Cultivar Grandes Culturas Ano XII Nº 135 Agosto 2010 ISSN X. Nossa Capa. Destaques. Índice. Expediente

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cultivar Grandes Culturas Ano XII Nº 135 Agosto 2010 ISSN - 1516-358X. Nossa Capa. Destaques. Índice. Expediente"

Transcrição

1

2

3 Cultivar Grandes Culturas Ano XII Nº 135 Agosto 2010 ISSN X Destaques Nossa Capa Tempo de tratar...22 Que fatores considerar na adoção do tratamento de sementes de soja com fungicidas, tarefa indispensável no planejamento da nova safra Charles Echer Origem segura...12 Conheça os cuidados que devem ser tomados com sementes de algodão para garantir o desenvolvimento de lavouras saudáveis e produtivas Quando controlar...26 Saiba o momento certo de dar início ao controle de daninhas em trigo, infestantes que competem por espaço, prejudicando o desenvolvimento da lavoura Afetada pelo clima...30 A influência que o clima exerce sobre a floração do cafeeiro, uma das fases mais importantes para o sucesso na qualidade e produtividade da cultura Índice Diretas 06 Percevejo do colmo em arroz 08 Tratamento de sementes em algodão 12 Empresas - Risq Teste Syngenta 16 Podridão de fitóftora 18 Tratamento de sementes em soja 22 Controle de plantas daninhas em trigo 26 Empresas - Noite do Arroz Syngenta 29 Clima x floração em café 30 Infestação de lagartas em milho 34 Maturadores em cana-de-açucar 36 Empresas - Clube da soja FMC 39 Coluna ANPII 40 Coluna Agronegócios 41 Mercado Agrícola 42 Expediente Fundadores: Milton Sousa Guerra e Newton Peter REDAÇÃO Editor Gilvan Dutra Quevedo Redação Lisandra Reis Design Gráfico e Diagramação Cristiano Ceia Revisão Aline Partzsch de Almeida Secretária Rosimeri Lisboa Alves GRÁFICA Kunde Indústrias Gráficas Ltda. Grupo Cultivar de Publicações Ltda. CNPJ : / Insc. Est. 093/ Rua Sete de Setembro, 160, sala 702 Pelotas RS Diretor Newton Peter Assinatura anual (11 edições*): R$ 129,90 (*10 edições mensais + 1 edição conjunta em Dez/Jan) MARKETING E PUBLICIDADE Coordenação Charles Ricardo Echer Vendas Pedro Batistin Sedeli Feijó CIRCULAÇÃO Coordenação Simone Lopes Assinaturas Alessandra Willrich Nussbaum Expedição Edson Krause Números atrasados: R$ 15,00 Assinatura Internacional: US$ 130,00 Euros 110,00 Nossos Telefones: (53) Geral Assinaturas: Redação: Comercial: Por falta de espaço não publicamos as referências bibliográficas citadas pelos autores dos artigos que integram esta edição. Os interessados podem solicitá-las à redação pelo Os artigos em Cultivar não representam nenhum consenso. Não esperamos que todos os leitores simpatizem ou concordem com o que encontrarem aqui. Muitos irão, fatalmente, discordar. Mas todos os colaboradores serão mantidos. Eles foram selecionados entre os melhores do país em cada área. Acreditamos que podemos fazer mais pelo entendimento dos assuntos quando expomos diferentes opiniões, para que o leitor julgue. Não aceitamos a responsabilidade por conceitos emitidos nos artigos. Aceitamos, apenas, a responsabilidade por ter dado aos autores a oportunidade de divulgar seus conhecimentos e expressar suas opiniões.

4

5

6 Diretas Gustavo Canato Fungicidas O coordenador de fungicidas da FMC, Flávio Centola, apresentou o portfolio da empresa para o combate a doenças. Mas a grande novidade foi o kit Galileo, composto pelos produtos Emerald, Priori e Nimbus. Inseticidas Durante o 1º Clube da Soja, Gustavo Canato, gerente de Inseticidas da FMC, destacou os produtos Talstar, para o controle de lagartas e percevejos, Mustang 350 EC, contra a lagarta do cartucho, e Fênix, indicado para tratamento de sementes, além do Dipel, que age no combate de lagartas. Também anunciou para 2011 o lançamento do Rocks 300FS, com foco em tratamento de sementes contra pragas iniciais em milho e para 2012 o Conclusion 130 SC para soja, contra falsa medideira, percevejo, ácaro e mosca branca. Antonio Luiz Fancelli Flávio Centola Rotação Antonio Luiz Fancelli, professor da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiróz (Esalq), destacou durante o 1º Clube da Soja a importância da rotação de culturas e a adição de nitrogênio na semeadura, sem dispensar o uso de inoculantes e de molibdênio cobalto. Manejo Durante a 2ª Reunião Syngenta do Arroz, Adilson Jauer apresentou soluções para aumentar a produtividade da cultura. Destacou o manejo de plantas daninhas de difícil controle com Zapp Qi, além dos inseticidas Actara e Engeo Pleno para o controle de pragas e os fungicidas Priori e Score no combate a doenças. Adriana Arns Adilson Jauer Marketing A engenheira agrônoma Adriana Arns assumiu o cargo de analista de marketing da Dupont para o Rio Grande do Sul e Oeste de Santa Catarina. Ela faz parte de uma equipe de marketing de 12 pessoas que atuarão nas principais regiões agrícolas do Brasil, com o objetivo de realizar assistência técnica, treinamentos e organizar eventos com produtores rurais. Participação Arnaldo Sigrist Neto, gerente Comercial Distribuição Leste e o gerente regional de Vendas, Ademir Mazzon, estiveram presentes na 2ª Reunião Syngenta do Arroz. Manual Durante o Clube da Soja a FMC lançou o Manual de Identificação de Plantas Infestantes Cultivos de Verão. Ao lado dos autores do manual Henrique Moreira e Horlandezan Bragança, o gerente de Produtos Herbicidas Kedilei Duarte destacou a importância da publicação com a descrição das características e tipificação da plantas e sugestões para prevenção. São informações que certamente serão de grande valia para os profissionais que atuam no campo, avaliou. Kedilei Duarte, Horlandezan Bragança e Henrique Moreira Barter João Bento Júnior, gerente de Barter Syngenta, para a cultura do arroz, explicou as vantagens desse tipo de operação que consiste na troca de produção agrícola por insumos. É muito positiva para as partes envolvidas no processo: agricultores, que precisam de recursos para produzir mais e expandir os negócios, e empresas de insumo, que mantêm o risco do negócio em um nível razoável e fidelizam seus clientes, destacou. Ademir Mazzon e Arnaldo Sigrist Neto João Bento Júnior 06 Agosto 2010

7 Bioativador Durante a 2ª Reunião Syngenta do Arroz Vagner Cianci destacou o Maxim XL e o Cruiser, bioativador que confere mais vigor à planta, aumenta a produtividade, melhora a germinação, o enraizamento e o arranque. Novos executivos A Bayer CropScience anunciou a chegada de dois novos executivos na empresa. Pedro Garrio, que assume o cargo de gerente de Operações Estruturadas (Barter), e Ivan Moreno, que passa a responder pela gerência de Operações de Rede. "Já estamos trabalhando para estruturar os diferentes tipos de operações de barter (trocas), de forma a garantir que nossos clientes tenham cada vez mais proteção em relação à flutuação dos preços das commodities", diz Garrio, que possui ampla experiência no mercado de agronegócios. Ivan Moreno acredita que na Bayer CropScience seu principal desafio "é fortalecer ainda mais o relacionamento entre a equipe de vendas e a Rede de Distribuição, para que fique cada vez mais evidente que somos parceiros na construção de planos de negócios sustentáveis". Pedro Garrio Vagner Cianci Promoção Marcos Cernescu passou a responder pela gerência regional de Vendas da Bayer CropScience, na região de Passo Fundo (RS). Cernescu era coordenador comercial da Regional Passo Fundo e agora terá como principais desafios assegurar o cumprimento das metas, coordenar a formação e a manutenção da Rede de Distribuição e buscar novas oportunidades para lançamentos de produtos e tecnologias adequadas ao mercado local. "A Bayer CropScience é uma empresa que reconhece e incentiva o empenho dos colaboradores e isso nos motiva cada vez mais", garante. Ivan Moreno Matheus Fabiano Botelho Marcos Cernescu Produtividade A Divisão de Proteção de Cultivos da Basf acaba de lançar o Sistema AgCelence Soja Produtividade Top, composto pelos produtos Standak Top, Comet e Opera. Segundo estudos divulgados pelo fabricante, o sistema proporciona incrementos de até 5% na produtividade, o que corresponde a aproximadamente mais três sacas por hectare. A tecnologia estará à disposição dos produtores para a safra de soja 2010/11, que começa a ser semeada em outubro. Este modelo de manejo de soja proporciona uma grande tranquilidade decorrente do melhor estabelecimento da cultura, certeza da segurança em função de uma lavoura com mais raízes, folhas e ramos produtivos e a confiança numa maior produtividade, ressalta o gerente de Marketing de Cultivos Extensivos, Oswaldo Marques. José Alexandre Loyola Gerente comercial A Nufarm tem novo gerente comercial para a região Sudeste. Klaus Gunther Urban atuará nos estados de São Paulo, Espírito Santo, Rio de Janeiro e Minas Gerais (Sul e Leste). Os focos de seu trabalho serão a consolidação e o crescimento da empresa nas culturas de cana-de-açúcar, café, citros e HF. Marcelo Gatti Oswaldo Marques Sementes O engenheiro agrônomo José Alexandre Loyola assumiu novo desafio na Basf. Com experiência de 14 anos nas áreas de gestão, vendas e marketing no mercado do agronegócio, Loyola será o responsável por expandir as parcerias entre a empresa e as sementeiras. A finalidade do novo desafio é aumentar a oferta de sementes industrialmente tratadas. Loyola é graduado pela Universidade Estadual Paulista (Unesp-Botucatu), possui MBA em Gestão de Agronegócios pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e em Marketing pela Fundação Instituto de Administração da Universidade de São Paulo (FIA/USP). Klaus Gunther Urban Pedsyn O Programa de Excelência em Distribuição Syngenta (Pedsyn) foi o tema abordado por Daniel França durante a 2ª Reunião Syngenta do Daniel França Arroz. Agosto

