Integrating Multimedia Applications in Hard Real-Time Systems. Introdução - CM são sensíveis a delay e variação no delay (Jitter)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Integrating Multimedia Applications in Hard Real-Time Systems. Introdução - CM são sensíveis a delay e variação no delay (Jitter)"

Transcrição

1 Integrating Multimedia Applications in Hard Real-Time Systems Introdução - CM são sensíveis a delay e variação no delay (Jitter) - WCET para CM não é uma abordagem interessante. WCET >> Tempo médio de execução - WCET nesse caso pode ocasionar desperdício de recursos - WCET difícil de determinar em um hardware específico quanto mais em diversos tipos de computadores como é o caso das aplicações CM. - Quando dados são recebidos de um dispositivo externo o tempo de chegada entre as mensagens pode não ser determinístico. - Aplicações avançadas de multimídia tendem a ser mais dinâmicos que um sistema de tempo real clássico. - Em virtude disse a maioria das aplicações CM rodam em SOs comuns (Windows, Linux) Objetivo do artigo Propõe uma metodologia de escalonamento baseado na reserva de capacidade de processamento. Para evitar o problema de overload, cada tarefa terá um servidor

2 dedicado que não necessariamente precisa saber o WCET. Terminologia e Suposições - Considerar um sistema com três tipos de tarefas: hard, soft e tarefas que não são de tempo real - Cada tarefa consiste de uma sequência de jobs onde tarefa denota o tempo de requisição do j-ésimo job da - Sistemas hard real time são caracterizados por dois parâmetros adicionais, onde é o WCET e é o menor período entre dois jobs sucessivos, então. Isso aqui garante que um Job não é iniciado antes de outro terminar. - O sistema garante que todas as tarefas hard são completadas dentro do seu deadline. - Assume-se que. Ou seja, o deadline é igual ao período. - Tarefas soft são caracterizadas pelos mesmos entretanto as restrições temporais são mais relaxadas. nesse caso é o tempo médio de execução e representa o período de ativação desejado entre duas tarefas consecutivas.

3 - O objetivo do sistema é minimizar a lentidão das tarefas soft sem comprometer o escalonamento das tarefas hard. - A lentidão onde é o tempo de finalização da tarefa - Uma tarefa periódica é aquela que o tempo entre as requisições sucessivas é igual. Nesse caso - Manipular CM como Hard é inapropriado. Solução apresentada no artigo é utilizar reserva de banda baseada em de tarefas soft. Como se está utilizando o tempo médio de execução a utilização do processador é aumentada. - Para integrar tarefas hard e soft num mesmo sistema. Foi utilizado EDF (Earliest Deadline Frist) para escalonar as tarefas hard, considerando que cada tarefa soft é tratada por um servidor dedicado, CBS (Servidor de Largura de banda Constante) CBS - É caracterizado por um tempo estimado e por um par ordenado, onde é o maior custo estimado e é o período do servidor. - é a largura de banda do servidor. A cada instante um deadline fixo No início. é associado ao servidor.

4 - Para cada job servido é associado um deadline dinâmico igual ao atual. - Sempre que uma tarefa é executada, o tempo estimado decresce o mesmo valor do que foi executado. - Quando a estimativa do servidor é recarregada para o valor máximo e um novo deadline é criado no servidor - CBS é dito ativo num tempo se existem jobs pendentes, ou seja, se existe uma job servida forma que instante ele não está ativo. de. CBS é dito desocupado se num - Quando uma job chega e o servidor está ativo a requisição é enfileirada numa fila de jobs pendentes. - Quando uma job chega e o servidor está desocupado, se o servidor gera um novo deadline e, caso contrário o job é oferecido com deadline usando o atual. - Quando uma job termina, a próxima job pendente, se existir, é oferecida utilizando o atual. Se não tiverem tarefas pendentes o servidor se torna desocupado.

5 Exemplo - Uma tarefa hard periódica, é escalonada juntamente com uma tarefa soft, servida por um CBS com e. Então. Essa é a largura de banda do servidor. - A primeira tarefa chega no instante, quando o servidor está desocupado. Pelo algoritmo temos que verificar deadline é gerado e atribuido a job. então um novo e - No instante então um novo deadline é gerado e - No instante a segunda job chega quando o servidor ainda está ativo, então a requisição é enfileirada. Quando a primeira tarefa termina a segunda tarefa é servida com o deadline atual ( ). - No instante então um novo deadline é gerado e - A terceira job chega no instante quando o servidor está desocupado. Pelo algoritmo temos que verificar a job é escalonada com o deadline atual não é alterado. então e

6 - Cada job é dividida em chunks que são os intervalos no qual uma job executa. Os caracterizados pelo tempo de lançamento são e pelo deadline fixo. Propriedades do CBS Isolação: Dado um conjunto de n tarefas hard periódicas com fator de utilização do processador e um CBS com fator de utilização do processador. O conjunto completo é escalonável por um EDF se e somente se.

