAR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL & SAÚDE: ABORDANDO O TEMA RECICLAGEM NO CONTEXTO ESCOLAR EDUCAÇÃO AMBIENTAL & SAÚDE: ABORDANDO O TEMA RECICLAGEM NO CONTEXTO ESCOLAR ARNOR, Asneth Êmilly de Oliveira; DA SILVA, Ana Maria Gomes; DA SILVA, Ana Paula; DA SILVA, Tatiana Graduanda em Pedagogia -UFPB-

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CASTRO DAIRE. Ano Letivo 2012/2013 DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS PLANIFICAÇÃO ANUAL CIÊNCIAS NATURAIS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CASTRO DAIRE. Ano Letivo 2012/2013 DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS PLANIFICAÇÃO ANUAL CIÊNCIAS NATURAIS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CASTRO DAIRE Ano Letivo 2012/2013 DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS PLANIFICAÇÃO ANUAL CIÊNCIAS NATURAIS 9º ANO As Docentes Responsáveis: 1º Periodo Unidade

Leia mais

ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO/LINHAS DE PESQUISA

ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO/LINHAS DE PESQUISA ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO/LINHAS DE PESQUISA Áreas de concentração: O presente programa está organizado em duas áreas de concentração, cada uma das quais contemplando três linhas de pesquisa nas quais se distribuem

Leia mais

Alimentação Saudável

Alimentação Saudável ANO LECTIVO 2010/2011 Alimentação Saudável Turma: 8º A Elaborado por: Adriana nº1, Carolina Pereira nº8 e Cátia nº10 Disciplina: Área de Projecto e Formação Cívica Professores: Eurico Caetano e Helena

Leia mais

O que Realmente Funciona

O que Realmente Funciona Prisão de Ventre O mal conhecido como intestino preguiçoso, obstipação ou prisão de ventre atinge cerca de um em cada cinco pessoas. O tratamento é bastante simples, mas, na falta dele, a prisão de ventre

Leia mais

EXERCÄCIOS DE HISTOLOGIA. 1- (PUC-2006) Associe o tipo de tecido animal Å sua correlaçéo:

EXERCÄCIOS DE HISTOLOGIA. 1- (PUC-2006) Associe o tipo de tecido animal Å sua correlaçéo: EXERCÄCIOS DE HISTOLOGIA 1- (PUC-2006) Associe o tipo de tecido animal Å sua correlaçéo: 1) Tecido Ñsseo compacto 2) Tecido Ñsseo esponjoso 3) Cartilagem hialina 4) Cartilagem elöstica 5) Cartilagem fibrosa

Leia mais

2. Nesse sistema, ocorre uma relação de protocooperação entre algas e bactérias.

2. Nesse sistema, ocorre uma relação de protocooperação entre algas e bactérias. PROVA DE BIOLOGIA QUESTÃO 01 Entre os vários sistemas de tratamento de esgoto, o mais econômico são as lagoas de oxidação. Essas lagoas são reservatórios especiais de esgoto, que propiciam às bactérias

Leia mais

O CICLO DO ERITRÓCITO

O CICLO DO ERITRÓCITO O CICLO DO ERITRÓCITO Rassan Dyego Romão Silva Faculdade Alfredo Nasser Aparecida de Goiânia GO Brasil rassandyego@hotmail.com Orientador: Amarildo Lemos Dias de Moura RESUMO: Os eritrócitos são discos

Leia mais

1. Classificação dos tecidos conjuntivos propriamente dito. Tecido conjuntivo frouxo areolar

1. Classificação dos tecidos conjuntivos propriamente dito. Tecido conjuntivo frouxo areolar Material: esôfago Técnica: HE 1. Classificação dos tecidos conjuntivos propriamente dito Tecido conjuntivo frouxo areolar Observação com aumento total de 100x: Observe que o esôfago apresenta uma luz irregular

Leia mais

A ATIVIDADE FÍSICA ENQUANTO FATOR MOTIVACIONAL PARA IDOSOS

A ATIVIDADE FÍSICA ENQUANTO FATOR MOTIVACIONAL PARA IDOSOS A ATIVIDADE FÍSICA ENQUANTO FATOR MOTIVACIONAL PARA IDOSOS Autoria: Ramon Fagner de Queiroz Macedo (UEPB - pro.ram.fag@hotmail.com) Co-autorias: Alexandre de Souza Cruz (UEPB - mistercruz1@gmail.com) Jorge

