COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR RECOMENDAÇÕES PARA O CONTROLE DA QUALIDADE DO AR CLIMATIZADO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR RECOMENDAÇÕES PARA O CONTROLE DA QUALIDADE DO AR CLIMATIZADO"

Transcrição

1 1 COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR RECOMENDAÇÕES PARA O CONTROLE DA QUALIDADE DO AR CLIMATIZADO Mônica Ribeiro Costa Médica Infectologista SCIH / CCIH Março de 2007 I. INTRODUÇÃO: Em todos os ambientes existem microorganismos patogênicos exceto naqueles mantidos em condições de esterilidade. Nos hospitais existem os mais diversos microorganismos colonizando o ambiente, embora apenas uma pequena parte destes seja patogênica. Estes teoricamente, podem ser causadores de infecção hospitalar e até mesmo de surtos de infecções nosocomiais. Apesar disto existem poucos trabalhos que estabelecem claramente o papel destes como responsáveis por infecção e doença. Os estudos com amostragem ambiental têm demonstrado que a participação deste fator é de apenas 15% como responsável pela infecção hospitalar (Siqueira, 2000). Acredita-se que, em condições de cuidados adequados com o ambiente, a contribuição deste para as infecções e sua transmissão endêmica é mínima. Mesmo com as dificuldades de estabelecer o nexo de causa e efeito é necessário conhecer e controlar os riscos biológicos mais críticos associados às possíveis fontes de contaminação ambientais como superfícies, a água, os resíduos, o ar e outros. No que diz respeito ao ar climatizado a sua qualidade depende da interação de vários fatores com objetivo de esfriar, umidificar e purificar. O resultado final da ação destes fatores deve ser o conforto para os indivíduos e higienização e pureza do ar. No entanto muitas vezes este resultado não é alcançado em razão da intervenção de agentes agressores físicos, químicos e biológicos, ligados tanto ao condicionamento ambiental como a procedimentos diversos como limpeza e manutenção dos ambientes, políticas de acesso, ocupação e outros.

2 2 Nos hospitais, a falta de uma rotina adequada de procedimentos básicos como troca de filtros e limpeza e manutenção de equipamentos podem levar a uma deterioração do meio ambiente a tal ponto que a transmissão de contaminantes por via aérea seja alarmante. Entretanto há pouca informação sobre contaminação por via aérea relatada na literatura. A qualidade do ar no ambiente hospitalar é uma área de estudo portanto, que merece atenção, e a veiculação de microorganismos pelo ar deve ser reconhecida como fonte potencial de infecção e a exposição de profissionais e pacientes a diversos poluentes não pode ser ignorada. II. AGENTES CAUSADORES DE POLUIÇÃO DO AR: 01. POLUENTES QUÍMICOS Gerais: Móveis, papel de parede, tintas, adesivos, solventes, produtos de limpeza. O formaldeido, composto orgânico volátil (COV), ainda é muito usado em materiais de construção, mobiliários e desinfetantes. Específicos de hospitais: gases anestésicos, produtos tóxicos usados em citologia, esterilizantes como glutaraldeido e óxido de etileno, medicamentos como antibióticos e antineoplásicos. Em geral os poluentes químicos causam irritação dos olhos, nariz e garganta, tosse dor de cabeça, náuseas e reação alérgica. Outro poluente que não pode ser desconsiderado é a produção de O3 (Ozônio), em função do uso de equipamentos eletrônicos, raio laser, ultra-sons e computadores. Este é um gás inodoro e incolor irritante de mucosas e trato respiratório superior e formado pelo campos elétricos dos aparelhos. 02. POLUENTES FISICOS E BIOLÓGICOS Matéria particulada em suspensão: forma líquida (gotículas/aerossol) e/ou sólida no ar; Matéria particulada inalada: partículas pequenas o bastante para passar pelas vias aéreas superiores; Mecanismo de formação: atrito entre partes que se movimentam ou peças que se movimentam, varrer, tirar a poeira ou limpar utilizando aspiração a vácuo produzem particulas sólidas, por outro lado umidificadores e vários tipos de sprays produzem partículas liquidas; Composição: esporos de mofo, amianto, fibras sintéticas, restos de comida e insetos, pólen, aerossóis de produtos de consumo;

3 3 No caso de ambientes hospitalares a importância de matérias particuladas em suspensão deve-se ao fato de partículas físicas inferiores a 1µm serem mantidas no ar por longos períodos e poderem atingir grandes distâncias. Estas partículas muitas vezes podem conter microorganismos podendo ser inaladas pelos pacientes. O risco de infecção hospitalar atribuídos a fatores ambientais já foram descritos na literatura, ainda que indevidamente documentadas. Além da deposição direta ou indireta de microorganismos sobre as feridas existe a probabilidade destes se depositarem nos materiais estéreis com risco de introdução nos vasos sanguíneos Agentes Biológicos * Aspergillus sp Microepidemias de aspergilose invasiva têm sido relatadas como produto de inalação do ar contaminado pelos esporos do gênero Aspergillus (LENTINO, 1982). O Aspergillus fumigatus é o principal agente etiológico responsável pelas infecções descritas e trata-se de um gênero fúngico muito comum em ambientes externos. Seus esporos abundantemente propagados pelo ar, têm entre 2 e 3µm de diâmetro o que lhes permite penetrar no sistema respiratório profundo até os alvéolos pulmonares. Em pacientes imunossuprimidos, a doença causada pelo Aspergillus muitas vezes é fatal. A maioria dos surtos de aspergilose descritos na literatura está associada com obras próximas ao Hospital, de reformas internas ou de problemas no sistema de ar condicionado (dutos e filtros). As atividades como manutenção de ar condicionado, manipulação de materiais de isolamento fibroso, de forros falsos, a limpeza ou aspiração de superfícies ou qualquer atividade capaz de produzir partículas em suspensão podem provocar estes surtos. * Leggionela sp. Outro agente etiológico de origem ambiental encontrado repetidamente em hospitais é a Legionella (FRASER, 1997). Este é um microrganismo freqüente em ambiente externo em lagos e rios, frequentemente encontrado em sistemas de climatização e rede de distribuição de água de hospitais. A explicação para este fato se dá pela interação do bacilo com as amebas de vida livre como Acanthamoeba onde fica protegido do ataque de desinfetantes como o cloro na concentração de 50mg/L. A doença dos legionários causada pela Legionella é uma doença transmitida pelo ambiente e não há casos de transmissão de pessoa a pessoa. A pneumonia por Legionella em pacientes de risco

