CONCORRÊNCIA AA Nº 03/ BNDES ANEXO III PROJETO BÁSICO: FATORES DE PONTUAÇÃO TÉCNICA

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONCORRÊNCIA AA Nº 03/2010 - BNDES ANEXO III PROJETO BÁSICO: FATORES DE PONTUAÇÃO TÉCNICA"

Transcrição

1 CONCORRÊNCIA AA Nº 03/ BNDES ANEXO III PROJETO BÁSICO: FATORES DE PONTUAÇÃO TÉCNICA 1. INTRODUÇÃO Em virtude da intelectualidade manifesta dos serviços a serem licitados será adotado o tipo de licitação técnica e preço, considerando-se como fatores de ponderação os valores 6 (seis) para o índice técnico e 4 (quatro) para o índice de preço. A adoção do fator de ponderação 6 (seis) para a técnica se justifica pela natureza, importância e complexidade dos serviços a serem contratados e pela qualificação e especialização do LICITANTE que o índice técnico pode revelar. 2. FATOR DESEMPENHO A adoção do FATOR DESEMPENHO justifica-se em face da complexidade do objeto licitado, em que se faz necessário avaliar a experiência dos LICITANTES em executarem projetos de porte e complexidade similares ao projeto do BNDES, a fim de resguardar o investimento do erário público. Para este fator de pontuação técnica, será avaliada a experiência do LICITANTE na prestação de serviços de desenvolvimento de sistema de gestão de continuidade de negócios similar ao ofertado ao BNDES A experiência será comprovada através da apresentação de até 4 (quatro) atestados ou 4 conjuntos de atestados de capacidade técnica, que comprove(m) que o LICITANTE executou ou está executando serviços compreendendo no mínimo, os serviços descritos nas Etapas 3, 4 e 5 do ANEXO I PROJETO BÁSICO: ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO deste EDITAL, fornecidos por clientes do LICITANTE (empresas atestantes - pessoas jurídicas do direito público ou privado), conforme modelo apresentado no ANEXO VI MODELOS DE ATESTADOS E DECLARAÇÕES deste EDITAL Tabela de Pontuação do FATOR DESEMPENHO: ITEM Apresentou 4 (quatro) atestados ou 4 (quatro) conjuntos de atestados Apresentou 3 (três) atestados ou 3 (três) conjuntos de atestados Apresentou 2 (dois) atestados ou 2 (dois) conjuntos de atestados Apresentou 1 (um) atestado ou 1 (um) conjunto de atestados PONTOS 60 (sessenta) pontos 45 (quarenta e cinco) pontos 30 (trinta) pontos 15 (quinze) pontos

2 Não apresentou atestado ou conjunto de atestados 0 (zero) ponto Para que um atestado de prestação do serviço de desenvolvimento de sistema de gestão de continuidade de negócios seja considerado válido, para fins de pontuação: O atestado deverá referir-se a projeto de desenvolvimento de sistema de gestão de continuidade de negócios compreendendo, no mínimo, os serviços descritos nas Etapas 3, 4 e 5 do ANEXO I PROJETO BÁSICO: ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO deste EDITAL. No tocante à Etapa 3 exige-se a evidência de que o LICITANTE realizou uma BIA (Análise de Impacto de Negócios) e uma Avaliação de Riscos. Em relação à Etapa 4 exige-se a evidência da definição de Estratégias de Continuidade para a empresa cliente. E, para a Etapa 5, exige-se a comprovação da elaboração de, pelo menos, o Plano de Continuidade de Negócios O LICITANTE, sede ou filial, deve ter sido a empresa responsável pela prestação dos serviços de desenvolvimento de sistema de gestão de continuidade de negócios A comprovação de experiência poderá ser efetuada através de um único atestado ou por atestados emitidos por empresas diferentes que no seu conjunto compreendam no mínimo os serviços descritos nas Etapas 3, 4 e 5 do ANEXO I PROJETO BÁSICO: ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO deste EDITAL, observado o disposto no item deste ANEXO Deverá constar da Proposta Técnica do LICITANTE, conforme modelo constante do ANEXO VII MODELO DE PROPOSTA TÉCNICA deste EDITAL, para cada critério de pontuação, uma tabela na qual deverá(ão) ser descrito(s) o(s) atestado(s) ou conjunto(s) de atestados que deverá(ão) ser considerado(s) para a pontuação no respectivo critério. Atestados ou conjuntos de atestados anexados à Proposta Técnica que não estejam arrolados na respectiva tabela não serão considerados para fins de pontuação As informações mínimas que não estejam expressamente indicadas no(s) atestado(s) apresentado(s) pelo LICITANTE deverão ser comprovadas por meio de documentação complementar anexada ao(s) atestado(s) Os atestados deverão ser apresentados em papel timbrado da empresa atestante, contendo, minimamente, as seguintes informações: CNPJ, nome comercial e endereço da(s) empresa(s) atestante(s);

3 nome, cargo/função, endereço, telefone e da pessoa de contato da(s) empresa(s) atestante(s), ou qualquer outro meio que permita ao BNDES manter contato com a(s) empresa(s) atestante(s); CNPJ e nome da empresa contratada pela(s) empresa(s) atestante(s) para a execução do serviço atestado; descrição detalhada do escopo dos serviços atestados, contendo dados que permitam o entendimento dos trabalhos realizados, e a aferição da similaridade do serviço atestado com o serviço licitado, nos termos do item deste ANEXO; data de início da prestação dos serviços atestados; data de término da prestação dos serviços atestados, em caso de contrato já encerrado; ou indicação da data prevista e da etapa em que se encontra o projeto, no caso de contrato em execução; data da emissão do atestado; e assinatura da pessoa de contato da(s) empresa(s) atestante(s) Não será considerado válido, para fins de pontuação, atestado de prestação do serviço de desenvolvimento de sistema de gestão de continuidade de negócios em que a atestante seja empresa do mesmo grupo econômico do LICITANTE, pois a independência no ateste da qualidade na prestação do serviço seria comprometida Com base nos documentos arrolados (e devidamente anexados) em sua Proposta Técnica, o LICITANTE poderá fazer jus à pontuação adicional, conforme sejam atendidos os itens elencados na tabela do item a seguir. Esta pontuação poderá ser cumulativa, ou não, conforme o atendimento a cada um destes itens: Tabela de Pontuação Adicional do FATOR DESEMPENHO:

4 Descrição do Critério Modo de Comprovação Justificativa Pontos por Atestado ou conjunto de atestados Pontuação Máxima Experiência da LICITANTES em serviços de consultoria de desenvolvimento de sistema de gestão de continuidade de negócios em INSTITUIÇÃO(ÕES) FINANCEIRA(S), que comprove(m) que o Licitante executou ou está executando serviços compreendendo no mínimo, as atividades descritas nas etapas 3, 4 e 5 do Anexo I deste Edital. No tocante à etapa 3 exige-se a evidência de que o Licitante realizou uma BIA (Análise de Impacto de Negócios) e uma Avaliação de Riscos. Em relação à etapa 4 exige-se a evidência da definição de Estratégias de Continuidade para uma empresa cliente e para a Etapa 5, pede-se a comprovação da elaboração de pelo menos o Plano de Continuidade de Negócios. Atestados ou conjuntos de atestados emitidas por instituições financeiras, que comprove(m) que o Licitante executou ou está executando serviços compreendendo no mínimo, as atividades descritas nas etapas 3, 4 e 5 do Anexo I deste Edital. INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS: estas instituições têm peculiaridades relativas ao seu tipo de negócio, que demandam especificações associadas ao trabalho de desenvolvimento e implementação de uma Gestão de Continuidade de Negócios.Deste modo, a experiência com o desenvolvimento de trabalhos de GCN em instituições financeiras ajudará a implantação do SGCN no BNDES. ESCOPO DE TRABALHO: as etapas elencadas constituem a base para a construção de um sistema e continuidade de negócios. As atividades exigidas para cada uma das etapas em questão se configuram como essenciais para 4 (quatro) 12 (doze) Experiência da LICITANTE em serviços de consultoria de desenvolvimento de sistema de gestão de continuidade de negócios CUJA IMPLANTAÇÃO TENHA SIDO CONCLUÍDA NOS ÚLTIMOS 4 Atestado ou conjuntos de (QUATRO) ANOS ANTES DA DATA DA SESSÃO atestados emitidas por pessoa(s) PÚBLICA INAUGURAL OU ESTEJA EM ANDAMENTO jurídica(s) de direito público ou e que comprove(m) que o Licitante executou ou está privado, nacional ou estrangeira, executando serviços compreendendo no mínimo, as que comprove(m) que o Licitante atividades descritas nas etapas 3, 4 e 5 do Anexo I executou ou está executando deste Edital. No tocante à etapa 3 exige-se a evidência serviços compreendendo no PERÍODO: As normas NBR e , publicadas pela ABNT em 2007 e 2008 respectivamente, trazem um conjunto de práticas e requisitos para o pleno funcionamento de um Sistema de Gestão da Continuidade de Negócios. Estas normas, baseadas nas normas e da BSI (British Standards Institution),representam as melhores práticas de GCN em nível mundial, e serviram como fundamento na construção do objeto deste edital. Deste modo, entende-se que projetos realizados nos últimos quatro anos tendem a ser fundamentados nas referidas normas, o que aumenta a de que o Licitante realizou uma BIA (Análise de Impacto mínimo, as atividades descritas nas qualificação dos Licitantes, a partir de uma experiência de Negócios) e uma Avaliação de Riscos. Em relação à etapas 3, 4 e 5 do Anexo I deste similar ao que é proposto no objeto desta contratação. etapa 4 exige-se a evidência da definição de Edital. Estratégias de Continuidade para uma empresa cliente ESCOPO DE TRABALHO: as etapas elencadas constituem e para a Etapa 5, pede-se a comprovação da a base da construção de um sistema e continuidade de elaboração de pelo menos o Plano de Continuidade de negócios. As atividades exigidas para cada uma das Negócios. etapas em questão se configuram como essenciais para 3 (três) 6 (seis) Experiência da LICITANTE em serviços de consultoria de desenvolvimento de sistema de gestão de continuidade de negócios que o Licitante executou ou está executando serviços compreendendo no mínimo, as atividades descritas nas etapas 6 e 7, descritos no Anexo I deste Edital. No tocante a etapa 6, exige-se a Atestados ou conjuntos de atestados emitidas por pessoa(s) jurídica(s) de direito público ou privado, nacional ou estrangeira, que comprove(m) que o Licitante executou ou está executando evidência de que o Licitante elaborou Plano de Testes e serviços compreendendo no Relatório do Programa de Testes e para a etapa 7, mínimo, as atividades descritas nas pede-se a comprovação da elaboração de do Plano de etapas 6 e 7 do Anexo I deste campanha de conscientização, do plano de treinamento Edital. e da realização de treinamentos. ESCOPO DE TRABALHO: as etapas elencadas se constituem como processos que qualificam significativamente a construção de um sistema de continuidade de negócios, representando uma experiência adicional relevante pelos Licitantes. 4 (quatro) 12 (doze) Possuir certificação em Gestão de Segurança da Informação ISO ou de Continuidade de Negocio - BS ou Gestão de continuidade do negócio NBR Certificação emitida por órgão credenciado pelo Inmetro ou CERTIFICADOS: o fato da empresa Licitante possuir certificação em Segurança da Informação ou em Continuidade de Negócios evidencia a sua vivência prática dos conceitos de GCN ou de Segurança da Informação, equivalente internacional, dentro do demonstrando uma internalização do conhecimento que a período de validade. própria Licitante comercializa em seus projetos de consultoria. 10 (dez) 10 (dez) Atestados ou conjunto de atestados que tenham sido utilizados para a pontuação principal prevista no item deste ANEXO não precisam ser anexados 2 (duas) vezes caso sejam utilizados também para pontuação adicional, basta que conste da Proposta Técnica do LICITANTE a sua utilização em ambos os critérios, nos termos do item deste ANEXO A nota máxima possível do LICITANTE no FATOR DESEMPENHO é de 100 (cem) pontos, calculados da seguinte forma: NtDE(L) = (ΣDE(L) / ΣDE(Max)) x 100 Em que: NtDE(L) Nota do LICITANTE no FATOR DESEMPENHO.

5 ΣDE(L) Somatório dos pontos obtidos pelo LICITANTE, por meio da apresentação da documentação para atendimento às tabelas de pontuação indicadas nos itens e deste ANEXO. ΣDE(Max) Pontuação máxima possível no FATOR DESEMPENHO (inclusive adicional), calculada pela fórmula apresentada a seguir: ΣDE(Max) = 60 + (3 x 4) + (2 x 3) + (3 x 4) + 10 = FATOR QUALIDADE A adoção do FATOR QUALIDADE justifica-se em face da complexidade do objeto licitado, em que se faz necessário avaliar a experiência dos profissionais representantes da Contratada a serem alocados no projeto a ser executado no BNDES. Estes profissionais deverão ser detentores de experiência em projetos de desenvolvimento de sistema de gestão de continuidade de negócios ofertado ao BNDES, uma vez que sua experiência é determinante da qualidade dos serviços que serão prestados pela Equipe Técnica da Contratada e do sucesso do projeto. Estes profissionais deverão possuir conhecimentos técnicos sólidos acerca da metodologia utilizada no desenvolvimento do projeto A Equipe Técnica será composta por 6 (seis) profissionais, com os perfis definidos no ANEXO I PROJETO BÁSICO: ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO do EDITAL. Será exigida a experiência em desenvolvimento de sistema de gestão de continuidade de negócios dos profissionais que ocuparão os perfis de Gerente do Projeto e Consultor Líder A experiência em desenvolvimento de sistema de gestão de continuidade de negócios será comprovada através da apresentação de até 4 (quatro) declarações ou 4 conjuntos de declarações, emitida(s) pelo LICITANTE, que comprove(m) que o profissional tenha experiência compreendendo no mínimo, os serviços descritos nas Etapas 3, 4 e 5 do ANEXO I PROJETO BÁSICO: ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO deste EDITAL, referentes a projetos desta natureza que os profissionais tenham participado, conforme modelo apresentado no ANEXO VI MODELOS DE ATESTADOS E DECLARAÇÕES deste EDITAL. No tocante à Etapa 3 exige-se a evidência de que o profissional realizou uma BIA (Análise de Impacto de Negócios) e uma Avaliação de Riscos. Em relação à Etapa 4 exige-se a evidência da definição de Estratégias de Continuidade para a empresa cliente. E, para a Etapa 5, exige-se a comprovação da elaboração de, pelo menos, o Plano de Continuidade de Negócios A comprovação a que se refere o item deste ANEXO poderá ser efetuada através de uma única declaração ou por um conjunto de declarações que no seu conjunto compreendam no mínimo os serviços descritos nas Etapas 3, 4 e 5 do ANEXO I PROJETO BÁSICO: ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO deste EDITAL.

6 Tabela de Pontuação do FATOR QUALIDADE, que será válida para cada um dos perfis previstos no item 3.1 (Gerente e Consultor Líder) deste ANEXO: ITEM Apresentou 4 (quatro) declarações ou conjuntos de declarações Apresentou 3 (três) declarações ou conjuntos de declarações Apresentou 2 (dois) declarações ou conjuntos de declarações Apresentou 1 (uma) declaração ou conjunto de declarações Não apresentou declaração ou conjunto de declarações PONTOS POR PERFIL PONTUAÇÃO MÁXIMA DA EQUIPE TÉCNICA 30 (trinta) pontos 60 (sessenta) pontos 23 (vinte e três) 46 (quarenta e seis) pontos pontos 15 (quinze) pontos 30 (trinta) pontos 8 (oito) pontos 16 (dezesseis) pontos 0 (zero) ponto 0 (zero) ponto Para que uma declaração de participação em projeto de desenvolvimento de sistema de gestão de continuidade de negócios seja considerada válida, para fins de pontuação: A declaração deverá referir-se a projeto de desenvolvimento de sistema de gestão de continuidade de negócios compreendendo no mínimo, os serviços descritos nas Etapas 3, 4 e 5 do ANEXO I PROJETO BÁSICO: ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO deste EDITAL, referentes a projetos desta natureza que os profissionais tenham participado, conforme modelo apresentado no ANEXO VI MODELOS DE ATESTADOS E DECLARAÇÕES deste EDITAL. No tocante à Etapa 3 exige-se a evidência de que o profissional realizou uma BIA (Análise de Impacto de Negócios) e uma Avaliação de Riscos. Em relação à Etapa 4 exige-se a evidência da definição de Estratégias de Continuidade para a empresa cliente. E, para a Etapa 5, exige-se a comprovação da elaboração de, pelo menos, o Plano de Continuidade de Negócios Deverá constar da Proposta Técnica do LICITANTE, conforme modelo constante do ANEXO VII MODELO DE PROPOSTA TÉCNICA deste EDITAL, para cada critério de pontuação, uma tabela na qual deverá(ão) ser descrita(s) a(s) declaração(ões) ou conjunto(s) de declarações que deverá(ão) ser considerada(s) para a pontuação no respectivo critério. Declarações ou conjuntos de declarações anexadas à Proposta Técnica que não estejam arroladas na respectiva tabela não serão consideradas para fins de pontuação As informações mínimas que não estejam expressamente indicadas na(s) declaração(ões) apresentada(s) pelo LICITANTE deverão ser comprovadas por meio de documentação complementar anexada à(s) declaração(ões).