8 Arroz Em hibernação O percevejo-do-colmo (Tibraca limbativentris) costuma hibernar no período de abril a setembro, permanecendo por aproximadamente cinco meses nos locais de refúgio, antes de atacar as plantações de arroz irrigado. Após o monitoramento da população no campo, o uso de inseticidas registrados, na dose recomendada e seletivos a inimigos naturais, é uma das ferramentas recomendadas no combate à praga O número de espécies de insetospraga que atacam a lavoura de arroz irrigado no Rio Grande do Sul tem aumentado nas últimas safras. Portanto, o produtor deve ficar atento a sua ocorrência, identificação e controle. Inseticidas são recomendados quando as pragas atingem nível populacional capaz de causar perdas econômicas, aplicando-se produtos eficientes e com registro. Entre as principais pragas que ocorrem no Estado destaca-se o percevejo-do-colmo (Tibraca limbativentris), que ataca mais de 40% da lavoura. Sua incidência é maior nas regiões da Fronteira Oeste, Depressão Central, Litoral Sul e Planície Costeira Externa, onde são encontrados mais de dez insetos/m². Porém, nas demais regiões, mesmo em populações menores, este inseto tem preocupado os produtores. Locais de hibernação Estudos realizados pelo Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga) demonstram que a partir do mês de abril os insetos entram em hibernação. Em setembro, com o aumento da temperatura e fotoperíodo, ocorre o abandono da área de hibernação pelos percevejos. Logo, a maior concentração da praga nos locais de refúgio ocorre durante cinco meses. Este percevejo vem para a lavoura até o mês de janeiro. Após esse período a população permanece abrigada para atacar na safra seguinte, ocorrendo a preservação da espécie. Os locais preferidos para a hibernação são os situados próximos e dentro da lavoura onde, nas partes mais altas e na resteva, foram encontrados até 40 insetos/m². Também nas taipas, 08 Agosto 2010

9 contendo plantas de arroz, foram coletados em média três insetos por touceira. Dentre as plantas hospedeiras, a principal é o rabo de burro (Andropogon bicornis L.), onde foram encontrados 125 percevejos/planta. Nas lavouras de arroz, onde foi plantada cana nas partes altas dos canais, foram encontrados dez percevejos/planta, abrigados entre a lígula e o colmo. Alguns outros hospedeiros são o macegão, o capim elefante e o capim anone. Na hibernação, por abrigarem-se em geral na parte inferior das plantas (local mais úmido), os insetos podem ser atacados por fungos, destacando-se Beauveria bassiana. Porém, nesse caso, a mortalidade no campo é baixa. Biologia e hábito O percevejo-do-colmo ataca a lavoura a partir de setembro, onde as fêmeas colocam os ovos nas folhas. Em condições favoráveis uma fêmea pode colocar até 800 ovos. Após oito dias da postura surgem as ninfas, que alimentam-se a partir do 2º estágio, quando se dispersam e atacam o colmo das plantas. Os jovens são de cor preta, com pontos coloridos, semelhantes ao percevejo-do-grão, e os adultos de coloração marrom. Este inseto tem o hábito de atacar toda a lavoura, e não em reboleiras como algumas pragas. Como o percevejo permanece na base das plantas, pode ocorrer que a infestação não seja vista pelo produtor. Panícula atacada pelo percevejo-do-colmo Monitoramento A inspeção no campo é a maneira correta de determinar a população existente. Essa operação deve ocorrer de forma rápida, eficiente e confiável. O número de amostras vai determinar a eficiência do método (quanto mais, maior a precisão). Portanto, recomenda-se no mínimo 30 amostras por lavoura. Como a maior parte dos percevejos (mais de 70% da população) permanece abrigada na parte inferior das plantas, indica-se o monitoramento, abrindo-se as plantas para localizar os insetos. Porém, deve-se ter cuidado ao realizar essa operação, pois os percevejos podem jogar-se

10 Fotos Jaime V. de Oliveira Em condições normais uma fêmea de percevejodo-colmo pode pôr até 800 ovos na água e evitar que sejam observados e contados. Danos e sintomas Por conta das populações altas nas últimas safras, perdas têm ocorrido devido ao ataque do inseto em dois estágios de desenvolvimento das plantas. No primeiro ataque após a emergência das plantas, na bainha da folha, ocorre um ponto de coloração escura, devido ao estrangulamento do colmo, provocando o sintoma denominado coração morto. No segundo estágio, com as plantas maiores, o inseto ataca o colmo provocando o seu estrangulamento interno e posteriormente se dá a formação de panículas brancas ou a esterilidade parcial dos grãos, devido ao ataque após a formação de algumas espiguetas. Em média, um percevejo/m 2 causa 1,5% de redução na produção de grãos. Muitas vezes os sintomas só são observados tardiamente, quando da incidência de panículas brancas, na colheita, ao ser colocado o arroz no graneleiro ou, na pré-limpeza, pela ocorrência dos insetos. Medidas de controle Eliminação das plantas daninhas As plantas hospedeiras nos canais de irrigação, nas ruas e bordas da lavoura devem ser destruídas para evitar que os percevejos se abriguem no período da hibernação. Porém, a grama existente nestes locais deve ser cortada, mas não eliminada com o objetivo de manter os inimigos naturais. Destruição da resteva A eliminação da resteva, após a colheita, através de incorporação por grade ou rolofaca, vai auxiliar na redução da população dos percevejos existentes. Principalmente as partes mais altas da lavoura, contendo a palha, são locais favoráveis ao abrigo dos percevejos. Destruição das taipas Devido à ocorrência de plantas daninhas, plantas de arroz e palhas, estas áreas da lavoura vão formar locais propícios ao abrigo dos insetos durante a hibernação, mantendo populações altas para a safra seguinte. Adubação Uma adubação equilibrada vai formar plantas mais fortes, com maior emissão de raízes, portanto, suportando melhor o ataque das pragas. Sintomas de mancha parda em lavoura de arroz, doença influenciada por fatores como clima e época de semeadura Evitar a queima Ao serem queimadas as plantas daninhas, na resteva, pode haver desequilíbrio no ambiente, pois os inimigos naturais serão eliminados, ocorrendo o aumento das pragas nas safras seguintes. Controle químico Devem ser utilizados produtos registrados na dose recomendada, sempre após o monitoramento da população no campo. Entre os inseticidas registrados para o controle do percevejo-do-colmo, em arroz irrigado, o tiametoxam 250WG, além de eficiente é altamente seletivo. C Jaime Vargas de Oliveira e Thais Fernanda Stella de Freitas, Irga Fase do percevejo adulto 10 Agosto 2010

11

12 Algodão Origem segura Para garantir o bom desempenho do algodoeiro é preciso atenção especial à semente, seja na escolha de materiais livres de contaminações e infecções, ou através do tratamento com fungicidas para proteção contra fungos causadores de doenças como tombamento e mela A ocorrência de doenças associadas aos sistemas de produção praticados no Cerrado, cujos agentes causais podem ser transmitidos ou transportados por sementes, é um dos fatores mais expressivos na redução da produtividade e no aumento dos custos de produção na cultura do algodoeiro. Além de microrganismos com elevado potencial fitopatogênico, ocorrem outros, cuja patogenicidade à cultura ainda não foi avaliada, além de microrganismos responsáveis por importantes perdas durante o armazenamento das sementes. O algodão cultivado no sistema convencional (espaçamento de 0,76m a 0,90m entrelinhas), no estado de Mato Grosso, tem ocorrido preferencialmente no sistema de plantio direto sobre palha de milheto, condição que favorece a manutenção dos patógenos responsáveis pelo tombamento e por doenças com ocorrência inicial até os primeiros 30 dias após a emergência. Estes processos patogênicos terão reflexo direto na quantidade e na qualidade das plumas produzidas. Nas regiões de cultivo do Estado, a ocorrência de chuvas a partir do mês de dezembro provocou redução da temperatura do solo e aumento da umidade, favorecendo a ocorrência de patógenos associados às sementes. Condição diferente é encontrada no cultivo do algodão superadensado (espaçamento de até 0,45m entrelinhas), semeado logo após a colheita da soja precoce. Nestas condições, a lavoura de algodão passa, nas suas fases iniciais, por um regime de redução progressiva da precipitação e temperaturas mais elevadas, e recebe elevado potencial de inóculo de patógenos comuns às duas lavouras, especialmente nematoides e escleródios de Sclerotinia sclerotiorum, além de microrganismos oportunistas provenientes da lavoura de soja. O tombamento em algodão é causado por um complexo de microrganismos fitopatogênicos, destacando-se Rhizoctonia solani, Colletotrichum gossypii, Colletotrichum gossypii var. cephalosporioides, Fusarium spp., Fusarium Sintoma de Fusarium oxysporum f. sp. vasinfectum em sementes oxysporum f.sp. vasinfectum, Botryodiplodia theobromae e Macrophomina phaseolina. São fungos frequentemente associados às sementes e presentes no solo, podendo atuar também sobre as plantas durante todo o ciclo da cultura. Os sintomas mais frequentes provocados por Rhizoctonia solani, são estrangulamento dos tecidos tenros do colo e radícula da planta, ocasionando tombamento ou damping off e consequente redução do estande. Na planta adulta R. solani está relacionada ao processo patogênico conhecido como mela, caracterizando-se por lesões aquosas e zonadas em folhas do terço inferior das plantas. Os sintomas de mela, que são comuns a partir dos 30 dias a 45 dias após a emergência da cultura, têm ocorrido em estádios mais precoces, em alguns casos imediatamente após a emergência. O patógeno, abundante no solo e com baixos níveis de ocorrência em sementes de algodão, é favorecido por elevada umidade e temperaturas moderadas. O inóculo presente na área ou proveniente das sementes infectadas ou contaminadas pode atingir as folhas a partir de partículas de solo depositadas por respingos de chuva e vento. Os fungos Colletotrichum gossypii e Colletotrichum gossypii var. cephalosporioides causam lesões avermelhadas e deprimidas 12 Agosto 2010

