Informações Técnicas. Uso Orientativo. Parafusos X Buchas de Nylon. Tabela de Roscas. Conversão de Medidas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Informações Técnicas. Uso Orientativo. Parafusos X Buchas de Nylon. Tabela de Roscas. Conversão de Medidas"

Transcrição

1 Parafusos X Buchas de ylon Buchas º Bitolas aplicáveis Auto-atarraxante Madeira Sextavado soberba Parafusos mais utilizados 4 2,2 2,2 a 2,8 2,8 x 25-2,8 x ,9 a 3,5 2,2 a 3,8 2,8 x 30-3,2 x 40-3,5 x ,5 a 4,8 3,5 a 4,8 3,5 x 40-3,8 x 45-4,2 x 50-4,5 x ,2 a 5,5 4,2 a 5,5 4,2 x 40-4,5 x 45-4,8 x ,8 a 5,5 4,5 a 6,1 3/16 4,5 x 50-4,8 x 65-5,5 x ,3 6,1 1/4 a 5/16 (6,0 a 8,0) 5,5 x 65-6,1 x /16 a 3/8 (8,0 a 10,0) Sext. Soberba 5/16 x /8 a 1/2 (10,0 a 12,0) Sext. Soberba 3/8 x /2 (13,0) Sext. Soberba 1/2 x /8 (16,0) Sext. Soberba 5/8 x 130 OBS. 1) a escolha do parafuso verificamos que para cada tamanho de bucha, existe uma faixa de diâmetros de parafusos que podem ser utilizados. Quando a aplicação exige maior resistência, utiliza-se o maior diâmetro do parafuso que a bucha admite. Para uma carga menor, pode-se utilizar o menor diâmetro. 2) Para uma fixação correta utilize sempre um parafuso de diâmetro dentro da faixa especificada na tabela acima. Quanto ao comprimento do parafuso, deve ser igual ao da bucha, acrescido do diâmetro do próprio parafuso e da espessura do objeto a ser fixado. Conversão de Medidas Polegada mm Polegada mm Polegada mm Polegada mm 1/64 0,397 21/64 8,334 41/64 16,272 61/64 24,209 1/32 0,794 11/32 8,731 21/32 16,669 31/32 24,606 3/64 1,191 23/64 9,128 43/64 17,066 63/64 25,003 1/16 1,588 3/8 9,525 11/16 17, ,400 5/64 1,984 25/64 9,922 45/64 17, /4 31,750 3/32 2,381 13/32 10,319 23/32 18, /2 38,100 7/64 2,778 27/64 10,716 47/64 18, /4 44,450 1/8 3,175 7/16 11,113 3/4 19, ,800 9/64 3,572 29/64 11,509 49/64 19, /2 63,500 5/32 3,969 15/32 11,906 25/32 19, ,200 11/64 4,366 31/64 12,303 51/64 20, /2 88,900 3/16 4,763 1/2 12,700 13/16 20, ,600 13/64 5,159 33/64 13,097 53/64 21, /2 114,300 7/32 5,556 17/32 13,494 27/32 21, ,000 15/64 5,953 35/64 13,891 55/64 21, /2 139,700 1/4 6,350 9/16 14,288 7/8 22, ,400 17/64 6,747 37/64 14,684 57/64 22, ,800 9/32 7,144 19/32 15,081 29/32 23, ,200 19/64 7,541 39/64 15,478 59/64 23, ,600 5/16 7,938 5/8 15,875 15/16 23, ,000 Tabela de s Medidas polegada Fios por pol. Diâmetro da broca UC UF 1/ ,5 5/ ,1 3/ ,6 7/ ,4 1/ ,1 5/ ,5 3/ ,9 7/ ,2 1/ ,5 1/2 WW 12 10,5 9/ ,0 5/ ,4 3/ ,4 7/ , ,0 Medidas mm MA Passo MB Diâmetro da Broca M 3 0,50 0,35 2,5 M 4 0,70 0,50 3,3 M 5 0,80 0,50 4,2 M 6 1,00 0,75 5,0 M 8 1,25 1,00 6,8 M 10 1,50 1,00 8,5 M 12 1,75 1,50 10,2 M 14 2,00 1,50 12,0 M 16 2,00 1,50 14,0 M 18 2,50 1,50 15,5

2 Produtos em Aço Inox Oxidação / Engripamento Para entender porque os aços inoxidáveis resistem à corrosão, nós precisamos conhecer o que acontece quando os aços carbono comuns enferrujam. O ar que respiramos contém cerca de 21% de oxigênio, 78% de nitrogênio e o restante, uma mistura de vapor de água e dióxido de carbono. Todos os metais reagem com o oxigênio e a água do ar, formando uma camada superficial de óxidos. Esta camada é porosa e permite posteriores penetrações de oxigênio e água. Desta forma, a oxidação continua crescendo, produzindo a corrosão, que é comumente conhecida como ferrugem. A única maneira de prevenir este processo de corrosão no aço é proteger sua superfície. Isso pode ser feito com: - Pinturas, - Óleos, ou - Filmes não porosos. O cromo contido nos aços inoxidáveis reage com o oxigênio do ar, formando uma fina camada superfi- cial. Apesar de muito fina, esta camada de óxido de cromo não é porosa e, portanto, impede que a super- fície do aço entre em contato com a atmosfera. Isto previne a corrosão do aço provocada pelo meio ambiente. Esta camada aderente e resistente é invisível a olho nu e permite que o brilho natural do metal possa ser visto, se danificada, é capaz de se auto-regenerar quase instantaneamente, mantendo a proteção do aço. Esta camada é denominada Camada Passiva. Camada Passiva É uma camada extremamente fina, contínua, estável e resistente, formada sobre a superfície do aço inox pela combinação do oxigênio do ar com o cromo do aço. Essa camada protege o inox contra a corrosão do meio ambiente. Formação e Características da Camada Passiva Aparece espontaneamente quando há presença de cromo e oxigênio. A formação é extremamente rápida, isto é, instantânea (cromo e oxigênio têm muita afinidade). É muito estável (não se desprende) e está presente em toda a superfície do aço. ão é porosa (bloqueia a ação do meio agressivo). É praticamente invisível. Com a regeneração da camada protetiva, eventualmente na aplicação de parafusos com porcas ou con- tra-peças roscadas, pode ocorrer a ruptura desta camada, provocando o que conhecemos como engri- pamento, provocando a ruptura dos parafusos. Para evitar esta ruptura, recomenda-se a utilização de uma fina camada de óleo protetivo.

3 1. Objetivo Apresentar as especificações normalizadas referentes às características mecânicas dos produtos conforme sua aplicação. 2. Parafuso Série Métrica 2.1. Características mecânicas conforme - ISO Classe de resistência 8.8 nominal /mm 2 nominal /mm 2 deformação não proporcional nominal /mm 2 Alongamento após ruptura % min. de prova /mm HRB HRB D HRC D > HRC HRC D= Diâmetro nominal do produto Cargas de prova para parafusos métricos com rosca normal (grossa) - MA Seção resistente nominal mm 2 Classe de resistência Carga de prova M3 5, M3,5 6, M4 8, M5 14, M6 20, M7 28, M8 36, M M12 84, M M M M M M M M M M M

4 Informações Técnicas 2.3. Cargas de prova para parafusos métricos com rosca fina - MB Seção resistente nominal mm 2 Classe de resistência Carga de prova M8x1 39, M10x1 64, M10x1,25 61, M12x1,25 92, M12x1,5 88, M14x1, M16x1, M18x1, M20x1, M22x1, M24x M27x M30x M33x M36x M39x Carga de prova é a maior força axial aplicável sem ocorrência de deformação permanente. 3. Momento Torçores (Torques) 3.1. Torques para parafusos série métrica rosca normal - MA (.m). Classe de resistência M3 0,7 0,9 1,4 1,6 2,0 M3,5 1,1 1,4 2,1 2,4 3,0 M4 1,7 2,1 3,2 3,6 4,6 M5 3,3 4,1 6,2 6,9 8,9 M6 5,7 7,0 10,6 12,0 15,3 M7 9,3 11,4 17,4 19,4 24,8 M8 13,8 16,8 25,6 28,8 36,8 M10 27,4 33,5 51,2 57,3 73,1 M M M M M M M M M M M M Para atingir força de aperto igual a 80% da carga de prova.

