Mário Carabajal/Tese Ms. Principais Causas: Fome no Mundo/UAA/Asunción18jan10 INTRODUÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mário Carabajal/Tese Ms. Principais Causas: Fome no Mundo/UAA/Asunción18jan10 INTRODUÇÃO"

Transcrição

1 1 INTRODUÇÃO O presente estudo debruça-se sobre a Fome no Mundo, com o propósito de canalização sistêmica das informações hoje dispersas entre os organismos internacionais, universidades e pesquisadores que dedicam-se a este tema. O alcance contemporâneo e global dos estudos sobre as principais causas da Fome no Mundo é viabilizado pelos documentos e relatórios dos organismos internacionais de congruência ao tema, como FAO/ONU, OMS, BIRD, UNICEF, UNESCO. Ainda possibilitado pelos pesquisadores doutrinadores que dedicam esforços elucidadores e equacionativos à problematização em foco. Em 2001, o universo de nossos estudos, segundo a FAO, em relatório oficial de 2005, apontava para 1,89 bilhões de pessoas vivendo com menos de 1 U$ por dia, assim distribuindo-se nas regiões mundiais: Região Milhões de Pessoas % África Subsaariana ,74 América Latina e o Caribe 50 4,59 Ásia Oriental ,88 Europa Oriental e Ásia Central 17 1,56 Oriente Médio e Norte da África 7 0,64 Sul da Ásia ,57 A relevância do presente estudo em reunir-se as principais causas da Fome no Mundo Contemporâneo em um conjunto único acadêmico, encontra-se em contribuir para com os pesquisadores e organizações que debruçam-se sobre o mesmo tema, somando à construção de um corpo teórico de suporte à tomada de decisões minimizativas e mesmo erradicativas deste grave problema humano e social, cuja delimitação, ainda que comprovadamente existente no Mundo na Idade Moderna e mesmo em outros períodos históricos o limitamos globalmente ao marco de início da Idade Contemporânea, no ano de 1793, sinalizado pela Revolução Francesa, até os dias atuais, em 2010.

2 2 Inicialmente, avançamos oferecendo conceitos gerais elementares ao entendimento do todo a que nos propomos, como uma breve evolução do pensamento global sobre a fome no mundo, partindo para números da fome no mundo; causas prováveis; fome infantil e consequências da fome. Justifica-se o presente estudo por imposição da desumana realidade da fome mundial. Uma fome capaz de matar. Em 2008, o mundo contava com 430 milhões de pessoas sobrevivendo com fome extrema no Sul da Ásia. 313 milhões nas mesmas condições na África. O problema que envolve os objetivos da pesquisa remete entre 815 milhões e 1,1 bilhão de pessoas no mundo em 2008, as quais não conseguem comer diariamente, vivendo com menos de 1 U$ diário. Dessa população, morrem entre 24 e 25 mil pessoas diariamente. Aproximadas 750 mil mortes em um único mês, somando 9 milhões em um ano. Em termos comparativos, aproximados 3 milhões superiores a população do Paraguay em Para uma melhor visualização dessa desumana realidade, apenas neste período de 3 anos em que desenvolvemos este esforço de tese, em busca de colaborarmos à erradicação da fome no mundo, morreram em decorrência da fome, 27 milhões de seres humanos, ou seja: a soma aproximada das populações do Uruguay (6 milhões) e Paraguay (6 milhões), multiplicadas por dois. A priori, esta realidade não está presente em outras espécies animais. Não obtante a utilização de alimentos para a produção de combustíveis, também é uma realidade, desviando-se dos pratos vazios, seguindo para os tanques dos carros daqueles que não têm problema alimentar. Nesse contexto, emerge o problema: - quais são as principais causas da fome no mundo contemporâneo? Não obstante, tal problema, exige novas perguntas e incursões investigativas como: - não houve implementação dos acordos internacionais de combate a Fome? - quais as conseqüências correlacionais das causas da fome? - em que consistem as causas da fome no mundo contemporâneo?

3 3 - a destinação de grãos à produção de biocombustíveis na contextualização mundial econômica, responde pelo agravamento da Fome no Mundo? Duas hipóteses são apresentadas para a pegunta norteadora das incursões investigativas, encontrando-se as hipóteses das principais causas de origen da fome no mundo contemporâneo, centradas no paradigma clima e político, como expoentes das origens naturais e humanas, respectivamente. O que, por força dos estudos empreendidos, foram confirmadas. Isto, em observância à delimitação, Idade Contemporânea, iniciando em 1789 até os dias atuais em 2010, e objetivo proposto, de Identificação de tais causas de origem da fome, evidenciando-se como principais, desdobramentos do clima e política, sendo: guerras, castátrofes naturais, doenças, política e distribuição de renda, demografía, alimentação animal e produção de biocombustíveis a partir de cereais. As guerras, por desestruturarem os serviços básicos e organização interna dos países derrotados. Da mesma forma as catástrofes naturais também repercutem sobre o sistema organizacional dos países atingidos. As doenças fragilizam as populações, alijando-as do mercado de trabalho, restringindo a capacidade econômica familiar, repercutindo em fome aos membros. A distribuição de renda privilegia um número muito reduzido de cidadãos arrastando quase a totalidade dos demais integrantes da população a um mundo de miséria e fome. O crescimento demográfico é outro fator apontado por um grupo de pesquisadores como responsável pela fome no mundo. Não obstante, os animais, pela necessidade suas alimentações, também concorrem em alimentos com os seres humanos. As políticas de produção de combustíveis a partir de cereais, sob a máxima de substituição dos combustíveis fósseis, alegando-se o superaquecimento do planeta, também recebem consideráveis responsabilidades sobre a problematização da fome no mundo. Por fim, a política, em uma análise mais ampla, firma-se, entre as causas humanas apontadas, como a principal origem responsável pela deflagração e ou resolução das demais causas, levando à refutação de

4 4 todas as demais, excetuando-se as originadas pelas variações climáticas e de naturezas catastróficas. As quais, frente a governos comprometidos, também são minimizadas e ou mesmo preventivamente evitadas. Exigindo-nos, por força de tais análises, um posicionamento validativo da hipótese de ser a fome no mundo contemporâneo fruto de causas humanas, tendo a política como principal responsável. O presente trabalho tem como objetivo geral Identificar as Principais Causas da Fome no Mundo Contemporâneo. Quanto aos objetivos específicos assim os determinamos: Estudar a evolução do pensamento de combate à Fome no Mundo Contemporâneo, relacionando as Principais Causas que a originam. Identificar as consequências correlacionais das principais causas da Fome no Mundo Contemporâneo. Incursionar sobre variáveis em conceitos e argumentações que fundamentam e sustentam as causas naturais e humanas da fome no mundo contemporâneo. Contextualizar no sistema econômico mundial os biocombustíveis e grãos enquanto causa humana geradora da fome no mundo. Quanto ao marco teórico é importante ressaltar que a fome no mundo é uma realidade que se mantém século após século sem progressos coletivos observáveis. No início dos estudos, em janeiro de 2008, os números da fome no mundo apontavam para 815 milhões. Em maio de 2009 este número encontrava-se em 923 milhões e, em setembro de 2009, três meses antes da defesa da presente tese, segundo a FAO, ultrapassa a 1 bilhão o número de famintos no mundo (www.fao.org/ 2009). No site da Food and Agriculture Organization [FAO] encontram-se informações quantitativas e qualitativas em forma de relatórios, com fácil acesso à pesquisa sobre a fome no mundo e suas principais causas. Na FAO também são encontrados os relatórios utilizados

5 5 como embasamento ao capítulo 1 da tese, onde é disponibilizada uma evolução histórica dos esforços organizacionais mundiais de combate à fome. A Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios [APTA] em 2008 publica material sobre o desperdício de alimentos. No site oficial da Academia de Letras do Brasil [ALB] (2009) são disponibilizados links que apontam para as causas da fome no mundo. Causas Naturais e Humanas ganham profundidade, sendo consideradas por esta organização como as duas principais divisões das causas da fome no mundo contemporâneo. O capítulo 2, sobre a desnutrição mundial ganha profundidade através do Fundo das Nações Unidas para a Criança/Brasil [UNICEF/Br, 2009]. No capítulo 3, onde incursões são destinadas ao aprofundamento sobre as variáveis da fome no mundo, são encontradas discussões entre teóricos e também organizações internacionais como a FAO (2005) tratando sobre a realidade das guerras, doenças e clima. Cretella Netto (2007) contribui com o exemplo da Coréia do Norte em relação as consequências dos bloqueios internacionais, Neste capítulo encontra-se fundamentações em Tejada (2001), BBC (2007), ALB (2009), Jornal Estado de São Paulo (2007), Seeran (2007), Unicef (2007), Josué de Castro (1946) contradiz Malthus, alegando ser a explosão demográfica efeito da fome, e não o contrário. O FMI (2007) trata sobre expectativas inflacionárias mundiais dos alimentos. Ainda, a Fundação Getúlio Vargas (2008) oferece dados sobre índice dos preços. Sobre os transgênicos Décio Gazzoni (2008) oferece visão apurada no assunto, apontando para a falta de evidências científicas à repercussões negativas dos mesmos na saúde humana. Também, neste capítulo, de Incursões sobre as Variáveis da Fome no Mundo, são encontradas discussões de Camargo (2003) e Leff (2001), bem como Gutiérrez & Prado (2000), ainda Avanzi (2004), Dias (1994), Tristão (2004), Loreiro (2004), Lima (2004), Barcena (1997), Burbules & Torres (2004), Andrade

6 6 (2009), como os teóricos eleitos à fundamentação às discussões sobre meioambiente, bioética, bioecologia, questões sócio ambiental e educação embiental, temas estes, essenciais à relação homem/meio, vida e produção de alimentos. No capítulo 4, onde os biocombustíveis e o frágil sistema mundial de necessidades e economias são abordados, os teóricos Mário Penz Júnior e Mário Gianfelici (2008) oferecem os embasamentos, conduzindo o trabalho aos primórdios da humanidade e suas formas alimentares, com passagem pela fixação do homem e mudanças alimentares. Sobre inovação energética, os biocombustíveis ganham atenção especial, pela polêmica de competirem com os alimentos, encontrando marco teórico em artigos publicados pela Organização dos Estados Americanos [OEA] (2007). O Programa Alimentar Mundial [PAM] (2008) é outra fonte primária de relevância quando o tema é segurança alimentar. O Banco Mundial, Bird (2008), através de seu presidente Zoellick, Robert, faz-se também relevante quando tratamos sobre crise alimentar. Em Chonchol, (1987 /1989) no livro O Desafio Alimentar, traduzido por Alcy Cheuiche (1989), analisa a Conferência alimentar mundial de Roma. Fritz Baade (1956) é outro pesquisador que marca em nossas buscas, através de seu livro Teoria mundial da alimentação, com incursões abrangentes sobre áreas agricultáveis, produção e expectativas alimentares para a humanidade, livro este, traduzido em Lisboa por José Ervedosa em Malassis (1993) traduzido por Rabaça em 1994 trata com profundidade sobre como alimentar os homens. Lebrel (1960) no livro O Drama do Século XX traduzido em 1962 por Santa Cruz e Souza faz-se também doutrinador da problematização em foco, onde encontram-se confrontações das complexidades alimentares. Nos pesquisadores Minayo e Dowbor (1985) no livro Raízes da Fome, falam com profundidade sobre a Subnutrição no terceiro mundo. Em Abramovay (1985) no livro O que é fome? Aprofundamos pesquisas sobre as populações biológicamente vulneráveis em consequência da fome.

