CONTADOR(A) JÚNIOR LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTADOR(A) JÚNIOR LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO."

Transcrição

1 07 TARDE MARÇO / 2010 CONHECIMENTOS OS ESPECÍFICOS LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO Você recebeu do fiscal o seguinte material: a) este caderno, com os enunciados das 70 questões objetivas, sem repetição ou falha, com a seguinte distribuição: CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Questões 1 a a 20 Pontos 0,5 1,0 Questões 21 a a 40 Pontos 1,5 2,0 Questões 41 a a 60 Pontos 2,5 3,0 Questões 61 a 70 - Pontos 3,5 - b) 1 CARTÃO-RESPOSTA destinado às respostas às questões objetivas formuladas nas provas Verifique se este material está em ordem e se o seu nome e número de inscrição conferem com os que aparecem no CARTÃO- RESPOSTA. Caso contrário, notifique IMEDIATAMENTE o fiscal Após a conferência, o candidato deverá assinar no espaço próprio do CARTÃO-RESPOSTA, a caneta esferográfica transparente de tinta na cor preta No CARTÃO-RESPOSTA, a marcação das letras correspondentes às respostas certas deve ser feita cobrindo a letra e preenchendo todo o espaço compreendido pelos círculos, a caneta esferográfica transparente de tinta na cor preta, de forma contínua e densa. A LEITORA ÓTICA é sensível a marcas escuras; portanto, preencha os campos de marcação completamente, sem deixar claros. Exemplo: A C D E 05 - Tenha muito cuidado com o CARTÃO-RESPOSTA, para não o DOBRAR, AMASSAR ou MANCHAR. O CARTÃO-RESPOSTA SOMENTE poderá ser substituído caso esteja danificado em suas margens superior ou inferior - BARRA DE RECONHECIMENTO PARA LEITURA ÓTICA Para cada uma das questões objetivas, são apresentadas 5 alternativas classificadas com as letras (A), (B), (C), (D) e (E); só uma responde adequadamente ao quesito proposto. Você só deve assinalar UMA RESPOSTA: a marcação em mais de uma alternativa anula a questão, MESMO QUE UMA DAS RESPOSTAS ESTEJA CORRETA As questões objetivas são identificadas pelo número que se situa acima de seu enunciado SERÁ ELIMINADO do Processo Seletivo Público o candidato que: a) se utilizar, durante a realização das provas, de máquinas e/ou relógios de calcular, bem como de rádios gravadores, headphones, telefones celulares ou fontes de consulta de qualquer espécie; b) se ausentar da sala em que se realizam as provas levando consigo o Caderno de Questões e/ou o CARTÃO-RESPOSTA; c) se recusar a entregar o Caderno de Questões e/ou o CARTÃO-RESPOSTA quando terminar o tempo estabelecido Reserve os 30 (trinta) minutos finais para marcar seu CARTÃO-RESPOSTA. Os rascunhos e as marcações assinaladas no Caderno de Questões NÃO SERÃO LEVADOS EM CONTA Quando terminar, entregue ao fiscal O CADERNO DE QUESTÕES E O CARTÃO-RESPOSTA e ASSINE A LISTA DE PRESENÇA. Obs. O candidato só poderá se ausentar do recinto das provas após 1 (uma) hora contada a partir do efetivo início das mesmas. Por motivos de segurança, o candidato NÃO PODERÁ LEVAR O CADERNO DE QUESTÕES, a qualquer momento O TEMPO DISPONÍVEL PARA ESTAS PROVAS DE QUESTÕES OBJETIVAS É DE 4 (QUATRO) HORAS, findo o qual o candidato deverá, obrigatoriamente, entregar o CARTÃO-RESPOSTA As questões e os gabaritos das Provas Objetivas serão divulgados no primeiro dia útil após a realização das mesmas, no endereço eletrônico da FUNDAÇÃO CESGRANRIO (http://www.cesgranrio.org.br).

2 RASCUNHO 2

3 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 1 A Transalpina S.A., empresa de transportes aéreos, está estudando um projeto de investimento com as seguintes características: Valor do investimento inicial R$ ,00 Retornos anuais esperados - 1 o ano R$ ,00-2 o ano R$ ,00-3 o ano R$ ,00 Sabendo-se que a taxa composta de retorno esperada pela empresa é de 10% ao ano, o Valor Presente Líquido (VPL) do projeto, em reais, é (A) ,00 (B) ,00 (C) ,00 (D) ,00 (E) ,00 2 Qual é a principal característica da Taxa Interna de Retorno (TIR)? (A) A taxa de desconto apresentada, que torna o valor presente líquido negativo. (B) A taxa de desconto apresentada, que torna o valor presente líquido positivo. (C) O retorno do investimento necessariamente deve ser menor do que zero. (D) O retorno do investimento precisa ser maior do que zero. (E) O valor presente das entradas de caixa se iguala ao investimento inicial. 3 A Companhia Verde S.A. apresentou a seguinte estrutura de capital e os respectivos custos anuais de cada uma das suas fontes de capital: Estrutura de Capital Montante em R$ Custos Anuais Capital Próprio Ordinário ,00 18% Capital Próprio Preferencial ,00 16% Debêntures ,00 14% Financiamento em Moeda Nacional ,00 12% Financiamento em Moeda Estrangeira ,00 8% Total ,00 - Considerando exclusivamente as informações acima, o Custo Médio Ponderado de Capital (CMPC) da Companhia, com base nos seus valores contábeis, em percentual, é (Nota: apresente o resultado com duas casas decimais) (A) 12,45% (B) 13,60% (C) 13,95% (D) 14,60% (E) 15,94% 4 A ideia de risco, especificamente, está diretamente associada às probabilidades de ocorrência de determinados resultados em relação a um valor médio esperado. É um conceito voltado para o futuro, revelando uma possibilidade de perda. A medida estatística que representa o risco, utilizada na maioria das vezes no mercado financeiro, é o(a) (A) desvio padrão. (B) espaço amostral. (C) distribuição binomial. (D) regressão exponencial linear. (E) taxa de aderência. 5 Quando uma empresa está analisando a necessidade de investimento em capital de giro, deve fazer sua classificação em capital de giro permanente (fixo) e sazonal (variável). Balanço Patrimonial ATIVO PASSIVO Ativo Circulante ,00 Passivo Circulante ,00 Caixa 5.000,00 Fornecedores ,00 Duplicatas a Receber ,00 Salários a Pagar ,00 Estoque ,00 Passivo não Circulante ,00 Ativo não Circulante ,00 Patrimônio Líquido ,00 Total do Ativo ,00 Total do Passivo ,00 Informações adicionais relativas ao mesmo exercício social: volume de vendas R$ ,00, sendo R$ ,00 a prazo e o restante à vista; prazo médio de recebimento: 26 dias; estoque mínimo para manter a empresa em operação normal: 15 dias de vendas (a preço de custo); percentagem do custo de produção em relação ao preço de venda: 60%; volume mínimo de caixa exigido pelas atividades da empresa (para períodos de 10 dias de desembolsos): R$ 3.500,00. Considerando exclusivamente as informações acima, adotando o ano comercial nos cálculos, o montante de capital de giro sazonal apurado, em reais, é (A) 1.500,00 (B) 4.000,00 (C) 5.500,00 (D) ,00 (E) ,00 3