5 3.2. Torques para parafusos série métrica rosca fina - MB (.m). Classe de resistência M8x1 14,5 17,7 27,0 30,3 38,6 M10x1 29,5 36,2 55,3 61,9 79,0 M10x1,25 28,5 34,9 53,2 59,7 76,1 M12x1, M12x1, M14x1, M16x1, M18x1, M20x1, M22x1, M24x M27x M30x M33x M36x M39x Os valores são orientativos e se baseiam em condições médias de atrito aço com aço. A utilização de revestimentos anticorrosivos poderá alterar substancialmente os resultados. Para aplicações críticas, os valores deverão ser aferidos com a utilização de aparelho (*), para determinação de esforço axial na haste do parafuso. (*) Skidmore - Wilhelm ou similar. 4. Parafuso Série Polegada 4.1. Características mecânicas conforme - SAE J 429. Grau de resistência Grau 2 Grau 5 deformação não proporcional Alongamento após ruptura % min. de prova /mm 2 Grau HRB D 3/ HRB D > 3/ HRB D HRC D > HRC Grau HRC D= Diâmetro nominal do produto.

6 ovembro/200 8 TABELA DE PREÇOS Informações Técnicas 4.2. Cargas de prova para parafusos série polegada rosca grossa - UC Seção resistente nominal mm 2 Grau de resistência Carga de prova Grau 1 Grau 2 Grau 5 Grau 8 1/ , / , / / , / , / / / / / / / / Cargas de prova para parafusos série polegada rosca fina - UF Seção resistente nominal mm 2 Grau de resistência Carga de prova Grau 1 Grau 2 Grau 5 Grau 8 1/ , / , / , / , / / / / / / / / /

7 5. Momento Torçores (Torques) 5.1. Torques para parafusos série polegada rosca normal - UC (.m) Grau de resistência Grau 1 Grau 2 Grau 5 Grau 8 1/4-20 4,8 7,8 12,1 17,0 5/ ,4 15,7 23,9 33,8 3/ ,2 26,9 41,5 58,4 7/ / / / / / / / / / Para atingir força de aperto igual a 80% da carga de prova Torques para parafusos série polegada rosca fina - UF (.m) Grau de Resistência Grau 1 Grau 2 Grau 5 Grau 8 1/4-28 5,3 8,7 13,5 18,9 5/ ,2 16,8 25,9 36,6 3/ ,8 29,4 45,7 64,2 7/ ,8 45,8 71, / / / / / / / / / Os valores são orientativos e se baseiam em condições médias de atrito aço com aço. A utilização de revestimentos anticorrosivos poderá alterar substancialmente os resultados. Para aplicações críticas, os valores deverão ser aferidos com a utilização de aparelho (*), para determinação de esforço axial na haste do parafuso. (*) Skidmore - Wilhelm ou similar.

8 6. Parafuso ASTM ASTM A 307 Bitolas 1/4-4 Classe /mm 2 de prova /mm 2 Cabeças Aplicação Observação Grau A 414 min HRB Sextavada Uso geral. Grau B HRB Grau C Sextavada pesada ou sem cabeça Sextavada ou sem cabeça Flanges de tubulações em ferro fundido. Ancoragem em estruturas. ASTM A 325 Bitolas Classe /mm 2 de prova /mm 2 Cabeças Aplicação Observação Tipo 1 Montagem de estruturas min HRC Tipo 2 Sextavada Excluído em ov Pesada Aço com resistência a intempéries. > 1-1.1/2 Tipo min HRC Montagem de estruturas. ASTM A 394 (*) Bitolas 1/2 5/8 3/4 7/8 1 > 1-1.1/2 Classe /mm 2 Tipo min HRB Tipo 1 Tipo 2 Tipo min HRC Cabeças Aplicação Observação Sextavada Aço baixo carbono zincado. Montagem de torres de transmissão e similares. Aço médio carbono temperado e zincado. Montagem de torres de transmissão e similares. Aço baixo carbono martensítico zinca- do. Montagem de torres de transmissão e similares. Aço com resistência a intempéries temperado e. Montagem de estruturas. (*) ASTM A 394 prescreve prova de cisalhamento quando solicitado pelo cliente. ASTM A 449 Bitolas 1/4-1 >1-1.1/2 >1.1/2-3 Classe Tipo 1 /mm min HRC 725 min HRC 620 min de prova /mm 2 Cabeças Aplicação Observação Sextavada ou sem cabeça Uso geral. Alta resistência. 1/4-1 Tipo min HRC Aço baixo Uso geral. carbono martensítico.

9 ASTM A 490 Bitolas 1/2-1.1/2 Classe Tipo 1 Tipo 2 Tipo 3 /mm 2 de prova /mm 2 Cabeças Aplicação Observação HRC Sextavada Pesada Aço liga. Montagem de estruturas. Aço martensítico. Montagem de estruturas. Bitolas 1/2-1 Aço resistente a intempéries. Montagem de estruturas. ASTM F 593 (Aço Inoxidável) Bitola Marcação Condição Material /mm 2 1/4-5/8 F 593 C Austenítico HRB - 32 HRC > 5/8-1.1/2 F 593 D 304 ou similar HRB - 32 HRC 1/4-5/8 F 593 G Conformado a Austenítico HRB - 32 HRC > 5/8-1.1/2 F 593 H frio 316 ou similar HRB - 32 HRC 1/4-5/8 F 593 V Ferrítico HRB > 5/8-1.1/2 F 593 W 430 ou similar HRB 1/4-1.1/2 F 593 P 1/4-1.1/2 F 593 R a 565 C min. a 274 C min. Martensitico 410 ou similar HRC HRC ASTM F 468 (não ferrosos) Bitola Marcação Condição Material /mm 2 Todas F 468 B Conformado a frio Latão ASTM HRF ISO (Aço Inoxidável) Bitola Marcação Condição Material /mm 2 M 24 A2-70 Austenitico 304 ou similar Conformado a M 24 A4-70 Austenitico frio ou similar M 24 F1-60 Ferrítico 430 ou similar HV Todas C1-70 Todas C1-110 a 275 C min. Martensitico 410 ou similar HRC Martensitico 410 ou similar HRC

10 7. Porca Série Métrica 7.1. Características mecânicas conforme - ISO Bitolas Classe de resistência Estilo de prova ( * ) /mm2 Classes de parafusos acopláveis M4 > M4 - M > M7 - M > M10 - M HV (80 HRB - 30 HRC) > M16 - M M > M4 - M > M7 - M > M10 - M HV HRB - (87 30 HRC) HV HRB - (89 30 HRC) HV HRB - (93 30 HRC) > M16 - M M > M4 - M > M7 - M > M10 - M > M16 - M (*) Tensão no mandril de prova HV HRB - (99 36 HRC) HV (26-36 HRC) Cargas de prova para porcas métricas rosca normal (grossa) - MA Bitola Passo mm Seção nominal do mandril de prova mm 2 Classe de resistência Cargas de prova Estilo 1 Estilo 1 Estilo 1 M3 0,5 5, M3,5 0,6 6, M4 0,7 8, M5 0,8 14, M6 1 20, M7 1 28, M8 1,25 36, M10 1, M12 1,75 84, M M M18 2, M20 2, M22 2, M M M30 3, M33 3, M M

