Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática. Aluno: Anderson L. S. Moreira Orientador: Paulo R. R.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática. Aluno: Anderson L. S. Moreira alsm4@cin.ufpe.br Orientador: Paulo R. R."

Transcrição

1 Sistemas RTAI Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Aluno: Anderson L. S. Moreira Orientador: Paulo R. R. Maciel

2 Agenda Introdução O que é um SOTR Como funciona Exemplo Medições Métricas Observações 28 de setembro de

3 Motivação Sistemas de Propósito Geral Prontos para tudo Qualquer aplicação Muitos serviços Sistemas dedicados Aplicações particulares Requisitos específicos e poucos serviços São a grande maioria 28 de setembro de

4 O que é um SOTR? Um sistema operacional de tempo real possibilita um método para que as aplicações desenvolvidas por programadores sejam tratadas como tarefas de tempo real. 28 de setembro de

5 O que é um SOTR? E tarefas de tempo real devem rodar com um mínimo tempo de latência (o tempo entre um evento como uma interrupção que aciona uma tarefa e o início da tarefa) e o mínimo jitter (variação no correr do tempo de uma tarefa que é suposto ser executado em um período fixo). 28 de setembro de

6 O que é? RTAI (Real-Time Application Interface) consiste em um patch no kernel do Linux e alguns módulos. Uma vez instalado o RTAI o escalonamento de processo deixa de ser responsabilidade do kernel nativo e passa a ser do RTAI. O RTAI adiciona uma camada de abstração (HAL) ao sistema Linux, que adiciona comandos para lançamento e execução de tarefas em tempo real. 28 de setembro de

7 Como funciona? O RTAI garante que o Linux não interfere com as tarefas de tempo real, lançando todo SO como uma tarefa de baixa prioridade. Tarefas de tempo real são lançadas com prioridades altas, nunca sendo interrompidas pelo SO. O SO só executa de fato, quando não há tarefas de tempo real executando. 28 de setembro de

8 Como funciona? Kernel do Linux 28 de setembro de

9 Como funciona? Kernel do Linux RTAI 28 de setembro de

10 Como funciona? Para lançar tarefas Real Time, estas são inseridas no kernel como módulos. Tem-se assim dois domínios de execução de tarefas, o Real Time e o Linux user space. Existem vários mecanismos que permitem que uma tarefa Real Time se comunique com uma tarefa Linux. *É necessário que se tenha privilégios de administração. 28 de setembro de

11 Exemplo Olá Mundo Uma aplicação RTAI simples que quando é carregada e eliminada no kernel imprime uma mensagem, não sendo lançada nenhuma tarefa de tempo real. 28 de setembro de

12 Exemplo Olá Mundo /* Escreve Olá Mundo e Tchau no console*/ #include <linux/kernel.h> #include <linux/module.h> int init_module(void) { printk( Ola mundo... "); return 0; //ini_module OK } void cleanup_module(void) { printk( Tchau!\n"); } 28 de setembro de

13 Exemplo Olá Mundo O Makefile para compilar este módulo poderá ser: MI_OBJS = mundo.o RTAIDIR = /usr/src/rtai #RTAI home ifdef TOPDIR include $(TOPDIR)/Rules.make endif #chama Makefile definido no diretório de instalação RTAI all: make -C $(RTAIDIR) modules SUBDIRS=$(PWD) clean: make -C $(RTAIDIR) subclean SUBDIRS=$(PWD) 28 de setembro de

14 Exemplo Olá Mundo Para esta simples aplicação RTAI, inserir, remover e visualizar os módulo no kernel pode ser efetuado com: Para inserir o módulo: insmod mundo.o Para listar módulos: lsmod Para remover o módulo: rmmod hello 28 de setembro de

15 Exemplo Olá Mundo Para visualização das mensagens enviadas com printk pode ser usado o script: #!/bin/sh echo Loading module insmod mundo.o rmmod mundo.o dmesg tail -n3 echo "ou:" cat /var/log/kern.log tail -n3 28 de setembro de

16 Medições Aplicação Parâmetros dos requisitos do SOTR Componentes do SOTR Escalonador Primitiva de comunicação Primitiva de gerência Etc... Captura de Dados Reunião de Dados 28 de setembro de

17 Medições Tarefas Periódicas Fonte: Farines, de setembro de

18 Medições Tarefas Aperiódicas Fonte: Farines, de setembro de

19 Métricas Tempo de troca de contexto Métrica muito citada no mercado de SOTR; Na modelagem a troca de contexto pode ser somado ao tempo máximo de execução de cada tarefa; Necessariamente, cada ativação de cada tarefa deverá carregar o seu contexto e salvá-lo depois. Se a tarefa em questão é preemptada por outra, a interferência que ela sofre da outra incluirá o tempo de chaveamento de contexto 28 de setembro de

20 Métricas Latência dos Tratadores de Interrupção Tempo entre a sinalização de uma interrupção no hardware e o inicio da execução de seu tratador; Atraso no reconhecimento da interrupção pode ser modelado como um release jitter associado com cada pseudo-tarefa tratador de interrupção ; Interrupções podem ter prioridades na arquitetura Pseudo-tarefa tratador de interrupção recebe interferência quando é atrapalhada por um tratador de interrupção mais prioritária; Sofre release jitter quando atrasa em função de uma tarefa de prioridade mais baixa desabilitar interrupções. 28 de setembro de

