PD -Ai6(Y)-~~9 q 9?:. () ':1-

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PD -Ai6(Y)-~~9 q 9?:. () ':1-"

Transcrição

1 PD -Ai6(Y)-~~9 q 9?:. () ':1- r DOCUMENTO DO PROJECTO DESENVOLVTMEN'TC) DESENVOLVIMEN'TC) DE BACTAS BACIAS I-ITDRC)(3I~ICAS I-IIDRC)(3I~ICAS E TNVESTTC:;ACAO APL.ICADA (\AlARI) ) (Traducao da I Parte) Agencia Internacional para o Desenvolvimento BEST 8EST AVAILABLE COpy ~ \ I

2 PROJECTO DE DESENVOLVIMENTO DE BACIAS HIDROGRAFICAS E INVESTIGACAO APLICADA INDICE DE MATERIAS Folhas de Referencia do Proiecto Autorizacao do Projecto Mapa do Arquipelago de Cabo Verde Mapa da ilha de Santiago Mapa da Bacia Hidrografica de Ribeira Seca Lista das Siglas Sumario Executivo PAGINA 1. I. o RACIONAL DO PRO.JECT(l PROJECTO 1 1\. A. Situacao Situaccw 1 B. Panorama Geral do W1\RD WARD 1 C. Licoes Aprendidas com os Projectos Anteriores da USAID 3 D. Heldcao enll'p () WARD e a Politica da USAID 7 E. Relacao ReJacao entre o WARD e a Estrategia da Missao 8 F. ConCOrclfl.ncia ent) e a Estr'Jlegla e o PI ano do GOCV 9 E. He 1 acao entre o ~varll e as Act iv i v i dades de Outros Financiadores, II. DESCRrCAO DESCRICAO DO PROJEC1U A. Objectivos Gerais B. Propositos C. Elementos do Pro)ecto Projecto C1. Areas do Projecto C2. Estrategias Estrateqias do WARD e3. Recursos Gerados Geraclos pelo Projecto C4. Recursos Necessarios a Execucao do PI"ojecto Pn-.>jecto CS. C5. Proq,ralllacao Proqralllacao Alimentar do PL-480 C6. Conl~buicao do GOCV D. Beneficiarios,12 ' ; "..., ~, ~.c M - i

3 111. III. PLANO DE IMPLEMENTACAO 33 A. Calendario de Actividades 33 B. Plano de Formacao 34 C. Plano de Inlel'vencao e Metodos de Planeamento 37 D. Adminnistraeao Adminnistracao do Projecto 43 IV. AVALIACAO E ACOMPANHAMENTO DO PROJECTO A. Programac to ProgramacctO e Flexibi 1 I idade do WAHD B. Aval iaeoes iacoes C. Acompanhamento dos Impactos do Projecto V. CONDICOES COES E CONVENIOS A. Condicoes Precedentes B. Convenios VI. SUMARIO DE ANAL1SES ANALISES A. Agronomia e lnvestiqacao Investiqacao Aplicada D. Conservacao do Solo e Agua C. Produci'"lo FIOl'estaJ FIOl'esta] e Silvo-pastoricia Silvo-pastorícia D. Aspectos Sociais E. Institucional F. Economico e Financelro Finance1ro E. Ambienlal VII. ESTIMATIVA DE cu~.rros CU~)TOS DO PLANO FINANCEIRO 62 A. Estimativa de Custos B. Calendario das Despesas Anuais C. Calendaria Calendario das Ohl'igacoes Anuais Anuaís M... 11

4 Anexos Anexo A Anexo B Anexo e C Anexo D Ol"ganj zacao Logicô i c.: FC1X de AprovacC1ü do PlD P1D 611 (e) Cel~t j ficado f i Ana 1 i ses TAcnicas Dl D1. Agn inomi.. a e 1 I nvest i gacao Ap 1 i cada 1)2. Conservil,coo Conservil,ci)o dn Solo e Agua Aqua DJ. D J. F 1 lu!'eslaco1u (l r p s L a c <"I u e Ac ro-f A Cp' (!.. f IOJ"estacao I o e s t a (.' a o D4. Aspeclos Sociais DS. Institucional 1)6. Economico D7. AlfIlüental Anexo E Anexo F Hequisitos n/g par'l paril d ASs1stAnCli3. Lista Estatutaria de nefel'encia Anexo Ci 13 i b 1 j ocjr(1 f ] <1 <i Anexo H Anexo 1 I F'rocesso Processo do f'ro; f'roi pcto Acto e Mell1bros da Equi ~Vl ressoas COIlLflctéldas Anexo,J Quadro P p FicflH FicllH as do Documento de Projecto Anexo K Qupstoes Pendenb")s do PID PlD 1M -111

5 ~PB"DICB 3~. Polha Folha 1 Capitulo 3. Manual 3 (TM BNCIl J.GE"CU IMTBRUCIONJ.!. IMTERUCIO"J.!. PU10 PUJ. O OBSBNYOLYIMB"TO OBOB"YOLYIMB"TO 1. l. CODIGO DB TR~"S~C~O TR~"O~C~O DOCUMBNTO FOL"1o FOLHJ. OB DB D10008 DJ.D08 DO PROJBCTO A - ~dlclon.. r "u... ro de Bllenda CODIOO CODIGO 110' IJ.' C - Mudar 3 D - LIMPJ.R LIMP10R ;-:-iwiiiiioñoprojicto ;-:-iwiiiiioõõmiõjbcto PU8/E"TIDJ.OB PU8/BNTID1oOB CJ.BO YBROE YBRDE 16: ~-BURB ü OPlcIO ~-TITÜLo-ii -PR JECTO ~-BURBiü/ÕPÍCÍÕ ~-TÍTÜLÕ-ÕÕ-PRÕJECTÕ APRIC10 APRICJ. DBSBNYOLYIMB"TO DESB"VOLVIMB"TO DB B1oCI1oS BJ.CIJ.O "IDROGRAFIC1oS HIDROGRlFICJ.O 1 I E IHYBSTIGJ.ClO IHYBSTIG1oCAO 1oPLIC1oDA J.PLICJ.DA ~D TiDiC :~u::01o:b-i{i9iotrhci1o-i - ;R JRCT -( ;iciil-:;--:-j)i;.l-rotimiiliobobniqic O o----- ~DiTiOiCõii:~u::0J.:B-ÃããiOTEHCIJ.-iõ-PRÕJECTÕ-(PiCÕl-:;--:-ÕÃTl-EÕTIMiõiDBOiÃIQic;:O O /30/<101 /09/30/<101 A. FY Inicial Inlclftl 91!l. Il. Trh Trlo... "tre 4 C. FY Final Finai 9~' ii.cuiitob CURTOS -'(.-- ü-rquivalentrs-si--:-----)----o o -'('Oü-RõuiVALENTRS-si--:-----)----o o -o----o primeiropy -o----o primeirõpy DURACAODOPROJBC; :O---- DURACAÕOOPROJBC:ro---- J.. POHTB DE PINAHCIAMBNTO PINAHCIAMENTO II.Fl! JI.Fl! C. L/C LIC D. Totol E. PI F.L/C G. Total (iillpre t 1110) o Outroe Outro., 1. U.S. U Pal" Palll Ko"p.d~ Outroe Outro., Doedoren 1 o PLANO DE FIN"NCIAMENTO FINANCIAMENTO DA "ID AIO (tooo) CtOOO) ~ PROPRi c O--8~PROP 8iTO--C~coiiic -TEC"~--ñ~08RioACOBB--B~OÜ ÑTiii iib-i ;RoviiiA--F~OÜRicAO-iiO-PROJRCTO i~iprõpriiciõ--8~prõpõõitõ--c~cõõicõ-tec"~--õ~õ8riõicõbõ--b~õüi"tiõiõb-iprõviõi--f~õüriciõ-õõ-prõjrctõ PRIMARIO 10 PRIMARIO ATE A DATA BSTA ACCAO CODI(lO CODIGO 1.Don.2.Bllpr... 1.Don. 2.E p. 1.Donatlvo 2.Ellpre"tlll"...." I.Donatlvo 2.Bllprelltlll0.. pre"tlllo (ll-of ~ ~ODO (ll-õfi i õ7õ ~6õõ ~õõõ (2) (3) (4) TOTA TÕTi i -- ii-- 1 I I ~coiiio08-tbcñicob-8 CÜÑO Ri õ~cõõiõõõ-tbc"icõõ-õrcü"õiri ñil------, õjj------, II. conloo COOJOO DE PROP061TOB PROP06ITOB BRCUNDARIOB < '12:"" COD I (los G08 B8PEC BSPBC I ii ã--o o o-o-o----o----" fj o o o_o_o o_ ---" 0-- _.. _o _-0_0- J.. CODIOO CODIGO!lRW IlRlI!l1.11 Ill.1I RI AO ENV BNV INTR I.AII "VOU I'YOU B. CUANTIDADE QUANTIDADE i,:--piiiii:íõiõii-õõ-prõjiictõ i,:--piiiilliiiiiil-do-projiicto I Retorcar Retorcftr ft capacidad. capacidade da dft O(lC8PBR OGC8PBR na conducfto conducoo de actlvidadeb ftctlvldadeb de CSA. C8A. i Retorcar a capacidad. capacidade do INIA na Inv~"tI9.cao de BIBt... li.ft culturalb eulturalb e varl~tai8. vftrl~tal". I Retorclr fl fi. cnordenacllo entl"'e tui tnl'ltitujcoes do OOCV no desenvolvj.. ento de recurnolj natural., e!, 00rtcol«tII. i 4~-C 4~-ci LiÑoiR~2-ii i:iiiõir~2-õ il::y Llicoi~:--:: :: ii::yilíicõi~:--:: :: --:: y;~-foilti/or -FÔ"Ti/ÕR Io ii-iii-jiiñs-i-airvicoa-i õilii-iii-iiinã-i-ãirvicõã- Interl / /08/9~1 Final 108/ ~ 11 Local 11 II Outro" OutroB i6~-iliiil iii8 Ñ TuRilzi-o ii-iiüo Ñc ii-- ;RoroBTiii i6~-iiiiiiiiõiõ/iiituriizi-õiã-iiüõi"ciã--prõrõõtiã oPROYAOO 17.J.PROYADO POR ase:tnetura John W. Jone.. Funcao Funeao Ha quftlldade qualidade do reftpr.b.ntant~ reftprebftntant~ d. da AID Oat. Data de AIIBlnatura Mil MM 00 U Al 109/30/ ATA 18.DATA DA RBCBPCAO RRCBPCAO 00 OOCUMBNTO BII BM 1oIO/W J.IO/lI OU OATA DATA DB DR DI6TRIBUI DISTRIBUI ClO CAO 009 DOCUMBHT09 DOCUMRHT09 OJ. 010 AID/W. Mil MM OD AA U 1 I 1 / I

