Gestão de Access Points/ Páginas Web. Curso: Engenharia Electrónica e Redes de Computadores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão de Access Points/ Páginas Web. Curso: Engenharia Electrónica e Redes de Computadores"

Transcrição

1 Gestão de Access Points/ Páginas Web Curso: Engenharia Electrónica e Redes de Computadores Coordenadora: Sara Paiva António Esteves n de Julho de 2007

2

3 Agradecimentos É com muito gosto que aproveito esta oportunidade para agradecer aos meus pais e à minha familia, por terem-me dado a possibilidade de estudar. Agradeço à professora Sara Paiva que orientou-me, apoiou-me e incentivou-me nos momentos mais difíceis deste projecto. Aos meus amigos e colegas do 3 o ano do curso de EERC que, diariamente, convivo e partilho as aulas e os seus conhecimentos, um muito obrigado. Aos meus amigos do 4 o e 5 o anos do curso de EERC que contribuíram com a sua sabedoria para a realização deste projecto, um muito obrigado. Agradeço ao professor Pedro Pinto por leccionar a disciplina de Introdução as Redes e Serviços de Comunicação, que transmite muitos conhecimentos sobre redes informáticas. Também agradeço ao professor Júlio Pires por dar uma introdução sobre PERL e Base de Dados. A todos aqueles que encontro nas minhas saídas nocturnas realizadas para aliviar o stress causado diariamente pelos estudos, nunca vos esquecerei.

4

5 Resumo Com instalação da rede e-u na ESTG (Escola Superior de Tecnologia e Gestão) do IPVC (Instituto Politécnico de Viana do Castelo), os alunos e professores podem desfrutar da internet em qualquer e todo o seu espaço. Quando ocorre uma falha no AP, o administrador da rede não sabe que o AP deixou de funcionar, nem quando ocorreu a falha. Assim sendo, este projecto tem como finalidade receber as mensagens enviadas pelos APs, depois de devidamente configurados. Para tal usa-se o protocolo SNMP (Simple Network Management Protocol) para receber as notificações do equipamento gerido. As notificações tratadas e depois armazenadas na base de dados e posteriormente são consultadas através duma página web.

6 Conteúdo 1 Lista de Siglas e Abreviaturas 1 2 Objectivos 3 3 Introdução Componentes do PC Sistema Operativo Protocolo SNMP Programação Perl Base de Dados Componentes do PC Windows XP Visual Studio ODBC IIS Desenvolvimento Envio de traps Criação da Base de Dados Transferência das traps para a base de dados Mover o conteúdo do ficheiro snmptrapd.log para o array Ciclo para ler todas a linhas do array Atribuição das variáveis Ligação à base de dados Visualização das traps na base de dados Criação da página web Teste com o AP 35 6 Conclusões 47 A Instalação de pacotes em Linux 51 A.1 Instalação do NET-SNMP A.2 Perl i

7 A.3 MySQL A.4 Wireshark B Instalação do Driver ODBC 57 C Código Fonte da página web 59 D Código fonte do programa exemplo1.pl 61 ii

8 Lista de Figuras 3.1 Configuração da rede Exemplo duma MIB Mensagem SNMP Simulação do envio da trap Visualização da trap no Wireshark Configuração do ficheiro snmptrapd na directoria /etc/sysconfig/ Configuração do ficheiro snmptrapd.conf na directoria /etc/snmp/ Conteúdo do ficheiro snmptrapd.log na directoria /etc/snmp/ Conteúdo do ficheiro snmptrapd.log na directoria /etc/snmp/ Conteúdo do ficheiro snmptrapd.log na directoria /etc/snmp/ Visualização da trap no Wireshark Simulação do envio das traps Visualização de todas as traps no Wireshark Visualização do conteúdo do ficheiro snmptrapd.log Criação da Base de Dados Descrição da tabela Mover o conteúdo do ficheiro snmptrapd.log para o array Determinar o comprimento do tipo da trap Atribuição das variáveis Ligação à base de dados Execução do programa exemplo1.pl Traps na base de dados Menu para criar a página web Design da página web Código para aceder à base de dados Permissão da base de dados Servidor IIS Servidor web Ordenação por Data Ordenação por Tipo Definição da comunidade Configuração do AP para enviar traps iii

9 5.3 Configuração do AP para enviar traps Inicio do daemon Antes de activar a rede wireless Depois de activar a rede wireless Conteúdo do ficheiro snmptrapd.log Traps ordenadas por ID Traps ordenadas por Data Traps ordenadas por Hora Traps ordenadas por Tipo Traps ordenadas por IP A.1 Menu de instalação A.2 Menu de instalação NET-SNMP A.3 Menu de instalação Perl A.4 Menu de instalação MySQL A.5 Menu de instalação Wireshark B.1 Menu de instalação ODBC iv

10 Capítulo 1 Lista de Siglas e Abreviaturas AP - Access Points C# - C Sharp EGP - Exterior Gateway Protocol IIS - Serviços de Informação Internet IP - Internet Protocol MIB - Management Information Base ODBC - Open Data Base Connectivity OID - Object Identifier PC - Personal Computer PDU - Protocol Description Unit SNMP - Simple Network Management Protocol SO - Sistema Operativo SQL - Structured Query Language TCP - Transmission Control Protocol UDP - User Datagram Protocol VB - Visual Basic 1

11 2 CAPÍTULO 1. LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS

12 Capítulo 2 Objectivos Simular o envio das traps. Configurar um PC para receber traps. Tratar as traps recebidas. Colocar as traps numa base de dados. Visualizar as traps na página web. Configurar o AP para enviar traps. 3

13 4 CAPÍTULO 2. OBJECTIVOS

14 Capítulo 3 Introdução A principal função deste projecto é receber as traps dos APs e apresenta-las numa página web. Para tal, são utilizados conceitos do protocolo SNMP, de programação em PERL, da Base de Dados MySQL e de Visual Studio C#. Assim sendo, podemos dividir o projecto em vários processos. A figura 3.1 mostra como está interligado o AP com os PCs e como o software interage entre si. Figura 3.1: Configuração da rede O funcionamento geral é muito simples, o AP envia as traps para um determinado IP (PC1) através do protocolo SNMP, este recebe as traps utilizando o daemon snmptrapd. Depois executa-se um programa, em PERL, para ler um ficheiro e colocar, as traps, numa base de dados previamente criada. No PC2 está o Visual Studio para editar a página web e o IIS para disponibilizar a página web na rede, para consultar as traps, que acede à base 5

