GUIA DE CONTRATAÇÃO DE EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS EM CONTROLE DE QUALIDADE DE AR DE INTERIORES.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GUIA DE CONTRATAÇÃO DE EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS EM CONTROLE DE QUALIDADE DE AR DE INTERIORES."

Transcrição

1 GUIA DE CONTRATAÇÃO DE EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS EM CONTROLE DE QUALIDADE DE AR DE INTERIORES. Volume I - Guia nº

2 GUIA DE CONTRATAÇÃO DE EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS EM CONTROLE DE QUALIDADE DE AR DE INTERIORES. INTRODUÇÃO Para a contratação de uma empresa, com o objetivo de realizar analises, gerenciamentos e manutenção dos sistemas de ar condicionado, visando manter ou melhorar a qualidade do ar que é oferecido aos usuários dos ambientes, deve-se observar que os seguintes passos: a) Trata-se de um serviço especializado, que envolve hoje com os novos conceitos higiênico-sanitário e de qualidade de vida, o conhecimento técnico-científico da área específica e as soluções tecnológicas adequadas; b) A meta a ser atingida deve ser sempre a boa qualidade do ar que se respira. Preservar diretamente a saúde das pessoas que ocupam os ambientes climatizados e garantir a produtividade da empresa; c) As propostas apresentadas pelos prestadores de serviços dão uma idéia bastante clara de sua capacidade técnica. Sempre que for possível, deve se pedir as referencias destas empresas, sobretudo a sua filiação e entidades que possam dar suporte técnico e científico. Desta forma, existem características técnicas importante a serem observadas e garantidas numa proposta, bem como características comerciais e éticas o que passamos a expor em seguida: ITENS QUE DEVEM SER OBSERVADOS EM UMA PROPOSTA TÉCNICA Comercial e ética. Para avaliação de uma proposta comercial algumas solicitações devem ser feitas com objetivos específicos de comprovação ética e profissional. Desta forma: 1. Sempre deve ser solicitado de todas as empresa participantes o contrato social, com o objetivo de avaliação de sua ligação com outras empresas também participantes do processo de licitação. É muito freqüente composição em licitações de empresas de parentes ou empresas de um mesmo dono ou grupo de donos com razões sociais distintas. Outro ponto a ser observado é se o serviço a ser executado está claramente descrito nos objetivos da empresa, evitando-se com isso o exercício ilegal de atividades. 2. Solicitar curriculum vitae dos profissionais envolvidos diretamente ao trabalho com função específica de decisão ou de conhecimento, com objetivo de comprovação de capacidade técnico e/ou científica. Procure nunca se deixar enganar por listas de clientes, pois estas em via de regra são simplesmente confeccionadas e na vigência de utilizá-las, confira a veracidade dos fatos.

3 3. Procure observar se seu prestador de serviço é afiliado de alguma Sociedade Científica ou se possui alguma forma de certificação como, por exemplo Selo de Qualidade em sua área de atuação, emitido pela Sociedade Científica. 4. Tome sempre muito cuidado com associações de empresas que simulam organizações científicas com objetivo de atrair um mercado em potencial. 5. Peça sempre uma forma de otimização dos custo de forma a obter a melhor relação custo-benefício. Técnica. Uma proposta para um serviço técnico é, antes de tudo, uma descrição dos procedimentos do prestador de serviço. Propostas que contenham uma descrição detalhada dos serviços, com todos os passos da metodologia utilizada dispostos numa ordem lógica são a primeira garantia de um bom resultado. Assim, recomendamos a seguinte estrutura: 1. Diagnóstico de situação é sempre a primeira procedência em relação ao ambientes interiores, o qual determinará que providências a serem tomadas. 2. Localização precisa de focos de contaminação do sistema através de análises microbiológicas e análises complementares, quando necessárias; 3. Identificação da existência de microrganismos patogênicos; 4. Determinação dos níveis de contaminação e comparação com os padrões referenciais; 5. Diagnostico de imprecisões em sistemas de barreiras (filtros) e erros de projetos ou instalações do sistema; 6. Diagnostico de incorreções nos procedimentos de manutenção higiênico - sanitária; 7. Higienização das casas de máquinas, entrada do ar externo e elementos das centrais de tratamento de ar; 8. Higienização da rede de dutos (quando claramente demonstrado através da busca de fontes ativas); 9. Coleta de resíduos; 10. Diagnóstico final; 11. Recomendações preventivas. Com esta estrutura apresentada, o passo seguinte é observar a metodologia utilizada em cada uma das etapas. 1 - DIAGNÓSTICO LABORATORIAL. As análises de avaliação ambiental, tem por objetivo traçar um diagnóstico de situação atual. Este diagnóstico determinará a presença ou ausência de riscos de agravo a saúde dos usuários em ambientes interiores. O Diagnóstico laboratorial é um procedimento que visa o atendimento da Portaria Ministerial nº. 3523/GM de 28/08/1998 e Resolução nº RE 176 de 24/10/2000 e sua revisão Resolução nº RE 9 de 16/01de Os serviços de análises microbiológicas serão periódicos, com intervalos semestrais, sendo que a análise inicial será usada como base para posterior realização de serviços e/ou intervenções que se fizerem necessárias, após o diagnóstico inicial.

4 Norma Técnica 01 Controle microbiológico de ar (ar ambiental). - Inclui: Pesquisa de microbiota fúngica (contagem total, diferencial e identificação). Objetivo: Quantificar fungos. Estes elementos são marcadores epidemiológicos da qualidade do ar. Esta análise permite ainda, uma boa avaliação do ambiente, no que concerne a fenômenos de hipersensibilidade. Norma Técnica 02 Determinação de CO2 (Dióxido de Carbono). - inclui: Contagem de CO 2, através de sensor eletrônico. Objetivo: Quantificar os níveis residuais de CO 2. Este gás é utilizado como um marcador epidemiológico de renovação de ar externo, entretanto originário da respiração humana. Norma Técnica 03 Determinação de Temperatura, umidade relativa e velocidade do ar. - inclui: Determinação da temperatura, umidade e velocidade do ar ambiental. Objetivo: Quantificar temperatura e umidade como marcadores epidemiologicos de saúde. Estas variáveis físicas estão ligadas a fenômenos gripais tais como a febre da umidade. Quantificar a velocidade do ar como marcador epidemiológico de conforto ambiental. Norma Técnica 04 Determinação de aerodispersoides. - inclui: Contagem de particulados aerodispersos, através de gravimetria. Objetivo: Quantificar a matéria particulada no ar ambiental. Estes elementos são marcadores epidemiológicos de deficiencia de filtragens e/ou acúmulo de sujidade em dutos ou ainda em ambientes interiores. 2 - LOCALIZAÇÃO DOS FOCOS DE CONTAMINAÇÃO Na vigência de serem encontradas situações adversas com ambientes em condições não aceitas pelo Padrão Referencial, definido pela Resolução RN 176, haverá a necessidade de busca das fontes poluentes ativas no sistema, as quais deverão ser realizadas através das análises que se seguem: A localização dos focos de contaminação deve ser realizada através de uma série de coletas nos diferentes pontos do sistema. Estas devem ser coletadas nos seguintes pontos: 1. Bandejas de condensação da máquina de ar condicionado. 2. Dutos de insuflamento 3. Coleta do ar insuflado 4. Coleta do ar de retorno