7 A consequência mais importante dessa propriedade é que é possível escalonar soft com hard sem afetar as garantias de prioridade, mesmo no caso em que as tarefas soft excedam a espectativa de carga. O CBS comporta-se como um EDF se a tarefa parâmetros com e. tem Resultados da simulação DSS(Dynamic Sporadic Server) Espera o deadline para recarregar o. Enquanto que o DSS fica ocioso até o próximo instante de reposição, que ocorre no deadline, o CBS recarrega o imediatamente. TBS (Total Bandwidth Server) Não tem o problema do DSS mas é necessário conhecer o WCETs para que haja um comportamento correto.

8

9

10 - WCET >> custo médio o TBS causa uma sub-utilização do processador.

11 Implementação e Resultados Experimentais - CBS implementado HARTIK kernel. - A aplicação é um MPEG Player utilizando EDF com e sem CBS. - Considere duas tarefas periódicas, com / 8fps, com / 33fps

12

13

14

Servidores de Aperiódicas

Servidores de Aperiódicas Referências J.-M. Farines, J. da S. Fraga, R. S. de Oliveira. Sistemas de Tempo Real. Escola de Computação 2000, IME-USP, São Paulo-SP, julho/2000. Capítulo 2 Sistemas de Tempo Real: Servidores de Aperiódicas

Leia mais

Tempo Real 7/4/2010. Aula 10. Engenharia de Sistemas Embarcados

Tempo Real 7/4/2010. Aula 10. Engenharia de Sistemas Embarcados Agenda Aula 10 Engenharia de Sistemas Embarcados Prof. Abel Guilhermino Tópico: Sistemas de Tempo Real Conceitos Gerais Processos de Tempo Real Periódico, Aperiódicos e Esporádicos Escalonamento de Tempo

Leia mais

3) Considerando a tabela abaixo, usando a política de atribuição de prioridades Deadline Monotonic:

3) Considerando a tabela abaixo, usando a política de atribuição de prioridades Deadline Monotonic: ANÁLISE DO TEMPO DE RESPOSTA 1) Considere as equações utilizadas para calcular o tempo de resposta no pior caso de uma tarefa em sistemas de prioridades fixas. Podem essas equações serem aplicadas sem

Leia mais

Sistemas de Tempo-Real

Sistemas de Tempo-Real Aula 8 Escalonamento de tarefas aperiódicas Execução conjunta de tarefas periódicas e aperiódicas Utilização de servidores de tarefas aperiódicas Servidores de prioridades fixas Servidores de prioridades

Leia mais

Avaliando o Uso de Servidores para Tarefas Aperiódicas para fins de Tolerância a Falhas em Sistemas com Escalonamento

Avaliando o Uso de Servidores para Tarefas Aperiódicas para fins de Tolerância a Falhas em Sistemas com Escalonamento Avaliando o Uso de Servidores para Tarefas Aperiódicas para fins de Tolerância a Falhas em Sistemas com Escalonamento Dinâmico Ana Carolina Sokolonski Anton 1, George Marconi de Araújo Lima 1 1 Laboratório

Leia mais

Escalonamento (Tarefas Esporádicas)

Escalonamento (Tarefas Esporádicas) Universidade Federal do Amazonas Faculdade de Tecnologia Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica Escalonamento (Tarefas Esporádicas) Lucas Cordeiro lucascordeiro@ufam.edu.br Notas de Aula Baseado

Leia mais

Abordagens de Escalonamento na Perspectiva da Engenharia

Abordagens de Escalonamento na Perspectiva da Engenharia Mercado para tempo real é amplo Necessidade de Diferentes Abordagens Sistemas de Tempo Real: Abordagens de Escalonamento na Perspectiva da Engenharia Rômulo Silva de Oliveira Departamento de Automação

Leia mais

FTL066 Programação em Tempo Real Segunda Lista de Exercícios

FTL066 Programação em Tempo Real Segunda Lista de Exercícios FTL066 Programação em Tempo Real Segunda Lista de Exercícios 1) Descreva as diferenças entre tarefas periódicas, aperiódicas e esporádicas esclarecendo as restrições temporais que caracterizam os comportamentos

Leia mais

Aula 2 Modelos computacionais

Aula 2 Modelos computacionais Sistemas de Tempo-Real Aula 2 Modelos computacionais Modelos de tarefas com restrições temporais explícitas Controlo lógico e temporal (por eventos -ET e por tempo -TT) Adaptado dos slides desenvolvidos