15 6 CAPÍTULO 3. INTRODUÇÃO de dados do PC Componentes do PC Sistema Operativo O Linux é um SO baseado no UNIX. Foi desenvolvido por Linus Torvalds 1 em conjunto com um grupo de voluntários através da internet. Inicialmente, tratou-se de um projecto particular, entretanto, ele enviou uma mensagem a convidar todos os interessados a participar no seu projecto. Depois de lançar a sua primeira versão "oficial" 2, que continha alguns comandos básicos e depois o utilizador deveria procurar outros programas, compilá-los e configurá-los, então muitos programadores têm respondido ao seu apelo, e têm ajudado a fazer com que o Linux seja código aberto e de software livre. O seu código fonte está disponível para que qualquer pessoa possa utilizar, estudar, modificar e distribuir livremente. Criado para PCs, teve a colaboração de grandes empresas, tornando-se como principal SO de servidores; 8 dos 10 serviços de alojamento mais confiáveis da Internet utilizam o SO Linux nos seus servidores web. Existe muitas distribuições Linux, dependendo das aplicações e finalidades, as mais utilizadas são: Caixa Mágica, Debian, Dual OS, Fedora, Freedows, Knoppix, Kurumin, Mandriva, Red Hat Linux, Slackware, SuSE, Ubuntu Linux. A distribuição Mandriva surgiu com a união da MandrakeSoft e Conectiva. A Mandrake- Soft é uma das principais distribuições Linux da Europa, com representação mundial em mais de 120 países, sendo uma das mais potentes e relativamente fácil de usar, seja para uso doméstico ou empresarial; e a Conectiva, pioneira na distribuição Linux e código aberto em português, espanhol e inglês para toda a América Latina. Devido à grande quantidade de fabricantes e dispositivos existentes no mercado, os SO s em código aberto ganham maior relevância porque é possível configurar e alterar o as definições do SO para os dispositivos utilizados Protocolo SNMP O SNMP foi desenvolvido para gerir, monitorizar e controlar configurações, performance, falhas, estatísticas e segurança da rede. Ele permite detectar e solucionar problemas na rede de forma eficiente e rápida, uma vez que funciona com qualquer equipamento da rede que suporte este protocolo, tais como computadores, routers, switches, hubs, impressoras, entre outros. 1 Departamento de Ciência da Computação da Universidade de Helsinki, Finlândia 2 a 5 de Outubro de 1991

16 3.1. COMPONENTES DO PC1 7 A gestão da rede através do SNMP permite o acompanhamento simples e fácil do estado, em tempo real, da rede, podendo ser utilizado para gerir diferentes tipos de sistemas. O protocolo SNMP é um protocolo de gestão e encontra-se na camada de aplicação, na pilha de protocolos TCP/IP. Os dados são obtidos através de pedidos dum gestor (cliente) a um ou mais agentes (servidor) utilizando os serviços do protocolo de transporte UDP para enviar e receber as mensagens através da rede. Agente É um processo executado na máquina gerida, responsável pela manutenção das informações de gestão da máquina. As funções principais de um agente são: Atender aos pedidos enviadas pelo gestor; Enviar automaticamente informações de gestão ao gestor, quando previamente programado; Gestor É um programa executado num PC servidor que permite a obtenção e o envio de informações de gestão junto aos dispositivos geridos mediante a comunicação com um ou mais agentes. MIB A MIB é uma lista de objectos que encontra-se no agente e pode ser consultada e alterada pelo gestor. Também é enviado ao gestor uma trap, caso esteja devidamente configurado. Ela está estruturada numa estrutura em arvore e define para cada variável um identificador chamado OID. A figura 3.2 mostra o exemplo duma MIB.

17 8 CAPÍTULO 3. INTRODUÇÃO Figura 3.2: Exemplo duma MIB Versões do protocolo SNMP Existem três versões do SNMP. A versão SNMPv1: baseada numa arquitectura agente-gestor, a informação de gestão está organizada em MIBs, simples e limitada. A versão SNMPv2: permite novo tipo de interacção gestor-gestor. A versão SNMPv3: permite modelos de segurança alternativos. Operações SNMP As operações do SNMP são limitadas a recuperar os valores do conjunto de dados geridos, modificar estes valores e avisar a ocorrência de um evento. Existem cinco tipos de comandos no protocolo SNMPv1: getrequest: o gestor faz um pedido para a leitura de dados do agente. O agente responderá com a mensagem getresponse. getnextrequest: o gestor faz um pedido para a leitura sequencial de dados do agente. O agente responderá com a mensagem getresponse. setrequest: o gestor faz um pedido para a alteração de dados do agente. getresponse: resposta do agente ao gestor.

18 3.1. COMPONENTES DO PC1 9 trap: mensagem enviada pelo agente ao gestor para notificar a ocorrência de um evento, erro ou aviso, previamente determinado. São sete tipos básicos de trap determinados: coldstart: o agente que a envia foi reinicializado, indicando que a configuração do agente ou a implementação pode ter sido alterada; warmstart: o agente que a envia foi reinicializado, porém a configuração do agente e a implementação não foram alteradas; linkdown: uma ligação do agente foi desactivada; linkup: uma ligação do agente foi activada; authenticationfailure: o agente recebeu uma mensagem SNMP do gestor que não foi autenticada; egpneighborloss: O agente não consegue comunicar com o respectivo parceiro EGP. enterprisespecific: indica a ocorrência duma Tap genérica. As mensagens no protocolo SNMP não possuem campos fixos e por isso são construídas de trás para frente. A mensagem possui três partes principais: version, community, SNMP PDU. A version contem a versão do SNMP. Tanto o gestor como o agente devem utilizar a mesma versão. Mensagens contendo versões diferentes são rejeitadas. A community que identifica a comunidade. É utilizada para permitir acesso do gestor as MIBs; A SNMP PDU é a parte dos dados, possui PDU que são constituídas ou por um pedido ou por uma resposta a um pedido. A figura 3.3 mostra a mensagem SNMP e os seus campos e os seus componentes.

19 10 CAPÍTULO 3. INTRODUÇÃO Figura 3.3: Mensagem SNMP O formato das PDUs GetRequest, GetNextRequest, GetResponse e SetRequest é: O formato da PDU Trap Software NET-SNMP O NET-SNMP é um conjunto de softwares que inclui um agente SNMP extensível; um daemon receptor de traps; ferramentas de gestão, como por exemplo, tkmib; ferramentas de desenvolvimento, como a mais vulgarmente utilizada, mib2c; bibliotecas de desenvolvimento, em especial, snmpwalk; Programação Perl O Perl é uma linguagem de programação versátil no processamento de arrays (strings), manipulação de texto, além de permitir tempos de desenvolvimento curtos. Um programa em Perl é muito parecido com um programa em C; existem variáveis, expressões, atribuições, blocos de código delimitados, estruturas de controle e sub-rotinas.

20 3.1. COMPONENTES DO PC1 11 Também foi bastante influenciada pelas linguagens de shell script. Suporta muitas bases de dados, incluindo MySQL, Oracle, Sybase, PostgreSQL e outras. É um software livre. Possui mais 5 mil módulos para as mais diversas finalidades Base de Dados O MySQL é um sistema de gestão de base de dados, que utiliza a linguagem SQL como interface. Esta base de dados suporta praticamente todos os SO actuais; compatível com diversas linguagens de programação, como Delphi, Java, C/C++, Python, Perl, PHP e Ruby através dos drivers ODBC, JDBC e.net e módulos de interface; excelente desempenho e estabilidade; exige poucos recursos hardware; facilidade de uso; é um software livre;

21 12 CAPÍTULO 3. INTRODUÇÃO 3.2 Componentes do PC Windows XP O Windows XP é um SO produzido pela Microsoft para todos os tipos de computadores, incluindo computadores desktops, notebooks e ainda Tablet PCs. A vantagem deste SO é a facilidade e simplicidade de utilização assim como a grande variedade de jogos e softwares comerciais disponíveis Visual Studio O Microsoft Visual Studio é um um conjunto de programas da Microsoft, para desenvolver software tais como o framework.net e as linguagens VB, C, C++, C# e J#. Também é um grande produto de desenvolvimento na área web, usando a plataforma do ASP.NET. A linguagem utilizada para desenvolver a página web é a C# ODBC O ODBC é um driver que possibilita a ligação de uma aplicação à base de dados IIS O IIS é um servidor web criado pela Microsoft. Com o IIS é possível criar um servidor web e todos os outros PCs podem consultar uma página web disponibilizada pelo servidor.

