TABELA DE ROSCAS. Diâmetro do Núcleo (mm) Ø da broca

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TABELA DE ROSCAS. Diâmetro do Núcleo (mm) Ø da broca"

Transcrição

1 TABELA DE ROSCAS UNF - Rosca Unificada Fina UNC - Rosca Unificada Grossa MB (MF) - Rosca Métrica Fina Diâmetro do Núcleo (mm) Ø da broca Diâmetro do Núcleo (mm) Ø da broca Diâmetro do Núcleo (mm) Ø da broca Ø - fpp Ø - fpp Ø - passo (mm) Máximo Mínimo (mm) Máximo Mínimo (mm) Máximo Mínimo (mm) N5 (/8".44) 2,74 2,64 2,7 N5 (/8".40) 2,69 2,59 2,6 M3 X 0,35 7,72 2,62 2,65 N6 (9/64".40) 3,02 2,92 3 N6 (9/64".32) 2,89 2,76 2,85 M3,5 X 0,35 3,22 3,2 3,5 N8 (5/32".36) 3,60 3,50 3,5 N8 (5/32".32) 3,53 3,40 3,5 M4 X 0,50 3,59 3,45 3,5 N0 (3/6".32) 4,6 4,06 4, N0 (3/6".24) 3,96 3,8 3,9 M5 X 0,5 4,59 4,45 4,5 N2 (7/32".28) 4,72 4,62 4,7 N6 (7/32".24) 4,59 4,47 4,5 M6 X 0,75 5,37 5,8 5,2 /4".28 5,58 5,48 5,5 /4".20 5,25 5,3 5,2 M7 X 0,75 6,37 6,8 6,2 5/6".24 7,03 6,90 6,9 5/6".8 6,73 6,57 6,6 M8 X 0,75 7,37 7,8 7,2 3/8".24 8,63 8,5 8,5 3/8".6 8,5 7,97 8 M8 X 7,5 6,9 7 7/6".20 0,03 9,88 9,9 7/6".4 9,55 9,34 9,4 M9 X 0,75 8,37 8,8 8,2 /2".20,60,48,5 /2".3 0,87 0,5 0,8 M9 X 8,5 7,9 8 9/6".8 3,08 2,93 2,9 9/6".2 2,44 2,09 2,2 M0 X 0,75 9,37 9,8 9,2 5/8".8 4,68 4,53 4,5 5/8". 3,86 3,6 3,5 M0 X 9,5 8,9 9 3/4".6 7,67 7,50 7,5 3/4".0 6,84 6,58 6,5 M0 X,25 8,9 8,64 8,8 7/8".4 20,67 20,47 20,5 7/8".9 9,76 9,48 9,5 M2 X,5 0,9 ".2 23,57 23,34 23,25 ".8 22,60 22,30 22,25 M2 X,25 0,9 0,64 0,8./8".2 26,74 26,5 26,5./8".7 25,35 24,99 25 M2 X,5 0,67 0,37 0,5./4".2 29,92 29,69 29,5./4".7 28,52 28,6 28,25 M4 X 3,5 2,9 3.3/8".2 33,09 32,68 32,75.3/8".6 3, 30,73 30,75 M4 X,25 2,9 2,64 2,8./2".2 36,27 36,04 36./2".6 34,30 33,9 34 M4 X,5 2,67 2,37 2,5.3/4".5 39,82 39,39 39,5 M6 X 5,5 4,9 5 BSW - Rosca Whitworth Grossa 2".4./2 45,59 45,3 45 M6 X,5 4,67 4,37 4,5 Diâmetro do Núcleo (mm) Ø da broca 2./4".4./2 5,94 5,48 5,5 M8 X 7,5 6,9 7 Ø - fpp Máximo Mínimo (mm) 2./2".4 57,58 57,09 57,25 M8 X,5 6,67 6,37 6,6 /8".40 2,59 2,46 2,5 2.3/4".4 63,93 63,45 63,5 M8 X 2 6,2 5,83 6 5/32".32 3,2 3,05 3, 3".4 70,28 69,80 70 M20 X 9,5 8,9 9 3/6".24 3,74 3,54 3,6 M20 X,5 8,67 8,37 8,5 7/32".24 4,53 4,33 4,4 MA (MG) - Rosca Métrica Grossa M20 X 2 8,2 7,83 8 /4".20 5,22 4,98 5, Diâmetro do Núcleo (mm) Ø da broca M22 X 2,5 20,9 2 Ø - passo (mm) 5/6".8 6,66 6,38 6,5 Máximo Mínimo (mm) M22 X,5 20,67 20,37 20,5 3/8".6 8,05 7,74 7,9 M3 X 0,5 2,59 2,45 2,5 M22 X 2 20,2 9, /6".4 9,37 9,03 9,2 M3,5 X 0,6 3,0 2,85 2,9 M24 X 23,5 22,9 23 /2".2 0,6 0,20 0,5 M4 X 0,7 3,42 3,24 3,3 M24 X,5 22,67 22,37 22,5 9/6".2 2,7,76 2 M4,5 X 0,75 3,87 3,68 3,7 M24 X 2 22,2 2, /8". 3,59 3,5 3,4 M5 X 0,8 4,33 4,3 4,2 M26 X,5 24,67 24,37 24,5 3/4".0 6,53 6,05 6,4 M6 X 5,5 4,9 5 M28 X 27,5 26,9 27 7/8".9 9,4 8,86 9,25 M7 X 6,5 5,9 6 M28 X,5 26,67 26,37 26,5 ".8 22,8 2,57 22 M8 X,25 6,9 6,64 6,8 M28 X 2 26,2 25,83 26./8".7 24,87 24,8 24,7 M9 X,25 7,9 7,64 7,8 M30 X 29,5 28,9 29./4".7 28,05 27,35 27,75 M0 X,5 8,67 8,37 8,5 M30 X,5 28,67 28,37 28,5.3/8".6 30,55 29,74 30,2 M2 X,75 0,44 0,0 0,2 M30 X 2 28,2 27,83 28,8./2".6 33,73 32,9 33,5 M4 X 2 2,2,83 2 M30 X 3 27,25 26, /8".5 35,92 34,94 35,5 M6 X 2 4,2 3,83 4.3/4".5 37,09 38,2 38,5 M8 X 2,5 5,74 5,29 5,5.7/8".4./2 4,64 40,56 4,5 M20 X 2,5 7,74 7,29 7,5 2".4./2 44,82 43,73 44,5 M22 X 2,5 9,74 9,29 9,5 2./4".4 50,42 49,20 50 M24 X 3 2,25 20, /2".4 56,77 55,55 56,6 M30 X 2,5 26,77 26,2 26,5 2.3/4".3./2 62,0 60,7 62 3".3./2 68,45 67,06 68

2 Departamento de Engenharia Engineering Departament Descrição: Description: TABELA DE PRODUTO TABLE OF PRODUCT BARRA ROSCADA A 93 B7 008 Threaded bar L Tabela Nº Table S B7 ød S B7 BITOLA ød Gauge 3/8" /2" 5/8'' 3/4'' 7/8'' ''./8"./4".3/8"./2".5/8".3/4''.7/8" 2" UNC F.P.P. UN COMPRIMENTO Length L COMPRIMENTO Length L Tolerância Tolerance Observações observation: Classe de tolerância de rosca 2A; tolerance Class of screw thread Dimensões conforme norma ANSI B6.5; Dimension according to Rosca UNC - UN conforme norma ASME B.. screw thread according to Propriedades Mecânica mechanical properties Conforme norma ASTM A93 B7 According to Substituição Revisão Desenhista Aprovador Substitution: Revision: 0 - Jackson Designer: Aproval: PEDRO - 5/06/07 RAFAEL - 22/0/0

3 NPT Cônica Fios por polegada A B D D 4 /8 NPT ,4 9 /4 NPT 8 4,2 2,5 3,9,7 3/8 NPT 8 4,2 3,5 7,3 5,2 /2 NPT 4 9 6,5 2,6 8,8 3/4 NPT 4 9 7, NPT ½ 24 20,5 33,7 30./4 NPT ½ ,5 38,8./2 NPT ½ 25,5 2 48, NPT ½ , /2 NPT 8 38, , NPT ,4 84 UNF Paralela Fios por polegada A B D D 4 5/6 UNF 24 7,5 0 7,8 6,9 3/8 UNF 24 7,5 0 9,4 8,5 7/6 UNF 20 9,2,5 9,8 /2 UNF 20 9,2,5 2,6,5 9/6 UNF 8 0 2,7 4, 2,9 3/4 UNF 6, 4,2 8,9 7,5 7/8 UNF 4 2,7 6,5 22, 20,5./6 UNF ,8 24,9.3/6 UNF /6 UNF , 3,2.5/8 UNF , 39,2.7/8 UNF ,5 45,6

4 A vedação é obtida por meio de junta de cobre (JC) ou cortante de aço (JKA) e deve ser solicitado junto com a conexão. A rosca BSP paralela não é posicionável A vedação é obtida por meio de junta de vedação de borracha (O Ring), já fornecido com a conexão. A rosca BSP com O Ring não é posicionável BSP Paralela BSP Cônica BSP com O Ring Fios por polegada A A B D D D 2 D 3 D 4 /8 BSP /8 BSPT /8 BSP ,6 0, 4 8 8,8 /4 BSP /4 BSPT /4 BSP 9 2 4, ,7 8 22,8 3/8 BSP 3/8 BSPT 3/8 BSP 9 2 4,2 5 6,5 7, ,2 5,3 /2 BSP /2 BSPT /2 BSP ,8 2, /4 BSP 3/4 BSPT 3/4 BSP , ,5 BSP BSPT BSP , ,7./4 BSP./4 BSPT./4 BSP ,8 42, ,6./2 BSP./2 BSPT./2 BSP 22 25, ,7 48, ,4 2 BSP 2 BSPT , ,2 2./2 BSP 2./2 BSPT , , ,7 3 BSP 3 BSPT , ,5

5 A vedação é obtida por meio de junta de cobre (JC) ou cortante de aço (JKA) e deve ser solicitado junto com a conexão. A rosca BSP paralela não é posicionável A vedação é obtida por meio de junta de vedação de borracha (O Ring), já fornecido com a conexão. A rosca BSP com O Ring não é posicionável Métrica Paralela Métrica Cônica Métrica com O Ring A B D D 2 D 3 D 4 M8 X MK8 X M0 X MK0 X M0 X M2 X,5 MK2 X,5 M2 X, ,5 M4 X,5 MK4 X,5 M4 X, ,5 M6 X,5 MK6 X,5 M6 X, ,2 4,5 M8 X,5 MK8 X,5 M8 X, ,5 6,5 M20 X, ,5 M22 X,5 MK22 X,5 M22 X, ,5 M24 X, ,5 M26 X,5 MK26 X, ,5 M27 X 2 M27 X M33 X 2 M33 X M42 X 2 M42 X M48 X 2 M48 X M60 X M75 X M88 X

6 CONEXÕES JIC Definição de conexões do tipo JIC Nº JIC Rosca Ø tubo JIC-4 7/6".20 fpp /4" JIC-5 /2".20 fpp 5/6" JIC-6 9/6".8 fpp 3/8" JIC-8 3/4".6 fpp /2" JIC-0 7/8".4 fpp 5/8" JIC-2./6".4 fpp 3/4" JIC-6.5/6".4 fpp " JIC-20.5/8".2 fpp../4" JIC-24.7/8".2 fpp./2" JIC-32 2./2".2 fpp 2" JIC-40 3".2 fpp 2./2" JIC-48 3./2".2 fpp 3" Nota : a informação sobre o diâmetro do tubo é aplicável somente nos casos em que uma tubulação rígida será conectada a um terminal do tipo JIC 37º, sendo necessário a abertura de uma virola (com ferramenta especial) na ponta do tubo. Nota 2: atenção para não confundir conexões JIC 37º com SAE 45º.

