ALHC. Trajetórias. O reconhecimento espanhol das repúblicas latino-americanas: o fim da «falta de comunicação» entre as partes.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ALHC. Trajetórias. O reconhecimento espanhol das repúblicas latino-americanas: o fim da «falta de comunicação» entre as partes."

Transcrição

1 O reconhecimento espanhol das repúblicas latino-americanas: o fim da «falta de comunicação» entre as partes Carlos Malamud O reconhecimento, por parte da antiga potência colonial, das novas repúblicas americanas, surgidas a partir do velho tronco imperial espanhol, foi um processo longo e complicado que se estendeu durante quase todo o século XIX. Além disso, pode-se dizer que foi um processo muito complexo e dilatado no tempo. Se considerarmos a data dos primeiros movimentos independentistas (1809), e o final do período em questão, deveríamos contar quase um século. Se contarmos apenas os anos que vão do primeiro reconhecimento (1836), ao último (1894), são um pouco menos do que seis décadas. De qualquer forma, a Espanha levou muito tempo para estabelecer relações diplomáticas formais com as suas antigas colônias, embora seja possível constatar, nos diferentes capítulos deste livro, que as negociações se estenderam por um período de tempo além do razoável por motivos que cabem a todas as partes envolvidas, e não apenas à ex-metrópole. De fato, toda esta intrincada trama diplomática começou com a aceitação formal da independência do México em 1836 e culminou com a de Honduras em Nesse meio tempo, outros acordos foram firmados: Equador (1840), Chile (1844), Venezuela (1845), Bolívia (1847, apesar de só ter sido ratificado pela Espanha em 1861), Costa Rica (1850), Nicarágua (1850), Argentina (1863, embora duas versões anteriores tenham sido assinadas em 1857 e 1859), Guatemala (1863), El Salvador (1865), Uruguai (1870, mas houve dois prévios em 1841 e 1846), Peru (1879, um texto não ratificado foi concluído em 1853), Paraguai (1880) e Colômbia (1881). Se acrescentarmos a isso o reconhecimento do Brasil (país com o qual se estabeleceram relações diplomáticas em 1834, embora o primeiro acordo consular tenha sido firmado em 1863) e de outros países igualmente originários do império espanhol, mas com situações de alguma forma diferentes, como a República Dominicana (1855), o Panamá (1904) ou Cuba (1927), pode-se ver como a complexidade dos acontecimentos aqui abordados é ainda maior, em um processo de avanços e retrocessos. Do lado espanhol, entre as questões que impediram um reconhecimento rápido, é preciso mencionar o fato de que os primeiros anos após a independência foram consumidos por tentativas frustradas por parte das autoridades peninsulares tanto dos liberais, quanto de Fernando VII de reconquistar os territórios perdidos através das armas. Uma vez constatada a impossibilidade de uma aventura deste porte, tentou-se lançar mão de soluções diplomáticas, porém as guerras carlistas, as revoluções e as constantes mudanças de governo, e inclusive de regime, contribuíram pouco para o reconhecimento das repúblicas latino-americanas. Disso decorrem as grandes diferenças existentes entre o reconhecimento rápido, por parte da Coroa 1

2 britânica, da independência das Treze Colônias e o longo processo em que se viram envolvidas as antigas colônias americanas e os diferentes governos espanhóis. Deve-se acrescentar à lista das numerosas causas que fizeram com que a parte espanhola demorasse, além do razoável, para reconhecer certos países americanos, as fracassadas experiências neocoloniais em meados do século XIX, como é o caso do apoio inicial de Madri à aventura mexicana de Maximiliano, ou do envio de uma esquadra naval para as costas do Chile e do Peru, acontecimento que também envolveu a Bolívia e o Equador. O bombardeio espanhol contra Valparaíso, em março de 1866, deixou um gosto muito amargo entre os chilenos e os demais países americanos com relação às reais intenções espanholas, e permitiram que um sentimento anti-hispânico muito potente reaparecesse. Do lado americano também afloraram múltiplos problemas que acabaram criando obstáculos para as negociações diplomáticas. O reconhecimento da antiga metrópole não significava apenas um respaldo político para os novos países, mas também quando acompanhado de uma admissão das fronteiras vigentes um respaldo nas disputas que os distintos governos tinham com seus respectivos vizinhos pela delimitação das fronteiras. Neste sentido, o reconhecimento dos países centro-americanos reunidos inicialmente na Confederação Centro-americana foi um caso realmente paradigmático por causa das dificuldades que teve que enfrentar e das contínuas armadilhas que os próprios países vizinhos criavam entre si com o objetivo de defender seus interesses particulares. Por isso, as autoridades espanholas foram bastante cautelosas nesta questão. O reconhecimento espanhol, assim como o de outros países europeus e dos Estados Unidos, era vital para o futuro político de algumas das novas repúblicas latino-americanas. O Paraguai, cuja independência fora negada durante muitas décadas pelo governo de Buenos Aires, é um exemplo claro do que se expõe aqui. Prova da grande importância que o governo paraguaio dava às negociações com a Espanha no que diz respeito a um tratado de reconhecimento, considerado vital para seu desenvolvimento como país independente, foi o fato de ter enviado Francisco Solano López, filho do presidente Carlos Antonio López, à frente da delegação que em 1853 devia tratar com os representantes espanhóis, tal como aponta Liliana Brezzo. Nesta conjuntura Carlos López falece em 1862 e é sucedido pelo filho Francisco Solano na presidência. A tudo isso é preciso acrescentar, como não poderia deixar de ser, as constantes trocas de governo nos países latino-americanos, fato que também foi considerado como um obstáculo a se ter em mente ao longo de todo o processo. Devem ser levadas em conta também as transformações políticas dentro dos países. Isso pode ser observado, por exemplo, no caso argentino. Embora tenha sido firmado um acordo de paz e amizade entre a Espanha e a Confederação Argentina, em 1859, o veto da província de Buenos Aires conduziu à não ratificação do tratado (basicamente por desavenças em torno do conceito de nacionalidade contido no texto oficial). Deste modo, foi preciso esperar até 1865, uma vez completado o processo de reunificação nacional, para que o acordo definitivo entre ambos fosse fechado. Outro elemento importante que esteve presente permanentemente, embora com diferentes características, foi a presença de atores extrarregionais, fundamentalmente os Estados Unidos e algumas potências europeias que tentavam influenciar diretamente nas negociações, principalmente quando estas envolviam questões comer- 2 O reconhecimento espanhol das repúblicas latino-americanas