22 Capítulo 4 Desenvolvimento O NET-SNMP é o software utilizado para simular o envio das traps e para recebe-las. 4.1 Envio de traps Entra-se no PC1 com a conta do root e instala-se o net-snmp e seguidamente inicia-se o daemon snmpd com o comando service snmpd start. Depois procede-se à simulação do envio das traps com o comando snmptrap e indicando a versão, a comunidade, o ip e o tipo de trap, como mostra a figura 4.1. Figura 4.1: Simulação do envio da trap 13

23 14 CAPÍTULO 4. DESENVOLVIMENTO Mas como só está a enviar traps, não é possível receber, então instala-se o software Wireshark, um sniffer muito poderoso utilizado pela maioria dos administradores de redes informáticas, para visualizar o que acontece às traps enviadas. Verifica-se então que a trap é enviada, mas o destinatário não a recebe, figura 4.2. Figura 4.2: Visualização da trap no Wireshark A trap não é recebida porque o PC1 ainda não está configurado para receber as traps. Na directoria /etc/sysconfig/ encontra-se o ficheiro snmptrapd (figura 4.3) onde define-se o ficheiro para configurar o daemon snmptrapd e onde define-se o ficheiro para guardar as traps.

24 4.1. ENVIO DE TRAPS 15 Figura 4.3: Configuração do ficheiro snmptrapd na directoria /etc/sysconfig/ O ficheiro snmptrap.conf que encontra-se na directoria /etc/snmp/ contem as definições para a recepção das traps. Neste ficheiro deve-se indicar a comunidade e a informação a guardar das traps. Neste caso, a comunidade é public e a informação a guardar das traps é o Tipo da trap e o IP que designa-se por %W e %a, respectivamente. Também estão as strings Trap_ e de_ para limitar o início e fim do tipo de trap, e por fim tem-se \n para mudar para a próxima linha, como mostra a figura 4.4. Figura 4.4: Configuração do ficheiro snmptrapd.conf na directoria /etc/snmp/ Caso este ficheiro esteja em branco, sem configurações, o ficheiro snmptrapd.log, que guarda as traps, que está na directoria /etc/snmp/, indica que não tem acesso a este serviço e a trap é rejeitada, como mostra a figura 4.5.

25 16 CAPÍTULO 4. DESENVOLVIMENTO Figura 4.5: Conteúdo do ficheiro snmptrapd.log na directoria /etc/snmp/ Se só estiver definida a comunidade, então recebe-se a trap com toda a informação (figura 4.6), esta mensagem tem informação repetida como por exemplo a data e as hora, e também tem informação que pode-se filtrar uma vez que essa informação irrelevante. Figura 4.6: Conteúdo do ficheiro snmptrapd.log na directoria /etc/snmp/ Depois de devidamente configurado inicia-se o daemon snmptrapd com o comando service snmptrapd start simula-se novamente o envio da trap e no ficheiro snmptrapd.log vê-se a trap recebida que contem seguinte informação: Data a que a trap é enviada, a Hora, depois aparece Trap_ que inicia o inicio do tipo de trap, o Tipo que é do tipo link down, de_ indica o fim do tipo de trap e o IP que a enviou (figura 4.7) Figura 4.7: Conteúdo do ficheiro snmptrapd.log na directoria /etc/snmp/

26 4.1. ENVIO DE TRAPS 17 e pode-se observar no Wireshark que não deu erro ao enviar a trap (figura 4.8). Figura 4.8: Visualização da trap no Wireshark Posteriormente simulou-se o envio de todas as traps genéricas (figura 4.9).

27 18 CAPÍTULO 4. DESENVOLVIMENTO Figura 4.9: Simulação do envio das traps e observa-se todas as traps através do Wireshark (figura 4.10).

28 4.2. CRIAÇÃO DA BASE DE DADOS 19 Figura 4.10: Visualização de todas as traps no Wireshark As traps recebidas são guardadas no ficheiro snmptrapd.log como mostra a (figura 4.11). Figura 4.11: Visualização do conteúdo do ficheiro snmptrapd.log 4.2 Criação da Base de Dados Para criar a base de dados é muito simples, insere-se o comando mysql para aceder ao monitor MySQL, seguidamente cria-se a base de dados snmp com o comando create database snmp;. Depois introduz-se o comando use snmp; para seleccionar a base de dados

29 20 CAPÍTULO 4. DESENVOLVIMENTO snmp.dentro da base de dados, cria-se a tabela trap com os campos: ID, Data, Hora, Tipo e IP. O campo ID do tipo inteiro e é especial porque sempre que introduz-se dados na tabela, vai incrementar automaticamente. Os restantes campos são do tipo VARCHAR, como mostra a figura Inicialmente cria-se a base de dados e depois a tabela com os Figura 4.12: Criação da Base de Dados respectivos campos. Também pode-se ver a descrição da tabela, que mostra várias informações acerca dela (figura 4.13).

30 4.3. TRANSFERÊNCIA DAS TRAPS PARA A BASE DE DADOS 21 Figura 4.13: Descrição da tabela 4.3 Transferência das traps para a base de dados Seguidamente tem-se que enviar as traps que encontram-se no ficheiro snmptrapd.log para a base de dados. Recorre-se então a um simples programa em perl para mover as traps do ficheiro snmptrapd.log para a base de dados. Para efectuar esta operação faz-se um programa em perl que pode ser dividido em quatro etapas Mover o conteúdo do ficheiro snmptrapd.log para o array No inicio do programa é declarado a directiva para executar o ficheiro, isto é, indica onde encontra-se o compilador perl. A seguir declara-se o modulo para fazer a ligação á base de dados. Na proxima linha indica-se o endereço do ficheiro snmptrapd.log. O próximo comando é para abrir o ficheiro, caso não seja possível abrir, devolve uma mensagem de erro. Seguidamente copia o conteúdo do ficheiro para um array. Depois fecha-se o ficheiro. O próximo comando reinicia o serviço snmptrapd para apagar as traps já lidas do ficheiro snmptrapd.log. Depois, a proxima instrução indica quantas linhas tem o array, como mostra a figura 4.14.

31 22 CAPÍTULO 4. DESENVOLVIMENTO Figura 4.14: Mover o conteúdo do ficheiro snmptrapd.log para o array Ciclo para ler todas a linhas do array Agora é necessário ler linha a linha e separar as palavras de cada linha com espaços, isto porque ao copiar as palavras para o array, são eliminados os espaços. Para tal cria-se um ciclo com inicio na primeira linha e que termina na ultima. Depois separa-se as palavras de cada linha com a instrução split. Seguidamente obtém-se o numero de palavras na linha. A seguir, procura-se na linha se existe a string Trap_ para posteriormente analisar o tipo da trap; caso não encontre, a linha é rejeitada. No caso seja positivo, inicia-se um ciclo a partir da posição onde encontra-se a string até ao fim da linha. Quando encontra a sting Trap_ atribui à variável var1 a posição onde encontra a string Trap_ e quando encontrar a string de_ atribui à variável var2 o valor da posição onde encontra-se a string de_. É necessário fazer esta verificação porque normalmente são duas as palavras que indicam o tipo da trap, mas há uma trap que tem três, e no caso de aparecer uma trap com quatro palavras? O programa já está preparado para resolver esse problema, como mostra a figura 4.15.