7 JIC-4 JIC-5 JIC-6 JIC-8 JIC-0 JIC-2 JIC-6 JIC-20 JIC-24 JIC-32 JIC-40 JIC-48 DN /4" 5/6" 3/8" /2" 5/8" 3/4" "./4"./2" 2" 2./2" 3" ROSCA 7/6".20 /2".20 9/6".8 3/4".6 7/8".4./6".4.5/6".4.5/8".2.7/8".2 2./2".2 3".2 3./2".2 A ,5 27 3, B 4, , , C 9-2 6, , D 2,

8 Extra Fine Thread UNEF Series Página de 3 Design Home Screw Threads Thread System Unified Screw Threads UNC Coarse UNC Fine UNF Extra Fine Unified Standard Series Tap Drill Constant Pitch Series Metric Screw Threads Torque in Bolts Introduction Torque Calculator Resources Bibliography Free Magazines Injection Molding Plastics News Desktop Engineering Machine Lubrication Processing Magazine Portable Design Reinforced Plastics more... Login Search Extra Fine Thread UNEF Series About Us Trade Show Career News Chat InfoStore SpecSearch Ask an Expert All for Home Membership Palm Store Forum Search Member What's New Calculators Materials Design Processes Units Formulas Math Hemco Thread Gages Rings and Plugs Standards and Specials Size Major Dia Threads Per Inch Pitch Dia Precision gage solutions Precision thread plug and ring gage Cylindrical plug and ring gages Minor Dia External a Ads by Goooooogle Minor Dia Internal b Minor Dia Area Go Tensile Stress Area # inch tpi inch inch inch sq. inch sq. inch #2* (0.26) / / / / / / / /6 * /5/2006

9 Extra Fine Thread UNEF Series Página 2 de 3 3 /4 3 /6 * / /6 * / 6 * / / 6 * / / 6 * / / 6 * / / 6 * / / 6 * # inch tpi inch inch inch sq. inch sq. inch Size Major Dia * Secondary Size Threads Per Inch Pitch Dia Minor Dia External a a Form for UNR thread Minor Dia Internal b Minor Dia Area Tensile Stress Area b Basic Minor Diameter Top of Page 6/5/2006

10

11 Parafusos X Buchas de Nylon Buchas Nº Auto-atarraxante Bitolas aplicáveis Madeira Informações Técnicas Uso Orientativo Sextavado soberba Parafusos mais utilizados TABELA DE PREÇOS 4 2,2 2,2 a 2,8 2,8 x 25-2,8 x ,9 a 3,5 2,2 a 3,8 2,8 x 30-3,2 x 40-3,5 x ,5 a 4,8 3,5 a 4,8 3,5 x 40-3,8 x 45-4,2 x 50-4,5 x ,2 a 5,5 4,2 a 5,5 4,2 x 40-4,5 x 45-4,8 x ,8 a 5,5 4,5 a 6, 3/6 4,5 x 50-4,8 x 65-5,5 x ,3 6, /4 a 5/6 (6,0 a 8,0) 5,5 x 65-6, x /6 a 3/8 (8,0 a 0,0) Sext. Soberba 5/6 x /8 a /2 (0,0 a 2,0) Sext. Soberba 3/8 x 00 6 /2 (3,0) Sext. Soberba /2 x /8 (6,0) Sext. Soberba 5/8 x 30 OBS. ) Na escolha do parafuso verificamos que para cada tamanho de bucha, existe uma faixa de diâmetros de parafusos que podem ser utilizados. Quando a aplicação exige maior resistência, utiliza-se o maior diâmetro do parafuso que a bucha admite. Para uma carga menor, pode-se utilizar o menor diâmetro. 2) Para uma fixação correta utilize sempre um parafuso de diâmetro dentro da faixa especificada na tabela acima. Quanto ao comprimento do parafuso, deve ser igual ao da bucha, acrescido do diâmetro do próprio parafuso e da espessura do objeto a ser fixado. Conversão de Medidas Tabela de Roscas Polegada /64 /32 3/64 /6 5/64 3/32 7/64 /8 9/64 5/32 /64 mm 0,397 0,794,9,588,984 2,38 2,778 3,75 3,572 3,969 4,366 Polegada 2/64 /32 23/64 3/8 25/64 3/32 27/64 7/6 29/64 5/32 3/64 mm 8,334 8,73 9,28 9,525 9,922 0,39 0,76,3,509,906 2,303 Polegada 4/64 2/32 43/64 /6 45/64 23/32 47/64 3/4 49/64 25/32 5/64 mm 6,272 6,669 7,066 7,463 7,859 8,256 8,653 9,050 9,447 9,844 20,24 Polegada 6/64 3/32 63/64./4./2.3/4 2 2./2 3 3./2 mm 24,209 24,606 25,003 25,400 3,750 38,00 44,450 50,800 63,500 76,200 88,900 Medidas polegada /8 5/32 3/6 7/32 /4 5/6 3/8 7/6 /2 /2 WW 9/6 5/8 3/4 7/8 Fios por pol. UNC UNF Diâmetro da broca 2,5 3, 3,6 4,4 5, 6,5 7,9 9,2 0,5 0,5 2,0 3,4 6,4 9,25 22,0 3/6 3/64 4,763 5,59 /2 33/64 2,700 3,097 3/6 53/64 20,638 2, /2 0,600 4,300 Medidas mm Passo MA MB Diâmetro da Broca 7/32 5/64 /4 7/64 9/32 9/64 5/6 5,556 5,953 6,350 6,747 7,44 7,54 7,938 7/32 35/64 9/6 37/64 9/32 39/64 5/8 3,494 3,89 4,288 4,684 5,08 5,478 5,875 27/32 55/64 7/8 57/64 29/32 59/64 5/6 2,43 5 2,828 5./2 22, , , , , ,000 39,700 52,400 77, , , ,000 M 3 M 4 M 5 M 6 M 8 M 0 M 2 M 4 M 6 M 8 0,50 0,70 0,80,00,25,50,75 2,00 2,00 2,50 0,35 0,50 0,50 0,75,00,00,50,50,50,50 2,5 3,3 4,2 5,0 6,8 8,5 0,2 2,0 4,0 5,5 Novembro/2008

12 TABELA DE PREÇOS Produtos em Aço Inox Oxidação / Engripamento Informações Técnicas Uso Orientativo Para entender porque os aços inoxidáveis resistem à corrosão, nós precisamos conhecer o que acontece quando os aços carbono comuns enferrujam. O ar que respiramos contém cerca de 2% de oxigênio, 78% de nitrogênio e o restante, uma mistura de vapor de água e dióxido de carbono. Todos os metais reagem com o oxigênio e a água do ar, formando uma camada superficial de óxidos. Esta camada é porosa e permite posteriores penetrações de oxigênio e água. Desta forma, a oxidação continua crescendo, produzindo a corrosão, que é comumente conhecida como ferrugem. A única maneira de prevenir este processo de corrosão no aço é proteger sua superfície. Isso pode ser feito com: - Pinturas, - Óleos, ou - Filmes não porosos. O cromo contido nos aços inoxidáveis reage com o oxigênio do ar, formando uma fina camada superficial. Apesar de muito fina, esta camada de óxido de cromo não é porosa e, portanto, impede que a superfície do aço entre em contato com a atmosfera. Isto previne a corrosão do aço provocada pelo meio ambiente. Esta camada aderente e resistente é invisível a olho nu e permite que o brilho natural do metal possa ser visto, se danificada, é capaz de se auto-regenerar quase instantaneamente, mantendo a proteção do aço. Esta camada é denominada Camada Passiva. Camada Passiva É uma camada extremamente fina, contínua, estável e resistente, formada sobre a superfície do aço inox pela combinação do oxigênio do ar com o cromo do aço. Essa camada protege o inox contra a corrosão do meio ambiente. Formação e Características da Camada Passiva Aparece espontaneamente quando há presença de cromo e oxigênio. A formação é extremamente rápida, isto é, instantânea (cromo e oxigênio têm muita afinidade). É muito estável (não se desprende) e está presente em toda a superfície do aço. Não é porosa (bloqueia a ação do meio agressivo). É praticamente invisível. Com a regeneração da camada protetiva, eventualmente na aplicação de parafusos com porcas ou contra-peças roscadas, pode ocorrer a ruptura desta camada, provocando o que conhecemos como engripamento, provocando a ruptura dos parafusos. Para evitar esta ruptura, recomenda-se a utilização de uma fina camada de óleo protetivo. Novembro/

13 . Objetivo Apresentar as especificações normalizadas referentes às características mecânicas dos produtos conforme sua aplicação. 2. Parafuso Série Métrica 2.. Características mecânicas conforme - ISO 898- Informações Técnicas Uso Orientativo TABELA DE PREÇOS Classe de resistência Tensão de tração nominal Tensão de escoamento nominal Tensão de deformação não proporcional nominal Alongamento após ruptura % min. Tensão sob carga de prova Dureza HRB HRB 8.8 D 6 D > HRC HRC HRC D= Diâmetro nominal do produto Cargas de prova para parafusos métricos com rosca normal (grossa) - MA Rosca M3 M3,5 M4 M5 M6 M7 M8 M0 M2 M4 M6 M8 M20 M22 M24 M27 M30 M33 M36 M39 Seção resistente nominal mm 2 5,03 6,78 8,78 4,2 20, 28,9 36, , Classe de resistência Carga de prova N Novembro/

