PROCESSOS DE DESAPROPRIAÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DE RODOVIAS URBANAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCESSOS DE DESAPROPRIAÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DE RODOVIAS URBANAS"

Transcrição

1 MIRELLA COSTA CAIRES PROCESSOS DE DESAPROPRIAÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DE RODOVIAS URBANAS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Universidade Anhembi Morumbi no âmbito do Curso de Engenharia Civil com ênfase Ambiental. SÃO PAULO 2004

2 MIRELLA COSTA CAIRES PROCESSOS DE DESAPROPRIAÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DE RODOVIAS URBANAS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Universidade Anhembi Morumbi no âmbito do Curso de Engenharia Civil com ênfase Ambiental. Orientador: Prof. Érico Francisco Innocente SÃO PAULO 2004

3 i AGRADECIMENTOS A minha família, em especial aos meus pais, pela formação que me proporcionaram. Ao Eng Cláudio Dias e a Dra Ivonete Ayres por ter me ajudado a nortear este trabalho baseado na experiência profissional de ambos. Aos professores e profissionais que me ajudaram na elaboração e finalização desta última fase da minha graduação. Enfim, a todos que de uma forma ou de outra, colaboraram com a realização deste trabalho.

4 ii RESUMO Este trabalho visa abordar os processos expropriatórios dirigidos pelo Estado para implantação de uma rodovia no perímetro urbano, baseado nas legislações municipais, estaduais e federais, tendo como estudo de caso o Rodoanel Mario Covas. O Rodoanel hoje conta com o Trecho Oeste em operação, interligando as rodovias: Bandeirantes, Anhanguera, Presidente Castello Branco, Raposo Tavares, Régis Bittencourt e Av. Raimundo Pereira de Magalhães. O Trecho Sul encontra-se em fase de projeto e extenderá o elo até a Av. Papa João XXIII, na divisa dos municípios de Mauá com Ribeirão Pires, devendo passar pelas rodovias: Armando Salles, José Simões Louro Júnior, Imigrantes e Anchieta. Cruzando áreas de intensa atividade econômica e industrial, o Rodoanel vai interligar as principais rodovias que chegam à capital e quando estiver totalmente concluído, terá aproximadamente 170 quilômetros de extensão para: organizar o tráfego, agilizar a circulação entre as cidades metropolitanas, reduzir os congestionamentos e os custos de transporte, melhorando, com isso, a qualidade do ar e de vida da população. Passando por 19 municípios da região metropolitana de São Paulo e, levando em consideração as leis e necessidades destes municípios, mostraremos as dificuldades de um processo expropriatório onde o interesse público se sobressai aos bens particulares. Palavras Chave: Desapropriação; Rodovias; Processos.

5 iii ABSTRACT The reason of this research is to evaluate the process of dispossess taken by the state to implant a road inside the city, based on legislations of the town, state and federal, being studied the case of Rodoanel Mario Covas. The Rodoanel today has the west part in operation, joining the roads: Bandeirantes, Anhanguera, Presidente Castello Branco, Raposo Tavares, Régis Bittencourt and Av Raimundo Pereira de Magalhães. The south part is still in the project and it s going until the Papa João XXIII Avenue, between the town of Mauá and Ribeirão Pires, passing through the roads: Armando Salles, José Simões Louro Júnior, Imigrates and Anchieta. Passing through areas of intense industrial and economical activities, the Rodoanel is going to join the main roads that reach the capital and when it s complete, it will have 170 Km to: organize the traffic, to improve the circulation between the cities, decreasing the public transportation prices, getting better the quality of the air and the life. Passing through 19 towns around São Paulo and taking by the laws and the needs of these towns, we will show the difficulties of one dispossess process where the public interests has more value than the private owns. Key-Words: Dispossess, Roads, Process

6 iv LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1: Desenho esquemático do Rodoanel Mário Covas 04 Figura 2: Fluxograma do Projeto 17

7 v SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivo Específico METODOLOGIA DA PESQUISA JUSTIFICATIVA O PROJETO Definições Áreas Non Aedificandi Estudos Preliminares Definição do Traçado Decreto de Utilidade Pública Projeto da Faixa de Domínio Cadastro Individual de Propriedades O Cadastramento A DESAPROPRIAÇÃO Quem Pode Desapropriar O Processo de Desapropriação Processo Administrativo 27

8 vi Processo Judicial ESTUDO DE CASO Caso 1: Mudança de Traçado Caso 2: Área Remanescente CONCLUSÃO 58 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 60

9 1 1. INTRODUÇÃO Em 1952, quando as frotas da indústria automobilística começaram a tomar as ruas das cidades brasileiras, surgiu à idéia de ligar dois logradouros distintos com o menor percurso e maior segurança a população. Essa idéia ganhou forma com a concepção das primeiras rodovias e com elas a preocupação com as propriedades abrangidas por estas obras. Nesta época, as estradas seguiam continuações de avenidas da própria cidade e a preocupação com a desapropriação só se dava nas áreas rurais destes municípios. Com o tempo, esses municípios foram se desenvolvendo e em algumas capitais foram se formando grandes centros urbanos, onde a desapropriação de apenas áreas rurais já não era a única preocupação do projeto. E qual seria a principal diferença entre a ocupação dessas áreas? Inúmeras, desde o tamanho até o tipo de ocupação dessas propriedades, mas um dos principais fatores, com certeza, é que numa desapropriação urbana o proprietário, na maioria dos casos, mora no imóvel e com isso a sua vida social está contida no entorno dessa residência e numa propriedade rural nem sempre o proprietário mora no local e, mesmo quando há moradia, ainda se pode estudar a possibilidade de desapropriar parte deste imóvel, amenizando o transtorno da desocupação da área evitando a mudança de hábitos.

10 2 Levando em consideração a importância de um bom projeto, será abordado neste trabalho as etapas necessárias para um rápido processo expropriatório, visando imóveis urbanos, que as obras de construção de rodovias, dentro do perímetro das cidades, abrangem.

11 3 2. OBJETIVOS 2.1 Objetivo Geral A implantação de uma obra viária no entorno de grandes centros urbanos causam vários transtornos à população lindeira. A desapropriação é um dos principais motivos dos atrasos nos cronogramas destas obras, prolongando, assim, estes transtornos. O processo expropriatório é definido, basicamente, por um projeto geométrico bem elaborado em conjunto com equipes de levantamento cadastral de propriedades. Essas equipes, juntas, definem um traçado onde técnica e custo tenham uma compensação mútua, garantindo uma perfeita obra de engenharia, ou seja, a melhor técnica com o menor custo. O objetivo deste trabalho é apresentar uma visão global e integrada do processo de desapropriação para implantação de uma rodovia urbana. 2.2 Objetivo Específico Apresentar a necessidade de um processo expropriatório com maior agilidade em sua concepção, visando minimizar os transtornos diretos e indiretos, inevitáveis em uma obra urbana deste tipo e porte, tendo como estudo de caso a obra do Rodoanel Mário Covas.

12 4 Figura 1: Desenho esquemático do Rodoanel Mário Covas 1 (DERSA,2004). 1 Rodoanel Mário Covas - é uma via expressa com aproximadamente 170 quilômetros, que está sendo construído desde de 1998, a uma distância média de 30 quilômetros do centro geográfico da capital, unindo as principais rodovias: Bandeirantes, Anhanguera, Castello Branco, Raposo Tavares, Régis Bittencourt, Imigrantes, Anchieta, Ayrton Senna, Presidente Dutra e Fernão Dias. Ele terá a forma de um anel circundando a cidade de São Paulo.

13 5 3. METODOLOGIA DA PESQUISA O desenvolvimento deste trabalho foi feito através de atividades como: Pesquisa bibliográfica em livros, trabalhos de conclusão de curso, teses e sites na Internet; Fotos: que compõem o relatório técnico de caracterização do imóvel a ser desapropriado; Visitas técnicas: nos locais para identificação dos imóveis e em cartórios e prefeituras para a obtenção de informações da situação legal dos mesmos; Entrevistas: com engenheiros e advogados que atuaram nos processos expropriatórios, para verificar quais os principais problemas enfrentados na prática. A construção do corpo do trabalho foi baseada no conhecimento do autor e de profissionais que atuam na área, tendo em vista a escassez de bibliografias. Em consultas a órgãos municipais, estaduais e federais notou-se a carência de normas e procedimentos regulamentados para desapropriação, tendo em seus profissionais a metodologia funcional para que seja desenvolvido um processo expropriatório.