4 6 Dados extraídos das demonstrações financeiras da Companhia Apolo S.A.: ITENS R$ Ativo Circulante ,00 Ativo Não Circulante ,00 Passivo Exigível (Curto e Longo Prazo) ,00 Patrimônio Líquido ,00 Lucro Operacional antes dos Encargos Financeiros ,00 Encargos Financeiros ,00 Lucro operacional após os Encargos Financeiros ,00 Considerando exclusivamente os dados acima, o GAF Grau de Alavancagem Financeira é (Nota: apresente a resposta somente com duas casas decimais, arredondando a segunda casa decimal) (A) 1,58 (B) 1,47 (C) 1,33 (D) 1,25 (E) 1,04 7 Observe os componentes utilizados na avaliação de empresas listados a seguir I Juros sobre o capital próprio II Fluxos de caixa III Taxa de desconto (taxa mínima de atratividade) IV Custo de oportunidade do capital próprio V Valor patrimonial da ação VI Horizonte de tempo das projeções VII Resultado operacional líquido VIII Risco A metodologia consagrada pela Teoria de Finanças para determinar o valor de mercado de uma empresa é formada APENAS pelos seguintes componentes fundamentais: (A) I, II, IV e VI. (B) I, II, V e VIII. (C) II, III, VI e VIII. (D) II, IV, V e VII. (E) III, V, VII e VIII. 8 De acordo com a Lei n o 6.404/76, das Sociedades Anônimas, após as alterações das Leis n os /07 e /09, no passivo, as contas serão classificadas nos seguintes grupos: (A) passivo circulante, exigível a longo prazo, resultado de exercícios futuros e patrimônio líquido. (B) passivo circulante, passivo não circulante, ajustes especiais e patrimônio líquido. (C) passivo circulante, passivo não circulante e patrimônio líquido. (D) passivo circulante, passivo não circulante e capital social. (E) passivo exigível, passivo não exigível e passivo temporário. 9 O Artigo 183 da Lei n o 6.404/76, das Sociedades Anônimas, com a nova redação dada pela Lei n o /09, determina como os elementos do ativo devem ser avaliados no Balanço Patrimonial. Entre os critérios relacionados, foi introduzido o do valor justo. Esse critério deve ser utilizado (A) nas aplicações em instrumentos financeiros, inclusive derivativos. (B) nas aplicações em direitos e títulos de créditos classificados no ativo circulante ou no realizável a longo prazo. (C) para avaliar os direitos que tiverem por objeto mercadorias e produtos do comércio da Companhia. (D) quando se tratar de aplicações destinadas à negociação ou disponíveis para venda. (E) quando se tratar de investimentos em participação no capital social de outras sociedades. 10 O Artigo 187 da Lei n o 6.404/76, das Sociedades Anônimas, com as alterações introduzidas pela Lei n o /09, determina a forma como as contas serão ordenadas na demonstração do resultado do exercício. Deverão constar na citada demonstração, antes da definição do lucro ou prejuízo líquido do exercício, as participações de debêntures, empregados, administradores e partes beneficiárias, mesmo na forma de instrumentos financeiros e de instituições ou fundos de assistência ou previdência de empregados, que (A) sejam limitados a 10% do lucro líquido do exercício, antes de sua inclusão. (B) possam ser caracterizados como despesas remuneratórias. (C) mantenham o valor retido em forma de reservas de lucros. (D) se destinem à redução da reserva de lucros a realizar. (E) não se caracterizem como despesa. 11 O CPC (Comitê de Pronunciamentos Contábeis) em conjunto com o CFC (Conselho Federal de Contabilidade) elaborou a Estrutura Conceitual para a Elaboração e Apresentação das Demonstrações Contábeis e este pronunciamento se transformou na NBC T 1, do CFC. Essa estrutura conceitual aborda quatro aspectos, sendo três deles os seguintes: o objetivo das demonstrações contábeis; as características qualitativas que determinam a utilidade das informações contidas nas demonstrações contábeis; a definição, o reconhecimento e a mensuração dos elementos que compõem as demonstrações contábeis. Considerando os três aspectos listados acima, qual é o quarto aspecto abordado pela estrutura conceitual? (A) O número de contas recomendadas em cada demonstrativo. (B) Os conceitos de capital e de manutenção do capital. (C) Os demonstrativos contábeis que devem ser elaborados. (D) A estrutura física das demonstrações contábeis. (E) As atividades necessárias do comitê de auditoria. 4

5 12 A Companhia Mobilar S.A. apresentou o balanço patrimonial, elaborado em 31/12/2008, reproduzido a seguir. ATIVO 2008 ATIVO CIRCULANTE ANTE ,00 Caixa ,00 Banco conta Movimento ,00 Duplicatas a Receber ,00 Estoques ,00 ATIVO NÃO CIRCULANTE ANTE ,00 Realizável a Longo Prazo ,00 Investimentos ,00 Imobilizado ,00 Intangível ,00 TOTAL DO ATIVO ,00 PASSIVO 2008 PASSIVO CIRCULANTE ,00 Fornecedores a Pagar ,00 Impostos a Pagar ,00 Salários a Pagar ,00 Duplicatas a Pagar ,00 PASSIVO NÃO CIRCULANTE ,00 RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS ,00 PATRIMÔNIO LÍQUIDO ,00 Capital Social ,00 Reserva de Capital ,00 Reserva Legal ,00 Reserva Estatutária ,00 TOTAL DO PASSIVO ,00 Nos termos da nova redação dada à Lei n o 6.404/76 pelas Leis n os /07 e /09, há um equívoco de classificação no balanço apresentado acima. Considerando exclusivamente as informações recebidas, o ajuste a ser feito no Balanço Patrimonial da Companhia Mobilar, de acordo com a atual redação da Lei das Sociedades Anônimas, é que o (A) resultado de Exercícios Futuros deve ser transferido para o Passivo Não Circulante. (B) resultado de Exercícios Futuros deve ser transferido para o Patrimônio Líquido. (C) Realizável a Longo Prazo deve ser somado ao grupo Investimentos. (D) saldo da Reserva de Capital deve ser incorporado ao Capital. (E) Ativo Circulante deve ser dividido em Financeiro e Permanente. 13 Analise os dados extraídos da contabilidade da comercial Brasília Ltda., em reais. Despesas com Vendas 2.000,00 Devolução de Vendas 4.000,00 PIS sobre Vendas 1.200,00 Receita Bruta ,00 Custo das Mercadorias Vendidas ,00 ICMS sobre Vendas 3.960,00 COFINS sobre Vendas 840,00 Despesas Administrativas 4.500,00 Considerando exclusivamente os dados acima, o valor da receita líquida, em reais, é (A) 5.500,00 (B) ,00 (C) ,00 (D) ,00 (E) ,00 14 Considere as informações extraídas da Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) da Companhia Sacopã S.A., com dados em reais. Recursos oriundos das atividades de financiamentos ,00 Recursos aplicados nas atividades de investimentos ,00 Recursos oriundos das atividades operacionais ,00 Saldo de caixa no início do exercício social ,00 Considerando exclusivamente as informações acima, o saldo de caixa no final do exercício social, em reais, será (A) ,00 (B) ,00 (C) ,00 (D) ,00 (E) ,00 15 A Demonstração do Valor Adicionado (DVA) evidencia o(a) (A) quanto de riqueza uma empresa adicionou, de que forma essa riqueza foi distribuída e o quanto ficou retido na empresa. (B) valor adicionado originado das operações, os recursos oriundos das atividades de financiamento e o saldo de caixa resultante no final do período. (C) montante de riqueza que uma empresa adicionou, o quanto dessa riqueza foi distribuída para os agentes e acionistas e os lucros retidos pela empresa sem destinação específica. (D) receita adicionada pela empresa deduzida das despesas operacionais, exceto a financeira, e o total de lucros retidos em forma de reservas. (E) riqueza adicionada pela empresa, a distribuição dos dividendos realizada e a variação do patrimônio líquido no exercício. 5

6 16 Analise os dados extraídos da contabilidade da Pangeia S.A., em 31/12/2008, em reais. Caixa Bancos c/ Movimento Duplicatas a Receber 2.000,00 850, , , , , , , , , ,00 Terrenos Depreciação Acumulada Fornecedores a Pagar , , , , ,00 Capital Reserva Legal Veículos , , ,00 Receita de Vendas Custo da Mercadoria Vendida Promissórias a Pagar , , , , ,00 Salários e Encargos a Pagar Empréstimos a Pagar (curto Empréstimos a Pagar (longo prazo) prazo) 5.000, , , , , ,00 Estoque de Mercadorias Móveis e Utensílios Máquinas e Equipamentos , , , , , ,00 Despesa de Condomínio Despesa de Água e Luz Despesa de Transporte 250,00 400,00 200,00 Despesas de Salários 4.500,00 Uma vez elaborado o Balanço Patrimonial da Pangeia S.A., considerando exclusivamente os dados acima, o valor total do ativo, em reais, é (A) ,00 (B) ,00 (C) ,00 (D) ,00 (E) ,00 17 A reserva que tem objetivo, forma de cálculo e limite máximo de constituição determinados em documento societário é a (A) Reserva de capital. (B) Reserva estatutária. (C) Reserva legal. (D) Reserva para contingências. (E) Retenção de lucro. 18 Dados extraídos da contabilidade da Companhia Frizomar S.A. sobre as mercadorias destinadas à venda em 31/12/2008: Produto Valor do Custo Valor de Mercado ALFA , ,00 BETA , ,00 GAMA , ,00 TOTAL , ,00 Considerando-se exclusivamente as informações acima, o valor das avaliações dos estoques em 31/12/2008, em reais, será (A) ,00 (B) ,00 (C) ,00 (D) ,00 (E) ,00 6