4 como idosos e indivíduos com doenças debilitantes é de mau prognóstico e causa óbito em 15 a 20% dos casos. 4 * Mycobacterium tuberculosis A tuberculose é uma doença de transmissão aérea, sendo o meio ambiente um fator importante na transmissão da mesma. Antes de 1989 a transmissão nosocomial era incomum, porém na década de 80/90 houve aumento dos casos de TB e vários surtos nosocomiais foram detectados, principalmente nos EUA (JARVIS, 1995). A transmissão da TB se dá de duas formas: por meio de aerossóis primários expelidos diretamente da cavidade oronasal (gotículas de Flügger) e aerossóis secundários originados das gotículas que caem no chão ressecam e são envolvidas por microparticulas de poeira formando o núcleo de Wells (< que 5 µ). Estes, devido ao seu tamanho, permanecem em suspensão no ar. Em ambientes climatizados artificialmente as micobacterias típicas e atípicas podem ser recirculadas e se perpetuar no ambiente. Em alguns sistemas de ar condicionado algumas espécies podem se multiplicar no meio liquido. III. PROJETO DO AR CONDICIONADO: Este deve levar em consideração em hospitais, as particularidades dos locais e vários níveis de exigência, que não somente o conforto. A sua população de pacientes com mecanismos de defesa comprometidos e fonte importante de microorganismos. Os trabalhadores são submetidos a carga importante de poluentes químicos, físicos e biológicos. As áreas críticas como Centro Cirúrgico e UTI (também Hemodiálise, Quimioterapia) exigem taxas de renovação do ar superiores por serem áreas de grande concentração de produtos voláteis. Os sistemas com renovação do ar próximo de 100%, parecem produzir ambientes com menores taxas de IH (SIQUEIRA, 2000). Nas áreas semi-críticas (enfermarias, salas de exames) as exigências de renovação do ar são menos importantes, e, no entanto deve-se considerar a vazão de 28,8m 3 /h/pessoas (ASHRAE,1989) e filtros classe F3 ( com pré-filtro G3). É importante observar que o ar nestas áreas não deve ser projetado considerando apenas o conforto e que é inadmissível que o ar retorne para a casa de máquinas através do espaço compreendido entre o forro falso e a laje, pois neste espaço existe

5 grande acúmulo de material particulado, umidade e ausência de raios UV, o que favorece o crescimento microbiano. 5 As áreas de ambulatório, salas de consulta e não críticas devem ser providas de Ar condicionado classe F1 e uma vazão de ar externo de 28,8m 3 /h/ pessoas; os quartos de pacientes devem utilizar filtros classe F2 e vazão de ar externo de 46,8m 3 /h/pessoas. A localização das tomadas de ar externo dessas áreas deve ser muito bem analisada, para não permitir que a mesma fique próxima de fontes poluentes, como a descarga de ar do centro cirúrgico, lavanderia, docas de carga e descarga e torres de resfriamento. Pode-se instalar na cobertura do prédio com ductos até a casa de máquinas. O ar externo nos grandes centros apresenta grande carga de material particulado. Mas a filtragem somente do ar externo no ambiente hospitalar é insuficiente, uma vez que os microorganismos estão no próprio ambiente do hospital. Assim além dos pré-filtros e filtros nas tomadas de ar externo e no retorno do ar à casa de máquinas, qualquer que seja a sua concepção, é necessário prever filtros finos na entrada do condicionador e filtros acoplados nas bocas de insufla mento. A instalação de filtros absolutos na saída dos condicionadores, após os filtros finos, deve ser evitada, pois geralmente a concepção dos dutos de insufla mento permite a aspiração de ar por indução, carreando o material particulado existente sobre o forro. Mesmo que os dutos sejam estanques ainda existe o efeito de bombeamento do ar no momento em que se desliga o equipamento, induzindo o particulado do ambiente para o interior dos dutos de insufla mento. Assim a localização terminal dos filtros garante que todo o ar insuflado foi filtrado. É fundamental também a observação dos níveis de pressão nos ambientes visando que o ar de uma área não seja aspirada para outra área, ou seja observar que o fluxo de ar seja dirigido da área limpa para a área suja. 01. REQUISITOS PARA CASA DE MÁQUINAS DO AR CONDICIONADO Paredes, pisos e tetos devem apresentar acabamento liso, para facilitar a limpeza; A iluminação e posicionamento da luminária devem permitir a manutenção e limpeza, sem gambiarras ;

6 6 O piso deve ser impermeável e com caimento a 5% para o ralo, usar água para lavagem de serpentinas, ventiladores e bandejas de condensação; As máquinas devem ter pés (15 cm) para permitir a limpeza; Os drenos das bandejas de condensação devem possuir selo hídrico superior à pressão do ventilador, para garantir escoamento do condensado; Os cantos da casa devem ser arredondados para permitir a limpeza; Deve existir espaço livre ao redor do condicionador para permitir o acesso ao equipamento; Os condicionadores devem possuir painéis tipo sanduíche, ficando o isolamento entre chapas, facilitando a remoção de material particulado, Garantir a estanqueidade da casas de máquinas, para que o ar que entre nesta área passe obrigatoriamente pelos filtros (de tomada de ar externo ou de retorno); Os ventiladores de insufla mento devem possuir portas de inspeção na voluta, para facilitar a lavagem do equipamento, e possuir motor com classe de proteção IP55 para evitar o ingresso de água. Os filtros de ar utilizados devem ser de classe F (filtro fino), tanto para as tomadas de ar como para filtragem nos condicionadores, devendo ser utilizados filtros grossos classe G apenas como préfiltros. O acesso à casa de máquinas dos condicionadores das áreas críticas e semi-críticas deve ser feito obrigatoriamente fora destas, através de portas estanques. 02. REQUISITOS PARA AS DEMAIS ÁREAS A rede de dutos deve possuir portas de inspeção a cada 10m de dutos retos e antes e depois de cada curva de 90º, registro de ar ou banco de resistência elétrica; Abaixo de cada porta de inspeção dos dutos deve haver um alçapão no forro de 0,60 por 0,60m; Os pontos de regulagem de vazão do duto tipos pliters, dampers, e demais elementos de regulagem devem possuir alçapão para acesso no forro falso, permitindo o rebalanceamento da rede de dutos; O retorno de ar para as casas de máquinas deve ser dutado, não sendo admitido o plenum do forro para esta finalidade; Não é permitido o uso de material fibroso no interior dos dutos para atenuação acústica; A rede de dutos deve ser estanque, para não permitir a aspiração do material particulado existente ao seu redor;

7 Nas instalações em que o retorno é feito pelo plenum deve ser instalada uma caixa de ventilação, aspirando o ar de retorno, dotada de pré-filtro classe G2 e filtro classe F RECOMENDAÇÕES DE ACESSO As fontes de material particulado nos hospitais são reformas, obras de ampliação, demolições, construções e escavações que liberam poeira e também resíduos de queima de combustível dos equipamentos. Se não forem tomadas as medidas adequadas este material penetra no ambiente hospitalar pelo sistema de ar condicionado e por frestas de portas e janelas. Este material também pode ser carregado por pessoas e equipamentos. Os materiais particulados nos ambientes ficam em suspensão no ar e pode demorar até 15 dias para sedimentar. Para sua remoção é necessário que o ar seja filtrado ou sua sedimentação para higienização do ambiente. Em geral há uma exigência para paramentação das pessoas para entrar em ambientes críticos e semi-críticos, mas que máquinas, ferramentas, macas e outros equipamentos entram sem passar por qualquer tipo de assepsia, e podendo constitui-se em fonte de contaminação. Assim estes materiais que transitam entre áreas de diferentes riscos devem sofrer um processo de higienização entre as áreas de maior risco para menor risco, para maior beneficio dos sistemas de ventilação e ar-condicionado. IV. MEDIDAS DE CONTROLE: Para a correta manutenção de um sistema de climatização de ambientes hospitalares deverão ser atendidos requisitos de qualidade que ultrapassam os exigidos pela Portaria 3523, do Ministério da Saúde (BRASIL, 1998), que define: regulamento técnico contendo medidas básicas referentes aos procedimentos de verificação visual do processo de limpeza, remoção de sujidades por métodos físicos e manutenção do estado de integridade e eficiência de todos os componentes dos sistemas de climatização, para garantir a Qualidade do Ar de Interiores e prevenção de riscos à saúde dos ocupantes de ambientes climatizados. A referida portaria também estabelece que para os ambientes que exigem filtros absolutos ou instalações especiais tais como hospitais e outros, aplicam-se as normas e regulamentos específicos, sem prejuízo do disposto neste regulamento.

