O papel da curadoria na criação de ambientes midiáticos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O papel da curadoria na criação de ambientes midiáticos"

Transcrição

1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica Rodrigo dos Santos Monteiro O papel da curadoria na criação de ambientes midiáticos MESTRADO EM COMUNICAÇÃO E SEMIÓTICA SÃO PAULO

2 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica Área de Concentração: Signo e Significação nas Mídias Linha de Pesquisa: Cultura e Ambientes Midiáticos Rodrigo dos Santos Monteiro O papel da curadoria na criação de ambientes midiáticos MESTRADO EM COMUNICAÇÃO E SEMIÓTICA Dissertação de mestrado apresentada à Banca Examinadora da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, como exigência parcial para obtenção do título de Mestre em Comunicação e Semiótica, sob a orientação da Profa. Dra. Christine Greiner SÃO PAULO

3 BANCA EXAMINADORA 3

4 Para o Cosme e sua alegria de viver 4

5 AGRADECIMENTOS O trajeto que me trouxe até o final da redação desta dissertação foi repleto de idas e vindas. Uma curva de emoções que contribuiu de forma bastante significativa e que forma a pessoa que sou hoje. Por conta disso, agradecer aos nomes abaixo não é somente um modo de dizer muito obrigado a todos os envolvidos, direta ou indiretamente, na conclusão deste trabalho; mas de demonstrar uma complexa rede de afeições que me ajuda e continuará me ajudando a seguir. Agradeço muitíssimo à minha querida orientadora, Chris, que além de ser uma pesquisadora maravilhosa, que me incentivou e me incentiva a continuar por um caminho que já passa dos seis anos, é uma pessoa que contamina com seu carinho pelo outro. Chris, a empatia que tenho por você aciona meu sistema límbico, o centro da minha vida. Tive a sorte de conhecer professores incríveis, mestres que vou levar para sempre, que me ajudaram a ver e estar no mundo de uma forma muito especial. Agradeço à Helena Katz, que além de me trazer contribuições valiosas no exame de qualificação, me inspira com seu modo de estar com pessoas e fazer com que pessoas estejam com pessoas. Agradeço ao Jorge Vieira, esse ser humano esplêndido que ensina e demonstra a beleza da complexidade da vida. Agradeço aos professores do curso de Comunicação das Artes do Corpo da PUC-SP, responsáveis por toda uma base teórico-prática a qual dei continuidade com este trabalho. Agradeço também à Gilsamara Moura, pelas ótimas contribuições na banca de qualificação e pela oportunidade de reconhecê-la como mais um par para futuras discussões. Minha família, em todo esse período, foi minha motivação. Agradeço à minha mãe, Cristina, sempre forte, apoiadora e incentivadora. Ao Rogério e ao Guilherme, pela companhia e parceria nas questões que dizem respeito ao ambiente casa. À minha linda avó Antonia, por quem tenho muito orgulho. Agradeço aos amigos-irmãos: Gabriel, Raquel, Cris, Claudiano, Terere e Vanessa, meus parceiros que ainda me ajudarão muito nessa caminhada. À Priscila, Elisangela e Marina, minhas queridas conselheiras. À Fernanda Perniciotti, que irradia com sua persistência e resistência. À Natascha Zacheo e sua postura artístico-política. Ao Guilherme Ramalho, o mais novo companheiro de experiências curatoriais. Agradeço aos colegas de percurso na pós-graduação: Inês, Joubert, Sheila, Pin e Vivi. Agradeço também ao Marcílio Duarte que, com sua pesquisa, ajudou muito para que diálogos fossem abertos. Por fim, agradeço ao Cosme, a quem eu também dedico este trabalho. Obrigado pela companhia, pelo carinho e pela força que você sempre me dá. Admiro sua capacidade de enfrentar os problemas e encará-los sempre assim, com um sorriso que contagia. 5

6 RESUMO O objetivo desta dissertação de mestrado é investigar a potencialidade comunicativa da curadoria, admitindo-a como uma ação crítica. O papel critico dos curadores tem sido diagnosticado particularmente a partir da crise crescente do jornalismo cultural durante os últimos vinte anos. Os conservadores de museus já desempenhavam práticas semelhantes (CHECA, 2008), mas as novas redes de criação têm estendido essas atuações para além de instituições específicas, ampliando as discussões para outros ambientes midiáticos. Assim, para analisar as ações críticas inerentes à curadoria, estudo, primeiramente, o desenvolvimento de práticas curatoriais em museus, mas a partir de um exercício de arqueologia (FOUCAULT, 2005); amplio o debate a partir de entrevistas daqueles que foram os primeiros curadores a atuar em sistemas diversos (OBRIST, 2010) e especificamente no Brasil (CHAIMOVICH, 2008). A abordagem epistemológica traçada traz estudos referentes ao corpo (GREINER, 2008, 2010; KATZ e GREINER, 1998, 2008; HUTCHINS, 1994; LAKOFF e JOHNSON, 1999) para pensar a curadoria como uma atividade que envolve processos perceptivos e cognitivos. Como pontos de análise, foram feitos apontamentos sobre alguns festivais de teatro e de dança (artes do corpo), como o Festival Internacional de Teatro e de Dança de Buenos Aires (FIBA) e o Festival Olhares Sobre o Corpo (Uberlândia-MG), além de uma avaliação mais detalhada sobre a situação cultural da cidade de Ribeirão Pires (SP) (DUARTE, 2012). A hipótese principal da dissertação é a de que uma curadoria crítica cria ambientes midiáticos que alteram a cartografia de corpos e de territórios. As informações das obras não são apenas internalizadas no corpo do espectador, uma vez que este cria sentido para aquilo que vê/escuta/sente. Desta maneira, é no nexo entre curadoria e público que se criam novas conexões entre a obra de arte, o contexto local e o público. A pesquisa considera a curadoria crítica quando desestabiliza modos de perceber e agir no mundo. Para estudá-la, recorro às bibliografias da comunicação, da semiótica, da história e teoria da arte, da filosofia e das ciências cognitivas. O resultado esperado é trazer à discussão questões que consideram a curadoria como uma área onde as formas de comunicação artísticas são projetadas e testadas. Palavras-chave: ambientes midiáticos, curadoria crítica, festivais de artes do corpo 6