14 6 4. JUSTIFICATIVA A grande dificuldade do entendimento entre as áreas jurídicas e técnicas, para implantação de um empreendimento deste porte, é a interação dos dados para racionalização das atividades que envolvem diretamente todos os aspectos, desde a concepção do projeto até o termino das obras. O traçado de obras com essas características, circundando os limites municipais de várias cidades, atingindo diferentes comunidades e cada uma com seus próprios interesses, vem apresentar a importância de uma definição clara do processo expropriatório para que o expropriado não se sinta lesado pelo Estado (ou qualquer órgão que possa desapropriar) e aceite sem grandes constrangimentos a situação que lhe é imposta. É evidente a necessidade do desenvolvimento desse trabalho tendo em vista que a desapropriação é um assunto de grande importância para implantação desse tipo de obra, não é abordado durante o curso de engenharia e é extremamente carente de bibliografia.

15 7 5. O PROJETO 5.1 Definições Desde o inicio do projeto deve-se começar a interação entre as áreas técnica e jurídica para um bom andamento do processo expropriatório. Por isso, alguns conceitos foram definidos para um melhor entendimento entre as áreas: Desapropriação: É o ato em virtude do qual a autoridade competente, mediante indenização prévia, e nos termos previstos em Lei, determina a transferência unilateral e compulsória da propriedade individual, a quem dela se utilize, no interesse coletividade, para a administração ou para algum concessionário de serviço público; Faixa de Domínio: Conjunto de áreas declaradas de utilidade pública, desapropriadas e necessárias para implantação das obras da rodovia e dos seus dispositivos operacionais tais como: drenagens, vias marginais, retornos, trevos e atividades de apoio aos usuários; Faixa Non Aedificandi : Restrição administrativa ao direito de construir dentro de uma faixa de terra paralela e contígua a faixa de domínio, com largura delimitada de 15 metros; Área Remanescente: Área inserida na desapropriação por imposição judicial, dada as alterações nos seus limites em decorrência da desapropriação da faixa de domínio, prejudicando, assim, o seu aproveitamento econômico;

16 8 Imissão de posse: Ingresso na área pelo órgão expropriante, por determinação judicial, para que o mesmo possa iniciar as obras; Escritura: É o ato público de transferência de um imóvel, a qual é lavrada junto a um Cartório de Notas; Matrícula: É o documento que contém a descrição de um imóvel junto ao Registro de Imóveis ao qual pertence. É na matrícula que são efetivados os seguintes atos públicos: registro e averbação; Registro: São todos os atos que envolvem transferência do domínio como, venda e compra, doação, desapropriação, etc; Averbação: São os atos que afetam o imóvel ou seus proprietários sem alterar o seu domínio, como, alteração do número do imóvel, alteração do nome da rua, mudança do estado civil do proprietário, restrição da edificação na área (faixa non aedificandi, etc; Expropriante: Órgão público representado pelo Poder Executivo de qualquer nível, o qual se pode desapropriar; Expropriado: Pessoa física ou jurídica que foi desapossada de sua propriedade, segundo as forma legais e mediante justa indenização Áreas Non Aedificandi No caso de desapropriação total da área enfocada, esta faixa inexiste. No entanto, quando o imóvel é desapropriado parcialmente, o órgão expropriante solicita ao proprietário (se processo amigável) ou via judicial, e é averbada em matrícula, a área

17 9 non aedificandi, área lindeira à rodovia sobre a qual não se pode edificar e/ou plantar quaisquer tipos de culturas. Para desapropriações urbanas, solicitar essa faixa para uma futura ampliação da Rodovia, torna-se demasiadamente onerosa ao Estado, tendo em vista que imóveis urbanos possuem valores mais elevados que propriedades rurais. Tendo em vista, que a edificação dessas áreas não irão intervir no desempenho da Rodovia, dispensando esse tipo de cuidado dentro do perímetro urbano, a Lei Estadual (SP) , de 27 de agosto de 1999, dispõe em seu Artigo 1º, 1º e 2º, que: 1º - Nos trechos rodoviários que atravessem perímetros urbanos ou áreas urbanizadas passíveis de serem incluídas em perímetro urbano, será dispensada a exigência de recuo prevista neste artigo. 2º - Aplicar-se-á às edificações já construídas ou em construção o disposto no parágrafo anterior, desistindo o Departamento de Estradas de Rodagem DER, com relação a elas, das ações e execuções judiciais em curso.

18 Estudos Preliminares Sobre o modelo digitalizado de terreno em escala 1:10.000, obedecendo as diretrizes de um estudo funcional e as condicionantes geológicas, hidrológicas e ambientais são desenvolvidos os estudos das alternativas de traçado. Fotografias aéreas disponíveis da faixa sempre são consultadas para dar uma melhor visão da localidade. Com isso, as plantas das alternativas de traçado são elaboradas em escala 1: com indicação das curvas de nível de 5 em 5 metros e localização das obras de arte especiais e os perfis nas escalas 1: (H) e 1:1.000 (V). Também nesta fase, breves estudos de movimentos de terra deverão ser feitos para os cálculos preliminares dos volumes a serem executados. 5.3 Definição do Traçado O traçado em região de melhor topografia o qual, conseqüentemente, deverá resultar em menor custo, pois requer menor volume de terraplenagem e menor extensão de obras de arte especiais, é sempre o mais indicado. Com base em critérios de melhores condições de traçado aliados à minimização de problemas ambientais, inclusive à travessia de áreas urbanizadas, suavizando os custos das desapropriações, chega-se à definição de um traçado otimizado e que atenda as necessidades do empreendimento.

19 Decreto de Utilidade Pública Para promoção dos processos de desapropriação é necessário que se publique o Decreto de Utilidade Pública onde se especifica a área necessária para realizar uma determinada obra de interesse público onde estão contidos os imóveis passivos de desapropriação. A poligonal da faixa objeto do Decreto de Utilidade Pública será definida em plantas codificadas na escala 1:10.000, contemplando as faixas de tráfego, faixas internas e externas de acostamento e segurança, canteiro central, vias marginais, áreas marginais para futuras ampliações, segurança, paisagismo, trevos e intersecções, pontes, viadutos, passagens superiores e inferiores, túneis e áreas destinadas ao sistema operacional da rodovia. Para elaboração deste decreto tem-se por base o traçado proposto, a nível preliminar e/ou Projeto Básico, constando além da rodovia outras áreas necessárias para implantação das obras, como áreas de empréstimos e jazidas, depósitos de materiais excedentes, piscinões, etc. De posse dessas informações, tendo como referência o eixo central, será realizada uma vistoria técnica em campo, objetivando uma análise expedita para reconhecimento da área de interesse e a identificação dos proprietários contemplados pela faixa de utilidade pública.

20 12 A poligonal da faixa a ser objeto do Decreto de Utilidade Pública terá 65 m de cada lado do eixo principal da rodovia (metodologia usada pela DERSA Desenvolvimento Rodoviário S.A.). Posteriormente, será analisada por profissionais especializados os off-sets de terraplenagem, obras de drenagem e demais considerações tendo como objetivo verificar se a área a ser decretada será suficiente para o desenvolvimento do Projeto Executivo. 5.5 Projeto da Faixa de Domínio A elaboração da Faixa de Domínio depende de alguns parâmetros definidos nos projetos geométrico e de drenagem, como: largura da faixa de tráfego, acréscimo de faixa nos locais onde os taludes e obras de drenagem excedem a faixa de domínio lançada, praças de pedágios, critérios para interseções, acessos, marginais, etc. Com essas definições em mãos é projetada a faixa de domínio da rodovia definindose uma poligonal que conterá toda a área necessária à obra, descrevendo todos os seus pontos com coordenadas, azimutes e distancias e/ou raios e desenvolvimentos. O Projeto da Faixa de Domínio poderá ser alterado ao longo do desenvolvimento do projeto e da execução da obra em função de particularidades que poderão surgir ou qualquer evento que justifique a modificação.