8 8 Este plano de manutenção e limpeza do sistema de ar condicionado deve ser estabelecido na Santa Casa e sua implantação deve ser de responsabilidade da área de manutenção. Entretanto o planejamento, a organização, a supervisão e o controle de infecção hospitalar são de responsabilidade da CCIH. Segundo a portaria 2616 de 1998 (BRASIL, 1998) está entre as atribuições da CCIH o controle da documentação de normas e procedimentos de todos os processos estabelecidos de forma direta e indireta para a conservação e bom funcionamento do sistema de ar condicionado, visando impedir que o ambiente se transforme em fonte de infecções nosocomiais. Segundo Art. 5º do regulamento proposto pela Portaria GM 3523/98 os sistemas de climatização devem estar em condições de limpeza, manutenção, operação e controle, observadas as determinações, abaixo relacionados, visando a prevenção de riscos à saúde dos ocupantes : manter limpos os componentes do sistema de climatização, tais como: bandejas, serpentinas, umidificadores, ventiladores e dutos, de forma a evitar a difusão ou multiplicação de agentes nocivos à saúde humana e manter boa qualidade do ar interno; utilizar, na limpeza dos componentes do sistema de do sistema de climatização, produtos biodegradáveis devidamente registrados no Ministério da Saúde para este fim; verificar periodicamente as condições físicas dos filtros e mantê-los em condições de operação. Promover a sua substituição quando necessária; restringir a utilização do compartimento onde está instalada a caixa de mistura do ar de retorno e ar de renovação, ao uso exclusivo do sistema de climatização. É proibido manter no mesmo compartimento materiais, produtos e utensílios; preservar a captação de ar externo livre de possíveis fontes poluentes externas que apresentam riscos à saúde humana e dota-la no mínimo de filtro classe G1( um) conforme especificações do anexo II; garantir a adequada renovação do ar de interior dos ambientes climatizados, ou seja no mínimo de 27m 3 /h/pessoa; descartar as sujidades sólidas, retiradas do sistema de climatização após a limpeza, acondicionadas em sacos de material resistente e porosidade adequada, para evitar o espalhamento de partículas inaláveis. A Portaria 3523 também estabelece que os responsáveis por sistemas de climatização com capacidade acima de 5TR deverão manter um responsável técnico habilitado e implantar e manter

9 9 disponível um Plano de Manutenção, Operação e Controle (PMOC) e garantir a sua execução e manter disponível o registro de execução do mesmo. O Anexo II de que trata esta portaria é um roteiro para a elaboração do (PMOC) e encontrase em anexo à portaria. Na Resolução RE nº 9, de 16 de janeiro de 2003 a ANVISA revisa e atualiza a RE 176, 24 de outubro de 2000, e publica a Orientação Técnica Elaborada por Grupo Técnico Assessor, sobre Padrões Referenciais de Qualidade do Ar Interior, em ambientes de uso público e coletivo. Para os ambientes climatizados de uso restrito, com exigência de filtros absolutos, ou instalações especiais tais como instalações hospitalares, determina sejam aplicadas normas e regulamentos específicos. 01. PARÂMETROS RECOMENDADOS PELA RE Nº 9, DE 16 DE JANEIRO DE 2003 Valor Máximo Recomendável para contaminação microbiológica <750 ufc/m 3 de fungos, para relação I/E< 1,5, onde I é a quantidade de fungos no ambiente interior e E a quantidade de fungos no ar exterior. Quando este valor for ultrapassado ou a relação I/E for maior 1,5 é necessário fazer um diagnóstico de fontes para uma intervenção corretiva sendo inaceitável a presença de fungos patogênicos e toxigênicos. Valor Máximo Recomendável para contaminação química <1000ppm de CO2, como indicador do ar externo, para conforto e bem-estar e <80mcg de aerodispersóides totais no ar como indicador de pureza do ar e limpeza do ambiente; Parâmetros físicos de temperatura, umidade, velocidade e taxa de renovação do ar e grau de pureza de acordo com NBR 6401/ABNT. Temperatura de Bulbo Seco 23ºC a 26 ºC no verão. A faixa máxima de operação deve variar de 26 ºC a 27 ºC, com exceção das áreas de acesso (até 28 ºC). No inverno de 20 a 22 ºC. A faixa de Umidade Relativa no verão deverá variar de 40 a 65%. O máximo é de 65%. No inverno deve variar de 35 a 65%; O valor máximo recomendável de operação da Velocidade do Ar é de menos de 0,25m/s ao nível de 1,5m do piso. A Taxa de Renovação do Ar mínima em ambientes de alta rotatividade de pessoas deve ser de no mínimo 27m 3 /hora/pessoa, não sendo admitida taxa de CO2 maior do que estabelecida por esta norma técnica. A utilização de filtros classe G1 é obrigatória na captação de ar exterior e o Grau de Pureza do Ar será obtido utilizando-se no mínimo filtros classe G3 nos condicionadores de sistemas;

10 10 Estes parâmetros poderão subsidiar as decisões do responsável técnico pelo gerenciamento do sistema quanto à definição de periodicidade dos procedimentos de limpeza e manutenção dos componentes, desde que asseguradas as freqüências mínimas para os componentes abaixo considerados como reservatórios, amplificadores e disseminadores de poluentes. 02. PERIODICIDADE DOS PROCEDIMENTOS DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO Componente Periodicidade Tomada de Ar Externa Mensal ou até sua obliteração se descartável (máx 3 meses) Unidade filtrante Mensal ou até sua obliteração se descartável (máx 3 meses) Bandeja de Condensado Mensal Serpentina de aquecimento Serpentina de resfriamento Umidificador Ventilador Plenum de Mistura / casa de Máquinas Desencrustração semestral e limpeza trimestral Desencrustração semestral e limpeza trimestral Desencrustração semestral e limpeza trimestral Semestral Semestral 03. FONTES POLUENTES E MEDIDAS CORRETIVAS Esta resolução recomenda ainda que sejam estabelecidas possíveis fontes poluentes biológicas e químicas e adotadas as medidas corretivas a serem adotadas. Agentes biológicos: Bactérias, Fungos, Protozoários, Vírus Algas pólen, Artópodes e Animais; Agentes químicos: CO, CO2, NO2, O3 e Formaldeido; As possíveis fontes e as medidas de controle sugeridas estão discriminadas na resolução. 04. AVALIAÇÃO E CONTROLE Para avaliação e controle recomenda-se que sejam utilizados as Normas Técnicas 001, 002, 003 e 004. Na elaboração de relatórios técnicos sobre qualidade de ar interior é recomendada a NBR 10719da ABNT. 05. INSPEÇÃO

