A CAVALARIA COMO IMAGEM DE MUNDO: a fotografia e as ambivalências da imagem THE CAVALRY AS WORLD IMAGE: the photography and the image s ambivalence

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A CAVALARIA COMO IMAGEM DE MUNDO: a fotografia e as ambivalências da imagem THE CAVALRY AS WORLD IMAGE: the photography and the image s ambivalence"

Transcrição

1 A CAVALARIA COMO IMAGEM DE MUNDO: a fotografia e as ambivalências da imagem THE CAVALRY AS WORLD IMAGE: the photography and the image s ambivalence Ada Cristina Machado da Silveira 1 Resumo: O texto circunscreve aspectos da complexidade significacional de uma imagem técnica que atravessou um século e meio acumulando sedimentos oriundos da vida pública brasileira. Buscando-se adentrar o campo do imaginário que a circunda, percebe-se que se trata de uma imagem utilizada como arsenal para muitas batalhas, dada sua evocação do simbolismo da cavalaria. Ao conectar imagem e imaginário, a fotografia dos oito cavaleiros converteu-se num objeto simbólico. Em meio à ambivalência em que se inscreve, consagrou-se como texto fundador que, partindo da ordem familiar, social e política, concede precedência ao militarismo e o concebe como um poder organizador na vida brasileira. Palavra chave: Imagem. Fotografia. Imaginário. Abstract: The text limited aspects of signifying complexity of an imaging technique that spanned half a century accumulating sediments coming from the Brazilian public life. Seeking to enter the imaginary field that surrounds it, you realize that this is an image used as arsenal for many battles, given its evocation of cavalry symbolism. When connecting image and imaginary, the picture of the eight horsemen has become a symbolic object. Amid the ambivalence in which it is included, it was consecrated as a founding text, starting from the family, social and political, gives precedence to militarism and conceives it as an organizing power in Brazilian life. Keywords: Image. Photography. Imaginary. 1. Introdução O presente texto circunscreve aspectos da complexidade significacional de uma imagem técnica que atravessou um século e meio acumulando sedimentos oriundos da vida pública brasileira, buscando-se adentrar o campo do imaginário que a circunda. Uma imagem que provém do Segundo Reinado e permanece em sua transição para uma nova imaginária, decorrente da proclamação da República. Os requerimentos de legitimação simbólica, fruto de novas demandas sócio-políticas, apontam a indagação sobre como o registro fotográfico em questão alcançou estabilizar-se numa dada esfera de culto. Cabe perguntar o que a imagem técnica interpela, especialmente quando ela se converte em / page 1/21 / Nº Documento: 5DBCFB90-580F-475B-B A4C020D4

2 material iconográfico, e a que determinações sócio-históricas ela atende. Expõe-se o caso de uma fotografia do panteão republicano, precessora daquilo que se tornaria inseparável na imaginária do século XX, a guerra e sua fotografia. Trata-se de uma imagem técnica utilizada como arsenal para muitas batalhas dada sua evocação do simbolismo inequívoco da cavalaria como matriz de sentido. Mesmo que nela não figurem cavalos, também não se encontra o semblante daquele que, provavelmente, foi seu grande motivador. A fotografia teria sua semiose reconhecida como um testemunho da caça à alteridade comum, o inimigo estrangeiro que ameaçava a soberania brasileira. Francisco Solano López, um homem que, personificando a governança do Paraguai, ao estar ausente na imagem, a ela concede reconhecimento. E é assim que a fotografia passou a integrar o acervo da Biblioteca Nacional, ao registrar a imagem de seus algozes, o comandante do Estado Maior e seu homem de confiança, cercados de seus achegados. Por outro lado, a fotografia em apreço inscreve sua performance no tema da cavalaria. A conservação da matéria cavaleiresca ainda no século XXI permite constatar como é possível alimentar a memória e posicionar uma faceta sua, o militarismo, para além dos regimes políticos. Em sua condição de imagem técnica, a fotografia reanima um passado remoto e penumbroso (SONTAG, 2006, p. 230), encerrando uma circularidade que a permite atestar a percepção histórica que ela, por sua vez, estimulou: La noción primitiva de la eficacia de las imágenes supone que las imágenes poseen las cualidades de las cosas reales, pero nosotros propendemos a atribuir a las cosas reales las cualidades de una imagen (SONTAG, 2006, p. 222). O texto está subdividido em cinco sessões. Após a introdução, apresenta-se uma / page 2/21 / Nº Documento: 5DBCFB90-580F-475B-B A4C020D4

3 problematização semiótica da composição desde sua perspectiva formal, buscando delimitar o registro visual. Na terceira sessão, debatem-se aspectos da instituição da cavalaria e a imagem de mundo que convoca para, na quarta, contrastar as consequências da concretude do material fotográfico com aspectos de sua concepção imaginária. Ao final, articula-se a competência expressiva da fotografia com a ativação do imaginário político. 2. As armas e os brasões assinalados A fotografia teria sido tomada no final da Guerra da Tríplice Aliança, a popular Guerra do Paraguai ( ). Trata-se de oito homens que, como poderia ocorrer a um bando qualquer, apeia de seus cavalos e interrompe a faina militar para posar, dado que, no século XIX, como agora, fotografar é conferir importância (SONTAG, 2006, p.49). O conjunto de homens permite sintetizar sua leitura prévia nalgumas singularidades, testemunhos e designação. Das singularidades aponta-se o desalinho de uma figura barbuda, o ar de ausência do tocador de corneta, os olhos crispantes de vários homens, o ar zombeteiro e a confiança do acotovelado, o improviso no fardamento. A imagem como testemunho certifica a existência de um grupo formal de oito homens liderados por um deles, organizados em função de um acontecimento de ordem militar. A designação permite identificar além dos homens munidos de espadas, uniformes, uma flâmula e corneta que concorrem para estabelecer a datação do acontecimento fotográfico (FIG.1): FIG. 1 - Os oito cavaleiros / page 3/21 / Nº Documento: 5DBCFB90-580F-475B-B A4C020D4

4 Fonte: Não é motivo do presente texto indagar a motivação histórica do porquê de oito homens haverem-se reunido um certo dia para um retrato conjunto. No entanto, algo do propósito do registro visual, seu fotógrafo e equipamento poderiam, talvez, esclarecer a natureza da demanda, se pessoal, coletiva ou institucional, com vistas a elucidar aspectos de sua inscrição imaginária. Na publicação organizada por Sales (2003) que selecionou fotografias significativas das coleções da Biblioteca Nacional e da Guerra do Paraguai, pouco está referido acerca das circunstâncias que proporcionaram o registro, seu tempo e lugar e, principalmente, a identidade de todos os indivíduos ali retratados. Como grupo que lutava a morte, os cavaleiros testemunham sua mobilização para um mandato supremo: dar fim ao mais sangrento conflito na história da América do Sul. Sua imagem técnica tem sido utilizada para fazer próxima uma realidade distante ou, também, a irrealidade que de seus feitos se projetou. Um historiador de fotografia uruguaio algo esclarece quando analisa os comentários registrados num jornal local sobre a atividade fotográfica do imigrante Masoni, instalado em Montevideo, os quais permitem recuperar o sentido de irmandade instalado entre brasileiros e uruguaios no período: / page 4/21 / Nº Documento: 5DBCFB90-580F-475B-B A4C020D4

5 Durante la Guerra de la Triple Alianza, acontecimiento que incrementó notoriamente la labor de los fotógrafos, se ocupó de retratar a buena parte de la oficialidad brasileña según referencia de La Tribuna del 11 de abril de 1865: [ ] Nos parece que los señores oficiales brasileros deberían hacerse retratar en esa casa [estúdio fotográfico], para que al mirar sus retratos todos reunidos, pudiéramos decir: He aquí los retratos de los valientes jefes y oficiales brasileros que coadyuvaron en darnos la libertad (VARESE, 2013, p. 101). A composição, alinhando duas filas de cavaleiros, desacredita qualquer refinamento à usança na época. A vista frontal atesta a colaboração voluntariosa dos modelos. Os motivos para fotografar ainda não continham um apelo jornalístico, embora não se possa descartar uma certa consciência do horizonte histórico que viviam. No entanto, isso agora importa pouco frente à fortuna midiática que lhe foi conferida. Talvez para seus figurantes se tratasse de um registro do abraço da experiência. Velhos companheiros de guerra que sossegam um momento após sua cruzada ao inferno. Mas do semblante cerimonioso emerge algo ameaçador, o registro do mandato de um certo tempo presente quando albergava um determinado projeto. Antes de tratar disso, algum detenimento na imagem se faz necessário A espectralidade e os limites do registro visual A representação verbal de um registro visual situa o que Eco (2007) aponta como definição clássica da ecfrasis. Na presente situação, trata-se da tentativa de tradução intersemiótica de um nível a outro com vistas a esclarecer algo de seu propósito ou de suas competências. Na fotografia em apreço, observa-se o sentido da temporalidade firmado no acabamento circular nos cantos da imagem, emprestando um ar de época. Esse tipo de enquadre enseja relatar que um grupo de homens organiza-se para um retrato coletivo. São oito homens irmanados num mesmo fardamento escuro. Calçando botas e vestindo / page 5/21 / Nº Documento: 5DBCFB90-580F-475B-B A4C020D4

