Perícia Contábil Judicial: Uma Análise Crítica. Paulo Cezar Ferreira de Souza

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Perícia Contábil Judicial: Uma Análise Crítica. Paulo Cezar Ferreira de Souza"

Transcrição

1 Perícia Contábil Judicial: Uma Análise Crítica. Paulo Cezar Ferreira de Souza Resumo A Perícia Contábil no Brasil, apesar de já contar com regras claras, emanadas pelo CFC e de uma legislação adequada, desde 1973, ainda está longe de ser executada como recomendam as regras e legislação vigente. Isto ocorre por diversas razões que impedem a correta execução dos trabalhos periciais. Dentre essas razões, pode-se citar a forma como os peritos são nomeados, o baixo nível da maioria dos trabalhos realizados, a ausência de conclusão até em laudos bem elaborados e a forma como os honorários do perito são determinados ou até a ausência desses honorários; além disso existe a confusão, muito comum, entre as técnicas contábeis de auditoria e perícia, que possuem um conjunto de procedimentos muito semelhante, mas que diferem na finalidade e no método e a pouca divulgação que existe em nosso país em relação aos trabalhos de perícia. Neste trabalho pretende-se denunciar essa situação visando trazer o assunto à discussão para que as soluções possam ser discutidas sendo adotadas as medidas mais adequadas. Para tanto, foi realizada uma pesquisa em diversas varas cíveis, trabalhistas e Federal, na Cidade do Recife, cujos resultados confirmaram as expectativas dos pesquisadores. 1. Objetivo O objetivo do presente trabalho é trazer à discussão, a realidade da perícia contábil praticada no Brasil, demonstrando a enorme diferença que existe naquilo que é apresentado na bibliografia sobre o assunto (livros e artigos), nas normas emanadas pelo CFC e pela legislação pertinente e o que é, efetivamente, praticado. 2. Introdução A palavra perícia originou-se do latim "Peritia", que significa conhecimento adquirido pela experiência. O dicionário Aurélio Buarque de Hollanda (1975 : 1069) a define como vistoria ou exame de caráter técnico e especializado. O professor Lopes Sá (2004: 28) acrescenta que significa também habilidade em alguma arte ou profissão; experiência; destreza; exame, vistoria de caráter técnico-especializado". Antigamente, no início da civilização, o líder dos grupos desempenhava o papel de perito, legislador e executor dos assuntos que precisavam de seu auxílio ou aprovação. Com a evolução da civilização o poder saiu dos antigos líderes e assim a perícia tornou-se mais independente até chegar aos dias atuais. Na Índia, Grécia e Egito há registros de que o perito era eleito pelas partes para desempenhar não apenas o papel de perito mas também de juiz. Foi no Direito Romano primitivo que a figura do perito passou a existir de fato apesar de continuar ligada a de árbitro pois o laudo do perito era aceito como a própria sentença. Somente com o desenvolvimento jurídico no ocidente foi que a figura do perito desvinculou-se da pessoa do árbitro. A Perícia foi introduzida oficialmente no Brasil através do Código de Processo Civil - CPC de Isto não significa dizer que antes não existissem peritos e trabalhos de perícia. O que ocorria era que esse trabalho não era regulamentado. Entretanto, é fácil se supor que poucas autoridades, públicas ou privadas, faziam uso de peritos, nesta época. 1

2 Em 1946, com a regulamentação da profissão contábil através do Decreto-lei 9.245, institucionalizou-se a Perícia Contábil. Mas, na realidade, foi somente a partir da promulgação do novo Código de Processo Civil de 1973 que a perícia passou a contar com regras claras e ordenação jurídica conveniente. Atualmente a Perícia Contábil conta com um conjunto de regras definidas pelo CFC, tanto relativas ao desenvolvimento do trabalho como à pessoa do perito. Tanto a NBC-P2, emitida através da Resolução CFC nº 857/99 que trata de Normas Profissionais do Perito, quanto a NBC-T13, emitida através da Resolução CFC nº 858/99 que trata da Perícia Contábil, são normas bastante claras que regulam os aspectos profissionais e pessoais dos Peritos Contábeis, bem como, os trabalhos de Perícia. Isto significa dizer que esta técnica contábil, conta com uma legislação adequada e uma regulamentação excelente, por parte do órgão de classe. Contudo, as leis e as normas não podem controlar o funcionamento das perícias contábeis no Brasil. A Perícia Contábil no Brasil ainda está longe de funcionar como preceituam as normas do CFC e até como determinam o CPC e legislações complementares. 3. A Perícia Judicial Contábil Segundo o Professor Lopes Sá (2004: 14): Perícia contábil é a verificação de fatos ligados ao patrimônio individualizado visando oferecer opinião, mediante questão proposta. Para tal opinião realizam-se exames, vistorias, indagações, investigações, avaliações, arbitramentos, em suma todo e qualquer procedimento necessário à opinião. A perícia judicial se motiva no fato do juiz depender do conhecimento técnico ou especializado de um profissional para poder decidir. A Perícia Judicial contábil é aquela que tem origem na necessidade do magistrado em elucidar fatos contidos no processo, o qual necessita de um especialista para esclarecer e chegar-se a uma decisão. Ela poderá ser solicitada pelo juiz ou por uma das partes. Quando é uma das partes que acha necessário uma perícia, o interessado dirige-se ao juiz e, caso este considere realmente necessário, nomeia um perito. Ao ser requisitado, o perito tem um prazo de 5 (cinco) dias para responder ao juiz e fixar o valor de seus honorários de acordo com o trabalho a ser realizado a ser pago pela parte que solicitou a perícia e, mais tarde, por quem perder a demanda ou quem o juiz determinar. As principais perícias judiciais são : Nas Varas Cíveis: Prestação de contas, avaliações patrimoniais, litígios entre sócios, indenizações, avaliação de fundos de comércio, renovatórias de locação, etc.; Nas Varas Criminais: Fraudes e vícios contábeis, adulterações de lançamentos e registros, desfalques, apropriações indébitas, etc ; Nas Varas de Família: Avaliação de pensões alimentícias, avaliações patrimoniais, etc; Nas Varas de Órfãos e Sucessões: Apuração de haveres, prestação de contas de inventariantes, etc; Na Justiça do Trabalho: Indenizações de diversas modalidades, litígios entre empregados e empregadores de diversas espécies; Nas Varas de Falência e Concordatas: perícias falimentares em geral. Nas Varas de Fazenda Pública, Federal ou Estadual: Dívidas em órgãos públicos ou questionamento sobre tributos. 2

3 4. Razões Principais Porque a Perícia Contábil não é Executada como Preconizam as Normas 4.1. Nomeação dos Peritos Os problemas começam pela forma como são nomeados os Peritos. Na maioria dos Estados brasileiros, pouco mais de uma dezena de Peritos dominam, praticamente, 80% das Perícias realizadas no Estado. Isto ocorre porque, tal como acontece em outros ramos de atividade desenvolvida em nosso país, não é o mérito que determina a indicação, mas sim as relações pessoais. Assim, os Peritos normalmente nomeados são aqueles que possuem relações de amizade e/ou parentesco com os Juízes, Desembargadores ou outras autoridades do judiciário, fechando as portas para um grande grupo de profissionais competentes, que não conseguem ter acesso a esta atividade. E porque este problema ocorre? Em primeiro lugar, é importante ressaltar que a própria legislação assim o determina. A perícia contábil não é uma profissão. É uma atividade desenvolvida por profissionais dentre os mais qualificados da área contábil, devidamente registrados no CRC. O item da NBC-P2 reza o seguinte: Perito é o contador regularmente registrado em Conselho Regional de Contabilidade, que exerce a atividade pericial de forma pessoal, devendo ser profundo conhecedor, por suas qualidades e experiência, da matéria pericial. Este profissional é nomeado pelo Juiz (artigo 421 do CPC). Portanto, a escolha do perito é de competência exclusiva do Juiz e, na realidade, deve continuar sendo assim. Contudo, o que se verifica é que o número de peritos utilizados nos diversos tribunais das várias modalidades de justiça em cada Estado, é muito reduzido, havendo acumulação em muitos poucos, sem que haja avaliação do trabalho realizado, uma vez que, os juízes não têm a qualificação necessária para analisar a qualidade do trabalho de um perito contábil e, com certeza, os advogados das partes, também não Qualidade dos Trabalhos Entretanto, se este fosse o único problema, ainda se poderia entender, pois, na realidade, não é diferente de outros segmentos profissionais em nosso país, em que a indicação é o fator definitivo para a ocupação de cargos estratégicos e altamente relevantes. O maior problema é a qualidade dos trabalhos. A experiência de mais de 15 anos do autor, realizando trabalhos de Perícia e lecionando a disciplina Perícia Contábil em Faculdades e Universidades, possibilitou o exame dezenas de trabalhos de Perícia realizadas tanto por contadores como por outros profissionais que também realizam trabalhos de Perícia Judicial. É certo que alguns laudos são extremamente bem feitos, focados no objetivo da perícia e com explicações que realmente auxiliam o magistrado na sua árdua tarefa de julgar a lide. Entretanto, a maioria é de uma qualidade duvidosa, apresentação precária, sem conclusão que encaminhe a solução, com argumentação frágil, de tal maneira que, com certeza, nada auxiliam ao Juiz no seu julgamento. Existem casos, inclusive, em que erros contábeis primários são cometidos. Erros que seriam considerados absurdos até se fossem cometidos por estudantes do 3º período de Ciências Contábeis, mas são praticados por peritos contábeis. Isto ocorre pelo despreparo desses profissionais, pois a formação de contador se ainda é precária na maioria das Universidades e Faculdades brasileiras, já o foi muito mais, motivo porque, o sistema CFC/CRC s, em boa hora, implantou o exame de suficiência para permitir a habilitação na 3

