Informações Técnicas Uso Orientativo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Informações Técnicas Uso Orientativo"

Transcrição

1 Parafusos X Buchas de ylon Buchas º Auto-atarraxante s aplicáveis Madeira Sextavado soberba Parafusos mais utilizados 4 2,2 2,2 a 2,8 2,8 x 25-2,8 x ,9 a 3,5 2,2 a 3,8 2,8 x 30-3,2 x 40-3,5 x ,5 a 4,8 3,5 a 4,8 3,5 x 40-3,8 x 45-4,2 x 50-4,5 x ,2 a 5,5 4,2 a 5,5 4,2 x 40-4,5 x 45-4,8 x ,8 a 5,5 4,5 a 6, 3/6 4,5 x 50-4,8 x 65-5,5 x ,3 6, /4 a 5/6 (6,0 a 8,0) 5,5 x 65-6, x /6 a 3/8 (8,0 a 0,0) Sext. Soberba 5/6 x /8 a /2 (0,0 a 2,0) Sext. Soberba 3/8 x 00 6 /2 (3,0) Sext. Soberba /2 x /8 (6,0) Sext. Soberba 5/8 x 30 OBS. ) a escolha do parafuso verificamos que para cada tamanho de bucha, existe uma faixa de diâmetros de parafusos que podem ser utilizados. Quando a aplicação exige maior resistência, utiliza-se o maior diâmetro do parafuso que a bucha admite. Para uma carga menor, pode-se utilizar o menor diâmetro. 2) Para uma fixação correta utilize sempre um parafuso de diâmetro dentro da faixa especificada na tabela acima. Quanto ao comprimento do parafuso, deve ser igual ao da bucha, acrescido do diâmetro do próprio parafuso e da espessura do objeto a ser fixado. Conversão de Medidas Tabela de s Polegada /64 /32 3/64 /6 5/64 3/32 7/64 /8 9/64 5/32 /64 0,397 0,794,9,588,984 2,38 2,778 3,75 3,572 3,969 4,366 Polegada 2/64 /32 23/64 3/8 25/64 3/32 27/64 7/6 29/64 5/32 3/64 8,334 8,73 9,28 9,525 9,922 0,39 0,76,3,509,906 2,303 Polegada 4/64 2/32 43/64 /6 45/64 23/32 47/64 3/4 49/64 25/32 5/64 6,272 6,669 7,066 7,463 7,859 8,256 8,653 9,050 9,447 9,844 20,24 Polegada 6/64 3/32 63/64./4./2.3/4 2 2./2 3 3./2 24,209 24,606 25,003 25,400 3,750 38,00 44,450 50,800 63,500 76,200 88,900 Medidas polegada /8 5/32 3/6 7/32 /4 5/6 3/8 7/6 /2 /2 WW 9/6 5/8 3/4 7/8 Fios por pol. UC UF Diâmetro da broca 2,5 3, 3,6 4,4 5, 6,5 7,9 9,2 0,5 0,5 2,0 3,4 6,4 9,25 22,0 3/6 3/64 4,763 5,59 /2 33/64 2,700 3,097 3/6 53/64 20,638 2, /2 0,600 4,300 Medidas Passo MA MB Diâmetro da Broca 7/32 5/64 /4 7/64 9/32 9/64 5/6 5,556 5,953 6,350 6,747 7,44 7,54 7,938 7/32 35/64 9/6 37/64 9/32 39/64 5/8 3,494 3,89 4,288 4,684 5,08 5,478 5,875 27/32 55/64 7/8 57/64 29/32 59/64 5/6 2,43 5 2,828 5./2 22, , , , , ,000 39,700 52,400 77, , , ,000 M 3 M 4 M 5 M 6 M 8 M 0 M 2 M 4 M 6 M 8 0,50 0,70 0,80,00,25,50,75 2,00 2,00 2,50 0,35 0,50 0,50 0,75,00,00,50,50,50,50 2,5 3,3 4,2 5,0 6,8 8,5 0,2 2,0 4,0 5,5

2 Produtos em Aço Inox Oxidação / Engripamento Para entender porque os aços inoxidáveis resistem à corrosão, nós precisamos conhecer o que acontece quando os aços carbono comuns enferrujam. O ar que respiramos contém cerca de 2% de oxigênio, 78% de nitrogênio e o restante, uma mistura de vapor de água e dióxido de carbono. Todos os metais reagem com o oxigênio e a água do ar, formando uma camada superficial de óxidos. Esta camada é porosa e permite posteriores penetrações de oxigênio e água. Desta forma, a oxidação continua crescendo, produzindo a corrosão, que é comumente conhecida como ferrugem. Aúnica maneira de prevenir este processo de corrosão no aço é proteger sua superfície. Isso pode ser feito com: - Pinturas, - Óleos, ou - Filmes não porosos. O cromo contido nos aços inoxidáveis reage com o oxigênio do ar, formando uma fina camada superficial. Apesar de muito fina, esta camada de óxido de cromo não é porosa e, portanto, impede que a superfície do aço entre em contato com a atmosfera. Isto previne a corrosão do aço provocada pelo meio ambiente. Esta camada aderente e resistente é invisível a olho nu e permite que o brilho natural do metal possa ser visto, se danificada, é capaz de se auto-regenerar quase instantaneamente, mantendo a proteção do aço. Esta camada é denominada Camada Passiva. Camada Passiva É uma camada extremamente fina, contínua, estável e resistente, formada sobre a superfície do aço inox pela combinação do oxigênio do ar com o cromo do aço. Essa camada protege o inox contra a corrosão do meio ambiente. Formação e Características da Camada Passiva Aparece espontaneamente quando há presença de cromo e oxigênio. Aformação é extremamente rápida, isto é, instantânea (cromo e oxigênio têm muita afinidade). É muito estável (não se desprende) e está presente em toda a superfície do aço. ão é porosa (bloqueia a ação do meio agressivo). É praticamente invisível. Com a regeneração da camada protetiva, eventualmente na aplicação de parafusos com porcas ou contra-peças roscadas, pode ocorrer a ruptura desta camada, provocando o que conhecemos como engripamento, provocando a ruptura dos parafusos. Para evitar esta ruptura, recomenda-se a utilização de uma fina camada de óleo protetivo

3 . Objetivo Apresentar as especificações normalizadas referentes às características mecânicas dos produtos conforme sua aplicação. 2. Parafuso Série Métrica 2.. Características mecânicas conforme - ISO 898- Classe de resistência tração nominal escoamento nominal deformação não proporcional nominal Alongamento após ruptura % min. carga de prova HRB HRB 8.8 D 6 D > HRC HRC HRC D= Diâmetro nominal do produto Cargas de prova para parafusos métricos com rosca normal (grossa) - MA M3 M3,5 M4 M5 M6 M7 M8 M0 M2 M4 M6 M8 M20 M22 M24 M27 M30 M33 M36 M39 Seção resistente nominal 2 5,03 6,78 8,78 4,2 20, 28,9 36, , Classe de resistência Carga de prova