6 cinturões com galões, calça, casaca e quepe idênticos. Apenas um tem os botões metalizados da casaca abertos, expondo um colete de mesmo aspecto, sobressaído em função de que somente foi abrochado o botão junto ao colarinho. Os bonés estão posicionados aleatoriamente sobre suas cabeças. Um homem sentado ao centro da imagem carrega uma flâmula em sua espada. Os membros das extremidades encerram um plano côncavo, com os membros sentados mirando para frente, enquanto os de pé miram ao centro do campo visual. As duas duplas do interior do grupo jogam papéis distintos. A dupla sentado-em pé da esquerda mira para fora, à direita do campo visual e a sua própria esquerda. A dupla sentado-em pé da direita mira a lente fixamente. São cinco os homens que miram diretamente a lente do aparato de registro visual: os homens do extremo esquerdo de baixo e de cima e talvez o do canto superior direito, ademais do homem que carrega a flâmula e o que está atrás dele. Três homens têm a mirada desviada: o homem de barba clara e o que detrás lhe respalda, mirando para sua direita (fora do quadro de imagem) e o homem do canto inferior direito que mira para sua esquerda (fora do quadro de imagem). Os três, portanto, enviam sinais de descentramento e vigilância aos cinco que afrontam o fotógrafo. Os quatro homens em pé, postados exatamente ao espaldar dos quatro homens sentados, estão encostados num grupo de três que se aparta do quarto homem. O quarto homem, ou o primeiro homem da direita para a esquerda da imagem, porta na mão esquerda uma corneta em cujas voltas distribuem-se seus dedos. Pode-se visualizar uma espada alinhada ao longo de sua perna esquerda e um bastão sobressai de sua espalda direita (FIG.2): FIG. 2 - O alinhamento das figuras na imagem / page 6/21 / Nº Documento: 5DBCFB90-580F-475B-B A4C020D4

7 Fonte:elaboração sobre A condição cavaleira afirma-se na presença dos rebenques sustentados pela mão direita sobre a perna do primeiro e do terceiro homem da esquerda para a direita da imagem. Eles suportam o braço esquerdo apoiado sobre a espada na altura do coração. A resolução na empunhadura da linha de quatro espadas levemente inclinadas à esquerda da imagem pode ser tomada como evidência de uma formação disciplinar comum. Distribuídos em duas fileiras de quatro corpos, uma postada à frente da outra, a imagem exibe quatro homens sentados acotovelados que mantêm suas pernas abertas. Estão sobre cadeiras coladas lateralmente. Contam-se pelo menos seis pernas de cadeiras na imagem e quatro travas. O braço direito de quatro homens está flexionado, descansado sobre a perna direita. A proximidade dos corpos permite, no entanto, o desafio insolente de um antebraço apoiado no ombro de seu companheiro da esquerda, bem como o apoio do outro antebraço sobre o ombro do homem sentado a sua frente. O ar folgazão do acotovelado denuncia seu enfado com o prolongado período que se devia sustentar a pose até que todo o grupo estivesse devidamente alinhado e o registro luminoso produzisse marcas na película com sais de prata. O cotovelo confiado sobre o ombro do colega desafiaria principalmente velhas condutas de decoro na / page 7/21 / Nº Documento: 5DBCFB90-580F-475B-B A4C020D4

8 conduta e na imaginária, conforme recorda Sontag (2006, p. 239). Por outro lado, sua irreverência frente à gravidade do momento evidencia tergiversar entre os domínios privado e público na composição do grupo. Ademais, o espaço entre seu tórax e o do homem a sua esquerda evidencia o giro de seu corpo em anteparo ao centro do grupo, bem como seu apoio físico sobre os ombros dos dois companheiros que o cercam ao lado e à frente. Os dois homens do centro da linha superior têm seus corpos eretos e quase sem inclinações. O homem em pé que sustenta com seu ombro o cotovelo do homem da lateral direita possui o braço esquerdo dobrado com o punho encostado à linha de botões de seu traje. Ele, por sua vez, mostra seu cotovelo encostado ao tórax do homem ao lado esquerdo que mantém o corpo levemente inclinado na direção do companheiro que lhe aponta o cotovelo (FIG.3): FIG. 3 - Os pontos de contato Fonte: elaboração sobre Os oito homens estão agrupados. Sete corpos amembrados pelo contato físico e um oitavo corpo desmembrado do grupo. O equilíbrio dos volumes da linha superior força uma perspectiva que se angula à direita do espectador no extremo superior, enfatizada pela distância do tocador de / page 8/21 / Nº Documento: 5DBCFB90-580F-475B-B A4C020D4

9 corneta em pé; ele encontra-se afastado dos outros três que também se encontram em pé. O homem à extrema esquerda superior da imagem está adentrado ao quadro e desguarnece o espaldar do seu companheiro à frente. A perspectiva do grupo tem seu ponto de fuga fixado no ângulo superior direito, justo no espaço isolado do corpo do corneteiro que o inclina para a esquerda do grupo, em direção ao extremo da imagem. A estatura corporal dos homens em pé é bastante aproximada, sendo o homem localizado no centro, à esquerda da imagem, um pouco mais baixo que os demais. A corporeidade dois oito homens é aproximada, sobressaindo-se o avantajado abdome do homem de barba clara sentado na linha à frente. Em sete dos cavaleiros a tez é clara e num único é escura. Os corpos sentados das extremidades estão relaxados sobre as cadeiras. Um tem as pernas retraídas e o outro as mantém distendidas. Os quatro mantêm os joelhos abertos como é próprio da fisicultura dos cavaleiros. As cabeças estão alinhadas frontalmente em direção ao fotógrafo. Os queixos estão colocados de maneira reta e um único se destaca pelo queixo elevado, imprimindo um ar de desafio com sua figura, apoiada ademais sobre seu companheiro da esquerda e o de baixo, os quais facultam a sustentação de seus cotovelos sobre os ombros. As faces voltadas para a lente concedem um ar solene e voluntário ao ato de registro visual. Os olhos crispados de vários deles interpõem um elemento resolutivo ao grupo e incrementam sua comunhão de interesses. A cavidade ocular do terceiro homem da esquerda para a direita da linha superior não permite a visualização de seus olhos. O registro do olhar do homem de tez escura não contou com luz suficiente para conceder-lhe nitidez, ou fora talvez proporcionada por um repentino movimento de cabeça no momento do disparo, ou por um defeito ótico na lente. A inflexão das cabeças para frente, com as duas dos extremos da linha superior levemente / page 9/21 / Nº Documento: 5DBCFB90-580F-475B-B A4C020D4

10 inclinadas para a esquerda e para a direita, constroem um fechamento do conjunto; junto às poses estudadas dos corpos, elas proporcionam um sentido de grupo. O abraço do homem localizado na linha superior na extrema esquerda da imagem abarca fraternalmente o grupo, que se abre em direção ao ponto de fuga localizado no canto superior direito pelo sensível deslocamento lateral do corpo do homem situado naquele extremo, embora a profundidade de seu corpo possa ser tomada como a mesma dos demais e ele se incorpore com um leve giro à esquerda do grupo, fechando a borda superior direita da mesma maneira que sucede com o homem do outro extremo. O deslocamento de seu corpo em relação ao grupo dos outros três homens é ampliado pela pequena inclinação em favor do homem em pé a seu lado direito (canto esquerdo superior da imagem). Essa leve inclinação do corpo do homem do canto superior direito em favor do grupo concede um contraponto de união aos membros em seus extremos superiores e coloca um volume comum de anteparo localizado no canto superior direito. Na linha de fundo estão quatro homens em pé e, a sua frente, quatro homens sentados. Se a linha superior evidencia alguma hierarquia, ela não existe no pleno alinhamento da linha inferior de homens sentados a não ser pela presença discreta da flâmula que figura na espada do terceiro homem da esquerda para a direita onde se pode ver as letras PJI e a coroa imperial sobreposta. Um outro detalhe que rompe com a uniformidade consiste nos galões no ombro do homem que ostenta a flâmula e o distintivo ao lado superior esquerdo do peito. O homem ao seu lado esquerdo, muito mais jovem, também ostenta um distintivo semelhante no peito. Em dois homens o boné tem sua copa em pano claro; um deles é o que sustenta a corneta e o outro assenta-se no canto inferior esquerdo. FIG. 4 - A suspensão do corneteiro / page 10/21 / Nº Documento: 5DBCFB90-580F-475B-B A4C020D4