7 19 A Companhia São Tiago S.A. pagou R$ ,00 por 60% do total de ações do capital social da Companhia Tomé S.A., que possuía patrimônio líquido de R$ ,00, na mesma data. Considerando que esse investimento deve ser avaliado pelo método de equivalência patrimonial, afirma-se que, nessa operação, ocorreu um (A) ágio de R$ ,00. (B) deságio de R$ ,00. (C) deságio de R$ ,00. (D) registro no investimento de R$ ,00. (E) registro no investimento de R$ , A Lei n o 6.404/76, das Sociedades Anônimas, com as alterações das Leis n os /07 e /09 determina que os elementos do passivo que devem ser avaliados a valor presente no balanço são as(os) (A) obrigações em moeda estrangeira, com cláusula de paridade cambial. (B) obrigações, os encargos e os riscos classificados no passivo não circulante. (C) obrigações, os encargos e os riscos conhecidos e calculáveis, inclusive o imposto sobre a renda a pagar. (D) reversões de reservas e o lucro líquido do exercício. (E) ajustes de exercícios anteriores e a correção monetária do saldo inicial. 21 Dados extraídos da contabilidade da Cia. Maracanã S.A. do ramo da indústria de produtos elétricos, em um determinado exercício social, com valores em reais. Ferramentas ,00 Instalações ,00 Máquinas e Equipamentos ,00 Marcas, Direitos e Patentes Industriais ,00 Móveis e Utensílios ,00 Obras de Arte ,00 Participações Acionárias ,00 Terrenos para Futura Utilização ,00 Títulos e Valores Mobiliários ,00 Veículos ,00 Considerando exclusivamente os dados acima e respeitando as determinações da Lei n o 6.404/76, com as alterações das Leis n os /07 e /09, o valor do ativo imobilizado, apurado no balanço patrimonial, elaborado com as informações acima, em reais, é (A) ,00. (B) ,00. (C) ,00. (D) ,00. (E) , Com as alterações da Lei n o /09 na Lei n o 6.404/76, das Sociedades Anônimas, foi criado o grupo do ativo intangível. Em decorrência, diversos itens que eram classificados no diferido, no investimento ou no imobilizado, passarão a ser classificados como intangíveis. Entretanto, alguns itens, apesar de sua semelhança com outros que serão transferidos para o intangível, permanecerão nos seus grupos originais. Deve permanecer no investimento o ágio (A) derivado de correção monetária ativa. (B) resultante da eliminação do grupo resultado de exercícios futuros. (C) oriundo de reserva de lucros a realizar. (D) obtido pela contrapartida da conta ajustes de avaliação patrimonial. (E) obtido por diferença entre valor de mercado e valor contábil. 23 Segundo o Comitê de Pronunciamentos Contábeis - Pronunciamento Técnico CPC 05, aprovado pela Deliberação CVM n o 560/2008, é considerada transação com partes relacionadas (A) a aquisição de produtos para revenda por parte de uma sociedade controlada de outra sociedade controlada, até o limite de 10% da participação do capital social da controladora em cada controlada. (B) a opção de compra de controle acionário de uma empresa feita pela subsidiária integral de outra empresa, desde que o capital da subsidiária seja o dobro do capital da empresa adquirida. (C) a transferência de recursos, serviços ou obrigações entre partes relacionadas, independentemente de haver ou não um valor alocado à transação. (D) qualquer operação entre partes relacionadas cujo início e fim da transação ocorram dentro do mesmo exercício. (E) somente quando houver transferência de recursos ou obrigações entre empresas com participação acionária mútua. 24 A consolidação das demonstrações contábeis representa a(o) (A) união de duas ou mais companhias para formar uma nova sociedade. (B) transferência de parcela do patrimônio de uma sociedade para outra. (C) elaboração em conjunto de demonstrações contábeis de sociedade aberta que possui participação relevante em sociedade limitada. (D) total das participações recíprocas entre sociedades com o mesmo comando de grupo. (E) agrupamento de demonstrações contábeis de duas ou mais sociedades. 7

8 25 A Regulamentação das operações com arrendamento mercantil (Leasing) foi determinada pelo Pronunciamento Técnico CPC 06 que, por sua vez, originou a Deliberação CVM 554 de 12/11/2008 e a Resolução CFC que aprovou a NBC Na Resolução CFC 1.141, que aprovou a NBC 10.2, o item 20 determina a forma de reconhecer os arrendamentos mercantis financeiros no início das operações. Assim, o registro inicial de uma operação de arrendamento mercantil financeiro deve ser efetuado pelo (A) valor residual garantido do bem ou pelo valor justo futuro dos pagamentos mínimos do arrendamento mercantil. (B) valor de transferência de propriedade do bem, no final da operação de arrendamento. (C) valor presente dos benefícios de caixa esperados, deduzidos do valor residual garantido do arrendamento mercantil. (D) valor justo da propriedade arrendada ou, se inferior, ao valor presente dos pagamentos mínimos do arrendamento mercantil. (E) montante das saídas de caixa futuras deduzido do valor residual esperado ou pelo valor justo, caso o primeiro seja menor. 26 Segundo a Comissão de Valores Mobiliários - CVM (Instrução 247/96 e alterações pelas Instruções 269/97, 285/98, 464/08 e 469/08), ao final de cada exercício social, deve elaborar demonstrações contábeis consolidadas a companhia aberta que (A) tiver mais de 30% de seu patrimônio líquido representados por investimentos em controladas e grupos empresariais que se constituírem formalmente em grupos de companhia(s) aberta(s). (B) tiver participação acionária avaliada pelo método de equivalência patrimonial e sociedades que possuírem sistema de governança corporativa aceita pela legislação vigente. (C) tiver participação relevante em outras companhias abertas e grupos de sociedades que detenham controle acionário total de empresas limitadas com patrimônio líquido superior a R$ ,00, na data da consolidação. (D) possuir participação superior a 20% de seu patrimônio líquido em sociedades anônimas de capital aberto ou fechado e conjunto de sociedades que se uniram em Joint Venture para comandar outra sociedade. (E) possuir investimento em sociedades controladas, incluindo as sociedades controladas em conjunto e sociedade de comando de grupo de sociedades que inclua companhia aberta. 27 A participação dos acionistas minoritários, no patrimônio líquido da(s) controlada(s), deverá ser evidenciada no Balanço Patrimonial consolidado (A) dentro do grupo de resultados de exercícios futuros. (B) dentro do patrimônio líquido, porém destacado dos demais itens. (C) após o patrimônio líquido. (D) imediatamente antes do patrimônio líquido. (E) entre o passivo circulante e o passivo não circulante. 28 Dados extraídos das demonstrações contábeis da Cia. Brandeburgo S.A.: ATIVO ATIVO CIRCULANTE , ,00 ATIVO NÃO CIRCULANTE , ,00 REALIZÁVEL L. PRAZO , ,00 IMOBILIZADO , ,00 TOTAL ATIVO , ,00 PASSIVO PASSIVO CIRCULANTE , ,00 PASSIVO NÃO CIRCULANTE , ,00 PATRIMÔNIO LÍQUIDO , ,00 TOTAL PASSIVO , ,00 Considerando exclusivamente as informações acima, a variação, em percentual, da composição do endividamento (perfil da dívida) em 2008, em relação a 2007, em percentual, foi (A) 12,50% (B) (50,00%) (C) (61,90%) (D) 80,00% (E) 130,77% 29 Observe os dados abaixo, em reais, referentes ao exercício de Caixa e Bancos ,00 Custo das Mercadorias Vendidas ,00 Duplicatas a Receber ,00 Estoques ,00 Passivo Circulante ,00 Vendas do Período ,00 Considerando exclusivamente as informações acima, o Prazo Médio de Recebimento de Vendas (PMRV) referente somente a este exercício social, em dias, sem arredondamento e desprezando todas as casas decimais, será (Dado: considerar nos cálculos o ano comercial) (A) 24 (B) 34 (C) 45 (D) 55 (E) 76 8

9 30 A Cia. Amazonas S.A. apresentou as informações a seguir. Elementos Anos Ativo Circulante , ,00 Passivo Circulante , ,00 Considerando exclusivamente as informações acima, a variação do Capital Circulante Líquido (CCL) em 2008, em relação a 2007, em reais, é (A) 8.108,00 (B) 8.331,00 (C) 9.777,00 (D) ,00 (E) ,00 31 A Cia. Redentor S.A. realizou uma operação de cisão parcial para constituição de uma nova sociedade denominada Corcovado S.A. Observe os dados dos ativos e passivos cindidos da Cia. Redentor S.A., com valores em reais. Depreciação Acumulada ,00 Disponível ,00 Fornecedores a Pagar ,00 Imobilizado ,00 Salários e Encargos a Pagar ,00 Com base apenas nas informações acima, o valor da redução do patrimônio líquido na Cia. Redentor S.A., após a cisão a valores contábeis, em reais, é (A) ,00 (B) ,00 (C) ,00 (D) ,00 (E) ,00 32 A nova redação da Lei n o 6.404/76, com as alterações das Leis n os /07 e /09, estabelece que as operações de incorporação, fusão e cisão somente poderão ser efetivadas nas condições aprovadas, se os peritos nomeados determinarem que o valor do patrimônio ou dos patrimônios líquidos a serem vertidos para a formação de capital social é (A) igual, pelo menos, ao montante do capital a realizar. (B) obtido, no mínimo, pela soma dos capitais de cada empresa envolvida na operação. (C) calculado pelo valor de mercado das ações negociadas. (D) limitado à soma das ações ordinárias das empresas envolvidas na operação. (E) apurado pela adição do Patrimônio Líquido das empresas envolvidas na operação. 33 Os acionistas da Cia. Miramar S.A. e da Cia. Pacífica S.A. decidiram que a primeira incorporaria a segunda em 31/12/2008, considerando ativos e passivos avaliados pelo valor contábil. A Miramar S.A. detém 65% do total de ações do capital social da Cia Pacífica S.A. e o investimento é avaliado pelo método de equivalência patrimonial. Observe o Balanço Patrimonial da Cia. Pacífica S.A. em 31/12/2008. ATIVO 2008 ATIVO CIRCULANTE ,00 ATIVO NÃO CIRCULANTE ,00 TOTAL ATIVO ,00 PASSIVO 2008 PASSIVO CIRCULANTE ,00 PASSIVO NÃO CIRCULANTE ,00 PATRIMÔNIO LÍQUIDO ,00 TOTAL PASSIVO ,00 Informação adicional: os acionistas minoritários da Cia. Pacífica S.A. também concordaram com a incorporação e a participação no capital da incorporadora. Considerando exclusivamente as informações acima, o valor do aumento do patrimônio líquido da Cia. Miramar S.A. em 31/12/2008, em reais, é (A) ,00 (B) ,00 (C) ,00 (D) ,00 (E) ,00 34 A reserva de lucro cujo saldo não pode exceder a 20% do capital social é a denominada Reserva (A) legal. (B) para contingências. (C) de capital. (D) de incentivos fiscais. (E) de lucros a realizar. 35 Analise o conceito a seguir. Plano detalhado da aquisição e do uso de recursos financeiros ou de outra natureza durante um período determinado. Este é o conceito de (A) controle. (B) orçamento. (C) planejamento financeiro. (D) plano de ação. (E) plano estratégico. 9

