Sistema de Teste Para um Torquímetro Dinâmico Telemétrico Aplicado a Eixos Rotativos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema de Teste Para um Torquímetro Dinâmico Telemétrico Aplicado a Eixos Rotativos"

Transcrição

1 Sistema de Teste Para um Torquímetro Dinâmico Telemétrico Aplicado a Eixos Rotativos Eudisley G. dos Anjos Francisco A. Belo Manuella D. C. Silva Ruan Delgado Gomes Resumo Este artigo apresenta o desenvolvimento de uma plataforma de testes para validação de um sistema de medição de torque. O sistema adquire várias medidas através de sensores associados a circuitos de transdução eletrônica, conversores analógico-digital (CAD), e, dispositivos de transmissão de dados por freqüências de rádio. Posteriormente trata e analisa os dados com a finalidade de monitorar o instrumento com qualidade e eficiência. Seu principal objetivo é a medição do torque no eixo do redutor de uma unidade de bombeio terrestre de petróleo (UBM), que se apresenta como um fator crítico para o funcionamento adequado das mesmas. Entretanto, o sistema é expansível a outros dispositivos de eixos rotativos. O sistema foi desenvolvido utilizando linguagem gráfica LabVIEW, que é um ambiente de programação otimizado para utilização em automação e instrumentação. 1. Introdução Em um processo industrial, a qualidade do produto gerado está intrinsecamente ligada ao monitoramento adequado e uma medida acurada das grandezas que influenciam seu desempenho. É necessário que exista uma instrumentação que garanta eficiência, qualidade e que propicie a segurança de todo o equipamento e do pessoal envolvido no processo [1]. Neste contexto, o torque se configura como uma das mais importantes características dos parâmetros de máquinas de produção. Os torquímetros atuais não atendem a demanda, existindo uma necessidade de uma solução em curto prazo no desenvolvimento de transdutores de torque que tenham uma larga faixa de atuação, alta definição, baixa depreciação com o tempo e fácil instalação [2]. Atualmente existem instrumentos bastante precisos, dependendo da aplicação, para obtenção do torque estático, mas ainda existem sérios desafios quando se deseja medir o torque dinâmico. A maioria dos processos de conversão ou transferência de energia utiliza dispositivos mecânicos rotativos, existindo um grande interesse em se obter um sistema de medição adequado, o que tem impulsionado vários estudos ao longo da história. Devido ao interesse financeiro nesta área por empresas do ramo, a abordagem final do instrumento é lacrada para se impedir uma análise técnica dos seus elementos constituintes, preservando o segredo industrial do produto. O que reflete na ausência de publicações técnicas no que diz respeito à arquitetura destes dispositivos [3]. É de suma importância para qualquer empresa, que seus equipamentos tenham a maior durabilidade possível, mantenham sua eficiência e precisem de pouca manutenção. Nesse contexto, um grande desafio, é a determinação e monitoramento do torque na engrenagem redutora das unidades de bombeio terrestres de petróleo. Uma forte torção no eixo pode danificar a caixa de redução fazendo com que seja necessária a sua substituição, o que representa um prejuízo elevado para a empresa, pois, além de interromper a extração de petróleo, o custo da caixa de redução corresponde a cerca de 50% do valor total de uma unidade de bombeio. Este trabalho tem como objetivo desenvolver um sistema de testes para validação de um método para determinação do torque em eixos rotativos. O sistema mede diversos valores e faz uma relação entre as grandezas obtidas para validar um sistema de medição de torque dinâmico. O sistema foi inicialmente aplicado ao eixo redutor de unidades de bombeio terrestre de petróleo, mas sua aplicação pode ser estendida a outros tipos de eixos rotativos. A utilização de um sistema computacional adequado possibilitou o monitoramento direto do torque no eixo de entrada do redutor, permitindo relacioná-lo a outras medidas em diversos pontos da unidade de bombeio. O sistema é dividido em duas unidades, uma unidade base e uma remota. A unidade remota é composta por um circuito de transdução eletrônica aliado a extensômetros para medição da torção no eixo, um módulo de rádio freqüência para envio dos dados da torção e posição, sensores de efeito hall para detecção de posição, sensores de corrente e transformadores de tensão. A unidade base é formada por um CAD, um módulo de rádio freqüência (RF) aliado a uma interface de comunicação serial e um PC embarcado que contém o software desenvolvido e armazena os dados adquiridos para análise posterior. 1

2 2.3. Sensor de Efeito Hall (Posição) Figura 1. Eixo do redutor de uma UBM e os dispositivos que são acoplados a ele. 2. Tecnologias Utilizadas A escolha dos dispositivos foi norteada pela relação custo/beneficio e pela precisão requerida na aquisição Módulos de Radio Freqüência Os dados relativos ao torque e posição são enviados através de ondas de rádio, que são captadas por um RF acoplado a uma interface de comunicação serial. Inicialmente optou-se pela utilização dos módulos RF DM1800 da Cirronet. Esses dispositivos possuem um baixo custo e operam em uma freqüência de 916 MHz, com taxa de transmissão de 4 Kbps. Após vários testes, esses dispositivos se mostraram ineficazes para o sistema devido a problemas de velocidade de transmissão, a impossibilidade de alteração do firmware e a dificuldade de acesso ao protocolo de rede utilizado. Optou-se então pelos módulos RF XBee da Maxstream, que utilizam o protocolo ZigBee. Esses módulos operam em faixa de freqüência de 2.4 GHz e possuem taxas de transmissão de dados de 250 Kbps Conversor Analógico para Digital Foi utilizado um CAD NI USB-6009, da National Instruments, que possui uma precisão de 12 bits. Este dispositivo foi utilizado para adquirir dados de tensão, corrente e velocidade no motor. Para detecção da posição angular foi utilizado um sensor de efeito Hall aliado a um disco com ímãs. O funcionamento do sensor de efeito Hall se baseia na detecção de um campo magnético. Ao passar por um ímã o sensor responde enviando oito ou zero volts dependendo do pólo do ímã. O sensor funciona como um circuito digital seqüencial, onde o valor de resposta é guardado por um latch, ou seja, ao passar por um ímã, o sensor envia o valor correspondente até que o sensor passe por outro ímã com polaridade diferente e mude o seu valor. Inicialmente foi utilizado um sensor óptico para tal finalidade, porém o sensor não oferecia segurança, pois seus valores eram imprevisíveis, e isso dificultava a construção de um sistema genérico em relação à velocidade de rotação. O fato de o sensor de efeito Hall funcionar de forma digital ajudou bastante o processo, já que dessa forma os valores são previsíveis e o sistema se torna confiável para diferentes velocidades Sensor de Efeito Hall (Corrente) e Transformador de Tensão Outra variação do sensor de efeito Hall foi utilizada para medição de corrente no motor. Os dados de corrente foram utilizados junto com medidas de tensão adquiridas através de um transformador de tensão para cálculo da potência no motor Extensômetros e Circuito de Transdução Eletrônica Para medida da torção no eixo foram utilizados extensômetros de resistência elétrica. Os extensômetros ficam acoplados a superfície e conseguem detectar qualquer deformação ocorrida nesse eixo. Posteriormente o sinal é processado e amplificado por um circuito de transdução eletrônica, e então enviado pelo módulo de RF LabVIEW O software foi desenvolvido utilizando a linguagem de programação gráfica LabVIEW, criada pela National Instruments. LabVIEW é uma plataforma otimizada para aplicações em automação e instrumentação e apresenta facilidades na aquisição de dados através de dispositivos de hardware externos. Uma grande vantagem da linguagem é a facilidade para desenvolver sistemas utilizando programação concorrente, o que é essencial para a aplicação, pois esta deve sincronizar a aquisição de todos os sensores, adquirindo os dados ao mesmo tempo. 2

3 3. Dados Adquiridos Para a validação do sistema, fez-se necessário uma análise detalhada de diversos dados, obtendo uma relação entre eles para verificar a eficácia e a coerência do método de medição do torque. Além da torção no eixo, foram colhidos dados referentes à posição angular do eixo, à velocidade angular, corrente e tensão no motor Torção Para medir a torção no eixo, foi utilizado um sistema baseado em extensômetros de resistência elétrica (ERE), o ERE tem a capacidade de variar sua resistência de acordo com a deformação do meio em que está acoplado. Através da deformação captada pode-se obter a relação entre o torque e a variação da resistência no extensômetro através de uma equação Posição Angular Para detecção da posição angular do eixo foi utilizado inicialmente um sensor óptico, porém as suas características não foram favoráveis à aplicação, devido ao seu comportamento analógico, o que provocava uma variação no comportamento do sinal se o eixo fosse rotacionado em velocidades diferentes. Optou-se então por sensores de efeito Hall por apresentarem características mais apropriadas para a aplicação, devido ao seu comportamento que torna previsível o valor do sinal independentemente da velocidade de rotação. Para detecção da posição foi utilizado um disco com ímãs, dispostos de forma intercalada em relação à polaridade. Quando ocorre mudança de estado no sinal enviado pelo sensor, significa que ele passou por um ímã. A referência (ângulo zero) foi identificada utilizando um disco com dois ímãs e um sensor auxiliar, que avisa ao sistema quando passar pela referência. Os dados relativos ao torque e posição são recebidos pelos CAD do módulo RF, empacotados e enviados através de freqüências de rádio para a unidade base. Na unidade base, no módulo RF receptor, os dados são desempacotados e passados ao PC embarcado por uma interface serial. Com os dados da posição angular e com as aquisições atribuídas a tempo, com precisão em milissegundos, é possível calcular a velocidade angular Tensão e Corrente 4. Funcionamento do Sistema (Software) O software integra três módulos que operam em seqüência. O primeiro módulo é responsável pela aquisição dos dados, o segundo pelo tratamento de dados e o terceiro pela análise e visualização dos dados. O módulo de aquisição é responsável pela comunicação entre o software e os dispositivos de hardware externos. Este módulo trabalha de forma concorrente adquirindo e interpretando os dados recebidos por um CAD, através de porta uma USB, e por RF, através de uma porta serial, simultaneamente. Os dados adquiridos pelos dispositivos são armazenados em arquivos diferentes para posterior tratamento. No modulo de aquisição também é feita uma parte da decodificação do protocolo de envio do RF. O protocolo utilizado pelo RF é o protocolo Zigbee. Nesse protocolo os dados são enviados em formato ASCII. O modulo de aquisição converte os dados para hexadecimal. Os sinais de tensão e corrente localizados no motor têm seus dados digitalizados e enviados por um CAD que opera a uma freqüência de 520 Hz. Os sinais de efeito Hall na saída do redutor e as medidas de torção são enviados pelo RF que opera a uma freqüência mais baixa (64,5 Hz). Inicialmente os dados de posição eram transmitidos separadamente dos dados de torque, sendo digitalizados também através do CAD, porém para uma melhor sincronização entre torque e posição optou-se por enviar os dados de posição junto dos dados de torque. O módulo de tratamento de dados é responsável por gerenciar e organizar os dados adquiridos e fazer os devidos cálculos armazenando os resultados em arquivos finais. A integridade dos pacotes das aquisições obtidas por transmissão de RF, armazenados em hexadecimal no módulo de aquisição, serão analisadas e os que não tiverem sofrido perdas irão ser convertidos para decimais e salvos em um novo arquivo. Neste módulo também serão feitos cálculos como os da velocidade angular e de potência no motor e a organização das demais informações a serem extraídas das aquisições. O módulo de análise e visualização dos dados lê os arquivos organizados, analisa os valores contidos nesses arquivos e gera relatórios e gráficos que permitem a visualização dos resultados das aquisições. Após a análise é possível obter várias relações entre as medidas obtidas, algumas delas são os gráficos e/ou arquivos relativos a torque versus ângulo, velocidade angular nos eixos do redutor e do motor, e potência no motor.. Sinais de tensão e corrente no motor foram adquiridos para efetuarem-se cálculos de potência. Uma vez obtidos, esses dados são digitalizados por um CAD e transmitidos via USB. 3

4 Figura 2. Módulo de Aquisição. Figura 4. Gráfico Torque versus Ângulo. Após um período de testes utilizando a bancada, o sistema está sendo implantado em uma unidade de bombeio terrestre modelo C-456D da PumpJack, da PETROBRAS na cidade de Carmópolis - SE. Após algumas aquisições os dados foram analisados, e observou-se uma curva característica do torque, em comparação ao cálculo feito pela PETROBRAS que obedece à norma da API (Figura 5). As figuras 6, 7 e 8 mostram os sinais adquiridos nos primeiros testes em unidade de bombeio. Figura 3. Módulo de Tratamento. 5. Resultados Após o processo de tratamento de dados, é gerado um arquivo contendo a relação torque versus ângulo. Desse modo foi possível observar os pontos de torque máximo e mínimo. Com os dados adquiridos também foi possível fazer uma análise comparativa do torque com a potência do motor e a velocidade angular tanto do motor quanto do eixo redutor. Inicialmente foi utilizada uma bancada de testes que simula o movimento de rotação do eixo do redutor de uma unidade de bombeio. Utilizando essa bancada foram obtidos os primeiros resultados. A figura 4 mostra um gráfico de relação torque versus ângulo com dados adquiridos nos testes com a bancada. A curva forma uma senoide quase perfeita, isso se da pelo fato de no protótipo o eixo girar livremente com peso uniforme. Figura 5. Curva de Torque Calculada pelo Método da API. 4

5 Através desses dados pode-se verificar uma semelhança entre a curva de torque achada através da torção no eixo, a curva de potência calculada através dos parâmetros elétricos e a curva de torque calculada através do método da API. Os dados ainda estão em fase de analise e esta sendo feita uma calibração para obter parâmetros que permitirão calcular o valor verdadeiro do torque através da torção e da potencia. 6. Conclusão Figura 6. Aquisição da torção e dos sensores de efeito Hall (posição). O sistema atuou como uma ferramenta essencial no desenvolvimento do instrumento de medição de torque, oferecendo a possibilidade de monitoramento dos valores e visualização dos mesmos de forma agradável. Com os testes feitos em protótipos e em unidades de bombeio foi possível fazer uma análise dos dados adquiridos e melhorar o sistema para que este funcionasse de forma ótima. Após a fase de testes o instrumento entra então em fase final de desenvolvimento. Um sistema embarcado baseado em FPGA (chip programável) para aquisição e interpretação de pacotes receberá os dados de torque e os disponibilizará utilizando o protocolo ModBus ou um sinal analógico no padrão 4-20 ma. O sistema se mostra como alternativa na medição do torque em unidades de bombeio, substituindo o cálculo indireto que é feito atualmente. O erro do cálculo atual pode chegar ate 20%, enquanto que o sistema prevê um erro em torno de 1%. Figura 7. Sinais de tensão e corrente (em cima) e curva de potência. Figura 6. Sistema Embarcado que receberá os dados. 7. Agradecimentos Figura 8. Gráfico torque versus angulo. Agradecemos ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) pelo suporte financeiro e acadêmico e a Petróleo Brasileiro S.A. (PETROBRAS) pelo apoio financeiro e auxílio a testes e visitações em campos de extração de petróleo. 5

6 8. Referências Bibliográficas [1]Preobrazhensky, V.P., 1980, Measurements and Instrumentation in the Heat Engineering, Mirr Publishers, URSS, 694 p. [2]Z. Meng e B. Liu, Research on the Laser Doppler Torque Sensor, Journal of Physics: Conference Series, Vol. 48, Institute of Physics and IOP Publishing, 2006, pp [3]R.M. Brito, Sistema Eletro-Eletrônico para Medição Direta de Torque em Dispositivos Girantes Utilizando Extensômetros de Resistência Elétrica, Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil, 1994, pp. 145 [4] S. C. Ergen, ZigBee/IEEE Summary, 2004, 37 p., ZigBee Alliance, [5]Rahman, Jamal; Pichlik, Herbert. LabVIEW applications and solutions. Rio de Janeiro: Prentice Hall,

AUTOMAÇÃO DE CÚPULA DE OBSERVATÓRIO ASTRONÔMICO

AUTOMAÇÃO DE CÚPULA DE OBSERVATÓRIO ASTRONÔMICO AUTOMAÇÃO DE CÚPULA DE OBSERVATÓRIO ASTRONÔMICO Marcella Scoczynski Ribeiro (UTFPR/UEPG) marcella_engcomp@yahoo.com.br Matheus Safraid (UEPG) msafraid@hotmail.com Resumo Este trabalho apresenta os benefícios

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA REDE DE SENSORES SEM FIO PARA A ARQUITETURA AGROMOBILE 1

DEFINIÇÃO DE UMA REDE DE SENSORES SEM FIO PARA A ARQUITETURA AGROMOBILE 1 DEFINIÇÃO DE UMA REDE DE SENSORES SEM FIO PARA A ARQUITETURA AGROMOBILE 1 Marcos Sulzbach Morgenstern 2, Roger Victor Alves 3, Vinicius Maran 4. 1 Projeto de Pesquisa Agromobile - Uma Arquitetura de Auxílio

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO O computador não é uma máquina interessante se não pudermos interagir com ela. Fazemos isso através de suas interfaces e seus periféricos. Como periféricos serão considerados os

Leia mais

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas administrativos da empresa. Nessa configuração, o PC é a

Leia mais

Kit de Máquinas Elétricas Rotativas - XE801 -

Kit de Máquinas Elétricas Rotativas - XE801 - T e c n o l o g i a Kit de Máquinas Elétricas Rotativas - XE801 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. INTRODUÇÃO Kit de Máquinas Elétricas Rotativas -

Leia mais

Sistema de Numeração e Códigos. CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos

Sistema de Numeração e Códigos. CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos Sistema de Numeração e Códigos CPCX UFMS Prof. Renato F. dos Santos 2.4 Código BCD (Binary-coded decimal) Quando um número decimal é representado pelo seu número binário equivalente, dizemos que é uma

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM ELETROCARDIÓGRAFO COM MICROCONTROLADOR MSP 430

DESENVOLVIMENTO DE UM ELETROCARDIÓGRAFO COM MICROCONTROLADOR MSP 430 19 a 21 de mar o de 2010 152 DESENVOLVIMENTO DE UM ELETROCARDIÓGRAFO COM MICROCONTROLADOR MSP 430 Luiz Dionisio Pedrini, Walter Antonio Gontijo Engenharia de Computação Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI)

Leia mais

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia O Sistema Operacional que você usa é multitasking? Por multitasking, entende-se a capacidade do SO de ter mais de um processos em execução ao mesmo tempo. É claro que, num dado instante, o número de processos

Leia mais

Sensores e Atuadores (2)

Sensores e Atuadores (2) (2) 4º Engenharia de Controle e Automação FACIT / 2009 Prof. Maurílio J. Inácio Atuadores São componentes que convertem energia elétrica, hidráulica ou pneumática em energia mecânica. Através dos sistemas

Leia mais

INFORmação. O que é um Computador?

INFORmação. O que é um Computador? Professor: M. Sc. Luiz Alberto Filho Conceitos básicos Evolução histórica Hardware Sistemas de numeração Periféricos Software Unidades Básicas de Medidas 2 Facilidade de armazenamento e recuperação da

Leia mais

Algoritmos DCC 119. Introdução e Conceitos Básicos

Algoritmos DCC 119. Introdução e Conceitos Básicos Algoritmos DCC 119 Introdução e Conceitos Básicos Sumário Sistemas de Numeração Sistemas Computacionais Estrutura de um Computador Digital Sistemas Operacionais Algoritmo Introdução Formas de representação

Leia mais

SISTEMA DE TRANSMISSÃO DE UM VEÍCULO ELÉTRICO

SISTEMA DE TRANSMISSÃO DE UM VEÍCULO ELÉTRICO SISTEM DE TRNSMISSÃO DE UM VEÍCULO ELÉTRICO Paulo ntonio dos Santos 1 Francisco José Grandinetti 1 (grandi@unitau.br) Marcio bud Marcelino 2 (abud@feg.unesp.br) Heitor Giovanelli Carlesimo 2 1 Universidade

Leia mais

Manual de instalação e configuração do módulo de entradas WEBER-REP

Manual de instalação e configuração do módulo de entradas WEBER-REP Manual de instalação e configuração do módulo de entradas WEBER-REP Sumário CONVENÇÕES UTILIZADAS...3 DESCRIÇÃO GERAL...4 VANTAGENS...4 CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS...4 ESPECIFICAÇÕES GERAIS...5 LED DE STATUS

Leia mais

Banco de Dados Orientado a Objetos

Banco de Dados Orientado a Objetos Banco de Dados Orientado a Objetos MODELAGEM, ANÁLISE, PROJETO e CLASSIFICAÇÃO Interação combinando lógica, através de objetos que contém os dados. Estes divididos conforme seus tipos e métodos (classe),

Leia mais

15/02/2012. IV.2_Controle e Automação II. Introdução. Conteúdo SENSORES

15/02/2012. IV.2_Controle e Automação II. Introdução. Conteúdo SENSORES IV.2_Controle e Automação II Formando Profissionais Para o Futuro SENSORES Introdução No estudo da automação em sistemas industriais, comerciais e/ou residenciais há a necessidade de determinar as condições

Leia mais

Comunicação de dados entre um Amplificador Lock-in e um Monocromador Cornerstone utilizando o DataSocket do LabVIEW

Comunicação de dados entre um Amplificador Lock-in e um Monocromador Cornerstone utilizando o DataSocket do LabVIEW Comunicação de dados entre um Amplificador Lock-in e um Monocromador Cornerstone utilizando o DataSocket do LabVIEW Julyanne Silva Cunha 1 ; Francisco Aurilo Azevedo Pinho 2 1 Aluna do Curso de Física;

Leia mais

Acionamento através de senha*, cartão de proximidade e biometria. Compatível com fechaduras magnéticas, eletroímãs e cancelas.

Acionamento através de senha*, cartão de proximidade e biometria. Compatível com fechaduras magnéticas, eletroímãs e cancelas. 1/8 Visão Geral: Instalação e configuração simplificada. Alta capacidade de armazenamento de registros e usuários. Acionamento através de senha*, cartão de proximidade e biometria. Compatível com fechaduras

Leia mais

Curso Técnico em Informática. Rafael Barros Sales Tecnico em Informática CREAC/AC Teclogo em Redes de Computadores

Curso Técnico em Informática. Rafael Barros Sales Tecnico em Informática CREAC/AC Teclogo em Redes de Computadores Curso Técnico em Informática Rafael Barros Sales Tecnico em Informática CREAC/AC Teclogo em Redes de Computadores Visão Geral Para entender o papel que os computadores exercem em um sistema de redes, considere

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM DINAMÔMETRO PARA MOTORES ELÉTRICOS EMPREGADOS EM VEÍCULOS EM ESCALA, COM MEDIDA DE DIRETA DE TORQUE E CARGA VARIÁVEL

DESENVOLVIMENTO DE UM DINAMÔMETRO PARA MOTORES ELÉTRICOS EMPREGADOS EM VEÍCULOS EM ESCALA, COM MEDIDA DE DIRETA DE TORQUE E CARGA VARIÁVEL DESENVOLVIMENTO DE UM DINAMÔMETRO PARA MOTORES ELÉTRICOS EMPREGADOS EM VEÍCULOS EM ESCALA, COM MEDIDA DE DIRETA DE TORQUE E CARGA VARIÁVEL Aluno: Vivian Suzano Orientador: Mauro Speranza Neto 1. Introdução

Leia mais

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Introdução É preciso conhecer a estrutura de um sistema de computação antes que possamos explorar os detalhes de sua operação.

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas Operacionais Um sistema operacional fornece o ambiente no qual os programas são executados. Internamente,

Leia mais

SISTEMA DE APONTAMENTO

SISTEMA DE APONTAMENTO Introdução SISTEMA DE APONTAMENTO Alunos: Lucas Castro Faria Carolina do Amaral Galhardo Orientador: Hans Ingo Weber Foi feito um estudo para aquisição de dados através da placa NI USB-6229, usando o programa

Leia mais

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) Sensores

Leia mais

Desenvolvimento de Estratégia para Programação do Futebol de Robôs da Mauá

Desenvolvimento de Estratégia para Programação do Futebol de Robôs da Mauá Desenvolvimento de Estratégia para Programação do Futebol de Robôs da Mauá Wânderson O. Assis, Alessandra D. Coelho, Marcelo M. Gomes, Cláudio G. Labate, Daniel F. Calasso, João Carlos G. C. Filho Escola

Leia mais

Conceito de Rede e seus Elementos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Conceito de Rede e seus Elementos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceito de Rede e seus Elementos Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceito de Rede e seus Elementos O conceito de rede segundo Tanenbaum é: um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações

Leia mais

A porta paralela. 1 - Introdução. 2- Modelos de porta paralela

A porta paralela. 1 - Introdução. 2- Modelos de porta paralela A porta paralela 1 - Introdução A porta paralela é uma interface de comunicação desenvolvida pela IBM para funcionar nos primeiros computadores PC lançado em 1983, ela também é chamada de porta para impressora.

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA EQUIPAMENTO ELETRÔNICO PARA CONVERSÃO DE VOLUME DE GÁS NATURAL ÍNDICE DE REVISÕES

PROCEDIMENTO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA EQUIPAMENTO ELETRÔNICO PARA CONVERSÃO DE VOLUME DE GÁS NATURAL ÍNDICE DE REVISÕES UNIDADE: GERAL 1 de 14 ÍNDICE DE REVISÕES Rev. 0 EMISSÃO INICIAL DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS Rev. 0 Rev. 1 Rev. 2 Rev. 3 Rev. 4 Rev. 5 Rev. 6 Rev. 7 Rev. 8 DATA: 18/04/13 ELABORAÇÃO: Andre VERIFICAÇÃO:

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS BREVE HISTÓRICO A década de 60 Surgiram os primeiros terminais interativos, e os usuários podiam acessar o computador central através de linhas de comunicação.

Leia mais

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital. MIDI: Musical Instrument Digital Interface

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital. MIDI: Musical Instrument Digital Interface Sistemas Multimédia Ano lectivo 2006-2007 Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital Sumário Aúdio digital Digitalização de som O que é o som? Digitalização Teorema de Nyquist MIDI: Musical Instrument

Leia mais

ni.com Adquirindo dados de medição com LabVIEW e CompactDAQ

ni.com Adquirindo dados de medição com LabVIEW e CompactDAQ Adquirindo dados de medição com LabVIEW e CompactDAQ "Se você pode medir o problema, você pode entender e assim resolve-lo" 2 Abordagem tradicional para medir sinais O registro de dados com papel e caneta

Leia mais

CVMDDC - CONTROLE DE VELOCIDADE DO MOTOR DC

CVMDDC - CONTROLE DE VELOCIDADE DO MOTOR DC UFLA Universidade Federal de Lavras DEX Departamento de Ciências Exatas Bacharelado em CVMDDC - CONTROLE DE VELOCIDADE DO MOTOR DC Autor: Edna Mie Kanazawa Orientador: Wilian Soares Lacerda Lavras, novembro

Leia mais

O que é automação? SENAI / RJ. Julho / 2011

O que é automação? SENAI / RJ. Julho / 2011 O que é automação? SENAI / RJ Julho / 2011 O que é automação? Automação industrial é o uso de qualquer dispositivo mecânico ou eletro-eletrônico para controlar máquinas e processos. Entre os dispositivos

Leia mais

Manual de instalação e configuração do módulo de saídas NSR-08

Manual de instalação e configuração do módulo de saídas NSR-08 Manual de instalação e configuração do módulo de saídas NSR-08 Sumário DESCRIÇÃO GERAL...4 VANTAGENS...4 CARACTERÍSTICAS...4 LED DE STATUS DO MODULO...4 ESQUEMA DE LIGAÇÕES...5 LIGAÇÃO DO CABO DE COMUNICAÇÃO...6

Leia mais

Título: EMG Biofeedback por Eletro-estimulação Autores:

Título: EMG Biofeedback por Eletro-estimulação Autores: Título: EMG Biofeedback por Eletro-estimulação Autores: Alan Nogueira Sanches Felippe de Carvalho Barros Fernando Felizate Pereira Leandro de Marchi Sérgio Antônio Mathias da Silva Professor Orientador:

Leia mais

Principais códigos utilizados. Codificação. Código binário puro. Codificação binária. Codificação Binária. Código Binário puro e suas variantes

Principais códigos utilizados. Codificação. Código binário puro. Codificação binária. Codificação Binária. Código Binário puro e suas variantes Codificação Principais códigos utilizados Computadores e Equipamentos de Comunicações Digitais trabalham com representação e códigos. A codificação binária de sinais é largamente utilizada em Sistemas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica Apostila de Automação Industrial Elaborada pelo Professor M.Eng. Rodrigo Cardozo Fuentes Prof. Rodrigo

Leia mais

Controle para Motores de Passo usando módulo USB-6008

Controle para Motores de Passo usando módulo USB-6008 Departamento de Física e Ciência dos Materiais Caixa Postal 369-13560-970 São Carlos SP Brasil e-mail : andretec@ifsc.usp.br Controle para Motores de Passo usando módulo USB-6008 Introdução Neste projeto

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM ROBÔ MANIPULADOR INDUSTRIAL

DESENVOLVIMENTO DE UM ROBÔ MANIPULADOR INDUSTRIAL 1 DESENVOLVIMENTO DE UM ROBÔ MANIPULADOR INDUSTRIAL Carlos Henrique Gonçalves Campbell Camila Lobo Coutinho Jediael Pinto Júnior Associação Educacional Dom Bosco 1. Objetivo do Trabalho Desenvolvimento

Leia mais

RFID APLICADO NO GERENCIAMENTO DE CORRIDAS DE ATLETISMO

RFID APLICADO NO GERENCIAMENTO DE CORRIDAS DE ATLETISMO RFID APLICADO NO GERENCIAMENTO DE CORRIDAS DE ATLETISMO Vinicius Fornazero 1, Alexandre Paulino Sierra da Silva 1 1 UNIPAR Universidade Paranaense Paranavaí PR Brasil vinifornazero@hotmail.com, alexandre.pps@unipar.br

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GTM.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS E TECNOLOGIAS

Leia mais

Fazer engenharia. Alunos de graduação preparados para inovar com as soluções de ensino da NI. ni.com

Fazer engenharia. Alunos de graduação preparados para inovar com as soluções de ensino da NI. ni.com Fazer engenharia Alunos de graduação preparados para inovar com as soluções de ensino da NI National Instruments Nossa missão Equipamos engenheiros e cientistas com sistemas que aceleram a produtividade,

Leia mais

Desenvolvimento de uma interface para aquisição de dados experimentais utilizando o microcontrolador Arduino UNO

Desenvolvimento de uma interface para aquisição de dados experimentais utilizando o microcontrolador Arduino UNO Sistemas Produtivos e Desenvolvimento Profissional: Desafios e Perspectivas Desenvolvimento de uma interface para aquisição de dados experimentais utilizando o microcontrolador Arduino UNO CLAUDEMIR SANTOS

Leia mais

Oilon ChillHeat. Desempenho otimizado na refrigeração e aquecimento

Oilon ChillHeat. Desempenho otimizado na refrigeração e aquecimento Oilon ChillHeat Desempenho otimizado na refrigeração e aquecimento As bombas de calor oferecem energia econômica e ecologicamente correta Calor residual de baixa temperatura contém energia valiosa A indústria

Leia mais

Chama-se sistema informatizado a integração que

Chama-se sistema informatizado a integração que Sistema Informatizado Hardware Sistema Informatizado Chama-se sistema informatizado a integração que acontece de três componentes básicos: a) Os computadores = hardware b) Os programas = software c) Os

Leia mais

Computador Digital Circuitos de um computador (Hardware)

Computador Digital Circuitos de um computador (Hardware) Computador Digital SIS17 - Arquitetura de Computadores (Parte I) Máquina que pode resolver problemas executando uma série de instruções que lhe são fornecidas. Executa Programas conjunto de instruções

Leia mais

PROTÓTIPO DE UM SISTEMA DE SEGURANÇA RESIDENCIAL COM LINUX EMBARCADO. Acadêmico: Daniel Baumann Orientador: Miguel Alexandre Wisintainer

PROTÓTIPO DE UM SISTEMA DE SEGURANÇA RESIDENCIAL COM LINUX EMBARCADO. Acadêmico: Daniel Baumann Orientador: Miguel Alexandre Wisintainer PROTÓTIPO DE UM SISTEMA DE SEGURANÇA RESIDENCIAL COM LINUX EMBARCADO Acadêmico: Daniel Baumann Orientador: Miguel Alexandre Wisintainer Roteiro Introdução. Objetivos do trabalho. Fundamentação teórica.

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE SENSORES DE POSCIONAMENTO GLOBAL E RÁDIO FAROL PARA UMA PLATAFORMA NÁUTICA DE TESTES

IMPLEMENTAÇÃO DE SENSORES DE POSCIONAMENTO GLOBAL E RÁDIO FAROL PARA UMA PLATAFORMA NÁUTICA DE TESTES Anais do XVI Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XVI ENCITA / 2010 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil 20 de outubro de 2010 IMPLEMENTAÇÃO DE SENSORES

Leia mais

Projeto de controle e Automação de Antena

Projeto de controle e Automação de Antena Projeto de controle e Automação de Antena Wallyson Ferreira Resumo expandido de Iniciação Tecnológica PUC-Campinas RA: 13015375 Lattes: K4894092P0 wallysonbueno@gmail.com Omar C. Branquinho Sistemas de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO PARA INSPEÇÃO ULTRA-SÔNICA EM CASCO DE NAVIO

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO PARA INSPEÇÃO ULTRA-SÔNICA EM CASCO DE NAVIO DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO PARA INSPEÇÃO ULTRA-SÔNICA EM CASCO DE NAVIO Antonio A. de Carvalho, Raphael C. S. B. Suita, Ivan C. da Silva, João M. A. Rebello Universidade Federal do Rio

Leia mais

Medidor Powersave V2 USB

Medidor Powersave V2 USB Medidor Powersave V2 USB O medidor é formado por uma caixa plástica contendo uma placa eletrônica, uma tomada macho, uma tomada fêmea, um conector H, um barramento lateral, um conector USB e leds indicativos.

Leia mais

CAPÍTULO 4 Interface USB

CAPÍTULO 4 Interface USB Interfaces e Periféricos 29 CAPÍTULO 4 Interface USB Introdução Todo computador comprado atualmente possui uma ou mais portas (conectores) USB. Estas portas USB permitem que se conecte desde mouses até

Leia mais

Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem

Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem Autores: Caio Felipe Favaretto, Henrique Corrêa Ramiro, Rômulo de Oliveira Souza e Marcelo Barboza Silva Professor orientador:

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade IV GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade IV GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI - Tecnologia da informação SI - Tecnologia da informação Com a evolução tecnológica surgiram vários setores onde se tem informatização,

Leia mais

IBIS_BE_Net MODO DE USO. ABB Automação. Hartmann & Braun

IBIS_BE_Net MODO DE USO. ABB Automação. Hartmann & Braun IBIS_BE_Net MODO DE USO ABB Automação Hartmann & Braun Índice 1. IBIS_BE_NET - DEFINIÇÃO... 4 2. INSTALAÇÃO... 4 2.1. PRÉ-REQUISITOS PARA INSTALAÇÃO... 4 3. INSTALAÇÃO DO IBIS_NET... 4 3.1. ARQUIVOS DE

Leia mais

Placas de Modem. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Placas de Modem. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Placas de Modem Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução Surgiram da necessidade de estabelecer a comunicação a distância entre os computadores pessoais Tiveram seus início com os modems externos e

Leia mais

Robótica Industrial. Projeto de Manipuladores

Robótica Industrial. Projeto de Manipuladores Robótica Industrial Projeto de Manipuladores Robôs são os típicos representantes da Mecatrônica. Integram aspectos de: Manipulação Sensoreamento Controle Comunicação 1 Robótica e Mecatrônica 2 Princípios

Leia mais

Capítulo 12. Projeto 5 Controle de Motores de Passo. 12.1 Circuito e Funcionamento

Capítulo 12. Projeto 5 Controle de Motores de Passo. 12.1 Circuito e Funcionamento Capítulo 12 Projeto 5 Controle de Motores de Passo A crescente popularidade dos motores de passo deve-se a sua adaptação à lógica digital. Estes dispositivos são usados em inúmeras aplicações, tais como:

Leia mais

Soluções para gerenciamento de clientes e Impressão móvel

Soluções para gerenciamento de clientes e Impressão móvel Soluções para gerenciamento de clientes e Impressão móvel Guia do usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada nos Estados Unidos da Microsoft Corporation.

Leia mais

Primeiro Foguete Brasileiro com Propulsão Líquida

Primeiro Foguete Brasileiro com Propulsão Líquida Primeiro Foguete Brasileiro com Propulsão Líquida Sucesso na Operação Raposa para lançamento do VS-30 no último dia 01/09 Tendências e tecnologias dos sistemas de testes aeroespacial e de defesa Alisson

Leia mais

Desenvolvimento de um Sistema de Caracterização Elétrica dos Efeitos da Radiação Ionizante em Dispositivos Semicondutores e Circuitos Integrados

Desenvolvimento de um Sistema de Caracterização Elétrica dos Efeitos da Radiação Ionizante em Dispositivos Semicondutores e Circuitos Integrados Desenvolvimento de um Sistema de Caracterização Elétrica dos Efeitos da Radiação Ionizante em Dispositivos Semicondutores e Circuitos Integrados "A principal vantagem da Plataforma PXIE em relação a outras

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO Aluno: Joaquim Masset Lacombe Dias Garcia Aluna: Ana Sofia Viotti Daker Aranha Orientador: Guilherme Penello Temporão

Leia mais

COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS

COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS 1 Introdução Para transmitir ou receber informações de outros dispositivos é necessário que os sistemas automáticos sejam capazes de comunicarem-se com estes dispositivos.

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PRJET DE REDES www.projetoderedes.com.br urso de Tecnologia em Redes de omputadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 1: onceitos de Redes de Dados

Leia mais

Potenciometer [Potenciômetro] - Ligado ao eixo de saída do servo, monitora a posição do mesmo.

Potenciometer [Potenciômetro] - Ligado ao eixo de saída do servo, monitora a posição do mesmo. Servomotores Este pequeno tutorial tem como finalidade auxiliar no entendimento de um dos componentes básico utilizados na construção de robôs móveis. www.sumoderobos.org Compilado por André Santos Agosto

Leia mais

Controle Inteligente de Robôs Móveis Autônomos utilizando Sistemas Inteligentes

Controle Inteligente de Robôs Móveis Autônomos utilizando Sistemas Inteligentes Controle Inteligente de Robôs Móveis Autônomos utilizando Sistemas Inteligentes Aluno: Gabriel Lins Tenório Orientadoras: Roxana Jiménez e Marley Rebuzzi Vellasco Introdução A aplicação de robôs móveis

Leia mais

Barramento. Barramentos. Barramento. Barramento

Barramento. Barramentos. Barramento. Barramento s Arquiteturas de Conjunto de conexões elétricas/lógicas paralelas Permitem a transmissão de dados, endereços e sinais de controle entre os diversos módulos funcionais do computador Consiste de vários

Leia mais

MEC1100 Manual de Instruções v2010.10

MEC1100 Manual de Instruções v2010.10 MEC1100 Manual de Instruções v2010.10 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br 1

Leia mais

Manual Técnico. 15/09/2011 PesoNet_mt_v1.0.0_r0.1

Manual Técnico. 15/09/2011 PesoNet_mt_v1.0.0_r0.1 Manual Técnico 15/09/2011 PesoNet_mt_v1.0.0_r0.1 ÍNDICE 1 ANTES DE USAR O WEIGHTECH PESONET... 4 1.1 PRECAUÇÃO DE SEGURANÇA... 4 1.2 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS... 5 1.3 SISTEMA PESONET... 6 1.3.1 SOFTWARE

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO MOTOR INCLUEM...

AS CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO MOTOR INCLUEM... Motores H-Compact COMPACTO, REFRIGERAÇÃO EFICIENTE A importância crescente da economia de energia, dos requerimentos ambientais, da procura por dimensões menores e das imposições dos mercados nacionais

Leia mais

NX- USB MANUAL DO USUARIO V1.2

NX- USB MANUAL DO USUARIO V1.2 NX- USB MANUAL DO USUARIO V1.2 NEVEX Tecnologia Ltda Copyright 2014 - Todos os direitos Reservados Atualizado em: 24/09/2014 IMPORTANTE Máquinas de controle numérico são potencialmente perigosas. A Nevex

Leia mais

Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo.

Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo. Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo. Desafios da vigilância por vídeo hoje O mercado de vigilância por vídeo está crescendo, impulsionado por preocupações de segurança

Leia mais

Que são sensores? São dispositivos que são sensíveis à um fenômeno físico (luz, temperatura, impedância elétrica etc.) e transmitem um sinal para um

Que são sensores? São dispositivos que são sensíveis à um fenômeno físico (luz, temperatura, impedância elétrica etc.) e transmitem um sinal para um Que são sensores? São dispositivos que são sensíveis à um fenômeno físico (luz, temperatura, impedância elétrica etc.) e transmitem um sinal para um dispositivo de medição ou controle. 1 Cite 05 tipos

Leia mais

Software RedeMB5 Manual do Usuário (Ver. 2)

Software RedeMB5 Manual do Usuário (Ver. 2) Manual do Usuário (Ver. 2) 1. Introdução O software RedeMB5 é uma ferramenta que permite monitorar em tempo real 247 medidores de energia ou multitransdutores digitais KRON em uma rede padrão RS-485 com

Leia mais

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes 4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes Neste capítulo é apresentado o desenvolvimento de um dispositivo analisador de redes e de elementos de redes, utilizando tecnologia FPGA. Conforme

Leia mais

PROCESSADOR. Montagem e Manutenção de Microcomputadores (MMM).

PROCESSADOR. Montagem e Manutenção de Microcomputadores (MMM). PROCESSADOR Montagem e Manutenção de Microcomputadores (MMM). INTRODUÇÃO O processador é o C.I. mais importante do computador. Ele é considerado o cérebro do computador, também conhecido como uma UCP -

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO DE PRODUTO

CATÁLOGO TÉCNICO DE PRODUTO Descrição: Medições fiáveis e de alta precisão para realização de testes e desenvolvimento de eletrónica de potência! Os compactos analisadores de potência da série Fluke Norma possuem a mais recente tecnologia

Leia mais

Emulando Equipamentos Obsoletos com Instrumentos Definidos por Software

Emulando Equipamentos Obsoletos com Instrumentos Definidos por Software Emulando Equipamentos Obsoletos com Instrumentos Definidos por Software Marcela Trindade Engenheira de Vendas Pesquisa rápida Alguém tem que manter sistemas de teste em funcionamento por mais de 10 anos?

Leia mais

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Capítulo1 - Introdução à Redes 1 Requisitos para Conexão à Internet Para disponibilizar o acesso de um computador à rede, devem ser levados em consideração 03 parâmetros:

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 PROPOSTA DE UMA ARQUITETURA DE INTERFACE DE SOFTWARE PARA GERAÇÃO DE NOTAS MUSICAIS PARA DETECÇÃO DE OBSTÁCULOS MAGNA CAETANO DA SILVA 1, GABRIEL DA SILVA 2 RESUMO Para realização deste trabalho foi realizada

Leia mais

BANCADA DE TESTE E INSTRUMENTO VIRTUAL GENÉRICO

BANCADA DE TESTE E INSTRUMENTO VIRTUAL GENÉRICO Anais do XXXIV COBENGE. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, Setembro de 2006. ISBN 85-7515-371-4 BANCADA DE TESTE E INSTRUMENTO VIRTUAL GENÉRICO Paulo S. C. Molina molina@upf.br Matheus A. C.

Leia mais

857 Sistema de proteção. Para proteção do motor e do alimentador Boletim 857, Série A Guia de especificação

857 Sistema de proteção. Para proteção do motor e do alimentador Boletim 857, Série A Guia de especificação 857 Sistema de proteção Para proteção do motor e do alimentador Boletim 857, Série A Guia de especificação Sumário Seção Descrição Página 1.0 Funções de proteção... 1 Proteção Synchrocheck (25)... 1 Proteção

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Bibliografia. Forouzan, Behrouz A. Comunicação de Dados e Redes de Computadores. 4. ed. McGraw-Hill, 2008.

Bibliografia. Forouzan, Behrouz A. Comunicação de Dados e Redes de Computadores. 4. ed. McGraw-Hill, 2008. Redes Sem Fio Você vai aprender: Contextualização das redes sem fio; Fundamentos de transmissão de sinais digitais; Fundamentos de radio comunicação; Arquiteturas em redes sem fio; Redes WLAN padrão IEEE

Leia mais

NX-PLASMA MANUAL DO USUARIO V1.2

NX-PLASMA MANUAL DO USUARIO V1.2 MANUAL DO USUARIO V1.2 NEVEX Tecnologia Ltda Copyright 2014 - Todos os direitos Reservados Atualizado em: 23/10/2014 IMPORTANTE Máquinas de controle numérico são potencialmente perigosas. A Nevex Tecnologia

Leia mais

ANEXO II AO EDITAL DE PREGÃO AMPLO N.º 50/2005 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS COMPONENTES DE CADA ELEVADOR DA ANATEL.

ANEXO II AO EDITAL DE PREGÃO AMPLO N.º 50/2005 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS COMPONENTES DE CADA ELEVADOR DA ANATEL. ANEXO II AO EDITAL DE PREGÃO AMPLO N.º 50/2005 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS COMPONENTES DE CADA ELEVADOR DA ANATEL. PAINEL DE CONTROLE Responsável pelo processamento, interfaceamento e monitoração de todos

Leia mais

FACENS Engenharia Mecatrônica Sistemas de Computação Professor Machado. Memória Armazenamento Sistema de Arquivos

FACENS Engenharia Mecatrônica Sistemas de Computação Professor Machado. Memória Armazenamento Sistema de Arquivos FACENS Engenharia Mecatrônica Sistemas de Computação Professor Machado Memória Armazenamento Sistema de Arquivos 1 Hierarquia de Memórias 2 Partes físicas associadas à memória Memória RAM Memória ROM Cache

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I: MEMÓRIA EXTERNA RAÍ ALVES TAMARINDO RAI.TAMARINDO@UNIVASF.EDU.BR

ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I: MEMÓRIA EXTERNA RAÍ ALVES TAMARINDO RAI.TAMARINDO@UNIVASF.EDU.BR ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I: MEMÓRIA EXTERNA RAÍ ALVES TAMARINDO RAI.TAMARINDO@UNIVASF.EDU.BR DISCO MAGNÉTICO O disco magnético é constituído de um prato circular de metal ou de plástico,

Leia mais

Gerenciador de energia HX-600

Gerenciador de energia HX-600 26 Gerenciador de energia HX-600 Solução WEB Energy O Gerenciador HX-600 possui tecnologia de ponta em sistemas de controle de demanda e fator de potência. Trata-se de um equipamento com design moderno

Leia mais

A INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL COMO FORMA DE INTEGRAÇÃO ENTRE A TEORIA E PRÁTICA NO ENSINO DE MEDIDAS ELÉTRICAS

A INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL COMO FORMA DE INTEGRAÇÃO ENTRE A TEORIA E PRÁTICA NO ENSINO DE MEDIDAS ELÉTRICAS A INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL COMO FORMA DE INTEGRAÇÃO ENTRE A TEORIA E PRÁTICA NO ENSINO DE MEDIDAS ELÉTRICAS Cesar Ramos Rodrigues - cesar@ieee.org Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Tecnologia,

Leia mais

Desenvolvimento de um Sistema de Identificação e Combate à Fraude de Consumo na Eletropaulo

Desenvolvimento de um Sistema de Identificação e Combate à Fraude de Consumo na Eletropaulo Desenvolvimento de um Sistema de Identificação e Combate à Fraude de Consumo na Eletropaulo J. B. OLIVEIRA; E. A. T. DIRANI; W. RICARDO; W. PINHEIRO; L. C. DE CAMPOS; H. S. KAMIA; I. D. TEIXEIRA; D. PORTO;

Leia mais

Usina Termelétrica Pampa Sul

Usina Termelétrica Pampa Sul 0 14/01/2015 Emissão Inicial AMA REV. DATA NATUREZA DA REVISÃO ELAB. VERIF. APROV. EMPRESA: Usina Termelétrica Pampa Sul EMPREENDIMENTO: UTE Pampa Sul NO CONTRATO: NA TIPO: Atendimento a Condicionante

Leia mais

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS 8.1 - Motores de Corrente Contínua 8.2 - Motores de Corrente Alternada 8.3 - Motores Especiais 8.4 - Exercícios Propostos Na natureza a energia se encontra distribuída sob

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial Prof. Daniel Hasse Robótica Industrial Aula 02 - Robôs e seus Periféricos Tipos de Sistemas de Controle Volume de Trabalho Dinâmica e Precisão dos Movimentos Sistemas de Acionamentos Garras Tipos de Sistemas

Leia mais

INTRODUÇÃO A ROBÓTICA

INTRODUÇÃO A ROBÓTICA INTRODUÇÃO A ROBÓTICA RODRIGO PENIDO DE AGUIAR COLÉGIO SÃO PAULO 2015 O que é robótica? A robótica é ciência que estuda a construção de robôs e computação. Ela trata de sistemas compostos por partes mecânicas

Leia mais

Projeto e implementação de um sistema de controle em malha fechada para transmissão hidrostática usando o sistema Field Point da NI

Projeto e implementação de um sistema de controle em malha fechada para transmissão hidrostática usando o sistema Field Point da NI Projeto e implementação de um sistema de controle em malha fechada para transmissão hidrostática usando o sistema Field Point da NI "A implementação do sistema SCADA usando Field Point e interface LabVIEW,

Leia mais

Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados

Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados Mauricélio Alves de Sousa, Eng o Fernando Luiz Marcelo Antunes, PhD Ricardo Silva Thé Pontes, MSc Grupo de Processamento de

Leia mais

AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL. Sistema Integrado de Teste em Umbilicais

AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL. Sistema Integrado de Teste em Umbilicais BI AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL Sistema Integrado de Teste em Umbilicais Objetivos da Apresentação Demonstrar a Arquitetura de hardware e software da National Instruments utilizada na solução; Discutir

Leia mais

www.bluemedia.com.br MEDIDORES

www.bluemedia.com.br MEDIDORES www.bluemedia.com.br MEDIDORES Detector de Falhas e Analisador Preditivo - PA A linha PA de Detectores de Falhas e Analisadores Preditivos KRON traz uma nova abordagem para o conceito de monitoramento

Leia mais