11 Fonte: elaboração sobre O alinhamento concede alguma primazia à localização de um músico cujo corpo, suspendido lateralmente dos demais, lhe singulariza visualmente (FIG.4). Talvez a função de tocador de corneta lhe tivesse acostumado a guardar uma certa distância para empunhadura do instrumento, preservando os colaterais do volume da emissão sonora: Não é necessário lembrar que todas as ordens de combate eram transmitidas pelo corneteiro, que sem sombra de dúvidas guarda consigo o espírito das comunicações no combate (CARVALHO, s.d, hipert.). A masculinidade vem enaltecida através dos pelos na cara num tempo em que os militares ostentavam barbas. Atentando para as barbas como objeto semiótica (DUARTE, 2000, p. 53), notam-se dois cavanhaques e uma barba rala. Em outros cinco, as caras apresentam bigode e barba nutrida, três escuras e uma delas muito clara, que poderia ser loira ou branca. As barbas aparadas confirmam o asseio pessoal para o ato fotográfico. A idade dos membros do grupo pode ser inferida por poucos elementos, dada a falta de nitidez da cópia digital disponível. A falta de foco no homem de tez escura dificulta perceber sua idade. A aparência dos outros sete homens indica que talvez existam cinco mais jovens que os dois possivelmente mais velhos, quais sejam os dois homens sentados centralmente. O homem de barba clara parece ser o mais velho. Sua ascendência pessoal sobre os demais talvez possa ser / page 11/21 / Nº Documento: 5DBCFB90-580F-475B-B A4C020D4

12 deduzida pelo cotovelo do homem que o respalda, o qual estabelece distância com relação ao corpo do homem que lhe cerca pela esquerda. O desalinho na figura do homem de barba clara vem evidenciado pelo volume de seu ventre, cuja peça interior de cor clara se evidencia em meio aos botões do colete, impossibilitando-lhe fechar os botões da casaca. Ele exibe-se como que de peito aberto e isso lhe empresta um ar de franqueza, ademais enfatizado nos pelos leoninos. A independência de seu braço direito sobrepondo o cotovelo sobre o homem jovem daquele lado acrescenta-lhe autonomia e contrapõe-lhe ao angusto homem de sua lateral esquerda, também ao centro da imagem. Emparelhando-lhe talvez em idade, o último mostra um corpo delgado em atitude contrita, enfatizada pelos olhos achinesados. O sentido da espacialidade está esvaziado pela falta de adereços no cenário despojado. O grupo assenta-se sobre um tapete que forra retangularmente o piso e que se encontra levemente franzido à frente, denotando certo improviso ao momento. O enrugamento do tapete e o toque desordenado dos bonés cobrindo as cabeças impõem um contraste com a corporeidade hierática do grupo. Pressa não combina com solenidade; talvez houvesse muitas outras imagens a serem produzidas. Mas, em meio a tudo, o que pensariam esses homens naquele ato tão inédito? Conjeturariam sobre o registro da imagem de si mesmos para a história? Estariam cumprindo mais um ato determinado exteriormente, impregnados do espírito do dever frente a mais uma ordinária tarefa dentre tantas outras? Seja no afã de afirmar a si próprios ou respondendo à ordem heterônima, seu registro fotográfico encara diversas fronteiras semióticas, advindas de sua circulação em meio a mútuas influências de diversas matérias em presença. O entendimento de que se trata de uma foto celebratória da culminação exitosa da missão de um grupo de homens se impôs frente à seleção ocorrida em meio a uma farta mitologia. As incorporações que se solidificaram numa densa interpenetração e que hoje adereçam as legendas que a acompanham são produto de / page 12/21 / Nº Documento: 5DBCFB90-580F-475B-B A4C020D4

13 intercâmbios resultantes de concorrências desiguais e de longa duração. Do contexto bélico em que emerge, expondo-se à expectativa social mobilizada no conflito plurinacional de que é flagrante, a fotografia encarou o contexto monárquico e o advento da república, promotor de tantos heróis militares, de que é prova a recuperação do heroísmo do alferes Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes. As armas e os brasões assinalados na fotografia buscariam atender ao verso contido no Canto I, 1-2 de Os Lusíadas de Camões: "Que da Ocidental praia Lusitana,/Por mares nunca dantes navegados/passaram ainda além da Taprobana,/Em perigos e guerras esforçados/mais do que prometia a força humana/e entre gente remota edificaram/novo Reino, que tanto sublimaram". 3. A cavalaria como imagem de mundo A cavalaria é uma instituição político-religiosa, social moral e estética. Sua existência no Ocidente e seu transplante, como imagem de mundo, do Velho para o Novo Mundo representou o triunfo da utopia cervantina, ao prolongar a errância do Quixote. Como herdeira da matière de Bretagne, consagrada pela matriz celta, a cultura brasileira preservou seu ideal. Um breve inventário da imaginária cavaleiresca demonstra a transculturação Euro-Ocidental para o contexto platino, decorrente da aportação no Novo Mundo, configurando a retomada da empreitada do Quixote, conforme suscitou o crítico Martín de Riquer (1967): / page 13/21 / Nº Documento: 5DBCFB90-580F-475B-B A4C020D4

14 Los caballeros españoles leen lãs novelas de la Tabla Redonda y luego, com mayor avidez si cabe, el Amadis de Gaula [...]. Um siglo después estos hombre y hotros parecidos volverán a sona em empresas similares. No serán empresas em Borgoña, Inglaterra, Alemania, Itália, Constantipla o el mar Negro, sino em Méijico, el Peru, Chile, el mar del Sur, etc. Sin nuestros caballeros andantes del siglo XV dificilmente huvieran existido los conquistadores de Índias, tan dados también a la lectura de livros de caballerías. Don Quijote, como estaba loco, siguió el itinerário que podia llevar a unas empresas em su siglo ya caducadas; si hubiesse estado sano hubiera hecho lo mismo que tantos otros contemporâneos suyos: desde la Mancha dirigirse a Sevilla, y de allí embarcarse para Índias, donde era mucho más factible que em Puerto Lápice meter las manos hasta los codos em esto que llaman aventuras (RIQUER, 1967, p 170). Já entre nós, Ferreira (2012, p. 304) recordaria que a presença da imagem mítica da cavalaria no Sertão conta com a força em distintos repertórios como o cordel e ficcionistas consagrados. Graciliano Ramos e José Lins do Rego, os cavaleiros Diadorim e Romulado de João Guimarães Rosa. De Ariano Suassuna, seu enredo exibido já na capa e no título de capítulos da Pedra do reino mergulham a leitura em pleno no espírito da cavalaria. Quando a cavalaria, já com a expansão da classe burguesa e da ordem industrial, conheceu representações plurais no Brasil surgem imagens reveladoras. Na filmografia, personagens destituídos como o jagunço Antonio das Mortes ou o vaqueiro Manuel em Deus o diabo na terra do sol, de Glauber Rocha, referendam o potencial revolucionário da cavalaria. Compondo o farto acervo de representações e materialidade do imaginário figuras de trato ficcional como: Capitão Rodrigo, em "O tempo e o vento" de Jayme Monjardim; "Netto perde sua alma" de Tabajara Ruas e Beto Souza que saíram da literatura para o cinema, ou a matriarca "Anahy de las Misiones" de Sergio Silva. A intertextualidade e o encantamento brotam ainda de telenovelas como Cordel encantado e Meu pedacinho de chão, dentre outras. Sem esquecer da música de Elomar ou de Zé Ramalho que convocam multidões no campo e na cidade. Pode-se evocar a precessão de imagens no tema do que se considerou o encontro do arcaico com a modernidade. A imaginária brasileira da cavalaria conta com narrativas variadas, como o / page 14/21 / Nº Documento: 5DBCFB90-580F-475B-B A4C020D4