11 7.3. Cargas de prova para porcas métricas rosca fina - MB Bitola Seção nominal do mandril de prova mm 2 Classe de resistência Cargas de prova Estilo 1 Estilo 1 Estilo 2 M8x1 39, M10x1 64, M10x1,25 61, M12x1,25 92, M12x1,5 88, M14x1, M16x1, M18x1, M18x M20x1, M20x M22x M22x M24x M27x M30x M33x M36x M39x Carga de prova é a maior força axial aplicável sem a ocorrência de deformação que não permita a remoção da porca do mandril sem a utilização de ferramenta; é permitida a utilização de chave manual para a primeira meia volta. 8. Porca Série Polegada 8.1. Características mecânicas conforme SAE J 995 Grau de resistência Estilo de prova /mm 2 Classes de parafusos acopláveis Grau 5 Grau 8 Grau 2 Quadrada HRC máx. Grau 1 - Grau 2 1/4-1 UC 828 > 1-1.1/2 UC 724 Sextavada 1/4-1 UF HRC máx. Grau 1 - Grau 2 - Grau 5 > 1-1.1/2 UF 648 1/4-5/ HRC > 5/8-1 Sextavada HRC Grau 1 - Grau 2 - Grau 5 - Grau 8 > 1-1.1/ HRC

12 8.2. Cargas de prova para porcas série polegada rosca grossa - UC Bitola Seção nominal do mandril de prova mm 2 Grau de resistência Cargas de prova 1/ , / , / , / , / , / , / , / , / , , / , / , / , / , Cargas de prova para porcas série polegada rosca fina - UF Bitola Seção nominal do mandril de prova mm 2 Grau de resistência Cargas de prova 1/ , / , / , / , / , / / , / , / , , / , / , / , / , Carga de prova é a maior força axial aplicável sem a ocorrência de deformação que não permita a remoção da porca do mandril sem a utilização de ferramenta; é permitida a utilização de chave manual para a primeira meia volta.

13 9. Porcas em Aço Inoxidável 9.1. Características mecânicas - ISO Bitolas Marcação Estilo Condição Material de prova /mm 2 A2-70 Austenítico 304 ou similar 700 M24 A4-70 Conformado a frio Austenítico 316 ou similar 700 F Ferrítico 430 ou similar HV Todas C1-70 C1-110 a 275 C Martensítico 410 ou similar HRC HRC 9.2. Características mecânicas - ASTM F 594 Bitolas Marcação Estilo Condição Material de prova /mm 2 1/4-5/8 F594 C HRB - 32 HRC Austenítico 304 ou similar > 5/8-1.1/2 F594 D HRB - 32 HRC Conformado a 1/4-5/8 F594 G frio HRB - 32 HRC Austenítico 316 ou similar > 5/8-1.1/2 F594 H HRB - 32 HRC Sextavada 1/4-1.1/2 F594 F594 P F594 R a 566 C min. a 275 C min. Ferrítico 430 ou similar HRB Martensítico 410 ou similar HRC HRC 10. Parafusos Formadores de Parafusos auto-atarraxantes. Propriedades mecânicas conforme ISO 2702 Bitola Resistência à torção.m mínima Camada cementada mm superficial de núcleo Matéria-prima 2,2 0,45 0,04-0,10 2,9 1,5 3,5 2,7 0,05-0, HV5 3,9 3,4 4,2 4,4 4,8 6,3 5,5 10,0 0,10-0, HV0,3 mínima HV10 Aço baixo carbono 6,3 16,6 0,15-0,28

14 10.2. Parafusos ponta broca. Propriedades mecânicas conforme ISO Bitola Resistência à torção.m mínima Camada cementada mm superficial de núcleo Matéria-prima 2,9 1,5 3,5 2,8 0,05-0, HV5 4,2 4,7 4,8 6,9 0,10-0, HV0,3 mínima Aço baixo carbono 5,5 10, HV10 6,3 19,9 0,15-0, Parafusos Trilobular. Propriedades mecânicas conforme ISO 7085 Bitola Resistência à torção.m mínima M3 2,1 M3,5 3,4 M4 4,9 M5 10,0 M6 17,0 M8 42 Camada cementada mm 0,05-0,18 0,10-0,25 0,15-0,28 M ,15-0,32 superficial de núcleo Matéria-prima 450 HV0,3 mínima HV5 Aço baixo carbono 11. Tabelas Orientativas s Tipo de rosca Classe de tolerância Parafuso Porca orma UC (Grossa) UF (Fina) 2 A 2 B ASI B1.1 BSW (Gossa) Média ormal BS 84 CEI ( Fina) Média Média BS 811 Métrica 6 g 6 H ISO 965 AA Tipo C ISO 1478 Tabela de Similaridade de Classes e Graus de Resistência SAE J 429 ISO ASTM Grau A 307 Grau A Grau A 394 Tipo 0 A 307 Grau B Grau A A 394 Tipo 1 A Tipo 1 Grau A 354 Grau B D A Tipo 1 e A 574 Cabeça normal Cabeça pesada A 307 Grau A, A 449, A 354, Grau 1, Grau 2, Grau 5, Grau 8, 4.6, C1 5.8, C1 8.8, C1 10.9, C1 12.9, A 394 A 325, A 307 Grau B, A 490

15 1. Multiplicadores para Conversões de Unidades Unidade a transformar Kgf/mm 2 /mm 2 PSI KSI MPa Kgf/mm 2 9, ,334 1, ,81 /mm 2 0, ,0377 0, PSI 0, , ,001 0, KSI 0, , ,89476 MPa 0, ,0377 0, = ewton Kgf= Kilograma força PSI= Libra por polegada quadrada KSI= Kilolibra por polegada quadrada MPa= Mega Pascal 2. Multiplicadores para Conversões de Unidades Unidade a transformar Kgf Lbf Kgf 9,81 2, , , Lbf 0, , Multiplicadores para Conversões de Unidades Unidade a transformar mm 2 Pol 2 mm 2 0,00155 Pol 2 645,16 4. Multiplicadores para Conversões de Unidades Unidade conhecida Unidade de medição.cm.m Kgf.cm Kgf.m Lbf.pol Lbf.pé.cm 1 0,01 0, , , , m , , , , Kgf.cm 9, , ,01 0, , Kgf.m 980,7 9, , , Lbf.pol 11, , , , , Lbf.pé 135,582 1, , ,

Informações Técnicas Uso Orientativo

Informações Técnicas Uso Orientativo Parafusos X Buchas de ylon Buchas º Auto-atarraxante s aplicáveis Madeira Sextavado soberba Parafusos mais utilizados 4 2,2 2,2 a 2,8 2,8 x 25-2,8 x 30 5 2,9 a 3,5 2,2 a 3,8 2,8 x 30-3,2 x 40-3,5 x 45

Leia mais

TABELA DE ROSCAS. Diâmetro do Núcleo (mm) Ø da broca

TABELA DE ROSCAS. Diâmetro do Núcleo (mm) Ø da broca TABELA DE ROSCAS UNF - Rosca Unificada Fina UNC - Rosca Unificada Grossa MB (MF) - Rosca Métrica Fina Diâmetro do Núcleo (mm) Ø da broca Diâmetro do Núcleo (mm) Ø da broca Diâmetro do Núcleo (mm) Ø da

Leia mais

CIA. INDUSTRIAL H. CARLOS SCHNEIDER

CIA. INDUSTRIAL H. CARLOS SCHNEIDER CIA. INDUSTRIAL H. CARLOS SCHNEIDER ESENG03 JLLE NOL Informações técnicas REV.: 01 PÁGINA 01 DE 11 1. OBJETIVO Apresentar as especificações normalizadas referente às características mecânicas dos produtos

Leia mais

CATALOGO DE PRODUTOS - FIXADORES

CATALOGO DE PRODUTOS - FIXADORES CATALOGO DE PRODUTOS FIXADORES A CRV INDUSTRIAL, além de fornecer todos os suprimentos indispensáveis para o funcionamento de uma empresa, oferece uma serie de soluções logísticas e técnicas desenvolvidas

Leia mais

FIXADORES ASTM A325 FORÇA DE PROTENSÃO MÍN. FORÇA DE RUPTURA MÍN. LBF kgf LBF 1/2-13 UNC 5/8-11 UNC

FIXADORES ASTM A325 FORÇA DE PROTENSÃO MÍN. FORÇA DE RUPTURA MÍN. LBF kgf LBF 1/2-13 UNC 5/8-11 UNC Fixadores de alta resistência, empregados em ligações parafusadas estruturais e indicados em montagens de maior responsabilidade. Fabricados em aço de alta resistência e tratados termicamente, os parafusos