5 5. Coleta do ar de mistura 6. Coleta do ar de renovação do ar externo Controle microbiológico de ar (ar insuflado, ar de retorno, ar de mistura e renovação do ar externo). - Inclui: Pesquisa de microbiota fúngica (contagem total, diferencial e identificação). Objetivo: Quantificar fungos. Estes elementos são marcadores epidemiológicos da qualidade do ar segundo as variáveis do sistema de climatização, permitindo avaliar fontes primárias, secundárias e terciárias. Perfil diagnóstico - Destinado a máquinas não tratadas. - inclui: Contagem padrão em placa de bactérias heterotróficas. Pesquisa de microbiota fúngica (contagem total, diferencial e identificação). Pesquisa de algas. Pesquisa de protozoários. Pesquisa de Legionella sp. Obs.: realizada em dois materiais (água e biofilme), por amostra. Objetivo: Qualificar e quantificar o ecossistema formado na bandeja de condensado, caracterizando a magnitude e complexidade da principal fonte poluente primária no sistema. Pesquisa de Legionella sp. Objetivo: Agente patogênico causador da pneumonia por Legionella e da febre de Pontiac. Avaliação microbiológica de dutos (bioparticulado). - inclui: Contagem padrão em placa de bactérias heterotróficas Pesquisa de fungos (contagem total). Avaliação do particulado total Avaliação do potencial imunoalergênico Objetivo: Quantificar os níveis residuais advindos da fonte contaminante e desenvolvidas secundariamente nos ambientes. Avaliação microbiológica de superfícies. - inclui: Contagem padrão em placa de fungos e bactérias Pesquisa de ácaros. Avaliação do particulado total Avaliação do potencial imunoalergênico Objetivo: Quantificar os níveis residuais advindos da fonte terciária contaminante. Todas as amostragens de ar devem ser feitas com um Impactador em Cascata, com vazão fixa, acelerador linear e baixa vazão (25 a 35 l/min), permitindo a cultura de estruturas fúngicas viáveis em ambientes comuns. É importante ressaltar este ponto, pois existem muitas metodologias para coleta de ar, porém uma grande maioria destes equipamentos possui vazão variável e trabalha em alta vazão. Metodologias de quantificação de partícula precipitável viável (partículas pesadas), tais como a simples abertura de placas não são aceitas.

6 Análises complementares: Gravimetria do particulado de superfície pode ser de grande utilidade na avaliação de procedimentos de higienização. Trata-se de um método não padronizado ainda no Brasil, porém já normatizado em alguns países desenvolvidos. Este método avalia os índices de reprodução de matéria particulada (poeira) na superfície dos dutos, utilizando a razão peso (massa) por metro quadrado de superfície. Quando de sua utilização deve-se aplicar padrões internacionais. 3 - IDENTIFICAÇÃO DA EXISTÊNCIA DE MICROORGANISMOS PATOGÊNICOS Feitas as coletas, o material segue para um laboratório especializado em Indoor Environment, para que seja identificado o ecossistema presente no ambiente e nas fontes poluentes, verificando-se a existência ou não de microorganismos patogênicos. 4 DETERMINAÇÃO DOS NÍVEIS DE CONTAMINAÇÃO E COMPARAÇÃO COM OS PADRÕES REFERENCIAIS Uma vez identificados os microorganismos, o passo seguinte é determinar em que quantidade estão presentes, independente das espécies presentes. É importante lembrar que as estruturas fúngicas podem ser vistas como proteínas em suspensão e que quando inaladas em determinada quantidade, podem induzir processos alérgicos, iniciando-se pelos mais susceptíveis. Esta quantificação é a base para a classificação dos ambientes e auxilia na indicação das medidas de remediação a se adotar. 5 DIAGNÓSTICO DE IMPRECISÕES EM SISTEMAS DE BARREIRAS (FILTROS) E ERROS DE PROJETOS OU INSTALAÇÕES A empresa prestadora de serviços deve, durante os procedimentos de diagnóstico, aplicar um check-list de inspeção nas instalações, observando características de filtragem no sistema (entrada da máquina, retorno e renovação de ar externo) bem como todo um escopo de observação quanto a características de projeto, instalação e operação do sistema, detectando e informando inadequações, erros de projetos ou inconformidades na operação do sistema, através de um relatório. 6 DIAGNÓSTICO DE INCORREÇÕES NOS PROCEDIMENTOS DE MANUTENÇÃO HIGIÊNICO-SANITÁRIA A Empresa prestadora de serviços deve, durante os procedimentos de diagnóstico, avaliar as condições higiênico-sanitárias no processo de manutenção, relatar as inconformidades e sugerir os procedimentos mais adequados para cada situação específica. 7 HIGIENIZAÇÃO DAS CASAS DE MÁQUINAS, ESNTRADA DO AR EXTERNO E LEMENTOS DAS CENTRAIS DE TRATAMENTO DO AR