15 general Rondon entre os Nambiquara e suas linhas telegráficas (LEVI-STRAUSS, 1970, p.243); a assunção de Vargas ao poder, marcada pelo ato de amarrar os cavalos no obelisco carioca; o bando de Lampião igualmente consagraria a produção de imagens técnicas. São, a propósito, esclarecedoras as análises de Ferreira: Alguns dos temas de cavalaria continuam seu caminho entre nós, de uma ou outra maneira, a exemplo das Histórias do Imperador Carlos Magno, lidando com as ideias de bravura, honra e heroísmo. Este texto, em suas seguidas e ilustradas edições, desempenhou o papel de importante matriz para nossa cultura e se constituiu num paradoxo: tão conservador quanto revolucionário. O livro baseia-se também em conversão religiosa e cultural, um dos mais importantes eixos de percepção de nossos tempos coloniais (FERREIRA, 2012, hipert.). A consideração de que a cavalaria erigiu-se em imagem paradoxal, congregando apelos conservadores e revolucionários encerra os sentidos ambivalentes presentes em tantos exemplos. Pactos agônicos tensionam os sentimentos encontrados tanto em perspectivas conservadoras como revolucionárias. O que pode ser lido na polêmica em torno da figura do Cavaleiro da Esperança, alcunha que o comunista Jorge Amado cunhou para celebrar o heroísmo de Luis Carlos Prestes em sua marcha Brasil adentro. Voltando à capacidade representacional da imagem técnica em questão, evidencia-se como, ao largo de seu século e meio, seu potencial agenciador da atualização seja do conceito de nacionalismo, um valor que atualmente, frente à afirmação da cidadania, apresenta-se um tanto descreditado politicamente, ou do patriotismo, revelam-se pertinentes. Para eles pode-se convocar as impressões de Durand sobre o Brasil: / page 15/21 / Nº Documento: 5DBCFB90-580F-475B-B A4C020D4

16 Paradoxalmente porém, essas duas culturas com um imaginário tão discordante criaram por meios opostos um patriotismo extremamente forte. De Portugal, a nação unificada mais antiga da Europa moderna, unida por mitolusismos [...] E o do imenso império tão diverso devido às suas raças, às suas misturas, aos seus desnivelamentos culturais, às suas desigualdades econômicas e sociais, mas onde índios do norte, escravos negros do Nordeste, paulistas de origem portuguesa, alemã e italiana, ficam extraordinariamente unidos quando a mátria se encontra ameaçada. A mais recente guerra nacional, a guerra com o Paraguai, fornece-nos disso múltiplos exemplos (DURAND, 1996, p. 203). Nesse percurso, a fotografia em questão encontra um lugar paradigmático com o retorno do militarismo ao poder em Promovida a texto fundador da república, seu simbolismo teria tido vigor para animar os esforços legitimatórios do regime militar sem esgotar seu fôlego ambivalente. Seu caráter espartano favorecia a vinculação contemporânea da cavalaria ao ethos militar. 4. Um Estado Maior dos confins do Império Convém recordar que o imaginário está no campo filosófico da ilusão, do encantamento e da magia. A partir do imaginário concebe-se a construção e consolidação de arquétipos enraizados e significados que orientam o consumo de imagens técnicas. A imaginária, tomada como conjunto de imagens e suas relações, traduz a percepção de uma realidade exterior. Os produtos desse amálgama instigam a percepção de um diálogo intricado, no qual cabe sustentar a indagação adiantada ao começo: o que a imagem técnica aporta para as manifestações imaginárias? Qual é sua novidade? Sontag apresenta uma leitura de suas ambivalências quando afirma: Toda fotografía tiene múltiples significados; en efecto, ver en forma de fotografía es estar ante un objeto de potencial fascinación (SONTAG, 2006, p.42). A problemática da relação com o significante conta com vários percalços e permite realizar alguns cercos. Munido das armas da ficção, Erico Verissimo notabilizaria seu protagonista como monarquista. No entanto, a história reconhece Joca Tavares como líder / page 16/21 / Nº Documento: 5DBCFB90-580F-475B-B A4C020D4

17 guerreiro que, de monarquista passou a ser republicano, remanescente, como os demais cavaleiros, dos troncos povoadores dos campos neutrais entre o império português e espanhol, provenientes das ilhas da Madeira e dos Açores. Imbuídos da missão de dilatação da fé e do Império, marcaram a ferro e a fogo as disputas nos confins meridionais do que hoje é o Brasil. É dali que emerge o Estado Maior de Joca Tavares, um corpo militar integrante da Guarda Nacional e composto por Voluntários da Pátria. E qualquer semelhança sua com imagens provenientes do conflito norte-americano em sua Guerra de Secessão em sua apropriação pela indústria de westerns pelo mundo, neste sentido, não é mera coincidência, mas produto de convergência tecnológica. A legenda da fotografia veiculada em Wikipedia reconhece que: O então Coronel João Nunes da Silva Tavares, conhecido como Joca Tavares (terceiro sentado, da esquerda para a direita) e seus auxiliares imediatos, incluindo Francisco Lacerda, mais conhecido como Chico Diabo (terceiro em pé, da esquerda para a direita). Seu conteúdo é proveniente de Salles (2003, p.180) que atesta que o registro teria ocorrido em um estúdio logo após o término do conflito. Retomando-se a ecfrasis, ou tradução intersemiótica, verifica-se que a ausência de uma imagem para celebrar o fim do confronto teve na trova popular uma representação da extinção do algoz, pois ainda há quem a recorde numa de suas variantes: O cabo Chico Diabo [Francisco Lacerda], do diabo do Chico [Francisco Solano López] deu cabo. Do cadáver de Solano Lopez não há registro fotográfico. Arbitrariamente pode-se apontar que 27 anos após sua morte lhe sucede o registro fotográfico de Antonio Conselheiro, comentado por Euclides da Cunha em Os Sertões, do suicídio de Vargas ou do abate de Ernesto Che Guevara, na Bolívia, quase um século depois, compõem a galeria dos troféus iconográficos do republicanismo. A fotografia aporta elementos de efetividade, funcionalidade e horizontalidade, transmitindo, / page 17/21 / Nº Documento: 5DBCFB90-580F-475B-B A4C020D4

18 pela via do militarismo, também uma figura de modernidade da imagem da cavalaria: Las fotografías son un modo de apresar una realidad que se considera recalcitrante e inaccesible, de imponerle que se detenga. O bien amplían una realidad que se percibe reducida, vaciada, perecedera, remota. No se puede poseer la realidad, se puede poseer (y ser poseído por) imágenes (SONTAG, 2006, p. 229). O êxito da fotografia incorpora a tensão contraditória da cavalaria e permite classificá-la No universo mítico dramático (regime noturno), [onde] a ação predominante é reunir ; ela abriga o lema cavaleiresco de empreender o combate e fornece suporte a imagens como a do porvir, a da roda, a da androginia, a do deus plural, que são capazes de harmonizar contradições através do tempo (BARROS, 2009, p.187). Pode-se indagar sobre os vínculos entre os oito homens. Isso equivale a inquirir sobre o grau de parentesco entre eles, antes que a hierarquia. O jovem que apoia os cotovelos em dois outros homens seguramente o fazia por intimidade pessoal. Provavelmente ele e os outros dois gozassem de parentesco. O negro tocador de corneta poderia ser um filho de escravos do comandante. Talvez ele estivesse alforriado ou prestes a sê-lo. Os dois homens mais velhos são antigos companheiros de guerra, aparentados, talvez até mesmo compadres. Seguramente haviam já compartilhado a perda de entes queridos em outras batalhas. Noutro sentido, como aponta Sontag sobre o verdadeiro primitivismo moderno, é a fotografia que confere realidade aos oito cavaleiros e seu mandato. A imagem ilumina um tempo de trevas e percorre um trajeto que nutre a construção da identidade brasileira. A guerra do Paraguai é recordada como o conflito ideológico que marca o auto-reconhecimento do Brasil como unidade que se enfrenta ao outro ainda dentro do marco do olhar colonial (JAMESON, 1995). Imagem produzida na maior conflagração internacional em que se envolveu o Império do Brasil, erigiu-se como elemento luminoso no imaginário republicano. Assim, ela enfrenta a construção da nacionalidade em contextos coloniais e pós-coloniais. Com seu apoio, instaurou-se o / page 18/21 / Nº Documento: 5DBCFB90-580F-475B-B A4C020D4