3 ciais, financeiras ou econômicas sensíveis a seus interesses particulares ou quando afetavam o status previamente reconhecido de países mais favorecidos. A presença destes atores extrarregionais se via reforçada pela solicitação, por parte dos países latino-americanos, de mediação junto à Espanha para agilizar o seu reconhecimento, ou porque algumas potências estrangeiras queriam aumentar sua presença política, comercial, econômica e financeira na América Latina a partir de um reconhecimento rápido das novas repúblicas. Disso decorre a importância de se analisar o papel desempenhado pelas diplomacias dos Estados Unidos, Grã-Bretanha e França, e de nações mais periféricas como Prússia, Rússia e Áustria. Até mesmo alguns países pequenos, como os Países Baixos, as repúblicas hanseáticas de Bremen, Lübeck e Hamburgo, ou Sardenha, tiveram certo protagonismo. E não se deve esquecer a Santa Sede, já que neste caso específico as questões diplomáticas se confundiam com as eclesiásticas e com o desejo do Vaticano e dos vários governos americanos de nomear bispos e outros altos cargos religiosos. Deste modo, o principal objetivo deste livro coletivo é tentar descrever as principais características do processo de reconhecimento espanhol da independência das novas repúblicas americanas, buscando apresentar seus principais elementos-chave, mas também responder a uma série de questões básicas que permitam uma compreensão mais apurada do próprio processo. Entre as perguntas centrais encontra-se a questão sobre se os acordos firmados eram iguais ou seguiam um mesmo padrão. Ou ainda, o porquê de um acordo ter sido firmado em uma data e não em outra, ou quais foram os elementos que mais influenciaram o resultado final. Também está incluída uma análise do reconhecimento do Brasil e de outras repúblicas americanas (República Dominicana, Cuba e Panamá), cujos padrões de independência ou criação foram diferentes daquelas formadas a partir da crise imperial do começo do século XIX. Embora em linhas gerais os tratados seguissem um modelo adaptado às distintas realidades nacionais e temporais, pode-se dizer que seus temas eram basicamente os mesmos, os quais, tanto nesta introdução, quanto nos diferentes capítulos nacionais, serão abordados com mais profundidade. No entanto, a partir do tratado firmado com o Peru em 1879 passou-se a um formato muito mais reduzido e sucinto. O tratado com o Peru e da Colômbia possuem cinco artigos, já o tratado com o Paraguai conta com apenas quatro. Este tratado foi assinado após a guerra da Tríplice Aliança, que teve repercussões funestas para o país. Nesta disputa bélica não apenas a população paraguaia sofreu uma redução significativa por causa da guerra e das suas consequências sanitárias, mas também os cofres do Tesouro, já praticamente vazios, o que tornava quase impossível, por exemplo, que qualquer reclamação sobre o tema da dívida pudesse prosperar. Ao longo das negociações, as condições concretas impostas ou exigidas pelas partes, como a questão do reconhecimento das dívidas anteriores às independências, os requisitos para a obtenção ou reconhecimento da nacionalidade, e as concessões comerciais também tiveram sua importância e influenciaram os tratados finalmente concluídos. A postura espanhola baseava-se na premissa de que as novas repúblicas, ao serem herdeiras do império espanhol, não poderiam somente se beneficiar dos direitos implicados nesta situação, mas também deveriam se responsabilizar, proporcionalmente, pelas obrigações existentes no momento da independência. De 3 Carlos Malamud

4 qualquer modo, o conteúdo de cada tratado embora a maioria possuísse uma matriz comum, dependia da forma pela qual o vínculo colonial havia sido rompido: com ou sem guerras, com desapropriações para um ou outro país, com reconhecimento das dívidas prévias, etc. Também não se deve esquecer a maior ou menor rigidez dos negociadores em cada caso concreto, a existência de limites ou temas impraticáveis, ou as facilidades dadas pelos governos aos diplomatas para se chegar a um acordo. No caso da negociação com a Guatemala, a questão da nacionalidade se transformou em um grande obstáculo, como demonstra em seu trabalho José Edgardo Cal Montoya, o que explica por que o tratado com este país foi assinado 13 anos depois que o da Nicarágua e o da Costa Rica. As coisas chegaram a tal ponto que em 1860 as autoridades guatemaltecas, no intuito de fechar a negociação, cogitaram suprimir o artigo sobre a nacionalidade dos espanhóis residentes na Guatemala e incluir uma cláusula que determinasse enquanto o contrário não fosse acordado que o status dos filhos de espanhóis na Guatemala, e o dos filhos de guatemaltecos na Espanha, seguiriam a legislação de cada país. Apesar de uma interrupção momentânea na negociação, esta foi concluída finalmente com a fórmula proposta em maio de A magnitude dos obstáculos enfrentados pelos negociadores era tal, que frequentemente, e por motivos diversos, a assinatura de um tratado considerado adequado pelos diplomatas ou políticos enviados para negociar não era ratificada por um dos Estados implicados, ou então que se tivesse que esperar longos anos para que a ratificação ocorresse, como aconteceu com a Bolívia. O Uruguai, assim como lembrado por Juan Oribe Stemmer, é um dos casos mais interessantes, pois antes de se fechar o tratado de 1870, outros dois foram assinados, em 1841 e 1846, porém não ratificados pela Espanha, em boa parte por causa da situação de guerra civil vivida no Uruguai, e também porque, caso fosse assinado por apenas uma das partes, poder-se-ia comprometer o futuro da relação bilateral. O Peru também assinou um primeiro tratado em 1853 que não foi ratificado por causa da oposição, tanto do Executivo, como do Legislativo peruanos. Tal como apontado por Cristóbal Aljovín e Francis Chávez, considerava-se que o conteúdo do tratado colocava o Peru em uma situação lamentável, já que a independência peruana era descrita como uma concessão benevolente por parte da Espanha. As principais razões para o reconhecimento tardio e prolongado As rápidas alternâncias entre governos constitucionais e absolutistas na Espanha, entre 1808 e 1824, impossibilitaram a negociação de uma solução para os processos independentistas desencadeados na América espanhola a partir da ocupação napoleônica da península ibérica. Inclusive, como bem apontado por Agustín Sánchez Andrés no capítulo deste livro dedicado ao México, nem mesmo o projeto de fomentar a criação de três impérios confederados na América (Nova Espanha, Nova Granada e Peru) pode ser consumado, bem como qualquer outro projeto de viés monárquico que poderia ter servido como solução transnacional. De qualquer forma, deve-se notar que na Espanha, nas décadas iniciais do século XIX, a maioria defendia a manutenção da unidade do império, algo demonstrado 4 O reconhecimento espanhol das repúblicas latino-americanas