7 7 Jornais como BBC de Londres; O Estado de São Paulo; O Globo, entre outros, também constituem-se em importantes fontes auxiliares enquanto marco teórico. O trabalho foi elaborado mediante ampla revisão bibliográfica, estudando-se as causas da fome no mundo contemporâneo, identificando-se àquelas de maior repercussão sobre os seres, retiradas de relatórios e documentos oficiais de organizações mundialmente reconhecidas e instituídas sob princípios formais internacionais. Também, àquelas apontadas por pesquisadores da área. Na parte que se refere ao Marco Metodológico é determinada a metodologia adotada no presente trabalho, com enfoque qualitativo e tipo de estudo descritivo, sob técnicas de análise de conteúdos. Naquela destinada aos Resultados damos enfoque aos dados e respectivas apresentações, com direcionamento de menção estratificada aos resultados de maior relevância. Na parte que trata das conclusões e recomendações, com base nas principais fundamentações, conceitos e argumentos dos autores e organizações que compõem este trabalho, aproveita-se à inferência das conclusões pessoais sobre o que foi estudado, reunindo-se, descritivamente, as principais causas naturais e humanas da fome no mundo contemporâneo. Irrefutavelmente o enfoque da presente tese é de grande relevância. Isto, por constituir-se na concentração dos elementos essenciais responsáveis pela existência, manutenção e avanço da fome no mundo. Logo, concentrados em um corpo de estudos, antes dispersos, mais fácilmente podem ser identificadas, ainda que por descrição, as principais causas da fome no mundo. De onde, melhor conhecendo-as, mais facilmente se tornará a criação de dispositivos à minimização de seu efeitos ou até suas totais neutralizações, em busca da erradicação da fome no mundo, proporcionando aos seres, com a evolução das pesquisas e sobretudo suas implementações, pleno acesso aos alimentos.

8 8 Finalmente, posicionamo-nos cientificamente, sob pressupostos de convergência lógica das tendências e lacunas observadas, descrevendo, identificativamente, como esforços contributivos, as variáveis de maior convergência teórica, apontadas pelas instituições e pesquisadores estudados, como principais responsáveis das causas e origens da fome no mundo contemporáneo. Assim, as principais causas da fome no mundo, sob as bases naturais e humanas, justificam nosso objetivo geral, de serem identificadas. Para este fim, utiliza-se como fonte primária, os dados constantes dos relatórios da (Food and Agriculture Organization [FAO] ), onde se evidenciam informações à somarem ao projeto de tese na forma de hipóteses.

9 9 1. EVOLUÇÃO E COMBATE ÀS PRINCIPAIS CAUSAS DA FOME NO MUNDO Neste capítulo inicial nos propomos à uma Visão Geral, ainda que estratificada, sobre a Evolução do Pensamento Global de Combate a Fome no Mundo. Ainda, buscamos relacionar em identificação, as Principais Causas da Fome no Mundo Contemporâneo Conferência Mundial da Alimentação, Roma, 5 a 6 de novembro de 1974 Na Conferência Mundial da Alimentação, ocorrida em Roma, entre 5 e 16 de novembro de 1974, segundo a (Organização das Nações Unidas [ONU] 1974) os governos tomaram para si o problema da produção e do consumo alimentar global, e solenemente proclamaram "o direito inalienável de cada homem, mulher e criança viver livre da fome e desnutrição, atingindo o pleno desenvolvimento de suas capacidades físicas e mentais." 1.2. Conferência Internacional sobre Nutrição, Roma, 1 a 3 de dezembro 1992 Em Roma, entre 1 e 3 de dezembro de 1992, na sede do órgão da ONU responsável pela agricultura e alimentação (Food and Agriculture Organization [FAO] 1992) realizouse a Conferência Internacional sobre Nutrição. Seus patrocinadores foram a FAO e a Organização Mundial da Saúde - OMS. A conferência supra contou com a presença de delegações de 159 países, Comunidade Econômica Européia, 16 agências das Nações Unidas, 11 organizações intergovernamentais e 144 organizações não-governamentais. As conversações incidiram sobre as formas de combate à fome e à desnutrição. Aspectos gerais de caracterização da desnutrição e doenças decorrentes da fome foram levantados, delimitados e projetados em escalas mundiais. Também as mortes diárias e anuais ganharam destaque, apontando-se para o alarmante número médio de 25 mil mortes impostos pela fome todos os dias somados os índices do conjunto dos países que integram a Organização dos Estados Americanos.

10 Primeira Reunião de Cúpula das Américas Entre 9 a 11 de dezembro de 1994, Miami, Flórida, EUA No sítio recuperado em 14 de março de 2009, encontramos um farto material sobre todas Reuniões de Cúpulas das Américas. A Primeira Cúpula das Américas teve lugar em Miami, de 9 a 11 de dezembro de A reunião produziu uma Declaração de Princípios e um Plano de Ação assinada por todos os 34 chefes de Estado e de Governo participantes. É importante observar haver sido esta, a primeira Cúpula em que todos os líderes foram democraticamente eleitos e também primeira Reunião de Cúpula onde foram incluídos o Canadá e os Estados insulares do Caribe. A Declaração de Princípios estabeleceu um pacto de desenvolvimento e prosperidade baseada na preservação e fortalecimento da comunidade democrática das Américas. O documento supra propôs a expansão da prosperidade através da integração econômica e livre comércio, objetivando erradicar a pobreza e a discriminação no hemisfério sul e garantir o desenvolvimento sustentável, protegendo simultaneamente o ambiente. O Plano de Ação de Miami continha as seguintes iniciativas, agrupadas em 22 os seguintes temas: Fortalecimento da Democracia; Direitos Humanos; Fortalecimento da Sociedade; Valores Culturais; Corrupção; Narcotráfico; Terrorismo; Confiança Mútua; Livre Comércio; Capital Markets; Infra-estrutura Hemisférica; Cooperação Energética; Telecomunicações; Ciência e Tecnologia; Turismo; Educação; Saúde; Mulher; Micro Empresas; Capacetes Brancos; Utilização Sustentável da Energia; Biodiversidade; Prevenção da Poluição e agendar a Reunião de Cúpula Mundial de 1995 sobre o Desenvolvimento Social.

11 Projeto do Milênio da Organização das Nações Unidas A meta de redução em 50% da Fome no Mundo até 2015 resultou de Reunião realizada em Copenhague, na Dinamarca, entre 6 a 12 de março de Nesta reunião, Jacque Diouf, então presidente da FAO, no discurso de abertura, apelou às Nações, objetivando sensibilizar o mundo a um distribuir mais humano dos recursos ao acesso linear aos meios de subsistência, trabalho, saúde e moradia, sobretudo aos alimentos. Estes últimos, como resultado final de democratização alimentar. Também em 1975, líderes mundiais se reuniram em torno da problematização fome, apontando metas, não de minimizá-la, mas de erradicá-la até 1995, ano alvo este, resultou no discurso infra. Pronunciamento do Presidente da FAO, Jacques Diouf (1995): Reunimo-nos aqui para assumir o compromisso, junto aos nossos governos e Nações, de promover o desenvolvimento social em todo o mundo para que todos os homens e mulheres, especialmente aquelas que vivem na pobreza, possam exercer seus direitos, utilizar os recursos e partilhar as responsabilidades que lhes permitam levar vidas satisfatórias e contribuir para o bem-estar das suas famílias, suas comunidades e da humanidade. Para promover e apoiar estes esforços devem ser prioridades da comunidade internacional, particularmente os seres que são afetados pela pobreza, desemprego e a marginalização social (FAO, 1995, online) Reunião de Cúpula Mundial da Alimentação Em Roma entre os dias 13 e 17 de novembro de 1996, a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura, FAO, conduziu a Reunião de Cúpula, em resposta à desnutrição generalizada.

12 12 Na pauta, apresentava-se também as preocupações com a capacidade da agricultura para satisfazer as futuras necessidades alimentares da Humanidade (FAO, 1996, online). No decurso de cinco dias as reuniões giraram em torno de altíssimos níveis de debates sobre preocupantes temas humanos, participando representantes de 185 países e a Comunidade Européia. Como resultados da Reunião de Cúpula, aprovaram-se a Declaração e o Plano de Ação sobre Segurança Alimentar Mundial, com o objetivo principal de reduzir a fome em 50% até o final de Além de determinar as medidas adequadas para alcançar a segurança alimentar universal. Fazendo desta reunião referência mundial em resposta à desumana situação de fome, de números elevadíssimos em muitos países, capaz de levar milhares de pessoas, não só à inaptidão de saúde e incapacidade ao trabalho, como à morte. Segundo a Academia de Letras do Brasil, ALB (2009), Este acontecimento histórico, realizado na sede da FAO em Roma, reuniu cerca de participantes e proporcionou um fórum de debate sobre um dos assuntos mais importantes que irão se defrontar os líderes mundiais no novo milênio: a erradicação da fome (online) No site da ALB (www.academialetrasbrasil.org.br) são encontradas iinformações que tratam a respeito da adoção da Declaração de Roma sobre a Segurança Alimentar Mundial e Plano de Ação da Reunião de Cúpula Mundial da Alimentação por 112 chefes de Estado e de Governo ou seus representantes, e por mais de 70 altos representantes de outros países, definindo-se, tal encontro, como uma reunião estratégica mundial, envolvendo, não apenas chefes de Estados como também contou ativamente com representantes de Organizações Intergovernamentais [OIG]; e Organizações Não- Governamentais - ONGs, tendo proporcionado um quadro para introduzir mudanças importantes nas políticas e programas necessários para disponibilizar comida para todos.