4 2.3. Cargas de prova para parafusos métricos com rosca fina - MB M8x M0x M0x,25 M2x,25 M2x,5 M4x,5 M6x,5 M8x,5 M20x,5 M22x,5 M24x2 M27x2 M30x2 M33x2 M36x3 M39x3 Seção resistente nominal 2 39,2 64,5 6,2 92, 88, Carga de prova é a maior força axial aplicável sem ocorrência de deformação permanente. Classe de resistência Carga de prova Momento Torçores (Torques) 3.. Torques para parafusos série métrica rosca normal - MA (.m). Classe de resistência M3 0,7 0,9,4,6 2,0 M3,5,,4 2, 2,4 3,0 M4,7 2, 3,2 3,6 4,6 M5 3,3 4, 6,2 6,9 8,9 M6 5,7 7,0 0,6 2,0 5,3 M7 9,3,4 7,4 9,4 24,8 M8 3,8 6,8 25,6 28,8 36,8 M0 27,4 33,5 5,2 57,3 73, M M M M M M M M M M M M Para atingir força de aperto igual a 80% da carga de prova

5 3.2. Torques para parafusos série métrica rosca fina - MB (.m). M8x M0x M0x,25 M2x,25 M2x,5 M4x,5 M6x,5 M8x,5 M20x,5 M22x,5 M24x2 M27x2 M30x2 M33x2 M36x3 M39x3 Classe de resistência ,5 29,5 28, ,7 36,2 34, ,0 55,3 53, ,3 6,9 59, ,6 79,0 76, Os valores são orientativos e se baseiam em condições médias de atrito aço com aço. A utilização de revestimentos anticorrosivos poderá alterar substancialmente os resultados. Para aplicações críticas, os valores deverão ser aferidos com a utilização de aparelho (*), para determinação de esforço axial na haste do parafuso. (*) Skidmore - Wilhelm ou similar. 4. Parafuso Série Polegada 4.. Características mecânicas conforme - SAE J 429. Grau de resistência tração mínima deformação não proporcional mínima Alongamento após ruptura % min. carga de prova Grau HRB Grau 2 D 3/4 D > 3/ HRB HRB Grau 5 Grau 8 D D > HRC 9-30 HRC HRC D= Diâmetro nominal do produto

6 4.2. Cargas de prova para parafusos série polegada rosca grossa - UC /4-20 5/6-8 3/8-6 7/6-4 /2-3 9/6-2 5/8-3/4-0 7/ /8-7./4-7.3/8-6./2-6 Seção resistente nominal 2 20,5 33, ,6 9, Grau de resistência Carga de prova Grau Grau 2 Grau 5 Grau Cargas de prova para parafusos série polegada rosca fina - UF /4-28 5/6-24 3/8-24 7/6-20 /2-20 9/6-8 5/8-8 3/4-6 7/ /8-2./4-2.3/8-2./2-2 Seção resistente nominal 2 23,5 37,4 56,7 76, Grau de resistência Carga de prova Grau Grau 2 Grau 5 Grau

7 5. Momento Torçores (Torques) 5.. Torques para parafusos série polegada rosca normal - UC (.m) /4-20 5/6-8 3/8-6 7/6-4 /2-3 9/6-2 5/8-3/4-0 7/ /8-7./4-7.3/8-6./2-6 4,8 9,4 6, Para atingir força de aperto igual a 80% da carga de prova. Grau de resistência Grau Grau 2 Grau 5 Grau 8 7,8 5,7 26, , 23,9 4, ,0 33,8 58, Torques para parafusos série polegada rosca fina - UF (.m) /4-28 5/6-24 3/8-24 7/6-20 /2-20 9/6-8 5/8-8 3/4-6 7/ /8-2./4-2.3/8-2./2-2 Grau de Resistência Grau Grau 2 Grau 5 Grau 8 5,3 0,2 7,8 27, Os valores são orientativos e se baseiam em condições médias de atrito aço com aço. A utilização de revestimentos anticorrosivos poderá alterar substancialmente os resultados. Para aplicações críticas, os valores deverão ser aferidos com a utilização de aparelho (*), para determinação de esforço axial na haste do parafuso. (*) Skidmore - Wilhelm ou similar. 8,7 6,8 29,4 45, ,5 25,9 45,7 7, ,9 36,6 64,

8 6. Parafuso ASTM ASTM A 307 s Classe carga de prova Cabeças Aplicação Observação Grau A 44 min HRB Uso geral. /4-4 Grau B HRB pesada ou sem cabeça Flanges de tubulações em ferro fundido. Grau C ou sem cabeça Ancoragem em estruturas. ASTM A 325 s Classe carga de prova Cabeças Aplicação Observação > -./2 Tipo Tipo 2 Tipo min. 724 min HRC 9-30 HRC Pesada Montagem de estruturas. Excluído em ov. 99. Aço com resistência a intempéries. Montagem de estruturas. ASTM A 394 (*) s Classe Cabeças Aplicação Observação /2 5/8 Tipo 0 50 min HRB Aço baixo carbono zincado. Montagem de torres de transmissão e similares. 3/4 7/8 Tipo Aço médio carbono temperado e zincado. Montagem de torres de transmissão e similares. > -./2 Tipo 2 Tipo min HRC Aço baixo carbono martensítico zincado. Montagem de torres de transmissão e similares. Aço com resistência a intempéries temperado e. Montagem de estruturas. (*) ASTM A 394 prescreve prova de cisalhamento quando solicitado pelo cliente. ASTM A 449 s Classe carga de prova Cabeças Aplicação Observação /4 - > -./2 >./2-3 Tipo 825 min. 725 min. 620 min HRC 9-30 HRC ou sem cabeça Uso geral. Alta resistência. /4 - Tipo min HRC Uso geral. Aço baixo carbono martensítico

9 ASTM A 490 s Classe carga de prova Cabeças Aplicação Observação Tipo Aço liga. Montagem de estruturas. /2 -./2 Tipo HRC Pesada Aço martensítico. Montagem de estruturas. s /2 - Tipo 3 Aço resistente a intempéries. Montagem de estruturas. ASTM F 593 (Aço Inoxidável) /4-5/8 > 5/8 -./2 /4-5/8 > 5/8 -./2 /4-5/8 > 5/8 -./2 /4 -./2 /4 -./2 Marcação Condição Material F 593 C F 593 D F 593 G F 593 H F 593 V F 593 W F 593 P F 593 R Conformado a frio a 565 C min. a 274 C min. Austenítico 304 ou similar Austenítico 36 ou similar Ferrítico 430 ou similar Martensitico 40 ou similar HRB - 32 HRC 80 HRB - 32 HRC 95 HRB - 32 HRC 80 HRB - 32 HRC HRB HRB HRC HRC ASTM F 468 (não ferrosos) Marcação Condição Material Todas F 468 B Conformado a frio Latão ASTM HRF ISO (Aço Inoxidável) Marcação Condição Material M 24 A2-70 Austenitico 304 ou similar M 24 A4-70 Conformado a frio Austenitico 36 ou similar M 24 F - 60 Ferrítico 430 ou similar HV Todas Todas C - 70 C - 0 a 275 C min. Martensitico 40 ou similar Martensitico 40 ou similar HRC HRC

10 7. Porca Série Métrica 7.. Características mecânicas conforme - ISO Classe de s Estilo carga de prova (* ) Classes de parafusos acopláveis resistência M4 600 > M4 - M HV > M7 - M0 > M0 - M (80 HRB - 30 HRC) > M6 - M HV (87 HRB - 30 HRC) M HV (89 HRB - 30 HRC) > M4 - M7 > M7 - M0 > M0 - M HV (93 HRB - 30 HRC) > M6 - M HV (99 HRB - 36 HRC) M4 040 > M4 - M7 > M7 - M0 > M0 - M HV (26-36 HRC) > M6 - M (*) no mandril de prova Cargas de prova para porcas métricas rosca normal (grossa) - MA M3 M3,5 M4 M5 M6 M7 M8 M0 M2 M4 M6 M8 M20 M22 M24 M27 M30 M33 M36 M39 Passo 0,5 0,6 0,7 0,8,25,5, ,5 2,5 2, ,5 3,5 4 4 Seção nominal do mandril de prova 2 5,03 6,78 8,78 4,2 20, 28,9 36, , Classe de resistência Cargas de prova Estilo Estilo Estilo