19 republicanismo, consolidando em seu seio o militarismo como força política. Os feitos desse Estado Maior produziriam dois barões do Império. Joca Tavares, além disso, foi distinguido com a denominação de localidades, ruas e praças. Renegaria posteriormente seu título nobiliárquico Barão de Itaqui - em favor do republicanismo para, em 1893, deflagrar a Revolução Federalista e coadjuvar noutro capítulo sinistro na história, aquele que envolve a matança por degolas na Lagoa da Música. Suas andanças, como sua fotografia, testemunham o apelo que um dia fez a seu oponente, o general Telles, em uma carta a ele dirigida: saí dos seios das famílias e dos entrincheiramentos e vinde aos nossos arraiais (TAVARES, 2013, hipert.). Assim, mais que permitir-se fotografar para produzir um documento de modelos que pousam e concedem ser mirados, os fotografados, ao colocar-se frente a uma câmera escura, desataram a ordem instrumental que expôs sua figura, dispondo-a ao serviço do Estado e também da indústria cultural: Las câmaras implantam la mirada instrumental de la realidad al acopiar información que nos permite reacciones más atinadas y rápidas a lo que ocurre. Desde luego, la reacción puede ser represiva o benévola: las fotografias de recnocimiento militar contribuyen a extinguir vidas, los raios x a salvarlas (SONTAG, 2006, p ). Ao conectar imagem e imaginário, a fotografia dos oito cavaleiros converteu-se num objeto simbólico, saiu da família e da trincheira e adentrou a sociedade. Consagrou-se como texto fundador que concede precedência ao militarismo e o concebe como um poder organizador na vida brasileira: Aunque un acontecimiento ha llegado a significar, precisamente, algo digno de fotografiarse, aún es la ideología (en el sentido más amplio) lo que determina qué constituye un acontecimiento (SONTAG, 2006, p. 36). Portanto, nada do que aqui se recolheu seria possível sem a relevância histórica que os feitos guerreiros ganharam na construção da nacionalidade, o que corroborou para estruturá-los como acontecimentos de nossa memória social e política. E uma fotografia que enfatiza a colateralidade fraterna e deshierarquizada aí cobra seu valor. Por fim, reclama-se comentar que, se o Quixote no século XVII já se erigia como uma sátira / page 19/21 / Nº Documento: 5DBCFB90-580F-475B-B A4C020D4

20 contra os livros da cavalaria, como é possível sustentá-la depois da critica demolidora de Cervantes. O que mantém atrativas as imagens que falam do mundo da honra, hombridade e liberdade negativa (sem condicionamentos) nos tempos atuais? Uma resposta consiste em ponderar que a condição liminar daqueles companheiros em armas, liberados em suas paixões, sobrevive à ação deletéria do tempo e de seu horizonte histórico. Como sujeitos passionais, sua ação franqueou-se devido à hipostasia suposta pelo grande conflito, elemento que perduraria e concederia substância às aventuras do republicanismo contemporâneo. Quiçá, o precário equilíbrio entre solenidade e improviso plasmado na imagem configure uma sublimação da institucionalidade emprestada da cavalaria ao nascente e ainda frágil republicanismo. 1 Pesquisadora do CNPq, Professor associado IV da Universidade Federal de Santa Maria, membro do quadro permanente do PPGComunicação, Referências BARROS, Ana Taís P. A permeabilidade da fotografia ao imaginário. Fronteiras - estudos midiáticos. São Leopoldo, V. 11, Nº 3, set-dez p CARVALHO, Vinícius M. de Observações a cerca da música militar na guerra do Paraguai. s.d. Disponível em: Acesso em: 10 out DUARTE, Elizabeth B. Fotos & Grafias. São Leopoldo: Unisinos, DURAND, Gilbert. Campos do imaginário. Lisboa: Instituto Piaget, ECO, Umberto. Quase a mesma coisa: experiências de tradução. São Paulo: Record, FERREIRA, Jerusa Pires. A cavalaria no Sertão. 14 março Disponível em:http://www.ecsbdefesa.com.br/defesa/fts/mmgp.pdf editora.fflch.usp.br/sites/editora.fflch.usp.br/files/ pdf. Acesso em 14 março JAMESON, Fredric. Espaço e imagem. Rio de Janeiro: UFRJ, JOCA TAVARES. Disponível em: Acesso em 20jan / page 20/21 / Nº Documento: 5DBCFB90-580F-475B-B A4C020D4

Série: A última guerra do Prata

Série: A última guerra do Prata TÍTULO DO PROGRAMA Série: A última guerra do Prata SINOPSE DO PROGRAMA O documentário é parte de uma série produzida pela TV Escola que apresenta as análises e pesquisas mais recentes a respeito da Guerra

Leia mais

XVIII) e D. Pedro I (século XIX) defenderam posições políticas opostas e foram protagonistas de ações bastante distintas.

XVIII) e D. Pedro I (século XIX) defenderam posições políticas opostas e foram protagonistas de ações bastante distintas. Atividade extra Fascículo 2 História Unidade 4 Questão 1 Na unidade que você estudou, você pôde observar a foto da Praça Tiradentes no Rio de Janeiro, com a estátua de D. Pedro I ao centro. Tiradentes

Leia mais

Global Training. The finest automotive learning

Global Training. The finest automotive learning Global Training. The finest automotive learning Cuidar da saúde com PREFÁCIO O Manual de Ergonomia para o Motorista que você tem em agora em mãos, é parte de um programa da Mercedes-Benz do Brasil para

Leia mais

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI Thasley Westanyslau Alves Pereira 1 ; Marcelo Santos Rodrigues 2. 1 Aluno do Curso de História; Campus de Porto Nacional; e-mail:thasley_uft@hotmail.com

Leia mais

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos 44 5. Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos As rodas de conversa tiveram como proposta convidar os participantes a debater o tema da violência

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica 3. Uso de diagonais 4. Regra dos terços 5. O Ponto Dourado Composição fotográfica 15 dicas para ter imagens com harmonia e proporção. Este tutorial vai ajudá-lo a usar melhor uma câmera fotográfica, compacta

Leia mais

Atletismo O LANÇAMENTO DO DARDO

Atletismo O LANÇAMENTO DO DARDO Atletismo O LANÇAMENTO DO DARDO A história do lançamento do dardo, pode ter sua origem na pré-história. Empregado, inicialmente na caça e, posteriormente na guerra, como arma de combate. É uma das provas

Leia mais

Atletismo O ARREMESSO DO PESO

Atletismo O ARREMESSO DO PESO Atletismo O ARREMESSO DO PESO A maior característica do lançamento do peso, é a de ser reservada para pessoas fortes, em todas as épocas. Tanto isto é verdade, que os povos antigos praticavam o arremesso

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

C. Guia de Treino ------------------------------------------------

C. Guia de Treino ------------------------------------------------ C. Guia de Treino ------------------------------------------------ A FORÇA / RESISTÊNCIA ( FUNÇÃO MOVIMENTO OSCILAÇÃO ) A01 Joelhos inclinados Com os pés afastados na plataforma, segure a barra de apoio

Leia mais

1. História do Voleibol. 2. Caracterização do Voleibol. 2. Regras do Voleibol. Documento de Apoio de Voleibol VOLEIBOL

1. História do Voleibol. 2. Caracterização do Voleibol. 2. Regras do Voleibol. Documento de Apoio de Voleibol VOLEIBOL VOLEIBOL 1. História do Voleibol O Voleibol foi criado em 1885, em Massachussets, por William G. Morgan, responsável pela Educação Física no Colégio de Holyoke, no Estado de Massachussets, nos Estados

Leia mais

Kodak Evolução Histórica do Logotipo

Kodak Evolução Histórica do Logotipo IADE Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing Escola Superior de Design Licenciatura em Design História da Arte e da Técnica 1º Ano 1º Semestre 1907 1935 1960 1971 1987 1996 >2006 - Logotipo Actual

Leia mais

DOSSIER DE IMPRENSA. ICAL, 25 anos em imagens. Museu dos Transportes e Comunicações do Porto

DOSSIER DE IMPRENSA. ICAL, 25 anos em imagens. Museu dos Transportes e Comunicações do Porto DOSSIER DE IMPRENSA ICAL, 25 anos em imagens Museu dos Transportes e Comunicações do Porto De 1 ao 22 de Dezembro de 2014 DOSSIER DE IMPRENSA Índice 1. Apresentação da exposição 2. Ical, 25 anos contando

Leia mais

Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas

Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas Sessão Solene Comemorativa da Implantação da República 05.10.2010 A Revolução Republicana de 1910 Ao assinalarmos cem anos sobre a Revolução Republicana

Leia mais

Mosteiro dos Jerónimos

Mosteiro dos Jerónimos Mosteiro dos Jerónimos Guia de visita dos 6 aos 12 anos Serviço Educativo do Mosteiro dos Jerónimos/ Torre de Belém Bem-vindo ao Mosteiro dos Jerónimos A tua visita de estudo começa logo no Exterior do

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

1. NO CARGO DE SOLDADO BOMBEIRO MILITAR NAS QUALIFICAÇÕES DO QUADRO DE BOMBEIRO MILITAR PARTICULAR (QBMP) DE COMBATENTE, GUARDA-VIDAS E MOTORISTA.