13 no hipocótilo e cotilédones em plântulas que acabaram de emergir, além de provocar importante tombamento em pré-emergência. Nas condições de cultivo do algodão, na região Centro-Sul do Mato Grosso, a transmissibilidade de C. gossypii das sementes para as plântulas foi estimada em aproximadamente 60%. Infecções precoces de C. gossypii var cephalosporoides desenvolvendo sintomas de ramulose antes dos 30 dias depois da emergência podem inviabilizar a cultura. As incidências mais graves de tombamento provocado por C. gossypii aparecem, geralmente, após as quedas de temperatura que sucedem as primeiras chuvas pós-plantio. Sintomas do tipo damping-off e de tombamento em pré e pós-emergência, com necrose avermelhada do hipocótilo e radícula, são provocados por Fusarium spp., reduzindo sensivelmente o estande final. Se as condições de ambiente forem favoráveis ao desenvolvimento da doença, com temperaturas variando entre 18ºC e 30ºC e umidade elevada por vários dias, a extensão das falhas pode tornar necessário o replantio. Sintomas de tombamento causado por Fusarium oxysporum f.sp. vasinfectum são semelhantes aos provocados por outras espécies do fungo. Nas plantas jovens ocorre inicialmente em plântulas isoladas, que se disseminam em reboleiras, podendo atingir toda a lavoura. Nessas plântulas se dá o amarelecimento e o enegrecimento dos cotilédones, que posteriormente secam e produzem a morte da planta jovem. Fusarium oxysporum f.sp. vasinfectum é disseminado a longas distâncias exclusivamente através de sementes infectadas. Provoca a murcha da planta adulta, importante doença sistêmica e quarentenária (considerada como Necrose em folha de planta jovem causada por Fusarium oxysporum f.sp. vasinfectum A2 no estado de Mato Grosso), extremamente restrita e exigente quanto à adoção de medidas drásticas de controle e com potencial para inviabilizar a cultura por longo período. A entrada do patógeno na maioria das áreas isentas ocorreu por meio de sementes infectadas. As sementes de algodão apresentam papel fundamental no estabelecimento da lavoura, sendo também o principal veículo de dissemi-

14 Comparação entre planta doente (E), com sintoma de estrangulamento, e planta saudável (D) nação e sobrevivência de vários patógenos de importância para a cultura. O uso de sementes livres de contaminações e infecções, ou dentro de padrões de tolerância estabelecidos para a cultura, é o método mais adequado para reduzir a sobrevivência e a disseminação de patógenos veiculados através das sementes. Nesse sentido, considera-se semente ideal aquela livre de qualquer patógeno, seja pela condução rigorosa, do ponto de vista fitossanitário, das áreas de produção de sementes, seja pela aplicação de tratamento químico, físico ou biológico adequado. Considerando que a qualidade sanitária das sementes é diretamente influenciada pelas condições climáticas sob as quais foi produzida e armazenada, recomenda-se a adoção de vários métodos de controle no manejo integrado do tombamento. Devido à influência que as baixas temperaturas exercem na severidade e na incidência do tombamento, indica-se evitar semeaduras anteriores à primeira quinzena de outubro, período incomum para a semeadura do algodão no cerrado, pois nessas condições as sementes de algodão exsudam maior quantidade de açúcares e aminoácidos, favorecendo Andréia e Neto destacam a importância do tratamento de sementes com fungicidas para controle de doenças o ataque de patógenos. A baixa temperatura também torna o processo de germinação mais lento, atrasando a emergência, mantendo as plântulas mais expostas ao ataque de patógenos do solo. Entre os métodos disponíveis de manejo de patógenos causadores de tombamento e de doenças na planta adulta, o tratamento de sementes com fungicidas sistêmicos combinados aos de contato ou protetores constitui-se em estratégia das mais eficazes, permitindo o controle direto dos microrganismos patogênicos associados às sementes e solo e controle residual de patógenos de ocorrência inicial em plântulas, possibilitando a ampliação do espectro de controle de cada fungicida, devido à ação combinada de dois ou mais produtos em mistura. Tabela 1 - Fungicidas Registrados para o tratamento de sementes de algodão no controle dos principais fungos Ingrediente ativo Azoxystrobin + Fludioxonil + Metalaxil-M Carbendazim Carbendazim+Thiram Captan Captan Captan Captan Captan Captan Fludioxonil Pencicurom Pencicurom Triadimenol Produto comercial Dinasty Minx 500 SC Derosal Plus Captan SC Captan 500 TS Captan 500 TS Captan 750 TS Captan 750 TS Orthocide 500 Maxim Monceren PM Monceren 250 SC Baytan SC A associação dos fungicidas sistêmicos e de contato garante benefícios não somente às sementes, mas também às folhas e raízes, já que os fungicidas de contato protegem a semente contra fungos superficiais e do solo durante o processo de germinação e os fungicidas sistêmicos agem em favor das raízes e das folhas em formação contra a infecção precoce de patógenos presentes no interior das sementes (embrião) e no ambiente. Além da manutenção do bom desempenho inicial de plântulas, o tratamento de sementes com fungicidas pode promover benefícios adicionais no controle de doenças, pois além de reduzir a população de patógenos presentes nas sementes, os fungicidas ainda protegem a lavoura nos estádios iniciais de desenvolvimento (21 dias a 28 dias em média), diminuindo o risco de ocorrência das doenças da parte aérea, como ramulose, ramulária, mofo branco, mela e murcha de Fusarium. C Andréia Quixabeira Machado, Univag Daniel Cassetari Neto, UFMT Doses do p.c/100kg de sementes a a Alvos* 1, 3 1, 2, 6, 7, 8 2, 3, 5 1, 2, 3, 4, 5, 8, , Fonte: Agrofit - Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa). Coordenação Geral de Agrotóxicos e Afins/DFIA/DAS. Disponível em: <extranet. agricultura.gov.br/agrofit.../principal_agrofit_cons -> Acesso em 2/7/2010. *Alguns fungicidas são específicos para determinados grupos de fungos. Assim, é recomendado o conhecimento do perfil sanitário do lote de sementes antes do tratamento. (1) = Colletotrichum gossypii var. cephalosporioides, (2) = Colletotrichum gossypii, (3) = Rhizoctonia solani, (4) = Fusarium pallidoroseum, (5) = Fusarium verticillioides, (6) = Fusarium spp., (7) = Botryodiplodia theobromae, (8) = Aspergillus spp., (9) = Penicillium spp. 14 Agosto 2010