11 7.3. Cargas de prova para porcas métricas rosca fina - MB M8x Seção nominal do mandril de prova 2 39,2 Classe de resistência Cargas de prova Estilo Estilo Estilo M0x 64, M0x,25 6, M2x,25 92, M2x,5 88, M4x, M6x, M8x, M8x M20x, M20x M22x M22x M24x M27x M30x M33x M36x M39x Carga de prova é a maior força axial aplicável sem a ocorrência de deformação que não permita a remoção da porca do mandril sem a utilização de ferramenta; é permitida a utilização de chave manual para a primeira meia volta. 8. Porca Série Polegada 8.. Características mecânicas conforme SAE J 995 Grau de resistência Estilo carga de prova Classes de parafusos acopláveis Grau 2 Quadrada HRC máx. Grau - Grau 2 /4 - UC 828 Grau 5 > -./2 UC /4 - UF HRC máx. Grau - Grau 2 - Grau 5 > -./2 UF 648 /4-5/ HRC Grau 8 > 5/ HRC Grau - Grau 2 - Grau 5 - Grau 8 > -./ HRC

12 8.2. Cargas de prova para porcas série polegada rosca grossa - UC /4-20 5/6-8 3/8-6 7/6-4 /2-3 9/6-2 5/8-3/4-0 7/ /8-7./4-7.3/8-6./2-6 Seção nominal do mandril de prova 2 20,5 33,8 50,0 68,6 9,5 7,4 45,8 25,5 298, 39,0 492,3 625,2 745,2 906,5 Grau de resistência Cargas de prova Cargas de prova para porcas série polegada rosca fina - UF /4-28 5/6-24 3/8-24 7/6-20 /2-20 9/6-8 5/8-8 3/4-6 7/ /8-2./4-2.3/8-2./2-2 Seção nominal do mandril de prova 2 23,5 37,4 56,7 76,6 03,2 3 65,2 240,6 328,4 427,8 552,3 692,3 848,4 020,0 Grau de resistência Cargas de prova Carga de prova é a maior força axial aplicável sem a ocorrência de deformação que não permita a remoção da porca do mandril sem a utilização de ferramenta; é permitida a utilização de chave manual para a primeira meia volta

13 9. Porcas em Aço Inoxidável 9.. Características mecânicas - ISO M24 Todas A2-70 A4-70 F - 60 C - 70 C - 0 s Marcação Estilo Condição Material Conformado a frio a 275 C Austenítico 304 ou similar Austenítico 36 ou similar Ferrítico 430 ou similar HV Martensítico 40 ou similar carga de prova HRC HRC 9.2. Características mecânicas - ASTM F 594 s Marcação Estilo Condição Material carga de prova /4-5/8 > 5/8 -./2 F594 C F594 D Austenítico 304 ou similar HRB - 32 HRC HRB - 32 HRC /4-5/8 > 5/8 -./2 F594 G F594 H F594 Conformado a frio Austenítico 36 ou similar Ferrítico 430 ou similar HRB - 32 HRC 80 HRB - 32 HRC HRB /4 -./2 F594 P F594 R a 566 C min. a 275 C min. Martensítico 40 ou similar HRC HRC 0. Parafusos Formadores de 0.. Parafusos auto-atarraxantes. Propriedades mecânicas conforme ISO 2702 Resistência à torção.m mínima Camada cementada superficial de núcleo Matéria-prima 2,2 0,45 0,04-0,0 2,9 3,5,5 2,7 0,05-0, HV5 3,9 4,2 4,8 5,5 6,3 3,4 4,4 6,3 0,0 6,6 0,0-0,23 0,5-0, HV0,3 mínima HV0 Aço baixo carbono

14 0.2. Parafusos ponta broca. Propriedades mecânicas conforme ISO 0666 Resistência à torção.m mínima Camada cementada superficial de núcleo Matéria-prima 2,9 3,5,5 2,8 0,05-0, HV5 4,2 4,8 4,7 6,9 0,0-0, HV0,3 mínima Aço baixo carbono 5,5 0, HV0 6,3 9,9 0,5-0, Parafusos Trilobular. Propriedades mecânicas conforme ISO 7085 Resistência à torção.m mínima Camada cementada superficial de núcleo Matéria-prima M3 M3,5 2, 3,4 0,05-0,8 M4 M5 M6 M8 4,9 0,0 7,0 42 0,0-0,25 0,5-0, HV0,3 mínima HV5 Aço baixo carbono M0 85 0,5-0,32. Tabelas Orientativas s Tipo de rosca Parafuso Classe de tolerância Porca orma UC (Grossa) UF (Fina) 2 A 2 B ASI B. BSW (Gossa) Média ormal BS 84 CEI ( Fina) Média Média BS 8 Métrica 6 g 6 H ISO 965 AA Tipo C ISO 478 Tabela de Similaridade de Classes e Graus de Resistência SAE J 429 ISO 898- ASTM Grau 4.6 A307 Grau A Grau A394 Tipo 0 A307 Grau B Grau A449 - A394 Tipo A325 - Tipo Grau A354 Grau B D A490 - Tipo e 2 Cabeça normal A307 Grau A, A449, A354, Grau, Grau 2, Grau 5, Grau 8, 4.6, C 5.8, C 8.8, C 0.9, C 2.9, A A574 Cabeça pesada A325, A307 Grau B, A

15 . Multiplicadores para Conversões de Unidades Unidade a transformar Kgf/ 2 PSI KSI MPa Kgf/ 2 PSI KSI MPa 0,097 0, , ,097 9,8 0, , ,334 45, ,0377, , ,00 0, ,8 0, ,89476 = ewton Kgf= Kilograma força PSI= Libra por polegada quadrada KSI= Kilolibra por polegada quadrada MPa= Mega Pascal 2. Multiplicadores para Conversões de Unidades Unidade a transformar Kgf Lbf Kgf 9,8 2, ,097 0, Lbf 0, , Multiplicadores para Conversões de Unidades Unidade a transformar 2 Pol 2 2 Pol 2 0, ,6 4. Multiplicadores para Conversões de Unidades Unidade Unidade de medição conhecida.cm.m Kgf.cm Kgf.m Lbf.pol Lbf.pé.cm 0,0 0,0976 0, , , m 00 0,976 0,0976 8, ,73756 Kgf.cm 9, , ,0 0, , Kgf.m 980,7 9, ,7962 7, Lbf.pol, ,29848,5224 0, , Lbf.pé 35,582, , ,

Informações Técnicas. Uso Orientativo. Parafusos X Buchas de Nylon. Tabela de Roscas. Conversão de Medidas

Informações Técnicas. Uso Orientativo. Parafusos X Buchas de Nylon. Tabela de Roscas. Conversão de Medidas Parafusos X Buchas de ylon Buchas º Bitolas aplicáveis Auto-atarraxante Madeira Sextavado soberba Parafusos mais utilizados 4 2,2 2,2 a 2,8 2,8 x 25-2,8 x 30 5 2,9 a 3,5 2,2 a 3,8 2,8 x 30-3,2 x 40-3,5

