HL7 HL7 BRASIL. Dr. Marivan Santiago Abrahão CHAIR HL7 BRASIL. Painel 4 Padrões para sistemas de Registro Eletrônico de Saúde Setembro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HL7 HL7 BRASIL. Dr. Marivan Santiago Abrahão CHAIR HL7 BRASIL. Painel 4 Padrões para sistemas de Registro Eletrônico de Saúde. 18 - Setembro - 2005 1"

Transcrição

1 Painel 4 Padrões para sistemas de Registro Eletrônico de Saúde BRASIL Dr. Marivan Santiago Abrahão CHAIR BRASIL 18 - Setembro

2 O que é É uma organização voluntária, sem fins lucrativos, voltada para o desenvolvimento de padrões e especificações para permitir troca de informações entre sistemas de informações de saúde. Health Level Seven é um protocolo internacional para intercâmbio de dados eletrônicos em todos os ambientes da área da saúde, integrando informações de natureza clínica e administrativa. É certificada (Accredited Standards Developing Organization) desde 1994 pelo ANSI para desenvolver padrões para a área da saúde Setembro

3 O que quer dizer O Termo Level 7 refere-se ao mais alto nível do modelo de comunicação Função do 6Open Aplicação System Interconnection (OSI) da ISO (International Organization for Standardization) 5 Sessão Nível de utilização : 4 Transporte gera endereçamentos para os dados a serem trocados o tempo para intercâmbio 3 Rede ão a comunicação de certos erros para o aplicativo 2 Enlace suporta funções de checagem de segurança e de disponibilidade, identificação de usuários, 1 Físico mecanismo de negociação de trocas, e o mais importante, define a estrutura de intercâmbio de informações Comunicação 7 Aplicação Modelo de Comunicação em 7 níveis OSI 18 - Setembro

4 Porquê É peculiar, por criar uma interface que engloba todas as especificações necessárias em uma organização de saúde Rapidez na implementação e alta responsividade. Responsabilidade e competência na utilização de protocolos Possui uma base bem definida em procedimentos gerados a partir de consensos, transparência e equilíbrio de interesses. Esforço na disseminação e na universalização dos seus propósitos ( 25 países) 18 - Setembro

5 Como é organizado o Membros desenvolvedores, vendedores, consultores, instituições governamentais, pesquisadores, usuários Grupos de trabalho : Comitês Técnicos responsáveis pela criação dos protocolos Grupos de Interesse especial servem como campos de testes e provas para as especificações criadas Preocupação em identificar os diferentes anseios de cada grupo, assegurando os requisitos necessários de uniformidade e eqüidade, com qualidade e consistência. Gerenciada por um corpo de diretores, com política de filiação aberta e com votação balanceada Setembro

6 A missão do Prover sistemas e padrões relacionados para a troca, integração, compartilhamento e recuperação de informação eletrônica na saúde, para apoio da prática médica e administrativa, permitindo um maior controle dos serviços de saúde criar metodologias, padrões e diretrizes que sejam flexíveis, viáveis economicamente e que permitam a interoperabilidade e o compartilhamento de informações clínicas armazenadas eletronicamente Setembro

7 A finalidade do Desenvolver e publicar padrões aprovados pela ANSI Promover o uso dos padrões dentro dos domínios da área de saúde, seus controladores e reguladores, a nível internacional Promover a educação e treinamento para sua utilização Prover serviços de certificação Prover metodologias para a criação de extensões a partir das bases dos padrões Encorajar a aceitação e uso do ao redor do mundo com a criação de afiliações internacionais como o BRASIL, e internacionalização dos padrões do Setembro

8 Principais áreas do Registro de paciente Prescrição médica Prescrição de dietas Observações clínicas Solicitação e Resultados de exames Admissão,Transferência e Alta Contas a pagar seguros e convênios Pedido de materiais 18 - Setembro

9 HISTÓRICO ª. Reunião PA University USA Versão Publicação do 1ª. Padrão Versão ª. Afiliação Internacional (Alemanha, Holanda) 1994 Acreditação ANSI 2000 Versão Versão Versão 3.0 No Brasil ª. Registro de Afiliação º. Registro de Afiliação 18 - Setembro