10 36 A Cia. Prevenida S.A. apresentou seu orçamento de vendas para o 1 o trimestre de Informações adicionais: Saldo inicial de caixa R$ ,00 Percentual de vendas recebidas dentro do mês 65% Percentual de vendas recebidas no mês seguinte 35% Inadimplência desprezível Vendas realizadas em dezembro de 2009 R$ ,00 Considerando exclusivamente as informações acima, o total de entradas de caixa previsto para o 1 o trimestre de 2010, em reais, é (A) ,00 (B) ,00 (C) ,00 (D) ,00 (E) ,00 37 Dados extraídos da contabilidade de custos da Indústria Plastitil Ltda., com valores em reais. Aluguel da fábrica ,00 Depreciação de máquinas ,00 Mão de obra direta ,00 Mão de obra indireta ,00 Matéria-prima ,00 Materiais de consumo ,00 Salários de supervisão ,00 Itens Janeiro Fevereiro Março Vendas Orçadas (Unidades) Preço de Venda Médio por Unidade (R$) 20,00 20,00 20,00 Com base apenas nos dados acima e considerando a classificação dos custos em diretos e indiretos, o total dos custos diretos, em reais, é (A) ,00 (B) ,00 (C) ,00 (D) ,00 (E) ,00 38 Dados extraídos da contabilidade de custos da Indústria Metalúrgica Metalzinco Ltda.: Vendas ,00 Salários do escritório ,00 Mão de obra direta ,00 Despesas diversas do escritório 7.450,00 Mão de obra indireta ,00 Lucro operacional do exercício ,00 Luz e força da fábrica ,00 Estoque inicial de matéria-prima ,00 Materiais diversos da fábrica 3.650,00 Estoque inicial de produtos em processo 9.000,00 Depreciação de máquinas da fábrica ,00 Estoque inicial de produtos acabados 7.500,00 Salários de vendedores ,00 Estoque final de matéria-prima 8.000,00 Despesas de viagens ,00 Estoque final de produtos em processo ,00 Publicidade e propaganda ,00 Estoque final de produtos acabados 6.000,00 Seguro de fábrica 2.370,00 Com base apenas nos dados acima, o valor da matéria-prima consumida no período, em reais, é (A) 4.000,00 (B) 6.000,00 (C) 8.580,00 (D) ,00 (E) ,00 10

11 39 Poderá ser constituída reserva de lucros a realizar (A) por proposta da administração e com aprovação da assembleia geral, desde que tenha havido prejuízo no exercício. (B) se for apurado prejuízo no resultado do exercício, mas existir a obrigação de pagar dividendos fixos. (C) quando existirem resultados positivos da aplicação do método de equivalência patrimonial dentro do lucro do exercício. (D) no exercício em que os lucros não realizados ultrapassarem o total já destinado à constituição da reserva legal e de contingências. (E) no exercício em que o montante do dividendo obrigatório ultrapassar a parcela realizada do lucro líquido do exercício. 40 A Cia. Parthenon S.A. apresentou as seguintes previsões para o 1 o trimestre de 2010: MESES VENDAS (UNIDADES) janeiro fevereiro março Informações adicionais, com valores em reais. Preço de venda unitário 135,00 Custo e despesa variável por unidade 75,00 Custo e despesa fixa ,00 / mês Considerando exclusivamente os dados acima, o lucro operacional projetado para o primeiro trimestre de 2010, em reais, é (A) ,00 (B) ,00 (C) ,00 (D) ,00 (E) ,00 41 Um dos aspectos mais importantes na aplicação do custeio ABC (Custeio Baseado em Atividades) é identificação e seleção dos direcionadores de custos. Desse modo, é relevante saber que direcionador de custo é o(a) (A) critério de rateio usado para atribuir um custo fixo a um produto. (B) fator que determina o custo de uma atividade. (C) indicador da relação custo-benefício no levantamento do custeio ABC. (D) ferramenta utilizada para se atribuir um custo direto a um produto. (E) forma como se pode ratear um custo fixo a um departamento ou atividade. 42 Considere as informações da Cia. Industrial Mediterrânea Ltda. a seguir. Ordens de produção (OP) existentes em 1 o de março de 2009: Ordem n o Matéria-Prima Mão de obra direta Custos Indiretos de Fabricação (CIF) , , , , , , , ,00 300,00 Os gastos em Março de 3009: Ordem n o Matéria-Prima Mão de obra direta , , , , , , (iniciada) , , (iniciada) 8.000, ,00 Os custos indiretos de fabricação no mês foram de R$ 6.000,00 e foram apropriados às OP proporcionalmente aos gastos com mão de obra direta ocorridos durante o mês de março de As ordens de produção , e foram completadas durante o mês, entregues e faturadas aos clientes. Considerando apenas as informações acima, na apuração de resultados, em 31 de março de 2009, foi levado ao Custo dos Produtos Vendidos (CPV) o valor, em reais, de (A) ,00 (B) ,00 (C) ,00 (D) ,00 (E) ,00 43 A Cia. Industrial Ferrogeral Ltda. aplica na fábrica o sistema de custeio por departamentalização. Os R$ ,00, referentes ao custo de manutenção, são rateados entre os departamentos de produção, com base nas horas trabalhadas por cada departamento, na seguinte ordem: Departamento de solda Departamento de cromagem Departamento de polimento 340 horas 250 horas 400 horas Com base exclusivamente nos dados acima, após o rateamento, os custos de manutenção para o departamento de cromagem monta, em reais, a (A) ,00 (B) ,00 (C) ,00 (D) ,00 (E) ,00 11

12 44 A Cooperativa Tirolesa S.A. triturou toneladas de trigo em março de Nesse processo ocorreu uma perda de 5% na matéria-prima, gerando uma produção de 300 toneladas de farinha W, 250 toneladas de farinha x, 200 toneladas de farinha Y e 200 toneladas de farinha Z, sendo que o preço pago aos produtores foi, em média, de R$ 2,00 por kg. Informações adicionais: os custos conjuntos do mês foram de R$ ,00, além da matéria prima; o preço de venda de cada produto por kg, em reais, é o seguinte: - farinha W 1,00 - farinha X 1,92 - farinha Y 1,20 - farinha Z 0,90 Com base exclusivamente nos dados acima e adotando o método do valor de mercado para alocação dos custos conjuntos, o custo total atribuído ao produto farinha Z monta, em reais, a (A) ,00 (B) ,00 (C) ,00 (D) ,00 (E) ,00 45 A Cia. XPTO fabrica 5 produtos, sendo que o mercado consome unidades de cada produto por mês. No mês analisado, houve férias de um grande contingente de operários e a empresa só pôde dispor de horas de mão de obra. Observe o quadro geral de custos unitários. Produto Matéria-prima Mão de obra CIF Preço de Variáveis Venda ALFA 15,00 2 HS A 5,00/H = 10,00 15,00 100,00 BETA 20,00 3 HS A 5,00/H = 15,00 23,00 120,00 GAMA 25,00 4 HS A 5,00/H = 20,00 25,00 150,00 DELTA 28,00 5 HS A 5,00/H = 25,00 26,00 170,00 ZETA 30,00 6 HS A 5,00/H = 30,00 27,00 180,00 Sabendo-se que os CIF fixos da empresa montam a R$ ,00/mês, qual o produto que deverá ter sua produção sacrificada em função dessa limitação? (A) ALFA (B) BETA (C) GAMA (D) DELTA (E) ZETA 46 A Industrial Alexandria Ltda. fabrica, em média, caixas de arruelas por mês e está com o seguinte dilema: se vender a caixa por R$ 20,00, poderá vender 75% da produção; se vender a caixa por R$ 19,00, poderá vender 85% da produção; se vender a caixa por R$ 18,00, poderá vender 90% da produção; se vender a caixa por R$ 17,00, poderá vender 95% da produção; se vender a caixa por R$ 16,00, poderá vender toda a produção. Sabendo-se que custos e despesas variáveis montam a R$ 10,00 por caixa e que custos e despesas fixos totalizam R$ ,00 por mês, o preço de venda por caixa que a empresa deve adotar para obter o máximo de lucratividade é, em reais, de (A) 16,00 (B) 17,00 (C) 18,00 (D) 19,00 (E) 20,00 47 A Cia Chicago Celulose S.A. utiliza o sistema de controle denominado Custo-padrão. No mês de maio de 2009 apresentou, em reais, os seguintes resultados: ITENS CUSTO-PADRÃO (previsão) CUSTO REAL Matéria-Prima 0,20 kg a 8,00/kg = 1,60 0,19 kg a 8,50/kg = 1,615 Mão de Obra Direta 0,8 h a 20,00/h = 16,00 0,9 h a 20,10/h = 18,09 CIF Variáveis 1,20 1,25 CIF Fixos , ,00 Unidades Produzidas U U Informações adicionais: A empresa adota a análise de variações de matériaprima em quantidade, preço e mista e, na mão de obra direta em eficiência, taxa e mista. As variações devem ser apresentadas em valores unitários. As variações podem ser favoráveis ou desfavoráveis. Considerando apenas as informações dadas, a variação de preço da matéria-prima montou, em reais, a (A) 0,15 desfavorável. (B) 0,12 desfavorável. (C) 0,10 desfavorável. (D) 0,08 favorável. (E) 0,10 favorável. 12