Leia mais

ELABORADO POR: Antônio Carlos ICAI APROVADO POR: João Carlos Diretor Comercial

ELABORADO POR: Antônio Carlos ICAI APROVADO POR: João Carlos Diretor Comercial ELABORADO POR: Antônio Carlos ICAI APROVADO POR: João Carlos Diretor Comercial ASME B16.10M Tubos de Aço Carbono Com e Sem Costura METALLIC FÓRMULAS PARA CÁLCULOS DE PESOS POR METRO (BARRAS E TUBOS DE

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS ASSISPAR - IND. E COM. DE PARAFUSOS LTDA PARAFUSOS PORCAS ARRUELAS MAT. FIXAÇÃO

CATÁLOGO DE PRODUTOS ASSISPAR - IND. E COM. DE PARAFUSOS LTDA PARAFUSOS PORCAS ARRUELAS MAT. FIXAÇÃO CATÁLOGO DE PRODUTOS - IND. E COM. DE PARAFUSOS LTDA PARAFUSOS PORCAS ARRUELAS MAT. FIXAÇÃO A Assispar Indústria e Comércio de Parafusos Ltda., é uma empresa especializada na fabricação e comercialização

Leia mais

FIXADORES ASTM A307 FORÇA DE RUPTURA MÍN. LBF 3/8-16 UNC 1/2-13 UNC 5/8-11 UNC 3/4-10 UNC PORCA ASTM A563 GRAU A

FIXADORES ASTM A307 FORÇA DE RUPTURA MÍN. LBF 3/8-16 UNC 1/2-13 UNC 5/8-11 UNC 3/4-10 UNC PORCA ASTM A563 GRAU A Fixadores empregados em ligações secundárias e recomendados para uso em estruturas não sujeitas a impactos ou vibrações. Fabricado em aço baixo carbono e sem tratamento térmico. Os parafusos, também conhecidos

Leia mais

Parafusos III. Até agora você estudou classificação geral. Parafuso de cabeça sextavada

Parafusos III. Até agora você estudou classificação geral. Parafuso de cabeça sextavada A U A UL LA Parafusos III Introdução Até agora você estudou classificação geral dos parafusos quanto à função que eles exercem e alguns fatores a serem considerados na união de peças. Nesta aula, você

Leia mais

BT 0156 BOLETIM TÉCNICO FIXADORES LINHA DRYWALL E STEEL FRAME DANILO P. P. DE ALMEIDA, MARCO ANTONIO SOARES MATOS. Verificadores:

BT 0156 BOLETIM TÉCNICO FIXADORES LINHA DRYWALL E STEEL FRAME DANILO P. P. DE ALMEIDA, MARCO ANTONIO SOARES MATOS. Verificadores: BT 0156 BOLETIM TÉCNICO FIXADORES LINHA DRYWALL E STEEL FRAME Elaborador: Verificadores: Aprovador: DIEGO RAFAEL CAMERA DANILO P. P. DE ALMEIDA, MARCO ANTONIO SOARES MATOS DIEGO RAFAEL CAMERA LINHA DRYWALL

Leia mais

ENSAIO DE DUREZA EM-641

ENSAIO DE DUREZA EM-641 ENSAIO DE DUREZA DEFINIÇÃO: O ensaio de dureza consiste na aplicação de uma carga na superfície do material empregando um penetrador padronizado, produzindo uma marca superficial ou impressão. É amplamente

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO LINHA DURS INSULATION

BOLETIM TÉCNICO LINHA DURS INSULATION BT 0005 BOLETIM TÉCNICO LINHA DURS INSULATION LINHA DURS INSULATION Fixadores autoperfurantes em aço carbono. Descrição Fixador autoperfurante com design exclusivo em aço carbono e marca H na cabeça. Tem

Leia mais

Janeiro / 2009. Catálogo de Produtos

Janeiro / 2009. Catálogo de Produtos Janeiro / 009 Catálogo de Produtos Co ndução Troca térmi ca Instalações elétricas Estruturais Julho 008 Introdução A Apolo é a primeira empresa industrial do Grupo Peixoto de Castro e pioneira na fabricação

Leia mais

Bucha BNK. Bucha Universal. Código da Linha - 740. Código da Linha - 739 TABELA DE PREÇOS. Dimensões (mm) Preço bruto por cento em Real

Bucha BNK. Bucha Universal. Código da Linha - 740. Código da Linha - 739 TABELA DE PREÇOS. Dimensões (mm) Preço bruto por cento em Real Bucha BNK da Linha - 7 TABELA DE PREÇOS (d nom ) (h ) ø 70-3 29,97 730-7 55 3,7 7-5 0 5 0 77,2 Aplicação: Instalacões gerais em concreto, concreto celular, gesso, pedras calcárias, todos os materiais de

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL. Resistência à corrosão dos aços inoxidáveis

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL. Resistência à corrosão dos aços inoxidáveis COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL Resistência à corrosão dos aços inoxidáveis Formas localizadas de corrosão Os aços carbono sofrem de corrosão generalizada, onde grandes áreas da superfície

Leia mais

metais não ferrosos aluminio-cobre-latão - aço inoxidável

metais não ferrosos aluminio-cobre-latão - aço inoxidável metais não ferrosos aluminio-cobre-latão - aço inoxidável Arames Barras chatas Bobinas Cantoneiras Chapas Discos Perfis Buchas Tubos Tubos de cobre para refrigeração Vergalhões, redondos, sextavados e

Leia mais

1.1.2 PROPRIEDADES FUNDAMENTAIS DOS FLUIDOS

1.1.2 PROPRIEDADES FUNDAMENTAIS DOS FLUIDOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista 1.1.2 PROPRIEDADES FUNDAMENTAIS DOS FLUIDOS A) MASSA ESPECÍFICA

Leia mais

endurecíveis por precipitação.

endurecíveis por precipitação. Introdução Tipos de Aços Inoxidáveis Aço inoxidável é o nome dado à família de aços resistentes à corrosão e ao calor contendo no mínimo 10,5% de cromo. Enquanto há uma variedade de aços carbono estrutural

Leia mais

1. Introdução. Ligações Aparafusadas Parte I

1. Introdução. Ligações Aparafusadas Parte I Ligações Aparafusadas Parte I Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil PGECIV - Mestrado Acadêmico Faculdade de Engenharia FEN/UERJ Disciplina: Ligações em Estruturas de Aço e Mistas Professor: Luciano

Leia mais

PARA TUBOS FLANGEADOS

PARA TUBOS FLANGEADOS MANGUEIRAS E TERMINAIS PARA TUBOS FLANGEADOS Índice ÍNDICE NUMÉRICO 2 INFORMAÇÕES TÉCNICAS 34 MANGUEIRA HIDRÁULICA DE BAIXA PRESSÃO 5 TERMINAIS REUSÁVEIS MACHO MACHO SEDE 37º FÊMEA PORCA GIRATÓRIA SEDE

Leia mais

Materiais Aço Inox /Aço Carbono

Materiais Aço Inox /Aço Carbono Materiais Aço Inox /Aço Carbono DEFINIÇÕES DOS AÇOS Aço Carbono: Uma liga ferrosa em que o carbono é o principal elemento de liga. Aço Inoxidável: Uma liga de aço altamente resistente a corrosão em uma

Leia mais

COMERCIAL IMPORTADORA DE PRODUTOS SIDERÚRGICOS ESPECIAIS E COMPONENTES PARA CILINDRO

COMERCIAL IMPORTADORA DE PRODUTOS SIDERÚRGICOS ESPECIAIS E COMPONENTES PARA CILINDRO COMERCIAL IMPORTADORA DE PRODUTOS SIDERÚRGICOS ESPECIAIS E COMPONENTES PARA CILINDRO BARRAS DE AÇO CROMADAS GUIAS LINEARES TUBOS DE AÇO PARA CAMISA DE CILINDROS TUBOS MECÂNICOS ST52 COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO

Leia mais

tubos trefilados caldeiraria Um mundo de soluções para você. Catálogo

tubos trefilados caldeiraria Um mundo de soluções para você. Catálogo tubos trefilados caldeiraria Um mundo de soluções para você. Catálogo Tubos Condutores Conte com o mundo de soluções da Tubos Ipiranga Com matriz localizada em Ribeirão Pires SP, sete filiais, uma unidade

Leia mais

AULA 2 CONTEÚDO: Capítulo 3. Capítulo 5. Capítulo 6. Volume I do Livro Texto. Meios de Ligação de Tubos. Conexões de Tubulação. Juntas de Expansão

AULA 2 CONTEÚDO: Capítulo 3. Capítulo 5. Capítulo 6. Volume I do Livro Texto. Meios de Ligação de Tubos. Conexões de Tubulação. Juntas de Expansão AULA 2 Volume I do Livro Texto CONTEÚDO: Capítulo 3 Capítulo 5 Capítulo 6 Meios de Ligação de Tubos. Conexões de Tubulação. Juntas de Expansão 1 MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS PRINCIPAIS MEIOS LIGAÇÕES ROSQUEADAS

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1 CORTE DOS METAIS INTRODUÇÃO: Na indústria de conformação de chapas, a palavra cortar não é usada para descrever processos, exceto para cortes brutos ou envolvendo cortes de chapas sobrepostas. Mas, mesmo

Leia mais

Sumário. Os produtos GOLIN. Tubos trefilados com formatos especiais com e sem costura 32. Perfilados quadrados e retangulares com e sem costura 36

Sumário. Os produtos GOLIN. Tubos trefilados com formatos especiais com e sem costura 32. Perfilados quadrados e retangulares com e sem costura 36 2 Empreendedorismo...9 Tradição em trefilação de tubos...9 Profissionais capacitados...10 Evolução sustentável...10 Mundialmente...10 Qualidade certificada...12 Qualidade Total...13 Os produtos GOLIN Peças

Leia mais

Manual Técnico de Coberturas Metálicas

Manual Técnico de Coberturas Metálicas Manual Técnico de Coberturas Metálicas Coberturas Metálicas Nas últimas décadas, as telhas produzidas a partir de bobinas de aço zincado, revolucionaram de maneira fundamental, a construção civil no Brasil,

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO FIXADOR ASTM A325 TIPO 1

BOLETIM TÉCNICO FIXADOR ASTM A325 TIPO 1 BOLETIM TÉCNICO FIXADOR ASTM A325 TIPO 1 Elaborador: Verificadores: Aprovador: RAMON PINHEIRO GARCIA DIEGO CAMERA RAMON PINHEIRO GARCIA 1 FIXADORES ASTM A325 TIPO1 Fixador de alta resistência para montagem

Leia mais

UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE. Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Materiais para Produção Industrial

UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE. Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Materiais para Produção Industrial UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE Curso: Disciplina: Aula 1 PROPRIEDADES MECÂNICAS DOS METAIS POR QUÊ ESTUDAR? A determinação e/ou conhecimento das propriedades mecânicas é muito importante

Leia mais

Conta com um equipado pátio industrial, fabricando mais de 80.000 amortecedores ao mês.

Conta com um equipado pátio industrial, fabricando mais de 80.000 amortecedores ao mês. Nossa História Líder desde 1956, a empresa VIBRA-STOP consolidou-se no segmento de amortecedores para vibração e impacto em todos os ramos industriais, sempre propondo soluções práticas, inteligentes e

Leia mais

ABC DAS TESOURAS PARA TOSA MATERIAIS, FORMATOS, TIPOS DE AFIAÇÃO E MÉTODOS DE FABRICÃO

ABC DAS TESOURAS PARA TOSA MATERIAIS, FORMATOS, TIPOS DE AFIAÇÃO E MÉTODOS DE FABRICÃO ABC DAS TESOURAS PARA TOSA MATERIAIS, FORMATOS, TIPOS DE AFIAÇÃO E MÉTODOS DE FABRICÃO Introdução: O objetivo deste artigo é explorar os diferentes atributos de uma tesoura com a intenção de conscientizar

Leia mais

ABNT NBR 14718 GUARDA-CORPOS PARA EDIFICAÇÃO

ABNT NBR 14718 GUARDA-CORPOS PARA EDIFICAÇÃO ABNT NBR 14718 GUARDA-CORPOS PARA EDIFICAÇÃO Válida a partir de: 28.02.2008 Esta Norma fixa as condições mínimas de resistência e segurança exigíveis para guarda-corpos de edificações para uso privativo

Leia mais

FKB INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS LTDA. VÁLVULAS GUILHOTINA VGU-08

FKB INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS LTDA. VÁLVULAS GUILHOTINA VGU-08 Descrição Geral As Válvulas Guilhotinas FKB modelo VGU-08 tem a função de controle e/ou bloqueio na vazão de fluídos, do qual foram desenvolvidos conforme norma MSS-SP81 e com design Robusto, tem como

Leia mais

BARRAS ROSCADA, PORCAS E ARRUELAS

BARRAS ROSCADA, PORCAS E ARRUELAS BARRAS ROSCADA, PORCAS E ARRUELAS APLICAÇÕES GERAIS 1 APRESENTAÇÃO: 1.1 Descrição As barras roscadas, porcas e arruelas são confeccionadas em aço carbono e inoxidável, com rosca padrão polegada e que atende

Leia mais

Propriedades Mecânicas. Prof. Hamilton M. Viana

Propriedades Mecânicas. Prof. Hamilton M. Viana Propriedades Mecânicas Prof. Hamilton M. Viana Propriedades Mecânicas Propriedades Mecânicas Definem a resposta do material à aplicação de forças (solicitação mecânica). Força (tensão) Deformação Principais

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em - Refrigeração, Ventilação e Ar condicionado

Curso Superior de Tecnologia em - Refrigeração, Ventilação e Ar condicionado Curso Superior de Tecnologia em - Refrigeração, Ventilação e Ar condicionado Disciplina: ELEMENTOS DE MÁQUINAS Professor Me. Claudemir Claudino Alves PARAFUSOS - Entre os elementos de união desmontáveis,

Leia mais

Previsão da vida em fadiga de aços inoxidáveis dúplex SAF 2205 e SAF 2507.

Previsão da vida em fadiga de aços inoxidáveis dúplex SAF 2205 e SAF 2507. Projeto de iniciação científica Previsão da vida em fadiga de aços inoxidáveis dúplex SAF 2205 e SAF 2507. Relatório final. Bolsista: Gustavo H. B. Donato e-mail:superguga@uol.com.br Orientador: Prof.

Leia mais

ESCOLHA ADEQUADA DA TUBULAÇÃO

ESCOLHA ADEQUADA DA TUBULAÇÃO 01 ESCOLHA ADEQUADA DA TUBULAÇÃO.... 1 DIAGRAMA TEÓRICO PARA CÁLCULO DE TUBULAÇÕES........................... TUBO DE AÇO TREFILADO SEM COSTURA... 3 TUBO CURVADO DE AÇO.................. 4 TUBO DE COBRE

Leia mais

Linha de pega-chapas São Raphael

Linha de pega-chapas São Raphael Correntes de grau 8 e lingas. Acessórios para montagem de lingas. Correntes calibradas. Correntes para nória; Correntes para a indústria canavieira; Pega chapas; Tensionadores. 1/2007 Linha de pega-chapas

Leia mais

AÇOS ESTRUTURAIS. Fabio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 1

AÇOS ESTRUTURAIS. Fabio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 1 ESTRUTURAIS Fabio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 1 INTRODUÇÃO Dentre os materiais encontrados no nosso dia-a-dia, muitos são reconhecidos como sendo metais, embora, em quase sua totalidade, eles sejam,

Leia mais

* Norma ANSI/FCI 70.2

* Norma ANSI/FCI 70.2 Steam Seal Válvula Borboleta CARACTERÍSTICAS E BENEFÍCIOS Corpo Monobloco wafer, de pescoço longo para facilitar o isolamento térmico quando instalada na tubulação, totalmente fundido em aço carbono ou

Leia mais

Treinamento Técnico. 1. Sem acabamento 2. Zincado (branco) 3. Fosfatizado 4. Bicromatizado (amarelo) 6. Niquelado