10 2200 Membros ATUAÇÃO 500 Membros Corporativos 25 Afiliações Internacionais 3 encontros anuais ( de 3 dias) Afiliados : 60 Publicações Traduções Holanda, Finlândia, Alemanha, Japão Adaptações e Implementações locais Interpretações de termos Endossado pelos Governos USA, Nova Zelândia, Australia, Holanda Setembro

11 Afiliação Internacional 18 - Setembro

12 OBJETIVOS E METAS BRASIL Implementar e divulgar a marca Brasil Abertura do projeto para filiação e patrocínio Tradução do material técnico para o português Realização de cursos e provas de certificação técnica Intercâmbio com instituições governamentais de regulação, instâncias jurídicas, órgãos de classe e empresas privadas para validação 18 - Setembro

13 OBRIGADO!!! Dr. Marivan Santiago Abrahão Diretor Executivo (Chair( Chair) Web : Brasil Rua Afonso Braz 644, conj. 14 Vila Nova Conceição , 001, São Paulo, SP Brasil 18 - Setembro

AULA 03 MODELO OSI/ISO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação

AULA 03 MODELO OSI/ISO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação AULA 03 MODELO OSI/ISO Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação INTRODUÇÃO 2 INTRODUÇÃO 3 PROTOCOLOS Protocolo é a regra de comunicação usada pelos dispositivos de uma

Leia mais

INSTITUTO HL7 BRASIL DESENVOLVIMENTO E PROMOÇÃO DE PADRÕES EM INFORMÁTICA EM SAÚDE ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação e da Natureza Jurídica

INSTITUTO HL7 BRASIL DESENVOLVIMENTO E PROMOÇÃO DE PADRÕES EM INFORMÁTICA EM SAÚDE ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação e da Natureza Jurídica INSTITUTO HL7 BRASIL DESENVOLVIMENTO E PROMOÇÃO DE PADRÕES EM INFORMÁTICA EM SAÚDE ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Da Denominação e da Natureza Jurídica Art. 1º - O Instituto HL7 Brasil - Desenvolvimento e

Leia mais

Redes de Computadores - Capitulo II 2013. prof. Ricardo de Macedo 1 ISO INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDZATION

Redes de Computadores - Capitulo II 2013. prof. Ricardo de Macedo 1 ISO INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDZATION Capitulo 2 Prof. Ricardo de Macedo ISO INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDZATION Organização Internacional para Padronização. Definição de um padrão de interoperabilidade. Modelo OSI OSI OPEN SYSTEM

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

XBRL como instrumento da contabilidade

XBRL como instrumento da contabilidade REUNIÃO GTSIS - 23/05/2012 XBRL como instrumento da contabilidade Paulo Roberto da Silva Fone : 0xx-51-3323-2219 E-mail: paulo.silva@gerdau.com.br REUNIÃO GTSIS - 23/05/2012 Objetivo: Identificar as facilidades

Leia mais

Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro

Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Arquiteturas de Redes Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Arquiteturas de Redes Organizações de padronização Modelos de referência Modelo OSI Arquitetura IEEE 802 Arquitetura

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

APLICAÇÃO REDE APLICAÇÃO APRESENTAÇÃO SESSÃO TRANSPORTE REDE LINK DE DADOS FÍSICA 1/5 PROTOCOLOS DE REDE

APLICAÇÃO REDE APLICAÇÃO APRESENTAÇÃO SESSÃO TRANSPORTE REDE LINK DE DADOS FÍSICA 1/5 PROTOCOLOS DE REDE 1/5 PROTOCOLOS DE O Modelo OSI O OSI é um modelo usado para entender como os protocolos de rede funcionam. Para facilitar a interconexão de sistemas de computadores, a ISO (International Standards Organization)

Leia mais

Modelos de Camadas. Professor Leonardo Larback

Modelos de Camadas. Professor Leonardo Larback Modelos de Camadas Professor Leonardo Larback Modelo OSI Quando surgiram, as redes de computadores eram, em sua totalidade, proprietárias, isto é, uma determinada tecnologia era suportada apenas por seu

Leia mais

Sistemas de Informação. Profª Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Instrutora Cisco Networking Academy - UNISUL 2013