21 Cadastro Individual de Propriedades A partir dos serviços de cadastramento individual das propriedades que interferem direta ou indiretamente com o traçado, são obtidos para análise os elementos de definição da faixa de ocupação da via, possibilitando uma melhor compreensão e diagnóstico da relação entre a obra e o meio físico ao qual se integrará. Trata-se de um aprofundamento dos objetivos do projeto com as questões técnicas, fundiárias, judiciais, econômicas e mesmo sociais, que envolvem a etapa de desapropriação imobiliária. Desse conhecimento resultarão dados e elementos imprescindíveis para a consolidação do projeto ou ainda para eventuais interferências que resultem soluções mais adequadas e eficientes, assegurando sua viabilidade e otimizando sua implantação, em um processo dinâmico e interativo. Com o levantamento cadastral ocorrerá a primeira confrontação com as pessoas, empresas e órgãos públicos que serão impactados pela execução da obra, iniciando a coleta de informações que possibilitarão direcionar quais são os segmentos prioritários e os meios pelos quais ocorrerá o processo de desapropriação. São fornecidos os elementos de instrução deste processo, da avaliação do imóvel, sua negociação amigável ou por processo judicial, até sua ocupação pela obra (imissão na posse), culminando com o registro de titularidade das propriedades, que ocorre também com base nos dados cadastrais obtidos.

22 14 Este procedimento consiste na interface entre a realidade imobiliária configurada e o processo expropriatório, processo este que abre frente para o avanço das obras, evidenciando a importância do Cadastro Individual de Propriedades para o planejamento e execução deste empreendimento O Cadastramento A base cartográfica, geralmente, é produzida sobre o levantamento aerofotogramétrico e o traçado geométrico otimizado, em arquivos digitalizados com extensão DWG, em escala 1:10.000, lançando-se a faixa de domínio estabelecida (65m para cada lado do eixo projetado) e a faixa de projeção adicional de 100m contados a partir dos limites da faixa de domínio, sobre a qual serão implantadas as áreas destinadas ao apoio das obras. Simultaneamente, são levantados junto a todas as prefeituras dos municípios que tenham seu território sob a abrangência da faixa de domínio, as plantas que indiquem os limites dos municípios, bairros e loteamentos que venham a interferir direta ou indiretamente com a referida faixa e sua projeção adicional para apoio das obras. São identificadas, também, as áreas de mananciais e reservatórios de água bem como as respectivas empresas que os mantém como patrimônio para a definição dos seus limites e situação com a faixa de domínio. Procedimento análogo será aplicado a outras empresas que detenham extensões territoriais significativas como rodovias, ferrovias, faixas de dutos, linhas de transmissão e indústrias de

23 15 grande porte. Ainda junto às prefeituras e outros órgãos estaduais ou federais, são levantadas e definidas quais as áreas de interferência com parques, reservas e áreas de proteção ambiental que deverão ser delimitadas. Procede-se então à elaboração dos Cadastros Individuais de Propriedades que definirão todos os elementos técnicos necessários à avaliação dos imóveis e à instrução do processo expropriatório, em âmbito administrativo ou judicial. O levantamento dos elementos que irão compor os Cadastros Individuais de Propriedades é feito por vistoria aos imóveis e mensurações do terreno, georeferênciadas no sistema de coordenadas (UTM), com apoio de equipes de topografia. As edificações são vistoriadas externa e internamente, com registro fotográfico suficiente para a caracterização de seu padrão construtivo, com levantamento do contorno externo em planta, para cada nível de pavimento com qualquer tipo de cobertura não removível. São também levantadas e caracterizadas todas as demais construções e benfeitorias incorporadas ao imóvel, com identificação e quantificação, como cercas, culturas, etc. Todas as informações obtidas durante o processo de vistoria dos imóveis são digitalizadas (inclusive fotos e croquis) e compõem o cadastro. São também juntados os documentos obtidos das pesquisas nos cartórios de registro de imóveis para definição da titularidade do imóvel e de seus confrontantes e ainda junto à municipalidade e outros órgãos públicos como INCRA e SPU (levantamento de IPTU, ITR, RIP, etc).

24 16 A área do imóvel levantada pela topografia, em campo, nem sempre coincide com a descrita na matrícula. A lei admite que exista uma diferença de no máximo a 5% (cinco por cento) entre ambas. Quando esse limite é excedido tenta-se ajustar a área com base em mapas, plantas, desenhos antigos adquiridos nas prefeituras e/ou cartórios, para que se possa entender e permitir um ajuste de área considerado legal, pois essas diferenças podem ser dadas por mudanças do leito dos rios, sobreposições de áreas, má definição do loteamento, etc. Mesmo com esses artifícios, às vezes não é possível descrever o perímetro do imóvel com as mesmas dimensões da matrícula, então deve-se solicitar ao proprietário que seja feita uma retificação de área antes de se iniciar o processo expropriatório, pois o Estado pagará somente o que estiver descrito na matrícula por questões legais. Mas a descrição do imóvel pode ser maior que a área existente, neste caso, o órgão se valerá do seu corpo técnico para provar judicialmente que só pagará pela área realmente desapropriada e, sendo assim, o proprietário terá em mãos o documento de uma área não existente. Os documentos finais que serão anexados ao processo expropriatório são compostos de uma planta com a descrição do perímetro do imóvel, eixo principal da Rodovia e amarração linear do imóvel ao eixo; e um memorial descritivo onde constará toda a descrição da benfeitoria do imóvel, fotos, croquis, acessos, infraestrutura urbana, documentos de regularização e o laudo de avaliação por parte do expropriante.

25 17 ESTUDOS PRELIMINARES DEFINIÇÃO TRAÇADO PROJETO BÁSICO DECRETO UTIL. PÚBLICA FAIXA DE DOMÍNIO CADASTRO IND. PROPRIEDADES CONDICIONANTES: - TOPOGRÁFICAS - GEOLÓGICAS - HIDROLÓGICAS - AMBIENTAIS - DENTRE OUTRAS PROJETO EXECUTIVO GEOMETRIA DRENAGEM PAVIMENTAÇÃO INTERFERÊNCIA ESTRUTURA Figura 2: Fluxograma do Projeto

26 18 6. A DESAPROPRIAÇÃO Tarcha (1995) conceituou como desapropriação, ou expropriação, ser a transferência compulsória de bens particulares para o Poder Público, ou seus delegados, por necessidade ou utilidade pública, ou ainda por interesse social, mediante prévia e justa indenização em dinheiro. O Código Civil antigo, em seu 1º do artigo 590 estabelece, como hipóteses legais de desapropriação, os seguintes casos de necessidade pública: Defesa do território nacional; Segurança pública; Socorros públicos, no caso de calamidade; Salubridade pública. E o 2º do mesmo artigo enunciava os seguintes casos de utilidade pública, no qual se encontra destacado o item foco deste trabalho: Fundação de povoação e de estabelecimento de assistência, educação ou instrução pública; Abertura, alargamento ou prolongamento de ruas, praças, canais, estradas de ferro e, em geral, de quaisquer vias públicas; Construção de obras ou estabelecimentos, destinados ao bem geral de uma localidade, sua decoração e higiene;

27 19 Exploração de minas. O novo Código Civil, objeto da Lei nº , de 10 de janeiro de 2002 trata do assunto no 3º do Artigo e no Artigo 1.275, conforme transcritos, respectivamente: O proprietário pode ser privado da coisa, nos casos de desapropriação, por necessidade ou utilidade pública ou interesse social, bem como no de requisição, em caso de perigo iminente. propriedade: Além das causas consideradas neste Código, perde-se a I por alienação; II pela renúncia; III por abandono; IV por perecimento da coisa; V por desapropriação. Todos estes casos de utilidade pública são regulamentados pela Lei de Desapropriações (Decreto Lei 3.365, de 1941), cuja relação está inserida no Artigo 5º, destacando-se o que diz respeito ao tema, conforme a seguir: Segurança nacional; Defesa do Estado;