21 Observações Aplicações de tempo real são mais facilmente construídas se puderem aproveitar os serviços de um sistema operacional; Comportamento temporal do SO afeta o comportamento temporal da aplicação Exemplo: tratador de interrupções do timer 28 de setembro de

22 Observações Aspecto importante: análise em tempo de projeto Duas abordagens Utilizar uma análise determinística; Desenvolver uma baseada em hipóteses. 28 de setembro de

23 Sistemas RTAI Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Aluno: Anderson L. S. Moreira Orientador: Paulo R. R. Maciel

Breve introdução ao Real Time Application Interface (RTAI)

Breve introdução ao Real Time Application Interface (RTAI) Breve introdução ao Real Time Application Interface (RTAI) Sistemas de Tempo-Real DETI/UA Paulo Pedreiras DETI/UA Set/2012 DETI/UA STR 12/13 1 Conteúdo Requisitos Kernel Linux O RTAI Como carregar uma

Leia mais

Programação de Sistemas

Programação de Sistemas Programação de Sistemas Módulos do núcleo Programação de Sistemas Módulos : 1/15 Introdução (1) Desenvolvimentos do núcleo, como a criação de novos dispositivos, podem ser incorporados no Linux em duas

Leia mais

Administração de Sistemas GNU/Linux

Administração de Sistemas GNU/Linux Administração de Sistemas GNU/Linux Sistema de Inicialização do Linux e os Runlevels GRACO - Gestores da Rede Acadêmica de Computação Instrutor: Ibirisol Fontes Ferreira Monitor:

Leia mais

1 Introdução ao ambiente de trabalho Esta parte da ficha consiste num tutorial para introdução ao ambiente de trabalho utilizado nas aulas práticas.

1 Introdução ao ambiente de trabalho Esta parte da ficha consiste num tutorial para introdução ao ambiente de trabalho utilizado nas aulas práticas. Ficha prática 2: 1 Introdução ao ambiente de trabalho Esta parte da ficha consiste num tutorial para introdução ao ambiente de trabalho utilizado nas aulas práticas. 1.1 Acesso ao sistema e à área pessoal

Leia mais

Preparação: Verifique se a máquina virtual já está copiada em sua máquina Execute o VMWare Acesse o Linux com o usuário asa e senha aslinux12

Preparação: Verifique se a máquina virtual já está copiada em sua máquina Execute o VMWare Acesse o Linux com o usuário asa e senha aslinux12 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNC. E TEC. DA PARAÍBA CURSO DE GRADUAÇÃO DE TECNOLOGIA EM TELEMÁTICA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS PROFESSOR: ANDERSON COSTA ASSUNTO: MÓDULOS, DISPOSITIVOS DE

Leia mais

Programação de Computadores Primeiros Passos Práticos em C++

Programação de Computadores Primeiros Passos Práticos em C++ Programação de Computadores Primeiros Passos Práticos em C++ Alan de Freitas! Marco Antonio Carvalho Compilação de Programas O compilador é o responsável por transformar nosso código em um programa propriamente

Leia mais

Lista de exercícios - P2

Lista de exercícios - P2 Lista de exercícios - P2 1 - Sabemos que o arquivo /etc/inittab possui algumas linhas que definem eventos capturados pelo sistema de inicialização. Pensando em um servidor de produção, estável e que não

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA INFORMÁTICA APLICADA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA INFORMÁTICA APLICADA Responda 1) Quem desenvolveu a linguagem C? Quando? 2) Existe alguma norma sobre a sintaxe da linguagem C? 3) Quais são os tipos básicos de dados disponíveis na linguagem C? 4) Quais são as principais

Leia mais

Real Time Linux. Walter Fetter Lages

Real Time Linux. Walter Fetter Lages Real Time Linux Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica

Leia mais

Plugins TerraView. Versão TerraLib/TerraView: 3.2.0RC2. Código fonte completo da TerraLib na estrutura de diretórios sugerida no site da TerraLib 1.

Plugins TerraView. Versão TerraLib/TerraView: 3.2.0RC2. Código fonte completo da TerraLib na estrutura de diretórios sugerida no site da TerraLib 1. Plugins TerraView Versão TerraLib/TerraView: 3.2.0RC2 Requisitos Código fonte completo da TerraLib na estrutura de diretórios sugerida no site da TerraLib 1. Código completo do TerraView na estrutura de

Leia mais

Xenomai Short Intro. Paulo Pedreiras pbrp@ua.pt DETI/University of Aveiro. Sistemas Tempo-Real Out/2013 (Rev. 1 - Out/2015)

Xenomai Short Intro. Paulo Pedreiras pbrp@ua.pt DETI/University of Aveiro. Sistemas Tempo-Real Out/2013 (Rev. 1 - Out/2015) Xenomai Short Intro Paulo Pedreiras pbrp@ua.pt DETI/University of Aveiro Sistemas Tempo-Real Out/2013 (Rev. 1 - Out/2015) Agenda Adeos Xenomai Introdução Estrutura de domínios Interrupções Threads em modo

Leia mais

Formação de Administradores de Redes Linux LPI level 1. Aula 2 SENAC TI Fernando Costa

