UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO AVALIAÇÃO AUTOMÁTICA DA QUALIDADE DE FIOS E CABOS ELÉTRICOS VIA VISÃO COMPUTACIONAL LUCAS ANDRADE DE FIGUEIREDO CURITIBA 2012

2 LUCAS ANDRADE DE FIGUEIREDO GRR AVALIAÇÃO AUTOMÁTICA DA QUALIDADE DE FIOS E CABOS ELÉTRICOS VIA VISÃO COMPUTACIONAL Trabalho de conclusão de curso elaborado para avaliação na disciplina TE-105 do curso de Engenharia Elétrica Orientador: Prof. Dr. Alessandro Zimmer CURITIBA 2012

3 TERMO DE APROVAÇÃO LUCAS ANDRADE DE FIGUEIREDO AVALIAÇÃO AUTOMÁTICA DA QUALIDADE DE FIOS E CABOS ELÉTRICOS VIA VISÃO COMPUTACIONAL Trabalho aprovado como requisito para a conclusão de curso de Engenharia Elétrica, Setor de Tecnologia da Universidade Federal do Paraná, pela seguinte banca examinadora: Orientador: Prof. Dr. Alessandro Zimmer Departamento de Engenharia Elétrica UFPR Prof. Dr a. Giselle Lopes Ferrari Ronque Departamento de Engenharia Elétrica UFPR Prof. Eng. Waldemiro Pedroso Sobrinho Departamento de Engenharia Elétrica UFPR Curitiba, 10 de janeiro de 2012

4 AGRADECIMENTOS Agradeço a minha família, que esteve ao meu lado, com carinho e apoio em todos os momentos. Agradeço ao amigo e colega Erasto Villa Branco Neto, sem cuja contribuição, apoio e disposição, este projeto não teria saído do papel. Agradeço aos professores do curso de Engenharia Elétrica, sem eles não teria chegado onde cheguei, praticamente um engenheiro. Agradeço ao professor orientador Alessandro Zimmer, que acreditou no projeto e me ajudou com bons conselhos. Agradeço por fim à Corfio Fios e Cabos Elétricos, pela disposição em contribuir com recursos, equipamentos e pessoal, fundamentais para o projeto e sem os quais nada disso teria sido possível.

5 RESUMO Este trabalho descreve um aplicativo que realiza medições automatizadas da espessura de isolação de fios e cabos elétricos. Tais medições são necessárias para um dos ensaios de controle de qualidade de empresas do ramo de fios e cabos; ensaio este, que, normalmente, é feito de forma manual. O aplicativo utiliza técnicas de visão computacional para, a partir de uma imagem adquirida por uma câmera de vídeo já existente em um sistema manual de medição, reconhecer a amostra e encontrar as medidas como dita a norma de ensaio. Para prover uma medida sempre precisa, o aplicativo mede um padrão presente na imagem, cujas dimensões já são conhecidas, e utiliza o resultado para calcular o valor das medidas em milímetros. Com um sistema de medição automática os possíveis erros humanos são minimizados, e a qualidade do produto final fica garantida. O sistema está instalado numa empresa do ramo e é robusto e portátil, sua instalação em outras localidades pode ser feita com pouca ou nenhuma adaptação do programa. Palavras-chave: Ensaios de Medição. Visão Computacional. Fios e Cabos Elétricos.

6 ABSTRACT This monograph describes an application which performs automated measurements of the thickness of the insulation of electric wire and cable samples. Such measures are necessary for one of the quality control test methods in the wire and cable industry, this test method is, normally, done manually. The application utilizes computer vision techniques to, from a digital image acquired by a camera attached to a pre-existent manual measurement system, recognize the sample and find the measurements as dictated by the Standard for the method. In order to provide an always precise value, the application measures a standard which is also in the digital image, of which the attributes are already known, and uses the result to calculate the value of the measurements in millimeters. With an automatic measurement system, the likelihood of human error is minimized, and the overall quality of the final product, guaranteed. The system is currently installed in a wire and cable company and is as robust as it is portable: its installation in other facilities can be done with little or no adaptation of the program. Keywords: Measurement Test Method. Computer Vision. Electric Wire and Cable.

7 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 - Amostras de cabos para ensaio Figura 2 - Aplicativo wcm com medidas efetuadas Figura 3 - Fluxograma da operação básica do wcm Figura 4 - Etapas de um sistema de processamento de imagem Figura 5 - Imagem em escala de cinza e seu respectivo histograma Figura 6 - Equipamento de medição VMS-2515F Figura 7 - Esquemático da detecção de bordas com limiar Figura 8 - Classificação de borda Figura 9 - Gráfico das medidas normais e penalizadas Figura 10 - Versão final do aplicativo wcm Figura 11 - Exemplo de utilização do wcm Início Figura 12 - Exemplo de utilização do wcm Processar Figura 13 - Exemplo de utilização do wcm Salvar Imagem de Saída Figura 14 - Erro na Medição, em função do erro na segmentação Figura 15 - Amostra de Cabo Flexível 6,0 mm Figura 16 - Amostra de Cabo Flexível 6,0 mm 2 após processamento no wcm Figura 17 Medição da espessura da isolação e da cobertura (contorno interno circular) Figura 18 - Medição da espessura da isolação (condutor encordoado) Figura 19 - Medição da espessura da isolação (condutor encordoado) Figura 20 Medição da espessura da cobertura (contorno interno circular irregular)... 43

8 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Comparação entre medições com o wcm e o sistema manual Cabos Flexíveis Tabela 2 - Comparação entre medições com o wcm e o sistema manual Fios Sólidos... 36

9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVO VISÃO GERAL FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA NORMAS TÉCNICAS Norma de métodos de ensaios Normas de especificação de cabos VISÃO COMPUTACIONAL Etapas do processamento Procedimentos de aquisição e pré-processamento Processo de Limiarização Global Procedimentos de extração de bordas da imagem DESENVOLVIMENTO HARDWARE Preparação do equipamento PROGRAMAÇÃO Captura de imagens Segmentação Separação das Figuras Medição do padrão Medições Radiais Escolha das Medições RESULTADOS INTERFACE TESTES ANÁLISE DO ERRO Aquisição Pré-processamento Segmentação Representação e Descrição Reconhecimento e Interpretação... 35

10 Análise do erro VALIDAÇÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS ANEXO... 42

11 11 1 INTRODUÇÃO A qualidade dos fios e cabos elétricos no Brasil é regida por normas da ABNT. Existem normas de especificação de produto, representadas, entre outros requisitos, por medidas de espessura nominal da isolação, e normas de ensaios, que determinam a maneira como tais medidas devem ser efetuadas. As empresas brasileiras do ramo utilizam sistemas não automatizados de medição ótica, onde o operador efetua as medidas utilizando um projetor de perfis com aumento de pelo menos 10 vezes que é conectado a um monitor. Na empresa parceira deste projeto, por exemplo, o operador utiliza o monitor e um micrômetro acoplado à mesa de projeção para efetuar as medidas, repassando manualmente as informações para um banco de dados, procedimento que toma tempo e é passível de erros. A ideia do desenvolvimento deste projeto foi concebida tendo em vista que, para um controle de qualidade efetivo, uma empresa deve utilizar-se de todos os meios de que dispuser a fim de garantir que seus produtos atendam às normas, evitando erros e, ao mesmo tempo, economizando tempo e pessoal. Trata-se da produção de um sistema que, através de técnicas de visão computacional, é capaz de medir automaticamente e com precisão as amostras obtidas pela aparelhagem ótica tradicional, suprimindo os erros do operador, reduzindo o tempo gasto pelo mesmo, além de estabelecendo um padrão de medição menos dependente de cada indivíduo. 1.1 OBJETIVO O objetivo geral deste projeto é desenvolver testar e aplicar um aplicativo de medições automáticas de amostras de fios e cabos elétricos por meio de técnicas de tratamento de imagens e reconhecimento de padrões. O programa deve encontrar medidas radiais e escolhe seis medidas adequadas conforme [1], Deve também efetuar cálculos da espessura média e mínima, mostrar para o operador quais foram as medidas escolhidas e guardar os resultados para inclusão automática no banco de dados.