11 Recomenda-se que componentes da Vigilância Sanitária utilizem esta Orientação Técnica como referencial para inspeção RESPONSABILIDADE TÉCNICA Os responsáveis por estabelecimentos com ambientes ou conjuntos dotados de sistemas de climatização com capacidade igual ou superior a 5TR (15.000kcal/h ou BTU/h) devem manter um responsável técnico atendendo ao disposto na Portaria GM/MS nº 3523/98, além de desenvolver as seguintes atribuições: providenciar a avaliação biológica, química e física das condições do ar climatizado; promover a correção das condições encontradas quando necessário; manter registro das avaliações e correções encontradas; divulgar aos ocupantes dos ambientes climatizados os resultados de avaliação, correção e manutenção realizadas; Em relação às medições amostragem e análises laboratoriais considera-se responsável técnico um profissional de nível superior com habilitação na área de quimica ( Engenheiro Químico, Químico e Farmacêutico) e na área de Biologia (Biólogo, Farmacêutico e Biomédico). V. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: 01. American Society of Heating, Refrigerating and Air Condioning Engineers. ANSI/ ASHRAE Ventilation for Accetable Indoor Air Quality, Atlanta, Brasil, Ministério da Saúde, Portaria Ministerial 3523, de Dispõe sobre Ar Condicionado. Diário Oficial da União, Brasília, 31 Ago.1998, Seção I, P Brasil, Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), Resolução RE 9 de Dispõe sobre padrões referenciais de qualidade do ar interior, em ambientes de uso público e coletivo. 04. Diário Oficial da União, Brasília, Dantas, E; Ricard, I; Camargos, LC.; Controle do Ar no Ambiente Hospitalar. In Martins, MA. Manual de Infecção Hospitalar: Epidemiologia, Prevenção e Controle. 2ª Edição, Rio de Janeiro: MEDSI, 2001, Fraser, DW. Legionaires Disease : description of an epidemic of pneumoniae. N Eng J Med 1997; 297:

12 Jarvis, WR. Nosocomial transmission of multidrug-resistant Mycobacterium tuberculosis Am J Infect Control. 1995; 23: Lentino, JR; Rosenkranz, MA; Michaels, JA et al. Nosocomial aspergillosis. A retrospective review of airborne disease secondary to road construction and contaminated air conditioners. Amer J Epidemiol 1982; 116: Siqueira, LFG. O meio ambiente e a infecção hospitalar. In: Fernandes AP. Infecção Hospitalar e suas interfaces na área de Saúde. São Paulo. Atheneu, 2000: Dra. Flávia Valério de L. Gomes Enfermeira SCIH / CCIH Dra. Luciana Augusta A. Mariano Enfermeira SCIH / CCIH Dra. Mônica Ribeiro Costa Infectologista da C.C.I.H. /S.C.I.H.

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Washington Reis) Dispõe sobre limpeza e inspeção de ar condicionado central, na forma que menciona. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º É obrigatória a realização anual

Leia mais

aktron RESOLUÇÃO 9/2003 DA ANVISA: TUDO QUE O PROFISSIONAL DE SEGURANÇA DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE QUALIDADE DO AR AMBIENTE

aktron RESOLUÇÃO 9/2003 DA ANVISA: TUDO QUE O PROFISSIONAL DE SEGURANÇA DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE QUALIDADE DO AR AMBIENTE RESOLUÇÃO 9/2003 DA ANVISA: TUDO QUE O PROFISSIONAL DE SEGURANÇA DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE QUALIDADE DO AR AMBIENTE Resolução 9/2003 da ANVISA: tudo que o profissional de Segurança do Trabalho precisa

Leia mais

(DOU 166 31.8.98, Seção I, pags. 40 a 42)

(DOU 166 31.8.98, Seção I, pags. 40 a 42) (DOU 166 31.8.98, Seção I, pags. 40 a 42) Portaria nº 3.523/GM Em, 28 de agosto de 1998 O Ministro de Estado da Saúde, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 87, Parágrafo único, item II, da Constituição

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DE FOCOS DE LEGIONELA NO SISTEMA DE AR CONDICIONADO EM DOIS HOSPITAIS DA GRANDE FLORIANÓPOLIS - SC

INVESTIGAÇÃO DE FOCOS DE LEGIONELA NO SISTEMA DE AR CONDICIONADO EM DOIS HOSPITAIS DA GRANDE FLORIANÓPOLIS - SC I CONGRESSO BAIANO DE ENGENHARIA AMBIENTAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental INVESTIGAÇÃO DE FOCOS DE LEGIONELA NO SISTEMA DE AR CONDICIONADO EM DOIS

Leia mais

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Gessilene de Sousa Sobecc, julho2011 Agenda Regulamentação Definição: Centro de Material Esterilizado - CME; Estrutura Física: Áreas de composição; Fluxograma

Leia mais

PORTARIA DO MINISTÉRIO DA SAÚDE NR. 3.523 de 28/08/98.

PORTARIA DO MINISTÉRIO DA SAÚDE NR. 3.523 de 28/08/98. PORTARIA DO MINISTÉRIO DA SAÚDE NR. 3.523 de 28/08/98. O Ministro de Estado da Saúde, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 87, Parágrafo único, item II, da Constituição Federal e tendo em vista

Leia mais

GUIA DE CONTRATAÇÃO DE EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS EM CONTROLE DE QUALIDADE DE AR DE INTERIORES.

GUIA DE CONTRATAÇÃO DE EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS EM CONTROLE DE QUALIDADE DE AR DE INTERIORES. GUIA DE CONTRATAÇÃO DE EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS EM CONTROLE DE QUALIDADE DE AR DE INTERIORES. Volume I - Guia nº 01 2003 GUIA DE CONTRATAÇÃO DE EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS EM CONTROLE DE QUALIDADE

Leia mais

F ltrag a e g m e m e e M an a u n t u en e ç n ã ç o ã o d e d e F i F ltros o s d e d e a r Agenda dos trabalhos

F ltrag a e g m e m e e M an a u n t u en e ç n ã ç o ã o d e d e F i F ltros o s d e d e a r Agenda dos trabalhos Curso - Higienização em sistemas de ar condicionado e ambientes Filtragem e Manutenção de Filtros de ar Palestrante: Eng. Flávio Augusto Valle do Nascimento Agenda dos trabalhos Contaminantes do ar Mecanismos

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR 1 COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR Flávia Valério de Lima Gomes Enfermeira da CCIH / SCIH Jair

Leia mais

considerando a preocupação com a saúde, a segurança, o bem-estar e o conforto dos ocupantes dos ambientes climatizados;

considerando a preocupação com a saúde, a segurança, o bem-estar e o conforto dos ocupantes dos ambientes climatizados; Resolução - RE nº 9, de 16 de janeiro de 2003 D.O.U de 20 de janeiro O Diretor da Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere a Portaria nº 570,

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO;

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; Tipo do Serviço: ( ) Próprio ( )terceirizado Nome; Possui Licença sanitária? ( ) SIM ( ) NÃO N /ANO: Há um encarregado do setor

Leia mais

Medidas de Precaução

Medidas de Precaução Medidas de Precaução INFLUENZA A (H1N1) Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde GGTES/Anvisa Medidas de Precaução Precaução Padrão Precauções Baseadas na Transmissão: contato gotículas aerossóis

Leia mais

Limpeza hospitalar *

Limpeza hospitalar * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, março de 2009. Limpeza hospitalar * Limpeza hospitalar é o processo de remoção de sujidades de superfícies do ambiente, materiais e equipamentos,

Leia mais

Controle de Ar e Água

Controle de Ar e Água Controle de Ar e Água Controle de Qualidade: Ar e Água Muitos microorganismos estão presentes no ambiente Poucos são patogênicos para o homem > Interesse na transmissão de infecções a partir do ar e água

Leia mais

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS ASSEPSIA E CONTROLE DE INFECÇÃO Prof. MARCELO ALESSANDRO RIGOTTI LICENCIADO EM ENFERMAGEM e ESPECIALISTA EM CONTROLE DE INFEÇÃO Mestrando pela Escola de Enfermagem

Leia mais

Qualidade do Ar Interior

Qualidade do Ar Interior Qualidade do Ar Interior A realidade nacional A Integração da Qualidade do Ar Interior e da Eficiência Energética em Edifícios Ana Rita Antunes Lisboa, 20 de Fevereiro de 2014 Quercus - ANCN 2 Associação

Leia mais

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco.