7 As casas de máquinas devem ser limpas, a entrada do ar exterior (caso seja dutada) deve ser desempoeirada, aspirada e limpa. Os elementos das centrais devem ser desempoeirados, aspirados e as partículas deve ser recuperadas. Outros elementos das centrais merecem atenção especial. São eles: a serpentina de resfriamento, que deve ser limpa por sopro de ar comprimido e lavada, quando possível, com detergente neutro biodegradável; a bandeja de condensado, que deve ser limpa com detergente neutro biodegradável, ou ainda receber tratamento especial quando necessário. 8 HIGIENIZAÇÃO DA REDE DE DUTOS Para a higienização de dutos, quando necessário e indicado através dos procedimentos diagnósticos, recomenda-se que as propostas mencionem a garantia da qualidade dos ambientes, desde a proteção de móveis e equipamentos dos ambientes onde estão os dutos, bem como a padronização e adequação de escotilhas na abertura de janelas de inspeção e de acoplamento da central de depressão. Todos os trechos da rede onde o serviço será realizado devem ser inspecionados antes, com a utilização de robôs com câmera ou sondas filmadoras e gravados em VHS. Após esta inspeção, deve ser feita a limpeza a seco da rede de Insuflamento e de retorno (quando houver), assim como todos os acessórios da rede, tais como dampers, spliters, etc. São Indicados para este procedimento as diretrizes previstas na recomendação normativa da ABRAVA (Associação Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Ventilação e Aquecimento) Renabrava I, para execução de serviços de limpeza e higienização de sistemas e distribuição de ar 9 COLETA DE RESÍDUOS Os resíduos devem ser criteriosamente coletados, de forma a não proporcionarem uma contaminação ambiental e consequentemente a recontaminação do sistema de climatização. Todos os critérios de segurança individual (EPIs) devem ser utilizados no processo de coleta e transporte dos resíduos. Os resíduos sólidos deve ser acondicionado em sacos plásticos, identificados e dispostos em aterro sanitário ou incinerado. 10 DIAGNÓSTICO FINAL É indispensável a inclusão de um diagnóstico final. Este, juntamente com a inspeção visual, garantirá a qualidade do serviço executado, bem como certificará as boas condições ambientais frente às autoridades de fiscalização sanitária. Este diagnóstico deve Ter o mesmo teor do diagnóstico inicial, ou seja, as mesmas coletas e análises nos mesmos pontos amostrados, determinando um processo comparativo que demonstre a evolução interveniente. 11 RECOMENDAÇÕES PREVENTIVAS. As recomendações preventivas são um escopo de medidas que deverão ser apresentadas ao cliente, de forma a permitir que os serviços de higienização, quando prestados, perdurem por maior tempo possível, sendo eliminada toda e qualquer inconformidade de operação

8 e/ou manutenção. Estas medidas são personalizadas atendendo às características de cada instalação. CRITÉRIOS DE SEGURANÇA A Empresa prestadora de serviço deve assegurar que seus funcionários apresentem-se em seus clientes devidamente uniformizados e munidos de EPIs ( Equipamento Individual de Segurança ). A Empresa prestadora de serviços deve ainda garantir a integridade do ambiente, acabamentos de interiores e demais bens patrimoniais de seu cliente. ARRANJO AMOSTRAL O procedimento amostral deve ser compatibilizado a legislação vigente (Resolução nº RE176 de 24 de 0utubro de 2000 e sua revisão a Resolução RE9 de 16 de janeiro de 2003). Desta forma são computados a metragem quadrada de área climatizada e definido o número de pontos na tabela abaixo. CUIDADOS ADICIONAIS Todo prestador de serviços pretende que seu serviço seja bem realizado e seus efeitos sejam sensíveis. Assim, é recomendável que as propostas prevejam outras ações a serem executadas pelo contratante, quando este estiver ligado ao processo de gerenciamento da qualidade ambiental, tais como: procedimentos de manutenção do sistema de ar condicionado, procedimentos básicos de higienização do ambiente (superfícies fixas) e paisagismo interior. Este documento foi aprovado pelo Conselho Científico da BRASINDOOR Sociedade Brasileira de Meio Ambiente e Controle de Qualidade de Ar de Interiores. Este documento foi produzido pela Comissão Tecnológica de Higienização, composta pelos seguintes membros: Eng. Paulo G. Peres Eng. Paulo Caruso Junior Eng. Paulo Hoenen Sra. Maria Josefina Rosas de Brito Sr. Eduardo Coelho

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Washington Reis) Dispõe sobre limpeza e inspeção de ar condicionado central, na forma que menciona. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º É obrigatória a realização anual

Leia mais

aktron RESOLUÇÃO 9/2003 DA ANVISA: TUDO QUE O PROFISSIONAL DE SEGURANÇA DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE QUALIDADE DO AR AMBIENTE

aktron RESOLUÇÃO 9/2003 DA ANVISA: TUDO QUE O PROFISSIONAL DE SEGURANÇA DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE QUALIDADE DO AR AMBIENTE RESOLUÇÃO 9/2003 DA ANVISA: TUDO QUE O PROFISSIONAL DE SEGURANÇA DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE QUALIDADE DO AR AMBIENTE Resolução 9/2003 da ANVISA: tudo que o profissional de Segurança do Trabalho precisa

Leia mais

Higienização em Redes de Dutos de Ar Condicionado

Higienização em Redes de Dutos de Ar Condicionado Higienização em Redes de Dutos de Ar Condicionado Engenheiro Carlos Alberto Araujo de Queiroz CREA-RJ 1978104018 Legislação PORTARIA M.S. nº 3.523/98 RESOLUÇÃO RE-09/03 da ANVISA LEI ESTADUAL nº 4.192/03

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 2.1 A manutenção preventiva para os aparelhos de Ar Condicionado do tipo janela:

TERMO DE REFERÊNCIA. 2.1 A manutenção preventiva para os aparelhos de Ar Condicionado do tipo janela: ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA 1 DO OBJETO DA LICITAÇÃO 1.1 CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA COM REPOSIÇÃO PARCIAL DE PEÇAS ORIGINAIS DOS EQUIPAMENTOS DE REFRIGERAÇÃO

Leia mais

PORTARIA DO MINISTÉRIO DA SAÚDE NR. 3.523 de 28/08/98.

PORTARIA DO MINISTÉRIO DA SAÚDE NR. 3.523 de 28/08/98. PORTARIA DO MINISTÉRIO DA SAÚDE NR. 3.523 de 28/08/98. O Ministro de Estado da Saúde, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 87, Parágrafo único, item II, da Constituição Federal e tendo em vista

Leia mais

(DOU 166 31.8.98, Seção I, pags. 40 a 42)

(DOU 166 31.8.98, Seção I, pags. 40 a 42) (DOU 166 31.8.98, Seção I, pags. 40 a 42) Portaria nº 3.523/GM Em, 28 de agosto de 1998 O Ministro de Estado da Saúde, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 87, Parágrafo único, item II, da Constituição

Leia mais

Inmetro - Qualidade do Ar em Estabelecimentos de Uso Público e Coletivo#conclus...

