O melhor lugar do mundo é aqui... : propaganda e ensino de história.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O melhor lugar do mundo é aqui... : propaganda e ensino de história."

Transcrição

1 O melhor lugar do mundo é aqui... : propaganda e ensino de história. LUCIANA ROSSATO 1 No início do governo de Paulo Afonso Evangelista Vieira ( ) foi produzido por encomenda do governo estadual uma propaganda 2 divulgada através da televisão intitulada O melhor lugar do mundo é aqui. Tinha 6 minutos e 27 segundos divididos em 6 blocos de mais ou menos 1 minuto cada. Na televisão, exceto em alguns momentos, eram divulgados os trechos menores e não a propaganda completa. A propaganda inicia com uma tomada noturna do centro da cidade de Florianópolis a partir do Morro da Cruz. Segue imagens que mostram a arquitetura de base açoriana, uma vista da cidade de Joinville, pessoas andando na rua, colheita de maça, cavalgada, vistas do interior com suas serras e do litoral com gaivotas, a ponte Hercílio Luz, casas enxaimel, rodovias, imagens de uma indústria seguida de uma charrete levando uma mulher vestida com roupas típicas alemãs, torres de alta tensão, jovens surfando, ovelhas, trabalho em uma fábrica de cristal... Por 58 minutos, no bloco de abertura, somos bombardeados com cenas que intercalam litoral e interior, lazer e trabalho, modernidade e passado, tudo mesclado com imagens de pessoas felizes, dançando, compartilhando uma refeição, se divertindo ou fazendo coisas simples do cotidiano, como ir a igreja ou ficar a toa na frente de casa. Outros 4 blocos da propaganda eram divididos em temas que representavam diferentes grupos étnicos-culturais que faziam parte do estado: serranos 3, alemães, 1 Doutora em História pela UFRGS. Professora adjunta do Departamento de História da FAED/UDESC. Texto desenvolvido a partir do projeto de pesquisa História, representação e memória coletiva nos discursos de divulgação turística de Santa Catarina e de Florianópolis ( ) em desenvolvimento no Centro de Ciências Humanas e da Educação FAED/UDESC sob a coordenação da autora. 2 Usaremos o termo propaganda por significar a divulgação de idéias enquanto publicidade refere-se a divulgação de produtos. No entanto temos clareza que ao fazer propaganda do estado, um governo transforma o mesmo em um produto a ser consumido, por seus habitantes e por pessoas de fora do estado, através do turismo e/ou de negócios que atrai divisas para o mesmo. 3 Como serranos estamos identificando os habitantes da serra catarinense e que possui uma cultura de base rural identificada com a cultura gaúcha. Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ANPUH São Paulo, julho

2 italianos e açorianos. No último bloco retomava-se imagens de todos os grupos anteriores e cenas que remetiam ao estado. Não vamos fazer uma descrição exaustiva de cada bloco, mas ao vermos a propaganda, o que chama a atenção é por um lado, a reprodução de estereótipos e, por outro, várias ausências. Entre as grandes ausências estão a dos afro-descendentes e dos grupos indígenas. Além disso, a região oeste do estado de Santa Catarina não esta representada. Por outro lado há uma repetição de lugares-comuns e estereótipos: o gaúcho andando a cavalo pelos campos de Lages, tomando chimarrão e dançando, tudo ao som da música tema em ritmo do vanerão. No bloco dedicado aos alemães mescla-se o trabalho e a diversão. O presente com o passado. É neste bloco onde mais aparecem cenas de indústrias, poucas se comparadas com as cenas de festas, todas regadas a chope. Também é neste bloco quando mais vemos tomadas de rostos, normalmente de crianças louras e de olhos claros. No bloco dedicado aos italianos os esteriótipos estão novamente presentes: confraternizações familiares com muita comida e regadas a vinho. Tudo muito barulhento e caloroso, como a tarantela. O bloco dedicado aos açorianos, em ritmo de fado, mostra o trabalho dos pescadores, das rendeiras e cenas litorâneas. O uso da propaganda pelos governos ocorre há muito tempo. Peter Burke em A fabricação do Rei nos fala das estratégias desenvolvidas pelos responsáveis pela construção/divulgação da imagem de Luis XIV e de como elas, bem como a representação do rei, mudavam dependendo do contexto e dos interesses envolvidos. O trabalho aprofunda as relações entre arte e poder e como ocorre o processo de produção, circulação e recepção da formas simbólicas (BURKE, 1994: 13) Nesta comunicação temos o objetivo de analisar uma propaganda produzida em 1995 e divulgada através da televisão no estado de Santa Catarina. Ao som da música O melhor lugar do mundo é aqui... e agora, repetida em diferentes ritmos, sucedem-se tomadas de regiões, pessoas e situações que mostram o estado. Mostram? Segundo Luis Fernando Cerri (2005: 323) propagandas além de venderem idéias e produtos entram no campo da representação coletiva sobre o que seja a sociedade, suas origens, características e comportamentos normalizados. Esta propaganda nos permite refletir sobre a imagem que estava sendo divulgada sobre Santa Catarina. Mais do que divulgar, Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ANPUH São Paulo, julho