Leia mais

CIA. INDUSTRIAL H. CARLOS SCHNEIDER

CIA. INDUSTRIAL H. CARLOS SCHNEIDER CIA. INDUSTRIAL H. CARLOS SCHNEIDER ESENG03 JLLE NOL Informações técnicas REV.: 01 PÁGINA 01 DE 11 1. OBJETIVO Apresentar as especificações normalizadas referente às características mecânicas dos produtos

Leia mais

TABELA DE ROSCAS. Diâmetro do Núcleo (mm) Ø da broca

TABELA DE ROSCAS. Diâmetro do Núcleo (mm) Ø da broca TABELA DE ROSCAS UNF - Rosca Unificada Fina UNC - Rosca Unificada Grossa MB (MF) - Rosca Métrica Fina Diâmetro do Núcleo (mm) Ø da broca Diâmetro do Núcleo (mm) Ø da broca Diâmetro do Núcleo (mm) Ø da

Leia mais

FIXADORES ASTM A325 FORÇA DE PROTENSÃO MÍN. FORÇA DE RUPTURA MÍN. LBF kgf LBF 1/2-13 UNC 5/8-11 UNC

FIXADORES ASTM A325 FORÇA DE PROTENSÃO MÍN. FORÇA DE RUPTURA MÍN. LBF kgf LBF 1/2-13 UNC 5/8-11 UNC Fixadores de alta resistência, empregados em ligações parafusadas estruturais e indicados em montagens de maior responsabilidade. Fabricados em aço de alta resistência e tratados termicamente, os parafusos

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS ASSISPAR - IND. E COM. DE PARAFUSOS LTDA PARAFUSOS PORCAS ARRUELAS MAT. FIXAÇÃO

CATÁLOGO DE PRODUTOS ASSISPAR - IND. E COM. DE PARAFUSOS LTDA PARAFUSOS PORCAS ARRUELAS MAT. FIXAÇÃO CATÁLOGO DE PRODUTOS - IND. E COM. DE PARAFUSOS LTDA PARAFUSOS PORCAS ARRUELAS MAT. FIXAÇÃO A Assispar Indústria e Comércio de Parafusos Ltda., é uma empresa especializada na fabricação e comercialização

Leia mais

CATALOGO DE PRODUTOS - FIXADORES

CATALOGO DE PRODUTOS - FIXADORES CATALOGO DE PRODUTOS FIXADORES A CRV INDUSTRIAL, além de fornecer todos os suprimentos indispensáveis para o funcionamento de uma empresa, oferece uma serie de soluções logísticas e técnicas desenvolvidas

Leia mais

Bucha BNK. Bucha Universal. Código da Linha - 740. Código da Linha - 739 TABELA DE PREÇOS. Dimensões (mm) Preço bruto por cento em Real

Bucha BNK. Bucha Universal. Código da Linha - 740. Código da Linha - 739 TABELA DE PREÇOS. Dimensões (mm) Preço bruto por cento em Real Bucha BNK da Linha - 7 TABELA DE PREÇOS (d nom ) (h ) ø 70-3 29,97 730-7 55 3,7 7-5 0 5 0 77,2 Aplicação: Instalacões gerais em concreto, concreto celular, gesso, pedras calcárias, todos os materiais de

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO FIXADOR ASTM A325 TIPO 1

BOLETIM TÉCNICO FIXADOR ASTM A325 TIPO 1 BOLETIM TÉCNICO FIXADOR ASTM A325 TIPO 1 Elaborador: Verificadores: Aprovador: RAMON PINHEIRO GARCIA DIEGO CAMERA RAMON PINHEIRO GARCIA 1 FIXADORES ASTM A325 TIPO1 Fixador de alta resistência para montagem

Leia mais

E-mail: vendas@bratal.com.br

E-mail: vendas@bratal.com.br CENTRAL DE VENDAS Consulte-nos pelo fone/fax : (19) 341.0081 E-mail: vendas@bratal.com.br 603 - Tubos 01 ESCOLHA ADEQUADA DA TUBULAÇÃO.... 1 DIAGRAMA TEÓRICO PARA CÁLCULO DE TUBULAÇÕES...........................

Leia mais

Informativo Técnico. 11 3207-8466 vendas@indufix.com.br www.indufix.com.br

Informativo Técnico. 11 3207-8466 vendas@indufix.com.br www.indufix.com.br Informativo Técnico Descrição Os fixadores contidos neste informativo são normalizados pela incorporadora de normas ASTM (American Society for Testing and Materials), com finalidade fixação e união de

Leia mais

FIXADORES ASTM A307 FORÇA DE RUPTURA MÍN. LBF 3/8-16 UNC 1/2-13 UNC 5/8-11 UNC 3/4-10 UNC PORCA ASTM A563 GRAU A

FIXADORES ASTM A307 FORÇA DE RUPTURA MÍN. LBF 3/8-16 UNC 1/2-13 UNC 5/8-11 UNC 3/4-10 UNC PORCA ASTM A563 GRAU A Fixadores empregados em ligações secundárias e recomendados para uso em estruturas não sujeitas a impactos ou vibrações. Fabricado em aço baixo carbono e sem tratamento térmico. Os parafusos, também conhecidos

Leia mais

Soldabilidade de Metais. Soldagem II

Soldabilidade de Metais. Soldagem II Soldabilidade de Metais Soldagem II Soldagem de Ligas Metálicas A American Welding Society (AWS) define soldabilidade como a capacidade de um material ser soldado nas condições de fabricação impostas por

Leia mais

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS TECNOLOGIA DOS MATERIAIS Aula 7: Tratamentos em Metais Térmicos Termoquímicos CEPEP - Escola Técnica Prof.: Transformações - Curva C Curva TTT Tempo Temperatura Transformação Bainita Quando um aço carbono

Leia mais

Dureza de materiais metálicos

Dureza de materiais metálicos Dureza de materiais metálicos Podemos considerar a dureza de um material de engenharia como sendo a propriedade mecânica de resistir à penetração ou riscamento na sua superfície. No caso dos materiais

Leia mais

Normas Atendidas. Tubos de aço carbono, sem costura, trefilados a frio, para permutadores de calor ou condensadores.

Normas Atendidas. Tubos de aço carbono, sem costura, trefilados a frio, para permutadores de calor ou condensadores. 4 Empresa Certificada ISO 9001 Distribuição de Tubos em Aço Carbono Tubos sem Costura Tubos de aço sem costura são utilizados em aplicações como cilindros hidráulicos, componentes de transmissão, oleodutos,

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Tratamentos térmicos dos aços 1 TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Os tratamentos térmicos empregados em metais ou ligas metálicas, são definidos como qualquer conjunto de operações de aquecimento e resfriamento,

Leia mais

Dados Técnicos Sobre Tubos

Dados Técnicos Sobre Tubos www.swagelok.com Dados Técnicos Sobre Tubos Índice Serviço de Gás.......................... 2 Instalação.............................. 2 Tabelas de Pressão de Trabalho Sugeridas Tubos em Aço Carbono.....................