7 As declarações deverão ser apresentadas em papel timbrado do LICITANTE, contendo, minimamente, as seguintes informações: CNPJ, nome comercial e endereço da empresa contratante do serviço declarado; data de início da prestação dos serviços declarados; data de término da prestação dos serviços declarados, em caso de contrato já encerrado; ou indicação da data prevista e da etapa em que se encontra o projeto, no caso de contrato em execução; data de início e término da participação do profissional como Gerente do Projeto; descrição detalhada do escopo dos serviços declarados, contendo dados que permitam o entendimento dos trabalhos realizados, e a aferição da similaridade do serviço declarado com o serviço licitado, nos termos do item deste ANEXO; CNPJ e nome da empresa contratada pela(s) empresa(s) contratante(s) para a execução do serviço declarado. É obrigatória a indicação da empresa em que o profissional trabalhava na época. nome, cargo/função, endereço, telefone e de pessoa de contato por parte da empresa contratante do serviço; nome, cargo/função, endereço, telefone e de pessoa de contato por parte da empresa empregadora do profissional na ocasião do projeto, caso seja empresa distinta do LICITANTE; data da emissão da declaração; e assinatura do declarante (representante legal do LICITANTE) Não será considerada válida, para fins de pontuação, a declaração de participação em projeto de desenvolvimento de sistema de gestão de continuidade de negócios em que: Os projetos executados tenham sido feitos em empresa do mesmo grupo econômico do LICITANTE, pois a independência na declaração da qualidade na prestação do serviço seria comprometida O profissional tenha sido gerente da empresa contratante do projeto, beneficiária da solução implantada, pela mesma justificativa apontada no item deste ANEXO Com base nos documentos arrolados (e devidamente anexados) em sua Proposta Técnica, o LICITANTE poderá fazer jus à pontuação adicional, conforme sejam atendidos os itens elencados na tabela do item a seguir. Esta pontuação poderá ser cumulativa, ou não, conforme o atendimento a cada um destes itens:

8 Tabela de Pontuação Adicional do FATOR QUALIDADE: Gerente de Projeto: Descrição do Critério Modo de Comprovação Justificativa Experiência do PROFISSIONAL em serviços de consultoria de desenvolvimento de sistema de gestão de continuidade de negócios em INSTITUIÇÃO(ÕES) FINANCEIRA(S), que comprove(m) que o profissional executou ou está Declarações ou conjuntos de executando serviços compreendendo no mínimo, declarações emitidas pelo as atividades descritas nas etapas 3, 4 e 5 do Licitante, que comprove(m) Anexo I deste Edital. No tocante à etapa 3 exige- que o profissional executou se a evidência de que o profissional participou da ou está executando serviços realização de um BIA (Análise de Impacto de compreendendo no mínimo, Negócios) e uma Avaliação de Riscos. Em as atividades descritas nas relação à etapa 4 exige-se a evidência da etapas 3, 4 e 5 do Anexo I participação na definição de Estratégias de deste Edital. Continuidade para uma empresa cliente e para a Etapa 5, pede-se a comprovação da participação na elaboração de pelo menos o Plano de Continuidade de Negócios. Declarações ou conjuntos de declarações emitidas pelo Licitante, que comprove(m) que o profissional executou ou está executando serviços compreendendo no mínimo, Experiência do PROFISSIONAL em serviços de consultoria de desenvolvimento de sistema de gestão de continuidade de negócios CUJA IMPLANTAÇÃO TENHA SIDO CONCLUÍDA NOS ÚLTIMOS 4 (QUATRO) ANOS ANTES DA DATA DA SESSÃO PÚBLICA INAUGURAL OU ESTEJA EM ANDAMENTO e que comprove(m) que o profissional executou ou está executando serviços compreendendo no mínimo, as atividades descritas nas etapas 3, 4 e 5 do Anexo I deste Edital. No tocante à etapa 3 exigese a evidência de que o profissional participou da as atividade descritas nas realização de um BIA (Análise de Impacto de etapas 3, 4 e 5 do Anexo I Negócios) e uma Avaliação de Riscos. Em deste Edital. relação à etapa 4 exige-se a evidência da participação na definição de Estratégias de Continuidade para uma empresa cliente e para a Etapa 5, pede-se a comprovação da participação na elaboração de pelo menos o Plano de Continuidade de Negócios. INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS: estas instituições têm peculiaridades relativas ao seu tipo de negócio, que demandam especificações associadas ao trabalho de desenvolvimento e implementação de uma Gestão de Continuidade de Negócios.Deste modo, a experiência com o desenvolvimento de trabalhos de GCN em instituições financeiras ajudará a implantação do SGCN no BNDES. ESCOPO DE TRABALHO: as etapas elencadas constituem a base da construção de um sistema e continuidade de negócios. As atividades exigidas para cada uma das etapas em questão se configuram como essenciais para PROFISSIONAL: O trabalho a ser desenvolvido pelo Gerente de Projeto tem como principal objetivo a análise crítica do desempenho do projeto no decorrer da realização do mesmo. Para tal, é necessário que este profissional evidencie conhecimento aprofundado dos requisitos de qualidade de um Sistema de Gestão da Continuidade de Negócios, para que possa direcionar a implantação do mesmo de maneira eficaz. Neste sentido, a experiência em instituições financeiras aumentam o "senso crítico" do profissional na condução da qualidade do projeto proposta pelo objeto da contratação. PERÍODO: As normas NBR e , publicadas pela ABNT em 2007 e 2008 respectivamente, trazem um conjunto de práticas e requisitos para o pleno funcionamento de um Sistema de Gestão da Continuidade de Negócios. Estas normas, baseadas nas normas e da BSI (British Standards Institution),representam as melhores práticas de GCN em nível mundial, e serviram como fundamento na construção do objeto deste edital. Deste modo, entende-se que projetos realizados nos últimos quatro anos tendem a ser fundamentados nas referidas normas, o que aumenta a qualificação dos profissionais participantes, a partir de uma experiência similar ao que é proposto no objeto desta contratação. ESCOPO DE TRABALHO: as etapas elencadas constituem a base da construção de um sistema e continuidade de negócios. As atividades exigidas para cada uma das etapas em questão se configuram como essenciais para Pontos por Declaração ou conjunto de declarações Pontuação Máxima 2 (dois) 6 (seis) 2 (dois) 4 (quatro) PROFISSIONAL: O trabalho a ser desenvolvido pelo Gerente de Projeto tem como principal objetivo a análise crítica do desempenho do projeto no decorrer da realização do mesmo. Para tal, é necessário que este profissional evidencie conhecimento aprofundado dos requisitos de qualidade de um Sistema de Gestão da Continuidade de Negócios para que possa direcionar a implantação do mesmo de maneira eficaz. Neste contexto a experiência em projetos mais recentes, baseados na NBR 15999, gera uma qualificação adicional para o profissional, senda esta experiência aderente ao objeto da presente contratação. Experiência do PROFISSIONAL em serviços de consultoria de desenvolvimento de sistema de gestão de continuidade de negócios, comprovando que o profissional executou ou está executando serviços compreendendo no mínimo, as atividades descritas nas etapas 6 e 7, descritos no Anexo I deste Edital. No tocante a etapa 6, exige-se a evidência de que o profissional participou da elaboração do Plano de Testes e Relatório do Programa de Testes e para a etapa 7, pede-se a comprovação da participação na elaboração do Plano de campanha de conscientização, do plano de treinamento e da realização de treinamentos. Declarações ou conjuntos de declarações emitidas pelo Licitante, que comprove(m) que o profissional executou ou está executando serviços compreendendo no mínimo, as atividades descritas nas etapas 6 e 7 do Anexo I deste Edital. ESCOPO DE TRABALHO: as etapas elencadas se constituem como processos que qualificam significativamente a construção de um sistema e continuidade de negócios, representando uma experiência adicional relevante pelos Licitantes. PROFISSIONAL: O trabalho a ser desenvolvido pelo Gerente de Projeto tem como principal objetivo a análise crítica do desempenho do projeto no decorrer da realização do mesmo. Para tal, é necessário que este profissional evidencie conhecimento aprofundado dos requisitos de qualidade de um Sistema de Gestão da Continuidade de Negócios, para que possa direcionar a implantação do mesmo de maneira eficaz. Neste contexto, a experiência adicional em projetos com foco nas atividades requeridas para as etapas 6 e 7 são pertinentes e agregam valor aos serviços prestados ao passo que a contratação envolve a implantação do ciclo completo do SGCN. 2 (dois) 6 (seis) Possuir certificação CBCP ( Certified Business Continuity Professional ), emitida pelo DRII ( Disaster Recovery Institute International ), ou certificação MBCI ( Member of Business Continuity Institute ), emitida pelo BCI ( Business Continuity Institute ). Certificação CBCP ou MBCI, dentro do período de validade. A experiência do Gerente de Projetos na execução das atividades requeridas é essencial para garantir que o trabalho de desenvolvimento e implementação do SGCN objeto do presente Edital atenda às expectativas do BNDES. O trabalho a ser desenvolvido pelo Gerente de Projeto tem como principal objetivo a análise crítica do desempenho do projeto no decorrer da realização do mesmo, para tal é necessário que este profissional evidencie conhecimento aprofundado dos requisitos de qualidade de um Sistema de Gestão da Continuidade de Negócios para que possa direcionar a implantação do mesmo de maneira eficaz. Neste contexto, a certificação deste profissional em instituições renomadas internacionalmente no tema Gestão da Continuidade de Negócios agregam valor aos serviços prestados ao passo que permite ao profissional em questão executar intervenções mais acuradas para a condução do projeto à luz das melhores práticas de gestão da continuidade de negócios em nível mundial. 4 (quatro) 4 (quatro)