12 12 2 VISÃO GERAL O aplicativo desenvolvido, chamado wcm (acrônimo de Wire and Cable Measurement Medição de Fios e Cabos), mede a espessura da isolação de fios e cabos elétricos, um ensaio de qualidade que é obrigatório e, normalmente, feito de forma manual. Na Figura 1 são mostradas duas amostras de cabos preparadas para o ensaio de medição de espessura de isolação, procedimento que será detalhado em seções subsequentes. A Figura 2 mostra o programa em sua versão final, exibindo as medidas efetuadas. Figura 1 - Amostras de cabos para ensaio FONTE: O autor (2011) Essas amostras são fatias de cabos, preparadas por um operador. Figura 2 - Aplicativo wcm com medidas efetuadas FONTE: O autor (2011)

13 13 No exemplo acima a amostra é de um fio sólido, e as medidas estão sendo exibidas na própria imagem. Pode-se notar que há um objeto ao lado da amostra: trata-se de um padrão, que serve de referência para o programa. A medida do padrão é previamente conhecida, e o programa efetua, a cada medição, a comparação da medida em pixels do padrão com o seu valor em milímetros. A seguir está um fluxograma da operação básica do aplicativo, que será detalhada no Desenvolvimento. Figura 3 - Fluxograma da operação básica do wcm. FONTE: O autor (2011)

14 14 3 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 3.1 NORMAS TÉCNICAS Os mercados estão se tornando cada vez mais exigentes e, assim, um certificado de conformidade pode alavancar crescimento e evolução. Certificar um produto ou serviço significa comprovar junto ao mercado e aos clientes que a organização possui um sistema de fabricação controlado, garantindo a confecção de produtos ou a execução dos serviços de acordo com normas específicas, garantindo sua diferenciação face aos concorrentes. [2] As empresas do ramo de fios e cabos elétricos seguem normas técnicas para a confecção e controle de qualidade dos seus produtos. Existem normas que ditam os procedimentos de ensaios e normas que ditam as características imprescindíveis dos produtos Norma de métodos de ensaios Este projeto foi concebido para realizar o ensaio Medição de espessuras e dimensões externas, detalhado na norma NM-IEC :2001. As características principais que a norma aborda e que, portanto, o projeto procura atender são detalhadas nas alíneas a seguir: a) Instrumentos de medição: Deve-se utilizar um microscópio ou um projetor de perfis com aumento de pelo menos 10 vezes. Devem permitir leituras de até 0,01 mm e apreciar até a terceira decimal [1]; b) Procedimento de medição: A primeira medida deve ser feita no ponto onde a camada isolante é mais fina. Devem ser tomadas outras cinco medidas, que devem ser mínimas locais igualmente espaçadas na medida do possível, no caso de cabos encordoados; ou igualmente espaçadas no caso de fios 1 ; c) Precisão dos resultados das medições: As leituras devem ser feitas em milímetros, até a segunda casa decimal, se a espessura especificada for igual ou superior a 0,5 mm. A norma dita também que para espessuras inferiores a 0,5 mm as leituras devem ser estimadas até três casas decimais. 1 A norma apresenta figuras com os procedimentos de medição para diferentes produtos. A interpretação da norma é do autor, e foi a interpretação utilizada para o desenvolvimento do projeto. As figuras em questão estão presentes no Anexo A.

15 Normas de especificação de cabos Os produtos que o aplicativo mede têm suas medidas médias e mínimas especificadas nas seguintes normas de produto: a) Cabos e cordões flexíveis até 750 V NBR13249 [3] b) Cabos isolados com PVC, unipolares NBR NM [4] As dimensões desses produtos são condizentes com as especificações máximas do aparelho de medição. 3.2 VISÃO COMPUTACIONAL O projeto utiliza visão computacional para realizar as medidas. Esta seção compreende um estudo sobre as etapas clássicas de processamento de imagens e fundamentações sobre os processos utilizados no aplicativo Etapas do processamento A Figura 4 contém as etapas clássicas de um sistema de processamento de imagem, explicados individualmente a seguir. Figura 4 - Etapas de um sistema de processamento de imagem FONTE: [5] (Adaptado)

16 Aquisição Trata-se da digitalização por meio de amostragem e quantização de uma imagem real. É a etapa de captura, por meio de um dispositivo ou sensor, e conversão para uma representação adequada para o processamento digital. Os principais dispositivos para aquisição de imagens são câmeras de vídeo, câmeras fotográficas e scanners. Esta etapa envolve aspectos como a escolha do tipo de sensor, as condições de iluminação da cena, a resolução e o número de níveis de cinza ou cores da imagem final Pré-Processamento Como a imagem obtida na etapa anterior pode conter imperfeições ou degradações, o pré-processamento visa melhorar a qualidade da mesma por meio da aplicação de técnicas de atenuação de ruído, correção de contraste ou brilho e também a suavização de certas propriedades da imagem Segmentação Nessa etapa acontece a extração e a identificação de áreas de interesse da imagem. Ela é normalmente baseada na detecção de descontinuidades (bordas) ou de similaridades (regiões) na imagem Representação e descrição Devem ser utilizadas estruturas de representação adequadas para armazenar e manipular os objetos de interesse extraídos da imagem na etapa anterior. Ao mesmo tempo, é necessária uma descrição das caraterísticas ou propriedades extraídas, para as mesmas poderem ser utilizadas na discriminação entre classes de objetos (sejam eles bordas ou regiões). Tais características são, normalmente, descritas por valores numéricos e armazenadas em conjunto. [6]

17 Reconhecimento e interpretação O reconhecimento ou classificação é o processo que atribui um identificador a cada objeto da imagem, baseado nas suas características. O processo de interpretação consiste em atribuir um significado ao conjunto de objetos reconhecidos, e prover o resultado, seja ela uma operação matemática entre atributos da imagem, seja ele uma contagem de objetos, ou uma simples exibição da parte interessante de uma imagem [6] Base de conhecimento Durante todo o processo a base de conhecimento é utilizada para guiar a comunicação entre os módulos de processamento a fim de executar determinada tarefa. Ela contém todo o conhecimento sobre o domínio do problema. Seu tamanho e complexidade variam dependendo da aplicação Procedimentos de aquisição e pré-processamento A aquisição e o pré-processamento de uma imagem podem compreender vários métodos, para as várias finalidades da imagem. A seguir são explicados os procedimentos pertinentes ao projeto Armazenamento da imagem Depois de digitalizada, uma imagem pode ser armazenada em diferentes formatos que, por causa da natureza dos sensores utilizados, são do tipo raster. Esses formatos representam um mapa de pixels, guardando as características referentes a cada pixel em espaço de memória. Os formatos mais comuns caracterizam o pixel pela decomposição da sua informação luminosa em componentes básicas, usualmente em termos de intensidade das três luzes primárias: azul, verde e vermelho. Variações adequam os formatos aos mais diversos propósitos, visando a melhor representação do conteúdo desejado, em termos de praticidade e grau de fidelidade, em compromisso com tempo de processamento e espaço total para alocação.

18 Escala de cinza Para muitas aplicações, as cores de uma imagem não trazem nenhuma informação relevante, de forma que a mesma imagem representada em uma escala de cinza (com, por exemplo, 256 níveis) manteria as informações importantes, ocupando muito menos espaço para armazenamento, também simplificando, em muitos casos, o processamento subsequente. A redução de uma imagem colorida à sua simplificação em grayscale pode ser definida pela combinação linear de cada uma das suas componentes. Para diferentes finalidades, foram calculados diferentes pesos a serem atribuídos a cada uma das cores, a fim de obter um resultado que melhor retrate o conteúdo da imagem original. Neste projeto, utilizam-se uma média ponderada com pesos: 0,299 para vermelho; 0,587 para verde; 0,114 para azul. Tal proporção preserva de melhor forma a luminância da imagem original Histograma Um dos recursos de processamento de imagens mais elementares, e ainda assim essencial, é o histograma. Consistindo na distribuição estatística do número de pixels que possui determinado nível de cinza, o gráfico do histograma exibe a forma em que a informação está espalhada pelos possíveis valores. Em uma situação ótima, os pixels usariam valores bem distribuídos entre na gama disponível, preservando ao máximo o detalhamento. No caso da aplicação requerida por este projeto, uma distribuição favorável é, não somente bem distribuída, mas nitidamente bimodal. Tal conformação facilita o estabelecimento de um valor limítrofe que separe a imagem em dois conjuntos de pixels similares entre si Processo de Limiarização Global Uma técnica de segmentação muito útil é a Limiarização Global, que encontra um valor de limiar em um histograma bimodal. A imagem da esquerda da Figura 5 abaixo possui um histograma do tipo bimodal, representado à direita.