7 ABSTRACT The goal of this dissertation is to investigate the communicative potential of curation, admitting it as a critical action. The critical role of the curators has been diagnosed particularly from the growing crisis of cultural journalism over the last twenty years. The museums conservators have played similar practices (CHECA, 2008), but the new creating networks have extended these actuations apart from specific institutions, broadening the discussion to other media environments. Thus, to analyze the critical actions inherent curation, I study firstly the development of curatorial practices in museums, but from an exercise in archeology (FOUCAULT, 2005); I expand the debate from interviews of those who were the first curators to act in various systems (OBRIST, 2010) and specifically in Brazil (CHAIMOVICH, 2008). The epistemological approach traced brings studies related to body (GREINER, 2008, 2010; KATZ e GREINER, 1998, 2008; HUTCHINS, 1994; LAKOFF e JOHNSON, 1999) to think about curation as an activity involves perceptual and cognitive processes. As points of analyses were made notes on some festivals of theater and dance (arts from the body), as Festival Internacional de Teatro e de Dança de Buenos Aires (FIBA) and Festival Olhares Sobre o Corpo (Uberlândia-MG), plus a more detailed evaluation of the cultural situation of Ribeirão Pires city (SP) (DUARTE, 2012). The main hypothesis of this dissertation is that a critical curation creates media environments that change the cartography of bodies and territories The information of the works are not only internalized in the body of the viewer, once he/she creates sense to what he/she sees/ hears/ fells. In this way, it is in the nexus between curation and public where new connections are created among work of art, the local context and the public. The research considers the curation as critic when it destabilizes ways of perceiving and acting in the world. To study it, I turn to bibliographies of communication, semiotics, history and art theory, philosophy and cognitive sciences. The expected result is to bring the discussion questions that consider the curation as an area where the artistic forms of communication are designed and tested Keywords: media environments, critical curation, arts from the body festivals 7

8 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...09 CAPÍTULO 1 Redes da curadoria: as origens, os tipos e as críticas : Do conservador ao curador : Curadoria por (com) curadores : A prática curatorial laboratorial de grandes nomes : O Grupo de Estudos de Curadoria: sobre formação, função e atuação de curadores : Da comunicação ao consumo : Tipos de curadores: do yuppie ao crítico : Quando começa a curadoria? : Repensando as mediações: o curador-semioticista : As afetações no corpo : Curadoria: a proposição de uma experiência estética : Por uma curadoria no e do corpo...81 CAPÍTULO 2 Festivais, cidades e contextos: a curadoria crítica em artes do corpo e as manifestações de poder : Pontos de partida para pensar uma curadoria em artes do corpo : Por entre curadorias de festivais e modelos mercadológicos : De festivais para outros espaços: cidades e contextos : As cidades : O corpo na cidade : O caso de Ribeirão Pires : Breve histórico sobre as ações culturais locais : Período de efervescência ( ) : Período de declínio ( ) : Práticas de resistência CONSIDERAÇÕES INICIAIS BIBLIOGRAFIA ANEXO

9 INTRODUÇÃO O que exatamente vocês fazem, quando fazem ou esperam fazer curadoria?. Foi a partir desta pergunta que os artistas Yuri Firmeza e Pablo Lobato conceberam uma vídeoinstalação (de mesmo nome), exposta no Centro Cultural Banco do Nordeste em O trabalho consistia em uma edição de entrevistas feitas por eles com diversos curadores atuantes no cenário brasileiro. Para além do que eles desenvolviam com os seus trabalhos, tais curadores fizeram uma reflexão sobre a própria prática curatorial. O objetivo desse trabalho era pensar o que pode a curadoria. O trabalho de Yuri Firmeza e de Pablo Lobato é reflexo de algo que vem crescendo nas discussões do campo da arte produzida atualmente. O papel do curador é cada vez mais questionado, na medida em que cada vez mais se ouve falar dessa figura em organizações de mostras e festivais de naturezas distintas. Dada a alta produção de trabalhos artísticos nas diferentes linguagens e a falta de medidas políticas e educativas que aproximem obras de arte e público, de modo a exercitarem a consciência crítica, pergunto: qual seria o papel do curador de arte para com as formas de organização, programação, exibição e divulgação de exposições, mostras, festivais e outros eventos, a fim de questionar os formatos convencionais e propor outras formas de percepção? A partir desta pergunta, a qual se sintoniza com a indagação do que pode uma curadoria, que guiarei toda a discussão desta dissertação, que tem por objetivo propor uma reflexão acerca do papel do curador no cenário atual das artes. Minha reflexão, por sua vez, tem por finalidade investigar a potencialidade comunicativa e crítica da ação curatorial, especificamente no território das chamadas artes do corpo. Parto da hipótese de que quando uma curadoria possui um caráter crítico (que aqui chamo de curadoria crítica), ela tem a capacidade de desestabilizar o sistema da arte, de modo que este passe por um processo de reconfiguração que reveja os modos de produzir, apresentar e circular artistas e seus trabalhos. Intuo, com isso, que as relações propostas por práticas curatoriais críticas entre público, obras, artistas, instituições e lugares agem no fluxo corpo-ambiente e, por isso, têm o papel de promover a desestabilização e transformação de ambos. 9