Inmetro - Qualidade do Ar em Estabelecimentos de Uso Público e Coletivo#conclus... Página 1 de 7.: Qualidade do Ar em Estabelecimentos de Uso Público e Coletivo :. Metodologia de Análise, Ensaios Realizados e Resultados Obtidos As equipes que visitaram os estabelecimentos eram compostas

Leia mais

Filtração e vazão do ar à luz das novas normas Parâmetros e exigências para QAI postado em: 25/06/2013 12:30 hatualizado em: 26/06/2013 09:28 h

Filtração e vazão do ar à luz das novas normas Parâmetros e exigências para QAI postado em: 25/06/2013 12:30 hatualizado em: 26/06/2013 09:28 h Filtração e vazão do ar à luz das novas normas Parâmetros e exigências para QAI postado em: 25/06/2013 12:30 hatualizado em: 26/06/2013 09:28 h NBR 16401-3 apresenta filtragens mínimas requeridas para

Leia mais

Higienização de Sistemas e em Redes de Dutos de Ar Condicionado

Higienização de Sistemas e em Redes de Dutos de Ar Condicionado Higienização de Sistemas e em Redes de Dutos de Ar Condicionado Eng. Leonardo Cozac Splits Aparelhos de Janela Centrais: self contained ou fancoil 2 3 Limpeza do Sistema Renovação do Ar Filtragem do Ar

Leia mais

Qualidade do Ar Interior

Qualidade do Ar Interior Qualidade do Ar Interior A realidade nacional A Integração da Qualidade do Ar Interior e da Eficiência Energética em Edifícios Ana Rita Antunes Lisboa, 20 de Fevereiro de 2014 Quercus - ANCN 2 Associação

Leia mais

em ambientes climatizados RE-09 Bióloga Maria José Silveira Especialista em Microbiologia CRBio 18.098-01

em ambientes climatizados RE-09 Bióloga Maria José Silveira Especialista em Microbiologia CRBio 18.098-01 Contaminantes Microbiológicos em ambientes climatizados RE-09 Bióloga Maria José Silveira Especialista em Microbiologia CRBio 18.098-01 Como podemos avaliar a qualidade do ar ambiental Como avaliar se

Leia mais

Apresentação do Guia da CS04/IPQ Prevenção e Controlo de Legionella nos sistemas de água

Apresentação do Guia da CS04/IPQ Prevenção e Controlo de Legionella nos sistemas de água Apresentação do Guia da CS04/IPQ Prevenção e Controlo de Legionella nos sistemas de água Ana Luisa Fernando Universidade Nova de Lisboa/FCT 1 Guia Preparado pela Comissão Sectorial para Água, CS/04 Ministério

Leia mais

Charles Domingues Q í u mi m co o - Ge G stor o A m A b m i b ent n al

Charles Domingues Q í u mi m co o - Ge G stor o A m A b m i b ent n al Charles Domingues Químico - Gestor Ambiental 03/10/2012 Higienização de Condicionadores de Ar Manutenção das Máquinas Para que as máquinas possam funcionar e atender as condições de projeto do sistema

Leia mais

Ambiental Liron Perfil e Resumo de Atividades

Ambiental Liron Perfil e Resumo de Atividades Ambiental Liron Perfil e Resumo de Atividades Nossa Empresa A Ambiental Liron é uma empresa prestadora de serviços, voltada à limpeza de dutos de ar condicionado, limpeza de coifas, limpeza de sistemas

Leia mais

RESPIRE SAÚDE SANITIZAÇÃO para aparelhos de AR-CONDICIONADO

RESPIRE SAÚDE SANITIZAÇÃO para aparelhos de AR-CONDICIONADO RESPIRE SAÚDE SANITIZAÇÃO para aparelhos de AR-CONDICIONADO QUALIDADE DE Somos a primeira em no seguimento de pre limpeza, higienização aparelhos de ar-condi a remoção. Sim, nossa ra possibilita a realiz

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DE FOCOS DE LEGIONELA NO SISTEMA DE AR CONDICIONADO EM DOIS HOSPITAIS DA GRANDE FLORIANÓPOLIS - SC

INVESTIGAÇÃO DE FOCOS DE LEGIONELA NO SISTEMA DE AR CONDICIONADO EM DOIS HOSPITAIS DA GRANDE FLORIANÓPOLIS - SC I CONGRESSO BAIANO DE ENGENHARIA AMBIENTAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental INVESTIGAÇÃO DE FOCOS DE LEGIONELA NO SISTEMA DE AR CONDICIONADO EM DOIS

Leia mais

PROJETO FINAL 2014-2. Alunos: Turma: Sistema de condicionamento de ar central residencial PIC Projeto de Instalações de Condicionamento de Ar

PROJETO FINAL 2014-2. Alunos: Turma: Sistema de condicionamento de ar central residencial PIC Projeto de Instalações de Condicionamento de Ar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA - CAMPUS SÃO JOSÉ Projetos de Instalação de Ar Condicionado

Leia mais

Empresa terceirizada, contratada para a produção e distribuição de refeições aos usuários da Universidade Federal do Amapá. Nº NOME TELEFONE E-MAIL

Empresa terceirizada, contratada para a produção e distribuição de refeições aos usuários da Universidade Federal do Amapá. Nº NOME TELEFONE E-MAIL PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP Nº 1.1.3.4 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E AÇÕES COMUNITÁRIAS DEPARTAMENTO DO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO CHEFE

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 07/02/2009 Seção: Viva Melhor Pág.: 06 e 07

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 07/02/2009 Seção: Viva Melhor Pág.: 06 e 07 Veículo: Jornal da Comunidade Data: 07/02/2009 Seção: Viva Melhor Pág.: 06 e 07 Perigos do ar-condicionado Capaz de proporcionar alívio nos dias quentes, o aparelho de ar-condicionado necessita de limpeza

Leia mais

ANEXO I. Endereço completo. Complemento Bairro Cidade UF

ANEXO I. Endereço completo. Complemento Bairro Cidade UF 1 - Identificação do Ambiente ou Conjunto de Ambientes: ANEXO I PLANO DE MANUTENÇÃO, OPERAÇÃO E CONTROLE - PMOC. Nome (Edifício/Entidade) Endereço completo N.º Complemento Bairro Cidade UF Telefone: Fax:

Leia mais

Ar Condicionado. Tipos de aparelhos

Ar Condicionado. Tipos de aparelhos Ar Condicionado As pessoas passam, porventura, até cerca de 90 % das suas vidas nos espaços confinados, seja nas suas residências, no trabalho, nos transportes ou mesmo em espaços comerciais. A questão

Leia mais

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO CURSO: MECÂNICO DE AR CONDICIONADO AUTOMOTIVO - PRONATEC 200 horas ÁREA: AUTOMOTIVA MODALIDADE: QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL UNIDADE(S) HABILITADA(S): CT PALMAS Plano de Curso

Leia mais

Sala Limpa ou Sala Classificada: Qual a diferença de se trabalhar com elas? Roberta Souza Cruz Bastos Farmacêutica RT Gerente de Suprimentos

Sala Limpa ou Sala Classificada: Qual a diferença de se trabalhar com elas? Roberta Souza Cruz Bastos Farmacêutica RT Gerente de Suprimentos Sala Limpa ou Sala Classificada: Qual a diferença de se trabalhar com elas? Roberta Souza Cruz Bastos Farmacêutica RT Gerente de Suprimentos Outubro/2014 BLOCO I Fundação Cristiano Varella Hospital do

Leia mais

considerando a preocupação com a saúde, a segurança, o bem-estar e o conforto dos ocupantes dos ambientes climatizados;

considerando a preocupação com a saúde, a segurança, o bem-estar e o conforto dos ocupantes dos ambientes climatizados; Resolução - RE nº 9, de 16 de janeiro de 2003 D.O.U de 20 de janeiro O Diretor da Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere a Portaria nº 570,

Leia mais

O secador de mãos mais rápido e higiênico.