32 4.3. TRANSFERÊNCIA DAS TRAPS PARA A BASE DE DADOS 23 Figura 4.15: Determinar o comprimento do tipo da trap Atribuição das variáveis A figura 4.16 mostra a atribuição das palavras da cada linha às variáveis que posteriormente serão introduzidas na base de dados; com a particularidade da variável tipo em que há um ciclo para concatenar as palavras uma vez que o tipo da trap é superior a uma palavra. Figura 4.16: Atribuição das variáveis Ligação à base de dados Para copiar as variáveis para a base de dados faz-se a ligação através do modulo DBI. A função connect estabelece a ligação ao servidor da base de dados snmp, ou mostra a mensagem impossível ligar BD caso não seja possível ligar. Depois o comando do prepara e executa uma instrução SQL. Para inserir as variáveis na tabela, utiliza-se a instrução

33 24 CAPÍTULO 4. DESENVOLVIMENTO insert into seguido do nome da tabela (trap), o nome dos campos da tabela e as variáveis atribuídas temporariamente que provem das traps, caso não execute o comando do aparece, no ecrã a mensagem de erro impossível inserir. A seguir desliga-se a conexão à base de dados com o comando disconnect, como mostra a figura Figura 4.17: Ligação à base de dados Agora é executar o ficheiro exemplo1.pl e o conteúdo do ficheiro snmptrapd.log é movido para a base de dados, e o daemon é reiniciado para receber novas traps (figura 4.18). Figura 4.18: Execução do programa exemplo1.pl

34 4.4. VISUALIZAÇÃO DAS TRAPS NA BASE DE DADOS Visualização das traps na base de dados Para ver as traps na base de dados executa-se o comando mysql, depois indica-se a base de dados utilizada com o comando use snmp e para ver as traps executa-se o comando select * from trap; e é apresentadas todas as traps existentes na base de dados, (figura 4.19). Figura 4.19: Traps na base de dados

35 26 CAPÍTULO 4. DESENVOLVIMENTO 4.5 Criação da página web A página web faz-se no Visual Studio Depois de iniciar o Visual Studio, cria-se um Web Site... e aparecerá um menu e selecciona-se o template ASP.NET Web Site, na Location escolhe-se File System e indica-se a directoria onde guarda-se a página e posteriormente indica-se o tipo de linguagem que é Visual C#, como mostra a figura 4.20 Figura 4.20: Menu para criar a página web

36 4.5. CRIAÇÃO DA PÁGINA WEB 27 Agora aparece o ficheiro Default.aspx com o código do XHTML da página web e selecciona-se a opção Design que está no canto inferior esquerdo. No Design adicionase uma tabela 2*2 do menu HTML que faz parte do menu toolbox e ajusta-se à dimensão da página, para organizar-la, seguidamente coloca-se o logotipo da ESTG centrada num quadrado da tabela. Depois coloca-se Labels para indicar o nome do projecto e a ordenação do das traps a consultar. O RadioButtonList é o menu para ordenar as traps. Aproximadamente ao meio da página está a GridView para mostrar a tabela da base de dados. A figura 4.21 como está organizada a página web. Figura 4.21: Design da página web

37 28 CAPÍTULO 4. DESENVOLVIMENTO Para aceder à base de dados do SO Linux utiliza-se código em C# que está no ficheiro Default.aspx.cs. Com o Driver MySQL ODBC estabelece-se a ligação à base de dados e declarando-se o servidor, a base de dados, o utilizador e a password, se necessário. Depois tem um conjunto de condições para ordenar as traps de acordo com a opção seleccionada. De seguida estão os comandos para mostrar a base de dados na página web, como mostra a figura 4.22). Figura 4.22: Código para aceder à base de dados

38 4.5. CRIAÇÃO DA PÁGINA WEB 29 Agora a base de dados em Linux tem que dar privilégios para que possam aceder remotamente. Esta permissão faz-se dentro da base de dados e utiliza-se o comando grant, como mostra a figura Figura 4.23: Permissão da base de dados

39 30 CAPÍTULO 4. DESENVOLVIMENTO Depois acede-se ao IIS e adiciona-se um novo directório virtual. Seguidamente da-se o nome da página e a directoria onde encontra-se a página web. A figura 4.24 mostra as directorias virtuais e encontra-se a directoria GestaoAP que é a directoria da página para consultar as traps. Figura 4.24: Servidor IIS

40 4.5. CRIAÇÃO DA PÁGINA WEB 31 Agora qualquer PC que esteja ligado na mesma rede que o PC2 servidor pode consultar as traps que o AP enviou e para tal é só escrever o seguinte endereço no browser em xxx.xxx.xxx.xxx é o IP do PC2 que está configurado como servidor web como mostra a figura Figura 4.25: Servidor web

41 32 CAPÍTULO 4. DESENVOLVIMENTO É possível ordenar as traps por Data, Hora, Tipo e IP, seleccionando a opção correspondente na página web. Ordenação por Data figura 4.26 e ordenação por Tipo figura Figura 4.26: Ordenação por Data

42 4.5. CRIAÇÃO DA PÁGINA WEB 33 Figura 4.27: Ordenação por Tipo

43 34 CAPÍTULO 4. DESENVOLVIMENTO

44 Capítulo 5 Teste com o AP Liga-se o AP ao PC e é atribuído o IP automático. Depois indica-se o endereço no browser, para aceder à página de configuração do AP. Depois introduz-se o login e a password. Seguidamente selecciona-se no menu EXPRESS SET-UP e define-se a SNMP Community como public, (figura 5.1). Figura 5.1: Definição da comunidade 35

45 36 CAPÍTULO 5. TESTE COM O AP Depois selecciona-se o SNMP no menu SERVICE e activa-se a opção Enable (figura 5.2). Na mesma página também define-se o IP para receber as traps, a comunidade e o tipo de traps a enviar (figura 5.3). Figura 5.2: Configuração do AP para enviar traps

46 37 Figura 5.3: Configuração do AP para enviar traps Seguidamente cria-se uma rede Teste para efectuar os testes de Link Up e Link Down. Escolhendo a opção Radio G do menu NETWORK INTERFACES, tem-se acesso às configurações da rede wireless. Depois de seleccionar o menu SETTINGS vê-se que o estado Current Status está Disabled Down. No PC1 inicia-se o daemon snmptrapd, para receber as traps como mostra a figura 5.4.

47 38 CAPÍTULO 5. TESTE COM O AP Figura 5.4: Inicio do daemon Voltando à configuração do AP, escolhe-se na opção Enable Radio, Enable (figura 5.5),

48 39 Figura 5.5: Antes de activar a rede wireless para activar a rede wireless (figura 5.6).

49 40 CAPÍTULO 5. TESTE COM O AP Figura 5.6: Depois de activar a rede wireless Na directoria /etc/snmp/ está o ficheiro snmptrapd.log e pode-se consultar as traps recebidas, como mostra a figura 5.7.

50 41 Figura 5.7: Conteúdo do ficheiro snmptrapd.log Neste ficheiro vê-se a data e hora que foram enviadas as traps, o tipo de trap que no caso temos Enterprise Specific (trap genérico enviado quando selecciona-se uma opção no menu ou altera-se uma opção), Link Up e Link Down (trap enviado quando activa-se e desactiva-se a rede wireless) e por ultimo o IP do AP enviado. Seguidamente executa-se o programa exemplo1.pl para mover as traps para a base de dados e reiniciar o deamon snmptrapd. Acedendo à base de dados MySQL e seleccionando a base de dados snmp, consulta-se a tabela trap através do comando select * from trap; e é apresentadas as traps recebidas. No PC2 abre-se o browser e indica-se o endereço para consultar as traps ordenadas por ID como mostra a figura 5.8, a figura 5.9 mostra as traps ordenadas por Data, a figura 5.10 mostra as traps ordenadas por Hora, a figura 5.11 mostra as traps ordenadas por Tipo e a figura 5.12 mostra as traps ordenadas por IP,

EIC. Projecto I. Manual do Utilizador. Vídeo Vigilância Abordagem Open Source. Curso: Engenharia de Informática e Comunicações Ano Lectivo: 2005/2006

EIC. Projecto I. Manual do Utilizador. Vídeo Vigilância Abordagem Open Source. Curso: Engenharia de Informática e Comunicações Ano Lectivo: 2005/2006 EIC Engenharia de Informática e Comunicações Morro do Lena, Alto Vieiro Apart. 4163 2401 951 Leiria Tel.: +351 244 820 300 Fax.: +351 244 820 310 E-mail: estg@estg.iplei.pt http://www.estg.iplei.pt Engenharia

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Capitulo 1

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Capitulo 1 Capitulo 1 Montagem de duas pequenas redes com a mesma estrutura. Uma é comandada por um servidor Windows e outra por um servidor linux, os computadores clientes têm o Windows xp Professional instalados.