4 profissão. Mas, mesmo assim, com falhas de formação evidentes e sem nenhum interesse em aperfeiçoamento, esses profissionais despreparados, em razão de suas ligações pessoais com serventuários da justiça, conseguem ser nomeados peritos, seguidamente. Na prática, o Brasil conseguiu deformar a definição de perito. Aqui, perito não é o mais capaz em determinada atividade, é o mais bem relacionado Conclusão do Laudo Muito ligado à falta de qualidade nos trabalhos é a ausência de conclusões nos laudos periciais. Este problema afeta, inclusive, laudos bem elaborados. Os peritos restringem-se a responder os quesitos das partes, não acrescentando o seu ponto de vista sobre a controvérsia que tanto auxílio prestaria ao magistrado no momento do julgamento. Dentre as dezenas de laudos examinados ao longo dos anos de experiência em perícia, menos de 10% apresentavam conclusões, e mesmo nestes poucos casos, as conclusões eram, em sua maioria, incompletas e pouco elucidativas. Mesmo na escassa bibliografia sobre o assunto existente em nosso país, a conclusão não é apresentada como aspecto relevante do laudo. No entanto, a conclusão está para o laudo, como o diagnóstico está para a doença. É o aspecto que caracteriza e dá consistência a prova, que é a razão de ser da perícia. Além disso, é o momento em que o perito se compromete com o resultado do exame, apresentando sua opinião sobre a controvérsia e indicando ao magistrado a possível solução da lide Honorários A área de ação da Justiça onde mais é requerido o trabalho do perito contábil é a Trabalhista, seguida das áreas Cível, Comercial (Falências e Concordatas), Família, etc. Justamente na área da justiça onde é mais requisitado o trabalho do perito contábil é onde repousam os maiores problemas: a área trabalhista. Em diversos Estados brasileiros, a perícia realizada na área trabalhista, acaba sem que o perito receba seus honorários. Isto ocorre porque a maioria esmagadora das ações em curso na Justiça do Trabalho termina em acordo entre patrões e empregados. Em vista de haver acordo, cada lado da questão precisa ceder um pouco em suas pretensões. Neste processo de cessão, eliminam-se os honorários do perito. Apesar do caso trabalhista ser o pior, não é o único problema deste tipo. As áreas cíveis, comerciais e de família, também, freqüentemente, ou não remuneram o perito, ou os honorários demoram tanto a serem pagos aos profissionais que a data do recebimento por parte do perito, acaba virando dia de comemoração, como já foi presenciado por um dos pesquisadores. Ainda em relação aos honorários, um outro problema também grave, é a pratica, muito comum em Estados do Norte e Nordeste, do juiz pré-determinar o valor dos honorários da perícia, sem consultar o perito. Na maioria das vezes o valor arbitrado é aviltante, mas mesmo assim, algum perito acaba por realizar o trabalho. Com base no que já foi relatado anteriormente e considerando-se a baixa remuneração, que qualidade pode-se esperar deste laudo? 4.5. Auditoria X Perícia Uma das principais razões porque a perícia ainda é pouco conhecida pelo público em geral é a eterna confusão que se faz entre ela e a Auditoria. É muito comum se ouvir ou ler declarações de políticos, lideres empresariais e até administradores públicos se referindo à 4

5 necessidade de se realizar uma ampla auditoria em determinado órgão, ou setor de empresas públicas, autarquias, sindicatos, etc. Na maioria das vezes o que se requer não é auditoria e sim perícia. Na verdade as técnicas têm muitos aspectos comuns, mas possuem diferenças relevantes, como acentua o Prof. Lopes Sá (1997: 28): Variam quanto à natureza das causas e efeitos, de espaço e de tempo. A perícia serve a uma época, a um questionamento, a uma necessidade; a auditoria tende a ser necessidade constante, atingindo um número muito maior de interessados, sem necessidade de rigores metodológicos tão severos; basta dizer que a auditoria consagra a amostragem e a perícia a repele, como critério habitual. A auditoria tem como objetivos normais a maior abrangência, a gestão como algo em continuidade, enquanto a perícia se prende à especificidade, tem caráter de eventualidade, só aceita o universo completo para produzir opinião como prova e não como conceito. A conclusão que se pode chegar sobre o ensinamento do ilustre Prof. Lopes Sá é a de que existem duas diferenças fundamentais: (1) Objetivo: enquanto a auditoria tem como objetivo avaliar a gestão, apresentando um parecer que demonstre serem ou não fidedignas as demonstrações contábeis publicadas, a perícia tem como objetivo servir de prova; (2) Método: enquanto a auditoria utiliza, preferencialmente o método da amostragem em virtude da abrangência do seu exame, a perícia repele a amostragem, como método habitual, só o utilizando em casos extremos, em virtude da especificidade de sua ação, que requer o exame completo do objeto a ser analisado. Assim, pelo desconhecimento que se tem acerca das diferenças das técnicas contábeis, o termo AUDITORIA, por ser mais conhecido é utilizado para nomear a ação que se deseja de examinar um determinado órgão ou setor, quando na realidade, o correto seria a realização de uma PERÍCIA, pois o que se pretende é obter prova contra alguém. A perícia contábil difere da auditoria pela delimitação do escopo de trabalho e também pelo objetivo, pois a auditoria, utilizando a amostragem, busca identificar a veracidade das informações prestadas pela entidade através dos procedimentos administrativos e das demonstrações contábeis, enquanto que a perícia, raramente usando o método da amostragem, consiste em obter prova fundamentada que poderá trazer à luz a verdade, podendo assim auxiliar o magistrado em seu julgamento Divulgação muito reduzida Uma outra dificuldade para a expansão da perícia em nosso país é a pouca (ou nenhuma) divulgação dos trabalhos de perícia realizados, seja judicial ou particular. Este é um assunto que só muito recentemente, passou a ser objeto de artigos e textos científicos, não existindo matéria jornalística sobre o assunto. A própria bibliografia existente no país sobre o assunto, é escassa e, conseqüentemente, uniformizada, não permitindo uma diversidade de opiniões tão salutar para o desenvolvimento de uma técnica tão importante para o engrandecimento da Ciência Contábil. É preciso que se estimule a produção de textos científicos sobre perícia e até matéria jornalística, a fim de que a técnica passe a ser mais conhecida do grande público e, dessa forma, se possa corrigir enganos e, principalmente, permita a expansão do uso desta técnica contábil. 5

6 5. A Pesquisa Foi realizada uma pesquisa em algumas varas cíveis, de órfãos e sucessões, Federal e juntas trabalhistas da Cidade do Recife, no período de abril a maio de 2002, visando obter informações para os seguintes aspectos: Critério de nomeação dos peritos (a razão pela qual os peritos são nomeados); Verificação de quem realmente escolhe o perito: o Juiz ou seus auxiliares; Verificação da existência de um banco de dados ou arquivo de currículos de peritos; Quantos peritos, efetivamente, são utilizados na vara (o nome dos peritos que aparecem na maioria dos processos); Análise da qualidade dos laudos apresentados (considerando-se a obediências ao CPC, as normas emitidas pelo CFC e a doutrina existente). Razão pela qual um perito é nomeado várias vezes pelo mesmo Juiz (o que faz um Juiz nomear um mesmo perito para vários processos); As unidades da justiça visitadas foram s seguintes: Número Justiça Nº de Processos 3ª Vara Órfãos e sucessões 06 13ª Vara Cível 10 15ª Vara Cível 10 1ª Vara Federal 07 6ª Junta Trabalhista 09 19ª Junta Trabalhista 07 Total Resultados da Pesquisa A pesquisa revelou os seguintes resultados: PARÂMETRO 1: Critério de nomeação dos Peritos. 3ª Vara de órfãos e São analisados, primordialmente, a presteza, o prazo e a Sucessões eficiência. A confiança origina-se destes pontos. 13ª Vara Cível O critério de nomeação é feito observando-se a presteza, a eficiência, o respeito aos prazos e, sobretudo, a confiança que o magistrado tem no perito. 15ª Vara Cível O critério utilizado é observação de currículos visto que eles são apresentados para que haja uma escolha. 1ª Vara Federal O Juiz Federal é quem nomeia o profissional sob o critério da estrita confiança no trabalho. 6ª Junta Trabalhista Primordialmente confiança, qualidade técnica do trabalho, experiência, pontualidade na apresentação do trabalho, revezamento dentre aqueles que têm seu trabalho considerado confiável, afinidade pessoal e honestidade. 19ª Junta Trabalhista Confiança, qualidade técnica do trabalho, experiência, pontualidade apresentação do trabalho, afinidade pessoal e honestidade. 6