6 (USAID em CABO VERDE' EMBAIXADA AMERICANA Office oc of the A.I.D. Repreaentatlve OAR/Cape Verde ~USÁID (INTERNATlONAL ADDRESS) USAID / Pral. Praia Tel. TeJ C.P. 201 Pral., Praia, Cabo Verde (U.S. MAIL ADDRESS, OA.R. O.A.R. Sta«Penon Pral. Praia (ID' Washington D.C MEMORANDUM DE ACCAO PARA A ACTUACAO DO REPRESENTANTE DA AID, CABO VERDE DE: Oficia] Saulters HespOllSClve] pe lo Dl?senvto 1 vimen to Gera 1. l. Wi 11 j. e C. ASSUNTO: Desenvolvimento e Pesquisa Aplicada nas Bacias HidrograficCls ele Cabo Velde (6~5-0017) Autorizacao de Projecto l. I. J!...!;_r;;.!35'- ProQ.º-st.ª-: Pro.Q.º-st.ª-:!<pqllPremos I<pqllPremos a aprovacao da V. Excia. para uma doacao Idoacao de oon dnlü! es PS nos rios Fundos di? Desenvolvimento Desenvolvirnento para a II 1I conta )conta de aprõiji"-iacao aprc.; Ji"-iacao em Afl'ica para_o_.asslult.o..do projecto. Esta II 1/ planeado que do] a.res dãcfl"le da-q"cle 1 es fundos se jam9.~~~.dq.s em FY d",s\'c'"i'"c,dn\, A. Descricao: Este projecto da continuidade as actividades de ~\)-.dois projectos bem suc'pdjdo~3 no ambito da cooperacao bilateral biláteral \ AID/Cabo Verde; A avaliacao comhinada destes dois pro~ectos levados Tevados a cabo ern em,janeiro/fevereiro de recornendaram recomendaram a combinacao destes dais dois projectos sob a adrninistrac~o administrac~o de PVO/Universidade e alterando as prioridades da instituica0 para suporte institucional e para aumento da producao sustentaçla sustentaq.a com coro enfa.se numa bacia hidrografica selecionada se1ecionada da ilha d Santiago. A~~ Ape.sar dos Fundos da DFA. DPA. cerca de dolares doiares prove~iente dã"--venda d-a"-'venda de produtos ele a juda alimentar sera usado para o projecto WARD. B. Os object i vos gera.i.. '3 de ass i stenc i a no quadro do WARD e de aumentar a producüo agricola auto-sustentada em Cabo Verde e. concornitantemente. concomitantemente. aumentar as receitas dos produtores. Os propositos do projecto sao 1) reforcar torear a capacidade da Direccao Geral da Conservacao do Solo. Floresta e Engenharia Rural para continuar as actividades de conservacao do solo e agua com maior enfase na productividade. 2) reforcar a capacidade de investigacao do Instituto Nacional de Investigacao Agraria nas areas de investigacao em terrenos de cultura. sistemas culturais/gestao de agua e acompanhamento/avaliacao e 3) reforcar a articulacao entre as instituicoes governamentais responsaveis pelas areas dos recursos naturais e desenvolvimento agricola. ~I

7 C. Os recurs~~_~i-ª-ºos_.12~j o_l)ro.leclo i nc 1 uirao: Conservacao do so 1 o P agua nas areas de cu 1 tura, pr.0.i pa lmente ij. #J. atraves da melhoria dos metodos culturais nas encostas. Conservacao 'do solo e agua, principalmente atraves de construcao de estruturas protectoras. fl00estacao e agro-florestacao. usando frentes de lrabu.lho trabu.lho pagas com receitas provenientes da comercializacao da ajuda alimentar. Oesenvolvimento Desenvolvimento das onjas irriqu.veis pela abertura de pocos e construcao de canais e obt-as de diversao (l5a~ para estabe~ecer a ligacao entre os terrenos de cultura e os recursos em agua. Reforcar a capacidade das instituicoes de conse17vacao, investigacao e extensao. Criacao de um sistema de acompanharnento acompanhamento e avaliacao para rygistar os progressos e avaliar os impactos das actividades do projecto no meio ambiente e na populacao de Cabo Verde. 7 D. Recursos necessar:f2:~ (project inputs) serao provenientes de urna doacao da OFA DFA de 9 nlilhoes de dolares. urna uma contribuicao aproximada de 8.4 milhoes de dolares do GOCV em moeda local gerado pela comercjalizacao do Titulo 11 II Programa de Ajuda AJuda Alimentar e uma contribuicao em generos do GOCV no valor de 1.4 milhoes de dolares. Os recursos necessarios a execucao do projecto projecto inclujrao a assitencia tecnica e formacao a curto e a 10ngo longo prazo. aquisicao d equiparnentos equipamentos e mercadorlas durante os sete anos da vida do projecto. O desembolso dos fundos sera feito atraves de uma assinatura de acordo com um PVO e/ou Universidade. Um PVO dos Estados Unidos implementara um programa separado plurianual de comercializacao Titulo II com o grosso gerado pela moeda local indo para duas contas separadas destinadas a jmplementacao das actividades do projecto WARO. WARD. Estas contas separadas ficarao sob a responsabi 1 idade do GOCV e do pvo~ue) X implementadora do l'ro<..:rrnma Titulo 11. II. E. Sumario Financeiro: Primeiro Ano VOP (LOP) USG - OFA Assistencia Tecnica Formacao Equipamentos/mercadorias Outros , Sub-total ," I