10 O curador de arte é aquele que, de um modo geral, pensa os modos de organização de uma exposição, de uma mostra ou de um festival. Ele é o responsável por aliar o conceito e as questões às formas de exibição, de apresentação e de circulação dos trabalhos artísticos. Tradicionalmente, essa figura nasceu no campo das artes visuais, especificamente dentro dos museus. A prática curatorial, todavia, tem sido desenvolvida também em outras áreas, como na dança e no teatro. No entanto, recentemente, o papel do curador vem sendo bastante discutido; fato que se deve, entre outros fatores, ao aumento do número de bienais de arte que acontecem por todo o mundo. Por isso faz-se necessário rever e refletir sobre a prática curatorial, de modo a buscar novos sentidos para além dos limites dos museus de arte. Não só a curadoria, como também a própria concepção de museu vem passando por transformações. Tradicionalmente, os museus de arte abrigavam aquilo que se conhece como belas artes, como o Louvre em Paris. No entanto, uma série de mudanças que vão desde as formas de catalogação de obras de arte até as exigências do mercado, trouxe novas acepções sobre os museus. Há hoje, por exemplo, museus como o do Futebol, o da Língua Portuguesa e o da Pessoa. O status de museu de arte desdobra-se para outras áreas que apostam em expor novas modalidades de trabalhos. Nesse cenário, a figura do curador acentua sua importância articuladora entre instituição, artistas, mercado e público. A curadoria de arte nem sempre foi conhecida como ela é nos dias atuais. Um bom exemplo é o do conservador que precedeu o trabalho do curador. Figura característica dos museus (e que ainda tem grande importância), o conservador costuma ser responsável pela preservação e exposição das obras de arte. No entanto, não desempenha o papel daquele que reflete sobre a arte. Assim como o conservador, outra importante figura é a do crítico de arte. Aliando a função de conceber um juízo estético sobre os trabalhos e a organização de exposições, o crítico-curador marcou não apenas o surgimento da curadoria, mas também o modo como entendê-la e praticá-la atualmente. Por conta da mutação dessas funções conservadores e críticos que resultaram nos primeiros curadores há atualmente entendimentos e práticas distintas de curadorias. Nascidas de áreas apartadas embora complementares, as práticas curatoriais não se 10

11 resumem a um único entendimento do que seja curadoria. Por esse motivo, no decorrer da dissertação, serão pontuados alguns substantivos compostos, como curador-crítico, curador-educador, curador-semioticista, curador-produtor de desaparecimento 1, que tentam diagnosticar os diferentes entendimentos relacionados à prática curatorial. A palavra curadoria, independentemente do entendimento que ela traz consigo, vem sendo utilizada cada vez mais. Mesmo aqueles que antes se denominavam como programadores estão substituindo o termo por curador. Mas afinal, teriam as duas funções um mesmo objetivo? De uma forma geral, festivais ou qualquer outro tipo de mostra trabalham com uma programação. Os critérios para conceber tal programação são variados, passando por questões financeiras e de ordem conceitual. Seria possível dizer que quando uma programação não apenas lida com o preenchimento de uma grade de apresentações, mas também alia todos os elementos de seu trabalho a questões, ela está praticando uma curadoria? Chamarei a atenção para diferentes entendimentos e práticas curatoriais, tentando entendê-las dentro de um cenário onde os modos de produção vigentes (como a política de editais de vários segmentos dos poderes públicos) angariam resultados rápidos e inconsistentes. Também situarei o cenário mercadológico no qual esses diferentes entendimentos de curadoria estão inseridos; um cenário marcado pelas políticas de balcão (aquelas que impulsionam a prática curatorial para interesses específicos). A partir desse direcionamento, tentarei levantar o entendimento de curadoria crítica, que é aquela que não apenas pensa o que pode uma curadoria, mas que também propõe alternativas para organizar e conceber novos formatos de percepção. A iniciativa desta pesquisa de mestrado dá-se a partir do desenvolvimento de ideias levantadas em minha monografia de conclusão do curso de Comunicação das Artes do Corpo da PUC-SP (MONTEIRO, 2010). Naquele trabalho, discussões referentes ao curador e ao crítico foram entrelaçadas, a fim de analisar a contaminação de suas ações na produção contemporânea das artes do corpo. O traçado metodológico seguinte foi se desenvolvendo 1 O termo produção de desaparecimento usado nesta dissertação remete a uma crítica escrita por Helena Katz. Naquela ocasião (ver KATZ, 2011), o emprego desse termo dizia respeito aos formatos de algumas mostras e festivais de dança que prezam somente pela novidade, colocando tudo aquilo que já foi produzido em uma zona de invisibilidade. 11

12 através de pesquisas bibliográficas e de encontros e conversas para pensar sobre esse assunto. Encontrei, no decorrer do processo, ressonâncias e diálogos com pesquisas similares (ver CASTILLO, 2010). Uma etapa importante da metodologia que antecedeu a redação deste trabalho foi minha participação na organização do Festival de Cenas Curtas, em Ribeirão Pires-SP. Foi a partir dessa experiência que muitas ignições começaram a despertar. O acompanhamento de alguns eventos locais, como a Mostra ABC Dança e a Mostra de Processos da Escola Livre de Teatro de Santo André (ELT), embora não sejam analisados de modo direto neste trabalho, teve um importante papel para dar vazão para muitas questões aqui levantadas. Além dessas mostras, já como uma análise direta, o acompanhamento do Festival do Chocolate (Ribeirão Pires-SP) desde sua primeira edição, em 2003, foi fator decisivo para que muitas questões aqui presentes pudessem amadurecer e se complexificar. Para refletir sobre a prática curatorial, a fim de constatar as responsabilidades e urgências pertinentes a essa área, dividi a estrutura desta dissertação em dois capítulos, seguidos pelas considerações finais, que aqui convencionei chamá-las de considerações iniciais (pois considero tais reflexões apenas um ponto de partida para o desenvolvimento de uma pesquisa teórico-prática ainda a ser desbravada). O Capítulo 1 faz uma breve retrospectiva de alguns entendimentos de curadoria. Apontarei algumas práticas que, embora não recebessem o nome de curadoria, já se encaminhavam para tal. A partir dos estudos de Fernando Checa, professor de História da Arte da Universidad Complutense de Madrid, saindo do museu e passando para outros ambientes, será possível perceber como a prática curatorial precisou se adaptar às exigências do mercado e das instituições. Ainda nesse capítulo, sugiro uma curadoria com curadores, a partir de pontos de vista sobre essa área, levantados por entrevistas realizadas por Hans Ulrich Obrist, professor, editor e diretor da Serpentine Gallery de Londres. Desdobrando para o contexto brasileiro, mais especificamente o paulista, apresentarei alguns relatos de curadores que participaram do Grupo de Estudos de Curadoria do Museu de Arte Moderna de São Paulo, no final da década de Lanço, em seguida, a proposta de uma curadoria crítica, a partir de colocações feitas por Suely Rolnik. Ainda nesse capítulo, proponho o corpo como base para pensar as questões referentes à curadoria. Dessa forma, guiarei a discussão para domínios que pensam a percepção e a cognição como 12