7 OBS: As respostas foram obtidas junto ao Juiz substituto (3ª Vara de Órfãos e Sucessões), pela secretária do Juiz (varas cíveis e federal) e pelo escrivão (juntas trabalhistas). PARÂMETRO 2: Quem realmente escolhe os peritos 3ª Vara de órfãos e O Juiz Sucessões 13ª Vara Cível O Juiz 15ª Vara Cível O Juiz 1ª Vara Federal O Juiz 6ª Junta Trabalhista O Juiz 19ª Junta Trabalhista O Juiz PARÂMETRO 3: Existência de um banco de dados ou arquivo de currículos de peritos 3ª Vara de órfãos e Sucessões Existe. 13ª Vara Cível Existe 15ª Vara Cível Existe 1ª Vara Federal Existe 6ª Junta Trabalhista Existe 19ª Junta Trabalhista Existe PARÂMETRO 4: Número de Peritos efetivamente utilizados 3ª Vara de órfãos e Sucessões Quatro. 13ª Vara Cível Oito 15ª Vara Cível Diversos 1ª Vara Federal Quatro 6ª Junta Trabalhista Cinco 19ª Junta Trabalhista Seis PARÂMETRO 5: Qualidade dos laudos 3ª Vara de órfãos e Atendem, parcialmente as normas. Foram, efetivamente Sucessões utilizados pelo juiz para sua decisão. 13ª Vara Cível Na maioria são laudos muito simples que se limitam a responder os quesitos. Contribuem pouco para a elucidação da lide. 15ª Vara Cível Na maioria são laudos muito simples que se limitam a responder os quesitos. Contribuem pouco para a elucidação da lide. 1ª Vara Federal Na maioria são laudos muito simples que se limitam a responder os quesitos. Contribuem pouco para a elucidação da lide. 6ª Junta Trabalhista Laudos que se limitam a fazer cálculos sem orientar a decisão do juiz. Em quase nada seguem a orientação das normas. 19ª Junta Trabalhista Laudos que se limitam a fazer cálculos sem orientar a decisão do juiz. Em quase nada seguem a orientação das normas. 7

8 PARÂMETRO 6: Razão da nomeação de um mesmo perito 3ª Vara de órfãos e Não se conseguiu identificar a razão. Os laudos são pouco Sucessões elucidativos, mas, mesmo assim, os peritos são mantidos. 13ª Vara Cível Não se conseguiu identificar a razão. Os laudos são pouco elucidativos, mas, mesmo assim, os peritos são mantidos. 15ª Vara Cível Não se conseguiu identificar a razão. Os laudos são pouco elucidativos, mas, mesmo assim, os peritos são mantidos. 1ª Vara Federal Rapidez na entrega do laudo. 6ª Junta Trabalhista Rapidez na entrega do laudo. 19ª Junta Trabalhista Rapidez na entrega do laudo. Observações gerais sobre a Pesquisa Observou-se na análise dos processos no Judiciário de Pernambuco que poucos laudos periciais apresentam-se de forma circunstanciada, clara e objetiva, como preconiza a NBC-T13 emitida pelo CFC. Dessa forma, ficam a desejar como instrumento relevante para auxiliar o Magistrado em sua decisão. Em grande número de laudos, sua estrutura apresenta-se de forma precária. Foram encontrados históricos em apenas cinco deles, representando 10%. Em 29% dos laudos analisados, o perito não evidenciou sequer o objetivo do seu trabalho. A metodologia utilizada nos trabalhos periciais foi percebida em 43% da amostra. Naqueles em que foram apresentados quesitos pelas partes em litígio, todos tinham as perguntas seguidas das respectivas respostas. Entretanto, em uma boa parte, encontrou-se respostas fazendo referência a anexos, contudo, sem informar os valores solicitados. Em relação às conclusões dos laudos observou-se que poucos a apresentam e, na maioria dos casos, (54%) ocorreram pedidos de esclarecimentos sendo grande parte devido a desatenção nos cálculos feitos, que necessitaram de correções e os demais obedeceram a pedidos dos advogados sobre pontos específicos que lhes interessavam ressaltar. Alguns poucos profissionais, entretanto, têm encarado o trabalho pericial com esmero, elaborando laudos bem estruturados quanto à forma de apresentação, fundamentação, clareza, objetividade, e outros aspectos que os fazem distinguir-se dos demais. Abaixo é apresentado um gráfico relacionando em termos percentuais, em relação ao total de laudos examinados, o montante de laudos que possuíam metodologia, objeto da perícia, histórico, respostas ordenadas, conclusão satisfatória e pedidos de esclarecimento. 8

9 Metodologia Objeto da perícia Histórico 5 0 s ordenadas Conclusão 7. Considerações finais Pelo exposto pode-se observar que ainda existe um longo caminho para que a perícia passe a funcionar, na pratica, como previram os legisladores e os dirigentes do sistema CFC/CRC s. A realidade da perícia é muito diferente do que é observado nos (poucos) livros existentes, na legislação pertinente (inclusive CPC) e normas emanadas pelo CFC. O que se vê, na realidade, é uma técnica utilizada de forma inadequada, por profissionais despreparados e de utilidade e qualidade duvidosa. Os próprios magistrados não têm noção desta realidade, pois ao lidarem com trabalhos mal elaborados, não sabem avaliar o que seria um trabalho bem feito, talvez por raramente terem acesso a um de boa qualidade. Além disso, a ausência de conclusão é uma praga que assola a maioria esmagadora dos laudos, mesmo os bem elaborados, e mais uma vez, os magistrados, não têm noção de sua necessidade, porque, simplesmente, poucas vezes devem ter examinado algum que possuísse este detalhamento, que tanto auxilia o julgamento da lide. É ainda relevante ressaltar, que a pesquisa realizada no judiciário de Pernambuco pode ter suas conclusões estendidas para o Brasil, como um todo, visto que a situação observada naquele estado não difere, em essência, do que ocorre nos demais Estados do país. Como já foi enfocado, no início deste trabalho, esta denúncia é colocada para que a classe contábil, incluindo profissionais, dirigentes do sistema CFC/CRC s, professores, mestres e doutores em contabilidade, possam discutir as soluções possíveis para estes problemas. Com certeza, existem soluções e elas estão ao nosso alcance. É preciso, porém, que o problema seja apontado para que se possa reunir um conjunto de idéias que consiga elucidá-lo. 8. Conclusão Pelo exposto, conclui-se que a perícia é uma técnica nobre da contabilidade que deveria ser praticada pelos mais competentes profissionais da área contábil mas, que vem sendo exercida, em sua maioria, por profissionais despreparados que podem vir a comprometer o futuro desta atividade pela precária qualidade da maioria dos trabalhos apresentados e as conseqüências que daí poderão advir, como por exemplo, a redução dos casos de perícia, em virtude da pouca (ou nenhuma) contribuição que esses trabalhos vêm dando à elucidação da lide. 9

10 9- REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALBERTO, Valder Luiz Palombo, Perícia Contábil. São Paulo, Atlas, CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL CPC. Rio de Janeiro: Auriverde HOLANDA, Aurélio Buarque de. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, ORNELAS, Martinho Maurício Gomes de. Perícia Contábil. São Paulo, Atlas, SÁ, Antônio Lopes de. Perícia Contábil. 6ª ed. São Paulo, Atlas,

Perícia Contábil Judicial: Uma Análise Crítica. Resumo

Perícia Contábil Judicial: Uma Análise Crítica. Resumo Perícia Contábil Judicial: Uma Análise Crítica Paulo Cézar Ferreira de Souza Professor do Departamento de Ciências Contábeis da UFPE Resumo A Perícia Contábil no Brasil, apesar de já contar com regras

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS BREVE ESTUDO SOBRE DUAS AREAS ATUANTES DO CONTADOR, AUDITOR E PERITO CONTÁBIL.