8 G. Cons ideracao Espec t~j Embora elegivel para 22 CFR exclusao recomenda-se qué quê ti um acompanhamento dos impactos ambientais resultante das actividades sejam levados a cabo simultaneamente com a implementacao do projecto atra0es de um sistema de acompanhamento/mitigacab para minimizar possiveis efeitos adversos e qara~tir a salva~ e 'I-. '1-. seguranca das populacoes rurals rurais pobres. III Denuncias Nao l"equer idas v. R~~9~~~1ªcao: Uue V. Excja assina em baixo este mernorandum. a Fo 1 I ha de He r erenc i,3. PP pp e a Autori zacao do Projecto.,:. e por consegu.i nt.e arroye aprove urna Doacacl de Projecto de 9 mi 1 hoes de 1;.-' \;J do 1 ares para o Proiecto ele Desenvo 1 vimento de Bac i as 'Hidrograficas e Investigacao Aplicada (WARD) que foi submetido a cr.s,ç1.. ~ -{ _~.1}_~"'so. pelo _~.1}_~,..S.C}. pelo Director d,:) HEDSO/WCA em l\bidjan (16912). datado de 26 de Setembro de Heprovado: Anexa-se: 1. Autorizacao do Projecto 2. Documento do Projecto Como observado no texto

9 (USAID (USAm em CABO VERDE) EMBAIXADA AMERICANA Office oc oe the tbe A.I.D. Repre.entatlve OAR/Cape Verde ~USAID (INTERNATIONAL ADDRESS) USAm USAID / Prala Praia Tel C.P. 201 Prala, Praia, Cabo Verde (U.S. MAIL ADDRESS) O.A.R. StaJf Penon Prala Praia (ID) W.. hington D.C AUTORIZACAO DO PROJECTO Nome do P,:t p,:!. is: i S : Nome do ProjpcLo: Projecto: Numero do Projeclo: Projecto: Cabo Verde Projecto de Desenvolvimento de Bacias Hidrograficas e Investigacao Aplicada 655-0U17 1. Hetomanclo a ~::-;eccito -196 /j96 du Acta de Ass:istenclo Estrangeira de de acordo com a emenda. emendo.. por esse meio. autorizo o Projecto de DesenvolvHllprd:o de Bacias Hidrograficas Hidrogro.fico.s e Invest rnvest igacao igaco.o Ap 1 j cad a (o" Pt'o i ecto" ) para a Hepub 1 I i ca de Cabo Verde (GOCV ou "o [loador"). Doador"). envolvendo obrigacoes planeadas que na o excedarn excedam os <::) mil hoes elll em dona t j vo;") VO;'3 (a" Doo.cao") Doacao") para um per iodo i oda de sete anos. dois meses a partir da data de autorizacao. sujeita sujeita a disponibilidade de fundos de acordo com o processo de OYB/atribuicao da AlI). p~ra aiudar no financiamento de troca de moedas estrangeiras e 10cais locais para o Projecto. O lempo tempo de vida do projecto (LOPl (LOPI esta r1allp Hje' rlallpchje' poro ~,ete unos a part.ir da data da obriaacao inicial. ). O r'r() iecto C'oné-; i is s t t' Ilii ljii -'lss ijs::=: j s lene tenc 1 () ao l~uc\! e ilo POYO povo de Cabo Caho VenJe!lO despnv(11vjrol::~tlto de urna acll"icultura. sustentada a traves de: 1) apo i o C()f1 l j nuado as med i clads de conservacao do solo e agua dentro e fora foro. das al"eas ay'eas de cultura, 2) investigacao aplicada em conservacao do solo e agua. hidrologia. sistemas culturais, melhoramento rnelhoramento de variedades culturais e agroflorestacao. 3) formacao de quadros nacionais nas areas de conservacao do solo e da agua. 4) Apoio ao GOCV em reforcar a capacidade dos servicos de extensao agricola para educar agricultores em tecnicas apropriadas de conservacao do solo e agua, e 5) desenvolver sistemas adequados para seguir os impactos das actividades de conservacao do solo e agua. O Projecto financiara custos de equipamentos/mercadorias. assistencia tecnica e servicos de consultoria consultaria nos Estados Unidos, no pais hospede e llum Ilum tercelro pais. seminarios e outros se~vicos necessarios para alcancar os objectivos do projecto. 3. O Acordo de Doacao do Projecto que pode ser negoci~do e executado pelo oficial a quem tal autoridade ~delegada de acordo com os regulamentos da AID e delegacoes de autoridade, e~tarao sujeitos aos seguites termos essenciais, convenios e principais condicoes. juntamente com outras outros termos e condicoes que a AID achar mais conveniente.

10 a. Ponte Fonte e Od.gel~l da Aquisicao de Equipamentos/Mercadorias, Nacionalidade de Servicos Os equipamentos e mercadorias financiados pela USATD USAID no quadro do I Projecto terao as suas fontes tontes e origem nos paises do Codigo Geografico 9'35 da ArD, AID, a!lao Ilao ser que haja um acordo escrito da ATD AID prevendo o contrario. Contudo, todos os veiculos adquiridos no quadro do projecto ter.3o ter.30 a SlIô SIUl fonte e origem nos Estados Unidos. A excepcao do transporte maritimo, as pecas sobresselentes p acessorios de equipamentos ou servicos terao de sel- adquiridos nos paises incluidos no Codigo Geografico 935 da ArD AID assim crnno a nacionalidade, a nao ser que a ArD AID tenha d.cordado i:lcordado o contrar i o. Tn:tnsport Tn:l.nsport es mar i timos t f i nanc nane i ados pe 1 I a AID ArD [ no Quadro do Projeclo Projecto tera que ser feito sqmente em barcos de paises incluidos no Cc.digo Cc. ligo Gef1qrFtfic() 935. a él nao ser que a ArD AID de o seu )cordo,)cordo em cni1ll"'-jl-j cni1ll'-'-jl-j n por (~!~"("r.l (~!~"('r.l Lo. to. b. Cond Conei i caes coes r'l"ecedentes r'l'ecedentes (1) Primeiro Desembolso. Antes de qualquer desembolso ou entrega pela ]\J[J d.~t documenl3c,)o. de conformidade com o qual o desembolso sera feito, o donatarlo donatario fornecera ao ArD, AID, salvo jndicacao em contrarjo por escl~jto, eln em forma de substancia satisfatoria, o seguinte: a) Governo Projeeto Projecto pessoa. Urna Uma declaracao em nome da pessoa representante do de Cabo Verde para propositos de implement~cao do WARD, conjunlamente eorn com uma assinatura exemplar.de cada b) l~a declaracao confirmando que o Conselho Coo~denador do Projecto WARD tenha sido designado. juntamente com os nomes das pessoas que i nteqram o Canse Conse ho e bem ass im o 'nome do respectivo Presidente. e) c) Urna Uma declaraeao declaracao confirmando que uma canta conta especial foi aberta. conjuntamente com o numero de conta, para deposito das receitas do PL 400 que serao usadas relo INIA para suportar os compromissos de formacao e de investiqacao do Projecto WARD. C. Convenios O Donatario recomenda que: (1) Os individuos formados no quadro do Projecto WARD tornar-se-ao membros dos quadros do INIA ou da DGCSFER apos a conclusao da formacao. a nao ser que a qualidade do seu trabalho se mostre insatisfalorio. fl i, '