1. NO CARGO DE SOLDADO BOMBEIRO MILITAR NAS QUALIFICAÇÕES DO QUADRO DE BOMBEIRO MILITAR PARTICULAR (QBMP) DE COMBATENTE, GUARDA-VIDAS E MOTORISTA. ANEXO II TESTE DE APTIDÃO FÍSICA O Teste de Aptidão Física tem o objetivo de selecionar os candidatos cuja aptidão física seja compatível com o exercício da atividade de Bombeiro Militar e será realizado

Leia mais

Por volta de 1865, o jornalista João Brígido chega com

Por volta de 1865, o jornalista João Brígido chega com Por volta de 1865, o jornalista João Brígido chega com Ciço ao Seminário da Prainha depois de uma viagem de mais de um mês, montado a cavalo, desde a região do Cariri até a capital, Fortaleza. Trazia uma

Leia mais

Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011. Reginaldo Minaré

Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011. Reginaldo Minaré Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011 Reginaldo Minaré Diferente do Estado unitário, que se caracteriza pela existência de um poder central que é o núcleo do poder político, o Estado federal é

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1

O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1 Glauce Souza Santos 2 O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1 Resumo Esta resenha objetiva analisar a relação local/global e a construção da identidade nacional na obra Luanda Beira Bahia do escritor

Leia mais

o desenho do corpo o corpo que desenha [ 1 ]

o desenho do corpo o corpo que desenha [ 1 ] Nádia da Cruz Senna Artista plástica, pesquisadora e professora adjunta da Universidade Federal de Pelotas, atuando junto as disciplinas de Desenho, Design e História em Quadrinhos. alecrins@uol.com.br

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 DE ABRIL PALÁCIO DO PLANALTO BRASÍLIA-DF

Leia mais

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁs. História Oficina de História

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁs. História Oficina de História Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁs História Oficina de História 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser uma ferramenta

Leia mais

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO.

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO. ENSINO FUNDAMENTAL Conteúdos do 8º Ano 3º/4º Bimestre 2015 Trabalho de Dependência Nome: N. o : Turma: Professor(a): Fernanda Data: / /2015 Unidade: Cascadura Mananciais Méier Taquara História Resultado

Leia mais

MÓDULO DE RECUPERAÇÃO

MÓDULO DE RECUPERAÇÃO DISCIPLINA Física II 2º ANO ENSINO MÉDIO MÓDULO DE RECUPERAÇÃO ALUNO(A) Nº TURMA TURNO Manhã 1º SEMESTRE DATA / / 01- A figura representa um feixe de raios paralelos incidentes numa superfície S e os correspondentes

Leia mais

América: a formação dos estados

América: a formação dos estados América: a formação dos estados O Tratado do Rio de Janeiro foi o último acordo importante sobre os limites territoriais brasileiros que foi assinado em 1909, resolvendo a disputa pela posse do vale do

Leia mais

Curso de Relações Internacionais

Curso de Relações Internacionais UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CÂMPUS DE MARÍLIA Faculdade de Filosofia e Ciências Curso de Relações Internacionais 2 º. ano Disciplina: Historia da Formação dos Países Latino Americanos Profª Lidia M.

Leia mais

INSTALAÇÃO GRANDE MESTRE ESTADUAL

INSTALAÇÃO GRANDE MESTRE ESTADUAL INSTRUÇÕES GERAIS Os investidos devem ser orientados de antemão sobre como deverá agir. O Grande Mestre Estadual, Grande Mestre Estadual Adjunto e Segundo Grande Mestre Estadual Adjunto a serem instalados,

Leia mais

Histórias, Redes Sociais e Memória

Histórias, Redes Sociais e Memória Histórias, Redes Sociais e Memória h.d.mabuse "A capacidade de lembrar o que já se viveu ou aprendeu e relacionar isso com a situação presente é o mais importante mecanismo de constituição e preservação

Leia mais

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA INDEPENDÊNCIA DO Colonização: espanhola até 1697, posteriormente francesa. Produção açucareira. Maioria da população:

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 Nesta aula você aprenderá a diferenciar um desenhista de um ilustrador e ainda iniciará com os primeiros exercícios de desenho. (Mateus Machado) O DESENHISTA E O ILUSTRADOR Ainda que não sejam profissionais

Leia mais

Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ

Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ 1 1. Introdução Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ O ImageJ é um software livre (freeware) que pode ser obtido gratuitamente no site http://rsb.info.nih.gov/ij/. Esse software é

Leia mais

Formação de GAPRT. Grupo de Acólitos da Paróquia de Rio Tinto

Formação de GAPRT. Grupo de Acólitos da Paróquia de Rio Tinto Formação de Acólitos GAPRT Grupo de Acólitos CORES LITÚRGICAS BRANCO VERMELHO VERDE ROXO ROSA AZUL BRANCO n n n n Tempo Pascal e Natal. Festas e memórias do Senhor (excepto no Domingo de Ramos e a Exaltação

Leia mais

APOSTILA DE VOLEIBOL

APOSTILA DE VOLEIBOL APOSTILA DE VOLEIBOL O voleibol é praticado em uma quadra retangular dividida ao meio por uma rede que impede o contato corporal entre os adversários. A disputa é entre duas equipes compostas por seis

Leia mais

AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Profª Doutora Daisy Barros Especialização em Ginástica Rítmica e Dança Ritmo é vida e está particularmente ligado à necessidade do mundo moderno. Cada indivíduo,

Leia mais

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI Resumo Rosangela de Sousa Cardoso Stabenow1 - UEL Cassiana Magalhães2 - UEL Grupo de Trabalho - Didática:

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE HOLOGRAFIA

EXPOSIÇÃO DE HOLOGRAFIA Universidade Estadual de Campinas Instituto de Física.Gleb Wataghin. EXPOSIÇÃO DE HOLOGRAFIA Apresentação dos experimentos com rede de difração, reflexão e refração Eduardo Salmazo Orientador: Prof. José

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 8º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

Introdução e utilização da Ópera Quântica AlletSator 4.5 de Pedro Barbosa & Luís Carlos Petry

Introdução e utilização da Ópera Quântica AlletSator 4.5 de Pedro Barbosa & Luís Carlos Petry Introdução e utilização da Ópera Quântica AlletSator 4.5 de Pedro Barbosa & Luís Carlos Petry por Luís Carlos Petry Seja muito bem-vindo(a) à Ópera Quântica AlletSator. Com a edição da Revista CIBERTEXTUALIDADES

Leia mais

Filme: O Lobisomem e o Coronel

Filme: O Lobisomem e o Coronel Filme: O Lobisomem e o Coronel Gênero: Animação Diretor: Elvis K. Figueiredo, Ítalo Cajueiro Ano: 2002 Duração: 10 min Cor: Colorido Bitola: 35mm País: Brasil Disponível no Porta Curtas: www.portacurtas.com.br/curtanaescola/filme.asp?cod=1518

Leia mais

Independência da América Espanhola

Independência da América Espanhola Independência da América Espanhola Nossa América No início do século XIX a América hispânica, inspirada nas idéias liberais do Iluminismo, travou sua guerra de independência vitoriosa contra o colonialismo

Leia mais

Políticas de infancia y juventud: producir sujetos y construir Estado de Mariana Chaves e Enrique Fidalgo Zeballos (coords.)