Leia mais

BASES MACROMOLECULARES DA CONSTITUIÇÃO CELULAR

BASES MACROMOLECULARES DA CONSTITUIÇÃO CELULAR BASES MACROMOLECULARES DA CONSTITUIÇÃO CELULAR As moléculas que constituem as células são formadas pelos mesmos átomos encontrados nos seres inanimados. Todavia, na origem e evolução das células, alguns

Leia mais

BIOLOGIA HISTOLOGIA ANIMAL

BIOLOGIA HISTOLOGIA ANIMAL ANIMAL Módulo 12 Página 15 à 36 FECUNDAÇÃO -Mórula = células iguais (células tronco) DIFERENCIAÇÃO TECIDOS FECUNDAÇÃO -Mórula = células iguais (células tronco) DIFERENCIAÇÃO TECIDOS TECIDOS = Conjunto

Leia mais

Secos, mistos, oleosos. Qual o seu tipo de cabelo? Você cuida bem de seus cabelos? Confira algumas dicas da dermatologista Dra. Andréa Botto.

Secos, mistos, oleosos. Qual o seu tipo de cabelo? Você cuida bem de seus cabelos? Confira algumas dicas da dermatologista Dra. Andréa Botto. Secos, mistos, oleosos. Qual o seu tipo de cabelo? Você cuida bem de seus cabelos? Confira algumas dicas da dermatologista Dra. Andréa Botto. CONTEÚDO HOMOLOGADO Nesta entrevista ao isaúde Bahia, a médica

Leia mais

Tecido Conjuntivo. Histologia Geral Msc. Rafael Quirino Moreira

Tecido Conjuntivo. Histologia Geral Msc. Rafael Quirino Moreira Tecido Conjuntivo Histologia Geral Msc. Rafael Quirino Moreira Tecido Conjuntivo Estabelecimento e manutenção da forma do corpo Papel conferido pela Matriz Extracelular MEC principal constituinte do Tecido

Leia mais

Dermato-funcional nas Estrias

Dermato-funcional nas Estrias Dermato-funcional nas Estrias Workshop Prático 1.ª Edição 22 de Novembro de 2012 Resumo As estrias representam um problema com grande impacto pois apresenta uma incidência muito elevada, chegando a afetar

Leia mais

Osteoporose. Trabalho realizado por: Laís Bittencourt de Moraes*

Osteoporose. Trabalho realizado por: Laís Bittencourt de Moraes* Trabalho realizado por: Laís Bittencourt de Moraes* * Fisioterapeuta. Pós-graduanda em Fisioterapia Ortopédica, Traumatológica e Reumatológica. CREFITO 9/802 LTT-F E-mail: laisbmoraes@terra.com.br Osteoporose

Leia mais

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL Enviado por LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 04-Abr-2016 PQN - O Portal da Comunicação LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL - 04/04/2016 Que tal aproveitar o Dia Mundial do Câncer

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL - UNISC DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA DISCIPLINA DE FISIOLOGIA GERAL HORMÔNIOS MASCULINOS

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL - UNISC DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA DISCIPLINA DE FISIOLOGIA GERAL HORMÔNIOS MASCULINOS UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL - UNISC DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA DISCIPLINA DE FISIOLOGIA GERAL HORMÔNIOS MASCULINOS Andiara Onizzolo Marques Isadora Schmachtenberg Manoela Zaccani Maristela Ullrich

Leia mais

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES Mauro Sartori Bueno, Eduardo Antonio da Cunha, Luis Eduardo dos Santos Pesquisadores Científicos do Instituto de Zootecnia, IZ/Apta-SAA-SP CP 60, Nova Odessa-SP, CEP

Leia mais

Gráfico 1 Jovens matriculados no ProJovem Urbano - Edição 2012. Fatia 3;

Gráfico 1 Jovens matriculados no ProJovem Urbano - Edição 2012. Fatia 3; COMO ESTUDAR SE NÃO TENHO COM QUEM DEIXAR MEUS FILHOS? UM ESTUDO SOBRE AS SALAS DE ACOLHIMENTO DO PROJOVEM URBANO Rosilaine Gonçalves da Fonseca Ferreira UNIRIO Direcionado ao atendimento de parcela significativa

