Avaliando gêneros digitais e contexto interacional em atividades pedagógicas para aprendizagem móvel no Facebook

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliando gêneros digitais e contexto interacional em atividades pedagógicas para aprendizagem móvel no Facebook"

Transcrição

1 Avaliando gêneros digitais e contexto interacional em atividades pedagógicas para aprendizagem móvel no Facebook Lafayette Batista Melo 1 (IFPB UNICAMP) Resumo: Este trabalho trata da análise de gêneros digitais em educação móvel. O objetivo é estudar como gêneros digitais mudam com a mobilidade em redes sociais. É utilizado o conceito de contexto interacional e é feito um estudo de caso, registrando o uso de smartphones com o aplicativo Facebook para Android por professor e alunos. Os resultados apontam que a investigação da configuração contextual traz pistas que não seriam obtidas apenas avaliando gêneros e que o enquadre do gênero em um domínio esclarece pontos que só o a observância aos padrões de interface não esclareceria. Observou-se uma reelaboração de gêneros inovadora, decorrente da forma de postar no domínio pedagógico. Palavras-chave: contexto interacional, gêneros, Facebook. Abstract: This paper deals with the analysis of digital genres in mobile education. The objective is to study how digital genres change with mobility in social networks. We use the concept of interactional context and is made a case study, recording the use of smartphones by teacher and students, with the App Facebook for Android. The results indicate that the investigation brings contextual clues that would not obtained only evaluating genres and that genres in a domain clarify points that could not be obtained just observing the adherence to interface patterns. There was a reworking of innovative genres, due to the form of posting in the pedagogical domain. Keyword: interactional context, genres, Facebook. 1 Lafayette BATISTA MELO (Prof. Dr., Pós-doutorando) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB) Unidade Acadêmica de Informática, Núcleo de Aprendizagem Virtual Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Instituto de Estudos da Linguagem (onde exerce estágio de pós doutorado) - 1 -

2 Introdução Este trabalho trata da análise de gêneros digitais em educação móvel. O objetivo é integrar estudos de interação humano-computador com análises de gêneros digitais no domínio pedagógico, utilizando-se de dispositivos móveis para acesso a redes sociais. Parte-se do conceito de reelaboração de gêneros para se inferir sobre transformações que ocorrem nos gêneros pedagógicos (notas de aula, projetos, testes etc). O objetivo da pesquisa é verificar as possibilidades de avaliação da interface de Apps em smartphones a partir da noção de contexto interacional, conforme Jones (2002) e Melo (2011), para compreender utilizações criativas e únicas, em práticas de uso das redes sociais através de dispositivos móveis. Porém, a pesquisa também verifica nessas situações como estão funcionando os padrões de interface, como colocado em Neil (2012) e Tidwell (2011). Isso é feito para que, além do estudo de caso, seja feita uma triangulação dos dados analisados com o atendimento aos padrões de design de interface. A seguir, são mostrados os fundamentos relacionados à pesquisa, enfocando a perspectiva de gêneros, a descrição do que é o contexto operacional e os padrões de interface a serem estudados. Em seguida, relata-se como foi investigado o uso do App Facebook para Android por parte de professor e alunos, enquadrando quatro situações típicas. Adiante, mostra-se como as informações do contexto interacional analisadas são trianguladas com a checagem do estudo de padrões e os gêneros desenvolvidos, dentro de um quadro comparativo. Finalmente, é feita uma conclusão, relatando como a apropriação de novas tecnologias influencia na prática - 2 -

3 dos usuários e no trabalho dos pesquisadores, especialmente para os gêneros pedagógicos envolvidos na pesquisa. Fundamentos A questão dos gêneros textuais ou discursivos em linguística está adquirindo novos contornos com o surgimento de práticas mediadas pelo computador cada vez mais presentes no mundo digital e na vida em geral. Uma problemática importante é a maneira como os gêneros são mobilizados na Internet e se mudam ou não ou de qual forma. Parto da perspectiva de Marcuschi (2002) que diz que gêneros são eventos textuais maleáveis, que surgem ligados a necessidades e atividades sócioculturais, bem como na relação com inovações tecnológicas. Dessa forma, uma carta, um memorando, protestos ou aulas surgem em determinados momentos e conforme necessidades sociais e podem ter sua contrapartida em um mundo mediado pelas novas tecnologias. De acordo com Maingueneau (2001), gêneros são dispositivos de comunicação que só podem aparecer quando certas condições sóciohistóricas estão presentes e são reconhecidos socialmente. O autor também trabalha com o conceito de midium, que faz referência às várias mídias, destacando o papel do suporte que Marcuschi (2002) entende como sendo um portador de texto, ou seja, um locus físico ou virtual que serve de base de fixação do gênero materializado como texto. Vale salientar que a ideia de suporte precisa ser bem precisa porque, dependendo do momento histórico e do grau de desenvolvimento tecnológico, pode haver algumas confusões. Um outdoor na rua, na verdade, é um suporte para gêneros como avisos e propagandas. Um jornal pode ser considerado um suporte para vários gêneros que seriam os artigos de opinião e as notícias. No mundo digital, um começou como sendo uma espécie de carta para enviar mensagens, mas também há sua versão comercial e não deve ser - 3 -

4 confundido o ao qual nos referimos como sendo a interface que aparece na tela (por exemplo, o do Gmail) nem muito menos o endereço. Usamos o nome indistintamente para vários significados. Semelhantemente, as redes sociais podem ser entendidas como as conexões pessoais, a plataforma ou programa (por exemplo, do Facebook) ou a interface que aparece para o usuário com suas várias funcionalidades. Outra questão importante diz respeito às mudanças ou mesclas de gênero que ocorrem nas redes sociais como bem tratam Costa (2011), Zavam (2009) e Lima-Neto (2012). Para esses autores, a ideia de intergenericidade não tem sido muito produtiva. Tem sido inclusive preferível o termo mescla ou reelaboração em vez de mutação de gêneros, devido a novas traduções da obra de Bakhtin. A intergenericidade seria apenas uma das maneiras de misturar gêneros e seria muito pobre ver essas misturas apenas como relação entre forma e função social, sendo esta sempre prevalecida. Assim, seria melhor entender que, na mudança dos gêneros, haveria reelaborações criadoras e inovadoras. Na reelaboração inovadora, as mudanças dariam origem a novos gêneros. Na reelaboração criadora, seriam abrangidas todas as modificações pelas quais qualquer gênero passa no período da sua existência, não necessariamente gerando novos gêneros (e podendo ser de natureza interna quando outro gênero não é incorporado - ou externa quando há essa incorporação). Como o interesse desta pesquisa está relacionado à interface como suporte e às mudanças dentro do contexto pedagógico no mundo da mobilidade em redes sociais, utilizo os parâmetros de contexto interacional para identificar as mudanças. O contexto interacional envolve atividades (no caso, trato daquelas relacionadas ao domínio pedagógico) e operações sobre o suporte ou a interface empregada em determinado gênero (no caso, do Facebook). Melo (2011) parte de Jones (2002) para propor três dimensões para o contexto da interação humanocomputador-humano, que podem ser utilizadas para analisar o funcionamento das redes socias: a polifocalidade (de atividades às quais os usuários podem se dedicar - 4 -