13 48 A Ação Indústria de Aços Ltda produz parafusos e porcas de aço de uma polegada, de alta resistência, com as mesmas máquinas, matéria-prima e mão de obra, nas seguintes condições: Dados Parafuso Porca Custo variável por unidade (R$) 2,50 0,76 Produto mensal (unidades) Tempo de produção, por unidade (minutos) Dados adicionais Preço de venda de cada conjunto, formado por parafuso e porca, R$ 4,00. Custos fixos de produção R$ ,00, por mês. Com o mercado aquecido e com o aumento das obras de grande porte que utilizam esse tipo de parafuso e porca, a empresa percebeu existir uma grande possibilidade de negócios e resolveu aceitar a oferta de porcas, ao custo de R$ 1,05 por unidade, feita por outra indústria que só produz as porcas, com qualidade idêntica à da sua produção. Considerando exclusivamente as informações acima e desconsiderando a incidência de qualquer tipo de imposto, o resultado mensal previsto pela empresa Ação, comprando as porcas e aproveitando a capacidade instalada para produzir somente os parafusos, em reais, é (A) ,00 (B) ,00 (C) ,00 (D) ,00 (E) ,00 49 Os princípios constitucionais tributários são a fundamentação básica do sistema jurídico tributário, e prevalecem sobre todas as normas jurídicas, que só têm validade se editadas em rigorosa consonância com eles. A Constituição Federal de 1988 definiu tais princípios no capítulo do Sistema Tributário Nacional. Com relação à matéria, a citação constitucional Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios exigir ou aumentar tributo sem lei que o estabeleça caracteriza o princípio da (A) anterioridade. (B) competência tributária. (C) irretroatividade tributária. (D) isonomia tributária. (E) legalidade. 50 Na tributação das pessoas jurídicas, o sujeito ativo da obrigação tributária é o (A) ente público. (B) contribuinte, pessoa jurídica. (C) contribuinte, empresa individual. (D) responsável, pessoa jurídica. (E) responsável, empresa individual. 51 Considere as cinco espécies de tributos abaixo. I II III IV V - Contribuição Especial - Contribuições de Melhoria - Impostos - Taxas - Empréstimo Compulsório São de competência comum da União, estados e municípios APENAS os tributos (A) I, II e III. (B) I, II e IV. (C) I, II e V. (D) II, III e IV. (E) II, III e V. 52 O Governo Federal, por meio da Lei n o /04, com nova redação dada pela Lei n o /08, visando a incentivar a indústria de bens de capital, concedeu o benefício de crédito relativo à Contribuição Social sobre o Lucro Líquido - CSLL, à razão de 25% (vinte cinco por cento) sobre a depreciação contábil de máquinas, aparelhos, instrumentos e equipamentos, novos, relacionados em regulamento, adquiridos entre 1 o de outubro de 2004 e 31 de dezembro de 2010, destinados ao ativo imobilizado e empregados em processo industrial do adquirente. Admita que, em janeiro/05, uma indústria, tributada pelo lucro real, tenha adquirido para o seu Imobilizado e colocado em funcionamento, no processo produtivo, uma máquina nova, com vida útil estimada em 5 anos, conforme o regulamento expresso acima. Portanto, seu direito a usufruir desse benefício irá até o 4 o trimestre de (A) 2006 (B) 2007 (C) 2008 (D) 2009 (E)

14 Considere os dados a seguir para responder às questões de n os 53 e 54 A Indústria Romena S.A., tributada com base no lucro real trimestral, apresentou as informações abaixo, com valores em reais. Base negativa da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) no primeiro trimestre / 2006 = ,00 Lucro Líquido do 2º trimestre de 2006 = ,00 Ganho na avaliação ao MEP, incluso no Lucro Líquido do 2 o trimestre de 2006 = ,00 30/março/06 compra de equipamento novo para o Imobilizado por ,00 2/abril/06 início da utilização do equipamento no processo produtivo Prazo de vida útil desse equipamento = 10 anos A depreciação do equipamento referente ao 2 o trimestre de 2006 foi devidamente calculada e contabilizada 53 Considerando exclusivamente as informações apresentadas pela Indústria Romena S.A., o valor devido por ela, referente à Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), no segundo trimestre de 2006, em reais, é (A) 1.800,00 (B) 2.520,00 (C) 3.060,00 (D) 3.150,00 (E) 3.600,00 54 Considerando exclusivamente as informações prestadas pela Indústria Romena S.A. e a sua prerrogativa legal de poder utilizar o crédito relativo ao incentivo fiscal sobre a depreciação, o valor a ser pago por ela, referente ao saldo da Contribuição Sobre o Lucro Líquido (CSLL), no 2 o semestre de 2006, em reais, é (A) Zero (B) 1.020,00 (C) 1.080,00 (D) 1.520,00 (E) 1.770,00 55 Os valores retidos na fonte pelos órgãos de administração federal direta, a título de IR, CSLL, COFINS e PIS, acima do valor mínimo de pagamento pelo Documento Único de Arrecadação de Receitas Federais (DARF), nos pagamentos realizados à pessoa jurídica fornecedora de bens ou prestadora de serviços, devem ser recolhidos ao Tesouro Nacional, mediante DARF, até o (A) 3 o dia útil da quinzena subsequente àquela em que tiver ocorrido o pagamento. (B) 3 o dia útil da semana subsequente àquela em que tiver ocorrido o pagamento. (C) 3 o dia útil do mês subsequente àquele da semana em que tiver ocorrido o pagamento. (D) último dia útil da quinzena subsequente àquela em que tiver ocorrido o pagamento. (E) último dia útil da semana subsequente àquela em que tiver ocorrido o pagamento. 56 Admita que uma empresa que importou uma máquina para o seu imobilizado apresentou as informações abaixo relativas a tal importação. Valor da máquina, em dólar, declarado nos documentos de importação - Us$ Valor da máquina fixado pela autoridade aduaneira para a base de cálculo do imposto de importação - Us$ Imposto de Importação (II) = 10% Taxa de câmbio na operação Us$ 1 = R$ 1,50 Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) = R$ 4.100,00 Despesas aduaneiras = R$ 1.800,00 Frete do porto até ao estabelecimento do importador = R$ 5.000,00 A base de cálculo do ICMS na importação dessa máquina, em reais, é (A) ,00 (B) ,00 (C) ,00 (D) ,00 (E) ,00 57 A Indústria Alves vendeu à vista, para a Comercial Carnaúba revender, 500 unidades do seu produto pelo preço unitário de R$ 50,00 mais R$ 6,00 de IPI, por unidade. Considerando o pagamento à vista, a Indústria concedeu um desconto comercial de R$ 2.500,00 na operação realizada. Sabendo-se que a Indústria Alves cobrou também frete de R$ 1.800,00 e seguro de R$ 200,00 e que a operação está sujeita a uma alíquota de ICMS de 12%, esse produto será registrado no estoque da Comercial Carnaúba, em reais, por (A) ,00 (B) ,00 (C) ,00 (D) ,00 (E) ,00 58 Algumas deduções podem ser feitas da base de cálculo do PIS e COFINS não cumulativo. Analise as situações a seguir. I II III IV - Devolução de vendas - Descontos incondicionais concedidos - Receita com lucro e dividendos de Investimentos avaliados pelo custo de aquisição - Receitas obtidas com os transportes internacionais de cargas ou passageiros São deduções exclusivas das bases de cálculo do PIS e COFINS das empresas submetidas à tributação pelo método não cumulativo APENAS (A) I e II. (B) III e IV. (C) I, II e III. (D) I, II e IV. (E) II, III e IV. 14

