PNCT Programa Nacional de. Enfermagem em Saúde Pública Enfermeira Deborah Cecília

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PNCT Programa Nacional de. Enfermagem em Saúde Pública Enfermeira Deborah Cecília"

Transcrição

1 PNCT Programa Nacional de Controle da Tuberculose Enfermagem em Saúde Pública Enfermeira Deborah Cecília

2 PNCT Considerações Gerais Pneumotórax Manuel Bandeira Febre, hemoptise, dispnéia e suores noturnos, / A vida inteira que poderia ter sido e não foi. / Tosse, tosse, tosse. / Mandou chamar o médico. / Diga trinta e três. / Trinta e três... trinta e três... trinta e três... / Respire / O senhor tem uma escavação no pulmão esquerdo / e o pulmão direito infiltrado. / Então doutor, não é possível tentar o pneumotórax? / Não. A única coisa a fazer é tocar um tango argentino

3 PNCT Considerações Gerais Emergência mundial desde /3 da população mundial está infectada. Metas: O objetivo do PNCT é cumprir a metas O objetivo do PNCT é cumprir a metas mundiais de controle da tuberculose, ou seja, localizar no mínimo 70 % dos casos estimados anualmente para tuberculose e curar no mínimo 85% destes

4 Panorama Epidemiológico 8,5 milhões de casos novos / ano no mundo. 3 milhões de mortes / ano no mundo; Brasil: notifica-se casos / ano. Desses, são casos novos. Morrem 6 mil pacientes / ano. Atinge todos os grupos etários, mas principalmente homens, entre 15 e 54 anos.

5

6 DEFINIÇÃO A tuberculose é uma doença infecciosa e contagiosa, causada por um microorganismo denominado Mycobacterium tuberculosis, também denominado de bacilo de Koch (BK).

7 MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS tosse acompanhada de escarro purulento (amarelo-esverdeado) Hemoptise febre, sudorese noturna, astenia, anorexia e perda de peso. Eventualmente dispnéia e dor torácica.

8 Agente Etiológico Mycobacterium tuberculosis Tem aspecto de bastonete delgado,ligeiramente curvo Não apresenta cílios ou flagelos Não forma esporos Não produz toxinas É estritamente aeróbico Exerce parasitismo intracelular (facultativo) É álcool-ácido resistente gram positivo

9 BAAR Esfregaço de escarro pela técnica de Ziehl- Neelsen. Bacilo adquire a cor vermelha Álcool Ácido BAAR Fucsina: bacilo não sofre descoramento Azul de metileno: cor de fundo do esfregaço

10 Outras espécies Mycobacterium bovis M. africanum M. microti

11 MODO DE TRANSMISSÃO Através da tosse, fala e espirro PERÍODO DE INCUBAÇÃO A maioria dos novos casos ocorre nos dois primeiros anos após a infecção inicial. PERÍODO DE TRANSMISSIBILIDADE Enquanto não inicia tratamento. QUANDO DEIXA DE TRANSMITIR APÓS O INÍCIO DO TRATAMENTO: 2 semanas

12 TUBERCULOSE EXTRA-PULMONAR Pleural Ganglionar Osteoarticular Genitourinária Intestinal Peritonial Pericárdia TB do Sistema Nervoso Central Ocular Cutânea 85% ADULTOS Pulmão: 90% FEP: 10% 15% CRIANÇAS Pulmão: 75% FEP: 25%

13 TB EXTRAPULMONAR

14 DIAGNÓSTICO CLÍNICO BACTERIOLÓGICO CULTURA RADIOLÓGICO COMPLEMENTARES

15 DIAGNÓSTICO CLÍNICO Sintomas + História epidemiológica Ter tido contato, intradomiciliar ou não, com uma pessoa com tuberculose; Apresentar sintomas e sinais sugestivos de tuberculose pulmonar tosse seca ou produtiva por três semanas ou mais, febre vespertina, perda de peso, sudorese noturna, dor torácica, dispnéia e astenia; História de tratamento anterior para tuberculose; Presença de fatores de risco para o desenvolvimento da TB doença (Infecção pelo HIV, diabetes, câncer, etilismo).

16 BACILOSCOPIA Vantagens Simplicidade Rapidez Baixo custo Desvantagens Necessidade de grande número de bacilos no material examinado ( / ml) Identifica o microrganismo apenas como bacilo álcool-ácido resistente

17 BACILOSCOPIA INDICAÇÃO: Todos os sintomáticos respiratórios. pacientes que apresentem alterações pulmonares na radiografia de tórax e contatos de tuberculose pulmonar bacilíferos quando sintomático respiratório.

18 COMO FAZER: Coleta de duas amostras de escarro: a primeira é coletada quando o sintomático respiratório procura o atendimento na unidade de saúde, para aproveitar a sua presença e garantir a realização do exame (nãoénecessárioestaremjejum),e a segunda é coletada na manhã do dia seguinte, logo que o paciente despertar.

19 ORIENTAÇÕES GERAIS Amostra ideal: proveniente da árvore brônquica. 5 a 10 ml de secreção. Conservação: Protegido da incidência direta de luz solar. Temperatura ambiente: 24h Refrigerado ( +2 a +8 C ): por até 7 dias. Pote descartável, boca larga, transparente, devidamente identificado.

20 Mais... A baciloscopia é utilizada como controle da terapêutica implementada e deve ser repetida no 2⁰, 4⁰ e 6⁰ mês.

21 CULTURA DO ESCARRO Indicada para: suspeitos de tuberculose pulmonar com baciloscopia repetidamente negativa, diagnóstico de forma extrapulmonares, como meníngea, renal, pleural, óssea e ganglionar diagnóstico de todas as formas de tuberculose em paciente HIV positivo. casos de tuberculose com suspeita de falência de tratamento casos de retratamento para verificação da farmacorresistência nos testes de sensibilidade;

22 EXAME RADIOLÓGICO DE TÓRAX Auxiliar no diagnóstico Permite medir a extensão das lesões e avaliar a evolução clínica do paciente ou de patologias concomitantes;

23 PPD

24 PROVA TUBERCULÍNICA -PPD Auxiliar no diagnóstico. Indica apenas a presença da infecção e não é suficiente para o diagnóstico da doença; A tuberculina utilizada é: PPD RT23, VIA ID, TERÇO MÉDIO DA FACE ANTERIOR DO ANTEBRAÇO ESQUERDO DOSE: 0,1 ml - equivalente a 2UT ( unidades de tuberculina). CONSERVAÇÃO: +4⁰C e +8⁰C NÃO PODE SER CONGELADA NÃO PODE SER EXPOSTA A LUZ SOLAR DIRETA

25 PPD Interpretação dos Resultados Circunstâncias que podem interferir:idade (< 3 meses e > 65 anos), caquexia, HIV/AIDS, neoplasmas, sarcoidose, uso de corticóides ou de outras drogas. Leitura: 72 a 96 horas, com régua milimetrada, o maior diâmetro transverso da área de endurecimento palpável. RESULTADO CLASSIFICAÇÃO INTERPRETAÇÃO 0 mm a 4 mm NÃO REATOR Indivíduo NÃOINFECTADO pelo M. tuberculosisou com hipersensibilidade reduzida. 5 mm a 9 mm REATOR FRACO Indivíduo vacinado com BCG ou INFECTADO pelo M. tuberculosisou por outras micobactérias. 10 mm ou mais REATOR FORTE Indivíduo infectado pelo M. tuberculosis, que pode estar doente ou não, e indivíduos vacinados com BCG nos últimos dois anos.