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. BIOSSEGURANÇA/RISCO S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. SIGLÁRIO ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária CAT Comunicação de Acidente de Trabalho CDC Centro

Leia mais

Sala Limpa ou Sala Classificada: Qual a diferença de se trabalhar com elas? Roberta Souza Cruz Bastos Farmacêutica RT Gerente de Suprimentos

Sala Limpa ou Sala Classificada: Qual a diferença de se trabalhar com elas? Roberta Souza Cruz Bastos Farmacêutica RT Gerente de Suprimentos Sala Limpa ou Sala Classificada: Qual a diferença de se trabalhar com elas? Roberta Souza Cruz Bastos Farmacêutica RT Gerente de Suprimentos Outubro/2014 BLOCO I Fundação Cristiano Varella Hospital do

Leia mais

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais,

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N.º 23915, DE 13 DE JANEIRO DE 2004 DISPÕE SOBRE O LICENCIAMENTO SANITÁRIO A QUE ESTÃO SUJEITOS OS SALÕES DE CABELEIREIROS, OS INSTITUTOS DE BELEZA, ESTÉTICA, PODOLOGIA E ESTABELECIMENTOS CONGÊNERES;

Leia mais

Higienização do Ambiente Hospitalar

Higienização do Ambiente Hospitalar Higienização do Ambiente Hospitalar Enfª Mirella Carneiro Schiavon Agosto/2015 O serviço de limpeza tem por finalidade preparar o ambiente de saúde para suas atividades, mantê-lo em ordem e conservar equipamentos

Leia mais

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE HOSPITAL FEDERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A13 elaborada em 09/12/2010 Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose

Leia mais

Inmetro - Qualidade do Ar em Estabelecimentos de Uso Público e Coletivo#conclus...

Inmetro - Qualidade do Ar em Estabelecimentos de Uso Público e Coletivo#conclus... Página 1 de 7.: Qualidade do Ar em Estabelecimentos de Uso Público e Coletivo :. Metodologia de Análise, Ensaios Realizados e Resultados Obtidos As equipes que visitaram os estabelecimentos eram compostas

Leia mais

em ambientes climatizados RE-09 Bióloga Maria José Silveira Especialista em Microbiologia CRBio 18.098-01

em ambientes climatizados RE-09 Bióloga Maria José Silveira Especialista em Microbiologia CRBio 18.098-01 Contaminantes Microbiológicos em ambientes climatizados RE-09 Bióloga Maria José Silveira Especialista em Microbiologia CRBio 18.098-01 Como podemos avaliar a qualidade do ar ambiental Como avaliar se

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EM SAÙDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EM SAÙDE PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EM SAÙDE Ensaio para Controle das Doenças Respiratórias Agudas Graves PROTOCOLO PARA VIGILÂNCIA MICROBIOLÓGICA DA QUALIDADE DO AR Protocolo

Leia mais

relacionamento(s): atualiza: Resolução RE nº 176, de 24 de outubro de 2000 atos relacionados: Portaria nº 3523, de 28 de agosto de 1998

relacionamento(s): atualiza: Resolução RE nº 176, de 24 de outubro de 2000 atos relacionados: Portaria nº 3523, de 28 de agosto de 1998 LEGISLAÇAO SOBRE QUALIDADE DO AR INTERIOR ANVISA título: Resolução RE nº 9, de 16 de janeiro de 2003 ementa não oficial: Determina a publicação de Orientação Técnica elaborada por Grupo Técnico Assessor,

Leia mais

Prof. Marcelo Luiz Pereira

Prof. Marcelo Luiz Pereira CUIDADOS COM O AR CONDICIONADO PARA O CONTROLE DE PARTÍCULAS EM SUSPENSÃO CENTRAL DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO : ÁREA DE PREPARO, ÁREA ESTÉRIL E ARMAZENAMENTO Prof. Marcelo Luiz Pereira Mestre 1 e Doutorando

Leia mais

PROJETO FINAL 2014-2. Alunos: Turma: Sistema de condicionamento de ar central residencial PIC Projeto de Instalações de Condicionamento de Ar

PROJETO FINAL 2014-2. Alunos: Turma: Sistema de condicionamento de ar central residencial PIC Projeto de Instalações de Condicionamento de Ar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA - CAMPUS SÃO JOSÉ Projetos de Instalação de Ar Condicionado

Leia mais

Higienização em Redes de Dutos de Ar Condicionado

Higienização em Redes de Dutos de Ar Condicionado Higienização em Redes de Dutos de Ar Condicionado Engenheiro Carlos Alberto Araujo de Queiroz CREA-RJ 1978104018 Legislação PORTARIA M.S. nº 3.523/98 RESOLUÇÃO RE-09/03 da ANVISA LEI ESTADUAL nº 4.192/03

Leia mais

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS Ebola Perguntas e Respostas 13 O que fazer se um viajante proveniente desses países africanos apresentar sintomas já no nosso

Leia mais

QUALIDADE DO AR INTERIOR

QUALIDADE DO AR INTERIOR QUALIDADE DO AR INTERIOR POR DIA OS NOSSOS PULMÕES FILTRAM CERCA DE 13. 000 LITROS DE AR! A POLUIÇÃO EM AMBIENTES FECHADOS É UMA DAS PRINCIPAIS CAUSAS DE DOENÇAS RESPIRATÓRIAS A maior parte das nossas

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 O Hospital realiza uma combinação complexa de atividades especializadas, onde o serviço de Higienização e Limpeza ocupam um lugar de grande importância. Ao se entrar em um

Leia mais

Para efeito desta norma, devem ser observadas as seguintes definições, siglas e abreviaturas:

Para efeito desta norma, devem ser observadas as seguintes definições, siglas e abreviaturas: NORMA CÓDIGO T.02.01 APROVAÇÃO Reunião 515ª DEX - REVISÃO PÁG 1 / 15 DATA 04/02/2014 DATA TÍTULO REFRIGERAÇÃO, CONDICIONAMENTO DE AR E VENTILAÇÃO PALAVRAS-CHAVE Condicionamento de Ar e Ventilação, Poluentes

Leia mais

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 2.1 A manutenção preventiva para os aparelhos de Ar Condicionado do tipo janela:

TERMO DE REFERÊNCIA. 2.1 A manutenção preventiva para os aparelhos de Ar Condicionado do tipo janela: ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA 1 DO OBJETO DA LICITAÇÃO 1.1 CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA COM REPOSIÇÃO PARCIAL DE PEÇAS ORIGINAIS DOS EQUIPAMENTOS DE REFRIGERAÇÃO

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Bem Vindos! HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Quem sou? Farmacêutica Bioquímica e Homeopata. Especialista em Análises Clínicas, Micologia, Microbiologia e Homeopatia. 14 anos no varejo farmacêutico

Leia mais

Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013

Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013 Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013 Conceitos Básicos Organismo Vivo Conceitos Básicos Organismo Vivo

Leia mais

Charles Domingues Q í u mi m co o - Ge G stor o A m A b m i b ent n al

Charles Domingues Q í u mi m co o - Ge G stor o A m A b m i b ent n al Charles Domingues Químico - Gestor Ambiental 03/10/2012 Higienização de Condicionadores de Ar Manutenção das Máquinas Para que as máquinas possam funcionar e atender as condições de projeto do sistema

Leia mais

ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 1 OBJETIVO: ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Este Roteiro estabelece a sistemática para a avaliação do cumprimento das ações do Programa de Controle de Infecção