13 matrizes da mediação entre corpo e ambiente. O entendimento de mediação será discutido e conceitos como embodiment (e.g. LAKOFF e JOHNSON, 1999; KATZ e GREINER, 1998, 2008; GREINER, 2008, 2010), inconsciente cognitivo (e.g. LAKOFF e JOHNSON, 1999) e Umwelt (e.g VIEIRA, 2006; SEBEOK, 1991) auxiliarão para deslocar o entendimento de curadoria para um domínio que a considera como uma propositora de experiências estéticas (e.g. SANTOS, 2004). Uma prática que contribui para a formulação de metáforas corporais que auxiliam para que novos modos de perceber e estar no mundo sejam desenvolvidos. Uma instigação do exercício cognitivo entre o corpo o seu entorno (e.g HUTCHINS, 1994). O Capítulo 2 reflete sobre a prática curatorial nas artes do corpo, tendo como indispensáveis algumas questões formuladas por Peggy Phelan. Direcionarei a discussão deste capítulo para um território que coloca a prática curatorial em um campo de política cultural. Para tanto, farei algumas colocações sobre o Festival Internacional de Teatro e Dança de Buenos Aires, a partir de uma análise de Susana Tambutti, co-curadora de algumas edições desse festival. Em seguida, reflito sobre as formas como o poder se manifesta em uma cidade e como a curadoria pode servir como um contra-dispositivo 2 que instigue a consciência crítica. Também é nesse capítulo que analisarei um caso: o da cidade de Ribeirão Pires. Com o auxílio de Marcílio de Castro Duarte, professor, artista e pesquisador ribeirãopirense, farei uma reflexão sobre as mudanças das práticas culturais naquela cidade nos últimos anos. Para esse caso, darei uma atenção maior ao teatro, mostrando que a alteração de uma gestão política afeta drasticamente os modos como essa prática artística é criada, organizada e fruída por um conjunto de pessoas. Apontarei o cenário predador no qual a cidade de Ribeirão Pires se encontra no que se refere às manifestações artísticas. Como estratégia de resistência para esse tipo de cenário, mencionarei, por fim, o caso do Festival Pedras d Água (Lisboa) e o do Olhares Sobre o Corpo (Uberlândia-MG), festivais que investigam novos formatos de organização e já 2 O termo contra-dispositivo empregado nesta dissertação refere-se aquilo que Giorgio Agamben (2009) considera como uma resposta aos dispositivos. Segundo este autor, a sociedade está repleta de dispositivos, sendo estes medidas de controle que regulam toda e qualquer forma de vivência dos seres humanos. Desta maneira, aquilo ou aqueles que detêm o controle, para Agamben, nem sempre são assumidamente visíveis ou identificados como tais. Agamben dá continuidade àquilo que Michel Foucault começara, e expande o entendimento de poder para outros níveis de descrição, estando ele presente, por exemplo, na própria linguagem. Com isso, a hipótese que levanto nesta dissertação é que a curadoria, sendo um contra-dispositivo, é uma resposta crítica a vários dispositivos que capturam diversas formas de vida da sociedade atual. Retomarei melhor essa ideia no decorrer da dissertação. 13

14 apostam em novas práticas curatoriais. Com a finalidade de refletir sobre essas formas de resistência, trarei alguns apontamentos levantados por Gilsamara Moura concernentes à prática curatorial como, por exemplo, a curadoria pode ser pensada como uma atividade descolonizada e compartilhada. Por fim, nas considerações iniciais, aponto as alternativas encontradas para pensar e praticar a curadoria de artes do corpo. Espero, com esta dissertação, criar um entendimento que contribua para que a curadoria seja uma ação crítica que desestabilize e reconfigure alguns dos exemplos citados neste trabalho. 14

15 CAPÍTULO 1 Redes de curadoria: as origens, os tipos e as críticas A proposta desse capítulo é fazer um levantamento de questões que colocam em debate a função do curador. Apontamentos lançados a partir de níveis de descrição distintos têm o objetivo de diagnosticar alguns entendimentos e práticas de curadorias contemporâneas. Por isso, minha intenção não é de fazer uma retrospectiva histórica sobre a função do curador. O traçado que farei é um exercício próximo à arqueologia. Esta deve ser entendida aqui de modo similar ao que Michel Foucault propôs 3. Sem pretensões de equiparar-se à complexa pesquisa que este importante pensador fez, minha intenção é de, através de alguns rastros deixados, iluminar pontos que indiquem como e onde acontecem os debates acerca do curador. Neste capítulo, será mostrada uma série de pontos de vista de diferentes curadores, historiadores e teóricos da arte. Ao reuni-los aqui, tenho a intenção de construir um mapa no qual se possa diagnosticar alguns entendimentos de curadoria praticados atualmente. Com isso, no decorrer do texto, ficará evidente que os curadores mencionados trarão problemas, levantarão questões e proporão ressignificações para seus próprios trabalhos. Assim, a palavra curadoria será combinada quase sempre com outra, transformando-a em um substantivo graficamente composto, mas que sugere atuações intercambiantes que se mesclam e se transmutam a todo o momento. Serão utilizadas, dessa maneira, termos como: curador-conservador, curador-educador, curador-produtor de desaparecimento, curador-crítico, etc. Embora foque, na maioria das vezes, no discurso de um curador de um sujeito tentarei dar luz aos acontecimentos. O discurso servirá de estratégia para detectar quais foram as preocupações, as questões que levaram esses sujeitos a agirem de uma determinada forma em um contexto específico. Isso também explica o fato de não me atentar à linearidade e também os saltos históricos que serão dados. 3 Michel Foucault ( ), em sua vasta obra, mais do que preocupar-se com a linearidade de fatos, buscou compreender as descontinuidades. Para este autor, a História é dinâmica; seus acontecimentos são de idas e vindas. A arqueologia analisa os traços de mudança deixados por esses acontecimentos. Cabe à arqueologia foulcaultiana, pois, descrever como se formam os sistemas de pensamento que não se reduzem apenas à linguagem verbal (acadêmico, científico), mas também os artísticos e as outras formas de manifestação. 15