19 19 Figura 5 - Imagem em escala de cinza e seu respectivo histograma FONTE: O autor (2011) Esse tipo de histograma é característico de imagens com duas regiões distintas (normalmente, um objeto e o fundo da imagem), que podem ser separadas. A Limiarização Global procura encontrar o valor de nível de cinza que divide essas regiões. Nobuyuki Otsu ( 大 津 展 之 ), em [7], propôs um método para encontrar esse valor de limiar, baseado no fato de que o histograma é composto de duas classes, os pixels do objeto e os pixels do fundo. Para cada classe pode-se ajustar uma distribuição Gaussiana e, portanto, cada uma possui uma média e um desvio padrão. O método procura, de maneira iterativa, um limiar que minimiza a variância extraclasse, definida como a soma ponderada das variâncias de cada classe. Otsu demonstra que essa minimização maximiza a variância intercalasses, ou seja, ajusta as melhores curvas Gaussianas por sobre o histograma, encontrando apenas um valor de limiar e separando as classes da melhor maneira possível Procedimentos de extração de bordas da imagem A seguir são brevemente explicados dois dos principais métodos de extração de bordas de uma imagem.

20 Operadores de gradiente Operadores de gradiente são simplificações de maior ou menor grau do cálculo do vetor gradiente da imagem. O vetor gradiente é um vetor cuja direção indica os locais nos quais os níveis de cinza sofrem maior variação. Os mais notáveis são os operadores de Sobel [8], e Prewitt [9], destacandose ainda o operador de Canny [10] que, além de encontrar o gradiente, efetua uma operação de supressão não máxima, que reduz a espessura das bordas. Esses operadores têm como desvantagem uma precisão variável e uma alta sensibilidade a ruídos na imagem Divisor de águas Proposto por Beucher e Lantuéjoul em 1979 [11], o método conhecido como watershed trata a imagem como o relevo de uma superfície, os níveis de cinza de cada pixel sendo considerados como a altitude de cada ponto. O procedimento pode ser explicado como a inundação da imagem com água, e a seleção dos contornos da imagem em cada ponto de sela, onde seriam colocados divisores de água para evitar o transbordo. É um método sensível, que constantemente encontra os contornos de ruídos da imagem, algo indesejável.

21 21 4 DESENVOLVIMENTO 4.1 HARDWARE O instrumento de medição utilizado, que já era de propriedade da empresa, foi o VMS-2515F, mostrado na Figura 6. Figura 6 - Equipamento de medição VMS-2515F FONTE: O autor (2011) Esse equipamento é composto de uma mesa móvel com micrômetros (que o laboratorista usa para fazer as medições atualmente), uma câmera de vídeo e um sistema de iluminação, de fundo e de superfície. O equipamento é conectado ao computador por um cabo do tipo S-Video, e o computador servia apenas como monitor na configuração que estava sendo utilizada. Por se tratar de um equipamento caro seus micrômetros são certificados pelo INMETRO o projeto foi concebido para ser compatível com o VMS-2515F. Portanto, foi escolhido um computador com uma placa de captura de vídeo, com entrada S-Video, e capacidade de memória e processamento condizentes com a apli-

22 22 cação. Por motivos de compatibilidade, disponibilidade e custos, o sistema operacional escolhido foi Linux Preparação do equipamento Antes da primeira operação do equipamento deve ser instalado o adesivo padrão sobre o vidro da máquina, e o mesmo deve ser medido utilizando o micrometro da mesa. O valor medido é então armazenado no computador para ser posteriormente usado como referência pelo aplicativo. Antes de cada medição o laboratorista deve preparar as amostras, fatiando o cabo com uma lâmina conforme indica a norma [1]. Para as medições do aplicativo, a luz de superfície deve ser apagada, deixando-se apenas a luz de fundo, o que dá à imagem a característica de um perfil projetado. 4.2 PROGRAMAÇÃO Foi utilizada a linguagem de programação Java, com auxílio do ambiente de desenvolvimento NetBeans associado ao JDK (Java Development Kit), gratuitos e disponíveis no site da Oracle [12]. O motivo dessa escolha foi a prévia experiência do autor com a linguagem e a facilidade de portabilidade do código para outras plataformas. A seguir são descritas as principais partes do programa, utilizando os conceitos expostos na Fundamentação Teórica Captura de imagens Foi utilizada a biblioteca vlcj [13], uma biblioteca de wrappers do programa VLC. O programa VLC é um player de multimídia [14], e a biblioteca vlcj permite ao programador escrever funções que o controlam. Assim, o aplicativo wcm controla o player VLC que exibe as imagens a partir da placa de captura de vídeo. A placa de vídeo é alimentada com imagens que estão sendo capturadas pela câmera do VMS- 2515F, através do cabo S-Video. O player VLC já possui uma função de obtenção de instantâneos (snapshots), que o aplicativo aproveita para amostrar a imagem que será processada.

23 23 A resolução nativa da câmera é de 320 x 240 pixels, e os screenshots são salvos no formato Portable Network Graphics (PNG) [15], sem compressão. Após a captura, a imagem é convertida para escala de cinza, utilizando a média ponderada dos valores de R, G e B, com os fatores de multiplicação utilizados na composição da iluminância [16] Segmentação O procedimento de segmentação utilizado foi um método híbrido, que une a limiarização de Otsu com o método do Divisor de Águas (watershed). O processo trata a imagem como uma superfície topográfica, em que as intensidades dos pixels correspondem a valores de altitude ou elevação dos pontos. Dessa forma, o conjunto de pixels da imagem forma uma superfície composta por vales e picos. No processo do watershed, regiões são definidas por isolinhas, contendo um mínimo local. São detectadas linhas de borda nos níveis críticos, aqueles que unem diferentes regiões. No caso do wcm, o valor de limiar encontrado pelo método de Otsu é o único nível considerado para a geração de linha de borda. Com isso, as curvas de nível que têm valor igual ao limiar são interpretadas como bordas da imagem. Para encontrar os pontos por onde passa a curva de nível é utilizada uma interpolação linear simples dos valores da imagem. Cada ponto da borda é definido como o lugar entre dois pixels onde se espera encontrar um nível equivalente ao limítrofe. A linha de borda, em si, é definida pela sequência de tais pontos, armazenado com suas coordenadas x e y. A Figura 7 mostra um exemplo didático de como é feita a escolha dos pontos e a subsequente ligação entre os mesmos.

24 24 Figura 7 - Esquemático da detecção de bordas com limiar 82 FONTE: O autor (2012) É importante notar que este procedimento de segmentação só se aplica a imagens com histogramas bimodais. No caso das imagens de medição, objetos são representados em um tom e fundo em outro, constituindo uma imagem tipicamente bimodal. Ele é mais preciso que uma simples limiarização global, pois encontra valores de borda entre pixels, aproveitando da melhor forma possível a informação contida na imagem. Uma desvantagem do processo é que, se houver objetos estranhos próximos aos objetos de interesse na imagem, e.g. sujeira junto à borda do cabo, as bordas desses objetos serão consideradas como borda do objeto de interesse. Entretanto, o projeto procura sempre medidas mínimas locais, como será explicado adiante, e tais imperfeições são então desprezadas pelo processo de medição. O procedimento é, então, ideal para a aplicação no wcm Separação das Figuras Depois de encontradas as bordas, estas são armazenadas em uma lista geral de figuras. É necessário o reconhecimento da forma de cada figura para que se defina quais delas correspondem à amostra de fio ou cabo, quais correspondem às bordas do padrão, e quais são desprezíveis. Para classificar uma figura como borda da amostra, é feito o seguinte teste: dentre todos pontos da borda, as menores e maiores coordenadas x e y são escolhidas para formar um retângulo ao redor da figura. O ponto com a média desses