14 TABELA DE PREÇOS 2.3. Cargas de prova para parafusos métricos com rosca fina - MB Rosca M8x M0x M0x,25 M2x,25 M2x,5 M4x,5 M6x,5 M8x,5 M20x,5 M22x,5 M24x2 M27x2 M30x2 M33x2 M36x3 M39x3 Seção resistente nominal mm 2 39,2 64,5 6,2 92, 88, Informações Técnicas Uso Orientativo Carga de prova é a maior força axial aplicável sem ocorrência de deformação permanente. Classe de resistência Carga de prova N Momento Torçores (Torques) 3.. Torques para parafusos série métrica rosca normal - MA (N.m). Novembro/2008 Rosca Classe de resistência M3 0,7 0,9,4,6 2,0 M3,5,,4 2, 2,4 3,0 M4,7 2, 3,2 3,6 4,6 M5 3,3 4, 6,2 6,9 8,9 M6 5,7 7,0 0,6 2,0 5,3 M7 9,3,4 7,4 9,4 24,8 M8 3,8 6,8 25,6 28,8 36,8 M0 27,4 33,5 5,2 57,3 73, M M M M M M M M M M M M Para atingir força de aperto igual a 80% da carga de prova

15 3.2. Torques para parafusos série métrica rosca fina - MB (N.m). Rosca M8x M0x M0x,25 M2x,25 M2x,5 M4x,5 M6x,5 M8x,5 M20x,5 M22x,5 M24x2 M27x2 M30x2 M33x2 M36x3 M39x3 Informações Técnicas Uso Orientativo Classe de resistência ,5 29,5 28, ,7 36,2 34, ,0 55,3 53, ,3 6,9 59, ,6 79,0 76, TABELA DE PREÇOS Os valores são orientativos e se baseiam em condições médias de atrito aço com aço. A utilização de revestimentos anticorrosivos poderá alterar substancialmente os resultados. Para aplicações críticas, os valores deverão ser aferidos com a utilização de aparelho (*), para determinação de esforço axial na haste do parafuso. (*) Skidmore - Wilhelm ou similar. 4. Parafuso Série Polegada 4.. Características mecânicas conforme - SAE J 429. Grau de resistência Tensão de tração mínima Tensão de escoamento mínima Tensão de deformação não proporcional mínima Alongamento após ruptura % min. Tensão sob carga de prova Dureza Grau HRB Grau 2 D 3/4 D > 3/ HRB HRB D Grau 5 D > Grau HRC 9-30 HRC HRC D= Diâmetro nominal do produto. Novembro/

16 TABELA DE PREÇOS 4.2. Cargas de prova para parafusos série polegada rosca grossa - UNC Rosca /4-20 5/6-8 3/8-6 7/6-4 /2-3 9/6-2 5/8-3/4-0 7/ /8-7./4-7.3/8-6./2-6 Seção resistente nominal mm 2 20,5 33, ,6 9, Informações Técnicas Uso Orientativo Grau de resistência Carga de prova N Grau Grau 2 Grau 5 Grau Cargas de prova para parafusos série polegada rosca fina - UNF Rosca /4-28 5/6-24 3/8-24 7/6-20 /2-20 9/6-8 5/8-8 3/4-6 7/ /8-2./4-2.3/8-2./2-2 Seção resistente nominal mm 2 23,5 37,4 56,7 76, Grau de resistência Carga de prova N Grau Grau 2 Grau 5 Grau Novembro/

17 5. Momento Torçores (Torques) 5.. Torques para parafusos série polegada rosca normal - UNC (N.m) Rosca /4-20 4,8 5/6-8 9,4 3/8-6 6,2 7/ / / /8-78 3/ / / / / / Para atingir força de aperto igual a 80% da carga de prova. Informações Técnicas Uso Orientativo Grau de resistência Grau Grau 2 Grau 5 Grau 8 7,8 5,7 26, , 23,9 4, ,0 33,8 58, TABELA DE PREÇOS 5.2. Torques para parafusos série polegada rosca fina - UNF (N.m) Rosca /4-28 5/6-24 3/8-24 7/6-20 /2-20 9/6-8 5/8-8 3/4-6 7/ /8-2./4-2.3/8-2./2-2 Grau de Resistência Grau Grau 2 Grau 5 Grau 8 5,3 0,2 7,8 27, Os valores são orientativos e se baseiam em condições médias de atrito aço com aço. A utilização de revestimentos anticorrosivos poderá alterar substancialmente os resultados. Para aplicações críticas, os valores deverão ser aferidos com a utilização de aparelho (*), para determinação de esforço axial na haste do parafuso. (*) Skidmore - Wilhelm ou similar. 8,7 6,8 29,4 45, ,5 25,9 45,7 7, ,9 36,6 64, Novembro/

18 TABELA DE PREÇOS 6. Parafuso ASTM ASTM A 307 Bitolas Classe Tensão de tração Tensão de escoamento mínima Informações Técnicas Uso Orientativo Tensão sob carga de prova Dureza Cabeças Aplicação Observação Grau A 44 min HRB Sextavada Uso geral. /4-4 Grau B HRB Sextavada pesada ou sem cabeça Flanges de tubulações em ferro fundido. Grau C Sextavada ou sem cabeça Ancoragem em estruturas. ASTM A 325 Bitolas Classe Tensão de tração Tensão de escoamento mínima Tensão sob carga de prova Dureza Cabeças Aplicação Observação > -./2 Tipo Tipo 2 Tipo min. 724 min HRC 9-30 HRC Sextavada Pesada Montagem de estruturas. Excluído em Nov. 99. Aço com resistência a intempéries. Montagem de estruturas. ASTM A 394 (*) Bitolas Classe Tensão de tração Dureza Cabeças Aplicação Observação /2 5/8 Tipo 0 50 min HRB Aço baixo carbono zincado. Montagem de torres de transmissão e similares. 3/4 7/8 Tipo Sextavada Aço médio carbono temperado e revenido zincado. Montagem de torres de transmissão e similares. > -./2 Tipo 2 Tipo min HRC Aço baixo carbono martensítico zincado. Montagem de torres de transmissão e similares. Aço com resistência a intempéries temperado e revenido. Montagem de estruturas. (*) ASTM A 394 prescreve prova de cisalhamento quando solicitado pelo cliente. ASTM A 449 Bitolas Classe Tensão de tração Tensão de escoamento mínima Tensão sob carga de prova Dureza Cabeças Aplicação Observação /4 - > -./2 >./2-3 Tipo 825 min. 725 min. 620 min HRC 9-30 HRC Sextavada ou sem cabeça Uso geral. Alta resistência. Novembro/2008 /4 - Tipo min HRC Uso geral. Aço baixo carbono martensítico

19 ASTM A 490 Bitolas Classe Tensão de tração Tensão de escoamento mínima Informações Técnicas Uso Orientativo Tensão sob carga de prova Dureza Cabeças Aplicação Observação TABELA DE PREÇOS Tipo Aço liga. Montagem de estruturas. /2 -./2 Tipo HRC Sextavada Pesada Aço martensítico. Montagem de estruturas. Bitolas /2 - Tipo 3 Aço resistente a intempéries. Montagem de estruturas. ASTM F 593 (Aço Inoxidável) Bitola /4-5/8 > 5/8 -./2 /4-5/8 > 5/8 -./2 /4-5/8 > 5/8 -./2 /4 -./2 /4 -./2 Marcação Condição Material F 593 C F 593 D F 593 G F 593 H F 593 V F 593 W F 593 P F 593 R Conformado a frio Temperado e revenido a 565 C min. Temperado e revenido a 274 C min. Austenítico 304 ou similar Austenítico 36 ou similar Ferrítico 430 ou similar Martensitico 40 ou similar Tensão de tração Tensão de escoamento mínima Dureza 90 HRB - 32 HRC 80 HRB - 32 HRC 95 HRB - 32 HRC 80 HRB - 32 HRC HRB HRB HRC HRC ASTM F 468 (não ferrosos) Bitola Marcação Condição Material Tensão de tração Tensão de escoamento mínima Dureza Todas F 468 B Conformado a frio Latão ASTM HRF ISO (Aço Inoxidável) Bitola Marcação Condição Material Tensão de tração Tensão de escoamento mínima Dureza M 24 A2-70 Austenitico 304 ou similar M 24 A4-70 Conformado a frio Austenitico 36 ou similar M 24 F - 60 Ferrítico 430 ou similar HV Todas Todas C - 70 C - 0 Temperado e revenido Temperado e revenido a 275 C min. Martensitico 40 ou similar Martensitico 40 ou similar HRC HRC Novembro/

20 TABELA DE PREÇOS 7. Porca Série Métrica 7.. Características mecânicas conforme - ISO Informações Técnicas Uso Orientativo Tensão sob Classe de Bitolas Estilo carga de prova (* ) Dureza Classes de parafusos acopláveis resistência M4 600 > M4 - M HV > M7 - M0 > M0 - M (80 HRB - 30 HRC) > M6 - M HV (87 HRB - 30 HRC) M HV (89 HRB - 30 HRC) > M4 - M7 > M7 - M0 > M0 - M HV (93 HRB - 30 HRC) > M6 - M HV (99 HRB - 36 HRC) M4 040 > M4 - M7 > M7 - M0 > M0 - M HV (26-36 HRC) > M6 - M (*) Tensão no mandril de prova. Novembro/ Cargas de prova para porcas métricas rosca normal (grossa) - MA Bitola M3 M3,5 M4 M5 M6 M7 M8 M0 M2 M4 M6 M8 M20 M22 M24 M27 M30 M33 M36 M39 Passo mm 0,5 0,6 0,7 0,8,25,5, ,5 2,5 2, ,5 3,5 4 4 Seção nominal do mandril de prova mm 2 5,03 6,78 8,78 4,2 20, 28,9 36, , Classe de resistência 8 0 Cargas de prova N Estilo Estilo Estilo

21 7.3. Cargas de prova para porcas métricas rosca fina - MB Bitola M8x Seção nominal do mandril de prova mm 2 39,2 Informações Técnicas Uso Orientativo 6 Classe de resistência 8 0 Cargas de prova N Estilo Estilo Estilo TABELA DE PREÇOS M0x 64, M0x,25 6, M2x,25 92, M2x,5 88, M4x, M6x, M8x, M8x M20x, M20x M22x M22x M24x M27x M30x M33x M36x M39x Carga de prova é a maior força axial aplicável sem a ocorrência de deformação que não permita a remoção da porca do mandril sem a utilização de ferramenta; é permitida a utilização de chave manual para a primeira meia volta. 8. Porca Série Polegada 8.. Características mecânicas conforme SAE J 995 Grau de resistência Estilo Tensão sob carga de prova Dureza Classes de parafusos acopláveis Grau 2 Quadrada HRC máx. Grau - Grau 2 /4 - UNC 828 Grau 5 > -./2 UNC /4 - UNF Sextavada HRC máx. Grau - Grau 2 - Grau 5 > -./2 UNF 648 /4-5/ HRC Grau 8 > 5/8 - Sextavada HRC Grau - Grau 2 - Grau 5 - Grau 8 > -./ HRC Novembro/