16 Foucault, em 1968, no texto Sobre a Arqueologia das Ciências: Resposta ao Círculo de Epistemologia (FOUCAULT, 2005a), trata da descontinuidade e das rupturas que caracterizam a História. Esta é dinâmica: os acontecimentos históricos são contínuos e não dados a priori. Com isso, o autor retira do centro de importância o sujeito e coloca os acontecimentos em questão. Arrisco dizer, deste modo, que estudar o desenvolvimento da figura do curador a partir dos discursos que eles deixaram, não é mais importante do que os acontecimentos que permitiram que eles agissem desta ou daquela forma. Foram as circunstâncias que pediram mudanças de atitudes dos profissionais que trabalhavam com a montagem de exposições de arte. Desta forma, serão analisados alguns entendimentos relacionados à prática curatorial. A História da Arte também deve ser estudada a partir de mudanças que se deram em outros níveis da sociedade, inclusive através de novas descobertas em campos do conhecimento. Os desenvolvimentos de novas formas de produção, das condições de trabalho e dos meios de comunicação tiveram papéis cruciais não apenas para o surgimento de novas estratégias de circulação de trabalhos artísticos, como também para produção de obras que tinham um caráter de resistência a essas mudanças. Deste modo, poderia ser estudado o surgimento do curador como aquele que além de ser mais um ponto da rede de circulação de obras de arte, é também um articulador daquelas resistências. Para tal, ainda neste capítulo, sugiro pensar quando uma curadoria começa, direcionando minha hipótese para tais práticas de resistência que começam em níveis baixos de descrição (processos perceptivos e cognitivos do corpo). Por estes motivos, este capítulo focará em uma série de pontos de vista que colocará a função do curador em discussão. Começa com o aparecimento daqueles que possivelmente foram os primeiros curadores até chegar às opiniões e práticas dentro da curadoria contemporânea e sugere, por fim, um deslocamento epistemológico para entender e exercer tal função a partir de novas abordagens do conhecimento.. 16

17 1.1: Do conservador ao curador A curadoria de arte, embora seja prática recorrente e esteja presente nas mais diversas áreas atualmente, tem suas primeiras práticas oficialmente reconhecidas nos grandes museus. Para esta dissertação, faz-se necessário apresentar algumas práticas para tentar reconhecer aquilo que Greiner chama de estado anterior, tendo em vista analisar a curadoria para além da instituição museu. Isso porque, tudo está o tempo todo se transformando e o começo de um processo é dificilmente identificado de forma unívoca (GREINER, 2008: 39). De acordo com a teórica e historiadora da arte Anne Cauquelin (CAUQUELIN, 2005), o curador nasce nos grandes centros expositivos da Europa do século XVIII. Especificamente em Paris, o Museu do Louvre teve um papel fundamental no desenvolvimento das primeiras exposições de arte que tiveram um caráter organizativo que já tendia à prática curatorial. Naira Ciotti aponta que, também em Paris, além do Museu do Louvre, outros museus foram criados na mesma época, devido às pressões da assembléia revolucionária: o Museu dos Monumentos, o Museu de História Natural e o Museu de Artes e Ofícios. O Louvre, aberto em 1793, foi o primeiro museu público na França, defendido pelo Governo Revolucionário do político francês Maximilliam Robespierre ( ) (CIOTTI, 2005: 35). A partir dessas considerações e à luz de Fernando Checa, será apontado que as práticas de curadores começaram a ser realizadas não no século XX, mas em momentos anteriores, embora esse ainda não fosse um nome utilizado. Desta maneira, como sugere Foucault em seu entendimento de História, a curadoria de arte começou a ser exercida a partir de algumas emergências do sistema da arte. Ou seja, mais do que a predominância do sujeito, foram os acontecimentos que contribuíram para o surgimento desse profissional. O entendimento de curadoria crítica surge na descontinuidade daquilo que vinha acontecendo até então. O Palácio do Louvre serviu de moradia para os reis da França por um longo período. Passaram por ele tanto reis medievais quanto o famoso Luís XIV, o rei sol, sendo este o último absolutista a ocupar o Palácio enquanto castelo. O Louvre, até se tornar o museu 17

18 conhecido atualmente, passou por uma série de transformações. Estas contribuíram diretamente para as modificações na museologia, que ainda têm implicações nos modos de exibição contemporâneos. Em 01 de outubro de 1792, foi formado o Conselho Executivo Provisório para coletar e organizar as obras de arte que haviam no Palácio, a fim de formar um Museu Nacional de caráter público. Através de uma carta enviada aos cidadãos, o Conselho especificava que o Museu deveria ser público, destinado à instrução dos artistas e ao progresso das artes. A ideia era que o Palácio fosse transformado em um centro de atrações para os aficionados ilustrados e homens de coração puro que encontrariam o encanto nas suas mais belas imitações (CHECA, 2008: s/p). Ficou claro, desde o início da formação do Louvre, que o museu deveria ter fins educacionais, especialmente concebido por artistas que gerassem prazeres estéticos. Contudo, a natureza pública que Checa diz que ele aparentava ter fica comprometida, uma vez que, já na carta destinada aos cidadãos, o próprio autor coloca que o museu seria destinado ao público letrado. Neste cenário, que foi base para as práticas expositivas, a figura dos marchands teve um peso significativo no desenvolvimento das grandes exposições. O colecionador e marchand da época Jean-Baptiste-Pierre Le Brun, em Reflexiones sobre el museo nacional, de 1793, se perguntava sobre a transformação do Palácio do Louvre em museu: O que deve ser o museu? Deve ser uma mescla perfeita do que a arte e a natureza têm produzido de mais precioso em pinturas, estátuas, vasos e colunas de todas as disciplinas, sendo a maior parte delas antigas. Todos os quadros devem ser distribuídos pela ordem da escola e indicar, no modo como serão colocados, as diferentes épocas de nascimento, progresso, perfeição e decadência das artes. Os especialistas são os únicos que possuem as habilidades necessárias a serem empregadas na formação do museu, e os artistas não devem participar deste processo 4 (Le Brun apud CHECA, 2008: s/p) 4 Tradução independente a partir do original: Qué debe ser el museo. Debe ser una mezcla perfecta de lo que el arte y la naturaleza han producido de más precioso en cuadros, dibujos, estatuas, bustos, vasos y columnas de toda clase de materias, la mayor parte, antiguas [...]. Todos los cuadros deben ordenarse por orden de escuela e indicar, en la manera en que estarán colocados, las diferentes épocas del nacimiento, progreso, perfección y decadencia de las artes. Los expertos son los únicos que tienen los conocimientos necesarios para ser empleados en la formación del museo, y los artistas no deben concurrir allí. 18