Leia mais

Introdução aos Sistemas Operacionais

Introdução aos Sistemas Operacionais Introdução aos Sistemas Operacionais Prof. Dr. José Luís Zem Prof. Dr. Renato Kraide Soffner Prof. Ms. Rossano Pablo Pinto Faculdade de Tecnologia de Americana Centro Paula Souza Tópicos O que é um Sistema

Leia mais

2 Q-20102010. Prof. Roberto Jacobe (roberto.jacobe@gmail.com)

2 Q-20102010. Prof. Roberto Jacobe (roberto.jacobe@gmail.com) INF-207 Sistemas Computacionais para Processamento Multimídia Sistemas Multimídia Aula 03 Sistemas Operacionais Mutimídia 2 Q-20102010 Prof. Roberto Jacobe (roberto.jacobe@gmail.com) Prof. Marcelo Z. do

Leia mais

Sistemas de Tempo Real: Conceitos Básicos

Sistemas de Tempo Real: Conceitos Básicos Escola de Computação 2000 - IME-USP Sistemas de Tempo Real: Conceitos Básicos Jean-Marie Farines Joni da Silva Fraga Rômulo Silva de Oliveira LCMI - Laboratório de Controle e Microinformática DAS - Departamento

Leia mais

Escalonamento no Linux e no Windows NT/2000/XP

Escalonamento no Linux e no Windows NT/2000/XP Escalonamento no Linux e no Windows NT/2000/XP 1 Escalonamento no Linux Os requisitos do escalonador do Linux eram: Apresentar boa performance em programas interativos, mesmo com carga elevada; Distribuir

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Classificação dos Sistemas Operacionais Classificação Os sistemas operacionais podem ser classificados segundo diversos parâmetros e perspectivas.

Leia mais

Arquiteturas de Software

Arquiteturas de Software Universidade Federal do Amazonas Faculdade de Tecnologia Departamento de Eletrônica e Computação Arquiteturas de Software Lucas Cordeiro lucascordeiro@ufam.edu.br Notas de Aula Estes slides são baseados

Leia mais

Sistemas de Tempo-Real

Sistemas de Tempo-Real Aula 9 Outros aspectos do escalonamento de tempo-real Escalonamento sem preempção Questões de aplicação prática em sistemas reais 1 Aula anterior (8) Execução conjunta de tarefas periódicas e aperiódicas

Leia mais

Escalonamento de CPU 2 Quadrimestre

Escalonamento de CPU 2 Quadrimestre BC1518-Sistemas Operacionais Escalonamento de CPU 2 Quadrimestre de 2010 (aula 05) Prof. Marcelo Z. do Nascimento marcelo.nascimento@ufabc.edu.br Roteiro Conceito Despachante Critérios de escalonamento

Leia mais

Aula 5 Escalonamento usando prioridades fixas

Aula 5 Escalonamento usando prioridades fixas Sistemas de Tempo-Real Aula 5 Escalonamento usando prioridades fixas Escalonamento on-line com prioridades fixas O critério Rate-Monotonic limite de utilização de CPU Os critérios Deadline-Monotonic e

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 4 SUPORTE AO SISTEMA OPERACIONAL Prof. Luiz Gustavo A. Martins Sistema Operacional (S.O.) Programa responsável por: Gerenciar os recursos do computador. Controlar a execução

Leia mais

Introdução. O que vimos. Infraestrutura de Software. (cont.) História dos Sistemas Operacionais. O que vimos 12/03/2012. Primeira geração: 1945-1955

Introdução. O que vimos. Infraestrutura de Software. (cont.) História dos Sistemas Operacionais. O que vimos 12/03/2012. Primeira geração: 1945-1955 O que vimos Infraestrutura de Software Introdução (cont.) Complexidade do computador moderno, do ponto de vista do hardware Necessidade de abstrações software Sistema computacional em camadas SO como uma

Leia mais

Nível do Sistema Operacional

Nível do Sistema Operacional Nível do Sistema Operacional (Aula 14) Introdução a Sistemas Operacionais Roberta Lima Gomes - LPRM/DI/UFES Sistemas de Programação I Eng. Elétrica 2007/1 Introdução Hardware Provê os recursos básicos

Leia mais

Introdução. Sistemas Operacionais

Introdução. Sistemas Operacionais FATEC SENAC Introdução à Sistemas Operacionais Rodrigo W. Fonseca Sumário Definição de um S.O. Características de um S.O. História (evolução dos S.O.s) Estruturas de S.O.s Tipos de Sistemas Operacionais

Leia mais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais Introdução Nível do Sistema Operacional (Aula 14) Introdução a Sistemas Operacionais Hardware Provê os recursos básicos de computação (CPU, memória, E/S,etc.) Programas (aplicações) Definem as maneiras