22 TABELA DE PREÇOS 8.2. Cargas de prova para porcas série polegada rosca grossa - UNC Bitola /4-20 5/6-8 3/8-6 7/6-4 /2-3 9/6-2 5/8-3/4-0 7/ /8-7./4-7.3/8-6./2-6 Seção nominal do mandril de prova mm 2 20,5 33,8 50,0 68,6 9,5 7,4 45,8 25,5 298, 39,0 492,3 625,2 745,2 906,5 Informações Técnicas Uso Orientativo Grau de resistência Cargas de prova N Cargas de prova para porcas série polegada rosca fina - UNF Bitola /4-28 5/6-24 3/8-24 7/6-20 /2-20 9/6-8 5/8-8 3/4-6 7/ /8-2./4-2.3/8-2./2-2 Seção nominal do mandril de prova mm 2 23,5 37,4 56,7 76,6 03,2 3 65,2 240,6 328,4 427,8 552,3 692,3 848,4 020,0 Grau de resistência Cargas de prova N Carga de prova é a maior força axial aplicável sem a ocorrência de deformação que não permita a remoção da porca do mandril sem a utilização de ferramenta; é permitida a utilização de chave manual para a primeira meia volta. Novembro/

23 9. Porcas em Aço Inoxidável 9.. Características mecânicas - ISO M24 Todas A2-70 A4-70 F - 60 C - 70 C - 0 Informações Técnicas Uso Orientativo Bitolas Marcação Estilo Condição Material Conformado a frio Temperado e revenido Temperado e revenido a 275 C Austenítico 304 ou similar Austenítico 36 ou similar Ferrítico 430 ou similar HV Martensítico 40 ou similar Tensão sob carga de prova Dureza HRC HRC TABELA DE PREÇOS 9.2. Características mecânicas - ASTM F 594 Bitolas Marcação Estilo Condição Material Tensão sob carga de prova Dureza /4-5/8 > 5/8 -./2 F594 C F594 D Austenítico 304 ou similar HRB - 32 HRC HRB - 32 HRC /4-5/8 > 5/8 -./2 F594 G F594 H F594 N Sextavada Conformado a frio Austenítico 36 ou similar Ferrítico 430 ou similar HRB - 32 HRC 80 HRB - 32 HRC HRB /4 -./2 F594 P F594 R Temperado e revenido a 566 C min. Temperado e revenido a 275 C min. Martensítico 40 ou similar HRC HRC 0. Parafusos Formadores de Rosca 0.. Parafusos auto-atarraxantes. Propriedades mecânicas conforme ISO 2702 Bitola Resistência à torção N.m mínima Camada cementada mm Dureza superficial Dureza de núcleo Matéria-prima 2,2 0,45 0,04-0,0 2,9 3,5,5 2,7 0,05-0, HV5 3,9 4,2 4,8 5,5 6,3 3,4 4,4 6,3 0,0 6,6 0,0-0,23 0,5-0, HV0,3 mínima HV0 Aço baixo carbono Novembro/

24 TABELA DE PREÇOS 0.2. Parafusos ponta broca. Propriedades mecânicas conforme ISO 0666 Bitola Resistência à torção N.m mínima Camada cementada mm Informações Técnicas Uso Orientativo Dureza superficial Dureza de núcleo Matéria-prima 2,9 3,5,5 2,8 0,05-0, HV5 4,2 4,8 4,7 6,9 0,0-0, HV0,3 mínima Aço baixo carbono 5,5 0, HV0 6,3 9,9 0,5-0, Parafusos Trilobular. Propriedades mecânicas conforme ISO 7085 Bitola Resistência à torção N.m mínima Camada cementada mm Dureza superficial Dureza de núcleo Matéria-prima M3 M3,5 2, 3,4 0,05-0,8 M4 M5 M6 M8 4,9 0,0 7,0 42 0,0-0,25 0,5-0, HV0,3 mínima HV5 Aço baixo carbono M0 85 0,5-0,32. Tabelas Orientativas Roscas Tipo de rosca Parafuso Classe de tolerância Porca Norma UNC (Grossa) UNF (Fina) 2 A 2 B ANSI B. BSW (Gossa) Média Normal BS 84 CEI ( Fina) Média Média BS 8 Métrica 6 g 6 H ISO 965 AA Tipo C ISO 478 Tabela de Similaridade de Classes e Graus de Resistência SAE J 429 ISO 898- ASTM Grau 4.6 A 307 Grau A Grau A 394 Tipo 0 A 307 Grau B Grau A A 394 Tipo A Tipo Grau A 354 Grau B D A Tipo e 2 Novembro/2008 Cabeça normal A 307 Grau A, A 449, A 354, Grau, Grau 2, Grau 5, Grau 8, 4.6, C 5.8, C 8.8, C 0.9, C 2.9, A A 574 Cabeça pesada A 325, A 307 Grau B, A

25 . Multiplicadores para Conversões de Unidades Unidade a transformar Kgf/mm 2 PSI KSI MPa 0,097 0, , ,097 9,8 0, ,89476 Informações Técnicas Uso Orientativo Kgf/mm 2 PSI KSI MPa 422,334 45, ,0377, , ,00 0, ,8 0, ,89476 TABELA DE PREÇOS N= Newton Kgf= Kilograma força PSI= Libra por polegada quadrada KSI= Kilolibra por polegada quadrada MPa= Mega Pascal 2. Multiplicadores para Conversões de Unidades Unidade a transformar Kgf N Lbf Kgf 9,8 2, N 0,097 0, Lbf 0, , Multiplicadores para Conversões de Unidades Unidade a transformar mm 2 Pol 2 mm 2 Pol 2 0, ,6 4. Multiplicadores para Conversões de Unidades Unidade Unidade de medição conhecida N.cm N.m Kgf.cm Kgf.m Lbf.pol Lbf.pé N.cm 0,0 0,0976 0, , , N.m 00 0,976 0,0976 8, ,73756 Kgf.cm 9, , ,0 0, , Kgf.m 980,7 9, ,7962 7, Lbf.pol, ,29848,5224 0, , Lbf.pé 35,582, , , Novembro/

26 MEDIDA ROSCA TABELA DE TORQUE MÁXIMO EM PARAFUSOS RESISTÊNCIA DO MATERIAL TORQUES A SEREM APLICADOS EM N.M. (PARA MKGF DIVIDIR POR 0) MEDIDA SEXTAVADO M 4,3 2,6 3 4,3 5, 7 M 5 2 2,5 5, 6 8,5 0,2 8 M 6 3,4 4,5 8,7 0,3 4,7 7,6 0 M 7 5,6 7,4 4,2 7, 24,5 28,4 M 8 8,2 0,8 2,6 25,5 35,3 42,2 3 M0 6,7 2,6 42, ,6 85,3 5 M2 28,4 38,2 73,5 87, M4 45, 60, M6 69,6 93, M8 95, M M M M M Obs.: A tabela se aplicará entre parafusos e roscas com a mesma resistência. Exemplo: As Porcas ou Roscas de alumínio tem resistência inferior ao parafuso! SEQUÊNCIA DE APERTO APERTO CRUZADO Conheça nossa linha de ferramentas para sua oficina! Acesse:

27

28

29

30

31

32

Informações Técnicas Uso Orientativo

Informações Técnicas Uso Orientativo Parafusos X Buchas de ylon Buchas º Auto-atarraxante s aplicáveis Madeira Sextavado soberba Parafusos mais utilizados 4 2,2 2,2 a 2,8 2,8 x 25-2,8 x 30 5 2,9 a 3,5 2,2 a 3,8 2,8 x 30-3,2 x 40-3,5 x 45

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS ASSISPAR - IND. E COM. DE PARAFUSOS LTDA PARAFUSOS PORCAS ARRUELAS MAT. FIXAÇÃO

CATÁLOGO DE PRODUTOS ASSISPAR - IND. E COM. DE PARAFUSOS LTDA PARAFUSOS PORCAS ARRUELAS MAT. FIXAÇÃO CATÁLOGO DE PRODUTOS - IND. E COM. DE PARAFUSOS LTDA PARAFUSOS PORCAS ARRUELAS MAT. FIXAÇÃO A Assispar Indústria e Comércio de Parafusos Ltda., é uma empresa especializada na fabricação e comercialização

Leia mais

FIXADORES ASTM A325 FORÇA DE PROTENSÃO MÍN. FORÇA DE RUPTURA MÍN. LBF kgf LBF 1/2-13 UNC 5/8-11 UNC

FIXADORES ASTM A325 FORÇA DE PROTENSÃO MÍN. FORÇA DE RUPTURA MÍN. LBF kgf LBF 1/2-13 UNC 5/8-11 UNC Fixadores de alta resistência, empregados em ligações parafusadas estruturais e indicados em montagens de maior responsabilidade. Fabricados em aço de alta resistência e tratados termicamente, os parafusos

Leia mais

Identificação de Roscas e Sedes de Vedações

Identificação de Roscas e Sedes de Vedações Identificação de Roscas e Sedes de Vedações Roscas e Sedes Utiliziadas em Circuitos para Condução de Fluidos Índice Introdução...2 Principais tipos de roscas...3 Teoria sobre roscas...3 Ferramentas para

Leia mais

CONECTORES MEIOS DE LIGAÇÃO ENTRE TUBOS

CONECTORES MEIOS DE LIGAÇÃO ENTRE TUBOS CONECTORES MEIOS DE LIGAÇÃO ENTRE TUBOS ELEMENTOS DE LINHA São equipamentos e acessórios que se apresentam com constância ao longo de uma tubulação de processo. Os principais desses componentes são: conectores,

Leia mais

Manual de Treinamento Identificação de Roscas e Sedes Vedações

Manual de Treinamento Identificação de Roscas e Sedes Vedações Manual de Treinamento Identificação de Roscas e Sedes Vedações Manual 3002 BR Janeiro 2001 Introdução O objetivo deste programa é auxiliar os usuários de mangueiras, conexões para mangueiras e conexões

Leia mais

E-mail: vendas@bratal.com.br

E-mail: vendas@bratal.com.br :: Indice Geral :: C 0 Conexões para Tubos Flangeados 03 Conexões 304 Engates Rápidos 404 Registros e Válvulas 503 Mangueiras e Terminais para Tubos Flangeados 504 Mangueiras e Terminais 603 Tubos CENTRAL

Leia mais

Treinamento Técnico. 1. Sem acabamento 2. Zincado (branco) 3. Fosfatizado 4. Bicromatizado (amarelo) 6. Niquelado

Treinamento Técnico. 1. Sem acabamento 2. Zincado (branco) 3. Fosfatizado 4. Bicromatizado (amarelo) 6. Niquelado DIVERSOS 1 - T ipos de materiais Treinamento Técnico 1. Fibra celerom composto com resina 2. Alumínio 3. Cobre 4. Latão 5. Ferro 5. (definição na cabeça do parafuso) 6. Aço., 1.9 e 12.9 (definição na