19 Neste período, em plena Revolução Francesa, Le Brun entrara em controvérsia com o Ministro do Interior, Jean-Marie Roland, sobre o sentido histórico que o museu deveria adquirir. Para aquele, era necessário haver um especialista em História da Arte que organizasse as exposições. Elas não poderiam mais ficar a cargo dos artistas, uma vez que isso comprometeria o tempo que estes teriam para criar. Além disso, o especialista teria a importante função de organizar, de maneira minuciosa, as coleções monárquicas e eclesiásticas que naquele momento seriam confiscadas e expostas ao público. Esse momento traz à luz a necessidade de se repensar, já no ano de 1793, as ações desempenhadas pela museologia clássica. Para Le Brun, ver e comparar, previamente, muitas obras de arte; compreender as características e os artistas principais de cada escola, os quais não poderiam faltar em uma coleção; saber distinguir perfeitamente cópias de originais; e apreciar os méritos dos restauradores eram todos pontos indispensáveis para a formação de um museu. Além de conhecedor de História da Arte, Le Brun também era um importante marchand, com motivações econômicas claras. Por este motivo, conhecia bem o cenário artístico daquele momento. O seu triunfo naquilo que ficou conhecido como conservador de museus pode ser reconhecido até os dias de hoje, sendo o surgimento desse profissional um marco para o museu contemporâneo. No dia 18 de março de 1797, o Ministro do Interior mandou uma carta à administração do então Museu Central das Artes. A administração do museu tinha como planos dispor cronologicamente a sua coleção, de modo que a História da Arte, em suas diferentes escolas, pudesse ser mostrada ao público. Na carta, o Ministro pedia que essa série fosse realizada sem que se levasse em conta as coisas fracas. Segundo ele, a série cronológica da arte francesa não deveria conter obras medíocres. Isso mostra que, desde o início do Museu do Louvre, os interesses políticos eram claramente definidos; a formação do museu estava diretamente relacionada a uma imagem de governo a ser passada. Outro ponto requerido pelo Ministro era de que o critério de excelência artística deveria ser corrigido e ser adequado pelo rigor acadêmico. Para ele, era necessário Todas as traduções feitas do espanhol para o português, assim como as do inglês para o portugués, realizadas para essa dissertação, foram feitas por seu autor. 19

20 distinguir museus com critério mais rígidos, com coleções e intenções estéticas específicas, daqueles que tinham o caráter de funcionar como arquivo. Estes últimos tinham a obrigação de possuir uma função pedagógica, a fim de que a cronologia utilizada servisse para ensinar à população a História da Arte do país. Embora houvesse esse tipo de contraponto entre duas visões diferentes de museus, o governo revolucionário dizia que era necessário ter os dois tipos. Através desses exemplos, nota-se que desde o século XVIII, mais especificamente desde a Revolução Francesa, o museu que deveria ser administrado por um especialista foi tomado como uma instituição que precisaria ser aberta ao público tanto para fins de apreciação estética, quanto para a educação. O paradigma de excelência do Museu Revolucionário, criado pelos interesses da burguesia letrada européia, teve êxito tanto no século XIX quanto em parte do século XX. A importância e a popularidade que o museu francês passou a ter leva a uma outra questão. Neste período, até 1815, várias obras de arte eram levadas da Itália e de outras partes da Europa até a França para o Museu Napoleão. Uma série de antiguidades era exposta fora de seus territórios originários. Pinturas e esculturas que eram consideradas jóias raras da Antiguidade eram mostradas no Museu dos Museus. Por tais motivos, o arquiteto e teórico das artes Antoine Quatremère de Quincy, em 1796, apontou um problema que deveria ser considerado pelos museus que são frutos da Revolução Francesa. O problema apontado por Quincy pode ser resumido em duas questões: O que o museu deve exibir? Como deve ser resolvido o problema da descontextualização das obras do passado, inerente à própria instituição do museu, que desassocia as obras de seus locais originais? 5 (CHECA, 2008: s/p). Acrescentando outra questão, poder-se-ia perguntar se o intuito desses deslocamentos era apenas o de agregar patrimônios de outras localidades, a fim de lapidar uma espécie de imagem através de poderes simbólicos, ou se já haviam intenções claras, por parte do governo, de direcionar um tipo de consumo cultural? Tais questões podem ser transportadas para a atualidade, período em que instituições, mostras e festivais importam trabalhos dos mais diversos lugares (conforme veremos no Capítulo 2). 5 No original: qué debe mostrar el museo? Cómo «solucionar» el problema de la descontextualización de las obras del pasado, inherente a la propia esencia de la institución museística, que desvincula a las obras de sus emplazamientos originales? 20

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS.

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. ARAÚJO, Haroldo de 1; Prof.Dr. Costa, Luis Edegar de Oliveira 2;. Palavras chaves: Arte contemporânea; curadoria;

Leia mais

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR APRESENTAÇÃO Nosso objetivo é inaugurar um espaço virtual para o encontro, o diálogo e a troca de experiências. Em seis encontros, vamos discutir sobre arte, o ensino da

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES Poliana de Brito Morais ¹ Francisco de Assis Lucena² Resumo: O presente trabalho visa relatar as experiências

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s.

