AUDITORIAS INTERNAS DA QUALIDADE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AUDITORIAS INTERNAS DA QUALIDADE"

Transcrição

1 Elaborado por Márcio Flávio Ribeiro Pereira Visto Aprovado por José Carlos de Andrade Visto CONTROLE DE REVISÃO Revisão Data Item Natureza das alterações 0 04/05/ Emissão inicial 1 16/11/ Modificação no caminho de localização dos arquivos eletrônicos 2 18/02/ Incluída Observação sobre planejamento após certificação Alteração do caminho de localização dos anexos. Incluída representação dos anexos. 3 25/03/ Retirada observação sobre planejamento após certificação 4 23/06/ Alterado a citação da norma ISO9000 para revisão 2005 e conteúdo aplicado 5 02/04/ Determinado prazo para realização da avaliação dos auditores Anexo 10 Alterado formulário para receber a data da avaliação 1. OBJETIVO Estabelecer os critérios para o planejamento, execução da auditoria, relato dos resultados e manutenção dos registros das auditorias internas, para determinar se o Sistema de Gestão da Qualidade está: Conforme com as disposições planejadas, requisitos da Norma e com os requisitos do SGQ estabelecidos pela ELBI. Mantido e implementado eficazmente. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA MQ Manual da Qualidade; NBR ISO 9000: Sistemas de Gestão da Qualidade - Fundamentos e Vocabulários; NBR ISO 9001: Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. 3. DEFINIÇÕES E ABREVIATURAS Para os propósitos deste procedimento são aplicáveis as definições contidas na NBR ISO 9000:2005, complementadas ou reforçadas pelas definições e abreviaturas a seguir: MQ Manual da Qualidade PS Procedimento do Sistema RDQ Relação de Documentos da Qualidade IT Instrução Técnica PQ Plano de Qualidade RD Representante da Alta Direção CAD Conselho de Administração - Auditorias Internas da Qualidade Página 1 de 16

2 COLAB. - Colaboradores SGQ Sistema de Gestão da Qualidade GQ Gerente da Qualidade AUDITOR - Pessoa com atributos pessoais demonstrados e competência para conduzir uma auditoria AUDITADO - Serviços, Produtos ou processo auditado AUDITORIA DA QUALIDADE - Processo sistemático, documentado e independente para obter evidencias de auditoria e avaliá-las objetivamente para determinar a extensão na qual os critérios da auditoria são atendidos EQUIPE AUDITORA - Um ou mais auditores com objetivo de realizar auditorias previstas no Programa Semestral de Auditorias AUDITOR LÍDER - Pessoa designada para coordenar a equipe de auditores e coordenar a auditoria NÃO-CONFORMIDADE - É o não atendimento a um requisito especificado EVIDÊNCIA OBJETIVA Dados que apóiam a existência ou a veracidade de alguma coisa. Informação cuja veracidade pode ser comprovada, com base em FATOS obtidos através de observação, medição, ensaios ou outro meio OBSERVAÇÕES - É um fato constatado em uma auditoria interna que, embora não caracterize uma nãoconformidade, pode ser usado como melhoria do Sistema de Gestão da Qualidade da área ou setor auditado ITEM SEM EVIDÊNCIA - É o item para o qual não se pode evidenciar sua implementação até o momento da auditoria 4. RESPONSABILIDADES E AUTORIDADES Atividade Elaborar o Plano Semestral de Auditorias Definir equipe de auditores e período de auditorias Elaborar o Programa de Auditoria Coordenar a execução da auditoria e liderar equipe de auditores Emitir as SAC s (Solicitação de Ação Corretiva) e relatório final Emitir relatório completo da auditoria e disponibilizá-lo para o RD até 3 dias após o término da auditoria Implementar as ações corretivas Fazer o acompanhamento e encerramento das SAC s abertas e de auditorias internas Responsabilidade RD Representante da Direção Auditor Líder Auditor Líder Auditor Líder Auditor Líder Auditor Líder Auditado Responsável pelo serviço, produto ou processo RD 5. METODOLOGIA 5.1 Programas de Auditorias É assegurada a realização de pelo menos duas auditorias internas por ano, sendo preferencialmente uma em cada semestre. - Auditorias Internas da Qualidade Página 2 de 16

3 Auditorias não programadas, com escopo específico, podem ser realizadas quando autorizadas pelo RD Representante da Direção, nas seguintes operações : Mudança na estrutura organizacional; Aquisição de tecnologias que possam afetar o SGQ; Resultado de auditorias anteriores; Solicitação do responsável pelo serviço, produto ou processo; Número excessivo de reclamações de clientes. O planejamento das auditorias deve levar em conta a situação e importância dos processos, serviços e produtos a serem auditadas, bem como os resultados de auditorias anteriores. Cabe ao RD Representante da Direção, planejar as auditorias conforme anexo 1 e sempre após 15 dias do término das auditorias, realizar as reuniões de Análise Crítica junto ao CAD e relatar o desempenho do SGQ. Ao elaborar o planejamento semestral das auditorias o RD Representante da Direção deve considerar como recomendação os seguintes itens: O número de empregados no processo, serviço ou produto auditado; Número de terceirizados; Disponibilidade de auditores; Número de não-conformidades da auditoria anterior; Número de serviços ou produtos. 5.2 Planejamento da Auditoria Após a divulgação pelo RD do planejamento das auditorias, cabe ao Auditor Líder elaborar o programa de auditoria pelo menos 5 dias antes de realização da auditoria e encaminhá-lo ao responsável da área auditada. O programa de auditoria deve ser realizado em consenso com a equipe de auditores, levando em consideração todos os requisitos aplicáveis ao projeto ou processo auditado. No formulário do Anexo 2, o Auditor Líder define os processos/serviços/produtos auditados e requisitos aplicáveis. O RD deverá apresentar anualmente o planejamento das auditoras internas. 5.3 Execução da Auditoria Preparação para Auditoria Cabe ao Auditor Líder e demais auditores a responsabilidade pela preparação da auditoria. Na preparação, é recomendado que seja elaborado pela equipe auditora um check list dos requisitos da Norma, documentos do SGQ, requisitos regulamentares e estatutários aplicáveis. Para realização eficaz da auditoria, cabe ao Auditor Líder e equipe o estudo dos procedimentos aplicáveis à área auditada Reunião de Abertura O Auditor Líder coordena a reunião de abertura com os gerentes a serem auditados onde são abordados os itens do Anexo 3. Os participantes da reunião de abertura devem conter seus nomes na lista de presença conforme anexo 4. Não é necessária assinatura, bastando apenas colocar qual o momento o auditado estiver participando (Abertura, Auditado, Encerramento). - Auditorias Internas da Qualidade Página 3 de 16