26 OUTROS Exame anatomopatológico (histológico e citológico) Indicado nasformas extrapulmonares, através de realização de biópsia; Exames bioquímicos Mais utilizados nas formas extrapulmonares, em derrame pleural, derrame pericárdico e líquido cefalorraquidiano em meningoencefalite tuberculosa. Exames sorológicos e de biologia molecular Úteis, mas seus altos custos e complexidade os inviabilizam como exames de rotina.

27 TB PULMONAR CONFIRMADA QUANDO: duas baciloscopias diretas positivas; uma baciloscopia direta positiva e cultura positiva; uma baciloscopia direta positiva e imagem radiológica sugestiva de tuberculose; duas ou mais baciloscopias diretas negativas e cultura positiva;

28 Ambulatorial Supervisionado UBS TRATAMENTO Antes de iniciar tratamento: realizar orientações gerais. TDO: Tratamento Diretamente Observado OBJETIVOS: 1. Aumento da adesão 2. Descoberta de novas fontes de infecção 3. Aumento da cura

29 DROGAS USADAS ISONIAZIDA H RIFAMPICINA R PIRAZINAMIDA Z ETAMBUTOL E Em 2009 o Comitê Técnico do PNCT recomendou a inclusão do Etambutol na primeira fase do tratamento para o caso novo.(cçasfazemoesquemaantigo)

30 TRATAMENTO ESQUEMAS DE TRATAMENTO: SITUAÇÃO Caso novo sem tratamento anterior (VT) ou caso novo c/ trat. anterior e cura há mais de 5 anos OU com tratamento anterior: Recidiva após cura com o Esquema I Retorno após abandono do Esquema I ESQUEMA INDICADO ESQUEMA I ( BÁSICO ) Tuberculose meningoencefálica ESQUEMA II

31 ESQUEMA BÁSICO ( PARA CRIANÇAS 2RHZ/4RH) FASE1 2 MESES -RHZ FASE 2 4 MESES -RH R -RIFAMPICINA H -ISONIAZIDA Z PIRAZINAMIDA R RIFAMPICINA H- ISONIAZIDA

32 ESQUEMA I ( BÁSICO ) 2 RHZE / 4RH ( adultos e adolas) Indicado nos casos novos de todas as formas de tuberculose pulmonar e extrapulmonar, EXCETO MENINGOENCEFALITE, infectadas ou não pelo HIV. Retratamento: recidiva ou retorno após abandono. FASE1 R -RIFAMPICINA 2 MESES -RHZE H -ISONIAZIDA Z PIRAZINAMIDA E-ETAMBUTOL FASE 2 4 MESES -RH R RIFAMPICINA H- ISONIAZIDA Obs.: as drogas deverão ser administradas preferencialmente em jejum sob supervisão, em uma única tomada, ou, em caso de intolerância digestiva, junto com uma refeição;

33 ESQUEMA II 2RHZE/7RH -INDICADO PARA TUBERCULOSE MENINGOENCEFÁLICA ADULTOS E ADOLAS FASE1 2 MESES -RHZE FASE 2 7 MESES -RH R -RIFAMPICINA H -ISONIAZIDA Z PIRAZINAMIDA E- ETAMBUTOL R RIFAMPICINA H- ISONIAZIDA Siglas: R - Rifampicina H - Isoniazida Z Pirazinamida E - Etambutol

34 ESQUEMA II 2RHZ/7RH -INDICADO PARA TUBERCULOSE MENINGOENCEFÁLICA CRIANÇAS FASE1 2 MESES -RHZ FASE 2 7 MESES -RH R -RIFAMPICINA H -ISONIAZIDA Z PIRAZINAMIDA R RIFAMPICINA H- ISONIAZIDA Siglas: R - Rifampicina H - Isoniazida Z Pirazinamida E - Etambutol

35 IMPORTANTE!!!!! ESTÃO ABOLIDOS OS ESQUEMAS I R e III

36 QUIMIOPROFILAXIA TB ou TRATAMENTO DA INFEÇÃO LATENTE RN coabitante: não deve ser vacinado / Administrar ISONIAZIDA (H) por 3 meses /após realizar PROVA TUBERCULÍNICA. PT>OU=5mmmanterHpormais3meses.Se PT<5mm:vacinarcomBCGeinterromperH. Adultos e Adolescentes (> 10 anos): ISONIAZIDA ( H) 180 DOSES. Considerar IDADE/ PROBABILIDADE DE INFECÇÃO LATENTE E RISCO DE ADOECIMENTO.

37 MEDIDAS DE PREVENÇÃO BCG Não oferece proteção absoluta Recomenda-se vacinar Os recém-nascidos, sempre que possível na maternidade, desde que tenham peso igual ou superior a 2kg e sem interferências clínicas. Observação: Os recém-nascidos contatos de tuberculosos bacilíferos farão previamente a quimioprofilaxia, conforme exposto no item que trata desse procedimento preventivo. Os recém-nascidos, filhos de mães com aids. Crianças soropositivas para HIV ou filhos de mães com aids, desde que sejam tuberculino-negativas e que não apresentem os sintomas dessa síndrome. Os vacinados nessas condições deverão ser acompanhados pela vigilância epidemiológica, nas unidades de referência para aids. Contatos de doentes com hanseníase.

38 BCG bacilo de Calmette & Guérin atenuação do Mycobacterium bovis, apresentada em ampolas com múltiplas doses. Rigorosamente intradérmica Braço direito, na altura da inserção inferior do músculo deltóide. DOSE: 0,1 ml Indicação: cças 0-4 anos. Obrigatória < 1 ano;

39 VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA AÇÕES

40 CASO SUSPEITO Suspeito - Indivíduo com sintomatologia clínica sugestiva: tosse com expectoração por 3 ou mais semanas, febre, perda de peso e apetite, ou suspeito ao exame radiológico, com imagem compatível com tuberculose.

41 Vigilância Epidemiológica O principal objetivo da V. E. é a descoberta precoce dos casos novos em especial dos bacilíferos, por serem esses pacientes a principal fonte de infecção de TB na comunidade. Vigilância de Casos O SINAN é o sistema nacional adotado para o registro e processamento de dados de notificação e acompanhamento da tuberculose. Ações: Registrar os Sintomáticos Respiratórios na rede de laboratórios pelo Sistema de Informação Laboratorial de TB -SILTB e contactantes examinados nos sistemas de informação (SINAN);

42 CONTATOS COABITANTES. O QUE FAZER? Baciloscopia do escarro. Prova tuberculínica nos contatos. Exame radiológico. DEPENDENDO DO RESULTADO: ORIENTAÇÃO OU QUIMIOPROFILAXIA (TRATAMENTO DA INFECÇÃO LATENTE)

43 MEDIDAS DE PROTEÇÃO Medidas Administrativas Medidas Ambientais EPI s

44 ATENDIMENTO AMBULATORIAL PCTE BACILÍFERO os sintomáticos respiratórios - Uso de máscaras cirúrgicas (máscaras comuns) ao entrarem na Unidade de Saúde e durante o tempo em que nela permanecerem; os profissionais de saúde que estejam na mesma sala de tais pacientes devem usar máscaras especiais (respiradores N95), desde que não haja ventilação adequada no local; no setor de atividades de hospital-dia, os pacientes com tosse há mais de quatro semanas devem permanecer no local usando máscara comum o tempo todo; quando as medidas de engenharia não estiverem funcionando no recinto em que o paciente se encontra, este deve ser orientado a usar máscara especial(n95);

45 TÊ QUE INFIMMMMMM!!!

46 QUESTÕES DE PROVA!! (CAM. DEP FCC) 44. Um dos desafios no controle da tuberculose é impedir que o paciente abandone o tratamento, levando o bacilo que causa a doença a criar resistência aos produtos. Apesarde ter cura e de o Sistema Único de Saúde (SUS) fornecer a medicação contra a doença, a tuberculose acomete 85 mil pessoas a cada ano no Brasil, levando cerca de 6 mil a óbitos. Para isso, o Ministério da Saúde adota uma proposta de intervenção que aumenta a probabilidade de cura dos doentes em função da garantia do tratamento assistido, contribuindo para a interrupção da transmissão da doença. A estratégia de controle da tuberculose recomendada internacionalmente, é: A) fracionar as doses dos medicamentos nos três primeiros meses de tratamento. (B) adotar a aplicação de BCG intramuscular a toda população exposta a doença. (C) investir e incentivar os casos recém diagnosticados e desistir dos faltosos. (D) investir no DOTS tratamento diretamente supervisionado para a tuberculose. (E) internar todos os casos bacilíferos, tratando todos os comunicantes com o esquema I (um), em 03 (três) meses.