Leia mais

CONEXÕES, ADAPTADORES PARA ALTA PRESSÃO

CONEXÕES, ADAPTADORES PARA ALTA PRESSÃO HIDRÁULICA DE ALTA PRESSÃO CONEXÕES, ADAPTADORES PARA ALTA PRESSÃO Linhas MP, HP, JIC, Engates Rápidos e Kits de Mangueiras Termoplásticas para Alta Pressão www.cejnbrasil.com.br Linha de Produtos CEJN

Leia mais

Linha de pega-chapas São Raphael

Linha de pega-chapas São Raphael Correntes de grau 8 e lingas. Acessórios para montagem de lingas. Correntes calibradas. Correntes para nória; Correntes para a indústria canavieira; Pega chapas; Tensionadores. 1/2007 Linha de pega-chapas

Leia mais

Conectores / Adaptadores

Conectores / Adaptadores Conectores / Adaptadores Rev.10 1/20 ÍNDICE CONECTORES/ADAPTADORES PARA SOLDA CBW CFSW CW LBW LW TSW UDS UFSW UMSW USW TÓPICO PÁGINAS CBW CONECTOR PARA SOLDA DE TOPO 4 CFSW CONECTOR FÊMEA PARA SOLDA DE

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO FIXADOR ASTM A325 TIPO 1

BOLETIM TÉCNICO FIXADOR ASTM A325 TIPO 1 BOLETIM TÉCNICO FIXADOR ASTM A325 TIPO 1 Elaborador: Verificadores: Aprovador: RAMON PINHEIRO GARCIA DIEGO CAMERA RAMON PINHEIRO GARCIA 1 FIXADORES ASTM A325 TIPO1 Fixador de alta resistência para montagem

Leia mais

MOD. 225-10.000-03/2009 - Gráfica Garilli - Agência PUC Propaganda

MOD. 225-10.000-03/2009 - Gráfica Garilli - Agência PUC Propaganda MOD. 225 -.000-03/2009 - Gráfica Garilli - Agência PUC Propaganda Rua Xavier de Toledo, 640 Vila Paulicéia São Bernardo do Campo, SP CEP: 09692-030 Geral: Tel.: (11) 4176-7877 Fax: (11) 4176-7879 E-Mail:

Leia mais

BEDAMES. Bitola Espessura C. Total 3/32 1/8 1/8 5/8 1/8 3/32 3/4 1/8 3/4 3/4 1/8 3/4 5/32 5 1/8 3/16 1/8 3/16 5/32 1/2 1/8 1/8 1/2 1/8 5/8 3/16 6

BEDAMES. Bitola Espessura C. Total 3/32 1/8 1/8 5/8 1/8 3/32 3/4 1/8 3/4 3/4 1/8 3/4 5/32 5 1/8 3/16 1/8 3/16 5/32 1/2 1/8 1/8 1/2 1/8 5/8 3/16 6 BEDAMES NACIONAL -Co % Co Bitola Espessura C. Total.Co / / / /././ 9 7 / / / / / / / / / / / / / / / / 9 / / 7 / / / / / / / / 7 / / / / 9 / / 7 / / 0 7/ 7/ 7/ / / / / / / 7 790 0 7 0 IMPORTADO Bitola

Leia mais

Catálogo Técnico CT1007. Conexões NPT Conexões NPT Conexões Média Pressão Alta Pressão TUPYPRES. Conexões BSP. Conexões TUPY. Sua marca de confiança.

Catálogo Técnico CT1007. Conexões NPT Conexões NPT Conexões Média Pressão Alta Pressão TUPYPRES. Conexões BSP. Conexões TUPY. Sua marca de confiança. Catálogo Técnico Conexões BSP Conexões NPT Conexões NPT Conexões Média Pressão lta Pressão TUPYPRES CT007 Conexões TUPY. Sua marca de confiança. ÍNDICE Informações Técnicas... 05 Conexões BSP... 5 Conexões

Leia mais

Meter run Modelo FLC-MR

Meter run Modelo FLC-MR Medição de vazão Meter run Modelo FLC-MR WIKA folha de dados FL 10.02 Aplicações Geração de energia Produção de óleo e refino Tratamento e distribuição de água Processamento e transmissão de gases Indústria

Leia mais

ES-05. Estante para exposição. Mobiliário. Atenção 3 08/03/13. Revisão Data Página 1/6 VISTA FRONTAL ESC. 1:20 VISTA LATERAL ESC.

ES-05. Estante para exposição. Mobiliário. Atenção 3 08/03/13. Revisão Data Página 1/6 VISTA FRONTAL ESC. 1:20 VISTA LATERAL ESC. Mobiliário 2000 1/6 VISTA LATERAL 0 VISTA FRONTAL 0 900 0 VISTA SUPERIOR 0 A A Mobiliário 900 PAINEL DE FUNDO CHAPA 24 (0,6mm) PAINEL LATERAL CHAPA 24 (0,6mm) 0 40 COLUNA CHAPA 1 (2,25mm) VISTA SUPERIOR

Leia mais

TORQUEAMENTO PARA GARANTIA DE INTEGRIDADE NO SISTEMA INDUSTRIAL (CRITÉRIOS NA UTILIZAÇÃO E ESCOLHA DE FERRAMENTAS COM CONTROLE DE TORQUE)

TORQUEAMENTO PARA GARANTIA DE INTEGRIDADE NO SISTEMA INDUSTRIAL (CRITÉRIOS NA UTILIZAÇÃO E ESCOLHA DE FERRAMENTAS COM CONTROLE DE TORQUE) TORQUEAMENTO PARA GARANTIA DE INTEGRIDADE NO SISTEMA INDUSTRIAL (CRITÉRIOS NA UTILIZAÇÃO E ESCOLHA DE FERRAMENTAS COM CONTROLE DE TORQUE) Wilson Antunes Junior (1) Eli Luís Dallalibera (2) RESUMO No início

Leia mais

ÍNDICE DE PRODUTOS. Construção Civil

ÍNDICE DE PRODUTOS. Construção Civil ÍNDICE DE PRODUTOS Construção Civil ÍNDICE DE PRODUTOS Construção Civil ÍNDICE DE PRODUTOS Construção Civil ÍNDICE DE PRODUTOS Construção Civil ÍNDICE DE PRODUTOS Construção Civil ÍNDICE DE PRODUTOS Construção

Leia mais

MACHOS FRESAS COSSINETES STD OSG. Folheto N º 1

MACHOS FRESAS COSSINETES STD OSG. Folheto N º 1 MACHOS FRESAS COSSINETES STD OSG Folheto N º 1 STD OSG MACHOS MÁQUINA ALTA PERFORMANCE Macho Ponta Helicoidal (POT) DIN 371 250/4 Métrica Grossa 6H rápido 280/4 Unificada Grossa UNC 2B 281/4 Unificada

Leia mais

LOTE: 016 LEILÃO VLI - Peças e Componentes 15/10/2015-11:30 FABRICANTE DO PART NUMBER DESENHO-SIN-001-1606-A2 ITM 04 CVRD.

LOTE: 016 LEILÃO VLI - Peças e Componentes 15/10/2015-11:30 FABRICANTE DO PART NUMBER DESENHO-SIN-001-1606-A2 ITM 04 CVRD. LOTE ITEM DESCRIÇÃO DO ITEM PART NUMBER 16 95005058 16 95015111 16 95002352 16 20159 16 95009685 NOME DO ITEM: FORQUILHA; APLICACAO: FOLGA AUTOMATICA; MATERIAL: PENDENCIA TECNICA SUPORTE COMPONENTE; TIPO:

Leia mais

mangueiras hidráulicas

mangueiras hidráulicas mangueiras hidráulicas CONEXÕESLINHFLRELESS informações técnicas Nossas conexões são fabricadas em aço carbono, aço inoxidável e latão obedecendo as convenções a: aço carbono i: aço inoxidável l:latão

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO FIXADOR ASTM A307 GRAU A

BOLETIM TÉCNICO FIXADOR ASTM A307 GRAU A BOLETIM TÉCNICO FIXADOR ASTM A307 GRAU A Elaborador: Verificadores: Aprovador: DIEGO CAMERA 1 FIXADOR ASTM A307 GRAU A Fixador de uso secundário para montagem de estruturas metálicas. Descrição Fixador

Leia mais

Bucha BNK. Bucha Universal. Código da Linha - 740. Código da Linha - 739 TABELA DE PREÇOS. Dimensões (mm) Preço bruto por cento em Real

Bucha BNK. Bucha Universal. Código da Linha - 740. Código da Linha - 739 TABELA DE PREÇOS. Dimensões (mm) Preço bruto por cento em Real Bucha BNK da Linha - 7 TABELA DE PREÇOS (d nom ) (h ) ø 70-3 29,97 730-7 55 3,7 7-5 0 5 0 77,2 Aplicação: Instalacões gerais em concreto, concreto celular, gesso, pedras calcárias, todos os materiais de

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES Válvula de agulha Conexão roscada segundo. Asme b1 20.1 (NPT) Din 2.999 & Bs 21 Iso 228/1 & Iso 7/1 6000 Psi Padrão Fire-Safe.

ESPECIFICAÇÕES Válvula de agulha Conexão roscada segundo. Asme b1 20.1 (NPT) Din 2.999 & Bs 21 Iso 228/1 & Iso 7/1 6000 Psi Padrão Fire-Safe. 01/66 FIG.Nº.:AG-01 Bitola 1/8 á 1. Válvula de agulha Conexão roscada segundo. Asme b1 20.1 (NPT) Din 2.999 & Bs 21 Iso 228/1 & Iso 7/1 6000 Psi Padrão Fire-Safe. Nº NOMES DAS PARTES CONSTRUÇÃO 01 TRAVA

Leia mais

Catálogo Técnico. www.novema.com.br

Catálogo Técnico. www.novema.com.br Catálogo Técnico 2014 www.novema.com.br ÍNDICE VÁLVULAS: Fig. Pág. Gaveta HA FoFo FLG ANSI 125 LBS VB NVM 01 F 04 Gaveta HA FoFo FLG ANSI 125 LBS VI NVM 02 F 05 Gaveta HA WCB FLG ANSI 150 LBS NVM 03 06

Leia mais

Chumbadores Mecânicos

Chumbadores Mecânicos Chumbadores Mecânicos Líder de mercado na maioria dos países europeus; O mais alto nível de atendimento ao cliente do segmento industrial; Excelente imagem da marca: 92% dos engenheiros de estruturas e

Leia mais

M40Fi3 ISO. Válvula Esfera Passagem Reduzida DN 1 a 6 ANSI 150 e 300

M40Fi3 ISO. Válvula Esfera Passagem Reduzida DN 1 a 6 ANSI 150 e 300 Página 1 a 6 TI-D221-02 M40Fi ISO Válvula Esfera Passagem Reduzida DN 1 a 6 ANSI 150 e 300 Descrição A válvula M40Fi ISO é uma válvula esfera de passagem reduzida, com construção monobloco, e tem montagem

Leia mais

LOCALIZAÇÃO A MICROMAZZA ESTÁ LOCALIZADA NO SUL DO PAÍS, NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. AS MARGENS DA RODOVIA RST 470 NA CIDADE DE VILA FLORES.