Sistemas de Informação. Profª Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Instrutora Cisco Networking Academy - UNISUL 2013 Sistemas de Informação Profª Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Instrutora Cisco Networking Academy - UNISUL 2013 Conjunto de Módulos Processadores (MP) capazes de trocar informações e compartilhar recursos,

Leia mais

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Protocolo O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Máquina: Definem os formatos, a ordem das mensagens enviadas e recebidas pelas entidades de rede e as ações a serem tomadas

Leia mais

Introdução à Qualidade de Software. Profº Aldo Rocha

Introdução à Qualidade de Software. Profº Aldo Rocha Introdução à Qualidade de Software Profº Aldo Rocha Agenda O que é Qualidade? O que é Qualidade de Software? Qualidade do Produto e do Processo Normas e Organismos Normativos Qualidade de Software e Processos

Leia mais

Software de rede e Modelo OSI André Proto UNESP - São José do Rio Preto andre.proto@sjrp.unesp.br O que será abordado Hierarquias de protocolos (camadas) Questões de projeto relacionadas às camadas Serviços

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Unidade 2.1 Modelos de Referência

Unidade 2.1 Modelos de Referência Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2.1 Modelos de Referência 2 Bibliografia da disciplina

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Introdução à tecnologia de redes Redes de Computadores Século XX - Era da Informação -> invenção do computador. No início, os mainframes

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software Prof. Sam da Silva Devincenzi sam.devincenzi@gmail.com ISO International Organization for Standardization Organização não governamental que elabora normas internacionais, que visam

Leia mais

Unidade 2.1 Modelos de Referência. Bibliografia da disciplina. Modelo OSI. Modelo OSI. Padrões 18/10/2009

Unidade 2.1 Modelos de Referência. Bibliografia da disciplina. Modelo OSI. Modelo OSI. Padrões 18/10/2009 Faculdade INED Unidade 2.1 Modelos de Referência Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Fundamentos de Redes Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 2 Bibliografia da disciplina Bibliografia

Leia mais

ISO - 9126. Aécio Costa

ISO - 9126. Aécio Costa ISO - 9126 Aécio Costa A evolução da Qualidade do Produto Qualidade = funcionalidade Confiabilidade Realização de funções críticas Produto de qualidade = sem bugs Controle de qualidade Teste do produto

Leia mais

Grupo de Colaboração Internacional para o Gerenciamento da Segurança Operacional (SM ICG) Termo de Referência

Grupo de Colaboração Internacional para o Gerenciamento da Segurança Operacional (SM ICG) Termo de Referência Grupo de Colaboração Internacional para o Gerenciamento da Segurança Operacional (SM ICG) Termo de Referência 25 Janeiro 2012 Aprovação do Termo de Referência Graeme Harris Diretor, Aviação Civil Autoridade

Leia mais

Partner Network. www.scriptcase.com.br

Partner Network. www.scriptcase.com.br www.scriptcase.com.br A Rede de Parceiros ScriptCase é uma comunidade que fortalece os nossos representantes em âmbito nacional, possibilitando o acesso a recursos e competências necessários à efetivação

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES MEMÓRIAS DE AULA AULA 1 APRESENTAÇÃO DO CURSO, HISTÓRIA, EQUIPAMENTOS E TIPOS DE REDES Prof. José Wagner Bungart CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Definição de Redes de Computadores e Conceitos

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 3: Modelo de Referência -

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Bancos de Dados Geoespaciais Conheça os Requisitos para Coletar, Armazenar, Processar e Compartilhar Dados Espaço-temporais Com Qualidade

Bancos de Dados Geoespaciais Conheça os Requisitos para Coletar, Armazenar, Processar e Compartilhar Dados Espaço-temporais Com Qualidade Bancos de Dados Geoespaciais Conheça os Requisitos para Coletar, Armazenar, Processar e Compartilhar Dados Espaço-temporais Com Qualidade Profª Drª Simone Sayuri Sato Universidade Federal de Pernambuco

Leia mais

Panorama dos gastos com cuidados em saúde

Panorama dos gastos com cuidados em saúde Panorama dos gastos com cuidados em saúde 08 de abril de 2008 João Sanches Diretor de Relações Institucionais Cadeia de Valor - Inovação em Saúde Transparência Proteção à propriedade intelectual Mercados