47 (CAM. DEP FCC) 62. Os medicamentos Rifampicina, Isoniazida e Pirazinamida são indicados como forma de tratamento da: (A) tuberculose. (B) hanseníase. (C) meningite meningocócica. (D) esquistossomose. (E) febre maculosa.

48 (PREF. FLORIANÓPOLIS, SC, 2009, UFSC)39. A tuberculose é uma doença infecto contagiosa causada por uma bactéria que afeta principalmente os pulmões, mas também pode ocorrer em outros órgãos do corpo, como ossos, rins e meninges (membranas que envolvem o cérebro). Sobre a tuberculose, é correto afirmar: a. ( ) É causada pelo Mycobacterium tuberculosis ou Bacilo de Koch (BK); outras espécies de micobactérias também podem causar a tuberculose (Mycobacterium bovis, africanum e microti). b. () Os sinais e sintomas mais freqüentemente descritos são: tosse seca contínua no início, depois com presença de secreção por mais de quatro semanas, transformando-se, na maioria das vezes, em uma tosse com pus ou sangue; cansaço excessivo; febre baixa geralmente à tarde; sudorese noturna; falta de apetite; palidez; emagrecimento acentuado; rouquidão; fraqueza; e prostração. c. ( ) A transmissão é direta, de pessoa a pessoa; o doente expele, ao falar, espirrar ou tossir, pequenas gotas de saliva que contêm o agente infeccioso e podem ser aspiradas por outro indivíduo, contaminando-o. d. ( ) A prevenção da tuberculose inclui evitar aglomerações, especialmente em ambientes fechados, e não utilizar objetos de pessoas contaminadas (a tuberculose não se transmite por fômites e objetos; cuidado para não agravar os estigmas). e. ( ) Para prevenir a doença, é preciso tratamento específico com antibióticos, imunizar as crianças de até 4 anos e, obrigatoriamente, as menores de 1 ano, com a vacina BCG.

49 (SESA, ES, CESPE, 2011) Paciente com 77 anos de idade, portadora de diabetes melito e infectada com tuberculose, em consulta na unidade básica de saúde, disse para a enfermeira que a atendeu que sua doença infectocontagiosa foi castigo divino, mas que tem esperança de ficar curada. A enfermeira esclareceu a paciente quanto às formas de surgimento dessa condição e às possibilidades de tratamento terapêutico que, de acordo com avaliação médica, o serviço de saúde tem a oferecer. A partir da situação apresentada acima, e sabendo que a paciente possui conhecimentos limitados sobre suas doenças, julgue os itens subsecutivos. 102 Mesmo que a paciente apresente cicatriz vacinal, recomenda-se, nesse caso, a vacina BGG, que provocará acréscimo na imunidade relacionada à tuberculose. 103 A enfermeira deve notificar, por meio da ficha individual de notificação/investigação de tuberculose, a tuberculose da paciente, devendo, ainda, utilizar o instrumento boletim de acompanhamento de casos de tuberculose, destinado à coleta de dados para acompanhamento do tratamento e alimentação de informações no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN). 104 Pelo fato de a paciente ter 77 anos de idade, diabetes melito e tuberculose, a enfermeira deve encaminhá-la ao programa de internação domiciliária. 105 Se, ao verificar a glicemia capilar da paciente, o enfermeiro detectar o valor de 210 mg/dl, ele deve considerar a hipótese investigativa de deficit no autocuidado. 106 O diabetes melito constitui fator debilitante do sistema imunitário, o que contribui para o adoecimento provocado pela tuberculose.

50 (PREF. MUN. MORENO, IPAD, 2009)23.A confiabilidade dos dados epidemiológicos é de fundamental importância para avaliação dos programas destinados ao controle das grandes endemias do país. O Programa Nacional de Controle da Tuberculose lança mão de diferentes bancos de dados necessários à geração de informação para a sua avaliação. Não corresponde a um dos bancos utilizados nas rotinas de avaliação do PNCT: A) SINAN. B) SIM. C) SINASC. D) SIH-SUS. E) SILTB.

51 (PREF. MUN. MORENO, IPAD, 2009)34.No que se refere ao uso da prova tuberculínica (PPD) no diagnóstico da tuberculose, é correto afirmar: A) Sua leitura é realizada em, no máximo, 48 horas após ainoculação. B) Indica infecção pelo m. Leprae, e tem grande valor diagnóstico isoladamente. C) Não é prova indicada para pessoas infectadas com HIV com suspeita de tuberculose. D) Ao apresentar como resultado enduração de 10mm, ou reator forte, define um caso de tuberculose positivo. E) O local adequado para inoculação é o terço superior do braço, região da curva do deltóide, por via intradérmica, volume de 0,1 ml.

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TUBERCULOSE. Profª Ma. Júlia Arêas Garbois VITÓRIA 2015

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TUBERCULOSE. Profª Ma. Júlia Arêas Garbois VITÓRIA 2015 FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TUBERCULOSE Profª Ma. Júlia Arêas Garbois VITÓRIA 2015 TUBERCULOSE Doença infecciosa, atinge, principalmente, o pulmão. Éuma doença grave, transmitida

Leia mais

Tuberculose, o que é?

Tuberculose, o que é? Tuberculose, o que é? P Á T R I A E D U C A D O R A O que é tuberculose? A tuberculose é uma doença infecciosa causada por um micróbio visível apenas ao microscópio chamado bacilo de Koch. Uma doença causada

Leia mais

Tuberculose. Profa. Rosângela Cipriano de Souza

Tuberculose. Profa. Rosângela Cipriano de Souza Tuberculose Profa. Rosângela Cipriano de Souza Risco para tuberculose Pessoas em contato com doentes bacilíferos, especialmente crianças Pessoas vivendo com HIV/AIDS Presidiários População vivendo nas

Leia mais

Tuberculose em algum lugar, problema de todos nós.

Tuberculose em algum lugar, problema de todos nós. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA DE AGRAVOS Aos Profissionais de Saúde e População Catarinense DIA MUNDIAL DE LUTA CONTRA

Leia mais

Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Ministério da Saúde. Tuberculose. Informações para Agentes Comunitários de Saúde

Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Ministério da Saúde. Tuberculose. Informações para Agentes Comunitários de Saúde Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Ministério da Saúde Tuberculose Informações para Agentes Comunitários de Saúde 2011. Secretaria da Saúde do Estado da Bahia É permitida a reprodução parcial desta

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico Secretaria Municipal de Saúde de Janaúba - MG Edição Julho/ 2015 Volume 04 Sistema Único de Saúde TUBERCULOSE VIGILÂNCIA Notifica-se, apenas o caso confirmado de tuberculose (critério clinico-epidemiológico

Leia mais

Mudanças no sistema de tratamento da tuberculose do Brasil Perguntas e respostas freqüentes TRATAMENTO

Mudanças no sistema de tratamento da tuberculose do Brasil Perguntas e respostas freqüentes TRATAMENTO Mudanças no sistema de tratamento da tuberculose do Brasil Perguntas e respostas freqüentes TRATAMENTO 1- O que mudou no tratamento da tuberculose (TB) padronizado no Brasil? A principal mudança consiste

Leia mais

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente TB - TUBERCULOSE Prof. Eduardo Vicente A História do TB A tuberculose foi chamada antigamente de "peste cinzenta", e conhecida também em português como tísica pulmonar ou "doença do peito" - é uma das

Leia mais

Enfermagem em Clínica Médica TUBERCULOSE

Enfermagem em Clínica Médica TUBERCULOSE Enfermagem em Clínica Médica TUBERCULOSE Enfermeiro: Elton Chaves email: eltonchaves76@hotmail.com A tuberculose - chamada antigamente de "peste cinzenta", e conhecida também em português como tísica pulmonar

Leia mais

Mas afinal, o que são essas defesas naturais ou, como vocês estão chamando agora, esses anticorpos?