5 pelo fato de que tanto os absolutistas, quanto os liberais, encontravam-se por trás da Comisión de Reemplazos de Cádiz (Comissão de Substituição de Cádiz) órgão criado naquele momento para financiar as expedições militares que deviam recuperar, através das armas, os territórios que estavam então nas mãos dos independentistas. Mais ainda, em fevereiro de 1822 as Cortes espanholas rejeitaram uma proposta, promovida pelos deputados liberais mais radicais, a favor do reconhecimento da independência das antigas colônias. Neste período, assim como apontado por María José Henríquez Uzal em seu capítulo sobre o Chile, houve uma tentativa conjunta de vários governos sul-americanos (Rio da Prata, Venezuela, Nova Granada e Chile) de entrar em contato com o embaixador espanhol em Londres para dar fim à guerra e iniciar as negociações de paz, porém como a essência da postura espanhola não havia mudado, apesar do intervalo liberal, as negociações foram infrutíferas. Não devemos esquecer que, por iniciativa própria, em 1822 os Estados Unidos reconheceram os novos Estados americanos, e em 1824 o Brasil. Em 1825 a Grã- Bretanha tomou uma medida semelhante ao reconhecer o Brasil, o México, a Colômbia e o Rio da Prata, e em 1831 o Chile. A França reconheceu a independência do Chile em [ ] 5 Carlos Malamud

América Latina: Herança Colonial e Diversidade Cultural. Capítulo 38

América Latina: Herança Colonial e Diversidade Cultural. Capítulo 38 América Latina: Herança Colonial e Diversidade Cultural Capítulo 38 Expansão marítima européia; Mercantilismo (capitalismo comercial); Tratado de Tordesilhas (limites coloniais entre Portugal e Espanha):

Leia mais

A América Espanhola.

A América Espanhola. Aula 14 A América Espanhola. Nesta aula, trataremos da colonização espanhola na América, do processo de independência e da formação dos Estados Nacionais. Colonização espanhola na América. A conquista

Leia mais

América: a formação dos estados

América: a formação dos estados América: a formação dos estados O Tratado do Rio de Janeiro foi o último acordo importante sobre os limites territoriais brasileiros que foi assinado em 1909, resolvendo a disputa pela posse do vale do

Leia mais

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI (1864-1870)

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI (1864-1870) LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI (1864-1870) Thasley Westanyslau Alves Pereira * Marcelo Santos Rodrigues (Orientador) ** O projeto Levantamento de Fontes para

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 8 o ano 3 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : 1. 25 de janeiro de 1835, ao amanhecer o dia na cidade de Salvador, 600 negros entre libertos e escravos levantaram-se decididos

Leia mais

Independência da América Espanhola

Independência da América Espanhola Independência da América Espanhola Nossa América No início do século XIX a América hispânica, inspirada nas idéias liberais do Iluminismo, travou sua guerra de independência vitoriosa contra o colonialismo

Leia mais

CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL

CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL BASES COMUNS DO SISTEMA COLONIAL PACTO-COLONIAL Dominação Política Monopólio Comercial Sistema de Produção Escravista ESTRUTURA SOCIAL DAS COLONIAS ESPANHOLAS Chapetones

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Profª. Maria Auxiliadora 3º Ano

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Profª. Maria Auxiliadora 3º Ano Profª. Maria Auxiliadora 3º Ano Contradições entre o sistema colonial e as propostas liberais a partir do século XVIII Guerra de sucessão do trono espanhol (1702-1713) Luís XIV conseguiu impor seu neto

Leia mais

SOBRE HERANÇAS E PRESENTES: O QUE PENSAM OS JOVENS SOBRE A DÉCADA DA EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 1

SOBRE HERANÇAS E PRESENTES: O QUE PENSAM OS JOVENS SOBRE A DÉCADA DA EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 1 SOBRE HERANÇAS E PRESENTES: O QUE PENSAM OS JOVENS SOBRE A DÉCADA DA EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 1 Philippe Pomier Layrargues Educador ambiental, técnico da Diretoria de Educação Ambiental

Leia mais

SOBRE HERANÇAS E PRESENTES: O QUE PENSAM OS

SOBRE HERANÇAS E PRESENTES: O QUE PENSAM OS SOBRE HERANÇAS E PRESENTES: O QUE PENSAM OS JOVENS SOBRE A DÉCADA DA EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 1 Philippe Pomier Layrargues Educador ambiental, técnico da Diretoria de Educação Ambiental

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes A independência foi o processo político e militar que afetou todas as regiões situadas entre os vicereinados da Nova Espanha e do Rio da

Leia mais

Estudo dos países da América Latina e América Central

Estudo dos países da América Latina e América Central Empresa têxtil E M P R E S A T Ê X T I L Estudo dos países da América Latina e América Central Produtos considerados: 6003.33.00/6006.31.00/6006.21.00/6006.22.00/6006.23.00/6006.42.00 1. Exportações brasileiras

Leia mais

Quatro grandes temas nos convocaram a este Encontro, na busca de uma nova etapa de integração latino-americana e caribenha.

Quatro grandes temas nos convocaram a este Encontro, na busca de uma nova etapa de integração latino-americana e caribenha. Declaração final do XIII Encontro De 12 a 14 de janeiro de 2007, em San Salvador, El Salvador, com a Frente Farabundo Martí para a Libertação Nacional (FMLN) como anfitriã, desenvolveu-se o XIII Encontro

Leia mais

XX REUNIÃO ESPECIALIZADA DA MULHER DO MERCOSUL ANEXO III. Memória da Reunião

XX REUNIÃO ESPECIALIZADA DA MULHER DO MERCOSUL ANEXO III. Memória da Reunião XX REUNIÃO ESPECIALIZADA DA MULHER DO MERCOSUL ANEXO III Memória da Reunião Realizou-se na cidade de Brasília, República Federativa do Brasil, dias 29 e 30 de outubro de 2008, a XX Reunião Especializada

Leia mais

Aula 9.1 Conteúdo: Tentativas de união na América Latina; Criação do Mercosul. FORTALECENDO SABERES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES

Aula 9.1 Conteúdo: Tentativas de união na América Latina; Criação do Mercosul. FORTALECENDO SABERES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 9.1 Conteúdo: Tentativas de união na América Latina; Criação do Mercosul. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidade:

Leia mais

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL A MUDANÇA DA POLÍTICA COLONIAL ESPANHOLA SE DEU EM FUNÇÃO: DO ENVOLVIMENTO DA ESPANHA NAS GUERRAS EUROPEIAS; DA DECADÊNCIA DA MINERAÇÃO; DAS DIFICULDADES QUE