28 20 Socorro público em caso de calamidade; Salubridade pública; Criação e melhoramentos de centros de população e seu abastecimento regular de meios de subsistência; Aproveitamento industrial das minas e das jazidas minerais, das águas e da energia hidráulica; Assistência pública, obras de higiene e decoração, casa de saúde, clínicas, estações de clínicas, estações de clima e fontes medicinais; Exploração e conservação dos serviços públicos; Abertura, conservação e melhoramento das vias ou logradouros públicos; execução de planos de urbanização; loteamentos de terrenos, edificados ou não para sua melhor utilização econômica, higiênica ou estética; Funcionamento dos meios de transporte coletivo; Preservação e conservação dos monumentos históricos e artísticos, isolados ou integrados em conjuntos urbanos ou rurais, bem como as medidas necessárias a manter-lhes e realçar-lhes os aspectos mais valiosos ou característicos e, ainda proteção de paisagens e locais particularmente dotados pela natureza; Preservação e conservação adequada de arquivos, documentos e outros bens móveis de valor histórico ou artístico; Construção de edifícios públicos, monumentos comemorativos e cemitérios; Criação de estádios, aeródromos ou campos de pouso para aeronaves; Reedição ou divulgação de obra ou invento de natureza científica, artística ou literária; Demais casos previstos em leis especiais.

29 21 De acordo com Tarcha (1995), dentre os casos previstos por Leis especiais, estão os que prevêem a construção de praças de esportes, a execução de obras no polígono das secas, a desapropriação dos serviços de telecomunicações, repressão ao abuso de poder econômico, desapropriação do privilégio de propriedade industrial e que há, ainda, casos de desapropriação por interesse social, mencionados no artigo 2º da Lei no 4.132, de 1962, que são: Aproveitamento de todo o bem improdutivo ou explorado sem correspondência com as necessidades de habitação, trabalho e consumo dos centros de população a que esse bem deve ou possa suprir por seu destino econômico; Estabelecimento e manutenção de colônias ou cooperativas de povoamento e trabalho agrícola; Manutenção de posseiros em terrenos urbanos onde, com tolerância expressa ou tácita do proprietário, tenham construído sua habitação, formando núcleos residenciais de mais de 10 famílias; Construção de casas populares; Terras e águas suscetíveis de valorização extraordinária, pela conclusão de obras e serviços públicos, notadamente de saneamento, portos, transporte, eletrificação, armazenamento de água e irrigação, no caso em que não sejam ditas áreas socialmente aproveitáveis; Proteção do solo e preservação de cursos e mananciais de água e de reservas florestais.

30 Quem Pode Desapropriar Diz o artigo 2º do Decreto Lei no 3.365/41, Lei das Desapropriações, que: Mediante declaração de utilidade pública, todos os bens poderão ser desapropriados, pela União, pelos Estados, Municípios, Distrito Federal e Territórios. Conforme Tarcha (1995), o direito de desapropriar é, portanto, exclusivo do Estado, representado pelo Poder Executivo de qualquer nível, Federal, Estadual ou Municipal, que pode transferir a execução da desapropriação para: Órgãos concessionários de serviços públicos, Estabelecimentos de caráter público, Ou que exerçam funções delegadas de poder público, mediante autorização expressa, de lei ou de contrato. Somente o Poder Executivo pode efetuar a declaração de utilidade pública, que é o ato pelo qual ele manifesta sua intenção de exercer o direito expropriatório que, quando ocorre, concede às autarquias públicas ou empresas para-estatais promover a desapropriação, as quais podem exercer todos os poderes que estiverem dentro dos limites fixados na lei ou no contrato que delegou a execução expropriatória e a praticar todos os atos administrativos e judiciais necessários a esse procedimento. O decreto de declaração de utilidade pública possui validade de cinco anos, contados da data de sua publicação. O poder expropriante, neste prazo, deve

31 23 concluir o acordo com o titular da propriedade, ou ingressar com a medida judicial cabível. Segundo Tarcha (1995) a declaração expropriatória apenas limita a propriedade, sem transferir-lhe o domínio e sem tornar inalienável, sendo que o direito de propriedade continua a ser exercido pelo titular do bem atingido, que dele continua a usar, gozar e dispor como o vinha fazendo, mas com a condição de aceitar a livre penetração, no imóvel, do poder expropriante. 6.2 O Processo de Desapropriação A situação fundiária do loteamento ao longo de um traçado pode ser enquadrado, em linhas gerais, da seguinte forma: Loteamento Regularizado: o loteamento encontra-se implantado sobre gleba urbanizada, com projeto aprovado pela municipalidade e demais órgãos públicos (concessionárias de serviços públicos de infra-estrutura, órgãos ambientais, de habitação, etc). O desmembramento da gleba apresenta-se registrado em cartório e os imóveis (lotes) possuem matrícula própria. Nesta condição, os imóveis a serem desapropriados podem estar em nome de seus atuais proprietários ou gravados por compromisso de compra e venda, alienados, hipotecados, etc, sua situação de titularidade é definida.

Apresentar o instituto da desapropriação e discutir seus principais pontos polêmicos

Apresentar o instituto da desapropriação e discutir seus principais pontos polêmicos AULA 21: DESAPROPRIAÇÃO OBJETIVO Apresentar o instituto da desapropriação e discutir seus principais pontos polêmicos INTRODUÇÃO A desapropriação constitui a perda da propriedade privada de um bem em favor

Leia mais

REGISTRO DE LOTEAMENTO / DESMEMBRAMENTO

REGISTRO DE LOTEAMENTO / DESMEMBRAMENTO REGISTRO DE LOTEAMENTO / DESMEMBRAMENTO (Lei 6.766/79 alterada pela Lei 9.785/99 e Lei Estadual 7.943/2004) Lei 6.766/1979 - Art. 2º.: 1º - Considera-se loteamento a subdivisão de gleba em lotes destinados

Leia mais

DESAPROPRIAÇÃO. Conheça seus direitos

DESAPROPRIAÇÃO. Conheça seus direitos DESAPROPRIAÇÃO Conheça seus direitos DESAPROPRIAÇÃO Conheça seus direitos A justiça é cega, mas a injustiça podemos ver Tessler, Martins Araújo Advogados foi fundado a partir da união dos ideais e das

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DO POTENCIAL CONSTRUTIVO

TRANSFERÊNCIA DO POTENCIAL CONSTRUTIVO ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA Assessoria Técnica SEPLAM Sobre a Lei nº. 12.145 de 08 de Setembro de 2011, que regulamentou o Instrumento: TRANSFERÊNCIA DO POTENCIAL CONSTRUTIVO

Leia mais

PARCELAMENTO DO SOLO URBANO E RURAL

PARCELAMENTO DO SOLO URBANO E RURAL PARCELAMENTO DO SOLO URBANO E RURAL Divisão de Áreas Introdução Para a realização de um loteamento, o primeiro passo é o levantamento topográfico do terreno. Depois, a elaboração do projeto arquitetônico,

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE ACESSO NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE ACESSO NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de acesso nas faixas de domínio das rodovias sob jurisdição do DERBA, assim como orientar quanto aos procedimentos administrativos

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL

PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL Governo de Santa Catarina Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL Florianópolis REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ASSENTAMENTOS

Leia mais

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney Dispõe sobre loteamento fechado de áreas consolidadas regularizadas ou em fase de regularização, altera em parte as Leis n 6.766/79 e n 6.015/73 e

Leia mais

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária POLÍTICA HABITACIONAL DA CIDADE DE SÃO PAULO Plano Diretor Estratégico do Município (Lei 13.430/02, art. 79): Moradia digna é aquela que garante ao morador

Leia mais

DECRETO-LEI 3.365, DE 21.06.41.