Formação de Administradores de Redes Linux LPI level 1. Aula 2 SENAC TI Fernando Costa Formação de Administradores de Redes Linux LPI level 1 Aula 2 SENAC TI Fernando Costa Agenda Introdução ao Shell Variáveis do shell Usando símbolos coringa Síntese Exercícios O shell Como todo computador

Leia mais

Prova do Primeiro Bimestre Warm-Ups 1 a 7

Prova do Primeiro Bimestre Warm-Ups 1 a 7 CE-235 Sistemas Embarcados de Tempo Real Prof. Adilson Cunha 19/09/2005 Prova do Primeiro Bimestre Warm-Ups 1 a 7 Aluno: Marcelo de Lima Bastos Moreira 1. INTRODUÇÃO... 2 2. DESENVOLVIMENTO... 2 Warm-Up

Leia mais

Integração de Sistemas Embebidos MECom :: 5º ano

Integração de Sistemas Embebidos MECom :: 5º ano Integração de Sistemas Embebidos MECom :: 5º ano Device Drivers em Linux - Introdução António Joaquim Esteves www.di.uminho.pt/~aje Bibliografia: capítulo 1, LDD 3ed, O Reilly DEP. DE INFORMÁTICA ESCOLA

Leia mais

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional 01 INTRODUÇÃO 1.5 ESTRUTURA DOS SISTEMAS OPERACIONAIS O Sistema Operacional é formado por um Conjunto de rotinas (denominado de núcleo do sistema ou kernel) que oferece serviços aos usuários e suas aplicações

Leia mais

Linguagem de Programação Orientada a Objeto. Introdução a Orientação a Objetos Professora Sheila Cáceres

Linguagem de Programação Orientada a Objeto. Introdução a Orientação a Objetos Professora Sheila Cáceres Linguagem de Programação Orientada a Objeto Introdução a Orientação a Objetos Professora Sheila Cáceres Introdução a Orientação a Objetos No mundo real, tudo é objeto!; Os objetos se relacionam entre si

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas Operacionais

Arquitetura dos Sistemas Operacionais Arquitetura dos Sistemas Operacionais Arquitetura de um Sistema Operacional Basicamente dividido em shell é a interface entre o usuário e o sistema operacional é um interpretador de comandos possui embutido

Leia mais

Instalação e utilização do Eclipse / Fortran em Windows

Instalação e utilização do Eclipse / Fortran em Windows Computação e Programação Instalação e utilização do Eclipse / Fortran em Windows Nalgumas versões recentes do Windows o instalador referido na página da disciplina não consegue instalar corretamente o

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Comunicação orientada a Mensagem, Comunicação orientada a Fluxo Capítulo 4 Agenda Comunicação orientada a mensagem Comunicação transiente: MPI

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas Operacionais Um sistema operacional fornece o ambiente no qual os programas são executados. Internamente,

Leia mais

Programação. MEAer. Bertinho Andrade da Costa. Instituto Superior Técnico. Introdução ao Pré-Processador. 2011/2012 1º Semestre

Programação. MEAer. Bertinho Andrade da Costa. Instituto Superior Técnico. Introdução ao Pré-Processador. 2011/2012 1º Semestre Programação MEAer Bertinho Andrade da Costa 2011/2012 1º Semestre Instituto Superior Técnico Introdução ao Pré-Processador Programação 2011/2012 DEEC-IST Introdução ao Pré-Processador 1 Sumário Introdução

Leia mais

Carga horária : 4 aulas semanais (laboratório) Professores: Custódio, Daniel, Julio foco: introdução a uma linguagem de programação Linguagem Java

Carga horária : 4 aulas semanais (laboratório) Professores: Custódio, Daniel, Julio foco: introdução a uma linguagem de programação Linguagem Java Carga horária : 4 aulas semanais (laboratório) Professores: Custódio, Daniel, Julio foco: introdução a uma linguagem de programação Linguagem Java 1 Objetivo: O aluno deverá adquirir capacidades e habilidades

Leia mais

FTL066 Programação em Tempo Real Segunda Lista de Exercícios

FTL066 Programação em Tempo Real Segunda Lista de Exercícios FTL066 Programação em Tempo Real Segunda Lista de Exercícios 1) Descreva as diferenças entre tarefas periódicas, aperiódicas e esporádicas esclarecendo as restrições temporais que caracterizam os comportamentos

Leia mais

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira IFPE Disciplina: Sistemas Operacionais Prof. Anderson Luiz Moreira SERVIÇOS OFERECIDOS PELOS SOS 1 Introdução O SO é formado por um conjunto de rotinas (procedimentos) que oferecem serviços aos usuários

Leia mais

Firewall Iptables. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves. Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática

Firewall Iptables. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves. Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática Firewall Iptables Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática Iptables -Introdução Os firewalls existem no Linux desde o kernel 1.1, com o ipfw, originário

Leia mais

Editor Eclipse para Programas F

Editor Eclipse para Programas F Editor Eclipse para Programas F Guia de instalação e utilização Instalação no Windows (XP/Vista) Comece por descarregar a aplicação de instalação setupcp2008.exe do endereço http://www.math.ist.utl.pt/~jabr/cp/

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE UM SISTEMA OPERATIVO

CONCEITOS BÁSICOS DE UM SISTEMA OPERATIVO 4 CONCEITOS BÁSICOS DE UM SISTEMA OPERATIVO CONCEITOS BÁSICOS MS-DOS MICROSOFT DISK OPERATION SYSTEM INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DE UM SISTEMA OPERATIVO LIGAÇÕES À INTERNET O que é um sistema operativo?