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

HARDCAP VI 11 CHUMBADOR QUÍMICO BASE VINILÉSTER 1 APRESENTAÇÃO: 1.1 Descrição

HARDCAP VI 11 CHUMBADOR QUÍMICO BASE VINILÉSTER 1 APRESENTAÇÃO: 1.1 Descrição HARDCAP VI 11 CHUMBADOR QUÍMICO BASE VINILÉSTER 1 APRESENTAÇÃO: 1.1 Descrição HARDCAP VI 11 é um adesivo estrutural bicomponente, em cápsula de vidro e base viniléster com alta resistência à cargas de

Leia mais

TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE.

TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. PARA FURAR MATERIAIS DE ALTA RESISTÊNCIA OU EM CONDIÇÕES EXTREMAS, UTILIZE NOSSA GAMA DE SOLUÇÕES. ALTA PERFORMANCE COM MÁXIMA

Leia mais

(AÇO SEM MANCHAS) Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

(AÇO SEM MANCHAS) Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho AÇO INOXIDÁVEL OU AÇO INOX STAINLESS STEEL (AÇO SEM MANCHAS) Conceito Aço inox é o termo empregado para identificar uma família de aços contendo no mínimo 10,5% de cromo. Este cromo está presente homogênea

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

ELABORADO POR: Antônio Carlos ICAI APROVADO POR: João Carlos Diretor Comercial

ELABORADO POR: Antônio Carlos ICAI APROVADO POR: João Carlos Diretor Comercial ELABORADO POR: Antônio Carlos ICAI APROVADO POR: João Carlos Diretor Comercial ASME B16.10M Tubos de Aço Carbono Com e Sem Costura METALLIC FÓRMULAS PARA CÁLCULOS DE PESOS POR METRO (BARRAS E TUBOS DE

Leia mais

ENSAIO DE DUREZA EM-641

ENSAIO DE DUREZA EM-641 ENSAIO DE DUREZA DEFINIÇÃO: Dureza é a resistência à deformação permanente Aplicação de uma carga na superfície da peça com um penetrador padronizado Características da marca de impressão (área ou profundidade)

Leia mais

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL. Resistência à corrosão dos aços inoxidáveis

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL. Resistência à corrosão dos aços inoxidáveis COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL Resistência à corrosão dos aços inoxidáveis Formas localizadas de corrosão Os aços carbono sofrem de corrosão generalizada, onde grandes áreas da superfície

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO FIXADOR ASTM A307 GRAU A

BOLETIM TÉCNICO FIXADOR ASTM A307 GRAU A BOLETIM TÉCNICO FIXADOR ASTM A307 GRAU A Elaborador: Verificadores: Aprovador: DIEGO CAMERA 1 FIXADOR ASTM A307 GRAU A Fixador de uso secundário para montagem de estruturas metálicas. Descrição Fixador

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 29 / 07 / 2011 1 de 5 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para parafuso U 16x270mm utilizado nas Linhas de Distribuição da CEMAR. 2 CAMPO

Leia mais

TW103 TW203 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE.

TW103 TW203 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. TW103 TW203 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. BROCAS TW103 E TW203 PROPORCIONAM FUROS COM EXCELENTE QUALIDADE E MÁXIMO DESEMPENHO NO LATÃO E MATERIAIS DE CAVACO QUEBRADIÇO EM GERAL. Conheça suas características:

Leia mais

Sistema Duplex. Vantagens e Aplicações. Luiza Abdala (luiza.abdala@vmetais.com.br) Engenheira Química - Desenvolvimento de Mercado

Sistema Duplex. Vantagens e Aplicações. Luiza Abdala (luiza.abdala@vmetais.com.br) Engenheira Química - Desenvolvimento de Mercado Sistema Duplex Vantagens e Aplicações Luiza Abdala (luiza.abdala@vmetais.com.br) Engenheira Química - Desenvolvimento de Mercado METALURGIA Corrosão Tendência que os materiais têm de retornar ao seu estado

Leia mais

Brocas de Três Pontas Brocas de Três Pontas para Mourão Brocas para Fibrocimento e Mourão Brocas de Aço Cromo Conjuntos de Brocas de Aço Cromo Brocas

Brocas de Três Pontas Brocas de Três Pontas para Mourão Brocas para Fibrocimento e Mourão Brocas de Aço Cromo Conjuntos de Brocas de Aço Cromo Brocas Brocas de Três Pontas Brocas de Três Pontas para Mourão Brocas para Fibrocimento e Mourão Brocas de Aço Cromo Conjuntos de Brocas de Aço Cromo Brocas Chatas Brocas Chatas para Dobradiças Extensão para

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO 2013-2

CATÁLOGO TÉCNICO 2013-2 CATÁLOGO TÉCNICO 2013-2 PRODUTO CONTRA PONTO MESA DIVISORA HV-240 TAMBOR GRADUADO - Pode ser acoplado no lugar do disco perfurado sendo possível fazer divisões de 2 em 2 minutos. FLANGE PORTA PLACA - Para

Leia mais

Linha Telecom m Teleco

Linha Telecom m Teleco Linha Telecom Telecom Linha Telecom Esteiras para telecomunicações... 93 Sistema para condução e distribuição do cabeamento, constituído de barra chata de aço carbono, muito utilizado como solução no cabeamento

Leia mais

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com TÉCNICA DA NITRETAÇÃO A PLASMA BR 280 KM 47 GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com A Nitrion do Brasil, presente no mercado brasileiro desde 2002,

Leia mais

TOOLS NEWS. Corpo de alta rigidez desenvolvido com tecnologia de ponta. Disponível em comprimentos de 2 ~ 6xD B202Z. Broca intercambiável MVX

TOOLS NEWS. Corpo de alta rigidez desenvolvido com tecnologia de ponta. Disponível em comprimentos de 2 ~ 6xD B202Z. Broca intercambiável MVX TOOLS NEWS Atualiz. 2014.7 B202Z Broca intercambiável Novo quebra-cavaco US Corpo de alta rigidez desenvolvido com tecnologia de ponta. Disponível em comprimentos de 2 ~ 6xD Broca intercambiável 4 arestas

Leia mais

VÁLVULAS MANIFOLD MANIFOLD 3 VIAS MANIFOLD 5 VIAS

VÁLVULAS MANIFOLD MANIFOLD 3 VIAS MANIFOLD 5 VIAS MANIFOLD As válvulas Manifold, produzidas pela Detroit, foram desenvolvidas e dimensionadas para tornar uma tubulação de instrumentos de diferencial de pressão mais simples, mais segura e mais confiável.

Leia mais

Treinamento Técnico. 1. Sem acabamento 2. Zincado (branco) 3. Fosfatizado 4. Bicromatizado (amarelo) 6. Niquelado

Treinamento Técnico. 1. Sem acabamento 2. Zincado (branco) 3. Fosfatizado 4. Bicromatizado (amarelo) 6. Niquelado DIVERSOS 1 - T ipos de materiais Treinamento Técnico 1. Fibra celerom composto com resina 2. Alumínio 3. Cobre 4. Latão 5. Ferro 5. (definição na cabeça do parafuso) 6. Aço., 1.9 e 12.9 (definição na

Leia mais

Objeto: EDITAL Nº 008/2011 - PROCESSO Nº 9966/2010 - PREGÃO PRESENCIAL RP - AQUISIÇÃO DE MATERIAIS PARA SERRALHERIA. Itens:

Objeto: EDITAL Nº 008/2011 - PROCESSO Nº 9966/2010 - PREGÃO PRESENCIAL RP - AQUISIÇÃO DE MATERIAIS PARA SERRALHERIA. Itens: IVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Página: 1 / 15 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 1.05.020-000001 1.12.013-000014 1.12.013-000016 1.12.013-000010 1.10.030-000005