O secador de mãos mais rápido e higiênico. O secador de mãos mais rápido e higiênico. O problema com outros secadores de mãos O problema com toalhas de papel Eles são muito lentos. Isso é devido a seus motores. Eles não conseguem gerar fluxo de

Leia mais

Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987

Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987 Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987 O Secretário de Estado da Saúde e do Bem-Estar Social, no uso de suas atribuições conferidas pelos artigos 45, letras A e P da Lei Estadual nº 6636/74,

Leia mais

SANITIZAÇÃO DE AMBIENTES. Guilherme Francisco Botana

SANITIZAÇÃO DE AMBIENTES. Guilherme Francisco Botana Curso - Higienização em sistemas de ar condicionado e ambientes SANITIZAÇÃO DE AMBIENTES Guilherme Francisco Botana Fontes de Contaminação Ambientes Climatizados Fonte Primária Fonte Secundaria Fonte Terciária

Leia mais

Para efeito desta norma, devem ser observadas as seguintes definições, siglas e abreviaturas:

Para efeito desta norma, devem ser observadas as seguintes definições, siglas e abreviaturas: NORMA CÓDIGO T.02.01 APROVAÇÃO Reunião 515ª DEX - REVISÃO PÁG 1 / 15 DATA 04/02/2014 DATA TÍTULO REFRIGERAÇÃO, CONDICIONAMENTO DE AR E VENTILAÇÃO PALAVRAS-CHAVE Condicionamento de Ar e Ventilação, Poluentes

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio!

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! Dra. Marlise Potrick Stefani, MSc Nutricionista Especialista e Mestre em Qualidade, Especialista em Alimentação Coletiva

Leia mais

UM OLHAR SOBRE O COMPRESSOR NOS CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS

UM OLHAR SOBRE O COMPRESSOR NOS CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS UM OLHAR SOBRE O COMPRESSOR NOS CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS NAS INSPEÇÕES DE CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS ATÉ RECENTEMENTE NÃO ERA DADA A DEVIDA ATENÇÃO AO COMPRESSOR - TIPO - LOCAL

Leia mais

FUNÇÕES DO CLIMATIZADOR

FUNÇÕES DO CLIMATIZADOR Representação: FUNÇÕES DO CLIMATIZADOR O sistema de Climatização utiliza o princípio de termodinâmica, isto é, retira o calor do ar através da evaporação, garantindo que a massa de ar quente do ambiente

Leia mais

EQUIPAMENTOS. Transferência mecânica:

EQUIPAMENTOS. Transferência mecânica: EQUIPAMENTOS Transferência mecânica: Objetivos do equipamento: a) Garantir o acesso seguro à piscina para qualquer pessoa, b) Previnir possíveis riscos de acidente nas transferências ou manipulações, c)

Leia mais

ECOEFICIENCIA URBANA E RESÍDUOS SÓLIDOS

ECOEFICIENCIA URBANA E RESÍDUOS SÓLIDOS ECOEFICIENCIA URBANA E RESÍDUOS SÓLIDOS Dentre as várias contribuições das pesquisas na área psicologia, está a de promover e assegurar o desenvolvimento de pessoas e grupos sociais, visando sempre a melhoria

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

Ventilação na Restauração

Ventilação na Restauração Ventilação na Restauração As deficiências na climatização e na exaustão de fumos dos Restaurantes são um problema frequente. Muitas vezes há deficiente extracção de fumos, com caudais de ar insuficientes,

Leia mais

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais,

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N.º 23915, DE 13 DE JANEIRO DE 2004 DISPÕE SOBRE O LICENCIAMENTO SANITÁRIO A QUE ESTÃO SUJEITOS OS SALÕES DE CABELEIREIROS, OS INSTITUTOS DE BELEZA, ESTÉTICA, PODOLOGIA E ESTABELECIMENTOS CONGÊNERES;

Leia mais

QUALIDADE DO AR INTERIOR

QUALIDADE DO AR INTERIOR QUALIDADE DO AR INTERIOR POR DIA OS NOSSOS PULMÕES FILTRAM CERCA DE 13. 000 LITROS DE AR! A POLUIÇÃO EM AMBIENTES FECHADOS É UMA DAS PRINCIPAIS CAUSAS DE DOENÇAS RESPIRATÓRIAS A maior parte das nossas

Leia mais

Dando continuidade à serie de matérias sobre as especificações

Dando continuidade à serie de matérias sobre as especificações Técnica Especificações Técnicas de edifícios comerciais: Ar condicionado Dando continuidade à serie de matérias sobre as especificações técnicas, falaremos sobre o tema Ar condicionado. Outros temas desta

Leia mais

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Interpretação 1. Objetivos Interpretar os requisitos das normas ISO 22000:2005; ISO TS 22002-1:2012 e requisitos adicionais da FSSC 22000. Desenvolver habilidades para

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR RECOMENDAÇÕES PARA O CONTROLE DA QUALIDADE DO AR CLIMATIZADO

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR RECOMENDAÇÕES PARA O CONTROLE DA QUALIDADE DO AR CLIMATIZADO 1 COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR RECOMENDAÇÕES PARA O CONTROLE DA QUALIDADE DO AR CLIMATIZADO Mônica Ribeiro Costa Médica Infectologista SCIH / CCIH Março de 2007 I. INTRODUÇÃO: Em todos os

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EM SAÙDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EM SAÙDE PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EM SAÙDE Ensaio para Controle das Doenças Respiratórias Agudas Graves PROTOCOLO PARA VIGILÂNCIA MICROBIOLÓGICA DA QUALIDADE DO AR Protocolo

Leia mais

relacionamento(s): atualiza: Resolução RE nº 176, de 24 de outubro de 2000 atos relacionados: Portaria nº 3523, de 28 de agosto de 1998

relacionamento(s): atualiza: Resolução RE nº 176, de 24 de outubro de 2000 atos relacionados: Portaria nº 3523, de 28 de agosto de 1998 LEGISLAÇAO SOBRE QUALIDADE DO AR INTERIOR ANVISA título: Resolução RE nº 9, de 16 de janeiro de 2003 ementa não oficial: Determina a publicação de Orientação Técnica elaborada por Grupo Técnico Assessor,

Leia mais

Desumidificador. Desidrat Plus IV Desidrat Plus V

Desumidificador. Desidrat Plus IV Desidrat Plus V Desumidificador Desidrat Plus IV Desidrat Plus V Obrigado por escolher esse produto. Por favor, leia esse manual de instrução antes de usar o aparelho. Índice: Introdução do Produto... 1 Instrução de Uso...