9 Consultor Líder: Descrição do Critério Experiência do PROFISSIONAL em serviços de consultoria de desenvolvimento de sistema de gestão de continuidade de negócios em INSTITUIÇÃO(ÕES) FINANCEIRA(S), que comprove(m) que o profissional executou ou está executando serviços compreendendo no mínimo, as atividades descritas nas etapas 3, 4 e 5 do Anexo I deste Edital. No tocante à etapa 3 exige-se a evidência de que o profissional participou da realização de um BIA (Análise de Impacto de Negócios) e uma Avaliação de Riscos. Em relação à etapa 4 exige-se a evidência da participação na definição de Estratégias de Continuidade para uma empresa cliente e para a Etapa 5, pede-se a comprovação da participação na elaboração de pelo menos o Plano de Continuidade de Negócios. Experiência do PROFISSIONAL em serviços de consultoria de desenvolvimento de sistema de gestão de continuidade de negócios CUJA IMPLANTAÇÃO TENHA SIDO CONCLUÍDA NOS ÚLTIMOS 4 (QUATRO) ANOS ANTES DA DATA DA SESSÃO PÚBLICA INAUGURAL OU ESTEJA EM ANDAMENTO e que comprove(m) que o profissional executou ou está executando serviços compreendendo no mínimo, as atividades descritas nas etapas 3, 4 e 5 do Anexo I deste Edital. No tocante à etapa 3 exige-se a evidência de que o profissional participou da realização de um BIA (Análise de Impacto de Negócios) e uma Avaliação de Riscos. Em relação à etapa 4 exige-se a evidência da participação na definição de Estratégias de Continuidade para uma empresa cliente e para a Etapa 5, pede-se a comprovação da participação na elaboração de pelo menos o Plano de Continuidade de Negócios. Experiência do PROFISSIONAL em serviços de consultoria de desenvolvimento de sistema de gestão de continuidade de negócios, comprovando que o profissional executou ou está executando serviços compreendendo no mínimo, as atividades descritas nas etapas 6 e 7, descritos no Anexo I deste Edital. No tocante a etapa 6, exige-se a evidência de que o profissional participou da elaboração do Plano de Testes e Relatório do Programa de Testes e para a etapa 7, pede-se a comprovação da participação na elaboração do Plano de campanha de conscientização, do plano de treinamento e da realização de treinamentos. Modo de Comprovação Declarações ou conjuntos de declarações emitidas pelo Licitante que comprove(m) que o profissional executou ou está executando serviços compreendendo no mínimo, as atividades descritas nas etapas 3, 4 e 5 do Anexo I deste Edital. Declarações ou conjuntos de declarações emitidas pelo Licitante, que comprove(m) que o profissional executou ou está executando serviços compreendendo no mínimo, as atividade descritas nas etapas 3, 4 e 5 do Anexo I deste Edital. Declarações ou conjuntos de declarações emitidas pelo Licitante, que comprove(m) que o profissional executou ou está executando serviços compreendendo no mínimo, as atividades descritas nas etapas 6 e 7 do Anexo I deste Edital. Justificativa INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS: estas instituições têm peculiaridades relativas ao seu tipo de negócio, que demandam especificações associadas ao trabalho de desenvolvimento e implementação de uma Gestão de Continuidade de Negócios.Deste modo, a experiência com o desenvolvimento de trabalhos de GCN em instituições financeiras ajudará a implantação do SGCN no BNDES. ESCOPO DE TRABALHO: as etapas elencadas constituem a base da construção de um sistema de continuidade de negócios. As atividades exigidas para cada uma das etapas em questão se configuram como essenciais para PROFISSIONAL: O Consultor Líder desempenhará o papel de condutor do projeto, orientando o restante da equipe na execução técnica das atividades, a partir da análise da realidade da instituição e da aplicação prática dos conceitos de GCN. Deste modo, para que esta condução seja feita da melhor forma possível, a experiência do consultor líder em projetos similares realizados em outras instituições financeiras agrega valor ao projeto objeto da contratação, na medida em que incrementa a acurácia da "expertise" analítica deste profissional, necessária à interpretação da realidade do BNDES e a conseqüente definição do SGCN adequado que lá deve ser desenvolvido e implementado. PERÍODO: As normas NBR e , publicadas pela ABNT em 2007 e 2008 respectivamente, trazem um conjunto de práticas e requisitos para o pleno funcionamento de um Sistema de Gestão da Continuidade de Negócios. Estas normas, baseadas nas normas e da BSI (British Standards Institution),representam as melhores práticas de GCN em nível mundial, e serviram como fundamento na construção do objeto deste edital. Deste modo, entende-se que projetos realizados nos últimos quatro anos tendem a ser fundamentados nas referidas normas, o que aumenta a qualificação dos profissionais participantes, a partir de uma experiência similar ao que é proposto no objeto desta contratação. ESCOPO DE TRABALHO: as etapas elencadas constituem a base da construção de um sistema de continuidade de negócios. As atividades exigidas para cada uma das etapas em questão se configuram como essenciais para Pontos por Declaração ou conjunto de declarações Pontuação Máxima 2 (dois) 6 (seis) 2 (dois) 4 (quatro) PROFISSIONAL: O Consultor Líder desempenhará o papel de condutor do projeto, orientando o restante da equipe na execução técnica das atividades, a partir da análise da realidade da instituição e da aplicação prática dos conceitos de GCN. Deste modo, para que esta condução seja feita da melhor forma possível, a experiência do consultor líder em projetos recentes e baseados nas normas e agrega valor ao projeto, objeto da contratação, ao passo que as referidas normas são fundamentadas nas melhores práticas de GCN em nível mundial. ESCOPO DE TRABALHO: as etapas elencadas se constituem como processos que qualificam significativamente a construção de um sistema de continuidade de negócios, representando uma experiência adicional relevante por parte dos Licitantes. PROFISSIONAL: O Consultor Líder desempenhará o papel de condutor do projeto, orientando o restante da equipe na execução técnica das atividades, a partir da análise da realidade da instituição e da aplicação prática dos conceitos de GCN. Deste modo, para que esta condução seja feita da melhor forma possível, a experiência do consultor líder em projetos com foco nas atividades requeridas para as etapas 6 e 7 são pertinentes e agregam valor aos serviços prestados ao passo que a contratação envolve a implantação do ciclo completo do SGCN. 2 (dois) 6 (seis) Possuir certificação CBCP ( Certified Business Continuity Professional ), emitida pelo DRII ( Disaster Recovery Institute International ), ou certificação MBCI ( Member of Business Continuity Institute ), emitida pelo BCI ( Business Continuity Institute ). Certificação CBCP ou MBCI, dentro do período de validade. O Consultor Líder desempenhará o papel de condutor do projeto, orientando o restante da equipe na execução técnica das atividades, a partir da análise da realidade da instituição e da aplicação prática dos conceitos de GCN. Neste contexto, a certificação deste profissional em instituições renomadas internacionalmente no tema Gestão da Continuidade de Negócios agregam valor aos serviços prestados ao passo que permite ao profissional conduzir o projeto à luz das melhores práticas de gestão da continuidade de negócios em nível mundial, de forma adequada à realidade do BNDES. 4 (quatro) 4 (quatro) O Consultor Líder desempenhará o papel de condutor do projeto; deste modo, é desejável que este profissional tenha conhecimento não só dos conceitos técnicos relacionados à GCN, mas também da metodologia de gestão de projetos, ao passo que a qualidade final do trabalho como um todo estará Possuir certificação PMP ( Project Certificação PMP, vinculada ao acompanhamento da execução do planejamento inicialmente Management Professional ), emitida pelo PMI dentro do período de proposto, dentro dos prazos estipulados e de acordo com os requisitos de ( Project Management Institute ). validade. qualidade ligados ao escopo do projeto, assegurados a partir do monitoramento e controle a ser realizado durante a prestação dos serviços. Assim, a certificação PMP evidencia que o profissional detém o conhecimento vinculado à gestão de projetos. 3 (três) 3 (três) Declarações ou conjunto de declarações que tenham sido utilizadas para a pontuação principal prevista no item deste ANEXO não precisam ser anexadas 2