Leia mais

Neurociência e Saúde Mental

Neurociência e Saúde Mental 1 DICAS PARA MELHORAR O SONO Dormir bem pode fazer toda a diferença para ir bem em uma prova, ser mais criativo no trabalho e manter uma boa memória. O sono é essencial para manter uma rotina saudável,

Leia mais

Sistema Endócrino É UM SISTEMA SOFISTICADO E SENSÍVEL FORMADO POR VÁRIOS ÓRGÃOS OU

Sistema Endócrino É UM SISTEMA SOFISTICADO E SENSÍVEL FORMADO POR VÁRIOS ÓRGÃOS OU SISTEMA ENDRÓCRINO Sistema Endócrino É UM SISTEMA SOFISTICADO E SENSÍVEL FORMADO POR VÁRIOS ÓRGÃOS OU GLÂNDULAS DIFERENTES QUE SECRETAM HORMÔNIOS. OS HORMÔNIOS SÃO MENSAGEIROS QUÍMICOS,GERALMENTE TRANSPORTADOS

Leia mais

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO.

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO. ENSINO MÉDIO Conteúdos da 1ª Série 1º/2º Bimestre 2015 Trabalho de Dependência Nome: N. o : Turma: Professor(a): Roberta/Marco Data: / /2015 Unidade: Cascadura Mananciais Méier Taquara Biologia Resultado

Leia mais

Congregação das Filhas do Amor Divino

Congregação das Filhas do Amor Divino Congregação das Filhas do Amor Divino EXERCÍCIO FÍSICO E ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Em se tratando dos conhecimentos necessários para a prática de exercícios e/ou atividades físicas, a alimentação deve ser considerada

Leia mais

Sejam bem-vindas a nossa Terça do Conhecimento!

Sejam bem-vindas a nossa Terça do Conhecimento! Sejam bem-vindas a nossa Terça do Conhecimento! Tema: Linha solar Mary Kay Pele A pele é o maior órgão do corpo humano, Tem a função de proteger o corpo contra o calor, a luz e as infecções é responsável

Leia mais

Jéssica Victória Viana Alves, Rospyerre Ailton Lima Oliveira, Berenilde Valéria de Oliveira Sousa, Maria de Fatima de Matos Maia

Jéssica Victória Viana Alves, Rospyerre Ailton Lima Oliveira, Berenilde Valéria de Oliveira Sousa, Maria de Fatima de Matos Maia PSICOMOTRICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Jéssica Victória Viana Alves, Rospyerre Ailton Lima Oliveira, Berenilde Valéria de Oliveira Sousa, Maria de Fatima de Matos Maia INTRODUÇÃO A psicomotricidade está

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA SUBCUTÂNEA BASEADA NA OBSERVAÇÃO DE PEÇAS ANATÔMICAS DISSECADAS 1

DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA SUBCUTÂNEA BASEADA NA OBSERVAÇÃO DE PEÇAS ANATÔMICAS DISSECADAS 1 DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA SUBCUTÂNEA BASEADA NA OBSERVAÇÃO DE PEÇAS ANATÔMICAS DISSECADAS 1 CAMPOS, Adriana 1 ; SANTOS, Danillo Luiz 2 ; ARAÚJO, Patrick Correia de Souza 3 ; LUIZ, Carlos Rosemberg 4 ; BENETTI,

Leia mais

AFETA A SAÚDE DAS PESSOAS

AFETA A SAÚDE DAS PESSOAS INTRODUÇÃO Como vai a qualidade de vida dos colaboradores da sua empresa? Existem investimentos para melhorar o clima organizacional e o bem-estar dos seus funcionários? Ações que promovem a qualidade

Leia mais

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes O Dia Mundial da Saúde é celebrado todo 7 de abril, e neste ano, o tema escolhido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para conscientização

Leia mais

DOSSIER INFORMATIVO. Descodificar o conceito dos antioxidantes

DOSSIER INFORMATIVO. Descodificar o conceito dos antioxidantes DOSSIER INFORMATIVO Descodificar o conceito dos antioxidantes 1 QUADRO RESUMO aos antioxidantes ajudam o organismo a combater os efeitos nefastos dos radicais livres; aos radicais livres são elementos

Leia mais

Prof Thiago Scaquetti de Souza

Prof Thiago Scaquetti de Souza Prof Thiago Scaquetti de Souza SISTEMA RESPIRATÓRIO HUMANO Funções e anatomia O sistema respiratório humano possui a função de realizar as trocas gasosas (HEMATOSE). Esse sistema é composto pelas seguintes