Treinamento Técnico. 1. Sem acabamento 2. Zincado (branco) 3. Fosfatizado 4. Bicromatizado (amarelo) 6. Niquelado DIVERSOS 1 - T ipos de materiais Treinamento Técnico 1. Fibra celerom composto com resina 2. Alumínio 3. Cobre 4. Latão 5. Ferro 5. (definição na cabeça do parafuso) 6. Aço., 1.9 e 12.9 (definição na

Leia mais

Parafusos, formatos e classificação! Contribuído por FazFácil

Parafusos, formatos e classificação! Contribuído por FazFácil Parafusos, formatos e classificação! Contribuído por FazFácil Parafusos são elementos de fixação, empregados na união não permanente de peças, isto é, as peças podem ser montadas e desmontadas facilmente,

Leia mais

ENSAIO DE DUREZA EM-641

ENSAIO DE DUREZA EM-641 ENSAIO DE DUREZA DEFINIÇÃO: Dureza é a resistência à deformação permanente Aplicação de uma carga na superfície da peça com um penetrador padronizado Características da marca de impressão (área ou profundidade)

Leia mais

MANUTENÇÃO EM MANCAIS E ROLAMENTOS Atrito É o contato existente entre duas superfícies sólidas que executam movimentos relativos. O atrito provoca calor e desgaste entre as partes móveis. O atrito depende

Leia mais

Loft MADE IN BRAZIL Juliana Pippi - Casa Cor SC 2012 CATÁLOGO 2014

Loft MADE IN BRAZIL Juliana Pippi - Casa Cor SC 2012 CATÁLOGO 2014 Loft MADE IN BRAZIL Juliana Pippi - Casa Cor SC 2012 CATÁLOGO 2014 Calhas Equipadas Nossa missão... Facilitar a vida das pessoas nas atividades cotidianas, criando produtos duráveis e com design contemporâneo,

Leia mais

Informações Técnicas

Informações Técnicas Informações Técnicas Av. Guinle, 1570 Cumbica Guarulhos SP Brasil CEP 072070 CENTRAL DE ATENDIMENTO: 55 11 24879202 FAX: 55 11 24879204 C.N.P.J.: 4.507.02/0001 INSC. EST.: 33.43.07.117 Aplicações das Normas

Leia mais

SUPORTE FIXO DE PAREDE RULER PARA PLASMA OU LCD MANUAL DE UTILIZAÇÃO

SUPORTE FIXO DE PAREDE RULER PARA PLASMA OU LCD MANUAL DE UTILIZAÇÃO SUPORTE FIXO DE PAREDE RULER PARA PLASMA OU LCD MANUAL DE UTILIZAÇÃO 1 Características: - Disponível em dois modelos: SUPRULERP SUPRULERG - Para TV s Plasma ou LCD, compatíveis com fixação VESA máxima

Leia mais

CONECTORES MEIOS DE LIGAÇÃO ENTRE TUBOS

CONECTORES MEIOS DE LIGAÇÃO ENTRE TUBOS CONECTORES MEIOS DE LIGAÇÃO ENTRE TUBOS ELEMENTOS DE LINHA São equipamentos e acessórios que se apresentam com constância ao longo de uma tubulação de processo. Os principais desses componentes são: conectores,

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO 2013-2

CATÁLOGO TÉCNICO 2013-2 CATÁLOGO TÉCNICO 2013-2 PRODUTO CONTRA PONTO MESA DIVISORA HV-240 TAMBOR GRADUADO - Pode ser acoplado no lugar do disco perfurado sendo possível fazer divisões de 2 em 2 minutos. FLANGE PORTA PLACA - Para

Leia mais

Lançamento para a Construção Civil

Lançamento para a Construção Civil É fornecido pré-montado com parafuso, arruela, jaqueta e cone. O prolongador é opcional, conforme o comprimento. Chumbador OMC - com Parafuso TABEA DE PREÇOS da inha - : - : 9 referência da rosca - F.P.P.

Leia mais

Índice. Sistemas tubulares. O conceito Alvenius. Tubos. Sistema Alvenius K. Conexões Padrão. Anéis de aço carbono / inox

Índice. Sistemas tubulares. O conceito Alvenius. Tubos. Sistema Alvenius K. Conexões Padrão. Anéis de aço carbono / inox SISTEMA K 13/ Índice Sistemas tubulares 0 O conceito Alvenius Tubos Sistema Alvenius K Conexões Padrão 0 0 2 2 Anéis de aço carbono / inox 1 Procedimento para solda de anel de aço em campo Relação entre

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS SOBRE TUBOS DE AÇO CARBONO COM COSTURA

NOÇÕES BÁSICAS SOBRE TUBOS DE AÇO CARBONO COM COSTURA 1 NOÇÕES BÁSICAS SOBRE TUBOS DE AÇO CARBONO COM COSTURA 1. INTRODUÇÃO 2. FABRICAÇÃO DE TUBOS 3. NORMAS DE FABRICAÇÃO 4. INFORMAÇÕES TÉCNICAS 4.1 - Cálculo do Peso Teórico 4.2 - Raio de Canto teórico dos

Leia mais

MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS

MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS Ligações rosqueadas; Ligações soldadas; Ligações flangeadas; Ligações de ponta e bolsa; Outras Ligações: - Ligações de compressão; - Ligações patenteadas. 1 Fatores que influenciam

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos

Curso de Engenharia de Produção. Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos Curso de Engenharia de Produção Sistemas Mecânicos e Eletromecânicos Parafusos Parafuso de cabeça sextavada: Em desenho técnico, esse parafuso é representado da seguinte forma Parafusos Aplicação Esse

Leia mais

Chumbadores Mecânicos

Chumbadores Mecânicos Chumbares Mecânicos Nossa Qualidade garante sua segurança. Há anos a scher se faz presente em seu local de trabalho, através de pro ssionais capacitas que levam soluções para seus clientes. A scher é a

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO FIXADOR ASTM A307 GRAU A

BOLETIM TÉCNICO FIXADOR ASTM A307 GRAU A BOLETIM TÉCNICO FIXADOR ASTM A307 GRAU A Elaborador: Verificadores: Aprovador: DIEGO CAMERA 1 FIXADOR ASTM A307 GRAU A Fixador de uso secundário para montagem de estruturas metálicas. Descrição Fixador

Leia mais

Conexões JIC SAE J 514 ISO 8434-2. e Adaptadores. Componentes de sistemas hidráulicos com tecnologia de primeira. Konnect Ind Com Ltda

Conexões JIC SAE J 514 ISO 8434-2. e Adaptadores. Componentes de sistemas hidráulicos com tecnologia de primeira. Konnect Ind Com Ltda SE J 514 ISO 8434-2 e daptadores Conexões JIC SE J 514 ISO 8434-2 e daptadores Componentes de sistemas hidráulicos com tecnologia de primeira. Konnect Ind Com Ltda 1 www.konnect.com.br SE J 514 ISO 8434-2

Leia mais

www.torcisao.ind.br Catálogo de Produtos

www.torcisao.ind.br Catálogo de Produtos www.torcisao.ind.br Catálogo de Produtos A TORCISÃO A Torcisão foi fundada em 1968, iniciando suas atividades na fabricação de peças para a indústria automobilística. Em 2006, o grupo se expandiu e fundou

Leia mais

Tubos, Projetos Especiais e Processos Agregados

Tubos, Projetos Especiais e Processos Agregados Tubos, Projetos Especiais e Processos Agregados Toda a qualidade em aço que você precisa www.meincol.com.br voestalpine AG A voestalpine está segmentada em 4 divisões: voestalpine. Uma empresa com forte

Leia mais

Apresentação. A Aceflan Acessórios Industriais Ltda. é uma empresa com mais de 20 anos no

Apresentação. A Aceflan Acessórios Industriais Ltda. é uma empresa com mais de 20 anos no Apresentação A Aceflan Acessórios Industriais Ltda. é uma empresa com mais de 20 anos no mercado, sempre atuando no segmento de acessórios para tubulação, tais como: Curvas, Tês, Flanges, Reduções, Válvulas,

Leia mais

SOQUETES E ACESSÓRIOS

SOQUETES E ACESSÓRIOS SOQUETES E ACESSÓRIOS Os soquetes são ferramentas manuais destinadas ao aperto e desaperto de porcas ou parafusos, conjugados com um acessório. Os soquetes e acessórios Belzer são forjados em aço cromo-vanádio,

Leia mais

ES-05. Estante para exposição. Mobiliário. Atenção 3 08/03/13. Revisão Data Página 1/6 VISTA FRONTAL ESC. 1:20 VISTA LATERAL ESC.