15

16 Empresas Detecção antecipada Syngenta lança no Brasil teste rápido de campo para detecção de resistência de herbicidas às plantas daninhas, desenvolvido na Inglaterra A implementação de uma estratégia de sucesso para o manejo da resistência das plantas daninhas ao herbicida glifosato requer um método simples, econômico, efetivo e que permita a detecção antecipada da resistência. O Syngenta RISQ TEST viabiliza estas ações proativas no manejo das plantas daninhas resistentes ao glifosato e outros herbicidas. Atualmente, a resistência a herbicidas é confirmada através de métodos demorados e que requerem a condução de ensaios em casas de vegetação. Estes experimentos normalmente são conduzidos através de sementes coletadas no campo, de plantas que sobreviveram à aplicação de doses comerciais dos herbicidas. Deepak Kaundum e sua equipe do Centro de Pesquisas da Syngenta em Jealott s Hill, Inglaterra, desenvolveram o Syngenta RISQ TEST, uma nova metodologia através de bioensaio simples. Pode ser conduzido antes do início do plantio ou da aplicação de herbicidas. "O Syngenta RISQ TEST requer o "transplante" de plântulas sensíveis e as possíveis resistentes ao glifosato para uma Placa de Petri com Agar e doses discriminatórias de glifosato. A avaliação da eficácia é baseada na sobrevivência das plantas e na emissão de novas raízes até 10 dias após o "transplante". A nova metodologia foi inicialmente validada em quatro populações suscetíveis e quatro populações resistentes a glifosato caracterizadas por: (1) à mutação de P106S em Eleusine indica que resulta em um sítio de ação insensível; (2) à redução da translocação do glifosato nos tecidos meristemáticos em Lolium multiflorum; (3) Conyza canadensis (4) Amaranthus palmeri com o mecanismo de resistência que compreende a super expressão da EPSPS através da amplificação de cópias de EPSPS no genoma. O maior benefício do Syngenta RISQ TEST é a capacidade de detectar a resistência de plantas daninhas ao glifosato independentemente do mecanismo de resistência envolvido. Isto possibilita a tomada de decisões proativas no manejo da resistência, baseada na eficácia dos herbicidas e no controle esperado da população de plantas daninhas. O sigla RISQ TEST deriva de "Resistance In-Season Quick". A nova metodologia foi lançada oficialmente em fevereiro de 2010 no Congresso da Weed Science Society em Denver, Colorado-USA. No Brasil, foi apresentada pela primeira vez no Brasil no XXVII Congresso da Ciência das Plantas Daninhas em Ribeirão Preto- SP realizado entre os dias 19 a 23 de Julho de O pesquisador da Syngenta, da Inglaterra, Ian Zelaya, fez uma apresentação oral, enquanto Elisa Basso e sua equipe da Estação Experimental da Syngenta em Holambra-São Paulo, fizeram demonstrações para três espécies de plantas daninhas resistentes ao glifosato: buva, capim amargoso e azevém. A receptividade foi muito positiva conforme demonstrado pelo grande interesse despertado entre a comunidade científica presente no evento. O departamento de Pesquisa e Desenvolvimento da Syngenta planeja ações para difundir no Brasil o Syngenta RISQ TEST. A Syngenta acredita que esta inovação contribuirá de forma prática e moderna para o manejo das plantas resistentes de modo a suportar a sustentabilidade do manejo das plantas daninhas. C Testemunha sensível Sensível 5ppm Sensível 20ppm Testemunha resistente Resistente 5ppm Resistente 20ppm 16 Agosto 2010

17

18 Soja Apodreceu Favorecida por fatores como umidade excessiva e solos compactados a podridão radicular de fitóftora tem o poder de provocar o apodrecimento de sementes, além de redução e morte das plântulas. Por isso, ao planejar o próximo cultivo o produtor precisa estar atento e verificar a situação das suas áreas quanto à compactação e ao acúmulo de água, sem descuidar da situação de terraços em curvas de nível, baixadas e locais com excesso de palha. A rotação de culturas é outra alternativa recomendada para evitar o aumento do nível de inóculo A partir da expansão da cultura da soja no Brasil e do uso cada vez mais intensivo da terra, problemas fitossanitários se intensificaram, causando prejuízos e demandando ações do setor agrícola para combatê-los. A ocorrência da podridão radicular de fitóftora (PRF) está intimamente associada com o excesso de umidade no solo, fator que sofre influência direta do manejo e do uso da terra. Solos compactados, cultivo mínimo do solo e/ou plantio direto em monocultura de soja e aplicação de altas doses de fertilizantes orgânicos ou com potássio, imediatamente antes da semeadura, podem tornar a doença mais severa. Ela causa apodrecimento de sementes, morte de plântulas, redução de crescimento e morte de plantas adultas em qualquer fase de desenvolvimento. Tem o poder de afetar extensas áreas de cultivo, levando a replantios ou à redução de estande e de produção. O uso de cultivares resistentes é o principal meio de controle, mas a variabilidade patogênica da fitóftora torna difícil a obtenção de cultivares resistentes a todas as raças existentes. Essa doença foi identificada pela primeira vez no Brasil no estado do Rio Grande do Sul, na safra 1994/95, mas perdas significativas ocorreram apenas na safra 2005/06, quando várias lavouras gaúchas e do Paraná apresentaram tombamento de plantas em pós-emergência, em locais de solo compactado e com acúmulo de água, levando a falhas de estande inicial, à ressemeadura de áreas extensas e à morte de plantas adultas. Até a safra 2007/08, plantas com sintomas da doença foram também encontradas em Santa Catarina, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais. Na safra 2009/10, plantas com sintomas da doença foram observadas em lavouras no município de Cristalina, Goiás. Isto revela uma evolução espacial na ocorrência da PRF no Brasil. Nos Estados Unidos a PRF é considerada uma das principais doenças da soja, sendo historicamente mais importante que a ferrugem asiática devido aos prejuízos econômicos que já causou. Neste país, a doença foi observada em soja pela primeira vez em 1948, no estado de Indiana, causando prejuízos severos em 1951, em Ohio. Entre os anos de 1996 e 2002, foi a segunda doença que mais causou prejuízo na soja, com perda total acima de cinco milhões de toneladas. O agente causal da doença é Phytophthora sojae. Os integrantes do gênero Phytophthora não são fungos e a real condição taxonômica 18 Agosto 2010

19 Fotos Rafael Soares deste gênero permanece controversa. Estão filogeneticamente relacionados às algas e a alguns organismos eucarióticos anteriormente conhecidos como protistas. Os sintomas causados por P. sojae são dependentes do nível de resistência da cultivar. Podem ser observados desde a pré-emergência até a fase adulta das plantas, sendo que as mais jovens são mais suscetíveis e morrem com maior rapidez. Pode ocorrer apodrecimento de sementes ou flacidez na radícula, progredindo ao cotilédone, e os tecidos afetados adquirem coloração marrom. Sementes infectadas germinam lentamente e, quase sempre, as plântulas morrem durante a emergência. Durante a emissão dos primeiros trifólios, a extremidade da raiz principal torna-se flácida e marrom, e essa descoloração estende-se e envolve o hipocótilo até o nó cotiledonar, ocorrendo o colapso do tecido. Na sequência, as folhas tornam-se amareladas, murcham e a planta seca e morre. Plantas desenvolvidas morrem lentamente, apresentando folhas amareladas e tecido seco entre as nervuras, seguindo-se murcha completa e seca dos tecidos, permanecendo as folhas presas às plantas, voltadas para baixo. Há destruição quase completa de raízes secundárias e apodrecimento da raiz principal, que adquire coloração marrom-escuro. Nesta fase, o sintoma característico é o aparecimento, no exterior da haste, de coloração marrom-escuro, circundando-a desde o solo e, frequentemente, progride ao longo desta e das hastes laterais em direção ao topo da planta. Em plantas adultas de cultivares de soja que apresentam menor suscetibilidade, os sintomas ficam restritos ao apodrecimento da raiz principal e, ocasionalmente, ocorrem lesões longas, lineares, levemente aprofundadas e de cor marrom, em apenas um dos lados da haste, muito parecidas com lesões de cancro da haste. As condições climáticas que favorecem a ocorrência da podridão radicular de fitóftora são temperatura igual ou superior a 25 C e água livre no solo. Desse modo, chuvas no início do ciclo favorecem o apodrecimento de sementes e o tombamento de plântulas, e precipitações durante o ciclo facilitam a ocorrência de murcha, escurecimento externo na haste, apodrecimento de raízes e morte Esporos de Phytophthora de soja no interior da raiz em plantas adultas. Os esporos de resistência (oósporos), formados nas raízes e nas hastes de soja infectada, podem sobreviver no solo por muitos anos na ausência do hospedeiro, não germinando todos ao mesmo tempo. A transmissão e disseminação do patógeno não ocorrem por sementes, sendo o solo e os restos culturais de soja contaminados as principais fontes de inóculo. CONTROLE A resistência genética é o principal meio de controle da doença. Ela pode ser completa ou parcial. A resistência completa, embora impeça a ocorrência da doença, é específica a uma ou algumas raças do patógeno, e pode ser quebrada por raças diferentes. A resistência parcial, também conhecida como resistência de campo, resistência geral, resistência por redução de progresso, resistência de planta adulta ou tolerância, expressa-se pela redução de extensão de colonização de tecidos radiculares, sendo avaliada pela capacidade da planta de resistir à penetração, à colonização ou à multiplicação do patógeno. Essa resistência é governada por diversos genes e dificilmente pode ser quebrada por alguma das raças do patógeno. Isolados obtidos de plantas doentes nos estados do Rio Grande do Sul, Paraná, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul, e testados em cultivares diferenciadoras (cultivares com diferentes genes de resistência que servem para classificar os isolados), mostraram que existe variabilidade do microrganismo entre a maioria dos locais. O controle químico com fungicidas é efetivo para cultivares com elevado nível de resistência parcial, e pode ser realizado via semente ou diretamente na linha de semeadura, no solo. Os princípios ativos eficazes são metalaxil e mefenoxam, da classe fenilamidas, Morte de plantas por podridão radicular de fitóftora em área com acúmulo de umidade que atuam, em média, por duas a três semanas. A aplicação de fungicidas na parte aérea não tem efeito. O controle integrado, combinando altos níveis de resistência parcial e melhoria nas condições físicas do solo, especialmente com drenagem e descompactação, é tão efetivo quanto resistência completa ou uso de fungicida, na maioria dos ambientes. Portanto, é importante que o agricultor, ao planejar o próximo cultivo de soja, verifique antes a situação das suas áreas quanto à compactação e ao acúmulo de água, atentando para situação de terraços em curvas de nível, baixadas e locais com acúmulo excessivo de palha. A rotação de culturas, evitando-se semeadura de soja por mais de dois anos consecutivos na mesma área, pode ser usada para evitar aumento do nível de inóculo no solo. A Embrapa Soja e a Embrapa Trigo, dentro do programa de melhoramento de soja das instituições, introduziram na rotina de seleção de linhagens os testes para resistência completa à podridão radicular de fitóftora e têm procurado lançar cultivares resistentes à doença, sendo que várias já estão disponíveis aos agricultores. C Rafael Moreira Soares, Embrapa Soja Leila Maria Costamilan, Embrapa Trigo Soares e Leila aconselham a rotação de culturas para evitar o aumento do nível de inóculo no solo Agosto