4 5.3.3 Coleta de Dados Após reunião de abertura, os auditores coletam os dados através de entrevistas aos colaboradores, observações das atividades, depoimentos dos auditados, documentos do SGQ, check list, Norma NBR ISO 9001:2000 e acesso aos sistemas físico e lógico dos processos/serviços/produtos Análise de Dados Os auditores analisam criticamente os dados coletados, classificando-os em: Conformidade (síntese da auditoria/ evidências de conformidades); Pontos positivos; Observação (oportunidade de melhoria, porém não caracteriza ainda uma não-conformidade, mas caso nada seja feito, poderá vir a se tornar uma não-conformidade); Não-conformidade (não atendimento a um requisito especificado abertura de SAC); Item sem evidência Reunião de Encerramento O Auditor Líder coordena a reunião de encerramento com representantes dos processos/serviços/produtos auditados, onde são abordados os tópicos do Anexo Implementação de correções, ações corretivas e ações preventivas O responsável pelo processo/serviço/produto auditado: Define a correção, identificação da causa e implementação de ações para eliminação das causas da nãoconformidade registrada na SAC Solicitação de Ação Corretiva, pelos auditores. Avalia as observações mencionadas no relatório e define pela abertura de SAP Solicitação de Ações Preventivas. A abertura de SAP para as observações de auditorias deve priorizar aquelas mais críticas ou relevantes considerando investimentos, recursos e contribuição para a empresa Análise Crítica pela Direção Após o término das auditorias, o Representante da Direção compila os resultados e encaminha para reunião com os membros do CAD Relatório Final da Auditoria O relatório final da auditoria é emitido pelo Auditor Líder no máximo 7 (sete) dias após a realização da auditoria e segue o modelo do Anexo Sistema de Avaliação de Auditores - Auditorias Internas da Qualidade Página 4 de 16

5 5.4.1 Cadastro Todos os auditores serão cadastrados conforme o anexo 9. Para ser considerado apto a participar da equipe de auditores da ELBI, o auditor deverá preencher pelo menos 3 (três) dos 5 (cinco) requisitos iniciais. Caso o auditor não tenha preenchido pelo menos 3 (três) dos 5 (cinco) requisitos, deverá ser feito um planejamento de treinamento para que o mesmo se enquadre como auditor Avaliação de Desempenho dos Auditores Após a auditoria, o RD deverá avaliar os auditores preenchendo a tabela do anexo 10. Sendo dada em cada item nota conforme especificada no anexo. Esta avaliação será realizada em até 7 (sete) dias após a auditoria interna Da Compilação dos Dados Ao se cadastrar um auditor, o mesmo, se aprovado, ganhará uma nota inicial que variará entre 3 a 5. Ao final de cada avaliação de desempenho dos auditores, deverá ser compilada a nota do auditor que será a média da nota atual com as 3 últimas notas de outras auditorias já registradas. Os dados do cadastro e da avaliação de desempenho deverão ser compilados na tabela do anexo REGISTROS APLICÁVEIS 6.1 Anexo 1 Programa de Auditoria Interna 6.2 Anexo 2 Planejamento das Auditorias 6.3 Anexo 3 Check List Reunião de Abertura 6.4 Anexo 4 Lista de Presença 6.5 Anexo 5 Check List reunião de Encerramento 6.6 Anexo 6 Relatório Final da Auditoria 6.7 Anexo 7 Fluxograma de Análise Crítica de Evidência Objetiva 6.8 Anexo 8 Fluxograma de Análise de Não-Conformidade 6.9 Anexo 9 Cadastro de Auditores 6.10 Anexo 10 Avaliação de desempenho de auditor 7. ANEXOS 7.1 Anexo - 1: Programa de Auditoria Interna 7.2 Anexo 2 Planejamento das Auditorias 7.3 Anexo 3 Check List Reunião de Abertura 7.4 Anexo 4 Lista de Presença 7.5 Anexo 5 Check List reunião de Encerramento 7.6 Anexo 6 Relatório Final da Auditoria 7.7 Anexo 7 Fluxograma de Análise Crítica de Evidência Objetiva 7.8 Anexo 8 Fluxograma de Análise de Não-Conformidade 7.9 Anexo 9 Cadastro de Auditores 7.10 Anexo 10 Avaliação de Desempenho de Auditor 7.11 Anexo 11 Relação de Auditores - Auditorias Internas da Qualidade Página 5 de 16

6 ANEXO 1 - PROGRAMA DE AUDITORIA INTERNA \\Servidor\Elbi\S G Q\Controle da Qualidade ELBI_Menu de Controle-Outras opções-mais Opções-Auditorias Internas- Programar Auditoria Interna - Auditorias Internas da Qualidade Página 6 de 16

7 ANEXO 2 - PLANEJAMENTO DAS AUDITORIAS \\Servidor\Elbi\S G Q\Controle da Qualidade ELBI_Menu de Controle-Outras opções-mais Opções-Auditorias Internas- Planejar Auditorias Internas - Auditorias Internas da Qualidade Página 7 de 16