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

Arquitetura de Redes de Computadores. Bruno Silvério Costa

Arquitetura de Redes de Computadores. Bruno Silvério Costa Arquitetura de Redes de Computadores Bruno Silvério Costa Projeto que descreve a estrutura de uma rede de computadores, apresentando as suas camadas funcionais, as interfaces e os protocolos usados para

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

Aspectos Estratégicos da Computação Distribuída Aula 2

Aspectos Estratégicos da Computação Distribuída Aula 2 Aspectos Estratégicos da Aula 2 Mudanças no Ambiente de Negócios Reengenharia Padrões e Sistemas Abertos Framework para Discussão Processos e Ambientes de Negócios Padronização Introdução à Infra-Estrutura

Leia mais

Anexo VI Edital nº 03361/2008. Projeto de Integração das informações de Identificação Civil. 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP

Anexo VI Edital nº 03361/2008. Projeto de Integração das informações de Identificação Civil. 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP Anexo VI Edital nº 03361/2008 Projeto de Integração das informações de Identificação Civil 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP A Senasp procura adotar os padrões de interoperabilidade

Leia mais

Experiências exitosas na implantação de Registro Eletrônico de Saúde

Experiências exitosas na implantação de Registro Eletrônico de Saúde Experiências exitosas na implantação de Registro Eletrônico de Saúde Beatriz de Faria Leão Bleao Informática em Saúde Rio de Janeiro, 1 de agosto de 2012 Agenda Conceitos Padrões para a construção do RES

Leia mais

Governo Federal / Governo Estadual. Imagem suportando a Infraestrutura Nacional de Dados Espaciais INDE Carlos Toledo

Governo Federal / Governo Estadual. Imagem suportando a Infraestrutura Nacional de Dados Espaciais INDE Carlos Toledo Governo Federal / Governo Estadual Imagem suportando a Infraestrutura Nacional de Dados Espaciais INDE Carlos Toledo Plenária Desafios comuns Governança de dados espaciais; Informação geográfica é um ativo

Leia mais

Missão Institucional da REMEQ-PB Promover a difusão de conhecimentos científicos e tecnológicos nas áreas de metrologia e qualidade, apoiando o desenvolvimento de pessoal e de infra-estrutura laboratorial,

Leia mais

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 Da experiência obtida no projeto de redes, vários princípios, surgiram, possibilitando que novos projetos fossem

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

Tecnologia e-sus Sistema de Gestão e-sus Hospitalar

Tecnologia e-sus Sistema de Gestão e-sus Hospitalar e-sus Hospitalar Tecnologia e-sus Sistema de Gestão e-sus Hospitalar Tecnologia web desenvolvido em linguagem.net Banco de dados Oracle / SQL Server Workflow designer Gerador de relatórios Reporting Services

Leia mais

INSTITUTO HL7 BRASIL Brazilian Affiliate - HL7.ORG RELATÓRIO DE GESTÃO

INSTITUTO HL7 BRASIL Brazilian Affiliate - HL7.ORG RELATÓRIO DE GESTÃO RELATÓRIO DE GESTÃO 2007 2010 Diretoria - Gestão 2007 2010 Presidente : Marivan Santiago Abrahão Secretário : Eduardo Pereira Marques Tesoureiro : Claudio Giulliano Alves da Costa Conselho Fiscal Lincoln

Leia mais

CTIR Gov - Centro de Tratamento de Incidentes de Segurança de Redes de Computadores da Administração Pública Federal. CTIR Gov

CTIR Gov - Centro de Tratamento de Incidentes de Segurança de Redes de Computadores da Administração Pública Federal. CTIR Gov CTIR Gov Centro de Tratamento de Incidentes de Segurança de Redes de Computadores da Administração Pública Federal - CTIR Gov http://www.ctir.gov.br O CTIR Gov é um órgão subordinado ao Departamento de

Leia mais

Brasília 19 de abril de 2011 Local: CNI

Brasília 19 de abril de 2011 Local: CNI Brasília 19 de abril de 2011 Local: CNI Eng. Eduardo Campos de São Thiago - Gerente de Relações Internacionais da ABNT - Co-Secretário, ISO Working Group on Social Responsibility 1 Talvez você não tenha