25 25 valores de x e y é definido como o centro da suposta circunferência (Figura 8). É então calculada a distância euclidiana média de todos os pontos da figura ao centro (raio médio). Em seguida, para cada ponto da figura, é calculado o erro quadrático com relação ao raio esperado. A média desses erros é então comparada a um valor limiar padrão. Se o erro médio quadrático estiver abaixo do limiar, a figura é classificada como círculo. Figura 8 - Classificação de borda FONTE: O autor (2012) A borda interior da amostra sofre um procedimento idêntico, por isso o valor de limiar do erro médio quadrático foi escolhido de forma a aceitar um formato de borda parecido com o formato da borda interior de um cabo encordoado. Para a classificação de uma figura como elemento da borda do padrão, foi utilizado um teste similar ao anterior. O erro levado em consideração, no entanto, em vez da diferença da distância de cada ponto da borda ao centro comparada ao raio médio, é a distância de cada ponto da borda a uma das diagonais do retângulo que circunscreve a figura. Depois de encontradas as figuras que pertencem à borda da amostra e à borda do padrão, as eventuais figuras remanescentes são desprezadas. Se não forem encontradas exatamente duas bordas para a amostra e duas para o padrão, o programa retorna a imagem com todas as figuras que encontrou e identificou, para que o operador possa identificar o que está causando erro e o solucionar Medição do padrão Para a medição do padrão é preciso encontrar a distância entre as duas retas que representam suas bordas. Para encontrar essas retas é feita uma regressão linear pelo método dos mínimos quadrados [17]. No entanto, na maioria das vezes,

26 26 por consequência de ruídos e de imperfeições no padrão, as bordas não são exatamente paralelas, então é feita uma análise da direção das retas, e é feita a média do coeficiente angular encontrado anteriormente na regressão. Com isso se torna possível calcular a distância média entre as duas bordas em pixels, que é em seguida dividida pelo valor do padrão previamente estabelecido, resultando em um valor de milímetros por pixel, a ser utilizado nas medições finais Medições Radiais A norma de ensaios pede seis medidas [1], sendo a primeira delas no local onde a camada isolante é mais fina e cinco outras Medida mínima Para encontrar a medida mais fina, é feita uma varredura das distâncias de todos os pontos da borda interna a todos os pontos da borda externa. A menor de todas essas distâncias é armazenada como a medida da mínima. Pode se notar que esse método nem sempre encontra uma medida radial, mas, devido a possíveis deformações da amostra, a medida mínima pode estar em uma posição não radial. Dessa forma está sempre garantida a seleção da menor de todas as medidas, referente ao ponto de menor espessura do isolante Medidas radiais De posse das coordenadas dos pontos que definem as figuras da borda externa e da borda interna da amostra, é possível encontrar as medidas radiais, como pede a norma. O procedimento adotado é, então, de medição radial. O centro ao qual as medições se referem é o centro do retângulo circunscrito à amostra. Com relação ao centro, são atribuídos os ângulos a todos os pontos da borda interna. Para cada ponto da borda interna é feita uma varredura nos pontos da borda externa procurando aquele com o ângulo mais próximo. A distância euclidiana entre esses dois pontos é então armazenada em uma lista de distâncias, que é em seguida organizada por ordem crescente de ângulos.

27 27 cabo. Tal lista resultante é o perfil da isolação, pelo ângulo referido ao centro do Escolha das Medições De acordo com as imagens do Anexo A, e com base na experiência dos laboratoristas da empresa com que firmamos parceria para a elaboração do projeto, as cinco medições além da mínima devem igualmente espaçadas na medida do possível, mas é mais importante que estejam em partes da isolação onde há um mínimo local. Para tanto, foi elaborado um algoritmo para a escolha das cinco medições complementares à mínima. O algoritmo em questão procura definir um procedimento rigoroso que reproduza a análise sugerida na norma [1], utilizando um sistema de penalização às medidas que estejam próximas umas das outras, e objetivando encontrar medidas mínimas espaçadas entre si em aproximadamente 60. A Figura 9 apresenta um gráfico de todas as medidas radiais (em azul) e seus respectivos valores após a penalização (em vermelho). A partir da medida mínima global são definidos intervalos de 60, o primeiro deles começando 30 acima do ângulo em que se encontra a mínima, nos quais serão efetuadas cada uma das cinco outras medidas. De uma análise do gráfico é possível perceber que perto das bordas dos intervalos de 60 as medidas são mais severamente penalizadas, e só serão escolhidas se forem muito menores que todas as restantes dentro do mesmo intervalo. As medidas escolhidas são as que ficam com menor valor após a penalização, que é feita multiplicando os valores por uma parábola centrada no meio do intervalo e com coeficientes escolhidos empiricamente. Com isso se garante que serão escolhidas seis medidas mínimas locais, como especifica a norma, atendendo ao compromisso de localizar uma medida com valor mínimo ao mesmo tempo o mais próximo possível da posição ideal. É possível também perceber no gráfico algumas medidas aparentemente incorretas, especificamente ao redor dos 140. São efeitos de sujeira presente na mesa de medição que foram incorporados à figura da borda do cabo pelo processo de segmentação. Não são medidas problemáticas, pois o sistema procura medidas mínimas, e essas serão descartadas. Mas, para evitar imprevistos, os laboratoristas recebem treinamento no sentido de manter a bancada limpa e utilizar pinças para

28 28 colocação das amostras, o que diminui consideravelmente a ocorrência desses eventos. Depois de escolhidas, as seis medidas são desenhadas por sobre a figura original, juntamente com os valores da mínima e da média.

29 Figura 9 - Gráfico das medidas normais e penalizadas. FONTE: O autor (2012) 29

30 30 5 RESULTADOS O aplicativo em sua versão final está mostrado na Figura 10. Figura 10 - Versão final do aplicativo wcm FONTE: O autor (2012) Os resultados obtidos são detalhados nas seções subsequentes. 5.1 INTERFACE A interface, totalmente em português, é simples e intuitiva, contando com textos de ajuda ao pousar-se o cursor sobre cada botão. A Figura 11 e a Figura 12 mostram exemplos da utilização do aplicativo, notadamente os textos de ajuda. Figura 11 - Exemplo de utilização do wcm Início FONTE: O autor (2012)

31 31 Figura 12 - Exemplo de utilização do wcm Processar FONTE: O autor (2012) Providos de uma breve explicação, indivíduos participantes de um teste, sem nunca haver tido contato, operaram o aplicativo com êxito. Trata-se de um resultado satisfatório, pois prescinde da constante presença de alguém com conhecimento técnico sobre o programa. Os botões Salvar Imagem de Entrada e Salvar Imagem de Saída (Figura 13) são úteis para um eventual suporte técnico, e provêm também evidências do ensaio, que podem ser armazenadas para eventuais futuras consultas. Figura 13 - Exemplo de utilização do wcm Salvar Imagem de Saída FONTE: O autor (2012)

2.1.2 Definição Matemática de Imagem

2.1.2 Definição Matemática de Imagem Capítulo 2 Fundamentação Teórica Este capítulo descreve os fundamentos e as etapas do processamento digital de imagens. 2.1 Fundamentos para Processamento Digital de Imagens Esta seção apresenta as propriedades

Leia mais

Comparação entre a Máscara de Nitidez Cúbica e o Laplaciano para Realce de Imagens Digitais

Comparação entre a Máscara de Nitidez Cúbica e o Laplaciano para Realce de Imagens Digitais Comparação entre a Máscara de Nitidez Cúbica e o Laplaciano para Realce de Imagens Digitais Wesley B. Dourado, Renata N. Imada, Programa de Pós-Graduação em Matemática Aplicada e Computacional, FCT, UNESP,

Leia mais

Aula 2 Aquisição de Imagens

Aula 2 Aquisição de Imagens Processamento Digital de Imagens Aula 2 Aquisição de Imagens Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira mvieira@sc.usp.br EESC/USP Fundamentos de Imagens Digitais Ocorre a formação de uma imagem quando

Leia mais

CBPF Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas. Nota Técnica

CBPF Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas. Nota Técnica CBPF Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas Nota Técnica Aplicação de Física Médica em imagens de Tomografia de Crânio e Tórax Autores: Dário Oliveira - dario@cbpf.br Marcelo Albuquerque - marcelo@cbpf.br

Leia mais

Processamento de Imagem. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Processamento de Imagem. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Processamento de Imagem Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Visão Computacional Não existe um consenso entre os autores sobre o correto escopo do processamento de imagens, a

Leia mais

Segmentação de imagens tridimensionais utilizando o sensor Microsoft Kinect

Segmentação de imagens tridimensionais utilizando o sensor Microsoft Kinect Segmentação de imagens tridimensionais utilizando o sensor Microsoft Kinect Lucas Viana Barbosa 1 ; Wanderson Rigo 2 ; Manassés Ribeiro 3 INTRODUÇÃO Os sistemas de visão artificial vêm auxiliando o ser