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS 1 SISTEMAS OPERACIONAIS Profª Josiane T. Ferri Licenciada em Computação prof.jositf@yahoo.com.br facebook.com/josiferri ESTRUTURA DO SISTEMA OPERACIONAL Embora a definição de níveis de privilégio imponha

Leia mais

Escalonamento de Processos em Multiprocessadores

Escalonamento de Processos em Multiprocessadores Sistemas Operacionais Escalonamento de Processos em Multiprocessadores Capítulo 10 IC - UFF 1 Processamento Paralelo e Distribuído Multiprocessadores X Multicomputadores Memória IC - UFF 2 Processamento

Leia mais

Sistemas Operacionais. Roteiro. Tipos de Tarefas (temporal) Marcos Laureano

Sistemas Operacionais. Roteiro. Tipos de Tarefas (temporal) Marcos Laureano Sistemas Operacionais Marcos Laureano 1/28 Roteiro Tipos de Tarefas Preempção Escalonamento de processos Tipos de escalonamentos 2/28 Tipos de Tarefas (temporal) Tarefas de tempo real Previsibilidade em

Leia mais

1º Estudo Dirigido. Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais

1º Estudo Dirigido. Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais 1º Estudo Dirigido Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais 1. Defina um sistema operacional de uma forma conceitual correta, através de suas palavras. R: Sistemas Operacionais são programas de

Leia mais

Resumo até aqui. Gerenciamento Proteção Compartilhamento. Infra-estrutura de Software

Resumo até aqui. Gerenciamento Proteção Compartilhamento. Infra-estrutura de Software Resumo até aqui Complexidade do computador moderno, do ponto de vista do hardware Necessidade de abstrações software Sistema computacional em camadas SO como uma máquina estendida abstrações SO como um

Leia mais

Sistemas de Lotes (2) Sistemas de Lotes (3) Layout da MP em Sistemas de Lotes. Minimizar o tempo de resposta

Sistemas de Lotes (2) Sistemas de Lotes (3) Layout da MP em Sistemas de Lotes. Minimizar o tempo de resposta 1 Mono e multiprogramação Introdução Classificação (Aula 2) Recap Sistemas Máquina Profa. Patrícia Gerenciador D. CostaLPRM/DI/UFES Provê Fornece Compartilhamento programador máquina justa recursos Operacionais

Leia mais

Sistemas Operativos I

Sistemas Operativos I Sistemas Operativos I Escalonamento Fevereiro de 2006 Sumário Conceitos básicos Critérios de escalonamento Algoritmos de escalonamento Escalonamento multi-processador Escalonamento em tempo real 2 1 Conceitos

Leia mais

Infra-Estrutura de Software. Introdução. (cont.)

Infra-Estrutura de Software. Introdução. (cont.) Infra-Estrutura de Software Introdução (cont.) O que vimos Complexidade do computador moderno, do ponto de vista do hardware Necessidade de abstrações software Sistema computacional em camadas SO como

Leia mais

Sistemas de Tempo Real: O Tempo Real. Rômulo Silva de Oliveira Departamento de Automação e Sistemas DAS UFSC

Sistemas de Tempo Real: O Tempo Real. Rômulo Silva de Oliveira Departamento de Automação e Sistemas DAS UFSC Sistemas de Tempo Real: O Tempo Real Rômulo Silva de Oliveira Departamento de Automação e Sistemas DAS UFSC romulo@das.ufsc.br http://www.das.ufsc.br/~romulo Maio/2007 1 Relógio Físico - Astronômico Medição

Leia mais

Sistema Operacional. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Sistema Operacional. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sistema Operacional Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Tipos de Sistemas Operacionais; Escalonamento; Gerenciamento de Memória; Bibliografia. Prof. Leonardo Barreto Campos 2/25 Introdução

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Prof. André Dutton

SISTEMAS OPERACIONAIS. Prof. André Dutton 1 SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. André Dutton O OS esta ligado diretamente com o Hardware do Computador no qual ele é executado. CPU MEMORIA CONTROLAD OR DE VIDEO CONTROLAD OR DE TECLADO CONTROLAD OR DE DISCO

Leia mais

Classificação Quanto. Sistemas de Lotes (2) Sistemas de Lotes (3)

Classificação Quanto. Sistemas de Lotes (2) Sistemas de Lotes (3) 1 Mono e multiprogramação Introdução Classificação (Aula 2) Recap Sistemas Máquina Profa. Patrícia Gerenciador D. CostaLPRM/DI/UFES Provê Fornece Compartilhamento programador máquina justa recursos Operacionais

Leia mais

SO - Conceitos Básicos. Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola

SO - Conceitos Básicos. Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola SO - Conceitos Básicos Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola Definição de SO É uma camada de software que opera entre o hardware e os programas aplicativos voltados ao usuário final. É uma estrutura