3 reforçava através de uma repetição de chavões uma representação sobre o estado onde grupos étnicos são valorizados enquanto outros são esquecidos. Entre os esquecidos estão os afro-descendentes. A propaganda contribui para reforçar o discurso de que Santa Catarina é um pedacinho da Europa. Esta representação não é nova. Apesar dos esforços dos historiadores e de militantes do movimento negro o estado ainda é visto como uma região povoada por brancos, descendentes de europeus. A historiografia catarinense contribuiu para difundir esta imagem, principalmente os chamados historiadores tradicionais como Walter Piazza e Oswaldo Cabral. Seus estudos vão referendar falas que já circulavam em relação a presença negra em SC: numericamente inferior, sem importância para o desenvolvimento do estado e formada majoritariamente por crioulos. Tanto Cabral como Piazza explicam o pequeno número devido a economia local não ser para a exportação de produtos coloniais, mas sim baseada na pequena propriedade que utilizava principalmente o trabalho familiar, no caso dos açorianos, e posteriormente também os imigrantes. Esta especificidade seria a responsável pelo desenvolvimento de relações mais democráticas e igualitárias, inclusive entre os senhores e os poucos escravos que existiam em Desterro. Os estudos destes historiadores, juntamente com os relatos de viajantes e os discursos de políticos contribuíram para criar alguns mitos em relação às populações afro-descendentes em SC: a escravidão foi peculiar e mais branda por que o senhor possuía menor número de escravos e trabalhava lado a lado com ele, os afro-descendentes não são tão vitimados pelo preconceito uma vez que a pequena presença de escravos gerou uma sociedade mais igualitária. Na década de 50, Fernando Henrique Cardoso e Octavio Ianni, em Cor e Mobilidade Social em Florianópolis, vão mostrar que mesmo em uma região em que a economia não era voltada para a exportação e que empregava um número menor de escravos, isto não significou a ausência de preconceito e de discriminação de seus descendentes. Na década de 80, um grupo de historiadores da UFSC, fortemente influenciados pelos movimentos sociais do período, desenvolveu uma obra coletiva intitulada Negro em Terra de Branco. A luta era pela desmistificação da invisibilidade dessas populações no estado e uma contribuição à causa anti-racista. Algumas críticas podem ser feitas a este trabalho, como a adesão a estereótipos sobre Santa Catarina, Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ANPUH São Paulo, julho

4 muitos deles difundidos a partir de relatos de viajantes e referendados por historiadores do início do século XX. Estou fazendo estas referências a historiografia catarinense para salientar que é somente nos últimos anos, marcadamente a partir da reabertura política na década de 1980 que estudos mais sistemáticos tem sido elaborados sobre o tema. Estudos que buscam conhecer a especificidade histórica deste período, e da escravidão em SC, sem cair nem no discurso que invisibiliza a presença do negro e, de quebra, no racismo e no preconceito, nem em análises marcadamente engajadas na causa militante, muitas vezes anacrônicas e a-históricas. No entanto, mesmo com uma produção histórica que estava revendo os mitos e a presença e contribuição dos afro-descendentes, o governo do estado coloca no ar uma propaganda onde este grupo não é mencionado. Qual memória estava sendo reforçada? Qual conhecimento histórico está sendo divulgado? Analisar que visões do passado são acionadas para serem difundidas pela propaganda voltada ao turismo tornou-se tema de meu interesse a partir dos resultados de uma pesquisa diagnóstica aplicada no ano de 2006 pelos acadêmicos da disciplina de Prática do Ensino de História, da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI) em turmas de 7ª e 8ª séries do Ensino Fundamental da Rede Municipal de Itajaí/SC. 4 Nas respostas dos alunos, além de vários aspectos, nos chamou a atenção como o discurso publicitário contribui para difusão de representações sobre o passado e para a formação da consciência histórica dos jovens. Em muitos dos textos elaborados as respostas continham informações turísticas da cidade. Salientavam a beleza natural, as praias, os pontos turísticos, a hospitalidade dos habitantes locais e as festas típicas, como a Marejada. Suas respostas, em muitos momentos, remetiam a propaganda turística, veiculadas através dos meios de comunicação, principalmente na época das festas e no período que antecede o início do verão. O instrumento de pesquisa propunha que os alunos dissertassem a partir de uma situação imaginária: os alunos se encontram num acampamento, com jovens do mundo todo e a forma de fazer amigos era através de uma apresentação escrita onde eles deveriam contar a história do local onde você mora. A 4 Sobre esta pesquisa ver: ROSSATO, Luciana. História Local e Consciência História no Ensino de História: uma pesquisa entre jovens do Ensino Fundamental de Itajaí/SC. Cadernos do Aplicação/UFRGS. v. 20, n.2/2 (jul./dez. 2007) - pp VENERA, Raquel A. S. Turismo e ensino de história: potencialidades e interpretações locais. Turismo em análise. v. 21, n. 2 agosto pp Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ANPUH São Paulo, julho