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS BREVE ESTUDO SOBRE DUAS AREAS ATUANTES DO CONTADOR, AUDITOR E PERITO CONTÁBIL. 1 CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS BREVE ESTUDO SOBRE DUAS AREAS ATUANTES DO CONTADOR, AUDITOR E PERITO CONTÁBIL. BELO HORIZONTE 2011 2 1 INTRODUÇÃO Com o grande crescimento da economia no Brasil, a contabilidade

Leia mais

Prof. Eduardo Salles Pimenta. Unidade I PERÍCIA, AVALIAÇÃO E

Prof. Eduardo Salles Pimenta. Unidade I PERÍCIA, AVALIAÇÃO E Prof. Eduardo Salles Pimenta Unidade I PERÍCIA, AVALIAÇÃO E ARBITRAGEM Introdução O profissional é nomeado pelo juiz para desempenhar o papel de perito judicial. Deve elaborar um planejamento e determinar

Leia mais

FACULDADE DE MINAS FAMINAS BH. Ciências Contábeis

FACULDADE DE MINAS FAMINAS BH. Ciências Contábeis FACULDADE DE MINAS FAMINAS BH Ciências Contábeis Adrielle Rochido dos Santos ¹ Amanda Luz Mourão ² Ana Paula Romano da Silva³ Shayane Camila dos Santos 4 Vanessa Batista Loffi Marques 5 Weslley Batista

Leia mais

Perícia Contábil. Preparatório para o Exame de Suficiência em Contabilidade

Perícia Contábil. Preparatório para o Exame de Suficiência em Contabilidade Preparatório para o Exame de Suficiência em Contabilidade Perícia Contábil Professor Remo Dalla Zanna 1 BLOCO 1 Legislação: NBC TP 01 CPC Código de Processo Civil 2 Instrutor: Remo Dalla Zanna 2 Perícia

Leia mais

Unidade II PERÍCIA CONTÁBIL. Prof. Francisco Roberto

Unidade II PERÍCIA CONTÁBIL. Prof. Francisco Roberto PERÍCIA CONTÁBIL Prof. Francisco Roberto Aspectos de uma perícia: Técnicos: Metodologia (técnica ou científica) a ser adotada na perícia. Doutrinários: A forma, modo ou o processo da realização da perícia

Leia mais

Aula 13 Meios de prova no Processo do Trabalho.

Aula 13 Meios de prova no Processo do Trabalho. Aula 13 Meios de prova no Processo do Trabalho. Perícia: na falta do conhecimento especializado ao juiz, este indica um técnico que possa fazer o exame dos fatos objeto da causa, transmitindo esses conhecimentos

Leia mais

AUDITORIA EXTERNA: ESTUDO SOBRE O PAPEL DO AUDITOR E AS NORMAS REGULAMENTADORAS DA PROFISSÃO

AUDITORIA EXTERNA: ESTUDO SOBRE O PAPEL DO AUDITOR E AS NORMAS REGULAMENTADORAS DA PROFISSÃO 1 AUDITORIA ETERNA: ESTUDO SOBRE O PAPEL DO AUDITOR E AS NORMAS REGULAMENTADORAS DA PROFISSÃO Anilton ROCHA SILVA, Carina VIAL DE CANUTO, Carolina CLIVIAN PEREIRA AVIER, Débora LORAINE CARVALHO DE OLIVEIRA,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO DEPARTAMENTO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS DISCIPLINA: PERÍCIA CONTÁBIL

Leia mais

Perícia Contábil. Prof.ª Bruna Socreppa

Perícia Contábil. Prof.ª Bruna Socreppa 1 Perícia Contábil Prof.ª Bruna Socreppa 2 O estudo da prova pericial contábil pressupõe desenvolver uma abordagem interdisciplinar, inter-relacionando diversos aspectos do Direito Processual Civil com

Leia mais

A QUALIDADE DO LAUDO PERICIAL ELABORADO PELO PERITO CONTADOR NA VISÃO DE MAGISTRADOS DO RIO DE JANEIRO E BRASÍLIA

A QUALIDADE DO LAUDO PERICIAL ELABORADO PELO PERITO CONTADOR NA VISÃO DE MAGISTRADOS DO RIO DE JANEIRO E BRASÍLIA A QUALIDADE DO LAUDO PERICIAL ELABORADO PELO PERITO CONTADOR NA VISÃO DE MAGISTRADOS DO RIO DE JANEIRO E BRASÍLIA Autores THAÍS ALVES MEDEIROS Universidade Católica de Brasília/Ciências Contábeis IDALBERTO

Leia mais

PERÍCIA CONTÁBIL: O MERCADO DE TRABALHO DO PERITO CONTADOR NO ÂMBITO TRABALHISTA

PERÍCIA CONTÁBIL: O MERCADO DE TRABALHO DO PERITO CONTADOR NO ÂMBITO TRABALHISTA UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FERNANDO MACARINI LOSSO PERÍCIA CONTÁBIL: O MERCADO DE TRABALHO DO PERITO CONTADOR NO ÂMBITO TRABALHISTA CRICIÚMA, DEZEMBRO DE

Leia mais

A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Norma de NBC T 12 para NBC TI 01.

A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Norma de NBC T 12 para NBC TI 01. A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Norma de NBC T 12 para NBC TI 01. RESOLUÇÃO CFC Nº 986/03 Aprova a NBC TI 01 Da Auditoria Interna. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE,

Leia mais

Disciplina: PERÍCIA CONTÁBIL

Disciplina: PERÍCIA CONTÁBIL Disciplina: PERÍCIA CONTÁBIL 1 Prof. Fábio Ibanhez Bertuchi PROF. FÁBIO IBANHEZ BERTUCHI E-MAIL: FABIOBERTUCHI@UNITOLEDO.BR FORMAÇÃO ACADÊMICA: - Pós Graduado em Perícia Contábil e Auditoria (UEL-PR) -

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE Curso de Ciências Contábeis A IMPORTÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA NOS ESCRITÓRIOS DE CONTABILIDADE

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE Curso de Ciências Contábeis A IMPORTÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA NOS ESCRITÓRIOS DE CONTABILIDADE 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE Curso de Ciências Contábeis A IMPORTÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA NOS ESCRITÓRIOS DE CONTABILIDADE Ricardo Marquiore 1 Carolina Moreira Fernandes 2 RESUMO: A pesquisa

Leia mais

PERÍCIA CONTÁBIL NA VISÃO DOS PERITOS-CONTADORES E DOS MAGISTRADOS DAS VARAS CÍVEIS DE SANTA MARIA

PERÍCIA CONTÁBIL NA VISÃO DOS PERITOS-CONTADORES E DOS MAGISTRADOS DAS VARAS CÍVEIS DE SANTA MARIA PERÍCIA CONTÁBIL NA VISÃO DOS PERITOS-CONTADORES E DOS MAGISTRADOS DAS VARAS CÍVEIS DE SANTA MARIA ARRUDA, C. M. 1 POZZOBOM, D. E. 2 SILVA, T. M. 3 RESUMO O presente trabalho foi realizado com o intuito

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PERÍCIA CONTÁBIL NAS AÇÕES TRABALHISTAS

A IMPORTÂNCIA DA PERÍCIA CONTÁBIL NAS AÇÕES TRABALHISTAS A IMPORTÂNCIA DA PERÍCIA CONTÁBIL NAS AÇÕES TRABALHISTAS GASPARELO, Alessandra Cristina de Moraes E-mail: alessandra_gasparelo@hotmail.com] RODRIGUES, Aline E-mail: allyne_rodrigues@hotmail.com BELOTI,

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX. Contabilistas NBC T 13.2 Aprovação

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX. Contabilistas NBC T 13.2 Aprovação VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX Contabilistas NBC T 13.2 Aprovação Orientador Empresarial RESOLUÇÃO CFC 1.021, DE 18 DE MARÇO DE 2005 - DOU 22.04.2005 (Íntegra) Aprova

Leia mais

a importância de um sistema de auditoria independente como suporte indispensável ao órgão regulador;

a importância de um sistema de auditoria independente como suporte indispensável ao órgão regulador; 1) INTRODUÇÃO Ref.: Instrução CVM Nº 308, de 14 de maio de 1999, que dispõe sobre o registro e o exercício da atividade de auditoria independente no âmbito do mercado de valores mobiliários, define os

Leia mais

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Perícia contábil. Interesse. Alunos. 1 INTRODUÇÃO

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Perícia contábil. Interesse. Alunos. 1 INTRODUÇÃO Um Estudo Sobre o Nível de Interesse de Alunos do Curso de Ciências Contábeis da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Caruaru (FAFICA) em Atuarem Como Perito Contábil RESUMO O presente trabalho

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TSC 4410, DE 30 DE AGOSTO DE 2013

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TSC 4410, DE 30 DE AGOSTO DE 2013 NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TSC 4410, DE 30 DE AGOSTO DE 2013 Dispõe sobre trabalho de compilação de informações contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições

Leia mais

REGULAMENTO DE HONORÁRIOS

REGULAMENTO DE HONORÁRIOS REGULAMENTO DE HONORÁRIOS CAPÍTULO I OBJETIVO Art. 1º - Este regulamento estabelece as normas gerais concernentes aos trabalhos técnicos de Avaliação e Perícia de Engenharia. Art. 2º - As normas aqui estabelecidas

Leia mais

Recente alteração: Modificação da nomenclatura passando de Varas de Falências e Concordatas para Falência e Recuperação de Empresas.