DECRETO-LEI 3.365, DE 21.06.41. DECRETO-LEI 3.365, DE 21.06.41. Art. 1 o A desapropriação por utilidade pública regular-se-á por esta lei, em todo o território nacional. Art. 2 o Mediante declaração de utilidade pública, todos os bens

Leia mais

ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO

ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto Geométrico dos Projetos de Engenharia Ferroviária, Projeto Básico e Projeto Executivo. 2. FASES DO PROJETO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano 2014 CONCEITOS GERAIS DOS SERVIÇOS E Lei nº 3401/06 ( Plano Diretor), Lei nº 3420/07 (Código

Leia mais

Edição nº 51/2015 Brasília - DF, quinta-feira, 19 de março de 2015. Corregedoria PROVIMENTO Nº 44, DE 18 DE MARÇO DE 2015. Seção I Disposições Gerais

Edição nº 51/2015 Brasília - DF, quinta-feira, 19 de março de 2015. Corregedoria PROVIMENTO Nº 44, DE 18 DE MARÇO DE 2015. Seção I Disposições Gerais Corregedoria PROVIMENTO Nº 44, DE 18 DE MARÇO DE 2015 Estabelece normas gerais para o registro da regularização fundiária urbana. Seção I Disposições Gerais Art. 1º. O processo e os atos de registro da

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Reforma Agrária Marceloednilson Marins* CONCEITO Considera-se Reforma Agrária o conjunto de medidas que visem a promover, melhor distribuição da terra, mediante modificações do regime

Leia mais

Documentação Necessária para Certificação e Registro de Imóveis Rurais

Documentação Necessária para Certificação e Registro de Imóveis Rurais Documentação Necessária para Certificação e Registro de Imóveis Rurais Diferença entre Registro, Certidão e Matrícula Diferenças entre Averbar e Registrar Necessidade de Retificar um Registro ( retificação

Leia mais

AÇÕES PARA REGULARIZAÇÃO DE IMÓVEIS NO. Estado de São Paulo. O que o Governo de São Paulo, o Ministério Público e a sua Prefeitura podem fazer juntos.

AÇÕES PARA REGULARIZAÇÃO DE IMÓVEIS NO. Estado de São Paulo. O que o Governo de São Paulo, o Ministério Público e a sua Prefeitura podem fazer juntos. AÇÕES PARA REGULARIZAÇÃO DE IMÓVEIS NO Estado de São Paulo O que o Governo de São Paulo, o Ministério Público e a sua Prefeitura podem fazer juntos. Sumário Apresentação 5 Porque regularizar 6 Quando uma

Leia mais

DECRETO ESTADUAL nº 52.052, de 13 de agosto de 2007

DECRETO ESTADUAL nº 52.052, de 13 de agosto de 2007 2009 DECRETO ESTADUAL nº 52.052, de 13 de agosto de 2007 Institui, no âmbito da Secretaria de Estado da Habitação Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais Cidade Legal Comitê de Regularização

Leia mais

Parcelamento do Solo Urbano Loteamentos e Desmembramentos (Lei 6766/79 e art. 713 e ss do novo CN/CGJ/SC)

Parcelamento do Solo Urbano Loteamentos e Desmembramentos (Lei 6766/79 e art. 713 e ss do novo CN/CGJ/SC) Parcelamento do Solo Urbano Loteamentos e Desmembramentos (Lei 6766/79 e art. 713 e ss do novo CN/CGJ/SC) GUIA nº Matrícula nº Vinculada ok ( ); Vinculada a guia ; Central Indisp. ok( ). Considera-se loteamento

Leia mais

Incentivar a instalação de usos não residenciais em regiões dormitório com a intenção de diminuir a necessidade de deslocamentos na cidade.

Incentivar a instalação de usos não residenciais em regiões dormitório com a intenção de diminuir a necessidade de deslocamentos na cidade. OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR O interessado em construir além da área do seu terreno adquire do Poder Público o direito de construção da área excedente. O preço pago por este direito servirá

Leia mais

Lei Municipal N.º 1413

Lei Municipal N.º 1413 1 EMENTA: -- Disciplina o parcelamento da terra no Município de Volta Redonda, Estado do Rio de Janeiro. A Câmara Municipal Aprova e Eu Sanciono a Seguinte Lei: -- CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art.

Leia mais

Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia

Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia Publicado no D.O.E. de 17 de maio de 2005. Orienta os órgãos da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, quanto à incorporação de imóveis

Leia mais

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária.

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária. Regularização Fundiária de Assentamentos Informais em Áreas Urbanas Disciplina: Regularização Fundiária e Plano Diretor Unidade 03 Professor(a): Laura Bueno e Pedro Monteiro AULA 3. Aspectos Técnicos da

Leia mais

PROJETO DE LEI. I - certidões atualizadas de domínio e de ônus reais do imóvel;

PROJETO DE LEI. I - certidões atualizadas de domínio e de ônus reais do imóvel; PROJETO DE LEI Altera o Decreto-Lei n o 3.365, de 21 de junho de 1941, que dispõe sobre desapropriações por utilidade pública. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1 o Os arts. 15, 26 e 32 do Decreto-Lei

Leia mais

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB PROJETOS DE INFRAESTRUTURA URBANA DRENAGEM CANAIS RESERVATÓRIOS MICRODRENAGEM OU DRENAGEM SUPERFICIAL OBRAS

Leia mais

Instrumentos para oferta de moradias nas áreas centrais e consolidadas FERNANDA FURTADO Universidade Federal Fluminense Novembro de 2011

Instrumentos para oferta de moradias nas áreas centrais e consolidadas FERNANDA FURTADO Universidade Federal Fluminense Novembro de 2011 PMHIS Seminários Temáticos Instrumentos para oferta de moradias nas áreas centrais e consolidadas FERNANDA FURTADO Universidade Federal Fluminense Novembro de 2011 1 Bases e recortes da questão Terra,

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHOS PUBLICITÁRIOS A SEREM INSTALADOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO DAS RODOVIAS

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHOS PUBLICITÁRIOS A SEREM INSTALADOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO DAS RODOVIAS INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE A SEREM INSTALADOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO DAS RODOVIAS DO SISTEMA RODOVIÁRIO DO DISTRITO FEDERAL 1. OBJETIVO Estabelecer complementação visando instruir

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROJETOS E OBRAS PARTICULARES JUNDIAÍ cartilha_obras_pmj.indd 1 09/10/09 20:03 cartilha_obras_pmj.indd 2 09/10/09 20:03 ÍNDICE APRESENTAÇÃO [pag. 1] SERVIÇOS PRESTADOS PELA DIRETORIA

Leia mais

www.mda.gov.br MANUAL DE REGULARIZAÇÃO DE ÁREAS URBANAS

www.mda.gov.br MANUAL DE REGULARIZAÇÃO DE ÁREAS URBANAS Patrocínio: www.mda.gov.br MANUAL DE REGULARIZAÇÃO DE ÁREAS URBANAS Realização: Secretaria do Patrimônio da União Ministério do Planejamento Ministério das Cidades Ministério do Desenvolvimento Agrário

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE NOVOS ACESSOS ÀS RODOVIAS

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE NOVOS ACESSOS ÀS RODOVIAS INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE NOVOS ACESSOS ÀS RODOVIAS SOB JURISDIÇÃO DO DER/DF 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de acesso nas faixas de

Leia mais

O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, Faço saber que a Câmara Legislativa do Distrito Federal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, Faço saber que a Câmara Legislativa do Distrito Federal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO LEI COMPLEMENTAR Nº (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Dispõe sobre loteamento fechado e alienação de lotes ou parcelas de terras públicas no território do Distrito Federal e dá outras providências.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE - PMPA SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA DE PORTO ALEGRE - SMF ASSESSORIA DE AQUISIÇÕES ESPECIAIS DE IMÓVEIS AEI

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE - PMPA SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA DE PORTO ALEGRE - SMF ASSESSORIA DE AQUISIÇÕES ESPECIAIS DE IMÓVEIS AEI PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE - PMPA SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA DE PORTO ALEGRE - SMF ASSESSORIA DE AQUISIÇÕES ESPECIAIS DE IMÓVEIS AEI EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 02/2010 AEI/SMF O Município

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL NORDESTE. 2.ª Fase. Prova Prático-Profissional