11 (2) Os edificios edifícios do Ministerio de Desenvolvimento Rural e Pescas construidos no quadro do projecto (WDP) manterao ate a presente data um inverltario dos registos. recibo de documentos. uso e despesas dos equipamentos financiados pela AID. (3) O Ministerio do Desenvolvimento Rural e Pescas assegurara que todos os equipmentos e bens adquiridos no. quadro do Projecto de Investigacao Agricola (FCR) e de Desenvolvimento de Bacias Hidrograficas (WDP) ficarao disponiveis para o'pessoal recrutado erutado para implementar o projecto WARD. (4) Os fundos concedidos por doacao. doaeao. os bens ou 5ervicos financiados no quadro das doacoes nao poderao ser usado~ para a compra. aplicacao. transporte ou armazenamento de pesticidas que nao tenham sido aprovados pela Agencia de proteccao do Meio Ambiente para o fim particular para o qual terao que ser usados. (5) O Ministerio do Desenvolvimento Rural e Pescas e a administracao do projecto esforcar-se-ao esforear-se-ao para melhor acompanhar. avaliar. e mitigar quaisquer impactos adversos sobre o ambiente que resultam das actividades do Projecto. Assinado por John W. Jones Na qualidade do representante da AID Cabo Verde ~9/.30/91 Espacos como mostrado no Memorandum de Accao Aecao

12 dados sobre CABO VERDE 22'OOwg I r OCI0\NO 11 Tl.. ANnCO II Tl.. ÀNnCO ~.~!OO v~~~". 5.\ "'1" \(;0 S.\ "'1" \(;0 \1.\ 10 A TERRA: ATERRA: Km Km 1 ArQuipélago origem vulcanlca Arquipélago origem vulcãnlca Compreende Compreendc as "has ilhas de: (Are;) CIII Kl1Il) /larlllvenlo: SIO. Anl S. ViL'l'IIIt' 22i S. Luzla LUZia (Are;) CIII K11I2) Barlllvento: 510. Anião S. ViL'l'IIIl' 22i S. NlcolJU S. NlcolJU Sal /l. V'SIJ V'SIJ Sotavenlo: MalO MaiO Sanliago Fogo Brava - 67 BEST AVAILABLE COPY

13 'I '1 ILHA DE SAN TlACO " I~' 1\' OJ ~," '" 1 I -,.' ~,"---' 'i : BEST AVAILABLE COPY

14 S "- L / 'j _. - -_._- _._.- - _._-~--_._- : --~. -- I! ' _.RIBEIRA SECA M?cati 1670 lõ _ '- Montanha Poilão Poi!;~o le es ês LOfljut?:rJ --_.. ~ - o

15 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS AID CBWT CDP DeSEA DCSEA DGCSFER DGER DGFA DGP D:3F EMPA EOPS FAO FAP FCRP F:3R & E GEP Agencia Internacional para o Desenvolvimento Frentes de Trabalho Comunitario Centro de Desnvolvimento da Pecuaria recuaria Departamento de Ciencias Sociais e Economia Agraria Direccao Geral De Conservacao do Solo Florestas e Engenharia Rural Direccao Geral Geyal de Extensao Rural Direccao Geral de Fomento Aorario Aarario Direccao Geral da Pecuaria recuaria Direccao dos Servicos Florestais Empresa Publica ele Abastecimento Pim Fim da Situacao Juridica do Projecto Organizacao das Nacoes Unidas para Agricultura e Desenvolvimento Empresa de Fomento Agro-pecuario Projecto de InvesLiqacao Agricola Sistema de Investigacao e Analise das Exploracoes, Agricolas Gabinete ele Esludos e Planeamento GIS Sjs~tema Geografico Internacional GOCV Governo de Cabo Verde

16 GRA IFAD INC IRR ISNAR ITCZ JRH LOP MDP MDRP MIS NGO PACD Pl~ICV PlD PL 480 PLI PMU pp rvo Gabinete de Reforma Agraria Fundo Internacional par a Agricultura e Desenvolvimento In'stituto Nacional de Cooperativas Taxa Interna de Receitas Servico Internacional para a Investigacao Agricola Nacional Zona de Coverqencia lnter-tropical Junta dos Recurssos Hídricos Duracao do Projecto Movimento para a Democracia Ministerio para o Desenvolvimento Rural e Pescas Gestao do Sistema de Informacao Organizacao nao Governamental Data da Conclusao das Actividaders do Projecto Partido Africano para a Independencia de Cabo Verde Documento de ldentificacao do Projecto Lei Publico 480 (do Congresso dos Estados Unidos) Impacto ao Nivel das Populacoes Unidade de Gestao do Projecto Documento do Projecto Organizacao Voluntaria Privada

17 RAP RD & E Programa de Assistencia Rural (do WDPl Investigacao. Desenvolvimento e Extensao REDSO/WCA Gabinete dos Servicos de Desenvolvimento Economico Regional para a Africa Central e Ocidental SAI SOW SWC TA USAID WAFtD WDP Sheladia Associates. Inc. Ambito dos Trabalhos Conservacao do Solo e Agua CeSA) Assistencia Tecnir;a Agencia dos Estado Unidos para o Desenvolvimentio Internacional Desenvolvimento de Bacias Hidrograficas e Investigacao Aplicada Projecto de Desenvolvimento de Bacias Hidrograficas

18 PROJECTO DE DESENVOLVIMENTO DE BACIAS HIDROGRAFICAS E INVESTIGACAO APLICADA SUMARIO EXECUTIVO A. ponat~rio - Governo de Cabo Verde (GOCV) B. ~genciª-i!!!~:!i!~i}tc!gºj::_ª - Ministerio do Desenvolvimento Rural e Pescas (MDRPI USG - Assistencia ao Desenvolvimento $9,000,000 /:r~ :' GOCV +- Assistencia Tecnica Formacao Equipamentos e Acessorios Despesas Operacionais Avaliacao Externa e Auditoria Adminjstracao do Projecto Imprevisto PL 48U 4, ,244,00 L015,00 389, , , $8,443,000 Pagamento de Frentes de Trabalho Formacao in loco ---_._----..,-_.. -- Custos locais ligados ao Projecto Contribuicao do GOCV Financiamento Total (LOP) 7.248, , ,000 $ $18,843,000 D. Outubro, Setembro, 1998 E. Ob j e c t i os _.~Pr<~lLQej.t 9_ê PACD 30 de Setembro Os objectivos de assistencia tecnica dos E.v.Ano quadro do WARD e de aumentar a producao agricola sustentada em Cabo Verde e. concomitantemente, aumentar as receitas dos produtoies. A producao agricola compreende areas regadas e de sequeiro. forragens. pecuaria e florestacao/produtos agro-florestais~ \~

19 SUMARIO EXECUTIVO - 2 Os objectivos especificos do projecto sao: 1. Reforcar a capacidade da Direccao Geral de Conservacao do Solo. Floresta e Engenharia Rural e seu instituto sucessor na continuacaodas actividades de conservacao do solo e agua com mais enfase na produtividade agricola. 2. Reforcar a capacirlade do Instituto Nacional de Investigacao Agraria e seu sucessor para a investigacao nas areas de cultura. sistemas culturais/gestao de ag~la e avaliacao/acompanhamento. 3. Reforcar a articulacao entre as instituicoes governamentais em areas de recursos naturais e agricultura acima referidas. o WARD prestara assistencia tecnica em tres areas principais: conservacao do solo e agua. investigacao agricola. extensao e florestacao. e agro-florestacao. Todas estas areas sao importantes para uma producao agricola auto-sustentada em Cabo Verde. Actividades multi-disciplinares de planeamento. investigacao e desenvolvimento serao levadas a cabo na Bacia llidrografica de Ribeira Seca. para testar as tecnologias e metodologias extrapolaveis. O aumento de produtividade agricola sera enfatizada atraves de: 1) aperfeicoamento das medidas de conservacao do solo e agua nos terrenos de cultura. 2) sistemas culturais e gestao de agua usando uma metodologia de ens~ios de adaptacao em terrenos de cultura. 3) e melhoramento dos metodos de consociacao de arvores. arbustos e patagens nos sistema~ agroflorestais e silvo-pastoris. As actividades do WARD estenderao tambem a outras bacias hidrograficas de Santiago e restantes ilhas atraves de assistencia tecnica a instituicoes (fotmacao. assistencia tecnica e importacao de equipamentos). As actividades de conservacao do solo e agua serao báseadas em projectos e aplicacao de sistemas de uso de terras que preservam ou me I horam a fer~ i I idade",,: I "~ ",Jl capac idade de retencao dos so 1 os para a agua. Prat 1 cas &1' 'Eur_~_~j's que reduzem perdas de solo. tais como sebes vivas---em sistemas agro-florestais. afolhamentos e cultura em curvas de nivel serao incentivadas. Construcoes de pequenos diques em tributarios e linhas de agua principais. acumularao e aumentarao a profundidade dos sedimentos retidos e armazenarao alguma agua. Irrigacao em pequena escala sera desenvolvida para propositos de demonstracao construindo dispositivos de diversao. pocos. canais de rega e outras estruturas na bacia hidrografica selecionada. O WARD continuara a suportar as actividades de florestacao plantando mais tres milhoes de arvores em 12 bacias