Leia mais

ISSN 1519-9568. INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número 20 Março de 2002 APRESENTAÇÃO

ISSN 1519-9568. INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número 20 Março de 2002 APRESENTAÇÃO ISSN 119-968 INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número Março de APRESENTAÇÃO O Boletim apresenta uma síntese do documento Panorama Social de América Latina -1, uma publicação da Comissão Especial para a América

Leia mais

A QUESTÃO BOLIVIANA E AS RELAÇÕES EXTERNAS DO BRASIL

A QUESTÃO BOLIVIANA E AS RELAÇÕES EXTERNAS DO BRASIL A QUESTÃO BOLIVIANA E AS RELAÇÕES EXTERNAS DO BRASIL O Sr. Feu Rosa/PP-ES pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados. Os acontecimentos ocorridos na Bolívia, de desapropriação,

Leia mais

CONVÊNIO DE CONSTITUÇÃO E FUNCIONAMENTO DA REDE PILA REDE DE PROPRIEDADE INTELECTUAL E INDUSTRIAL NA AMÉRICA LATINA

CONVÊNIO DE CONSTITUÇÃO E FUNCIONAMENTO DA REDE PILA REDE DE PROPRIEDADE INTELECTUAL E INDUSTRIAL NA AMÉRICA LATINA CONVÊNIO DE CONSTITUÇÃO E FUNCIONAMENTO DA REDE PILA REDE DE PROPRIEDADE INTELECTUAL E INDUSTRIAL NA AMÉRICA LATINA INSTITUIÇÕES PARTICIPANTES NO ATO FUNDADOR: Fundación General de la Universidad de Alicante

Leia mais

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 67 02/09/05 a 08/09/05

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 67 02/09/05 a 08/09/05 - Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 67 02/09/05 a 08/09/05 Lula faz um balanço da política externa O presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez um balanço de sua política externa na cerimônia

Leia mais

Independência da América Espanhola

Independência da América Espanhola Independência da América Espanhola Colônias espanholas na América Contexto Século XVIII: mudanças importantes iniciadas e ganhando força: Europa: Espanha e Portugal não dominavam mais o comércio colonial;

Leia mais

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S.

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Nos últimos anos, tem crescido a expectativa em torno de uma possível

Leia mais

AMÉRICA LATINA Professor: Gelson Alves Pereira

AMÉRICA LATINA Professor: Gelson Alves Pereira Disciplina - Geografia 3 a Série Ensino Médio AMÉRICA LATINA Professor: Gelson Alves Pereira 1- INTRODUÇÃO Divisão do continente americano por critério físico por critérios culturais Área da América Latina:

Leia mais

Trabalho de história 3º tri Integrantes Frederico Strasser Nº:15 Diogo Amorim Nº:12 Guilherme Hasslocher Nº:19 Lucas Fuss Nº:28 Mateus Peres Nº:34

Trabalho de história 3º tri Integrantes Frederico Strasser Nº:15 Diogo Amorim Nº:12 Guilherme Hasslocher Nº:19 Lucas Fuss Nº:28 Mateus Peres Nº:34 Trabalho de história 3º tri Integrantes Frederico Strasser Nº:15 Diogo Amorim Nº:12 Guilherme Hasslocher Nº:19 Lucas Fuss Nº:28 Mateus Peres Nº:34 -Enquanto Buenos Aires se tornava mais poderosa, os lideres

Leia mais

A Economia da América Latina

A Economia da América Latina A Economia da América Latina adsense1 Agricultura A agricultura de subsistência era a principal atividade econômica dos povos originais da América Latina, Essa atividade era complementada pela caça, pela

Leia mais

INFORME DO CENTRO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DE DEFESA PARA A VI REUNIÃO ORDINÁRIA DA INSTÂNCIA EXECUTIVA DO CDS Assunção, 4 de junho de 2012

INFORME DO CENTRO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DE DEFESA PARA A VI REUNIÃO ORDINÁRIA DA INSTÂNCIA EXECUTIVA DO CDS Assunção, 4 de junho de 2012 INFORME DO CENTRO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DE DEFESA PARA A VI REUNIÃO ORDINÁRIA DA INSTÂNCIA EXECUTIVA DO CDS Assunção, 4 de junho de 2012 O presente informe refere-se às atividades e produtos desenvolvidos

Leia mais

COOPERAÇÃO SUL-SUL BRASILEIRA

COOPERAÇÃO SUL-SUL BRASILEIRA COOPERAÇÃO SUL-SUL BRASILEIRA Representação organizacional da ABC O Mandato da ABC Negociar, aprovar, coordenar e avaliar a cooperação técnica internacional no Brasil Coordenar e financiar ações de cooperação

Leia mais

Introduction to Latin American Economies. Fabio Fonseca, Senior Director, FIESP

Introduction to Latin American Economies. Fabio Fonseca, Senior Director, FIESP Introduction to Latin American Economies Fabio Fonseca, Senior Director, FIESP América Latina México América Central Guianas América Andina América Platina Brasil México América Latina México América Central

Leia mais

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM Nº 142, DE 2005

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM Nº 142, DE 2005 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM Nº 142, DE 2005 Submete à consideração do Congresso Nacional o texto do Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo

Leia mais

Marco Aurélio dos Santos Departamento de História da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil marcoholtz@uol.com.br

Marco Aurélio dos Santos Departamento de História da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil marcoholtz@uol.com.br Marco Aurélio dos Santos Departamento de História da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil marcoholtz@uol.com.br PIMENTA, João Paulo. A independência do Brasil e a experiência hispanoamericana

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROJETO GEO CIDADES

APRESENTAÇÃO DO PROJETO GEO CIDADES 1 APRESENTAÇÃO DO PROJETO GEO CIDADES O Global Environment Outlook (GEO) é um projeto iniciado em 1995 pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) para avaliar o estado do meio ambiente

Leia mais

Série: A última guerra do Prata

Série: A última guerra do Prata TÍTULO DO PROGRAMA Série: A última guerra do Prata SINOPSE DO PROGRAMA O documentário é parte de uma série produzida pela TV Escola que apresenta as análises e pesquisas mais recentes a respeito da Guerra

Leia mais

PAÍSES ARGENTINA. Legenda: NV não-vigente / V vigente / T em tramitação / SP sem prazo definido / N/A não aplicável

PAÍSES ARGENTINA. Legenda: NV não-vigente / V vigente / T em tramitação / SP sem prazo definido / N/A não aplicável ACORDOS BILATERAIS DE COOPERAÇÃO NUCLEAR DO BRASIL COM A AMÉRICA LATINA (Atualização: Outubro 2015) (inclui não só os acordos referentes especificamente à agenda nuclear, mas também acordos-quadro de cooperação