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL NORDESTE. 2.ª Fase. Prova Prático-Profissional ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL NORDESTE EXAME DE ORDEM 2004 2.ª Fase Prova Prático-Profissional DIREITO ADMINISTRATIVO PEÇA PROFISSIONAL A União pretende desapropriar um imóvel situado na Rua X, n.º 2 004,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 3.2 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 3.2.1 - Plano de Intervenção

Leia mais

ORESTES QUÉRCIA, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Decreta:

ORESTES QUÉRCIA, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Decreta: Decreto Nº 30.374, de 12 de setembro de 1989 12/09/1989. Aprova o regulamento de autorização de acesso pelas rodovias estaduais aos terrenos lindeiros às suas faixas de domínio, onde se instalem estabelecimentos

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO Avenida Bandeirantes nº 1.705 Vila Isabel Ribeirão Preto/SP. CPI Conselho do Patrimônio Imobiliário

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO Avenida Bandeirantes nº 1.705 Vila Isabel Ribeirão Preto/SP. CPI Conselho do Patrimônio Imobiliário LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO Avenida Bandeirantes nº 1.705 Vila Isabel Ribeirão Preto/SP CPI Conselho do Patrimônio Imobiliário Coordenadas Geográfica: W 47.840000 S 21.178888 2 de 11 FICHA CADASTRAL DO

Leia mais

ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS

ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços de Estudos Topográficos nos Projetos Básicos de Engenharia Ferroviária. Devem ser considerados

Leia mais

CONDOMÍNIO FECHADO DE GALPÕES MODULARES

CONDOMÍNIO FECHADO DE GALPÕES MODULARES CONDOMÍNIO FECHADO DE GALPÕES MODULARES PRÉVIA Ilustração artística da portaria Rua dos Tucanos, 630 - Carapicuíba - SP - Brasil 23 33 37.00 S 46 49 17.00 O Por que Rodoanel? O Rodoanel Mário Covas, depois

Leia mais

Georreferenciamento de Imóveis Rurais SIGEF

Georreferenciamento de Imóveis Rurais SIGEF Georreferenciamento de Imóveis Rurais SIGEF O Sistema de Gestão Fundiária (SIGEF) é uma ferramenta eletrônica desenvolvida pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) e pelo Ministério

Leia mais

Rodovia Perimetral Norte

Rodovia Perimetral Norte Buscando criar um novo caminho que integre as três rodovias Federais (Br s 101, 116 e 324), que cruzam Feira de Santana, a rodovia perimetral norte de 33 km, surge como uma alternativa muito importante

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO N o 433, DE 24 DE JANEIRO DE 1992. Dispõe sobre a aquisição de imóveis rurais, para fins de reforma agrária, por meio de compra

Leia mais

EXMO. SR. DR. JUIZ COORDENADOR DO CENTRO DE APOIO DOS JUÍZES DA FAZENDA PÚBLICA CAJUFA

EXMO. SR. DR. JUIZ COORDENADOR DO CENTRO DE APOIO DOS JUÍZES DA FAZENDA PÚBLICA CAJUFA EXMO. SR. DR. JUIZ COORDENADOR DO CENTRO DE APOIO DOS JUÍZES DA FAZENDA PÚBLICA CAJUFA A Comissão de Peritos nomeada pela Portaria CAJUFA nº 02/2011 (Anexo I), com o objetivo de estabelecer critérios,

Leia mais

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas LEI Nº 15.525, DE 9 DE JANEIRO DE 2012 (Projeto de Lei nº 470/11, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Institui o Projeto Estratégico

Leia mais

Sumário Introdução 1. Escorço histórico 2. Condomínio edilício 3. Direitos e deveres no condomínio edilício

Sumário Introdução 1. Escorço histórico 2. Condomínio edilício 3. Direitos e deveres no condomínio edilício Sumário Introdução 13 1. Escorço histórico 15 1.1. O surgimento da propriedade horizontal no mundo 16 1.2. Condomínio edilício no Brasil 17 2. Condomínio edilício 20 2.1. A questão do nome do instituto

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE REDE DE ENERGIA ELÉTRICA NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE REDE DE ENERGIA ELÉTRICA NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de rede de transmissão e/ou distribuição de energia elétrica nas faixas de domínio das rodovias sob jurisdição do DERBA, assim

Leia mais

2.5. Obras todas as obras e/ou serviços que utilizam a faixa de domínio, no sentido transversal e/ou longitudinal ou em áreas localizadas;

2.5. Obras todas as obras e/ou serviços que utilizam a faixa de domínio, no sentido transversal e/ou longitudinal ou em áreas localizadas; 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de rede de telecomunicações (cabos metálicos ou de fibras ópticas) nas faixas de domínio das rodovias sob jurisdição do DERBA,

Leia mais

TABELA II Dos Ofícios de Registro de Imóveis

TABELA II Dos Ofícios de Registro de Imóveis TABELA II Dos Ofícios de Registro de Imóveis Tabela elaborada sob responsabilidade da Associação dos Registradores Imobiliários de São Paulo ARISP. Em vigor a partir de 8 de janeiro de 2014. Lei 11.331,

Leia mais

Resolução SMU nº 728 de 10 de julho de 2007

Resolução SMU nº 728 de 10 de julho de 2007 Resolução SMU nº 728 de 10 de julho de 2007 Altera a Resolução SMU n.º 703 de 29/12/2006 que consolida, organiza e atualiza as normas, os procedimentos e a padronização para a elaboração e aprovação dos

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANGÃO

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANGÃO LEI COMPLEMENTAR 024 de 17 de outubro de 2011 DISPÕE SOBRE O SISTEMA VIARIO DO MUNICIPIO DE SANGÃO-SC E DA OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Antônio Mauro Eduardo, Prefeito Municipal de Sangão, faz saber a todos os

Leia mais

Guia Rápido do Cliente

Guia Rápido do Cliente Guia Rápido do Cliente Seja bem-vindo! Está chegando a hora de viver a vida em Alphaville. Para nós, é um grande prazer recebê-lo e poder compartilhar esse momento de realização com você. Nesse Guia Rápido,

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL 2013 ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA -CENTRO COMERCIAL IAB ADMINISTRADORA DE BENS LTDA, CNPJ 08.111.520/0001 POMERODE/SC 03/10/2013 Dados do Projeto O projeto trata-se do empreendimento de um Centro Comercial

Leia mais

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Nos termos do Contrato de Concessão, bem como dos regulamentos administrativos impostos pelo Poder Concedente, compete à ECO101 Concessionária

Leia mais

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM Matriz de Transporte Brasil Estado de São Paulo Modal Participação Modal Participação Rodoviário 61,20% Ferroviário 20,70% Hidroviário 13,60% Dutoviário 4,20% Aéreo 0,40% Rodoviário 93,10% Ferroviário

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO DO ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA Nº 02/2011 Versão: 01 Publicação: DJE nº de / /2012 Unidade Responsável: Departamento de Material e Patrimônio - DMP I FINALIDADE Dispor sobre os procedimentos

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PARCELAMENTO DO SOLO LOTEAMENTOS E DESMEMBRAMENTOS 04 vias do processo contendo na capa o número

Leia mais

Edição Número 158 de 17/08/2004 Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA

Edição Número 158 de 17/08/2004 Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA Resoluções Edição Número 158 de 17/08/2004 Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA RESOLUÇÃO Nº 349, DE 16 DE AGOSTO DE 2004 Dispõe sobre o licenciamento ambiental de empreendimentos

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO 3ᴼ Ano Turmas A e B Prof. Ms: Vânia Cristina Teixeira CORREÇÃO PROVA 3ᴼ BIM Examine as proposições abaixo, concernentes à desapropriação, e assinale a alternativa correta: I. Sujeito

Leia mais

Documento sujeito a revisões periódicas Natal RN CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-1975 / 3232-2118

Documento sujeito a revisões periódicas Natal RN CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-1975 / 3232-2118 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Postos (Revendedores e de Abastecimento) e Sistemas

Leia mais

Quem pode desapropriar e quem pode executar a desapropriação

Quem pode desapropriar e quem pode executar a desapropriação Capítulo I Quem pode desapropriar e quem pode executar a desapropriação Desapropriação é o termo jurídico que indica ato, emanado do poder público, do qual resulta a resolução do domínio do titular sobre

Leia mais

Parabéns! Agora que a sua cota já está contemplada e você já recebeu sua CARTA DE CRÉDITO, você poderá concretizar o seu projeto.