Leia mais

Síndrome dos Edifícios Doentes em Recintos com Ventilação e Climatização Artificiais: Revisão de Literatura

Síndrome dos Edifícios Doentes em Recintos com Ventilação e Climatização Artificiais: Revisão de Literatura Síndrome dos Edifícios Doentes em Recintos com Ventilação e Climatização Artificiais: Revisão de Literatura Dimas Barbosa Teixeira Universidade Federal Fluminense Mestrado em Sistemas de Gestão LATEC /

Leia mais

Aeração de Grãos Armazenados 1. SILVA, Luís César (enviar e-mail: www.agais.com)

Aeração de Grãos Armazenados 1. SILVA, Luís César (enviar e-mail: www.agais.com) Aeração de Grãos Armazenados 1 SILVA, Luís César (enviar e-mail: www.agais.com) 1. Introdução Em unidades armazenadoras de grãos, o ar é empregado em diversas atividades que envolvem troca de calor e,

Leia mais

Programa de Rotulagem de Sustentabilidade Selo SustentaX para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré-Ocupação

Programa de Rotulagem de Sustentabilidade Selo SustentaX para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré-Ocupação para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré- Revisão de 11/05/21 2ª. Revisão 31/05/21 Revisão Técnica Nome: Eng. Alexandre Schinazi Cargo: Engenheiro CREA: 246223 Assinatura: Data: Aprovação

Leia mais

América Latina Logística Malha Sul ALL

América Latina Logística Malha Sul ALL América Latina Logística Malha Sul ALL Capítulo 21. Gerenciamento de Emissões e Imissões Atmosféricas Rio Grande do Sul Junho/2010 Revisão 0 21.1 INTRODUÇÃO O presente documento visa a elaboração de um

Leia mais

www.silux.com.br/silux-auto.php SiluxAuto. Com ela é assim: cliente feliz com carro higienizado e sem odores.

www.silux.com.br/silux-auto.php SiluxAuto. Com ela é assim: cliente feliz com carro higienizado e sem odores. SiluxAuto. Com ela é assim: cliente feliz com carro higienizado e sem odores. A SiluxAuto é ideal para satisfazer aquele cliente exigente que deseja higienização do sistema de A/C e interior do veículo

Leia mais

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Universidade de Passo Fundo Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária Curso de Medicina Veterinária 6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Médico Veterinário Profº Dr. Elci Lotar

Leia mais

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos 1. Interpretar os requisitos das normas ISO 22000:2005; ISO TS 22002-1:2012 e requisitos adicionais da FSSC 22000. Fornecer diretrizes

Leia mais

ANEXO VII GARANTIA DA QUALIDADE DO AR

ANEXO VII GARANTIA DA QUALIDADE DO AR CONCORRÊNCIA DIRAT/CPLIC- 005/2006 1 ANEXO VII GARANTIA DA QUALIDADE DO AR ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1 DAS NORMAS PARA EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS: 1.1 ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DO AR 1.1.1 Semestralmente, deverá

Leia mais

Condicionador de Ar Portátil

Condicionador de Ar Portátil Condicionador de Ar Portátil Manual do Usuário GP8-12L GP8-22L GP10-12L GP10-22L 1 Untitled-5 1 2 Untitled-5 2 Índice Resumo...4 Príncipio de funcionamento...5 Especificação técnica...7 Estrutura...8 Esquema

Leia mais

AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA EM TERESINA - PI

AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA EM TERESINA - PI AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA EM TERESINA - PI Ferreira, L.C.R.P. (1) ; Lima, N.A. (2) ; Muratori, M.C.S. (3) ; Júnior, M.H.K. (3) ; Aragão, L.V.O. (4) ligia_calina@hotmail.com (1) Programa

Leia mais

Terceirização de obras e serviços de engenharia no Banco do Brasil

Terceirização de obras e serviços de engenharia no Banco do Brasil Benedito Arruda Ribeiro Lopes, MSc. José de Araujo Fonseca Junior Niterói, 07 de Maio de 2005 Histórico Situação Atual Visão de futuro Conhecendo o BB Presidência Varejo e Distribuição Negócios Internacionais

Leia mais

MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12

MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12 MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12 PROCEDIMENTOS COMUNS E CONTEÚDO MÍNIMO DE RELATÓRIOS DE INSPEÇÃO NOS ESTABELECIMENTOS FARMACÊUTICOS NOS ESTADOS PARTES (REVOGAÇÃO DA RES. GMC Nº 16/09)

Leia mais

: Ordinária Nº 02/2011 : Extraordinária Decisão da C. Especializada : CEEMM / PA nº 0054/2011 Referência : 93242011 Interessado

: Ordinária Nº 02/2011 : Extraordinária Decisão da C. Especializada : CEEMM / PA nº 0054/2011 Referência : 93242011 Interessado Decisão da Câmara Especializada de Engenharia Mecânica, Metalúrgica e Química do Crea/PA Reunião : Ordinária Nº 02/2011 : Extraordinária Decisão da C. Especializada : CEEMM / PA nº 0054/2011 Referência

Leia mais

Conheça a Cyclo Águas do Brasil

Conheça a Cyclo Águas do Brasil INICIO HIGIENIZAÇÃO COMPARATIVO SEGURANÇA EQUIPAMENTOS Conheça a Cyclo Águas do Brasil Conheça a Cyclo Águas do Brasil estamos no seguimento de: Higienização de reservatórios de água potável, Reuso industrial,

Leia mais

Infinity Tower características de projeto e tecnologia de sistemas prediais para a sustentabilidade.

Infinity Tower características de projeto e tecnologia de sistemas prediais para a sustentabilidade. Realização: Parceiro: Infinity Tower características de projeto e tecnologia de sistemas prediais para a sustentabilidade. Cesar Ramos - Gerente de projetos da Yuny Incorporadora Daniel Gallo - Gerente

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO

A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO GRUPO HUMMA Eng Fawler Morellato Av. Fagundes Filho, 191 - Cj. 103D Depto. Engenharia e Desenvolvimento

Leia mais

- Enquadramento Legal Abordagem genérica das questões associadas à QAI; Enquadramento Legal.