Leia mais

MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO INSTRUMENTAL NÃO ARTICULADO NÃO CORTANTE NÃO ESTÉRIL DESCARTÁVEL

MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO INSTRUMENTAL NÃO ARTICULADO NÃO CORTANTE NÃO ESTÉRIL DESCARTÁVEL MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO INSTRUMENTAL NÃO ARTICULADO NÃO CORTANTE NÃO ESTÉRIL DESCARTÁVEL (As informações aqui apresentadas são de caráter declaratório, podendo o texto final, ter formatação diferente)

Leia mais

Higienização de Sistemas e em Redes de Dutos de Ar Condicionado

Higienização de Sistemas e em Redes de Dutos de Ar Condicionado Higienização de Sistemas e em Redes de Dutos de Ar Condicionado Eng. Leonardo Cozac Splits Aparelhos de Janela Centrais: self contained ou fancoil 2 3 Limpeza do Sistema Renovação do Ar Filtragem do Ar

Leia mais

Arquitetura do CME: seguindo as recomendações da RDC 15-15/03/12 Nome do autor

Arquitetura do CME: seguindo as recomendações da RDC 15-15/03/12 Nome do autor Arquitetura do CME: seguindo as recomendações da RDC 15-15/03/12 Nome do autor Rosa M. P. Fonseca Supervisora do CC / CME do Hospital Paulistano Diretora do conselho Fiscal da SOBECC gestão 2013-2015 200

Leia mais

PARECER COREN-SP CT 046/2013. PRCI nº 100.758 Tickets nº 280.449, 280.745, 298.165

PARECER COREN-SP CT 046/2013. PRCI nº 100.758 Tickets nº 280.449, 280.745, 298.165 PARECER COREN-SP CT 046/2013 PRCI nº 100.758 Tickets nº 280.449, 280.745, 298.165 Ementa: Limpeza concorrente e terminal, responsabilidade e maneira de execução. 1. Do fato Enfermeira questiona se há necessidade

Leia mais

Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec

Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec Secretaria Estadual de Saúde Centro Estadual de Vigilância em Saúde Divisão de Vigilância Sanitária Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec Serviço de Endoscopia Prevenção e Controle de

Leia mais

EQUIPAMENTOS. Transferência mecânica:

EQUIPAMENTOS. Transferência mecânica: EQUIPAMENTOS Transferência mecânica: Objetivos do equipamento: a) Garantir o acesso seguro à piscina para qualquer pessoa, b) Previnir possíveis riscos de acidente nas transferências ou manipulações, c)

Leia mais

LIMPEZA. Maria da Conceição Muniz Ribeiro. Mestre em Enfermagem (UERJ)

LIMPEZA. Maria da Conceição Muniz Ribeiro. Mestre em Enfermagem (UERJ) LIMPEZA Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem (UERJ) A limpeza é um dos elementos eficaz nas medidas de controle para romper a cadeia epidemiológica das infecções. Ela constitui um fator

Leia mais

NOTA TÉCNICA AÇÕES DE ENGENHARIA EM SAÚDE PÚBLICA PARA O ATENDIMENTO DE CASOS DE SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA GRAVE - SRAG

NOTA TÉCNICA AÇÕES DE ENGENHARIA EM SAÚDE PÚBLICA PARA O ATENDIMENTO DE CASOS DE SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA GRAVE - SRAG MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde NOTA TÉCNICA AÇÕES DE ENGENHARIA EM SAÚDE PÚBLICA PARA O ATENDIMENTO DE CASOS DE SÍNDROME RESPIRATÓRIA

Leia mais

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD ALERTA EPIDEMIOLÓGICO I Influenza Suína ABRIL 2009 Definição de caso 1-Caso suspeito de infecção humana pelo vírus da influenza suína A (H1N1). Apresentar

Leia mais

Filtração e vazão do ar à luz das novas normas Parâmetros e exigências para QAI postado em: 25/06/2013 12:30 hatualizado em: 26/06/2013 09:28 h

Filtração e vazão do ar à luz das novas normas Parâmetros e exigências para QAI postado em: 25/06/2013 12:30 hatualizado em: 26/06/2013 09:28 h Filtração e vazão do ar à luz das novas normas Parâmetros e exigências para QAI postado em: 25/06/2013 12:30 hatualizado em: 26/06/2013 09:28 h NBR 16401-3 apresenta filtragens mínimas requeridas para

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio!

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! Dra. Marlise Potrick Stefani, MSc Nutricionista Especialista e Mestre em Qualidade, Especialista em Alimentação Coletiva

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Artigo 1º Atendendo à Portaria de número

Leia mais

1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação

1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação 1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação hospitalar (desde que não incubada previamente à internação)

Leia mais

PROJETO AME BOTUCATU

PROJETO AME BOTUCATU PROJETO AME BOTUCATU Memorial Descritivo Ar Condicionado - PRELIMINAR Ass: - Data: - - PARA INFORMAÇÃO Ass: - Data: - - PARA APROVAÇÃO Ass: - Data: - X LIBERADO P/ FABRICAÇÃO Ass: CONNECT / ALDE BARCELOS

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade PROTOCOLO: Limpeza concorrente e terminal do leito, cortinas, mobiliários e equipamentos hospitalares

Sistema de Gestão da Qualidade PROTOCOLO: Limpeza concorrente e terminal do leito, cortinas, mobiliários e equipamentos hospitalares Página: 1/9 INTRODUÇÃO: A limpeza e a desinfecção de superfícies são elementos que propiciam segurança e conforto aos pacientes, profissionais e familiares nos serviços de saúde. Colabora também para o

Leia mais

Relatório de Gestão da CCIH

Relatório de Gestão da CCIH Relatório de Gestão da CCIH 1 - Apresentação A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CCIH é formada por membros executores -01 enfermeira, 01 farmacêutica e 01 infectologista e consultoresrepresentantes

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 07/02/2009 Seção: Viva Melhor Pág.: 06 e 07

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 07/02/2009 Seção: Viva Melhor Pág.: 06 e 07 Veículo: Jornal da Comunidade Data: 07/02/2009 Seção: Viva Melhor Pág.: 06 e 07 Perigos do ar-condicionado Capaz de proporcionar alívio nos dias quentes, o aparelho de ar-condicionado necessita de limpeza

Leia mais

NORMAS PARA VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PACIENTES

NORMAS PARA VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PACIENTES NORMAS PARA VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PACIENTES C A ÇA D O R - S C DOCUMENTAÇÃO ALVARÁ SANITÁRIO 1. Requerimento DVS 2. CNPJ (jurídica) cópia atualizada 3. Documento do Veiculo 4. Taxa de Emissão de Alvará

Leia mais

UM OLHAR SOBRE O COMPRESSOR NOS CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS

UM OLHAR SOBRE O COMPRESSOR NOS CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS UM OLHAR SOBRE O COMPRESSOR NOS CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS NAS INSPEÇÕES DE CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS ATÉ RECENTEMENTE NÃO ERA DADA A DEVIDA ATENÇÃO AO COMPRESSOR - TIPO - LOCAL

Leia mais

Bioquímicos, Auxiliares e Estagiários dos Setores de Microbiologia, Hematologia, Imunologia e Biologia Molecular do LAC - HNSC.

Bioquímicos, Auxiliares e Estagiários dos Setores de Microbiologia, Hematologia, Imunologia e Biologia Molecular do LAC - HNSC. 1. Identificação do Equipamento: Cabine de segurança biológica (CSB). Capela de exaustão (CE). POP: L 23 Página 1 de 5 1.1 Setor Alocado: Setores: Microbiologia, Imunologia, Biologia molecular. 1.3 Assistência

Leia mais

Filtros de Ar TROX Máxima Eficiência e Performance.