10 (duas) vezes caso sejam utilizadas também para pontuação adicional, basta que conste da Proposta Técnica do LICITANTE a sua utilização em ambos os critérios, nos termos do item deste ANEXO A nota máxima possível do LICITANTE no FATOR QUALIDADE é de 100 (cem) pontos, calculados da seguinte forma: NtQD(L) = (ΣQD(L) / ΣQD(Max)) x 100 Em que: NtQD(L) Nota do LICITANTE no FATOR QUALIDADE. ΣQD(L) Somatório dos pontos obtidos pelo LICITANTE, por meio da apresentação da documentação para atendimento às tabelas de pontuação indicadas nos itens e deste ANEXO. ΣQD(Max) Pontuação máxima possível no FATOR QUALIDADE (inclusive adicional), calculada pela fórmula apresentada a seguir: ΣQD(Max) = [30 + (3 x 2) + (2 x 2) + (3 x 2) + (4 x 1)] + [30 + (3 x 2) + (2 x 2) + (3 x 2) + (4 x 1) + (3 x 1)] = RESUMO DA AVALIAÇÃO DA PROPOSTA TÉCNICA: PONTUAÇÃO MÁXIMA DESCRIÇÃO DO PONTUAÇÃO PONTUAÇÃO PESO FATOR MÁXIMA DO ITEM MÁXIMA DESEMPENHO 100 pontos pontos QUALIDADE 100 pontos pontos TOTAL 700 pontos A Pontuação Técnica do LICITANTE será calculada pelo somatório das notas obtidas em cada um dos fatores de pontuação técnica apresentados neste ANEXO, multiplicadas pelos seus respectivos pesos, indicados na tabela anterior. PT(L) = (NtDE(L) x 4) + (NtQD(L) x 3) Em que: PT(L) Pontuação Técnica do LICITANTE em exame. NtDE(L) Nota do LICITANTE no FATOR DESEMPENHO. NtQD(L) Nota do LICITANTE no FATOR QUALIDADE.

COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 001/2012 EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TERCEIROS PESSOA JURÍDICA TIPO: MELHOR TÉCNICA

COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 001/2012 EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TERCEIROS PESSOA JURÍDICA TIPO: MELHOR TÉCNICA COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 001/2012 EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TERCEIROS PESSOA JURÍDICA TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Estudos de Cultura Contemporânea CEDEC, entidade privada sem fins lucrativos,

Leia mais

PROGRAMA DE INCENTIVO PARA BOLSAS DE MESTRADO E DOUTORADO

PROGRAMA DE INCENTIVO PARA BOLSAS DE MESTRADO E DOUTORADO PROGRAMA DE INCENTIVO PARA BOLSAS DE MESTRADO E DOUTORADO EDITAL nº 02/2016 ABERTURA DE INSCRIÇÕES PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDO FATENEMODALIDADE MESTRADO E DOUTORADO O Diretor-Geral da Faculdade Terra

Leia mais

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO ABRACO 00 de 0 OBJETIVO Esta norma estabelece a sistemática adotada pela Associação Brasileira de Corrosão ABRACO para o funcionamento do Sistema Nacional de Qualificação e Certificação em Corrosão e Proteção.

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Engenharia Mecânica é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Engenharia de Alimentos é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes

Leia mais

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, e CAPÍTULO I DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, e CAPÍTULO I DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 4139, DE 11 DE SETEMBRO DE 2013. Regulamenta o Fundo Municipal de Esporte e Lazer e o Incentivo ao Esporte e Lazer e dá outras providências. O PREFEITO DE GOIÂNIA, no

Leia mais

ANEXO 6 Critérios e Parâmetros de Pontuação Técnica

ANEXO 6 Critérios e Parâmetros de Pontuação Técnica EDITAL DA CONCORRÊNCIA DEMAP Nº 04/008 ANEXO PT. 08014905 ANEXO Critérios e Parâmetros de Pontuação Técnica A. Fatores de Pontuação Técnica: Critérios Pontos Peso Pontos Ponderados (A) (B) (C) = (A)x(B)

Leia mais

REGULAMENTO DO CREDENCIAMENTO PARA COMPOR O CADASTRO DE CONSULTORES DO MOVIMENTO CATARINENSE PARA EXCELÊNCIA

REGULAMENTO DO CREDENCIAMENTO PARA COMPOR O CADASTRO DE CONSULTORES DO MOVIMENTO CATARINENSE PARA EXCELÊNCIA REGULAMENTO DO CREDENCIAMENTO PARA COMPOR O CADASTRO DE CONSULTORES DO MOVIMENTO CATARINENSE PARA EXCELÊNCIA O processo de credenciamento acontecerá de acordo com as etapas abaixo, a serem aplicadas a

Leia mais

PROJETO BÁSICO DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE DE FORNECIMENTO DE CARTÕES MAGNÉTICOS DE ALIMENTAÇÃO E REFEIÇÃO COM CARGAS MENSAIS. EDITAL n.

PROJETO BÁSICO DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE DE FORNECIMENTO DE CARTÕES MAGNÉTICOS DE ALIMENTAÇÃO E REFEIÇÃO COM CARGAS MENSAIS. EDITAL n. PROJETO BÁSICO DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE DE FORNECIMENTO DE CARTÕES MAGNÉTICOS DE ALIMENTAÇÃO E REFEIÇÃO COM CARGAS MENSAIS EDITAL n. 005/2013 TOMADA DE PREÇO n. 001/2013 Item 01. Requisitos básicos

Leia mais

1. LICENCIAMENTO 2. SUPORTE TÉCNICO

1. LICENCIAMENTO 2. SUPORTE TÉCNICO 1. LICENCIAMENTO 1.1. Todos os componentes da solução devem estar licenciados em nome da CONTRATANTE pelo período de 36 (trinta e seis) meses; 1.2. A solução deve prover suporte técnico 8 (oito) horas

Leia mais

EDITAL PARA CREDENCIAMENTO DE FUNDO DE INVESTIMENTOS E SEUS RESPECTIVOS GESTORES/ADMINISTRADORES

EDITAL PARA CREDENCIAMENTO DE FUNDO DE INVESTIMENTOS E SEUS RESPECTIVOS GESTORES/ADMINISTRADORES EDITAL PARA CREDENCIAMENTO DE FUNDO DE INVESTIMENTOS E SEUS RESPECTIVOS GESTORES/ADMINISTRADORES GOIÁS- EDITAL N.º 003/2014 O GOIÁS, por meio de seu Gestor (a) Grasiene Teobalda De Oliveira, torna público

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE COMISSÃO DE AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO DE PROJETOS DO FMDCA EDITAL N 02/2014

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE COMISSÃO DE AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO DE PROJETOS DO FMDCA EDITAL N 02/2014 CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE COMISSÃO DE AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO DE PROJETOS DO FMDCA EDITAL N 02/2014 EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS PARA FINANCIAMENTO COM RECURSOS

Leia mais

PROPOSTA ALTERNATIVA

PROPOSTA ALTERNATIVA PROJECTO DECRETO LEI SOBRE O EXERCÍCIO DA COORDENAÇÃO EM MATÉRIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NA ACTIVIDADE DE, PREVISTA NO DECRETO LEI N.º 273/2003, DE 29 DE OUTUBRO, BEM COMO O RECONHECIMENTO DOS RESPECTIVOS

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

Questionário de avaliação de Práticas X Resultados de projetos - Carlos Magno Xavier (magno@beware.com.br)

Questionário de avaliação de Práticas X Resultados de projetos - Carlos Magno Xavier (magno@beware.com.br) Obrigado por acessar esta pesquisa. Sei como é escasso o seu tempo, mas tenha a certeza que você estará contribuindo não somente para uma tese de doutorado, mas também para a melhoria das práticas da Comunidade

Leia mais

Processo nº 50608.000045/2014-27

Processo nº 50608.000045/2014-27 Processo nº 50608.000045/2014-27 EXAME DA DOCUMENTAÇÃO DE HABILITAÇÃO JURÍDICA, FISCAL, ECONÔMICO FINANCEIRA EDITAL Nº 0438/2014-08. Objeto: Seleção de empresa especializada para Execução de serviços técnicos

Leia mais

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação.

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação. Curso Formação Efetiva de Analístas de Processos Curso Gerenciamento da Qualidade Curso Como implantar um sistema de Gestão de Qualidade ISO 9001 Formação Profissional em Auditoria de Qualidade 24 horas

Leia mais

O presente resumo não dispensa a leitura atenta do Parecer anexo.