Leia mais

Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul

Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Redes Locais Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://professoreduardoaraujo.com ARQUITETURA DE REDES Hierarquia de Protocolos

Leia mais

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO Ambiente de Inovação em Saúde EVENTO BRITCHAM LUIZ ARNALDO SZUTAN Diretor do Curso de Medicina Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo SOCIEDADES CONHECIMENTO

Leia mais

A nova versão da ISO 9001:2015 - Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

A nova versão da ISO 9001:2015 - Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos A nova versão da ISO 9001:2015 - Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos Criada pela International Organization for Standardization (ISO), a ISO 9001 é uma série de normas sobre gestão da qualidade

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Arquiteturas de Redes

REDES DE COMPUTADORES. Arquiteturas de Redes REDES DE COMPUTADORES Arquiteturas de Redes Agenda Necessidade de Padronização Protocolos e Padrões Órgãos de Padronização Conceitos de Arquitetura em Camadas Arquitetura de Redes OSI TCP/IP Necessidade

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Roteiro Análise de requisitos Definição de requisitos do sistema Requisitos Funcionais Requisitos Não Funcionais Exercício Análise de Requisitos Análise de Requisitos É o 1º passo

Leia mais

CERTIFICAÇÕES / DATAFARMAR&B

CERTIFICAÇÕES / DATAFARMAR&B CERTIFICAÇÕES / DATAFARMAR&B INFRA-ESTRUTURA DATAFARMAR&B SERVERS INTEGRAÇÃO DATABASE DATABASE DATABASE PROCESSORS PROCESSAMENTO DE VALIDAÇÃO E ESTRUTRA DE DADOS DATABASE LABORATÓRIO FARMÁCIA DISTRIBUIDOR

Leia mais

Certificação de Sistemas de Gestão de Serviços de TI em Portugal

Certificação de Sistemas de Gestão de Serviços de TI em Portugal Certificação de Sistemas de Gestão de Serviços de TI em Portugal ISO/IEC 20000-1 Mário Lavado itsmf Portugal Aveiro 19 de Março de 2009 itsmf Portugal 1 Agenda 1. O que é a itsmf? 2. As normas ISO/IEC

Leia mais

Modelo de Referência OSI

Modelo de Referência OSI Modelo de Referência OSI Hermes Senger Pós-Graduação Lato Sensu em Redes de Computadores - DC - UFSCar Modelo OSI- 1 A necessidade de padronização Década de 70 : Sucesso das primeiras redes de dados (ARPANET,

Leia mais

A perspectiva e atuação da ANS no desenvolvimento de padrões no Brasil. Jussara M P Rötzsch ANS/DIDES/GGSUS

A perspectiva e atuação da ANS no desenvolvimento de padrões no Brasil. Jussara M P Rötzsch ANS/DIDES/GGSUS A perspectiva e atuação da ANS no desenvolvimento de padrões no Brasil Jussara M P Rötzsch ANS/DIDES/GGSUS Avanços (tecnológico e científico) na Saúde Maior conhecimento sobre os determinantes de saúde

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Open Systems Interconnection Modelo OSI No início da utilização das redes de computadores, as tecnologias utilizadas para a comunicação

Leia mais

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2 Introdução a SQL 2 Leitura Obrigatória ELMASRI,

Leia mais

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO Brasília, 28 de outubro de 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO

Leia mais

Relatório apresentado na reunião em Karlsruher Institut für Technologie Karlsruhe, Alemanha

Relatório apresentado na reunião em Karlsruher Institut für Technologie Karlsruhe, Alemanha Relatório apresentado na reunião em Karlsruher Institut für Technologie Karlsruhe, Alemanha Arquitetura da Informação para o Sistema Brasileiro de Inventário de Ciclo de Vida (SICV BRASIL) Everson Andrade

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE HIGIENISTAS OCUPACIONAIS. automático

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE HIGIENISTAS OCUPACIONAIS. automático ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE HIGIENISTAS OCUPACIONAIS automático Quem somos? Associação sem fins lucrativos criada em 1994; Congrega pessoas físicas e jurídicas com interesses relacionados à Higiene Ocupacional;