Leia mais

Chumbadores Mecânicos

Chumbadores Mecânicos Chumbadores Mecânicos Líder de mercado na maioria dos países europeus; O mais alto nível de atendimento ao cliente do segmento industrial; Excelente imagem da marca: 92% dos engenheiros de estruturas e

Leia mais

ENSAIO DE DUREZA EM-641

ENSAIO DE DUREZA EM-641 ENSAIO DE DUREZA DEFINIÇÃO: O ensaio de dureza consiste na aplicação de uma carga na superfície do material empregando um penetrador padronizado, produzindo uma marca superficial ou impressão. É amplamente

Leia mais

UERJ CRR FAT Disciplina ENSAIOS DE MATERIAIS A. Marinho Jr

UERJ CRR FAT Disciplina ENSAIOS DE MATERIAIS A. Marinho Jr Tópico 05 ENSAIOS MECÂNICOS - DUREZA Parte A - Dureza Brinell Introdução A dureza de um material é uma propriedade difícil de definir, que tem diversos significados dependendo da experiência da pessoa

Leia mais

QUESTÃO 24 PETROBRÁS / 2008

QUESTÃO 24 PETROBRÁS / 2008 QUESTÃO 24 PETROBRÁS / 2008 Um esforço axial de tração gera os valores máximos de tensão (A) normal na seção transversal e de cisalhamento em um plano a 45 o. (B) normal na seção transversal e de cisalhamento

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DE AÇO INOXIDÁVEL

MANUAL TÉCNICO DE AÇO INOXIDÁVEL MANUAL TÉCNICO DE AÇO INOXIDÁVEL Manual Técnico de Aço Inoxidável Índice 1. INTRODUÇÃO...59 2. FABRICAÇÃO DO INOX...60 3. APLICABILIDADE DO AÇO INOXIDÁVEL...61 3.1 - Aço Inoxidável Austenítico...61 3.2

Leia mais

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%).

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%). ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 3 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos. 31 de março, 2003. AÇOS PARA ARMADURAS 3.1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA Aço é uma liga metálica composta principalmente

Leia mais

endurecíveis por precipitação.

endurecíveis por precipitação. Introdução Tipos de Aços Inoxidáveis Aço inoxidável é o nome dado à família de aços resistentes à corrosão e ao calor contendo no mínimo 10,5% de cromo. Enquanto há uma variedade de aços carbono estrutural

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS

GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS 1 NITRAMET TRATAMENTO DE METAIS LTDA PABX: 11 2192 3350 nitramet@nitramet.com.br GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS Austêmpera Tratamento isotérmico composto de aquecimento até a temperatura

Leia mais

Preparativos Antes da Montagem

Preparativos Antes da Montagem Preparativos Antes da Montagem Manter o local da montagem seco e livre de poeira. Observar a limpeza do eixo, alojamento e das ferramentas. Organizar a área de trabalho. Selecionar as ferramentas adequadas

Leia mais

ULTRA-SOM MEDIÇÃO DE ESPESSURA PROCEDIMENTO DE END PR 036

ULTRA-SOM MEDIÇÃO DE ESPESSURA PROCEDIMENTO DE END PR 036 Página: 1 de 5 1. OBJETIVO Este procedimento fixa as condições mínimas do ensaio não destrutivo por meio de ultra-som para medição de espessura em materiais metálicos, em exames de qualificação do Sistema

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS. Rua Des. Antonio de Paula, 848 Boqueirão Curitiba PR acossulnorte@acossulnorte.com.br www.acossulnorte.com.

CATÁLOGO DE PRODUTOS. Rua Des. Antonio de Paula, 848 Boqueirão Curitiba PR acossulnorte@acossulnorte.com.br www.acossulnorte.com. F o n e : ( 4 1 ) 3 0 9 1-6 9 0 0 Rua Des. Antonio de Paula 848 Boqueirão Curitiba PR acossulnorte@acossulnorte.com.br w w w. a c o s s u l n o r t e. c o m. b r CATÁLOGO DE PRODUTOS MATRIZ BARRAS CANTONEIRAS

Leia mais

BT 0156 BOLETIM TÉCNICO FIXADORES LINHA DRYWALL E STEEL FRAME DANILO P. P. DE ALMEIDA, MARCO ANTONIO SOARES MATOS. Verificadores:

BT 0156 BOLETIM TÉCNICO FIXADORES LINHA DRYWALL E STEEL FRAME DANILO P. P. DE ALMEIDA, MARCO ANTONIO SOARES MATOS. Verificadores: BT 0156 BOLETIM TÉCNICO FIXADORES LINHA DRYWALL E STEEL FRAME Elaborador: Verificadores: Aprovador: DIEGO RAFAEL CAMERA DANILO P. P. DE ALMEIDA, MARCO ANTONIO SOARES MATOS DIEGO RAFAEL CAMERA LINHA DRYWALL

Leia mais

CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA

CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA 1 Cada candidato receberá: CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA - 01 (um) Caderno de Prova de 10 (dez) páginas, contendo 25 (vinte e cinco) questões de múltipla

Leia mais

Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid

Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid Tensão Propriedades Mecânicas: Tensão e Deformação Deformação Elástica Comportamento tensão-deformação O grau com o qual a estrutura cristalina

Leia mais

Informações Técnicas Propriedades Mecânicas

Informações Técnicas Propriedades Mecânicas Informações Técnicas Propriedades Mecânicas Resistência a Limite de Carga de Grau de Tração Escoamento Alongam. Redução Dureza Prova de Área Resistência (kgf/mm2) (kgf/mm2) (kgf/mm2) min. máx. min. (%)

Leia mais

Ensaio de torção. Diz o ditado popular: É de pequenino que

Ensaio de torção. Diz o ditado popular: É de pequenino que A UU L AL A Ensaio de torção Diz o ditado popular: É de pequenino que se torce o pepino! E quanto aos metais e outros materiais tão usados no nosso dia-a-dia: o que dizer sobre seu comportamento quando

Leia mais

- Bibliografia Recomendada

- Bibliografia Recomendada 1 7 a aula - ELETRODOS REVESTIDOS - Bibliografia Recomendada 1) Soldagem Processos e Metalurgia Capítulo 2b 2) Normas da AWS A5.1-81, A5.5-81 e demais normas 3) Catálogo de fabricantes de eletrodos revestidos

Leia mais

Processos de Fabrico. Ensaios de Dureza. A. M. Vasconcelos Lima

Processos de Fabrico. Ensaios de Dureza. A. M. Vasconcelos Lima Processos de Fabrico 1 É um dos ensaios mais comuns para avaliar e controlar as propriedades mecânicas dos materiais e dos processos tecnológicos. As aplicações destes ensaios incluem: Determinação da

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 02

PROVA ESPECÍFICA Cargo 02 18 PROVA ESPECÍFICA Cargo 02 QUESTÃO 41 As afirmativas a seguir tratam das características de alguns dos tratamentos térmicos aplicados aos aços. Verifique quais são verdadeiras (V) ou falsas (F) e marque

Leia mais

VÁLVULAS SISTEMAS DA QUALIDADE E AMBIENTAL CERTIFICADOS CONFORME ISO 9001:2000, ISO/TS 16949:2002 E ISO 14001:2004

VÁLVULAS SISTEMAS DA QUALIDADE E AMBIENTAL CERTIFICADOS CONFORME ISO 9001:2000, ISO/TS 16949:2002 E ISO 14001:2004 VÁLVULAS ÍNDICE Válvulas de agulha Série 2700... 02 Válvulas Manifold Série 2700... 08 Manifold 2 Vias... 10 Manifold 3 Vias... 13 Suporte para Manifold de 3 Vias... 16 Válvulas miniatura Série 1800...