- Enquadramento Legal Abordagem genérica das questões associadas à QAI; Enquadramento Legal. Cursos de atualização profissional para revalidação da credenciação técnica (nº 6, art. 22º DL79/2006 de 4 Abril) Referenciais mínimos aprovados pela Comissão Tripartida Revalidação da Credenciação a TIM

Leia mais

Regulação do Uso de Produtos e Processos para Recuperação de Ambientes Hídricos e Áreas Contaminadas

Regulação do Uso de Produtos e Processos para Recuperação de Ambientes Hídricos e Áreas Contaminadas RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA DIRETORIA DE QUALIDADE AMBIENTAL - DIQUA Regulação do Uso de Produtos e Processos para Recuperação de Ambientes Hídricos e Áreas Contaminadas Mesa Redonda N O 2 - Certificação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1.2 A proposta deverá ser elaborada, por lote, com base no Anexo I Relação de Ar Condicionado.

TERMO DE REFERÊNCIA. 1.2 A proposta deverá ser elaborada, por lote, com base no Anexo I Relação de Ar Condicionado. ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA 1 DO OBJETO DA LICITAÇÃO 1.1 A presente licitação, na modalidade PREGÃO PRESENCIAL, do tipo MENOR POR LOTE, destina-se a na CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA MANUTENÇÃO

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

Bioquímicos, Auxiliares e Estagiários dos Setores de Microbiologia, Hematologia, Imunologia e Biologia Molecular do LAC - HNSC.

Bioquímicos, Auxiliares e Estagiários dos Setores de Microbiologia, Hematologia, Imunologia e Biologia Molecular do LAC - HNSC. 1. Identificação do Equipamento: Cabine de segurança biológica (CSB). Capela de exaustão (CE). POP: L 23 Página 1 de 5 1.1 Setor Alocado: Setores: Microbiologia, Imunologia, Biologia molecular. 1.3 Assistência

Leia mais

Fibras, Esponjas e Panos

Fibras, Esponjas e Panos 3M Soluções Comerciais Núcleo Profissional Fibras, Esponjas e Panos Food Service O mercado de Profissional é um dos que mais cresce no país e, com ele, cresce também a demanda por padrões cada vez mais

Leia mais

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco.

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. BIOSSEGURANÇA/RISCO S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. SIGLÁRIO ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária CAT Comunicação de Acidente de Trabalho CDC Centro

Leia mais

A Política Estadual de Resíduos Sólidos e os RSS no Estado de São Paulo. III SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÀVEIS SHS 2010. São Paulo, 12 novembro de 2010

A Política Estadual de Resíduos Sólidos e os RSS no Estado de São Paulo. III SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÀVEIS SHS 2010. São Paulo, 12 novembro de 2010 A Política Estadual de Resíduos Sólidos e os RSS no Estado de São Paulo. III SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÀVEIS SHS 2010 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 12 novembro de 2010 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

Manutenção de Equipamentos de Ar Condicionado

Manutenção de Equipamentos de Ar Condicionado Manutenção de Equipamentos de Ar Condicionado Pedro Miranda Soares Manutenção de Equipamentos de Ar Condicionado Tal como todos os equipamentos mecânicos, o Ar Condicionado necessita da sua manutenção

Leia mais

Climatizador Eclipse YM projetado para a nova Norma ABNT NBR16401

Climatizador Eclipse YM projetado para a nova Norma ABNT NBR16401 projetado para a nova Norma ABNT NBR16401 A nova Norma ABNT NBR16401, foi um trabalho do Comitê Brasileiro de Refrigeração (ABNT/CB-55), envolvendo entidades de classe e agências do governo como: ABRAVA,

Leia mais

SISTEMAS DE DESPOEIRAMENTO

SISTEMAS DE DESPOEIRAMENTO SISTEMAS DE DESPOEIRAMENTO para Alto-Forno, Aciaria e Fundição Captação eficiente das emissões Redução do consumo de energia Proteção do meio ambiente OTIMIZAÇÃO DO FLUXO: REDUÇÃO DE CUSTOS Placa de bocal

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Curso de Capacitação em Boas Práticas para Serviços de Alimentação. 1.2 Câmpus

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Qualidade da Água de Abastecimento da sede do Município de Coimbra Belo Horizonte Dezembro de 2014 ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO DA AGÊNCIA REGULADORA... 5 2. IDENTIFICAÇÃO DO PRESTADOR

Leia mais

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS. Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS. Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins BASE LEGAL Lei Federal 11.445/2007 e Decreto 7.217/2010 Lei Federal

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 31, DE 23 DE MAIO DE 2013

Leia mais

Contêineres rígidos para esterilização

Contêineres rígidos para esterilização Por Silvia Baffi 1. Introdução Contêineres rígidos para esterilização Contêineres são recipientes rígidos e reutilizáveis para a esterilização. São compostos por diferentes dispositivos que podem ser denominados

Leia mais

ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO

ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO CONSUMO DE ENERGIA E AR COMPRIMIDO NA INDÚSTRIA Consumo de Energia 20% 50% 30% Fornec.de ar Refrigeração Outros Consumo de Ar Comprimido 10%

Leia mais

BOLETIM DE GARANTIA. (N o 05 / 2013) LED do TIMER pisca frequência de 1Hz / segundo. LED do TIMER pisca freqüência de 1Hz / segundo.

BOLETIM DE GARANTIA. (N o 05 / 2013) LED do TIMER pisca frequência de 1Hz / segundo. LED do TIMER pisca freqüência de 1Hz / segundo. BOLETIM DE GARANTIA (N o 05 / 2013) Código de erro do Cassete e Piso-Teto No. TIPO DESCRIÇÃO Flash Blink Código Nota 1 Falha 2 Falha 3 Falha 4 Falha 5 Falha 6 Falha Placa acusa erro no sensor de temperatura

Leia mais

1.1. Nutricionista Entrevistado(a) CRN- Estatutário [ ] Celetista [ ] Contratado [ ] Concursado Celetista [ ] Outro [ ] CRN- RT / QT

1.1. Nutricionista Entrevistado(a) CRN- Estatutário [ ] Celetista [ ] Contratado [ ] Concursado Celetista [ ] Outro [ ] CRN- RT / QT CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - ª REGIÃO UF ROTEIRO DE VISITA TÉCNICA DATA DA VISITA ALIMENTAÇÃO COLETIVA REFEIÇÃO CONVENIO / CESTA DE ALIMENTOS REFEIÇÃO CONVENIO