Leia mais

MIB (Management Information Base) Objetos Gerenciados Um objeto gerenciado é a visão abstrata.

MIB (Management Information Base) Objetos Gerenciados Um objeto gerenciado é a visão abstrata. MIB (Management Information Base) Objetos Gerenciados Um objeto gerenciado é a visão abstrata. A MIB é o conjunto dos objetos gerenciados. Basicamente são definidos três tipos de MIBs: MIB II, MIB experimental

Leia mais

Nesta sessão introduziremos os conceitos básicos do Cacti, e como fazer para instalá-lo em seu computador.

Nesta sessão introduziremos os conceitos básicos do Cacti, e como fazer para instalá-lo em seu computador. Cacti é uma ferramenta gráfica de gerenciamento de dados de rede que disponibiliza a seus usuários uma interface intuitiva e bem agradável de se usar, sendo acessível a qualquer tipo de usuários. Este

Leia mais

Licenciatura em Eng.ª Informática Complementos de Redes - 3º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 4 - VoIP

Licenciatura em Eng.ª Informática Complementos de Redes - 3º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 4 - VoIP Trabalho Nº 4 - VoIP 1. Introdução A utilização de tecnologia VoIP como alternativa às redes telefónicas tradicionais está a ganhar cada vez mais a aceitação junto dos utilizadores, e está sobretudo em

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Instalação em Rede. v2011

ZS Rest. Manual Avançado. Instalação em Rede. v2011 Manual Avançado Instalação em Rede v2011 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Hardware... 3 b) Servidor:... 3 c) Rede:... 3 d) Pontos de Venda... 4 4. SQL Server... 5 e) Configurar porta estática:... 5 5.

Leia mais

Gerenciamento de Equipamentos Usando o Protocolo SNMP

Gerenciamento de Equipamentos Usando o Protocolo SNMP Gerenciamento de Equipamentos Usando o Protocolo SNMP Diego Fraga Contessa, Everton Rafael Polina Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 - CEP 91040-600 - Porto

Leia mais

[Documentação de Utilização Correio Electrónico dos Funcionários da ESTG]

[Documentação de Utilização Correio Electrónico dos Funcionários da ESTG] [Documentação de Utilização Correio Electrónico dos Funcionários da ESTG] Unidade De Administração de Sistemas Serviços Informáticos Instituto Politécnico de Leiria 09-06-2010 Controlo do Documento Autor

Leia mais

[Documentação de Utilização Correio Electrónico dos Estudantes da ESTG]

[Documentação de Utilização Correio Electrónico dos Estudantes da ESTG] [Documentação de Utilização Correio Electrónico dos Estudantes da ESTG] Unidade De Administração de Sistemas Serviços Informáticos Instituto Politécnico de Leiria 10-07-2009 Controlo do Documento Autor

Leia mais

Guia de Rede. Configuração do Windows Utilizar um Servidor de Impressão Monitorizar e Configurar a Impressora Apêndice

Guia de Rede. Configuração do Windows Utilizar um Servidor de Impressão Monitorizar e Configurar a Impressora Apêndice Guia de Rede 1 2 3 4 Configuração do Windows Utilizar um Servidor de Impressão Monitorizar e Configurar a Impressora Apêndice Leia este manual cuidadosamente antes de utilizar o equipamento e mantenha-o

Leia mais

Apresentação de SISTEMAS OPERATIVOS

Apresentação de SISTEMAS OPERATIVOS Apresentação de SISTEMAS OPERATIVOS Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos MÓDULO V Configuração Avançada de Sistemas Operativos Servidores Duração: 42 tempos Conteúdos

Leia mais

Laboratório de Sistemas e Redes. Nota sobre a Utilização do Laboratório

Laboratório de Sistemas e Redes. Nota sobre a Utilização do Laboratório Nota sobre a Utilização do Laboratório 1. Introdução O laboratório de Sistemas e Redes foi criado com o objectivo de fornecer um complemento prático de qualidade ao ensino das cadeiras do ramo Sistemas

Leia mais

Algumas informações sobre a rede informática do ISA

Algumas informações sobre a rede informática do ISA Algumas informações sobre a rede informática do ISA Fernanda Valente Graça Abrantes A grande maioria dos computadores do Instituto Superior de Agronomia estão ligados entre si constituindo uma Intranet,

Leia mais

Monitorização da Rede. Simple Network Management Protocol (SNMP).

Monitorização da Rede. Simple Network Management Protocol (SNMP). Capítulo 15 Monitorização da Rede. Simple Network Management Protocol (SNMP). Uma das mais importantes tarefas de um administrador de uma rede informática é monitorizar o tráfego na rede, Detectar perdas

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº8

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº8 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº8 Configuração e utilização do FTP 2004/2005 1 Objectivo Configuração de um servidor

Leia mais

GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU

GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU Imagina que queres criar o teu próprio site. Normalmente, terías que descarregar e instalar software para começar a programar. Com a Webnode não é preciso instalar nada.

Leia mais

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel Software de gerenciamento do sistema Intel do servidor modular Intel Declarações de Caráter Legal AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE DOCUMENTO SÃO RELACIONADAS AOS PRODUTOS INTEL, PARA FINS DE SUPORTE ÀS PLACAS

Leia mais

Manual do utilizador. Aplicação de agente

Manual do utilizador. Aplicação de agente Manual do utilizador Aplicação de agente Versão 8.0 - Otubro 2010 Aviso legal: A Alcatel, a Lucent, a Alcatel-Lucent e o logótipo Alcatel-Lucent são marcas comerciais da Alcatel-Lucent. Todas as outras

Leia mais

ued - unidade de ensino a distância instituto politécnico de leiria BlackBoard - Moodle Guia rápido

ued - unidade de ensino a distância instituto politécnico de leiria BlackBoard - Moodle Guia rápido ued - unidade de ensino a distância instituto politécnico de leiria BlackBoard - Guia rápido ued - unidade de ensino a distância instituto politécnico de leiria Unidade de Ensino a Distância Equipa Guia

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO do aremoto

MANUAL DE OPERAÇÃO do aremoto MANUAL DE OPERAÇÃO do aremoto V1.00 UTILIZAÇÃO DO PROGRAMA Outubro 30, 2004 www.imsi.pt Código #MOaR01 EMPRESA Código Documento MOAR01 Sobre a utilização do programa de assistência remota Versão Elaborado

Leia mais

Ficha prática nº 7. SGBD Microsoft Access e SQL Server

Ficha prática nº 7. SGBD Microsoft Access e SQL Server Instituto Superior Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia Departamento de Informática Ficha prática nº 7 SGBD Microsoft Access e SQL Server Objectivo: Criação de uma aplicação em arquitectura

Leia mais

DELEGAÇÃO REGIONAL DO ALENTEJO CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA REFLEXÃO 3

DELEGAÇÃO REGIONAL DO ALENTEJO CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA REFLEXÃO 3 REFLEXÃO 3 Módulos 0771, 0773, 0774 e 0775 1/5 18-02-2013 Esta reflexão tem como objectivo partilhar e dar a conhecer o que aprendi nos módulos 0771 - Conexões de rede, 0773 - Rede local - instalação,