Mas afinal, o que são essas defesas naturais ou, como vocês estão chamando agora, esses anticorpos? Tuberculose O que é tuberculose? A tuberculose é uma doença infecciosa, ou seja, transmitida por um microrganismo (ou micróbio), que pode ocorrer em vários locais do organismo, mas que em mais de 85% dos

Leia mais

24 de Março Dia Mundial de Combate à Tuberculose Março de 2012

24 de Março Dia Mundial de Combate à Tuberculose Março de 2012 24 de Março Dia Mundial de Combate à Tuberculose Março de 2012 1) O que é Tuberculose? A tuberculose (TBC) é uma doença infecciosa provocada pela bactéria Mycobacterium tuberculosis (e menos comumente

Leia mais

PANORAMA DA TUBERCULOSE EM DISTRITOS SANITÁRIOS DE SALVADOR: IMPORTÂNCIA PARA UM INQUÉRITO TUBERCULÍNICO

PANORAMA DA TUBERCULOSE EM DISTRITOS SANITÁRIOS DE SALVADOR: IMPORTÂNCIA PARA UM INQUÉRITO TUBERCULÍNICO PANORAMA DA TUBERCULOSE EM DISTRITOS SANITÁRIOS DE SALVADOR: IMPORTÂNCIA PARA UM INQUÉRITO TUBERCULÍNICO Amanda Leite Barreto Neuranides Santana Patrícia Borges Oliveira Jean de Jesus Souza Bianca de Melo

Leia mais

Respire aliviado! Tuberculose tem cura

Respire aliviado! Tuberculose tem cura Respire aliviado! Tuberculose tem cura O que é tuberculose? A tuberculose é uma doença infecciosa causada por um micróbio visível apenas ao microscópio, chamado Bacilo de Koch (Mycobacterium tuberculosis).

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA TUBERCULOSE

PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA TUBERCULOSE PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA TUBERCULOSE Área geográfica = 95,4 mil Km² equivalente a 1,12 do território rio nacional População = 6.049.234 habitantes Nº de municípios do Estado = 293 Nº de municípios

Leia mais

Programa Estadual de Controle da Tuberculose

Programa Estadual de Controle da Tuberculose Programa Estadual de Controle da Tuberculose Programa Estadual de Apoio aos Consórcios Intermunicipais de Saúde COMSUS Curitiba, 10 e 11 de abril de 2014. Estimativa da incidência da tuberculose, 2012.

Leia mais

Fisioterapia aplicada a pneumologia e terapia intensiva DOENÇAS PULMONARES INFECCIOSAS

Fisioterapia aplicada a pneumologia e terapia intensiva DOENÇAS PULMONARES INFECCIOSAS Fisioterapia aplicada a pneumologia e terapia intensiva DOENÇAS PULMONARES INFECCIOSAS Pneumonia É uma inflamação ou infecção do parênquima pulmonar Agente etiológico: bactérias, vírus, fungos, helmintos,

Leia mais

Bronquiectasia. Bronquiectasia. Bronquiectasia - Classificação

Bronquiectasia. Bronquiectasia. Bronquiectasia - Classificação Bronquiectasia Bronquiectasia É anatomicamente definida como uma dilatação e distorção irreversível dos bronquíolos, em decorrência da destruição dos componentes elástico e muscular de sua parede Prof.

Leia mais

A vacina BCG e teste tuberculínico

A vacina BCG e teste tuberculínico A vacina BCG e teste tuberculínico Arlan de Azevedo Ferreira Prof Adjunto - Depto Pediatria / UFMT Mycobacterium tuberculosis Replicação 16 a 20 h Foco Primário Nódulo de Gohn Linfangite / Adenite Bacteremia

Leia mais

Prova do Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate de Endemias. SEMSA - Ponte Nova MG

Prova do Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate de Endemias. SEMSA - Ponte Nova MG Prova do Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate de Endemias. SEMSA - Ponte Nova MG Nome: Nota: INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA (LEIA ATENTAMENTE!) 1. A prova é individual

Leia mais

ÁREA TÉCNICA DA TUBERCULOSE

ÁREA TÉCNICA DA TUBERCULOSE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA DE DOENÇAS E AGRAVOS ENDÊMICOS ÁREA TÉCNICA DA TUBERCULOSE MATO GROSSO NOVEMBRO/2009 TUBERCULOSE

Leia mais

SEMINÁRIO VIGILÂNCIA E CONTROLE DA TUBERCULOSE E DOENÇAS DIARREICAS AGUDAS NA POPULAÇÃO INDÍGENA. Salvador, 23 e 24 de julho de 2013

SEMINÁRIO VIGILÂNCIA E CONTROLE DA TUBERCULOSE E DOENÇAS DIARREICAS AGUDAS NA POPULAÇÃO INDÍGENA. Salvador, 23 e 24 de julho de 2013 SEMINÁRIO VIGILÂNCIA E CONTROLE DA TUBERCULOSE E DOENÇAS DIARREICAS AGUDAS NA POPULAÇÃO INDÍGENA Salvador, 23 e 24 de julho de 2013 O QUE É A TUBERCULOSE: RELEMBRANDO... Doença infecto-contagiosa causada

Leia mais

HANSENÍASE Diagnósticos e prescrições de enfermagem

HANSENÍASE Diagnósticos e prescrições de enfermagem HANSENÍASE Diagnósticos e prescrições de enfermagem HANSENÍASE Causada pela Mycobacterium leprae, ou bacilo de Hansen, que é um parasita intracelular obrigatório, com afinidade por células cutâneas e por

Leia mais

CONHECENDO A TUBERCULOSE

CONHECENDO A TUBERCULOSE CONHECENDO A TUBERCULOSE Œ Tuberculose Œ Transmissão Œ Sintomas Iniciais Œ Diagnóstico Œ Contatos Œ Tratamento Œ Convívio Social Œ Vacinação Œ TB, AIDS Œ Alcoolismo Œ Prevenção Œ Cura O QUE É TUBERCULOSE?