Leia mais

CHÁVEZ E A DESCONSTRUÇÃO DA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA

CHÁVEZ E A DESCONSTRUÇÃO DA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA CHÁVEZ E A DESCONSTRUÇÃO DA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA Marcelo Rech, Editor do InfoRel http://inforel.org/ inforel@inforel.org No dia 1º de maio, o presidente boliviano Evo Morales, decretou a nacionalização

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

João Bosco Senra. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - Brasil Secretaria de Recursos HídricosH

João Bosco Senra. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - Brasil Secretaria de Recursos HídricosH Fevereiro de 2007 Proposta de Estratégia Comum entre os Países da América Latina e Caribe para o Gerenciamento da Água João Bosco Senra MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - Brasil Secretaria de Recursos HídricosH

Leia mais

20 CURIOSIDADES SOBRE A GUERRA DO PARAGUAI

20 CURIOSIDADES SOBRE A GUERRA DO PARAGUAI 20 CURIOSIDADES SOBRE A GUERRA DO PARAGUAI No dia 18 de setembro de 1865, ocorre a rendição do Paraguai, depois do cerco de Uruguaiana, no Rio Grande do Sul. É um bom momento para lembrarmos daquele que

Leia mais

XXIII Reunião do Conselho Buenos Aires, Argentina 11 a 13 de Maio de 2011. Acta

XXIII Reunião do Conselho Buenos Aires, Argentina 11 a 13 de Maio de 2011. Acta XXIII Reunião do Conselho Buenos Aires, Argentina 11 a 13 de Maio de 2011 Acta CERIMÓNIA DE ABERTURA Após ter dado as boas vindas aos representantes do Conselho, o Eng.º Orozco deu a palavra ao país anfitrião,

Leia mais

Sugestões de avaliação. Geografia 8 o ano Unidade 3

Sugestões de avaliação. Geografia 8 o ano Unidade 3 Sugestões de avaliação Geografia 8 o ano Unidade 3 5 Nome: Data: Unidade 3 1. Complete o trecho a seguir com informações sobre a localização do continente americano. O continente americano é o segundo

Leia mais

PALÁCIO DO PLANALTO. BRASÍLIA, DF, 30 DE JANEIRO DE 1997

PALÁCIO DO PLANALTO. BRASÍLIA, DF, 30 DE JANEIRO DE 1997 14 Discurso na solenidade de assinatura de contrato de intercâmbio de energia elétrica entre a Eletrobrás, a Eletrosul e a empresa elétrica uruguaia Administración Nacional de Usinas y Transmisiones Eléctricas

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO ASAMBLEA PARLAMENTARIA EURO-LATINOAMERICANA EURO-LATIN AMERICAN PARLIAMENTARY ASSEMBLY ASSEMBLEIA PARLAMENTAR EURO-LATINO-AMERICANA ASSEMBLÉE PARLEMENTAIRE EURO-LATINO- AMÉRICAINE PARLAMENTARISCHE VERSAMMLUNG

Leia mais

O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831. Professor Eric Assis Colégio Pedro II

O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831. Professor Eric Assis Colégio Pedro II O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831 Professor Eric Assis Colégio Pedro II OS DESAFIOS APÓS A INDEPENDÊNCIA I- Manter a unidade territorial do Brasil. II- Construir o Estado Nacional Brasileiro.

Leia mais

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA INDEPENDÊNCIA DO Colonização: espanhola até 1697, posteriormente francesa. Produção açucareira. Maioria da população:

Leia mais

X CONFERÊNCIA IBERO-AMERICANA DE JUSTIÇA CONSTITUCIONAL DECLARAÇÃO FINAL

X CONFERÊNCIA IBERO-AMERICANA DE JUSTIÇA CONSTITUCIONAL DECLARAÇÃO FINAL X CONFERÊNCIA IBERO-AMERICANA DE JUSTIÇA CONSTITUCIONAL DECLARAÇÃO FINAL Santo Domingo, República Dominicana, 12-15 de março de 2014 As Delegações dos Tribunais, Cortes e Salas Constitucionais membros

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO PERÍODO JANEIRO-MAIO DE 2007. ESTUDO DE CASO DE SÃO PAULO

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO PERÍODO JANEIRO-MAIO DE 2007. ESTUDO DE CASO DE SÃO PAULO RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO PERÍODO JANEIRO-MAIO DE 2007. ESTUDO DE CASO DE SÃO PAULO Renato Cymbalista Iara Rolnik Xavier Julho 2007 1. Avanços e retrocessos no projeto Urbal-10 da Prefeitura

Leia mais

Estágios profissionais são bons para ganhar experiência

Estágios profissionais são bons para ganhar experiência 79% dos universitários portugueses garantem Estágios profissionais são bons para ganhar experiência A rede Universia e o portal de empregos www.trabalhando.com realizaram em nove países um questionário

Leia mais

T. V. Dijk (org.) Racismo e discurso na América Latina São Paulo: Contexto, 2008. João Vianney Cavalcanti Nuto

T. V. Dijk (org.) Racismo e discurso na América Latina São Paulo: Contexto, 2008. João Vianney Cavalcanti Nuto T. V. Dijk (org.) Racismo e discurso na América Latina São Paulo: Contexto, 2008. João Vianney Cavalcanti Nuto O fato de um livro sobre o racismo ter sido organizado por um lingüista revela um ramo fecundo

Leia mais

PROGRAMAÇÃO COMPLETA DA EXPO HISPÂNICA 2016 2ª EDIÇÃO NO MEMORIAL DA AMÉRICA LATINA. Auditório e Sala de Exposições da Bibioteca Victor Civita

PROGRAMAÇÃO COMPLETA DA EXPO HISPÂNICA 2016 2ª EDIÇÃO NO MEMORIAL DA AMÉRICA LATINA. Auditório e Sala de Exposições da Bibioteca Victor Civita PROGRAMAÇÃO COMPLETA DA EXPO HISPÂNICA 2016 2ª EDIÇÃO NO MEMORIAL DA AMÉRICA LATINA Auditório e Sala de Exposições da Bibioteca Victor Civita De 05 a 09 de Setembro (das 08:00 às 22:00 de Segunda a Sexta):

Leia mais

BRASIL NO SÉCULO XIX VINDA DA FAMÍLIA REAL INDEPENDÊNCIA

BRASIL NO SÉCULO XIX VINDA DA FAMÍLIA REAL INDEPENDÊNCIA BRASIL NO SÉCULO XIX VINDA DA FAMÍLIA REAL INDEPENDÊNCIA Vinda da Família Real esteve ligada à conjuntura européia do início do século XIX Napoleão X Inglaterra X Portugal Bloqueio Continental Convenção