8 - Auditorias Internas da Qualidade Página 8 de 16

9 - Auditorias Internas da Qualidade Página 9 de 16

10 ANEXO 3 - CHECK LIST REUNIÃO DE ABERTURA \\Servidor\Elbi\S G Q\Controle da Qualidade ELBI_Menu de Controle-Outras opções-mais Opções-Auditorias Internas- Checar a Reunião de Abertura ANEXO 4 - LISTA DE PRESENÇA \\Servidor\Elbi\S G Q\Controle da Qualidade ELBI_Menu de Controle-Outras opções-mais Opções-Auditorias Internas- Preencher Lista de Presença - Auditorias Internas da Qualidade Página 10 de 16

11 ANEXO 5 CHECK LIST REUNIÃO DE ENCERRAMENTO \\Servidor\Elbi\S G Q\Controle da Qualidade ELBI_Menu de Controle-Outras opções-mais Opções-Auditorias Internas- Checar Reunião de Encerramento - Auditorias Internas da Qualidade Página 11 de 16

12 ANEXO 6 - RELATÓRIO FINAL DA AUDITORIA \\Servidor\Elbi\S G Q\Controle da Qualidade ELBI_Menu de Controle-Outras opções-mais Opções-Auditorias Internas- Preencher Relatório Final da Auditoria - Auditorias Internas da Qualidade Página 12 de 16

13 ANEXO 7 FLUXOGRAMA DE ANÁLISE DE EVIDÊNCIA OBJETIVA INÍCIO Avalia a conformidade em relação à ISO9001, documentos do SGQ e diretrizes organizacionais aplicáveis. Está conforme? Não Analisar a não-conformidade Sim Há destaque na implementação? Sim Ponto Positivo Não Há possibilidade NC no futuro? Sim Observação Não Há evidência de implementação? Não Itens sem Evidência Sim FIM - Auditorias Internas da Qualidade Página 13 de 16

14 ANEXO 8 FLUXOGRAMA DE ANÁLISE DE NÃO CONFORMIDADE INÍCIO Detecta uma nãoconformidade Avalia a extensão e a gravidade da NC SAC Comunicação Interna FIM - Auditorias Internas da Qualidade Página 14 de 16

15 ANEXO 9 CADASTRO DE AUDITORES \\Servidor\Elbi\S G Q\Controle da Qualidade ELBI_Menu de Controle-Outras opções-mais Opções-Auditores- Cadastrar Auditores ANEXO 10 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO AUDITOR \\Servidor\Elbi\S G Q\Controle da Qualidade ELBI_Menu de Controle-Outras opções-mais Opções-Auditores- Avaliação de Desempenho de Auditores - Auditorias Internas da Qualidade Página 15 de 16

16 ANEXO 11 RELAÇÃO DE AUDITORES \\Servidor\Elbi\S G Q\Controle da Qualidade ELBI_Menu de Controle-Outras opções-mais Opções-Auditores- Relação de Auditores Cadastro de Auditores 1 - Nome do Auditor 2 - Ativo 3-1 Possui pelo menos 8h de treinamento da norma NBR 9001:2000? 3-2 Possui pelo menos 8h de treinamento de auditoria interna? 3-3 Já trabalhou/ trabalha em alguma empresa que possui ISO Já auditou alguma empresa? 3-5 Tem diponibilidade de estar auditando durante 8h seguidas? 4 - Aprovado 5 - Reprovado temporariamente - Auditorias Internas da Qualidade Página 16 de 16

AQUISIÇÃO E AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS E PRODUTOS

AQUISIÇÃO E AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS E PRODUTOS Elaborado por Márcio Flávio Ribeiro Pereira Visto Aprovado por José Carlos de Andrade Visto CONTROLE DE REVISÃO Revisão Data Item Natureza das alterações 0 05/03/2005 - Emissão inicial 1 27/05/2005 5.3

Leia mais

Auditoria de Segurança e Saúde do Trabalho da SAE/APO sobre Obra Principal, Obras Complementares, Obras do reservatório e Programas Ambientais

Auditoria de Segurança e Saúde do Trabalho da SAE/APO sobre Obra Principal, Obras Complementares, Obras do reservatório e Programas Ambientais 1 / 10 1 OBJETIVO: Este procedimento visa sistematizar a realização de auditorias de Saúde e Segurança do Trabalho por parte da SANTO ANTÔNIO ENERGIA SAE / Gerência de Saúde e Segurança do Trabalho GSST,

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE CONTROLE DE SUBSTÂNCIAS NOCIVAS 1 - OBJETIVO

GESTÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE CONTROLE DE SUBSTÂNCIAS NOCIVAS 1 - OBJETIVO ITEM PÁGINA 1 OBJETIVO 1 2 DEFINIÇÃO DOS TERMOS 2 3 REFERÊNCIAS (NORMAS/ LEGISLAÇÃO/ REQUISITOS APLICÁVEIS). 2 4 RESPONSABILIDADES E ATIVIDADES PARA CONTROLE DE SUBSTÂNCIAS. 3 5 ANÁLISE LABORATORIAL 4

Leia mais

Auditoria Interna. Revisão Data Descrição 0 08/10/2010 - Emissão inicial

Auditoria Interna. Revisão Data Descrição 0 08/10/2010 - Emissão inicial Pág.: 1/23 Controle de alterações Revisão Data Descrição 0 08/10/2010 - Emissão inicial 1 16/05/2012 Item 7 Anexo 2 Alteração nos requisitos de competência do auditor interno e auditor líder, no que concerne

Leia mais

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 I. APROVAÇÃO Emitente: Função: Análise crítica e aprovação: Função: Liliane Alves Ribeiro da Silva Gerente Administrativa Roberto José da Silva Gerente Geral

Leia mais

CONTROLE DE COPIA: PS-AM-GQ-004 01/08/2014

CONTROLE DE COPIA: PS-AM-GQ-004 01/08/2014 1/7 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática para planejamento, execução e registrosdas auditorias internas da Qualidade, determinar formas de monitoramento das ações corretivas,verificando o atendimento aos