Leia mais

Apresentação da disciplina. Sistemas Operacionais I N. A disciplina. O Professor. Áreas de atuação na pesquisa. Referências bibliográficas básicas

Apresentação da disciplina. Sistemas Operacionais I N. A disciplina. O Professor. Áreas de atuação na pesquisa. Referências bibliográficas básicas 1 Apresentação da disciplina Sistemas Operacionais I N Prof. Marcelo Johann 2009/2 O professor A disciplina Bibliografia Cronograma Avaliação Trabalhos Regras do jogo Introdução: Sistemas Operacionais

Leia mais

Tipos de sistemas operacionais

Tipos de sistemas operacionais Tipos de sistemas operacionais Sistemas Operacionais de Computadores de Grande Porte Sistemas Operacionais para Servidores Sistemas Operacionais de Multiprocessadores Sistemas Operacionais para Computadores

Leia mais

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são?

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Aplicações Multimédia: áudio e vídeo pela rede ( meios contínuos ) QoS a rede oferece às aplicações o nível de desempenho necessário para funcionarem.

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Suporte do Sistema Operacional Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Objetivos

Leia mais

Algoritmos de Escalonamento

Algoritmos de Escalonamento Na aula anterior lgoritmos de Escalonamento Marcelo Johann Threads Sincronização Semáforos ula : Slide ula : Slide Plano da aula de Hoje. FIFO. SJF. Prioridade. Round-Robin 5. Múltiplas Filas 6. Garantido

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais O que se espera de um sistema de computação? Execução de programas de usuários Permitir a solução de problemas Sistema Operacional (SO) é um programa colocado entre o hardware do

Leia mais

Sistemas Operativos. Sumário. Escalonador da CPU. ! Filas Multinível. ! Filas Multinível com Feedback. ! Escalonamento em multiprocessadores

Sistemas Operativos. Sumário. Escalonador da CPU. ! Filas Multinível. ! Filas Multinível com Feedback. ! Escalonamento em multiprocessadores Escalonador da CPU Sumário! Filas Multinível! Filas Multinível com Feedback! Escalonamento em multiprocessadores! Escalonamento em tempo real! Avaliação de algoritmos 2 1 Filas Multinível! Os processos

Leia mais

Gerência de Processador

Gerência de Processador Gerência de Processador Prof. Edwar Saliba Júnior Junho de 2009 Unidade 03-003 Gerência de Processador 1 Introdução Com o surgimento dos sistemas multiprogramáveis, onde múltiplos processos poderiam permanecer

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: comunicação orientada por mensagem e comunicação orientada por fluxo Prof. MSc. Hugo Souza Continuando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre

Leia mais

VI - Introdução aos Sistemas Operacionais

VI - Introdução aos Sistemas Operacionais VI - Introdução aos Sistemas Operacionais Consiste de um ou um conjunto de programas que compõem o software básico do computador e cuja finalidade é a de executar os programas aplicativos e de servir de

Leia mais

Introdução à Simulação

Introdução à Simulação Introdução à Simulação O que é simulação? Wikipedia: Simulação é a imitação de alguma coisa real ou processo. O ato de simular algo geralmente consiste em representar certas características e/ou comportamentos

Leia mais

Sistemas Operacionais. INTRODUÇÃO Prof. Rafael Alberto Vital Pinto FACSUL/CESUR

Sistemas Operacionais. INTRODUÇÃO Prof. Rafael Alberto Vital Pinto FACSUL/CESUR Sistemas Operacionais INTRODUÇÃO Prof. Rafael Alberto Vital Pinto FACSUL/CESUR 1 Introdução O que se espera de um sistema de computação? Execução de programas de usuários Permitir a solução de problemas

Leia mais

Sistemas Operacionais. Introdução

Sistemas Operacionais. Introdução Sistemas Operacionais Introdução Informações Gerais Site http://www.inf.ufes.br/~rgomes/so.htm Email soufes@gmail.com Sistemas Operacionais Objetivo do Curso Apresentar os fundamentos teóricos dos sistemas

Leia mais

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários.

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários. Os sistemas computacionais atuais permitem que diversos programas sejam carregados na memória e executados simultaneamente. Essa evolução tornou necessário um controle maior na divisão de tarefas entre

Leia mais

Sistemas Operacionais. Escalonamento de Processo. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira

Sistemas Operacionais. Escalonamento de Processo. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais Escalonamento de Processo Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Quando um computador é multiprogramado, ele muitas vezes tem variados processos que competem pela CPU ao mesmo tempo; Essa

Leia mais

Sistemas de Tempo Real

Sistemas de Tempo Real Sistemas de Tempo Real Docente Paulo Pedreiras pbrp@ua.pt http://ppedreiras.av.it.pt/ Adaptado dos slides desenvolvidos pelo Prof. Doutor Luís Almeida para a disciplina Sistemas de Tempo-Real DETI/UA ;