Leia mais

Alternância e política exterior no México: uma mensagem do Presidente

Alternância e política exterior no México: uma mensagem do Presidente 224 NOTAS Notas Alternância e política exterior no México: uma mensagem do Presidente VICENTE FOX QUESADA A política exterior mexicana atravessa atualmente um período de renovação estreitamente vinculado

Leia mais

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI Thasley Westanyslau Alves Pereira 1 ; Marcelo Santos Rodrigues 2. 1 Aluno do Curso de História; Campus de Porto Nacional; e-mail:thasley_uft@hotmail.com

Leia mais

GABARITO Caderno do Aluno Geografia 7 a série Volume 4

GABARITO Caderno do Aluno Geografia 7 a série Volume 4 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1 PERU E MÉXICO: A HERANÇA PRÉ-COLOMBIANA Para começo de conversa Página 3 1. Espera-se que os alunos estabeleçam uma analogia, associando a Cidade do México a um palimpsesto,

Leia mais

Países Íbero-Americanos Comércio Exterior

Países Íbero-Americanos Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC Países Íbero-Americanos Comércio Exterior Setembro de 2014 Índice.

Leia mais

As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial

As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial ONU A ONU (Organização das Nações Unidas) foi fundada no dia 24 de outubro de 1945, em São Francisco, Estados Unidos. O encontro

Leia mais

EDUCAÇÃO, SAÚDE & SEGURANÇA PÚBLICA. Ano 1, Outubro de 2005 Informação sem fins lucrativos

EDUCAÇÃO, SAÚDE & SEGURANÇA PÚBLICA. Ano 1, Outubro de 2005 Informação sem fins lucrativos GEOpress VENEZUELA URUGUAI TIMOR LESTE S.TOMÉ E PRÍNCIPE REP. DOMINICANA PORTO RICO CHILE CABO VERDE COLÔMBIA PERÚ COSTA RICA BRASIL PARAGUAI CUBA BOLÍVIA PANAMÁ EL SALVADOR ARGENTINA Língua Portuguesa

Leia mais

AS NOVAS TENDÊNCIAS DO DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO'

AS NOVAS TENDÊNCIAS DO DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO' AS NOVAS TENDÊNCIAS DO DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO' (Diego P. Fernández Arroyo) Introdução Introdução; I.A Internacionalização do Direito Internacional Privado; II.A Cultura Pós-moderna; III. Direitos

Leia mais

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo.

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo. HISTÓRIA 37 Associe as civilizações da Antigüidade Oriental, listadas na Coluna A, às características políticas que as identificam, indicadas na Coluna B. 1 2 3 4 COLUNA A Mesopotâmica Fenícia Egípcia

Leia mais

DECRETO Nº 1.211, DE 3 DE AGOSTO DE 1994.

DECRETO Nº 1.211, DE 3 DE AGOSTO DE 1994. DECRETO Nº 1.211, DE 3 DE AGOSTO DE 1994. Promulga o Tratado Geral de Cooperação e Amizade e o Acordo Econômico Integrante do Tratado Geral de Cooperação e Amizade, entre a República Federativa do Brasil

Leia mais

Diálogo para o fomento da Democracia Social

Diálogo para o fomento da Democracia Social A FRIEDRICH-EBERT-STIFTUNG NAS REGIÕES AMÉRICA LATINA E CARIBE Diálogo para o fomento da Democracia Social IDÉIA E MISSÃO No séc. XXI, política de desenvolvimento será sinônimo de política da paz. A Divisão

Leia mais

INSS Diretoria de Benefícios

INSS Diretoria de Benefícios IV CONFERÊNCIA BRASILEIROS NO MUNDO INSS Diretoria de Benefícios Praia do Forte, 20 de novembro de 2013 ACORDOS INTERNACIONAIS Globalização Principais objetivos ou finalidades dos Acordos Internacionais

Leia mais

1 - Independências das nações latinoamericanas: Império Espanhol em 1800

1 - Independências das nações latinoamericanas: Império Espanhol em 1800 1 - Independências das nações latinoamericanas: Processo de libertação das colônias espanholas. Quando: Aproximadamente entre 1810 e 1830. Império Espanhol em 1800 Fatores externos: Crise geral do Antigo

Leia mais

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640)

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) Portugal e Brasil no século XVII Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) O domínio espanhol. Em 1580, o rei de Portugal, D. Henrique, morreu sem deixar herdeiros ( fim da dinastia de Avis) surgiram disputas

Leia mais

A traição de Wilson Aurora Almada e Santos

A traição de Wilson Aurora Almada e Santos r e c e n s ã o A traição de Wilson Aurora Almada e Santos EREZ MANELA The Wilsonian Moment. Self- Determination and the International Origins of Anticolonial Nationalism quase do domínio do senso comum

Leia mais

Cronograma de Estudos de História - Projeto Medicina - www.projetomedicina.com.br

Cronograma de Estudos de História - Projeto Medicina - www.projetomedicina.com.br Cronograma de Estudos de História - Projeto Medicina - www.projetomedicina.com.br Área Assunto Início Fim Teoria Exercícios História da América A Conquista da América e os Povos Pré-Colombianos História

Leia mais

China e seu Sistemas

China e seu Sistemas China e seu Sistemas Em 1949, logo depois da revolução chinesa, a China possuía 540 milhões de habitantes, e se caracterizava por ser predominantemente rural, neste período o timoneiro Mao Tsetung, enfatizava

Leia mais

DIFICULDADES NA COMPILAÇÃO DE UM CORPUS DE LÍNGUA ESPANHOLA

DIFICULDADES NA COMPILAÇÃO DE UM CORPUS DE LÍNGUA ESPANHOLA DIFICULDADES NA COMPILAÇÃO DE UM CORPUS DE LÍNGUA ESPANHOLA Laura Campos de Borba UFRGS/PIBIC/CNPq 1 lauracborba@hotmail.com RESUMO: Algumas das ferramentas utilizadas pelos pesquisadores da Linguística

Leia mais

14/12/2005 DECLARAÇÃO CONJUNTA DOS PRESIDENTES DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E DA REPÚBLICA DA COLÔMBIA

14/12/2005 DECLARAÇÃO CONJUNTA DOS PRESIDENTES DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E DA REPÚBLICA DA COLÔMBIA 14/12/2005 DECLARAÇÃO CONJUNTA DOS PRESIDENTES DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E DA REPÚBLICA DA COLÔMBIA (Colômbia, 14 de dezembro de 2005) Atendendo ao convite formulado pelo Senhor Presidente da República

Leia mais

A GUERRA DO PARAGUAI FOI O MAIOR E MAIS SANGRENTO CONFLITO ARMADO OCORRIDO NA AMÉRICA DO SUL PERÍODO= 1864-1870

A GUERRA DO PARAGUAI FOI O MAIOR E MAIS SANGRENTO CONFLITO ARMADO OCORRIDO NA AMÉRICA DO SUL PERÍODO= 1864-1870 Não é possível exibir esta imagem no momento. A GUERRA DO PARAGUAI FOI O MAIOR E MAIS SANGRENTO CONFLITO ARMADO OCORRIDO NA AMÉRICA DO SUL PERÍODO= 1864-1870 É também chamada Guerra da Tríplice Aliança

Leia mais

Estes são os conteúdos e sugestões de atividades para os estudos de recuperação semestral.