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE

Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE Processamento de Imagens Tratamento da Imagem - Filtros Antonio G. Thomé thome@nce.ufrj.br Sala AEP/033 Sumário 2 Conceito de de Filtragem Filtros

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE MARCADORES DE PAVIMENTAÇÃO NA ORIENTAÇÃO DE CEGOS

IDENTIFICAÇÃO DE MARCADORES DE PAVIMENTAÇÃO NA ORIENTAÇÃO DE CEGOS IDENTIFICAÇÃO DE MARCADORES DE PAVIMENTAÇÃO NA ORIENTAÇÃO DE CEGOS André Zuconelli¹, Manassés Ribeiro² Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense - Campus Videira Rodovia SC, Km 5

Leia mais

SEGMENTAÇÃO DE IMAGENS EM PLACAS AUTOMOTIVAS

SEGMENTAÇÃO DE IMAGENS EM PLACAS AUTOMOTIVAS SEGMENTAÇÃO DE IMAGENS EM PLACAS AUTOMOTIVAS André Zuconelli 1 ; Manassés Ribeiro 2 1. Aluno do Curso Técnico em Informática, turma 2010, Instituto Federal Catarinense, Câmpus Videira, andre_zuconelli@hotmail.com

Leia mais

Sistema de Contagem, Identificação e Monitoramento Automático de Rotas de Veículos baseado em Visão Computacional

Sistema de Contagem, Identificação e Monitoramento Automático de Rotas de Veículos baseado em Visão Computacional Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Controle e Automação Sistema de Contagem, Identificação e Monitoramento Automático de Rotas de Veículos baseado

Leia mais

Processamento Digital de Imagens

Processamento Digital de Imagens Processamento Digital de Imagens Israel Andrade Esquef a Márcio Portes de Albuquerque b Marcelo Portes de Albuquerque b a Universidade Estadual do Norte Fluminense - UENF b Centro Brasileiro de Pesquisas

Leia mais

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS Executar as principais técnicas utilizadas em processamento de imagens, como contraste, leitura de pixels, transformação IHS, operações aritméticas

Leia mais

Erros. Cálculo Numérico

Erros. Cálculo Numérico Cálculo Numérico Erros Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br MATIAL ADAPTADO DOS SLIDES DA DISCIPLINA CÁLCULO NUMÉRICO DA UFCG - www.dsc.ufcg.edu.br/~cnum/ Erros - Roteiro Eistência Tipos

Leia mais

Capítulo II Imagem Digital

Capítulo II Imagem Digital Capítulo II Imagem Digital Proc. Sinal e Imagem Mestrado em Informática Médica Miguel Tavares Coimbra Resumo 1. Formação de uma imagem 2. Representação digital de uma imagem 3. Cor 4. Histogramas 5. Ruído

Leia mais

PROCESSAMENTO DE IMAGEM #01 TÓPICOS DESENVOLVIDOS NESTE MÓDULO

PROCESSAMENTO DE IMAGEM #01 TÓPICOS DESENVOLVIDOS NESTE MÓDULO PROCESSAMENTO DE IMAGEM #01 TÓPICOS DESENVOLVIDOS NESTE MÓDULO Que é Processamento Digital de Imagens (PDI) Quais as etapas fundamentais em um sistema de PDI Sensores CCD e CMOS Visão Humana x Visão de

Leia mais

Aula 6 - Segmentação de Imagens Parte 2. Prof. Adilson Gonzaga

Aula 6 - Segmentação de Imagens Parte 2. Prof. Adilson Gonzaga Aula 6 - Segmentação de Imagens Parte 2 Prof. Adilson Gonzaga 1 Motivação Extração do Objeto Dificuldades Super segmentação over-segmentation 1) Segmentação por Limiarização (Thresholding Global): Efeitos

Leia mais

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG 2012 Introdução Os modelo digitais de superficie (Digital Surface Model - DSM) são fundamentais

Leia mais

Sistema de Controle de Acesso Baseado no Reconhecimento de Faces

Sistema de Controle de Acesso Baseado no Reconhecimento de Faces Sistema de Controle de Acesso Baseado no Reconhecimento de Faces Access Control System Based on Face Recognition Tiago A. Neves, Welton S. De Oliveira e Jean-Jacques De Groote Faculdades COC de Ribeirão

Leia mais

SOFTWARE PARA IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE CÉLULAS DO ENDOTÉLIO CORNEANO DESENVOLVIDO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS

SOFTWARE PARA IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE CÉLULAS DO ENDOTÉLIO CORNEANO DESENVOLVIDO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS 221 SOFTWARE PARA IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE CÉLULAS DO ENDOTÉLIO CORNEANO DESENVOLVIDO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Jean-Jacques S. De Groote - Prof. Dr. do Centro Universitário Uniseb de Ribeirão Preto.

Leia mais

Processamento de Imagem. Prof. Herondino

Processamento de Imagem. Prof. Herondino Processamento de Imagem Prof. Herondino Sensoriamento Remoto Para o Canada Centre for Remote Sensing - CCRS (2010), o sensoriamento remoto é a ciência (e em certa medida, a arte) de aquisição de informações

Leia mais

MICROSCÓPIO ESPECULAR VOROCELL. Duvidas freqüentes a respeito do microscópio Vorocell, mitos e verdades.

MICROSCÓPIO ESPECULAR VOROCELL. Duvidas freqüentes a respeito do microscópio Vorocell, mitos e verdades. MICROSCÓPIO ESPECULAR VOROCELL Duvidas freqüentes a respeito do microscópio Vorocell, mitos e verdades. Porque o Microscópio Especular da Eyetec chama-se Vorocell? Vorocell é uma homenagem ao pesquisador

Leia mais

Teoria : Estruturas de Dados. Estrutura Vetorial. Quais tipos de dados são representados por estruturas vetoriais? Mapa temático:

Teoria : Estruturas de Dados. Estrutura Vetorial. Quais tipos de dados são representados por estruturas vetoriais? Mapa temático: Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de ciências Humanas e da Educação FAED Mestrado em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Socio- Ambiental - MPPT Disciplina: Geoprocessamento

Leia mais

Introdução do Processamento de Imagens. Julio C. S. Jacques Junior juliojj@gmail.com

Introdução do Processamento de Imagens. Julio C. S. Jacques Junior juliojj@gmail.com Introdução do Processamento de Imagens Julio C. S. Jacques Junior juliojj@gmail.com Porque processar uma imagem digitalmente? Melhoria de informação visual para interpretação humana Processamento automático

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Processamento Digital de Imagens

Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Processamento Digital de Imagens Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Processamento Digital de Imagens Prof Fabrízzio Alphonsus A M N Soares 2012 Capítulo 2 Fundamentos da Imagem Digital Definição de Imagem: Uma imagem

Leia mais

Detecção de mudanças em imagens oriundas de sensoriamento remoto, usando conjuntos fuzzy.

Detecção de mudanças em imagens oriundas de sensoriamento remoto, usando conjuntos fuzzy. Detecção de mudanças em imagens oriundas de sensoriamento remoto, usando conjuntos fuzzy. Marcelo Musci Baseado no artigo: Change detection assessment using fuzzy sets and remotely sensed data: an application

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA Gilva Altair Rossi gilva@demec.ufmg.br José Maria Galvez jmgalvez@ufmg.br Universidade

Leia mais

Visão Computacional e Realidade Aumentada. Trabalho 3 Reconstrução 3D. Pedro Sampaio Vieira. Prof. Marcelo Gattass

Visão Computacional e Realidade Aumentada. Trabalho 3 Reconstrução 3D. Pedro Sampaio Vieira. Prof. Marcelo Gattass Visão Computacional e Realidade Aumentada Trabalho 3 Reconstrução 3D Pedro Sampaio Vieira Prof. Marcelo Gattass 1 Introdução Reconstrução tridimensional é um assunto muito estudado na área de visão computacional.

Leia mais

Chow&Kaneko buscam as modas da imagem para separar os objetos. Admite que os tons na vizinhança de cada moda são do mesmo objeto.