Leia mais

Mobilização Obras. 4. RESPONSABILIDADES E AUTORIDADES Função Atividade. Gerente/ Gestor

Mobilização Obras. 4. RESPONSABILIDADES E AUTORIDADES Função Atividade. Gerente/ Gestor Elaborado por Aline Duarte Visto Aprovado por Márcio Flávio Ribeiro Pereira Visto CONTROLE DE REVISÃO Revisão Data Item Natureza das alterações 0 24/08/2012 - Emissão inicial 1 18/10/2012 1. OBJETIVO 5.2

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE

GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA QUALIDADE GESTÃO DA COORDENAÇÃO DA Primeira 1/12 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADO REVISADO POR APROVADO Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Marcelo de Sousa Silvia Helena Correia Vidal Aloísio Barbosa de Carvalho Neto

Leia mais

Os processos. Auditorias internas. Requisitos ISO 9001 S1E1

Os processos. Auditorias internas. Requisitos ISO 9001 S1E1 Os processos Requisitos ISO 9001 s internas S1E1 Metodologia Esta capacitação em s Internas de Sistemas de Gestão da Qualidade prevê a construção do conhecimento por meio de exercícios teórico-práticos

Leia mais

AUDITORIA DO SISTEMA DE GESTÃO 1 OBJETIVO

AUDITORIA DO SISTEMA DE GESTÃO 1 OBJETIVO AUDITORIA DO SISTEMA DE GESTÃO Proposto por: Núcleo de Apoio ao Sistema de Gestão (NUAGES) Analisado por: Chefe da Assessoria de Desenvolvimento Institucional (ADI) Aprovado por: Presidente do TRT/RJ 1

Leia mais

Controle de Documentos da Qualidade. Descrição 0 15/07/2010 - Emissão inicial

Controle de Documentos da Qualidade. Descrição 0 15/07/2010 - Emissão inicial Pág.: 1/19 Controle de alterações Revisão Data Local da Revisão Descrição 0 15/07/2010 - Emissão inicial Item 5.5 Unificação dos itens 5.5.2 e 5.5.4, em função da exclusão da lista de Distribuição de documentos

Leia mais

ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Prof. MARCELO COSTELLA FRANCIELI DALCANTON ISO 9001- INTRODUÇÃO Conjunto de normas e diretrizes internacionais para sistemas de gestão da qualidade; Desenvolve

Leia mais

Política de Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

Política de Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Política de Trabalho de Conclusão de Curso - TCC A FACULDADE DINÂMICA prevê mecanismos efetivos de acompanhamento e de cumprimento do Trabalho de Conclusão de Curso, que no momento da construção do seu

Leia mais

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Adriana Ferreira de Faria (Uniminas) affaria@uniminas.br Adriano Soares Correia (Uniminas) adriano@ep.uniminas.br

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica

Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos - Turma nº 151 30 de novembro 2015 Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica Renata Maciel da Silva renata.maciel55@gmail.com

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL 1. Introdução O Falcão Bauer Ecolabel é um programa de rotulagem ambiental voluntário que visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação da conformidade do produto com

Leia mais

ELBI ELÉTRICA INDUSTRIAL LTDA. Data 17-08-11. ATA REUNIÃO DA ANÁLISE CRÍTICA N. 13 Páginas 1 de 8 PARTICIPANTES NOME EMPRESA ASSINATURA

ELBI ELÉTRICA INDUSTRIAL LTDA. Data 17-08-11. ATA REUNIÃO DA ANÁLISE CRÍTICA N. 13 Páginas 1 de 8 PARTICIPANTES NOME EMPRESA ASSINATURA ATA REUNIÃO DA ANÁLISE CRÍTICA N. 13 Páginas 1 de 8 JOSÉ FRANCISCO JOSÉ CARLOS MÁRCIO FLÁVIO LEANDRO EDUARDO WENDER CHRISÓSTOMO ALINE M O DUARTE ASSUNTOS ABORDADOS: 1- RESULTADOS DA AUDITORIA INTERNA N.13:

Leia mais

PROCEDIMENTO PADRÃO. Status: Aprovado CONTROLE DE PRODUTO NÃO CONFORME

PROCEDIMENTO PADRÃO. Status: Aprovado CONTROLE DE PRODUTO NÃO CONFORME PP.830-1 de 5 1. OBJETIVO Estabelecer o controle, responsabilidades e autoridade pertinentes para assegurar que o produto/serviço não conforme com os requisitos sejam identificados e controlados para evitar

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER 1. Introdução A Certificação do Selo Ecológico Falcão Bauer possui caráter voluntário e visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação do diferencial ecológico apresentado

Leia mais

Banco de Boas Práticas do Poder Judiciário cearense Boas Práticas de Gestão do TJCE

Banco de Boas Práticas do Poder Judiciário cearense Boas Práticas de Gestão do TJCE Banco de Boas Práticas do Poder Judiciário cearense Boas Práticas de Gestão do TJCE Informações gerais sobre a prática Título Implantação da Norma Iso 9001:2008 no Departamento de Distribuição de Processos

Leia mais

Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração

Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração Competências a serem trabalhadas ENTENDER O PROCESSO DE PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DE AUDITORIA DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Hoje

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna 025 1/8 Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 6. Formulários 7. Anexo A 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos

Leia mais

POP 011: PLANEJAMENTO DE VIAGENS PARA AUDITORIAS

POP 011: PLANEJAMENTO DE VIAGENS PARA AUDITORIAS Página 1 de 6 POP 011: PLANEJAMENTO DE VIAGENS PARA AUDITORIAS ELABORAÇÃO E APROVAÇÃO Nome Data Assinatura 25/02/2014 Revisado por: Rominik Fontenele 27/02/2014 Aprovado por: Rodrigo Barbosa Nazareno 27/02/2014

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 4. 5 Responsabilidades: 5.