ES-05. Estante para exposição. Mobiliário. Atenção 3 08/03/13. Revisão Data Página 1/6 VISTA FRONTAL ESC. 1:20 VISTA LATERAL ESC. Mobiliário 2000 1/6 VISTA LATERAL 0 VISTA FRONTAL 0 900 0 VISTA SUPERIOR 0 A A Mobiliário 900 PAINEL DE FUNDO CHAPA 24 (0,6mm) PAINEL LATERAL CHAPA 24 (0,6mm) 0 40 COLUNA CHAPA 1 (2,25mm) VISTA SUPERIOR

Leia mais

ES-01. Estante simples. Mobiliário. Atenção. Revisão Data Página 1/6 5 08/03/13 VISTA LATERAL VISTA FRONTAL ESC. 1:20 VISTA SUPERIOR

ES-01. Estante simples. Mobiliário. Atenção. Revisão Data Página 1/6 5 08/03/13 VISTA LATERAL VISTA FRONTAL ESC. 1:20 VISTA SUPERIOR 2000 1/6 VISTA LATERAL ESC. 1:20 VISTA FRONTAL ESC. 1:20 900 0 VISTA SUPERIOR ESC. 1:20 900 PAINEL DE FUNDO CHAPA 24 (0,6mm) PAINEL LATERAL CHAPA 24 (0,6mm) 0 2/6 2000 13 400 400 1 13 0 0 40 VISTA SUPERIOR

Leia mais

MOD. 225-10.000-03/2009 - Gráfica Garilli - Agência PUC Propaganda

MOD. 225-10.000-03/2009 - Gráfica Garilli - Agência PUC Propaganda MOD. 225 -.000-03/2009 - Gráfica Garilli - Agência PUC Propaganda Rua Xavier de Toledo, 640 Vila Paulicéia São Bernardo do Campo, SP CEP: 09692-030 Geral: Tel.: (11) 4176-7877 Fax: (11) 4176-7879 E-Mail:

Leia mais

Projeto: Torquímetro Didático

Projeto: Torquímetro Didático Universidade Estadual de Campinas Instituto de Física Gleb Wataghin 1º semestre de 2010 Projeto: Torquímetro Didático Disciplina: F-609 Instrumentação para Ensino Aluno: Diego Leonardo Silva Scoca diegoscocaxhotmail.com

Leia mais

Distribuidor no Brasil:

Distribuidor no Brasil: MINERAÇ Ã O 14 www.alvenius.ind.br O portfólio da Alvenius, em conjunto com sua experiência de mercado, bem como sua equipe de engenharia e assessoria técnica, permite que a companhia forneça desde os

Leia mais

História. Missão. Visão. Valores. Politica de qualidade

História. Missão. Visão. Valores. Politica de qualidade História A Metrópole Mercantil Parafusos e Ferramentas LTDA, localizada em Belo Horizonte, Minas Gerais, iniciou suas atividades no ano de 1993. Administrada pelo Sr. Souza, detentor de um vasto conhecimento,

Leia mais

Tubos Laminados e Trefilados Brunidos Peças. Catálogo de Produtos. Trefilação. www.mercantetubos.com.br

Tubos Laminados e Trefilados Brunidos Peças. Catálogo de Produtos. Trefilação. www.mercantetubos.com.br Tubos Laminados e Trefilados Brunidos Peças Catálogo de Produtos Trefilação 2 SUMÁRIO Introdução... 4 Trefilação... 6 Processos... 6 Aplicações... 7 Modelo de Negócios... 7 Objetivos Trefilação Mercante...

Leia mais

Modelo SOLO900 SOLO700 TOPO700. Carga máx. 3000 kg o par 3000 kg o par 3000 kg o par. 726 mm. 702 mm (linha superior) ( 702 mm)

Modelo SOLO900 SOLO700 TOPO700. Carga máx. 3000 kg o par 3000 kg o par 3000 kg o par. 726 mm. 702 mm (linha superior) ( 702 mm) Barras de Pesagem Beckhauser Manual do Usuário Conheça seu equipamento em detalhes e saiba como aproveitar todo seu potencial no manejo. Leia atentamente este Manual antes de utilizar o produto e antes

Leia mais

Cubo Dianteiro Roda Dianteira Roda Dianteira Roda Trator Semi Eixo Fix. Centro da Roda Cubo Dianteiro 65x/265/275 (modernos)

Cubo Dianteiro Roda Dianteira Roda Dianteira Roda Trator Semi Eixo Fix. Centro da Roda Cubo Dianteiro 65x/265/275 (modernos) PA TRATOR Dimensões : Padrão Ciser Rosca: ASME B. - A Parafuso para Roda de Trator G. (A) (B) (C) (D) TABELA DE PREÇOS Código da Linha - 9 (E) Produto Bitola X Comprimento Comprimento da rosca (ref.) Aplicações

Leia mais

Keystone RMI DUBEX Válvula Borboleta

Keystone RMI DUBEX Válvula Borboleta Keystone RMI DUBEX Válvula Borboleta Dubex é uma válvula de sede resiliente triexcêntrica com flange duplo, projetada para serviços na indústria de água Características Aplicação geral Estação de bombeamento

Leia mais

SINALIZAÇÃO TÁTIL HORIZONTAL POR ELEMENTOS DISCRETOS

SINALIZAÇÃO TÁTIL HORIZONTAL POR ELEMENTOS DISCRETOS SINALIZAÇÃO TÁTIL HORIZONTAL POR ELEMENTOS DISCRETOS 1 Descrição e conceito O conceito dos elementos discretos agrega à sinalização tátil em concordância com legislação - baixa interferência na arquitetura

Leia mais

Linha Telecom m Teleco

Linha Telecom m Teleco Linha Telecom Telecom Linha Telecom Esteiras para telecomunicações... 93 Sistema para condução e distribuição do cabeamento, constituído de barra chata de aço carbono, muito utilizado como solução no cabeamento

Leia mais

Materiais e sistemas para protensão DEFINIÇÕES

Materiais e sistemas para protensão DEFINIÇÕES 19 2 Materiais e sistemas para protensão DEFINIÇÕES 2.1 Definições (conforme a Norma NBR6118:2003 - Projeto de Estruturas de Concreto - Procedimento). 2.1.1. Elementos de concreto protendido. Aqueles nos

Leia mais

HARDCAP VI 11 CHUMBADOR QUÍMICO BASE VINILÉSTER 1 APRESENTAÇÃO: 1.1 Descrição

HARDCAP VI 11 CHUMBADOR QUÍMICO BASE VINILÉSTER 1 APRESENTAÇÃO: 1.1 Descrição HARDCAP VI 11 CHUMBADOR QUÍMICO BASE VINILÉSTER 1 APRESENTAÇÃO: 1.1 Descrição HARDCAP VI 11 é um adesivo estrutural bicomponente, em cápsula de vidro e base viniléster com alta resistência à cargas de

Leia mais

Divisão Elétrica/Hidráulica

Divisão Elétrica/Hidráulica Divisão Elétrica/Hidráulica CARBINOX. O Brasil passa por aqui. Elétrica/Hidráulica A Carbinox é uma empresa que atua há 30 anos fornecendo soluções sob medida para impulsionar o desenvolvimento da economia.