Chow&Kaneko buscam as modas da imagem para separar os objetos. Admite que os tons na vizinhança de cada moda são do mesmo objeto. Respostas Estudo Dirigido do Capítulo 12 Image Segmentation" 1 Com suas palavras explique quais os problemas que podem ocorrer em uma segmentação global baseada em níveis de cinza da imagem. Que técnicas

Leia mais

Representação de Imagens

Representação de Imagens Representação de Imagens Primitivas Gráficas As primitivas gráficas são os elementos básicos que formam um desenho. Exemplos: Ponto, segmento, polilinha, polígono, arco de elipse, etc. Primitivas já definidas

Leia mais

[Fingerprint Recognition]

[Fingerprint Recognition] Mestrado em Engenharia de Segurança Informática Tecnologias Biométricas Pedro Santos santos.pmcm@gmail.com 12065 Filipe Vieira fil.vieira@gmail.com 12049 Rui Pereira ruipereira.eng@gmail.com 12061 Docente

Leia mais

Redes neurais aplicadas na identificação de variedades de soja

Redes neurais aplicadas na identificação de variedades de soja Redes neurais aplicadas na identificação de variedades de soja Fábio R. R. Padilha Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ Rua São Francisco, 5 - Sede Acadêmica, 987-,

Leia mais

MNT: Modelagem Numérica de Terreno

MNT: Modelagem Numérica de Terreno MNT: Modelagem Numérica de Terreno I. 1ntrodução MODELO : Representação da realidade sob a forma material (representação tangível) ou sob a forma simbólica (representação abstrata). MODELO DO TERRENO:

Leia mais

Introdução ao Processamento de Imagens

Introdução ao Processamento de Imagens Introdução ao PID Processamento de Imagens Digitais Introdução ao Processamento de Imagens Glaucius Décio Duarte Instituto Federal Sul-rio-grandense Engenharia Elétrica 2013 1 de 7 1. Introdução ao Processamento

Leia mais

Segmentação de imagens de profundidade por limiarização com morfologia matemática. Jorge Antonio Silva Centeno 1 Regina Tiemy Kishi 2

Segmentação de imagens de profundidade por limiarização com morfologia matemática. Jorge Antonio Silva Centeno 1 Regina Tiemy Kishi 2 Segmentação de imagens de profundidade por limiarização com morfologia matemática Jorge Antonio Silva Centeno 1 Regina Tiemy Kishi 2 Universidade Federal do Paraná - UFPR 1 Departamento de Geomática 2

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

CEP 36307-352 fernando.nogueira@ufjf.edu.br

CEP 36307-352 fernando.nogueira@ufjf.edu.br 26 a 28 de maio de 2 Universidade Federal de São João del-rei MG Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia Determinação da Curva Granulométrica de Agregados Graúdos Via Processamento

Leia mais

Sensores e Atuadores (1)

Sensores e Atuadores (1) (1) 4º Engenharia de Controle e Automação FACIT / 2009 Prof. Maurílio J. Inácio Introdução Sensores Fornecem parâmetros sobre o comportamento do manipulador, geralmente em termos de posição e velocidade

Leia mais

Codificação/Compressão de Vídeo. Tópico: Vídeo (Codificação + Compressão)

Codificação/Compressão de Vídeo. Tópico: Vídeo (Codificação + Compressão) Tópico: Vídeo (Codificação + Compressão) Um vídeo pode ser considerado como uma seqüência de imagens estáticas (quadros). Cada um desses quadros pode ser codificado usando as mesmas técnicas empregadas

Leia mais

Uma Versão Intervalar do Método de Segmentação de Imagens Utilizando o K-means

Uma Versão Intervalar do Método de Segmentação de Imagens Utilizando o K-means TEMA Tend. Mat. Apl. Comput., 6, No. 2 (2005), 315-324. c Uma Publicação da Sociedade Brasileira de Matemática Aplicada e Computacional. Uma Versão Intervalar do Método de Segmentação de Imagens Utilizando

Leia mais

Sphinx Scanner Informações gerais V 5.1.0.8

Sphinx Scanner Informações gerais V 5.1.0.8 Sphinx Scanner Informações gerais V 5.1.0.8 Pré-requisitos: Possuir modalidade scanner no software Sphinx A SPHINX Brasil propõe uma solução de leitura automática de questionários por scanner. O Sphinx

Leia mais

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Quim. Nova, Vol. 38, No. 3, S1-S6, 2015 O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Fernando Arruda Mendes de Oliveira a,b, Eduardo Ribeiro

Leia mais

SMCB: METODOLOGIA PARA A QUANTIZAÇÃO DE CORES EM IMAGENS FACIAIS

SMCB: METODOLOGIA PARA A QUANTIZAÇÃO DE CORES EM IMAGENS FACIAIS CMNE/CILAMCE 007 Porto, 13 a 15 de Junho, 007 APMTAC, Portugal 007 SMCB: METODOLOGIA PARA A QUANTIZAÇÃO DE CORES EM IMAGENS FACIAIS Marcelo Zaniboni 1 *, Osvaldo Severino Junior e João Manuel R. S. Tavares

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DIGITAL

REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DIGITAL REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DIGITAL Representação da imagem Uma imagem é uma função de intensidade luminosa bidimensional f(x,y) que combina uma fonte de iluminação e a reflexão ou absorção de energia a partir

Leia mais

Software amigável para pré-redução de dados fotométricos

Software amigável para pré-redução de dados fotométricos Software amigável para pré-redução de dados fotométricos Thiago C. Caetano, Wilton S. Dias e Héktor Monteiro UNIFEI, Instituto de Ciências Exatas, Departamento de Física e Química, Universidade Federal

Leia mais

Introdução ao Scilab

Introdução ao Scilab Programação de Computadores 1 Capítulo 1 Introdução ao Scilab José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2014.2 1/35 1 MATLAB e Scilab 2 O ambiente Scilab 2/35

Leia mais

Trabalho 2 Fundamentos de computação Gráfica

Trabalho 2 Fundamentos de computação Gráfica Trabalho 2 Fundamentos de computação Gráfica Processamento de Imagens Aluno: Renato Deris Prado Tópicos: 1- Programa em QT e C++ 2- Efeitos de processamento de imagens 1- Programa em QT e C++ Para o trabalho

Leia mais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações

Leia mais

EXPRESSÃO DA INCERTEZA NA MEDIÇÃO DA DUREZA BRINELL

EXPRESSÃO DA INCERTEZA NA MEDIÇÃO DA DUREZA BRINELL EXPRESSÃO A INCERTEZA NA MEIÇÃO A UREZA BRINELL Sueli Fischer Beckert Instituto Superior de Tecnologia IST, Centro de Mecânica de Precisão de Joinville CMPJ sueli@sociesc.com.br Joinville, SC, Brasil Luciana

Leia mais

RECONHECIMENTO DE PLACAS DE AUTOMÓVEIS ATRAVÉS DE CÂMERAS IP

RECONHECIMENTO DE PLACAS DE AUTOMÓVEIS ATRAVÉS DE CÂMERAS IP RECONHECIMENTO DE PLACAS DE AUTOMÓVEIS ATRAVÉS DE CÂMERAS IP Caio Augusto de Queiroz Souza caioaugusto@msn.com Éric Fleming Bonilha eric@digifort.com.br Gilson Torres Dias gilson@maempec.com.br Luciano

Leia mais

de Bordas em Imagens Digitais

de Bordas em Imagens Digitais Anais do CNMAC v.2 ISSN 1984-820X Avaliação Quantitativa de um Método Automático de Extração de Bordas em Imagens Digitais Inês A. Gasparotto Boaventura Departamento de Ciências de Computação e Estatística,

Leia mais

Medição da Altura das Cunhas de Fricção dos Vagões Utilizando Processamento Digital de Imagem

Medição da Altura das Cunhas de Fricção dos Vagões Utilizando Processamento Digital de Imagem ARTIGO Medição da Altura das Cunhas de Fricção dos Vagões Utilizando Processamento Digital de Imagem Leonardo Borges de Castro 1 *, Dr. João Marques Salomão 2 e Me. Douglas Almonfrey 2 1 VALE - Engenharia

Leia mais

Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia básica. Objetivos da Disciplina

Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia básica. Objetivos da Disciplina Circuitos Digitais Cap. 1 Prof. José Maria P. de Menezes Jr. Circuitos Digitais Tópicos Digitais I- Engenharia Elétrica -UFPI Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia

Leia mais

Sistemas e Conteúdos Multimédia. 4.1. Imagem. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt

Sistemas e Conteúdos Multimédia. 4.1. Imagem. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Sistemas e Conteúdos Multimédia 4.1. Imagem Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Cores O que é a cor? Distribuição espectral do sinal de excitação. Função da reflectância e da iluminação

Leia mais

Operações Algébricas e Lógicas. Guillermo Cámara-Chávez

Operações Algébricas e Lógicas. Guillermo Cámara-Chávez Operações Algébricas e Lógicas Guillermo Cámara-Chávez Operações Aritméticas São aquelas que produzem uma imagem que é a soma, diferença, produto ou quociente pixel a pixel Operações Aritméticas Fig A

Leia mais

Scanners. série i900. Guia de configuração de digitalização para aplicativos ISIS. A-61734_pt-br

Scanners. série i900. Guia de configuração de digitalização para aplicativos ISIS. A-61734_pt-br Scanners série i900 Guia de configuração de digitalização para aplicativos ISIS A-61734_pt-br Guia de configuração de digitalização para o driver ISIS Sumário Caixa de diálogo Ferramenta de validação de

Leia mais

Informática Aplicada a Radiologia

Informática Aplicada a Radiologia Informática Aplicada a Radiologia Apostila: Imagem Digital parte I Prof. Rubens Freire Rosa Imagem na forma digital A representação de Imagens na forma digital nos permite capturar, armazenar e processar

Leia mais

Figura 01: Aplicações do Filtro Espacial Passa-Baixa.