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MAC 155ED +55 (16) 3383

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MAC 155ED +55 (16) 3383 bambozzi A SSISTÊNCIAS T ÊCNICAS AUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 3383 3818 Manual de Instruções BAMBOZZI SOLDAS LTDA. Rua Bambozzi, 522 Centro CEP 15990-668

Leia mais

GSC EXPLICA SÉRIE EXPERTISE VETERINÁRIA

GSC EXPLICA SÉRIE EXPERTISE VETERINÁRIA GSC EXPLICA SÉRIE EXPERTISE VETERINÁRIA ANÁLISE DE RAÇÃO PARA CÃES E GATOS Fonte: http://www.inmetro.gov.br/consumidor/produtos/racao.asp Para a realização dos ensaios foram utilizados os seguintes documentos:

Leia mais

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Gessilene de Sousa Sobecc, julho2011 Agenda Regulamentação Definição: Centro de Material Esterilizado - CME; Estrutura Física: Áreas de composição; Fluxograma

Leia mais

Sistemas de Condicionamento da Amostra para Análise de Gases

Sistemas de Condicionamento da Amostra para Análise de Gases Sistemas de Condicionamento da Amostra para Análise de Gases V1 O queéum Sistemade Condicionamento? O Que é um Sistema de Condicionamento? Amostra do Processo? Analisador Sistema de Condicionamento O sistema

Leia mais

Nome do produto: BIOCOMPOSTO BLF. Data da última revisão: 22/06/07 Pagina 1/5

Nome do produto: BIOCOMPOSTO BLF. Data da última revisão: 22/06/07 Pagina 1/5 Data da última revisão: 22/06/07 Pagina 1/5 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Biocomposto BLF - Código interno de identificação do produto: 020 - Nome da empresa: Biotecma Biotecnologia

Leia mais

Manual do Usuário BEBEDOURO REFRIGERADO. Modelo ABDK020DP2A0BR

Manual do Usuário BEBEDOURO REFRIGERADO. Modelo ABDK020DP2A0BR Manual do Usuário BEBEDOURO REFRIGERADO Modelo ABDK020DP2A0BR Parabéns por escolher um produto DAKO Ele foi desenvolvido dentro de padrões internacionais de qualidade, com a mais atualizada tecnologia

Leia mais

CONTRATO DE MANUTENÇÃO DE SISTEMA DO AR CONDICIONADO DO PAÇO MUNICIPAL, PRAÇA MONTEVIDÉU Nº10. Anexo XII - PROJETO BÁSICO

CONTRATO DE MANUTENÇÃO DE SISTEMA DO AR CONDICIONADO DO PAÇO MUNICIPAL, PRAÇA MONTEVIDÉU Nº10. Anexo XII - PROJETO BÁSICO 1 CONTRATO DE MANUTENÇÃO DE SISTEMA DO AR CONDICIONADO DO PAÇO MUNICIPAL, PRAÇA MONTEVIDÉU Nº10 Anexo XII - PROJETO BÁSICO 1. OBJETO Serviços de manutenção preventiva e corretiva de sistema do ar condicionado

Leia mais

Art. 1º Aprovar o REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITE EM PÓ MODIFICADO, em anexo.

Art. 1º Aprovar o REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITE EM PÓ MODIFICADO, em anexo. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 12 DE JUNHO DE 2007 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Manual de Instruções SATA 67595

Manual de Instruções SATA 67595 1. Conheça o produto...2 2. Âmbito do fornecimento...5 3. Dados técnicos...6 4. Modo de atuação da unidade de limpeza de ar com adsorvente de carvão ativo e do cinto sem adsorvente de carvão ativo...7

Leia mais

ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA

ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA 1) PRIMEIRO PASSO - Recebimento da Notificação: Quando recebida a notificação de surto de DTA, deve-se notificar

Leia mais

SELEÇÃO DE ESTÁGIO 2013/02

SELEÇÃO DE ESTÁGIO 2013/02 SELEÇÃO DE ESTÁGIO 2013/02 Estão abertas as inscrições para o processo seletivo de estágio no Laboratório Teuto. Os interessados deverão enviar currículos até dia 04/06/13, para o e-mail seleção@teuto.com.br,

Leia mais

Remediadores Ambientais Situação atual das exigências para Registro

Remediadores Ambientais Situação atual das exigências para Registro MESA REDONDA: Produtos Remediadores Associação Brasileira de Empresas de Consultoria e Engenharia AESAS Federação das Industrias do Estado de São Paulo - FIESP Remediadores Ambientais Situação atual das

Leia mais

1.1.3 Resolução - RE Nº. 9 da ANVISA / Ministério da Saúde. 1.1.4 Resolução - RE Nº. 176 da ANVISA / Ministério da Saúde. ESPECIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS

1.1.3 Resolução - RE Nº. 9 da ANVISA / Ministério da Saúde. 1.1.4 Resolução - RE Nº. 176 da ANVISA / Ministério da Saúde. ESPECIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS Código de Classificação: 13.02.01.15 TERMO DE REFERÊNCIA OBJETO: Serviços técnicos de limpeza e higienização dos dutos de ar condicionado, incluindo os dutos de ar externo, elementos de difusão de ar de

Leia mais

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES Complexo Esportivo de Deodoro Edital 1.10 1. Instalações Hidráulicas e Sanitárias Os serviços de manutenção de instalações hidráulicas e sanitárias,

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Nome do produto: BIOCAT FISPQ n : 0270/09 Data da última revisão: 05/11/08 Página 1 de 5

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Nome do produto: BIOCAT FISPQ n : 0270/09 Data da última revisão: 05/11/08 Página 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Nome do produto: BIOCAT Página 1 de 5 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: BIOCAT Nome da Empresa: INDÚSTRIA QUÍMICA ZEQUINI

Leia mais

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009

*RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 *RESOLUÇÃO SMSDC Nº 1.424 DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009 O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, e CONSIDERANDO o Decreto Municipal

Leia mais

NR 24 CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO

NR 24 CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO NR 24 CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO Cassius Marcellus Zomignani Departamento Sindical - DESIN NORMA REGULAMENTADORA 24 A Norma Regulamentadora 24 do Ministério do Trabalho e

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. BOAS PRÁTICAS PARA COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS A Secretaria do

Leia mais

FISPQ N 193 N da Revisão 04 FIREGUARD

FISPQ N 193 N da Revisão 04 FIREGUARD Página 1 de 5 1 - Identificação do Produto e da Empresa Nome do produto: Nome da empresa: Anchortec Industrial e Comercial Ltda. Endereço: Rua Tenente Onofre Rodrigues de Aguiar, 800, Mogi das Cruzes -

Leia mais