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 4. 5 Responsabilidades: 5. OG Procedimento de Gestão PG.SMS.014 Denominação: Auditoria Interna do Sistema de Gestão de SMS SUMÁRIO Este procedimento estabelece premissas básicas sobre os critérios de planejamento e princípios a

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação * Inclusão de notas do item 2.1."b" quanto a documentação necessária

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE SUMÁRIO

MANUAL DA QUALIDADE SUMÁRIO / Aprovação: Edison Cruz Mota MANUAL DA QUALIDADE Código: MQ Revisão: 13 Página: 1 de 16 Data: 15/12/2011 Arquivo: MQ_13.doc SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO... 3 2.1. POLÍTICA DA

Leia mais

PROCESSO AUDITORIA INTERNA

PROCESSO AUDITORIA INTERNA Dono do Processo Marcelo Borges dos Santos Aprovado por Comitê da Qualidade Analisado criticamente por Representante da Direção Substituto: Luciana Vieira Magalhães 1 OBJETIVOS Avaliar periodicamente,

Leia mais

RECEBIMENTO, ARMAZENAMENTO, E PRESERVAÇÃO DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS NOS CANTEIROS DE OBRA.

RECEBIMENTO, ARMAZENAMENTO, E PRESERVAÇÃO DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS NOS CANTEIROS DE OBRA. Elaborado por Aline Duarte Visto Aprovado por Márcio Flávio Visto CONTROLE DE REVISÃO Revisão Data Item Natureza das alterações 0 09/04/005 - Emissão inicial 1 1/09/005 6/06/006 3 19/01/010 4 09/01/01

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SiAC

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SiAC 1 ICQ BRASIL OCS Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade, credenciado pelo INME- TRO para certificações de terceira parte. 2 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Este regulamento fornece diretrizes

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 Revisão:14 Folha:1 de17 SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO... 3 2.1 POLÍTICA DA QUALIDADE... 3 2.2 OBJETIVOS DA QUALIDADE... 4 2.3 ORGANIZAÇÃO DA EMPRESA PARA A QUALIDADE...

Leia mais

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) O PMBoK diz que: O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos e as atividades necessárias para identificar, definir, combinar, unificar e coordenar

Leia mais

29/05/2012. Gestão de Projetos. Luciano Gonçalves de Carvalho FATEC. Agenda. Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências FATEC

29/05/2012. Gestão de Projetos. Luciano Gonçalves de Carvalho FATEC. Agenda. Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências FATEC Gestão de Projetos 1 Agenda Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências 2 1 GERENCIAMENTO DA INTEGRAÇÃO DO PROJETO 3 Gerenciamento da Integração do Projeto Fonte: EPRoj@JrM 4 2 Gerenciamento

Leia mais

-CAPÍTULO I ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO

-CAPÍTULO I ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO -CAPÍTULO I ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO 1. Sistema Sicoob A Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional abaixo visa dar conformidade ao que dispõe a Resolução n 3.380/2006, do Conselho Monetário

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC DO CURSO DE FISIOTERAPIA

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC DO CURSO DE FISIOTERAPIA 1 DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC DO CURSO DE FISIOTERAPIA CACOAL 2009 2 REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ 290.0339 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVAÇÃO CARLOS ROBERTO KNIPPSCHILD Gerente da Qualidade e Assuntos Regulatórios Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 Página 1 de 21 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 6. QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES...4 7. CONDIÇÕES GERAIS...4 8.

Leia mais

WORKSHOP SOBRE INTERPRETAÇÃO DA NORMA ISO 9001:2000

WORKSHOP SOBRE INTERPRETAÇÃO DA NORMA ISO 9001:2000 WORKSHOP SOBRE INTERPRETAÇÃO DA NORMA ISO 9001:2000 São Paulo 25.08.2004 Seguindo a solicitação dos participantes do primeiro Workshop sobre interpretações da norma ISO 9001:2000 com as Certificadoras,

Leia mais

Enviado por sanson@tecpar.br. em 19/12/11. Recebido por

Enviado por sanson@tecpar.br. em 19/12/11. Recebido por Pedido nº.: Destinatário/ Addressee: PREFEITURA MUNICIPAL DE COLOMBO ((41) 3656-8161) Data/Date: 16 / 12 / 2011 Nome/Name: ISMAILIN SCHROTTER Fax N : Remetente/Sender: TECPAR CERTIFICAÇÃO Páginas/Pages:

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO PÁGINA: 1/11 OBJETIVO DEFINIR O MÉTODO DE FUNCIONAMENTO DA, VISANDO MANTER AS MÁQUINAS, EQUIPAMENTOS, FERRAMENTAS E AS INSTALAÇÕES DA. DE FORMA A GARANTIR A QUALIDADE DO PRODUTO DENTRO DO ESPECIFICADO

Leia mais

POP 009: AUDITORIA DE CREDENCIAMENTO E DE EXTENSÃO DE ESCOPO DE LABORATÓRIOS

POP 009: AUDITORIA DE CREDENCIAMENTO E DE EXTENSÃO DE ESCOPO DE LABORATÓRIOS Página 1 de 9 POP 009: AUDITORIA DE CREDENCIAMENTO E DE EXTENSÃO DE ESCOPO DE LABORATÓRIOS ELABORAÇÃO E APROVAÇÃO Nome Data Assinatura 29/01/2014 Revisado por: Fernanda G. Brandão 26/03/2014 28/03/2014

Leia mais

Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento dos processos de trabalho do TJAC.

Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento dos processos de trabalho do TJAC. Código: MAP-DIGES-003 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Processos Aprovado por: Diretoria de Gestão Estratégica 1 OBJETIVO Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento

Leia mais

Gestão de Projetos. 5ª Câmara de Coordenação e Revisão - Combate à Corrupção Manual de Normas e Procedimentos - MNP 05

Gestão de Projetos. 5ª Câmara de Coordenação e Revisão - Combate à Corrupção Manual de Normas e Procedimentos - MNP 05 Gestão de Projetos 5ª Câmara de Coordenação e Revisão - Combate à Corrupção Manual de Normas e Procedimentos - MNP 05 Sumário GESTÃO DE PROJETOS... 5 GESTÃO DE PROJETOS... 5 GESTÃO DE PROJETOS... 5 Elementos

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Engenharia Mecânica é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares

Leia mais

2. AMPLITUDE 2.1. Todas as atividades que fazem parte do escopo do SGI desenvolvidas na ABCZ.

2. AMPLITUDE 2.1. Todas as atividades que fazem parte do escopo do SGI desenvolvidas na ABCZ. 1. OBJETIVO Este procedimento estabelece as diretrizes para a realização de auditorias internas no SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO DA ABCZ (SGI) tendo por base todos os requisitos previstos no MANUAL DO SGI

Leia mais

POP 010: MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS DA REDE NACIONAL DE LABORATÓRIOS AGROPECUÁRIOS

POP 010: MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS DA REDE NACIONAL DE LABORATÓRIOS AGROPECUÁRIOS Página 1 de 9 POP 010: MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS DA REDE NACIONAL DE LABORATÓRIOS AGROPECUÁRIOS ELABORAÇÃO E APROVAÇÃO Nome Data Assinatura 27/01/2014 Revisado por: Rominik M. Fontenele 03/10/2014

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE E/OU AMBIENTAL (ISO 9001 / 14001) Palavra chave: certificação, qualidade, meio ambiente, ISO, gestão

CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE E/OU AMBIENTAL (ISO 9001 / 14001) Palavra chave: certificação, qualidade, meio ambiente, ISO, gestão 1 de 8 1. OBJETIVO Estabelecer o processo para concessão, manutenção, extensão, suspensão e cancelamento de certificações de Sistema de Gestão da Qualidade, conforme a Norma NBR ISO 9001 e Sistema de Gestão

Leia mais

TRANSIÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL, PARA AS VERSÕES 2015 DAS NORMAS.

TRANSIÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL, PARA AS VERSÕES 2015 DAS NORMAS. TRANSIÇÃO DAS CERTIFICAÇÕES DOS SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE E SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL, PARA AS VERSÕES 2015 DAS NORMAS. As novas versões das normas ABNT NBR ISO 9001 e ABNT NBR ISO 14001 foram

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS CONTROLE DE DOCUMENTOS E DADOS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS CONTROLE DE DOCUMENTOS E DADOS 1. Objetivo POP-L02 Página 1 de 12 Estabelecer as diretrizes para o controle de todos documentos e dados do Sistema de Gestão da Qualidade, de modo a garantir a rastreabilidade e padronização dos processos

Leia mais

REQUISITOS PARA RECONHECIMENTO DA CONFORMIDADE PARA CABOS PROFIBUS PA - DP

REQUISITOS PARA RECONHECIMENTO DA CONFORMIDADE PARA CABOS PROFIBUS PA - DP Página 1 1 OBJETIVO Estabelecer os critérios para o Programa de Reconhecimento da Conformidade de Cabos Profibus PA e Profibus DP, atendendo aos requisitos técnicos, visando garantir a segurança na utilização

Leia mais

PROCESSO AUDITORIA INTERNA

PROCESSO AUDITORIA INTERNA Dono do Processo Marilusa L B Bittencourt Aprovado por Comitê da Qualidade Analisado criticamente por Representante da Direção Substituto: Lucila Borges de Sant'Anna 1 OBJETIVOS Avaliar periodicamente,

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

CÓDIGO DE CATÁLOGO : 3701

CÓDIGO DE CATÁLOGO : 3701 INTERPRETAÇÃO DA NORMA ISO 9001/2000 SENAI - PR, 2002 CÓDIGO DE CATÁLOGO : 3701 Trabalho elaborado pela Diretoria de Educação e Tecnologia do Departamento Regional do SENAI - PR, através do LABTEC - Laboratório

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software Prof. Sam da Silva Devincenzi sam.devincenzi@gmail.com ISO International Organization for Standardization Organização não governamental que elabora normas internacionais, que visam

Leia mais

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação.

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação. Curso Formação Efetiva de Analístas de Processos Curso Gerenciamento da Qualidade Curso Como implantar um sistema de Gestão de Qualidade ISO 9001 Formação Profissional em Auditoria de Qualidade 24 horas

Leia mais

PROC. 07 AUDITORIA INTERNA

PROC. 07 AUDITORIA INTERNA 1 de 12 AUDITORIA INTERNA MACROPROCESSO GESTÃO DE PROCESSOS PROCESSO AUDITORIA INTERNA AUDITORIA INTERNA 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS... 2 4.1 PLANEJAMENTO

Leia mais

Regimento Interno do Sistema

Regimento Interno do Sistema Identificação: R.01 Revisão: 05 Folha: 1 / 14 Artigo 1 - Objetivo do documento 1.1. Este documento tem como objetivo regulamentar as atividades para credenciamento de uma planta de produção com o SELO

Leia mais

CAPÍTULO 4 - Gerenciamento de integração do projeto

CAPÍTULO 4 - Gerenciamento de integração do projeto CAPÍTULO 4 - Gerenciamento de integração do projeto 4.1 Desenvolver o termo de abertura do projeto INICIAÇÃO.1 Contrato (quando aplicável).2 Declaração do trabalho do projeto.1 Métodos de seleção de.2

Leia mais

COMPLEMENTO DE REGRA DE CERTIFICAÇÃO CADEIRAS DE ALIMENTAÇÃO PARA CRIANÇAS

COMPLEMENTO DE REGRA DE CERTIFICAÇÃO CADEIRAS DE ALIMENTAÇÃO PARA CRIANÇAS Página 1 de 16 Elaborado por: Diego Alves de Oliveira Verificado por: Karen C. Martins Aprovado por: Maria Lucia Hayashi Data Aprovação: 02/06/2015 1 - OBJETIVO Estabelecer os requisitos para o Programa