Leia mais

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos MÓDULO VII Acesso a Bases de Dados via Web Duração: 50 tempos Conteúdos (1) Conceitos

Leia mais

Download. Instalaça o. Geral

Download. Instalaça o. Geral Download Não estou a conseguir fazer o download da versão demo do produto. Há outra forma de o obter? Sim, com certeza. Por favor, envie uma solicitação para algum dos meios de suporte disponíveis no nosso

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source

Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source Alunos: Justino Santos, Paulo Neto E-mail: eic10428@student.estg.ipleiria.pt, eic10438@student.estg.ipleiria.pt Orientadores: Prof. Filipe Neves, Prof. Paulo Costa

Leia mais

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO GBD Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO Sistema de arquivos X Sistemas de Banco de Dados Sistema de arquivos Sistema de Banco de Dados Aplicativos Dados (arquivos) Aplicativos SGBD Dados (arquivos) O acesso/gerenciamento

Leia mais

The Simple Network Management Protocol, version 1

The Simple Network Management Protocol, version 1 SNMPv1 The Simple Network Management Protocol, version 1, 2007 1 O Protocolo A versão original do SNMP derivou do Simple Gateway Monitoring Protocol (SGMP) em 1988 RFC1157, STD0015 A Simple Network Management

Leia mais

Estudo e Desenvolvimento de Analisadores Estatísticos para

Estudo e Desenvolvimento de Analisadores Estatísticos para Instituto de Matemática e Estatística Universidade de São Paulo Estudo e Desenvolvimento de Analisadores Estatísticos para Especificações de SLA MAC 0499 - Trabalho de Formatura Supervisionado Aluno: Gabriel

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Gestão de redes. Protocolo SNMP. Maio de 2010 1 Gestão de redes Gestão de redes refere-se neste contexto às actividades relacionadas com a manutenção do bom funcionamento de um conjunto

Leia mais

ZSRest e ZSPos Multiposto

ZSRest e ZSPos Multiposto ZSRest e ZSPos Multiposto 1 2 Este manual serve para o ajudar na configuração multiposto do ZSRest e ZSPos. Após a Instalação do ZSRest e ZSPos, é necessário configurar uma porta estática no SQL Server.

Leia mais

Relató rió LikeWise, FTP e DHCP. Instalação e Configuração de Servidores de Rede

Relató rió LikeWise, FTP e DHCP. Instalação e Configuração de Servidores de Rede Relató rió LikeWise, FTP e DHCP INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO Instalação e Configuração de Servidores de Rede Trabalho realizado por: Tiago Conceição Nº 11903 Índice

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

VM Card. Referência das Definições Web das Funções Avançadas. Manuais do Utilizador

VM Card. Referência das Definições Web das Funções Avançadas. Manuais do Utilizador VM Card Manuais do Utilizador Referência das Definições Web das Funções Avançadas 1 Introdução 2 Ecrãs 3 Definição de Arranque 4 Informações de Função Avançada 5 Instalar 6 Desinstalar 7 Ferramentas do

Leia mais

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning www.pwi.com.br 1 Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado,

Leia mais

Gerência e Segurança de Redes

Gerência e Segurança de Redes Gerência e Segurança de Redes Modelos filipe.raulino@ifrn.edu.br SNMP e CMIP SNMP x CMIP O ambiente de gerenciamento OSI é composto por gerentes, agentes e objetos gerenciados. Um gerente transmite operações

Leia mais

Utilizar o Cisco UC 320W com o Windows Small Business Server

Utilizar o Cisco UC 320W com o Windows Small Business Server Utilizar o Cisco UC 320W com o Windows Small Business Server Esta nota de aplicação explica como implementar o Cisco UC 320W num ambiente do Windows Small Business Server. Índice Este documento inclui

Leia mais

Módulo de Administração MANUAL DO UTILIZADOR

Módulo de Administração MANUAL DO UTILIZADOR MANUAL DO UTILIZADOR Versão 1.5 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2 2. REQUISITOS DO SISTEMA 3 3. INÍCIO DA UTILIZAÇÃO 4 4. IDENTIFICAÇÃO DO OPERADOR 5 4.1 MUDAR SENHA DE ACESSO 5 5. GESTÃO DE UTILIZADORES 6 5.1 PERMISSÕES

Leia mais

3. O protocolo SNMP 1

3. O protocolo SNMP 1 3. O protocolo SNMP 1 Veicula informações de gerência transporte de valores das MIBs Interações sem conexão Mensagens em UDP/IP portas 161 e 162 pacotes de tamanho variável Mensagens auto-contidas formato

Leia mais

Administração da disciplina

Administração da disciplina Administração da disciplina Agrupamento Vertical de Escolas de Tarouca Documento disponível em: http://avetar.no-ip.org 1.Acesso e utilização da plataforma:. Seleccione a opção Entrar, que se encontra

Leia mais

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux 1. De que forma é possível alterar a ordem dos dispositivos nos quais o computador procura, ao ser ligado, pelo sistema operacional para ser carregado? a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento,

Leia mais

FileMaker 13. Guia de ODBC e JDBC

FileMaker 13. Guia de ODBC e JDBC FileMaker 13 Guia de ODBC e JDBC 2004 2013 FileMaker Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara, Califórnia 95054 FileMaker e Bento são marcas comerciais da

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalação Produto: n-mf Xerox Versão do produto: 4.7 Autor: Bárbara Vieira Souza Versão do documento: 1 Versão do template: Data: 09/04/01 Documento destinado a: Parceiros NDDigital, técnicos

Leia mais

Programação 2008/2009 MEEC Guia de instalação do PC de programação

Programação 2008/2009 MEEC Guia de instalação do PC de programação Programação 2008/2009 MEEC Guia de instalação do PC de programação Requisitos: PC 1Gbyte de memória Windows, Linux ou Mac OS X. Aplicação Virtualbox. (www.virtualbox.org) O uso de máquinas virtuais permite

Leia mais

Vodafone ADSL Station Manual de Utilizador. Viva o momento

Vodafone ADSL Station Manual de Utilizador. Viva o momento Vodafone ADSL Station Manual de Utilizador Viva o momento 3 4 5 5 6 6 7 8 9 12 12 14 16 17 18 19 20 21 22 22 23 23 24 24 24 25 26 27 Ligar o Router LEDs Configuração do Router Aceder à ferramenta de configuração

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR DE REDE

MANUAL DO UTILIZADOR DE REDE MANUAL DO UTILIZADOR DE REDE Guardar o registo de impressão na rede Versão 0 POR Definições de notas Ao longo do Manual do utilizador, é utilizado o seguinte ícone: Notas sobre como enfrentar situações

Leia mais

Status Enterprise Guia do Usuário. Parte 12 Serviço de conector de Dados

Status Enterprise Guia do Usuário. Parte 12 Serviço de conector de Dados Guia do Usuário Parte 12 Serviço de conector de Dados Conteúdos 1 INTRODUÇÃO... 4 1.1 Descrição do Serviço conector de Dados ou Data com nector... 4 2 CRIAR UMA CONFIGURAÇÃO DE ENLACE DE DADOS... 5 2.1

Leia mais

Soluções de Gestão de Clientes e Impressão Universal

Soluções de Gestão de Clientes e Impressão Universal Soluções de Gestão de Clientes e Impressão Universal Manual do utilizador Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registada da Microsoft Corporation nos E.U.A. As informações

Leia mais

Gerenciamento de Redes - Evolução. Gerenciamento de Rede. Gerenciamento de Rede NOC NOC

Gerenciamento de Redes - Evolução. Gerenciamento de Rede. Gerenciamento de Rede NOC NOC s - Evolução 1970s 1970s 1980s 1980s Dispositivos 1990s 1990s Browser A Web Server Mainframe Estação Gerenciadora Browser C Browser B NOC (Network( Operation Center) Conjunto de atividades para manter

Leia mais

Segurança e recuperação Manual do utilizador

Segurança e recuperação Manual do utilizador Segurança e recuperação Manual do utilizador Copyright 2009 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft é uma marca comercial registada da Microsoft Corporation nos E.U.A. As informações contidas

Leia mais

PT MANUAL UTILIZADOR. Manual do utilizador da aplicação ComelitViP Remote 3.0 para dispositivos. Passion.Technology.Design.