5 ao mesmo tempo no uso do computador), a acesssibilidade interacional (a forma de exposição de um usuário ao outro de como estar presente através da interface, que pode envolver estar disponível, invisível, trabalhando, offline, desativado etc) e a configuração contextual. Este é o conceito que mais interessa, pois diz como as pessoas efetivamente empregam suporte de gêneros para materializar suas atividades. Esta configuração é a forma como as pessoas percebem, usam e gerenciam as configurações dos seus ambientes quando interagem publicamente em formatações, comandos e habilitações. Segundo Melo (2011), tanto no ambiente físico quanto nos sistemas, não temos apenas configurações a serem investigadas e que podem ser habilitadas ou desabilitadas para uma completa investigação das possibilidades de interação. Essas possibilidades se fazem no uso dos ambientes virtuais ou físicos e podem depender muito das habilidades e dos interesses que as pessoas têm no momento ou do que pretendem negociar, ou melhor, do discurso nos quais estão inscritas. No caso desta pesquisa, o suporte é o da interface do Facebook em dispositivos móveis e os gêneros são aqueles que eventualmente sofram transformações no domínio pedagógico (notas de aula, projetos, testes, exercícios, gabaritos etc). Assim, serão verificadas situações reais pelas quais passaram professor e aluno no desenvolvimento de uma disciplina com auxílio do Facebook, descrevendo-se tarefas feitas exclusivamente através de smartphones. Com isso, poderá ser verificado, ao mesmo tempo, até que ponto há práticas próprias em dispositivos móveis e em redes sociais que eventualmente tragam mudanças em relação ao uso em desktop e também nos gêneros. Será verificado até que ponto as mudanças de contexto suplantam o domínio pedagógico. Como a ideia de gêneros e de configuração contextual pode ter algumas correlações, mas não necessariamente relações de causa e efeito, será buscada, nos estudos de padrões de interface, uma forma de complementar o ciclo da pesquisa. Em outras palavras, temos consideradas as perspectivas de funcionamento da linguagem dos usuários (nos gêneros), de uso dos ambientes (no - 5 -

6 contexto interacional), mas precisamos ver até que ponto o projeto da interface influi na linguagem e ações ou se é subvertido e ignorado. Vamos tratar, na perspectiva de projeto, dos padrões de interface descritos adiante. Os estudos sobre design de interface com base em padrões estão em alta e veem não as práticas através da interface, mas como poderiam ser melhorados os projetos para uma experimentação mais efetiva e satisfatória por parte dos usuários. O foco desses estudos não é ditar um passo a passo de como construir interfaces, mas mostrar pontos de partida concretos que seriam referendados por diversas pesquisas como sendo de melhor suporte para as práticas dos usuários. Tidwell (2011) trata os padrões como estruturas e comportamentos característicos que melhoram a habitabilidade de algo tornam as coisas mais fáceis, compreensíveis, úteis e com boa usabilidade. Neil (2012) trata de como seriam os padrões específicos para dispositivos móveis. Os padrões seriam os melhores idiomas (interfaces reconhecíveis como páginas, planilhas, editores etc) a serem seguidos, inclusive com representações concretas de layout, mas não algo estrito. O projetista partiria dos padrões, inclusive para construir os seus próprios padrões, que poderiam ser bem diferenciados dos que já estão estabelecidos. Há uma infinidade de padrões, mas vamos nos ater aqui aos que podem ser seguidos em redes sociais especialmente através de dispositivos móveis. Exemplos desses padrões que foram os conferidos na seção do quadro comparativo adiante ao final do artigo são os seguintes: springboard (elementos dispostos de forma espaçada em uma estrutura de linhas com colunas na tela de um smarphone por exemplo, nove ícones na tela principal de um aplicativo em disposição 3X3); streamlined branding ou marca simplificada (padrão móvel que diz que o logo, cores e outras marcas devem ser pequenos e fáceis de carregar); repostar-e-comentar (diz que uma mídia social deve ter possibilidade tanto que um leitor/amigo comente o que o usuário escreveu bem como de comentários do próprio usuário); ferramentas de toque (orienta que o App de um celular deve mostrar recursos/comandos apenas - 6 -

7 em resposta ao toque ou pressionamento de tecla, com sobreposição ao conteúdo, como em um player de vídeo); Apps ricamente conectados (diz que links de conteúdos em um celular devem estar diretamente ligados aos seus respectivos aplicativos como no link de fotografia através do Facebook, que chama imediatamente o App nativo do celular para tirar fotos). Aplicação do contexto interacional: estudo de caso no Facebook Mobile para as atividades pedagógicas Como nas diretrizes de estudo do contexto interacional, a investigação de uso da interface é feita em situações reais, é importante que se delimite em que domínio as atividades são realizadas. Portanto, o nosso corpus para a pesquisa envolve a utilização de grupos no Facebook para o apoio a duas disciplinas presenciais de um curso superior de desenvolvimento de sistemas. Os dados foram coletados em dois períodos letivos. As atividades pedagógicas envolveram postagens, definindo data e conteúdo da aula, explicações sobre conceitos não esclarecidos em sala ou suplementares, exemplos em vários formatos para enriquecimento dos tópicos das aulas, exercícios etc. Foram enumeradas ações colaborativas realizadas através do aplicativo oficial do Facebook para a plataforma Android (versão 4.3.2), em um smartphone do professor das disciplinas, marca Samsung, modelo Galaxy S II. Adiante, são analisados exemplos reais em ações cotidianas, de modo que se faça a relação adequada entre o contexto interacional real de uso e as condições impostas ou não pelos gêneros e padrões. As ações de contexto interacional observadas neste trabalho são: postagem de aula no grupo da disciplina, visualização de comentários dos alunos, envio de mensagens aos alunos e postagem de conteúdos ou suplementos (links, vídeos ou imagens)

8 Postagem de aula no grupo Ao entrar no grupo de sua disciplina no Facebook, o professor pode escrever um texto e tocar o botão Publicar, fazendo com que a postagem apareça no grupo, conforme a figura 1-a. Há várias peculiaridades em relação ao contexto interacional. O professor tem a possibilidade de enviar seu texto em movimento, no momento em que está em direção ao trabalho, fazendo com que a polifocalidade de suas ações seja distribuída também no percurso, ou seja, entre o uso de s e outros programas, mas também conforme a posição em que está. O modo como o processo interativo é desenvolvido também é peculiar pelo fato de alguns alunos observarem a postagem e usarem a opção Curtir, evidenciando a acessibilidade interacional entre professor e alunos. Há, inclusive, momentos nos quais o professor postou que estava atrasado para a aula que se iniciaria e, ao observar a marcação de Curtir dos alunos, conseguiu construir em conjunto uma estratégia para avisos e seus retornos. A configuração contextual envolve reconhecimento e usos bem diferenciados de acordo com o dispositivo e as possibilidades tecnológicas atuais. O professor, em período anterior, conseguia localizar o grupo e enviar uma postagem, mas no modo de edição da tela não havia uma marcação textual do grupo, o que causava dúvida sobre se a mensagem tinha ido realmente para o grupo ou outro local. A maneira como é configurada a função de Compartilhar também tem diferenças hoje, sendo mostrada agora em uma tela à parte. Além disso, o modo como o professor usa o dispositivo móvel e o compara com seu próprio uso em desktop suscita algumas questões. No desktop há indicação, através de um ícone de celular, de que a postagem foi realizada por dispositivo móvel. Porém, no smartphone não há diferenciação. Um fator - 8 -