Leia mais

Tuberculose - Breve Revisão Clínica

Tuberculose - Breve Revisão Clínica Tuberculose - Breve Revisão Clínica - 0 - Apoio cientifico de: Observatório Nacional das Doenças Respiratórias Associação Nacional da Tuberculose e Doenças Respiratórias Índice A Tuberculose --------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Treinamento para os Núcleos de Epidemiologia

Treinamento para os Núcleos de Epidemiologia Treinamento para os Núcleos de Epidemiologia Módulo 04 Coqueluche 21 e 22 de maio de 2014 Salvador, Ba Maria do Carmo Campos Lima GT DTP/DIVEP/SESAB COQUELUCHE ASPECTOS LEGAIS Arts. 7º e 8º, da Lei nº

Leia mais

Perfil epidemiológico de indivíduos com tuberculose pulmonar no município de Rondonópolis - MT

Perfil epidemiológico de indivíduos com tuberculose pulmonar no município de Rondonópolis - MT 7 Artigo Original Perfil epidemiológico de indivíduos com tuberculose pulmonar no município de Rondonópolis MT Epidemiological profile of individuals with pulmonary tuberculosis in the city of Rondonópolis

Leia mais

NOTA TÉCNICA N o 014/2012

NOTA TÉCNICA N o 014/2012 NOTA TÉCNICA N o 014/2012 Brasília, 28 de agosto de 2012. ÁREA: Área Técnica em Saúde TÍTULO: Alerta sobre o vírus H1N1 REFERÊNCIA(S): Protocolo de Vigilância Epidemiológica da Influenza Pandêmica (H1N1)

Leia mais

Impacto da infecção pelo HIV nas ações de controle de TB grandes centros urbanos. Tuberculose e HIV/Aids no Brasil

Impacto da infecção pelo HIV nas ações de controle de TB grandes centros urbanos. Tuberculose e HIV/Aids no Brasil Impacto da infecção pelo HIV nas ações de controle de TB grandes centros urbanos III Encontro Nacional de Tuberculose Salvador - Bahia 21 de junho/28 Leda Fátima Jamal Centro de Referência e Treinamento

Leia mais

EBOLA. Informe técnico e orientações para as ações de vigilância e serviços de saúde de referência

EBOLA. Informe técnico e orientações para as ações de vigilância e serviços de saúde de referência EBOLA Informe técnico e orientações para as ações de vigilância e serviços de saúde de referência FEBRE HEMORRÁGICA DO EBOLA O vírus Ebola foi identificado pela primeira vez em 1976, no Zaire (atual República

Leia mais

Nota Técnica 003/2011/SMS/VS/GVE

Nota Técnica 003/2011/SMS/VS/GVE Nota Técnica 003/2011/SMS/VS/GVE Assunto: Orienta os profissionais sobre as Novas Recomendações para Controle da Tuberculose no Brasil e em Florianópolis. Esta nota técnica divulga as modificações no sistema

Leia mais

Sinais de alerta perante os quais deve recorrer à urgência:

Sinais de alerta perante os quais deve recorrer à urgência: Kit informativo Gripe Sazonal A gripe Sazonal é uma doença respiratória infeciosa aguda e contagiosa, provocada pelo vírus Influenza. É uma doença sazonal benigna e ocorre em todo o mundo, em especial,

Leia mais

DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA E ALIMENTAR RESPONSÁVEIS: Jaqueline Ourique L. A. Picoli Simone Dias Rodrigues Solange Aparecida C.

DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA E ALIMENTAR RESPONSÁVEIS: Jaqueline Ourique L. A. Picoli Simone Dias Rodrigues Solange Aparecida C. ESQUISTOSSOMOSE CID 10: B 65 a B 65.9 DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA E ALIMENTAR RESPONSÁVEIS: Jaqueline Ourique L. A. Picoli Simone Dias Rodrigues Solange Aparecida C. Marcon CARACTERÍSTICAS GERAIS DESCRIÇÃO

Leia mais

O PLANO ESTADUAL DE CONTROLE DA TUBERCULOSE DETALHAMENTO DA OPERACIONALIZAÇÃO DO NOVO ENFOQUE EM NÍVEL DE MUNICÍPIO

O PLANO ESTADUAL DE CONTROLE DA TUBERCULOSE DETALHAMENTO DA OPERACIONALIZAÇÃO DO NOVO ENFOQUE EM NÍVEL DE MUNICÍPIO SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA TUBERCULOSE O PLANO ESTADUAL DE CONTROLE DA TUBERCULOSE O Plano

Leia mais

Investigação de contatos. Tratamento da ILTB em contatos. Tratamento da ILTB em profissionais de saúde e de outras instituições

Investigação de contatos. Tratamento da ILTB em contatos. Tratamento da ILTB em profissionais de saúde e de outras instituições Investigação de contatos Tratamento da ILTB em contatos Tratamento da ILTB em profissionais de saúde e de outras instituições Investigação de contatos Objetivos: Detectar e tratar novos casos Evitar adoecimento

Leia mais

O que é a Tuberculose?

O que é a Tuberculose? O que é a Tuberculose? A tuberculose é uma doença a infecto- contagiosa causada por uma bactéria, visível vel apenas ao microscópio, chamada bacilo de Koch. Em geral a Tuberculose acomete os pulmões Mas

Leia mais

Gripe H1N1 ou Influenza A

Gripe H1N1 ou Influenza A Gripe H1N1 ou Influenza A A gripe H1N1 é uma doença causada por vírus, que é uma combinação dos vírus da gripe normal, da aviária e da suína. Essa gripe é diferente da gripe normal por ser altamente contagiosa

Leia mais

Informativo Mensal da Faculdade de Medicina do ABC Ano I - Nº 5 - novembro de 2015

Informativo Mensal da Faculdade de Medicina do ABC Ano I - Nº 5 - novembro de 2015 Informativo Mensal da Faculdade de Medicina do ABC Ano I - Nº 5 - novembro de 2015 O mês de novembro é azul! E por essa razão, a Revista MedABC preparou capa especial, que tem por objetivo chamar a atenção

Leia mais

Tuberculose Guia de Vigilância Epidemiológica

Tuberculose Guia de Vigilância Epidemiológica Tuberculose Guia de Vigilância Epidemiológica Apresentação A tuberculose continua a merecer especial atenção dos profissionais de saúde e da sociedade como um todo. Apesar de já existirem recursos tecnológicos

Leia mais

ATENÇÃO À SAÚDE DO ADULTO TUBERCULOSE

ATENÇÃO À SAÚDE DO ADULTO TUBERCULOSE ATENÇÃO À SAÚDE DO ADULTO TUBERCULOSE 1 ª Edição SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE MINAS GERAIS Belo Horizonte, 2006 GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE MINAS GERAIS SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

Programa de controle da Tuberculose na Estratégia de Saúde da Família

Programa de controle da Tuberculose na Estratégia de Saúde da Família Programa de controle da Tuberculose na Estratégia de Saúde da Família Dairton da Silva Vieira Aluno do Curso de Graduação em Enfermagem. Hogla Cardozo Murai Docente do Curso de Graduação em Enfermagem.

Leia mais

PROVA OBJETIVA. 02 - Segundo o Manual de Normas do Ministério da Saúde, no acompanhamento terapêutico da tuberculose pulmonar, pode-se afirmar que:

PROVA OBJETIVA. 02 - Segundo o Manual de Normas do Ministério da Saúde, no acompanhamento terapêutico da tuberculose pulmonar, pode-se afirmar que: 01 - Paciente de 17 anos apresenta quadro de início insidioso com febrícula, sudorese noturna, perda de peso, anorexia e adinamia. A telerradiografia do tórax mostra um infiltrado apical-posterior em lobo

Leia mais

HIV/TB Desafios. MD Teresinha Joana Dossin Infectologista HNSC / Hospital Sanatório Partenon

HIV/TB Desafios. MD Teresinha Joana Dossin Infectologista HNSC / Hospital Sanatório Partenon HIV/TB Desafios MD Teresinha Joana Dossin Infectologista HNSC / Hospital Sanatório Partenon AIDS no Brasil De 1980 até junho de 2011, o Brasil tem 608.230 casos de AIDS registrados Em 2010, taxa de incidência

Leia mais

Aplicação de Programa de Controle de Tuberculose Nosocomial no Instituto de Infectologia Emílio Ribas

Aplicação de Programa de Controle de Tuberculose Nosocomial no Instituto de Infectologia Emílio Ribas Aplicação de Programa de Controle de Tuberculose Nosocomial no Instituto de Infectologia Emílio Ribas Instituto de Infectologia Emílio Ribas Referência em doenças infecciosas, com 230 leitos (60% para

Leia mais

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia e VII Congresso Brasileiro de Epidemiologia Avaliação do desempenho da técnica de nested- PCR em amostras de sangue coletadas de pacientes pediátricos com suspeita

Leia mais

A INCIDÊNCIA DA TUBERCULOSE NOS ÚLTIMOS CINCO ANOS (1996 a 2000) NO DISTRITO FEDERAL CÍCERA CARLOS DA SILVA. Brasília, 2001.