PT MANUAL UTILIZADOR. Manual do utilizador da aplicação ComelitViP Remote 3.0 para dispositivos. Passion.Technology.Design. PT MANUAL UTILIZADOR Manual do utilizador da aplicação ComelitViP Remote.0 para dispositivos Passion.Technology.Design. Índice Instalação... Configuração automática da administração de apartamento... 4

Leia mais

Configuração e Partilha de Pastas / ICS

Configuração e Partilha de Pastas / ICS Configuração e Partilha de Pastas / ICS 1. Comunicação entre 2 máquinas. 1.1 Windows Xp Clicar no símbolo de rede no canto inferior direito. 1.2 Ligação área Local No separador Geral Clicar em propriedades.

Leia mais

SugarCRM, Integração com Produtos IPBrick iportalmais

SugarCRM, Integração com Produtos IPBrick iportalmais SugarCRM, Integração com Produtos IPBrick iportalmais iportalmais 12 de Junho de 2012 1 Introdução Este documento ilustra o procedimento de configuração das aplicações necessárias na integração do SugarCRM

Leia mais

Referencial do Módulo B

Referencial do Módulo B 1 Referencial do Módulo B Liga, desliga e reinicia correctamente o computador e periféricos, designadamente um scanner; Usa o rato: aponta, clica, duplo-clique, selecciona e arrasta; Reconhece os ícones

Leia mais

Sistema operativo Aula 1

Sistema operativo Aula 1 Sistema operativo Aula 1 Sumário Sistema operativo em ambiente gráfico: elementos básicos da interface do utilizador. Operações básicas do sistema operativo. 2 1 Conceito de Sistema Operativo Primeira

Leia mais

Relatório de Instalação do Windows 2003 Server

Relatório de Instalação do Windows 2003 Server Curso Profissional de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Relatório de Instalação do Windows 2003 Server Instalação do Windows 2003 Server quarta-feira, 3 de dezembro de 2013 Índice Introdução...

Leia mais

Redes de Computadores. Guia de Laboratório Configuração de Redes

Redes de Computadores. Guia de Laboratório Configuração de Redes Redes de Computadores LEIC-T 2012/13 Guia de Laboratório Configuração de Redes Objectivos O objectivo do trabalho consiste em configurar uma rede simples usando o sistema Netkit. O Netkit é um emulador

Leia mais

Lista 3 Exercícios de Gestão de Redes

Lista 3 Exercícios de Gestão de Redes 1. Quais os fatores que contribuem para o sucesso de uma operação de gerenciamento? O sucesso de uma operação de Gerenciamento depende dos seguintes fatores: O sistema de gerenciamento invocador deve ter

Leia mais

Manual de Utilizador. Disciplina de Projecto de Sistemas Industriais. Escola Superior de Tecnologia. Instituto Politécnico de Castelo Branco

Manual de Utilizador. Disciplina de Projecto de Sistemas Industriais. Escola Superior de Tecnologia. Instituto Politécnico de Castelo Branco Escola Superior de Tecnologia Instituto Politécnico de Castelo Branco Departamento de Informática Curso de Engenharia Informática Disciplina de Projecto de Sistemas Industriais Ano Lectivo de 2005/2006

Leia mais

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia Aula 4 Ferramentas de Gerência de Redes Sistema de Gerência

Leia mais

Internet Configuration Requirements. Configuração dos PCs. As Definições sob Windows XP

Internet Configuration Requirements. Configuração dos PCs. As Definições sob Windows XP Internet Configuration Requirements Para ligar seu Ponto de Acesso ao Gestor AP, será necessário configurar os seguintes parâmetros de configuração na definição TCP/IP do seu computador: Endereço IP Estático:

Leia mais

ROUTER BANDA LARGA SEM FIOS 11N 300MBPS

ROUTER BANDA LARGA SEM FIOS 11N 300MBPS ROUTER BANDA LARGA SEM FIOS 11N 300MBPS Manual de Instalação Rápida DN-70591 INTRODUÇÃO DN-70591 é um dispositivo conjunto de rede com fios/sem fios destinado especificamente para as necessidades de pequenas

Leia mais

Manual de Configuração

Manual de Configuração Manual de Configuração Acesso Wireless 802.1x da UAC Centro de Informática Universidade dos Açores Versão 2.0 20 de Julho de 2007 Introdução Este manual descreve o processo de configuração de um terminal

Leia mais

Infracontrol versão 1.0

Infracontrol versão 1.0 Infracontrol versão 1.0 ¹Rafael Victória Chevarria ¹Tecnologia em Redes de Computadores - Faculdade de Tecnologia SENAC (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial) Rua Gonçalves Chaves 602-A Centro 96015-560

Leia mais

INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES

INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES 1 Resumo 2 INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES Parte 7 Introdução à Gerência de Redes Introdução Segurança SNMPv1, SNMPv2 Segurança SNMPv3 Prof. Pedro S. Nicolletti (Peter), 2013 Introdução 3 4 Com o

Leia mais

Este documento consiste em 48 páginas. Elaborado por: Innova Tecnologia de Soluções. Liberado em Janeiro de 2010.

Este documento consiste em 48 páginas. Elaborado por: Innova Tecnologia de Soluções. Liberado em Janeiro de 2010. Manual de Configuração Este documento consiste em 48 páginas. Elaborado por: Innova Tecnologia de Soluções. Liberado em Janeiro de 2010. Impresso no Brasil. Sujeito a alterações técnicas. A reprodução

Leia mais

Escola Superior de Tecnologias e Gestão Instituto Politécnico de Portalegre MS EXCEL. Fevereiro/2002 - Portalegre

Escola Superior de Tecnologias e Gestão Instituto Politécnico de Portalegre MS EXCEL. Fevereiro/2002 - Portalegre Escola Superior de Tecnologias e Gestão Instituto Politécnico de Portalegre MS EXCEL Fevereiro/2002 - Portalegre Introdução A necessidade de efectuar cálculos complexos de uma forma mais rápida e fiável,

Leia mais

Este manual utiliza duas unidades de medição. Este equipamento utiliza a versão métrica.