Leia mais

Trabalho 3: Agenda de Tarefas

Trabalho 3: Agenda de Tarefas INF 1620 Estruturas de Dados Semestre 08.2 Trabalho 3: Agenda de Tarefas O objetivo deste trabalho é a implementação de um conjunto de funções para a manipulação de uma agenda de tarefas diárias, de forma

Leia mais

DALUA: BIBLIOTECA PARA APLICAÇÕES DISTRIBUÍDAS

DALUA: BIBLIOTECA PARA APLICAÇÕES DISTRIBUÍDAS DALUA: BIBLIOTECA PARA APLICAÇÕES DISTRIBUÍDAS Aluno: Ricardo Gomes Leal Costa Orientadora: Noemi de la Rocque Rodriguez Introdução A biblioteca DALua [1], fruto do projeto anterior, tem por objetivo oferecer

Leia mais

Alterna para o primeiro terminal. No Linux você pode ter vários (o padrão é 6) terminais abertos ao mesmo tempo.

Alterna para o primeiro terminal. No Linux você pode ter vários (o padrão é 6) terminais abertos ao mesmo tempo. Alterna para o primeiro terminal. No Linux você pode ter vários (o padrão é 6) terminais abertos ao mesmo tempo. (n=1 a 6) Alterna para o terminal (1 a 6).

Leia mais

Sistemas de Tempo Real: Conceitos Básicos

Sistemas de Tempo Real: Conceitos Básicos Escola de Computação 2000 - IME-USP Sistemas de Tempo Real: Conceitos Básicos Jean-Marie Farines Joni da Silva Fraga Rômulo Silva de Oliveira LCMI - Laboratório de Controle e Microinformática DAS - Departamento

Leia mais

Métodos de Sincronização do Kernel

Métodos de Sincronização do Kernel Métodos de Sincronização do Kernel Linux Kernel Development Second Edition By Robert Love Tiago Souza Azevedo Operações Atômicas Operações atômicas são instruções que executam atomicamente sem interrupção.

Leia mais

Construindo um Linux Parte 1 - Disk Boot Objetivo: Entender que o Linux é como um LEGO (Pode ser montado).

Construindo um Linux Parte 1 - Disk Boot Objetivo: Entender que o Linux é como um LEGO (Pode ser montado). Construindo um Linux Parte 1 - Disk Boot Objetivo: Entender que o Linux é como um LEGO (Pode ser montado). Os disquetes Linux são úteis em diversas situações, tais como: Testes de um novo kernel; Recuperação

Leia mais

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06 Levantamento, Análise e Gestão Requisitos Aula 06 Agenda Técnicas de Levantamento de Requisitos: Entrevista Workshop, Brainstorming, Storyboarding e Roleplaying Prototipação JAD Joint Application Design

Leia mais

Turno/Horário Noturno PROFESSOR : Salomão Dantas Soares AULA Apostila nº

Turno/Horário Noturno PROFESSOR : Salomão Dantas Soares AULA Apostila nº UNIDADE 1I: SISTEMA COMPITACIONAL Elementos hardware e periféricos Um sistema computacional consiste num conjunto de dispositivos eletrônicos (hardware) capazes de processar informações de acordo com um

Leia mais

no Xenomai 2.5.x 1 Introdução ao desenvolvimento de aplicações de tempo real Aplicações Hardware Xenomai

no Xenomai 2.5.x 1 Introdução ao desenvolvimento de aplicações de tempo real Aplicações Hardware Xenomai 1 Introdução ao desenvolvimento de aplicações de tempo real no Xenomai 2.5.x O Xenomai foi desenvolvido a partir da versão fusion do RTAI (Real Time Application Interface) e adiciona uma camada de abstracção

Leia mais

MANUAL. Perfil de Professor

MANUAL. Perfil de Professor MANUAL Perfil de Professor Índice 1. Acesso 1.1. Acessando o Canal do Norte... 03 2. Disciplinas 2.1. Acessando Disciplinas... 07 3. Recursos 3.1. Adicionando Recursos... 10 3.2. Página de texto simples...

Leia mais

Utilização do console WEB do DokNF-e. [Version 17/01/2013]

Utilização do console WEB do DokNF-e. [Version 17/01/2013] Utilização do console WEB do DokNF-e [Version 17/01/2013] Índice Sobre o DokNF-e.................................................................... 1 Primeiro Passo - Efetuar o Login......................................................