Leia mais

Gerência de Redes Áreas Funcionais de Gerenciamento. Douglas Duarte ddsbdc@gmail.com

Gerência de Redes Áreas Funcionais de Gerenciamento. Douglas Duarte ddsbdc@gmail.com Gerência de Redes de Gerenciamento Douglas Duarte ddsbdc@gmail.com de Gerenciamento Gerenciamento de Falhas; Gerenciamento de Desempenho; Gerenciamento de Contabilização; Gerenciamento de Configuração;

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Software Sistema de Entrada/Saída Princípios de Software Tratadores (Manipuladores) de Interrupções Acionadores de Dispositivos (Device Drivers)

Leia mais

Máquinas virtuais. Máquina virtual de um processo. Máquinas virtuais (3) Máquina virtual de sistema. Máquinas virtuais (1) VMware para Windows e Linux

Máquinas virtuais. Máquina virtual de um processo. Máquinas virtuais (3) Máquina virtual de sistema. Máquinas virtuais (1) VMware para Windows e Linux System API Máquinas virtuais System ISA (Instruction Set Architecture) Aplicações Chamadas ao sistema Sistema de Operação Hardware User ISA (Instruction Set Architecture) Uma máquina virtual executa software

Leia mais

8 Threads. 8.1 Introdução

8 Threads. 8.1 Introdução 1 8 Threads 8.1 Introdução Uma thread, também chamada de tarefa, pode ser definida como uma parte ou rotina de um processo em execução que compartilha o mesmo espaço de endereçamento, mas tem seu próprio

Leia mais

Chamadas de Sistema e Processo

Chamadas de Sistema e Processo Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Chamadas de Sistema e Processo Estrutura do Computador Sistemas Operacionais Estrutura do Computador Sistemas Operacionais Modos de Acesso ao S.O.

Leia mais

Chamadas de Sistema e Processo

Chamadas de Sistema e Processo Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Chamadas de Sistema e Processo Estrutura do Computador Sistemas Operacionais Estrutura do Computador Sistemas Operacionais Modos de Acesso ao S.O.

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de processos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Introdução Multiprogramação Permite a execução de diversos processos concorrentemente Maior

Leia mais

Sistemas Operativos. Princípios de sistemas operativos. Rui Maranhão (rma@fe.up.pt)

Sistemas Operativos. Princípios de sistemas operativos. Rui Maranhão (rma@fe.up.pt) Sistemas Operativos Princípios de sistemas operativos Rui Maranhão (rma@fe.up.pt) Agenda objectivos de um computador objectivos de um sistema operativo evolução dos sistemas operativos tipos de sistemas

Leia mais

Sistemas Operacionais. Processos. Edeyson Andrade Gomes. edeyson@uol.com.br

Sistemas Operacionais. Processos. Edeyson Andrade Gomes. edeyson@uol.com.br Sistemas Operacionais Processos Edeyson Andrade Gomes edeyson@uol.com.br Roteiro da Aula Conceitos Estados do Processo Controle de Processo Escalonamento Criação e Término de Processos 2 Definição Processo

Leia mais

Noções de Software. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com)

Noções de Software. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Software André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Software; Sistemas Operacionais: Evolução; Conceitos Básicos; Tipos; Exemplos. DEINFO/UFRPE

Leia mais

APLICABILIDADE DE QoS NOS RECURSOS DE TELECOMUNICAÇÕES EM AMBIENTES CORPORATIVOS

APLICABILIDADE DE QoS NOS RECURSOS DE TELECOMUNICAÇÕES EM AMBIENTES CORPORATIVOS Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 81 APLICABILIDADE DE QoS NOS RECURSOS DE TELECOMUNICAÇÕES EM AMBIENTES CORPORATIVOS Luiz Eduardo de Castilho Junior,

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA 1. INTRODUÇÃO O conceito de concorrência é o princípio básico para o projeto e a implementação dos sistemas operacionais multiprogramáveis. O sistemas multiprogramáveis

Leia mais

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Introdução a Redes Convergentes. Camadas de uma rede convergente. Desafios na implementação de redes convergentes. Introdução a Redes Convergentes.

Leia mais

Muitas aplicações modernas podem ser modeladas como tarefas divisíveis.