Filtros de Ar TROX Máxima Eficiência e Performance. Filtros de Ar TROX Máxima Eficiência e Performance. Laboratório TROX Alemanha Referência em filtragem e controle de contaminação A TROX é referência em sistemas de tratamento de ar, sistemas de filtragem

Leia mais

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos;

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos; Os 32 itens da NR-32 a serem trabalhados nesta primeira etapa do projeto 32 para implantação nos estabelecimentos de saúde até 2009 foram selecionados e estudados pela diretoria do Sinsaúde por serem os

Leia mais

1. Quais os EPIs ( e outros) devem ser utilizados na assistência a pacientes com suspeita de infecção pelo vírus Ebola?

1. Quais os EPIs ( e outros) devem ser utilizados na assistência a pacientes com suspeita de infecção pelo vírus Ebola? Segue abaixo, uma série de perguntas e respostas elaboradas pela GGTES (com base em questionamentos enviados pelos estados), a fim de esclarecer dúvidas e complementar alguns pontos da Nota Técnica nº

Leia mais

BIOSSEGURANÇA PARA AMBULÂNCIAS

BIOSSEGURANÇA PARA AMBULÂNCIAS 1 COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR BIOSSEGURANÇA PARA AMBULÂNCIAS Flávia Valério de Lima Gomes Enfermeira do SCIH / CCIH Alexandre Gonçalves de Sousa Gerente de Manutenção e Transporte Julho

Leia mais

MEDIDAS DE CONTROLE SANITÁRIO PARA PREVENÇÃO DE SINDROME RESPIRATORIA AGUDA E SINDROMES GRIPAIS

MEDIDAS DE CONTROLE SANITÁRIO PARA PREVENÇÃO DE SINDROME RESPIRATORIA AGUDA E SINDROMES GRIPAIS MEDIDAS DE CONTROLE SANITÁRIO PARA PREVENÇÃO DE SINDROME RESPIRATORIA AGUDA E SINDROMES GRIPAIS SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA À SAÚDE DEPARTAMENTO E VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

Leia mais

99% de redução de micro-organismos em superfícies e no ar. Eficácia na eliminação de bactérias, esporos, fungos, protozoários, leveduras e vírus.

99% de redução de micro-organismos em superfícies e no ar. Eficácia na eliminação de bactérias, esporos, fungos, protozoários, leveduras e vírus. INIBIÇÃO DA AÇÃO DE MICRO-ORGANISMOS Equipamento- Foto UV-C de Superfície Portátil As infecções hospitalares são consideradas as principais causas de doenças e de mortalidade, além de aumentarem o tempo

Leia mais

Sistema de Chamada de Enfermeira sem fio

Sistema de Chamada de Enfermeira sem fio Sistema de Chamada de Enfermeira sem fio Central de Chamada Sem Fio (fixar na parede) Simples Apertar de um Botão Livre de instalação elétrica, Praticidade no atendimento, Comodidade para o paciente, Sistema

Leia mais

PURIFICADOR E UMIDIFICADOR DE AR - MODELO P1

PURIFICADOR E UMIDIFICADOR DE AR - MODELO P1 PURIFICADOR E UMIDIFICADOR DE AR - MODELO P1 7 estágios de limpeza e estetização do ar. 3 níveis de vazão do ar. Filtro HEPA. Filtro de Carvão ativado. Filtro Fotocatalítico. Tecnologia ultravioleta (UVC).

Leia mais

Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial deste novo vírus, o Comitê Estadual de

Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial deste novo vírus, o Comitê Estadual de Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial deste novo vírus, o Comitê Estadual de Enfrentamento da Influenza A H1N1 elaborou esta cartilha com

Leia mais

Dutos para condução de ar

Dutos para condução de ar Dutos para condução de ar 1 1) Q = VA considerações 2) H 2 p V = h+ + γ 2g (energia total) 3) 2 2 pa V a pb V b Ja b = ha + + hb + + γ 2g γ 2g J a b p p V V = + γ 2g 2 2 a b a b Perda de carga para dutos

Leia mais

INFLUENZA A (H1N1) CARTILHA DE RECOMENDAÇÕES Para empresas, repartições públicas e comércio em geral

INFLUENZA A (H1N1) CARTILHA DE RECOMENDAÇÕES Para empresas, repartições públicas e comércio em geral INFLUENZA A (H1N1) CARTILHA DE RECOMENDAÇÕES Para empresas, repartições públicas e comércio em geral Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial

Leia mais

Roteiro de Inspeção LACTÁRIO. Realiza Programa de Saúde do Trabalhador com controle periódico, admissional e demissional

Roteiro de Inspeção LACTÁRIO. Realiza Programa de Saúde do Trabalhador com controle periódico, admissional e demissional GOVERO DO ETADO DO RIO DE JAEIRO ECRETARIA DE ETADO DE AÚDE COORDEAÇÃO DE FICALIZAÇÃO AITÁRIA CARACTERIZAÇÃO Roteiro de Inspeção LACTÁRIO úmero de funcionários úmero de nutricionistas Responsável técnico:

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR-PCIH

PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR-PCIH Código: PCIH. SCIH. 001 Versão: 1.0 Revisão: 00 Página: 1de 9 PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR-PCIH 2013 Código: PCIH. SCIH. 001 Versão: 1.0 Revisão: 00 Página: 2de 9 Programa de Atividades

Leia mais

PLANO DE MANUTENÇÃO E INSPEÇÃO PREDIAL APÊNDICE A

PLANO DE MANUTENÇÃO E INSPEÇÃO PREDIAL APÊNDICE A TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA DIRETORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA PLANO DE MANUTENÇÃO E INSPEÇÃO PREDIAL APÊNDICE A A amplitude da manutenção e inspeção indicada no Termo de Referência está

Leia mais

PREVENÇÃO DA INFECÇÃO CIRÚRGICA

PREVENÇÃO DA INFECÇÃO CIRÚRGICA HOSPITAL DE SANTA MARIA COMISSÃO DE CONTROLO DA INFECÇÃO HOSPITALAR Piso 6, Tel. 5401/1627 Norma n.º 4 (Actualização em Março de 2006) PREVENÇÃO DA INFECÇÃO CIRÚRGICA De acordo com o Inquérito de Prevalência

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANEXO IV ORIENTAÇÕES PARA PROCEDIMENTOS DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE NAVIOS COM VIAJANTE(S) SUSPEITO(S) DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS A BORDO Este documento a seguir estabelece as diretrizes gerais para a limpeza

Leia mais

Lista de Verificação de Cantinas Escolares

Lista de Verificação de Cantinas Escolares Lista de Verificação de Cantinas Escolares Nome do estabelecimento: Identificação das entidades responsáveis pelo estabelecimento e NIF Morada do estabelecimento: Identificação das entidades responsáveis

Leia mais

VENTILAÇÃO E EXAUSTÃO DE COZINHA

VENTILAÇÃO E EXAUSTÃO DE COZINHA INSTALAÇÕES MECÂNICAS E DE UTILIDADES VENTILAÇÃO E EXAUSTÃO DE COZINHA O projeto de exaustão por ventilação mecânica para as instalações da área de serviço da EEP Escola de Ensino Profissionalizante justifica-se

Leia mais

Filtros de Bolsas. Para Montagem em Dutos F3-003 TROX DO BRASIL LTDA.