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s. Bom dia a todos e a todas, Não é difícil apontar vantagens económicas às medidas de gestão empresarial centradas na igualdade de género. Em primeiro lugar, porque permitem atrair e reter os melhores talentos;

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

Curadoria e montagem de exposições de arte: um campo de diversas profissões

Curadoria e montagem de exposições de arte: um campo de diversas profissões Curadoria e montagem de exposições de arte: um campo de diversas profissões As oportunidades de trabalho e as novas profissões ligadas à arte contemporânea têm crescido muito nos últimos anos, impulsionadas

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

Programa Educativo da Bienal na exposição Em Nome dos Artistas

Programa Educativo da Bienal na exposição Em Nome dos Artistas Programa Educativo da Bienal na exposição Em Nome dos Artistas O Programa Educativo da Bienal é responsável pela relação direta da Bienal com o público. Sob curadoria de Stela Barbieri, o programa tem

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados PRESIDENCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Assunto: DISCURSO DO EXMO. SUBCHEFE DE ASSUNTOS FEDERATIVOS DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DA

Leia mais

Como resultado da preparação desse I Workshop foram formalizadas orientações básicas para formatação de um projeto cultural que seguem abaixo.

Como resultado da preparação desse I Workshop foram formalizadas orientações básicas para formatação de um projeto cultural que seguem abaixo. ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO CULTURAIS A Fundação Cultural do Estado da Bahia tem como missão fomentar o desenvolvimento das Artes Visuais, Dança, Música, Teatro, Circo, Audiovisual, Culturas

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil

Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil Bases Fundamentais Convenção para a proteção e promoção da diversidade das expressões culturais Consolida princípios

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Educação Inclusiva ALUNO(A):Claudia Maria de Barros Fernandes Domingues MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 NÚCLEO REGIONAL: Rio

Leia mais

UNOCHAPECÓ Artes Visuais 6º período Conteúdo e Métodos II. Profª Me. Márcia Moreno

UNOCHAPECÓ Artes Visuais 6º período Conteúdo e Métodos II. Profª Me. Márcia Moreno UNOCHAPECÓ Artes Visuais 6º período Conteúdo e Métodos II Profª Me. Márcia Moreno 1 Conhecendo o Louvre... Foi no fim do século XII que Filipe Augusto mandou construir um castelo num local já chamado Louvre.

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

A TRAMA DO VALOR NA ARTE ASPECTOS DA HISTÓRIA DA CURADORIA

A TRAMA DO VALOR NA ARTE ASPECTOS DA HISTÓRIA DA CURADORIA 8.00.00.00-2 LINGUÍSTICA, LETRAS E ARTES 8.03.00.00-6 ARTES A TRAMA DO VALOR NA ARTE ASPECTOS DA HISTÓRIA DA CURADORIA CAROLINA CARMINI MARIANO LÚCIO - ORIENTANDA Curso de Arte: História, Crítica e Curadoria

Leia mais

EDUCAÇÃO SUPERIOR, INOVAÇÃO E PARQUES TECNOLÓGICOS

EDUCAÇÃO SUPERIOR, INOVAÇÃO E PARQUES TECNOLÓGICOS EDUCAÇÃO SUPERIOR, INOVAÇÃO E PARQUES TECNOLÓGICOS Jorge Luis Nicolas Audy * A Universidade vem sendo desafiada pela Sociedade em termos de uma maior aproximação e alinhamento com as demandas geradas pelo

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso.

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso. RESUMO Email Marketing: Pós-Graduação em Arquitetura Contemporânea 1 Silvia Fernanda Santos de SENA 2 Thiago Jerohan Albuquerque da Cruz 3 Fernando Israel FONTANELLA 4 Universidade Católica de Pernambuco,

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Regulamento de Estágio Curricular

Regulamento de Estágio Curricular Regulamento de Estágio Curricular REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR O presente regulamento normatiza o Estágio Curricular em acordo com a Lei nº 11.788, de 25/09/2008, componente do Projeto Pedagógico

Leia mais

ORIENTADOR EDUCACIONAL

ORIENTADOR EDUCACIONAL ORIENTADOR EDUCACIONAL 01. A discussão sobre a Organização do Trabalho na Escola permitiu que fosse determinada uma das atribuições inerentes à Orientação Educacional que é: (A) organizar as turmas homogêneas,

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção NORMAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Curso de Engenharia de Produção NORMAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Curso de Engenharia de Produção NORMAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Viçosa, Minas Gerais 2014 1 INTRODUÇÃO As atividades complementares, inseridas no projeto pedagógico, têm por finalidade proporcionar

Leia mais

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo 5 Conclusão Para melhor organizar a conclusão desse estudo, esse capítulo foi dividido em quatro partes. A primeira delas aborda as significações do vinho e como elas se relacionam com o aumento de consumo

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1201 RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1202 RESUMOS DE PROJETOS ENSINO, APRENDIZAGEM E FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM LETRAS: IDENTIDADES E CRENÇAS

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise

Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise Manoel Tosta Berlinck Um projeto de pesquisa é um objeto escrito que resulta de um processo de elaboração, esclarecimento e precisão.

Leia mais

AUTORA: Djenane Sichieri Wagner Cunha - djenanewagner@uol.com.br. INSTITUIÇÕES: Faculdade de Educação São Luís e Universidade Interativa COC

AUTORA: Djenane Sichieri Wagner Cunha - djenanewagner@uol.com.br. INSTITUIÇÕES: Faculdade de Educação São Luís e Universidade Interativa COC AUTORA: Djenane Sichieri Wagner Cunha - djenanewagner@uol.com.br INSTITUIÇÕES: Faculdade de Educação São Luís e Universidade Interativa COC TÍTULO: O TRABALHO COM OS PARADIDÁTICOS EM SALA DE AULA: Estratégias

Leia mais

INTERAÇÃO ENTRE TEORIA E PRÁTICA NO CANTEIRO DE OBRAS

INTERAÇÃO ENTRE TEORIA E PRÁTICA NO CANTEIRO DE OBRAS 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X ) TECNOLOGIA INTERAÇÃO

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

artigos sérios sobre tradução

artigos sérios sobre tradução 1 Introdução A principal motivação para este trabalho foi a redescoberta da seção Versão Brasileira, publicada mensalmente na revista Língua Portuguesa, após ter entrado em contato, durante o meu mestrado,

Leia mais

PROGRAMAs de. estudantil

PROGRAMAs de. estudantil PROGRAMAs de empreendedorismo e protagonismo estudantil Ciclo de Palestras MAGNUM Vale do Silício App Store Contatos Calendário Fotos Safari Cumprindo sua missão de oferecer uma educação inovadora e de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema.