A INCIDÊNCIA DA TUBERCULOSE NOS ÚLTIMOS CINCO ANOS (1996 a 2000) NO DISTRITO FEDERAL CÍCERA CARLOS DA SILVA. Brasília, 2001. Centro Universitário de Brasília - UniCEUB Faculdade de Ciências da Saúde FACS A INCIDÊNCIA DA TUBERCULOSE NOS ÚLTIMOS CINCO ANOS (1996 a 2000) NO DISTRITO FEDERAL CÍCERA CARLOS DA SILVA Brasília, 2001.

Leia mais

Pesquisa Etiológica. Exame específico

Pesquisa Etiológica. Exame específico Influenza A (H1N1) O vírus A Influenza A(H1 N1) é uma doença respiratória e a transmissão ocorre de pessoa a pessoa, principalmente por meio de tosse, espirro ou de contato com secreções respiratórias

Leia mais

Teste Rápido Molecular (TRM-TB): uma nova tecnologia para o diagnóstico da tuberculose

Teste Rápido Molecular (TRM-TB): uma nova tecnologia para o diagnóstico da tuberculose Teste Rápido Molecular (TRM-TB): uma nova tecnologia para o diagnóstico da tuberculose Programa Nacional de Controle da Tuberculose Departamento de Vigilância Epidemiológica Secretaria de Vigilância em

Leia mais

Nº CASOS NOVOS OBTIDOS TAXA INCID.*

Nº CASOS NOVOS OBTIDOS TAXA INCID.* HANSENÍASE O Ministério da Saúde tem o compromisso de eliminação da hanseníase como problema de saúde pública até 2015, ou seja, alcançar menos de 1 caso por 10.000 habitantes. Pode-se dizer que as desigualdades

Leia mais

Coinfecção TB HIV Recomendações. Marli Marques Gerente Técnica do PCT/PCH/SES/MS

Coinfecção TB HIV Recomendações. Marli Marques Gerente Técnica do PCT/PCH/SES/MS Coinfecção TB HIV Recomendações Marli Marques Gerente Técnica do PCT/PCH/SES/MS Tuberculose no Brasil 70 mil casos novos de TB notificados em 2011 4,6 mil mortes em 2010 17º país em número de casos entre

Leia mais

Pernambuco (62), Santa Catarina (01) e Paraíba (02). O genótipo D8 foi identificado em 50 amostras e o D4 em uma amostra.

Pernambuco (62), Santa Catarina (01) e Paraíba (02). O genótipo D8 foi identificado em 50 amostras e o D4 em uma amostra. ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE GERÊNCIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Informe Epidemiológico Sarampo - Setembro/2013 O sarampo é uma doença altamente transmissível e que pode evoluir

Leia mais

O que mudou? Para fins de busca de caso de TB pulmonar deve ser considerado sintomático respiratório o indivíduos que apresente:

O que mudou? Para fins de busca de caso de TB pulmonar deve ser considerado sintomático respiratório o indivíduos que apresente: O que mudou? Marcus B. Conde Comissão de Tuberculose/SBPT Instituto de Doenças de Tórax/UFRJ marcusconde@hucff.ufrj.br Para fins de busca de caso de TB pulmonar deve ser considerado sintomático respiratório

Leia mais

Brasil melhora posição no ranking por número de casos de tuberculose 4

Brasil melhora posição no ranking por número de casos de tuberculose 4 Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2009. Edição 8 Adryelly Loureiro da Silva 1 Vinício de Sousa Silva 1 Selonia Patrícia Oliveira Sousa 2 Otacílio Batista de Sousa

Leia mais

Haemophilus Corynebacterium. Mycobacterium

Haemophilus Corynebacterium. Mycobacterium Haemophilus Corynebacterium Mycobacterium Haemophilus spp. Bacilos Gram negativos pleomórficos oxidase positivos Família Pasteurellaceae Principais espécies de importância clínica: H. influenzae H. parainfluenzae

Leia mais

Ações de Controle da Tuberculose

Ações de Controle da Tuberculose PROGRAMA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE AGRAVOS TRANSMISSÍVEIS Ações de Controle da Tuberculose I. INTRODUÇÃO... 33 II. CONCEITO GERAIS... 33 III. DIAGNÓSTICO... 37 IV. TRATAMENTO... 39 V. MANEJO DOS

Leia mais

Conduta Frente a Casos de Tuberculose Eletânia Esteves de Almeida Infectologista

Conduta Frente a Casos de Tuberculose Eletânia Esteves de Almeida Infectologista Conduta Frente a Casos de Tuberculose Eletânia Esteves de Almeida Infectologista www.ccdionline.com Tuberculose Mycobacterium tuberculosis; Forma pulmonar: responsável pela manutenção da cadeia de transmissão.

Leia mais

Atenção Primária `a Saúde Ordenadora da Atenção ao Cidadão com Tuberculose no Paraná

Atenção Primária `a Saúde Ordenadora da Atenção ao Cidadão com Tuberculose no Paraná Atenção Primária `a Saúde Ordenadora da Atenção ao Cidadão com Tuberculose no Paraná Oficina do APSUS 7 Betina Mendez Alcântara Gabardo Coordenação PECT Paraná 26092013 La Carga mundial de TB -2010 Numero

Leia mais

Tuberculose. Perguntas

Tuberculose. Perguntas Tuberculose Perguntas e Respostas Tuberculose PERGUNTAS E RESPOSTAS Elaboração: Divisão de Tuberculose CVE Av.Dr. Arnaldo 351, 6ºAndar Fone: 3066-8294 3066-8291 Internet : www.cve.saude.sp.gov.br Capa

Leia mais

PNEUMONIAS COMUNITÁRIAS

PNEUMONIAS COMUNITÁRIAS PNEUMONIAS COMUNITÁRIAS A maior parte dos casos são as chamadas comunitárias ou não nosocomiais Típica Não relacionada à faixa etária. Causada por S. pneumoniae, H. influenzae e S. aureus. Sintomatologia

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS Descrição Doença que representa um dos maiores problemas de saúde da atualidade, em função de seu

Leia mais

Informe Técnico de Tuberculose Edição nº 5 Julho 2010

Informe Técnico de Tuberculose Edição nº 5 Julho 2010 Edição nº 5 Julho 010 Novo sistema de tratamento da tuberculose para adultos e adolescentes no Brasil A tuberculose continua sendo um importante problema de saúde pública mundial, exigindo o desenvolvimento

Leia mais

Principais Sintomas. Medidas de Prevenção

Principais Sintomas. Medidas de Prevenção A gripe é uma doença causada pelo vírus da Influenza, que ocorre predominantemente nos meses mais frios do ano. Esse vírus apresenta diferentes subtipos que produzem a chamada gripe ou influenza sazonal.

Leia mais

SÍNDROME DE LADY WINDERMERE. Identificação: 45 anos, feminina, branca, natural e procedente de São Paulo, representante comercial.