13 13 Programas estes que envolvem desde as mais elementares às mais complexas causas da fome, como doenças, guerras, conflitos civis, clima, trabalho, cuidados pré-natal e saneamento básico Seguimento da Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres Sessão Extraordinária das Nações Unidas - Mulheres do Ano 2000 Em 2000 deu-se seguimento sobre a plataforma de ação de Pequim/1995, ficando também conhecida como Pequim + 5. Ocorreu em Nova Yorque, entre 5 e 9 de junho de Ênfase especial foi dada à Igualdade entre Mulheres e Homens, Desenvolvimento e Paz para o Século XXI. Segundo o site (2009) em 15 de dezembro de 2000, na Quarta Cúpula e Quarta Conferência Mundial Sobre a Mulher, realizada em Nova Yorque, entre 5 e 9 de junho, a comunidade internacional reconheceu expressamente que a mulher e o homem viviam em diferentes e desiguais estados de miséria e empobreciam de maneiras diferentes, necessitando ser consideradas tais distinções à compreensão das causas da pobreza, ou mesmo para nortear ações pelos Estados à adoção de medidas para eliminação das condições diferenciadoras. Na ocasião foram detectados diversos fatores a serem combatidos em escala mundial. Fatores estes que continuam impedindo a emancipação econômica da mulher, propiciando a crescente feminização da pobreza, observada ainda em Os principais fatores apontados pelo sítio parlamentoeuropeu (2009) são: (...) a persistência da discriminação das mulheres no mercado de trabalho; a diferença de salários; desigualdade de acesso aos recursos produtivos e de capitais; desigualdade de acesso à educação e a formação; fatores sócio-

14 14 culturais que continuam a influenciar as relações entre gêneros perpetuando a discriminação contra as mulheres (online) Foi reconhecido que a igualdade entre homens e mulheres é essencial para o desenvolvimento social. Ainda, de serem muito lentos os progressos têm no tocante a incorporação de perspectivas de gênero em todas as políticas e programas que visem erradicar a pobreza, proporcionando às mulheres os meios necessários para melhorar sua situação. Apenas com finalidades de facilitação aos pesquisadores, dispomos dados as sucessivas conferências mundiais sobre a Mulher: a 1ª. ocorreu no México, em A 2ª. em Copenhague, Dinamarca, no ano de A 3ª. em Nairobe, Quênia, no ano de A 4ª. considerada a mais importante Conferência Mundial sobre a Mulher, teve como sede Pequim, China, ocorrendo em Duas outras sucessivas a Pequim, se fizeram em Nova Yorque: 4ª.1 Nova Yorque, de 5 a 9 de junho, conhecida como Pequim + 5 e, a 4ª.2, Nova Yorque, de 28 de fevereiro a 11 de março, conhecida como Pequim Maiores aprofundamentos e pesquisas podem se fazer através do sítio: consultado em 13 de março de Reunião de Cúpula Mundial da Alimentação de 1996 Segundo o Relatório da FAO (1996), representantes de 185 países e a Comunidade Européia, se comprometeram na luta para eliminar a fome no Mundo. Como um primeiro passo para o alcance desse objetivo, foi definida a meta de reduzir o número de pessoas famintas pela metade até Reunião de Cúpula Mundial da Alimentação de 2001 Ocorrendo em Roma, entre 10 e 13 de junho de 2001, esta segunda Reunião de Cúpula confirmou o compromisso de reduzir a fome no mundo à metade até 2015 e apelou para a formação de uma aliança internacional para acelerar os esforços para o alcance do

15 15 objetivo. Tal assertiva, segundo a FAO (2001) quando, por foi aprovado por unanimidade uma declaração em que pede à comunidade internacional para cumprir o compromisso assumido quando da primeira Reunião de Cúpula Mundial da Alimentação, de reduzir o número de pessoas famintas para cerca de 400 milhões até A Reunião de Cúpula de Roma de 2001 foi marcada pela presença de delegações de 179 países e pela Comissão Européia - chefiado por 73 chefes de Estado, governo ou seus delegados. A Reunião de Cúpula foi convocada para que um grupo de trabalho intergovernamental elabore diretrizes voluntárias para fazer avançar a implementação do direito à alimentação. Reverter o declínio do orçamento geral dos países em desenvolvimento para a agricultura e o desenvolvimento rural, com a assistência prestada pelos países desenvolvidos, empréstimos de instituições financeiras internacionais e de contribuições voluntárias para o Fundo Fiduciário da FAO para a Segurança Alimentar e Segurança dos Alimentos (FAO, 2001). A Reunião de Cúpula de Roma de 2001 também proporcionou um fórum para os interessados na luta contra a fome, onde participaram os funcionários governamentais, comunidades de agricultores, silvicultores e pescadores, Organizações Não Governamentais [ONGs], a juventude e os grupos indígenas. Muitos atos simultâneos ofereceram oportunidades para que os delegados discutissem temas congruentes à fome, desde o papel da mulher rural na alimentação mundial, às atividades da FAO frente a situações de emergência alimentar. Ainda, foi realizado um encontro de parlamentares, um fórum do setor privado e outro fórum de ONGs e de organizações sociais, paralelamente ao evento oficial. A FAO apresentou durante a Reunião de Cúpula de Roma em 2001 os programas de combate à fome. Também, observou que o dinheiro economizado, reduzindo subsídios,

16 16 poderia pagar parte do programa, que conta com U$ milhões de investimentos públicos adicionais nos países desenvolvidos e em desenvolvimento. Estes fundos, segundo a FAO (2001) seriam utilizados para melhorias para as fazendas, por exemplo: irrigação, sementes melhoradas, conservação da base de recursos naturais para a produção de alimentos, elevação dos serviços de pesquisa e extensão, além de melhorar a infra-estrutura rural e oferecer um melhor acesso aos mercados, bem como dispor de maiores e especiais cuidados às pessoas com condições especiais de necessidade. Este fórum salientou a necessária participação do setor privado para eliminar a fome e sublinhou a importância do desenvolvimento das infra-estruturas e a ausência de conflitos e as lutas de poder. Relevância ao amadurecer das idéias mundiais e organização das estratégias de combate à fome. Segundo a Comissão Econômica para a América Latina (Cepal, 2004) a Reunião de Cúpula de Roma de 2001, objetivou discutir os progressos realizados para eliminar a fome no mundo, havendo sido concebida para acompanhar os progressos realizados desde a Reunião de Cúpula 1996, submetendo formas de acelerar o processo às considerações dos participantes. Segundo a Cepal (2004), o pronunciamento oficial de Jacques Diouf, Diretor Geral da FAO à Reunião de Cúpula de Roma 2001, objetivamente aponta para a necessidade de definições quanto ao incremento da decisão política e dos recursos financeiros para lutar contra a fome: O objetivo deste evento é inculcar novos poderes para os esforços globais para com as pessoas que passam fome. É necessário aumentar os recursos financeiros e políticos para lutar contra a fome. A comunidade internacional tem reiterado o seu compromisso com a erradicação da pobreza. A eliminação da fome é um primeiro passo crítico (online). Os dados de 2001 indicam que o número de pessoas com carências específicas alimentares, por consequência, subnutridas, vem declinando na média de seis milhões por

17 17 ano (FAO, 2001), bem inferior à taxa de 22 milhões de pessoas anualmente, necessária ao alcance da meta da Cúpula Mundial da Alimentação, a qual [meta] objetiva adentrar o ano em 2015 com a metade de pessoas com graves problemas alimentares quando do lançamento da proposta, reduzindo assim, de 800 para 400 milhões o número de pessoas que enquadram-se na condição penúrica de famintos. Caracterizando-se em um crime de proporções internacionais. Embora reconhecendo que alguns países e comunidades tenham conquistado significativos progressos contra a fome, a FAO (2001) destacou que muito ainda resta a ser feito, solicitando que os líderes mundiais definem os passos necessários em seus países para alcançarem o objetivo e sugiram formas de acelerar o processo, dividindo assim, com os Estados membros da ONU, a responsabilidade sobre os ODM. Na mesma reunião, a FAO demonstrou a necessidade de serem apresentadas e submetidas sugestões a serem discutidas e consideradas quanto as formas de serem aumentados os recursos para a agricultura e o desenvolvimento rural Conferência Alimentar Mundial de Roma de 1974 Não obstante, em 1974, 130 países fizeram-se representar na Conferência Alimentar Mundial de Roma. Na ocasião, solenemente assumiram compromissos em relação à Erradicação da fome no Mundo. A meta resultante da Conferência Mundial de Roma fora a erradicação mundial da fome e desnutrição em um período de dez anos. Solene e oficialmente o ano/meta era Contudo, depois de alguns progressos nos 6 anos imediatos ao compromisso, observou-se, isto sim, a partir de 1980, a elevação dos números de fome no mundo. Sobretudo pelo não cumprimento dos acordos e metas propostas em 1974 pelos governos dos 130 Estados participantes (Chonchol, 1987 /1989).

18 Extrato Histórico dos Objetivos do Milênio de 2000 Na Cúpula do Milênio em setembro de 2000, a maior reunião de líderes mundiais na história, segundo o Relatório da FAO (2000), foi adotada a Declaração do Milênio das Nações Unidas, comprometendo suas nações numa parceria global para reduzir a pobreza, melhorar a saúde e promover a paz, os direitos humanos, a igualdade de gênero e a sustentabilidade ambiental. Logo depois, segundo o Relatório da FAO (2002), os líderes mundiais encontraram-se novamente na Conferência Internacional de março de 2002 sobre Financiamento para o Desenvolvimento, em Monterrey, México, estabelecendo um marco de referência para balizar a parceria global de desenvolvimento, no qual os países desenvolvidos e os países em desenvolvimento concordaram em adotar ações conjuntas para reduzir a pobreza. Mais tarde no mesmo ano, os Estados membros das Nações Unidas reuniram-se na Cúpula Mundial sobre o Desenvolvimento Sustentável, em Joanesburgo, África do Sul, onde reafirmaram os Objetivos como as metas de desenvolvimento já aprazadas para o mundo. Mundo este, que mais uma vez, através dos ODM, ao menos em intenções e no papel, propunham a enfrentar a fome Posição em 2008, com Menos Dez anos para o Ano Meta de 2015 Segundo a FAO (2008) o mundo avançou muito na consecução dos Objetivos. Entre 1990 e 2002 a renda total média aumentou em aproximadamente 22 por cento. O número estimado de pessoas vivendo em extrema pobreza diminuiu em 130 milhões. A taxas de mortalidade de crianças menores de 5 anos caíram de 88 mortes por nascidos vivos por ano para 70. A expectativa de vida subiu de 63 anos para quase 65 anos. Nove por cento de pessoas no mundo em desenvolvimento ganharam acesso à água. Quatorze por cento passaram a ter acesso a melhores serviços de saneamento.