Recente alteração: Modificação da nomenclatura passando de Varas de Falências e Concordatas para Falência e Recuperação de Empresas. Francisco Marcelo Avelino Junior, Msc. Presidente APCEC 2010-20122012 (85) 96.145600 Contexto atual Recente alteração: Modificação da nomenclatura passando de Varas de Falências e Concordatas para Falência

Leia mais

PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS

PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS PERÍCIA Exame realizado por técnico, ou pessoa de comprovada aptidão e idoneidade profissional, para verificar e esclarecer um fato, ou estado ou a estimação da coisa que é

Leia mais

O QUE É MEDIAÇÃO? Exemplos práticos: Conflitos de vizinhança, separação, divórcio, conflitos trabalhistas, etc...

O QUE É MEDIAÇÃO? Exemplos práticos: Conflitos de vizinhança, separação, divórcio, conflitos trabalhistas, etc... O QUE É MEDIAÇÃO? A Mediação é uma forma de tentativa de resolução de conflitos através de um terceiro, estranho ao conflito, que atuará como uma espécie de "facilitador", sem entretanto interferir na

Leia mais

CONHECIMENTO CONTÁBIL APLICADO NAS PERÍCIAS TRABALHISTAS

CONHECIMENTO CONTÁBIL APLICADO NAS PERÍCIAS TRABALHISTAS ISSN 2179-6998 Rev. Ibirapuera, São Paulo, n. 11, p. 36-42, jan/jun 2016 CONHECIMENTO CONTÁBIL APLICADO NAS PERÍCIAS TRABALHISTAS ¹Renata da Silva Frasnelli, ¹Ana Letícia Lima de Oliveira, ²Nilton Cezar

Leia mais

2013.02 AUDITORIA INTERNA. Prof. Esp. Ailton Nóbrega. www.profailtonnobrega@gmail.com. www.profailtonnobrega.blogspot.com.br

2013.02 AUDITORIA INTERNA. Prof. Esp. Ailton Nóbrega. www.profailtonnobrega@gmail.com. www.profailtonnobrega.blogspot.com.br 2013.02 AUDITORIA INTERNA Prof. Esp. Ailton Nóbrega www.profailtonnobrega@gmail.com www.profailtonnobrega.blogspot.com.br 01. APRESENTAÇÃO Buscando complementar as informações trabalhadas em sala de aula

Leia mais

Utilizava-se como sinônimo de falência a expressão quebra, haja vista que, a banca dos devedores era quebrada pelos credores.

Utilizava-se como sinônimo de falência a expressão quebra, haja vista que, a banca dos devedores era quebrada pelos credores. Legislação Societária / Direito Comercial Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 33 NOVA LEI DE FALÊNCIA E RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS FALÊNCIA: Evolução do Instituto - a palavra "falência" vem do latim: fallere

Leia mais

MODELO BÁSICO DE CONTRATO SOCIAL SOCIEDADE SIMPLES PURA OU LIMITADA CONTRATO DE CONSTITUIÇÃO DE:

MODELO BÁSICO DE CONTRATO SOCIAL SOCIEDADE SIMPLES PURA OU LIMITADA CONTRATO DE CONSTITUIÇÃO DE: MODELO BÁSICO DE CONTRATO SOCIAL SOCIEDADE SIMPLES PURA OU LIMITADA CONTRATO DE CONSTITUIÇÃO DE: 1. FULANO DE TAL, nacionalidade, naturalidade, estado civil (se casado indicar o regime de bens), categoria

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE A PERÍCIA E A AUDITORIA CONTÁBIL: ENFOQUE SOBRE AS PRINCIPAIS DIFERENÇAS DOS PROCESSOS Por: Flávio Tupinambá da Costa Torres

Leia mais

Palavras-chave: Contabilidade. Auditoria. Perícia. Comparação.

Palavras-chave: Contabilidade. Auditoria. Perícia. Comparação. Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 26 à 36 AUDITORIA E PERÍCIA: SEMELHANÇAS, DIFERENÇAS E A IMPORTÂNCIA DE PARA VALIDAR OS INSTRUMENTOS DA CONTABILIDADE. Carolina Borges

Leia mais

TEMA. Instrução e Mercado de Perícia Contábil

TEMA. Instrução e Mercado de Perícia Contábil TEMA Instrução e Mercado de Perícia Contábil Preservação da Graduação A perícia contábil é grandemente utilizada no âmbito do Poder Judiciário, mas não é um subproduto dos serviços jurídicos. A perícia

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PLANO DE CURSO 1. Identificação

Leia mais

Este Caderno contém 34 questões de Conhecimentos Específicos: quatro discursivas e trinta de múltipla escolha, respectivamente.

Este Caderno contém 34 questões de Conhecimentos Específicos: quatro discursivas e trinta de múltipla escolha, respectivamente. Leia estas instruções: 1 2 3 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br As sociedades de advogados e demais sociedades de prestação de serviços no novo Código Civil Dilson França Lange* 1)INTRODUÇÃO O articulista, em qualquer campo do conhecimento humano,

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução.

Copyright Proibida Reprodução. PROCEDIMENTO PADRÃO PERÍCIA AMBIENTAL Prof. Éder Responsabilidade Clementino dos civil Santos INTRODUÇÃO BRASIL: Perícia Ambiental É um procedimento utilizado como meio de prova; Fornecimento de subsídios

Leia mais

COMPORTAMENTO ÉTICO NA PROFISSÃO CONTÁBIL

COMPORTAMENTO ÉTICO NA PROFISSÃO CONTÁBIL COMPORTAMENTO ÉTICO NA PROFISSÃO CONTÁBIL Osvaldo Américo de Oliveira Sobrinho Professor Universitário osvaldo.sobrinho@hotmail.com Ida Pereira Bernardo Rondon Acadêmica do Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DO RIO DE JANEIRO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DO RIO DE JANEIRO 154 AÇÃO ORDINÁRIA Nº. 2010.51.01.023352-3 SENTENÇA TIPO A AUTOR: CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA 1ª. REGIÃO-RJ RÉU: CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE JUIZ FEDERAL: FIRLY NASCIMENTO FILHO S E N T E N Ç

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.051/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.051/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.051/05 Aprova a NBC P 2.6 Responsabilidade e Zelo. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas Brasileiras

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N 1.057/05 Aprova a NBC P 2.4 Honorários O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que as Normas Brasileiras de Contabilidade

Leia mais

PERÍCIA CONTÁBIL: UMA ANÁLISE SOBRE A FORMAÇÃO ACADÊMICA DO PERITO CONTADOR

PERÍCIA CONTÁBIL: UMA ANÁLISE SOBRE A FORMAÇÃO ACADÊMICA DO PERITO CONTADOR PERÍCIA CONTÁBIL: UMA ANÁLISE SOBRE A FORMAÇÃO ACADÊMICA DO PERITO CONTADOR Leila Miranda Vasconcelos, FECILCAM, leilamvas@gmail.com Paulo José Frabi, FECILCAM, p_frabi@yahoo.com.br Fábio Rogério de Castro

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE AUDITORIA INTERNA NA AGÊNCIA DO BANCO ITAÚ DE PONTE NOVA RESUMO

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE AUDITORIA INTERNA NA AGÊNCIA DO BANCO ITAÚ DE PONTE NOVA RESUMO 1 AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE AUDITORIA INTERNA NA AGÊNCIA DO BANCO ITAÚ DE PONTE NOVA Ezequiel Benjamin Dionisio 1 Marina Machado das Dores 2. RESUMO DIONISIO, Ezequiel Benjamin e DAS DORES, Marina Machado.

