PROCEDIMENTO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA EQUIPAMENTO ELETRÔNICO PARA CONVERSÃO DE VOLUME DE GÁS NATURAL ÍNDICE DE REVISÕES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCEDIMENTO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA EQUIPAMENTO ELETRÔNICO PARA CONVERSÃO DE VOLUME DE GÁS NATURAL ÍNDICE DE REVISÕES"

Transcrição

1 UNIDADE: GERAL 1 de 14 ÍNDICE DE REVISÕES Rev. 0 EMISSÃO INICIAL DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS Rev. 0 Rev. 1 Rev. 2 Rev. 3 Rev. 4 Rev. 5 Rev. 6 Rev. 7 Rev. 8 DATA: 18/04/13 ELABORAÇÃO: Andre VERIFICAÇÃO: Volnei APROVAÇÃO: Mecca

2 UNIDADE: GERAL 2 de 14 FICHA DE APROVAÇÃO DO DOCUMENTO TÍTULO: Área Responsável: Coordenação Logística de Operações REV. DATA ELABORAÇÃO VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ITENS REVISADOS 0 18/04/13 André Volnei Mecca Versão inicial

3 UNIDADE: GERAL 3 de 14 SUMÁRIO 1. OBJETIVO APLICAÇÃO DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA DEFINIÇÕES RESPONSABILIDADES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Range de Pressão Entrada de sinal do medidor de gás Erros Máximos Permitidos Cálculo da Compressibilidade Software Proprietário Comunicação Porta de Acesso Local Comunicação Porta de Acesso Remoto Índice de Proteção Sensor de temperatura Programa operacional Informações do display Alarmes Relatórios Unidades de Medida Alimentação externa Acessórios Senhas, Selos e Lacres Calibração e Ajuste Documentação Técnica Integração ao Sistema Supervisório Certificação Treinamento Assistência Técnica Garantia Local da Entrega dos Equipamentos ANEXOS Anexo 1 Conexão TCP/IP Anexo 2 Conexão Elétrica à Unidade Remota Anexo 3 Verificação Anexo 4 - Equipamentos Integrados ao Sistema Supervisório... 14

4 UNIDADE: GERAL 4 de OBJETIVO 1.1.A presente especificação técnica visa definir os requisitos mínimos necessários dos equipamentos eletrônicos para conversão de volume de gás natural. 2. APLICAÇÃO 2.1.É aplicável para todos os equipamentos eletrônicos para conversão de volume de gás natural a serem adquiridos pela Sulgás. 3. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.1. AGA Report n. 8 - Compressibility Factor of Natural Gas and Related Hydrocarbon Gases 3.2. DIN EN Gas Meters conversion devices Part 1: Volume Conversion NBR 14978:2003 Medidores Eletrônicos de Gás Computadores de Vazão 3.4. OIML R 140 Measuring systems for gaseous fuel 3.5. IGEM/GM/5 Electronic Gas Volume Conversion systems. 4. DEFINIÇÕES 4.1.Equipamento eletrônico para conversão de volume Equipamento que utiliza circuito eletrônico que computa e indica o volume, nas condições de referência, do gás que passou pelas instalações de gás, e utilizando como entradas o volume nas condições de operação através de um medidor de gás volumétrico e outros parâmetros como temperatura e pressão. Os desvios da lei dos gases ideais são compensadas através do fator de compressibilidade. 4.2.Calibração em malha Calibração dos sensores (pressão e temperatura) acoplados ao equipamento conversor. 5. RESPONSABILIDADES 5.1. É responsabilidade de todos os envolvidos em procedimentos de aquisição e manutenção de equipamentos eletrônicos para conversão de volume de gás natural o cumprimento dessa especificação técnica.

5 UNIDADE: GERAL 5 de ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 6.1. Range de Pressão Medir de 6 a 20 Bar absoluto Deve possuir conexão de diâmetro de ¼, preferencialmente NPT Entrada de sinal do medidor de gás Leitura de pulsos de baixa frequência (0 a 2 Hz) tipo reed switch Erros Máximos Permitidos Pressão: +/- 0,35 % do fundo de escala Temperatura: +/- 0,5 C 6.4. Cálculo da Compressibilidade Conforme AGA REPORT n 8 método detalhado 6.5. Software Proprietário Deve suportar instalação no Windows 7 Professional 32 bits e Windows 7 Starter 32 bits Deve permitir a conexão ao equipamento eletrônico através de uma rede TCP/IP, solicitando endereço IP e número da porta. Para detalhes da arquitetura da rede de comunicação, ver Devem ser fornecidas, no mínimo, 10 licenças para utilização do software Comunicação Porta de Acesso Local O equipamento deve permitir a conexão, para leitura de dados e configuração, com computador tipo PC/Notebook através de cabo serial RS-232 ou USB com terminal de conexão externo, sem a necessidade de abertura do equipamento Comunicação Porta de Acesso Remoto O equipamento deve possuir requisitos de hardware e software para comunicação com estações remotas através de interface serial RS-232(full-duplex) ou RS-485, com velocidade mínima de 9600 bps. Esta conexão deve ser independente da conexão citada no item A comunicação, através dessa porta, deve ocorrer através do protocolo Modbus Enron ou Modbus RTU; Deve ser possível a configuração, dos endereços e variáveis, conforme listado abaixo, para acesso através do protocolo Modbus: Vazão Instantânea m³/h; Vazão Instantânea m³/h; Pressão do Fluído; Temperatura do Fluído; Volume Convertido no dia atual; Volume Não Convertido no dia anterior;

6 UNIDADE: GERAL 6 de Volume Convertido no dia anterior As variáveis listadas em devem ser do tipo floating point (32 bits) Deve ser possível a configuração do equipamento e verificação dos valores instantâneos medidos através de conexão remota, através de uma rede TCP/IP com o uso de software proprietário. Para detalhes da arquitetura da rede de comunicação, ver Índice de Proteção O equipamento deve possuir no mínimo índice de proteção IP-65; Deve ser fornecido certificado, nacional ou internacional, comprovando o índice de proteção Sensor de temperatura Deve ser do tipo RTD (Termorresistência), podendo ser de 100Ω, 500Ω ou 1000Ω a 0 C O sensor deve possuir range mínimo de -20 C a 60 C O sensor deve possuir diâmetro de 5,5 a 6,5 mm e comprimento de 4 cm até 12 cm. Se o comprimento do sensor for inferior a 10 cm, este deve suportar instalação submersa em fluido condutor de calor O sensor deve ser de 3 ou 4 fios. No caso em que o sensor de temperatura seja de 1000 Ohms, pode ser 2 fios O cabo de conexão do sensor deve ser de 1,8 a 2,5m Programa operacional O programa operacional deve ser armazenado em memória não volátil tipo EEPROM ou tipo FLASH A atualização do programa operacional (firmware ou base de dados) não deve interferir na curva de calibração do equipamento Informações do display O equipamento deve possuir display configurável através do qual deve ser possível acessar os valores medidos e calculados; No mínimo, deve ser possível mostrar os seguintes valores: Volume convertido; Volume não convertido; Temperatura instantânea do gás; Pressão instantânea; Vazão instantânea Alarmes O equipamento deve gerar e armazenar alarmes a cada ocorrência do evento O equipamento deve ter capacidade para armazenar no mínimo 240 eventos O equipamento deve ser capaz de gerar os seguintes eventos: Alimentação externa removida;

7 UNIDADE: GERAL 7 de 14 Alimentação externa aplicada; 6.13.Relatórios O equipamento deve gerar os seguintes registros nos relatórios: Volume convertido no período; Volume Não Convertido no período; Pressão; Temperatura A frequência dos registros deve ser horária e diária Os registros devem ser armazenados em memória não volátil O equipamento deve ter capacidade para armazenar os registros de, no mínimo, 31 dias Unidades de Medida Os parâmetros configuráveis devem utilizar unidades do Sistema Internacional de Medidas A pressão indicada no display deve ser em kgf/cm². Será aceita máscara de conversão Alimentação externa O equipamento deve possuir entrada de alimentação externa, para conexão de Dispositivo para Fonte de Alimentação, descrito em Acessórios Dispositivo para Fonte de Alimentação O equipamento deve ser fornecido, quando aplicável, com Dispositivo para Fonte de Alimentação, compatível com a classificação do equipamento conversor de volume, conforme Erro! Fonte de referência não encontrada.. Para detalhes da conexão elétrica, ver Deve ser fornecido certificado, nacional ou internacional, que comprove O Dispositivo para Fonte de Alimentação deve possuir isolação galvânica ou isolamento óptico entre o circuito de entrada e saída, com tensão mínima de isolação de 1500V Deve operar com tensões entre 10,8V e 14,5V Deve aceitar montagem em trilho DIN 35mm Deve fornecer energia para que o equipamento opere com todas as funcionalidades exigidas nessa especificação Dispositivo para Comunicação Serial O equipamento deve ser fornecido, quando aplicável, com Dispositivo para Comunicação Serial, RS-232 ou RS-485, compatível com a classificação do equipamento conversor de volume, conforme Deve ser fornecido certificado, nacional ou internacional, que comprove O dispositivo deve possuir isolação galvânica ou isolamento óptico entre o circuito de entrada e saída, com tensão mínima de isolação de 1500V O dispositivo deve operar com tensões entre 10,8V e 14,5V Deve aceitar montagem em trilho DIN 35mm Cabo de comunicação

8 UNIDADE: GERAL 8 de O equipamento deve ser fornecido com cabo para comunicação com PC/Notebook, podendo ser com interface RS-232 ou USB Devem ser fornecidos 10 cabos de comunicação Senhas, Selos e Lacres O equipamento deve exigir senha para acesso através da Porta de Acesso Local Deve ser possível a instalação de lacres ou cadeados a fim de impedir a abertura do equipamento Calibração e Ajuste Os equipamentos devem ser fornecidos com Certificado de Calibração da Rede Brasileira de Calibração A calibração deve ser em malha Devem ser fornecidos todos os acessórios, softwares e senhas necessários ao ajuste de pressão e de temperatura do equipamento A calibração do sensor de temperatura deve ser feita nos seguintes pontos: T1: -10 C; T2: +5 C; T3: +20 C; T4: +35 C; T5: +50 C A calibração do sensor de pressão deve ser feita em cinco pontos, descritos abaixo: P1: menor pressão nominal indicada pelo fabricante; P5: maior pressão nominal indicada pelo fabricante; P2: P1+(P5-P1)*0,25; P3: P1+(P5-P1)*0,50; P4: P1+(P5-P1)*0, A calibração de pressão e temperatura deve ser feita na ordem crescente e decrescente O ciclo descrito em deve ser realizado duas vezes Documentação Técnica Deve ser fornecido manual do equipamento, em português, e do software com no mínimo: Instruções de calibração e ajuste Instruções de configuração, através do hardware e software, incluindo desenhos das placas de circuito impresso mostrando as localizações das chaves usadas para cada propósito, assim como a configuração do sistema Instruções de instalação e aterramento Desenhos de interligação com as interfaces e identificação dos terminais, conectores, cabos, etc Integração ao Sistema Supervisório Deve ser fornecido o driver compatível com Modbus Enron ou Modbus RTU.

9 UNIDADE: GERAL 9 de As variáveis informadas ao Sistema Supervisório são as descritas em Erro! Fonte de referência não encontrada O fornecedor será responsável pela integração do equipamento ao Sistema Supervisório Caso o equipamento não possua o protocolo acima, a Sulgás disponibilizará as características e um Tool Kit para o desenvolvimento de protocolo para integração com o Sistema Supervisório da Sulgás Os equipamentos que estão integrados ao Sistema Supervisório da Sulgás estão listados em Certificação O equipamento deve possuir certificação, nacional ou internacional, para uso em atmosferas potencialmente explosivas, para Zona 2 Grupo IIB O certificado, referido no item , aplica-se a todos elementos de medição associados ao Equipamento de Conversão de Volume Treinamento O fornecedor deve propor um curso treinamento (Operação, Programação, Ajuste e Manutenção), com no mínimo 16 horas para 10 (dez) técnicos, em local a ser disponibilizado pela Sulgás, em Porto Alegre, no estado do Rio Grande do Sul. O programa do treinamento e seu preço devem ser enviados junto com a proposta do equipamento Assistência Técnica Deve ser informada a disponibilidade de manutenção e assistência técnica, por exemplo, prazo para atendimento e trocas de componentes ou equipamentos Garantia O fornecedor garantirá todo o equipamento fornecido e os serviços executados. Esta garantia cobre equipamentos por ele fornecidos, mesmo sendo de fabricação de terceiros A garantia cobre defeitos originados por materiais mal escolhidos, ou de má qualidade, por defeitos de concepção e projeto, ou por impropriedade de execução Durante o período de garantia, os equipamentos que por ventura se danificarem, serão desinstalados pela Sulgás, ficando a disposição do fornecedor, em local a ser indicado por ela, para retirá-lo em até no máximo 5 (cinco dias) e devolvê-lo ao mesmo local, devidamente reparado, ou substituído, no prazo máximo de 120 dias, sem qualquer ônus para a Sulgás O período mínimo de cobertura de garantia deve ser de 12 meses após a instalação ou 18 meses após a entrega Local da Entrega dos Equipamentos Os equipamentos que fazem parte deste lote deverão ser entregues, nas instalações da Sulgás, Rua Sete de Setembro, andar, Centro, Porto Alegre, no estado do Rio Grande do Sul, com data e horário previamente agendados entre a empresa ganhadora e a Coordenadoria de Programação e Controle Integrado.

10 UNIDADE: GERAL 10 de 14

11 UNIDADE: GERAL 11 de ANEXOS 7.1. Anexo 1 Conexão TCP/IP Diagrama de Blocos Conversor de volume Unidade Remota Servidor de Telemetria Sistema Supervisório E3 Computador (Software Proprietário) Figura 1- Conexão TCP/IP Descrição do Funcionamento O Equipamento de Conversão de Volume é conectado à Unidade Remota através de uma interface serial RS-232 ou RS-485. O protocolo de comunicação é o Modbus. A Unidade Remota, através da rede de telefonia celular, conecta-se ao Servidor de Telemetria. O Servidor de Telemetria e o Sistema Supervisório estabelecem comunicação usando o protocolo TCP/IP. O Servidor de Telemetria possui uma porta de serviço para acesso à Unidade Remota e ao Equipamento de Conversão de Volume. O software proprietário estabelece conexão ao equipamento através da porta de serviço do Servidor de Telemetria.

12 UNIDADE: GERAL 12 de Anexo 2 Conexão Elétrica à Unidade Remota Diagrama de Blocos Conversor de Volume Dispositivo para Fonte de Alimentação Unidade Remota ALM 1 ALM 2 ALM 3 ALM 4 Dispositivo para Comunicação Serial COM 1 COM 2 COM 3 COM 4 Figura 2- Conexão Elétrica à Unidade Remota Descrição do Funcionamento Dispositivo para Fonte de Alimentação A Unidade Remota é responsável pela alimentação elétrica do Equipamento Conversor de Volume. A saída da Unidade Remota ALM 4 fornece tensões entre 10,8V e 14,5V. O Dispositivo para Fonte de Alimentação deve fazer a adaptação dos níveis de tensão entre a Unidade Remota e o Equipamento para Conversão de Volume. Sua saída ALM 2, deve ser compatível com a classificação do Equipamento Conversor de Volume, conforme Será instalado em local sem presença de atmosfera potencialmente explosiva Dispositivo para Comunicação Serial O Dispositivo para Comunicação Serial é responsável por fazer a conexão da comunicação serial entre a Unidade Remota e o Equipamento para Conversão de Volume. Sua interface COM 2, deve ser compatível com a classificação do Equipamento para Conversão de Volume, conforme Será instalado em local sem presença de atmosfera explosiva. Utilizará como alimentação ALM 4.

13 UNIDADE: GERAL 13 de Anexo 3 Verificação Os requisitos especificados nessa Especificação Técnica serão verificados conforme descrição abaixo: Item Método de Verificação 6.1 Manual do Equipamento e Certificado de Calibração 6.2 Manual do Equipamento 6.3 Certificado de Calibração 6.4 Manual do Equipamento 6.5 Manual do Equipamento 6.6 Manual do Equipamento 6.7 Verificação em Laboratório da Sulgás 6.8 Certificado de Aprovação 6.9 Manual do Equipamento e Verificação em Laboratório da Sulgás 6.10 Manual do equipamento e Verificação em Laboratório da Sulgás 6.11 Manual do Equipamento e Verificação em Laboratório da Sulgás 6.12 Manual do Equipamento e Verificação em Laboratório da Sulgás 6.13 Manual do Equipamento e Verificação em Laboratório da Sulgás 6.14 Manual do Equipamento e Verificação em Laboratório da Sulgás 6.15 Manual do Equipamento 6.16 Manual do Equipamento e Certificado de Aprovação 6.17 Verificação em Laboratório da Sulgás 6.18 Certificado de Calibração e Manual do Equipamento 6.19 Verificação em Laboratório da Sulgás 6.20 Verificação de funcionamento em Laboratório da Sulgás 6.21 Verificação em Laboratório da Sulgás

14 UNIDADE: GERAL 14 de Anexo 4 - Equipamentos Integrados ao Sistema Supervisório Os equipamentos listados abaixo estão integrados ao Sistema Supervisório da Sulgás: Fabricante: Emerson Process Management Modelo: Floboss 504 Fabricante: Emerson Process Management Modelo: Floboss 104 Fabricante: Eagle Research Corporation Modelo: XARTU/1 Fabricante: Mercury Instruments, Inc. Modelo: Mini-Max Fabricante: Mercury Instruments, Inc. Modelo: Mini-AT Fabricante: Galvanic Applied Sciences, Inc. Modelo: GAS Micro

TERMO DE REFERÊNCIA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE UNIDADES REMOTAS PARA CONEXÃO COM SISTEMA SUPERVISÓRIO

TERMO DE REFERÊNCIA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE UNIDADES REMOTAS PARA CONEXÃO COM SISTEMA SUPERVISÓRIO 1 OBJETIVO... 2 2 REMOTA... 2 2.1 DESCRIÇÃO GERAL... 2 2.2 ALIMENTAÇÃO... 2 2.3 RELÓGIO INTERNO... 2 2.4 ENTRADA DE PULSOS... 2 2.5 ENTRADA DIGITAL AUXILIAR... 2 2.6 REGISTRO DA CONTAGEM DE PULSOS (LOG)

Leia mais

CONVERSORES DE VOLUME: TIPO PTZ

CONVERSORES DE VOLUME: TIPO PTZ ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 440 5 de maio de 2015 Página 2 de 17 ÍNDICE Registo das revisões... 4 1. Objectivo... 5 2. Âmbito... 5 3. Referências... 5 4. Definições / Siglas... 6 5. Cumprimento normativo...

Leia mais

Aplicação e Operação de Medidores Ultra-Sônicos. José Paulo C. Santana PETROBRAS G&E 7/8/2012

Aplicação e Operação de Medidores Ultra-Sônicos. José Paulo C. Santana PETROBRAS G&E 7/8/2012 Aplicação e Operação de Medidores Ultra-Sônicos José Paulo C. Santana PETROBRAS G&E 7/8/2012 1- Conceitos básicos 2-Portarias ANP & INMETRO 3- Desenvolvimento da tecnologia 4-Características comparativas

Leia mais

UMG 103 Equipamento de medição universal. para montagem em trilho DIN UMG 103

UMG 103 Equipamento de medição universal. para montagem em trilho DIN UMG 103 UMG 103 UMG 103 Equipamento de medição universal para montagem em trilho DIN Os dispositivos de medição universal da família de produtos UMG 103 foram principalmente concebidos para serem utilizados em

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA MEDIDORES TURBINA E ROTATIVOS ÍNDICE DE REVISÕES

PROCEDIMENTO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA MEDIDORES TURBINA E ROTATIVOS ÍNDICE DE REVISÕES UNIDADE: GERAL 1 de 14 ÍNDICE DE REVISÕES Rev. 0 EMISSÃO INICIAL DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS Rev. 0 Rev. 1 Rev. 2 Rev. 3 Rev. 4 Rev. 5 Rev. 6 Rev. 7 Rev. 8 DATA: 11/03/11 ELABORAÇÃO: Volnei VERIFICAÇÃO:

Leia mais

FieldLogger. Apresentação

FieldLogger. Apresentação Solução Completa Ethernet & USB Até 16GB de memória Conversor A/D 24 bits Até 1000 amostras por segundo Apresentação FieldLogger O FieldLogger é um módulo de leitura e registro de variáveis analógicas,

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO Portaria Inmetro /Dimel n.º 260, de 14

Leia mais

Medidores de energia e multimedidores digitais

Medidores de energia e multimedidores digitais Medidores de energia e multimedidores digitais Medição de Energia Elétrica Eficiência Energética Rateio de Energia Elétrica, Água e Gás Medição Horosazonal (Ponta e Fora de Ponta) Sistemas de Comunicação

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. AQUISITOR DE DADOS Modelo A202 Versão 1.04 / Revisão 06

MANUAL DE INSTRUÇÕES. AQUISITOR DE DADOS Modelo A202 Versão 1.04 / Revisão 06 MANUAL DE INSTRUÇÕES AQUISITOR DE DADOS Modelo A202 Versão.04 / Revisão 06 2 ÍNDICE Item Página. Introdução...3 2. Características...4 3. Especificações...5 3. Entradas universais...5 3.2 Saídas a relé...5

Leia mais

Manual de instalação e configuração do módulo de entradas WEBER-REP

Manual de instalação e configuração do módulo de entradas WEBER-REP Manual de instalação e configuração do módulo de entradas WEBER-REP Sumário CONVENÇÕES UTILIZADAS...3 DESCRIÇÃO GERAL...4 VANTAGENS...4 CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS...4 ESPECIFICAÇÕES GERAIS...5 LED DE STATUS

Leia mais

Isoladores de Sinais Convencionais, Alimentados pela Malha

Isoladores de Sinais Convencionais, Alimentados pela Malha Isoladores de Sinais Convencionais, Alimentados pela Malha Isolação simples, fixação por grampos! Transmissão de 20 ma com isolação elétrica. A Tarefa Para prevenir erros de medição ou mesmo destruição

Leia mais

Manual do Usuário PRELIMINAR

Manual do Usuário PRELIMINAR Manual do Usuário PRELIMINAR Introdução O conversor KR-485/USB é a solução rápida e segura para a interface entre o PC e barramentos de comunicação industrial RS-485 ou RS-422. Ao ligar o KR-485/USB à

Leia mais

Manual do usuário Produto: Kit Modular com LPC2368 V1R0 Versão deste manual: 1.1

Manual do usuário Produto: Kit Modular com LPC2368 V1R0 Versão deste manual: 1.1 Manual do técnico/usuário: Produto: Kit Modular Com processador NXP ARM7 LPC2368 Documentos relacionados: Versão deste manual: 1 Revisão deste manual: 1 Data do manual: Abril/2009 Revisado: Julho/2009

Leia mais

Estação Hidrológica Automática Mod. EHA-2

Estação Hidrológica Automática Mod. EHA-2 Estação Hidrológica Automática Mod EHA-2 Fabricantes: JCTM Ltda Xi an Chinastar A Estação Hidrológica Automática EHA-2 é composta por: 01 Sensor Pluviométrico Mod SP-3 (JCTM); 01 Sensor Linimétrico Mod

Leia mais

INFRA-ESTRUTURA PARA INSTALAÇÃO, ATIVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE EILD

INFRA-ESTRUTURA PARA INSTALAÇÃO, ATIVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE EILD ANEXO 5 Contrato de Fornecimento de Serviços de Exploração Industrial de Linhas Dedicadas EILD entre a BRASIL e a OPERADORA INFRA-ESTRUTURA PARA INSTALAÇÃO, ATIVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE EILD Página 1 de 7

Leia mais

Conversor Wi-Fi Serial CWS-0200-XXX-XX. Manual V2.2

Conversor Wi-Fi Serial CWS-0200-XXX-XX. Manual V2.2 Conversor Wi-Fi Serial CWS-0200-XXX-XX Manual V2.2 Parabéns! Você acaba de adquirir o Conversor Wi-Fi Serial CWS-0200, orgulhosamente desenvolvido e fabricado no Brasil. Este é um produto de alta confiabilidade

Leia mais

SMR - Sistema de Medição Remota

SMR - Sistema de Medição Remota Data da 1 / 12 SUMÁRIO: 1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3. DEFINIÇÕES 4. MÃO-DE-OBRA EMPREGADA 5. EPI S 6. DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA 7. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DOS HIDROMÊTROS 8. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

Leia mais

Série 7E - Medidor de energia. Características SÉRIE 7E

Série 7E - Medidor de energia. Características SÉRIE 7E Série 7 - Medidor de energia SÉRI 7 7.23.8.230.0001 7.23.8.230.00x0 kwh Medidor de nergia Monofásico com display LCD retroiluminado multifunção Tipo 7.23 5(32) - largura de 1 módulo Conforme as normas

Leia mais

CD-400 Somador de Sinal

CD-400 Somador de Sinal CD-400 Parabéns por ter adquirido um dos produtos da empresa Fertron, uma empresa que tem orgulho de ser brasileira, atendendo clientes em todo o território nacional e também em diversos países. Nossa

Leia mais

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados Solução Completa em Automação FieldLogger Registro e Aquisição de Dados Ethernet & USB Até 16GB de memória Conversor A/D 24 bits Até 1000 amostras por segundo Apresentação FieldLogger O FieldLogger é um

Leia mais

Introdução TIA/EIA-422 TIA/EIA-485. Conceitos Básicos de RS-485 e RS-422

Introdução TIA/EIA-422 TIA/EIA-485. Conceitos Básicos de RS-485 e RS-422 Introdução As normas RS-485 e RS-422 definem esquemas de transmissão de dados balanceados que oferecem soluções robustas para transmitir dados em longas distâncias em ambientes ruidosos. Estas normas não

Leia mais

PCPT 4 ( com 4 entradas para sensores RTD Pt100Ω ) PCPT4 SmA ( com 4 entradas para sensores RTD Pt100Ω e saída 4... 20mA )

PCPT 4 ( com 4 entradas para sensores RTD Pt100Ω ) PCPT4 SmA ( com 4 entradas para sensores RTD Pt100Ω e saída 4... 20mA ) MANUAL DE OPERAÇÃO PCPT 4 ( com 4 entradas para sensores RTD Pt100Ω ) PCPT4 SmA ( com 4 entradas para sensores RTD Pt100Ω e saída 4... 20mA ) VERSÃO 4.04 RELÉ DE PROTEÇÃO TÉRMICA ( ANSI 23/26/49 ) CONTROLE

Leia mais

Especificação técnica do Video Wall do Tipo I (5m²)

Especificação técnica do Video Wall do Tipo I (5m²) Especificação técnica do Video Wall do Tipo I (5m²) 1. Esta Especificação destina-se a orientar as linhas gerais para o fornecimento de equipamentos. Devido às especificidades de cada central e de cada

Leia mais

Microgeração Características dos Equipamentos

Microgeração Características dos Equipamentos Microgeração Características dos Equipamentos Elaborado por: Martifer Solar, S.A MARTIFER SOLAR SA Março de 2008 Zona Industrial Apartado 17 3684-001 Oliveira de Frades Tlf: +351 232 767 700 Fax: +351

Leia mais

Informações e Requisitos para o software NextSoft para 2016

Informações e Requisitos para o software NextSoft para 2016 Informações e Requisitos para o software NextSoft para 2016 Neste documento, você encontrará informações sobre: Parte 1 Informações sobre requisitos técnicos do computador, impressoras, e demais questões

Leia mais

Conversor Ethernet Serial CES-0200-XXX-XX. Manual V3.9

Conversor Ethernet Serial CES-0200-XXX-XX. Manual V3.9 Conversor Ethernet Serial CES-0200-XXX-XX Manual V3.9 Parabéns! Você acaba de adquirir o Conversor Ethernet Serial CES-0200 que orgulhosamente foi desenvolvido e produzido no Brasil. Este é um produto

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES GERAIS

CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES GERAIS CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES GERAIS Instalação do sistema de geração de ozônio na piscina coberta do Centro de Atividades do SESC Ceilândia. Brasília-DF COMAP/DIAD Página 1 BASES TÉCNICAS PARA

Leia mais

Transmissor de Pressão Submersível 2.75

Transmissor de Pressão Submersível 2.75 Folha de Dados Transmissor de Pressão Submersível 2.75 Geral Os transmissores de pressão da MJK foram desenvolvidos para medição de nível pela imersão do transmissor de pressão em tanques abertos, poços

Leia mais

TRANSMISSOR INTELIGENTE DE TEMPERATURA TT301 TT301 TECNOLOGIA SMAR INTRODUÇÃO. Uma Família Completa de Instrumentos de Campo

TRANSMISSOR INTELIGENTE DE TEMPERATURA TT301 TT301 TECNOLOGIA SMAR INTRODUÇÃO. Uma Família Completa de Instrumentos de Campo TRANSMISSOR INTELIGENTE DE TEMPERATURA TECNOLOGIA SMAR Uma Família Completa de Instrumentos de Campo INTRODUÇÃO O é um transmissor de temperatura programável, extremamente versátil, que pode ser usado

Leia mais

Condicionadores de Sinais

Condicionadores de Sinais Transmissores/condicionadores de sinal de saída digital e analógica Séries idrn/idrx U Saída Analógica ou Digital U Modelos disponíveis para: termopar, RTD, tensão de processo e corrente, deformação/tensão

Leia mais

ERRATA/ADENDO (versão português)

ERRATA/ADENDO (versão português) TÉRMINO DE REFERENCIA PROJETO BRA/04/044 A1125 ERRATA/ADENDO (versão português) A) Pag. 15 Edital ITB 25082 2. ESPECIFICAÇÃO DO PRODUTO Relação dos produtos a serem adquiridos: Lote Produtos / Especificações

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA. RÁDIO DIGITAL PDH SHF (1+1) 4x2, 8x2, 16x2 Mbps 02.112-TI/SI 1410. Revisão C

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA. RÁDIO DIGITAL PDH SHF (1+1) 4x2, 8x2, 16x2 Mbps 02.112-TI/SI 1410. Revisão C ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA RÁDIO DIGITAL PDH SHF (1+1) 4x2, 8x2, 16x2 Mbps 02.112-TI/SI 1410 Revisão C SUPERINTENDÊNCIA DE TELECOMUNICAÇÕES E INFORMÁTICA - TI GERÊNCIA DE SUPORTE EM INFRA-ESTRUTURA DE TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

Wireless Solutions BROCHURE

Wireless Solutions BROCHURE Wireless Solutions BROCHURE JUNHO 203 info@novus.com.br www.novus.com.br REV0803 Produto beneficiado pela Legislação de Informática. Transmissor de Temperatura e Umidade RHT-Air ISO 900 EMPRESA CERTIFICADA

Leia mais

Gabinete de controle Rosemount

Gabinete de controle Rosemount Gabinete de controle Rosemount para sistemas de medição de tanques Folha de dados do produto Outubro de 2015 00813-0122-1860, Rev AA co Simplifique a instalação da sala de controle. conomize no tempo de

Leia mais

Coletor de dados MensorNet

Coletor de dados MensorNet Coletor de dados MensorNet ML485 Edição 02/2011 Especificações Técnicas Por favor, leia integralmente estas instruções antes de ligar o equipamento. Descrição do Sistema O coletor de dados ML485 é parte

Leia mais

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104 UMG 104 UMG 104-Mais do que um ples Multímetro O UMG 104 equipado com um DSP de 500 MHz (processador de sinal digital) é um analisador de tensão muito rápido e potente. A varredura contínua dos 8 canais

Leia mais

Driver da KODAK D4000 Duplex Photo Printer para WINDOWS

Driver da KODAK D4000 Duplex Photo Printer para WINDOWS ReadMe_Driver.pdf 11/2011 Driver da KODAK D4000 Duplex Photo Printer para WINDOWS Descrição O driver da D4000 Printer é um driver da impressora MICROSOFT personalizado para uso com a D4000 Duplex Photo

Leia mais

Dados técnicos. Polaridade de saída Intervalo seguro de comutação s a 0... 7 mm Dados característicos Condições de montagem B. 5 mm C.

Dados técnicos. Polaridade de saída Intervalo seguro de comutação s a 0... 7 mm Dados característicos Condições de montagem B. 5 mm C. 0102 Designação para encomenda Características 10 mm não nivelado forma plana Entalhe de montagem para agrupador de cabos Dados técnicos Dados gerais Função do elemento de comutação Contacto de trabalho

Leia mais

Easy Lab. Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14. www.dma.ind.br. DMA Electronics 1

Easy Lab. Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14. www.dma.ind.br. DMA Electronics 1 Easy Lab Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14 www.dma.ind.br DMA Electronics 1 A DMA ELECTRONICS projeta e fabrica sistemas para aquisição e registro de dados com conexão a um computador do tipo PC.

Leia mais

Gerenciador de energia HX-600

Gerenciador de energia HX-600 26 Gerenciador de energia HX-600 Solução WEB Energy O Gerenciador HX-600 possui tecnologia de ponta em sistemas de controle de demanda e fator de potência. Trata-se de um equipamento com design moderno

Leia mais

MATERIAL SOBRESSALENTE PARA MEDIÇÃO REMOTA (Transmissor de pressão e temperatura) PREÂMBULO

MATERIAL SOBRESSALENTE PARA MEDIÇÃO REMOTA (Transmissor de pressão e temperatura) PREÂMBULO MATERIAL SOBRESSALENTE PARA MEDIÇÃO REMOTA (Transmissor de pressão e temperatura) PREÂMBULO Termo de Participação, via meio eletrônico, para a seleção da melhor proposta para aquisição por dispensa de

Leia mais

Descrição da Solução

Descrição da Solução Descrição da Solução Índice 1 Âmbito... 4 2 Solução... 5 3 Requisitos para instalação... 6 4 Arquitetura... 7 5 Software de Exploração Kisense... 8 5.1 Módulo Explorador de Dados... 8 5.2 Módulo Atuação...

Leia mais

Manual de Instruções de Operação e Manutenção. THP Transmissor de Posição Por Efeito Hall

Manual de Instruções de Operação e Manutenção. THP Transmissor de Posição Por Efeito Hall Manual de Instruções de Operação e Manutenção THP Transmissor de Posição Por Efeito Hall 1. INFORMAÇÕES GERAIS... 3 2. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS... 3 3. DESENHO DIMENSIONAL... 4 3.1 DIMENSÕES THP ROTATIVO...

Leia mais

KPF08 e KPF-12. Controladores de Fator de Potência. [1] Introdução. [4] Grandezas medidas. [2] Princípio de funcionamento.

KPF08 e KPF-12. Controladores de Fator de Potência. [1] Introdução. [4] Grandezas medidas. [2] Princípio de funcionamento. [1] Introdução Controladores de fator de potência são instrumentos utilizados para medição e compensação de potência reativa em instalações elétricas. O fator de potência, definido pela razão entre potência

Leia mais

Multimedidores Inteligentes IDM96 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf. ABB Automação. Hartmann & Braun

Multimedidores Inteligentes IDM96 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf. ABB Automação. Hartmann & Braun Multimedidores Inteligentes IDM96 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf ABB Automação Hartmann & Braun Índice 1. IBIS_BE_CNF - DEFINIÇÃO... 3 2. INSTALAÇÃO... 3 2.1. PRÉ-REQUISITOS PARA INSTALAÇÃO... 3 3.

Leia mais

Especificação Técnica ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE REQUISITOS DE CALIBRAÇÃO ÍNDICE DE REVISÕES

Especificação Técnica ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE REQUISITOS DE CALIBRAÇÃO ÍNDICE DE REVISÕES UNIDADE: GERAL 1 de 7 ÍNDICE DE REVISÕES Rev. 0 EMISSÃO INICIAL DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS Rev. 0 Rev. 1 Rev. 2 Rev. 3 Rev. 4 Rev. 5 Rev. 6 Rev. 7 Rev. 8 DATA: 19/09/14 ELABORAÇÃO: Volnei VERIFICAÇÃO:

Leia mais

Na Placa de Comando estão montados os circuitos para partida direta, partida direta com reversão e partida estrelatriângulo;

Na Placa de Comando estão montados os circuitos para partida direta, partida direta com reversão e partida estrelatriângulo; 1) BANCADA PRINCIPAL MODELO POL-110 Fabricada em estrutura de alumínio, constituída por dois postos de trabalho que servirão de base para utilização de qualquer um dos kits didáticos a serem adquiridos.

Leia mais

Multimedidores Inteligentes MGE G3 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf. ABB Automação. Hartmann & Braun

Multimedidores Inteligentes MGE G3 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf. ABB Automação. Hartmann & Braun Multimedidores Inteligentes MGE G3 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf ABB Automação Hartmann & Braun Índice 1. IBIS_BE_CNF - DEFINIÇÃO... 3 2. INSTALAÇÃO... 3 2.1. PRÉ-REQUISITOS PARA INSTALAÇÃO... 3

Leia mais

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas administrativos da empresa. Nessa configuração, o PC é a

Leia mais

Portaria Inmetro/Dimel nº 0085, de 03 de junho de 2014.

Portaria Inmetro/Dimel nº 0085, de 03 de junho de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria Inmetro/Dimel nº 0085, de 03 de junho de

Leia mais

Proposta Técnica NOBREAK TOP-DSP

Proposta Técnica NOBREAK TOP-DSP Proposta Técnica NOBREAK TOP-DSP Informações Gerais A linha de nobreaks TOP-DSP é um avançado Sistema Ininterrupto de Potência (UPS) do tipo on-line de dupla conversão (de acordo com a NBR 15014:2003),

Leia mais

No-Break Monofásico Powerware 5125

No-Break Monofásico Powerware 5125 UNINTERRUPTABLE POWER SYSTEMS NoBreak Monofásico Powerware 5125 Dados Principais do Produto Características Sistema ABM Plus (Gerenciamento Avançado de Baterias), que dobra a vida útil das baterias Saída

Leia mais

UNIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS DE CONTAGEM

UNIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS DE CONTAGEM ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 441 27 de abril de 2012 Página 2 de 13 ÍNDICE Registo das revisões... 4 1. Objectivo... 5 2. Âmbito... 5 3. Referências... 5 3.1. Externas... 5 3.2. Internas... 5 4. Definições

Leia mais

Registrador Field Logger

Registrador Field Logger Registrador Field Logger REGISTRADOR ELETRÔNICO MANUAL DE INSTRUÇÕES V2.0X INTRODUÇÃO Este é um equipamento de aquisição e registro de variáveis analógicas. Opera como um Registrador Eletrônico de dados,

Leia mais

PHD TR MD 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 1.1 CARACTERÍSTICAS BÁSICAS. 1.1.1. Sistema Hot-plug e Hot-Swap de acréscimo ou desligamento de módulos;

PHD TR MD 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 1.1 CARACTERÍSTICAS BÁSICAS. 1.1.1. Sistema Hot-plug e Hot-Swap de acréscimo ou desligamento de módulos; PHD TR MD 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 1.1 CARACTERÍSTICAS BÁSICAS 1.1.1. Sistema Hot-plug e Hot-Swap de acréscimo ou desligamento de módulos; 1.1.2. Módulos de potência em formato rack 19, altura 3U; 1.1.3.

Leia mais

Desenvolvimento de um Sistema de Telemedição de Energia Elétrica com Controle por Demanda e Monitoramento de Faltas em BT

Desenvolvimento de um Sistema de Telemedição de Energia Elétrica com Controle por Demanda e Monitoramento de Faltas em BT XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Desenvolvimento de um Sistema de Telemedição de Energia Elétrica com Controle por

Leia mais

Série 88970 Controlador Lógico Programável Millenium 3

Série 88970 Controlador Lógico Programável Millenium 3 Gama completa de versões Programação intuitiva Integra a mais completa biblioteca de funções pré-programadas Funções especiais disponíveis Versões expansíveis até 50 E/S, comunicação entre CLP s e intercâmbio

Leia mais

Especificação Técnica ÍNDICE DE REVISÕES

Especificação Técnica ÍNDICE DE REVISÕES UNIDADE: GERAL 1 de 15 ÍNDICE DE REVISÕES Rev. 0 EMISSÃO INICIAL DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS 1 2 6.1.6-b inclusão: repetibilidade de 0,1% (zero virgula um por cento); 6.1.7 inclusão: Desvio padrão

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Manual de Operação e Instalação Transmissor de nível Cod: 073AA-005-122M Rev. A Série LT-200 Fevereiro / 2004 S/A. Rua João Serrano, 250 Bairro do Limão São Paulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

Sistema de Detecção de Vazamento de Gás

Sistema de Detecção de Vazamento de Gás Manual do Sistema Blockgas SB330 CB530 SB330 SB80 atende normas: NBR16186 de 06/2013 NBR16069 de 04/2010 NR 36 Apresentação do sistema: Composto por 3 módulos de equipamentos eletrônicos e 1 software de

Leia mais

Multimedidor Portátil MPK

Multimedidor Portátil MPK [1] Introdução O Multimedidor Portátil é um instrumento que facilita a análise de instalações elétricas em campo com alta flexibilidade. A solução é composta de: Multimedidor: Instrumento digital microprocessado,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA AUTOR MATRÍCULA RUBRICA LEONARDO ALEX COSTA ALVES 14.722-35 VALIDADOR MATRÍCULA RUBRICA ALEX TAKASHI YOKOYAMA 16.

TERMO DE REFERÊNCIA AUTOR MATRÍCULA RUBRICA LEONARDO ALEX COSTA ALVES 14.722-35 VALIDADOR MATRÍCULA RUBRICA ALEX TAKASHI YOKOYAMA 16. TERMO DE REFERÊNCIA AQUISIÇÃO DE SISTEMA ININTERRUPTO DE ENERGIA - NO-BREAK, PARA A SUPERINTENDENCIA REGIONAL DO NORTE, PELO SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS. AUTOR MATRÍCULA RUBRICA LEONARDO ALEX COSTA ALVES

Leia mais

Portaria Inmetro/Dimel/n.º 0208, de 05 de julho de 2011.

Portaria Inmetro/Dimel/n.º 0208, de 05 de julho de 2011. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL- INMETRO Portaria Inmetro/Dimel/n.º 0208, de 05

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 068

Norma Técnica SABESP NTS 068 Norma Técnica SABESP NTS 068 Medidor de vazão ultrassônico tipo CLAMP-ON Especificação São Paulo Revisão 02 - Agosto / 2012 NTS 068 : 2012 Revisão 2 Norma Técnica SABESP S U M Á R I O 1 OBJETIVO... 1 2

Leia mais

DigitalFlow GF868. Medidor ultrassônico de vazão mássico para gás de flare da Panametrics. GE Sensing. Características. Aplicações

DigitalFlow GF868. Medidor ultrassônico de vazão mássico para gás de flare da Panametrics. GE Sensing. Características. Aplicações Aplicações Características O medidor de vazão DigitalFlow GF868 é um sistema completo de medição de vazão ultrassônica para: Gás de flare Controlar ou impedir perdas em vazamentos, com identificação positiva

Leia mais

Medidores de Vazão. Gerenciando seu consumo de energia

Medidores de Vazão. Gerenciando seu consumo de energia Medidores de Vazão Gerenciando seu consumo de energia O time que você quer ao seu lado Conheça a equipe A Spirax Sarco proporciona Conhecimento, Serviços e Produtos em todo o mundo para o controle e bom

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções SE 630 (X) MS MEMO SENS Manual de Instruções Sensor de Condutividade de 2 Eletrodos www.knick.de Manual de Instruções Sensor de Condutividade de 2 Eletrodos SE 630 Memosens Não deixe de ler e seguir as

Leia mais

Cerne Tecnologia e Treinamento

Cerne Tecnologia e Treinamento Tecnologia e Treinamento Tutorial para Testes no conversor RS232 Ethernet (21)4063-9798 (11)4063-1877 Skype: cerne-tec MSN: cerne-tec@hotmail.com www.cerne-tec.com.br Kits Didáticos e Gravadores da

Leia mais

Engine Management systems WB-O2. Condicionador para Sensor Lambda Banda Larga (Wide Band) Manual de Instalação e Especificações Técnicas

Engine Management systems WB-O2. Condicionador para Sensor Lambda Banda Larga (Wide Band) Manual de Instalação e Especificações Técnicas Engine Management systems WB-O2 Condicionador para Sensor Lambda Banda Larga (Wide Band) Manual de Instalação e Especificações Técnicas Índice 1. Atenção!... 3 2. Apresentação... 4 3. Características...

Leia mais

Manual Rain Logger Versão 2.2

Manual Rain Logger Versão 2.2 Manual Rain Logger Versão 2.2 1. Rain Logger O Rain Logger desenvolvido pela Solinst é designado pra registrar os pulsos gerados por um pluviômetro, a taxas originais de um registro por hora. O Rain Logger

Leia mais

Informações e Requisitos para o software NextSoft para 2015

Informações e Requisitos para o software NextSoft para 2015 Informações e Requisitos para o software NextSoft para 2015 Atenção: Neste documento, você encontrará informações sobre: Parte 1 Informações sobre requisitos técnicos do computador, impressoras, e demais

Leia mais

WebGate Plus PO9901. Descrição do Produto. Dados para Compra. Itens Integrantes. Código do Produto

WebGate Plus PO9901. Descrição do Produto. Dados para Compra. Itens Integrantes. Código do Produto Descrição do Produto A interface de comunicação WebGate Plus,, permite que controladores programáveis Altus e outros equipamentos com protocolo ALNET I escravo possam ser conectados a uma rede Ethernet.

Leia mais

Estações Hidrológica Automática. Acompanha. Especificações Técnicas HIDROLOGIA

Estações Hidrológica Automática. Acompanha. Especificações Técnicas HIDROLOGIA Estações Hidrológica Automática A Estação Hidrológica Automática EHA-2N é um sistema combinado de medição para nível e chuva com coleta de dados por meio de PC com comunicação via USB e transmissão de

Leia mais

Transmissor de Pressão Capacitivo

Transmissor de Pressão Capacitivo Opcional: Selo Flush Sensor cerâmico capacitivo com diafragma em AI203, 99,9% Circuito Eletrônico em compartimento isolado Fácil Programação - Totalmente acessível pela parte frontal do instrumento com

Leia mais

Submódulo 12.2. Instalação do sistema de medição para faturamento

Submódulo 12.2. Instalação do sistema de medição para faturamento Submódulo 2.2 Instalação do sistema de medição para faturamento Rev. Nº. Motivo da revisão Data de aprovação pelo ONS Data e instrumento de aprovação pela ANEEL 0 Este documento foi motivado pela criação

Leia mais

DigiRail-VA. MANUAL DE INSTRUÇÕES - V1.0x B

DigiRail-VA. MANUAL DE INSTRUÇÕES - V1.0x B MANUAL DE INSTRUÇÕES - V1.0x B CARACTERÍSTICAS GERAIS... 2 ESPECIFICAÇÕES... 3 INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO... 4 INSTALAÇÃO MECÂNICA... 4 DIMENSÕES... 4 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS E OPERAÇÃO... 4 RECOMENDAÇÕES PARA

Leia mais

SCAIIP-CF Controladora de Acesso TCP/IP Nativo

SCAIIP-CF Controladora de Acesso TCP/IP Nativo Pág.1 DESCRIÇÃO A série de controladoras IP Nativo vem evoluindo nos últimos 12 anos. Criada como uma plataforma nativa IP, esteve sempre à frente das mais novas tecnologias de controle de acesso do mercado

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA MEDIDORES ULTRASÔNICOS ÍNDICE DE REVISÕES

PROCEDIMENTO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA MEDIDORES ULTRASÔNICOS ÍNDICE DE REVISÕES UNIDADE: GERAL 1 de 7 ÍNDICE DE REVISÕES Rev. 0 EMISSÃO INICIAL DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS Rev. 0 Rev. 1 Rev. 2 Rev. 3 Rev. 4 Rev. 5 Rev. 6 Rev. 7 Rev. 8 DATA: 27/06/14 ELABORAÇÃO: Volnei VERIFICAÇÃO:

Leia mais

Anexo XII Memorial Descritivo

Anexo XII Memorial Descritivo Anexo XII Memorial Descritivo 1 - APRESENTAÇÃO: O presente memorial visa descrever as diretrizes básicas que devem ser observadas na reformulação / readequação da iluminação pública da avenida Castelo

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO 7. CONTEÚDO Transformadores para Instrumentos 145 kv 7.1. Geral PG. 7.2. Normas 7.3. Escopo de Fornecimento 7.4. Características Elétricas 7.4.1. Gerais 7.4.2. Transformadores de Corrente 03 7.4.3.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA AQUISIÇÃO E INSTALAÇÃO DO SISTEMA DE SEGURANÇA E CONTROLE DE ACESSO

TERMO DE REFERÊNCIA PARA AQUISIÇÃO E INSTALAÇÃO DO SISTEMA DE SEGURANÇA E CONTROLE DE ACESSO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA DO TRABALHO DA 14ª REGIÃO COMISSÃO DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA AQUISIÇÃO E INSTALAÇÃO DO SISTEMA DE SEGURANÇA E CONTROLE DE ACESSO 1.

Leia mais

Controladores Programáveis Micro CLP. Linha TP 02

Controladores Programáveis Micro CLP. Linha TP 02 Controladores Programáveis Micro CLP Linha TP 02 Os Controladores Programáveis WEG Linha TP caracterizamse pelo seu tamanho compacto e excelente relação custobenefício, considerandose as aplicações a que

Leia mais

Portaria Inmetro nº 373, de 13 de agosto de 2014. CONSULTA PÚBLICA

Portaria Inmetro nº 373, de 13 de agosto de 2014. CONSULTA PÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA INMETRO Portaria Inmetro nº 373, de 13 de agosto de 2014. CONSULTA PÚBLICA OBJETO:

Leia mais

Comunicação via interface SNMP

Comunicação via interface SNMP Comunicação via interface SNMP 1 - FUNCIONAMENTO: Os No-breaks PROTEC possuem 3 interfaces de comunicação: Interface RS232, interface USB e interface SNMP. Todas elas permitem o controle e o monitoramento

Leia mais

Série 7E - Medidor de energia. Características. 7E.23.8.230.00x0

Série 7E - Medidor de energia. Características. 7E.23.8.230.00x0 Características kwh Medidor de Energia Monofásico com visor LCD multifuncional Tipo 7E.23 5(32) - largura de 1 módulo Conforme as normas EN 62053-21 e EN 50470 Visor indica consumo total, consumo parcial

Leia mais

Medidor Powersave V2 USB

Medidor Powersave V2 USB Medidor Powersave V2 USB O medidor é formado por uma caixa plástica contendo uma placa eletrônica, uma tomada macho, uma tomada fêmea, um conector H, um barramento lateral, um conector USB e leds indicativos.

Leia mais

Medidor Eletrônico de Energia em Baixa Tensão com Teleleitura via Tecnologia Bluetooth

Medidor Eletrônico de Energia em Baixa Tensão com Teleleitura via Tecnologia Bluetooth Medidor Eletrônico de Energia em Baixa Tensão com Teleleitura via Tecnologia Bluetooth Bose, R.C. 1 ; Kolm, D. 1 ; Paim, F. 1 ; Caetano,C.D.C. 2 ; Garbelotto,L.A. 2 ; Moraes, R. 1 1 - Engenharia Elétrica

Leia mais

Ligação da rede elétrica 19. Visão lateral fonte. Rede (100 ~240 Vac) 60 Hz. Neutro (Azul Claro 1,5 mm 2 ) Fase (Preto 1,5 mm 2 ) Visão frontal

Ligação da rede elétrica 19. Visão lateral fonte. Rede (100 ~240 Vac) 60 Hz. Neutro (Azul Claro 1,5 mm 2 ) Fase (Preto 1,5 mm 2 ) Visão frontal Ligação da rede elétrica A ligação com a rede elétrica é feita diretamente no módulo placa do carregador e conexões INC 2000, conforme a figura a seguir: Visão lateral fonte Terra (Verde 1,5 mm 2 ) Visão

Leia mais

Controladora CT370 Manual Versão 3.2 Revisão 0 Outubro/2014

Controladora CT370 Manual Versão 3.2 Revisão 0 Outubro/2014 Controladora CT370 Manual Versão 3.2 Revisão 0 Outubro/2014 Sumário 1. Apresentação... 4 2. Itens que Acompanham... 4 3. Especificações Técnicas... 4 4. Características Gerais... 5 5. Visão Geral do Equipamento...

Leia mais

Módulo de Desenvolvimento PIC16F877A

Módulo de Desenvolvimento PIC16F877A Objetivos: Módulo de Desenvolvimento PIC16F877A Realizar programação e projetos com microcontroladores e seus periféricos, integrando sistemas analógicos e digitais com a utilização de compilador (Mikro

Leia mais

CONVERSOR SERIAL PARA REDE TCP/IP DS100B

CONVERSOR SERIAL PARA REDE TCP/IP DS100B CONVERSOR SERIAL PARA REDE TCP/IP DS100B MANUAL DE INSTRUÇÕES Rev.03 Sumário: 1. CARACTERÍSTICAS 2 2. INSTALAÇÃO DO CONVERSOR 2 ALIMENTAÇÃO DS100 COM CENTRAL DE ALARME... 3 ALIMENTAÇÃO DS100 COM PAINEL

Leia mais

Manual de aplicações do CPFLEX

Manual de aplicações do CPFLEX Manual de aplicações do CPFLEX CONTEÚDO Conteúdo... 1 Versão do manual:... 2 Introdução:... 2 Vantagens do uso do CPFLEX com TCP/IP:... 2 Gravação do programa no CPFLEX:... 3 Gravação pela rede ( via ethernet

Leia mais

VIESMANN VITOSOLIC. Dados técnicos VITOSOLIC 100 VITOSOLIC 200. Controlador para sistemas de energia solar

VIESMANN VITOSOLIC. Dados técnicos VITOSOLIC 100 VITOSOLIC 200. Controlador para sistemas de energia solar VIESMANN VITOSOLIC Controlador para sistemas de energia solar Nº de referência e preços: ver lista de preços VITOSOLIC 100 Controlador electrónico por diferença de temperatura Para sistemas com produção

Leia mais

MEDIDOR DE VAZÃO TIPO THERMAL

MEDIDOR DE VAZÃO TIPO THERMAL Características Mede vazão de gás em SCFM, Nm³/h, Kg/h, outros. Mede temperatura de processo do gás. Sinal de Saída: 2 x 4-20mA: para vazão e temperatura; Pulsos para totalização de vazão. RS232 para conexão

Leia mais

MANUAL RÁDIO MODEM COMPACTO 900 MHz RMC-900

MANUAL RÁDIO MODEM COMPACTO 900 MHz RMC-900 MANUAL RÁDIO MODEM COMPACTO 900 MHz RMC-900 Versão 1.01 Infinium Automação Industrial Ltda contato@infiniumautomacao.com.br 1. APRESENTAÇÃO O rádio modem RMC-900 foi projetado para utilização em sistemas

Leia mais

Manual de instalação e configuração do módulo de saídas NSR-08

Manual de instalação e configuração do módulo de saídas NSR-08 Manual de instalação e configuração do módulo de saídas NSR-08 Sumário DESCRIÇÃO GERAL...4 VANTAGENS...4 CARACTERÍSTICAS...4 LED DE STATUS DO MODULO...4 ESQUEMA DE LIGAÇÕES...5 LIGAÇÃO DO CABO DE COMUNICAÇÃO...6

Leia mais

PowerValue 11 7,5-10 - 12 kva (Monofásica)

PowerValue 11 7,5-10 - 12 kva (Monofásica) Descrição Técnica PowerValue 11 7,5-10 - 12 kva (Monofásica) Monofásica, On-line de Dupla-Conversão, VFI Fonte de Alimentação Não Interruptível (UPS) ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 7,5-10-12 kva (entrada e saída

Leia mais

CONSULTA TÉCNICA Nº 006/2015 (PERGUNTAS E RESPOSTAS) NOTEBOOK

CONSULTA TÉCNICA Nº 006/2015 (PERGUNTAS E RESPOSTAS) NOTEBOOK ((TITULO))CONSULTA TÉCNICA Nº 006/2015 (PERGUNTAS E RESPOSTAS) NOTEBOOK ((TEXTO))Aos 4 dia(s) do mês de maio do ano de 2015, às 10h, na sede da Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Município

Leia mais

Boletim Técnico. TÍTULO: APRESENTAÇÃO DO NOVO GATEWAY MODBUS (RTU e TCP/IP) HCA64MB - SUBSTITUINDO a HARCMODBUS.

Boletim Técnico. TÍTULO: APRESENTAÇÃO DO NOVO GATEWAY MODBUS (RTU e TCP/IP) HCA64MB - SUBSTITUINDO a HARCMODBUS. Maio / 2015 Página 01/05 TÍTULO: APRESENTAÇÃO DO NOVO GATEWAY MODBUS (RTU e TCP/IP) HCA64MB - SUBSTITUINDO a HARCMODBUS. SUMÁRIO: Este tem como objetivo apresentar o novo Gateway Modbus para a linha Set

Leia mais

CONVERSORES DE FREQÜÊNCIA Instruções para Instalação de Conversores de Freqüência

CONVERSORES DE FREQÜÊNCIA Instruções para Instalação de Conversores de Freqüência CONVERSORES DE FREQÜÊNCIA Instruções para Instalação de Conversores de Freqüência Edição 08.2007 A&D CS Suporte Técnico Drives HotLine Índice 1. Introdução 2. Condições Ambientais de Operação 2.1 Poluição

Leia mais