Leia mais

RELATÓRIO SUMÁRIO DO PROCESSO DE AUDITORIA DE CERTIFICAÇÃO DA CADEIA DE CUSTÓDIA

RELATÓRIO SUMÁRIO DO PROCESSO DE AUDITORIA DE CERTIFICAÇÃO DA CADEIA DE CUSTÓDIA 1 - OBJETIVO O Tecpar está disponibilizando este Relatório Sumário da Gráfica e Editora Posigraf S/A. à sociedade para que emitam seus comentários e questionamentos. A divulgação tem o objetivo de proporcionar

Leia mais

Certificação de Serviço de Inspeção de Recipientes de GLP realizado por Empresas Distribuidoras de GLP

Certificação de Serviço de Inspeção de Recipientes de GLP realizado por Empresas Distribuidoras de GLP Página: 1/7 Elaborado por: Eduardo Augusto Di Marzo Verificado por: Karen Martins Aprovado por: Igor Moreno Data Aprovação: 27/04/2015 1 OBJETIVO Este documento apresenta os critérios complementares da

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PO Procedimento Operacional

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PO Procedimento Operacional AUDITORIA INTERNA PO. 05 08 1 / 5 1. OBJETIVO Descrever a atividade de auditoria interna da qualidade, utilizada pelo Crea GO para verificar a eficácia e adequação do Sistema de Gestão da Qualidade. 2.

Leia mais

Processo. Auditoria Interna. Marilusa Lara Bernardes Bittencourt Wilker Bueno de Freitas Rosa

Processo. Auditoria Interna. Marilusa Lara Bernardes Bittencourt Wilker Bueno de Freitas Rosa Dono do processo Aprovado por Analisado criticamente por Marilusa Lara Bernardes Bittencourt Wilker Bueno de Freitas Rosa Regiane Mendes Barbosa Propósito Descrever a atividade de auditoria interna da

Leia mais

PCP 001 Tanques de Armazenamento Subterrâneo de Combustíveis.

PCP 001 Tanques de Armazenamento Subterrâneo de Combustíveis. rev 06 06/01/2016 Aprovado por PAG 1 / 10 1 OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo estabelecer as condições para a avaliação da conformidade do produto tanque de armazenamento subterrâneo de combustíveis,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. 2.2 São atribuídas à Coordenadoria de Estágios as seguintes funções:

ADMINISTRAÇÃO. 2.2 São atribuídas à Coordenadoria de Estágios as seguintes funções: ADMINISTRAÇÃO Das Disposições Preliminares 1.1 Esta resolução tem como objetivo normatizar as atividades relacionadas com o Estágio em Administração e com o funcionamento da Coordenadoria de Estágios em

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

Elaboração e acompanhamento de Processos de Certificação

Elaboração e acompanhamento de Processos de Certificação Data: 06/06/2003 Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento Anexo A Formulários 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável à

Leia mais

Módulo 4. Conceitos e Princípios de Auditoria

Módulo 4. Conceitos e Princípios de Auditoria Módulo 4 Conceitos e Princípios de Auditoria NBR: ISO 14001:2008 Sistemas da Gestão Ambiental Requisitos com orientações para uso NBR:ISSO 19011: 2002 Diretrizes para auditorias de sistema de gestão da

Leia mais

Manual de Uso da Logomarca C- 15

Manual de Uso da Logomarca C- 15 ÉTICA, COMPETÊNCIA E IMPARCIALIDADE Manual de Uso da Logomarca C-15 REGRAS GERAIS Manual de Uso da Logomarca - C-15 - REGRAS GERAIS Revisão 4 26/05/2015, Página 1 Histórico de Alterações REV.0-07/11/2008

Leia mais

Controle de Documentos e Registros

Controle de Documentos e Registros 1 Objetivo Estabelecer diretrizes para a elaboração e controle dos documentos e registros utilizados pelo Sistema de Gestão Integrada de Meio Ambiente, Saúde e Segurança do Trabalho Ambiental do Porto

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. * Revisão geral para atendimento à NBR ISO/IEC 17021-1:2015. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação 1 - Objetivo

Leia mais

Manual de Instruções Gerais (MIG) Risco Operacional

Manual de Instruções Gerais (MIG) Risco Operacional 1/74 Título 1 Apresentação... 3 Título 2 Gerenciamento do Risco Operacional... 4 1 Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional 4 1 Considerações Gerais... 4 2 Estrutura Organizacional... 5 3 Responsabilidades...

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

PROCEDIMENTO PADRÃO. Status: Aprovado AUDITORIAS INTERNAS

PROCEDIMENTO PADRÃO. Status: Aprovado AUDITORIAS INTERNAS 1 de 8 1 OBJETIVOS Definir uma metodologia para planejamento e realização das Auditorias Internas que visam medir grau de implementação e operacionalidade do Sistema de Gestão da Qualidade SGQ, e se o

Leia mais

O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL INPI, no exercício das suas atribuições,

O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL INPI, no exercício das suas atribuições, Resolução PR nº 03/2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PRESIDÊNCIA 18/03/2013 R E S O L U Ç Ã O Nº 03/2013

Leia mais

Manual de Uso da Logomarca - C-15

Manual de Uso da Logomarca - C-15 ÉTICA, COMPETÊNCIA E IMPARCIALIDADE MANUAL DE USO DA LOGOMARCA - C-15 REGRAS GERAIS Manual de Uso da Logomarca - C-15 - REGRAS GERAIS - Revisão 2, 04/02/2011, Página 01 Histórico de Alterações REV.0-07/11/2008

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Douglas Farias Cordeiro

Gerenciamento de Projetos. Douglas Farias Cordeiro Gerenciamento de Projetos Douglas Farias Cordeiro Conceito de Organização Uma organização pode ser descrita como um arranjo sistemático, onde esforços individuais são agregados em prol de um resultado