15 59 Considere os dados a seguir sobre as transações comerciais realizadas pelo atacadista comercial Severo. Só faz suas operações no âmbito do estado onde atua. Todas as operações que realiza estão sujeitas à incidência de 18% de ICMS. Em janeiro - comprou uma máquina para o imobilizado no valor de ,00 a prazo; - comprou mercadorias a prazo por ,00; - vendeu mercadorias à vista por ,00. Em fevereiro - comprou mercadorias à vista por ,00; - vendeu mercadorias à vista por ,00; - comprou equipamentos à vista, para o imobilizado, por ,00. Com base nas informações recebidas e nas determinações fiscais vigentes relacionadas ao ICMS, o valor mínino de ICMS que Severo deverá pagar em fevereiro, em reais, será (A) 5.700,00 (B) 6.300,00 (C) 8.100,00 (D) 8.700,00 (E) 9.000,00 60 Analise as informações dos itens correspondentes a bens do Ativo Imobilizado. I II III IV - Aquisição de bens usados a partir de maio/04 - Máquinas e equipamentos para utilização em atividades comerciais e administrativas nas empresas industriais, adquiridos a partir de maio/04 - Máquinas e equipamentos para utilização na produção de bens destinados à venda ou na prestação de serviços, adquiridos a partir de maio/04 - Parte edificada dos imóveis adquiridos a partir de maio/04, desde que utilizados nas atividades das empresas industriais, comerciais ou de serviços A depreciação dos elementos do Imobilizado que dá direito a crédito para dedução de contribuições do PIS/PASEP, calculadas pelo método não cumulativo, é apurada APE- NAS nos itens (A) I e II. (B) II e III. (C) III e IV. (D) I, II e IV. (E) II, III e IV. 61 O art. 15 da Lei n o /09 instituiu o Regime Tributário de Transição (RTT). A opção de adotar o RTT feita pelas empresas que são obrigadas à apuração do lucro real e que já existiam em 2008 deverá ocorrer (A) de forma facultativa somente para o ano-calendário (B) de forma facultativa para os anos-calendário 2008, 2009 e (C) de forma obrigatória para os anos-calendário 2008 e (D) a partir do ano calendário 2009, observado prazo da entrada em vigor de lei que discipline os efeitos tributários dos novos métodos e critérios contábeis, buscando a neutralidade tributária. (E) a partir do ano 2010, observado o prazo da entrada em vigor de lei que discipline os efeitos tributários dos novos métodos e critérios contábeis, buscando a neutralidade tributária. 62 Admita que a Lessa Industrial, tributada em 2006 pelo lucro presumido, passou à tributação pelo lucro real a partir de janeiro de 2007 e a calcular o COFINS pelo método não cumulativo. no balanço de dezembro/06, ela havia contabilizado os seguintes estoques: - Matéria prima - R$ ,00 - Produtos em elaboração - R$ ,00 - Produtos acabados - R$ ,00 Considerando as informações recebidas e a permissão para utilização de crédito presumido sobre o estoque, para dedução da contribuição do COFINS, calculado pelo método não cumulativo, o valor total do crédito a que a Lessa Industrial tem direito, em reais, é (A) ,00 (B) ,00 (C) ,00 (D) ,00 (E) ,00 63 Um dos pontos mais controversos do imposto sobre serviços recai sobre o local onde ele é devido. A Lei Complementar n o 116/03 apresenta, no seu art. 3 o, 20 casos de serviços específicos definindo onde o Imposto sobre Serviços (ISS) é devido. De acordo com tal diploma legal, para os 20 casos nele especificados, o ISS é devido no local (A) do estabelecimento do contratante do serviço. (B) do estabelecimento do prestador do serviço. (C) habitual onde o contratante paga os serviços. (D) habitual onde o prestador desenvolve a sua atividade. (E) onde o serviço é prestado. 15

16 64 Considere que uma empresa passe a ter direito ao crédito presumido sobre estoques para dedução do COFINS apurado pelo método não cumulativo. O lançamento a ser feito, quando da apuração do referido crédito, pelo seu valor total, é DÉBITO (A) COFINS a Pagar (B) COFINS a Recuperar (C) COFINS a Recuperar (D) Estoque (E) Despesa de COFINS CRÉDITO COFINS a Recuperar Despesa de COFINS Estoque COFINS a Pagar Estoque 65 A empresa Elevada cobrou R$ ,00 pelo serviço de manutenção de dois elevadores. Estão incluídas nesse valor as peças hidráulicas, no valor de R$ 2.300,00; as partes mecânicas, no valor de R$ 1.200,00 e as partes dos componentes elétricos, no valor de R$ 2.500,00. Sabendo-se que a alíquota de Imposto Sobre Serviços (ISS) é de 5%, o ISS devido pela Elevada, nesse serviço, em reais, é (A) 250,00 (B) 325,00 (C) 365,00 (D) 385,00 (E) 500,00 66 Admita que uma empresa, em um determinado mês, comercializou os seguintes produtos no mercado interno: Gasolina 200 metros cúbicos Óleo diesel 400 metros cúbicos Álcool etílico combustível 300 metros cúbicos A CIDE combustível devida por esta empresa, em reais, é (A) ,00 (B) ,00 (C) ,00 (D) ,00 (E) ,00 67 Um dos aspectos mais relevantes que foi estabelecido pela Lei Sarbanes Oxley (SOX), promulgada nos Estados Unidos em 2002, mas com efeitos em diversos países, é (A) adoção de sistemas de informática mais seguros. (B) criação do Comitê de Auditoria. (C) determinação de capital mínimo para instituições financeiras. (D) proibição da existência de ações preferenciais nas companhias abertas. (E) proibição de remuneração a diretores através de stock options. 68 As melhores práticas de governança corporativa se apoiam sobre quatro princípios: compliance, accountability, disclosure e fairness. Eles podem ser traduzidos, respectivamente, por: conformidade legal, prestação de contas, transparência e senso de justiça. O princípio conhecido como fairness pode ser definido, de forma simplificada, como (A) adoção de normas de proteção do ambiente e de justiça interna. (B) adoção de políticas igualitárias a serem cumpridas por todos os empregados. (C) equidade e tratamento justo a todas as partes interessadas. (D) constituição de um Centro de justiça para definir políticas internas. (E) aprovação de normas internas de responsabilidade social. 69 O Decreto n o 6.022, de 22 de janeiro de 2007, instituiu o Sistema Público de Escrituração Digital. Com relação a esse assunto, analise a definição abaixo. Arquivo digital que se constitui de um conjunto de escriturações de documentos fiscais e de outras informações de interesse dos fiscos das unidades federadas e da Secretaria da Receita Federal do Brasil, bem como de registros de apuração de impostos referentes às operações e prestações praticadas pelo contribuinte. A definição corresponde ao conceito do instrumento técnico (A) CT- e. (B) NF- e. (C) NFS- e. (D) SPED Contábil. (E) SPED Fiscal. 70 A Receita Federal do Brasil (RFB) instituiu no Art. 1 o da Instrução Normativa RFB n o 787, de 19 de novembro de 2007, a Escrituração Contábil Digital (ECD) e no Art. 2 o da referida Instrução Normativa estabelece que o ECD compreenderá a versão digital do livro Balancetes Diários, balanços e fichas de lançamento comprobatórias dos assentamentos neles feitos e dos seguintes livros e seus auxiliares, se houver (A) Diário e LALUR. (B) Razão e LALUR. (C) Diário e Razão. (D) Diário, Razão e LALUR. (E) Caixa, Diário e Razão. 16

17 RASCUNHO 17

O BANCO DO DESENVOLVIMENTO PROVA DISCURSIVA PROFISSIONAL BÁSICO - CIÊNCIAS CONTÁBEIS LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

O BANCO DO DESENVOLVIMENTO PROVA DISCURSIVA PROFISSIONAL BÁSICO - CIÊNCIAS CONTÁBEIS LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 04 NOVEMBRO / 2009 O BANCO DO DESENVOLVIMENTO PROVA DISCURSIVA PROFISSIONAL BÁSICO - CIÊNCIAS CONTÁBEIS (2 a FASE) LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material:

Leia mais

TÉCNICO(A) DE CONTABILIDADE JÚNIOR

TÉCNICO(A) DE CONTABILIDADE JÚNIOR 34 EDITAL N o 1 PETROBRAS / PSP RH - 1/2012 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. a) este caderno, com o enunciado das 60 (sessenta) questões objetivas,

Leia mais

(D) D: Investimentos C: Equivalência patrimonial...100.000,00. (E) D: Receita operacional. Resolução

(D) D: Investimentos C: Equivalência patrimonial...100.000,00. (E) D: Receita operacional. Resolução Aula 5 Questões Comentadas e Resolvidas Fusão, cisão e incorporação de empresas. Avaliação e contabilização de investimentos societários no país e no exterior. Reconhecimento de ágio e deságio em subscrição

Leia mais

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26 Prefácio 1 Exercício Social, 1 Exercícios, 2 2 Disposições Gerais, 3 2.1 Demonstrações financeiras exigidas, 3 2.2 Demonstrações financeiras comparativas, 4 2.3 Contas semelhantes e contas de pequenos,

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar A seguir um modelo de Plano de Contas que poderá ser utilizado por empresas comerciais, industriais e prestadoras de serviços, com as devidas adaptações: 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponível 1.1.1.01

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

A questão da Cofins no regime de incidência não cumulativa. Vamos estudar os pontos principais.