Leia mais

Aspectos da prova pericial no novo Código do Processo Civil 07/10/15

Aspectos da prova pericial no novo Código do Processo Civil 07/10/15 Aspectos da prova pericial no novo Código do Processo Civil 07/10/15 PROVA PERICIAL A prova pericial consiste em EXAME, VISTORIA ou AVALIAÇÃO. (Art. 420 do CPC) (Art. 464 do NCPC) 2 o De ofício ou a requerimento

Leia mais

PERFIL DO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS CPC. Élen Cristiane dos Santos¹, Robernei Aparecido Lima ²

PERFIL DO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS CPC. Élen Cristiane dos Santos¹, Robernei Aparecido Lima ² PERFIL DO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS CPC Élen Cristiane dos Santos¹, Robernei Aparecido Lima ² 1 Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Ciências Contábeis, Avenida Dr.Januário Miráglia,

Leia mais

UMA CONTRIBUIÇÃO A IDENTIFICAÇÃO DOS CUSTOS DA QUALIDADE NA REALIZAÇÃO DE PERÍCIA CONTÁBIL JUDICIAL

UMA CONTRIBUIÇÃO A IDENTIFICAÇÃO DOS CUSTOS DA QUALIDADE NA REALIZAÇÃO DE PERÍCIA CONTÁBIL JUDICIAL UMA CONTRIBUIÇÃO A IDENTIFICAÇÃO DOS CUSTOS DA QUALIDADE NA REALIZAÇÃO DE PERÍCIA CONTÁBIL JUDICIAL Karina Zucolotto (MZM Contabilidade) - karina@mzmcontabilidade.com.br Franklin dos Santos Moura (MZM

Leia mais

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Decisões Nº 5/92, 14/96, 5/97 e 12/97 do Conselho do Mercado Comum.

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Decisões Nº 5/92, 14/96, 5/97 e 12/97 do Conselho do Mercado Comum. MERCOSUL/CMC/DEC. N 08/02 ACORDO DE COOPERAÇÃO E ASSISTÊNCIA JURISDICIONAL EM MATÉRIA CIVIL, COMERCIAL, TRABALHISTA E ADMINISTRATIVA ENTRE OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL E A REPÚBLICA DA BOLÍVIA E A REPÚBLICA

Leia mais

FADERGS FACULDADE DE DESENVOLVIMENTO DO RIO GRANDE DO SUL - FADERGS ESCOLA DE NEGÓCIOS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS VIVIANE GONÇALVES ALMEIDA

FADERGS FACULDADE DE DESENVOLVIMENTO DO RIO GRANDE DO SUL - FADERGS ESCOLA DE NEGÓCIOS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS VIVIANE GONÇALVES ALMEIDA FADERGS FACULDADE DE DESENVOLVIMENTO DO RIO GRANDE DO SUL - FADERGS ESCOLA DE NEGÓCIOS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS VIVIANE GONÇALVES ALMEIDA O IMPACTO DA PERÍCIA CONTÁBIL NO ESCLARECIMENTO DE LITÍGIOS

Leia mais

Curso de Perícia Ambiental

Curso de Perícia Ambiental Objetivos O Curso de Perícia do Instituto Caetano Andrade foi elaborado em parceria com a Associação Brasileira de Direito e Cidadania com o propósito de formar Peritos Judiciais para atuarem na área junto

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

Luiz A. Paranhos Velloso Junior Presidente da Junta Comercial do Estado do Rio de Janeiro ID. 1919046-8

Luiz A. Paranhos Velloso Junior Presidente da Junta Comercial do Estado do Rio de Janeiro ID. 1919046-8 PORTARIA JUCERJA N.º 1.408, DE 25 DE AGOSTO DE 2015. APROVA REGULAMENTO DE CREDENCIAMENTO DE PERITOS GRAFOTÉCNICOS, NO ÂMBITO DA JUCERJA. O PRESIDENTE DA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no

Leia mais

Perícia Contábil - sua amplitude de atuação

Perícia Contábil - sua amplitude de atuação Perícia Contábil - sua amplitude de atuação SUMÁRIO Introdução 1 Breve Histórico 2 Conceituação 3 Tipos de Perícia 3.1 Perícia Judicial 3.2 Perícia Contábil Judicial 3.3 Perícia Semi Judicial 3.4 Perícia

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA DE DEMONSTRATIVO CONTÁBEIS COMO INSTRUMENTO GERENCIAL. Foco no Desempenho Empresarial. Professor: Héber Lavor Moreira BELÉM/PARÁ

ANÁLISE FINANCEIRA DE DEMONSTRATIVO CONTÁBEIS COMO INSTRUMENTO GERENCIAL. Foco no Desempenho Empresarial. Professor: Héber Lavor Moreira BELÉM/PARÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS ALUNA: ANA TEREZINHA MOREIRA MATR.: 0001013701 ANÁLISE FINANCEIRA DE DEMONSTRATIVO CONTÁBEIS COMO INSTRUMENTO GERENCIAL Foco

Leia mais

ASPECTOS CONTROVERTIDOS DAS PERÍCIAS TRABALHISTAS DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Edwar Abreu Gonçalves

ASPECTOS CONTROVERTIDOS DAS PERÍCIAS TRABALHISTAS DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Edwar Abreu Gonçalves ASPECTOS CONTROVERTIDOS DAS PERÍCIAS TRABALHISTAS DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Edwar Abreu Gonçalves EDWAR ABREU GONÇALVES Formação Acadêmica: 1. Engenheiro Civil. 2. Engenheiro de Segurança do Trabalho.

Leia mais

EDILAINE PEREIRA GUIMARÃES. PERÍCIA CONTÁBIL JUDICIAL: sua importância para elucidação de litígios

EDILAINE PEREIRA GUIMARÃES. PERÍCIA CONTÁBIL JUDICIAL: sua importância para elucidação de litígios EDILAINE PEREIRA GUIMARÃES PERÍCIA CONTÁBIL JUDICIAL: sua importância para elucidação de litígios FACULDADE ARAGUAIA GOIANIA / 2011 EDILAINE PEREIRA GUIMARÃES PERÍCIA CONTÁBIL JUDICIAL: sua importância

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. Perícia judicial ambiental: Características e campo de atuação profissional

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. Perícia judicial ambiental: Características e campo de atuação profissional SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ Perícia judicial ambiental: Características e campo de atuação profissional Vinicius Roveri Docente - Curso Tecnologia em Gestão Ambiental

Leia mais

MANUAL TEÓRICO DAS TABELAS PROCESSUAIS UNIFICADAS DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Diretoria de Modernização Judiciária

MANUAL TEÓRICO DAS TABELAS PROCESSUAIS UNIFICADAS DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Diretoria de Modernização Judiciária MANUAL TEÓRICO DAS TABELAS PROCESSUAIS UNIFICADAS DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA Diretoria de Modernização Judiciária Aracaju, 29 de agosto de 2008 1 1 APRESENTAÇÃO Este Manual tem por escopo apresentar

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1.1. Gestões a serem auditadas: Contábil, Financeira, Patrimonial, Administrativa.

TERMO DE REFERÊNCIA. 1.1. Gestões a serem auditadas: Contábil, Financeira, Patrimonial, Administrativa. GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO FUNDAÇÃO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TERMO DE REFERÊNCIA 1 DO OBJETO 1.1. Contratação de empresa

Leia mais

Geraldo Augusto Gaeta Engenheiro Civil O PROJETO DO NOVO CPC E AS ALTERAÇÕES NA PROVA PERICIAL DE ENGENHARIA

Geraldo Augusto Gaeta Engenheiro Civil O PROJETO DO NOVO CPC E AS ALTERAÇÕES NA PROVA PERICIAL DE ENGENHARIA O PROJETO DO NOVO CPC E AS ALTERAÇÕES NA PROVA PERICIAL DE ENGENHARIA ENG. GERALDO AUGUSTO GAETA - ABRIL/2014 CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES O projeto do novo Código de Processo Civil aprovado na Câmara dos

Leia mais

Autoriza o Governo a alterar o Estatuto da Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 452/99, de 5 de Novembro

Autoriza o Governo a alterar o Estatuto da Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 452/99, de 5 de Novembro DECRETO N.º 369/X Autoriza o Governo a alterar o Estatuto da Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 452/99, de 5 de Novembro A Assembleia da República decreta, nos termos

Leia mais

Embratel Participações S.A.