Leia mais

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade 13 Epidemiologia e Flexibilidade: Aptidão Física Relacionada à Promoção da Saúde Gláucia Regina Falsarella Graduada em Educação Física na Unicamp Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE DAS FRAÇÕES DE COLESTEROL APÓS O USO DE ULTRASSOM DE ALTA POTÊNCIA NO TRATAMENTO DA GORDURA LOCALIZADA ABDOMINAL

TÍTULO: ANÁLISE DAS FRAÇÕES DE COLESTEROL APÓS O USO DE ULTRASSOM DE ALTA POTÊNCIA NO TRATAMENTO DA GORDURA LOCALIZADA ABDOMINAL TÍTULO: ANÁLISE DAS FRAÇÕES DE COLESTEROL APÓS O USO DE ULTRASSOM DE ALTA POTÊNCIA NO TRATAMENTO DA GORDURA LOCALIZADA ABDOMINAL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO PRÁTICAS DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NO LAGO JABOTI

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO PRÁTICAS DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NO LAGO JABOTI FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO PRÁTICAS DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NO LAGO JABOTI COELHO, J.C; FONTOURA, R.S; PEREIRA, C.A; DOBICZ, A.F; TORRES, A.A.S. Resumo O presente estudo tende em verificar as principais causas

Leia mais

Planificação Curricular Anual Ano letivo 2014/2015

Planificação Curricular Anual Ano letivo 2014/2015 PROCESSOS VITAIS COMUNS AOS SERES VIVOS Trocas nutricionais entre o organismo e o meio: nos animais. 1. Compreender a importância de uma alimentação equilibrada e segura 1.1. Apresentar um conceito de

Leia mais

Que tal dar um up em seu visual e melhorar sua auto-estima? Promover sua saúde sem o cigarro aproveitando os sabores da vida e recuperar seu fôlego?

Que tal dar um up em seu visual e melhorar sua auto-estima? Promover sua saúde sem o cigarro aproveitando os sabores da vida e recuperar seu fôlego? Você que está tentando largar o vício do cigarro e não consegue encontrar forças para se livrar desse mal. Anda sentindo dores nas costas, cansaço e/ou inchaço nas pernas, problemas com acnes ou querendo

Leia mais

ÁGUA THERMAL QUAIS SÃO OS ATIVOS?

ÁGUA THERMAL QUAIS SÃO OS ATIVOS? ÁGUA THERMAL QUAIS SÃO OS ATIVOS? Ø Complexo Physiogenyl Sódio PCA Magnésio PCA Zinco PCA Manganês PCA Ø Colágeno Hidrolisado Ø Carbonato de Cálcio Ø Calcidone QUAL A FINALIDADE? Água potencializada com

Leia mais

OS SENTIDOS: O TATO, O PALADAR, O OLFATO, A AUDIÇÃO E A VISÃO PROF. ANA CLÁUDIA PEDROSO

OS SENTIDOS: O TATO, O PALADAR, O OLFATO, A AUDIÇÃO E A VISÃO PROF. ANA CLÁUDIA PEDROSO OS SENTIDOS: O TATO, O PALADAR, O OLFATO, A AUDIÇÃO E A VISÃO PROF. ANA CLÁUDIA PEDROSO ATRAVÉS DOS SENTIDOS TEMOS A CAPACIDADE DE PERCEBER O AMBIENTE EXTERNO AO NOSSO ORGANISMO. ISSO É POSSÍVEL DEVIDO

Leia mais

GOMAGEM CORPORAL COM BANHO DE ÁGUA TERMAL SULFUROSA

GOMAGEM CORPORAL COM BANHO DE ÁGUA TERMAL SULFUROSA GOMAGEM CORPORAL COM BANHO DE ÁGUA TERMAL SULFUROSA A gomagem corporal tem o objetivo de fazer uma esfoliação corporal completa renovando as células mortas, além de conferir uma extrema hidratação e maciez

Leia mais

REGISTRO: Isento de Registro no M.S. conforme Resolução RDC n 27/10. CÓDIGO DE BARRAS N : 7898171287947(Frutas vermelhas) 7898171287954(Abacaxi)