A questão da Cofins no regime de incidência não cumulativa. Vamos estudar os pontos principais. Aula 8 Questões Comentadas e Resolvidas Tributos: conhecimentos básicos. Imposto de Renda Pessoa Jurídica e Contribuição social sobre o lucro. Imposto de Renda Retido na Fonte IRRF. Imposto sobre Circulação

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral 1. Em relação ao princípio contábil da Competência, é correto afirmar que (A) o reconhecimento de despesas deve ser efetuado quando houver o efetivo desembolso financeiro

Leia mais

219 Ciências Contábeis

219 Ciências Contábeis UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES NÚCLEO DE CONCURSOS Edital n 06/2015 UOVR/COPAP/NC/PROGRAD / UFPR Prova Objetiva 18/10/2015 219 Ciências Contábeis INSTRUÇÕES

Leia mais

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, LEI Nº 9.718, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. Altera a Legislação Tributária Federal. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Esta Lei aplica-se

Leia mais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais Conteúdo 1 Introdução... 1 2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais... 1 3 Questão 32 Natureza das contas... 3 4 Questão 33 Lançamentos - Operações de captação de recursos... 4 5 Questão

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE SITUADA NO MUNICÍPIO DE

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Aula n 04 online MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Balanço Patrimonial Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio

Leia mais

Resumo de Contabilidade Geral

Resumo de Contabilidade Geral Ricardo J. Ferreira Resumo de Contabilidade Geral 4ª edição Conforme a Lei das S/A, normas internacionais e CPC Rio de Janeiro 2010 Copyright Editora Ferreira Ltda., 2008-2009 1. ed. 2008; 2. ed. 2008;

Leia mais

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66 Apresentação Parte I - CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE, 1 1 Introdução ao Estudo da Ciência Contábil, 3 1 Conceito, 3 2 Objeto, 3 3 Finalidade, 4 4 Técnicas contábeis, 4 5 Campo de aplicação, 5

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 1 CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA Prof. Carmem Haab Lutte Cavalcante 2012 2 CONTABILIDADE SOCIETARIA 2 3 1 CONTABILIDADE Conceito de contabilidade, campo de atuação, usuários, objetivos

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 DOU de 17.9.2013 Dispõe sobre o Regime Tributário de Transição (RTT) instituído pelo art. 15 da Lei nº 11.941, de 27 de maio de 2009. O SECRETÁRIO

Leia mais

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF)) CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA CAPÍTULO 2: PASSIVO EXIGÍVEL E RECEITAS DIFERIDAS MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Resolução CFC nº 1.159, de 13/02/2009 DOU 1 de 04/03/2009 Aprova o Comunicado Técnico CT 01 que aborda como os ajustes das novas práticas contábeis adotadas no Brasil trazidas pela Lei nº 11.638/07 e MP

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008 Alterações da Lei 6404/76 Lei 11638 de 28 de dezembro de 2007 Lei 11638/07 que altera a Lei 6404/76 Art. 1o Os arts. 176 a 179, 181 a 184, 187, 188, 197, 199, 226 e 248 da Lei no 6.404, de 15 de dezembro

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE -

BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE - BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE - 1. Uma empresa produziu, no mesmo período, 100 unidades de um produto A, 200 unidades de um produto

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Nas questões de 31 a 60, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a folha de respostas, único documento válido para a correção das

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte BALANÇO PATRIMONIAL 1. CRITÉRIO DE DISPOSIÇÃO DAS CONTAS NO ATIVO E NO PASSIVO (ART. 178 DA LEI 6.404/76): a. No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos

Leia mais

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL Criada pela Lei Complementar nº 70/91, esta contribuição sofreu importantes alterações a partir da competência fevereiro de 1999,

Leia mais

BACEN Técnico 2010 Fundamentos de Contabilidade Resolução Comentada da Prova

BACEN Técnico 2010 Fundamentos de Contabilidade Resolução Comentada da Prova Conteúdo 1 Questões Propostas... 1 2 Comentários e Gabarito... 1 2.1 Questão 41 Depreciação/Amortização/Exaustão/Impairment... 1 2.2 Questão 42 fatos contábeis e regime de competência x caixa... 2 2.3

Leia mais

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE RIO GRANDE DO SUL PALESTRA

CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE RIO GRANDE DO SUL PALESTRA CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE RIO GRANDE DO SUL PALESTRA ATIVIDADE IMOBILIÁRIA Compra e Venda, Incorporação, Loteamento e Construção para Venda de Imóveis Aspectos Contábeis e Tributários Sergio Renato

Leia mais

Amortização de ágio ou deságio somente influenciará o resultado quando da alienação do investimento

Amortização de ágio ou deságio somente influenciará o resultado quando da alienação do investimento Conheça o tratamento fiscal aplicável ao ágio e ao deságio apurados na aquisição dos investimentos avaliados pelo Método de Equivalência Patrimonial - MEP AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS - Ágio ou Deságio na

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012 Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta Analista-Contabilidade 1 Primeiramente, é necessário Apurar o Resultado pois, como

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1. PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.304/10; 1 OBJETIVO O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer,

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO REAL

Cape contabilidade LUCRO REAL 1. CONCEITO LUCRO REAL No regime do lucro real o Imposto de Renda devido pela pessoa jurídica é calculado sobre o valor do lucro líquido contábil ajustado pelas adições, exclusões e compensações prescritas

Leia mais

Pessoal, a seguir comentamos as questões referentes ao cargo de Analista área Contabilidade do CNMP. Tomei como base o Caderno de Prova Tipo 004.

Pessoal, a seguir comentamos as questões referentes ao cargo de Analista área Contabilidade do CNMP. Tomei como base o Caderno de Prova Tipo 004. Analista CNMP Contabilidade Pessoal, a seguir comentamos as questões referentes ao cargo de Analista área Contabilidade do CNMP. Tomei como base o Caderno de Prova Tipo 004. De maneira geral, foi uma prova

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações), instituiu a Demonstração do Resultado do Exercício. A Demonstração do Resultado

Leia mais

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa V Pagamento de fornecedores Retenção de IRF sobre serviços Retenção de IRF sobre salários Pró-labore Integralização de capital em dinheiro Integralização de capital em bens Depreciação ICMS sobre vendas

Leia mais

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 Sistema Tributário Nacional Conjunto de regras jurídicas

Leia mais

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS 1 DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS CUSTODIO ROCHA Você bem preparado para o futuro da 2profissão. 1 OBJETIVOS Identificação do Conteúdo de Custos Aplicado nas Provas de Suficiência Breve Revisão

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS No exercício de 2011, a empresa ALFA auferiu juros no valor de R$ 12.500,00 e comissões sobre vendas no valor de R$ 250.000,00 de sua controlada GAMA. Considerando essa situação, julgue os itens a seguir,

Leia mais

CARTÃO RESPOSTA PROVA CONTABILIDADE DATA: 20/10/2014 ALTERNATIVAS A B C D E

CARTÃO RESPOSTA PROVA CONTABILIDADE DATA: 20/10/2014 ALTERNATIVAS A B C D E UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SÓCIO ECONÔMICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CONTABILIDADE PROCESSO SELETIVO - EDITAL 01/2014 - TURMA 2015 CARTÃO RESPOSTA PROVA CONTABILIDADE DATA: 20/10/2014

Leia mais

Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015

Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015 Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015 Dia: 13 CIDE - Combustíveis - 9331 Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico incidente sobre a comercialização de petróleo e seus derivados, gás

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação aos conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, Julgue os itens subsequentes, relativos à correta classificação e julgue os itens a seguir. utilização de

Leia mais

ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA

ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA Sócio da Deloitte e autor de livros da Editora Atlas 1 EVOLUÇÃO Instrução CVM n 457/07 Demonstrações financeiras consolidadas a partir

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

a) Débito: Dividendos e Bonificações em Dinheiro a Receber Crédito: Rendas de Ajuste em Investimento em Coligadas e Controladas

a) Débito: Dividendos e Bonificações em Dinheiro a Receber Crédito: Rendas de Ajuste em Investimento em Coligadas e Controladas Olá, pessoal! Desta vez, trago para vocês uma coletânea de questões resolvidas da Fundação Carlos Chagas (FCC). Achei apropriado inserir esta aula neste momento em razão da proximidade da prova de Fiscal

Leia mais

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Mário Leitão Estrutura das Demonstrações Financeiras A análise das demonstrações financeiras exige conhecimento do que representa cada conta que nela figura. Há

Leia mais

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89 01 - CONTEXTO OPERACIONAL A Companhia, com sede em Gravataí (RS) e unidade industrial em Glorinha (RS), tem por objeto a industrialização, comércio, importação, exportação e beneficiamento de aços e metais,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Curso Extensivo de Contabilidade Geral

Curso Extensivo de Contabilidade Geral Curso Extensivo de Contabilidade Geral Adelino Correia 4ª Edição Enfoque claro, didático e objetivo Atualizado de acordo com a Lei 11638/07 Inúmeros exercícios de concursos anteriores com gabarito Inclui

Leia mais

Prezado(a) Concurseiro(a),

Prezado(a) Concurseiro(a), Prezado(a) Concurseiro(a), A prova do TCM/RJ foi realizada no último final de semana e vou aproveitar para resolver as questões de Contabilidade Geral de forma simplificada e objetiva (nos cursos online,

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

DVA Demonstração do Valor Adicionado

DVA Demonstração do Valor Adicionado DVA Demonstração do Valor Adicionado A DVA foi inserida pela Lei nº 11.638/2007, (artigo 176, inciso V), no conjunto de demonstrações financeiras que as companhias abertas devem apresentar ao final de

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 8 Demonstração do Resultado do Exercício

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 8 Demonstração do Resultado do Exercício 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração do Resultado do Exercício Tópicos do Estudo Demonstração do Resultado do Exercício. Custo das Vendas. Despesas Operacionais. Resultados não Operacionais

Leia mais

Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I SISTEMA FINANCEIRO LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I SISTEMA FINANCEIRO LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 9 EDITAL N o 04/2013 LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - O candidato recebeu do fiscal o seguinte material: a) este CADERNO DE QUESTÕES, com os enunciados das 8 (oito) questões discursivas, sem

Leia mais

Contabilidade Financeira e Gerencial. Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial

Contabilidade Financeira e Gerencial. Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial Contabilidade Financeira e Gerencial Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial Demonstração de Resultados A DRE é a apresentação, em forma resumida, das operações realizadas pela empresa,

Leia mais

Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015

Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015 www.pwc.com Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015 PIS e COFINS sobre receitas financeiras Maio, 2015 Avaliação de Investimento & Incorporação, fusão, cisão Breve histórico da tributação pelo PIS

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Gabarito

CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Gabarito UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2006 e 1 o semestre letivo de 2007 CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Gabarito INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Verifique se este caderno contém:

Leia mais

Aplicap Capitalização S.A. Demonstrações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014.