Embratel Participações S.A. Embratel Participações S.A. Laudo de avaliação de acervo líquido formado por determinados ativos e passivos apurados por meio dos livros contábeis para efeito de cisão Em 30 de setembro de 2014 Índice

Leia mais

Assunto: Esclarecimentos relacionados à atuação do auditor no âmbito do mercado de valores mobiliários

Assunto: Esclarecimentos relacionados à atuação do auditor no âmbito do mercado de valores mobiliários COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS Rua Sete de Setembro, 111/2-5º e 23-34º Andares Centro Rio de Janeiro - RJ CEP: 20050-901 Brasil Tel.: (21) 3554-8686 - www.cvm.gov.br OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SNC/GNA/n.º 01/2016

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 2.804, DE 2011

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 2.804, DE 2011 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 2.804, DE 2011 (Apenso: Projeto de Lei nº 3.768, de 2012) Altera o art. 103 da Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991, que dispõe sobre os Planos

Leia mais

TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1

TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1 Os Estados contratantes, TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1 Desejosos de contribuir para o desenvolvimento da ciência e da tecnologia, Desejosos de aperfeiçoar a proteção legal das invenções,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL. A ESTRUTURA DE UM TRABALHO PERICIAL CONTÁBIL: Normas e Formatação

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL. A ESTRUTURA DE UM TRABALHO PERICIAL CONTÁBIL: Normas e Formatação CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL A ESTRUTURA DE UM TRABALHO PERICIAL CONTÁBIL: Normas e Formatação Porto Alegre, 2013 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 CASOS ESTUDADOS... 3 1.2 FUNDAMENTAÇÃO...

Leia mais

???? OBJETIVOS GERAIS DA DISCIPLINA OBJETIVOS ESPECÍFICOS DA DISCIPLINA

???? OBJETIVOS GERAIS DA DISCIPLINA OBJETIVOS ESPECÍFICOS DA DISCIPLINA Aula 1- Auditoria Professor : Marco Fernandes Dalponte www.dalmaf.com.br Marco.fernandes@dalmaf.com.br OBJETIVOS DESTA AULA Apresentar o plano da disciplina Conhecer os principais conceitos relativos à

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº 560/83 Dispõe sobre as prerrogativas profissionais de que trata o artigo 25 do Decreto-lei nº 9.295, de 27 de maio de 1946. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições

Leia mais

Poder Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região

Poder Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região AGRAVANTE(S): AGRAVADO(S): AGROPECUARIA NOVA TRES PONTAS LTDA. UNIAO FEDERAL (FAZENDA NACIONAL) EMENTA: AUTOS DE INFRAÇÃO LAVRADOS POR AUDITOR FISCAL DO TRABALHO. PRESUNÇÃO DE VERACIDADE. Os autos de infração,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE Curso de Ciências Contábeis A AUDITORIA INTERNA NOS ESCRITÓRIOS DE CONTABILIDADE RESUMO

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE Curso de Ciências Contábeis A AUDITORIA INTERNA NOS ESCRITÓRIOS DE CONTABILIDADE RESUMO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE Curso de Ciências Contábeis A AUDITORIA INTERNA NOS ESCRITÓRIOS DE CONTABILIDADE Marianna David Martins 1 Cleber Batista de Sousa 2 RESUMO Este artigo irá discorrer

Leia mais

Contabilidade Internacional Objetivo: Ementa: Bibliografia básica Manual de Normas Internacionais de Contabilidade:

Contabilidade Internacional Objetivo: Ementa: Bibliografia básica Manual de Normas Internacionais de Contabilidade: 8º Semestre No oitavo semestre, o acadêmico do Curso de Ciências Contábeis atinge a última etapa do curso, adentrando no último nível de construção dos objetivos, que é propor mudanças para a melhoria

Leia mais

ATA DE JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO AO PREGÃO ELETRÔNICO AA 22/2014 - BNDES

ATA DE JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO AO PREGÃO ELETRÔNICO AA 22/2014 - BNDES ATA DE JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO AO PREGÃO ELETRÔNICO AA 22/2014 - BNDES Aos 11 (onze) dias do mês de julho de 2014, reuniram-se pregoeiro e equipe de apoio, indicados por intermédio do Ato de Designação

Leia mais

Atribuições dos Tecnólogos

Atribuições dos Tecnólogos UNIVERSIDADE REGIONAL DO CARIRI DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL TECNOLOGIA EM CONTRUÇÃO CIVIL EDIFÍCIOS E ESTRADAS Atribuições dos Tecnólogos Prof.ª Me. Fabiana Marques Maio / 2014 SOBRE O TECNÓLOGO Segundo

Leia mais

NBC PG 100 APLICAÇÃO GERAL AOS PROFISSIONAIS DA CONTABILIDADE

NBC PG 100 APLICAÇÃO GERAL AOS PROFISSIONAIS DA CONTABILIDADE NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC PG 100, DE 24 DE JANEIRO DE 2014 Dispõe sobre a NBC PG 100 Aplicação Geral aos Profissionais da Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, considerando o

Leia mais

A Perícia Contábil é Profissão? Paulo Cezar Ferreira de Souza

A Perícia Contábil é Profissão? Paulo Cezar Ferreira de Souza A Perícia Contábil é Profissão? Paulo Cezar Ferreira de Souza Resumo A perícia contábil é realizada pelo profissional de contabilidade. É, na realidade, uma das atividades exercidas pelo contador da mais

Leia mais

Regulamento Projeto interdisciplinar

Regulamento Projeto interdisciplinar Regulamento Projeto interdisciplinar 1 Apresentação O presente manual tem como objetivo orientar as atividades relativas à elaboração do Projeto Interdisciplinar (PI). O PI é o estudo sobre um tema específico

Leia mais

???? AUDITORIA OPERACIONAL. Aula 5 Auditoria Operacional: aspectos práticos OBJETIVOS DESTA AULA RELEMBRANDO... AUDITORIA OPERACIONAL?

???? AUDITORIA OPERACIONAL. Aula 5 Auditoria Operacional: aspectos práticos OBJETIVOS DESTA AULA RELEMBRANDO... AUDITORIA OPERACIONAL? Aula 5 Auditoria Operacional: aspectos práticos OBJETIVOS DESTA AULA Conhecer os aspectos práticos da auditoria operacional Entender as etapas da auditoria operacional Compreender o funcionamento do planejamento

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL CÍVEL DE OSASCO 30ª SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA PORTARIA N.º 27/2006 JEF-OSASCO

PODER JUDICIÁRIO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL CÍVEL DE OSASCO 30ª SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA PORTARIA N.º 27/2006 JEF-OSASCO PORTARIA N.º 27/2006 JEF-OSASCO O Doutor MARCO AURÉLIO CHICHORR FALAVINHA, Juiz Federal Presidente do Juizado Especial Federal Cível da 30ª Subseção Judiciária de Osasco, Seção Judiciária do Estado de

Leia mais

IV - APELACAO CIVEL 561542 2009.51.01.801831-3

IV - APELACAO CIVEL 561542 2009.51.01.801831-3 Nº CNJ : 0801831-66.2009.4.02.5101 RELATOR : DESEMBARGADOR FEDERAL MESSOD AZULAY NETO APELANTE : WEATHERFORD IND/ E COM/ LTDA ADVOGADO : RODRIGO DE ASSIS TORRES E OUTROS APELADO : INSTITUTO NACIONAL DE

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS Acórdão: 14.617/01/3 a Impugnação: 40.010053619-40 Impugnante: Lojas Recanto Ltda Advogado: Gilberto Asdrúbal Neto/Outro PTA/AI: 01.000110872-83 Inscrição Estadual: 313.436155.0085 (Autuada) Origem: AF/Ipatinga

Leia mais

SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS

SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS No Processo Penal Português está plasmado o princípio da suficiência daquele, o qual, nos termos do disposto no artigo 7.º, n.º 1, CPP, prevê

Leia mais

1ª PARTE LEIS E DECRETOS 2ª PARTE ATOS ADMINISTRATIVOS COMANDANTE DO EXÉRCITO

1ª PARTE LEIS E DECRETOS 2ª PARTE ATOS ADMINISTRATIVOS COMANDANTE DO EXÉRCITO 1ª PARTE LEIS E DECRETOS Sem alteração. 2ª PARTE ATOS ADMINISTRATIVOS COMANDANTE DO EXÉRCITO PORTARIA Nº 813, DE 28 DE SETEMBRO DE 2012. Aprova as Normas para a Realização das Atividades de Auditoria e

Leia mais

PERÍCIA X AUDITORIA PLANEJAMENTO PERÍCIA AUDITORIA ESCOPO DO TRABALHO PERÍCIA AUDITORIA. Departamento de Ciências Contábeis.