O presente resumo não dispensa a leitura atenta do Parecer anexo. Recomendações Jurídico-Trabalhistas Interessados: Federação das Associações de Arrozeiros do Estado Rio Grande do Sul Federarroz e Outros Assunto: Resumo Referente Às Obrigações Patronais Trabalhistas

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Administração é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

Luiz A. Paranhos Velloso Junior Presidente da Junta Comercial do Estado do Rio de Janeiro ID. 1919046-8

Luiz A. Paranhos Velloso Junior Presidente da Junta Comercial do Estado do Rio de Janeiro ID. 1919046-8 PORTARIA JUCERJA N.º 1.408, DE 25 DE AGOSTO DE 2015. APROVA REGULAMENTO DE CREDENCIAMENTO DE PERITOS GRAFOTÉCNICOS, NO ÂMBITO DA JUCERJA. O PRESIDENTE DA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no

Leia mais

Certificação de Serviço de Inspeção de Recipientes de GLP realizado por Empresas Distribuidoras de GLP

Certificação de Serviço de Inspeção de Recipientes de GLP realizado por Empresas Distribuidoras de GLP Página: 1/7 Elaborado por: Eduardo Augusto Di Marzo Verificado por: Karen Martins Aprovado por: Igor Moreno Data Aprovação: 27/04/2015 1 OBJETIVO Este documento apresenta os critérios complementares da

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA/COTAÇÃO PRÉVIA nº. 01/2014 CONTRATAÇÃO DE PESSOA JURÍDICA: PRESTAÇÃO SERVIÇOS DE RECURSOS HUMANOS

TERMO DE REFERÊNCIA/COTAÇÃO PRÉVIA nº. 01/2014 CONTRATAÇÃO DE PESSOA JURÍDICA: PRESTAÇÃO SERVIÇOS DE RECURSOS HUMANOS TERMO DE REFERÊNCIA/COTAÇÃO PRÉVIA nº. 01/2014 CONTRATAÇÃO DE PESSOA JURÍDICA: PRESTAÇÃO SERVIÇOS DE RECURSOS HUMANOS A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA A AÇÃO POR DIREITOS DAS PESSOAS COM AUTISMO (ABRAÇA),

Leia mais

MANUAL DO ANALISTA DE VALORES MOBILIÁRIOS

MANUAL DO ANALISTA DE VALORES MOBILIÁRIOS MANUAL DO ANALISTA DE VALORES MOBILIÁRIOS Este documento rege as atividades desemprenhas pelos Analistas de Valores Mobiliários vinculados a Um Investimentos, de acordo com as regras e procedimentos elencados

Leia mais

EDITAL Nº 05/2015 PROGRAMA DE INCENTIVO DE QUALIFICAÇÃO DOCENTE EM NÍVEL DE PÓS - GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

EDITAL Nº 05/2015 PROGRAMA DE INCENTIVO DE QUALIFICAÇÃO DOCENTE EM NÍVEL DE PÓS - GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EDITAL Nº 05/2015 PROGRAMA DE INCENTIVO DE QUALIFICAÇÃO DOCENTE EM NÍVEL DE PÓS - GRADUAÇÃO STRICTO SENSU A Coordenação de Pesquisa e Extensão - COPEX torna público, no âmbito interno da Faculdade Leão

Leia mais

192 É objetivo da política da informação assegurar a interoperabilidade entre os sistemas de segurança da informação.

192 É objetivo da política da informação assegurar a interoperabilidade entre os sistemas de segurança da informação. Bateria Licitações e Contratos Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ CESPE/TCU2007 A necessidade de implementação de

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo.

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 087, de 03 de maio de 2002. O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 476, DE 16 DE JANEIRO DE 2009.

INSTRUÇÃO CVM Nº 476, DE 16 DE JANEIRO DE 2009. INSTRUÇÃO CVM Nº 476, DE 16 DE JANEIRO DE 2009. Dispõe sobre as ofertas públicas de valores mobiliários distribuídas com esforços restritos e a negociação desses valores mobiliários nos mercados regulamentados.

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna 025 1/8 Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 6. Formulários 7. Anexo A 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO

ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO ANEXO IV REFERENTE AO EDITAL DE PREGÃO Nº 022/2013 ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE Nº 001/2013 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a Contratação de empresa

Leia mais

CÓPIA MINISTÉRIO DA FAZENDA Conselho Administrativo de Recursos Fiscais

CÓPIA MINISTÉRIO DA FAZENDA Conselho Administrativo de Recursos Fiscais Fl. 2 MINISTÉRIO DA FAZENDA Conselho Administrativo de Recursos Fiscais PORTARIA CARF Nº 64, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2015. Dispõe sobre a Política de Gestão de Riscos do Conselho Administrativo de Recursos

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA Código de Classificação: 13.02.01.15 1 DO OBJETO: A presente licitação tem por objeto a contratação de empresa para prestação dos serviços de cobertura securitária (seguro) para assegurar

Leia mais

Associação Brasileira do Drywall. TESIS Tecnologia e Qualidade de Sistemas em Engenharia Ltda.

Associação Brasileira do Drywall. TESIS Tecnologia e Qualidade de Sistemas em Engenharia Ltda. Entidade Setorial Nacional Mantenedora Associação Brasileira do Drywall Rua Julio Diniz, 56 cj. 41 V. Olímpia CEP 04547-090 São Paulo SP Tel./Fax: (11) 3842-2433 http://www.drywall.org.br Entidade Gestora

Leia mais

Projeto Físico e Lógico de Redes de Processamento. Kleber A. Ribeiro

Projeto Físico e Lógico de Redes de Processamento. Kleber A. Ribeiro Projeto Físico e Lógico de Redes de Processamento Kleber A. Ribeiro Plano de projeto O Plano de Projeto é uma série de documentos ou uma coletânea lógica de documentos compilados pelo Gerente de Projetos

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 075, de 15 de maio de 2003. O PRESIDENTE DO

Leia mais

2ª CHAMADA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2015

2ª CHAMADA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2015 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO SECRETARIA MUNICIPAL DE SERVIÇOS BÁSICOS SEMUSB 2ª CHAMADA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2015 Edital de chamamento público para formalização de convênio com

Leia mais

MUNICÍPIO DE PORTO FERREIRA Estado de São Paulo DIVISÃO DE SUPRIMENTOS Seção de Licitações e Contratos

MUNICÍPIO DE PORTO FERREIRA Estado de São Paulo DIVISÃO DE SUPRIMENTOS Seção de Licitações e Contratos INSTRUÇÕES GERAIS PARA OBTENÇÃO DO C.R.C. (CERTIFICADO DE REGISTRO CADASTRAL), CONFORME DISPOSTO NA LEI Nº 8.666/93 1. CADASTRAMENTO 1.1 PROCEDIMENTO 1.1.1 A empresa interessada em obter o Certificado

Leia mais

ANEXO VIII MODELOS DE DECLARAÇÕES E ATESTADOS

ANEXO VIII MODELOS DE DECLARAÇÕES E ATESTADOS ANEXO VIII MODELOS DE DECLARAÇÕES E ATESTADOS 1 MODELO 01 DECLARAÇÃO DE DISPONIBILIDADE DE ESTRUTURA DE SUPORTE TÉCNICO Empresa Licitante: CNPJ: (Nome do Licitante), por intermédio de seu representante

Leia mais

Edital nº 01/2015 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA A ESCOLHA DE ORIENTADOR DE ESTUDOS DO PNAIC PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA

Edital nº 01/2015 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA A ESCOLHA DE ORIENTADOR DE ESTUDOS DO PNAIC PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA Edital nº 01/2015 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA A ESCOLHA DE ORIENTADOR DE ESTUDOS DO PNAIC PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA A Secretaria Municipal de Educação e Cultura do Município

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS PREÂMBULO O regime jurídico geral aplicável aos recintos de espectáculos e divertimentos públicos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO OEI/TOR/FNDE/CGINF Nº 41/2012 1.

Leia mais

COOPERATIVA AGROINDUSTRIAL DOS PRODUTORES RURAIS DA COLÔNIA PINDORAMA LTDA. EDITAL 001/2013

COOPERATIVA AGROINDUSTRIAL DOS PRODUTORES RURAIS DA COLÔNIA PINDORAMA LTDA. EDITAL 001/2013 COOPERATIVA AGROINDUSTRIAL DOS PRODUTORES RURAIS DA COLÔNIA PINDORAMA LTDA. EDITAL 001/2013 PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA E PREÇO Cooperativa Agroindustrial

Leia mais

SOLICITACÃO DE COTAÇÃO

SOLICITACÃO DE COTAÇÃO SOLICITACÃO DE COTAÇÃO Prezadas (os) Senhoras e Senhores, Brasília, 27 de novembro de 2012 A ONU Mulheres Brasil solicita a apresentação de proposta para contratação de empresa especializada para desenhar,

Leia mais

Processo nº 50608.002622/2012-53

Processo nº 50608.002622/2012-53 Processo nº 50608.002622/2012-53 EXAME DA HABILITAÇÃO JURÍDICA, FISCAL E ECONÔMICO-FINANCEIRA EDITAL Nº 0336/2014-08. Objeto: Elaboração de Projeto Executivo Detalhado para a Reforma e Ampliação da Unidade

Leia mais

PODER EXECUTIVO. Publicado no D.O de 18.02.2010 DECRETO Nº 42.301 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010

PODER EXECUTIVO. Publicado no D.O de 18.02.2010 DECRETO Nº 42.301 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 Publicado no D.O de 18.02.2010 DECRETO Nº 42.301 DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 REGULAMENTA O SISTEMA DE SUPRIMENTOS NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR

Leia mais

REGIMENTO DO ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGIMENTO DO ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGIMENTO DO ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Os estágios não obrigatórios do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Turismo do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR EM SAUDE COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR EM SAUDE COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR EM SAUDE COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Instrução normativa Nº 01/2011 Revoga a Instrução Normativa N 02/2008 da comissão