9 interessante para essa configuração é que o professor fica focado ao uso da timeline do grupo, já que outras funções ficam ocultas. Visualização de comentários dos alunos O professor também pedia que os exercícios fossem feitos em forma de comentários sobre determinadas postagens que colocara. No caso do acompanhamento móvel, ao chegar ao grupo, pôde ser visto como algumas estratégias foram desenvolvidas, mas que não se diferenciavam muito via desktop. Por exemplo: ao colocar uma pergunta, o professor combinou com os alunos que, para cada resposta curtida por ele, haveria a indicação de que houve um acerto. Cada atividade precisava ser comentada pelos alunos para se indicar o nível em que ele estava. O que foi identificado na análise, diz respeito mais a como a configuração contextual da relação postagem-comentários era visualizada e proporcionava um certa acessibilidade interacional. Há indicação das postagens de Visualizada por..., na última versão do Facebook para Android, que aparece em uma ordem diferenciada da que ocorre via desktop, pois só surge depois que é tocado o link Comentários (em desktop já aparece na timeline). Isso não suscitou diferença na atividade do professor. Porém, o fato de as postagens estarem mais compactas, sem aparecimento de seus respectivos comentários na timeline do grupo (que surgem apenas quando se toca no link Comentários ) trouxe maior organização e eficiência na visualização das postagens para identificação mais imediata se seria uma atividade para os alunos ou outro tipo, conforme figura 1-b. Envio de mensagem a alunos ou uso do chat - 9 -

10 Nesse caso, há duas situações via smartphone. Uma é a partir de um texto no formato de postagem, do mesmo modo que é feito com a postagem em grupo para aula. Outra forma é utilizando antes a mensagem em grupo no Facebook via desktop e só depois usando esta seção através do dispositivo móvel, conforme é mostrado na figura 1-c, acionando com um toque o balãozinho em destaque ou o botão do grupo. Esta situação limita a configuração contextual. Isso provavelmente aconteça porque o Facebook não integrou ainda os usos não móveis com os móveis. Em termos de acessibilidade interacional, a disposição de professor e alunos no desktop fica em uma seção de chat ou no agrupamento de pessoas do grupo para uma mensagem. Porém, em termos de interface móvel, fica a marcação de mensagens para o grupo e mais um balãozinho que também representa esse grupo. Pode ser até utilizado o programa do Facebook Messenger à parte, mas a interface é idêntica à do recurso de mensagens na interface do App. Em termos contextuais da atividade propriamente dita, o que pode ser observado é que o professor acionava diretamente no smartphone quaisquer cobranças sobre a realização de exercícios, além dos conteúdos, mas é preferível a utilização de bate-papo através dos balõezinhos para respostas imediatas como dúvidas rápidas sobre as aulas. Postagem de conteúdos ou suplementos Durante as aulas, o professor podia dispor conteúdos através de mídias diversas bem como recebê-los dos alunos. Essas mídias poderiam incluir links para novas páginas, imagens ou vídeos, coletados pelo professor na Web ou por ele produzidos. Uma primeira peculiaridade em relação ao uso do dispositivo móvel, é que ele não destaca com tanta ênfase um item que é compartilhado para si mesmo. Ou seja, no desktop, um item compartilhado para si (no caso de o professor querer compartilhar no grupo, mas não mostrar de imediato) fica envolto por um quadro pontilhado. No smartphone, a única pista de verificação de que o

11 conteúdo ainda é privado para o próprio professor é um ícone de cadeado, o que dificulta o distinguir de imediato. Ao ser efetivamente compartilhado, o item é disposto conforme está na figura 1-d, nesse caso um vídeo de um seminário recebido dos alunos. A configuração contextual no smartphone requer o conhecimento de que os comentários colocados são vistos apenas com um toque no link de comentários. Além disso, no caso do smartphone, o sistema pergunta sobre qual programa deseja que o vídeo seja executado. Este programa é o player do Android. No uso propriamente dito desses conteúdos, a polifocalidade depende de uma interrupção do usuário para fazer outra tarefa e retornar (por exemplo, pausar o vídeo e em seguida voltar). A acessibilidade interacional ocorre mais antes e depois do uso do conteúdo, já que nesse momento os usuários têm foco na manipulação de um objeto. Figura 1: Atividades pedagógicas no Facebook para Android Relações entre contexto interacional, gêneros e padrões

12 Veja a comparação de padrões com o uso dentro dos gêneros, no contexto interacional próprio das atividades de apoio às aulas, no quadro 1 adiante. Quadro 1: Quadro comparativo contexto interacional Vs gêneros-padrões Ação de contexto interacional Padrões Gêneros Ação de contexto interacional Padrões Gêneros Ação de contexto interacional Padrões Gêneros Ação de contexto interacional Padrões Postagem de aula Para a atividade como um todo não houve padrão específico utilizado para dispositivos móveis. Isso ocorreu pelo fato de uma versão anterior do aplicativo utilizar o padrão dashboard na entrada. Contudo, o padrão de streamline branding é usado na postagem do grupo para carregar postagens antigas. Não houve necessidade de mudanças de práticas do desktop para os smartphones, apesar de o percurso desta atividade como um todo não ser realizado dentro de um padrão bem definido. A postagem caracterizaria o início e desenvolvimento do próprio gênero aula. Visualização de comentário dos alunos O padrão de interface para mídias sociais repostar-e-comentar é obedecido no grupo do Facebook, possibilitando que o usuário repita e comente algo ao mesmo tempo. Contudo, não há nada que especifique o uso móvel em termos de padrões, mas as experiências efetivas mostraram que a forma mais compacta de apresentar as relações comentário-resposta poderia ser um padrão, comparando com a versão desktop. A versão desktop poderia ter habilitações na interface para se deixar a apresentação de comentários conforme necessário. Desenvolvimento e visualização de exercícios através de respostas dos alunos que poderiam ser feitas textualmente nos comentários ou com um link para algum documento. Possibilidade de indicação de respostas certas com Curtir e de disponibilidade de um gabarito com um link para outro documento que seria aberto dependendo de o aluno ter um programa no Android compatível. Envio de mensagem a alunos ou uso do chat Para o uso dos balõezinhos, não há padrão relacionado. Os balõezinhos com os grupos com os quais houve alguma conversa aparecem sobre a interface do Android, independentemente de se estar utilizando o App, o que pode requerer que seja definido algum padrão. Avisos sobre as aulas, dicas, cobranças de exercícios e espaços para tirar díuvidas. Houve mais a utilização de alguns gêneros burocráticos para apoio às aulas do que gêneros pedagógicos propriamente ditos. Postagem de conteúdos ou suplementos Há o padrão ferramentas de toque no dispositivo móvel em resposta ao acionamento do link com o conteúdo. Nesse caso, o controle fica sob o sistema operacional do dispositivo, o que também é previsto pelo padrão Apps ricamente conectados. Há necessidade de mudanças de práticas em relação ao desktop para situações em que se requer que o usuário professor ou aluno tenha um conhecimento dos Apps adicionais do seu aparelho, mas nada em relação à interface