19 19 Segundo a FAO (2008) a África Subsaariana é o epicentro da crise. Isto, pela constante insegurança alimentar, crescimento da extrema pobreza, mortalidade materna e de crianças menores de 5 anos extremamente elevada, além de um grande número de pessoas vivendo em assentamentos precários e um atraso generalizado na consecução da maioria dos ODM. Ainda, no mesmo Relatório, observa-se a Ásia como a região com progresso mais rápido, embora centenas de milhões de pessoas permaneçam na extrema pobreza e mesmo os países em crescimento rápido não consigam atingir alguns dos Objetivos não relacionados à renda. Outras regiões constam no Relatório como apresentando situações variadas, notadamente a América Latina, as economias de transição, o Oriente Médio e o Norte da África, freqüentemente com progresso lento ou nenhum progresso em alguns dos Objetivos e desigualdades persistentes que comprometem o progresso em outros. O progresso também tem sido limitado na Ásia Oriental, Sul da Ásia, Ásia Ocidental e Oceania, e a mortalidade continua muito elevada na África Subsaariana Números Sobre a Pobreza e a Fome no Mundo A seguir, identificamos números gerais do ano de 2006 que somam às causas da Fome no Mundo, segundo a equipe editorial do sítio webciencia (2008). Recuperado em 17 de fevereiro de 2009, de O Mundo conta com 1 bilhão de analfabetos; 1,1 bilhão de pessoas vivem na pobreza, destas, 630 milhões são extremamente pobres, cuja renda per capta anual é menor que 275 dólares, o que equivale a 0,75 dólares ao dia, ou 22,6 dólares ao mês;

20 20 Cerca de 1,5 bilhão de pessoas não têm acesso a água potável, ou aproximados 1/4 da humanidade; Aproximados 1 bilhão de pessoas passam fome. Uma para cada três crianças com menos de cinco anos no mundo encontram-se subnutridas, o que corresponde a 150 milhões de crianças com menos de 5 anos de idade. Destas, 12,9 milhões de crianças morrem a cada ano antes de completar 5 anos de vida (online). Passemos ao estudo e conhecimento de mais números voltados à relação existente sobre população e extrema pobreza no mundo entre 1980 e O mundo contava em 1980 com uma população na ordem de 3,4 bilhões de pessoas (Chonchol, ) chegando à ordem de milhões os que viviam sob o rótulo da má nutrição. As cifras da FAO citada por Chonchol (1980) mostram que haviam 450 milhões de pessoas no mundo com um consumo alimentício diário inferior às suas necessidades vitais. Estudos realizados pela International Food Policy Research Institute de Washington, também citada por Chochol (1980), estimou-se que os subalimentados permanentes em 1980 chegavam à 900 milhões entre homens, mulheres e crianças. Em 2008 segundo a FAO (2008) a População Mundial é 6,5 bilhões de pessoas, dentre as quais, 923 milhões vivem em estado de extrema pobreza. Segundo o World POPClock Projection (2009) o mundo em abril de 2008 contava com de habitantes. Já o US Census Bureau (2008) órgão do governo dos EUA que faz a contagem populacional interna e estimativas sobre a população mundial, em maio de 2008, se chegaria a marca de pessoas sobre o planeta. O Bird e FMI, afirmam, segundo a Agência Brasil (2009), entidade governamental brasileira, que em decorrência da crise mundial americana, 55 milhões de pessoas no mundo serão levadas à condição de extrema pobreza.

21 21 Assim, alcança-se uma visão inicial sobre a evolução do pensamento mundial de combate a fome. Suficiente e plausível ao convencimento e convicção, sob os dados apresentados, que existe a consciência por parte das autoridades internacionais sobre a grandiosidade da miséria mundial humana. Somado-se à consciência e buscas de pesquisadores como Chonchol (1985), à identificação e análise das principais causas da fome no mundo. Sobretudo em busca da multiplicação de seus conhecimentos e experiência, objetivando a evolução do pensamento e métodos em combate a esta miséria humana Identificação das Principais Causas da Fome no Mundo Sob o tema supra são reunidas informações sobre as Causas Naturais e Humanas da Fome no Mundo, fundamentando-se em instituições e autores que por suas trajetórias se fazem cientificamente confiáveis. Sobretudo são embasas em informações de fontes primárias, devido as comuns distorções observadas em fontes secundárias, seguindo as recomendações técnicas normatizadoras da Américan Psychological Association [APA] 2009) adaptadas e instituídas pela (Universidad Autónoma de Asunción [UAA] 2009) Causas da Fome Encontramos unanimidade sobre as principais causas da fome na visão dos estudiosos pesquisados, dentre os quais, o alemão, natural de Neurippin, humanista, teólogo, médico e advogado Fritz Baade (1956/1963) em seu livro: Economia Mundial da Alimentação (1973), aponta também para os dois grandes grupos, naturais e humanas, como responsáveis pela fome no mundo. Ganhando, em Hudson (1989), subdivisões Causas Naturais São apontadas como as principais causas naturais, por Hudson (1989), o clima; secas; inundações; terremotos; pragas e, enfermidades de plantas.

22 Causas Humanas Segundo a ALB (2009), as Causas Humanas, responsáveis pela fome, são muitas, interagindo umas sobre as outras reciprocamente. Algumas têm imediata repercussão sobre as demais. Existindo assim, segundo a ALB, aquelas que exercem maior influência desencadeante quando deflagradas. Como exemplo, encontramos as Guerras e as Catástrofes Naturais. Estas, por sua vez, quando presentes, ganham rápido reforço das demais causas, multiplicando-se rapidamente a fome, pela incidência sob diversas frentes. Existe uma grande complexidade na relação entre as Causas da Fome. Por exemplo, segundo a ALB (2009), ao apontar-se a Causa Guerra, como uma, entre as principais causas humanas, haverá de ser admitido, concomitantemente, um motivo desencadeante, ou seja, uma nova causa que a originou, a qual, comumente encontrar-se-á fundamentada em interesses políticos, o que se apresenta como a causa da causa da causa. E ao aprofundar-se um pouco mais no tema, observar-se-á que esta causa, interesses políticos, conta suas bases, com circunstâncias de disputas econômicas e territoriais, o que mais uma vez redirecionará as pesquisas a um novo fator determinante, que também deverá ser considerado como causa. Contudo, neste momento, antes de um aprofundamento maior, aponte-se outras entre as principais causas humanas da fome no mundo, excetuando-se aquelas as já citadas: Recursos Naturais; Conflitos Civis; Acesso aos Recursos e Meios de Produção; Planificação Agrícola; Estruturas Fundiárias; Destruição de Colheitas; Bloqueios Econômicos; Endividamento dos Países mais Pobres; Cultura; Fome Crônica e Desnutrição; Pobreza; Fome Moderada; Políticas Agrárias; Demografia; Causas Naturais e Sociais; Petróleo; Biocombustíveis; Instabilidade Política; Planos Econômicos Falhos; Proliferação de Vírus; Doenças; Dependência Econômica; Cereais Destinados à Alimentação Animal; Desperdício de Alimentos (ALB, 2009).

23 23 Certamente não esgotam-se as principais causas da fome no mundo, bastando a proposição de avançar um pouco mais e novas causas se apresentam, como o fator idade avançada, em idosos, apresentado-se com significativos percentuais de manifestações da desnutrição. Isto ocorrendo, nesta causa em especial, mesmo diante a recursos financeiros fartos. Mas, isto sim, pela distância de familiares que se lhes preparem alimentos e ou mesmo que lhes sirva. Não obstante, que auxiliem o idoso a levar à boca os alimentos (Hudson, 1989). Avance-se ao estudo isolado das Causas da Fome no Mundo. Ainda que sempre presente se faça a possibilidade de ser constatado ao longo das pesquisas ora incursionadas, algumas para as quais aponta-se inicialmente dentre as principais causas naturais e ou humanas da fome, não venham a firmarem-se, exigindo sua refutação Estudos das Causas Humanas Sobre o tema Causas Humanas, são utilizadas publicações disponíveis no sítio (www.academialetrasbrasil.org.br), endereço este, oficial da Academia de Letras do Brasil (ALB, 2009), apontando para estas, sobretudo em sua variável política, perfazendo um elo entre variáveis interdependentes, iniciando pela improbidade administrativa que dá margem aos desvios de recursos e instabilidades econômicas. Diante aos desvios econômicos, propiciados pela má administração, havemos de observar, segundo o mesmo sítio e ano supra, da ALB, resultados repercutirem-se na falta de recursos a serem aplicados em programas de desenvolvimentos e também sociais, enfraquecendo-se os estímulos e incentivos à produção interna, fonte de divisas quando utilizados os excedentes ao comércio internacional. Desdobrando-se necessariamente, em maior empobrecimento das classes menos privilegiadas da população e falta de alimentos; rotulando-se o país como de alto risco aos investimentos dos mercados internacionais.

24 24 Na falta de investidores e capitais externos, são elevados os juros, objetivando desaquecer a economia, com consequente diminuição de acesso das populações aos alimentos e demais gêneros de consumo, o que refletirá na elevação dos índices da miséria e fome. Este tema, além da fonte supra citada, encontra sustentação e fundamentação em discussões na disciplina de Economia Internacional, ministrada pelo Prof. Dr. Fábiam Alejandro Monges Ojeda I Macedo (2008, julho) titular da cadeira no curso de Mestrado em Relações Internacionais da Universidad Autónoma de Asunción, Paraguay. Segundo a ALB (2008) como Causas da Fome, ainda sob o paradigma políticoadministrativo deficitário, onde são observadas a corrupção e improbidade política e administrativa, leva a um sucateamento dos serviços essenciais de educação, saúde e transportes; estagnação do desenvolvimento científico e tecnológico, com elevação do número de mortes por falta de acesso a alimentos e saúde, além da elevação dos sem teto pela falta de investidores no sistema imobiliário e consequente falta de linha popular de crédito à aquisição da casa própria. O enriquecimento de minorias políticas por crimes de corrupção, ainda segundo a ALB (2009) resulta na manipulação e manutenção do poder, reproduzindo-se pelas populações em corrupções em menores proporções. Porém, generalizadas, seguindo o exemplo dos governantes, registrando-se paralelamente a elevação de furtos e aumento da criminalidade por desrespeito em confrontação com a corrupção política. A elevação das necessidades estruturais policiais e a descredibilidade generalizada na justiça, são pontos também destacados pela ALB (2009). Sob as bases supra, firma-se e eleva-se a descredibilidade na justiça, por permitir ou dar margem a continuidade da corrupção pela falta de critérios seletivos ao acesso dos políticos corruptos ao poder. Como bem se pode observar, como exemplo, o Brasil, evidenciando-se a corrupção publicamente no Governo Collor de Mello, com redução no

25 25 Governo Fernando Henrique Cardoso, voltando a acentuar-se no governo Lula da Silva, a partir dos anos 2002 (ALB, 2009). No mesmo sítio, referindo-se a má política administrativa, sob o contexto maior de Causas Humanas, encontra-se também a administração dos Recursos Naturais Recursos Naturais Quando da ineficácia na utilização dos recursos naturais ou por suas más administrações e ou mesmo por interesses econômicos em suas explorações, resultam também em fome, o que soma às causas de sua origem (Velázquez, 2007) Guerras As guerras, como causas que somam a disseminação da Fome, são motivadas por ambições territoriais, domínios econômicos, submissão de sistemas, distúrbios mentais de líderes, ideologias, entre outras razões, que somados seus resultados determinam desorganizações dos sistemas produtivos, de comércio e distribuição dos alimentos, além do sucateamento dos meios de produção. Daí, a elevação do número de necessitados, tanto por mutilações, incapacitando-os ao trabalho, como pela geração de órfãos e ou mesmo por distúrbios e neuroses provenientes de conflitos existenciais, decorrentes dos horrores da guerra. A dita simples coleta de lixo, em sua ausência, soma-se decisivamente à desordem e proliferação de doenças, superlotando e incapacitando os sistemas de saúde (Hudson, 1989) Conflitos Civis Os conflitos civis são motivados por desorganização interna dos países, ainda, por governos autoritários e corruptos, sistemas e regimes conflitantes com os interesses populares, ideais de independência por grupos insatisfeitos com os respectivos governos, divergências religiosas, interesses sobre terras e demarcações autoritárias sem a observância de fatores