Figura 01: Aplicações do Filtro Espacial Passa-Baixa. 791 IMPLEMENTAÇÃO DE TÉCNICAS DE PRÉ-PROCESSAMENTO E PROCESSAMENTO DE IMAGENS PARA RADIOGRAFIAS CARPAIS Rafael Lima Alves 1 ; Michele Fúlvia Angelo 2 Bolsista PROBIC, Graduando em Engenharia de Computação,

Leia mais

_PTBR. Guia de configuração de digitalização para aplicativos TWAIN

_PTBR. Guia de configuração de digitalização para aplicativos TWAIN _PTBR Guia de configuração de digitalização para aplicativos TWAIN Como usar a fonte de dados TWAIN Como iniciar a Ferramenta de validação de scanner... 2 A caixa de diálogo Ferramenta de validação de

Leia mais

Capítulo 5 Filtragem de Imagens

Capítulo 5 Filtragem de Imagens Capítulo 5 Filtragem de Imagens Capítulo 5 5.1. Filtragem no Domínio da Frequência 5.2. Filtragem no Domínio Espacial 2 Objetivo Melhorar a qualidade das imagens através da: ampliação do seu contraste;

Leia mais

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress O pacote BrOffice é um pacote de escritório muito similar ao já conhecido Microsoft Office e ao longo do tempo vem evoluindo e cada vez mais ampliando as possibilidades

Leia mais

Técnicas de Mineração de Dados Aplicadas a Reservatórios visando à Gestão Ambiental na Geração de Energia

Técnicas de Mineração de Dados Aplicadas a Reservatórios visando à Gestão Ambiental na Geração de Energia Técnicas de Mineração de Dados Aplicadas a Reservatórios visando à Gestão Ambiental na Geração de Energia Aluno: Gabriel Leite Mariante Orientador: Marley Maria Bernardes Rebuzzi Vellasco Introdução e

Leia mais

Localização de placas em imagens de veículos. Resumo

Localização de placas em imagens de veículos. Resumo Localização de placas em imagens de veículos Geovane Hilário Linzmeyer Curso de Inteligência Computacional Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, dezembro de 2005 Resumo Um dos maiores problemas

Leia mais

Segmentação de Imagens de Placas Automotivas

Segmentação de Imagens de Placas Automotivas Segmentação de Imagens de Placas Automotivas André Zuconelli, Manassés Ribeiro Instituto Federal Catarinense - Campus Videira. Técnico em Informática, turma 2010 Rodovia SC, Km 5 Bairro Campo Experimental

Leia mais

CAPTURA SINCRONIZADA DE VÍDEO NO ENSINO DE CIÊNCIAS

CAPTURA SINCRONIZADA DE VÍDEO NO ENSINO DE CIÊNCIAS CAPTURA SINCRONIZADA DE VÍDEO NO ENSINO DE CIÊNCIAS INTRODUÇÃO A imagem e o áudio têm ocupado cada vez mais espaço na constituição e expressão do conhecimento humano, seja no âmbito da informação, do entretenimento

Leia mais

A INTEGRAÇÃO ENTRE ESTATÍSTICA E METROLOGIA

A INTEGRAÇÃO ENTRE ESTATÍSTICA E METROLOGIA A INTEGRAÇÃO ENTRE ESTATÍSTICA E METROLOGIA João Cirilo da Silva Neto jcirilo@araxa.cefetmg.br. CEFET-MG-Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais-Campus IV, Araxá Av. Ministro Olavo Drumonnd,

Leia mais

2 Método sísmico na exploração de petróleo

2 Método sísmico na exploração de petróleo 16 2 Método sísmico na exploração de petróleo O método sísmico, ou sísmica de exploração de hidrocarbonetos visa modelar as condições de formação e acumulação de hidrocarbonetos na região de estudo. O

Leia mais

2. O que é Redundância de código ou informação? Como a compressão Huffman utiliza isso? Você conhece algum formato de imagem que a utiliza?(1.

2. O que é Redundância de código ou informação? Como a compressão Huffman utiliza isso? Você conhece algum formato de imagem que a utiliza?(1. Respostas do Estudo Dirigido Cap. 26 - Reducing the information:... ou Image Compression 1. Para que serve comprimir as imagens? Que aspectos estão sendo considerados quando se fala de: Compression Rate,

Leia mais

A primeira coisa que se precisa definir é a lógica que rege os sistemas de captura, e essa pode ser descrita em linhas gerais por:

A primeira coisa que se precisa definir é a lógica que rege os sistemas de captura, e essa pode ser descrita em linhas gerais por: 4 Tecnologias A ideia da construção de Digital Human Models não caminha em separado das diversas tecnologias que englobam tal construção. Porém, para um melhor entendimento, serão descritas a seguir as

Leia mais

MÉTODOS DE CALIBRAÇÃO

MÉTODOS DE CALIBRAÇÃO MÉTODOS DE CALIBRAÇÃO Sinais obtidos por equipamentos e instrumentos devem ser calibrados para evitar erros nas medidas. Calibração, de acordo com o INMETRO, é o conjunto de operações que estabelece, sob

Leia mais

Desenvolvimento de um Sistema Híbrido para Rastreamento

Desenvolvimento de um Sistema Híbrido para Rastreamento Desenvolvimento de um Sistema Híbrido para Rastreamento de Objetos aplicado ao Futebol de Robôs Eduardo W. Basso 1, Diego M. Pereira 2, Paulo Schreiner 2 1 Laboratório de Robótica Inteligente Instituto

Leia mais

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis O objetivo deste texto é apresentar os principais procedimentos

Leia mais

Detecção e Rastreamento de Objetos coloridos em vídeo utilizando o OpenCV

Detecção e Rastreamento de Objetos coloridos em vídeo utilizando o OpenCV Detecção e Rastreamento de Objetos coloridos em vídeo utilizando o OpenCV Bruno Alberto Soares OLIVEIRA 1,3 ; Servílio Souza de ASSIS 1,3,4 ; Izadora Aparecida RAMOS 1,3,4 ; Marlon MARCON 2,3 1 Estudante

Leia mais

Interação Humano - Computador usando Visão Computacional

Interação Humano - Computador usando Visão Computacional Interação Humano - Computador usando Visão Computacional Bernardo Bucher B. Barbosa 1, Júlio César Silva 2 1 UNIFESO, Centro de Ciências e Tecnologia, Curso de Ciência da Computação, brgenius@gmail.com

Leia mais

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia. Introdução O Cálculo Numérico

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B PLANIFICAÇÕES SECUNDÁRIO PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS B 12º ANO DE ESCOLARIDADE CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Introdução à Programação Introdução Linguagens naturais e formais Algoritmos

Leia mais

RELATÓRIO FINAL PIVIC/2010-2011 TRATAMENTO DE IMAGENS CAPTURADAS EM TEMPO REAL EM SISTEMAS DE REALIDADE AUMENTADA

RELATÓRIO FINAL PIVIC/2010-2011 TRATAMENTO DE IMAGENS CAPTURADAS EM TEMPO REAL EM SISTEMAS DE REALIDADE AUMENTADA RELATÓRIO FINAL PIVIC/2010-2011 TRATAMENTO DE IMAGENS CAPTURADAS EM TEMPO REAL EM SISTEMAS DE REALIDADE AUMENTADA Bruno Moraes Rocha, Marcos Wagner de Souza Ribeiro (Orientador) Universidade Federal de