13 Gêneros Espaço para trabalhar conteúdo suplementar, desenvolver seminários, explicar a própria aula antes anteriormente desenvolvida o que pode se caracterizar como desenvolvimento continuidade e finalização das próprias aulas (de um assunto específico). Conclusão Pôde-se observar que o contexto interacional, empregado para avaliar usos e a perspectiva de gêneros, mostra mudanças internas dos eventos linguísticos do tipo reelaboração inovadora. Sobretudo na análise de questões específicas do contexto de uso de um dispositivo móvel, com uma finalidade específica como a pedagógica, a configuração contextual mostra algumas mudanças que não são observáveis meramente procurando-se gêneros associados. Já a falta de atendimento aos padrões não afeta o uso contextual do professor, a não ser na categoria de Postagem de conteúdos ou suplementos, cujo padrão perfeitamente adotado não objetiva interações entre as pessoas, mas meramente manipulação de conteúdo. Assim, também pode-se notar que, para esta pesquisa, o contexto interacional possibilita não apenas uma compreensão adequada de como as atividades mediadas pela interface são desempenhadas, mas supre aspectos de entendimento que os padrões não alcançam, especialmente em usos próprios da interface e na apropriação de configurações contextuais novas trazidas a cada dia por um aplicativo como o Facebook para Android, diferentemente do modo como é o uso via desktop. Vale lembrar que algumas mudanças de interface só são sugeridas depois de contrastado o uso com os padrões, que são direcionados a interface móveis, de redes sociais ou de navegabilidade de um modo geral. Não há padrões para rede social no smarphone, o que talvez possa ser explicado melhor na abordagem de contexto interacional. Os gêneros operam independentemente das operações dos professores e alunos sobre a interface, e parecem ter uma dominância não só do

14 campo pedagógico, mas do direcionamento que o professor dá ao grupo do Facebook, seja na utilização móvel ou não. Enfim, exercícios, gabaritos, aulas etc. funcionam dentro dos propósitos dos gêneros pedagógicos, incluindo a administração das aulas como um todo, e a reelaboração inovadora é identificada em características de contexto que dizem respeito à acessibilidade, mas principalmente em relação à configuração contextual, sendo verificável poucos momentos de polifocalidade, especialmente no uso dos dispositivos em movimento. O atendimento maior ou menor aos padrões de interface não afeta os propósitos em nenhum instante, modificando apenas a eficiência das tarefas. Resultados diferentes podem se observados se as pesquisas girarem em torno de timelines fora de grupos sem observância a um domínio de atividade, como a pedagógica. Este fato indica que eventuais dispersões ou mudanças totais de gêneros no âmbito digital podem ocorrer mais em situações nas quais um campo não é delimitado nem é planejado o seu desenvolvimento das atividades genéricas. Caberá ao pesquisador, além da definição de objetivos em seu trabalho, demarcar como escolher seus dados, o modo de acompanhamento das ações nos gêneros e quais outros parâmetros lhe são de interesse no sentido encontrar resultados diferentes dos que foram colocados nas condições deste trabalho. De todo modo, os resultados aqui encontrados apontam que a investigação da configuração contextual traz pistas que não seriam obtidas apenas avaliando gêneros e que o enquadre do gênero em um domínio esclarece pontos que só o a observância aos padrões de interface não esclareceria. Referências Costa, R. F. da, Araújo, J. C. A reelaboração do gênero telenovela na migração entre suportes visuais. In: Anais do VII Congresso Internacional da ABRALIN, Curitiba,

15 Jones, R. H. The problem of context in computer mediated communication. Georgetown Roundtable on Language and Linguistics, Disponível em Acesso em: 10/11/2012. Lima-Neto, V. de, Araújo, J. C. Por uma rediscussão do conceito de intergenericidade. In: Linguagem em discurso, V. 12, N. 1, Maingueneau, D. Análise de textos de comunicação. São Paulo: Cortez, Marcuschi, L. A. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola, Melo, L. B. Avaliação de Interfaces em Redes Sociais para investigação do contexto interacional. In: V Conferência Latino-Americana da Interação Humanocomputador, 2011, Porto de Galinhas. V Conferência Latino-Americana da Interação Humano-computador, 2011a. Neil, T. Padrões de design para aplicativos móveis. São Paulo: O Reilly, Tidwell, J. Designing Interfaces. 2ª. Canada O Reilly, ZAVAM, A. Por uma abordagem diacrônica dos gêneros do discurso: o conceito de tradição discursiva e sua aplicação em um estudo sobre editoriais de jornais. Tese (Doutorado em Linguística). Fortaleza: Programa de Pós-Graduação em Linguísticada Universidade Federal do Ceará,

MANUAL DE MEMBRO COMUNIDADE DO AMIGO

MANUAL DE MEMBRO COMUNIDADE DO AMIGO SUMÁRIO Efetuando o Login na comunidade... 3 Esqueceu sua senha?... 3 Página Principal... 4 Detalhando o item Configurações... 5 Alterar Foto... 5 Alterar Senha... 5 Dados Pessoais... 6 Configurações de

Leia mais

Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail...

Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail... FACEBOOK Sumário Aspectos Básicos... 3 Como Empresas usam o Facebook... 3 Introdução ao Facebook... 4 Criando um Cadastro... 5 Confirmando E-mail... 8 Características do Facebook... 10 Postagens... 11

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

Moodle - CEAD Manual do Estudante

Moodle - CEAD Manual do Estudante Moodle - CEAD Manual do Estudante Índice Introdução 3 Acessando o Ambiente 4 Acessando o Curso 5 Navegando no Ambiente do Curso 5 Box Participantes 5 Box Atividades 5 Box Buscar nos Fóruns 5 Box Administração

Leia mais

Android. 10 vantagens do sistema Android em relação ao iphone

Android. 10 vantagens do sistema Android em relação ao iphone Android Android é um sistema operacional do Google para smartphones, TVs e tablets. Baseado em Linux e de código aberto, o sistema móvel é utilizado em aparelhos da Samsung, LG, Sony, HTC, Motorola, Positivo,

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Escritório de Gestão de Projetos em EAD Unisinos http://www.unisinos.br/ead 2 A partir de agora,

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

Guia Rápido de Utilização. Ambiente Virtual de Aprendizagem. Perfil Aluno

Guia Rápido de Utilização. Ambiente Virtual de Aprendizagem. Perfil Aluno Guia Rápido de Utilização Ambiente Virtual de Aprendizagem Perfil Aluno 2015 APRESENTAÇÃO O Moodle é um Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) open source¹. Esta Plataforma tornouse popular e hoje é utilizada

Leia mais

Tutorial Moodle Visão do Aluno

Tutorial Moodle Visão do Aluno Tutorial Moodle Visão do Aluno A P R E S E N T A Ç Ã O A sigla MOODLE significa (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment), em inglês MOODLE é um verbo que descreve a ação ao realizar com gosto