Muitas aplicações modernas podem ser modeladas como tarefas divisíveis. 1 Introdução O grande aumento de performance das redes de computadores, combinado com a proliferação de computadores de baixo custo e alto desempenho, trouxe à tona ambientes de meta-computação, ou grids[15,

Leia mais

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo 4 PROCESSOS Os primeiros sistemas operacionais permitiam que apenas um processo fosse executado por vez. Dessa maneira, este processo tinha todo o sistema computacional a sua disposição. Os atuais sistemas

Leia mais

Desempenho. Prof. Thiago Nelson

Desempenho. Prof. Thiago Nelson Desempenho Prof. Thiago Nelson Utilização da Rede A utilização reflete o percentual da capacidade da rede utilizada em um dado instante de tempo. Exemplo: Um tráfego de 30% em um segmento Ethernet 10 Mbpsrepresenta

Leia mais

O mecanismo de alocação da CPU para execução de processos constitui a base dos sistemas operacionais multiprogramados.

O mecanismo de alocação da CPU para execução de processos constitui a base dos sistemas operacionais multiprogramados. O mecanismo de alocação da CPU para execução de processos constitui a base dos sistemas operacionais multiprogramados. A multiprogramação tem como objetivo permitir que, a todo instante, haja algum processo

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

Sistemas de Armazenamento Compartilhado com Qualidade de Serviço e Alto Desempenho

Sistemas de Armazenamento Compartilhado com Qualidade de Serviço e Alto Desempenho Sistemas de Armazenamento Compartilhado com Qualidade de Serviço e Alto Desempenho Pedro Eugênio Rocha, Luis Carlos Erpen de Bona Departamento de Informática Universidade Federal do Paraná (UFPR) Caixa

Leia mais

Provisão de Qualidade de Serviço em Escalonadores para Sistemas Operacionais Embarcados de Tempo-Real.

Provisão de Qualidade de Serviço em Escalonadores para Sistemas Operacionais Embarcados de Tempo-Real. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Provisão de Qualidade de Serviço em Escalonadores para Sistemas Operacionais

Leia mais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais Sistema Operacional Processo e Threads Introdução a Processos Todos os computadores modernos são capazes de fazer várias coisas ao mesmo tempo. Enquanto executa um programa do usuário, um computador pode

Leia mais

Sistemas de Armazenamento Compartilhado com Qualidade de Serviço e Alto Desempenho

Sistemas de Armazenamento Compartilhado com Qualidade de Serviço e Alto Desempenho IX Workshop em Clouds, Grids e Aplicações 133 Sistemas de Armazenamento Compartilhado com Qualidade de Serviço e Alto Desempenho Pedro Eugênio Rocha, Luis Carlos Erpen de Bona Departamento de Informática

Leia mais

MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP

MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP Nilton Alves Júnior naj@cbpf.br Kelly Soyan Pires Dominguez kelly@cbpf.br Resumo Este trabalho tem como função explicitar o conceito de Qualidade de Serviço

Leia mais

Capítulo 2. Processos e Threads. Processos e threads

Capítulo 2. Processos e Threads. Processos e threads Capítulo 2 Processos e Threads 1 Processos e threads 1. Processos 2. Threads 3. Comunicação inter processos (IPC) 4. Problemas clássicos de IPC 5. Escalonamento (Scheduling) 2 1 Processos: O modelo de

Leia mais

Estudo Experimental do Linux como Plataforma para Aplicações de Tempo Real Brando

Estudo Experimental do Linux como Plataforma para Aplicações de Tempo Real Brando Estudo Experimental do Linux como Plataforma para Aplicações de Tempo Real Brando Cássia Yuri Tatibana Carlos Alexandre Piccioni Rômulo Silva de Oliveira cytatiba@das.ufsc.br piccioni@das.ufsc.br romulo@das.ufsc.br

Leia mais

Nível 3 Sistema Operacional

Nível 3 Sistema Operacional Nível 3 Sistema Operacional Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Organização de Computadores Prof. André Luiz 1 Nível

Leia mais

Sistemas de Tempo Real

Sistemas de Tempo Real Sistemas de Tempo Real Jean-Marie Farines Joni da Silva Fraga Rômulo Silva de Oliveira Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina Florianópolis, julho de 2000. Prefácio

Leia mais

Capítulo 2 Processos e Threads Prof. Fernando Freitas

Capítulo 2 Processos e Threads Prof. Fernando Freitas slide 1 Capítulo 2 Processos e Threads Prof. Fernando Freitas Material adaptado de: TANENBAUM, Andrew S. Sistemas Operacionais Modernos. 3ª edição. Disponível em: http://www.prenhall.com/tanenbaum_br slide

Leia mais

Gerência de processos Requisitos fundamentais

Gerência de processos Requisitos fundamentais Requisitos fundamentais Implementar um modelo de processo. Implementar facilidades para criação e destruição de processos por usuários Alocar recursos a processos Intercalar a execução de um número de

Leia mais

Noções de Software. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com)

Noções de Software. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Software André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) 1 Noções de Software; Sistemas Operacionais: Evolução; Conceitos Básicos; Tipos; Exemplos. DEINFO/UFRPE