LOCALIZAÇÃO A MICROMAZZA ESTÁ LOCALIZADA NO SUL DO PAÍS, NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. AS MARGENS DA RODOVIA RST 470 NA CIDADE DE VILA FLORES. LOCALIZAÇÃO A MICROMAZZA ESTÁ LOCALIZADA NO SUL DO PAÍS, NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. AS MARGENS DA RODOVIA RST 470 NA CIDADE DE VILA FLORES. MERCADOS A Micromazza está capacitada para atender aos seguintes

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO VÁLVULAS E FILTROS INDUSTRIAIS PRODUTOS COM QUALIDADE E SEGURANÇA

CATÁLOGO TÉCNICO VÁLVULAS E FILTROS INDUSTRIAIS PRODUTOS COM QUALIDADE E SEGURANÇA CATÁLOGO TÉCNICO S E FILTROS INDUSTRIAIS PRODUTOS COM QUALIDADE E SEGURANÇA ÍNDICE S FIG. PÁG. Gaveta HA FoFo FLG ANSI - 125# - V.B. 10 1 Gaveta HA FoFo FLG ANSI - 125# - V.I. 11 2 Gaveta HA WCB FLG ASME

Leia mais

Rua do Manifesto, 2216 - Ipiranga - São Paulo Fone: +55 (11) 2271-3211 www.internacionalferramentas.com.br

Rua do Manifesto, 2216 - Ipiranga - São Paulo Fone: +55 (11) 2271-3211 www.internacionalferramentas.com.br ±.001 ¼ mm polegadas 559 Equivalência Milímetros e Métrica para 1 milímetro = 0,03937 polegadas 1 centímetro = 0,3937 polegadas 1 metro = 39,37 polegadas = 3,2808 pés = 1,0936 jardas 1 quilômetro = 0,6214

Leia mais

MATERIAIS BASE PLACAS ALVENARIA PEDRA NATURAL CONCRETO FIXAÇÃO MECÂNICA

MATERIAIS BASE PLACAS ALVENARIA PEDRA NATURAL CONCRETO FIXAÇÃO MECÂNICA 29 30 Há muitas formas de se realizar uma fixação mecânica em concreto, alvenaria e outros materiais base. Às vezes torna-se difícil determinar qual é o processo mais apropriado, pois, na maioria dos casos

Leia mais

Histórico. Conesteel Válvulas Industriais Ltda Fone: (11) 2910.1444 www.conesteel.com.br І vendas@conesteel.com.br

Histórico. Conesteel Válvulas Industriais Ltda Fone: (11) 2910.1444 www.conesteel.com.br І vendas@conesteel.com.br Histórico A CONESTEEL foi fundada em 1986, inicialmente como fabricante de conexões e após alguns anos iniciou a fabricação de válvulas forjadas. Seu quadro diretor é formado por profissionais com experiência

Leia mais

Manual de Instruções de Operação e Manutenção. THP Transmissor de Posição Por Efeito Hall

Manual de Instruções de Operação e Manutenção. THP Transmissor de Posição Por Efeito Hall Manual de Instruções de Operação e Manutenção THP Transmissor de Posição Por Efeito Hall 1. INFORMAÇÕES GERAIS... 3 2. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS... 3 3. DESENHO DIMENSIONAL... 4 3.1 DIMENSÕES THP ROTATIVO...

Leia mais

Manual Técnico do Sistema MODULAR de Terças para Cobertura e Fechamento. Edição - Julho/2012. modular@modularsc.com.br www.modularsc.com.

Manual Técnico do Sistema MODULAR de Terças para Cobertura e Fechamento. Edição - Julho/2012. modular@modularsc.com.br www.modularsc.com. Manual Técnico do Sistema MODULAR de Terças para Cobertura e Fechamento Edição - Julho/2012 modular@modularsc.com.br CONTEÚDO A EMPRESA 3 SISTEMA DE TERÇAS PARA COBERTURA E FECHAMENTO 4 Apresentação 4

Leia mais

REGULADOR DE AÇÃO DIRETA

REGULADOR DE AÇÃO DIRETA REGULADOR DE AÇÃO DIRETA ÍNDICE GENERALIDADES... 1 CARACTERÍSTICAS... 2 MARCAÇÃO... 2 DESCRIÇÃO... 3 PEÇAS DE SUBSTITUIÇÃO... 3 DIMENSÕES E PESOS... 3 FUNCIONAMENTO... 4 AJUSTE DA VÁLVULA... 4 INSTALAÇÃO...

Leia mais

Informações sobre FLANGES

Informações sobre FLANGES 1 Informações sobre FLANGES 2 1 INTRODUÇÃO Flanges são elementos que promovem a ligação entre tubos e/ou entre tubos e equipamentos facilitando a montagem e a desmontagem. As classes de pressão de flanges

Leia mais

Worldval Válvulas e Acessórios Industriais Ltda.

Worldval Válvulas e Acessórios Industriais Ltda. Informações gerais: Worldval Válvulas e Acessórios Industriais Ltda. Fábrica: Fone/Fax: Site : E-mail : Data da Fundação: Rua: Amélio Koga, / - Vila Invernada São Paulo - SP. (0) - worldval@worldval.com.br

Leia mais

A RAWL, empresa pioneira em fixações a LOBO em parafusaria e a BÜLTE em produtos de nylon, são exemplo do cuidado que temos na escolha dos parceiros e produtos, que além de manterem em desenvolvimento

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS. Rua Des. Antonio de Paula, 848 Boqueirão Curitiba PR acossulnorte@acossulnorte.com.br www.acossulnorte.com.

CATÁLOGO DE PRODUTOS. Rua Des. Antonio de Paula, 848 Boqueirão Curitiba PR acossulnorte@acossulnorte.com.br www.acossulnorte.com. F o n e : ( 4 1 ) 3 0 9 1-6 9 0 0 Rua Des. Antonio de Paula 848 Boqueirão Curitiba PR acossulnorte@acossulnorte.com.br w w w. a c o s s u l n o r t e. c o m. b r CATÁLOGO DE PRODUTOS MATRIZ BARRAS CANTONEIRAS

Leia mais

E-mail: vendas@unicompbrasil.com.br Site: www.unicompbrasil.com.br

E-mail: vendas@unicompbrasil.com.br Site: www.unicompbrasil.com.br UNICOMP COM. DE EQUIPAMENTOS PNEUMÁTICOS LTDA. Rua Leopoldo de Passos Lima, 238 Jardim Santa Fé. CEP.: 05271-000 São Paulo SP. Telefones: (11) 3911-4665 / 4682 E-mail: vendas@unicompbrasil.com.br Site:

Leia mais

Catálogo. Empresa Certificada ISO 9001 - Distribuição de Tubos em Aço Carbono

Catálogo. Empresa Certificada ISO 9001 - Distribuição de Tubos em Aço Carbono Catálogo Empresa Certificada ISO 9001 Distribuição de Tubos em Aço Carbono Empresa Empresa Certificada ISO 9001 Distribuição de Tubos em Aço Carbono Nossa Hístória A Cemil é uma empresa que busca a perfeição

Leia mais

MATERIAIS 033453 00. 16 de Janeiro de 2013. Este CRCC substitui e cancela os anteriores. 04 de Janeiro de 2014 52.512.837/0001-13

MATERIAIS 033453 00. 16 de Janeiro de 2013. Este CRCC substitui e cancela os anteriores. 04 de Janeiro de 2014 52.512.837/0001-13 CERTIFICAMOS que a empresa acima identificada encontra-se regularmente inscrita no Cadastro de Fornecedores de Materiais e/ou Serviços da PETROBRAS e habilitada para as especialidades indicadas conforme

Leia mais

VÁLVULAS MANIFOLD MANIFOLD 3 VIAS MANIFOLD 5 VIAS

VÁLVULAS MANIFOLD MANIFOLD 3 VIAS MANIFOLD 5 VIAS MANIFOLD As válvulas Manifold, produzidas pela Detroit, foram desenvolvidas e dimensionadas para tornar uma tubulação de instrumentos de diferencial de pressão mais simples, mais segura e mais confiável.

Leia mais

TESTE 20 TIPO SMK (M16 X

TESTE 20 TIPO SMK (M16 X Índice Testes TESTE 20 TIPO SMK (M6 X 2) Tomador de pressão SMK.......................................................................85-8 Tomadores de pressão SMK JIC e ORFS.............................................................88

Leia mais

Tubos Laminados e Trefilados Brunidos Peças. Catálogo de Produtos. Tubos Comerciais

Tubos Laminados e Trefilados Brunidos Peças. Catálogo de Produtos. Tubos Comerciais Tubos aminados e Trefilados Brunidos Peças Catálogo de Produtos Tubos Comerciais PRINCIPAIS NORMAS TÉCNICAS DE TUBOS NBR DIN ASTM API Norma Tipo Finalidade Principal Norma Similar 1 2 3 4 92 93 94 9 9

Leia mais

ÍNDICE GERAL DE PRODUTOS

ÍNDICE GERAL DE PRODUTOS ÍNDICE GERAL DE PRODUTOS TABELA DE PREÇOS / NOVEMBRO 00 Edição março 04 Código da Linha Descrição Fixadores em Aço Inox 4 e 36 Rosca Imagem Desconto Página 0- Inox 4 - Parafuso Sextavado Polegada UNC/RI

Leia mais

INOVAÇÃO QUALIDADE CONFIABILIDADE

INOVAÇÃO QUALIDADE CONFIABILIDADE No mercado desde 1954 e com um moderno parque INOVAÇÃO GARANTIA TECNOLOGIA industrial, instalado numa área de 45.000 m², a Mopa atua no desenvolvimento de produtos metalúrgicos e é líder no segmento de

Leia mais

1. TRANSMISSÕES POR CORRENTES

1. TRANSMISSÕES POR CORRENTES 1 1. TRANSMISSÕES POR CORRENTES 1.1 - Introdução As correntes fazem parte das transmissões flexíveis, conjuntamente com as correias. Apresentam menor capacidade de absorção de choques em virtude de sua

Leia mais

Keystone F89 Atuador quarto de volta pneumático Uso geral/área classificada

Keystone F89 Atuador quarto de volta pneumático Uso geral/área classificada Compacidade, confiabilidade e baixo custo operacional são as palavras-chave da linha Keystone F89 de atuadores pneumáticos para todos os tipos de válvulas quarto de volta Características Materiais Corpo:

Leia mais

www.meccomeletronica.com página 1

www.meccomeletronica.com página 1 Nem só o padeiro faz roscas Furação A furação é um processo de usinagem que tem por objetivo a geração de furos, na maioria das vezes cilíndricos, em uma peça, através do movimento relativo de rotação