Estes são os conteúdos e sugestões de atividades para os estudos de recuperação semestral. Nome: Nº: Ano: 8º ano Ensino Fundamental Disciplina: Geografia Data: / / Prof: Flávio Alexander Ribeiro Nota: Roteiro de Recuperação 2ª etapa Caro aluno, Estes são os conteúdos e sugestões de atividades

Leia mais

AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE

AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE A FORMAÇÃO DOS ESTADOS LATINO- AMERICANOS OS PAÍSES DA AMÉRICA LATINA FORMARAM-SE A PARTIR DA INDEPENDÊNCIA DA ESPANHA E PORTUGAL. AMÉRICA

Leia mais

Mesmo com um papa argentino, os brasileiros acreditam. Gosto pela diplomacia. humanidades relações exteriores y

Mesmo com um papa argentino, os brasileiros acreditam. Gosto pela diplomacia. humanidades relações exteriores y humanidades relações exteriores y Gosto pela diplomacia Cresce o interesse de brasileiros pelos rumos da política externa Carlos Haag Mesmo com um papa argentino, os brasileiros acreditam que o país está

Leia mais

Declaração de Salvador

Declaração de Salvador Declaração de Salvador Os Chefes de Estado da República Federativa do Brasil, da República de Cabo Verde, da República da Guiné, da República Oriental do Uruguai, o Vice-Presidente da República da Colômbia,

Leia mais

Aos PAIS LEVANDO os FILHOS para o EXTERIOR, TRAZENDO os FILHOS para o JAPÃO

Aos PAIS LEVANDO os FILHOS para o EXTERIOR, TRAZENDO os FILHOS para o JAPÃO Aos PAIS LEVANDO os FILHOS para o EXTERIOR, TRAZENDO os FILHOS para o JAPÃO Problemas relacionados ao sequestro de crianças (Sistema jurídico de cada país e a Convenção de Haia) Ministério dos Negócios

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 2º Ano Blocos Econômicos. Prof. Claudimar Fontinele

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 2º Ano Blocos Econômicos. Prof. Claudimar Fontinele Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 2º Ano Blocos Econômicos Prof. Claudimar Fontinele O mundo sofreu importantes transformações durante o século XX. O pós-segunda Guerra foi

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca ENCONTRO COM EMPRESÁRIOS ARGENTINOS

Leia mais

INTEGRAÇÃO DO CONE SUL: A INSERÇÃO REGIONAL NA ORDEM GLOBAL 2

INTEGRAÇÃO DO CONE SUL: A INSERÇÃO REGIONAL NA ORDEM GLOBAL 2 INTEGRAÇÃO DO CONE SUL: A INSERÇÃO REGIONAL NA ORDEM GLOBAL 2 INTEGRAÇÃO DO CONE SUL: A INSERÇÃO REGIONAL NA ORDEM GLOBAL HAROLDO LOGUERCIO CARVALHO * A nova ordem internacional que emergiu com o fim da

Leia mais

Contratação De Consultor/a Técnico/a para Oferecer Apoio à Secretaria Nacional De Juventude no Âmbito das Políticas de Juventude na América Latina

Contratação De Consultor/a Técnico/a para Oferecer Apoio à Secretaria Nacional De Juventude no Âmbito das Políticas de Juventude na América Latina TERMO DE REFERÊNCIA Contratação De Consultor/a Técnico/a para Oferecer Apoio à Secretaria Nacional De Juventude no Âmbito das Políticas de Juventude na América Latina Data limite para o envio das candidaturas:

Leia mais

(O senhor Simplício Mário PT/PI pronuncia o seguinte discurso) Senhor presidente, senhoras e senhores deputados: O resultado deste ano no desfile das

(O senhor Simplício Mário PT/PI pronuncia o seguinte discurso) Senhor presidente, senhoras e senhores deputados: O resultado deste ano no desfile das (O senhor Simplício Mário PT/PI pronuncia o seguinte discurso) Senhor presidente, senhoras e senhores deputados: O resultado deste ano no desfile das escolas de samba do Carnaval Carioca tem um significado

Leia mais

50º CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

50º CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 50º CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 27 de setembro a 1º de outubro de 2010 Tema 4.17 da agenda CD50/26

Leia mais

João Novaes: China avança na Ásia e provoca contra-ataque dos EUA

João Novaes: China avança na Ásia e provoca contra-ataque dos EUA João Novaes: China avança na Ásia e provoca contra-ataque dos EUA Portal Vermelho - SP - MUNDO - 20/01/2012 Impulsionada por um crescimento econômico elevado e constante na última década, a China busca

Leia mais

Senado Federal Comissão de Ciência e Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática. Audiência Pública Plano Nacional de Banda Larga

Senado Federal Comissão de Ciência e Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática. Audiência Pública Plano Nacional de Banda Larga Senado Federal Comissão de Ciência e Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Audiência Pública Plano Nacional de Banda Larga Eduardo Levy Diretor Executivo do SindiTELEBRASIL Brasília, 26 de maio

Leia mais

OBAMA E O TESTE DAS HONDURAS. 1. Em quatro escassos meses, Barack Obama tem estado a

OBAMA E O TESTE DAS HONDURAS. 1. Em quatro escassos meses, Barack Obama tem estado a OBAMA E O TESTE DAS HONDURAS por Mário Soares 1. Em quatro escassos meses, Barack Obama tem estado a revolucionar, pacificamente, a América e o Mundo. Isto é, está a mudar radicalmente as políticas norte-americanas,

Leia mais

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, com perguntas respondidas pelo presidente Lula Manaus-AM,

Leia mais

(Perry Anderson, Linhagens do Estado absolutista. p. 18 e 39. Adaptado)