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento ARTESP. MANUAL DO USUÁRIO - SIGA Extranet GRD e Projetos. MANUAL DO USUÁRIO SIGA EXTRANET GRD e Projetos

Sistema Integrado de Gerenciamento ARTESP. MANUAL DO USUÁRIO - SIGA Extranet GRD e Projetos. MANUAL DO USUÁRIO SIGA EXTRANET GRD e Projetos Sistema Integrado de Gerenciamento ARTESP MANUAL DO USUÁRIO - SIGA Extranet GRD e Projetos MANUAL DO USUÁRIO SIGA EXTRANET GRD e Projetos Versão: 1.5 Fevereiro/2014 Versão: 1.5 Novembro 2008 Versão: 1.5

Leia mais

Telefone com fios Manual de configuração Office

Telefone com fios Manual de configuração Office Telefone com fios Manual de configuração Office Índice Configurar o Office com fios 5 Aceder à página de configuração 5 Alterar a password e outros dados do administrador 5 Editar a extensão telefónica

Leia mais

Projeto ECA na Escola - Plataforma de Educação à Distância

Projeto ECA na Escola - Plataforma de Educação à Distância Página1 Apresentação Projeto ECA na Escola - Plataforma de Educação à Distância Olá Participante do Projeto ECA na Escola, Este tutorial pretende auxiliá-lo na navegação na Plataforma de Educação à Distância

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES (LINUX) Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES (LINUX) Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES (LINUX) Agendador de Tarefas Ocron é um ótimo agendador de tarefas, com ele você pode agendar para um determinado momento um programa qualquer a ser executado. Sua aplicação

Leia mais

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 1 UML Introdução Fases de Desenvolvimento Notação Visões Análise de Requisitos Casos de Uso StarUML Criando Casos de Uso Orientação a Objetos Diagrama de Classes

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Prática 8 Linux Drivers. Alexandre Augusto Giron

Sistemas Operacionais 2014 Prática 8 Linux Drivers. Alexandre Augusto Giron Sistemas Operacionais 2014 Prática 8 Linux Drivers Alexandre Augusto Giron Objetivos da Prática Introdução aos drivers de dispositivos no Linux Como programar um driver no Linux Acesso direto aos dispositivos

Leia mais

NOTIFICANDO USUÁRIOS SOBRE UMA NOVA EDIÇÃO

NOTIFICANDO USUÁRIOS SOBRE UMA NOVA EDIÇÃO EDITOR NOTIFICANDO USUÁRIOS SOBRE UMA NOVA EDIÇÃO Em Edições Clicar em Notificar Usuários A página inicial do Editor exibe as submissões em diversas fases do processo editorial, como no caso deste exemplo:

Leia mais

Sumário. Introdução ao Universo Linux... 1. Parte I

Sumário. Introdução ao Universo Linux... 1. Parte I Sumário Introdução ao Universo Linux... 1 Conhecendo o Linux... 2 Sua História... 2 Conhecendo o Unix... 3 As Variações do Unix... 4 Parte I 1 O Manual de Referências... 9 1.1 Sintaxe do Manual On-line...11

Leia mais

Integrating Multimedia Applications in Hard Real-Time Systems. Introdução - CM são sensíveis a delay e variação no delay (Jitter)

Integrating Multimedia Applications in Hard Real-Time Systems. Introdução - CM são sensíveis a delay e variação no delay (Jitter) Integrating Multimedia Applications in Hard Real-Time Systems Introdução - CM são sensíveis a delay e variação no delay (Jitter) - WCET para CM não é uma abordagem interessante. WCET >> Tempo médio de

Leia mais

1. Verificar se a Microsoft.NET Framework 2.0 está instalada. Se não estiver, efectuar o download a partir do link e instalar:

1. Verificar se a Microsoft.NET Framework 2.0 está instalada. Se não estiver, efectuar o download a partir do link e instalar: SigmaDoc INSTALAÇÃO/ACTUALIZAÇÃO Para efectuar a actualização, proceder do seguinte modo: 1. Verificar se a Microsoft.NET Framework 2.0 está instalada. Se não estiver, efectuar o download a partir do link

Leia mais

Conceitos Básicos sobre Programação Prática

Conceitos Básicos sobre Programação Prática Conceitos Básicos sobre Programação Prática Programa de computador conjunto de instruções e informação necessários ao alcance de um objectivo instruções + dados normalmente, guardados em ficheiros (em

Leia mais

Comm5 Tecnologia Protocolo MI. Protocolo. Família MI

Comm5 Tecnologia Protocolo MI. Protocolo. Família MI Comm5 Tecnologia Protocolo Família MI ÍNDICE PROTOCOLO... pág 03 PERMISSÃO... pág 03 AUTENTICAÇÃO... pág 03 IDENTIFICAÇÃO DAS PORTAS... pág 04 COMANDOS... pág 05 VERIFICAR AS ENTRADAS DO MÓDULO... pág

Leia mais

USANDO O ROUNDCUBE WEBMAIL

USANDO O ROUNDCUBE WEBMAIL USANDO O ROUNDCUBE WEBMAIL ATENÇÃO! Para utilizar este tutorial não se esqueça: Onde estiver escrito seusite.com.br substitua pelo ENDEREÇO do seu site (domínio). Ex.: Se o endereço do seu site é casadecarnessilva.net

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014.