Leia mais

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem 2.1 Introdução Caro Pós-Graduando, Nesta unidade, abordaremos o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) que será utilizado no curso: o Moodle. Serão

Leia mais

MOBILE APPS. Principais características. Permitir que o cliente compre produtos e serviços diretamente via app

MOBILE APPS. Principais características. Permitir que o cliente compre produtos e serviços diretamente via app MOBILE APPS Aplicativo para relacionamento e marketing digital, pronto para todos os dispositivos móveis, nas plataformas ios, Android (aplicativos nativos) e mobile web, para plataformas como BlackBerry

Leia mais

Programa EAD-EJEF. Manual do Estudante

Programa EAD-EJEF. Manual do Estudante Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais - TJMG Escola Judicial Desembargador Edésio Fernandes - EJEF Programa de Educação a Distância do TJMG EAD-EJEF Programa EAD-EJEF Manual do Estudante Versão

Leia mais

Tutorial 7 Fóruns no Moodle

Tutorial 7 Fóruns no Moodle Tutorial 7 Fóruns no Moodle O Fórum é uma atividade do Moodle que permite uma comunicação assíncrona entre os participantes de uma comunidade virtual. A comunicação assíncrona estabelecida em fóruns acontece

Leia mais

Sumário INTRODUÇÃO... 3. 1. Acesso ao Ambiente do Aluno... 4. 2. Ferramentas e Configurações... 5. 2.1 Ver Perfil... 5. 2.2 Modificar Perfil...

Sumário INTRODUÇÃO... 3. 1. Acesso ao Ambiente do Aluno... 4. 2. Ferramentas e Configurações... 5. 2.1 Ver Perfil... 5. 2.2 Modificar Perfil... Sumário INTRODUÇÃO... 3 1. Acesso ao Ambiente do Aluno... 4 2. Ferramentas e Configurações... 5 2.1 Ver Perfil... 5 2.2 Modificar Perfil... 6 2.3 Alterar Senha... 11 2.4 Mensagens... 11 2.4.1 Mandando

Leia mais

Manual do Ambiente Moodle para Alunos

Manual do Ambiente Moodle para Alunos UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL Manual do Ambiente Moodle para Alunos Versão 1.0b Setembro/2011 Direitos Autorais: Essa apostila está licenciada sob uma Licença Creative Commons 3.0 Atribuição de

Leia mais

Trabalho sobre o Facebook. De Sistemas Formador Tomás Lima

Trabalho sobre o Facebook. De Sistemas Formador Tomás Lima Trabalho sobre o Facebook De Sistemas Formador Tomás Lima Formando Marco Silva S - 13 Índice Facebook... 3 Porque todas essas perguntas para criar um perfil?... 3 O Facebook fornece várias maneiras de

Leia mais

CURSOS A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO

CURSOS A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO CURSOS A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO TUTORIAL PARA TUTORES PLATAFORMA MOODLE OURO PRETO 2014 1 SUMÁRIO 1. PRIMEIRO ACESSO À PLATAFORMA... 03 2. PLATAFORMA DO CURSO... 07 2.1 Barra de Navegação...

Leia mais

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Adriano Lima Belo Horizonte 2011 SUMÁRIO Apresentação... 3 Acesso ao Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA ESP-MG... 3 Programação do curso no AVA-ESPMG

Leia mais

Aviso. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

Aviso. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Guia de Utilização 2015 Aviso O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta publicação pode ser

Leia mais

Apresentação. Estamos à disposição para quaisquer dúvidas e sugestões! Atenciosamente, Equipe do Portal UNESC

Apresentação. Estamos à disposição para quaisquer dúvidas e sugestões! Atenciosamente, Equipe do Portal UNESC Sumário Apresentação... 1 1. Orientações Iniciais... 2 2. Recursos... 4 2.1 Rótulos... 4 2.2 Página de Texto Simples... 8 2.3 Página de Texto Formatado... 12 2.4 Site... 16 2.5 Arquivo... 21 2.6 Pasta

Leia mais

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD TUTORIAL MOODLE VERSÃO ALUNO Machado/MG 2013 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. EDITANDO O PERFIL... 5 2.1 Como editar o perfil?... 5 2.2 Como mudar a senha?... 5 2.3

Leia mais

Manual de Uso da Agenda Digital

Manual de Uso da Agenda Digital Manual de Uso da Agenda Digital SUMÁRIO FEED DE NOTÍCIAS... 3 DOWNLOAD DE IMAGENS... 4 RELATÓRIO DIÁRIO... 5 PENDÊNCIA:... 6 CHAT... 7 EDIÇÃO DE DADOS PESSOAIS... 8 ALTERAÇÃO DE SENHA... 9 ESQUECEU SUA

Leia mais

SUMÁRIO 1. ACESSO À PÁGINA DO AMBIENTE VIRTUAL 2. CONTATANDO O SUPORTE 3. ATUALIZAR PERFIL 4. COMO ACESSAR AS DISCIPLINAS

SUMÁRIO 1. ACESSO À PÁGINA DO AMBIENTE VIRTUAL 2. CONTATANDO O SUPORTE 3. ATUALIZAR PERFIL 4. COMO ACESSAR AS DISCIPLINAS SUMÁRIO 1. ACESSO À PÁGINA DO AMBIENTE VIRTUAL 2. CONTATANDO O SUPORTE 3. ATUALIZAR PERFIL 4. COMO ACESSAR AS DISCIPLINAS 5. PARTICIPANTES DA DISCIPLINA 6. ENVIAR MENSAGENS 7. PARTICIPAÇÃO NO FÓRUM 8.

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor

Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor Sumário Pré-requisitos para o Moodle... Entrar no Ambiente... Usuário ou senha esquecidos?... Meus cursos... Calendário... Atividades recentes...

Leia mais

Windows Phone: Acesse Configurações > Rede celular + SIM > Ativada/Desativada. Android: Deslize a tela para baixo e desmarque a opção de dados.

Windows Phone: Acesse Configurações > Rede celular + SIM > Ativada/Desativada. Android: Deslize a tela para baixo e desmarque a opção de dados. Sempre que você não estiver usando a conexão, desligue a internet do seu aparelho. Mesmo em espera, os programas do celular ou tablet ficarão atualizando com redes sociais, e-mails, entre outros. Com isso

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS Guia Inicial de Acesso e Utilização Para Docentes Versão 1.0b Outubro/2010 Acesso e utilização do Ambiente Virtual de Ensino

Leia mais

OneDrive: saiba como usar a nuvem da Microsoft

OneDrive: saiba como usar a nuvem da Microsoft OneDrive: saiba como usar a nuvem da Microsoft O OneDrive é um serviço de armazenamento na nuvem da Microsoft que oferece a opção de guardar até 7 GB de arquivos grátis na rede. Ou seja, o usuário pode

Leia mais

TUTORIAL DE ACESSO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM AVA

TUTORIAL DE ACESSO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM AVA TUTORIAL DE ACESSO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM AVA 1 O acesso a plataforma educacional do colégio kadima deverá ser feito através do endereço: http://edunote.com.br/kadima/ 2 Na tela que segue,

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Docentes Universidade Atlântica 1 Introdução O conceito do Moodle (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment) foi criado em 2001 por Martin Dougiamas, o conceito

