Dimensão Ambiental no Planejamento de Atividades do V Salão Gaúcho de Turismo: Informações de Expositores e Organizadores.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dimensão Ambiental no Planejamento de Atividades do V Salão Gaúcho de Turismo: Informações de Expositores e Organizadores."

Transcrição

1 Dimensão Ambiental no Planejamento de Atividades do V Salão Gaúcho de Turismo: Informações de Expositores e Organizadores. Álvaro Luis Machado 1 Suzana Maria De Conto 2 Universidade de Caxias do Sul RESUMO: O presente estudo analisa as informações de 15 expositores e 10 organizadores sobre o planejamento de práticas ambientais no V Salão Gaúcho do Turismo realizado em Caxias do Sul. A entrevista foi a técnica de pesquisa realizada. Os resultados indicam que em geral a adoção de práticas ambientais não foi concebida ainda na fase de planejamento do evento turístico. Constata-se a importância de implantar programas de Educação Ambiental para organizadores, expositores e visitantes, possibilitando a sensibilização dos mesmos e a socialização de conhecimento, no sentido de contemplar a dimensão ambiental no planejamento do Salão Gaúcho do Turismo. Palavras-chave: Eventos; planejamento ambiental; Salão Gaúcho do Turismo; planejamento do turismo; educação ambiental. 1 Introdução Como os expositores e organizadores do V Salão Gaúcho de Turismo foram incentivados a adotar práticas ambientais no planejamento e execução do evento? Que informações são disponibilizadas aos visitantes sobre ações ambientais que são desenvolvidas no evento? Há programas de educação ambiental destinados aos organizadores, expositores e/ou visitantes? Há preocupação em diminuir e recuperar materiais impressos e decorativos produzidos para o evento? Os expositores e organizadores julgam importante adotar práticas ambientais corretas para a realização do evento? Essas questões merecem uma análise e respostas no sentido de contribuir 1 Professor das Faculdades Integradas de Taquara - FACCAT, Especialista em Ecologia Social e Educação Ambiental pela ULBRA-RS, Mestrando em Turismo na Universidade de Caxias do Sul (UCS). Contato: Rua Israel Wolf, 301/601, 2 Engenheira Química, Doutora em Educação pela Universidade Federal de São Carlos. Professora no Departamento de Engenharia Química e no Mestrado em Turismo da Universidade de Caxias do Sul. Contato: Rua Francisco Getúlio Vargas, 1130, Caxias do Sul-RS;

2 para a diminuição da complexidade da gestão dos resíduos oriundos das atividades turísticas, especialmente na implantação e operacionalização do evento. O presente estudo busca analisar as informações de organizadores e expositores do V Salão Gaúcho do Turismo sobre práticas ambientais previstas no planejamento do evento. Estudos dessa natureza são importantes sob o ponto de vista socioambiental, contribuindo para um novo pensar e agir no planejamento de eventos turísticos. 2 O turismo e os eventos turísticos A área de eventos representa o segmento que mais cresce no mercado mundial de turismo, possibilitando transformar esse setor na mais importante atividade econômica do mundo (PEREIRA; DE CONTO, 2006). Como um fenômeno complexo, o turismo não pode ser analisado somente sob a ótica econômica. Os impactos e aspectos ambientais precisam ser considerados no planejamento das atividades turísticas, incluindo os eventos turísticos. Para Pugen (2008), os eventos são (...) dependentes de variáveis ambientais, culturais, sociais e econômicas (p. 25). Martin (2003) define evento como qualquer acontecimento que foge da rotina, sempre programado para reunir um grupo de pessoas (p.35). Como evento turístico, um salão pode ser entendido como um evento destinado a promover e divulgar produtos e informar sobre eles com o intuito de criar para os consumidores uma imagem positiva da instituição promotora (BRITTO; FONTES, 2002). Ao analisar a relação dos eventos com a responsabilidade ambiental, De Conto (2004) destaca: Um evento do turismo (festa, rodeio, show musical, entre outros) só é bem planejado se considerar os custos ambientais. Portanto, a contabilidade ambiental deve ser clara nesse planejamento para evitar surpresas. Quem planeja, organiza, apóia, patrocina, executa e fiscaliza um projeto em turismo deve saber que a responsabilidade é solidária. Assim, todos são responsáveis pelo gerenciamento dos resíduos resultantes da atividade. É necessário entender que a responsabilidade ambiental pressupõe uma responsabilidade legal, social, moral e ética. (DE CONTO, 2004, p.2). Com relação à organização de eventos, Watt (2007) identifica que talvez a busca de uma abordagem geral dos princípios e das práticas aplicáveis às organizações em um campo tão amplo tenha deixado alguns setores um tanto de lado (WATT, 2007, p. 10). Talvez esse seja o caso do planejamento ambiental em muitos eventos.

3 Pereira (2007) chama a atenção para o fato de um evento turístico possuir características de um empreendimento já que consome energia, água e demais recursos, gerando resíduos sólidos, emissões atmosféricas e efluentes líquidos (PEREIRA, 2007, p. 13). Tal responsabilidade está expressa no código de ética da Associação Brasileira de Empresas de Eventos ABEOC quando em seu artigo 20º determina que Com a sociedade em geral, a associada deverá manter atitude de colaboração, sem prestar o concurso de sua especialidade profissional em atividades que contribuam para a degradação social ou ambiental (ABEOC, 2009). A responsabilidade ambiental de um evento fica mais evidente ao se perceber que além da geração de empregos diretos pela organização, os eventos impulsionam os setores produtivos, por meio da cadeia do turismo e geram empregos em vários ramos de atividades (TOMAZZONI; BUHLER; SIMÃO, 2008) disseminando seus impactos por vários setores da economia. Para Pugen (2008) quanto maior a abrangência, maior será a interferência econômica e social, no nível local e regional (p. 14), que poderia representar também uma maior abrangência de seus impactos positivos e negativos, entre eles, os impactos ambientais. Para Pereira (2007) todo empreendimento, evento, produto ou serviço do turismo deve estar em conformidade com a legislação ambiental, assegurando assim seu compromisso ético para as questões ambientais (p. 36). A importância da dimensão ambiental no planejamento de uma empresa é também ressaltada por Carvalho e Alberton (2008) ao afirmarem que hoje as empresas investem em aspectos como confiabilidade, produtos ambientalmente corretos, relacionamento ético das empresas com fornecedores e clientes, além da observância das leis quanto ao tratamento correto para com os seus funcionários (p. 33). Como aspectos ambientais da responsabilidade social de uma empresa, Carvalho e Alberton (2008) sugerem a adoção de atitudes como: Ter um programa para reduzir o desperdício de energia e materiais; Promover coleta seletiva de lixo e direcionar os ganhos com tal atividade; Fazer uso racional da água; Realizar programas de educação ambiental com os funcionários e/ou comunidade. (CARVALHO; ALBERTON, 2008, p. 42). Tais aspectos parecem ser úteis na análise da dimensão ambiental no planejamento de um evento com as características do Salão Gaúcho do Turismo,

4 buscando conhecer as informações de expositores e organizadores quanto ao uso de programas para redução do desperdício de energia (luz, maquinário e combustível) e materiais (folderes, estandes, cartazes, impressos, CDs, mapas, entre outros). Também é importante identificar informações sobre processos de geração, seleção e destino dos resíduos gerados e possíveis programas de educação ambiental direcionados aos expositores, organizadores e visitantes de eventos dessa natureza. A expressão educação ambiental é definida na Política Nacional de Educação Ambiental, Lei nº de 1999 (BRASIL, 1999) como: Os processos por meio dos quais o indivíduo e a coletividade constroem valores sociais, conhecimentos, habilidades, atitudes e competências voltadas para a conservação do meio ambiente, bem de uso comum do povo, essencial à sadia qualidade de vida e sua sustentabilidade. (BRASIL, 1999). Cabe destacar que, independente da forma de educação (formal ou não-formal) é importante no planejamento do turismo ter presente os objetivos fundamentais da educação ambiental conforme apresentado na Política Nacional de Educação Ambiental (BRASIL,1999): I - o desenvolvimento de uma compreensão integrada do meio ambiente em suas múltiplas e complexas relações, envolvendo aspectos ecológicos, psicológicos, legais, políticos, sociais, econômicos, científicos, culturais e éticos; II - a garantia de democratização das informações ambientais; III - o estímulo e o fortalecimento de uma consciência crítica sobre a problemática ambiental e social; IV - o incentivo à participação individual e coletiva, permanente e responsável, na preservação do equilíbrio do meio ambiente, entendendo-se a defesa da qualidade ambiental como um valor inseparável do exercício da cidadania; V - o estímulo à cooperação entre as diversas regiões do País, em níveis micro e macrorregionais, com vistas à construção de uma sociedade ambientalmente equilibrada, fundada nos princípios da liberdade, igualdade, solidariedade, democracia, justiça social, responsabilidade e sustentabilidade; VI - o fomento e o fortalecimento da integração com a ciência e a tecnologia; VII - o fortalecimento da cidadania, autodeterminação dos povos e solidariedade como fundamentos para o futuro da humanidade. Ainda, na referida Lei, em seu Art. 3º, é declarado que todos têm direito à educação ambiental, incumbindo:

5 I ao Poder Público, nos termos dos arts. 205 e 225 da Constituição Federal, definir políticas públicas que incorporem a dimensão ambiental, promover a educação ambiental em todos os níveis de ensino e o engajamento da sociedade na conservação, recuperação e melhoria do meio ambiente; II às instituições educativas, promover a educação ambiental de maneira integrada aos programas educacionais que desenvolvem; III aos órgãos integrantes do Sistema Nacional de Meio Ambiente - Sisnama, promover ações de educação ambiental integradas aos programas de conservação, recuperação e melhoria do meio ambiente; IV aos meios de comunicação de massa, colaborar de maneira ativa e permanente na disseminação de informações e práticas educativas sobre meio ambiente e incorporar a dimensão ambiental em sua programação; V às empresas, entidades de classe, instituições públicas e privadas, promover programas destinados à capacitação dos trabalhadores, visando à melhoria e ao controle efetivo sobre o ambiente de trabalho, bem como sobre as repercussões do processo produtivo no meio ambiente; VI à sociedade como um todo, manter atenção permanente à formação de valores, atitudes e habilidades que propiciem a atuação individual e coletiva voltada para a prevenção, a identificação e a solução de problemas ambientais. (BRASIL, 1999). A partir do art. 3º é possível constatar que a responsabilidade pela incorporação da dimensão ambiental na gestão das organizações é notória. Todos os segmentos da sociedade precisam conhecer de fato a Política de Educação Ambiental e assumirem seu papel no cumprimento da mesma, e isso diz respeito também aos eventos turísticos. 3 Metodologia Na pesquisa realizada de caráter exploratório a técnica de coleta de dados foi a entrevista. O roteiro de entrevista utilizado foi adaptado de Pereira (2007), que examinava, em seu estudo as relações estabelecidas entre a variável ambiental e os eventos turísticos. As principais situações destacadas no instrumento foram: a) adoção de práticas ambientalmente corretas no planejamento e execução do evento; b) elaboração de programa de educação ambiental para expositores, organizadores e visitantes; c) geração, composição e destino de resíduos sólidos; d) recuperação de materiais utilizados na divulgação do evento; e) uso de papel reciclado para a confecção dos folderes; f) diminuição da geração de resíduos no Salão, entre outras. Para a realização das entrevistas foram selecionados os coordenadores regionais de turismo, representando as 24 microrregiões turísticas do Estado e com estande institucional presente no evento, além de 10 organizadores da Secretaria do Turismo, Esporte e Lazer do Rio Grande do Sul SETUR/RS com diversas funções de planejamento, organização e acompanhamento. A entrevista com os coordenadores

6 regionais foi realizada durante o evento, totalizando 15 expositores. Os organizadores foram entrevistados após o evento na SETUR/RS, totalizando o número de 10 entrevistados. O período de coleta de dados foi de 18 a 30 de março de O número total de entrevistas foi de 25. O Salão Gaúcho de Turismo O Salão Gaúcho do Turismo surgiu no ano de 2002 como resultado das ações desenvolvidas a partir da implantação da política de desenvolvimento turístico, por meio do Plano Viajando pelo Rio Grande, que buscava preencher uma lacuna na divulgação e apresentação do produto turístico gaúcho, em seus diversificados segmentos e níveis de organização para o público interno no principal mercado emissor do Estado situado na região metropolitana de Porto Alegre. O Projeto foi considerado inédito no mercado turístico gaúcho. Desta forma, a SETUR/RS acreditava estar desencadeando um processo qualificado de comercialização turística, como resposta às exigências de um mercado altamente competitivo" (SETUR, 2002). O I Salão Gaúcho de Turismo ocorreu no Shopping Center DC Navegantes, na zona norte de Porto Alegre, no período de 21 a 24 de junho de 2001, organizado pela equipe técnica da SETUR/RS e teve como promotora a Câmara de Turismo do Rio Grande do Sul. O Salão foi planejado na intenção de potencializar o produto turístico presente nas regiões turísticas entregando um estande individualizado a cada microrregião turística do Estado. Além da área de exposição das regiões, foi criado um espaço específico para apresentar o segmento do Turismo de Aventura e Ecoturismo e um ambiente rústico para apresentar o programa de Turismo Rural do Estado. Não foi encontrada junto à SETUR/RS dados que fizessem referência ao número de participantes do evento. Além da exposição e das apresentações culturais, o Salão apresentava como atividades uma rodada de negócios, organizada pelo SEBRAE-RS e um Núcleo de Conhecimento com palestras diversas na área de turismo e serviu como modelo para o Salão Brasileiro de Turismo. O II Salão foi realizado no período de 24 a 28 de abril de 2002, no mesmo local do anterior. Houve poucas modificações com relação ao projeto do I Salão. As mudanças ficaram restritas ao aumento do espaço de exposição, com novas empresas turísticas inseridas. A rodada de negócios contou com 120 agências de turismo inscritas, com encontros pré-agendados, sendo que no ano anterior, haviam participado 140

7 empresas (118 agências gaúchas, 17 nacionais e 5 internacionais) e realizados 545 contatos comerciais. O III Salão teve sua realização no período de 25 a 29 de agosto de 2004, no DC Navegantes com um público estimado, de acordo com a SETUR/RS, de 17 mil pessoas. O evento foi organizado pela primeira vez pelo SEBRAE- RS com o objetivo de fomentar, de forma integrada, ações de desenvolvimento setorial regional, tendo como atividades: Programa de Qualificação dos Agentes de Turismo Receptivo, Exposição das nove Zonas Turísticas, Workshops, Famtours e divulgação dos principais segmentos turísticos do Estado. A organização do evento contava com um espaço institucional destinado aos parceiros e ao co-realizador SEBRAE/RS, além de patrocinadores do evento, sala de imprensa, central de pesquisa, centro de informações turísticas e demais órgãos oficiais. Foi reservado espaço para a mostra das 22 regiões políticas do Estado, agrupadas em 9 Zonas Turísticas 3 com estandes individualizados para cada região que ficaria encarregada do projeto de engenharia, responsabilidade técnica, ambientação e decoração. Além dos estandes, havia também espaço para vivência dos segmentos turísticos de aventura, ecológico e rural, ocupado por empreendedores desses segmentos, organizados de acordo com a proposta da SETUR: Os pólos de aventura do RS, atividades especiais com toda a oferta de produtos de aventura e programas especiais, como esportes de aventura para portadores de necessidades especiais. Turismo Rural estava organizado em Casas de Fazenda, Casas de Colônia, Fazendas hospedarias, Hospedarias Coloniais, Programas Especiais (Rotas e Roteiros Rurais, Propostas Pedagógicas, Cavalgadas e pontos de venda de produtos coloniais e artesanato). O Salão contava ainda com espaço para a mostra e comercialização dos produtos típicos representativos das Zonas Turísticas, obedecendo aos critérios do Programa Mãos Gaúchas, do Sebrae, da Fundação Gaúcha de Trabalho e Ação Social/Casa do Artesão e do Programa Sabor Gaúcho, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento/Emater. Foi criado um espaço destinado aos shows, apresentações culturais e lançamentos de produtos turísticos das regiões, conforme critérios definidos pela Setur- RS e Sebrae-RS. Quanto a divulgação foi desenvolvida uma campanha publicitária com 3 Metropolitana, Serra, Litoral Norte, Central, Vales, Hidrominerais, Pampa, Missões e Sul

8 plano de mídia para todo o Estado e a criação de peças como slogan, volante, cartaz, anúncios, cadernos especiais, TV, spot de rádio e outros e desenvolvido um plano de distribuição promocional de sacolas do evento, folderes, passaporte do Salão, tarifário, uniforme, crachás, blocos de notas, convites, jornal/boletim, brindes e kit imprensa. A avaliação realizada pela equipe técnica da SETUR-RS apresenta pela primeira vez um questionamento quanto à distribuição exagerada de sacolas plásticas durante o evento, porém, não propõe nenhuma ação capaz de corrigir tal fato. Outro fato negativo identificado pela equipe foi a retirada dos painéis temáticos e Seminário Técnico da programação. Houve críticas também ao formato da Feira de Artesanato e agroindústrias já que não eram representativas das regiões turísticas. O IV salão ocorreu no período de 03 a 06 de maio de 2006 e pela primeira vez foi utilizado o Cais do Porto Mauá como local do evento, onde foram ocupados quatro armazéns do cais com espaço para artesanato, exposição das regiões turísticas, exposição dos parceiros no Salão e espaço para o Turismo Rural e para o Turismo de Aventura, realizado em parceria com a Fundação de Esporte e Lazer do Rio Grande do Sul FUNDERGS. Como uma das novidades do evento ocorreu a 1ª Mostra de Roteiros Integrados do Mercosul, para promoção de roteiros das regiões gaúchas com o Mercosul, com destaque para: Roteiro da Erva-Mate, Camiño del gaucho, Internacional Iguassu/Misiones e o Roteiro Arquitetônico de Jaguarão. A rodada de negócios contou com 120 rodadas de negócios entre 12 operadoras do Brasil e 48 agências receptivas do Estado. O V Salão Gaúcho do Turismo foi realizado entre os dias 18 e 21 de março de 2010 e pela primeira vez o evento foi deslocado da capital para o interior, tendo como local os pavilhões da Festa da Uva, localizado no Parque Mário Bernardino Ramos, em Caxias do Sul e como promotora do evento a Prefeitura Municipal de Caxias do Sul. No evento 24 microrregiões turísticas do Estado 4 estavam presentes com exposição de seus produtos. Havia, também espaço reservado para: Parques de Turismo de Aventura, Ecoturismo, Turismo Rural, artesanato, agricultura familiar, parceiros institucionais, universidades. Durante a realização do evento foi realizada uma Rodada 4 Vale do Rio dos Sinos, Porto Alegre e Delta do Jacuí, Litoral Norte Gaúcho, Campos de Cima da Serra, Hortênsias, Uva e Vinho, Vale do Paranhana, Rota das Araucárias, Águas e Pedras Preciosas, Termas e Lagos, Cultura e Tradição, Rota do Yucumã, Rota do Rio Uruguai, Missões, Campanha, Fronteira Gaúcha, Central, Rota das Terras, Jacuí Centro, Vale do Caí, Vale do Rio Pardo, Vale do Taquari, Centro Sul e Sul.

9 de Negócios especificamente entre agências receptivas do Estado e representantes da hotelaria gaúcha. De acordo com o SEBRAE-RS, responsável pela operacionalização da atividade, foram recebidos 72 pedidos para agendamento de reuniões, por cada uma das empresas que fizeram sua inscrição durante o prazo estabelecido, considerados encontros formais. (SECRETARIA DO TURISMO DE CAXIAS DO SUL, 2010). 4 Resultados As Tabelas 1 a 6 apresentam os dados obtidos a partir das entrevistas realizadas durante o V Salão Gaúcho de Turismo com os expositores e organizadores. A Tabela 1 apresenta a distribuição de frequência e porcentagem de indicações dos expositores e organizadores sobre a motivação para a adoção de práticas ambientalmente corretas no planejamento do V Salão Gaúcho de Turismo. Tabela 1 Distribuição de frequência e porcentagem de indicações dos expositores e organizadores sobre a motivação para a adoção de práticas ambientalmente corretas no planejamento do V Salão Gaúcho de Turismo Indicação sobre a motivação para a adoção de práticas ambientalmente corretas no planejamento do evento f % houve motivação 3 26,7 Expositores não houve motivação 12 73,3 houve motivação 1 10,0 Organizadores não houve motivação 9 90,0 Conforme é possível observar na tabela 1, 73,3% dos expositores e 90% dos organizadores declaram que não houve motivação para a adoção de práticas ambientalmente corretas ainda no planejamento do evento. Cabe destacar que qualquer atividade na área ambiental a ser contemplada no planejamento de um evento, além da demonstração de seu desempenho social, econômico e ambiental, precisa ser estimulada e passível de convencimento de toda a equipe responsável pela organização desse evento. As Tabelas 2 e 3 apresentam a distribuição de frequência e porcentagem de indicações dos expositores e organizadores respectivamente referente a elaboração de programas de educação ambiental dedicados aos organizadores, aos expositores e aos visitantes do Salão. Tabela 2 Distribuição de frequência e porcentagem de indicações dos expositores referente ao planejamento de programa de educação ambiental para os organizadores, expositores e visitantes do Salão Indicação dos expositores sobre a elaboração de programa f % de educação ambiental

10 Programa de Educação Foi considerado 1 6,6 ambiental para os organizadores Não foi considerado 14 93,4 Programa de Educação Foi considerado 1 6,6 ambiental para os expositores Não foi considerado 14 93,4 Programa de Educação Foi considerado 5 33,3 ambiental para os visitantes Não foi considerado 10 76,7 Como pode ser observado nas tabelas 2 e 3, a educação ambiental em geral não foi contemplada no planejamento do Salão. Cabe destacar que, a proposição de um Programa de Educação Ambiental surge da necessidade de esclarecer e sensibilizar os expositores, organizadores e visitantes sobre a responsabilidade socioambiental do Salão Gaúcho de Turismo. Na implantação de um Programa de Educação Ambiental, o desenvolvimento de ações integradas em prol da preservação ambiental surge como importante instrumento de formação e, como decorrência, de sensibilização de todos os responsáveis pelo Salão, para que os mesmos assumam suas responsabilidades com o meio ambiente. As mudanças de condutas de todos esses agentes precisam ocorrer, e isso só é possível quando são estabelecidas as relações entre diferentes setores públicos e privados (Secretaria Municipal do Turismo, Secretaria Municipal do Meio ambiente, Secretaria Municipal de Educação, Secretaria Estadual do Turismo, Secretaria Estadual do Meio ambiente, Agências, Operadoras, Meios de Hospedagem, entre outros) e as políticas ambientais e de turismo no âmbito nacional, estadual e municipal. Tabela 3 Distribuição de frequência e porcentagem de indicações dos organizadores referente ao planejamento de programa de educação ambiental para os organizadores, os expositores e visitantes do Salão Indicação dos organizadores sobre a elaboração de programa de educação ambiental f % Programa de Educação ambiental para os Não foi considerado organizadores Programa de Educação Foi considerado 1 10 ambiental para os expositores Não foi considerado 9 90 Programa de Educação ambiental para os visitantes Não foi considerado

11 A tabela 4 apresenta a frequência e porcentagem de indicações dos expositores e organizadores referentes à geração, composição e redução de resíduos sólidos gerados durante o Salão. Pela análise da tabela 4, observa-se que 53,3% dos expositores indicaram ter havido preocupação em diminuir resíduos gerados no Salão enquanto apenas 10% dos organizadores indicaram tal preocupação. Cabe destacar que contemplar a geração de resíduos sólidos no planejamento de um evento significa contabilizá-lo antes de sua geração no sentido de definir as melhores opções de gerenciamento dos mesmos (priorizando a não geração), como também a definição de responsabilidades dos agentes que organizam, expõem e apóiam a atividade turística. O conhecimento das diferentes frações dos componentes que fazem parte da composição dos resíduos sólidos também possibilita definir as etapas de gerenciamento dos mesmos (acondicionamento, coleta, reuso, reutilização, reciclagem, tratamento e destino final). As Tabelas 5 e 6 apresentam informações de expositores e organizadores respectivamente sobre a recuperação de materiais utilizados no Salão e uso de papel reciclado. Tabela 4 Distribuição de frequência e porcentagem de indicações dos expositores e organizadores referentes à geração, composição e redução de resíduos sólidos gerados durante o Salão Indicação dos expositores e compositores sobre a geração, composição e destino dos resíduos sólidos f % Foi contemplada no 3 20 Geração de resíduos sólidos (expositores) Geração de resíduos sólidos (organizadores) Composição de resíduos sólidos (expositores) Composição de resíduos sólidos (organizadores) planejamento Não foi contemplada no 11 73,4 planejamento Não foi pensado no assunto 1 6,6 Foi contemplada no 1 0 planejamento Não foi contemplada no 9 90 planejamento Há preocupação em conhecer Há preocupação em conhecer 8 80 Não há preocupação em conhecer 2 20

12 Diminuição da geração de resíduos sólidos (expositores) Diminuição da geração de resíduos sólidos (organizadores) Houve preocupação em 8 53,3 diminuir a geração Não houve preocupação em diminuir a geração 6 40 Não foi pensado no assunto 1 6,7 Houve preocupação em diminuir a geração 1 10 Não houve preocupação em 9 90 diminuir a geração Tabela 5 Distribuição de frequência e porcentagem de indicações dos expositores sobre a recuperação de materiais utilizados no Salão e uso de papel reciclado Recuperação de materiais utilizados no Salão e uso de papel reciclado f % Foi contemplada a 13 86,6 Material utilizado recuperação Não foi pensado no assunto 2 13,4 Planejamento do uso de papel Foi planejado 6 40 reciclado Não foi planejado 9 60 As indicações dos sujeitos sobre contemplar a recuperação de materiais utilizados na divulgação do Salão (tabela 5) são maiores para os expositores (86,6%), revelando uma prática que deve aumentar nos eventos turísticos. È importante a comparação entre as indicações da falta de planejamento na geração de resíduos e a preocupação em conhecer tais resíduos. Enquanto a falta de planejamento apresenta uma porcentagem de 90% para os organizadores, a intenção de conhecer tais resíduos atinge uma porcentagem de 80% no mesmo grupo, indicando a necessidade de uma organização melhor quanto à geração dos resíduos do salão. O fato de planejar a recuperação desses materiais indica uma preocupação com a minimização de recursos naturais e geração de resíduos, como também com o destino dos mesmos após o seu descarte. Já os organizadores, revelam (80%) que não houve essa preocupação no planejamento de recuperação de material e uso de papel reciclado (tabela 6). Tabela 6 Distribuição de frequência e porcentagem de indicações dos organizadores sobre a recuperação de materiais utilizados no Salão e uso de papel reciclado Recuperação de materiais utilizados no Salão e uso de papel reciclado f %

13 Foi contemplada a 1 10 recuperação Material utilizado Não foi contemplada a recuperação 8 80 Não foi pensado no assunto 1 10 Planejamento do uso de papel Foi planejado 3 30 reciclado Não foi planejado Conclusão Considerando que a informação é uma variável que determina o comportamento das pessoas em relação ao meio ambiente (MANDELLI, 1997), é importante que a mesma seja de qualidade e que possa ser disponibilizada de forma contínua junto aos organizadores, expositores e visitantes. Nessa direção, o Salão Gaúcho de Turismo ao inserir a dimensão ambiental no planejamento e operacionalização (programas de educação ambiental, práticas de prevenção da geração de resíduos sólidos, reaproveitamento de materiais, controle de desperdícios, identificação dos aspectos e impactos ambientais relacionados à implantação e operacionalização), contribuirá com a construção de condições para a mudança de comportamentos dos seus agentes em relação ao meio ambiente. Nesse sentido, a proposta de implantação de um Programa de Educação Ambiental no Salão Gaúcho de Turismo, significa disponibilizar um espaço de reflexão e de aprendizagem, possibilitando a capacitação de todos os atores envolvidos, no sentido de melhor lidarem com novas situações e novas responsabilidades em relação à prevenção da poluição resultante de suas atividades. Como contribuição apresenta-se diferentes formas de pensar e de agir que podem ser utilizadas pelos organizadores do Salão para a próxima edição: - Criação de um espaço ambiental no Salão com exposição de fotos, vídeos, resultados de pesquisas científicas de práticas ambientais dos municípios que fazem parte do evento (expositores); - Inserção na divulgação do Salão na internet de informações relacionadas a animais em extinção no estado do Rio Grande do Sul, ao uso racional da água, minimização de desperdícios de energia, prevenção da geração de resíduos, segregação de resíduos sólidos, situação do saneamento ambiental dos municípios dos expositores e a responsabilidade socioambiental dos visitantes;

14 - Apoio ao desenvolvimento de pesquisas, como por exemplo: dissertações, teses e trabalhos de conclusão de curso. O Salão Gaúcho do Turismo pode ser objeto de estudo dessas pesquisas e tornar-se referência de responsabilidade socioambiental; - Confecção de convites e crachás em papel reciclado; - Determinação da composição dos resíduos sólidos gerados no próximo Salão. Isso permite ao evento conhecer e contabilizar o impacto das atividades. O fato dos organizadores e expositores informarem sobre o interesse em realizar essa atividade, já sinaliza a possibilidade de concretizar a quantificação. Referências ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EMPRESAS DE EVENTOS ABEOC. Código de ética. Disponível em: < Acesso em: 12 abr BRASIL. Lei nº 9.795, de 27 de abril de Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Disponível em: < Acesso em: 20 mai BRITTO, J.; FONTES, N. Estratégias para eventos: uma ótica do marketing e do turismo. São Paulo: Aleph, CARVALHO, A.; ALBERTON, A. Um estudo em estabelecimentos de hospedagem na Estrada Real/MG: as variáveis social e ambiental. Revista Hospitalidade, São Paulo, n. 1, p , jun Disponível em: < 1/193>. Acesso em: 12 abr DE CONTO, S. M. Turismo ambientalmente responsável. Tempo Todo, Caxias do Sul, 30 jan. a 05 fev. 2004, p. 2. MANDELLI, S. M. de C. Variáveis que interferem no comportamento da população urbana no manejo de resíduos sólidos domésticos no âmbito das residências f. Tese (Doutorado em Educação) Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, MARTIN, V. Manual prático de eventos. São Paulo: Atlas, PEREIRA, G.; DE CONTO, S.M. A Gestão Ambiental como Objeto de Estudos no Seminário de Pesquisa em Turismo do Mercosul. In: Seminário de Pesquisa em Turismo do Mercosul, 4., 2006, Caxias do Sul. Anais eletrônicos... Caxias do Sul: UCS, Disponível em: < minario_4/arquivos_4_seminario/gt12-2.pdf>. Acesso em: 12 abr

15 PEREIRA, G. A variável ambiental no planejamento de eventos turísticos: Estudo de Caso da Festa Nacional da Uva RS f. Dissertação (Mestrado em Turismo) Universidade de Caxias do Sul. Caxias do Sul, PUGEN, B. Gestão de Evento Turístico: Um estudo organizacional sobre a Festa Nacional do Peixe f. Dissertação (Mestrado em Turismo) - Universidade de Caxias do Sul. Caxias do Sul, Disponível em: < 189/Publico/Dissertacao%20Bianca%20Pugen.pdf>. Acesso em: 12 abr SECRETARIA DE TURISMO DE CAXIAS DO SUL. Salão Gaúcho do Turismo oportuniza encontro de negócios entre agências e hotéis gaúchos. Portal Turístico. Disponível em: < Acesso em: 06 abr TOMAZZONI, E.; BUHLER, L.; SIMÃO, S. Os retornos dos eventos técnicos e científicos para o turismo e a para a economia do município de Bento Gonçalves (RS). In: SEMINÁRIO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS- GRADUAÇÃO EM TURISMO, 5., 2008, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: ANPTUR, Disponível em: < Acesso em: 12 abr WATT, DAVID. Gestão de Eventos em Lazer e Turismo. Porto Alegre: Bookman, 2007.

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 11.730, DE 9 DE JANEIRO DE 2002. (publicada no DOE nº 007, de 10 de janeiro de 2002) Dispõe sobre a Educação

Leia mais

Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências.

Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. Versão final do Workshop 09/07/2010 PROJETO DE LEI ESTADUAL - PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO

Leia mais

TÍTULO: PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FACULDADE ANHANGUERA DE ANÁPOLIS

TÍTULO: PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FACULDADE ANHANGUERA DE ANÁPOLIS TÍTULO: PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FACULDADE ANHANGUERA DE ANÁPOLIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FARMÁCIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE ANÁPOLIS AUTOR(ES):

Leia mais

Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas Rodovias Brasileiras

Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas Rodovias Brasileiras VAMOS ACABAR COM A EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NAS RODOVIAS BRASILEIRAS parceria estratégica parceria técnica Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração

Leia mais

REGULAMENTO DA 2ª FENACEB FEIRA NACIONAL DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA

REGULAMENTO DA 2ª FENACEB FEIRA NACIONAL DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica REGULAMENTO DA 2ª FENACEB FEIRA NACIONAL DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA I - CONCEITO, DENOMINAÇÃO, REALIZAÇÃO Art. 1º A 2ª Feira Nacional de Ciências

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA 1. Concepções e diretrizes políticas para áreas; Quando falamos de economia solidária não estamos apenas falando de geração de trabalho e renda através de empreendimentos

Leia mais

Agosto. São Paulo Brasil. connectedsmartcities.com.br

Agosto. São Paulo Brasil. connectedsmartcities.com.br 03 a 05 Agosto 2015 São Paulo Brasil connectedsmartcities.com.br Por que Connected Smart Cities? As grandes e modernas cidades são, talvez, as mais importantes realizações do homem, por serem responsáveis,

Leia mais

1. Nome da Prática inovadora: Coleta Seletiva Uma Alternativa Para A Questão Socioambiental.

1. Nome da Prática inovadora: Coleta Seletiva Uma Alternativa Para A Questão Socioambiental. 1. Nome da Prática inovadora: Coleta Seletiva Uma Alternativa Para A Questão Socioambiental. 2. Caracterização da situação anterior: O município de Glória de Dourados possui 9.927 habitantes (IBGE-2011),

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMEÇA NA ESCOLA: COMO O LIXO VIRA BRINQUEDO NA REDE PÚBLICA EM JUAZEIRO DO NORTE, NO SEMIÁRIDO CEARENSE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMEÇA NA ESCOLA: COMO O LIXO VIRA BRINQUEDO NA REDE PÚBLICA EM JUAZEIRO DO NORTE, NO SEMIÁRIDO CEARENSE EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMEÇA NA ESCOLA: COMO O LIXO VIRA BRINQUEDO NA REDE PÚBLICA EM JUAZEIRO DO NORTE, NO SEMIÁRIDO CEARENSE Emmanuelle Monike Silva Feitosa 1 Celme Torres Ferreira da Costa 2 Niraldo Muniz

Leia mais

GESTÃO DOS RESÍDUOS RECICLÁVEIS EM CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS DE RIO GRANDE/RS DIAGNÓSTICO PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL

GESTÃO DOS RESÍDUOS RECICLÁVEIS EM CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS DE RIO GRANDE/RS DIAGNÓSTICO PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 GESTÃO DOS RESÍDUOS RECICLÁVEIS EM CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS DE RIO GRANDE/RS DIAGNÓSTICO PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL Claís Maria da Silva Bachini(*), Welithon Oliveira da

Leia mais

A RECICLAGEM EM NOSSO PLANETA, COMEÇA NA ESCOLA. 1

A RECICLAGEM EM NOSSO PLANETA, COMEÇA NA ESCOLA. 1 A RECICLAGEM EM NOSSO PLANETA, COMEÇA NA ESCOLA. 1 Marivana Da Silva Rigo 2, Liane Maria Fiorim Comerlato 3, Angela De Fátima Linck De Jesus 4. 1 Atividades desenvolvidas na Escola Municipal Fundamental

Leia mais

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda.

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Resumo Com a globalização e os avanços tecnológicos, as empresas estão operando num ambiente altamente competitivo e dinâmico. As organizações que quiserem

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO (PME)

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO (PME) PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO (PME) NÚCLEO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL (NEA) SEMED TÉCNICAS RESPONSÁVEIS: REGINA FREIRE ARNALDO DO NASCIMENTO (GESTORA AMBIENTAL) E SOLANGE ALVES OLIVEIRA (BIÓLOGA) LEI N o 9.795,

Leia mais

Participação da União em Projetos de Infra-estrutura Turística no Âmbito do PRODETUR SUL

Participação da União em Projetos de Infra-estrutura Turística no Âmbito do PRODETUR SUL Programa 0410 Turismo: a Indústria do Novo Milênio Objetivo Aumentar o fluxo, a taxa de permanência e o gasto de turistas no País. Público Alvo Turistas brasileiros e estrangeiros Ações Orçamentárias Indicador(es)

Leia mais

Projeto Construindo a Ecocidadania- percepções acercadas atividades de Educação Ambiental.

Projeto Construindo a Ecocidadania- percepções acercadas atividades de Educação Ambiental. Projeto Construindo a Ecocidadania- percepções acercadas atividades de Educação Ambiental. Tatiana Peixoto Gonçalves Universidade Federal do ABC (UFABC) discente do Bacharelando em Ciência e Tecnologia

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

Política de Responsabilidade Social e Ambiental Agência de Fomento de Goiás S/A - GOIÁSFOMENTO

Política de Responsabilidade Social e Ambiental Agência de Fomento de Goiás S/A - GOIÁSFOMENTO Política de Responsabilidade Social e Ambiental Agência de Fomento de Goiás S/A - GOIÁSFOMENTO I - INTRODUÇÃO A Agência de Fomento de Goiás S/A - GOIÁSFOMENTO, em atendimento a Resolução nº. 4.327 de 25/04/2014

Leia mais

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Abril/2012 Apresentação O Planejamento Estratégico (PLANES) da UNICAMP é um processo acadêmico/administrativo dinâmico cujo objetivo central é de ampliar

Leia mais

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação

Leia mais

Inclusão Social pelo Projeto de Educação: Saneamento Básico

Inclusão Social pelo Projeto de Educação: Saneamento Básico PREMIO NACIONAL DE QUALIDADE EM SANEAMENTO PNQS 2011 INOVAÇÃO DA GESTÃO EM SANEAMENTO - IGS Inclusão Social pelo Projeto de Educação: Saneamento Básico SETEMBRO/2011 A. OPORTUNIDADE A.1 Qual foi a oportunidade

Leia mais

Planejamento Estratégico Municipal. Tibagi -PR. A Cidade Que Nós Queremos

Planejamento Estratégico Municipal. Tibagi -PR. A Cidade Que Nós Queremos Municipal Tibagi -PR A Cidade Que Nós Queremos Bem Vindos a Tibagi A Cidade Que Nós Queremos Planejamento Estratégico Municipal Tibagi -PR Municipal Cidades e Cidadãos As cidades são as pessoas A vida

Leia mais

PROGRAMA RS TECNÓPOLE

PROGRAMA RS TECNÓPOLE GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA CIÊNCIA, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO PROGRAMA RS TECNÓPOLE Porto Alegre, abril de 2011. 1 1. CONCEITOS BÁSICOS E ANTECEDENTES A inovação

Leia mais

Indicador(es) Órgão(s) 54 - Ministério do Turismo

Indicador(es) Órgão(s) 54 - Ministério do Turismo Programa 1163 Brasil: Destino Turístico Internacional Objetivo Aumentar o fluxo de turistas estrangeiros no País Justificativa Devemos criar uma estratégia bem estruturada de inserção internacional do

Leia mais

A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR

A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR Robson Rogaciano Fernandes da Silva (Mestrando-Universidade Federal de Campina Grande) Ailanti de Melo Costa Lima (Graduanda-Universidade Estadual

Leia mais

22o. Prêmio Expressão de Ecologia

22o. Prêmio Expressão de Ecologia 22o. Prêmio Expressão de Ecologia 2014-2015 Página da Prefeitura Lançando o Selo Verde Apresentação para Empreendedore e Interessados do Selo Verde Página da Prefeitura Lançando o Selo Verde Selo Verde

Leia mais

PUBLICO ESCOLAR QUE VISITA OS ESPAÇOS NÃO FORMAIS DE MANAUS DURANTE A SEMANA DO MEIO AMBIENTE

PUBLICO ESCOLAR QUE VISITA OS ESPAÇOS NÃO FORMAIS DE MANAUS DURANTE A SEMANA DO MEIO AMBIENTE PUBLICO ESCOLAR QUE VISITA OS ESPAÇOS NÃO FORMAIS DE MANAUS DURANTE A SEMANA DO MEIO AMBIENTE Marcia Karina Santos Ferreira 1 ; Augusto Fachín Terán 2 ¹Licenciada em Pedagogia. Universidade do Estado do

Leia mais

DINAMIZAR O TURISMO E SERVIÇOS SUPERIORES GERADORES DE EMPREGO E RENDA

DINAMIZAR O TURISMO E SERVIÇOS SUPERIORES GERADORES DE EMPREGO E RENDA DIRETRIZ ESTRATÉGICA DINAMIZAR O TURISMO E SERVIÇOS SUPERIORES GERADORES DE EMPREGO E RENDA O segmento do turismo vem se constituindo na Bahia uma importante atividade na geração de ocupação e renda, especialmente

Leia mais

ELEIÇÃO 2014 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA BRASIL 27 DO BRASIL QUE TEMOS PARA O BRASIL QUE QUEREMOS E PODEMOS DIRETRIZES GERAIS DE GOVERNO

ELEIÇÃO 2014 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA BRASIL 27 DO BRASIL QUE TEMOS PARA O BRASIL QUE QUEREMOS E PODEMOS DIRETRIZES GERAIS DE GOVERNO ELEIÇÃO 2014 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA BRASIL 27 DO BRASIL QUE TEMOS PARA O BRASIL QUE QUEREMOS E PODEMOS DIRETRIZES GERAIS DE GOVERNO CUMPRIR E FAZER CUMPRIR A CONSTITUIÇÃO 1. Cumprir e fazer cumprir a

Leia mais

A Grade Curricular da Habilitação de Relações Públicas da Universidade de Santa Cruz do Sul 1

A Grade Curricular da Habilitação de Relações Públicas da Universidade de Santa Cruz do Sul 1 A Grade Curricular da Habilitação de Relações Públicas da Universidade de Santa Cruz do Sul 1 Priscila dos Santos STEFFENS 2 Renata Gerhardt PICCININ 3 Jaqueline Lopes LUZ 4 Bruno KEGLER 5 Fabiana da Costa

Leia mais

Lei Nº 1223/2014. Capítulo I. Da Educação Ambiental e Mobilização Social. Do Conceito e Princípios

Lei Nº 1223/2014. Capítulo I. Da Educação Ambiental e Mobilização Social. Do Conceito e Princípios Lei Nº 1223/2014 DISPÕE SOBRE O PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E MOBILIZAÇÃO SOCIAL PARA O SANEAMENTO BÁSICO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS A Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE LIXO O CASO DE IJUÍ/RS 1

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE LIXO O CASO DE IJUÍ/RS 1 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE LIXO O CASO DE IJUÍ/RS 1 Juliana Carla Persich 2, Sérgio Luís Allebrandt 3. 1 Estudo

Leia mais

MUNICÍPIO DO CABO DE SANTO AGOSTINHO - PE RELAÇÃO DOS PROGRAMAS VIGENTES NO EXERCÍCIO 2015 PLANO PLURIANUAL E ORÇAMENTO 2015

MUNICÍPIO DO CABO DE SANTO AGOSTINHO - PE RELAÇÃO DOS PROGRAMAS VIGENTES NO EXERCÍCIO 2015 PLANO PLURIANUAL E ORÇAMENTO 2015 CódigoDenominação 1001 1002 1003 1004 1005 1006 1007 1008 1009 1011 1012 Objetivo 1013 PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA PROCURADORIA GERAL DO MUNICÍPIO Promover o desenvolvimento pessoal e

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 221, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 221, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 221, DE 2015 Altera a Lei no 9.795, de 27 de abril de 1999, que dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências,

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO APL CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESPÍRITO SANTO 2010/2014

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO APL CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESPÍRITO SANTO 2010/2014 PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO APL CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESPÍRITO SANTO 2010/2014 RESUMO 1. APRESENTAÇÃO Com a missão de promover ações para o fortalecimento do segmento da construção civil no Espírito Santo,

Leia mais

Fortalecimento do Cadastro Único como porta de entrada para Programas Sociais para a população de baixa renda

Fortalecimento do Cadastro Único como porta de entrada para Programas Sociais para a população de baixa renda Fortalecimento do Cadastro Único como porta de entrada para Programas Sociais para a população de baixa renda Mesa: Cadastro Único, Bolsa Família e Brasil sem Miséria. Cadastro Único É um mapa representativo

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011.

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. 1 LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. Institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I

Leia mais

AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMANDO DE POLÍCIA DO INTERIOR DE PRESIDENTE PRUDENTE SP: CPI-8

AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMANDO DE POLÍCIA DO INTERIOR DE PRESIDENTE PRUDENTE SP: CPI-8 149 AGENDA AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMANDO DE POLÍCIA DO INTERIOR DE PRESIDENTE PRUDENTE SP: CPI-8 Lucas Prado Osco 1, Marcos Norberto Boin 2 1 Engenheiro Ambiental, pela UNOESTE, Aluno Especial

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

Centro Universitário Newton Paiva Curso de Psicologia. Manual de Estágios Currículo 2009.02

Centro Universitário Newton Paiva Curso de Psicologia. Manual de Estágios Currículo 2009.02 Centro Universitário Newton Paiva Curso de Psicologia Manual de Estágios Currículo 2009.02 Belo Horizonte Dezembro de 2009 1 FICHA TÉCNICA CORPO ADMINISTRATIVO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA Presidente

Leia mais

Embarque nesta aventura pelos mares do mundo!

Embarque nesta aventura pelos mares do mundo! Concurso Escola Sustentável Embarque nesta aventura pelos mares do mundo! O município de Itajaí tem recebido megaeventos náuticos internacionais e no ano de 2012 foi reconhecido por suas ações desenvolvidas

Leia mais

3 A 6 ABRIL PLANOS DE PATROCÍNIO PARQUE VILA GERMÂNICA BLUMENAU - SC FEIRAMULHERBRASIL.COM.BR

3 A 6 ABRIL PLANOS DE PATROCÍNIO PARQUE VILA GERMÂNICA BLUMENAU - SC FEIRAMULHERBRASIL.COM.BR 3 A 6 ABRIL 2014 PARQUE VILA GERMÂNICA BLUMENAU - SC FEIRAMULHERBRASIL.COM.BR PLANOS DE PATROCÍNIO FEIRA MULHER BRASIL Feira de Produtos, Serviços e Tendências voltados ao Mundo Feminino. Em sua 4ª edição,

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: INTEGRANDO SABERES EM UMA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL DO MUNICÍPIO DE CUITÉ PB

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: INTEGRANDO SABERES EM UMA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL DO MUNICÍPIO DE CUITÉ PB EDUCAÇÃO AMBIENTAL: INTEGRANDO SABERES EM UMA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL DO MUNICÍPIO DE CUITÉ PB 1 Cláudia Patrícia Fernandes dos Santos, UFCG 2 Marcondes Fernando Pereira Carvalho, UFCG 3 Edson de

Leia mais

A gestão da prática do voluntariado como responsabilidade social, no contexto da estratégia organizacional. Fundação ArcelorMittal

A gestão da prática do voluntariado como responsabilidade social, no contexto da estratégia organizacional. Fundação ArcelorMittal A gestão da prática do voluntariado como responsabilidade social, no contexto da estratégia organizacional Fundação ArcelorMittal ArcelorMittal Maior produtora de aço do mundo com mais de 222.000 empregados

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO º PROGRAMAS E S PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO Programa de utilização sustentável dos atrativos turísticos naturais Implementação do Plano de Manejo do Parque do Cantão Garantir

Leia mais

www.fundep.br/programacaptar, juntamente com este regulamento.

www.fundep.br/programacaptar, juntamente com este regulamento. PROGRAMA DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS FUNDEP REGULAMENTO PARA CADASTRAMENTO DE PROJETOS UFMG A Fundep//Gerência de Articulação de Parcerias convida a comunidade acadêmica da UFMG a cadastrar propostas de acordo

Leia mais

Titulo do Case: Transforme a sociedade com a força do empreendedorismo social Categoria: Prática Interna Temática: Sociedade

Titulo do Case: Transforme a sociedade com a força do empreendedorismo social Categoria: Prática Interna Temática: Sociedade Titulo do Case: Transforme a sociedade com a força do empreendedorismo social Categoria: Prática Interna Temática: Sociedade Resumo: Quanto custa um projeto? As possíveis respostas são inúmeras. Os números

Leia mais

PLANEJAMENTO DE ESCALA DE TRABALHO NO SETOR DE GOVERNANÇA

PLANEJAMENTO DE ESCALA DE TRABALHO NO SETOR DE GOVERNANÇA PLANEJAMENTO DE ESCALA DE TRABALHO NO SETOR DE GOVERNANÇA Adevair Aparecido Dutra Junior 1 Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE Resumo: O objetivo deste artigo é contribuir para a compreensão

Leia mais

Ministério da Cultura e a Ong. Sol do Vale. Apresentam:

Ministério da Cultura e a Ong. Sol do Vale. Apresentam: Ministério da Cultura e a Ong. Sol do Vale Apresentam: Divino Encontro História Cultura Tradição Divino Encontro História, Cultura e Tradição A Sol do Vale O Divino Encontro Órgãos e entidades parceiras

Leia mais

A PRÁTICA DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO

A PRÁTICA DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO A PRÁTICA DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO François E. J. de Bremaeker Luiz Estevam Gonçalves Rio de Janeiro fevereiro de 2015 A PRÁTICA DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO François E. J. de Bremaeker Economista e Geógrafo,

Leia mais

ANEXO VI PROGRAMA OLHO VIVO NO DINHEIRO PÚBLICO

ANEXO VI PROGRAMA OLHO VIVO NO DINHEIRO PÚBLICO ANEXO VI PROGRAMA OLHO VIVO NO DINHEIRO PÚBLICO Ação: no Estado do Espírito Santo Objetivo Geral Sensibilizar, mobilizar e qualificar grupos de atores sociais - lideranças comunitárias, conselheiros municipais,

Leia mais

CHAMAMENTO PARA A ELABORAÇÃO DE ACORDO SETORIAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE LOGÍSTICA REVERSA DE MEDICAMENTOS EDITAL Nº 02/2013

CHAMAMENTO PARA A ELABORAÇÃO DE ACORDO SETORIAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE LOGÍSTICA REVERSA DE MEDICAMENTOS EDITAL Nº 02/2013 CHAMAMENTO PARA A ELABORAÇÃO DE ACORDO SETORIAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE LOGÍSTICA REVERSA DE MEDICAMENTOS EDITAL Nº 02/2013 O MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, tendo em vista o disposto na Lei nº

Leia mais

MARKETING PROMOCIONAL COMO FERRAMENTA PARA A ELABORAÇÃO DE AÇÕES REALIZADAS NA DIVULGAÇÃO DO 41º FESTIVAL NACIONAL DE TEATRO

MARKETING PROMOCIONAL COMO FERRAMENTA PARA A ELABORAÇÃO DE AÇÕES REALIZADAS NA DIVULGAÇÃO DO 41º FESTIVAL NACIONAL DE TEATRO MARKETING PROMOCIONAL COMO FERRAMENTA PARA A ELABORAÇÃO DE AÇÕES REALIZADAS NA DIVULGAÇÃO DO 41º FESTIVAL NACIONAL DE TEATRO Andressa Stefany Telles Carlos Alberto Maio Márcia Maria Dropa RESUMO: O presente

Leia mais

HISTÓRIA DO APL. Surgimento do APL - Criado em novembro de 2007. Entidades que apoiaram a criação Sebrae/DF; Unb/Lacis; Sebrae/NA; FIBRA/DF; NE/DF

HISTÓRIA DO APL. Surgimento do APL - Criado em novembro de 2007. Entidades que apoiaram a criação Sebrae/DF; Unb/Lacis; Sebrae/NA; FIBRA/DF; NE/DF HISTÓRIA DO APL Surgimento do APL - Criado em novembro de 2007 Entidades que apoiaram a criação Sebrae/DF; Unb/Lacis; Sebrae/NA; FIBRA/DF; NE/DF Instituições do setor produtivo que constituiu o APL ASCOLES;CENTCOOP

Leia mais

20o. Prêmio Expressão de Ecologia

20o. Prêmio Expressão de Ecologia 20o. Prêmio Expressão de Ecologia 2012-2013 Folder da Conferência Sustentabilidade e Deficiência onde nosso projeto foi apresentado Setor de Diversidade em Cachoeirinha Encontro da Comissão Organizadora

Leia mais

Capa LIXO ELETROELETRÔNICO

Capa LIXO ELETROELETRÔNICO Capa LIXO ELETROELETRÔNICO Eis um assunto que há vários anos vem ganhando cada vez mais espaço na mídia e na literatura científica. Nos últimos 10 anos mais de 3 mil trabalhos sobre impactos ambientais

Leia mais

1 POR QUE EMPRESA JÚNIOR?

1 POR QUE EMPRESA JÚNIOR? Título: SOLUÇÃO ESTATÍSTICA JÚNIOR- PRIMEIRA DO GÊNERO NO RJ Autores:Regina Serrão Lanzillotti - lanzillotti@uol.com.br Aline Moraes da Silva alineuerj@zipmail.com.br Anna Paula Leite de Mattos anna.mattos@zipmail.com.br

Leia mais

INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO

INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO FEVEREIRO DE 2011 Telefones: (66) 3422 2461 / 6710 1 1. Apresentação da Incubadora de Empresas I-deia A Incubadora I-deia

Leia mais

Consulta Pública nº 01/2016

Consulta Pública nº 01/2016 MAPA CONCEITUAL MATRIZ POR COMPETÊNCIAS Figura 1. Mapa conceitual da estrutura de matriz por competências As ações-chave podem ser desdobradas ainda (de acordo com o nível de especificidade de uma matriz

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO DOMINGOS DO NORTE SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO DOMINGOS DO NORTE SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE Projeto Acondicionamento Correto de Resíduos Sólidos SUMARIO Introdução...04 Justificativa...05 Objetivos...06 Metodologia...07 Cronograma Físico...08 Parcerias...09 Anexos...10 I) IDENTIFICAÇÃO Secretaria

Leia mais

Palavras-chave: Turismo; Educação Ambiental; Escola. 1. Introdução

Palavras-chave: Turismo; Educação Ambiental; Escola. 1. Introdução A Educação Ambiental como Pressuposto para um Turismo Sustentável 1 Cristine Gerhardt Rheinheimer 2 Teresinha Guerra 3 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo Chegamos a um ponto de nossa trajetória

Leia mais

SAMARCO MINERAÇÃO S.A.

SAMARCO MINERAÇÃO S.A. SAMARCO MINERAÇÃO S.A. MINAS GERAIS E ESPÍRITO SANTO INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DA LINHA 03 DE MINERODUTO PLANO BÁSICO AMBIENTAL PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL OS Tramitação Via Data 1SAMA013-OS-00011

Leia mais

3 A 6 SETEMBRO PLANOS DE PATROCÍNIO PARQUE VILA GERMÂNICA BLUMENAU - SC FEIRAMULHERBRASIL.COM.BR

3 A 6 SETEMBRO PLANOS DE PATROCÍNIO PARQUE VILA GERMÂNICA BLUMENAU - SC FEIRAMULHERBRASIL.COM.BR 3 A 6 SETEMBRO 2014 PARQUE VILA GERMÂNICA BLUMENAU - SC FEIRAMULHERBRASIL.COM.BR PLANOS DE PATROCÍNIO INFOFAIR BRASIL Feira de Equipamentos, Serviços, Softwares e Tecnologias da Informação Idealizada pela

Leia mais

CONCERTOS BANRISUL PARA JUVENTUDE

CONCERTOS BANRISUL PARA JUVENTUDE APRESENTAÇÃO O Banrisul é agente viabilizador de iniciativas comunitárias, valorizando e apoiando atitudes que impactam sobre a qualidade de vida da comunidade gaúcha. Confirmando o seu compromisso histórico

Leia mais

14 a 16/10/11. Sesi Clube

14 a 16/10/11. Sesi Clube MO CONSOLIDANDO ORTOUNRDISÔNIA DE AVENTURA EM 14 a 16/10/11 Sesi Clube www.amazoniadventure.com CONSOLIDANDO O TURISMO DE AVENTURA EM RONDÔNIA RISMO CONSOLIDANDO OROTUND ÔNIA DE AVENTURA EM SUMÁRIO: APRESENTAÇÃO

Leia mais

Faculdade Sagrada Família

Faculdade Sagrada Família Faculdade Sagrada Família DISCIPLINA: Gestão Escolar 4º período de Pedagogia Prof Ms. Marislei Zaremba Martins Texto: Equipe da Área de Educação Formal - Instituto Ayrton Senna A gestão da educação precisa

Leia mais

Grupo Gestor Mar de Cultura XXV Breve Informativo 18 de março de 2010

Grupo Gestor Mar de Cultura XXV Breve Informativo 18 de março de 2010 Grupo Gestor Mar de Cultura XXV Breve Informativo 18 de março de 2010 Missão: Atuar para o desenvolvimento solidário e participativo de Paraty articulando a sociedade civil organizada e poder público para

Leia mais

Projeto Grêmio em Forma. relato de experiência

Projeto Grêmio em Forma. relato de experiência Projeto Grêmio em Forma relato de experiência Instituto Sou da Paz Organização fundada em 1999, a partir da campanha dos estudantes pelo desarmamento. Missão: Contribuir para a efetivação, no Brasil, de

Leia mais

O ESTUDO DA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES E A RELAÇÃO COM CONTEÚDOS MATEMÁTICOS

O ESTUDO DA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES E A RELAÇÃO COM CONTEÚDOS MATEMÁTICOS ISSN 2177-9139 O ESTUDO DA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES E A RELAÇÃO COM CONTEÚDOS MATEMÁTICOS Edimar Fonseca da Fonseca edyyfon@yahoo.com.br Fundação Universidade Federal do Pampa, Campus Caçapava do

Leia mais

Educação do Campo: Um olhar panorâmico

Educação do Campo: Um olhar panorâmico Educação do Campo: Um olhar panorâmico Eliene Novaes Rocha (1) Joana Célia dos Passos ( 2) Raquel Alves de Carvalho (3) 1) Contextualização histórica do debate da Educação do Campo Embora o Brasil sendo

Leia mais

Regulamento da 1ª Edição do StartupGov: o Desafio do Serviço Público

Regulamento da 1ª Edição do StartupGov: o Desafio do Serviço Público Regulamento da 1ª Edição do StartupGov: o Desafio do Serviço Público 1. SOBRE O STARTUPGOV: O StartupGov: O Desafio do Serviço Público é um espaço para debate com o objetivo de aproximar o governo de especialistas

Leia mais

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Projeto Sua Escola na Feevale

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Projeto Sua Escola na Feevale ANEXO 04 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Projeto Sua Escola na Feevale 1.1. Histórico da Prática Eficaz Na busca pela excelência e qualidade de ensino, a Universidade Feevale

Leia mais

Câmara Municipal de São Paulo Gabinete Vereador Floriano Pesaro

Câmara Municipal de São Paulo Gabinete Vereador Floriano Pesaro SUBSTITUTIVO Nº, APRESENTADO EM PLENÁRIO AO PROJETO DE LEI Nº 0141/2009 Institui o Programa de Incentivo a Rede de Comércio Solidário da Cidade de São Paulo, e dá outras providências. A D E C R E T A:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE HORIZONTE ANEXO VIII (EDITAL DE CONCURSO 01/2014) Atribuições sumárias dos cargos

PREFEITURA MUNICIPAL DE HORIZONTE ANEXO VIII (EDITAL DE CONCURSO 01/2014) Atribuições sumárias dos cargos ANEXO VIII (EDITAL DE CONCURSO 01/2014) Atribuições sumárias dos cargos ADMINISTRADOR Desempenhar atividades relativas à administração de pessoal, material, orçamento, organização e métodos, sistemas de

Leia mais

III CHAMADA PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DE REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL: TRABALHO, CULTURA E INCLUSÃO SOCIAL NA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL.

III CHAMADA PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DE REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL: TRABALHO, CULTURA E INCLUSÃO SOCIAL NA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas Área Técnica de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas III CHAMADA PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DE REABILITAÇÃO

Leia mais

[Ano] TERMO DE REFERÊNCIA DO SEBRAE-SP DE ACESSO A MERCADOS PARA CIRCUITOS TURÍSTICOS

[Ano] TERMO DE REFERÊNCIA DO SEBRAE-SP DE ACESSO A MERCADOS PARA CIRCUITOS TURÍSTICOS TERMO DE REFERÊNCIA DO SEBRAE-SP DE ACESSO A MERCADOS PARA CIRCUITOS TURÍSTICOS Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Unidade Organizacional de Acesso a Mercados Unidade Organizacional

Leia mais

PLANO PLURIANUAL 2016-2018

PLANO PLURIANUAL 2016-2018 FUNÇÃO - Ser órgão de excelência, com reconhecimento social, que valoriza as profissões de enfermagem. Programa 01 - Implementar o Projeto Estratégico Setorial do Departamento de Fiscalização DEFIS. Área

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Presidência Controladoria Interna PLANO DIRETOR CONTROLE INTERNO 2013-2014

Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Presidência Controladoria Interna PLANO DIRETOR CONTROLE INTERNO 2013-2014 PLANO DIRETOR DE CONTROLE INTERNO 2013-2014 SUMÁRIO Pág. 1. INTRODUÇÃO 02 2. SISTEMA DE CONTROLE INTERNO 02 2.1 Conceituação 02 2.2. Marco legal 04 3. O CONTROLE INTERNO NO ÂMBITO DO TCEMG 4. CONTROLADORIA

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. e Alexsandro da Silva. 1 Andréa Carla Agnes e Silva é dinamizadora do Programa "Escola Aberta", sob orientação de Telma Ferraz Leal

1. INTRODUÇÃO. e Alexsandro da Silva. 1 Andréa Carla Agnes e Silva é dinamizadora do Programa Escola Aberta, sob orientação de Telma Ferraz Leal TÍTULO: OFICINA DE LEITURA: UMA PROPOSTA DINÂMICA PARA FORMAÇÃO DE LEITORES AUTORA: Andréa Carla Agnes e Silva 1 INSTITUIÇÃO: Universidade Federal de Pernambuco Escola Aberta ÁREA TEMÁTICA: Educação 1.

Leia mais

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE CULTURA - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS"

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE CULTURA - A SANTA MARIA QUE QUEREMOS Elaborar o projeto do Plano Municipal de Projeto do Plano Projeto realizado Cultura com ampla participação dos setores da sociedade Conferência Municipal de Cultura Conferência realizada PLANILHA DE OBJETIVOS

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSELHO DE ALTOS ESTUDOS E AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA GRUPO DE ESTUDOS SOBRE A CAPACITAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE

CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSELHO DE ALTOS ESTUDOS E AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA GRUPO DE ESTUDOS SOBRE A CAPACITAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSELHO DE ALTOS ESTUDOS E AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA GRUPO DE ESTUDOS SOBRE A CAPACITAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE Brasília, 18 de maio de 2010. MPE? Conceituação Brasil REPRESENTATIVIDADE

Leia mais

Edital 02/2015 Seleção de Projetos Comunitários 2016

Edital 02/2015 Seleção de Projetos Comunitários 2016 UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL LUTERANA DO BRASIL AELBRA. Reconhecida pela Portaria Ministerial n.º 681 de 07/12/89 D.O.U. de 11/12/89 Edital 02/2015 Seleção

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA

DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA Como é sabido existe um consenso de que é necessário imprimir qualidade nas ações realizadas pela administração pública. Para alcançar esse objetivo, pressupõe-se

Leia mais

Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS

Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS 198 Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS Isailma da Silva Araújo; Luanna Nari Freitas de Lima; Juliana Ribeiro dos Reis; Robson

Leia mais

2 CÓDIGO DE ÉTICA RUDLOFF

2 CÓDIGO DE ÉTICA RUDLOFF 2 CÓDIGO DE ÉTICA RUDLOFF ÍNDICE Sobre o Código de Ética... 05 Missão, Visão e Valores... 06 Colaboadores... 07 Legislação... 08 Conflito de Interesse... 09 Uso adequado dos Bens da Empresa... 10 Publicidade

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

LEI Nº 6559 DE 16 DE OUTUBRO DE 2013. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DO IDOSO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

LEI Nº 6559 DE 16 DE OUTUBRO DE 2013. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DO IDOSO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 6559 DE 16 DE OUTUBRO DE 2013. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DO IDOSO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de

Leia mais

ANEXO II VIII PRÊMIO SUL-MATO-GROSSENSE DE GESTÃO PÚBLICA CATEGORIA PRÁTICAS INOVADORAS NA GESTÃO ESTADUAL RELATO DA PRÁTICA

ANEXO II VIII PRÊMIO SUL-MATO-GROSSENSE DE GESTÃO PÚBLICA CATEGORIA PRÁTICAS INOVADORAS NA GESTÃO ESTADUAL RELATO DA PRÁTICA ANEXO II VIII PRÊMIO SUL-MATO-GROSSENSE DE GESTÃO PÚBLICA CATEGORIA PRÁTICAS INOVADORAS NA GESTÃO ESTADUAL RELATO DA PRÁTICA 1. Nome da Prática inovadora: - Programa de Educação Ambiental Saneamento Básico

Leia mais

Gestão de impactos sociais nos empreendimentos Riscos e oportunidades. Por Sérgio Avelar, Fábio Risério, Viviane Freitas e Cristiano Machado

Gestão de impactos sociais nos empreendimentos Riscos e oportunidades. Por Sérgio Avelar, Fábio Risério, Viviane Freitas e Cristiano Machado Gestão de impactos sociais nos empreendimentos Riscos e oportunidades Por Sérgio Avelar, Fábio Risério, Viviane Freitas e Cristiano Machado A oferta da Promon Intelligens considera o desenvolvimento de

Leia mais

Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004

Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Projeto Verde Catas Altas Área Temática de Desenvolvimento Regional Resumo O projeto Verde Catas Altas

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 2/11 Sumário 1. Conceito... 3 2. Objetivo... 3 3. Áreas de aplicação... 3 4. Diretrizes... 4 4.1 Princípios... 4 4.2 Estratégia de e Responsabilidade

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 68 de 01/07/2013 - CAS RESOLVE:

RESOLUÇÃO N o 68 de 01/07/2013 - CAS RESOLVE: RESOLUÇÃO N o 68 de 01/07/2013 - CAS Regulamenta o Serviço Integrado de Atendimento ao Aluno e ao Egresso (SIAE), da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração

Leia mais

DESAFIOS E OPORTUNIDADES DA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE COOPERATIVAS POPULARES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ (INTECOOP/UNIFEI)

DESAFIOS E OPORTUNIDADES DA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE COOPERATIVAS POPULARES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ (INTECOOP/UNIFEI) DESAFIOS E OPORTUNIDADES DA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE COOPERATIVAS POPULARES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ (INTECOOP/UNIFEI) Área Temática: Trabalho Responsável pelo trabalho: H. H. COUTINHO Instituição:

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO Ações de Inclusão Social e de Combate à Pobreza Modelo Próprio de Desenvolvimento Infra-estrutura para o Desenvolvimento Descentralizado Transparência na Gestão

Leia mais

EVENTO COM OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS DIRECIONADAS PARA EMPREENDEDORES

EVENTO COM OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS DIRECIONADAS PARA EMPREENDEDORES EVENTO COM OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS DIRECIONADAS PARA EMPREENDEDORES A Feira do Empreendedor é promovida pelo Sebrae desde 1992 em todos os estados do país. É considerado o maior evento presencial de

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR PDP

MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR PDP MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DEPARTAMENTO DE MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR

Leia mais

O BOTICÁRIO - FRANQUIA DE SÃO GONÇALO - RJ

O BOTICÁRIO - FRANQUIA DE SÃO GONÇALO - RJ O BOTICÁRIO - FRANQUIA DE SÃO GONÇALO - RJ RESPEITO AO MEIO AMBIENTE: Programa de Incentivo ao Plantio de Mudas e Manutenção de Vias Públicas e Escolas Municipais Para a franquia O Boticário de São Gonçalo

Leia mais

Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO

Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO Itajubá/MG Fevereiro de 2012 Plano Anual de 2 de 11 Revisão 01 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1 OBJETIVO GERAL... 4 2

Leia mais

Projeto AL-LAs CONSULTA MULTIATORES METODOLOGIA

Projeto AL-LAs CONSULTA MULTIATORES METODOLOGIA Projeto AL-LAs CONSULTA MULTIATORES METODOLOGIA Aliança euro-latino americana de cooperação entre cidades Financiado pela União Europeia Objetivo de fortalecer suas relações internacionais para melhorar

Leia mais