PERÍCIA X AUDITORIA PLANEJAMENTO PERÍCIA AUDITORIA ESCOPO DO TRABALHO PERÍCIA AUDITORIA. Departamento de Ciências Contábeis. PERÍCIA X AUDITORIA Prof Geraldo de Oliveira geraldodeoliveira@hotmail.com.br (27)9972.5760-32235100 PLANEJAMENTO Prevê o tempo a ser alocado, a quantidade de horas, o valor financeiro, forma de pagamento

Leia mais

Vanderléia Aparecida da Silva 1 Carlos Edinei de Oliveira 2 Paulo Guimarães Camelo 3 Edinéia Souza Nunes 4 André Gomes Carvalho 5

Vanderléia Aparecida da Silva 1 Carlos Edinei de Oliveira 2 Paulo Guimarães Camelo 3 Edinéia Souza Nunes 4 André Gomes Carvalho 5 A PROFISSÃO DO AUDITOR O PRITO CONTÁBIL NA VISÃO DOS ACADÊMICOS CONCLUINTS DO CURSO D CIÊNCIAS CONTÁBIS D UNIVRSIDAD PÚBLICA PRIVADA D TANGARÁ DA SRRA/MT Resumo Vanderléia Aparecida da Silva 1 Carlos dinei

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS DA ADMINISTRAÇÃO INDIRETA MUNICIPAL N. 834672

PRESTAÇÃO DE CONTAS DA ADMINISTRAÇÃO INDIRETA MUNICIPAL N. 834672 PRESTAÇÃO DE CONTAS DA ADMINISTRAÇÃO INDIRETA MUNICIPAL N. 834672 Procedência: Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Pará de Minas Exercício: 2009 Responsável: Oswaldo Oliveira

Leia mais

Discente do curso de Ciências Contábeis do Centro Universitário Internacional (UNINTER). E-mail: lsgustavo92@ig.com.br.

Discente do curso de Ciências Contábeis do Centro Universitário Internacional (UNINTER). E-mail: lsgustavo92@ig.com.br. 559 ASPECTOS GERAIS SOBRE OS PRINCÍPIOS GERAIS DA CONTABILIDADE E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E O PAPEL PREPONDERANTE DA CONTABILIDADE PÚBLICA NA PROBIDADE ADMINISTRATIVA Luis Gustavo Esse Discente do curso

Leia mais

Planejamento dos Trabalhos de Auditoria

Planejamento dos Trabalhos de Auditoria Universidade de Brasília Departamento de Ciências Contábeis e Atuariais Disciplina: Auditoria 1 Prof: Wolney Resende de Oliveira Turma B. Planejamento dos Trabalhos de Auditoria Ana Carolina Araujo Catarina

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores GILBERTO LEME (Presidente) e MORAIS PUCCI.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores GILBERTO LEME (Presidente) e MORAIS PUCCI. ACÓRDÃO Registro: 2014.0000229897 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº 2036943-94.2014.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é agravante COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO,

Leia mais

RECESSO FORENSE NO PODER JUDICIÁRIO - SITUAÇÃO DEFINIDA PELO CNJ CAUSA POLÊMICA ENTRE O SENADO E A CÂMARA NA APRECIAÇÃO AO PLC N. 06/2007.

RECESSO FORENSE NO PODER JUDICIÁRIO - SITUAÇÃO DEFINIDA PELO CNJ CAUSA POLÊMICA ENTRE O SENADO E A CÂMARA NA APRECIAÇÃO AO PLC N. 06/2007. RECESSO FORENSE NO PODER JUDICIÁRIO - SITUAÇÃO DEFINIDA PELO CNJ CAUSA POLÊMICA ENTRE O SENADO E A CÂMARA NA APRECIAÇÃO AO PLC N. 06/2007. Glauce de Oliveira Barros O chamado recesso forense, tratado no

Leia mais

Faz os seguintes questionamentos:

Faz os seguintes questionamentos: PARECER CFM nº 9/16 INTERESSADO: 1ª Vara da Fazenda da Comarca de Joinville/SC ASSUNTO: Dúvidas quanto à necessidade de especialidade médica para realização de exame pericial e determinação de capacidade

Leia mais

PERÍCIA CONTÁBIL PROFESSOR : Salomão Soares Leitura Complementar Data: PERÍCIA CONTÁBIL AMBIENTAL

PERÍCIA CONTÁBIL PROFESSOR : Salomão Soares Leitura Complementar Data: PERÍCIA CONTÁBIL AMBIENTAL Carlos Alberto Serra Negra * Elizabete Marinho Serra Negra ** PERÍCIA CONTÁBIL PROFESSOR : Salomão Soares Leitura Complementar Data: PERÍCIA CONTÁBIL AMBIENTAL 1 INTRODUÇÃO Questões ligadas ao Meio Ambiente

Leia mais

Assim, não há lugar a despacho liminar, nem a citação prévia do executado nas execuções baseadas em:

Assim, não há lugar a despacho liminar, nem a citação prévia do executado nas execuções baseadas em: Decreto-Lei n.º 38/2003, de 8 de março A revisão do Código de Processo Civil operada pelo Decreto-Lei n.º 329-A/95, de 12 de dezembro, e pelo Decreto-Lei n.º 180/96, de 25 de setembro, complementada pelo

Leia mais

A importância da implantação do controle interno nas organizações Empresariais

A importância da implantação do controle interno nas organizações Empresariais A importância da implantação do controle interno nas organizações Empresariais Silvana Duarte dos Santos 1 Resumo No século XXI, a intensificação do processo de globalização da economia, teve como conseqüência

Leia mais

RESUMO ÁREA DO ARTIGO: DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL

RESUMO ÁREA DO ARTIGO: DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL decisão. 1 Esse direito/dever é ainda mais importante nas ações de investigação de RESUMO ÁREA DO ARTIGO: DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL Este artigo traz a discussão sobre a relativização da coisa julgada

Leia mais

Serviço Público Federal Conselho Regional de Corretores de Imóveis Estado de São Paulo

Serviço Público Federal Conselho Regional de Corretores de Imóveis Estado de São Paulo ANEXO VI CONCORRÊNCIA Nº. 003/2015 Projeto Básico 1. DO OBJETO 1.1. Objeto: Selecionar a proposta mais vantajosa para a administração, visando â contratação de empresa do ramo na prestação de serviços

Leia mais

Normas Brasileiras de Perícia

Normas Brasileiras de Perícia Normas Brasileiras de Perícia * Wilson Alberto Zappa Hoog Resumo O artigo apresenta uma critica acadêmica as normas de perícia editadas pelo sistema CFC/CRC, a luz dos ordenamentos jurídicos pátrios, considerando

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO. Publicada no D.O. de 15.05.2008 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 109 DE 09 DE MAIO DE 2008

SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO. Publicada no D.O. de 15.05.2008 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 109 DE 09 DE MAIO DE 2008 SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Publicada no D.O. de 15.05.2008 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 109 DE 09 DE MAIO DE 2008 INSTITUI O MANUAL PARA ANÁLISE DE ACUMULAÇÃO DE CARGOS, EMPREGOS E FUNÇÕES PÚBLICOS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 36 DO CONSELHO SUPERIOR, DE 20 DE JULHO DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº. 36 DO CONSELHO SUPERIOR, DE 20 DE JULHO DE 2015. RESOLUÇÃO Nº. 36 DO CONSELHO SUPERIOR, DE 20 DE JULHO DE 2015. O Presidente do Conselho Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano, no uso de suas atribuições

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP 2015 ÍNDICE 1. Introdução... 2 2. Dos Objetivos Específicos... 2 3. Dos Envolvidos

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE JUSTIÇA SISTEMA DE DEPÓSITOS JUDICIAIS SIDEJUD LEGISLAÇÃO CORRELATA

ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE JUSTIÇA SISTEMA DE DEPÓSITOS JUDICIAIS SIDEJUD LEGISLAÇÃO CORRELATA ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE JUSTIÇA SISTEMA DE DEPÓSITOS JUDICIAIS SIDEJUD E LEGISLAÇÃO CORRELATA Florianópolis, março de 2011. 2 SUMÁRIO SISTEMA DE DEPÓSITOS JUDICIAIS SIDEJUD LEI N. 15.327,

Leia mais

Correção da Prova Bacharel Questões: 29 e 30 Perícia Contábil 35 e 37 Princípios Contábeis 41, 42 e 43 Legislação e Ética Profissional

Correção da Prova Bacharel Questões: 29 e 30 Perícia Contábil 35 e 37 Princípios Contábeis 41, 42 e 43 Legislação e Ética Profissional Correção da Prova Bacharel Questões: 29 e 30 Perícia Contábil 35 e 37 Princípios Contábeis 41, 42 e 43 Legislação e Ética Profissional Questão 29 De acordo com a NBC TP 01 Perícia Contábil, os procedimentos

Leia mais

PERÍCIA CONTÁBIL. Paulo Cordeiro de Mello. Economista e Contador Perito Judicial Professor Universitário

PERÍCIA CONTÁBIL. Paulo Cordeiro de Mello. Economista e Contador Perito Judicial Professor Universitário PERÍCIA CONTÁBIL Paulo Cordeiro de Mello Economista e Contador Perito Judicial Professor Universitário O que é Perícia Contábil? É o trabalho técnico, realizado por profissional com formação e conhecimento

Leia mais