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores : Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Professor: Marissol Martins Alunos: Edy Laus,

Leia mais

PCS 3111 - LABORATÓRIO DE PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS PARA A ENGENHARIA ELÉTRICA

PCS 3111 - LABORATÓRIO DE PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS PARA A ENGENHARIA ELÉTRICA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia de Computação e Sistemas Digitais PCS - LABORATÓRIO DE PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS PARA A ENGENHARIA ELÉTRICA EXERCÍCIO PROGRAMA

Leia mais

Preparatório LPIC-1 Tópico 101

Preparatório LPIC-1 Tópico 101 Preparatório LPIC-1 Tópico 101 Professor M.Sc. Thiago Leite thiago.leite@udf.edu.br 1 Tópico 101 Arquitetura do Sistema Determinar e configurar definições do hardware Sistema de boot Modificar o nível

Leia mais

KF2.4 MANUAL DE UTILIZADOR

KF2.4 MANUAL DE UTILIZADOR MANUAL DE UTILIZADOR Conteúdo Marcas comerciais IKIMOBILE é uma marca registada da Univercosmos, Lda., uma empresa do Grupo FF, com uma participação na Technology Solutions IT INT. Android e Google Search

Leia mais

Especificação do Trabalho Prático

Especificação do Trabalho Prático Especificação do Trabalho Prático O trabalho prático da disciplina consiste em desenvolver um programa utilizando a linguagem de programação C. A seguir, encontram-se a descrição do problema, a forma de

Leia mais

Especificação do Trabalho Prático

Especificação do Trabalho Prático Especificação do Trabalho Prático O trabalho prático da disciplina consiste em desenvolver um programa utilizando a linguagem de programação C. A seguir, encontram-se a descrição do problema, a forma de

Leia mais

Utilização do console WEB do DokCT-e. [Version 17/01/2013]

Utilização do console WEB do DokCT-e. [Version 17/01/2013] Utilização do console WEB do DokCT-e [Version 17/01/2013] Índice Sobre o DokCT-e.................................................................... 1 Primeiro Passo - Efetuar o Login......................................................

Leia mais

Acronis Backup & Recovery 10 Server for Windows

Acronis Backup & Recovery 10 Server for Windows Acronis Backup & Recovery 10 Server for Windows Guia da Instalação Índice 1 Antes da instalação...3 1.1 Componentes do Acronis Backup & Recovery 10... 3 1.1.1 Agente para Windows... 3 1.1.2 Criador de

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012

PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012 Departamento de Engenharia Electrotécnica PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012 Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e Computadores 1º ano 2º semestre Trabalho nº 0 Instalação dos programas

Leia mais

Programação 2009/2010 MEEC MEAer

Programação 2009/2010 MEEC MEAer Programação 2009/2010 MEEC MEAer Guia para criação de um projecto no KDevelop O ambiente de desenvolvimento de software (IDE) a usar durante a unidade curricular de Programação é o KDevelop, que se executa

Leia mais

Fuctura Tecnologia Rua Nicarágua, 159 Espinheiro (81) 3221.9116 / 3088.0992 www.fuctura.com.br

Fuctura Tecnologia Rua Nicarágua, 159 Espinheiro (81) 3221.9116 / 3088.0992 www.fuctura.com.br Topic 105: Kernel 1.105.1 Gerenciando módulos do Kernel Descrição: Um administrador deve ter a habilidade de gerenciar e obter informações de módulos do Kernel. /lib/modules/kernel-version/modules.dep

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Prof. Marcelo Sabaris Carballo Pinto Gerenciamento de Dispositivos Gerenciamento de Dispositivos de E/S Introdução Gerenciador de Dispositivos Todos os dispositivos

Leia mais

Soluções de Acessibilidade. VLibras - Desktop. Manual de Instalação da Ferramenta. Microsoft Windows R. Núcleo de Pesquisa e Extensão / LAViD

Soluções de Acessibilidade. VLibras - Desktop. Manual de Instalação da Ferramenta. Microsoft Windows R. Núcleo de Pesquisa e Extensão / LAViD Soluções de Acessibilidade VLibras - Desktop Manual de Instalação da Ferramenta Microsoft Windows R Núcleo de Pesquisa e Extensão / LAViD 2016 INTRODUÇÃO Objetivo Este manual contém introdução e informações

Leia mais

Gerenciamento de memória

Gerenciamento de memória Na memória principal ficam todos os programas e os dados que serão executados pelo processador. Possui menor capacidade e custo maior. S.O buscam minimizar a ocupação da memória e otimizar sua utilização.

Leia mais

Um Método de Certificação de Pior Caso de Tempo de Execução para Aplicações em Sistemas Operacionais de Tempo Real Não-Críticos

Um Método de Certificação de Pior Caso de Tempo de Execução para Aplicações em Sistemas Operacionais de Tempo Real Não-Críticos Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Pós-Graduação em Ciência da Computação Um Método de Certificação de Pior Caso de Tempo de Execução para Aplicações em Sistemas Operacionais de Tempo

Leia mais

Office Telefone com fios

Office Telefone com fios Office Telefone com fios NOS_Office_com_fios.indd 1 16/05/14 16:30 NOS_Office_com_fios.indd 2 16/05/14 16:30 1. Configurar o Office com fios 1.1. Aceder à página de configuração 1.2. Alterar a password

Leia mais

Manual do Utilizador

Manual do Utilizador Manual do Utilizador TABLET PARA O SETOR DA RESTAURAÇÃO SDILAB Investigação e Desenvolvimento de Software, Lda. Parque Industrial de Celeirós - 1ª Fase, Lote C 4705 Celeirós Braga, Portugal +351 253 678

Leia mais

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM MÓDULO CLIENTE PARA O PROCESSAMENTO DISTRIBUÍDO PARA BIOINFORMÁTICA