Leia mais

INCENTIVO AO ATERRAMENTO ELÉTRICO RESIDENCIAL RESUMO

INCENTIVO AO ATERRAMENTO ELÉTRICO RESIDENCIAL RESUMO INCENTIVO AO ATERRAMENTO ELÉTRICO RESIDENCIAL Fernando Nascimento 1-21370122 Gabriela Sampaio Rêma 2-21370051 Marcos Vinícius Lemos da Silva 3-21270116 Paula da Silva Nogueira 4-21370049 RESUMO Poucas

Leia mais

1. A Função da Vela de Ignição

1. A Função da Vela de Ignição 1. A Função da Vela de Ignição A função da vela de ignição é conduzir a alta voltagem elétrica para o interior da câmara de combustão, convertendo-a em faísca para inflamar a mistura ar/combustível. Apesar

Leia mais

PÁG. ÍNDICE... 1 HISTÓRICO DA EMPRESA... 2 ETAPAS DO PROCESSO DE FABRICAÇÃO... 3 CONEXÕES TUPY BSP... 5 Identificação dos diâmetros nominais a partir

PÁG. ÍNDICE... 1 HISTÓRICO DA EMPRESA... 2 ETAPAS DO PROCESSO DE FABRICAÇÃO... 3 CONEXÕES TUPY BSP... 5 Identificação dos diâmetros nominais a partir 1 PÁG. ÍNDICE... 1 HISTÓRICO DA EMPRESA... 2 ETAPAS DO PROCESSO DE FABRICAÇÃO... 3 CONEXÕES TUPY BSP... 5 Identificação dos diâmetros nominais a partir dos diâmetros reais DP e DB rosca BSP... 15 Dimensões

Leia mais

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 08. Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) Tratamentos Termo-Físicos e Termo-Químicos

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 08. Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) Tratamentos Termo-Físicos e Termo-Químicos Aula 08 Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) e Termo-Químicos Prof. Me. Dario de Almeida Jané Tratamentos Térmicos Parte 2 - Introdução - - Recozimento - Normalização - Têmpera - Revenido

Leia mais

BEDAMES. Bitola Espessura C. Total 3/32 1/8 1/8 5/8 1/8 3/32 3/4 1/8 3/4 3/4 1/8 3/4 5/32 5 1/8 3/16 1/8 3/16 5/32 1/2 1/8 1/8 1/2 1/8 5/8 3/16 6

BEDAMES. Bitola Espessura C. Total 3/32 1/8 1/8 5/8 1/8 3/32 3/4 1/8 3/4 3/4 1/8 3/4 5/32 5 1/8 3/16 1/8 3/16 5/32 1/2 1/8 1/8 1/2 1/8 5/8 3/16 6 BEDAMES NACIONAL -Co % Co Bitola Espessura C. Total.Co / / / /././ 9 7 / / / / / / / / / / / / / / / / 9 / / 7 / / / / / / / / 7 / / / / 9 / / 7 / / 0 7/ 7/ 7/ / / / / / / 7 790 0 7 0 IMPORTADO Bitola

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS. Maj Moniz de Aragão

ESTRUTURAS METÁLICAS. Maj Moniz de Aragão SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO ESTRUTURAS METÁLICAS LIGAÇÕES PARAFUSADAS (NBR 8800/2008) Maj Moniz de Aragão 1. Resistência dos parafusos pág 06 2. Área bruta e área efetiva

Leia mais

DUREZA DE CORPOS SINTERIZADOS Por Domingos T. A. Figueira Filho

DUREZA DE CORPOS SINTERIZADOS Por Domingos T. A. Figueira Filho DUREZA DE CORPOS SINTERIZADOS Por Domingos T. A. Figueira Filho 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS. Como os corpos sinterizados são compostos de regiões sólidas e poros, os valores de macrodureza determinados pelos

Leia mais

PLANILHA DE PROPOSTA

PLANILHA DE PROPOSTA 0001 007296 ACESSORIO PARA FLANGE PN 10 DN 150 - AGUA 8 parafusos de cabeça sextavada com 1 porca sextavada e 2 arruela para fixação dos flanges, para cada parafuso, devem ser de aço ABNT 1020 ou ASTM

Leia mais

Dados Técnicos Sobre Tubos

Dados Técnicos Sobre Tubos www.swagelok.com Dados Técnicos Sobre Tubos Índice Serviço de Gás.......................... 2 Instalação.............................. 2 Tabelas de Pressão de Trabalho Sugeridas Tubos em Aço Carbono.....................

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS A BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS Última atualização Maio/2011 CLASSIFICAÇÃO DAS FOLHAS DE ALUMÍNIO A folha de Alumínio é um produto resultante do processo de laminação a frio com secção transversal variando

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO

MANUAL DE UTILIZAÇÃO SUPORTE ARTICULÁVEL DE PAREDE PARA PLASMA OU LCD MEDIUM 3A MANUAL DE UTILIZAÇÃO 1 Características: - Fixação na parede - Para Tv s e monitores Plasma ou LCD com padrão VESA 75x75, 100x100, 200x100 ou 200x200

Leia mais

Rebolos. O que é um rebolo? Especificações

Rebolos. O que é um rebolo? Especificações Rebolos O que é um rebolo? Rebolo é uma ferramenta de corte formada por grãos abrasivos unidos por ligas especiais. Pode ser utilizado em máquinas para operação de corte e afiação produzindo acabamento

Leia mais

Chumbadores Mecânicos

Chumbadores Mecânicos Chumbadores Mecânicos Líder de mercado na maioria dos países europeus; O mais alto nível de atendimento ao cliente do segmento industrial; Excelente imagem da marca: 92% dos engenheiros de estruturas e

Leia mais

Processos de Fabrico. Ensaios de Dureza. A. M. Vasconcelos Lima

Processos de Fabrico. Ensaios de Dureza. A. M. Vasconcelos Lima Processos de Fabrico 1 É um dos ensaios mais comuns para avaliar e controlar as propriedades mecânicas dos materiais e dos processos tecnológicos. As aplicações destes ensaios incluem: Determinação da

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

Grupo 30.24 - Material hidráulico

Grupo 30.24 - Material hidráulico O catálogo do grupo 30.24 contém as especificações de material hidráulico. Os itens que estão destacados com a mesma coloração significam que possuem a mesma descrição, no entanto, possuem diferentes unidades

Leia mais

Instruções de Uso COMPONENTES PROTÉTICOS BASE METÁLICA

Instruções de Uso COMPONENTES PROTÉTICOS BASE METÁLICA Instruções de Uso COMPONENTES PROTÉTICOS BASE METÁLICA As técnicas utilizadas para a realização da prótese sobre implantes são altamente especializadas e envolvem procedimentos específicos, que devem ser

Leia mais

Machos Laminadores. Métrico. The Right Tool at the Right Time

Machos Laminadores. Métrico. The Right Tool at the Right Time Rua do Manifesto, 221 - Ipiranga - São aulo Fone: + (11) 2271-3211 The Right Tool at the Right Time Machos Laminadores Métrico Rua do Manifesto, 221 - Ipiranga - São aulo Fone: + (11) 2271-3211 Características

Leia mais

Catálogo Técnico VÁLVULAS INDUSTRIAIS

Catálogo Técnico VÁLVULAS INDUSTRIAIS Catálogo Técnico VÁLVULAS INDUSTRIAIS VÁLVULA FERRO CLASSE GAVETA FUNDIDO 15 Válvula gaveta em ferro fundido ASTM A 16 B; classe 15 lbs; haste ascendente com rosca trapezoidal externa e castelo aparafusado

Leia mais

Décima primeira aula de mecânica dos fluidos para engenharia química (ME5330) 04/05/2010

Décima primeira aula de mecânica dos fluidos para engenharia química (ME5330) 04/05/2010 Décima primeira aula de mecânica dos fluidos para engenharia química (ME5330) 04/05/2010 Exercício de associação em série Uma lavoura de arroz distante do manancial de captação d água necessita de 315

Leia mais

Complementos para telhas Brasilit

Complementos para telhas Brasilit Complementos para telhas Brasilit A mais completa linha de cumeeiras, rufos, espigões, arestas, cantoneiras, terminais, pingadeiras, tampões, calços, venezianas, claraboias e placas de vedação. TECNOLOGIA

Leia mais