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 30/2009 BNDES ANEXO IX MODELOS DE DECLARAÇÕES E ATESTADOS

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 30/2009 BNDES ANEXO IX MODELOS DE DECLARAÇÕES E ATESTADOS PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 30/2009 BNDES ANEXO IX MODELOS DE DECLARAÇÕES E ATESTADOS MODELO 01 DECLARAÇÃO DE PERTENCER AO QUADRO DE PARCEIROS OU DISTRIBUIDORES DO FABRICANTE DO APLICATIVO Licitante: CNPJ:

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO Brasília, 29 de novembro de 2011. Prezadas Senhoras, Prezados Senhores, A ONU Mulheres Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres solicita

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA TÉCNICA ESPECIALIZADA PARA O PLANEJAMENTO E PRODUÇÃO DE NARRATIVAS INSTITUCIONAIS

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA TÉCNICA ESPECIALIZADA PARA O PLANEJAMENTO E PRODUÇÃO DE NARRATIVAS INSTITUCIONAIS TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA TÉCNICA ESPECIALIZADA PARA O PLANEJAMENTO E PRODUÇÃO DE NARRATIVAS INSTITUCIONAIS 1 INTRODUÇÃO Este documento reúne o conjunto de informações necessárias

Leia mais

FUNDAÇÃO DE APOIO À CAPACITAÇÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

FUNDAÇÃO DE APOIO À CAPACITAÇÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDITAL FACTI/CERTICS-Nº 01/2013 CHAMADA PARA QUALIFICAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE APOIO À APLICAÇÃO DA METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO CERTICS PARA SOFTWARE 1ª CHAMADA Pessoas Jurídicas sem Finalidade

Leia mais

Comentários à Consulta Pública da CMVM nº 3/2009 sobre Análise Financeira e Certificação da Qualificação Profissional na Intermediação Financeira

Comentários à Consulta Pública da CMVM nº 3/2009 sobre Análise Financeira e Certificação da Qualificação Profissional na Intermediação Financeira Comentários à Consulta Pública da CMVM nº 3/2009 sobre Análise Financeira e Certificação da Qualificação Profissional na Intermediação Financeira I. Art.º 8º (Registo) Na redacção ora proposta para a alínea

Leia mais

Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO. 1- Como aderir à proposta AMQ?

Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO. 1- Como aderir à proposta AMQ? Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO 1- Como aderir à proposta AMQ? A adesão é realizada através do preenchimento e envio do Formulário de Cadastramento Municipal no site do projeto. O gestor municipal da saúde

Leia mais

Considerando que é dever do Estado prover a concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado prover a concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Instituto Nacional de Metrologia,Normalização e Qualidade Industrial - Inmetro Portaria n.º 158, de 29 de agosto de 2005. O PRESIDENTE

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 001, de 07 de dezembro de 2001.

RESOLUÇÃO N.º 001, de 07 de dezembro de 2001. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA RESOLUÇÃO N.º 001, de 07 de dezembro de 2001. Dispõe sobre o atendimento pelo estabelecimento particular de ensino

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online PSICOPEDAGOGIA Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação na Modalidade

Leia mais

Auditoria de Segurança e Saúde do Trabalho da SAE/APO sobre Obra Principal, Obras Complementares, Obras do reservatório e Programas Ambientais

Auditoria de Segurança e Saúde do Trabalho da SAE/APO sobre Obra Principal, Obras Complementares, Obras do reservatório e Programas Ambientais 1 / 10 1 OBJETIVO: Este procedimento visa sistematizar a realização de auditorias de Saúde e Segurança do Trabalho por parte da SANTO ANTÔNIO ENERGIA SAE / Gerência de Saúde e Segurança do Trabalho GSST,

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional TERMO DE REFERÊNCIA

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional TERMO DE REFERÊNCIA 1 MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional TERMO DE REFERÊNCIA Contratação de um consultor especializado no desenvolvimento de programas voltados à promoção da saúde e da qualidade de vida

Leia mais

Controle de Documentos e Registros

Controle de Documentos e Registros 1 Objetivo Estabelecer diretrizes para a elaboração e controle dos documentos e registros utilizados pelo Sistema de Gestão Integrada de Meio Ambiente, Saúde e Segurança do Trabalho Ambiental do Porto

Leia mais

II Workshop de Desempenho

II Workshop de Desempenho II Workshop de Desempenho Alterações no Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras SiAC para Inclusão das Exigências da Norma de Desempenho ABNT NBR 15575 Marcos Galindo 26.06.2015

Leia mais

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL IECEx OD 314-2 Edição 1.0 2013-07 IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL Sistema de Certificação da IEC em relação às normas sobre atmosferas explosivas (Sistema IECEx) IEC System for Certification to Standards relating

Leia mais

PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO

PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO PREÇOS DOS SERVIÇOS DE ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO E DE INSPEÇÃO NORMA Nº: NIE-CGCRE-0 APROVADA EM MAR/20 Nº 01/09 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Histórico das

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO XVII MODELOS DE DECLARAÇÕES E ATESTADOS MODELO 01 DECLARAÇÃO DE DISPONIBILIDADE DE ESTRUTURA

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO XVII MODELOS DE DECLARAÇÕES E ATESTADOS MODELO 01 DECLARAÇÃO DE DISPONIBILIDADE DE ESTRUTURA CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO XVII MODELOS DE DECLARAÇÕES E ATESTADOS MODELO 01 DECLARAÇÃO DE DISPONIBILIDADE DE ESTRUTURA Referência: CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 - BNDES Data: / / Licitante: CNPJ:

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Nutrição é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO TOMADA DE PREÇOS Nº 1-008-12 ANEXO V CRITERIOS DE ELABORAÇÃO E JULGAMENTO DA PROPOSTA TECNICA

EDITAL DE LICITAÇÃO TOMADA DE PREÇOS Nº 1-008-12 ANEXO V CRITERIOS DE ELABORAÇÃO E JULGAMENTO DA PROPOSTA TECNICA ANEXO V CRITÉRIOS DE ELABORAÇÃO E JULGAMENTO DA PROPOSTA TÉCNICA 1. ELABORAÇÃO DA PROPOSTA TÉCNICA 1.1 A Proposta Técnica consistirá em quatro quesitos: 1.1.1 Plano de Comunicação - a licitante apresentará

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS EDUCACIONAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS EDUCACIONAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS EDUCACIONAIS EDITAL Nº 001/14 PROEN/DE, de 17 de fevereiro de 2014. PROGRAMA

Leia mais

COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ

COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ 1. ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO (TCLE) A importância do TCLE. A Resolução CNS 196/96 afirma

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ RESOLUÇÃO Nº 17/CEPE, DE 03 DE MAIO DE 2006 Aprova normas para os cursos de especialização da Universidade Federal do Ceará. O Reitor da UNIVERSIDADE

Leia mais

AUDITORIAS INTERNAS DA QUALIDADE

AUDITORIAS INTERNAS DA QUALIDADE Elaborado por Márcio Flávio Ribeiro Pereira Visto Aprovado por José Carlos de Andrade Visto CONTROLE DE REVISÃO Revisão Data Item Natureza das alterações 0 04/05/2005 - Emissão inicial 1 16/11/2005 7 Modificação

Leia mais

AUDITORIA DO SISTEMA DE GESTÃO 1 OBJETIVO

AUDITORIA DO SISTEMA DE GESTÃO 1 OBJETIVO AUDITORIA DO SISTEMA DE GESTÃO Proposto por: Núcleo de Apoio ao Sistema de Gestão (NUAGES) Analisado por: Chefe da Assessoria de Desenvolvimento Institucional (ADI) Aprovado por: Presidente do TRT/RJ 1

Leia mais

PADRÕES DE QUALIDADE OUTUBRO 2000

PADRÕES DE QUALIDADE OUTUBRO 2000 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE POLÍTICA DO ENSINO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE FARMÁCIA PADRÕES

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ALÉM PARAÍBA DEPARTAMENTO DE LICITAÇÕES

PREFEITURA MUNICIPAL DE ALÉM PARAÍBA DEPARTAMENTO DE LICITAÇÕES REQUERIMENTO DE INSCRIÇÃO Pessoa Jurídica Requerimento composto de 05 páginas: 1. página 01: IDENTIFICAÇÃO E DO FORNECEDOR; 2. página 02: ENQUADRAMENTO NA CATEGORIA; 3. página 03 e 04: RELAÇÃO DE DOCUMENTOS

Leia mais

REGULAMENTO DE CREDENCIAMENTO DE PESSOAS JURÍDICAS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PROFISSIONAIS DE CONSULTORIA, INSTRUTORIA EM PROJETOS.

REGULAMENTO DE CREDENCIAMENTO DE PESSOAS JURÍDICAS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PROFISSIONAIS DE CONSULTORIA, INSTRUTORIA EM PROJETOS. REGULAMENTO DE CREDENCIAMENTO DE PESSOAS JURÍDICAS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PROFISSIONAIS DE CONSULTORIA, INSTRUTORIA EM PROJETOS. TOLEDO-PR Página 2 de 6 1. OBJETIVO 1.1 O presente regulamento objetiva

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE.