Aplicap Capitalização S.A. Demonstrações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014. Aplicap Capitalização S.A. Demonstrações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014. Relatório da Administração Senhores Acionistas, Em cumprimento as disposições legais e estatutárias, submetemos

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 Índice 1. Lucro presumido...3 2. Lucro real...4 2 Dentre os regimes tributários, os mais adotados são os seguintes: 1. LUCRO PRESUMIDO Regime de tributação colocado

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/25 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Divulgação Externa O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 1 Objetivos e considerações gerais sobre as Demonstrações Financeiras Conteúdo

Leia mais

AULA 10 - PIS E COFINS

AULA 10 - PIS E COFINS AULA 10 - PIS E COFINS O PIS É A CONTRIBUIÇÃO PARA O PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO SOCIAL. A COFINS ÉA CONTRIBUIÇÃO PARA O FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL. FATO DO PIS E DA COFINS SÃO OS MESMOS: a)a RECEITA

Leia mais

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA LUCRO REAL POR ESCRITURAÇÃO Prof. Emanoel Truta CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Conceito Ramo da contabilidade responsável pelo gerenciamento dos tributos incidentes

Leia mais

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Contabilidade Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Contabilidade Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova ISS-SJC/SP ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE - ISS-SJC/SP Trago para vocês os comentários da prova do concurso de Auditor Tributário

Leia mais

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS 81 Assinale a alternativa que apresente a circunstância em que o Sistema de Custeio por Ordem de Produção é indicado. (A) O montante dos custos fixos é superior ao valor

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42 DCA-Anexo I-AB Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo Padrao Balanço Patrimonial Ativo - Ativo - 1.0.0.0.0.00.00 - Ativo 96.744.139,42 1.1.0.0.0.00.00 - Ativo Circulante 24.681.244,01 1.1.1.0.0.00.00 -

Leia mais

19. Patrimônio líquido 19.1 Capital 20. Balanço patrimonial de acordo com a Lei n.º 6.404/76 e alterações Questões de provas comentadas

19. Patrimônio líquido 19.1 Capital 20. Balanço patrimonial de acordo com a Lei n.º 6.404/76 e alterações Questões de provas comentadas Sumário CAPÍTULO 1 CONCEITOS BÁSICOS 1. Conceito de contabilidade 1.1 Ciência social 1.1.1 Princípios de contabilidade 1.2 Objeto da contabilidade 1.3 Objetivo da contabilidade 1.4 Finalidade da contabilidade

Leia mais

ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE MAIO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 21/2013

ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE MAIO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 21/2013 ANO XXIV - 2013-4ª SEMANA DE MAIO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 21/2013 ASSUNTOS CONTÁBEIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS OBRIGATÓRIAS APÓS AS LEIS NºS 11.638/2007 E 11.941/2009... Pág. 341 IMPOSTO DE RENDA PESSOA

Leia mais

TributAção. Novembro de 2013 Edição Extraordinária. MP 627/13 Regime tributário com o fim do RTT

TributAção. Novembro de 2013 Edição Extraordinária. MP 627/13 Regime tributário com o fim do RTT TributAção Novembro de 2013 Edição Extraordinária MP 627/13 Regime tributário com o fim do RTT Passados quase cinco anos da convergência das regras contábeis brasileiras ao padrão internacional contábil

Leia mais

A seguir, a correção da prova de Contador da Prefeitura de Niterói. Não vislumbramos possibilidade de recursos.

A seguir, a correção da prova de Contador da Prefeitura de Niterói. Não vislumbramos possibilidade de recursos. Olá, meus amigos! A seguir, a correção da prova de Contador da Prefeitura de Niterói. Não vislumbramos possibilidade de recursos. Forte abraço. Gabriel Rabelo/Luciano Rosa. Sigam nossas redes sociais!

Leia mais

Bens materiais para o Ativo Imobilizado

Bens materiais para o Ativo Imobilizado Bens materiais para o Ativo Imobilizado BENS MATERIAIS PARA O ATIVO IMOBILIZADO 1.Considerações Iniciais A aquisição de bens materiais para o ativo imobilizado envolve uma série de aspectos a serem analisados

Leia mais

Pedro@ananadvogados.com.br

Pedro@ananadvogados.com.br Pedro@ananadvogados.com.br Sócio de Anan Advogados Especialista em Direito Empresarial pela PUC-SP MBA Controller pela FEA-USP Membro da Diretoria Jurídica da ANEFAC Diretor do Conselho Consultivo da APET

Leia mais

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 1 - A legislação vigente sobre as sociedades anônimas estabelece o que deve ser computado na determinação do resultado do exercício. Diz a lei que devem ser incluídas as receitas e

Leia mais

Setembro 2012. Elaborado por: Luciano Perrone O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a).

Setembro 2012. Elaborado por: Luciano Perrone O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a). Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Boletim. Contabilidade Geral. Manual de Procedimentos. Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar) Temática Contábil e Balanços

Boletim. Contabilidade Geral. Manual de Procedimentos. Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar) Temática Contábil e Balanços Boletim Manual de Procedimentos Contabilidade Geral Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar) SUMÁRIO 1. Introdução 2. Obrigatoriedade de elaboração 3. Objetivo 4. Estrutura 5. Modelo 1.

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 4 Balanço Patrimonial Passivo 6 Demonstração do Resultado 9 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos Pessoal, Hoje, disponibilizo a resolução da prova de Contabilidade Geral, de Análise das Demonstrações Contábeis e de Contabilidade de Custos do Concurso para o TCU realizado no último final de semana.

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ALCANCE 1.... estabelece critérios e procedimentos específicos a serem observados pelas entidades

Leia mais

Sumário. Capítulo 1 Introdução 1

Sumário. Capítulo 1 Introdução 1 Capítulo 1 Introdução 1 1 Conceito 1 1.1 Contabilidade Teórica 1 1.2 Contabilidade Prática 3 2 Objeto 3 3 Finalidade ou objetivo 5 4 Pessoas interessadas nas informações contábeis 6 5 Funções 8 6 Identificação

Leia mais

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 MBK Securitizadora S.A. Demonstrações Financeiras

Leia mais

Contabilidade Geral ICMS-RJ/2010

Contabilidade Geral ICMS-RJ/2010 Elias Cruz Toque de Mestre www.editoraferreira.com.br Temos destacado a importância das atualizações normativas na Contabilidade (Geral e Pública), pois em Concurso, ter o estudo desatualizado é o mesmo

Leia mais

NEWTON PAIVA O seu Centro Universitário

NEWTON PAIVA O seu Centro Universitário 1 NEWTON PAIVA O seu Centro Universitário Curso: Ciências Contábeis Período: 6º Turno: Noite Sala: 106 Departamento: Ciências Contábeis Faculdade: FACISA Disciplina: Contabilidade Fiscal e Tributária AVALIAÇÃO

Leia mais

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1 Exercícios de Fixação (Questões de concurso) 1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1.1.1 Concurso para AFRF 2000 prova de contabilidade avançada - Questão 15 ENUNCIADO 15- Aplicações em Investimentos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.638, DE 28 DEZEMBRO DE 2007. Mensagem de veto Altera e revoga dispositivos da Lei n o 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 03: ORIGEM E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA QUALIDADE A DRE tem por objetivo evidenciar a situação econômica de uma empresa,

Leia mais

EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO

EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO Planejamento Tributário Setembro de 2011 QUESTÃO 1 - RESPONDA AS QUESTÕES APRESENTADAS A SEGUIR: I - Cite algumas situações em que a pessoa jurídica estará obrigada à tributação

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP:

1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP: 1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP: a) Constituição de uma sociedade com capital totalmente integralizado de R$ 30.000 b) Compra à vista de mercadorias para

Leia mais

CONPONENTES DA DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO

CONPONENTES DA DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO CONPONENTES DA DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO (I) (II) (III) A demonstração do resultado da empresa abriga: as receitas; o custo dos produtos, mercadorias ou serviços; e as despesas relativas a determinado

Leia mais