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM MÓDULO CLIENTE PARA O PROCESSAMENTO DISTRIBUÍDO PARA BIOINFORMÁTICA TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM MÓDULO CLIENTE PARA O PROCESSAMENTO DISTRIBUÍDO PARA BIOINFORMÁTICA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

Manual de Comando Linux

Manual de Comando Linux Manual de Comando Linux 1 Índice Índice... 2 Introdução... 3 Comandos Simples Linux... 3 Gerir Directórios e Ficheiros... 4 Gerir processos... 6 Estrutura de Diretórios do LINUX... 6 Executar comandos

Leia mais

Principais Comandos do Terminal no LINUX

Principais Comandos do Terminal no LINUX Principais Comandos do Terminal no LINUX Estes comandos não visam ser um compêndio completo de operação, haja vista que se possui mais comandos que esses aqui que serão listados, logo os comandos são:

Leia mais

Curso Online A Escola no Combate ao Trabalho Infantil Plataforma de Educação à Distância

Curso Online A Escola no Combate ao Trabalho Infantil Plataforma de Educação à Distância Página1 Apresentação Curso Online A Escola no Combate ao Trabalho Infantil Plataforma de Educação à Distância Olá Participante do Curso A Escola no Combate ao Trabalho Infantil (ECTI), Este tutorial pretende

Leia mais

Fundamentos de Programação II. Introdução à linguagem de programação C++

Fundamentos de Programação II. Introdução à linguagem de programação C++ Fundamentos de Programação II Introdução à linguagem de programação C++ Prof. Rafael Henrique D. Zottesso Material cedido por Prof. Msc. Everton Fernando Baro Agenda IDE HelloWorld Variáveis Operadores

Leia mais

1 www.tbrinfo.com.br

1 www.tbrinfo.com.br 1 2 BACULA BACKUP 3 AGENDA Introdução Principais Características Interfaces Graficas Topologia Estrutura Descrição das Funções 4 INTRODUÇÃO Bacula é uma solução de backup empresarial multi-plataforma desenvolvida

Leia mais

26/09/2015. Windows Linux Mac OS/X IBM OS/2 Sun Solaris Google Android. MS-DOS Outros... O QUE É? SISTEMAS OPERACIONAIS

26/09/2015. Windows Linux Mac OS/X IBM OS/2 Sun Solaris Google Android. MS-DOS Outros... O QUE É? SISTEMAS OPERACIONAIS O QUE É? SISTEMAS OPERACIONAIS Um programa que vai gerenciar os recursos do seu computador, memória, processador, agenda de tarefas, segurança das transações, autenticação de usuários. Prof. André Aparecido

Leia mais

Manual do usuário. Softcall Java. versão 1.0.5

Manual do usuário. Softcall Java. versão 1.0.5 Manual do usuário Softcall Java versão 1.0.5 Sumário Iniciando SoftCall...3 Tela Principal...3 Configurando o SoftCall...4 Agenda...5 Incluindo um contato...5 Procurando um contato...6 Apagando um contato...6

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DO ESPORTE E DO TURISMO JOGOS OFICIAIS DO PARANÁ / 2015.

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DO ESPORTE E DO TURISMO JOGOS OFICIAIS DO PARANÁ / 2015. JOGOS OFICIAIS DO PARANÁ / 2015. MANUAL DE ORIENTAÇÕES MÓDULO DE CADASTRAMENTO DE ATLETAS 1º PASSO DOWNLOAD DO MÓDULO DE CADASTRAMENTO 1. Entrar no Site Oficial dos Jogos Escolares do Paraná, na aba INSCRIÇÕES

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE APRENDIZADO MULTI- AGENTE EM UM TIME DE FUTEBOL DE ROBÔS

IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE APRENDIZADO MULTI- AGENTE EM UM TIME DE FUTEBOL DE ROBÔS IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE APRENDIZADO MULTI- AGENTE EM UM TIME DE FUTEBOL DE ROBÔS Aluno: Maurício Pedro Silva Gonçalves Vieira Orientador: Karla Figueiredo Introdução Uma partida de futebol robótico

Leia mais

Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito

Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito Tabela de endereçamento da rede IP da rede: Mascara Broadcast 192.168.1.0 255.255.255.192 192.168.1.63 Distribuição de IP S na rede Hosts IP Configuração

Leia mais

- Aulas 57, 58, 59 e 60 - Técnicas de programação. Funções

- Aulas 57, 58, 59 e 60 - Técnicas de programação. Funções 1 - Aulas 57, 58, 59 e 60 - Técnicas de programação. Funções Um programa pode possuir determinados processos realizados repetidas vezes ao longo da execução do programa. Estes processos podem se agrupar

Leia mais

Laboratório de Sistemas Operacionais

Laboratório de Sistemas Operacionais Laboratório de Sistemas Operacionais Módulo 1 Gerência de Memória e de Processos Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Comandos para gerenciamento de processos: top, htop, ps, kill,

Leia mais

Sistema Operacional Ex: Complexo Computador multiusuário com vários terminais Tem que administrar todos os pedidos de usuários e assegurar que eles

Sistema Operacional Ex: Complexo Computador multiusuário com vários terminais Tem que administrar todos os pedidos de usuários e assegurar que eles Sistema Operacional Conjunto de programas que inicializam o hardware do computador; Fornece rotinas básicas para o controle de dispositivos; Fornece gerência, escalonamento e interação de tarefas; Mantém

Leia mais

Características da Câmara de Look 312P. Instalar a Câmara de Look 312P

Características da Câmara de Look 312P. Instalar a Câmara de Look 312P Características da Câmara de Look 312P 1 2 3 Objectiva Focagem manual através do ajuste da objectiva Bolsa Pode colocar o cabo na bolsa. Corpo dobrável Pode ajustar a Look 312P em diferentes posições.