Este manual utiliza duas unidades de medição. Este equipamento utiliza a versão métrica. Guia de Rede Para uma utilização segura e correcta, certifique-se de que lê as Informações de Segurança em "Referência de Cópia" antes de utilizar o equipamento. Introdução Este manual contém instruções

Leia mais

Sistema Operativo Linux

Sistema Operativo Linux Sistema Operativo Linux Linux É um sistema operativo da família UNIX, desenvolvido colaborativamente através da internet. É um software livre ou open source, com o código fonte disponível em www.kernel.org

Leia mais

Software que fornece uma interface entre o computador e o usuário. É uma coleção de programas que:

Software que fornece uma interface entre o computador e o usuário. É uma coleção de programas que: SISTEMA OPERACIONAL Sistema Operacional Software que fornece uma interface entre o computador e o usuário. É uma coleção de programas que: inicializa o hardware do computador controla os dispositivos Gerencia

Leia mais

Guia do Usuário do Servidor do Avigilon Control Center

Guia do Usuário do Servidor do Avigilon Control Center Guia do Usuário do Servidor do Avigilon Control Center Versão 5.0.2 PDF-SERVER5-A-Rev2_PT Copyright 2013 Avigilon. Todos os direitos reservados. A informação apresentada está sujeita a alteração sem aviso

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Data de Aplicação 2/04/2009

Data de Aplicação 2/04/2009 FICHA TÉCNICA Exercício nº 9 Data de Aplicação 2/04/2009 NOME DO EXERCÍCIO Instalação de Software Base DESTINATÁRIOS Duração Pré Requisitos Recursos / Equipamentos Orientações Pedagógicas OBJECTIVOS Resultado

Leia mais

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 ETI/Domo 24810180 www.bpt.it PT Português ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 Configuração do PC Antes de realizar a configuração de todo o sistema, é necessário configurar o PC para que esteja pronto

Leia mais

Relatorio do trabalho pratico 2

Relatorio do trabalho pratico 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA INE5414 REDES I Aluno: Ramon Dutra Miranda Matricula: 07232120 Relatorio do trabalho pratico 2 O protocolo SNMP (do inglês Simple Network Management Protocol - Protocolo

Leia mais

Universidade Católica do Salvador CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA

Universidade Católica do Salvador CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA Universidade Católica do Salvador CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA O Protocolo SNMP Por Lécia de Souza Oliveira Índice Página 2... O que é SNMP? Histórico Página 3 e 4... Estrutura Geral do Sistema

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Gerência de Redes Padrões de Gerenciamento

Gerência de Redes Padrões de Gerenciamento Gerência de Redes Padrões de Gerenciamento Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Sumário Padronizações Gerência OSI Gerência TCP/IP SNMP MIB-II RMON SNMPv2 11/5/2007 Gerência

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 6.1 ARQUIVOS E REGISTROS De um modo geral os dados estão organizados em arquivos. Define-se arquivo como um conjunto de informações referentes aos elementos

Leia mais

LW056 SWEEX WIRELESS LAN PC CARD 54 MBPS. O Windows detectará automaticamente o aparelho e aparecerá a seguinte janela.

LW056 SWEEX WIRELESS LAN PC CARD 54 MBPS. O Windows detectará automaticamente o aparelho e aparecerá a seguinte janela. Instalação em Windows 2000 e XP LW056 SWEEX WIRELESS LAN PC CARD 54 MBPS O Windows detectará automaticamente o aparelho e aparecerá a seguinte janela. Seleccione a opção Não, desta vez não ( No, not this

Leia mais

Software da Impressora

Software da Impressora Software da Impressora Acerca do Software da Impressora O software Epson inclui o controlador de impressão e o EPSON Status Monitor 3. O controlador de impressão é um software que permite controlar a impressora

Leia mais

Guia do Usuário do Avigilon Control Center Server

Guia do Usuário do Avigilon Control Center Server Guia do Usuário do Avigilon Control Center Server Versão 4.10 PDF-SERVER-D-Rev1_PT Copyright 2011 Avigilon. Todos os direitos reservados. As informações apresentadas estão sujeitas a modificação sem aviso

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Noções Básicas de Informática Componentes de hardware Monitor : permite visualizar informação na forma de imagem ou vídeo; todo o trabalho desenvolvido com o computador pode ser

Leia mais

Manipulação de Banco de Dados com Java 1. Objetivos

Manipulação de Banco de Dados com Java 1. Objetivos Manipulação de Banco de Dados com Java 1. Objetivos Demonstrar os fundamentos básicos para a manipulação de banco de dados com Java; Apresentar a sintaxe de comandos SQL usados em Java. 2. Definições A

Leia mais

Instalação de Moodle 1

Instalação de Moodle 1 Instalação de Moodle (local em Windows XP) 1. Introdução...2 2. Instalação de XAMPP...3 3. Instalação de Moodle...9 3.1. Download de Moodle...9 3.2. Criar uma Base de Dados...10 3.3. Instalação de Moodle...11

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº2

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº2 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº2 Configuração de TCP/IP numa rede de computadores Utilização de Ipconfig, Ping e Tracert

Leia mais

O que são DNS, SMTP e SNM

O que são DNS, SMTP e SNM O que são DNS, SMTP e SNM O DNS (Domain Name System) e um esquema de gerenciamento de nomes, hierárquico e distribuído. O DNS define a sintaxe dos nomes usados na Internet, regras para delegação de autoridade

Leia mais

Manual do Gestor da Informação do Sistema

Manual do Gestor da Informação do Sistema Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Licenciatura Informática e Computação Laboratório de Informática Avançada Automatização de Horários Manual do Gestor da Informação do Sistema João Braga

Leia mais

Conteúdo Programático de PHP

Conteúdo Programático de PHP Conteúdo Programático de PHP 1 Por que PHP? No mercado atual existem diversas tecnologias especializadas na integração de banco de dados com a WEB, sendo o PHP a linguagem que mais se desenvolve, tendo

Leia mais

Um Driver NDIS Para Interceptação de Datagramas IP

Um Driver NDIS Para Interceptação de Datagramas IP Um Driver NDIS Para Interceptação de Datagramas IP Paulo Fernando da Silva psilva@senior.com.br Sérgio Stringari stringari@furb.br Resumo. Este artigo apresenta o desenvolvimento de um driver NDIS 1 para

Leia mais

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA COMBA DÃO CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS 2012-2015 PROGRAMAÇÃO E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MÓDULO 2 Mecanismos de Controlo de

Leia mais

Rotina de Discovery e Inventário

Rotina de Discovery e Inventário 16/08/2013 Rotina de Discovery e Inventário Fornece orientações necessárias para testar a rotina de Discovery e Inventário. Versão 1.0 01/12/2014 Visão Resumida Data Criação 01/12/2014 Versão Documento

Leia mais

Sistema de impressão da Divisão de Informática

Sistema de impressão da Divisão de Informática Sistema de impressão da Índice 1Introdução... 4 2Configuração de impressoras no sistema MacOS X...5 2.1Instalação de Papercut...5 2.2Adição de impressoras...8 2.3Observações MacOS X...10 3Instalação de

Leia mais

Programação WEB. Prof. André Gustavo Duarte de Almeida andre.almeida@ifrn.edu.br docente.ifrn.edu.br/andrealmeida. Aula III Introdução PHP

Programação WEB. Prof. André Gustavo Duarte de Almeida andre.almeida@ifrn.edu.br docente.ifrn.edu.br/andrealmeida. Aula III Introdução PHP Programação WEB Prof. André Gustavo Duarte de Almeida andre.almeida@ifrn.edu.br docente.ifrn.edu.br/andrealmeida Aula III Introdução PHP Introdução PHP PHP=Hypertext Pre-Processor Linguagem de script open

Leia mais

Software de gerenciamento de impressoras MarkVision

Software de gerenciamento de impressoras MarkVision Software de gerenciamento de impressoras MarkVision O MarkVision para Windows 95/98/2000, Windows NT 4.0 e Macintosh é fornecido com a sua impressora no CD Drivers, MarkVision e Utilitários. 1 A interface

Leia mais

Relató rió. Gestão de equipamento activo de rede

Relató rió. Gestão de equipamento activo de rede Relató rió INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO Gestão de equipamento activo de rede Trabalho realizado por: Tiago Conceição Nº 11903 Tiago Maques Nº 11904 Paulo Martins

Leia mais