SÍNDROME DE LADY WINDERMERE. Identificação: 45 anos, feminina, branca, natural e procedente de São Paulo, representante comercial. SÍNDROME DE LADY WINDERMERE Identificação: 45 anos, feminina, branca, natural e procedente de São Paulo, representante comercial. Novembro de 2012: Tosse persistente, dispnéia e cefaléia, quando suspeitaram

Leia mais

CASOS CLÍNICOS. Referentes às mudanças no tratamento da tuberculose no Brasil. Programa Nacional de Controle da Tuberculose DEVEP/SVS/MS

CASOS CLÍNICOS. Referentes às mudanças no tratamento da tuberculose no Brasil. Programa Nacional de Controle da Tuberculose DEVEP/SVS/MS CASOS CLÍNICOS Referentes às mudanças no tratamento da tuberculose no Brasil Programa Nacional de Controle da Tuberculose DEVEP/SVS/MS Departamento de Vigilância Epidemiológica Caso 1 Caso novo de TB pulmonar

Leia mais

Cólera e Escarlatina

Cólera e Escarlatina Cólera e Escarlatina Nome do Aluno Daiane, Lisandra e Sandra Número da Turma 316 Disciplina Higiene e Profilaxia Data 30 de Maio de 2005 Nome da Professora Simone Introdução O presente trabalho irá apresentar

Leia mais

vacina hepatite A (inativada)

vacina hepatite A (inativada) vacina hepatite A (inativada) Forma farmacêutica e apresentações: Suspensão injetável. Cartucho contendo uma seringa de uma dose de 0,5 ml. Cartucho contendo 5 seringas de uma dose de 0,5 ml. Cartucho

Leia mais

ALERTA SARAMPO VACINAR, VACINAR e VACINAR ATUALIZAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA, ABRIL DE 2015

ALERTA SARAMPO VACINAR, VACINAR e VACINAR ATUALIZAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA, ABRIL DE 2015 ALERTA SARAMPO VACINAR, VACINAR e VACINAR ATUALIZAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA, ABRIL DE 2015 O estado de São Paulo não apresenta circulação endêmica do vírus do sarampo desde 2000, mas a doença continua ocorrendo

Leia mais

VARICELA ZOSTER VARICELA E GRAVIDEZ

VARICELA ZOSTER VARICELA E GRAVIDEZ ZOSTER E GRAVIDEZ A varicela é uma doença comum da infância considerada habitualmente benigna. Adquirida na idade adulta pode acompanhar-se de complicações que serão ainda mais graves se for uma mulher

Leia mais

Definição. Fatores de Risco e Conduta na Tuberculose Multirresistente. Tuberculose Multirresistente

Definição. Fatores de Risco e Conduta na Tuberculose Multirresistente. Tuberculose Multirresistente Fatores de Risco e Conduta na Tuberculose Multirresistente Eliana Dias Matos Tuberculose Multirresistente Definição Resistência simultânea à Rifampicina e Isoniazida, associada ou não à resistência a outros

Leia mais

4 0 0 /2 2 0 A D A IS V E R O Ã IÇ D pelo E V L T H O L E P O Ã Ç C E F - IN E T N IE C A P O D L A U N A M

4 0 0 /2 2 0 A D A IS V E R O Ã IÇ D pelo E V L T H O L E P O Ã Ç C E F - IN E T N IE C A P O D L A U N A M MANUAL DO PACIENTE - INFECÇÃO PELO HTLV EDIÇÃO REVISADA 02/2004 pelo Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Infecção pelo HTLV. Sabemos que as

Leia mais

saude.empauta.com Ministério da Saúde Clipping da imprensa Brasília, 21 de agosto de 2009 às 19h31 Seleção de Notícias

saude.empauta.com Ministério da Saúde Clipping da imprensa Brasília, 21 de agosto de 2009 às 19h31 Seleção de Notícias Ministério da Saúde Clipping da imprensa Brasília, 21 de agosto de 2009 às 19h31 Seleção de Notícias A Tribuna Digital - Baixada Santista/SP Ministério da Saúde José Gomes Temporão São Paulo deve receber

Leia mais

INFORME TÉCNICO DA VACINA HPV (PAPILOMAVÍRUS HUMANO 6, 11, 16, 18 (RECOMBINANTE)) - 2015

INFORME TÉCNICO DA VACINA HPV (PAPILOMAVÍRUS HUMANO 6, 11, 16, 18 (RECOMBINANTE)) - 2015 INFORME TÉCNICO DA VACINA HPV (PAPILOMAVÍRUS HUMANO 6, 11, 16, 18 (RECOMBINANTE)) - 2015 Apresentação O Ministério da Saúde com o objetivo de reforçar as atuais ações de prevenção do câncer do colo do

Leia mais

Bula Completa Imuno BCG

Bula Completa Imuno BCG Bula Completa Imuno BCG Mycobacterium bovis BCG Bacilo de Calmette Guérin Cepa Moreau Rio de Janeiro FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES O IMUNO BCG é apresentado em caixas com 1 e 2 ampolas âmbar contendo

Leia mais

Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho- 11ºB

Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho- 11ºB Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho- 11ºB É uma doença psiquiátrica que leva as pessoas a acreditarem que

Leia mais

Guia de perguntas e respostas a respeito do vírus Zika

Guia de perguntas e respostas a respeito do vírus Zika Guia de perguntas e respostas a respeito do vírus Zika - O que é o vírus Zika? O vírus Zika é um arbovírus (grande família de vírus), transmitido pela picada do mesmo vetor da dengue e da chikungunya,

Leia mais

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE HOSPITAL FEDERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A13 elaborada em 09/12/2010 Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose

Leia mais

Informe Técnico sobre o vírus Influenza A (H7N9)

Informe Técnico sobre o vírus Influenza A (H7N9) Informe Técnico sobre o vírus Influenza A (H7N9) SOBRE O VÍRUS INFLUENZA A (H7N9) O vírus influenza A (H7N9) é um subtipo de vírus influenza A de origem aviária. Esse subtipo viral A (H7N9) não havia sido

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [GRIPE (INFLUENZA A) SUÍNA]

www.drapriscilaalves.com.br [GRIPE (INFLUENZA A) SUÍNA] [GRIPE (INFLUENZA A) SUÍNA] 2 Gripe (Influenza A) Suína Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil I ÓBITOS, CASOS GRAVES E FATORES DE RISCO Entre 25 de abril e 8 de agosto, foram informados

Leia mais

MEDIDAS DE PRECAUÇÕES DE DOENÇAS TRANSMITIDAS PELO CONTATO, POR GOTÍCULAS, PELO AR, POR VEÍCULOS COMUNS E VETORES.