Filtros de Bolsas. Para Montagem em Dutos F3-003 TROX DO BRASIL LTDA. F3-003 Filtros de Bolsas Para Montagem em Dutos TROX DO BRASIL LTDA. Rua Alvarenga, 05 05509-005 São Paulo SP Fone: (11) 3037-30 Fax: (11) 3037-3910 E-mail: trox@troxbrasil.com.br www.troxbrasil.com.br

Leia mais

Ar limpo em hospitais

Ar limpo em hospitais artigo técnico Ar limpo em hospitais Autores: Alexander Fedotov, Presidente da ASENMCO, Rússia Contato: fedotov@invar-project.ru Artigo publicado e apresentado durante o ISCC Japão 2010 Alexander Fedotov

Leia mais

CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR É DEFICIENTE EM MAIS DE 90% DOS HOSPITAIS DE SÃO PAULO

CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR É DEFICIENTE EM MAIS DE 90% DOS HOSPITAIS DE SÃO PAULO CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR É DEFICIENTE EM MAIS DE 90% DOS HOSPITAIS DE SÃO PAULO 13/04/2009 Levantamento inédito sobre a situação do controle da infecção hospitalar realizado pelo Conselho Regional

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR Enf.ª Fabiane da Silva SCIH HCAN/MT ccih@hcancer.com.br Histórico da Higienização Hospitalar... Florence Nigthingale em 1854, revolucionou a forma de se pensar e planejar os hospitais.

Leia mais

"AVALIAÇÃO DAS PRÁTICAS DE BIOSSEGURANÇA E REPROCESSAMENTO DE ENDOSCOPIOS/BRONCOSCOPIOS/ COLONOSCOPIOS NOS HOSPITAIS MUNICIPAIS DA CIDADE DE SÃO PAULO

AVALIAÇÃO DAS PRÁTICAS DE BIOSSEGURANÇA E REPROCESSAMENTO DE ENDOSCOPIOS/BRONCOSCOPIOS/ COLONOSCOPIOS NOS HOSPITAIS MUNICIPAIS DA CIDADE DE SÃO PAULO "AVALIAÇÃO DAS PRÁTICAS DE BIOSSEGURANÇA E REPROCESSAMENTO DE ENDOSCOPIOS/BRONCOSCOPIOS/ COLONOSCOPIOS NOS HOSPITAIS MUNICIPAIS DA CIDADE DE SÃO PAULO Enf Ingrid Weber Neubauer Núcleo Municipal de Controle

Leia mais

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola)

Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Transporte do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola) Por orientação do Ministério da Saúde o transporte terrestre do paciente com suspeita de DVE (Doença do Vírus Ebola), será realizado pelo

Leia mais

INSTALAÇÕES DE VENTILAÇÃO MECÂNICA

INSTALAÇÕES DE VENTILAÇÃO MECÂNICA FNDE ProInfância INSTALAÇÕES DE VENTILAÇÃO MECÂNICA PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL TÉCNICO 13 de março de 2008 FNDE ProInfância INSTALAÇÕES DE VENTILAÇÃO MECÂNICA MEMORIAL TÉCNICO Memória Descritiva e Justificativa

Leia mais

Sistemas de Ar Condicionado

Sistemas de Ar Condicionado Sistemas de Ar Condicionado Eng. Dr. Fúlvio Vittorino IPT - Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo Objetivo Processos e equipamentos mecânicos para: Resfriar ou Aquecer; Desumidificar

Leia mais

Princípios e métodos de esterilização

Princípios e métodos de esterilização Princípios e métodos de esterilização FUNDAMENTOS DE ESTERILIZAÇÃO Bactérias (forma vegetativa ou esporulada) São os menores organismos vivos; Existem em maior número; São as maiores responsáveis pelos

Leia mais

CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS

CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS ORIENTAÇÃO AOS PEDAGOGOS Todas as informações constantes nesta cartilha devem ser levadas ao conhecimento de todos os alunos,

Leia mais

: Ordinária Nº 02/2011 : Extraordinária Decisão da C. Especializada : CEEMM / PA nº 0054/2011 Referência : 93242011 Interessado

: Ordinária Nº 02/2011 : Extraordinária Decisão da C. Especializada : CEEMM / PA nº 0054/2011 Referência : 93242011 Interessado Decisão da Câmara Especializada de Engenharia Mecânica, Metalúrgica e Química do Crea/PA Reunião : Ordinária Nº 02/2011 : Extraordinária Decisão da C. Especializada : CEEMM / PA nº 0054/2011 Referência

Leia mais

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos 18 1. Introdução Nos últimos anos, o crescimento econômico dos países desenvolvidos provocou o aumento da demanda mundial por energia. Com esta também veio um forte aumento da dependência do petróleo e

Leia mais

Precaução padrão e Isolamento

Precaução padrão e Isolamento Precaução padrão e Isolamento Precauções de Isolamento no Perioperatório Enf Dra.Valeska Stempliuk IEP/HSL Pontos importantes Modos de transmissão de patógenos Por que isolar? Quem deve saber que o paciente

Leia mais

ANEXO II - Termo de Referência

ANEXO II - Termo de Referência ANEXO II - Termo de Referência 1. OBJETIVO: O presente Termo de Referência tem por objetivo estabelecer as condições mínimas para a contratação de uma empresa de engenharia para a implementação do projeto

Leia mais

Tatuagem e Colocação de Adornos

Tatuagem e Colocação de Adornos ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Centro Estadual de Vigilância em Saúde Núcleo de Estabelecimento de Saúde Tatuagem e Colocação de Adornos Ana Carolina Kraemer Enfermeira - Especialista

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO - Itens 1. IDENTIFICAÇÃO

LISTA DE VERIFICAÇÃO - Itens 1. IDENTIFICAÇÃO REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ANEXO XIII LISTA DE VERIFICAÇÃO DE AUTO-INSPEÇÃO 1.1. Nome da embarcação: 1.2. IMO: 1.3. Nome e assinatura do

Leia mais

SANITIZAÇÃO DE AMBIENTES. Guilherme Francisco Botana

SANITIZAÇÃO DE AMBIENTES. Guilherme Francisco Botana Curso - Higienização em sistemas de ar condicionado e ambientes SANITIZAÇÃO DE AMBIENTES Guilherme Francisco Botana Fontes de Contaminação Ambientes Climatizados Fonte Primária Fonte Secundaria Fonte Terciária

Leia mais

Saiba mais sobre Condicionadores de AR.

Saiba mais sobre Condicionadores de AR. Saiba mais sobre Condicionadores de AR. O ar-condicionado está na vida das pessoas: em casa, no carro e no trabalho. Apesar de ser um alívio contra o calor, este equipamento pode ser um meio de disseminação

Leia mais

ESTERILIZAÇÃO. Eliminação de todas as formas de vida

ESTERILIZAÇÃO. Eliminação de todas as formas de vida ESTERILIZAÇÃO Eliminação de todas as formas de vida SISTEMA BEDA BARREIRAS - avental, máscara, gorro, luvas, óculos de proteção. ESTERILIZAÇÃO DESINFECÇÃO ANTI-SEPSIA ESTERILIZAÇÃO Materiais ( instrumental

Leia mais

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à :

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à : RISCO BIOLÓGICO Risco Biológico A ocorrência do evento danoso está ligado à : 1) Existência ou não de medidas preventivas Níveis de Biossegurança. 2) Existência ou não de medidas preventivas que garantam

Leia mais

de Segurança de Produtos Químicos

de Segurança de Produtos Químicos 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: CONCRECOR CIMENFLEX Fornecedor:. Av Eng Juarez de Siqueira Britto Wanderley, 380 Jd Vale do Sol CEP: 12.238-565 São José dos Campos - SP e-mail:

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ABASTECIMENTO DE ÁGUA Profª. Eliane Carneiro Gomes Departamento de Saúde Comunitária

Leia mais