(Perry Anderson, Linhagens do Estado absolutista. p. 18 e 39. Adaptado) 1. (Fgv 2014) O paradoxo aparente do absolutismo na Europa ocidental era que ele representava fundamentalmente um aparelho de proteção da propriedade dos privilégios aristocráticos, embora, ao mesmo tempo,

Leia mais

Resumo das reformas verificadas pelo Doing Business em 2013/14 na América Latina e no Caribe 2

Resumo das reformas verificadas pelo Doing Business em 2013/14 na América Latina e no Caribe 2 Doing Business 2015 Fact Sheet: América Latina e Caribe Dezesseis das 32 economias da América Latina e do Caribe implementaram pelo menos uma reforma regulatória facilitando negócios no período de 1 de

Leia mais

O papel do internacionalista frente ao comércio exterior brasileiro

O papel do internacionalista frente ao comércio exterior brasileiro O papel do internacionalista frente ao comércio exterior brasileiro Camila Nogueira 1 Camila Texeira Introdução Com o fim da guerra fria o mundo veio a passar por uma série de mudanças no sistema internacional,

Leia mais

Europa do século XIX IDADE CONTEMPORÂNEA. Revoluções de 1820, 1830 e 1848

Europa do século XIX IDADE CONTEMPORÂNEA. Revoluções de 1820, 1830 e 1848 IDADE CONTEMPORÂNEA Europa do século XIX O século XIX apresentou, na Europa, a consolidação dos ideais burgueses liberais e a vitória sobre as forças conservadoras/reacionárias. O avanço das forças produtivas

Leia mais

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE 1.Analise as afirmativas abaixo referentes ao Iluminismo: 01 - Muitas das idéias propostas pelos filósofos iluministas são, hoje, elementos essenciais da identidade da

Leia mais

DIPLOMACIA E CHANCELARIA CONCURSOS DA. 2 a EDIÇÃO COMENTADAS. 1 a FASE 1.200 QUESTÕES NOS. Renan Flumian Coordenador da obra

DIPLOMACIA E CHANCELARIA CONCURSOS DA. 2 a EDIÇÃO COMENTADAS. 1 a FASE 1.200 QUESTÕES NOS. Renan Flumian Coordenador da obra 2 a EDIÇÃO Renan Flumian Coordenador da obra NOS CONCURSOS DA DIPLOMACIA E CHANCELARIA 1 a FASE 1.200 QUESTÕES COMENTADAS Wander Garcia coordenador da coleção SUMÁRIO SUMÁRIO COMO USAR O LIVRO? 15 01.

Leia mais

5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia

5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia 5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia Resenha Desenvolvimento / Integração Franceline Hellen Fukuda 17 de maio de 2008 5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia Resenha Desenvolvimento

Leia mais

Ofício Circular n tssí /2013-SEC

Ofício Circular n tssí /2013-SEC corregedoria geral da justiça do estado de goiás poderjudr lírio Corregedoria-Geral da Justiça Secretaria Executiva Ofício Circular n tssí /2013-SEC Expediente n 4602765/2013 Goiânia M de 2013. Aos Magistrados

Leia mais

OS MAPAS CONCEITUAIS COMO UMA PERSPECTIVA EPISTEMOLÓGICA PARA A ANÁLISE DE POLÍTICA EDUCACIONAL DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EM IBERO-AMÉRICA

OS MAPAS CONCEITUAIS COMO UMA PERSPECTIVA EPISTEMOLÓGICA PARA A ANÁLISE DE POLÍTICA EDUCACIONAL DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EM IBERO-AMÉRICA OS MAPAS CONCEITUAIS COMO UMA PERSPECTIVA EPISTEMOLÓGICA PARA A ANÁLISE DE POLÍTICA EDUCACIONAL DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EM IBERO-AMÉRICA Resumo Luis Enrique Aguilar 1 Grupo de Trabalho: Estudos

Leia mais

China e seu Sistemas

China e seu Sistemas China e seu Sistemas Em 1949, logo depois da revolução chinesa, a China possuía 540 milhões de habitantes, e se caracterizava por ser predominantemente rural, neste período o timoneiro Mao Tsetung, enfatizava

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2007

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2007 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2007 Institui o Dia da Integração Jurídica Latino- Americana. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Fica instituído o Dia da Integração Jurídica Latino- Americana, a ser

Leia mais

convidada especial a vulvuzela. O Brasil se saiu bem na

convidada especial a vulvuzela. O Brasil se saiu bem na junho e julho 2010 COPA 2010 Copa 2010 na África do Sul X Zebra Aconteceu! Copa 2010 Trabalho de espanhol Trabalho geografia Quebrando o Silêncio Reunião de Pais Asfalto é realidade Culinária Humor VEJA

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL desafios e perspectivas

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL desafios e perspectivas SEMINÁRIO SINAES: AVALIAÇÃO PERSPECTIVAS CONAES Brasília 10 de novembro de 2011 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL desafios e perspectivas PAINEL 1 Denise Leite Em 1988 Avaliação, acreditação e QUALIDADE O acompanhamento

Leia mais

O CONSELHO DO MERCADO COMUM DECIDE:

O CONSELHO DO MERCADO COMUM DECIDE: MERCOSUL/CMC/DEC Nº 16/99 ACORDO DE ASSUNÇÃO SOBRE RESTITUIÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES TERRESTRES E/OU EMBARCAÇÕES QUE TRANSPÕEM ILEGALMENTE AS FRONTEIRAS ENTRE OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL TENDO EM VISTA:

Leia mais

Libras, Escudos, a Companhia de Moçambique e a cidade da Beira

Libras, Escudos, a Companhia de Moçambique e a cidade da Beira «BANCO DA BEIRA» Libras, Escudos, a Companhia de Moçambique e a cidade da Beira A cidade da Beira, capital da província de Sofala, em Moçambique, celebrou no dia 20 de agosto o seu aniversário de ser elevada

Leia mais

MOTOS E SEGURANÇA RODOVIÁRIA A convivência segura das motos em uma rede viária desenhada para carros (urbana e rural)

MOTOS E SEGURANÇA RODOVIÁRIA A convivência segura das motos em uma rede viária desenhada para carros (urbana e rural) MOTOS E SEGURANÇA RODOVIÁRIA A convivência segura das motos em uma rede viária desenhada para carros (urbana e rural) São Paulo, 11 e 12 de setembro de 2013 Antecedentes O crescimento acelerado da frota

Leia mais

Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago

Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago Segunda Cúpula das Américas Santiago, Chile, 18 e 19 de abril de 1998 Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago O seguinte documento é o texto completo da Declaração de Santiago assinada pelos

Leia mais