Políticas de infancia y juventud: producir sujetos y construir Estado de Mariana Chaves e Enrique Fidalgo Zeballos (coords.) informações bibliográficas Políticas de infancia y juventud: producir sujetos y construir Estado de Mariana Chaves e Enrique Fidalgo Zeballos (coords.) resenha por María Celeste Hernández Fazer-saber:

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica Composição fotográfica É a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada. Os arranjos são feitos colocando-se figuras ou objetos em determinadas posições. Às vezes, na

Leia mais

A GUERRA DO PARAGUAI FOI O MAIOR E MAIS SANGRENTO CONFLITO ARMADO OCORRIDO NA AMÉRICA DO SUL PERÍODO= 1864-1870

A GUERRA DO PARAGUAI FOI O MAIOR E MAIS SANGRENTO CONFLITO ARMADO OCORRIDO NA AMÉRICA DO SUL PERÍODO= 1864-1870 Não é possível exibir esta imagem no momento. A GUERRA DO PARAGUAI FOI O MAIOR E MAIS SANGRENTO CONFLITO ARMADO OCORRIDO NA AMÉRICA DO SUL PERÍODO= 1864-1870 É também chamada Guerra da Tríplice Aliança

Leia mais

Energia conservada em uma mola. Introdução. Materiais Necessários

Energia conservada em uma mola. Introdução. Materiais Necessários Intro 01 Introdução A energia é algo intangível e, portanto, as medidas de energia envolvem, necessariamente, processos de medidas indiretas. Em outras palavras, para medir energia, medimos outras grandezas

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

Colégio Paula Frassinetti Atividade de Física 3º ano do Ensino Médio - / /2012 Prof. Luciano Soares Pedroso

Colégio Paula Frassinetti Atividade de Física 3º ano do Ensino Médio - / /2012 Prof. Luciano Soares Pedroso 1. (Ufrj) Uma criança segura uma bandeira do Brasil como ilustrado na figura 1. A criança está diante de dois espelhos planos verticais A e B que fazem entre si um ângulo de 60. A figura 2 indica seis

Leia mais

Caderno de Aprendizagem

Caderno de Aprendizagem Caderno de Aprendizagem Módulo IV Unidade 3 Nome tutor data de entrega / / Governo Federal Ministério da Educação Secretaria de Educação a Distância Módulo IV Unidade 3 3 LINGUAGENS E CÓDIGOS Leia o poema

Leia mais

Guerra por domínio territorial e econômico.

Guerra por domínio territorial e econômico. Guerra da Crimeia Quando: De 1853 até 1856 Guerra por domínio territorial e econômico. Cerca de 595 mil mortos Por que começou: A Rússia invocou o direito de proteger os lugares santos dos cristãos em

Leia mais

COMENTÁRIO DA PROVA DE HISTÓRIA

COMENTÁRIO DA PROVA DE HISTÓRIA COMENTÁRIO DA PROVA DE HISTÓRIA Mais uma vez a prova de História da UFPR distribuiu muito bem os assuntos, abordando temas importantes e esperados, como a educação em Esparta, o nascimento das universidades,

Leia mais

RELACAO DE PROJETOS VINCULADOS A LINHA ESTUDOS CULTURAIS E COMUNICACAO DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS SOCIAIS.

RELACAO DE PROJETOS VINCULADOS A LINHA ESTUDOS CULTURAIS E COMUNICACAO DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS SOCIAIS. RELACAO DE PROJETOS VINCULADOS A LINHA ESTUDOS CULTURAIS E COMUNICACAO DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS SOCIAIS. SERGIO LUIZ PEREIRA DA SILVA Memória, identidade e cultura visual: a construção da identidade

Leia mais

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma.

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. Gestalt 29 de setembro de 2006 Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. '''ORIGEM DA PSICOLOGIA DA FORMA''' Durante o

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social Políticas Públicas de Comunicação...a presença ativa duma universidade, revigorada ao contato de seu núcleo mais vivo e ciosa do seu espaço

Leia mais

Este texto é parte do Diseño Curricular para la Educación Primaria

Este texto é parte do Diseño Curricular para la Educación Primaria Este texto é parte do Diseño Curricular para la Educación Primaria Tradução livre para fins didáticos Dirección General de Cultura e Educación de la Provincia de Buenos Aires, 2008. Equipe de especialista

Leia mais

História na escola: o presente questiona o passado

História na escola: o presente questiona o passado História na escola: o presente questiona o passado Disciplina: História Selecionador: Antonia Terra de Calazans Fernandes Categoria: Professor História na escola: o presente questiona o passado Refletir

Leia mais

A presença dos japoneses no Piauí. Anderson Michel de Sousa Miura Áurea da Paz Pinheiro

A presença dos japoneses no Piauí. Anderson Michel de Sousa Miura Áurea da Paz Pinheiro 1 A presença dos japoneses no Piauí Anderson Michel de Sousa Miura Áurea da Paz Pinheiro O tema deste artigo é a migração japonesa no Piauí, com destaque para as sobrevivências e rupturas na contemporaneidade

Leia mais

Avaliação de Prática Pedagógica

Avaliação de Prática Pedagógica Avaliação de Prática Pedagógica Curso: Educação para as Relações Étnicos-Raciais. Unidade Educacional: EMEF Raimundo Correia. DRE Jaçanã-Tremembé 1. Objetivos: Os projetos selecionados foram organizado

Leia mais

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN Prof. Helder Salvador 3 - A ANTROPOLOGIA COMO FUNDAMENTO DA PEDAGOGIA. Para Edith Stein existe uma profunda relação entre os termos metafísica, antropologia e pedagogia

Leia mais

COMUNICAÇÃO EDUCAÇÃO - EXPOSIÇÃO: novos saberes, novos sentidos. Título de artigo de SCHEINER, Tereza.

COMUNICAÇÃO EDUCAÇÃO - EXPOSIÇÃO: novos saberes, novos sentidos. Título de artigo de SCHEINER, Tereza. COMUNICAÇÃO EDUCAÇÃO - EXPOSIÇÃO: novos saberes, novos sentidos Título de artigo de SCHEINER, Tereza. Nova Teoria do Museu onde este é pensado já não mais apenas como instituição (no sentido organizacional),

Leia mais

Para iniciar a construção de WebQuest no Servidor PHP de webquests do Centro de Competência CRIE do CAPAG, aceda ao seguinte url:

Para iniciar a construção de WebQuest no Servidor PHP de webquests do Centro de Competência CRIE do CAPAG, aceda ao seguinte url: C e n tro d e C ompetênci a CRIE d o CA PAG Versão Beta 4 E l a b o r a d o p o r : M a r i a d e B a l s a m ã o M e n d e s G u i ã o d e P H P W e b Q u e s t V a m o s C r i a r W e b q u e s t s?

Leia mais

Brincadeiras. Atividade 1

Brincadeiras. Atividade 1 Objetivos retomar as atividades motoras com características lúdicas; propiciar situações motoras lúdicas com diferentes possibilidades de inferências e de compreensão da cultura do jogo; propiciar situações

Leia mais

Mobilização Social. Márcio Simeone. www.fafich.ufmg.br/~simeone/4/mobsoc.htm. Curso de Multiplicador de Polícia Comunitária SENASP

Mobilização Social. Márcio Simeone. www.fafich.ufmg.br/~simeone/4/mobsoc.htm. Curso de Multiplicador de Polícia Comunitária SENASP Mobilização Social Márcio Simeone Curso de Multiplicador de Polícia Comunitária SENASP www.fafich.ufmg.br/~simeone/4/mobsoc.htm 1 A mobilização na sociedade democrática Geração de uma responsabilidade

Leia mais

MARCOS GEODÉSICOS / REFERÊNCIAS DE NÍVEL

MARCOS GEODÉSICOS / REFERÊNCIAS DE NÍVEL MARCOS GEODÉSICOS / REFERÊNCIAS DE NÍVEL MANUAL DE UTILIZAÇÃO TERMO DE USO E COMPROMISSO As informações contidas neste aplicativo Marcos Geodésicos/Referências de Nível, com exceção às monografias (para

Leia mais

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA AULA: 17 Assíncrona TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdos: China: dominação

Leia mais

A relação entre Semiótica e Design

A relação entre Semiótica e Design A relação entre Semiótica e Design MAGER, Gabriela B. Mestre Universidade do Estado de Santa Catarina gabriela@th.com.br Resumo Este artigo aborda a aproximação de modelos de análise semióticos aos métodos

Leia mais

IV PARTE FILOSOFIA DA

IV PARTE FILOSOFIA DA IV PARTE FILOSOFIA DA 119 P á g i n a O que é? Como surgiu? E qual o seu objetivo? É o que veremos ao longo desta narrativa sobre a abertura do trabalho. Irmos em busca das estrelas, no espaço exterior,

Leia mais

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D]

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D] Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA Resposta da questão 1: Somente a proposição está correta. Com a expansão napoleônica na Europa e a invasão do exército Francês em Portugal ocorreu a vinda da corte portuguesa

Leia mais

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml Figura 96 - Trecho do desenho da paisagem local, formado por desenhos individuais colados justapostos um no outro, constituindo uma só peça, um extenso rolo A localização da escola, no tocante a sua topografia,

Leia mais

400 anos do cavaleiro sonhador

400 anos do cavaleiro sonhador 400 anos do cavaleiro sonhador Há 400 anos, Miguel de Cervantes publicava a primeira parte de Dom Quixote, livro que marcou a história da literatura. Críticos e estudiosos retomam a efeméride para discutir

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Influência dos valores iluministas Superação do Absolutismo monárquico e da sociedade estratificada Serviu de inspiração para outras revoluções,

Leia mais

Fechadura Segura e Inteligente para portas a prova de arrombamento

Fechadura Segura e Inteligente para portas a prova de arrombamento Fechadura Segura e Inteligente para portas a prova de arrombamento Instruções APROVADO PELA ISO 9001:2000 Bem vindo ao uso Obrigado por escolher o Sistema Inteligente de segurança no reconhecimento da

Leia mais

Autor: Pedro Henrique d Avila Mascarenhas, psiquiatra, psicodramatista professor supervisor FEBRAP,psicanalista.