Parabéns! Agora que a sua cota já está contemplada e você já recebeu sua CARTA DE CRÉDITO, você poderá concretizar o seu projeto. Orientações para aquisição de Bens Imóveis Parabéns! Agora que a sua cota já está contemplada e você já recebeu sua CARTA DE CRÉDITO, você poderá concretizar o seu projeto. Lembrando que a análise do seu

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS LEI COMPLEMENTAR Nº 292, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2014. Dispõe sobre a criação da Zona Especial de Interesse Social ZEIS Palmas Sul, estabelece normas para a implantação de Empreendimento Habitacional de Interesse

Leia mais

PARCELAMENTO E USO DE SOLOS NO INSTITUTO DA POSSE. Estefânia Prezutti Denardi Enga. Florestal, consultora ambiental, formanda em Direito.

PARCELAMENTO E USO DE SOLOS NO INSTITUTO DA POSSE. Estefânia Prezutti Denardi Enga. Florestal, consultora ambiental, formanda em Direito. PARCELAMENTO E USO DE SOLOS NO INSTITUTO DA POSSE Estefânia Prezutti Denardi Enga. Florestal, consultora ambiental, formanda em Direito. A Posse é um Instrumento Jurídico tratado no Código Civil Brasileiro

Leia mais

LEI DE Nº 2.078, DE 22 DE DEZEMBRO DE 1992 REVOGADA PELA LEI COMPLEMENTAR Nº 131/2006.

LEI DE Nº 2.078, DE 22 DE DEZEMBRO DE 1992 REVOGADA PELA LEI COMPLEMENTAR Nº 131/2006. LEI DE LOTEAMENTO LEI DE Nº 2.078, DE 22 DE DEZEMBRO DE 1992 REVOGADA PELA LEI COMPLEMENTAR Nº 131/2006. Autoriza o Poder Executivo a proceder o parcelamento do solo urbano e dá outras providências. A

Leia mais

Notas: Aprovada pela Deliberação Ceca nº 868, de 08 de maio de 1986. Publicada no DOERJ de 19 de maio de 1986

Notas: Aprovada pela Deliberação Ceca nº 868, de 08 de maio de 1986. Publicada no DOERJ de 19 de maio de 1986 IT-1815.R-5 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS MULTIFAMILIARES (PERMANENTES E TRANSITÓRIAS), GRUPAMENTOS DE EDIFICAÇÕES E CLUBES. Notas: Aprovada pela Deliberação

Leia mais

Clipping. Minas Gerais - Caderno 1 - Diário do Executivo - página 18 Ano 122 - Nº 225, Belo Horizonte, sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Clipping. Minas Gerais - Caderno 1 - Diário do Executivo - página 18 Ano 122 - Nº 225, Belo Horizonte, sexta-feira, 28 de novembro de 2014 Veículo: Minas Gerais Data: 28/11/2014 Editoria: Diário do Executivo Página: 18 Clipping Minas Gerais - Caderno 1 - Diário do Executivo - página 18 Ano 122 - Nº 225, Belo Horizonte, sexta-feira, 28 de

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol.

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

LAUDO PERICIAL AVALIATÓRIO NIVEL DE RIGOR: EXPEDITO (NB 502/89)

LAUDO PERICIAL AVALIATÓRIO NIVEL DE RIGOR: EXPEDITO (NB 502/89) EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª. VARA DA FAZENDA PÚBLICA E REGISTROS PÚBLICOS, COMARCA DE CAMPO GRANDE, CAPITAL DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL. Proc: nº. 97. 0030457-4 Ação Ordinária de Cobrança Autor:

Leia mais

Instrução Normativa N 66 Objetivo Etapas Instruções Gerais Instruções sobre documentação

Instrução Normativa N 66 Objetivo Etapas Instruções Gerais Instruções sobre documentação Instrução Normativa N 66 Estabelece procedimentos técnicos e administrativos para a indenização de benfeitorias e a desapropriação de imóveis localizados no interior dos limites do Parque Estadual Acarai.

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL CPOS 0380/2008 A 109 CPI CPI 2843/2009 LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL Av. São Paulo x Av. Atlântica - Lotes 19 e 20 Quadra 6 Bairro Vila Atlântica Mongaguá SP CPI Conselho do Patrimônio Imobiliário

Leia mais

DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total

DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. FINALIDADE. DOS TÍTULOS REGISTRÁVEIS: ESCRITURA

Leia mais

ANEXO I DECLARAÇÃO DE INEXISTÊNCIA DE AÇÃO JUDICIAL

ANEXO I DECLARAÇÃO DE INEXISTÊNCIA DE AÇÃO JUDICIAL ANEXO I DECLARAÇÃO DE INEXISTÊNCIA DE AÇÃO JUDICIAL (razão social do devedor), com inscrição no CNPJ nº, devidamente representada por (nome e qualificação do representante), DECLARA, para os fins da RN

Leia mais

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA - COMO IMPLEMENTAR - ASPÉCTOS TÉCNICOS

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA - COMO IMPLEMENTAR - ASPÉCTOS TÉCNICOS REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA - - ASPÉCTOS TÉCNICOS Luciano Saldanha Varela Engenheiro Civil ETAPAS DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA 1) TOPOGRAFIA PARA AUTO DE DEMARCAÇÃO URBANÍSTICA E PARA INSTITUIÇÃO DE ZEIS (PERÍMETRO

Leia mais

Prefeitura Municipal de Registro

Prefeitura Municipal de Registro Prefeitura Municipal de Registro Departamento Municipal de Administração Rua José Antônio de Campos, nº 250 Centro CEP: 11.900-000 Registro SP Fone: (13) 3828-1000 Fax: (13) 3821-2565 e-mail prefeitura@registro.sp.gov.br

Leia mais

LEI Nº 5138 DE 28 DE DEZEMBRO DE 1992

LEI Nº 5138 DE 28 DE DEZEMBRO DE 1992 LEI Nº 5138 DE 28 DE DEZEMBRO DE 1992 DR. ANTONIO FIGUEIREDO DE OLIVEIRA, Prefeito Municipal de São José do Rio Preto, Estado de São Paulo, usando das atribuições que me são conferidas por lei. FAÇO SABER

Leia mais

COMPRA E VENDA DE MOVEIS E IMÓVEIS Modelo 02

COMPRA E VENDA DE MOVEIS E IMÓVEIS Modelo 02 ANUÊNCIA PARA DOAÇÃO OU VENDA DE IMÓVEL ENTRE ASCENDENTE E DESCENDENTES Modelo 01 a quem confere poderes para o fim especial de, como interveniente na escritura de (doação, venda ) que seu(sua)(s) ( pai,

Leia mais

DESONERAÇÃO DE RESERVA LEGAL EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO FEDERAIS. Junho/2011

DESONERAÇÃO DE RESERVA LEGAL EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO FEDERAIS. Junho/2011 DESONERAÇÃO DE RESERVA LEGAL EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO FEDERAIS Junho/2011 CONTEXTO Das 310 Ucs Federais, 251 são domínio público DOMÍNIO TERRAS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO FEDERAIS DOMÍNIO TERRAS PÚBLICAS

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA IMÓVEIS - EDIFICAÇÕES E LOTEAMENTOS A Prefeitura Municipal de Aracaju fiscaliza e licencia obras de edificação e de parcelamento do solo

Leia mais

ANEXO II - Códigos dos atos praticados pelos serviços notariais e de registro

ANEXO II - Códigos dos atos praticados pelos serviços notariais e de registro ANEXO II - s dos atos praticados pelos serviços notariais e de registro ATOS DO TABELIÃO DE NOTAS TABELA 1 (R$) Valor Final ao Usuário 1 Aprovação de testamento cerrado 139,36 43,83 183,19 1101-5 2 Ata

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU LEI DO SISTEMA VIÁRIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU LEI DO SISTEMA VIÁRIO PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ KL Serviços e Engenharia S/C PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU LEI DO SISTEMA VIÁRIO LEI Nº Dispõe sobre o sistema Viário do Município de Quixadá e dá outras