26 26 históricos relacionados à posse, direito de propriedade e utilização produtiva das terras, resultando em mortes e elevação do número de necessitados (Robles Tejada, 2000) Acesso aos Recursos e Meios de Produção Sejam trabalhadores rurais, sem-terras ou mesmo populações, diante a falta de acesso aos recursos e meios de produção, são colocados em condições de precariedade subsistencial, somando-se como causas da fome Planificação Agrícola Na falta ou se deficiente a planificação agrícola, são observados resultados em mais fome e distanciamentos sociais. Segundo a ALB (2009), não se encontra, a priori, nos sistemas de buscas, quaisquer referências a planificações de Municípios, Estados ou Nações, no tocante a distribuição geográfica de produção de alimentos por região de seu natural desenvolvimento agrícola, excetuando-se as hortaliças, por exigirem sempre cuidados especiais. Mas, isto sim, cereais, tubérculos e frutas. Se no Norte do Brasil, Roraima, são encontradas pupunha, jaca, maracujá, caju, buriti, carambola, jambo, açaí, manga, pinha, goiaba, acerola, taperebá, limão, cacau, graviola, mamão, mandioca, arroz, banana, coco, abacaxi, desenvolvendo-se naturalmente, sem auxílio de agrotóxicos e fertilizantes, enquanto no sul, em regiões específicas, encontra-se naturalmente a laranja, bergamota, butiá, banana, uva, ameixa, pêssego, goiaba, araçá, amora, pêra, maçã, pitanga, abacate, jabuticaba, mandioca, limão, marmelo, mamão, melão, morango, pinha, romã, batata doce, pinhão, amendoim, entre outras frutas que facilmente se desenvolvem em determinadas regiões, podendo ser encontradas no sítio: (www.colegiosaofrancisco.com.br) premissa esta capaz de nos proporcionar uma visão de mundo, onde em suas regiões, plantas e sementes adaptem-se naturalmente, com super produções de alimentos. Da mesma forma em cada

27 27 Estado. Uma divisão por região agrícola de potencial de produção, com posteriores trocas e exportações das colheitas que excedam às necessidades internas, significa planejamento, isto sim, produção alimentar Estruturas Fundiárias A má distribuição de áreas produtivas e a concentração por poucos, aproximados 10% apenas das populações mundiais, sobre os bens de produção, são também fatores determinantes à motivação de mais fome e desequilíbrios sociais (Chonchol, 1985) Destruição de Colheitas Observância especial deve-se à destruição de colheitas, como causa consciente de geração de fome em detrimento a manutenção de economias, com fim na manipulação dos preços e lucros pessoais. Práticas estas observáveis por grandes empresários agrícolas, comumente orientados por políticas oficiais de governo (Chonchol, 1985) Bloqueios Econômicos Os bloqueios e sansões econômicas, comuns aos cidadãos por imposições dos governos como forma coercitiva de capitação de impostos e ou por empresas à garantia manutenção dos volumes financeiros acumulados, e ou mesmo àqueles praticados pelos países contra os Estados e estes contra os municípios e não obstante todos estes contra os trabalhadores, para exigir-lhes responsabilidades, somam-se todos as causas da fome. Sobretudo quando impostos por sistemas internacionais como medidas de retaliação política a uma Nação. Os resultados se refletem como diminuição da alimentação das populações trabalhadoras, sem no entanto atingir a mesa dos governantes, seus familiares e grupos próximos.

28 Endividamento dos Países mais Pobres Não apenas os países, mas também os cidadãos, empresas, indústrias, municípios e Estados, haverão de pagar juros e dividendos aos donos do capital, restringindo o alcance de suas ações, a quantidade e a qualidade dos alimentos que consome. Aos países endividados, restará o pagamento de dívidas em detrimento à produção (ALB, 2009) Cultura Culturalmente, segundo a ALB (2009), como causas da fome, observa-se a influência de hábitos errôneos alimentares, muitos impostos pela mídia a serviço e interesse de multinacionais, capazes de manipular a vontade humana por força de rótulos e mesmo formação de hábitos de seus interesses. Uma das formas como isto ocorre, se faz a partir da doação de alimentos por um determinado período, para posteriormente usufruir a preferência forjada pela dependência, com imposição de preços, tanto pela venda dos produtos alimentares, quanto pela transferência de tecnologias e meios de produção Análise da Fome Sob Aspectos de Geração Humana Segundo o sítio da ALB (2009), não é incomum atribuir-se ao crescimento populacional a responsabilidade pela existência da fome, Malthus assim o fez. Da mesma forma, às adversidades do clima e do solo. Apesar da responsabilidade que pesa sobre todos os seres no tocante a fome no mundo, e a assertiva da significativa influência destas variáveis sobre a questão da fome, apresentam-se de forma a reduzir o problema, acomodando em parte as populações, para que não pensem. Assim, não exercem pressão sobre os governos, permitindo-lhes o exercício do poder sem um comprometimento maior. Dessa forma, são ofuscadas ou ocultas outras variáveis, com não menos complexidades de contundentes efeitos de manutenção e elevação da fome no mundo (Hudson, 1989).

alfabetizaçãocomoliberdade

alfabetizaçãocomoliberdade alfabetizaçãocomoliberdade 53 A DÉCADA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A ALFABETIZAÇÃO: EDUCAÇÃO PARA TODOS Plano de Ação Internacional; Implementação da Resolução nº 56/116, da Assembléia Geral.Relatório do Secretário-Geral

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA REGIONAL DE

1ª CONFERÊNCIA REGIONAL DE PROJETO ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL SUSTENTÁVEL DO VALE DO RIBEIRA E IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS PRIORITÁRIOS 1ª CONFERÊNCIA REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL SUSTENTÁVEL

Leia mais

Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago

Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago Segunda Cúpula das Américas Santiago, Chile, 18 e 19 de abril de 1998 Segunda Cúpula das Américas Declaração de Santiago O seguinte documento é o texto completo da Declaração de Santiago assinada pelos

Leia mais

Declaração da Cidade de Quebec

Declaração da Cidade de Quebec Declaração da Cidade de Quebec Nós, os Chefes de Estado e de Governo das Américas, eleitos democraticamente, nos reunimos na Cidade de Quebec, na III Cúpula, para renovar nosso compromisso em favor da

Leia mais

Segunda Cúpula das Américas Plano de Ação

Segunda Cúpula das Américas Plano de Ação Segunda Cúpula das Américas Santiago, Chile, 18 e 19 de Abril de 1998 Segunda Cúpula das Américas Plano de Ação O seguinte documento é o texto completo do Plano de Ação assinada pelos Chefes de Estado

Leia mais

CONVOCATÓRIA. II Conferência Internacional Com Todos e para o Bem de Todos

CONVOCATÓRIA. II Conferência Internacional Com Todos e para o Bem de Todos CONVOCATÓRIA II Conferência Internacional Com Todos e para o Bem de Todos O programa mundial de atividades em homenagem a José Martí por ocasião do seu 160º aniversário natalício abre imensas possibilidades

Leia mais

SUMÁRIO. Introdução. Preâmbulo. I. Requisitos para a igualdade de participação. Norma 1. Conscientização. Cuidados médicos. Norma 2. Norma 3.

SUMÁRIO. Introdução. Preâmbulo. I. Requisitos para a igualdade de participação. Norma 1. Conscientização. Cuidados médicos. Norma 2. Norma 3. Normas sobre a Equiparação de Oportunidades para Pessoas com Deficiência Parte 1 As normas sobre equiparação de oportunidades para pessoas com deficiência foram adotadas pela Assembléia Geral das Nações

Leia mais

8 Jeitos de Mudar o Mundo

8 Jeitos de Mudar o Mundo 8 Jeitos de Mudar o Mundo No dia 8 de setembro de 2000, a Organização das Nações Unidas (ONU) sintetizou uma série de acordos internacionais firmados em diversas cúpulas mundiais e desenvolveu a Declaração

Leia mais

Desenvolvimento Local com Justiça Social: Uma Estratégia Alternativa de Combate à Pobreza em Angola.

Desenvolvimento Local com Justiça Social: Uma Estratégia Alternativa de Combate à Pobreza em Angola. Desenvolvimento Local com Justiça Social: Uma Estratégia Alternativa de Combate à Pobreza em Angola.. Introdução Um projeto de desenvolvimento que priorize o combate à pobreza não pode se limitar ao desejo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 54 Discurso na apresentação dos resultados

Leia mais

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007 Conteúdo e desafios Os Tratados Tratado de Paris (CECA) 18 de Abril de 1951 Tratados de Roma (CEE e CEEA) 25 de Março de 1957 Acto Único Europeu 17 de Fevereiro 1986

Leia mais

14/12/2005 DECLARAÇÃO CONJUNTA DOS PRESIDENTES DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E DA REPÚBLICA DA COLÔMBIA

14/12/2005 DECLARAÇÃO CONJUNTA DOS PRESIDENTES DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E DA REPÚBLICA DA COLÔMBIA 14/12/2005 DECLARAÇÃO CONJUNTA DOS PRESIDENTES DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E DA REPÚBLICA DA COLÔMBIA (Colômbia, 14 de dezembro de 2005) Atendendo ao convite formulado pelo Senhor Presidente da República

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA EMPRESA LUZ E FORÇA SANTA MARIA S/A

CÓDIGO DE ÉTICA DA EMPRESA LUZ E FORÇA SANTA MARIA S/A CÓDIGO DE ÉTICA DA EMPRESA LUZ E FORÇA SANTA MARIA S/A O código de ética da Empresa Luz e Força Santa Maria S/A contempla as seguintes partes interessadas: empregados, fornecedores, meio ambiente, consumidores

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável nas Terras

Desenvolvimento Sustentável nas Terras Seminário Internacional Promovendo o Desenvolvimento Sustentável nas Terras Secas Africanas 2/11/2011 1 Desenvolvimento Sustentável Individuais Autonomia Atendimento das necessidades sociais da gerações

Leia mais

Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais

Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais Seminário Internacional sobre Governabilidade Democrática e Igualdade de Gênero CEPAL - Santiago do Chile 1-2 de dezembro de 2004 Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais Gostaria inicialmente