20 Mais proteção. Mais vigor. Maior ação contra nematoides. E claro, mais produtividade.

RECOMENDAÇÕES DE FUNGICIDAS PARA TRATAMENTO DE SEMENTES E CONTROLE DE OÍDIO E DE DOENÇAS DE FINAL DE CICLO DA SOJA, SAFRA 1998/99

RECOMENDAÇÕES DE FUNGICIDAS PARA TRATAMENTO DE SEMENTES E CONTROLE DE OÍDIO E DE DOENÇAS DE FINAL DE CICLO DA SOJA, SAFRA 1998/99 ISSN 004-564 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Agropecuária Oeste Ministério da Agricultura e do Abastecimento BR 6, km 5,6 - Trecho Dourados-Caarapó Caixa Postal 66 79804-970 Dourados

Leia mais

Mesorregião MT-RO Mato Grosso - Rondônia. Catálogo Soja

Mesorregião MT-RO Mato Grosso - Rondônia. Catálogo Soja Mesorregião MT-RO Mato Grosso - Rondônia Catálogo Soja 2013 Cultivares de Soja Marca Pionee r Mesorregião MT-RO Diversidade genética e qualidade A DuPont Pioneer, com mais de 85 anos de melhoramento, é

Leia mais

Principais Doenças Fúngicas Na Cultura do Alho

Principais Doenças Fúngicas Na Cultura do Alho Principais Doenças Fúngicas Na Cultura do Alho Marco Antônio Lucini Engenheiro Agrônomo Curitibanos, setembro de 2009. PRINCIPAIS DOENÇAS FÚNGICAS NA CULTURA DO ALHO Marco Antônio Lucini 1 O Brasil é um

Leia mais

Sanidade das Sementes

Sanidade das Sementes Uberlândia - 13 a 16 de agosto de 2007 Sanidade das Sementes Brasileiras de Algodão Palestrante: Wanderley K. Oishi Gerente de Produção-MDM Sementes de Algodão Ltda. Situação Atual da Cotonicultura Brasileira

Leia mais

(+ de 80) PRINCIPAIS DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ IRRIGADO. XII MICA, 23 de agosto de 2006. BRUSONE Agente Causal: Pyricularia grisea

(+ de 80) PRINCIPAIS DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ IRRIGADO. XII MICA, 23 de agosto de 2006. BRUSONE Agente Causal: Pyricularia grisea INSTITUTO RIO GRANDENSE DO ARROZ ESTAÇÃO EXPERIMENTAL DO ARROZ EQUIPE MELHORAMENTO GENÉTICO IMPORTÂNCIA DA CULTURA DO ARROZ IRRIGADO NO RS... PRINCIPAIS DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ IRRIGADO Eng. Agr..

Leia mais

TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA DE ALTA QUALIDADE

TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA DE ALTA QUALIDADE TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA DE ALTA QUALIDADE José de Barros França Neto - Engenheiro Agrônomo, Ph.D., Pesquisador da Embrapa Soja, Caixa Postal 231, CEP 86001-970 Londrina, PR, Brasil -

Leia mais

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5.1 Controle de Pragas PRINCIPAIS PRAGAS -Lagarta elasmo -Vaquinhas - Mosca branca -Ácaro branco -Carunchos LAGARTA ELASMO Feijão da seca aumento da população

Leia mais

www.revistacultivar.com.br

www.revistacultivar.com.br www.revistacultivar.com.br Soja Maio 2015 03 Plano estratégico Na batalha travada a cada safra pelos produtores de soja contra a ferrugem asiática e outras doenças que afetam a cultura, contar com tecnologia,

Leia mais

Data: 05/10/2012 Assunto:

Data: 05/10/2012 Assunto: Veículo: Refrescante Data: 05/10/2012 Assunto: Manejo Integrado de Pragas promove cafeicultura sustentável http://refrescante.com.br/manejo-integrado-de-pragas-promove-cafeicultura-sustentavel.html Os

Leia mais

Mas que negócio é esse de resistência de insetos?

Mas que negócio é esse de resistência de insetos? O milho Bt é obtido por meio da transformação genética de plantas de milho com genes da bactéria Bacillus thuringiensis, os quais promovem a expressão de proteínas com ação inseticida. Um trabalho que

Leia mais

WORKSHOP DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DE PESQUISAS SAFRA 2014/2015

WORKSHOP DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DE PESQUISAS SAFRA 2014/2015 DESAFIOS FITOSSANITÁRIOS NO MANEJO DE LAVOURAS WORKSHOP APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS - FBA Engº Agrº EZELINO CARVALHO INTRODUÇÃO O objetivo desta apresentação é dialogar sobre os problemas fitossanitários

Leia mais

Conte com a Pampa para uma colheita de sucesso na próxima safra!

Conte com a Pampa para uma colheita de sucesso na próxima safra! GUIA DE CULTIVARES A semente é a base do sucesso de uma lavoura. Sua qualidade é essencial para os bons resultados de cada safra, garantindo maior produtividade, competitividade e o lucro do produtor.

Leia mais

Taurino Alexandrino Loiola

Taurino Alexandrino Loiola PRINCIPAIS PROBLEMAS DA CULTURA DO FEIJÃO SOB A ÓTICA DO AGRÔNOMO DE CAMPO Taurino Alexandrino Loiola Brasília / DF, 03/12/2010 Culturas na safra Panorama das safras: 08/09 09/10 Soja 8.195 ha (+38%) Feijão

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA Por: Julio Franchini Área: Manejo do Solo Julio Franchini possui graduação em Agronomia pela Universidade Estadual

Leia mais

Milho + investimento mínimo, máximo retorno. Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria

Milho + investimento mínimo, máximo retorno. Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria Milho + brachiaria: investimento mínimo, máximo retorno Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria Pesquisadores do Instituto Agronômico (IAC), de Campinas, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento

Leia mais

MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO DAS DOENÇAS DAS ORQUÍDEAS

MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO DAS DOENÇAS DAS ORQUÍDEAS MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO DAS DOENÇAS DAS ORQUÍDEAS Cibele Mantovani 2013 Sumário Introdução 2 Podridão Negra Pythium ultimum 3 Murcha ou Podridão de raiz e pseudobulbo Fusarium oxysporium 5 Antracnose Colletotrichum

Leia mais

Diagnose de doenças não parasitárias em trigo

Diagnose de doenças não parasitárias em trigo Diagnose de doenças não parasitárias em trigo Erlei Melo Reis, Sandra Maria Zoldan e Beatriz Coelho Germano Equipe de fitopatologia da OR Melhoramento de Sementes Ltda 1. Introdução. A diagnose (determinação

Leia mais

Fruticultura. Bananeira : Mal do Panamá. Nome Bananeira : Mal do Panamá Produto Informação Tecnológica Data 1985 Preço - Linha Fruticultura Resenha

Fruticultura. Bananeira : Mal do Panamá. Nome Bananeira : Mal do Panamá Produto Informação Tecnológica Data 1985 Preço - Linha Fruticultura Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:32 Fruticultura Bananeira : Mal do Panamá Nome Bananeira : Mal do Panamá Produto Informação Tecnológica Data 1985 Preço - Linha Fruticultura Resenha Informações sobre a doença do mal-do-panamá

Leia mais

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR 1 DELAI, Lucas da Silva; 1 ALVES Victor Michelon; 1 GREJIANIN, Gustavo; 1 PIRANHA, Michelle Marques

Leia mais

Relatório Geral. Safra 2014/2015 Sexto Levantamento Março/2015. ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA Rio Grande do Sul GRÃOS CLIMA

Relatório Geral. Safra 2014/2015 Sexto Levantamento Março/2015. ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA Rio Grande do Sul GRÃOS CLIMA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO CONAB SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO RIO GRANDE DO SUL GERÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO E SUPORTE ESTRATÉGICO SETOR DE APOIO A LOGÍSTICA E GESTÃO DE OFERTA ACOMPANHAMENTO DA

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL INFORMATIVO Nº 112. Este informativo não representa o endosso da AMPASUL para nenhum produto ou marca.