Leia mais

CURSO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS

CURSO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS TUBULAÇÕES INDUSTRIAS AULA 1 Prof. Clélio FACULDADE DE ENGENHARIA QUÍMICA DE LORENA CURSO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS Prof. Antonio Clélio Ribeiro Livro Texto: TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS Volumes 1 e 2 SILVA

Leia mais

CATÁLOGO 800035-A Observações sobre as fichas técnicas

CATÁLOGO 800035-A Observações sobre as fichas técnicas CATÁLOGO 800035-A sobre as fichas técnicas Os dados constantes nas fichas técnicas a seguir podem sofrer alterações sem prévio aviso. Alguns modelos possuem pequenas alterações em seus projetos construtivos,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DOS COMPONENTES DO CRM COM MEDIDOR TIPO DIAFRAGMA (G4, G6, G10 ou G16) Í N D I C E D E R E V I S Õ E S

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DOS COMPONENTES DO CRM COM MEDIDOR TIPO DIAFRAGMA (G4, G6, G10 ou G16) Í N D I C E D E R E V I S Õ E S USUÁRIO: CEGÁS FOLHA: 1 de 5 OBJETO: AMPLIAÇÃO DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE GÁS NATURAL OBRA. Í N D I C E D E R E V I S Õ E S REV. DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS 0 A B EMISSÃO PARA APROVAÇÃO ATENDENDO COMENTÁRIOS

Leia mais

4.3 Códigos Padronizados Conforme ANEXO II - ESPECIFICAÇÃO SUCINTA E DETALHADA.

4.3 Códigos Padronizados Conforme ANEXO II - ESPECIFICAÇÃO SUCINTA E DETALHADA. Elaborador: Mário Sérgio de Medeiros Damascena ET - 05.126.00 1 de 20 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis de elo fusível para utilização nas

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE TORQUE E COMUNIZAÇÃO DE ELEMENTOS DE FIXAÇÃO RESUMO

PADRONIZAÇÃO DE TORQUE E COMUNIZAÇÃO DE ELEMENTOS DE FIXAÇÃO RESUMO PADRONIZAÇÃO DE TORQUE E COMUNIZAÇÃO DE ELEMENTOS DE FIXAÇÃO Caio Perez Lopez Coelho 1 Felipe Eduardo da Silva Rodrigues 2 Igor Nascimento Amador 3 RESUMO Este artigo científico investiga a possibilidade

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 181

Norma Técnica SABESP NTS 181 Norma Técnica SABESP NTS 181 Dimensionamento de ramal predial de água e do hidrômetro Procedimento São Paulo Dezembro - 2004 NTS 181 : 2004 Norma Técnica SABESP S U M Á R I O 1 OBJETIVO...1 2 REFERÊNCIAS

Leia mais

Dados Técnicos Sobre Tubos

Dados Técnicos Sobre Tubos www.swagelok.com Dados Técnicos Sobre Tubos Índice Serviço de Gás.......................... 2 Instalação.............................. 2 Tabelas de Pressão de Trabalho Sugeridas Tubos em Aço Carbono.....................

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO TUBOS

CATÁLOGO TÉCNICO TUBOS CATÁLOGO TÉCNICO TUBOS DIMENSÕES PARA TUBOS DE AÇO CARBONO E LIGA (ALLOY) TAMANHO DIÂMETRO DIÂMETRO SCHEDULE SCHEDULE SCHEDULE STANDARD SCHEDULE EXTRA SCHEDULE SCHEDULE SCHEDULE SCHEDULE SCHEDULE SCHEDULE

Leia mais

VÁLVULAS AGULHA DE CASTELO APARAFUSADO SÉRIES H-99 & H-99HP

VÁLVULAS AGULHA DE CASTELO APARAFUSADO SÉRIES H-99 & H-99HP VÁLVULAS AGULHA DE CASTELO APARAFUSADO SÉRIES H-99 & H-99HP CARACTERÍSTICAS n Haste a prova de expulsão n MAXPT até 1, psi (69 bar) n MAXTT até 6 C (1112 F) n Faixa de Tamanho: a 1" ou a 25mm GERAL As

Leia mais

Kit Gás Parafuso Sextavado 8.8 para Conversão

Kit Gás Parafuso Sextavado 8.8 para Conversão Dimensões: DIN 933 (RI) DIN 93 (RP) Rosca DIN 3 (ISO 96) - 6g Classe de Resistência: 8.8 Material: Aço Médio Carbono Kit Gás 8.8 para Conversão Código da Linha - Rosca Inteira MA: 60 - Rosca Parcial MA:

Leia mais

Cálculos de roscas. Nem sempre os parafusos usados nas máquinas. Formulários

Cálculos de roscas. Nem sempre os parafusos usados nas máquinas. Formulários A UU L AL A Cálculos de roscas Nem sempre os parafusos usados nas máquinas são padronizados (normalizados) e, muitas vezes, não se encontra o tipo de parafuso desejado no comércio. Nesse caso, é necessário

Leia mais

TRIUNION INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. www.triunion.com.br. Rev. 5 1/27

TRIUNION INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. www.triunion.com.br. Rev. 5 1/27 Rev. 5 1/27 ÍNDICE VÁLVULAS SÉRIES 400 1400 TÓPICO PÁGINAS 400 F VÁLVULA X 3 4 400 FA VÁLVULA ANGULAR 5 6 400 FT VÁLVULA X TUBO O.D. 7 8 400 LMF VÁLVULA X LONGA 9 10 400 M VÁLVULA X 11 12 400 MF VÁLVULA

Leia mais

Podemos filtrar ou separar para aproveitar tanto a parte líquida quanto a parte sólida.

Podemos filtrar ou separar para aproveitar tanto a parte líquida quanto a parte sólida. 1. FILTRAGEM 1/6 É o processo que tem como objetivo de separar mecanicamente sólidos de líquidos ou gases. Quando a separação se faz por meio de coalescência ou centrifugação, dizemos que se trata apenas

Leia mais

Manual de instalação, operação e manutenção DOC.IOM.EF.BR, Rev. 3 Fevereiro de 2015. EL-O-Matic Série F Atuadores pneumáticos tipo pinhão e rack

Manual de instalação, operação e manutenção DOC.IOM.EF.BR, Rev. 3 Fevereiro de 2015. EL-O-Matic Série F Atuadores pneumáticos tipo pinhão e rack Manual de instalação, operação e manutenção DOC.IOM.EF.BR, Rev. 3 EL-O-Matic Série F Atuadores pneumáticos tipo pinhão e rack EL Matic TM EL-O-Matic F DOC.IOM.EF.BR Rev. 3 Índice Índice Seção 1: Seção

Leia mais

VÁLVULAS SISTEMAS DA QUALIDADE E AMBIENTAL CERTIFICADOS CONFORME ISO 9001:2000, ISO/TS 16949:2002 E ISO 14001:2004

VÁLVULAS SISTEMAS DA QUALIDADE E AMBIENTAL CERTIFICADOS CONFORME ISO 9001:2000, ISO/TS 16949:2002 E ISO 14001:2004 VÁLVULAS VÁLVULAS DE ESFERA Válvulas de esfera compactas de duas e três vias, de fechamento rápido e de fácil acionamento, para uso geral na indústria, controle de fluídos e instrumentação. As válvulas

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PERÍCIA DE ESTRUTURAS RESUMO

CONTRIBUIÇÃO DO ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PERÍCIA DE ESTRUTURAS RESUMO CONTRIBUIÇÃO DO ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PERÍCIA DE ESTRUTURAS RESUMO O presente trabalho refere-se à análise estrutural de placas de concreto para piso elevado, fornecidos a uma construtora para estacionamento

Leia mais

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE BARRAS E PERFIS AÇO PARA INDÚSTRIA TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE Quando você usa a ampla linha de barras e perfis Gerdau, você coloca mais qualidade no seu trabalho. Cada produto foi desenvolvido

Leia mais

Manual de Instruções de Operação e Manutenção BOOSTER. Amplificador de volume

Manual de Instruções de Operação e Manutenção BOOSTER. Amplificador de volume Manual de Instruções de Operação e Manutenção BOOSTER Amplificador de volume 1. INFORMAÇÕES GERAIS... 3 2. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS... 3 3. DESENHO DIMENSIONAL... 4 3.1 BOOSTER COM ADAPTADOR DE SINAL...

Leia mais

Catálogo Técnico VÁLVULAS INDUSTRIAIS

Catálogo Técnico VÁLVULAS INDUSTRIAIS Catálogo Técnico VÁLVULAS INDUSTRIAIS VÁLVULA FERRO CLASSE GAVETA FUNDIDO 15 Válvula gaveta em ferro fundido ASTM A 16 B; classe 15 lbs; haste ascendente com rosca trapezoidal externa e castelo aparafusado

Leia mais

Como escolher sua broca

Como escolher sua broca pdrilling Content w Como escolher sua broca Como escolher sua broca 1 Defina o diâmetro da broca e profundidade do furo Procure as faixas de diâmetro e profundidade do furo para as brocas relacionadas

Leia mais

érea a A h Lin Linha Aérea

érea a A h Lin Linha Aérea Linha érea Linha érea Linha érea Eletrocalha aramada... 61 Eletrocalhas... 74 Perfilados... 80 Leito para cabos... 85 Eletrocalha ramada Eletrocalha ramada Valemam, também conhecida como leito sanitário,

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DE TUBOS DE AÇO CARBONO COM COSTURA

MANUAL TÉCNICO DE TUBOS DE AÇO CARBONO COM COSTURA MANUAL TÉCNICO DE TUBOS DE AÇO CARBONO COM COSTURA Índice 1. INTRODUÇÃO...73 2. FABRICAÇÃO DE TUBOS...73 3. NORMAS DE FABRICAÇÃO...75 4. INFORMAÇÕES TÉCNICAS...77 4.1 - Cálculo do Peso Teórico de um Tubo

Leia mais

INFORMAÇÕES TÉCNICAS MANDRIL DIN 69893 / ISO 12164-1

INFORMAÇÕES TÉCNICAS MANDRIL DIN 69893 / ISO 12164-1 INFORMÇÕES TÉCNICS MNDRI DIN 69893 / ISO 12164-1 Características das diferentes formas FORM 1 Forma : Forma preferencial para centros de usinagem. - Troca automática de ferramentas. - Chavetas de arraste

Leia mais

TOOLS NEWS. Corpo de alta rigidez desenvolvido com tecnologia de ponta. Disponível em comprimentos de 2 ~ 6xD B202Z. Broca intercambiável MVX

TOOLS NEWS. Corpo de alta rigidez desenvolvido com tecnologia de ponta. Disponível em comprimentos de 2 ~ 6xD B202Z. Broca intercambiável MVX TOOLS NEWS Atualiz. 2014.7 B202Z Broca intercambiável Novo quebra-cavaco US Corpo de alta rigidez desenvolvido com tecnologia de ponta. Disponível em comprimentos de 2 ~ 6xD Broca intercambiável 4 arestas