Leia mais

Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile

Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile Março de 2015 Introdução O acesso móvel ao site do Novell Vibe pode ser desativado por seu administrador do Vibe. Se não conseguir acessar a interface móvel do

Leia mais

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br MANUAL DO ALUNO Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA http://www.fgf.edu.br Sala Virtual TelEduc O TelEduc é um ambiente virtual desenvolvido Unicamp para apoiar professores

Leia mais

Alfabetização Digital

Alfabetização Digital Ferramentas de interação e sua utilização pedagógica nos Ambientes Virtuais de Aprendizagem evidenciando o papel do professor e do estudante Prof. Ana Carolina de Oliveira Salgueiro de Moura Prof. Antônio

Leia mais

ENSINO DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS, COM AUXÍLIO DA PLATAFORMA MOODLE, A EXPERIÊNCIA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

ENSINO DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS, COM AUXÍLIO DA PLATAFORMA MOODLE, A EXPERIÊNCIA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO 1 ENSINO DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS, COM AUXÍLIO DA PLATAFORMA MOODLE, A EXPERIÊNCIA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO MAIO 2008 Ericksson Rocha e Almendra - Escola Politécnica

Leia mais

Usar o Office 365 em seu telefone Android

Usar o Office 365 em seu telefone Android Usar o Office 365 em seu telefone Android Guia de Início Rápido Verificar o email Configure o seu telefone Android para enviar e receber emails de sua conta do Office 365. Verificar o seu calendário onde

Leia mais

Criando presença com as páginas do Facebook

Criando presença com as páginas do Facebook Páginas do 1 Criando presença com as páginas do Sua Página Todos os dias, milhões de pessoas em todo o mundo acessam o para se conectar com amigos e compartilhar coisas que gostam. Este guia foi desenvolvido

Leia mais

BlackBerry Mobile Voice System

BlackBerry Mobile Voice System BlackBerry Mobile Voice System Versão: 5.0 Service pack: 2 Testes de verificação SWD-980801-0125102730-012 Conteúdo 1 Visão geral... 4 2 Tipos de telefones e contas de usuário... 5 3 Verificando a instalação

Leia mais

Manual do Aluno. O Moodle é um sistema que gerencia ambientes educacionais de aprendizagem que podem ser denominados como:

Manual do Aluno. O Moodle é um sistema que gerencia ambientes educacionais de aprendizagem que podem ser denominados como: Manual do Aluno É com muita satisfação que apresentamos o Reunir Unopar. Ambiente Virtual de Aprendizagem Colaborativa que tem por objetivo principal ser um espaço colaborativo de construção do conhecimento

Leia mais

10 DICAS PARA TURBINAR SEU PACOTE DE DADOS. 1 - Desative os Dados do Celular. 2 Remova as notificações e atualizações automáticas

10 DICAS PARA TURBINAR SEU PACOTE DE DADOS. 1 - Desative os Dados do Celular. 2 Remova as notificações e atualizações automáticas 10 DICAS PARA TURBINAR SEU PACOTE DE DADOS 1 - Desative os Dados do Celular Sempre que você não estiver usando a conexão, desligue a internet do seu aparelho. Mesmo em espera, os programas do celular ou

Leia mais

Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL. O que é Marketing Multicanal?

Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL. O que é Marketing Multicanal? Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL O que é Marketing Multicanal? Uma campanha MultiCanal integra email, SMS, torpedo de voz, sms, fax, chat online, formulários, por

Leia mais

Capitulo 11 Multimídias

Capitulo 11 Multimídias Capitulo 11 Multimídias Neste capítulo são exploradas as ferramentas multimídias presentes no SO Android customizadas para o Smartphone utilizado neste manual. É inegável o massivo uso destas ferramentas,

Leia mais

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Índice Como acessar o Moodle Editando seu PERFIL Editando o curso / disciplina no Moodle Incluindo Recursos

Leia mais

Utilizando a ferramenta de criação de aulas

Utilizando a ferramenta de criação de aulas http://portaldoprofessor.mec.gov.br/ 04 Roteiro Utilizando a ferramenta de criação de aulas Ministério da Educação Utilizando a ferramenta de criação de aulas Para criar uma sugestão de aula é necessário

Leia mais

Marketing Boca a Boca Para Fotógrafos 14 DICAS QUE FARÃO SEUS CLIENTES ELOGIAREM E DIVULGAREM SEU TRABALHO E SUA FOTOGRAFIA

Marketing Boca a Boca Para Fotógrafos 14 DICAS QUE FARÃO SEUS CLIENTES ELOGIAREM E DIVULGAREM SEU TRABALHO E SUA FOTOGRAFIA Marketing Boca a Boca Para Fotógrafos 14 DICAS QUE FARÃO SEUS CLIENTES ELOGIAREM E DIVULGAREM SEU TRABALHO E SUA FOTOGRAFIA Conseguir indicações por meio de propaganda boca-a-boca para seu negócio não

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Os espaços de ensino presencial possuem uma estrutura física chamada sala de aula. No ensino a distância, também necessitamos de uma organização para que ocorram

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle

Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle No INSEP, o ambiente virtual de aprendizagem oferecido ao acadêmico é o MOODLE. A utilização dessa ferramenta é fundamental para o sucesso das atividades em EAD,

Leia mais

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM Ronei Ximenes Martins (Trabalho apresentado no II Colóquio Regional EAD Edição Internacional Outubro/2010 Juiz de Fora/MG) Introdução Um

Leia mais

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA 11 PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA O PVANet é o ambiente virtual de aprendizagem (AVA) de uso exclusivo da UFV. Os AVAs apresentam diferenças de layout, forma de acesso, funcionamento,

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EAD 1

MANUAL DO ALUNO EAD 1 MANUAL DO ALUNO EAD 1 2 1. CADASTRAMENTO NO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Após navegar até o PORTAL DA SOLDASOFT (www.soldasoft.com.br), vá até o AMBIENTE DE APRENDIZAGEM (www.soldasoft.com.br/cursos).

Leia mais

MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO

MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO MANUAL DO MOODLE VISÃO DO ALUNO Desenvolvido por: Patricia Mariotto Mozzaquatro SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO....03 2 O AMBIENTE MOODLE......03 2.1 Quais as caixas de utilidade que posso adicionar?...04 2.1.1 Caixa

Leia mais

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Sumário Apresentação... 2 Instalação do Aplicativo... 2 Localizando o aplicativo no smartphone... 5 Inserindo o link da aplicação... 6 Acessando o sistema...

Leia mais

MANUAL DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM - NETAULA CURSOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PERFIL ALUNO

MANUAL DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM - NETAULA CURSOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PERFIL ALUNO MANUAL DO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM - NETAULA CURSOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PERFIL ALUNO MANUAL NETAULA PERFIL ALUNO Caro aluno da EAD da ULBRA Para você ter acesso às salas das disciplinas ofertadas

Leia mais

A sala virtual de aprendizagem

A sala virtual de aprendizagem A sala virtual de aprendizagem Os módulos dos cursos a distância da Faculdade Integrada da Grande Fortaleza decorrem em sala virtual de aprendizagem que utiliza o ambiente de suporte para ensino-aprendizagem

Leia mais

Manual do Usuário 2013

Manual do Usuário 2013 Manual do Usuário 2013 MANUAL DO USUÁRIO 2013 Introdução Um ambiente virtual de aprendizagem é um programa para computador que permite que a sala de aula migre para a Internet. Simula muitos dos recursos

Leia mais

O que é um aplicativo?