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE. REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE. CAPÍTULO I Dos Objetivos e Prazos Artigo 1º Os Cursos Acadêmicos de Pós-Graduação stricto

Leia mais

das demais previsões relativas ao estágio previstas no Projeto Pedagógico do Curso, no Regimento Interno e na Legislação.

das demais previsões relativas ao estágio previstas no Projeto Pedagógico do Curso, no Regimento Interno e na Legislação. DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE REDENTOR DE PARAÍBA DO SUL DOS OBJETIVOS Art. 1 O Sistema de Estágio da FACULDADE REDENTOR DE PARAÍBA DO SUL terá por objetivos gerais:

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP CAPÍTULO I DOS FUNDAMENTOS LEGAIS Artigo 1º- O presente regulamento de estágios do Centro Universitário do Norte Paulista

Leia mais

Avaliação de Desempenho da Contratada para Prestação de Serviços de Engenharia (Estudos e Projetos)

Avaliação de Desempenho da Contratada para Prestação de Serviços de Engenharia (Estudos e Projetos) OBJETIVO Estabelecer procedimento para avaliação de desempenho de contratada para a área de estudos e projetos de engenharia, a fim de identificar o perfil de desempenho técnico, administrativo e organizacional

Leia mais

NORMAS ESPECÍFICAS DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS EESC

NORMAS ESPECÍFICAS DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS EESC NORMAS ESPECÍFICAS DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS EESC I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP)

Leia mais

COMUNICADO DE ABERTURA

COMUNICADO DE ABERTURA COMUNICADO DE ABERTURA Processo Seletivo - Prazo Determinado nº 004/2015, de 30/08/2015. Vagas destinadas exclusivamente para Pessoa com Deficiência- PcD. 1. VAGA OFERECIDA Cargo Cargo I ADI NS Iniciante

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO Aprovada em Reunião do Conselho de Administração da Companhia realizada em 29 de agosto

Leia mais

CAPÍTULO I - DA CARACTERIZAÇÃO

CAPÍTULO I - DA CARACTERIZAÇÃO CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I - DA CARACTERIZAÇÃO Art.

Leia mais

Anexo III. Critério de Avaliação

Anexo III. Critério de Avaliação I. Condições gerais Anexo III Critério de Avaliação I.a. A seleção das propostas será realizada por uma Comissão de Avaliação, Julgamento e Classificação, a qual deverá ser composta, no mínimo, por 3 (três)

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

COLETA DE PREÇOS PARA REGISTRO DE PREÇOS CP- 02/2015

COLETA DE PREÇOS PARA REGISTRO DE PREÇOS CP- 02/2015 COLETA DE PREÇOS PARA REGISTRO DE PREÇOS CP- 02/2015 Objetivo Geral Contratação, por registro de preços, de serviços técnicos especializados de auditoria independente a serem prestados à EMBRAPII, compreendendo

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO Curso de Extensão a Distância Formação Continuada em Conselhos Escolares EDITAL Nº 02/FCCE/2014

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO Curso de Extensão a Distância Formação Continuada em Conselhos Escolares EDITAL Nº 02/FCCE/2014 EDITAL Nº 02/FCCE/2014 Seleção para 240 vagas do Formação Continuada em Conselhos Escolares da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, para o segundo semestre de 2014, com início previsto para 11

Leia mais

Ref: Edital da Concorrência nº. 01/2009. termos do edital, pelas razões a seguir: 1º PEDIDO DE ESCLARECIMENTO:

Ref: Edital da Concorrência nº. 01/2009. termos do edital, pelas razões a seguir: 1º PEDIDO DE ESCLARECIMENTO: Ref: Edital da Concorrência nº. 01/2009 Empresa interessada no certame solicitou PEDIDO DE ESCLLARECI IMENTTO,, aos termos do edital, pelas razões a seguir: 1º PEDIDO DE ESCLARECIMENTO: 1) Com relação

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE GESTÃO DA COORDENAÇÃO DA Primeira 1/12 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO POR APROVADO Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Silvia Helena Correia Vidal Aloísio Barbosa de Carvalho Neto

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA BNDES 01/2008 QUESTIONAMENTOS DA EMPRESA SAS

CONSULTA PÚBLICA BNDES 01/2008 QUESTIONAMENTOS DA EMPRESA SAS 1 CONSULTA PÚBLICA BNDES 01/2008 QUESTIONAMENTOS DA EMPRESA SAS QUESTÃO 1 2. DESCRIÇÃO DO OBJETO 2.1. Aquisição do SISTEMA DE RISCO 2.1.1. Fornecimento e cessão de direito de uso definitivo, não exclusivo,

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Administração

Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Administração Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Administração I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A CCP

Leia mais

REQUISITOS PARA RECONHECIMENTO DA CONFORMIDADE PARA CABOS PROFIBUS PA - DP

REQUISITOS PARA RECONHECIMENTO DA CONFORMIDADE PARA CABOS PROFIBUS PA - DP Página 1 1 OBJETIVO Estabelecer os critérios para o Programa de Reconhecimento da Conformidade de Cabos Profibus PA e Profibus DP, atendendo aos requisitos técnicos, visando garantir a segurança na utilização

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 11, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2015. Art. 1º Aprovar, na forma do Anexo, a Norma de Capacitação de Servidores da APO.

RESOLUÇÃO Nº 11, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2015. Art. 1º Aprovar, na forma do Anexo, a Norma de Capacitação de Servidores da APO. RESOLUÇÃO Nº 11, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2015 A DIRETORIA EXECUTIVA DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA APO, no uso das atribuições que lhe conferem o inciso XIV do Parágrafo Segundo da Cláusula Décima Quinta

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2783 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL Nº

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2783 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL Nº Impresso por: ANGELO LUIS MEDEIROS MORAIS Data da impressão: 21/11/2013-18:05:16 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2783 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO

Leia mais

Universidade de São Paulo Instituto de Química. Normas do Programa de Pós-Graduação em Química

Universidade de São Paulo Instituto de Química. Normas do Programa de Pós-Graduação em Química Universidade de São Paulo Instituto de Química Normas do Programa de Pós-Graduação em Química 1 I Composição da Comissão Coordenadora do Programa 1. A Comissão Coordenadora do Programa (CCP) é composta

Leia mais

INTENÇÃO DE CONTRATAÇÃO ISGH / 2014 RASTREAMENTO E MONITORAMENTO DE VÉICULO

INTENÇÃO DE CONTRATAÇÃO ISGH / 2014 RASTREAMENTO E MONITORAMENTO DE VÉICULO INTENÇÃO DE CONTRATAÇÃO ISGH / 2014 RASTREAMENTO E MONITORAMENTO DE VÉICULO O INSTITUTO DE SAÚDE E GESTÃO HOSPITALAR - ISGH, pessoa jurídica de direito privado, associação sem fins lucrativos de interesse

Leia mais

Política de Associação

Política de Associação Política de Associação Constam a seguir as orientações e os termos que definem a relação entre os associados e a Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação. 1. Informações Gerais A Rede Brasileira de

Leia mais

ANEXO II CRITÉRIO DE AVALIAÇÃO

ANEXO II CRITÉRIO DE AVALIAÇÃO 1. Condições gerais ANEXO II CRITÉRIO DE AVALIAÇÃO A seleção das propostas será realizada por uma Comissão de Avaliação, Julgamento e Classificação, a qual deverá ser composta no mínimo por 03 (três) e

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº 402, DE 27 DE JANEIRO DE 2004

INSTRUÇÃO Nº 402, DE 27 DE JANEIRO DE 2004 Ministério da Fazenda Comissão de Valores Mobiliários INSTRUÇÃO Nº 402, DE 27 DE JANEIRO DE 2004 Estabelece normas e procedimentos para a organização e o funcionamento das corretoras de mercadorias. O

Leia mais

b) integração de área(s) de concentração, linhas de pesquisa, projetos de pesquisa, produção intelectual e estrutura curricular de modo tal que:

b) integração de área(s) de concentração, linhas de pesquisa, projetos de pesquisa, produção intelectual e estrutura curricular de modo tal que: 1. Dentro do padrão de qualidade adotado na área, considera-se que a proposta do programa é um quesito básico de garantia para a obtenção de resultados, não podendo haver diferença notável aqui entre os

Leia mais

3.1. A Bolsa assegurará auxílio financeiro ao contemplado e será concedida em doze parcelas.

3.1. A Bolsa assegurará auxílio financeiro ao contemplado e será concedida em doze parcelas. EDITAL PIBIC-EM Nº 01/2015 O Reitor da Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC, com vistas à chamada para a seleção de bolsista de Iniciação Científica para o Ensino Médio PIBIC-EM, sob a Coordenação

Leia mais

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO... 2 2. JUSTIFICATIVA... 2 3. OBJETIVO GERAL... 3 4. OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 5 DOCUMENTAÇÃO DE REFERÊNCIA... 4 6 PRODUTOS E SERVIÇOS... 4 6.1 RELATÓRIO DE SITUAÇÃO

Leia mais