MEDIDAS DE PRECAUÇÕES DE DOENÇAS TRANSMITIDAS PELO CONTATO, POR GOTÍCULAS, PELO AR, POR VEÍCULOS COMUNS E VETORES. MEDIDAS DE PRECAUÇÕES DE DOENÇAS TRANSMITIDAS PELO CONTATO, POR GOTÍCULAS, PELO AR, POR VEÍCULOS COMUNS E VETORES. I- Objetivo: Impedir a disseminação de um agente infeccioso do paciente, infectado ou

Leia mais

BEPA 2013;10(111):21-29. Um centro de referência e excelência em tuberculose e doenças respiratórias no Sistema Único de Saúde

BEPA 2013;10(111):21-29. Um centro de referência e excelência em tuberculose e doenças respiratórias no Sistema Único de Saúde Recortes Históricos Instituto Clemente Ferreira i n s t i t u t o C LEMENTE FERREIRA Um centro de referência e excelência em tuberculose e doenças respiratórias no Sistema Único de Saúde ICF: uma referência

Leia mais

CONSULTA EM PNEUMOLOGIA CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento:

CONSULTA EM PNEUMOLOGIA CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento: CONSULTA EM PNEUMOLOGIA CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para encaminhamento: 1. Dor torácica 3. Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica 4. Nódulo pulmonar 5. Pneumonia Adquirida na Comunidade 6. Tosse

Leia mais

Clipping Eletrônico Domingo dia 09/11/2014

Clipping Eletrônico Domingo dia 09/11/2014 Clipping Eletrônico Domingo dia 09/11/2014 Jornal Acrítica Vida & Estilo Pág. V&E6-09 de novembro de 2014 Jornal Diário do Amazonas Cidades Pág. 21-09 de novembro de 14 Jornal Em Tempo - Última Hora

Leia mais

Gripe A. Dr. Basil Ribeiro. Prof. Doutor Manuel Teixeira Veríssimo. Faculdade de Medicina de Coimbra Medicina Interna e Medicina Desportiva

Gripe A. Dr. Basil Ribeiro. Prof. Doutor Manuel Teixeira Veríssimo. Faculdade de Medicina de Coimbra Medicina Interna e Medicina Desportiva Gripe A Dr. Basil Ribeiro Medicina Desportiva Prof. Doutor Manuel Teixeira Veríssimo Faculdade de Medicina de Coimbra Medicina Interna e Medicina Desportiva Vírus H1N1 - Introdução Gripe dos porcos altamente

Leia mais

Página ORIGEM PULMONAR E EXTRAPULMONAR 01 de 05. Anexo 1. Figura 1: Características do frasco rígido com tampa rosca para a coleta de escarro

Página ORIGEM PULMONAR E EXTRAPULMONAR 01 de 05. Anexo 1. Figura 1: Características do frasco rígido com tampa rosca para a coleta de escarro 01 de 05 Anexo 1 Figura 1: Características do frasco rígido com tampa rosca para a coleta de escarro Figura 2: Exemplo de caixa com tampa de material não poroso, rígido, resistente à descontaminação, identificada

Leia mais

Gripe pandémica. Factos que deve conhecer acerca da gripe pandémica

Gripe pandémica. Factos que deve conhecer acerca da gripe pandémica Gripe pandémica Factos que deve conhecer acerca da gripe pandémica De que trata esta brochura? Esta brochura apresenta informações acerca da gripe pandémica. Dá resposta a 10 perguntas importantes acerca

Leia mais

MANUAL PRÁTICO TABWIN

MANUAL PRÁTICO TABWIN MANUAL PRÁTICO TABWIN TUBERCULOSE JANEIRO 2012 Salvador-BA Índice Sumário EXECUTAR TABULAÇÃO... 2 Procedimento 1 - Para tabular dados... 4 Procedimento 2 Para salvar tabela no tabwin... 4 Procedimento

Leia mais

Programa Estadual de Controle da Tuberculose. Coordenadora: Nardele Maria Juncks Equipe: Márcia Aparecida Silva Sônia Maura Coelho Mariana Hoffelder

Programa Estadual de Controle da Tuberculose. Coordenadora: Nardele Maria Juncks Equipe: Márcia Aparecida Silva Sônia Maura Coelho Mariana Hoffelder SANTA CATARINA Programa Estadual de Controle da Tuberculose Coordenadora: Nardele Maria Juncks Equipe: Márcia Aparecida Silva Sônia Maura Coelho Mariana Hoffelder tuberculose@saude.sc.gov.br SECRETARIA

Leia mais

INCIDÊNCIA DE UNIVERSITÁRIOS POSITIVOS PARA O TESTE DA TUBERCULINA NAS FACULDADES INTEGRADAS FAFIBE, BEBEDOURO, SP

INCIDÊNCIA DE UNIVERSITÁRIOS POSITIVOS PARA O TESTE DA TUBERCULINA NAS FACULDADES INTEGRADAS FAFIBE, BEBEDOURO, SP INCIDÊNCIA DE UNIVERSITÁRIOS POSITIVOS PARA O TESTE DA TUBERCULINA NAS FACULDADES INTEGRADAS FAFIBE, BEBEDOURO, SP Santos, C.A., Fonseca, M.G., Cardoso, J.I, Anibal, F.F. (Faculdades Integradas FAFIBE)

Leia mais

RAIVA. A raiva é um doença viral prevenível de mamíferos, que geralmente é transmitida através da mordida de uma animal infectado.

RAIVA. A raiva é um doença viral prevenível de mamíferos, que geralmente é transmitida através da mordida de uma animal infectado. RAIVA A raiva é um doença viral prevenível de mamíferos, que geralmente é transmitida através da mordida de uma animal infectado. RAIVA PRINCIPAIS VETORES - Furão (ferrets) - Raposas - Coiotes - Guaxinins

Leia mais

1 O que é Urografina (Forma farmacêutica e Categoria farmacoterapêutica)

1 O que é Urografina (Forma farmacêutica e Categoria farmacoterapêutica) O nome do seu medicamento é: UROGRAFINA Leia atentamente este folheto antes de utilizar o medicamento. Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler. Caso ainda tenha dúvidas, fale com o seu médico

Leia mais

Papiloma Vírus Humano - HPV

Papiloma Vírus Humano - HPV VACINAÇÃO HPV 2015 Papiloma Vírus Humano - HPV O vírus HPV é altamente contagioso, sendo possível contaminar-se com uma única exposição. A sua transmissão se dá por contato direto com a pele ou mucosa

Leia mais

Gripe H1N1, o que a Escola precisa saber!

Gripe H1N1, o que a Escola precisa saber! 1 Gripe H1N1, o que a Escola precisa saber! O que é a gripe H1N1? A gripe H1N1, também conhecida como gripe A, é uma doença respiratória infecciosa de origem viral, que pode levar ao agravamento e ao óbito,

Leia mais

Mulheres grávidas ou a amamentar*

Mulheres grávidas ou a amamentar* Doença pelo novo vírus da gripe A(H1N1) Fase Pandémica 6 OMS Mulheres grávidas ou a amamentar* Destaques: A análise dos casos ocorridos, a nível global, confirma que as grávidas constituem um grupo de

Leia mais

ROTINA PARA ATENDIMENTO DOS CASOS DE TUBERCULOSE RESISTENTE ÀS DROGAS

ROTINA PARA ATENDIMENTO DOS CASOS DE TUBERCULOSE RESISTENTE ÀS DROGAS ROTINA PARA ATENDIMENTO DOS CASOS DE TUBERCULOSE RESISTENTE ÀS DROGAS (Referência Terciária) I- Introdução A rotina para atendimento aos pacientes com tuberculose resistente às drogas está sendo redesenhada

Leia mais

Ações de Eliminação da Hanseníase

Ações de Eliminação da Hanseníase PROGRAMA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE AGRAVOS TRANSMISSÍVEIS Protocolo da Equipe de Saúde das Unidades Básicas nas Ações de Eliminação da Hanseníase I. INTRODUÇÃO : A ELIMINAÇÃO DA HANSENÍASE... 15

Leia mais

Folheto informativo: Informação para o doente

Folheto informativo: Informação para o doente Folheto informativo: Informação para o doente Hiperbiótico 250 mg Pó para solução injectável Hiperbiótico 500 mg Pó para solução injectável Hiperbiótico 1000 mg Pó para solução injectável Ampicilina Leia

Leia mais

Bacilo álcool-ácido resistentes (BAAR): Gênero Mycobacterium

Bacilo álcool-ácido resistentes (BAAR): Gênero Mycobacterium Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Bacilo álcool-ácido resistentes (BAAR): Gênero Mycobacterium Morfologia e

Leia mais

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes O Dia Mundial da Saúde é celebrado todo 7 de abril, e neste ano, o tema escolhido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para conscientização

Leia mais