O que é um aplicativo? O que é um aplicativo? Aplicativos de software podem ser divididos em duas classes gerais: Software de sistema e Software Aplicativo. Software de sistema são programas de computador de baixo nível que

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Precisamos reinventar a forma de ensinar e aprender, presencial e virtualmente, diante de tantas mudanças na sociedade e no mundo do trabalho. Os modelos tradicionais

Leia mais

O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem

O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem O Microsoft Office 365 é a suíte de Produtividade da Microsoft, que oferece as vantagens da Nuvem a empresas de todos os tamanhos, ajudando-as

Leia mais

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências da Computação e Estatística Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP André

Leia mais

MANUAL MIKOGO 1. VISÃO GERAL

MANUAL MIKOGO 1. VISÃO GERAL 1. VISÃO GERAL 1.1 Informações sobre o Mikogo: Mikogo é uma ferramenta de uso e manipulação simples, permite compartilhamento de arquivos, visualização da área de trabalho remota ou compartilhamento de

Leia mais

Manual do Aluno. NetAula. Manual produzido pela Coordenadoria de Capacitação e Formação Continuada 1

Manual do Aluno. NetAula. Manual produzido pela Coordenadoria de Capacitação e Formação Continuada 1 Manual do Aluno NetAula Manual produzido pela Coordenadoria de Capacitação e Formação Continuada 1 Manual do Aluno NetAula Caro aluno da EAD da ULBRA Para você ter acesso às salas das disciplinas ofertadas

Leia mais

Usar o Office 365 no iphone ou ipad

Usar o Office 365 no iphone ou ipad Usar o Office 365 no iphone ou ipad Guia de Início Rápido Verificar o email Configure o seu iphone ou ipad para enviar e receber emails de sua conta do Office 365. Verificar o seu calendário onde quer

Leia mais

FSDB VIRTUAL. Tutorial do Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) da FSDB Versão para docentes

FSDB VIRTUAL. Tutorial do Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) da FSDB Versão para docentes FSDB VIRTUAL Tutorial do Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) da FSDB Versão para docentes Abril de 2015 2 3 SUMÁRIO 1. O Moodle... 5 2. Acesso à Plataforma... 5 3. Meus Componentes Curriculares... 6

Leia mais

MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG. www.cosemsmg-ead.org.br

MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG. www.cosemsmg-ead.org.br MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG 1 ÍNDICE 03 APRESENTAÇÃO. Dicas para estudar a distância. Funções do professor e do tutor 04 CADASTRO NO CURSO 05 ACESSO AO CURSO 07 FERRAMENTAS DE ESTUDO. Conteúdo: aulas virtuais.

Leia mais

APRESENTAÇÃO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM EPIC

APRESENTAÇÃO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM EPIC APRESENTAÇÃO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM EPIC 01 AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM AVA O AVA é o ambiente na internet no qual o aluno acessa todo o conteúdo pedagógico do curso. É o local de armazenamento

Leia mais

mbiente Virtua de Aprendizagem

mbiente Virtua de Aprendizagem mbiente Virtua de Aprendizagem Apresentação Este é o Ambiente Virtual de Aprendizagem - o AVA da Unisuam Online. É nosso desejo que a UNISUAM lhe proporcione uma qualificação acadêmica condizente com suas

Leia mais

Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos de Minas.

Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos de Minas. PALAVRA DO COORDENADOR Estimado, aluno(a): Seja muito bem-vindo aos Cursos Livres do UNIPAM. Estamos muito felizes por compartilhar com você este novo serviço educacional do Centro Universitário de Patos

Leia mais

Manual UNICURITIBA VIRTUAL para Professores

Manual UNICURITIBA VIRTUAL para Professores Manual UNICURITIBA VIRTUAL para Professores 1 2 2015 Sumário 1 Texto introdutório... 3 2 Como Acessar o UNICURITIBA VIRTUAL... 3 3 Tela inicial após login... 3 3.1) Foto do perfil... 4 3.2) Campo de busca...

Leia mais

Curso de Imposto de Renda da Pessoa Jurídica e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido. Manual do Aluno

Curso de Imposto de Renda da Pessoa Jurídica e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido. Manual do Aluno Curso de Imposto de Renda da Pessoa Jurídica e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido Manual do Aluno Março 2009 Mensagem de boas-vindas! Caro cursista! Seja bem-vindo ao curso de Formação de Tutores.

Leia mais

Guia de auxílio aos responsáveis

Guia de auxílio aos responsáveis Guia de auxílio aos responsáveis SUMÁRIO FEED DE NOTÍCIAS... 3 DOWNLOAD DE IMAGENS... 4 PENDÊNCIA:... 5 EDIÇÃO DE DADOS PESSOAIS... 6 ALTERAÇÃO DE SENHA... 7 ESQUECEU SUA SENHA?... 7 AGENDA... 8 2 FEED

Leia mais

Guia de Demonstração MeusPets

Guia de Demonstração MeusPets 1. Objetivo e Principais Funcionalidades Com o email clique no link de ativação. E confirme a instalação. O MeusPets é um sistema simplificado para acompanhamento da vida do Pet. Pode ser usado de forma

Leia mais

edirectory Plataforma ios / Android

edirectory Plataforma ios / Android edirectory Plataforma ios / Android Levando seu site ao próximo nível Conheça o novo aplicativo do edirectory. E seja bem vindo a revolução em aplicativos para Diretórios Online. Mobile Completamente reestruturado

Leia mais

E-books. Guia completo de como criar uma Página no Facebook. Sebrae

E-books. Guia completo de como criar uma Página no Facebook. Sebrae E-books Sebrae Marketing e Vendas Guia completo de como criar uma Página no Facebook Como começar Criando uma Página Conhecendo a Página Configurações iniciais Estabelecendo conversas Autor Felipe Orsoli

Leia mais

O conceito de colaboração

O conceito de colaboração O conceito de colaboração O conceito de colaboração está ligado às técnicas que possibilitam que pessoas dispersas geograficamente possam trabalhar de maneira integrada, como se estivessem fisicamente

Leia mais

Introdução ao Aplicativo de Programação LEGO MINDSTORMS Education EV3

Introdução ao Aplicativo de Programação LEGO MINDSTORMS Education EV3 Introdução ao Aplicativo de Programação LEGO MINDSTORMS Education EV3 A LEGO Education tem o prazer de trazer até você a edição para tablet do Software LEGO MINDSTORMS Education EV3 - um jeito divertido

Leia mais

MATEMÁTICA Ellen Hertzog ** RESUMO

MATEMÁTICA Ellen Hertzog ** RESUMO MATEMÁTICA Ellen Hertzog ** O TWITTER COMO FERRAMENTA DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE RESUMO Este artigo trata da utilização do Twitter como uma ferramenta de ensino e aprendizagem de Matemática. A experiência