Leia mais

1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão

1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão 1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão ISO 9001:2015 Histórico da série 2 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão Histórico da série REVISÕES DA SÉRIE ISO 9000 2000 2008 2015 1994 1987 3 2009 CBG Centro Brasileiro

Leia mais

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1)

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1) Cenário das redes no final da década de 70 e início da década de 80: Grande aumento na quantidade e no tamanho das redes Redes criadas através de implementações diferentes de hardware e de software Incompatibilidade

Leia mais

Modelo de Governança

Modelo de Governança Nome do Projeto Subproduto Responsável do Projeto / Área E-mail Desenvolvimento do Centro Nacional de Terminologia Moacyr Esteves Perche - DATASUS moacyr.perche@saude.gov.br Telefone (61) 3315-2915 Responsável

Leia mais

(Open System Interconnection)

(Open System Interconnection) O modelo OSI (Open System Interconnection) Modelo geral de comunicação Modelo de referência OSI Comparação entre o modelo OSI e o modelo TCP/IP Analisando a rede em camadas Origem, destino e pacotes de

Leia mais

GUIA PARA O RECONHECIMENTO DOS PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE

GUIA PARA O RECONHECIMENTO DOS PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE MERCOSUL/GMC/RES. Nº 14/05 GUIA PARA O RECONHECIMENTO DOS PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 38/95, 77/98, 56/02,

Leia mais

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Professor Samuel Graeff prof.samuel@uniuv.edu.br COBIT O que e? COBIT significa Control Objectives for Information and related Technology - Objetivos

Leia mais

Orientações iniciais. FATTO Consultoria e Sistemas - www.fattocs.com

Orientações iniciais. FATTO Consultoria e Sistemas - www.fattocs.com 1 Orientações iniciais Dê preferência ao uso de uma conexão de banda larga O evento não fará uso do vídeo (webcam), somente slides e áudio Se necessário, ajuste o idioma da sala na barra de ferramentas

Leia mais

Engenharia de Sistemas de Computador

Engenharia de Sistemas de Computador Engenharia de Sistemas de Computador Sistema é um conjunto ou disposição de elementos que é organizado para executar certo método, procedimento ou controle ao processar informações. Assim, o que é um Sistema????????

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTÁTISTICA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO DE DADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTÁTISTICA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO DE DADOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTÁTISTICA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO DE DADOS PROFESSOR: CARLOS BECKER WESTPHALL Terceiro Trabalho

Leia mais

Protocolos Hierárquicos

Protocolos Hierárquicos Protocolos Hierárquicos O que é a Internet? Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações distribuídas Enlaces de comunicação fibra, cobre, rádio,

Leia mais

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação. Sistemas de Informação no SUS Informação para Gestão

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação. Sistemas de Informação no SUS Informação para Gestão Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação Sistemas de Informação no SUS Informação para Gestão Contato Cláudio Giulliano Alves da Costa, MD, MSc. Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo Assessoria

Leia mais

Proposta. ISO 20.000 / 2011 Fundamentos. Apresentação Executiva. ISO 20.000 / 2011 - Fundamentos

Proposta. ISO 20.000 / 2011 Fundamentos. Apresentação Executiva. ISO 20.000 / 2011 - Fundamentos ISO 20.000 / 2011 Fundamentos Apresentação Executiva 1 O treinamento de ISO 20.000 Foundation tem como premissa fornecer uma visão geral da publicação da norma ISO/IEC 20000 capacitando o aluno a entender

Leia mais

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos Normas ISO 14000 Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Conselho Técnico da ABNT; Superintendente, ABNT/CB 38 Vice Presidente do ISO/TC 207 (Normas ISO 14000) Presidente, Conselho Empresarial de Meio Ambiente

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando?