Autor: Pedro Henrique d Avila Mascarenhas, psiquiatra, psicodramatista professor supervisor FEBRAP,psicanalista. 1 Autor: Pedro Henrique d Avila Mascarenhas, psiquiatra, psicodramatista professor supervisor FEBRAP,psicanalista. Título: Psicodrama no Centro Cultural São Paulo. Contribuições para reflexão. Resumo:

Leia mais

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA EUROPA Expansão dos Ideais Iluministas Revolução Francesa Fim do Antigo regime Ascensão da Burguesia ao poder Revolução Industrial

Leia mais

Construção Geométrica com Espelhos Esféricos

Construção Geométrica com Espelhos Esféricos Construção Geométrica com Espelhos Esféricos 1. (Ufsm 2012) A figura de Escher, Mão com uma esfera espelhada, apresentada a seguir, foi usada para revisar propriedades dos espelhos esféricos. Então, preencha

Leia mais

O Hino Nacional Hino nacional 19

O Hino Nacional Hino nacional 19 O Hino Nacional 19 ANTECEDENTES Se a Bandeira Nacional é um símbolo visível, o Hino Nacional constitui a exteriorização musical que proclama e simboliza a Nação. Só a partir do século XIX os povos da Europa

Leia mais

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental Pedro Bandeira Pequeno pode tudo Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental PROJETO DE LEITURA Coordenação: Maria José Nóbrega Elaboração: Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

DOSSIÊ DE TOMBAMENTO DAS IMAGENS DOS TRÊS REIS MAGOS

DOSSIÊ DE TOMBAMENTO DAS IMAGENS DOS TRÊS REIS MAGOS DOSSIÊ DE TOMBAMENTO DAS IMAGENS DOS TRÊS REIS MAGOS PORTEIRINHA - MG MARÇO DE 2002 INTRODUÇÃO Este dossiê contém as informações sobre as três imagens dos Santos Reis, que pertencem a Igreja de Santos

Leia mais

LAUDO ERGONÔMICO DE TRABALHO ERGONOMIA NR-17

LAUDO ERGONÔMICO DE TRABALHO ERGONOMIA NR-17 LAUDO ERGONÔMICO DE TRABALHO ERGONOMIA NR-17 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Caixa Econômica Federal Endereço: Setor SBS Quadra 4 Bloco A Lote 3 e 4 Asa Sul Brasília/ DF CEP 70.092-900 CNPJ:

Leia mais

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra!

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra! ROTEIRO DE ESTUDOS DE LITERATURA PARA A 3ª ETAPA 2ª SÉRIE Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à

Leia mais

MODERNISMO SEGUNDA GERAÇÃO (1930-1945)

MODERNISMO SEGUNDA GERAÇÃO (1930-1945) MODERNISMO SEGUNDA GERAÇÃO (1930-1945) Tarsila do Amaral, cartão-postal, 1929 1. Que elementos da natureza estão representados nessa obra? 2. Que aspectos da natureza brasileira Tarsila do Amaral escolheu

Leia mais

DANÇANDO COM A ROSA DOS VENTOS

DANÇANDO COM A ROSA DOS VENTOS DANÇANDO COM A ROSA DOS VENTOS Juliana Alves Dias Universidade do Estado do Amazonas Bolsista Pibid de Geografia/CAPES alves-juliana@outlook.com Marcela Vieira Pereira Mafra Universidade do Estado do Amazonas

Leia mais

E Nas extremidades da rede existem duas antenas que delimitam o espaço aéreo de jogo.

E Nas extremidades da rede existem duas antenas que delimitam o espaço aéreo de jogo. V O L E I B O L A quadra de jogo A quadra de voleibol mede 18 x 9 metros e é demarcada por linhas de 5 centímetros de espessura. Possui uma linha central que divide a quadra em duas áreas com 9 x 9 metros.

Leia mais

Revista Lilica & Tigor

Revista Lilica & Tigor filhos família moda Revista Lilica & Tigor Lilica & Tigor é a revista produzida para o Grupo Marisol S.A., uma das maiores indústrias nacionais no segmento de vestuário, que hoje detém como marcas Lilica

Leia mais

Os Símbolos Nacionais

Os Símbolos Nacionais Os Símbolos Nacionais Falar das origens das bandeiras, dos hinos, dos brasões de armas e dos selos não é tarefa fácil uma vez que o homem sempre tentou registrar seu dia a dia, seus feitos, sua passagem

Leia mais

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº:

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº: Exerc íciosde Revisão Aluno(a): Nº: Disciplina:HistóriadoBrasil Prof(a).:Cidney Data: deagostode2009 2ªSériedoEnsinoMédio Turma: Unidade:Nilópolis 01. QuerPortugallivreser, EmferrosqueroBrasil; promoveaguerracivil,

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA

LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA Prova de 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este caderno contém seis questões, abrangendo um total de nove

Leia mais

UFMG - 2006 3º DIA HISTÓRIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2006 3º DIA HISTÓRIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2006 3º DIA HISTÓRIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR História Questão 01 Considerando as transformações que abriram caminho para o surgimento do Mundo Moderno, ANALISE o impacto dessas mudanças

Leia mais

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO João Carlos da Silva 1 A produção da IPB reúne uma farta publicação de

Leia mais

COMITÊ BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA ARTE CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DA ANPUH E AOS COLEGAS HISTORIADORES

COMITÊ BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA ARTE CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DA ANPUH E AOS COLEGAS HISTORIADORES CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DA ANPUH E AOS COLEGAS HISTORIADORES História Prezado Prof. Benito Bisso Schmidt Presidente da Associação Nacional dos Professores Universitários de Tendo tomado conhecimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA CENTRO DE INSTRUÇÃO E ADAPTAÇÃO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA CENTRO DE INSTRUÇÃO E ADAPTAÇÃO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA CENTRO DE INSTRUÇÃO E ADAPTAÇÃO DA AERONÁUTICA RECOMENDAÇÕES SOBRE O TESTE DE AVALIAÇÃO DO CONDICIONAMENTO FÍSICO (TACF) AO(À) FUTURO(A) ESTAGIÁRIO(A) DO EAOT/EIAC - 2013 PREPARE-SE

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO General Carneiro 2010 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO. O Ensino Religioso existiu num primeiro

Leia mais

Relatório da Visita da Comissão ao. Museu Nacional UFRJ. 5 de agosto de 2011

Relatório da Visita da Comissão ao. Museu Nacional UFRJ. 5 de agosto de 2011 Relatório da Visita da Comissão ao Museu Nacional UFRJ 5 de agosto de 2011 Bruno de Cerqueira Luiz da Motta Recepção Fomos recebidos de maneira extremamente cordial pela diretora do Museu Nacional, Profª.

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

O ALICERCE DA ESPERANÇA

O ALICERCE DA ESPERANÇA O ALICERCE DA ESPERANÇA ADRIANO MOREIRA Presidente da Academia das Ciências de Lisboa Presidente do Conselho Geral da Universidade Técnica de Lisboa Não é numa data de alegria descuidada, nem sequer da

Leia mais

Dist. da linha saída à 1ª barreira

Dist. da linha saída à 1ª barreira TÉCNICA DAS CORRIDAS COM BARREIRAS Antes de mais nada podemos dizer que as corridas com barreiras são provas de velocidade rasa porque, muito embora o barreiristas se depare com uma série de barreiras

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Fotos Analógicas (Processo químico) e Digitais (Processo eletrônico)

Fotos Analógicas (Processo químico) e Digitais (Processo eletrônico) CÂMERA FOTOGRÁFICA Foto analógica Foto digital Fotos Analógicas (Processo químico) e Digitais (Processo eletrônico) O DIAFRAGMA OBJETO DIAFRAGMA EM IRIS OBJETO IRIS RETINA ABERTURA PUPILA LENTE CRISTANILO

Leia mais

energia que vai longe

energia que vai longe Como melhorar seus Clicks energia que vai longe CLICK 2014 Introdução A fotografia é uma das principais ferramentas de comunicação da atualidade. Com o avanço tecnológico das câmeras fotográficas e celulares,

Leia mais