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL INFORMATIVO Nº 112. Este informativo não representa o endosso da AMPASUL para nenhum produto ou marca. PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO DE 20 DE ABRIL A 17 DE MAIO DE 2015 INFORMATIVO Nº 112 1 Núcleo 1 Chapadão do Sul Eng. Agr. Danilo Suniga de Moraes Na Região de Chapadão do Sul,

Leia mais

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prognósticos e recomendações para o período Maio/junho/julho de 2014 Boletim de Informações nº

Leia mais

CAMPO DE PROVA DA FUNDAÇÃO CHAPADÃO

CAMPO DE PROVA DA FUNDAÇÃO CHAPADÃO CAMPO DE PROVA DA FUNDAÇÃO CHAPADÃO TECNOAGRO Rodovia BR 060, km 11 - Condominio Rural Fundação Chapadão Casas 4, 5 e 6 - Caixa postal 39 - CEP 79.560-000 Chapadão do Sul, MS - www fundacaochapadao.com.br

Leia mais

Ações de manejo da. Helicoverpa armigera. Realização:

Ações de manejo da. Helicoverpa armigera. Realização: Ações de manejo da Helicoverpa armigera Realização: Quem é a praga? A Helicoverpa armigera é uma praga exótica, polífaga, que se alimenta de várias culturas agrícolas e plantas daninhas. Na fase de larva

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL ANO III / Nº 70 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 01 A 13 DE JANEIRO DE 2014 Este Relatório apresenta algumas informações negativas para a situação fitossanitária do algodão

Leia mais

9 PRÁTICAS CULTURAIS

9 PRÁTICAS CULTURAIS 9 PRÁTICAS CULTURAIS 9.1 PREPARO DO SOLO Preparo do Solo Quando realizado de maneira incorreta, leva rapidamente àdegradação das características do solo, culminando com o declínio paulatino do seu potencial

Leia mais

Apresentação. Leonardo Humberto Silva e Castro Ernane Miranda Lemes Rafael Tadeu de Assis

Apresentação. Leonardo Humberto Silva e Castro Ernane Miranda Lemes Rafael Tadeu de Assis Apresentação O agronegócio brasileiro tem passado por profundas modificações, as quais aumentaram a competitividade de seus produtos e subprodutos na economia interna e externa. Neste contexto, a soja

Leia mais

3 Plantio e Semeadura

3 Plantio e Semeadura 3 Plantio e Semeadura 1 Plantio Éo ato de se colocar mudas ou partes vegetativas no solo para a instalação de determinada cultura. Exemplos: - Cana-de-açúcar; - Mandioca; - Arroz no cultivo com transplantio

Leia mais

ManeJo de Insetos na soja Intacta RR2 PRo SEMEANDO O FUTURO

ManeJo de Insetos na soja Intacta RR2 PRo SEMEANDO O FUTURO ManeJo de Insetos na soja Intacta RR2 PRo A cultura da soja está exposta, durante gemmatalis (lagarta todo o seu ciclo, ao ataque de diferentes Pseudoplusia includens espécies de insetos. Esses insetos

Leia mais

Relato da situação da ferrugem e do vazio sanitário na região Sul (PR, SC e RS) e Sudeste (MG, SP)

Relato da situação da ferrugem e do vazio sanitário na região Sul (PR, SC e RS) e Sudeste (MG, SP) Reunião do Consórcio Antiferrugem 26 de junho de 2008. Londrina, PR. Relato da situação da ferrugem e do vazio sanitário na região Sul (PR, SC e RS) e Sudeste (MG, SP) Dulândula S. M. Wruck - Epamig Leila

Leia mais

DOENÇAS DO CUPUAÇUZEIRO (Theobroma grandiflorum Willd. Spend.) Schum.

DOENÇAS DO CUPUAÇUZEIRO (Theobroma grandiflorum Willd. Spend.) Schum. DOENÇAS DO CUPUAÇUZEIRO (Theobroma grandiflorum Willd. Spend.) Schum. Maria Geralda de Souza; Olívia Cordeiro de Almeida; Aparecida das Graças Claret de Souza Embrapa Amazônia Ocidental, Rodovia AM-010,

Leia mais

CICLO DE RELAÇÕES PATÓGENO x HOSPEDEIRO

CICLO DE RELAÇÕES PATÓGENO x HOSPEDEIRO CICLO DE RELAÇÕES PATÓGENO x HOSPEDEIRO DISSEMINAÇÃO Liberação Dispersão Deposição (Inoculação) SOBREVIVÊNCIA ciclo secundário ciclo primário PENETRAÇÃO INFECÇÃO Estabelecimento das relações parasitárias

Leia mais

Controle Plantas Infestantes

Controle Plantas Infestantes Controle de Plantas Infestantes ',' Domingo Haroldo R. C. Reinhardt Francisco Alissonda Silva Xavier Aristóteles Pires de Matos Getúlio Augusto Pinto da Cunha 118 Quais são os problemas provocados pelas

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 2. OBJETO DO SEGURO

CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 2. OBJETO DO SEGURO CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de Soja

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 ANO III / Nº 73 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 27 DE JANEIRO A 03 DE FEVEREIRO DE 2014 Núcleo 1 Chapadão do Sul Eng. Agr. Danilo Suniga de Moraes O plantio de algodão

Leia mais

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 2 Limpeza: 2 CUIDADOS DO JARDIM NO OUTONO 2 Limpeza: 2 Adubação:

Leia mais

BASF Cana Crescer a cada desafio

BASF Cana Crescer a cada desafio BASF Cana Crescer a cada desafio Pag. 1 Pag. 2 Soluções integradas por todo o ciclo da cana-de-açúcar. Pag. 3 Cada dia nos desafia a crescer. Pag. 4 Buscar oportunidades para produzir mais, melhor e com

Leia mais

Comparativo entre Fungicidas

Comparativo entre Fungicidas CULTURA: ASSUNTO: RESPONSÁVEL: Comparativo entre Fungicidas CEREAIS NORTE DM : Benedito Ferraz Neto Sede : LEM-BA Fone : (77) 9814 3961 Email : benedito.lopes.neto@basf.com REUNIÃO TÉCNICA BRASIL 2012

Leia mais

Controle Microbiano de Fernanda Goes Mendes Marina Chamon Abreu Seminário de Microbiologia do Solo 2014/1 O controle de na agricultura é um fator limitante e resulta no aumento do custo de produção; O

Leia mais

Profa Dra. Fernanda Basso Eng. Agr. Msc. Bruno Lodo

Profa Dra. Fernanda Basso Eng. Agr. Msc. Bruno Lodo UNIPAC Curso de Agronomia Manejo Fitossanitário na Cana-de-açúcar Insetos-Pragas GRANDES CULTURAS I - Cultura da Cana-de-açúcar Profa Dra. Fernanda Basso Eng. Agr. Msc. Bruno Lodo Introdução Os danos causados

Leia mais

CADASTRO E PLANO DE TRABALHO SIMPLIFICADO ANTECIPAÇÃO DO VAZIO SANITÁRIO DA SOJA - SAFRA 2015/16

CADASTRO E PLANO DE TRABALHO SIMPLIFICADO ANTECIPAÇÃO DO VAZIO SANITÁRIO DA SOJA - SAFRA 2015/16 CADASTRO E PLANO DE TRABALHO SIMPLIFICADO ANTECIPAÇÃO DO VAZIO SANITÁRIO DA SOJA - SAFRA 2015/16 IDENTIFICAÇÃO DO IRRIGANTE Nome do Produtor: Nome da Propriedade: Endereço da Lavoura: CEP: Município: Estado:

Leia mais

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA TEL +55 34 3229 1313 FAX +55 34 3229 4949 celeres@celeres.com.br celeres.com.br IB14.01 9 de abril de 2014 INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA Conteúdo Análise Geral... 2 Tabelas... 6 Figuras Figura 1. Adoção da

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de

Leia mais

MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR

MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR 1. INTRODUÇÃO O migdolus é um besouro da família Cerambycidae cuja fase larval causa danos ao sistema radicular da cana-de-açúcar, passando a exibir sintomas de seca em toda

Leia mais

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA TEL +55 34 3229 1313 FAX +55 34 3229 4949 celeres@celeres.com.br celeres.com.br IB14.03 16 de dezembro de 2014 INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA Conteúdo Análise Geral... 2 Tabelas... 5 Figuras Figura 1. Adoção

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DO MS BALANÇO GERAL SAFRA 2012/2013 RELATÓRIO SEMANAL DE 23 A 30 DE SETEMBRO DE 2013.

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DO MS BALANÇO GERAL SAFRA 2012/2013 RELATÓRIO SEMANAL DE 23 A 30 DE SETEMBRO DE 2013. ANO II / Nº56 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DO MS BALANÇO GERAL SAFRA 2012/2013 RELATÓRIO SEMANAL DE 23 A 30 DE SETEMBRO DE 2013. Uma safra inteira se passou desde o início dos trabalhos do Programa Fitossanitário

Leia mais

MANEJO DE INSETOS E ÁCAROS NAS CULTURAS DA SOJA E DO MILHO. MAURO BRAGA Pesquisador

MANEJO DE INSETOS E ÁCAROS NAS CULTURAS DA SOJA E DO MILHO. MAURO BRAGA Pesquisador MANEJO DE INSETOS E ÁCAROS NAS CULTURAS DA SOJA E DO MILHO MAURO BRAGA Pesquisador Sistemas agrícolas Insetos e ácaros na soja Insetos no milho Inseticidas: manejo melhor Sistemas agrícolas Sistemas agrícolas

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII REQUISITOS MÍNIMOS PARA DETERMINAÇÃO DO VALOR DE CULTIVO

Leia mais

TRABALHO SOBRE DOENÇAS DE PLANTAS OLEAGINOSAS

TRABALHO SOBRE DOENÇAS DE PLANTAS OLEAGINOSAS TRABALHO SOBRE DOENÇAS DE PLANTAS OLEAGINOSAS Daniel Vieira Silva Roteiro: Breve introdução. Controles básicos recomendados para todas as culturas. Medidas profiláticas. (rotação de culturas, destruição