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? A publicação prevista para Novembro de 2015 tem como propósito refletir as mudanças no ambiente em que a norma é usada e garantir que a mesma mantenha-se adequada

Leia mais

Software para Saúde Conectada

Software para Saúde Conectada TrakCare LAB Inovação na evolução dos pacientes, performance de laboratórios e comunicação entre os profissionais de saúde. Software para Saúde Conectada Mais poder para seu laboratório, mais benefícios

Leia mais

ESTRUTURAÇÃO DE UM BANCO DE DADOS DE IMAGENS ORBITAIS PARA WEBMAPPING

ESTRUTURAÇÃO DE UM BANCO DE DADOS DE IMAGENS ORBITAIS PARA WEBMAPPING ESTRUTURAÇÃO DE UM BANCO DE DADOS DE IMAGENS ORBITAIS PARA WEBMAPPING RAFAELA S. NIEMANN 1 ; SOPHIA D. RÔVERE 2 ; WILSON A. HOLLER 3 N 10508 RESUMO A organização de imagens de satélite direcionada à implementação

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

PRESS RELEASE. Copyright 2015 Gustavo Marísio Bacelar da Silva. Todos os direitos reservados. CRASH COURSE. openehr. Gustavo Bacelar.

PRESS RELEASE. Copyright 2015 Gustavo Marísio Bacelar da Silva. Todos os direitos reservados. CRASH COURSE. openehr. Gustavo Bacelar. Copyright 2015 Gustavo Marísio Bacelar da Silva. Todos os direitos reservados. PRESS RELEASE CRASH COURSE openehr Gustavo Bacelar Julho, 2015 O QUE É OPENEHR O openehr é um conjunto de especificações abertas

Leia mais

Bom-dia a todos! Prof. Oceano Zacharias. www.quality.eng.br 1

Bom-dia a todos! Prof. Oceano Zacharias. www.quality.eng.br 1 Bom-dia a todos! Prof. Oceano Zacharias www.quality.eng.br 1 1 ISO 9001 Sistema de Gestão da Qualidade RUMO À RECERTIFICAÇÃO Módulo 0 www.quality.eng.br 2 2 Oceano Zacharias Físico, Matemático e Engenheiro

Leia mais

Arquitetura de Redes: Camadas de Protocolos (Parte I) Prof. Eduardo

Arquitetura de Redes: Camadas de Protocolos (Parte I) Prof. Eduardo Arquitetura de Redes: Camadas de Protocolos (Parte I) Prof. Eduardo Introdução O que é Protocolo? - Para que os pacotes de dados trafeguem de uma origem até um destino, através de uma rede, é importante

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Abertura Acreditação: aspectos, desafios e resultados para as organizações de saúde Nome do palestrante: Paulo H. Bertolini

Abertura Acreditação: aspectos, desafios e resultados para as organizações de saúde Nome do palestrante: Paulo H. Bertolini Abertura Acreditação: aspectos, desafios e resultados para as organizações de saúde Nome do palestrante: Paulo H. Bertolini GPT Acreditação ABRAC / Gerente de Novos Negócios Fundação Vanzolini Tema Acreditação:

Leia mais

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente)

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Redes Heterogênea e Convergente Professor Rene - UNIP 1 Redes heterogêneas Redes Heterogêneas Todo ambiente de rede precisa armazenar informações

Leia mais

Política de uso da Federação CAFe: provedores de serviço. DAGSer Diretoria Adjunta de Gestão de Serviços

Política de uso da Federação CAFe: provedores de serviço. DAGSer Diretoria Adjunta de Gestão de Serviços Política de uso da Federação CAFe: provedores de serviço DAGSer Diretoria Adjunta de Gestão de Serviços Julho de 2011 Sumário 1. Apresentação...3 2. Definições...3 3. Público alvo...4 4. Credenciamento...4

Leia mais

Fundamentos de Informática

Fundamentos de Informática Fundamentos de Informática Protocolos e Padrões Protocolos e Padrões Protocolos: conjunto de regras que controlam que controlam as comunicações de dados; Padrões: fornecem diretrizes aos fabricantes para

Leia mais

Avaya Networking. Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence

Avaya Networking. Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence Avaya Networking Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence Programação 1. Introdução (02/set - 10:00) 2. Conceitos básicos I (16/set - 10:00) 3. Conceitos básicos II (07/out - 10:00) 4. Conhecimento

Leia mais

ITI Liderança em implantodontia.