REGISTRO: Isento de Registro no M.S. conforme Resolução RDC n 27/10. CÓDIGO DE BARRAS N : 7898171287947(Frutas vermelhas) 7898171287954(Abacaxi) Ficha técnica CHÁ VERDE COM CÓLAGENO, VITAMINA C E POLIDEXTROSE Pó para Preparo de Bebida a Base de Chá Verde, com Colágeno hidrolisado, vitamina C e polidextrose Sabor Abacaxi e frutas vermelhas REGISTRO:

Leia mais

LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS

LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS INTRODUÇÃO Um grande grupo muscular, que se situa na parte posterior da coxa é chamado de isquiotibiais (IQT), o grupo dos IQT é formado pelos músculos bíceps femoral, semitendíneo

Leia mais

Aula3 TECIDO CONJUNTIVO. Shirlei Octacílio da Silva

Aula3 TECIDO CONJUNTIVO. Shirlei Octacílio da Silva Aula3 TECIDO CONJUNTIVO META Apresentar, de forma completa, porém didática, todos os elementos que formam o tecido conjuntivo, de forma que o aluno possa entender que as diferentes proporções destes elementos

Leia mais

Zinco quelato. Identificação. Peso molecular: Não aplicável. CAS: Não aplicável

Zinco quelato. Identificação. Peso molecular: Não aplicável. CAS: Não aplicável Material Técnico Zinco quelato Identificação Fórmula Molecular: Não aplicável DCB / DCI: Não aplicável INCI: Não aplicável Peso molecular: Não aplicável CAS: Não aplicável Denominação botânica: Não aplicável

Leia mais

APOSTILA AULA 2 ENTENDENDO OS SINTOMAS DO DIABETES

APOSTILA AULA 2 ENTENDENDO OS SINTOMAS DO DIABETES APOSTILA AULA 2 ENTENDENDO OS SINTOMAS DO DIABETES 1 Copyright 2014 por Publicado por: Diabetes & Você Autora: Primeira edição: Maio de 2014 Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta apostila pode

Leia mais

POSTURA CORPORAL/DOENÇAS OCUPACIONAIS: UM OLHAR DA ENFERMAGEM SOBRE AS DOENÇAS OSTEOARTICULARES

POSTURA CORPORAL/DOENÇAS OCUPACIONAIS: UM OLHAR DA ENFERMAGEM SOBRE AS DOENÇAS OSTEOARTICULARES Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 54 60 POSTURA CORPORAL/DOENÇAS OCUPACIONAIS: UM OLHAR DA ENFERMAGEM SOBRE AS DOENÇAS OSTEOARTICULARES BARBOSA, Bruno Ferreira do Serrado 1 SILVA,

Leia mais

RESUMO: Os tecidos moles podem ser lesados e com essa lesão o. Palavras chave: crioterapia, lesões de tecidos moles, fase aguda.

RESUMO: Os tecidos moles podem ser lesados e com essa lesão o. Palavras chave: crioterapia, lesões de tecidos moles, fase aguda. O USO DA CRIOTERAPIA NAS LESÕES AGUDAS DE TECIDO MOLE RESUMO: Os tecidos moles podem ser lesados e com essa lesão o organismo responde através do mecanismo de inflamação e o uso da crioterapia vai amenizar

Leia mais

Infra estrutura precária Máquinas e Equipamentos

Infra estrutura precária Máquinas e Equipamentos Variável: Infra estrutura precária Máquinas e Equipamentos Participantes do Aprofundamento da Variável: Coordenador: Mário Vinícius Bueno Cerâmica Betel - Uruaçu-Go Colaboradores: Juarez Rodrigues dos

Leia mais

PROC. Nº 0838/06 PLL Nº 029/06 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

PROC. Nº 0838/06 PLL Nº 029/06 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS A obesidade é uma das patologias nutricionais que mais tem apresentado aumento em seus números, não apenas nos países ricos, mas também nos países industrializados. Nos últimos anos,

Leia mais

Mas, vou te dizer algo muito importante, e gostaria muito que você levasse muito a sério o que direi!

Mas, vou te dizer algo muito importante, e gostaria muito que você levasse muito a sério o que direi! Na minha luta contra a balança, os remédios para emagrecer sempre apareceram no meu caminho como uma alternativa para acabar com os meus quilinhos extras e melhorar a minha aparência, sempre com a promessa

Leia mais