Leia mais

BlackBerry Internet Service. Versão: 4.5.1. Guia do usuário

BlackBerry Internet Service. Versão: 4.5.1. Guia do usuário BlackBerry Internet Service Versão: 4.5.1 Guia do usuário Publicado: 09/01/2014 SWD-20140109134951622 Conteúdo 1 Primeiros passos... 7 Sobre os planos de serviço de mensagens oferecidos para o BlackBerry

Leia mais

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Redesenhando a forma como empresas operam e envolvem seus clientes e colaboradores no mundo digital. Comece > Você pode construir de fato uma

Leia mais

MOBILE MARKETING. Prof. Fabiano Lobo

MOBILE MARKETING. Prof. Fabiano Lobo MOBILE MARKETING Prof. Fabiano Lobo - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo o conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros e é protegido pela legislação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PELOTAS CENTRO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO CURSO DE JORNALISMO TUTORIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PELOTAS CENTRO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO CURSO DE JORNALISMO TUTORIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PELOTAS CENTRO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO CURSO DE JORNALISMO TUTORIAL http://pt.wordpress.com http://.wordpress.org Autor: Calvin da Silva Cousin Orientação: Profª Drª Sílvia Porto

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Manual de Utilização Google Grupos Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução... 3 Página

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE BLOG COM O BLOGGER

CONSTRUÇÃO DE BLOG COM O BLOGGER CONSTRUÇÃO DE BLOG COM O BLOGGER Blog é uma abreviação de weblog, qualquer registro frequênte de informações pode ser considerado um blog (últimas notícias de um jornal online por exemplo). A maioria das

Leia mais

Manual de acesso ao UNICURITIBA Virtual (Moodle) para alunos EAD

Manual de acesso ao UNICURITIBA Virtual (Moodle) para alunos EAD 1 Manual de acesso ao UNICURITIBA Virtual (Moodle) para alunos EAD 2015 2 Sumário Acessando o UNICURITIBA Virtual... 4 Conhecendo o UNICURITIBA Virtual... 5 1. Foto do Perfil... 5 2. Campo de Busca...

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

Ambientação ao Moodle. João Vicente Cegato Bertomeu

Ambientação ao Moodle. João Vicente Cegato Bertomeu Ambientação ao Moodle João Vicente Cegato Bertomeu AMBIENTAÇÃO A O MOODLE E S P E C I A L I Z A Ç Ã O E M SAUDE da FAMILIA Sumário Ambientação ao Moodle 21 1. Introdução 25 2. Histórico da EaD 25 3. Utilizando

Leia mais

CONCEITO: Moodle Moodle Moodle Moodle

CONCEITO: Moodle Moodle Moodle Moodle NE@D - Moodle CONCEITO: O Moodle é uma plataforma de aprendizagem a distância baseada em software livre. É um acrônimo de Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment (ambiente modular de aprendizagem

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido O Microsoft PowerPoint 2013 parece diferente das versões anteriores, por isso criamos este guia para ajudar você a minimizar a curva de aprendizado. Encontre o que você precisa Clique

Leia mais

FUNCIONAMENTO DOS CURSOS

FUNCIONAMENTO DOS CURSOS 1 SUMÁRIO Funcionamento dos Cursos... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 07 Ambiente Virtual de Aprendizagem... 09 Edição do Perfil... 12 Acessando as Atividades... 14 Iniciando o Semestre...

Leia mais

Manual do Professor versão 2.0. FTD Sistema de Ensino

Manual do Professor versão 2.0. FTD Sistema de Ensino Manual do Professor versão 2.0 FTD Sistema de Ensino Plataforma Digital do FTD Sistema de Ensino Concepção Fernando Moraes Fonseca Jr Arquitetura e coordenação de desenvolvimento Rodrigo Orellana Arquitetura,

Leia mais

Copyright 2013 Academia NED. Todos os Direitos Reservados. AcademiaNED.com.br

Copyright 2013 Academia NED. Todos os Direitos Reservados. AcademiaNED.com.br Copyright 2013 Academia NED Todos os Direitos Reservados AcademiaNED.com.br CONTEÚDO Introdução... 4 1 - Certifique-se de que sua FanPage é atraente... 5 a. Foto de Capa... 5 b. Foto de Perfil... 5 c.

Leia mais

Pro 1420Wi/1430Wi. Projete de qualquer fonte. Interaja com o seu computador. Comece a usar o BrightLink Pro. O que deseja fazer?

Pro 1420Wi/1430Wi. Projete de qualquer fonte. Interaja com o seu computador. Comece a usar o BrightLink Pro. O que deseja fazer? Pro 40Wi/40Wi Comece a usar o BrightLink Pro O BrightLink Pro é uma ferramenta de produtividade para salas de conferência e de aula que permite que crie um quadro branco digital sempre que precisar. Adicione

Leia mais

COMO SE CONECTAR A REDE SOCIAL FACEBOOK? Passo-a-passo para criação de uma nova conta

COMO SE CONECTAR A REDE SOCIAL FACEBOOK? Passo-a-passo para criação de uma nova conta Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Educação NÚCLEO PR@XIS Núcleo Pr@xis COMO SE CONECTAR A REDE SOCIAL FACEBOOK? Passo-a-passo para criação de uma nova conta Francielle Vargas* Tutorial

Leia mais

Manual de Utilização do Zimbra

Manual de Utilização do Zimbra Manual de Utilização do Zimbra Compatível com os principais navegadores web (Firefox, Chrome e Internet Explorer) o Zimbra Webmail é uma suíte completa de ferramentas para gerir e-mails, calendário, tarefas

Leia mais

AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II)

AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II) AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II) A seguir vamos ao estudo das ferramentas e aplicativos para utilização do correio

Leia mais

edirectory ios / Android Plataforma

edirectory ios / Android Plataforma edirectory ios / Android Plataforma Criando lindos aplicativos com edirectory Uma revolução no espaço de diretórios mobile, bem vindo ao novo aplicativo do edirectory. Mobile Completamente reestruturado

Leia mais

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com. INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br 1. Introdução A rede mundial tem permitido novas práticas

Leia mais

NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL PROFESSOR

NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL PROFESSOR NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL PROFESSOR 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL

Leia mais

LISTA ICONOGRÁFICA - (Lista de ícones do Ambiente Virtual)

LISTA ICONOGRÁFICA - (Lista de ícones do Ambiente Virtual) 1 SUMÁRIO Funcionamento dos Cursos... 04 Geração de Login e Senha... 05 Guia de Percurso... 07 Manual Acadêmico... 09 Ambiente Virtual de Aprendizagem... 11 Edição do Perfil... 13 Ambiente Colaborar e

Leia mais

Índice. Tenho uma conta pessoal e uma conta da instituição em que dou aula, porém não consigo acessar a conta da escola. O que fazer?

Índice. Tenho uma conta pessoal e uma conta da instituição em que dou aula, porém não consigo acessar a conta da escola. O que fazer? Índice Acesso ao Super Professor Web Como recuperar a senha de acesso? Tenho uma conta pessoal e uma conta da instituição em que dou aula, porém não consigo acessar a conta da escola. O que fazer? Selecionando

Leia mais