Leia mais

sistema do servoweld Acionador de impulso elevado de motor integral GSWA MÁXIMA DURABILIDADE

sistema do servoweld Acionador de impulso elevado de motor integral GSWA MÁXIMA DURABILIDADE sistema do servoweld Acionador de impulso elevado de motor integral GSWA MÁXIMA DURABILIDADE O que é GSWA? O GSWA é um acionador em haste, de força elevada, durável e compacto, projetado especificamente

Leia mais

Carolina Vilanova. 26/12/13 www.omecanico.com.br/modules/revista.php?action=printout&recid=423. Desmontagem e dicas da caixa VW

Carolina Vilanova. 26/12/13 www.omecanico.com.br/modules/revista.php?action=printout&recid=423. Desmontagem e dicas da caixa VW Desmontagem e dicas da caixa VW Vamos apresentar nessa reportagem as características, dicas de manutenção, desmontagem e montagem da caixa de câmbio MQ200, que em suas várias aplicações, equipa a maioria

Leia mais

Ferramentas especiais e de medição

Ferramentas especiais e de medição Ferramentas especiais e de medição COMPASSOS (INTERNO / EXTERNO / DE PONTA) CAIBRE DE FOGA CAIBRE DE ROSCA IMA PARA ROSCAS PAQUÍMETRO DIGITA ARCOS DE SERRA PARA META PINÇAS (PONTAS CURVAS / RETAS) PINÇA

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS 2014

CATÁLOGO DE PRODUTOS 2014 CATÁLOGO DE PRODUTOS 2014 Índice Produtos Página Corrente Soldada...4 Corrente Vitória...9 Linha Pet...10 Corrente Leve e Decorativa...14 Artefato de Arame (gancho, pitão, escápula e outros)...16 Cabo

Leia mais

Objeto: EDITAL Nº 008/2011 - PROCESSO Nº 9966/2010 - PREGÃO PRESENCIAL RP - AQUISIÇÃO DE MATERIAIS PARA SERRALHERIA. Itens:

Objeto: EDITAL Nº 008/2011 - PROCESSO Nº 9966/2010 - PREGÃO PRESENCIAL RP - AQUISIÇÃO DE MATERIAIS PARA SERRALHERIA. Itens: IVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Página: 1 / 15 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 1.05.020-000001 1.12.013-000014 1.12.013-000016 1.12.013-000010 1.10.030-000005

Leia mais

ENSAIO DE DUREZA EM-641

ENSAIO DE DUREZA EM-641 ENSAIO DE DUREZA DEFINIÇÃO: Dureza é a resistência à deformação permanente Aplicação de uma carga na superfície da peça com um penetrador padronizado Características da marca de impressão (área ou profundidade)

Leia mais

V Á L V U L A S. MANIFOLD Série 2700 LAMINADO

V Á L V U L A S. MANIFOLD Série 2700 LAMINADO V Á L V U L A S MANIFOLD Série 2700 LAMINADO Índice Informações gerais... 02 Manifold de 2 vias... 04 Manifold de 3 vias... 09 Manifold de 5 vias... 12 Suporte... 15 1 As modernas válvulas Manifold Série

Leia mais

TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE.

TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. PARA FURAR MATERIAIS DE ALTA RESISTÊNCIA OU EM CONDIÇÕES EXTREMAS, UTILIZE NOSSA GAMA DE SOLUÇÕES. ALTA PERFORMANCE COM MÁXIMA

Leia mais

TRIUNION INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. www.triunion.com.br. Rev.4(4) 1/19

TRIUNION INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. www.triunion.com.br. Rev.4(4) 1/19 Rev.4(4) 1/19 ÍNDICE VÁLVULAS PARA PAINEL SÉRIES 200P 300P 400P TÓPICOS PÁGINAS 200 P* MINIVÁLVULA PARA PAINEL 3 4 300 TP MINIVÁLVULAS 3 VIAS PARA PAINEL 5 6 400 FP VÁLVULA X PARA PAINEL 7 8 400 MFAP VÁLVULA

Leia mais

Filtros Industriais. Para utilização em vapor, líquidos e gases

Filtros Industriais. Para utilização em vapor, líquidos e gases Filtros Industriais Para utilização em vapor, líquidos e gases Filtros Y Spirax Sarco Há mais de 60 anos, a Spirax Sarco vem fornecendo tecnologia em filtragem para qualificação de fluidos e proteção de

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS Índice 1.0 Conexões Pneumática Instantâneas...... 4 1.1 - Redutores... 7 1.2 Válvulas Manuais... 8 2.0 Acessórios Pneumáticos... 8 3.0 Válvulas Mecânicas... 10 3.1 Piloto... 10 3.2

Leia mais

E-mail: vendas@bratal.com.br

E-mail: vendas@bratal.com.br CENTRAL DE VENDAS Consulte-nos pelo fone/fax : (19) 341.0081 E-mail: vendas@bratal.com.br 603 - Tubos 01 ESCOLHA ADEQUADA DA TUBULAÇÃO.... 1 DIAGRAMA TEÓRICO PARA CÁLCULO DE TUBULAÇÕES...........................

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 FRAGILIZAÇÃO DA MARTENSITA REVENIDA EM PARAFUSOS: ANÁLISE DE DOIS CASOS Marcelo A. L.*, Tokimatso R. C., Júnior P. Z.**,

Leia mais

Trocadores de calor: Vedação é uma questão de segurança, economia e proteção ambiental.

Trocadores de calor: Vedação é uma questão de segurança, economia e proteção ambiental. Trocadores de calor: Vedação é uma questão de segurança, economia e proteção ambiental. O mercado e diretrizes de empresas apontam cada vez mais para investimentos no sentido de reverter situações de contaminação

Leia mais

MINUTA DO PROJETO DE LEI Nº XX/GP/2012, DE XX DE XXX DE 2012.

MINUTA DO PROJETO DE LEI Nº XX/GP/2012, DE XX DE XXX DE 2012. MINUTA DO PROJETO DE LEI Nº XX/GP/2012, DE XX DE XXX DE 2012. SÚMULA: DISPÕE SOBRE A PADRONIZAÇÃO DO CONJUNTO DE PLACAS INDICATIVAS DE NOMES DE VIAS E LOGRADOUROS PÚBLICOS E A CONCESSÃO DE EXPLORAÇÃO DE

Leia mais

Hidráulica de Alta Pressão

Hidráulica de Alta Pressão Hidráulica de Alta Pressão Até 3000 bar ^ Kits hidráulicos Engate rápido Adaptadores Distribuidores Manômetros Aspectos a serem considerados ao trabalhar com alta pressão Conexão dos engates CEJN recomenda

Leia mais

BOMBA DE ENGRENAGENS EXTERNAS FBE

BOMBA DE ENGRENAGENS EXTERNAS FBE MANUAL TÉCNICO Série: FBE Aplicação Desenvolvida para trabalhar com fluidos viscosos, em inúmeras aplicações, tais como indústrias químicas, petroquímicas, papel, polpa, siderúrgica, mineração, alimentícia,

Leia mais

Estruturas de serrotes para metais

Estruturas de serrotes para metais Serração Serras alternativas As máquinas de serração e as serras RIDGID foram desenvolvidas por profissionais para profissionais. Quaisquer que sejam as suas exigências em questões de serração, o programa

Leia mais

Brocas de Três Pontas Brocas de Três Pontas para Mourão Brocas para Fibrocimento e Mourão Brocas de Aço Cromo Conjuntos de Brocas de Aço Cromo Brocas

Brocas de Três Pontas Brocas de Três Pontas para Mourão Brocas para Fibrocimento e Mourão Brocas de Aço Cromo Conjuntos de Brocas de Aço Cromo Brocas Brocas de Três Pontas Brocas de Três Pontas para Mourão Brocas para Fibrocimento e Mourão Brocas de Aço Cromo Conjuntos de Brocas de Aço Cromo Brocas Chatas Brocas Chatas para Dobradiças Extensão para

Leia mais

UM PROCEDIMENTO NUMÉRICO-COMPUTACIONAL COMO AUXILIAR NA ANÁLISE DAS PROPRIEDADES E NOS PROCESSOS DE APERTO DE ELEMENTOS DE FIXAÇÃO

UM PROCEDIMENTO NUMÉRICO-COMPUTACIONAL COMO AUXILIAR NA ANÁLISE DAS PROPRIEDADES E NOS PROCESSOS DE APERTO DE ELEMENTOS DE FIXAÇÃO UM PROCEDIMENTO NUMÉRICO-COMPUTACIONAL COMO AUXILIAR NA ANÁLISE DAS PROPRIEDADES E NOS PROCESSOS DE APERTO DE ELEMENTOS DE FIXAÇÃO A NUMERICAL-COMPUTATIONAL PROCEDURE AS AUXILIARY IN ANALYSIS OF PROPERTIES

Leia mais

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 04. Carregamento Axial Tensão Normal

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 04. Carregamento Axial Tensão Normal FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA TECNOLOGIA MECÂNICA Aula 04 Carregamento Axial Tensão Normal Prof. Me. Dario de Almeida Jané Mecânica dos Sólidos - Revisão do conceito de Tensão - Carregamento

Leia mais

ENSAIO DE MATERIAIS. Profº Diógenes Bitencourt

ENSAIO DE MATERIAIS. Profº Diógenes Bitencourt ENSAIO DE MATERIAIS Profº Diógenes Bitencourt BASES TECNOLÓGICAS Diagrama Tensão-Deformação; Ensaio de Tração; Ensaio de Compressão; Ensaio de Cisalhamento; Ensaio de dureza Brinell; Ensaio de dureza Rockwell;

Leia mais

(AÇO SEM MANCHAS) Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

(AÇO SEM MANCHAS) Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho AÇO INOXIDÁVEL OU AÇO INOX STAINLESS STEEL (AÇO SEM MANCHAS) Conceito Aço inox é o termo empregado para identificar uma família de aços contendo no mínimo 10,5% de cromo. Este cromo está presente homogênea

Leia mais

Normas Atendidas. Tubos de aço carbono, sem costura, trefilados a frio, para permutadores de calor ou condensadores.

Normas Atendidas. Tubos de aço carbono, sem costura, trefilados a frio, para permutadores de calor ou condensadores. 4 Empresa Certificada ISO 9001 Distribuição de Tubos em Aço Carbono Tubos sem Costura Tubos de aço sem costura são utilizados em aplicações como cilindros hidráulicos, componentes de transmissão, oleodutos,

Leia mais

V Á L V U L A S SÉRIE 2700

V Á L V U L A S SÉRIE 2700 V Á L V U L A S SÉRIE 2700 Válvulas de agulha compactas de alta confiabilidade e versatilidade para controle de processos e uso geral na indústria. As modernas válvulas de agulha Série 2700 da Detroit

Leia mais