Leia mais

Processo Controle de Documentos e Registros

Processo Controle de Documentos e Registros Dono do Processo Kelly Vitoriny Aprovado por Comitê da Qualidade Analisado criticamente por Representante da Direção Substituto: Wilker Bueno 1. OBJETIVOS: Descrever a forma como é efetuado o controle

Leia mais

Impresso em 27/08/2015 10:26:39 (Sem título)

Impresso em 27/08/2015 10:26:39 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Walquiria Rosa/BRA/VERITAS em 28/05/2015 Verificado por Cesar Aulicino em 28/05/2015 Aprovado por Sidney Campos/BRA/VERITAS em 29/05/2015 ÁREA IID Tipo Procedimento Regional Número

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RECEBIMENTO DE BENS/MATERIAIS - CGE PB

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RECEBIMENTO DE BENS/MATERIAIS - CGE PB 2014 MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RECEBIMENTO DE BENS/MATERIAIS - CGE PB GERÊNCIA EXECUTIVA DE AUDITORIA CONTROLADORIA GERAL DO ESTADO DA PARAÍBA CGE PB Versão 01/2014 Controle de Alterações REV DATA MOTIVO

Leia mais

Cópia Não-Controlada

Cópia Não-Controlada Tipo de Documento PROCEDIMENTO Título do Documento Procedimento de Comercialização de Fios Número e Versão do Documento Fase Elaborado por PRO/CML-0016 - V.7 Vigente Patricia Lopes Aquino Área Relacionada

Leia mais

Hemobrás. ELABORADO POR RUBRICA DATA Nome: José Eduardo S. Martins / / Função: Gerente de Garantia da Qualidade

Hemobrás. ELABORADO POR RUBRICA DATA Nome: José Eduardo S. Martins / / Função: Gerente de Garantia da Qualidade Programa da Qualidade Página 1/20 ELABORADO POR RUBRICA DATA Nome: José Eduardo S. Martins / / Função: Gerente de Garantia da Qualidade REVISADO POR RUBRICA DATA Nome: Renato César Vieira de sousa / /

Leia mais

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional. 1 POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1.1 Introdução O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

Leia mais

RSQM-DO-028-02-DECLARAÇÃO_DOCUMENTADA_PROCESSO_DE_CERTIFICAÇÃO

RSQM-DO-028-02-DECLARAÇÃO_DOCUMENTADA_PROCESSO_DE_CERTIFICAÇÃO PGMQ - TV O que é OCC? Organismos de Certificação Credenciado (Acreditado) pelo INMETRO Conduzem e concedem a certificação de conformidade, com base em normas nacionais, regionais, internacionais ou regulamentos

Leia mais

CIO;Executivo de N 5 Identificar as dependências críticas e o desempenho atual 1 dia? Qua 01/09/10 Qua 01/09/10

CIO;Executivo de N 5 Identificar as dependências críticas e o desempenho atual 1 dia? Qua 01/09/10 Qua 01/09/10 Id Nome da tarefa Duração Início Término Predecessoras Qua, 01/Set Qui, 02/Set 18 0 6 12 18 0 6 12 1 Projeto de Implantacão da Governanca de TI com CobiT (Nível 3) 3 dias? Qua 01/09/10 Sex 03/09/10 2 PO

Leia mais

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DE GESTÃO INTEGRADO

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DE GESTÃO INTEGRADO 1. OBJETIVO Estabelecer, documentar, implementar, aprimorar e manter um Sistema de Gestão da Qualidade e de Energia, que assegure a conformidade com os requisitos da norma de referência. Outrossim, a responsabilidade

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Página: 1/17

MANUAL DA QUALIDADE Página: 1/17 MANUAL DA QUALIDADE Página: 1/17 Rev. Descrição Data Elaborado Aprovado Aprovado Aprovado 6 7 8 9 Modificados os seguintes itens: 4.1 atualizado o Organograma. 4.2.2.2 e 4.2.2.3 mencionado o envio de cópias

Leia mais

Considerando que é dever do Estado prover a concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado prover a concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Instituto Nacional de Metrologia,Normalização e Qualidade Industrial - Inmetro Portaria n.º 158, de 29 de agosto de 2005. O PRESIDENTE

Leia mais

FAIN FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO

FAIN FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO VITÓRIA DA CONQUISTA 2007 COMPOSIÇÃO INSTITUCIONAL

Leia mais

Manual de Estágio Supervisionado

Manual de Estágio Supervisionado NEP Manual de Estágio Supervisionado Sumário Apresentação.................................................................... 3 Considerações Iniciais............................................................

Leia mais

Introdução. Escritório de projetos

Introdução. Escritório de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é um documento formal que descreve normas,

Leia mais

Elaborado por: 21/08/2006 Revisado por: 21/08/2006 Aprovado por: 21/08/2006

Elaborado por: 21/08/2006 Revisado por: 21/08/2006 Aprovado por: 21/08/2006 01/07 Elaborado por: 21/08/2006 isado por: 21/08/2006 provado por: 21/08/2006 Silas Sampaio Moraes Junior SQ/MTZ Silas Sampaio Moraes Junior SQ/MTZ Silas Sampaio Moraes Junior SQ/MTZ Objetivos: Determinar,

Leia mais

Módulo 8 Estudos de Caso 5 e 6

Módulo 8 Estudos de Caso 5 e 6 Módulo 8 Estudos de Caso 5 e 6 Estudo de Caso 5 Restaurante Comida Mineira O restaurante Comida Mineira pretende implantar um sistema de gestão ambiental. O restaurante pode ser dividido para nosso estudo

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Contábeis e Atuariais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Contábeis e Atuariais EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO 2º/2016 Coordenadora: Profa. Dra. Neusa Maria Bastos F. Santos Estarão abertas, no período de 11/04/2016 a 29/04/2016, as inscrições para o processo seletivo destinado ao

Leia mais