Leia mais

Universidade Federal de Alagoas Instituto de Matemática. Imagem. Prof. Thales Vieira

Universidade Federal de Alagoas Instituto de Matemática. Imagem. Prof. Thales Vieira Universidade Federal de Alagoas Instituto de Matemática Imagem Prof. Thales Vieira 2014 O que é uma imagem digital? Imagem no universo físico Imagem no universo matemático Representação de uma imagem Codificação

Leia mais

Thales Trigo. Formatos de arquivos digitais

Thales Trigo. Formatos de arquivos digitais Esse artigo sobre Formatos de Arquivos Digitais é parte da Tese de Doutoramento do autor apresentada para a obtenção do titulo de Doutor em Engenharia Elétrica pela Escola Politécnica da USP. Thales Trigo

Leia mais

Computadores e Informação Digital

Computadores e Informação Digital Computadores e Informação Digital Sérgio Nunes Comunicações Digitais e Internet Ciências da Comunicação, U.Porto 2011/12 Computadores Computador O que é um computador? Um computador é uma máquina programável,

Leia mais

1 Modelo de computador

1 Modelo de computador Capítulo 1: Introdução à Programação Waldemar Celes e Roberto Ierusalimschy 29 de Fevereiro de 2012 1 Modelo de computador O computador é uma máquina capaz de manipular informações processando seqüências

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão

Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão 01 Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão Rodrigo G. Trevisan¹; José P. Molin² ¹ Eng. Agrônomo, Mestrando em Engenharia de Sistemas Agrícolas (ESALQ-USP); ² Prof. Dr. Associado

Leia mais

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores Série de conceitos básicos de medições com sensores Medições de temperatura Renan Azevedo Engenheiro de Produto, DAQ & Teste NI Henrique Sanches Marketing Técnico, LabVIEW NI Pontos principais Diferentes

Leia mais

MONITORAMENTO REMOTO DO CONSUMO DE ÁGUA UTILIZANDO SOFTWARE DE INTERFACE HOMEM-MÁQUINA - HIDROAER

MONITORAMENTO REMOTO DO CONSUMO DE ÁGUA UTILIZANDO SOFTWARE DE INTERFACE HOMEM-MÁQUINA - HIDROAER MONITORAMENTO REMOTO DO CONSUMO DE ÁGUA UTILIZANDO SOFTWARE DE INTERFACE HOMEM-MÁQUINA - HIDROAER Alex Lage de Morais 1 ; Wilson Cabral de Sousa Jr. 2 ;Elaine Nolasco Ribeiro 3 RESUMO - Uma parte do projeto

Leia mais

Scanner ScanMate i1120

Scanner ScanMate i1120 Scanner ScanMate i1120 Guia de configuração de digitalização A-61619_pt-br 5K2153 Guia de configuração de digitalização para Fonte de dados TWAIN Iniciando a Ferramenta de validação de digitalização...

Leia mais

- Representação da Informação pelo computador - Sistemas de Numeração - Código Binário - Digitalização

- Representação da Informação pelo computador - Sistemas de Numeração - Código Binário - Digitalização Disciplina Bases Computacionais Aula 03 Informação, Dados, Variáveis, Algoritmos Roteiro da Aula: - Representação da Informação pelo computador - Sistemas de Numeração - Código Binário - Digitalização

Leia mais

Portaria n.º 11, de 10 de janeiro de 2014. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 11, de 10 de janeiro de 2014. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 11, de 10 de janeiro de 2014. CONSULTA

Leia mais

O SOFTWARE SPP Eucalyptus

O SOFTWARE SPP Eucalyptus Rua Raul Soares, 133/201 - Centro - Lavras MG CEP 37200-000 Fone/Fax: 35 3821 6590 O SOFTWARE SPP Eucalyptus 1/7/2008 Inventar GMB Consultoria Ltda Ivonise Silva Andrade INTRODUÇÃO Um dos grandes problemas

Leia mais

Cálculo de volume de objetos utilizando câmeras RGB-D

Cálculo de volume de objetos utilizando câmeras RGB-D Cálculo de volume de objetos utilizando câmeras RGB-D Servílio Souza de ASSIS 1,3,4 ; Izadora Aparecida RAMOS 1,3,4 ; Bruno Alberto Soares OLIVEIRA 1,3 ; Marlon MARCON 2,3 1 Estudante de Engenharia de

Leia mais

Um sistema de visão computacional para detecção automática de caracteres em uma linha de montagem automotiva

Um sistema de visão computacional para detecção automática de caracteres em uma linha de montagem automotiva 225 Um sistema de visão computacional para detecção automática de caracteres em uma linha de montagem automotiva Marcus V. C. Guelpeli1, Bruno S. P. de Oliveira2, Wellington C. A. Landim2 1 Curso de Sistema

Leia mais

Visão computacional no reconhecimento de formas e objetos

Visão computacional no reconhecimento de formas e objetos Visão computacional no reconhecimento de formas e objetos Paula Rayane Mota Costa Pereira*, Josemar Rodrigues de Souza**, Resumo * Bolsista de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia SENAI CIMATEC,

Leia mais

Carga dos alimentadores

Carga dos alimentadores 50 Análise de consumo de energia e aplicações Capítulo V Carga dos alimentadores Por Manuel Luís Barreira Martinez* Em continuidade ao capítulo anterior, Locação de cargas métodos para a locação de carga

Leia mais

Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação

Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação Previsão de demanda em uma empresa farmacêutica de manipulação Ana Flávia Brito Rodrigues (Anafla94@hotmail.com / UEPA) Larissa Pinto Marques Queiroz (Larissa_qz@yahoo.com.br / UEPA) Luna Paranhos Ferreira

Leia mais

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PAULO SÉRGIO LORENA Julho/2011 1 Planejamento escopo, tempo e custo PROGRAMA DA DISCIPLINA Apresentação professor Programa da disciplina Avaliação Introdução Processos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS Laboratório de Ensino, Pesquisa e Projetos em Análise Espacial TUTORIAL DE SPRING Alexandro Medeiros

Leia mais

Revista Hispeci & Lema On Line ano III n.3 nov. 2012 ISSN 1980-2536 unifafibe.com.br/hispecielemaonline Centro Universitário UNIFAFIBE Bebedouro-SP

Revista Hispeci & Lema On Line ano III n.3 nov. 2012 ISSN 1980-2536 unifafibe.com.br/hispecielemaonline Centro Universitário UNIFAFIBE Bebedouro-SP Reconhecimento de face utilizando banco de imagens monocromáticas e coloridas através dos métodos da análise do componente principal (PCA) e da Rede Neural Artificial (RNA) [Recognition to face using the

Leia mais

MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA

MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA Central de Coleta e Armazenamento de Dados (Especificação) A Central de Coleta e Armazenamento de Dados deverá apresentar as seguintes características: 1. Receber, de forma contínua,

Leia mais

Software de análises metalográficas MATERIAL PLUS

Software de análises metalográficas MATERIAL PLUS Software de análises metalográficas MATERIAL PLUS Programa desenvolvido de forma simples para o uso sem comprometer a precisão por usuários inexperientes conseguirem fazer análises sem um treinamento mínimo;

Leia mais

Watershed? divisor de águas? limites das bacias hidrográficas? what is it?

Watershed? divisor de águas? limites das bacias hidrográficas? what is it? Watershed? divisor de águas? limites das bacias hidrográficas? what is it? O termo watershed / divisor de águas Considera a área de terreno para em que toda a água de chuva é drenada na mesma direção.

Leia mais

Tratamento da Imagem Transformações (cont.)

Tratamento da Imagem Transformações (cont.) Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE Tratamento da Imagem Transformações (cont.) Antonio G. Thomé thome@nce.ufrj.br Sala AEP/133 Tratamento de Imagens - Sumário Detalhado Objetivos Alguns

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O MATERIAL UTILIZADO NA OBTENÇÃO E NA ANÁLISE DOS VÍDEOS

INFORMAÇÕES SOBRE O MATERIAL UTILIZADO NA OBTENÇÃO E NA ANÁLISE DOS VÍDEOS INFORMAÇÕES SOBRE O MATERIAL UTILIZADO NA OBTENÇÃO E NA ANÁLISE DOS VÍDEOS 1 Material utilizado 1.1 Tracker: um programa de análise de imagens Para a execução da proposta foi utilizado o programa livre

Leia mais