20 SUMARIO EXECUTIVO - 3 hidrograficas. As actividades de florestacao serao fomentadas integrnndo a invesligacuo aplicada com novas especies de arvores. arbustos e pastagens para utilizacao em fabo Verde. A agrof lorestacao. a producl1o de frutos. e o d~vol vimento da si 1 vo--x pastoricia serao fomentadas alraves do apoio ao desenvolvimento de tecnologias nestas areas. trabalhando com o pessoal de extensao para assegurar a participacao dos agricultores. e conduzindo estudos no uso dos produtos florestais e alternativas de oportunidades de mercado. As actividades do WARD em conservacao do solo e agua e floresta serao complementadas por aceoes de investigacao 'levadas a cabo pe lo INIA. Estudo das t.ecn i cas cu I tura is no,terreno relativos a culturas regadas e de sequeiro. praticas de gestao de agua. e variedades adaptadas. visarao aumentar a producbividade por unidade de area cultivada. A capacidade de acompanhamento e avaliacao sera desenvolvida tendo em vista a quantificdcao dos impactos das actividades orientadas para a melhoria da producao agricola sustentada. Finalmente. a articulacao inves~igacaoextensao sera aperfeicoada atraves de cursos de formacao para aijentes de extensao e envo I vendo-os plenamente no proce'sso de transferencia de tecnologias e nas actividades de investigacao. I' O projecto sera implementadopelét a. combinacao dai,?,iorganizacao privada dos voluntarios (PVO) e/ou por uma Universidade no quadro de um acordo de cooperacao. Um PVO sera tambem engajado no projecto atraves da administracao do programa PL 480. Titulo II e, possivelmente, os servicos de extensao. O papel dum PVO(s) no projecto sera posteriormente definido. logo que as propostas do Titulo II tenham sido recebidas e revistas pelo OAR de Cabo Verde, o GOCV, e REDSO/WCA. G. Antecedentes O projecto WARD representa uma sintese da estrategia de desenvolvimento da USAID iniciada no ambito dos dois projectos de assistencia tecnicn - o Projecto de Investigacao Agricola e o Projecto de Desenvolvimento das Bacias Ilidrograficas. O WARD representa uma grande viragem na evolucao dos projectos de assistencia tecnica Am Cabo Verde. O projecto reconhece que a producao agrlcola esta intimamente ligada e dependente da gestao dos recursos naturais e que a viabilidade do sector agricola nao pode ser obtida sem a concorrencia de outros factores. O WARD propoe que os resultados positivos obtidos dos projectos anteriores sejam utilizado~ para melhorar a producao agricola de uma forma ecologicamente sa e numa base auto-sustentada. O WARD incorpora as actividartes de extensao directamente nas actividades da bacia hidrografica piloto e prestara apoio institucional a um nivel mais global atraves da formacao de tecnicos. que servirao as necessidades de investiqacao e de extensao de Cabo Verde.

21 .. f3umario EXECUTIVO - 4 Consorcio: A longo prazo Especialista de Bacias Hi.drograficas/Chefe de equipa Agronamo. Especialista de Bacia Hidrografica Pedologista 6.5 pessoas/ano 5.5 pessoas/ano 2.0 pessoas/ano A curto prazo Perioc1ico Regular 60 pessoas/mes 29 pessoas/mes USAID: Administrador do Projecto 7.0 pessoas/ano I. Sumario._ _ Tecnico de Resultados.._---_._.~-_.... _-- As actividades para conservar o solo e agua em Cabo Verde datam desde a independencia. Muitas destas actividades centram-se na criacao de intra-estruturas de controlo de erosao e reflorestacao que continuam a ser executadas e financiadas pela a USAID. Apesar destes esforcos a erosao do solo continua a um '; nivel tal que poe em risco a agricultura auto-sustentada. Para II) F evi tal" esta tendencia o WARD encorajara 2.EL... assistencia aos I! agricultores na implemenlacao de praticas culturais adequadas: terracos ew curvas de ni ve 1. agro-f 1 oresi-ácao. a fo 1 hamento. aperfeicoamento das densidades de sementeira. etc. Atraves da EOP espera-se a participacao dos agricultores nos tratamentos dos terrenos das encostas usados na agricultura na Bacia Hidrografica da Ribeira Seca. e numa quantidade de terras significante nas outras b.3.cias. As actividades de conservacao do solo e agua em Cabo Verde tem consistido na construcao duma variedade de pequenas e grandes estruturas para reduzir o escoamento superficial e reter sedimentos. Tendo em conta as estruturas ja construidas e a discutivel eficacia de algumas. WARD reduzira gradualmente a construcao de novas estruturas. Algumas estruturas importalltes e em perigo de serem destruidas serao sobre-elevadas e reconstruidas.

MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL

MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL PROGRAMA NACIONAL DE LUTA CONTRA A POBREZA (PNLP) PROGRAMA DE LUTA CONTRA A POBREZA NO MEIO RURAL(PLPR) C.P. 236, Praia, Tel.: 238/61-36-50,

Leia mais

A Reforma Institucional em curso do Sector da Água e do Saneamento em Cabo Verde

A Reforma Institucional em curso do Sector da Água e do Saneamento em Cabo Verde A Reforma Institucional em curso do Sector da Água e do Saneamento em Cabo Verde Por: António Pedro B. BORGES Coordenador da Comissão de Reforma do Sector da Água e Saneamento MAHOT - Praia, Cabo Verde

Leia mais

O que é a adaptação às mudanças climáticas?

O que é a adaptação às mudanças climáticas? Síntese da CARE Internacional sobre Mudanças Climáticas O que é a adaptação às mudanças climáticas? As mudanças climáticas colocam uma ameaça sem precedentes a pessoas vivendo nos países em desenvolvimento

Leia mais

Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS

Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS Um bom plano de divulgação deverá assegurar que todos os envolvidos estão a par do que está a ser proposto e do que irá acontecer

Leia mais

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011 ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE E O GOVERNO DA AUSTRÁLIA Novembro de 2011 Acordo de planeamento estratégico para o desenvolvimento Timor-Leste Austrália

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência MAPEAMENTO DE PARTES INTERESSADAS (PARCEIROS E DOADORES) Termos de Referência 1. Contexto O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) tem vindo a trabalhar em Moçambique desde os meados dos anos 90 em áreas-chave

Leia mais

Tendo em conta a sua Resolução, de 9 de Outubro de 2008, sobre como enfrentar o desafio da escassez de água e das secas na União Europeia 2,

Tendo em conta a sua Resolução, de 9 de Outubro de 2008, sobre como enfrentar o desafio da escassez de água e das secas na União Europeia 2, P6_TA(2009)0130 Degradação das terras agrícolas na UE Resolução do Parlamento Europeu, de 12 de Março de 2009, sobre o problema da degradação das terras agrícolas na UE e particularmente no Sul da Europa:

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

6º Fórum Mundial da Água

6º Fórum Mundial da Água 6º Fórum Mundial da Água A gestão integrada de recursos hídricos e de águas residuais em São Tomé e Príncipe como suporte da segurança alimentar, energética e ambiental Eng.ª Lígia Barros Directora Geral

Leia mais

Jornadas Técnicas de Água e Saneamento da África Sub-Saheliana Apresentação da Situação de Abastecimento de Água e Saneamento em Cabo Verde

Jornadas Técnicas de Água e Saneamento da África Sub-Saheliana Apresentação da Situação de Abastecimento de Água e Saneamento em Cabo Verde Jornadas Técnicas de Água e Saneamento da África Sub-Saheliana Apresentação da Situação de Abastecimento de Água e Saneamento em Cabo Verde ABRIL DE 2009 Índice Apresentação da ELECTRA, SA Papel da empresa