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas

Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas Marcelo C. Picanço Prof. de Entomologia Universidade Federal de Viçosa Telefone: (31)38994009 E-mail: picanco@ufv.br Situação do Controle de Pragas de Grandes

Leia mais

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 7 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Nome Cultura do Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do feijão José Salvador

Leia mais

ALERTA QUARENTENÁRIO. MONILÍASE DO CACAUEIRO (Moniliophthora roreri)

ALERTA QUARENTENÁRIO. MONILÍASE DO CACAUEIRO (Moniliophthora roreri) ALERTA QUARENTENÁRIO MONILÍASE DO CACAUEIRO (Moniliophthora roreri) O agronegócio do cacau é um dos mais importantes para o Brasil por envolver cerca de 50.300 famílias, responsáveis pela geração de 500.000

Leia mais

Controle biológico de pragas. Seminário Internacional de Manejo de Pragas da Cana de Açúcar Artur Ferreira Mendonça Filho

Controle biológico de pragas. Seminário Internacional de Manejo de Pragas da Cana de Açúcar Artur Ferreira Mendonça Filho Controle biológico de pragas Seminário Internacional de Manejo de Pragas da Cana de Açúcar Artur Ferreira Mendonça Filho Processo Produtivo Agrícola Tecnologia Plantas Daninhas Manejo físico do solo

Leia mais

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 682

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 682 Página 682 AVALIAÇÃO DO SISTEMA AGCELENCE NA CULTURA DO ALGODOEIRO NO SISTEMA DE PLANTIO ADENSADO NO OESTE DA BAHIA *Cleiton Antônio da Silva Barbosa 1 ; Benedito de Oliveira Santana Filho 1 ; Ricardo

Leia mais

Adm., M.Sc., Embrapa Agropecuária Oeste, Caixa Postal 661, 79804-970 Dourados, MS. E-mail: richetti@cpao.embrapa.br 2

Adm., M.Sc., Embrapa Agropecuária Oeste, Caixa Postal 661, 79804-970 Dourados, MS. E-mail: richetti@cpao.embrapa.br 2 157 ISSN 1679-0472 Fevereiro, 2010 Dourados, MS Foto: Nilton Pires de Araújo Estimativa do Custo de Produção do Milho Safrinha 2010, em Cultivo Solteiro e Consorciado com Brachiaria ruziziensis, na Região

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - ALGODÃO HERBÁCEO SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - ALGODÃO HERBÁCEO SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO Nº do Processo SUSEP: 15414.001178/2005-04 CONDIÇÕES ESPECIAIS - ALGODÃO HERBÁCEO SEGURO AGRÍCOLA 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro

Leia mais

Manejo Integrado das Principais Doenças e Pragas da cultura da Soja. Rafael Moreira Soares & Daniel R. Sosa-Gómez

Manejo Integrado das Principais Doenças e Pragas da cultura da Soja. Rafael Moreira Soares & Daniel R. Sosa-Gómez Manejo Integrado das Principais Doenças e Pragas da cultura da Soja Rafael Moreira Soares & Daniel R. Sosa-Gómez FERRUGEM Phakopsora pachyrhizi FERRUGEM ASIÁTICA.Perdas de até 90% - diminui área fotossintética

Leia mais

Ferrugem. (Puccinia kuehnii) I - Histórico e Situação Atual

Ferrugem. (Puccinia kuehnii) I - Histórico e Situação Atual Ferrugem (Puccinia kuehnii) I - Histórico e Situação Atual A primeira citação de Puccinia kuehnii como agente causador de Ferrugem na cultura da Cana-de-Açúcar data de 1890. Todavia, somente no final da

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 10 A 17 DE MARÇO DE 2014

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 10 A 17 DE MARÇO DE 2014 ANO III / Nº 78 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 10 A 17 DE MARÇO DE 2014 Núcleo 1 Chapadão do Sul Eng. Agr. Danilo Suniga de Moraes Semana com muitas precipitações na

Leia mais

Para produzir milho, soja, trigo e feijão, ele conta com 26 empregados fixos,

Para produzir milho, soja, trigo e feijão, ele conta com 26 empregados fixos, colônias de café nas regiões de Araraquara e Ribeirão Preto, SP, enquanto outros se deslocaram para a capital paulista, onde viraram operários na construção civil. Anos depois, João e os filhos mudaramse

Leia mais

Evolução dos casos de resistência ao glifosato no Paraná

Evolução dos casos de resistência ao glifosato no Paraná Evolução dos casos de resistência ao glifosato no Paraná Capim-marmelada e leiteiro são exemplos de grandes problemas que aconteceram nas lavouras de soja no início dos anos 80. Nesta mesma década, foram

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto

Leia mais

INCIDÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS EM LAVOURAS DE ALGODÃO SOB SISTEMAS DE PLANTIO DIRETO E CONVENCIONAL NA CONDIÇÃO DE CERRADO

INCIDÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS EM LAVOURAS DE ALGODÃO SOB SISTEMAS DE PLANTIO DIRETO E CONVENCIONAL NA CONDIÇÃO DE CERRADO INCIDÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS EM LAVOURAS DE ALGODÃO SOB SISTEMAS DE PLANTIO DIRETO E CONVENCIONAL NA CONDIÇÃO DE CERRADO LEANDRO CARLOS FERREIRA 1,3 ; ITAMAR ROSA TEIXEIRA 2,3 RESUMO: O sistema de cultivo

Leia mais

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA 1º CICLO DE PALESTRAS SODEPAC TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA Maia Barnabé Sambongo Dir. Fazenda Quizenga TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA ÁREA DE 1º ANO 1. Supressão Vegetal

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 19 ANOS DE FUNDAÇÃO MARÇO 1989 PODEMOS ESCOLHER O QUE SEMEAR, MAS SOMOS OBRIGADOS A COLHER

Leia mais

Manejo da cultura da soja com foco em terras baixas. Giovani Theisen

Manejo da cultura da soja com foco em terras baixas. Giovani Theisen Manejo da cultura da soja com foco em terras baixas Giovani Theisen Soja em terras baixas» Manejo do solo e rotação» Implantação da cultura» Fixação biológica de nitrogênio» Manejo de pragas Soja requer

Leia mais

BICUDO DA CANA (SPHENOPHORUS LEVIS)

BICUDO DA CANA (SPHENOPHORUS LEVIS) BICUDO DA CANA (SPHENOPHORUS LEVIS) 1. INTRODUÇÃO Uma outra praga que vem assumindo um certo grau de importância é conhecida como o bicudo da cana-de-açúcar de ocorrência restrita no Estado de São Paulo,

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - CANA DE AÇÚCAR SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - CANA DE AÇÚCAR SEGURO AGRÍCOLA CONDIÇÕES ESPECIAIS - CANA DE AÇÚCAR SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de Cana de

Leia mais

ANEXO I MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇAO DE CULTIVARES

ANEXO I MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇAO DE CULTIVARES ANEXO I MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇAO DE CULTIVARES Requisitos Mínimos para Determinação do Valor de Cultivo e Uso de Algodão(Gossypium

Leia mais

Contexto e importância da diversificação de culturas em sistemas de produção de soja no Brasil

Contexto e importância da diversificação de culturas em sistemas de produção de soja no Brasil Contexto e importância da diversificação de culturas em sistemas de produção de soja no Brasil Eng. Agr. Dr. Henrique Debiasi Eng. Agr. Dr. Julio C. Franchini Eng. Agr. Dr. Alvadi A. Balbinot Jr. VII Congresso

Leia mais

Guia de Produtos 2014. Região Sul

Guia de Produtos 2014. Região Sul Guia de Produtos 2014 Sul Eleita em 2013 a melhor empresa brasileira de sementes * *Revista Globo Rural Supervisores regionais Índice Mato Grosso do Sul Nicolas Alves Cornacioni (67) 8118 6043 nicolas.cornacioni@coodetec.com.br

Leia mais

PRINCIPAIS DOENÇAS E PRAGAS EM PLANTIOS DE EUCALIPTO NO BRASIL

PRINCIPAIS DOENÇAS E PRAGAS EM PLANTIOS DE EUCALIPTO NO BRASIL PRINCIPAIS DOENÇAS E PRAGAS EM PLANTIOS DE EUCALIPTO NO BRASIL Prof. Dr. Edson Luiz Furtado - FCA/UNESP - Campus de Botucatu Prof. Dr. Carlos F. Wilcken - FCA/UNESP - Campus de Botucatu Coordenadores do

Leia mais

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG- campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG- campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro Potencial da Doru luteipes (Scudder, 1876) (Dermaptera: Forficulidae) no controle da Spodoptera frugiperda (J. E. Smith, 1797) (Lepidoptera: Noctuidae). Willian Sabino RODRIGUES¹; Gabriel de Castro JACQUES²;

Leia mais

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph JARDINAGEM O que é solo? O solo é a camada superficial da crosta terrestre, sendo formado basicamente por aglomerados minerais, matéria orgânica oriunda da decomposição de animais e plantas e organismos

Leia mais

08/04/2013 PRAGAS DO FEIJOEIRO. Broca do caule (Elasmopalpus legnosellus) Lagarta rosca (Agrotis ipsilon)

08/04/2013 PRAGAS DO FEIJOEIRO. Broca do caule (Elasmopalpus legnosellus) Lagarta rosca (Agrotis ipsilon) Pragas que atacam as plântulas PRAGAS DO FEIJOEIRO Pragas que atacam as folhas Lagarta enroladeira (Omiodes indicata) Pragas que atacam as vargens Lagarta elasmo (ataca também a soja, algodão, milho, arroz,

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 24 A 31 DE MARÇO DE 2014

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 24 A 31 DE MARÇO DE 2014 ANO III / Nº 80 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 24 A 31 DE MARÇO DE 2014 ALERTA PARA O CONTROLE DO BICUDO DO ALGODOEIRO A presença do bicudo foi relatada e identificada

Leia mais

Ferrugem da folha do trigo - Ciclo da doença

Ferrugem da folha do trigo - Ciclo da doença Ferrugem da folha do trigo - Ciclo da doença Erlei Melo Reis 1 Sandra Zoldan 1 Anderson Luiz Durante Danelli 2 Vânia Bianchin 3 ( 1 ) OR Melhoramento de Sementes Ltda, Passo Fundo, RS ( 2 ) Universidade

Leia mais

Bem-vindo ao futuro da agricultura Esta apresentação reúne os principais fatos observados nos clientes na safra de 2014/2015 no dia-a-dia com o

Bem-vindo ao futuro da agricultura Esta apresentação reúne os principais fatos observados nos clientes na safra de 2014/2015 no dia-a-dia com o Bem-vindo ao futuro da agricultura Esta apresentação reúne os principais fatos observados nos clientes na safra de 2014/2015 no dia-a-dia com o Strider nas fazendas A queda de braço entre custo e produtividade:

Leia mais

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO Produção Integrada de Arroz Irrigado O que é a Produção Integrada de Arroz Irrigado? A Produção Integrada é definida como um sistema de produção agrícola de

Leia mais

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 11 Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso 1 2 11.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez mais requerem um grau de conhecimento

Leia mais

MUDAS SEM DOENÇAS: PREVENÇÃO E PROTEÇÃO. Evelyn Araujo Conqualy Consultoria Florianópolis - SC Out/2015

MUDAS SEM DOENÇAS: PREVENÇÃO E PROTEÇÃO. Evelyn Araujo Conqualy Consultoria Florianópolis - SC Out/2015 MUDAS SEM DOENÇAS: PREVENÇÃO E PROTEÇÃO Evelyn Araujo Conqualy Consultoria Florianópolis - SC Out/2015 Muda : papel fundamental na obtenção de uma planta bem formada e SADIA Qualidade sanitária das mudas:

Leia mais

Mentira: O homem não precisa plantar transgênicos Mentira: As plantas transgênicas não trarão benefícios a sociedade

Mentira: O homem não precisa plantar transgênicos Mentira: As plantas transgênicas não trarão benefícios a sociedade Como toda nova ciência ou tecnologia, ela gera dúvidas e receios de mudanças. Isto acontece desde os tempos em que Galileo afirmou que era a Terra que girava em torno do Sol ou quando Oswaldo Cruz iniciou

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

DOENÇAS DA ALFACE Lactuca sativa

DOENÇAS DA ALFACE Lactuca sativa DOENÇAS DA ALFACE Lactuca sativa Anotações de aula Profa. Marli F.S. Papa Vídeo Hidroponia: controle de doenças e pragas da alface 1. Quais as medidas que podem ser adotadas preventivamente para o controle

Leia mais

Ferrugem de Soja: Estimativas de Custo de Controle, em Passo Fundo, RS. Cláudia De Mori Leila Maria Costamilan

Ferrugem de Soja: Estimativas de Custo de Controle, em Passo Fundo, RS. Cláudia De Mori Leila Maria Costamilan Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento ISSN 1518-6512 Dezembro, 2004 32 Ferrugem de Soja: Estimativas de Custo de Controle, em Passo Fundo, RS Cláudia De Mori Leila Maria Costamilan Foto:

Leia mais

Cultura Da Mandioca (Manihot esculenta subsp esculenta)

Cultura Da Mandioca (Manihot esculenta subsp esculenta) Cultura Da Mandioca (Manihot esculenta subsp esculenta) CULTURA DA MANDIOCA (Manihot esculenta subsp esculenta) 1 - Características É um arbusto perene, pertencente à família botânica Euphorbiaceae, planta

Leia mais

Viabilidade Econômica da Cultura do Trigo, em Mato Grosso do Sul, na Safra 2012

Viabilidade Econômica da Cultura do Trigo, em Mato Grosso do Sul, na Safra 2012 174 ISSN 1679-0472 Abril, 2012 Dourados, MS Fotos - lavoura: Nilton P. de Araújo; percevejo: Foto: Narciso Claudio da Lazzarotto S. Câmara Viabilidade Econômica da Cultura do Trigo, em Mato Grosso do Sul,

Leia mais

Controle Biológico. Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@.embrapa.br. Postura no coleto. Posturas nas folhas

Controle Biológico. Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@.embrapa.br. Postura no coleto. Posturas nas folhas Controle Biológico Postura no coleto Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@.embrapa.br Posturas nas folhas Proteção Ambiental: Controle Biológico Agrotóxicos Produtividade x Saúde do Trabalhador Rural Fonte:

Leia mais

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Engº Agrº Robson F. de Paula Coordenador Técnico Regional Robson.depaula@pioneer.com Silagem de qualidade começa no campo! E no momento

Leia mais

PLANTIO DIRETO NA REGIÃO CENTRO SUL DO PARANÁ: SITUAÇÃO ATUAL, PROBLEMAS E PERSPECTIVAS

PLANTIO DIRETO NA REGIÃO CENTRO SUL DO PARANÁ: SITUAÇÃO ATUAL, PROBLEMAS E PERSPECTIVAS PLANTIO DIRETO NA REGIÃO CENTRO SUL DO PARANÁ: SITUAÇÃO ATUAL, PROBLEMAS E PERSPECTIVAS Lutécia Beatriz Canalli Eng. Agr., MSc Solos, Dra em Agronomia - Produção Vegetal Sistemas de produção sustentáveis

Leia mais

Moção do Consórcio Antiferrugem sobre o futuro do controle de doenças da soja no Brasil

Moção do Consórcio Antiferrugem sobre o futuro do controle de doenças da soja no Brasil Moção do Consórcio Antiferrugem sobre o futuro do controle de doenças da soja no Brasil Em reunião de apresentação e discussão dos resultados dos ensaios cooperativos de controle de doenças da soja, da

Leia mais

Comunicado Técnico. Multiplicação de batata- semente para uso próprio. Introdução. Arione da Silva Pereira 1 Antônio Heberlê 2 Júlio Daniels 3

Comunicado Técnico. Multiplicação de batata- semente para uso próprio. Introdução. Arione da Silva Pereira 1 Antônio Heberlê 2 Júlio Daniels 3 Comunicado Técnico 207 ISSN 1806-9185 Junho, 2009 Pelotas, RS SEMENTEIRO: Multiplicação de batata- semente para uso próprio Figura 1. Plantio de batata. Arione da Silva Pereira 1 Antônio Heberlê 2 Júlio

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE À VESPA-DA-MADEIRA. Susete do Rocio Chiarello Penteado Edson Tadeu Iede Wilson Reis Filho

PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE À VESPA-DA-MADEIRA. Susete do Rocio Chiarello Penteado Edson Tadeu Iede Wilson Reis Filho PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE À VESPA-DA-MADEIRA Susete do Rocio Chiarello Penteado Edson Tadeu Iede Wilson Reis Filho Introdução de Pragas Florestais no Brasil Globalização Turismo Internacional Fronteiras

Leia mais

Responsabilidade Técnica: Setor de Negócios e Mercado - SNM

Responsabilidade Técnica: Setor de Negócios e Mercado - SNM Responsabilidade Técnica: Setor de Negócios e Mercado - SNM 2014-2015 é a identificação das cultivares produzidas pela Embrapa. Elas são desenvolvidas visando alta produtividade e qualidade de grãos aliadas

Leia mais

DOENÇAS DAS CRUCÍFERAS

DOENÇAS DAS CRUCÍFERAS DOENÇAS DAS CRUCÍFERAS Anotações de aula Profa. Marli F.S. Papa DOENÇAS CAUSADAS POR BACTÉRIAS PODRIDÃO NEGRA. Principal doença de crucíferas cultivadas, principalmente de repolho, couve e couve-flor.

Leia mais

Doenças e Pragas da Videira. Eng. Agr. M. Sc. Gilson José Marcinichen Gallotti

Doenças e Pragas da Videira. Eng. Agr. M. Sc. Gilson José Marcinichen Gallotti Doenças e Pragas da Videira Eng. Agr. M. Sc. Gilson José Marcinichen Gallotti 1-INTRODUÇÃO DOENÇAS PARASITÁRIAS: Fungos, Bactérias, Vírus, Nematóides, etc. DOENÇAS NÃO PARASITÁRIAS: Resulta das condições

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA AGRICULTURA ANALISE DA CULTURA DO ALGODOEIRO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA AGRICULTURA ANALISE DA CULTURA DO ALGODOEIRO MUDANÇAS CLIMÁTICAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA AGRICULTURA ANALISE DA CULTURA DO ALGODOEIRO ORIVALDO BRUNINI- JOÃO PAULO DE CARVALHO VANESSA BANCHIERI CIARELLI ANDREW PATRICK C,BRUNINI INSTITUTO AGRONÔMICO

Leia mais