Leia mais

A Década das Nações Unidas para a Educação em Matéria de Direitos Humanos 1995 2004

A Década das Nações Unidas para a Educação em Matéria de Direitos Humanos 1995 2004 N Ú M E R O I Série Década das Nações Unidas para a Educação em matéria de Direitos Humanos 1995 2004 DIREITOS HUMANOS A Década das Nações Unidas para a Educação em Matéria de Direitos Humanos 1995 2004

Leia mais

ENCONTROS E ACORDOS INTERNACIONAIS: IMPLICAÇÕES NA PRÁTICA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E GESTÃO AMBIENTAL

ENCONTROS E ACORDOS INTERNACIONAIS: IMPLICAÇÕES NA PRÁTICA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E GESTÃO AMBIENTAL DELOS Desarrollo Local Sostenible. Grupo Eumed.net y Red Académica Iberoamericana Local Global Vol 3, Nº 9 www.eumed.net/rev/delos/09/ ENCONTROS E ACORDOS INTERNACIONAIS: IMPLICAÇÕES NA PRÁTICA DA RESPONSABILIDADE

Leia mais

Mapa 1 Proporção da população que reside em domicílios urbanos com irregularidade fundiária, por UF - 2003 (em %)

Mapa 1 Proporção da população que reside em domicílios urbanos com irregularidade fundiária, por UF - 2003 (em %) amoradia é um dos principais determinantes da qualidade de vida da população de um país. Todas as pessoas necessitam de uma habitação que lhes assegure um isolamento do meio natural, protegendo do frio,

Leia mais

A EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NO CURRÍCULO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE MANAUS/AMAZONAS

A EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NO CURRÍCULO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE MANAUS/AMAZONAS A EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NO CURRÍCULO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE MANAUS/AMAZONAS Adriana Teixeira Gomes Jediã Ferreira Lima Rosana Marques de Souza Secretaria

Leia mais

Trabalho infantil em Pelotas: perfil ocupacional e contribuição à economia

Trabalho infantil em Pelotas: perfil ocupacional e contribuição à economia Universidade Federal de Pelotas Departamento de Medicina Social Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia Trabalho infantil em Pelotas: perfil ocupacional e contribuição à economia Luiz Augusto Facchini

Leia mais

Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes. Resenha Desenvolvimento

Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes. Resenha Desenvolvimento Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes Resenha Desenvolvimento Luiz Fernando Neiva Liboreiro 14 de dezembro de 2006 Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes Resenha Desenvolvimento Luiz Fernando

Leia mais

INTRODUÇÃO A RELEVÂNCIA DOS BRICS

INTRODUÇÃO A RELEVÂNCIA DOS BRICS INTRODUÇÃO Entre os dias 04 e 06 de junho de 2012, a cidade do Rio de Janeiro sediará a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), durante a qual entidades da sociedade civil

Leia mais

Profa. Dra. Ana Maria Klein UNESP/São José do Rio Preto anaklein@ibilce.unesp.br

Profa. Dra. Ana Maria Klein UNESP/São José do Rio Preto anaklein@ibilce.unesp.br Profa. Dra. Ana Maria Klein UNESP/São José do Rio Preto anaklein@ibilce.unesp.br 3º Seminário de Proteção Escolar / Secretaria da Educação 20 e 21 de agosto de 2014 / Serra Negra 1 Diferenças culturais

Leia mais

Primeira Reunião de Cúpula das Américas Declaração de Princípios

Primeira Reunião de Cúpula das Américas Declaração de Princípios Primeira Reunião de Cúpula das Américas Declaração de Princípios A seguir inclui-se o texto completo da Declaração de Princípios assinada pelos os Chefes de Estado e de Governo que participaram da Primeira

Leia mais

DECLARAÇÃO DE INTENÇÕES ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL,

DECLARAÇÃO DE INTENÇÕES ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, DECLARAÇÃO DE INTENÇÕES ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, O GOVERNO DA REPÚBLICA DE ANGOLA, O GOVERNO DA REPÚBLICA DE CABO VERDE, O GOVERNO DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE E A ORGANIZAÇÃO DAS

Leia mais

III FORO PARLAMENTAR IBERO-AMERICANO Declaração Final

III FORO PARLAMENTAR IBERO-AMERICANO Declaração Final III FORO PARLAMENTAR IBERO-AMERICANO Declaração Final Os Parlamentares da Comunidade Ibero-Americana, reunidos em Valparaíso, República do Chile, no III Foro Parlamentar Ibero-Americano, nos dias 11 e

Leia mais

ANO INTERNACIONAL DA JUVENTUDE

ANO INTERNACIONAL DA JUVENTUDE Os Jovens merecem um grande compromisso da nossa parte: acesso pleno à educação, atenção adequada na saúde, oportunidades de emprego e participação plena na vida pública. Ban Ki-moon Secretário Geral das

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO BÁSICA

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO BÁSICA GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO BÁSICA ORIENTAÇÕES BÁSICAS À GESTÃO MUNICIPAL: ORGANIZAÇÃO DA CONFÊRENCIA

Leia mais

COMUNICADO À IMPRENSA EMBARGADO ATÉ AS 17 HORAS DE 14 DE FEVEREIRO DE 2001

COMUNICADO À IMPRENSA EMBARGADO ATÉ AS 17 HORAS DE 14 DE FEVEREIRO DE 2001 Para obter mais informações, entre em contato com: COMUNICADO À IMPRENSA EMBARGADO ATÉ AS 17 HORAS DE 14 DE FEVEREIRO DE 2001 Michael Rubinstein (202) 862-5670 / m.rubinstein@cgiar.org Adlai J. Amor Mobile:

Leia mais

PJ 75/14. 1. o setembro 2014 Original: francês. Comitê de Projetos 8. a reunião 22 setembro 2014 Londres, Reino Unido

PJ 75/14. 1. o setembro 2014 Original: francês. Comitê de Projetos 8. a reunião 22 setembro 2014 Londres, Reino Unido PJ 75/14 1. o setembro 2014 Original: francês P Comitê de Projetos 8. a reunião 22 setembro 2014 Londres, Reino Unido Orientação para a apresentação de projetos pleiteando apoio financeiro para atividades

Leia mais

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA 1 Outubro 2009 ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA Fernando Raphael Ferro de Lima * INTRODUÇÃO Este trabalho busca compreender como se modificaram, no período recente, os fluxos internos

Leia mais

O USO DA TECNOLOGIA DE SIMULAÇÃO NA PRÁTICA DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR

O USO DA TECNOLOGIA DE SIMULAÇÃO NA PRÁTICA DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR 1 O USO DA TECNOLOGIA DE SIMULAÇÃO NA PRÁTICA DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR Renato Fares Khalil (Universidade Católica de Santos UNISANTOS) (Mestrado em Educação renato.khalil@unisantos.br) Orientadora: Profa.

Leia mais

presidente Brasil Por Nízea Coelho

presidente Brasil Por Nízea Coelho a PRIMEIRA presidente do Brasil Por Nízea Coelho 1 Lula é um fenômeno no mundo Historiador, mestre e futuro doutor. Este é Leandro Pereira Gonçalves, professor de História do Centro de Ensino Superior

Leia mais

É POSSIVEL CONSTRUIR A CIDADANIA ATRAVÉS DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FISCAL? Dirce Maria Martinello 1, Edes Marcondes do Nascimento 2

É POSSIVEL CONSTRUIR A CIDADANIA ATRAVÉS DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FISCAL? Dirce Maria Martinello 1, Edes Marcondes do Nascimento 2 É POSSIVEL CONSTRUIR A CIDADANIA ATRAVÉS DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FISCAL? Dirce Maria Martinello 1, Edes Marcondes do Nascimento 2 RESUMO Este artigo objetiva pensar de forma crítica, as possíveis razões

Leia mais

Mulheres por mais segurança e qualidade de vida. Direito à Terra, Moradia Digna e Infraestrutura Social. Eixo 7

Mulheres por mais segurança e qualidade de vida. Direito à Terra, Moradia Digna e Infraestrutura Social. Eixo 7 Nosso Plano em Ação Conhecendo, Divulgando, Aplicando o IIPNPM Eixo 7 Direito à Terra, Moradia Digna e Infraestrutura Social Nos Meios Rural e Urbano, Considerando as Comunidades Tradicionais Mulheres

Leia mais

CARTA DE VITÓRIA PELO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

CARTA DE VITÓRIA PELO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL CARTA DE VITÓRIA PELO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL I. Introdução: Desde a Conferência RIO-92 diversas propostas foram discutidas e formuladas com um crescente conhecimento científico sobre a real condição

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE PSICOLOGIA

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE PSICOLOGIA CONSELHO DO DA UnB SE POSICIONA CONTRA A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL O Conselho do (CIP/UnB) da, instância máxima do Curso de Psicologia (graduação e pós-graduação), em Reunião Ordinária de 23 de junho

Leia mais

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL A Amnistia Internacional Portugal defende a manutenção Formação Cívica nos 2.º

Leia mais

1. Introdução. Igor Arsky 1

1. Introdução. Igor Arsky 1 A sustentabilidade dos programas e políticas públicas de captação e manejo de água de chuva para a garantia da soberania e segurança alimentar no semi-árido brasileiro. Igor Arsky 1 1 Coordenador do Programa

Leia mais

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO [25] TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO Entendendo que: 1. O sistema sócio-econômico e político internacionalmente dominante, ao qual se articula o modelo industrial de produção agrícola e

Leia mais

15071/15 ip/arg 1 DG B 3A

15071/15 ip/arg 1 DG B 3A Conselho da União Europeia Bruxelas, 7 de dezembro de 2015 15071/15 SOC 711 EMPL 464 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: Secretariado Geral do Conselho data: 7 de dezembro de 2015 para: Delegações n.º doc. ant.:

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

Equitativa, inclusiva e livre: Uma atualização das políticas e sessão de informação sobre a educação de qualidade para além de 2015

Equitativa, inclusiva e livre: Uma atualização das políticas e sessão de informação sobre a educação de qualidade para além de 2015 Equitativa, inclusiva e livre: Uma atualização das políticas e sessão de informação sobre a educação de qualidade para além de 2015 Uma visão coletiva Impulsionados por uma visão comum do direito à educação

Leia mais

SAÚDE, AMBIENTE E TRABALHO SAÚDE E AMBIENTE: ABORDAGENS INTEGRADAS MFKUHN@TERRA.COM.BR

SAÚDE, AMBIENTE E TRABALHO SAÚDE E AMBIENTE: ABORDAGENS INTEGRADAS MFKUHN@TERRA.COM.BR SAÚDE, AMBIENTE E TRABALHO SAÚDE E AMBIENTE: ABORDAGENS INTEGRADAS MFKUHN@TERRA.COM.BR As ações de promoção à saúde territorialmente integrada ao ambiente só se efetivam mediante um trabalho local em direção

Leia mais

DINÂMICA DEMOGRÁFICA DO BRASIL

DINÂMICA DEMOGRÁFICA DO BRASIL DINÂMICA DEMOGRÁFICA DO BRASIL A análise da dinâmica demográfica do Brasil, apresenta a seguinte divisão: 1. CRESCIMENTO VEGETATIVO: diferença entre o número de nascidos e de mortos em um dado período.