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema. Aquecimento Global e Danos no Manguezal Pernambucano SANDRA MARIA DE LIMA ALVES 1 - sandrali@bol.com.br RESUMO Este artigo procura enriquecer a discussão sobre o fenômeno do aumento da temperatura na terra

Leia mais

OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA

OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA Dayvyd Lavaniery Marques de Medeiros Professor do IFRN Mestrando do PPGEP

Leia mais

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB ANDRADE, Luciene de 1 BARBOSA,Jamylli da Costa 2 FERREIRA, Jalmira Linhares Damasceno 3 SANTOS,

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA Nome: Nº 2 a. Série Data: / /2015 Professores: Gabriel e Marcelo Nota: (valor: 1,0) 3º bimestre de 2015 A - Introdução Neste bimestre, sua média foi inferior a 6,0 e

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra:

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra: MBA Pós - Graduação QUEM SOMOS Para pessoas que têm como objetivo de vida atuar local e globalmente, ser empreendedoras, conectadas e bem posicionadas no mercado, proporcionamos uma formação de excelência,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DA ARTE - TURMA 2015 PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EMENTAS DOS CURSOS Arte

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC ENTREVISTA MUSEO DE ARTE LATINOAMERICANO DE BUENOS AIRES MALBA FUNDACIÓN CONSTANTINI Entrevista realizada com a educadora Florencia González de Langarica que coordenou o educativo do Malba até 2012, concedida

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #22 - maio 2015 - assistente social. agora? Sou E Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

Investimento para Mulheres

Investimento para Mulheres Investimento para Mulheres Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

Roteiro VcPodMais#005

Roteiro VcPodMais#005 Roteiro VcPodMais#005 Conseguiram colocar a concentração total no momento presente, ou naquilo que estava fazendo no momento? Para quem não ouviu o programa anterior, sugiro que o faça. Hoje vamos continuar

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

GESTOR ESCOLAR: ENTRE A PEDAGOGIA E A ADMINISTRAÇÃO

GESTOR ESCOLAR: ENTRE A PEDAGOGIA E A ADMINISTRAÇÃO GESTOR ESCOLAR: ENTRE A PEDAGOGIA E A ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO Beatriz de Castro Rosa 1 O reconhecimento acadêmico de uma Instituição de Ensino Superior decorre, dentre outros fatores, do desenvolvimento

Leia mais

Ampliando o olhar sobre a Arte

Ampliando o olhar sobre a Arte Ampliando o olhar sobre a Arte A Arte reflete a história da humanidade. Desde as primeiras expressões artísticas (Arte rupestre) até os dias de hoje, podemos compreender o desenvolvimento do homem em cada

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

1. Você conhecia a história do bairro de Pinheiros? sim não 4 19

1. Você conhecia a história do bairro de Pinheiros? sim não 4 19 1. Você conhecia a história do bairro de Pinheiros? sim não 4 19 Você conhecia a história do bairro de Pinheiros? sim 17% não 83% 2. O que achou da transformação do Largo de Pinheiros? Diferente, muito

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: Matemática; Geometria; Aulas Investigativas. Introdução

Resumo. Palavras-chave: Matemática; Geometria; Aulas Investigativas. Introdução III Seminário sobre Educação Matemática A desigualdade triangular em diferentes mídias Paulo César da Penha pcpenha@terra.com.br GRUCOGEO/USF/ Secretaria da Educação de Itatiba-SP Resumo O relato de experiência

Leia mais

A mobilização de conhecimentos matemáticos no ensino de Física

A mobilização de conhecimentos matemáticos no ensino de Física Cintia Ap. Bento dos Santos Universidade Cruzeiro do Sul Brasil cintiabento@ig.com.br Edda Curi Universidade Cruzeiro do Sul Brasil edda.curi@cruzeirodosul.edu.br Resumo Este artigo apresenta um recorte

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância 1 Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância Mariana Atanásio, Nº 2036909. Universidade da Madeira, Centro de Competência das Ciências Sociais, Departamento

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Eixo Temático ET-02-002 - Gestão de Áreas Protegidas RESERVA DE FLORESTA URBANA MATA DO PASSARINHO: EXPERIÊNCIAS DE UMA ÁREA PROTEGIDA EM MEIO URBANO

Eixo Temático ET-02-002 - Gestão de Áreas Protegidas RESERVA DE FLORESTA URBANA MATA DO PASSARINHO: EXPERIÊNCIAS DE UMA ÁREA PROTEGIDA EM MEIO URBANO 148 Eixo Temático ET-02-002 - Gestão de Áreas Protegidas RESERVA DE FLORESTA URBANA MATA DO PASSARINHO: EXPERIÊNCIAS DE UMA ÁREA PROTEGIDA EM MEIO URBANO Wellington Lima Pereira; Cleide Amorim Leite RESUMO

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Luna Abrano Bocchi Laís Oliveira O estudante autônomo é aquele que sabe em que direção deve avançar, que tem ou está em

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

EXPLORANDO ALGUMAS IDEIAS CENTRAIS DO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO FUNDAMENTAL. Giovani Cammarota

EXPLORANDO ALGUMAS IDEIAS CENTRAIS DO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO FUNDAMENTAL. Giovani Cammarota UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA PRÁTICA DE ENSINO DE MATEMÁTICA III EXPLORANDO ALGUMAS IDEIAS CENTRAIS DO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO FUNDAMENTAL Giovani Cammarota

Leia mais

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT Silmara Alexandra da Silva Vicente Universidade Presbiteriana Mackenzie Gisela Hernandes Gomes Universidade Presbiteriana

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais