ESCOLA DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS EXATAS CAMPI NATAL E MOSSORÓ EDITAL DO EXAME INTEGRADO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCOLA DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS EXATAS CAMPI NATAL E MOSSORÓ EDITAL DO EXAME INTEGRADO 2013.1"

Transcrição

1 ESCOLA DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS EXATAS CAMPI NATAL E MOSSORÓ EDITAL DO EXAME INTEGRADO A Escola de Engenharias e Ciências Exatas da Universidade Potiguar, com base no Regulamento Geral do EXIN, publicado em 12 de março de 2013, tornam públicos os critérios para a realização do Exame Integrado, denominado EXIN, tanto em Natal quanto em Mossoró, mediante as disposições contidas neste edital. Art. 1º - Art. 2º - Art. 3º - Art. 4º - Art. 5º - Os cursos da Escola de Engenharias e Ciências Exatas são: Arquitetura e Urbanismo, Engenharia Ambiental, Engenharia de Computação, Engenharia Civil, Engenharia de Produção, Engenharia Petróleo e Gás, CST em Petróleo e Gás, CST em Segurança no Trabalho e Sistemas de Informação. Todos os alunos matriculados regularmente desde a 3ª série até a última série regular de todos os cursos destas Escolas, tanto em Natal quanto em Mossoró, estão automaticamente inscritos no Exame Integrado. O Exame Integrado é uma avaliação que visa capacitar o aluno à realização de avaliações com características similares às de concursos públicos e do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade), além de servir como instrumento de aferição do conhecimento adquirido pelo aluno até aquele ponto do curso. O resultado obtido pelo aluno corresponderá a 50% (cinqüenta por cento) do valor final da nota da Primeira Unidade (U1) de todas as disciplinas da série regular em que o aluno estiver atualmente matriculado, devendo ser obedecida a seguinte fórmula: U1 = Av.1 (10,0) + EXIN (10,0) 2 Caso o aluno deixe de fazer o exame integrado, poderá solicitar Segunda Chamada de acordo com os procedimentos previstos no Manual do Aluno e, se deferida, será submetido após o final da Segunda Unidade a um novo Exame Integrado nos mesmos moldes deste. Entretanto o conteúdo cobrado no novo Exame Integrado será o acumulado até o final da Segunda Unidade da respectiva série. 1 o Cada Coordenação de Curso determinará e informará aos alunos e docentes até trinta dias antes do final da Unidade II (U2) a data de realização da Se- 1

2 Art. 6º - Art. 7º - Art. 8º - Art. 9º - Art. 10º - Art. 11º - Art. 12º - Art. 13º - gunda Chamada do EXIN e se encarregará de divulgar os gabaritos e resultados. 2 o O Gabarito da Segunda Chamada do EXIN será divulgado no Painel de Orientação de cada Campus em até 24h úteis a contar da data da realização da Segunda Chamada do EXIN e a comunicação das notas será feita pelos docentes em tempo hábil para que o aluno possa realizar, se necessário, a Avaliação Formal de Recuperação com a informação da sua nota na Segunda Chamada do EXIN. 3 o Alunos com necessidades especiais devem apresentar suas demandas à Coordenação do seu Curso em até 5(cinco) dias úteis antes da data prevista para a realização da Segunda Chamada do EXIN. Os alunos matriculados em disciplinas isoladas no regime de dependência ou adaptação não se submeterão ao Exame Integrado correspondente à disciplina nesse regime. Para estes casos, as demais atividades da disciplina valerão 100% (cem por cento) da nota da Primeira Unidade da respectiva disciplina. Cada aluno deverá realizar o Exame Integrado na sua respectiva sala de aula, a qual está frequentando em série regular. O Exame Integrado será realizado nos dias: quarta-feira, 24 de abril de 2013 e quinta-feira, 25 de abril de 2013, com duração total de 4 (quatro) horas, iniciando-se às 7h30 para os alunos regularmente matriculados no turno Matutino, às 13h45 para os alunos regularmente matriculados no turno Vespertino e às 18h30 para os alunos regularmente matriculados no turno Noturno. O acesso às salas de prova será liberado 30 (trinta) minutos antes do início desta. O aluno deverá comparecer ao local designado para a realização do Exame Integrado com antecedência mínima de 20 (vinte minutos) do horário fixado para o seu início, munido somente de caneta esferográfica de tinta azul ou preta, fabricada em material transparente, e do documento de identidade original. Não será permitida a entrada de alunos para as provas após 45 (quarenta e cinco) minutos do início das provas. Não será permitida a saída de nenhum aluno, em qualquer hipótese, antes de decorridos 60 (sessenta) minutos, a contar do horário de início. O aluno deverá assinar a Lista de Presença, sob pena de ter resultado 0,0 (zero) atribuído ao seu Exame. 2

3 Art. 14º - Art. 15º - Art. 16º - Art. 17º - Art. 18º - Art. 19º - Art. 20º - Imediatamente antes de se retirar da sala, o aluno deverá checar se a Folha de Respostas está devidamente identificada e preenchida e entregá-la ao fiscal de prova, sob pena de ter resultado 0,0 (zero) atribuído ao seu Exame. O Caderno de Prova poderá ser levado pelo aluno ao se retirar da sala. O Exame Integrado será composto de 10 (dez) questões de Habilidades e Conhecimentos Gerais, 20 (vinte) questões de Habilidades e Conhecimentos Específicos cumulativos da série e 10 (dez) questões de Habilidades e Conhecimentos Específicos cumulativos do curso, totalizando 40 questões objetivas. O Exame Integrado visa avaliar as seguintes habilidades nos alunos: Interpretar, Compreender e Analisar: textos, gráficos, tabelas, figuras, fotos e charges; Estabelecer Comparações, Contextualizações, Relações, Contrastes e Reconhecer diferentes manifestações artísticas; Elaborar sínteses e Extrair conclusões; Criticar, Argumentar, Opinar, Propor soluções e Fazer escolhas. As questões serão objetivas e conterão 05 (cinco) alternativas, das quais apenas uma será considerada correta. O aluno deverá, obrigatoriamente, marcar, para cada questão, no máximo, um dos campos da Folha de Respostas, sob pena ter pontuação 0,0 (zero) para a referida questão. A questão objetiva sem marcação na Folha de Respostas terá pontuação 0,0 (zero) atribuída à mesma. As questões terão peso igual no resultado do Exame Integrado que será divulgado na escala de 0,0 (zero) a 10,0 (dez) pontos. As questões de Habilidades e Conhecimentos Gerais serão formuladas com base no conteúdo disposto a seguir: Arte, cultura e filosofia; Avanços tecnológicos; Ciência, tecnologia e inovação; Democracia, ética, cidadania e direitos humanos; Ecologia e biodiversidade; Globalização e geopolítica; Políticas públicas: educação, habitação, saneamento, saúde, transporte, segurança, defesa, desenvolvimento sustentável; Relações de trabalho; Responsabilidade social e redes sociais: setor público, privado, terceiro setor; Sociodiversidade: multiculturalismo, tolerância, inclusão/exclusão (inclusive digital), relações de gênero e minorias; Tecnologias de Informação e Comunicação; Vida urbana e rural; Violência e terrorismo; Relações interpessoais; Propriedade intelectual; Diferentes mídias e tratamento da informação. As questões de Habilidades e Conhecimentos Específicos serão formuladas com base no conteúdo acumulativo de cada curso, desde a segunda série até a primeira unidade da série atual em que o aluno está matriculado. A lista deste conteúdo esta no anexo deste edital. 3

4 Art. 21º - Art. 22º - Art. 23º - Art. 24º - Terá sua prova anulada e atribuída a nota 0,0 (zero), o aluno que, durante a sua realização: a) for surpreendido dando e/ou recebendo auxílio para a execução das provas; b) utilizar-se de Livros, dicionários, notas e/ou impressos que não forem expressamente permitidos e/ou que se comunicar com outro examinando; c) for surpreendido portando aparelhos eletrônicos, tais como, mas não limitandose, a: bipe, telefone celular, walkman, agenda eletrônica, notebook, palmtop, receptor, gravador, máquina de calcular, máquina fotográfica, etc., bem como óculos escuros ou quaisquer acessórios de chapelaria, tais como chapéu, boné, gorro etc., e ainda lapiseira, borracha e/ou corretivo de qualquer espécie; d) faltar com o devido respeito para com qualquer membro da equipe de aplicação das provas, com os docentes, monitores e colaboradores presentes e/ou com os demais alunos; e) não entregar o material das provas e/ou continuar escrevendo após o término do tempo destinado para a sua realização; f) afastar-se da sala, a qualquer tempo, sem o acompanhamento de fiscal; g) ausentar-se da sala, a qualquer tempo, portando a Folhas de Respostas; h) descumprir as instruções contidas nos cadernos de prova; i) perturbar, de qualquer modo, a ordem dos trabalhos, incorrendo em comportamento indevido; j) utilizar ou tentar utilizar meios fraudulentos ou ilegais para obter aprovação própria ou de terceiros, em qualquer momento do EXIN; k) impedir a coleta de sua assinatura; l) for surpreendido portando caneta fabricada em material não transparente; m) for surpreendido portando anotações em papéis que não os permitidos; e n) recusar-se a ser submetido a qualquer procedimento que vise garantir a lisura e a segurança do processo de aplicação do Exame. Parágrafo Único O uso de calculadoras será regulado por cada Coordenação de Curso que permitirá ou não o uso e especificará ou não o tipo de calculadoras de acordo com as especificidades e complexidade de cada prova. Quaisquer embalagens de produtos do gênero alimentício trazidos para a sala estarão sujeitas à inspeção pelo Fiscal presente na sala. O Gabarito do Exame Integrado será divulgado no Painel de Orientação de cada Campus no dia 26 de abril de 2013 e as notas serão digitadas no sistema, pelos docentes, até o dia 04 de maio de Alunos com necessidades especiais devem apresentar suas demandas à Coordenação do seu Curso até o dia 09 de Abril de Os pedidos de revisão de resultados deverão ser submetidos à Coordenação do seu Curso de acordo com os procedimentos previstos no Manual do Aluno, con- 4

5 Art. 25º - Art. 26º - siderando-se como data da divulgação do resultado o dia no dia 26 de abril de Qualquer requerimento que trate de assunto relativo ao Exame Integrado deverá ser encaminhado por escrito pelo aluno à Coordenação do seu Curso, através da Central de Atendimento. Os casos omissos relativos ao Exame Integrado serão resolvidos encaminhados pelos Coordenadores de Curso à Comissão de Avaliação designada pela Direção da Escola de Engenharias e Ciências Exatas. Natal/RN, 15 de março de Catarina de Sena Matos Pinheiro Diretora da Escola de Engenharias e Ciências Exatas 5

6 ANEXO QUADRO DOS CONTEÚDOS DE HABILIDADES E CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CURSO SÉRIE DISCIPLINA CONTEÚDO TODOS Todas CONHECIMENTOS GERAIS Arte e cultura; avanços tecnológicos; ciência, tecnologia e inovação; democracia, ética e cidadania; ecologia/biodiversidade; globalização e geopolítica; políticas públicas: educação, habitação, saneamento, saúde, transporte, segurança, defesa, desenvolvimento sustentável; relações de trabalho; responsabilidade social: setor público, privado, terceiro setor; sociodiversidade: multiculturalismo, tolerância, inclusão/exclusão, relações de gênero; tecnologias de Informação e Comunicação; vida urbana e rural; violência. ARQUITETURA E URBANISMO 3ª CONFORTO TÉRMICO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - 1- Introdução - O que é conforto térmico? - Conceitos fundamentais de calor - Inércia térmica, Albedo, Condução, Convecção, Radiação, Evapo-transpiração - Mecanismo de trocas térmicas - Higronometria e Pressão - Técnicas de medições dos fatores ambientais - Comportamento térmico da construção ganhos térmicos - 2- Trocas Térmicas - Traçado de sombras no arquitetônico e no urbano - Máscara de Sombra - Carta Solar - 3- Geometria da insolação - Penetração do sol pelas aberturas - Determinação gráfica dos dispositivos de proteção solar - 4- Macro, Meso e Microclima - 5- Clima e Arquitetura (adequação da arquitetura ao clima) e a Bioclimatologia - 6- Climatização Natural dos Edifícios - 7- Métodos de avaliação do desempenho térmico das edificações CRIATIVIDADE E VISUALI- ZAÇÃO 3D Educação do movimento da mão. Geometria dos corpos; Aplicação das construções fundamentais. 6

7 INTRODUÇÃO ÀS ESTRU- TURAS PROJETO DE ARQUITETU- RA: PERCEPÇÃO DO ES- PAÇO PROJETO DE URBANISMO: ESPAÇO COLETIVO - Conceitos básicos. Noções sobre material estrutural. - Estruturas isostáticas, hiperestáticas e hipostáticas. - Vínculos e Reações; - Carregamentos; - Leis de Newton. Corpos deformáveis em equilíbrio; - Equilíbrio de um ponto e de corpo rígido; - Estática - Tensões iniciais e tensões térmicas. - Esforços solicitantes: normal (tração e compressão), esforço cortante, momento fletor e momento torsor; - Elasticidade linear e lei de Hooke. Módulo de Poisson; - Deformações; - Tensões; - Tração, compressão e cisalhamento; - Tipos de esforços nas estruturas - Edição de sólidos; - Deformações térmicas. - Tensões biaxiais; - Tensões normais e de cisalhamento; - Análise de tensões e deformações - - Forma/função/estrutura no projeto; - A representação no projeto de arquitetura; - Métodos de estímulo à criação no projeto; - Conceitos fundamentais: Cidade, Região, Território. Conceitos fundamentais: Centro, periferia, subúrbio, zona industrial, parques. Conceitos fundamentais: Tráfego Urbano. Conceitos fundamentais: Região metropolitana e seus desdobramentos sócio-econômicos. - Conceitos fundamentais: Centro, periferia, subúrbio, zona industrial, parques. - Conceitos fundamentais: Tráfego Urbano. - Conceitos fundamentais: Região metropolitana e seus desdobramentos sócio-econômicos. 7

8 5ª REPRESENTAÇÃO GRÁFI- CA COMPUTACIONAL I HISTÓRIA DA ARQUITETU- RA: DA ANTIGUIDADE À REVOLUÇÃO INDUSTRIAL MATERIAIS DE CONSTRU- ÇÃO PROJETO DE ARQUITETU- RA: ACESSIBILIDADE PROJETO DE URBANISMO: INSTRUMENTOS DE CON- TROLE - Coordenadas cartesianas: gráficos, equação da reta, distância entre dois pontos; - Conhecendo o software: Ambiente de trabalho de um sistema CAD - Sistema de coordenadas absolutas e relativas - Sistemas de Coordenadas retangular e polar - Medidas reais e medidas do desenho - Comandos básicos para criação de desenhos - Comandos de alta precisão - Comandos de visualização do espaço de desenho - Comandos de Modificação do desenho - Revisão geral da arquitetura, até a revolução industrial. Novos materiais e as grandes exposições universais. - Evolução das civilizações através da história das cidades - Da antiguidade clássica - Grécia e Roma à Idade Média - O Renascimento Arquitetônico - Introdução a disciplina de Materiais. - Argamassas, Agregados e aglomerantes: Conceitos, classificação, propriedades e aplicações. - Concreto : Conceito e tipos - Materiais Cerâmicos: propriedades e materiais de construção cerâmicos - Revestimentos: usos e aplicações - - Análise da produção da arquitetura educacional no tempo e no Brasil - características do edifício escolar; - conhecimento dos condicionantes específicos das prescrições do MEC; - os conjuntos funcionais de uma escola; - ergonomia e mobiliário; - acessibilidade: vias de acesso, pavimentação; - acessibilidade para PNEs, noções sobre o Projeto Complementar de Acessibilidade PCA; - metodologia de projeto; - o terreno: levantamento e entorno; - montagem do programa de necessidades e desenvolvimento do estudo preliminar para um edificio educacional. - Dinâmicas de produção do espaço urbano - Políticas Públicas: Função social da cidade, habitação, sustentabilidade - Estatuto da Cidade e Plano Diretor 8

9 7ª PROJETO ESPECIAL: AR- QUITETURA DA PAISAGEM TOPOGRAFIA E GEOPRO- CESSAMENTO ANIMAÇÃO PARA MAQUE- TES ELETRÔNICAS ESTRUTURAS EM MADEI- RA E METAL HISTÓRIA DA ARQUITETU- RA BRASILEIRA - Definição de arquitetura paisagística como arte, ciência e conceitos afins; - Evolução e valorização da arquitetura paisagística; - História dos jardins; - Roberto Burle Marx e o jardim modernista. - Panorama internacional, nacional e local da arquitetura paisagística contemporânea; - Vegetação - Tipos e funções (Extratos arbóreos, arbustivos e herbáceos) - Elementos complementares da paisagem - Uso da água, do mobiliário e da ornamentação; - Componentes gráficos do projeto paisagístico. - Introdução à Topografiae a cartografia; - Conhecimento dos níveis planimétrico, altimétrico e planialtimétrico; - Análise de elementos de representação topográfica; - Estudo tridimensional do terreno; - Cortes e aterros. - Conhecendo o 3Ds MAX e usando suas ferramentas. - Trabalhando com sólidos. - Trabalhando com splines - Modificadores. - Usando câmeras. - - Estruturas metálicas: histórico, vantagens e restrições, normas de projetos e aços estruturais comuns. - - Tração: esforços e resistências de projetos - - Conexões: esforços e resistências de projetos. - - Soldas: esforços e resistências de projetos - - Compressão: esforços e resistências de projetos. - - Flexão: esforços e resistências de projetos. - - Cargas de vento nas estruturas - A organização social da colônia - A política de ocupação territorial; - Os ciclos econômicos e as cidades; - A arquitetura civil (urbana e rural) e militar; - A arquitetura religiosa; - A rede urbana - A política portuguesa de europeização ( aa estratégias urbanas para o século XVIII); - A arquitetura civil e a sua evolução no século XIX. 9

10 PROJETO DE ARQUITETU- RA: ABORDAGEM BIOCLI- MÁTICA PROJETO DE URBANISMO: INTERVENÇÃO EM ÁREA DE INTERESSE SOCIAL - estudo volumétrico. - elaboração do programa de necessidades; - condicionantes naturais que interferem no projeto arquitetônico (insolação, ventilação, topografia); - teoria de projeto; - visita a meios de hospedagem; - elaboração do programa de necessidades; - desenvolvimento da planta baixa (célula inicial), a partir da análise e consolidação do programa de necessidades, caracterizando os espaços, atividades e equipamentos básicos; - Metodologia de projeto; - condicionantes naturais que interferem no projeto arquitetônico (insolação, ventilação, topografia); - visão geral do tema Hotel; - visita a meios de hospedagem; - elaboração do programa de necessidades; - estudo volumétrico. - Legislação; - Terminologia; - Questões fundiárias e dinâmicas que envolvem a propriedade urbana. - Politicas públicas pertinentes ao parcelamento do solo urbano. - Desenvolvimento de um loteamento habitacional em área urbana de interesse social 9ª ORGANIZAÇÃO DO TRA- BALHO E PRÁTICA PRO- FISSIONAL Proteção ao exercício da profissão - Órgãos de Classe Atribuições Profissionais Procedimentos de Licenciamento de Projetos Legislação Aplicada à Arquitetura e urbanismo (Federal, Estadual e Municipal) Tabela de Honorários profissionais. 10

11 PAISAGISMO II - Diretrizes para elaboração de inventário botânico e avaliação do espaço livre urbano. - Intervenções paisagísticas no bairro do Alecrim - Pesquisa e Conceituação de Praças, Espaços Livres e Áreas Verdes e sua inserção no contexto urbano atual - Intervençãoes Paisagísticas Urbanas Contemporâneas. - Rumos da Arquitetura Paisagística Brasileira no meio urbano. - Definição, evolução e valorização da arquitetura paisagística e conceitos afins - Metodologia do projeto paisagístico em macroescala. Revisão dos conteúdos relativos ao projeto paisagístico em microescala PROJETO DE ARQUITETU- RA VII - Estudos preliminares sobre problemas urbanos; - Análise de politicas públicas e instrumentos urbanos aplicáveis a área de estudo; - Estudos de caso - Perfil da área de intervenção. CST EM SEGU- RANÇA NO TRABALHO 3ª 4ª TÉCNICAS RETROSPECTI- VAS ADMINISTRAÇÃO E RE- CURSOS HUMANOS ERGONOMIA ESTATISTICA HIGIENE OCUPACIONAL TOXICOLOGIA GESTÃO DE PROCESSOS RECURSOS NATURAIS QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO AMBIENTE E PATOLOGIAS DO TRABALHO GESTÃO DA QUALIDADE MEDICINA DO TRABALHO ORGANIZAÇÃO DO AMBI- ENTE DO TRABALHO ADMINISTRAÇÃO À SAÚDE PSICOLOGIA NA SEGU- - Introdução ao conceito de conservação e restauro; - As teorias do restauro no século XIX. Viollet-le-Duc e Ruskin; - A evolução do pensamento preservacionista no século XX; - Conservação ou invenção? Uma discussão atual 11

12 CST EM PE- TRÓLEO E GÁS 5ª 6ª 3ª RANÇA DO TRABALHO SAÚDE OCUPACIONAL AUDITORIAS, LAUDOS E PERÍCIAS GERENCIAMENTO DE RIS- COS GESTÃO DE SISTEMA DE SEGURANÇA DO TRABA- LHO PREVENÇÃO E CONTROLE DE RISCOS DE MÁQUIMAS E EQUIPAMENTOS. RISCOS AMBIENTAIS APLICADO A SEGURANÇA DO TRABALHO TECNOLOGIAS E INSTRU- MENTOS NA SEGURANÇA DO TRABALHO PROTEÇÃO CONTRA IN- CÊNDIO SEGURANÇA DO TRABA- LHO EM PARQUES INDUS- TRIAIS SEGURANÇA DO TRABA- LHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL SEGURANÇA DO TRABA- LHO NAS OPERAÇÕES COM PETRÓLEO E GÁS SISTEMA DE GESTAO OHSAS SOCORROS E URGÊNCIAS ANÁLISE DE PETRÓLEO E DERIVADOS Conceitos básicos. Normas e regulamentos da ANP. Análises rotineiras e especiais. Importância da amostragem. Caracterização do petróleo. Constituição e propriedades físico-químicas de hidrocarbonetos. 12

13 4ª CADEIA PRODUTIVA DO PETRÓLEO ELETRÔNICA ANALÓGICA ESTATÍSTICA E PROBABI- LIDADE INSTRUMENTAÇÃO IN- DUSTRIAL MECÂNICA DOS FLUIDOS RESISTÊNCIA DOS MATE- RIAIS BOMBAS E COMPRESSO- RES LÓGICA E ELETRÔNICA DIGITAL MATERIAIS DE CONSTRU- ÇÃO MECÂNICA PROCESSAMENTO DE PE- TRÓLEO PRODUÇÃO E DISTRIBUI- ÇÃO SISTEMAS DE CONTROLE Constituintes, composição e classificação do petróleo. Noções de geologia do petróleo. Prospecção de petróleo (métodos geológicos, métodos potenciais, métodos sísmicos). Perfuração(Tipos de poços; Equipamentos da sonda de perfuração; Colunas de perfuração e brocas; Fluidos de perfuração; Operações normais e especiais; Perfuração marítima; Perfuração direcional). Diodos semicondutores. Aplicações do diodo. Transisotres bipolares de tensão. Polarização CC - TJB. Análise do TJB para pequenos sinais. Natureza da observação estatística. Estruturação de tabelas. Séries estatísticas. Representações gráficas. Distribuições de freqüência. Medidas de posição e de dispersão. Identificação de Instrumentos: Simbologia e Fluxograma de Engenharia ISA 5.1; Prática sobre identificação de instrumentos. Medição de Pressão. Válvula de Segurança. Válvula de Controle. Aplicação e propriedades dos fluidos; Pressão; Medida de pressão; Carga; Aplicação de forças por intermédio da pressão; Noções fundamentais sobre escoamento de fluidos; Equação da continuidade; Equação de Bernoulli; Aplicações especiais da equação de Bernoulli. Conceitos básicos, Noções sobre material estrutural. Estática: equilíbrio estático, vínculos, reações, carregamentos. Esforços nas estruturas. Tensões e deformações. Conceitos basicos;npsh; Escolha de equipamentos. Sistema de Numeração. Portas Lógicas. Portas E, OU, NÃO, NÃO E e NÃO OU. Expressões Booleanas geradas por circuitos lógicos. Tabela verdade de expressões e circuitos. Blocos lógicos equivalentes. Circuitos Combinacionais. Importância e aplicações dos materiais na engenharia. Noções de siderurgia. Aços Comuns e Ligados. Tratamentos térmicos dos aços. Introdução ao Refino de Petróleo. Introdução a Destilação. Destilação atmosférica. Destilação a vácuo. Processos térmicos de conversão. Craqueamento catalítico. Uso do hidrogênio na refinaria: Hidrocraqueamento Catalítico, Hidrotratamento. Processos de tratamento de derivados. Produção de gasolina: reforma catalítica, alquilação, isomerização. Conceituação de meio poroso, rocha e fluido. - Propriedade das rochas; porosidade, permeabilidade, compressibilidade; rochas-reservatórios; fluidos produzidos (óleo, gás e água). Mecanismos de produção: petróleo, gás em solução, capa de gás, influxo de água, mecanismo combinado. Métodos de recuperação: injeção de água e gás, métodos térmicos, miscíveis e químicos. Histórico de produção: RGO, RAO e BSW. Sistemas de coleta. Introdução aos Sistemas de Controle. Transformada de Laplace e suas Aplicações. Modelagem Matemática de Sistemas Dinâmicos. Análise de Resposta Transitória. Sistemas de Primeira Ordem. Sistemas de Segunda Ordem. Pólos, Zeros e Estabilidade. Método Prático de Routh-Hurwitz. 13

14 5ª TUBULAÇÕES INDUSTRI- AIS AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL DUTOS E TERMINAIS MANUTENÇÃO E INSPE- ÇÃO DE EQUIPAMENTOS MEIO AMBIENTE E DESEN- VOLVIMENTO SUSTENTÁ- VEL MICROCONTROLADOR APLICADO PINTURA INDUSTRIAL E ANTICORROSIVA Conceitos de tubulações; Tipos e meios de ligação; PDMS; Projetos. Controladores Lógicos Programáveis: Princípio de funcionamento; Módulos básicos de entrada e saída. Lógica de programação Ladder: Instruções de bit, temporizador, contador, comparação, matemáticas, lógica, movimentação e cópia. Software de programação RSLogix 500; Software para emular o SLC500 - RSEMUL 500; Implementação de exercícios em lógica ladder. O transporte e a transpetro. Transporte Dutoviário: Evolução histórica do transporte dutoviário no Brasil e no mundo. Tipos de dutovias. Os produtos transportados pelas dutovias. Oleodutos: Histórico dos oleodutos existentes no Brasil. Escoamento de petróleo e derivados líquido em dutos. Redes de distribuição de derivados líquido. Manutenção de oleodutos. Impactos ambientais e sociais causado por dutos. Fundamentos da manutenção. Manutenção Corretiva. Manutenção Preventiva. Manutenção Preditiva. Aplicação da Distribuição de Weibull na Manutenção. Planejamento e controle da manutenção. Indicadores de performance. Conceitos básicos em Ciências do Meio Ambiente. O meio físico: características gerais. A energia e o meio ambiente. Fundamentos do impacto ambiental: fatores e tipos de pluição. Bases do desenvolvimento sustentável - o discurso ambiental. Economia e meio ambiente. Arquitetura de computadores. Conversão de Bases com Foco em Operações Computacionais. Introdução à arquitetura PIC. Registradores de uso geral. Instruções Movie. Operações Lógicas. Operações Aritméticas. Operações bit à bit. Introdução à Corrosão - conceitos, importância, custos e casos benéficos de corrosão. Oxidação-Redução; Potencial do eletrodo e Pilha de corrosão. Tipos de Corrosão ; Formas e taxas de corrosão. Mecanismos básicos de corrosão- eletroquímica e química. Principais exemplos de deterioração por corrosão na indústria petroquímica. Meios corrosivos. Métodos de combate à corrosão Revestimentos de protetores. Revestimentos de Tubulações Enterradas. ENGENHARIA PETRÓLEO E GÁS PROCESSAMENTO DE GÁS NATURAL UTILIDADES PARA PRO- CESSOS 3ª ÁLGEBRA LINEAR Processos de exploração, produção e transporte de petróleo e gás natural. A importância do gás natural: matriz energética mundial e brasileira, participação do gás natural, evolução das reservas. Conceitos fundamentais: constituintes do petróleo e gás natural, comportamento dos gases, comportamento das fases, propriedades e especificação do gás natural. A cadeia produtiva do gás natural. Sistemas de produção de gás natural. Condicionamento do gás natural: separação primária de fluidos, depuração, adoçamento, compressão, desidratação e tratamento. Conceitos da Termodinâmica. Tratamento da Água. Geração de Vapor. Ar Comprimido. Tratamento de Efluentes. Plano cartesiano; Vetores. Equação da reta no R2; Relações entre retas; Distâncias. Produto escalar; Produto vetorial; Retas no espaço, equações; Planos, equaçao; Matrizes, tipos e operações; Solução de sistemas de equações lineares; Sistemas homogêneos. 14

15 4ª CÁLCULO II ÉTICA E LEGISLAÇÃO DO PETRÓLEO GEOLOGIA DO PETRÓLEO ÓTICA, ONDAS E ELETRO- MAGNETISMO QUÍMICA GERAL E EXPE- RIMENTAL CÁLCULO III ELETROTÉCNICA INDUS- TRIAL ENGENHARIA DE RESER- VATÓRIO ESTATÍSTICA E PROBABI- LIDADE MECÂNICA DOS FLUIDOS EMPREENDEDORISMO QUÍMICA DO PETRÓLEO E DERIVADOS Vetores; Curvas e superfícies no espaço; Coordenadas retangulares; Coordenadas polares; Coordenadas cilíndricas; Coordenadas esféricas; Funções de n variáveis; Derivadas parciais; Regra da cadeia; Derivada direcional; Gradiente; Fórmula de Taylor; Máximo e mínimo de uma função de n variáveis; Multiplicadores de Lagrange. O direito brasileiro. O antigo direito do setor energético brasileiro. A constituição federal de Legislação do setor de energia: petróleo, gás natural e ambiental. A descentralização do modelo institucional energético. A agência reguladora ANP. Origem, composição e localização das jazidas petrolíferas. Processos de geração, migração e acumulação. Trapas estratigráficas e estruturais. Introdução à ondulatória; Propriedades e classificação das ondas; Ondas estacionárias ou progressivas. Superposição e Forma da onda. Acústica. Optica. Introdução ao Curso de Química - Fundamentos. Estrutura atômica. O espectro atômico. Composição da matéria. Propriedades da Matéria. Organização dos elementos químicos. Reações químicas. Reações de oxidação e redução. Equações Diferenciais de Primeira Ordem. Equações Lineares de Segunda Ordem. Circuitos elétricos corrente contínua. Circuítos elétricos de corrente alternada. Fasores. Representação de indutores e capacitores no domínio da freqquencia. Potência reativa e fator de potência. Circuitos trifásicos. Potência trifásica. Relações entre geologia, a constituição da rocha e o fluxo em meios porosos. Classificação dos reservatórios de petróleo. Balanço de materiais. Análise de reservatórios. Estatística descritiva. Medidas de posição. Medidas de dispersão. Propriedades dos fluidos. Equações básicas. Equação da continuidade. Equação da energia. Conceitos fundamentais. Regimes de escoamento. Estática dos fluidos. Força hidrostática. Flutuação e estabilidade. Análise diferencial do escoamento de fluidos. Conceituando Empreendedorismo. O processo empreendedor. O Empreendedor. O empreendedorismo coorporativo. Apresentação dos princípios fundamentais da Química Orgânica e sua abrangência. Aspectos estruturais e eletrônicos das moléculas orgânicas, incluindo intermediários de reações. Correlação entre estrutura e propriedades químicas e físicas de substâncias orgânicas representativas. Exemplos de algumas reações químicas. Funções orgânicas. Características dos grupos funcionais. 15

16 5ª ANÁLISE DE PETRÓLEO E DERIVADOS CÁLCULO NUMÉRICO COMPUTACIONAL ELETRÔNICA INDUSTRIAL ENGENHARIA DE POÇOS FENÔMENOS DE TRANS- PORTE TUBULAÇÕES INDUSTRI- AIS E ACESSÓRIOS CONTROLE DE PROCES- SOS EQUIPAMENTOS ROTATI- VOS Normas e regulamentos da ANP. Importância da amostragem. Caracterização e controle da qualidade do petróleo: Peso molecular, Ponto de ebulição médio, Fator de caracterização K (UOP), Densidade e grau API, Água e sedimentos- BSW, Índice de acidez, Teor de sal, Viscosidade, cinemática,, Pressão de vapor, Ponto de fluidez, Teor de graxas, Normas e Regulamentos da ANP. Caracterização e controle da qualidade da gasolina: Massa específica, Destilação, Octanagem, Teor de etanol anidro, Aspecto e cor, Normas e Regulamentos da ANP. Introdução ao Cálculo Numérico Computacional. Erros. Sistemas de Equações Lineares. Equações Algébricas e Transcedentes. Métodos de Análise de circuitos; Diodos. Transistores; Amplificadores operacionais. Constituintes do petróleo; Histórico; Operações normais de perfuração; Fluidos de perfuração; Brocas; Colunas de perfuração; Perfuração marítima; Perfuração direcional; Operações especiais de perfuração; Otimização da perfuração; Equipamentos da sonda de perfuração. Introdução ao comportamento dos fluidos. Balanço de massa. Balanço de energia. Balanço da quantidade de movimento. Filtração. Classificação e materiais; Conexões e Juntas; Válvulas; Purgadores e Separadores. Introdução aos Sistemas de Controle. Modelagem Matemática de Sistemas Físicos. Transformada de Laplace. Representação Gráfica de Sistemas Dinâmicos. Mecânica dos Fluídos. Noções Básicas sobre Bombas e Tipos. Dimensionamento de Bombas. Plano de Manutenção Preditiva. 7ª MATERIAIS DE ENGENHA- RIA DO PETRÓLEO Importância e aplicações dos materiais na engenharia. Noções de siderurgia.aços Comuns e Ligados. Estrutura cristalina. Diagrama de equilíbrio das ligas Fe-C. Constituintes dos aços carbono comuns e ligados. Classificação dos aços. Propriedades mecânicas dos aços. Tratamentos térmicos dos aços. Principais tratamentos térmicos de ligas Fe-C. Processos de fabricação: laminação, extrusão, trefilação e fundição. Processos de fabricação por Usinagem: torneamento, fresagem e retificação. Processos de fabricação não convencionais. ENGENHARIA CIVIL 3ª PROCESSAMENTO DE PE- TRÓLEO PRODUÇÃO DE PETRÓLEO CÁLCULO II ESTATÍSTICA E PROBABI- Introdução ao Refino de Petróleo Introdução a Destilação Destilação atmosférica Destilação a vácuo Processos térmicos de conversão Craqueamento catalítico Uso do hidrogênio na refinaria: Hidrocraqueamento Catalítico, Hidrotratamento Processos de tratamento de derivados Produção de gasolina: reforma catalítica, alquilação, isomerização. Conceituação de meio poroso, rocha e fluido. Mecanismos de produção: petróleo, gás em solução, capa de gás. Métodos de recuperação: injeção de água e gás. Métodos de recuperação: Métodos miscíveis e químicos. Histórico de produção. Funções de n variáveis, derivadas parciais, regra da cadeia e derivada direcional. Moda, mediana e medidas de disperssão. 16

17 4ª 5ª 6ª 7ª LIDADE EXPRESSÃO GRÁFICA COMPUTACIONAL Edição e manipulação de projetos em sistemas CAD. FÍSICA APLICADA A ENGE- NHARIA I Leis de Newton e termodinâmica. QUÍMICA GERAL E EXPE- RIMENTAL Estequiometria química. Soluções, ácidos e bases, reações químicas. ADMINISTRAÇÃO E ECO- NOMIA A administração, sua importância e perspectivas. A influência da ambiência externa. A racionalização do trabalho. CÁLCULO NÚMERICO Erro de truncamento e arredondamento. Sistema de equações lineares. CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS Arranjos da matéria; propriedades das matérias. ESTUDOS GEOTÉCNICOS Tipos de minerais e rochas. Propriedades das rochas para uso na Engenharia Civil. ESTUDOS TOPOGRÁFICOS E CARTOGRAFIA Planimetria. Altimetria. FÍSICA APLICADA A ENGE- NHARIA II Oscilações. Gravitação ESTABILIDADE DAS CONS- TRUÇÕES I Estática da partícula. Estática dos corpos rígidos. Sistema de forças. MECÂNICA DOS SOLOS Formação e evolução dos solos. Propriedades dos solos.propagação e distribuição de pressões no solo. Movimento de água nos solos. CONSTRUÇÃO CIVIL I Serviços preliminares. Canteiro de obras. Movimento de terra. FENÔMENOS DE TRANS- PORTE Propriedade dos fluidos. RESISTÊNCIA DOS MATE- RIAIS Conceitos básicos de tensão e deformação. Flexão pura. ESTUDOS HÍDRICOS Escoamento em condutos forçados. Escoamento em condutos livres. CONSTRUÇÃO CIVIL II Conceito, tipos e propriedades: Revestimento argamassados, revestimento não argamassados. ESTABILIDADE DAS CONS- TRUÇÕES II Estudo das treliças plana e espaciais. INFRAESTRUTURA VIÁRIA I Introdução: Nomenclatura das rodovias, classes e normas. ECONOMIA APLICADA A Elementos de matemática financeira. Sistemas de pagamentos. Financiamento Método de análise de investimento. ENGENHARIA Transporte multimodal de cargas (TMC). ESTRUTURA DE CONCRE- TO ARMADO I Propriedades dos materiais (Concreto e Aço). Concreto e aço solidários. Seções de concreto armado submetidas às solicitações normais. 17

18 8ª 9ª ESTRUTURA METÁLICA E DE MADEIRA INFRAESTRUTURA VIÁRIA II INSTALAÇÕES PREDIAIS SANEAMENTO AMBIENTAL E SAÚDE SEGURANÇA DO TRABA- LHO E ERGONOMIA ESTRUTURA DE CONCRE- TO ARMADO II FUNDAÇÕES E OBRAS DE CONTENÇÃO INSTALAÇÕES DE COMBA- TE À INCÊNDIO E GÁS TÓPICOS ESPECIAIS EM ENGENHARIA CIVIL TRATAMENTO DE ÁGUAS, ESGOTO E RESÍDUOS SÓ- LIDOS O aço em estruturas, características, propriedades, emprego, esforços e dimensionamento. Execução do terraplenagem. Investigação e seleção dos diversos tipos de materiais empregados. Equipamentos utilizados em terraplanagem. Instalações prediais de água fria. Instalações prediais de água quente. Instalações de esgoto sanitário. Instalações prediais de águas pluviais. Introdução ao saneamento ambiental das áreas urbanas e rurais. Mananciais abastecedores. Captação, adução, e estações elevatórias. Redes de abastecimento de água e esgoto. Fundamentos em segurança do trabalho. Definições. Legislação aplicada à segurança do trabalho. Identificação e controle de riscos ambientais. Mecanismos de prevenção de acidentes. Dimensionamento lajes em concreto armadas em uma e duas direções. Sistema de fundações e contenções. Fundações rasas e fundações profundas: suas classificações e análise para projeto, execução e verificação de desempenho. Instalações de proteção e combate à incêndio: classificação, equipamentos e dimensionamento. A Economia da construção. Conceitos e Tipos de Orçamento. Estudo da Mão de Obra. Estudo das Perdas dos Materiais. Encargos Sociais. BDI - Bonificação e Despesas Indiretas. Processos e Sistemas de tratamento de águas para consumo humano: tipos, classificação e aplicação. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 3ª ADMINISTRAÇÃO E MAR- KETING ANÁLISE DE SISTEMAS I - Administração e comunicação conceitos e relações. - Empresa - abertura e gestão. - Ferramentas de comunicação com o mercado interno e externo a organização. - Marketing como ferramenta competitiva da impressão a era digital. - Composto mercadológico e suas variáveis. - Introdução aos Sistemas de Informação - Sistemas de Informações nas Organizações - Conceitos de Tecnologia da Informação - Hardware: Dispositivos de Entrada, de Processamento e de Saída - Software: Básico e Aplicativo - Organizando Dados e Informações 18

19 ARQUITETURA DE COM- PUTADORES - Lógica DIgital - Números Binários, Hexadecimais e Conversões de Base - Componentes de um Computador - Barramentos do Sistema - Arquitetura de Memórias - Entrada e Saída - Mapeamento de Memória e E/S - A Unidade Central de Processamento - CPU BANCO DE DADOS I - Banco de Dados - Compartilhamento de dados - Sistemas de Gerência de Banco de Dados - Modelos de Banco de Dados - Modelo Conceitual - Modelo Lógico - Modelo Conceitual como Modelo de Organização - Entidade - Relacionamento - Conceituação - Cardinalidade de Relacionamentos - Cardinalidade Máxima - Relacionamento Ternário - Cardinalidade Mínima - Atributo - Identificando Entidades - Identificando Relacionamentos - Generalização/Especialização - Entidade Associativa - Propriedade de Modelos ER - Determinando Construções de Modelos ER - Verificação de Modelos ER - Estratégias de Modelagem 19

20 DESENVOLVIMENTO PARA WEB I 5ª ANALISE DE SISTEMAS III - Introdução a Disciplina. - Criação do Ambiente e Editores. - Datas Importantes e Avaliação. - O que é World Wide Web. - Conceitos Básicos HTTP, HTTPS, FTP e DNS. - Princípios do HTML. Linguagem de Marcação de Hipertexto. - Separação da Forma e Conteúdo. - Linguagens de Marcação (HTML, XML, XHTML). Marcações e Atributos. - Estrutura Básica de um Documento HTML. Cabeçalho. Corpo. Hiperligações. Caracteres Especiais e Símbolos. - Acessibilidade - Padrões Web. - Folhas de Estilo CSS. - Seletores e Seletores Compostos. Ancestral descendente. Pai > filho. anterior + proximo. anterior ~ irmaos. - Notação, Tipos de mídias e Sintaxe. - Unidades, Modelo de caixa, Bordas, Margens e Espaçamento. - Modelo de formatação visual e Efeitos visuais. - Agregador de conteúdo, numeração automática e listas, Cores e fundo, Paginação para impressão, Fontes tipográficas, Texto, Tabelas e Interface de usuário - Metodologias utilizadas para modelagem e desenvolvimento de Sistemas - Metodologias de Análise de Sistemas Orientadas a Processos - Analise Estruturada Moderna - Diagrama de Fluxo de Dados - Construção - Dicionário de Dados - Estrutura e Composição - O Modelo de Dados Diagrama de Entidades-Relacionamentos - Especificação de Processos - Diagrama de Transição de Estados - Análise Essencial Lista de Eventos 20

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral.

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Ementas: Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Desenho Mecânico 80hrs Normalização; Projeções; Perspectivas;

Leia mais

ESCOLAS DE GESTÃO E NEGÓCIOS E DE HOSPITALIDADE CAMPI NATAL E MOSSORÓ EDITAL DO EXAME INTEGRADO 2013.1

ESCOLAS DE GESTÃO E NEGÓCIOS E DE HOSPITALIDADE CAMPI NATAL E MOSSORÓ EDITAL DO EXAME INTEGRADO 2013.1 ESCOLAS DE GESTÃO E NEGÓCIOS E DE HOSPITALIDADE CAMPI NATAL E MOSSORÓ EDITAL DO EXAME INTEGRADO 01.1 A Escola de Gestão e Negócios e a Escola de Hospitalidade da Universidade Potiguar, com base no Regulamento

Leia mais

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementas Tecnólogo em Manutenção Industrial Departamento de Ensino Superior

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementas Tecnólogo em Manutenção Industrial Departamento de Ensino Superior ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementas Tecnólogo em Manutenção Industrial Departamento de Ensino Superior DISCIPLINA: Metodologia da Pesquisa Científica Técnicas para elaboração

Leia mais

CÁLCULO DE DUAS VARIAVEIS

CÁLCULO DE DUAS VARIAVEIS CÁLCULO DE DUAS VARIAVEIS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS ÓTICA, ONDAS E ELETROMAGNETISMO QUÍMICA GERAL E EXPERIMENTAL ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.1 Eng. Civil- Campus Mossoró) 3ª série Funções

Leia mais

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementas Tecnólogo em Fabricação Mecânica Departamento de Ensino Superior

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementas Tecnólogo em Fabricação Mecânica Departamento de Ensino Superior ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementas Tecnólogo em Fabricação Mecânica Departamento de Ensino Superior DISCIPLINA: Metodologia da Pesquisa Científica Técnicas para elaboração de

Leia mais

PONTOS PARA AS PROVAS ESCRITAS E DIDÁTICAS

PONTOS PARA AS PROVAS ESCRITAS E DIDÁTICAS PONTOS PARA AS PROVAS ESCRITAS E DIDÁTICAS DISCIPLINAS: Mecânica Geral I; Estruturas de Aço; Estrutura de Concreto Armado I; Estrutura de Concreto Armado II. 1. Equilíbrio dos Corpos Rígidos em 2D e 3D;

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR - 2012/1º semestre (Aprovada pela Resolução nº 01 CONSEPE, de 09/02/2012). 1º PERÍODO 2º PERÍODO

ESTRUTURA CURRICULAR - 2012/1º semestre (Aprovada pela Resolução nº 01 CONSEPE, de 09/02/2012). 1º PERÍODO 2º PERÍODO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI INSTITUTO DE CIÊNCIA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA - TEÓFILO OTONI CURSO DE GRADUAÇÃO - ENGENHARIA CIVIL ESTRUTURA CURRICULAR

Leia mais

4.ª SÉRIE 99-9033-02 ESTRUTURAS DE CONCRETO II 80 0 080 99-9034-03

4.ª SÉRIE 99-9033-02 ESTRUTURAS DE CONCRETO II 80 0 080 99-9034-03 MATRIZ CURRICULAR Curso: ENGENHARIA CIVIL Graduação: BACHARELADO Regime: SERIADO ANUAL - MATUTINO Duração: 5 (CINCO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 05 (CINCO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS PONTOS PARA CONCURSO PÚBLICO DE DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR EDITAL 001/2009 Matéria/Área do Conhecimento: MATEMÁTICA 1. Transformações Lineares e Teorema do Núcleo

Leia mais

CAMPUS CRUZ DAS ALMAS Edital 01/2010. Área de Conhecimento

CAMPUS CRUZ DAS ALMAS Edital 01/2010. Área de Conhecimento CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTE DO MAGISTÉRIO SUPERIOR CAMPUS CRUZ DAS ALMAS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS - CETEC Área de Conhecimento Materiais, Estrutura e Sistemas Eletromecânicos PONTOS DO

Leia mais

MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010

MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010 MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010 EMENTA: Estabelece o Currículo do Curso de Graduação em Engenharia Mecânica - Niterói O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CST SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DISCIPLINA: Algoritmo e Programação I A disciplina aborda o estudo de algoritmos, envolvendo os conceitos fundamentais: variáveis, tipos de dados, constantes,

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 149/2012

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 149/2012 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 149/2012 Altera o Currículo do Curso de Engenharia de Controle e Automação para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº MEC-481/2012,

Leia mais

CH semanal. Titulação Mínima. Terça-feira de 9h35 às 11h15 e Quinta-feira de 9h15 às 11h15. Segunda-feira de 19h às 21h45 e de 21h55 às 22h35

CH semanal. Titulação Mínima. Terça-feira de 9h35 às 11h15 e Quinta-feira de 9h15 às 11h15. Segunda-feira de 19h às 21h45 e de 21h55 às 22h35 Planilha atualizada em 21/01/2015 Vaga Curso Disciplina Ementa Horário CH semanal Titulação Mínima Pré-requisito Indispensável Consultor Responável Prazo para envio de currículos Campus 1 Administração

Leia mais

Desenho Técnico Fundamentos do desenho técnico; Construções geométricas; Desenho eletroeletrônico;

Desenho Técnico Fundamentos do desenho técnico; Construções geométricas; Desenho eletroeletrônico; EMENTA DE CONTEÚDOS Eletricidade Conceitos fundamentais da eletricidade; Circuitos elétricos de corrente contínua; Tensão alternada; Gerador de funções; Operação do osciloscópio; Tensão e corrente alternadas

Leia mais

Ementário das Disciplinas

Ementário das Disciplinas Ementário das Disciplinas As ementas das disciplinas estão agrupadas em semestres para uma melhor visualização da organização da matriz curricular. As referências bibliográficas serão especificadas no

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS. CURRÍCULO 4/803 - Ingresso Vestibular a partir de 2007/1

EMENTAS DAS DISCIPLINAS. CURRÍCULO 4/803 - Ingresso Vestibular a partir de 2007/1 EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURRÍCULO 4/803 - Ingresso Vestibular a partir de 2007/1 NÍVEL I 4111W - 04 Matemática para Arquitetura Ementa: Fundamentos do Cálculo Diferencial, Cálculo Integral e Geometria

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º MED

EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º MED 1º MED DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I Especificação de elementos que compõem projetos; técnicas de desenho técnico e de representação gráfica correlacionadas com seus fundamentos matemáticos e geométricos;

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓREITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Fase Cód. Disciplina I II III IV V VI Matriz Curricular do curso de Engenharia Civil PréReq.

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 05/03/2014 10:06. Centro de Ciências Exatas e Naturais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 05/03/2014 10:06. Centro de Ciências Exatas e Naturais 5// :6 Centro de Ciências Exatas e Naturais Curso: Ciência da Computação (Noturno) Currículo: 7/ CMP.8.- Introdução à Computação Ementa: O que é Ciência da Computação. História da Computação. Estrutura

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo Campus São José dos Campos LISTA DE DISCIPLINAS DA GRADUAÇÃO

Universidade Federal de São Paulo Campus São José dos Campos LISTA DE DISCIPLINAS DA GRADUAÇÃO A B C Álgebra Linear Álgebra Linear Computacional Álgebra Linear II Algoritmos e Estrutura de Dados I Algoritmos e Estrutura de Dados II Algoritmos em Bioinformática Alteridade e Diversidade no Brasil

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO CST ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo desde a

Leia mais

ENGENHARIA ELÉTRICA. 1. TURNO: Integral HABILITAÇÃO: Bacharelado. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos

ENGENHARIA ELÉTRICA. 1. TURNO: Integral HABILITAÇÃO: Bacharelado. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos ENGENHARIA ELÉTRICA 1. TURNO: Integral HABILITAÇÃO: Bacharelado GRAU ACADÊMICO: Engenheiro Eletricista PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos Máximo = 9 anos 2. HISTÓRICO DO CURSO No desenvolvimento industrial

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 235, DE 2 DE JUNHO DE 2014 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

ASSOSSIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementa Tecnólogo em Manutenção Industrial Departamento de Ensino Superior. Carga horária: 40h

ASSOSSIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementa Tecnólogo em Manutenção Industrial Departamento de Ensino Superior. Carga horária: 40h ASSOSSIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementa Tecnólogo em Manutenção Industrial Departamento de Ensino Superior DISCIPLINA: Metodologia da Pesquisa Científica Técnicas para elaboração

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) SISTEMAS PARA INTERNET INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET Introdução à Computação A disciplina apresenta a área da Computação como um todo, desde a história e a evolução dos computadores

Leia mais

ANEXO I - DOS CARGOS, DA FORMAÇÃO E DA HABILITAÇÃO

ANEXO I - DOS CARGOS, DA FORMAÇÃO E DA HABILITAÇÃO ANEXO I - DOS CARGOS, DA FORMAÇÃO E DA HABILITAÇÃO Administração/Logística Psicologia das Relações Humanas; Liderança e Gestão de Equipes; Professor de Psicologia Doutorado em Psicologia Enfermagem Segurança

Leia mais

CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO

CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO DISCIPLINA: Metodologia Científica H111900 Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia no âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIAS DE 24 DE AGOSTO DE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIAS DE 24 DE AGOSTO DE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIAS DE 24 DE AGOSTO DE 2005 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio

Leia mais

CEFET-MG Concurso Público EBTT 2013 AGENDAMENTO DE DATAS DA ETAPA DA PROVA ESCRITA EPE

CEFET-MG Concurso Público EBTT 2013 AGENDAMENTO DE DATAS DA ETAPA DA PROVA ESCRITA EPE CEFET-MG Concurso Público EBTT 23 AGENDAMENTO DE DATAS DA ETAPA DA PROVA ESCRITA EPE De acordo com o item 3.3.1.2 do de Normas Gerais 077/13 de 21 de junho de 23, havendo compatibilidade de cronograma

Leia mais

ESCOLA DO DIREITO. EDITAL n 001/2016 EXIN 2016.1

ESCOLA DO DIREITO. EDITAL n 001/2016 EXIN 2016.1 ESCOLA DO DIREITO EDITAL n 001/2016 EXIN 2016.1 A Direção Acadêmica do Campus Mossoró da Universidade Potiguar, com base nos preceitos metodológicos e em consonância com as regras institucionais de avaliação

Leia mais

TÉCNICO DE MANUTENÇÃO JR - ELÉTRICA BR DISTRIBUIDORA CONHECIMENTOS BÁSICOS DOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO

TÉCNICO DE MANUTENÇÃO JR - ELÉTRICA BR DISTRIBUIDORA CONHECIMENTOS BÁSICOS DOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO TÉCNICO DE MANUTENÇÃO JR - ELÉTRICA BR DISTRIBUIDORA CONHECIMENTOS BÁSICOS DOS CARGOS DE NÍVEL MÉDIO LÍNGUA PORTUGUESA I 1. Compreensão e interpretação de textos. 2. Tipologia textual. 3. Ortografia oficial.

Leia mais

1ª ERRATA DO EDITAL Nº 018/2010

1ª ERRATA DO EDITAL Nº 018/2010 A) No item: 1. DA ESPECIFICAÇÃO: Inclusão de Vagas: 1ª ERRATA DO EDITAL Nº 018/2010 094 Mineração 01 Belém Graduado em Engenharia de Minas 094 Mineração Belém 1. Desmonte de Rochas 2. Planejamento de Lavra

Leia mais

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 ARQUITETURA DE COMPUTADORES... 4 02 FILOSOFIA... 4 03 FUNDAMENTOS MATEMÁTICOS PARA COMPUTAÇÃO...

Leia mais

Matriz Curricular válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

Matriz Curricular válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL CONVÊNIO COM O SENAI Matriz Curricular válida para os acadêmicos

Leia mais

ESCOLA DO DIREITO CURSO DE DIREITO ROBERTO FREIRE CURSO DE DIREITO FLORIANO PEIXOTO. EDITAL n 03/2012 PROVÃO 2012.2

ESCOLA DO DIREITO CURSO DE DIREITO ROBERTO FREIRE CURSO DE DIREITO FLORIANO PEIXOTO. EDITAL n 03/2012 PROVÃO 2012.2 ESCOLA DO DIREITO CURSO DE DIREITO ROBERTO FREIRE CURSO DE DIREITO FLORIANO PEIXOTO EDITAL n 03/2012 PROVÃO 2012.2 A Escola do Direito da Universidade Potiguar, com base nos preceitos metodológicos e em

Leia mais

EMENTAS DO CURSO ADMINISTRAÇÃO INDUSTRIAL

EMENTAS DO CURSO ADMINISTRAÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS DO CURSO ADMINISTRAÇÃO INDUSTRIAL EDA 1601 - INGLÊS INSTRUMENTAL I (2.0.0)2 English for Specific Purposes": introdução. Leitura e compreensão de texto: estratégias de leitura. Organização e partes

Leia mais

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO CURSO: MECÂNICO DE AR CONDICIONADO AUTOMOTIVO - PRONATEC 200 horas ÁREA: AUTOMOTIVA MODALIDADE: QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL UNIDADE(S) HABILITADA(S): CT PALMAS Plano de Curso

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO I NSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUI SAS EDUCACI ONAI S ANÍ SIO TEI XEIRA P ORTARIA Nº 150, DE 5 DE SETEMBRO DE 2008

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO I NSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUI SAS EDUCACI ONAI S ANÍ SIO TEI XEIRA P ORTARIA Nº 150, DE 5 DE SETEMBRO DE 2008 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO I NSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUI SAS EDUCACI ONAI S ANÍ SIO TEI XEIRA P ORTARIA Nº 150, DE 5 DE SETEMBRO DE 2008 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL. Universidade de Cuiabá

ENGENHARIA CIVIL. Universidade de Cuiabá ENGENHARIA CIVIL Universidade de Cuiabá CURSO: ENGENHARIA CIVIL Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal da Mantenedora

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 092/2015

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 092/2015 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 092/2015 Altera a Deliberação CONSEP Nº 275/2014, que altera o Currículo do Curso de Engenharia Civil para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade

Leia mais

Portaria Inep nº 190 de 12 de julho de 2011 Publicada no Diário Oficial de 13 de julho de 2011, Seção 1, pág. 13

Portaria Inep nº 190 de 12 de julho de 2011 Publicada no Diário Oficial de 13 de julho de 2011, Seção 1, pág. 13 Portaria Inep nº 190 de 12 de julho de 2011 Publicada no Diário Oficial de 13 de julho de 2011, Seção 1, pág. 13 A Presidenta do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

CURSO TECNOLÓGICO 2008/01 1º SEMESTRE. Programação e Estruturas de Dados Fundamentais

CURSO TECNOLÓGICO 2008/01 1º SEMESTRE. Programação e Estruturas de Dados Fundamentais 1º SEMESTRE Programação e Estruturas de Dados Fundamentais 8 Créditos Desenvolver a lógica de programação através da construção de algoritmos utilizando português estruturado Representar a solução de problemas

Leia mais

ESCOLA DO DIREITO CAMPUS NATAL Floriano Peixoto e Roberto Freire. EDITAL n 006/2015 EXIN 2015.2

ESCOLA DO DIREITO CAMPUS NATAL Floriano Peixoto e Roberto Freire. EDITAL n 006/2015 EXIN 2015.2 ESCOLA DO DIREITO CAMPUS NATAL Floriano Peixoto e Roberto Freire EDITAL n 006/2015 EXIN 2015.2 A Escola do Direito da Universidade Potiguar, com base nos preceitos metodológicos e em consonância com as

Leia mais

MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense

MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Ao: Pró Reitor de Desenvolvimento Institucional ANTÔNIO A. RAITANI JÚNIOR Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense Assunto:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 136, DE 24 DE JUNHO DE 2009

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 136, DE 24 DE JUNHO DE 2009 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 136, DE 24 DE JUNHO DE 2009 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

EDITAL ÁREA DO CONCURSO RECURSOS DIDÁTICOS DISPONÍVEIS SOFTWARES INSTALADOS NO COMPUTADOR. Mineração: Tratamento de Minérios

EDITAL ÁREA DO CONCURSO RECURSOS DIDÁTICOS DISPONÍVEIS SOFTWARES INSTALADOS NO COMPUTADOR. Mineração: Tratamento de Minérios CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DIVISÃO DE SELEÇÃO E CONCURSO Concurso Público Ensino Básico Técnico e Tecnológico (Edital de Normas Gerais 77/13, de 21 de junho de 2013) ETAPA DA

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DA UNIÃO EDUCACIOANAL DO PLANALTO CENTRAL CURSO DE ODONTOLOGIA PROVA INSTITUCIONAL DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACILAC

FACULDADES INTEGRADAS DA UNIÃO EDUCACIOANAL DO PLANALTO CENTRAL CURSO DE ODONTOLOGIA PROVA INSTITUCIONAL DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACILAC FACULDADES INTEGRADAS DA UNIÃO EDUCACIOANAL DO PLANALTO CENTRAL CURSO DE ODONTOLOGIA PROVA INSTITUCIONAL DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACILAC Portaria Provisória nº 01, de 20 de dezembro de 2011 Institui

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 147/2012

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 147/2012 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 147/2012 Altera o Currículo do Curso de Engenharia de Produção Mecânica para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº MEC-479/2012,

Leia mais

ANEXO I QUADRO DAS ÁREAS DE ESTUDO. Lotação 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ

ANEXO I QUADRO DAS ÁREAS DE ESTUDO. Lotação 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ Código/Área de Estudo. Desenho Técnico, Desenho Assistido por Computador (CAD), Informática 02. Materiais para Construção Mecânica, Corrosão e Tribologia 03. Termodinâmica, Refrigeração, Transferência

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

EMENTÁRIO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1/5 ANEXO II RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 31/2005 EMENTÁRIO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO I SEMESTRE Algoritmos e Estruturas de Dados I Fundamentos da Computação Fundamentos Matemáticos para a Computação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG BR 267 - Rodovia José Aurélio Vilela, nº 11.999 Cidade Universitária - Poços de Caldas- MG. DINÂMICA CURRICULAR E EMENTÁRIO DO BACHARELADO

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR ORGANIZAÇÃO CURRICULAR O curso Técnico em Informática, em Nível Médio Subseqüente, será organizado de forma semestral, com aulas presenciais, compostos por disciplinas, com conteúdos estabelecidos, tendo

Leia mais

FEDERAL ANEXO I MATRIZ ESPECÍFICA DE CORRELAÇÃO DO CONHECIMENTO

FEDERAL ANEXO I MATRIZ ESPECÍFICA DE CORRELAÇÃO DO CONHECIMENTO ANEXO I MATRIZ ESPECÍFICA DE CORRELAÇÃO DO CONHECIMENTO CARGO/ESPECIALIDADES Art. 378. Ao Consultor Legislativo, Especialidade Assessoramento Legislativo. ÁREAS DE INTERESSE DO SENADO FEDERAL Agronomia;

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. (Vigência a partir de 2011/1)

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. (Vigência a partir de 2011/1) Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 11/10 CONSUNI, de 21 de setembro de 2010. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL (Vigência a partir de 2011/1) Fase Cód. Disciplina Pré- Req. I II III

Leia mais

Reparador de Circuitos Eletrônicos

Reparador de Circuitos Eletrônicos Reparador de Circuitos Eletrônicos O Curso de Reparador de Circuitos Eletrônicos tem por objetivo o desenvolvimento de competências relativas a princípios e leis que regem o funcionamento e a reparação

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 095/2015

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 095/2015 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 095/2015 Altera a Deliberação CONSEP Nº 147/2012, que altera o Currículo do Curso de Engenharia de Produção Mecânica para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA,

Leia mais

Av. Moaci, 965 Moema São Paulo SP CEP: 04083-002 Tel. +55 (11) 2532-4813 www.geekie.com.br. Prezados colégios,

Av. Moaci, 965 Moema São Paulo SP CEP: 04083-002 Tel. +55 (11) 2532-4813 www.geekie.com.br. Prezados colégios, Prezados colégios, Buscando atender a demanda por GeekieTestes para o 1º e 2º anos do Ensino Médio, elaboramos nossa Matriz Geekie de Avaliação para 2014. Nela, buscamos contemplar os principais conteúdos

Leia mais

LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO

LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Coordenador: Duração: Carga Horária: LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Victor Emanuel Corrêa Lima 6 semestres 2800 horas Situação Legal: Reconhecido pela Portaria MEC nº 503 de 15/02/2006 MATRIZ CURRICULAR Primeiro

Leia mais

SOCIEDADE PIAUIENSE DE ENSINO SUPERIOR LTDA. INSTITUTO CAMILLO FILHO

SOCIEDADE PIAUIENSE DE ENSINO SUPERIOR LTDA. INSTITUTO CAMILLO FILHO EDITAL Nº 07/2015 O Instituto Camillo Filho torna público que estará recebendo, no período de 29 de junho a 03 de julho de 2015, inscrição de candidatos para admissão no cargo de Professor, para as disciplinas

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA INSTITUTO POLITÉCNICO. Edital Discente 2015.2

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA INSTITUTO POLITÉCNICO. Edital Discente 2015.2 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA INSTITUTO POLITÉCNICO Edital Discente 2015.2 Normas para Avaliação Global A Diretora do Instituto Politécnico, Profª. Ana Paula Ladeira, no uso de suas atribuições, e considerando

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 75/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia de do Centro

Leia mais

EDITAL EXAME DE PROFICIÊNCIA 2015.2 ANEXO 2 - DISCIPLINAS: ORDEM POR ESCOLA E CURSO ESCOLA CURSO ESTRUTURA SÉRIE DISCIPLINA

EDITAL EXAME DE PROFICIÊNCIA 2015.2 ANEXO 2 - DISCIPLINAS: ORDEM POR ESCOLA E CURSO ESCOLA CURSO ESTRUTURA SÉRIE DISCIPLINA ESCOLA CURSO ESTRUTURA SÉRIE DISCIPLINA CH CÓDIGO TIPO DE AVALIAÇÃO LOCAL TEÓRICA PRÁTICA COMUNICAÇÃO COS - HAB. PUBLICIDADE E PROPAGANDA 2012.1 6ª NOVAS ARENAS E MÍDIAS DIGITAIS 140 20451 - X NATAL COMUNICAÇÃO

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA IF SUDESTE MG REITORIA Av. Francisco Bernardino, 165 4º andar Centro 36.013-100 Juiz de Fora MG Telefax: (32) 3257-4100 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

Leia mais

ELETRÓNICA E AUTOMAÇÃO

ELETRÓNICA E AUTOMAÇÃO ELETRÓNICA E AUTOMAÇÃO QUADRO RESUMO FORMAÇÃO UFCD (H) Análise de circuitos em corrente contínua 6008 25 Corrente alternada 6010 25 Eletrónica industrial 6023 25 Instalações elétricas - generalidades 6075

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 25/08/2015 16:57. Centro de Ciências Tecnológicas

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 25/08/2015 16:57. Centro de Ciências Tecnológicas 5/8/15 16:57 Centro de Ciências Tecnológicas Curso: 19 Engenharia Mecânica (Noturno) Currículo: 15/ 1 EDU.5.-5 Universidade, Ciência e Pesquisa Ementa: A função da Universidade como instituição de produção

Leia mais

Ementas Disciplinas Obrigatórias

Ementas Disciplinas Obrigatórias Ementas Disciplinas Obrigatórias INFORMÁTICA Algoritmos I Resolução de problemas e desenvolvimento de algoritmos: análise do problema, estratégias de solução e representação. Estruturação e modularização.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEB PRORROGAÇÃO DO EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE DOCENTE

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEB PRORROGAÇÃO DO EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE DOCENTE CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEB PRORROGAÇÃO DO EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE DOCENTE A Pró-Reitora de Graduação do Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos UniFEB

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1)

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1) Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 24/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1) Fase

Leia mais

Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional - PRDI Comissão Permanente de Magistério - COPEMA Edital nº 06/2011 Retificação de 07 de julho de 2011

Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional - PRDI Comissão Permanente de Magistério - COPEMA Edital nº 06/2011 Retificação de 07 de julho de 2011 Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional - PRDI Comissão Permanente de Magistério - COPEMA Edital nº 06/2011 Retificação de 07 de julho de 2011 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO FUNDAMENTOS EM EDUCAÇÃO (Comum

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR

ESTRUTURA CURRICULAR ESTRUTURA CURRICULAR O currículo proposto busca atender além do perfil do formando, também competências e habilidades necessárias ao profissional para garantir uma boa formação tanto teórica quanto prática

Leia mais

9º SEMESTRE Crédito / Semestre 0 Horas / Semana 20

9º SEMESTRE Crédito / Semestre 0 Horas / Semana 20 Curso: 185140 Currículo: 2009-1 Engenharia de Produção Área: Matemática, Ciências Físicas e Tecnologia Habilitação: Base Legal: PARECER DA CEG 640/08 DE 16/08/2008. Turno: Noturno Duração em anos: Mínima

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Matriz Curricular válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2014/1 Fase Cod Disciplina Pré-Req.

Leia mais

1º PERÍODO P R O G R A M A

1º PERÍODO P R O G R A M A 1º PERÍODO ADJUNTA DISCIPLINA: Desenho de Arquitetura H114585 Expressão e Representação gráfica. Convenções adotadas no desenho dos Projetos de Arquitetura, de acordo com as normas vigentes (ABNT). Instrumentos

Leia mais

Missão. Objetivos Específicos

Missão. Objetivos Específicos CURSO: Engenharia Ambiental e Sanitária Missão O Curso de Engenharia Ambiental e Sanitária da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar profissionais com sólida formação técnico científica nas áreas

Leia mais

Áreas do Conhecimento - Engenharias

Áreas do Conhecimento - Engenharias Áreas do Conhecimento - Engenharias Engenharias Engenharia Civil Construção Civil Materiais e Componentes de Construção Processos Construtivos Instalações Prediais Estruturas Estruturas de Concreto Estruturas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA -2

TERMO DE REFERÊNCIA -2 TERMO DE REFERÊNCIA -2 1. O PROJETO Título do Projeto: Reforma e Ampliação das Promotorias de Justiça de Direitos Constitucionais e Patrimônio Público e Promotorias de Justiça de Ações Constitucionais

Leia mais

ESCOLA DO DIREITO CAMPUS MOSSORÓ. EDITAL n 010/2015 EXIN 2015.2

ESCOLA DO DIREITO CAMPUS MOSSORÓ. EDITAL n 010/2015 EXIN 2015.2 ESCOLA DO DIREITO CAMPUS MOSSORÓ EDITAL n 010/2015 EXIN 2015.2 A Direção Acadêmica do Campus Mossoró da Universidade Potiguar, com base nos preceitos metodológicos e em consonância com as regras institucionais

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO CIVIL

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO CIVIL TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO CIVIL 1. TURNO: Noturno GRAU ACADÊMICO: Tecnólogo em Construção Civil PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2. OBJETIVO/PERFIL DO PROFISSIONAL A SER FORMADO Objetivo

Leia mais

VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP

VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ GABINETE DA REITORIA EDITAL Nº 07/2013 CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR EFETIVO ANEXO I VAGAS POR ÁREA DE CONHECIMENTO VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP 101-Área de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL PERFIL 3001 - Válido para os alunos ingressos a partir de 2002.1 Disciplinas Obrigatórias Ciclo Geral Prát IF668 Introdução à Computação 1 2 2 45 MA530 Cálculo para Computação 5 0 5 75 MA531 Álgebra Vetorial

Leia mais

Departamento de Enfermagem Básica (1 vaga) Processo nº 23071.004115/2009-81

Departamento de Enfermagem Básica (1 vaga) Processo nº 23071.004115/2009-81 Períodos de inscrições: no sítio http://www.concurso.ufjf.br a) Primeiro período: das 09h do dia 11/05/2009 até as 14h do dia 29/05/2009; b) Segundo período: das 09h do dia 22/06/2009 até as 14h do dia

Leia mais

CATEGORIAS E GRUPOS PARA ENQUADRAMENTO IMPORTANTE. 1.- Para cada x assinalado, enviar no mínimo 02 (dois) atestados de cada categoria;

CATEGORIAS E GRUPOS PARA ENQUADRAMENTO IMPORTANTE. 1.- Para cada x assinalado, enviar no mínimo 02 (dois) atestados de cada categoria; CATEGORIAS E PARA ENQUADRAMENTO IMPORTANTE 1.- Para cada x assinalado, enviar no mínimo 02 (dois) atestados de cada categoria; 2.- Os atestados deverão: 2.1.- Ser apresentados rigorosamente de acordo com

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Matriz Curricular vigente a partir de 2012/1 Fase Cód. Disciplina Prérequisitos Carga Horária

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 141, DE 24 DE JUNHO DE 2009

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 141, DE 24 DE JUNHO DE 2009 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 141, DE 24 DE JUNHO DE 2009 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO (PROENG) ASSESSORIA DE DESENVOLVIMENTO ASSESSORIA JURÍDICA

PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO (PROENG) ASSESSORIA DE DESENVOLVIMENTO ASSESSORIA JURÍDICA FORMULÁRIO DE ALTERAÇÃO DE EMENTAS CURSO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MATRIZ(ES) CURRICULAR(ES): 2015 ALTERAÇÕES PASSAM A VIGORAR A PARTIR DO SEMESTRE: 1 Arquitetura de Computadores Arquitetura de Computadores

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS GABINETE DA REITORIA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO N. 33/2013

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS GABINETE DA REITORIA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO N. 33/2013 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS GABINETE DA REITORIA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO N. 33/2013 O Centro de Seleção da UFG estabelece e torna público as orientações gerais das atividades

Leia mais

CURSOS TÉCNICOS 1º SEMESTRE/2013

CURSOS TÉCNICOS 1º SEMESTRE/2013 CURSOS TÉCNICOS 1º SEMESTRE/2013 NOVEMBRO/2012 1) CURSOS OFERTADOS: Automação Industrial Eletrônica Eletrotécnica* Informática Informática para Internet* Mecânica* Química* Segurança do Trabalho* * Cursos

Leia mais

Ajustar, reparar e instalar peças e equipamentos em conjuntos mecânicos e dispositivos de usinagem e controle de precisão.

Ajustar, reparar e instalar peças e equipamentos em conjuntos mecânicos e dispositivos de usinagem e controle de precisão. CatÁlogo de cursos Eixo tecnológico - Controle e Processos Industriais Ajustador Mecânico Ajustar, reparar e instalar peças e equipamentos em conjuntos mecânicos e dispositivos de usinagem e controle de

Leia mais

Grade Curricular - Engenharia de Computação

Grade Curricular - Engenharia de Computação Grade Curricular - Engenharia de Computação SEMESTRE 1 - Obrigatórias FCM0101 Física I 6 0 6 FFI0180 Laboratório de Física Geral I 2 0 2 SAP0678 Desenho 2 0 2 SAP0679 Humanidades e Ciências Sociais 2 0

Leia mais

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período QUÍMICA Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão 74471 Química Estrutural 34 Química Química Inorgânica para Ciências Farmacêuticas OU 68 68977 Ciências Farmacêuticas 2008

Leia mais

Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante. Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante

Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante. Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SISTEMAS ELÉTRICOS - CESE - ÊNFASE GERAÇÃO 2013 - www.cese.unifei.edu.br CALENDÁRIO CESE GERAÇÃO 1 MÉTODOS COMPUTACIONAIS APLICADOS A SISTEMAS ELÉTRICOS 11/03/13 a 15/03/13 2

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral Curso: ENGENHARIA ELÉTRICA SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Elétrica da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar engenheiros com sólidos e atualizados conhecimentos científicos

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Matriz Curricular válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2014/1 Fase Cod

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA -2

TERMO DE REFERÊNCIA -2 TERMO DE REFERÊNCIA -2 1. O PROJETO Projeto executivo para construção do prédio das Promotorias da Infância e Juventude. 2. OBJETIVOS O presente Termo de Referência tem como objetivo nortear a contratação

Leia mais