Leia mais

mangueiras hidráulicas

mangueiras hidráulicas mangueiras hidráulicas CONEXÕESLINHFLRELESS informações técnicas Nossas conexões são fabricadas em aço carbono, aço inoxidável e latão obedecendo as convenções a: aço carbono i: aço inoxidável l:latão

Leia mais

Introdução. Torneamento. Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo.

Introdução. Torneamento. Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo. Prof. Milton Fatec Itaquera Prof. Miguel Reale / 2014 Introdução Torneamento Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo. Tornos Tornos são máquinas-ferramenta que permitem

Leia mais

BT 0001 BOLETIM TÉCNICO - WEDGE-BOLT

BT 0001 BOLETIM TÉCNICO - WEDGE-BOLT BT 0001 BOLETIM TÉCNICO - WEDGE-BOLT Elaborador: Verificadores: Aprovador: DIEGO RAFAEL CAMERA DANILO P. P. DE ALMEIDA DIEGO RAFAEL CAMERA WEDGE-BOLT Chumbador mecânico, tipo parafuso. Descrição Wedge-Bolt

Leia mais

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE

TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE BARRAS E PERFIS AÇO PARA INDÚSTRIA TUDO PARA VOCÊ FAZER UM TRABALHO DE QUALIDADE Ao usar a ampla linha de Barras e Perfis Gerdau, você coloca mais qualidade no seu trabalho. Cada produto foi desenvolvido

Leia mais

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade.

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade. Aula 10: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas emprwegadas 02:

Leia mais

Critérios de falha. - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro;

Critérios de falha. - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro; Critérios de falha - determinam a segurança do componente; - coeficientes de segurança arbitrários não garantem um projeto seguro; - compreensão clara do(s) mecanismo(s) de falha (modos de falha); -aspectos

Leia mais

Brocas Escalonadas para Telhas Arcos de Pua Garra para Mandril de Arco de Pua Verrumas para Arco de Pua. Verrumas Manuais. Ferros de Pua Mathieson

Brocas Escalonadas para Telhas Arcos de Pua Garra para Mandril de Arco de Pua Verrumas para Arco de Pua. Verrumas Manuais. Ferros de Pua Mathieson Brocas para Madeira Brocas de 3 Pontas Brocas de 3 Pontas para Mourão Brocas para Fibrocimento e Mourão Brocas em Aço Cromo 46 47 48 48 Brocas Escalonadas para Telhas Arcos de Pua Garra para Mandril de

Leia mais

CATÁLOGO DE METROLOGIA

CATÁLOGO DE METROLOGIA CATÁLOGO DE METROLOGIA 1 PAQUÍMETRO PAQUÍMETRO UNIVERSAL PAQUÍMETRO UNIVERSAL (MD) capacidade LEITURA 141-112 0-150mm / 0-6 0,02mm / 0,001 141-113 0-150mm / 0-6 0,05mm / 1/128 141-114 0-200mm / 0-8 0,02mm

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Soldagem MIG/MAG MIG e MAG indicam processos de soldagem por fusão que utilizam o calor de um arco elétrico formado entre um eletrodo metálico consumível

Leia mais

A RAWL, empresa pioneira em fixações a LOBO em parafusaria e a BÜLTE em produtos de nylon, são exemplo do cuidado que temos na escolha dos parceiros e produtos, que além de manterem em desenvolvimento

Leia mais

TW104 TW105 TW106 TW114 TW204 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE.

TW104 TW105 TW106 TW114 TW204 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. TW104 TW105 TW106 TW114 TW204 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. BROCAS PARA APLICAÇÃO GERAL LENOX-TWILL DESENVOLVIDAS PARA FURAR UMA AMPLA GAMA DE MATERIAIS, PROPORCIONANDO DESEMPENHO EFICIENTE COM EXCELENTE

Leia mais

MATERIAIS BASE PLACAS ALVENARIA PEDRA NATURAL CONCRETO FIXAÇÃO MECÂNICA

MATERIAIS BASE PLACAS ALVENARIA PEDRA NATURAL CONCRETO FIXAÇÃO MECÂNICA 29 30 Há muitas formas de se realizar uma fixação mecânica em concreto, alvenaria e outros materiais base. Às vezes torna-se difícil determinar qual é o processo mais apropriado, pois, na maioria dos casos

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA ENGENHARIA MECÂNICA INDUSTRIAL Análise dos Parâmetros que Influenciaram a Falha dos Parafusos Calibrados Aço1045 A do Acoplamento de Engrenagem da Mesa Giratória ria do Laminador

Leia mais

Parafusos III. Até agora você estudou classificação geral. Parafuso de cabeça sextavada

Parafusos III. Até agora você estudou classificação geral. Parafuso de cabeça sextavada A U A UL LA Parafusos III Introdução Até agora você estudou classificação geral dos parafusos quanto à função que eles exercem e alguns fatores a serem considerados na união de peças. Nesta aula, você

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO LINHA DURS INSULATION

BOLETIM TÉCNICO LINHA DURS INSULATION BT 0005 BOLETIM TÉCNICO LINHA DURS INSULATION LINHA DURS INSULATION Fixadores autoperfurantes em aço carbono. Descrição Fixador autoperfurante com design exclusivo em aço carbono e marca H na cabeça. Tem

Leia mais

Ensaio de tração: cálculo da tensão

Ensaio de tração: cálculo da tensão Ensaio de tração: cálculo da tensão A UU L AL A Você com certeza já andou de elevador, já observou uma carga sendo elevada por um guindaste ou viu, na sua empresa, uma ponte rolante transportando grandes

Leia mais

OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO

OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO O produto OXY-PRIMER é um tipo de tinta de cobertura cimentosa que não é composto de resinas normais, mas que adere como cimento. O cimento adere

Leia mais

BARRAS ROSCADA, PORCAS E ARRUELAS

BARRAS ROSCADA, PORCAS E ARRUELAS BARRAS ROSCADA, PORCAS E ARRUELAS APLICAÇÕES GERAIS 1 APRESENTAÇÃO: 1.1 Descrição As barras roscadas, porcas e arruelas são confeccionadas em aço carbono e inoxidável, com rosca padrão polegada e que atende

Leia mais

Uso de ferramentas. Um aprendiz de mecânico de manutenção. Ferramentas de aperto e desaperto

Uso de ferramentas. Um aprendiz de mecânico de manutenção. Ferramentas de aperto e desaperto A U A UL LA Uso de ferramentas Um aprendiz de mecânico de manutenção verificou que uma máquina havia parado porque um parafuso com sextavado interno estava solto. Era preciso fixá-lo novamente para pôr

Leia mais

Onde há óleo ou há água, há Xylan

Onde há óleo ou há água, há Xylan Fastener brochure BRZ 3-12_Layout 1 8/16/12 3:17 PM Page 1 Xylan oferece benefícios para plataformas petrolíferas... Oferece resistência controlada ao atrito e corrosão... Xylan mantém parques eólicos

Leia mais

V Á L V U L A S SÉRIE 2700

V Á L V U L A S SÉRIE 2700 V Á L V U L A S SÉRIE 2700 Válvulas de agulha compactas de alta confiabilidade e versatilidade para controle de processos e uso geral na indústria. As modernas válvulas de agulha Série 2700 da Detroit