Leia mais

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Outubro de 2007 Resumo Este white paper explica a função do Forefront Server

Leia mais

Windows Device Drivers

Windows Device Drivers Windows Device Drivers Programação de Periféricos SO - 2013/14 Arquitetura Windows Tipos de processos user-mode System Support Process Logon process e session manager Service Processes Agendador de tarefas,

Leia mais

Computação Distribuída de Alto Desempenho. Marcelo Giovani M Souza mgm@cbpf.br

Computação Distribuída de Alto Desempenho. Marcelo Giovani M Souza mgm@cbpf.br Computação Distribuída de Alto Desempenho Marcelo Giovani M Souza mgm@cbpf.br 1 *Exemplos de Tipos Clusters *O Cluster do CBPF *Estudos futuros 2 *Cluster do CBPF -Hardware -Sistema e ferramentas -Formas

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO APLICATIVO CADASTRAMENTO ÚNICO ENTRADA E MANUTENÇÃO DE DADOS VERSÃO 6.0.3

MANUAL DE INSTALAÇÃO APLICATIVO CADASTRAMENTO ÚNICO ENTRADA E MANUTENÇÃO DE DADOS VERSÃO 6.0.3 MANUAL DE INSTALAÇÃO APLICATIVO CADASTRAMENTO ÚNICO ENTRADA E MANUTENÇÃO DE DADOS VERSÃO 6.0.3 Manual de Instalação da V. 6.0.3 1. Apresentação...3 2. Conceitos...4 2.1. Rede...4 2.2. Servidor...4 2.3.

Leia mais

Definição de Programas de Computadores e Linguagem de Programação de Comutadores

Definição de Programas de Computadores e Linguagem de Programação de Comutadores Definição de Programas de Computadores e Linguagem de Programação de Comutadores O computador é um equipamento eletrônico composto por circuitos eletrônicos, que trabalham com o estado ligado(1) e desligado(0),

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais GERÊNCIA DO PROCESSADOR MACHADO/MAIA: CAPÍTULO 08 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Gerenciamento do Processador A gerência do processador pode ser considerada a atividade

Leia mais

Aspectos de Sistemas Operativos

Aspectos de Sistemas Operativos Paulo Sérgio Almeida Grupo de Sistemas Distribuídos Departamento de Informática Universidade do Minho Serviços de um sistema operativo Interface com o utilizador Chamadas ao sistema Programas de sistema

Leia mais

GABARITO COMENTADO SISTEMAS OPERACIONAIS. PROF. Cláudio de C. Monteiro, Evanderson S. de Almeida, Vinícius de M. Rios

GABARITO COMENTADO SISTEMAS OPERACIONAIS. PROF. Cláudio de C. Monteiro, Evanderson S. de Almeida, Vinícius de M. Rios CURSO - TADS TURMA 2008.1 2 PERÍODO 3 MÓDULO AVALIAÇÃO MP2 DATA 02/10/2008 SISTEMAS OPERACIONAIS 2008/2 GABARITO COMENTADO SISTEMAS OPERACIONAIS PROF. Cláudio de C. Monteiro, Evanderson S. de Almeida,

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Multiprogramação 2 a edição Revisão: Fev/2003 Sistemas Operacionais Multiprogramação Capítulo 2 Tornar mais eficiente o aproveitamento dos recursos do computador Execução simultânea* de vários programas

Leia mais

Roteiro para instalação de servidores Linux Parte I Montando o servidor

Roteiro para instalação de servidores Linux Parte I Montando o servidor Roteiro para instalação de servidores Linux Parte I Montando o servidor Serviço Servidor de Arquivos 1 Itens necessários à instalação: a) Endereço IP/Máscara da placa externa da OM; b) Endereço IP/Máscara

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Software Sistema de Entrada/Saída Princípios de Software Tratadores (Manipuladores) de Interrupções Acionadores de Dispositivos (Device Drivers)

Leia mais

Formação de Administradores de Redes Linux LPI level 1. Aula 3 SENAC TI Fernando Costa

Formação de Administradores de Redes Linux LPI level 1. Aula 3 SENAC TI Fernando Costa Formação de Administradores de Redes Linux LPI level 1 Aula 3 SENAC TI Fernando Costa Agenda Manipulação de arquivos Comandos: cat, cut, expand,fmt, head, join, nl, od, paste, pr, split, tac, tail, tr,

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO E-MAIL 12-2008 EQUIPA TIC

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO E-MAIL 12-2008 EQUIPA TIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO E-MAIL 12-2008 EQUIPA TIC OPÇÕES DE ACESSO Passo 1 Abrir o browser (Internet Explorer, Firefox ou outro) e escrever na barra de endereços mail.esmcastilho.pt ou email.esmcastilho.pt.

Leia mais