Leia mais

MEMORANDUM 2014 ELEIÇÕES EUROPEIAS

MEMORANDUM 2014 ELEIÇÕES EUROPEIAS MEMORANDUM 2014 ELEIÇÕES EUROPEIAS A Importância da Economia Social Economia social é uma realidade muito importante na Europa, proporcionando emprego remunerado a mais de 14,5 milhões de europeus que

Leia mais

Melo e, posteriormente, do Presidente Fernando Henrique Cardoso a reformular sua atuação de forma a atender as exigências postas por organismos

Melo e, posteriormente, do Presidente Fernando Henrique Cardoso a reformular sua atuação de forma a atender as exigências postas por organismos 1 Introdução O presente trabalho representa o resultado de uma pesquisa realizada, no ano 2002, junto a alguns cursos do Programa Capacitação Solidária (PCS) na Região Metropolitana do Rio de Janeiro,

Leia mais

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO GABARITO DAS QUESTÕES DE SOCIOLOGIA Estudante: Turma: Data:

Leia mais

OS LIMITES DO CRESCIMENTO ECONÔMICO

OS LIMITES DO CRESCIMENTO ECONÔMICO OS LIMITES DO CRESCIMENTO ECONÔMICO A tradicional receita econômica, numa visão simplista, de curtissímo prazo, tem sido clara: para acabar com a pobreza, distribuir renda e gerar empregos, basta fazer

Leia mais

Disposições Preliminares do DIREITO DO IDOSO

Disposições Preliminares do DIREITO DO IDOSO Disposições Preliminares do DIREITO DO IDOSO LESSA CURSOS PREPARATÓRIOS CAPÍTULO 1 O ESTATUTO DO IDOSO O Estatuto do Idoso - Lei 10.741/2003, é o diploma legal que tutela e protege, através de um conjunto

Leia mais

A SOCIEDADE E O MEIO AMBIENTE

A SOCIEDADE E O MEIO AMBIENTE INTRODUÇÃO A SOCIEDADE E O MEIO AMBIENTE Tomando-se como base o texto de Ferreira (1999) 1, neste material apresentam-se algumas questões que circundam o debate do ambientalismo, especialmente quando pensado

Leia mais

Vera Lúcia Castro Jaguariúna, novembro 2005.

Vera Lúcia Castro Jaguariúna, novembro 2005. HORIZONTES DA AVALIAÇÃO NEUROTOXICOLÓGICA DE AGROQUÍMICOS Vera Lúcia Castro Jaguariúna, novembro 2005. Uma vez que a neurotoxicidade contribui para vários distúrbios mentais e neurológicos é cada vez mais

Leia mais

1. Alguém no Brasil acaba pagando a conta: Os salários dos parlamentares

1. Alguém no Brasil acaba pagando a conta: Os salários dos parlamentares 1. Alguém no Brasil acaba pagando a conta: Os salários dos parlamentares Gerhard Erich Boehme boehme@folha.com.br boehme@globo.com boehme@r7.com http://gboehme.blogspot.com/ O brasileiro é inimigo do Brasil,

Leia mais

LEI Nº 3.219, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006

LEI Nº 3.219, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 LEI Nº 3.219, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Meio Ambiente, dá outras providências sobre o Fundo Municipal de Meio Ambiente, revoga e altera disposições indicadas

Leia mais

Pobreza e Exclusão Social

Pobreza e Exclusão Social Pobreza e Exclusão Social Fontes de Informação Sociológica Carlos Ramos Coimbra, 2010 Ficha Técnica Titulo: Pobreza, Exclusão Social e Integração Este trabalho foi elaborado por Carlos Miguel Pereira Ramos,

Leia mais

Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro...

Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro... Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro...enquanto os líderes mundiais se preparam para um encontro em Nova York ainda este mês para discutir o progresso dos Objetivos de Desenvolvimento do

Leia mais

Desenvolvimento e inclusão social

Desenvolvimento e inclusão social ECONOMIA Desenvolvimento e inclusão social Apobreza e a desigualdade social na América Latina é um tema de preocupação crescente entre gestores sociais, dirigentes de empresas e instituições sensíveis

Leia mais

Capítulo 1 PREÂMBULO

Capítulo 1 PREÂMBULO Capítulo 1 PREÂMBULO 1.1. A humanidade se encontra em um momento de definição histórica. Defrontamo-nos com a perpetuação das disparidades existentes entre as nações e no interior delas, o agravamento

Leia mais

INCLUSÃO DA DISCIPLINA DE TÉCNICAS DE ENTREVISTA PARA O CURSO TÉCNICO DE SEGURANÇA PÚBLICA CTSP

INCLUSÃO DA DISCIPLINA DE TÉCNICAS DE ENTREVISTA PARA O CURSO TÉCNICO DE SEGURANÇA PÚBLICA CTSP 1 INCLUSÃO DA DISCIPLINA DE TÉCNICAS DE ENTREVISTA PARA O CURSO TÉCNICO DE SEGURANÇA PÚBLICA CTSP Túlio Ricardo Alarcon 1 RESUMO: A presente pesquisa focou-se na objetividade de permear as lacunas do treinamento

Leia mais

São aquelas que exploram a capacidade do solo por meio do. cultivo da terra, da criação de animais e da

São aquelas que exploram a capacidade do solo por meio do. cultivo da terra, da criação de animais e da 1 São aquelas que exploram a capacidade do solo por meio do cultivo da terra, da criação de animais e da transformação de determinados produtos agropecuários com vistas à obtenção de produtos que venham

Leia mais

Pronunciamento da Deputada Telma de Souza no dia 09 de Agosto de 2005 Breves Comunicações. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Parlamentares

Pronunciamento da Deputada Telma de Souza no dia 09 de Agosto de 2005 Breves Comunicações. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Parlamentares Pronunciamento da Deputada Telma de Souza no dia 09 de Agosto de 2005 Breves Comunicações Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Parlamentares Para dar ciência à Câmara Federal, solicitando sua transcrição

Leia mais

Seguridade Social e Dívida Pública Maria Lucia Fattorelli i

Seguridade Social e Dívida Pública Maria Lucia Fattorelli i Seguridade Social e Dívida Pública Maria Lucia Fattorelli i Uma das mais importantes conquistas sociais alcançadas com a Constituição Federal de 1988 foi a institucionalização da Seguridade Social, organizada

Leia mais

Conselho Europeu extraordinário de Lisboa (Março de 2000): para uma Europa da inovação e do conhecimento

Conselho Europeu extraordinário de Lisboa (Março de 2000): para uma Europa da inovação e do conhecimento Estratégia de Lisboa Conselho Europeu extraordinário de Lisboa (Março de 2000): para uma Europa da inovação e do conhecimento Em 23 e 24 de Março de 2000, o Conselho Europeu extraordinário de Lisboa, nasceu

Leia mais

Um guia para elaboração de projetos em Educação Ambiental

Um guia para elaboração de projetos em Educação Ambiental Um guia para elaboração de projetos em Educação Ambiental Introdução Antes de mais nada, temos que ter claro que não existe uma receita pronta para a inserção da dimensão ambiental no currículo escolar,

Leia mais

Quem é quem no direito à alimentação

Quem é quem no direito à alimentação 9 CADERNOS DE TRABALHO SOBRE O DIREITO À ALIMENTAÇÃO Quem é quem no direito à alimentação LEGISLAÇÃO MONITORAMENTO AVALIAÇÃO ORÇAMENTOS ATORES FORMAÇÃO 9 CADERNOS DE TRABALHO SOBRE O DIREITO À ALIMENTAÇÃO

Leia mais

Caderno MEL 46 PLANO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL José Martín Montoya Durá, fsc. Apresentação

Caderno MEL 46 PLANO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL José Martín Montoya Durá, fsc. Apresentação 1 Caderno MEL 46 PLANO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL José Martín Montoya Durá, fsc Apresentação Este novo Caderno MEL nos põe em contato com um dos temas que mais preocupa a

Leia mais

CAPITAL SOLIDÁRIO? O TRABALHO NO CONTEXTO DAS ORGANIZAÇÕES PRODUTIVAS POPULARES E AS PERSPECTIVAS SOBRE

CAPITAL SOLIDÁRIO? O TRABALHO NO CONTEXTO DAS ORGANIZAÇÕES PRODUTIVAS POPULARES E AS PERSPECTIVAS SOBRE CAPITAL SOLIDÁRIO? O TRABALHO NO CONTEXTO DAS ORGANIZAÇÕES PRODUTIVAS POPULARES E AS PERSPECTIVAS SOBRE A POLÍTICA DA ECONOMIA SOLIDÁRIA Luara Caiana Sousa e Silva INTRODUÇÃO O processo de reestruturação

Leia mais

O mercado de orgânicos

O mercado de orgânicos O mercado de orgânicos É difícil quando falamos em produção orgânica, pois não temos muita informação, muita consistência. Mas dá para termos uma noção. Hoje, 150 países no mundo praticam agricultura orgânica,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SANEAMENTO NO CONTEXTO MUNDIAL. Dante Ragazzi Pauli Presidente ABES Seção São Paulo

A IMPORTÂNCIA DO SANEAMENTO NO CONTEXTO MUNDIAL. Dante Ragazzi Pauli Presidente ABES Seção São Paulo A IMPORTÂNCIA DO SANEAMENTO NO CONTEXTO MUNDIAL Dante Ragazzi Pauli Presidente ABES Seção São Paulo O SURGIMENTO DA SAÚDE PÚBLICA Londres- Inglaterra 1848 -primeira Lei de Saúde Pública da Grã- Bretanha.