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para Celulose & Papel

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para Celulose & Papel Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Tintas Soluções para Celulose & Papel Soluções para Celulose e Papel A WEG Tintas fornece tecnologia em tintas para diversos tipos de ambientes

Leia mais

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1 CORTE DOS METAIS INTRODUÇÃO: Na indústria de conformação de chapas, a palavra cortar não é usada para descrever processos, exceto para cortes brutos ou envolvendo cortes de chapas sobrepostas. Mas, mesmo

Leia mais

A TECNOLOGIA APLICADA EM TUBOS E PERFIS WWW.STARTECNOLOGIA.COM.BR. FERRITES & IMPEDERS APLICAÇÕES

A TECNOLOGIA APLICADA EM TUBOS E PERFIS WWW.STARTECNOLOGIA.COM.BR. FERRITES & IMPEDERS APLICAÇÕES FERRITES & IMPEDERS APLICAÇÕES 1 FERRITES Os ferrites são produzidos com óxido de ferro, cobalto, níquel, manganês e zinco. Após misturados são prensados de acordo com o perfil desejado. É sinterizado

Leia mais

Um corpo é submetido ao esforço de cisalhamento quando sofre a ação de um carregamento (força cortante) que atua na direção transversal ao seu eixo.

Um corpo é submetido ao esforço de cisalhamento quando sofre a ação de um carregamento (força cortante) que atua na direção transversal ao seu eixo. 47 8. CISALHAMENTO Um corpo é submetido ao esforço de cisalhamento quando sofre a ação de um carregamento (força cortante) que atua na direção transversal ao seu eixo. A tensão de cisalhamento ( ) é obtida

Leia mais

INFORMAÇÕES TÉCNICAS MANDRIL DIN 69893 / ISO 12164-1

INFORMAÇÕES TÉCNICAS MANDRIL DIN 69893 / ISO 12164-1 INFORMÇÕES TÉCNICS MNDRI DIN 69893 / ISO 12164-1 Características das diferentes formas FORM 1 Forma : Forma preferencial para centros de usinagem. - Troca automática de ferramentas. - Chavetas de arraste

Leia mais

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO De acordo com o meio corrosivo e o material, podem ser apresentados diferentes mecanismos. Os principais são: MECANISMO QUÍMICO

Leia mais

Portaria n.º 114, de 14 de março de 2014. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 114, de 14 de março de 2014. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 114, de 14 de março de 2014. CONSULTA

Leia mais

A N E X O V I I I M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E L I N H A S E R E D E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O S U B M E R S A S

A N E X O V I I I M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E L I N H A S E R E D E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O S U B M E R S A S A N E X O V I I I M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E L I N H A S E R E D E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O S U B M E R S A S C A T Á L O G O R E F E R E N C I A L DE M Ó D U L O S P A D R Õ E S D

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAL PARA TUBOS

ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAL PARA TUBOS ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAL PARA TUBOS ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAL COMPOSICÃO QUÍMICA PROCESSO DE FABRICAÇÃO PROPRIEDADES MECÂNICAS ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CONTROLE DE QUALIDADE TENSÕES ADMISSÍVEIS EMPREGO

Leia mais

Furação NOMENCLATURA A B C D E F G H I J K L M N O P Q

Furação NOMENCLATURA A B C D E F G H I J K L M N O P Q NOMENCLATURA A B C D E F G H I J K L M N O P Q Comprimento Total Haste Corpo Extremidade cônica neste comprimento Largura do Campo Largura das Costas Ângulo da Ponta Aresta Principal de Corte Diâmetro

Leia mais

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS. Introdução

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS. Introdução COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS Introdução Os aços inoxidáveis austeníticos são facilmente soldados com ou sem arame de enchimento. Ë considerável a utilização

Leia mais

HUS-P 6 / HUS-I 6 Fixação por parafuso para aplicação em lajes de núcleo vazado pré-esforçadas pré-fabricadas

HUS-P 6 / HUS-I 6 Fixação por parafuso para aplicação em lajes de núcleo vazado pré-esforçadas pré-fabricadas HUS-P 6 / HUS-I 6 Fixação por para aplicação pré-esforçadas pré-fabricadas Versão da ancoragem HUS-P 6 Parafuso para betão em aço carbono HUS-I 6 Parafuso para betão em aço carbono com rosca interna M8

Leia mais

Aços Longos. Barras Trefiladas

Aços Longos. Barras Trefiladas Aços Longos Barras Trefiladas Soluções em aço seguro e sustentável. Resultado da união dos dois maiores fabricantes mundiais de aço, a ArcelorMittal está presente em mais de 60 países, fabricando Aços

Leia mais

Materiais Aço Inox /Aço Carbono

Materiais Aço Inox /Aço Carbono Materiais Aço Inox /Aço Carbono DEFINIÇÕES DOS AÇOS Aço Carbono: Uma liga ferrosa em que o carbono é o principal elemento de liga. Aço Inoxidável: Uma liga de aço altamente resistente a corrosão em uma

Leia mais

Tratamento térmico. A.S.D Oliveira

Tratamento térmico. A.S.D Oliveira Tratamento térmico Porque fazer Tratamentos Térmicos? Modificação de propriedades sem alterar composição química, pela modificação da microestrutura Sites de interesse: www.infomet.com.br www.cimm.com.br

Leia mais

SUPORTES DE SOLO SUPORTE DE SOLO PARA EXTINTOR EM ALUMINIO POLIDO MODELO AP E PQS

SUPORTES DE SOLO SUPORTE DE SOLO PARA EXTINTOR EM ALUMINIO POLIDO MODELO AP E PQS CATALO DE PRODUTOS SUPORTES DE SOLO SUPORTE DE SOLO PARA EXTINTOR EM ALUMINIO POLIDO MODELO AP E PQS SUPORTE DE SOLO PARA EXTINTOR EM ALUMINIO E PINTURA EPOXI VERMELHO MODELO AP E PQS Aba na base que impede

Leia mais

- Válvulas com Flange -

- Válvulas com Flange - Procedimentos de Montagem e Manutenção - Válvulas com Flange - Para Sistemas de Vapor, Óleo Térmico e Outros Processos Industriais. Em uma instalação industrial de aquecimento, devem ser previstas facilidades

Leia mais

Soldagem de manutenção II

Soldagem de manutenção II A UU L AL A Soldagem de manutenção II A recuperação de falhas por soldagem inclui o conhecimento dos materiais a serem recuperados e o conhecimento dos materiais e equipamentos de soldagem, bem como o

Leia mais

DUREZA DE CORPOS SINTERIZADOS Por Domingos T. A. Figueira Filho

DUREZA DE CORPOS SINTERIZADOS Por Domingos T. A. Figueira Filho DUREZA DE CORPOS SINTERIZADOS Por Domingos T. A. Figueira Filho 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS. Como os corpos sinterizados são compostos de regiões sólidas e poros, os valores de macrodureza determinados pelos

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 8 SOLDAGEM MIG/MAG

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 8 SOLDAGEM MIG/MAG 53 CAPÍTULO 8 SOLDAGEM MIG/MAG 54 PROCESSO MIG/MAG (METAL INERT GAS/METAL ACTIVE GAS) MIG é um processo por fusão a arco elétrico que utiliza um arame eletrodo consumível continuamente alimentado à poça

Leia mais