Leia mais

Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020

Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020 Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020 PDR 2014-2020 do Continente Cláudia Costa Diretora Adjunta do Gabinete de Planeamento e Políticas

Leia mais

A Agência de Tecnologia da República Checa e os seus programas

A Agência de Tecnologia da República Checa e os seus programas A Agência de Tecnologia da República Checa e os seus programas A CRIAÇÃO E O LANÇAMENTO DAS ACTIVIDADES DA TA CR A fundação da Agência de Tecnologia da República Checa (adiante designada TA CR ) foi um

Leia mais

SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL

SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL A última reforma da política agrícola comum (PAC) manteve a estrutura em dois pilares desta política, continuando o desenvolvimento rural a representar

Leia mais

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Isabel Dinis, ACTUAR Lisboa, 3 de Junho de 2010 ACTUAR - ASSOCIAÇÃO

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural Guião de Programa de Rádio e Televisão Tema: Redução de Emissões de Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+) Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante

Leia mais

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1

climáticas? Como a África pode adaptar-se às mudanças GREEN WORLD RECYCLING - SÉRIE DE INFO GAIA - No. 1 Como a África pode adaptar-se às mudanças climáticas? Os Clubes de Agricultores de HPP alcançam dezenas de milhares ensinando sobre práticas agrícolas sustentáveis e rentáveis e de como se adaptar a uma

Leia mais

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Seminário Turismo Sustentável no Espaço Rural: Experiências de Sucesso em Portugal e na Europa Castro Verde - 06 de Março 2013 Joaquim

Leia mais

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO 6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO José Rafael Marques da Silva (1) e Luís Leopoldo Silva

Leia mais

Banco Interamericano de Desenvolvimento CICLO DE PROJETOS. Representação no Brasil Setor Fiduciário

Banco Interamericano de Desenvolvimento CICLO DE PROJETOS. Representação no Brasil Setor Fiduciário Banco Interamericano de Desenvolvimento CICLO DE PROJETOS Representação no Brasil Setor Fiduciário Ciclo de projetos Cada projeto financiado pelo BID passa por uma série de etapas principalmente as de

Leia mais

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030.

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. O acordo sobre uma meta do Objectivo de Desenvolvimento Sustentável relativamente ao acesso universal

Leia mais

GPA Cabo Verde 2013. SHORTLIST - Categoria Energias Renováveis e Eficiência Energética PRÉMIO VENCEDOR. Educação Ambiental - Eficiência Energética

GPA Cabo Verde 2013. SHORTLIST - Categoria Energias Renováveis e Eficiência Energética PRÉMIO VENCEDOR. Educação Ambiental - Eficiência Energética GPA Cabo Verde 2013 SHORTLIST - Categoria Energias Renováveis e Eficiência Energética Menção Honrosa Cabeólica S.A. Escola de Negócios e Tecnologias de Cabo Verde Energia Eólica Educação Ambiental - Eficiência

Leia mais

Seção 2/E Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem

Seção 2/E Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem Seção 2/E Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem www.bettercotton.org Orientação Text to go here O documento Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem da BCI proporciona uma estrutura para medir as mudanças

Leia mais

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 10 janeiro 2007 Original: inglês P

Leia mais

I.INTRODUÇÃO 1.1 CONTEXTO E JUSTIFICAÇÃO

I.INTRODUÇÃO 1.1 CONTEXTO E JUSTIFICAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA RECRUTAMENTO DE UM CONSULTOR INDIVIDUAL A CARGO DE REALIZAÇÃO DO PERFIL DE GÉNERO EM AGRICULTURA DAS ZONAS DE INTERVENÇÃO DO PRIASA I.INTRODUÇÃO 1.1 CONTEXTO E JUSTIFICAÇÃO O Projeto

Leia mais

WP Board No. 980/05 Rev. 1

WP Board No. 980/05 Rev. 1 WP Board No. 980/05 Rev. 1 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café 12 janeiro 2006 Original: inglês Projetos/Fundo

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 1 INOVAÇÃO Ação 1.1 GRUPOS OPERACIONAIS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

Agricultura Presente, um Projecto com Futuro

Agricultura Presente, um Projecto com Futuro Direcção Regional de Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo Agricultura Presente, Agricultura Presente, um Projecto com Futuro um Projecto com Futuro (LVT) 4.878 projetos aprovados Investimento

Leia mais

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010 Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo Data de Apresentação:14 de Abril de2010 1 Agenda 1 SIFIDE 2 Internacionalização 3 Investimento Produtivo 2 Incentivos Fiscais SIFIDE

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO (PALÁCIO DE VIDRO LUANDA AV. 4 DE FEVEREIRO, 7 ) 0 BEM VINDOS A CONFERÊNCIA E EXPOSIÇÃO IPAD ANGOLA 1 PALESTRA SOBRE PROGRAMA DE CONEXÃO DAS ZONAS REMOTAS COM AS GRANDES CIDADES-

Leia mais

A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3

A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3 1 / 1 A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3 ... os recursos petrolíferos devem ser alocados à constituição de reservas financeiras do Estado que possam ser utilizadas, de forma igualitária e equitativa,

Leia mais

HIDRÁULICA APLICADA II

HIDRÁULICA APLICADA II HIDRÁULICA APLICADA II PARTE I 1 SUMÁRIO 1. GENERALIDADES 2. CICLO HIDROLÓGICO 3. BACIA HIDROGRÁFICA 5. INTERCEPÇÃO, EVAPORAÇÃO E EVAPOTRANSPIRAÇÃO 6. ESCOAMENTO DE SUPERFÍCIE 2 1 Originada na camada inferior

Leia mais

Capítulo 15. Impactos Cumulativos

Capítulo 15. Impactos Cumulativos Capítulo 15 Impactos Cumulativos ÍNDICE 15 IMPACTOS CUMULATIVOS 15-1 15.1 INTRODUÇÃO 15-1 15.1.1 Limitações e Mitigação 15-1 15.1.2 Recursos e Receptores Potenciais 15-3 15.2 IMPACTO CUMULATIVO DA ZONA

Leia mais

Capítulo 5-Análise das políticas agrícolas

Capítulo 5-Análise das políticas agrícolas Capítulo 5-Análise das políticas agrícolas Políticas de Preços e de Rendimentos Análise das políticas agrícolas Objectivos Analisar os mecanismos de política agrícola: Primeiro classificar os instrumentos

Leia mais

Uso de Energia de combustíveis fósseis como principal culpado do Aquecimento Global

Uso de Energia de combustíveis fósseis como principal culpado do Aquecimento Global Alterações Climáticas e Energia Três pontos de vista: Uso de Energia de combustíveis fósseis como principal culpado do Aquecimento Global Impactos ambientais dos sistemas de produção de Energia de origem

Leia mais

Emprego e Formação Profissional

Emprego e Formação Profissional (%) Emprego e Formação Profissional Panorama: Maio 2010 Emprego: taxa de desemprego a 13,1% em 2010 O Instituto Nacional de Estatística, INE, apresentou os resultados da primeira fase do Inquérito ao Emprego

Leia mais

CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA. Concurso. Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto

CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA. Concurso. Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto Concurso 2015 CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA PROJECTO APRESENTADO PARA EFEITO DE APRECIAÇÃO E RESPECTIVO

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

ESTUDO SOBRE A CONTRIBUIÇÃO DOS ANE NA ÁFRICA OCIDENTAL QUESTIONÁRIO PARA OS ACTORES NÃO ESTATAIS

ESTUDO SOBRE A CONTRIBUIÇÃO DOS ANE NA ÁFRICA OCIDENTAL QUESTIONÁRIO PARA OS ACTORES NÃO ESTATAIS ESTUDO SOBRE A CONTRIBUIÇÃO DOS ANE NA ÁFRICA OCIDENTAL Ele diz respeito aos Actores Não Estatais (ANE): ONG, centros de pesquisa, sindicatos, Câmaras de Comércio, organizações do sector privado,... O

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros DECRETO nº.../07 de... de... Considerando que as aplicações pacíficas de energia atómica assumem cada vez mais um papel significativo no desenvolvimento