Leia mais

Comunicado Conjunto. Reunião dos Presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e José Alberto Mujica Cordano

Comunicado Conjunto. Reunião dos Presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e José Alberto Mujica Cordano Comunicado Conjunto Reunião dos Presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e José Alberto Mujica Cordano (Santana do Livramento/Rivera, 30 de julho de 2010) Os Presidentes da República Federativa do Brasil,

Leia mais

GT de Juventude do Fórum Brasileiro de ONGs e Movimentos Sociais para o Meio Ambiente e Desenvolvimento

GT de Juventude do Fórum Brasileiro de ONGs e Movimentos Sociais para o Meio Ambiente e Desenvolvimento GT de Juventude do Fórum Brasileiro de ONGs e Movimentos Sociais para o Meio Ambiente e Desenvolvimento CETEM 11 de setembro de 2009 Programa Nacional de Juventude e Meio Ambiente De Onde Vêm? Porque Juventude

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Deputado MARCELO NILO Digníssimo Presidente da Assembleia Legislativa do Estado da Bahia Nesta

Excelentíssimo Senhor Deputado MARCELO NILO Digníssimo Presidente da Assembleia Legislativa do Estado da Bahia Nesta Mensagem nº 032/2015. Salvador, 29 de setembro de 2015. Senhor Presidente, Tenho a honra de encaminhar a Vossa Excelência, para a apreciação dessa augusta Assembleia Legislativa, o anexo Projeto de Lei

Leia mais

LANÇAMENTO DA 1ª PEDRA DO NOVO CENTRO DE SAÚDE DE PONTA DELGADA

LANÇAMENTO DA 1ª PEDRA DO NOVO CENTRO DE SAÚDE DE PONTA DELGADA LANÇAMENTO DA 1ª PEDRA DO NOVO CENTRO DE SAÚDE DE PONTA DELGADA Ponta Delgada, 28 de janeiro de 2014 Transcrição das declarações do Presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro Permitam-me

Leia mais

CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA INTEGRADA ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS - Brasil Sem Miséria (BSM) e Programa de Aquisição de Alimento (PAA): A EXPERIÊNCIA DE UMA

CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA INTEGRADA ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS - Brasil Sem Miséria (BSM) e Programa de Aquisição de Alimento (PAA): A EXPERIÊNCIA DE UMA CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA INTEGRADA ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS - Brasil Sem Miséria (BSM) e Programa de Aquisição de Alimento (PAA): A EXPERIÊNCIA DE UMA FAMÍLIA SERRATALHADENSE. Serra Talhada, 2014 CRIAÇÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO ECONÔMICA EM SISTEMAS PECUÁRIOS DE CICLO COMPLETO NO ESTADO RIO GRANDE DO SUL

AVALIAÇÃO ECONÔMICA EM SISTEMAS PECUÁRIOS DE CICLO COMPLETO NO ESTADO RIO GRANDE DO SUL AVALIAÇÃO ECONÔMICA EM SISTEMAS PECUÁRIOS DE CICLO COMPLETO NO ESTADO RIO GRANDE DO SUL JOÃO GARIBALDI ALMEIDA VIANA; VICENTE C. P. SILVEIRA; ADRIANA FERREIRA VARGAS; UFSM SANTA MARIA - RS - BRASIL joaogaribaldi@brturbo.com.br

Leia mais

Mensagem de Natal do Primeiro-Ministro António Costa. 25 de dezembro de 2015

Mensagem de Natal do Primeiro-Ministro António Costa. 25 de dezembro de 2015 Mensagem de Natal do Primeiro-Ministro António Costa 25 de dezembro de 2015 Boa noite. Estamos a chegar ao fim de um ano muito exigente para todos os portugueses. Um ano que ainda impôs às famílias enormes

Leia mais

Dimensão institucional. Quadro institucional

Dimensão institucional. Quadro institucional Dimensão institucional Quadro institucional Dimensão institucional 54 Ratificação de acordos globais Expressa o envolvimento do País com a implementação de acordos firmados pela comunidade internacional,

Leia mais

O Instituto LIFE é responsável pelo

O Instituto LIFE é responsável pelo LIFE CertificaçãoLIFE Lasting Initiative For Earth O Instituto LIFE é responsável pelo desenvolvimento e gestão do sistema de Certificação LIFE. A Certificação LIFE reconhece organizações que desenvolvem

Leia mais

AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO

AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO QUE INFORMAM O CONCEITO DE PRODUTIVIDADE Março 2005 APLICAÇÃO DOS ÍNDICES Função Social da Propriedade exige níveis satisfatórios de produtividade Vistoria do

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NA ABORDAGEM DA HIGIENE DO CORPO EM PORTUGAL (2009/10-2010/11): UMA PRIMEIRA ANÁLISE DE MANUAIS ESCOLARES DE ESTUDO DO MEIO

ESTUDO COMPARATIVO NA ABORDAGEM DA HIGIENE DO CORPO EM PORTUGAL (2009/10-2010/11): UMA PRIMEIRA ANÁLISE DE MANUAIS ESCOLARES DE ESTUDO DO MEIO ESTUDO COMPARATIVO NA ABORDAGEM DA HIGIENE DO CORPO EM PORTUGAL (2009/10-2010/11): UMA PRIMEIRA ANÁLISE DE MANUAIS ESCOLARES DE ESTUDO DO MEIO Marta Bigas, Braga, Portugal, mbigas@iol.pt Fernando Guimarães,

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO CONFERÊNCIA SOBRE OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO Grupo de Trabalho 3: Fortalecendo medidas para viabilizar o

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 114 Pronunciamento no encerramento

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 62 Discurso na Conferência da Organização

Leia mais

Água e Semiáridos: Estratégias de Resistência Camponesa

Água e Semiáridos: Estratégias de Resistência Camponesa Água e Semiáridos: Estratégias de Resistência Camponesa Carlos Magno de M. Morais* Temos assistido nos últimos anos uma mudança no perfil das chuvas no Brasil, sobretudo na região semiárida brasileira.

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR COTAS RACIAIS NO BRASIL SOB A ÓTICA DAS AÇÕES AFIRMATIVAS E DIREITOS HUMANOS

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR COTAS RACIAIS NO BRASIL SOB A ÓTICA DAS AÇÕES AFIRMATIVAS E DIREITOS HUMANOS COTAS RACIAIS NO BRASIL SOB A ÓTICA DAS AÇÕES AFIRMATIVAS E DIREITOS HUMANOS Maria Carolina de Sá França* RESUMO Este artigo objetiva desenvolver um estudo a cerca das cotas raciais na perspectiva das

Leia mais

A CONSTITUIÇÃO DO FÓRUM PERMANENTE DA PESSOA IDOSA NA REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS

A CONSTITUIÇÃO DO FÓRUM PERMANENTE DA PESSOA IDOSA NA REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA A CONSTITUIÇÃO DO FÓRUM PERMANENTE DA PESSOA IDOSA NA REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS Maria Iolanda de Oliveira 1 Rita de

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

Acordo com Mercosul não é prioridade para novo presidente da Comissão Europeia

Acordo com Mercosul não é prioridade para novo presidente da Comissão Europeia Acordo com Mercosul não é prioridade para novo presidente da Comissão Europeia Jean-Claude Juncker, do Partido Popular Europeu (EPP), foi eleito presidente da Comissão Europeia no dia 15 de julho. A aprovação

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA O ENFRENTAMENTO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS EM ÁREAS URBANAS: UM ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE BELÉM, PARÁ, BRASIL

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA O ENFRENTAMENTO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS EM ÁREAS URBANAS: UM ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE BELÉM, PARÁ, BRASIL INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA O ENFRENTAMENTO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS EM ÁREAS URBANAS: UM ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE BELÉM, PARÁ, BRASIL Priscila da Silva Batista Instituto Tecnológico, Universidade

Leia mais

Brasília, 29 de agosto de 2001 O BRASIL E OS ACORDOS INTERNACIONAIS

Brasília, 29 de agosto de 2001 O BRASIL E OS ACORDOS INTERNACIONAIS IV REUNIÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL DOS ORGAOS GESTORES DE SAÚDE AMBIENTAL DOS MINISTÉRIOS DA SAÚDE E I FÓRUM DE SAÚDE E AMBIENTE DA REGIÃO DAS AMÉRICAS Brasília, 29 de agosto de 2001 O BRASIL

Leia mais

Investir na Saúde em África

Investir na Saúde em África Harmonização da Saúde em África Investir na Saúde em África Cenário para Reforçar os Sistemas na Procura de Melhores Produtos da Saúde Resumo Porquê um cenário de investimento em África? Investir nos sistemas

Leia mais

A QUESTÃO DA SAÚDE NO DISTRITO FEDERAL. (Documento elaborado pelo CEBES do Distrito Federal) Dossiê Corrupção na Saúde (Núcleo DF)

A QUESTÃO DA SAÚDE NO DISTRITO FEDERAL. (Documento elaborado pelo CEBES do Distrito Federal) Dossiê Corrupção na Saúde (Núcleo DF) A QUESTÃO DA SAÚDE NO DISTRITO FEDERAL (Documento elaborado pelo CEBES do Distrito Federal) Dossiê Corrupção na Saúde (Núcleo DF) O texto traça um breve histórico sobre a reforma sanitária no Brasil e

Leia mais

Módulo 2 Panorama mundial da questão ambiental. 1. Evolução do movimento ambientalista. Décadas de 60 e 70. Década de 80.

Módulo 2 Panorama mundial da questão ambiental. 1. Evolução do movimento ambientalista. Décadas de 60 e 70. Década de 80. Módulo 2 Panorama mundial da questão ambiental 1. Evolução do movimento ambientalista Durante os últimos 30 anos tem se tornado crescente a preocupação da sociedade com a subsistência, mais precisamente

Leia mais

DIREITOS E IGUALDADES EM TEMPOS DE GLOBALIZAÇÃO: DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS

DIREITOS E IGUALDADES EM TEMPOS DE GLOBALIZAÇÃO: DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS DIREITOS E IGUALDADES EM TEMPOS DE GLOBALIZAÇÃO: DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS Carlos Ugo Santander Universidade Federal de Goiás - UFG csantander@hotmail.com Resumo: O artigo tem como objetivo discutir as questões

Leia mais

EB 3839/03. 15 janeiro 2003 Original: francês. Estudo. Junta Executiva 251 a reunião 30-31 janeiro 2003 Londres, Inglaterra

EB 3839/03. 15 janeiro 2003 Original: francês. Estudo. Junta Executiva 251 a reunião 30-31 janeiro 2003 Londres, Inglaterra EB 3839/03 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café 15 janeiro 2003 Original: francês P Estudo Junta Executiva

Leia mais

A SAÚDE NA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015

A SAÚDE NA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015 A SAÚDE NA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015 Documento de Posicionamento 1 IMVF Documento de Posicionamento A SAÚDE DA AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015 Documento de Posicionamento

Leia mais

Declaração de Joanesburgo sobre Desenvolvimento Sustentável. Das nossas origens ao futuro

Declaração de Joanesburgo sobre Desenvolvimento Sustentável. Das nossas origens ao futuro Declaração de Joanesburgo sobre Desenvolvimento Sustentável Das nossas origens ao futuro 1. Nós, representantes dos povos do mundo, reunidos durante a Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável em

Leia mais

O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO. Antônio Fernando Guimarães Pinheiro

O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO. Antônio Fernando Guimarães Pinheiro O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO Antônio Fernando Guimarães Pinheiro INTRODUÇÃO O Estado de direito veio consagrar o processo de afirmação dos direitos humanos que constitui um dos

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMOS DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA, PESSOA FÍSICA, NA ÁREA DE ESTUDOS AMBIENTAIS E GEOPROCESSAMENTO COM VISTAS À DELIMITAÇÃO

Leia mais