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA Estado do Paraná

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA Estado do Paraná LEI Nº 872/2009 Disciplina a dação de bens imóveis como forma de extinção da obrigação tributária no município de Juranda,, prevista no inciso XI do artigo 156 do Código Tributário Nacional, acrescido

Leia mais

Guia de Compra Segura Apartamentosna planta

Guia de Compra Segura Apartamentosna planta Guia de Compra Segura Apartamentosna planta de A compra de um apartamento gera muita dúvida aos consumidores, pensando nisso a Tecnisa criou esse Guia que vai ajudá-lo a entender um pouco do universo do

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE POLIDUTOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE POLIDUTOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de polidutos (oleodutos, gasodutos, tubulações diversas, etc) nas faixas de domínio das rodovias sob jurisdição do DERBA, assim

Leia mais

5) COMPROMISSO PARTICULAR DE VENDA E COMPRA E OUTRAS COMPROMISSÁRIO VENDEDOR:..., brasileiro, solteiro, produtor rural, inscrito no CPF sob o

5) COMPROMISSO PARTICULAR DE VENDA E COMPRA E OUTRAS COMPROMISSÁRIO VENDEDOR:..., brasileiro, solteiro, produtor rural, inscrito no CPF sob o 5) COMPROMISSO PARTICULAR DE VENDA E COMPRA E OUTRAS AVENÇAS PARTES CONTRATANTES COMPROMISSÁRIO VENDEDOR:..., brasileiro, solteiro, produtor rural, inscrito no CPF sob o n.... e no RG sob o n...., residente

Leia mais

Válida até 30/03/2011

Válida até 30/03/2011 Tabela de Emolumentos / 2011 (1) Válida até 30/03/2011 Anexo da Portaria nº 1448 /CGJ/2010 (a que se refere o 1º do artigo 2º da Lei n.º 15.424, de 30 de dezembro de 2004, atualizado nos termos do artigo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CODÓ ESTADO DO MARANHÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CODÓ ESTADO DO MARANHÃO LEI Nº 1552, DE 18 DE AGOSTO DE 2011. Disciplina a dação em pagamento de obras, serviços e bem móvel como forma de extinção da obrigação tributária no Município de Codó, prevista no inciso XI do artigo

Leia mais

Indicação Nº..., de... ( Do Senhor Carlos Abicalil)

Indicação Nº..., de... ( Do Senhor Carlos Abicalil) Indicação Nº..., de... ( Do Senhor Carlos Abicalil) Sugere, ao Ministro de Estado dos Transportes, Anderson Adauto a edição de decreto regulamentando a Contribuição de Melhoria, instituída pelo Decreto-lei

Leia mais

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal 1. Introdução O patrimônio cultural de cada comunidade pode ser considerado a sua cédula de identidade. Por isso, cada vez mais os municípios necessitam

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004 Estabelece as condições para atendimento com redes de energia elétrica nos lotes situados em loteamentos

Leia mais

DECRETO Nº 47.696, DE 07 DE MARÇO DE 2003(*) GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais.

DECRETO Nº 47.696, DE 07 DE MARÇO DE 2003(*) GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais. DECRETO Nº 47.696, DE 07 DE MARÇO DE 2003(*) Regulamenta o artigo 37-A da Lei nº 1.172, de 17 de novembro de 1976, acrescido pela Lei nº 11.216, de 22 de julho de 2002, que delimita as áreas de proteção

Leia mais

1 de 8 23/12/2011 23:24

1 de 8 23/12/2011 23:24 1 de 8 23/12/2011 23:24 TABELA 4 (R$) ATOS DO OFICIAL DE REGISTRO DE IMÓVEIS Emolumentos Taxa de Fiscalização Judiciária Valor Final ao Usuário 1 Averbação (com todas as anotações e referências a outros

Leia mais

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP RETORNAR Sumário Título I Das Políticas Públicas Regionais. Capítulo I Da Política de Desenvolvimento Urbano e Ambiental da Região. Capítulo

Leia mais

IPTU 2013 Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana

IPTU 2013 Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana IPTU 2013 Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana PERGUNTAS E RESPOSTAS 1 - Qual é a base de cálculo do IPTU? A base de cálculo do IPTU é o valor venal do imóvel. 2 - O que é valor venal?

Leia mais

ÍNDICE. Capítulo I...5. Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5. Capítulo II...5. Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6

ÍNDICE. Capítulo I...5. Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5. Capítulo II...5. Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6 ÍNDICE Capítulo I...5 Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5 Capítulo II...5 Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE CRATEÚS PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU

Leia mais

Critérios de Avaliações para Desapropriações Administrativas e Judiciais

Critérios de Avaliações para Desapropriações Administrativas e Judiciais Critérios de Avaliações para Desapropriações Administrativas e Judiciais Msc. Eng. Isabela Beck da Silva Giannakos SOBREA 2014 1 Desapropriação é o ato de direito público pelo qual a administração, fundamentada

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO LUÍS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO - SEMURH

PREFEITURA DE SÃO LUÍS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO - SEMURH Documentos pessoais do requerente; Certidão Negativa do IPTU; Documento de responsabilidade técnica emitido pelo CREA ou CAU; Declaração do engenheiro ou arquiteto responsável pela obra; Aprovação do projeto

Leia mais

SECRETARIA DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM MANUAL ATIVIDADES GERAIS 3.02 AUTORIZAÇÕES PARA ACESSO ÀS ESTRADAS

SECRETARIA DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM MANUAL ATIVIDADES GERAIS 3.02 AUTORIZAÇÕES PARA ACESSO ÀS ESTRADAS SECRETARIA DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM MANUAL ATIVIDADES GERAIS 3.0 SEÇÃO 3.0: AUTORIZAÇÕES PARA ACESSO ÀS ESTRADAS APROVAÇÃO: Em 1/06/1978 às fls. 197 dos autos 14.795/DER/197

Leia mais

Define os procedimentos para a operacionalização do programa Carta de Crédito Municipal, nos termos da Resolução CMH n 02, de 11 de novembro de 2003.

Define os procedimentos para a operacionalização do programa Carta de Crédito Municipal, nos termos da Resolução CMH n 02, de 11 de novembro de 2003. INSTRUÇÃO NORMATIVA N 02/2OO4/SEHAB.G Publicada em 14/09/2004, D.O.M. páginas 22 e 23. Define os procedimentos para a operacionalização do programa Carta de Crédito Municipal, nos termos da Resolução CMH

Leia mais

PÚBLICOS DA COMARCA DE SÃO PAULO / SP

PÚBLICOS DA COMARCA DE SÃO PAULO / SP EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA DE REGISTROS PÚBLICOS DA COMARCA DE SÃO PAULO / SP..., associação sem fins lucrativos, regularmente registrada no 4º Cartório de Registro de Títulos e Documentos,

Leia mais

DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO DE OBRAS

DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO DE OBRAS DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO DE OBRAS HABITE-SE CERTIDÃO RETIFICAÇÃO DE NÚMERO E DE ENDEREÇO CERTIDÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO PARA EMPREENDIMENTO DE USO RESIDENCIAL E NÃO RESIDENCIAL RENOVAÇÃO DE HABITE-SE/

Leia mais

ir l Secretaria Municipal de Planejamento e Meio Ambiente Manual da Construção Legal

ir l Secretaria Municipal de Planejamento e Meio Ambiente Manual da Construção Legal ASCOM t ru ir l e g a legal construir cons Quero l Secretaria Municipal de Planejamento e Meio Ambiente Elaboração: Lilian Márcia Neves Haddad Arquiteta Urbanista, CREA 90.776/D MG - Especialista em Planejamento

Leia mais

ESCRITURA DE COMPRA E VENDA

ESCRITURA DE COMPRA E VENDA RGI N: ESCRITURA DE COMPRA E VENDA VENDEDOR: COMPRADORA: IMÓVEL: VALOR DA VENDA E COMPRA: R$ VALOR VENAL DE REFERÊNCIA: R$ INSCRIÇÃO CADASTRAL: S A I B A M quantos esta pública escritura virem aos ----

Leia mais