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

ACORDO QUE INSTITUI O LABORATÓRIO EUROPEU DE BIOLOGIA MOLECULARA

ACORDO QUE INSTITUI O LABORATÓRIO EUROPEU DE BIOLOGIA MOLECULARA Resolução da Assembleia da República n.º 31/98 Acordo Que Institui o Laboratório Europeu de Biologia Molecular, concluído em Genebra em 10 de Maio de 1973, no âmbito do Acordo Relativo à Criação da Conferência

Leia mais

TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO [27] TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO 1. Nos últimos anos a maioria dos países enfrentou grave crise econômica, que gerou um grande

Leia mais

Guia de Solicitação da APC 2015

Guia de Solicitação da APC 2015 Governo do Japão PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA A PROJECTOS COMUNITÁRIOS DE SEGURANÇA HUMANA (APC) Guia de Solicitação da APC 2015 1. OBJECTIVOS 2. ORGANIZAÇÕES QUALIFICADAS 3. ÁREAS DE COBERTURA DO PROGRAMA

Leia mais

Instituto Nacional de Irrigação. A Perspectiva das Instituições Contratantes 31 de Maio de 2013

Instituto Nacional de Irrigação. A Perspectiva das Instituições Contratantes 31 de Maio de 2013 Instituto Nacional de Irrigação 31 de Maio de 2013 Estrutura da apresentação I. Reforma do subsector de irrigação em Moçambique II. O INIR - Instituto Nacional de Irrigação 1. Objectivos 2. Organização

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

Investir na ação climática. investir no LIFE PANORÂMICA DO NOVO SUBPROGRAMA LIFE AÇÃO CLIMÁTICA 2014-2020. Ação Climática

Investir na ação climática. investir no LIFE PANORÂMICA DO NOVO SUBPROGRAMA LIFE AÇÃO CLIMÁTICA 2014-2020. Ação Climática Investir na ação climática investir no LIFE PANORÂMICA DO NOVO SUBPROGRAMA LIFE AÇÃO CLIMÁTICA 2014-2020 Ação Climática O que é o novo subprograma LIFE Ação Climática? Em fevereiro de 2013, os Chefes de

Leia mais

Compromissos na educação

Compromissos na educação Compromissos na educação Comentário Paulo Santiago Direcção da Educação e das Competências, OCDE Ciclo de Seminários Sextas da Reforma Lisboa, 23 de Maio de 2014 Organização do Banco de Portugal, do Conselho

Leia mais

Aplicação da ferramenta Invest para identificação de Áreas de Risco de Contaminação no âmbito do Plano de Segurança da Água

Aplicação da ferramenta Invest para identificação de Áreas de Risco de Contaminação no âmbito do Plano de Segurança da Água Aplicação da ferramenta Invest para identificação de Áreas de Risco de Contaminação no âmbito do Plano de Segurança da Água João Guimarães Dezembro/2012 60 anos Brasil 1988 32 países 3.500 funcionários

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

(c) Activos biológicos relacionados com a actividade agrícola e produto agrícola na altura da colheita (ver a NCRF 17 - Agricultura).

(c) Activos biológicos relacionados com a actividade agrícola e produto agrícola na altura da colheita (ver a NCRF 17 - Agricultura). NCRF 18 Inventários Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 2 - Inventários, adoptada pelo texto original do Regulamento (CE) n.º 1126/2008

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2002 E 2001 FUNDO BRASILEIRO PARA A BIODIVERSIDADE - FUNBIO

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2002 E 2001 FUNDO BRASILEIRO PARA A BIODIVERSIDADE - FUNBIO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2002 E 2001 FUNDO BRASILEIRO PARA A BIODIVERSIDADE - FUNBIO FUNDO BRASILEIRO PARA A BIODIVERSIDADE - FUNBIO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2002

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO. CAPÍTULO I Das disposições gerais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO. CAPÍTULO I Das disposições gerais UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I Das disposições gerais ARTIGO 1 (Denominação, natureza jurídica e finalidade) O Centro de Biotecnologia,

Leia mais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais Área: Território - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais - Dinamização da Exploração dos Recursos Naturais para Actividades Culturais e Turísticas - Localização Geográfica

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 09.03.2001 COM(2001) 128 final 2001/0067 (ACC) VOLUME IV Proposta de DECISÃO DO CONSELHO Relativa à posição da Comunidade no Conselho de Associação sobre a

Leia mais

PEGADA HÍDRICA EM PORTUGAL

PEGADA HÍDRICA EM PORTUGAL Resumo do relatório Water Footprint in Portugal WWF Mediterrâneo, 2010 O Problema: uma pegada demasiado elevada O Relatório Planeta Vivo 2008 da WWF demonstra que o uso insustentável da água é um problema

Leia mais

Conceitos Básicos para Avaliação de Impactos Ambientais. [Kemal Vaz] [2 F 10:15 11:15]

Conceitos Básicos para Avaliação de Impactos Ambientais. [Kemal Vaz] [2 F 10:15 11:15] Conceitos Básicos para Avaliação de Impactos Ambientais [Kemal Vaz] [2 F 10:15 11:15] Revisão: Definição da AIA A avaliação do Impacto Ambiental (AIA) é Um processo formal para identificar: Efeitos esperados

Leia mais

RECURSOS NATURAIS SISTEMA ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA H RECURSOS NATURAIS - ATMOSFERA. Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 A-A-1

RECURSOS NATURAIS SISTEMA ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA H RECURSOS NATURAIS - ATMOSFERA. Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 A-A-1 RECURSOS NATURAIS SISTEMA ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA H RECURSOS NATURAIS - ATMOSFERA Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 A-A-1 Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1-H-2 RECURSOS NATURAIS (ATMOSFERA)

Leia mais

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental I. Contexto Criada em 1996, a reúne atualmente oito Estados Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Geraldo Resende) Estabelece a Política Nacional de Captação, Armazenamento e Aproveitamento de Águas Pluviais e define normas gerais para sua promoção. O Congresso Nacional

Leia mais

19ª Edição FIC Feira Internacional de Cabo Verde Ilha de S. Vicente Cidade do Mindelo Laginha 18-22 de Nov.

19ª Edição FIC Feira Internacional de Cabo Verde Ilha de S. Vicente Cidade do Mindelo Laginha 18-22 de Nov. 19ª Edição FIC Feira Internacional de Cabo Verde Ilha de S. Vicente Cidade do Mindelo Laginha 18-22 de Nov. Stop-over Ilha de Santiago Cidade da Praia 16-17 de Nov. Proj. Conjunto Internacionalização PT2020

Leia mais

Banco do Brasil. Programa ABC

Banco do Brasil. Programa ABC Banco do Brasil Programa ABC Junho de 2015 Plano ABC Conceito Crédito orientado para promover a redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) na agricultura, conforme preconizado na Política Nacional

Leia mais

SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão

SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão Chegar a acordo sobre definições de qualquer tipo pode ser uma tarefa de pôr os cabelos em pé, e um desperdício de tempo. Normalmente requer compromissos por parte

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ

PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ Carteira de Agronegócios Projetos Propostos Teresina, PI novembro 2013 SUMÁRIO Características atuais dos principais setores de agronegócio piauiense

Leia mais

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 25.6.2009 SEC(2009) 815 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO que acompanha a COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Demonstração

Leia mais

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA 3. DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Neste último sub-capítulo do diagnóstico procurar-se-ão cruzar as diversas componentes analisadas nos pontos anteriores, numa dupla perspectiva: Análise externa - a avaliação

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

RUMO AO FUTURO QUE QUEREMOS. Acabar com a fome e fazer a transição para sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis

RUMO AO FUTURO QUE QUEREMOS. Acabar com a fome e fazer a transição para sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis RUMO AO FUTURO QUE QUEREMOS Acabar com a fome e fazer a transição para sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis O futuro que queremos não se concretizará enquanto a fome e a subnutrição persistirem,

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

As diversas etapas indispensáveis à sua realização são as que passamos a descrever:

As diversas etapas indispensáveis à sua realização são as que passamos a descrever: Sistema de Aconselhamento Agrícola Trata-se de um sistema que é composto por serviços de aconselhamento agrícola e que visa fundamentalmente consciencializar e ajudar os agricultores a cumprirem as normas

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES CICLO DE PALESTRAS E DEBATES PLC PROGRAMA Nº 30/11 NOVO PRODUTOR CÓDIGO FLORESTAL DE ÁGUA Ã NO GUARIROBA Á COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA DO SENADO FEDERAL Devanir Garcia dos Santos Gerente

Leia mais

Kuala Lumpur, Malásia

Kuala Lumpur, Malásia ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE, KAY RALA XANANA GUSMÃO,, NO FÓRUM SOBRE OPORTUNIDADES DE COMÉRCIO E INVESTIMENTO EM TIMOR-LESTE Kuala Lumpur,

Leia mais

CERSA. Centro de Referência em Segurança da Água. José Manuel Pereira Vieira Professor Catedrático da Universidade do Minho

CERSA. Centro de Referência em Segurança da Água. José Manuel Pereira Vieira Professor Catedrático da Universidade do Minho Brasília 16 a 18 de março de 2015 CERSA Centro de Referência em Segurança da Água José Manuel Pereira Vieira Professor Catedrático da Universidade do Minho CERSA Projecto de futuro ao serviço da saúde

Leia mais

Visita de Estudo ao Perímetro Florestal da Serra do Marão. Março de 2010 UTAD. Desenvolvimento Rural

Visita de Estudo ao Perímetro Florestal da Serra do Marão. Março de 2010 UTAD. Desenvolvimento Rural Março de 2010 UTAD Visita de Estudo ao Perímetro Florestal da Serra do Marão Desenvolvimento Rural Nuno Novais nº34001 Cláudio Lourenço nº 33999 André Ferreira nº34842 Luís Resende nº35462 Introdução O

Leia mais

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Institui a Política Estadual dos Serviços Ambientais e o Programa Estadual de Pagamento por Serviços Ambientais, e dá outras providências. CAPÍTULO

Leia mais

Região Autónoma da Madeira

Região Autónoma da Madeira Região Autónoma da Madeira Área () km 2 801,0 Densidade populacional () Hab/Km 2 309,0 População residente (31.12.) Nº 247.568 População < 15 anos Nº 42.686 População > 65 anos Nº 32.188 Taxa conclusão

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003

PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003 COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003 Institui o Programa Nacional de Apoio aos Produtos Nativos do Cerrado e dá outras providências. Autor: Deputado

Leia mais

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ Acordo de Doação Nº TF016192 TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL DE LONGO

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA MONITORAMENTO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES DESENVOLVIDOS POR MEIO DE TÉCNICAS DE NUCLEAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DOS TERMOS

Leia mais

Voluntariado Ambiental para a Água

Voluntariado Ambiental para a Água Voluntariado Ambiental para a Água Gestão Participada dos Recursos Hídricos na RH do Algarve Paula Vaz Voluntariado Ambiental para a Água 1. ARH do Algarve, I.P. 2. Voluntariado Ambiental para a Água Enquadramento

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA ILHA DE SANTIAGO

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA ILHA DE SANTIAGO GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA ILHA DE SANTIAGO O processo de criação de um sistema intermunicipal e o desafio da sua viabilização Gilberto SILVA Sumário 1. O quadro legal e institucional de gestão

Leia mais

Oportunidades de Investimento no Sector Agrario em Mocambique

Oportunidades de Investimento no Sector Agrario em Mocambique Oportunidades de Investimento no Sector Agrario em Mocambique Apresentado pelo Director do Centro de Promoção da Agricultura Abdul Cesar Mussuale Turino, Fevereiro 2012 Estrutura de Apresentacao I. Informacao

Leia mais

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO FUNDO COMUM PARA OS PRODUTOS BÁSICOS (FCPB) BUSCA CANDIDATURAS A APOIO PARA ATIVIDADES DE DESENVOLVIMENTO DOS PRODUTOS BÁSICOS Processo de

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

AGRO 728 & PEDIZA II PROJECTO. Introdução

AGRO 728 & PEDIZA II PROJECTO. Introdução PROJECTO AGRO 728 & PEDIZA II Instituições Intervenientes UE - Universidade de Évora - Dep. de Eng.Rural. COTR - Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio ESAB - Escola Superior Agrária de Beja. ATOM

Leia mais

AVALIAÇÃO FINAL. Projeto CVE/056. Apoio ao Plano de Desenvolvimento Sanitário da Região de Santiago Norte

AVALIAÇÃO FINAL. Projeto CVE/056. Apoio ao Plano de Desenvolvimento Sanitário da Região de Santiago Norte AVALIAÇÃO FINAL Projeto CVE/056 Apoio ao Plano de Desenvolvimento sanitário da Região de Santiago Norte DADOS SINTÉTICOS País Título longo do projeto Título curto do projeto Código LuxDev Cabo Verde Apoio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE RIO DE JANEIRO (UFRRJ) Tópicos em Manejo de Bacias Hidrográficas

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE RIO DE JANEIRO (UFRRJ) Tópicos em Manejo de Bacias Hidrográficas UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE RIO DE JANEIRO (UFRRJ) Tópicos em Manejo de Bacias Hidrográficas Professeur: R. Valcarcel PROJETO: MANEJO DA BACIA HIDROGRAFICA DO RIO BARETTE, Petit-Goave Goave, Ouest, HAITI.

Leia mais

Ministério da Agricultura

Ministério da Agricultura Ministério da Agricultura ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA CAPÍTULO I Natureza e Atribuições Artigo 1.º (Natureza) O Ministério da Agricultura, abreviadamente designado por MINAGRI, é o órgão

Leia mais

1 Criação de uma bolsa anual de árvores para oferta

1 Criação de uma bolsa anual de árvores para oferta Floresta Comum, Qual o objectivo principal do Floresta Comum? O objectivo? O Floresta Comum, é um programa de incentivo à reflorestação com a floresta autóctone portuguesa. Para a concretização deste objectivo,

Leia mais

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem;

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem; SIPIE SISTEMA DE INCENTIVOS A PEQUENAS INICIATIVAS EMPRESARIAIS FICHA DE MEDIDA Apoia projectos com investimento mínimo elegível de 15.000 e a um máximo elegível de 150.000, que visem a criação ou desenvolvimento

Leia mais

Termos de Referência para Análise das Plataformas das Organizações da Sociedade Civil que trabalham na gestão de recursos naturais em Moçambique

Termos de Referência para Análise das Plataformas das Organizações da Sociedade Civil que trabalham na gestão de recursos naturais em Moçambique Termos de Referência para Análise das Plataformas das Organizações da Sociedade Civil que trabalham na gestão de recursos naturais em Moçambique I. Introdução Nos últimos anos, uma das principais apostas

Leia mais

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural MEDIDA 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural 2. Enquadramento Regulamentar Artigo

Leia mais

PROGRAMA DE GARANTIA BETTER COTTON

PROGRAMA DE GARANTIA BETTER COTTON PROGRAMA DE GARANTIA BETTER COTTON O TRABALHO COM INDICADORES DE RESULTADOS APLICÁVEL A PARTIR DA COLHEITA DE 2014 ORIENTAÇÃO Este documento contém orientações sobre as metodologias a serem utilizadas

Leia mais

Diários Financeiros em Moçambique. 29 de Outubro de 2014

Diários Financeiros em Moçambique. 29 de Outubro de 2014 Diários Financeiros em Moçambique 29 de Outubro de 2014 1 Agenda 1. O que são Diários Financeiros? 2. O Estudo em Moçambique 3. Alguns Resultados 4. O que Esperamos Aprender 2 O que são diários financeiros

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Os "fundos de confiança" como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa

Os fundos de confiança como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa Os "fundos de confiança" como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa César Jaramillo Avila - aurbana@quito.gov.ec Coordenador do Programa Municipal de Agricultura Urbana da

Leia mais

Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013

Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013 Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013 Francisco Avillez (Professor Emérito do ISA, UTL e coordenado científico da AGR.GES) 16 de Abril de 2013 1. Evolução do pinheiro bravo

Leia mais