ITI Liderança em implantodontia. ITI Liderança em implantodontia. Uma organização dedicada ao avanço do conhecimento e ao compartilhamento de experiência. Professor Dr. Daniel Buser Presidente ITI Dr. Stephen Chen Presidente Comitê de

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PRONATEC PROFESSOR: NATANIEL VIEIRA ALUNOS: ANA CAROLINA, ROMÁRIO, WAGNER.

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PRONATEC PROFESSOR: NATANIEL VIEIRA ALUNOS: ANA CAROLINA, ROMÁRIO, WAGNER. 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PRONATEC PROFESSOR: NATANIEL VIEIRA ALUNOS: ANA CAROLINA, ROMÁRIO, WAGNER. TURMA: 2 TERMOS TÉCNICOS PELOTAS, 2012 ANA CAROLINA, ROMÁRIO,

Leia mais

livros indicados e / ou recomendados

livros indicados e / ou recomendados Material complementar. Não substitui os livros indicados e / ou recomendados Prof. Jorge Luiz - 203 Pág. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE - SGQ Sistema de Gestão da Qualidade SGQ é a estrutura a ser criada

Leia mais

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos Arquiteturas de Rede 1 Sumário Introdução; Modelo de Referência OSI; Modelo de Referência TCP/IP; Bibliografia. 2/30 Introdução Já percebemos que as Redes de Computadores são bastante complexas. Elas possuem

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Protocolos: Fundamentos Fabricio Breve Protocolos linguagem utilizada pelos diversos dispositivos para trocar informações Exemplos: TCP/IP, NetBEUI, SPX/IPX Premissas básicas A maioria

Leia mais

Introdução à ISO 9001:2015

Introdução à ISO 9001:2015 Trilhando o caminho das mudanças da nova versão Clique aqui para para conhecer-me. Introdução à ISO 9001:2015 Apresentar e interpretar As mudanças da norma versão da ABNT ISO 9001:2015 em relação à ABNT

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Sistema de Gestão Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental Professora Flavia Nogueira Zanoni MSc em Controle de Poluição Ambiental

Leia mais

Projeto IRS e Biometria. Implementação da visão unificada dos cadastros de indivíduos e uso da tecnologia de identificação biométrica nas aplicações

Projeto IRS e Biometria. Implementação da visão unificada dos cadastros de indivíduos e uso da tecnologia de identificação biométrica nas aplicações Implementação da visão unificada dos cadastros de indivíduos e uso da tecnologia de identificação biométrica nas aplicações Liliane Utz/SJS - maio/2013 Agenda Parte I Biometria o Conceitos o Tecnologia

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Cooperação com LILACS

Cooperação com LILACS Cooperação com LILACS Sarah Maria Viola de Oliveira Bibliotecária BIREME/OPAS/OMS Produção de Fontes de Informação PFI Fontes de Informação Referenciais FIR Conceitos do LILDBI-Web Base não certificada

Leia mais

Folheto Acelere sua jornada rumo à nuvem. Serviços HP Cloud Professional

Folheto Acelere sua jornada rumo à nuvem. Serviços HP Cloud Professional Folheto Acelere sua jornada rumo à nuvem Professional Folheto Professional A HP oferece um portfólio abrangente de serviços profissionais em nuvem para aconselhar, transformar e gerenciar sua jornada rumo

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação ISO 27001 - SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO www.paralleldiscover.pt 2 A ISO 27001 é uma norma internacional publicada pela International Standardization Organization

Leia mais

Verificação de inventário de GEE no âmbito do Programa Brasileiro GHG Protocol

Verificação de inventário de GEE no âmbito do Programa Brasileiro GHG Protocol Verificação de inventário de GEE no âmbito do Programa Brasileiro GHG Protocol Workshop de Organismos de Validação e Verificação Rio de Janeiro, 12 de junho de 2013 Programa Brasileiro GHG Protocol Lançado

Leia mais

ASSESSORIA NA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE, CONFORME ABNT NBR ISO 9001 E ASSESSORIA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO ISO 9001, ISO

ASSESSORIA NA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE, CONFORME ABNT NBR ISO 9001 E ASSESSORIA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO ISO 9001, ISO ASSESSORIA NA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE, CONFORME ABNT NBR ISO 9001 E ASSESSORIA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001 Hall Consult Produtos/ Serviços:

Leia mais