Leia mais

Projeto de Sistemas de Tempo Real

Projeto de Sistemas de Tempo Real Projeto de Sistemas de Tempo Real Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Engenharia da Computação Kiev Gama kiev@cin.ufpe.br Slides elaborados pelo professor Marcio Cornélio O autor

Leia mais

Sistemas Operacionais Processos e Threads

Sistemas Operacionais Processos e Threads Sistemas Operacionais Processos e Threads Prof. Marcos Monteiro, MBA http://www.marcosmonteiro.com.br contato@marcosmonteiro.com.br 1 Estrutura de um Sistema Operacional 2 GERÊNCIA DE PROCESSOS Um processo

Leia mais

Gerência do Processador

Gerência do Processador Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Gerência do Processador Desenvolvimento web II IMPORTANTE SABER Desenvolvimento web II DEADLOCK (interbloqueio, blocagem, impasse) Situação em

Leia mais

Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source

Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source Alunos: Justino Santos, Paulo Neto E-mail: eic10428@student.estg.ipleiria.pt, eic10438@student.estg.ipleiria.pt Orientadores: Prof. Filipe Neves, Prof. Paulo Costa

Leia mais

Sistemas Operacionais 2010/1 - Prof. José Gonçalves 1

Sistemas Operacionais 2010/1 - Prof. José Gonçalves 1 Informações Gerais Introdução Site http://www.inf.ufes.br/~rgomes/so.htm Email soufes@gmail.com Objetivo do Curso Apresentar os fundamentos teóricos dos sistemas operacionais modernos, enfatizando os seus

Leia mais

Aula de introdução ao NS-2

Aula de introdução ao NS-2 Universidade Federal Fluminense Departamento de Engenharia de Telecomunicações Mestrado em Engenharia de Telecomunicações Aula de introdução ao NS-2 Disciplina: Fundamentos de Sistemas Multimídia Professora:

Leia mais

RELÓGIO (TIMER), HARDWARE RELÓGIO (TIMER), HARDWARE RELÓGIO (TIMER), HARDWARE

RELÓGIO (TIMER), HARDWARE RELÓGIO (TIMER), HARDWARE RELÓGIO (TIMER), HARDWARE RELÓGIO (TIMER), HARDWARE TEMPORIZADORES SÃO ESSENCIAIS PARA MULTIPROGRAMAÇÃO; HÁ UM DRIVER PARA O TIMER; ALIMENTADO EM 110 OU 220 V, CAUSAVA UMA INTERRUPÇÃO A CADA CICLO DE VOLTAGEM, A UM FREQUÊNCIA DE

Leia mais

COS767 - Modelagem e Análise Aula 2 - Simulação. Algoritmo para simular uma fila Medidas de interesse

COS767 - Modelagem e Análise Aula 2 - Simulação. Algoritmo para simular uma fila Medidas de interesse COS767 - Modelagem e Análise Aula 2 - Simulação Algoritmo para simular uma fila Medidas de interesse Simulação O que é uma simulação? realização da evolução de um sistema estocástico no tempo Como caracterizar

Leia mais

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Qualidade de serviço Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Vazão Atraso Variação do atraso Erros Outros Qualidade de

Leia mais

JOSINEY DE SOUZA AVALIAÇÃO DE ALGORITMOS DE ESCALONAMENTO DE DISCO COM QUALIDADE DE SERVIÇO EM AMBIENTES VIRTUALIZADOS

JOSINEY DE SOUZA AVALIAÇÃO DE ALGORITMOS DE ESCALONAMENTO DE DISCO COM QUALIDADE DE SERVIÇO EM AMBIENTES VIRTUALIZADOS JOSINEY DE SOUZA AVALIAÇÃO DE ALGORITMOS DE ESCALONAMENTO DE DISCO COM QUALIDADE DE SERVIÇO EM AMBIENTES VIRTUALIZADOS Dissertação apresentada como requisito parcial à obtenção do grau de Mestre. Programa

Leia mais

Aplicações e redes multimédia

Aplicações e redes multimédia Aplicações e redes multimédia Aplicações multimédia Streaming de áudio e vídeo RTSP, RTP Telefonia pela Internet RTCP, RTP, SIP Disciplinas de serviço e policiamento de tráfego Serviços integrados RSVP

Leia mais

5 Planejamento dos experimentos

5 Planejamento dos experimentos 5 Planejamento dos experimentos Depois de escolher e implementar 5 modelos de concorrência e 4 modelos de sandboxes que consideramos representativos para um servidor web Lua, procuramos os principais fatores

Leia mais

Processos e Threads (partes I e II)

Processos e Threads (partes I e II) Processos e Threads (partes I e II) 1) O que é um processo? É qualquer aplicação executada no processador. Exe: Bloco de notas, ler um dado de um disco, mostrar um texto na tela. Um processo é um programa

Leia mais