5 análise das respostas dadas pelos alunos nos possibilitou aprofundar várias discussões. Em relação à primeira questão podemos verificar aspectos referentes ao conhecimento histórico dos alunos, o domínio ou não de habilidades que o estudo da história proporciona e que serão posteriormente utilizados na leitura do mundo no qual vivemos, tais como se identificar (situando-se temporalmente e espacialmente), estabelecer relações, generalizar e comparar. Um aspecto que chamou a atenção nas respostas dos alunos foi o fato de que, naquelas respostas nas quais os alunos falaram do local onde vivem, as informações em sua totalidade referem-se ao presente e não ao passado da localidade (bairro/cidade). Para José Meneses (2004) o turismo histórico-cultural utiliza o objeto histórico, o passado, como um produto que deve ser comercializado, tornando-o um objeto econômico. Outros tipos de turismo, como o de festas, também recorrem ao passado. O turismo pode ser visto como um fenônemo social, como produto da experiência humana e como espaço de trocas culturais e econômicas. O turismo, enquanto fenômeno histórico, vai tomar impulso nos últimos 150 anos, inicialmente na Europa e no América do Norte. Segundo John Urry (2001: 19), ser turista é uma das características da experiência moderna. Viagens existiram a muito mais tempo, mas elas eram restritas a grupos específicos, sejam profissionais ou sociais. O turismo enquanto um fenômeno social e econômico tomou impulso durante o século XX, principalmente no pós-guerra. O incremento do turismo no final do século XX possibilitou sua diversificação: de aventuras, gastronômico, de festas, de observação, histórico-cultural, entre outros. O turismo enquanto indústria econômica, associado com os discursos de valorização do patrimônio, possibilitou o surgimento de um novo tipo de turismo e de turista, interessado em conhecer e consumir história, seja através da visitação a locais históricos, seja através da convivência com os costumes desses locais identificados como históricos. O legado histórico é apropriado e preservado pela memória coletiva, mas também é utilizado com o objetivo de desenvolver o turismo, atividade econômica que se constituiu na sociedade industrial. O discurso histórico e o discurso turístico possuem semelhanças, mas muitas diferenças. Semelhanças por que ambos se propõem uma interpretação sobre um lugar, acionando seu passado. No entanto, como o objetivo é distinto, o resultado também é: o Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ANPUH São Paulo, julho

6 discurso turístico visa vender um lugar. Neste sentido, o que é mostrado é o que é entendido como atrativo, aquilo que pode seduzir o turista. O olhar dos historiadores e dos agentes do turismo sobre o passado é distinto. Enquanto o historiador tem como objetivo a análise do passado a partir de questões postas pelo presente, tendo como base métodos de pesquisa e de escrita da história, os turismólogos (ou agentes de turismo que podem ser vários grupos de profissionais que visam o desenvolvimento do destino turístico) procuram um produto para o consumo e a geração de renda. Segundo Oliveira (2009) o turismo histórico é uma forma muito particular de história do tempo presente, uma vez que os objetos de estudo, o turismo e o passado, estão tanto no presente como no passado. A propaganda O melhor lugar do mundo é aqui... tinha como público alvo a população do próprio estado, no entanto foi veiculada também no material de divulgação da Santur 5, o que significa que teve circulação fora do estado. Segundo Mônica Kornis telenovelas, seriados, minisséries, propagandas eleitorais, telejornais e programas de variedades e de jornalismo, criam, recorrem e se apropriam de momentos da história nacional com extremo vigor, cumprindo um papel expresso no âmbito do entretenimento e da informação (KORNIS, 2003: 1-2). A partir da análise desta propaganda podemos constatar que existem outros espaços de seleção e de difusão dos conhecimentos sobre o passado além da escola e do espaço acadêmico. Carretero, Rosa e González (2007: 18) salientam que é importante destacar que a história escolar é uma representação do passado plausível de ser distinguida de outros registros da história, como o cotidiano e o acadêmico, com os quais estabelece tensões e adequações variadas. Referem-se os autores a história acadêmica, a história escolar e a história cotidiana. Enquanto a primeira, que eles identificam com a historiografia e que é produzida entre os historiadores e os cientistas sociais a partir de um saber instituído, a escolar é selecionada e difundida através dos currículos e dos livros e textos didáticos. Já a história cotidiana trata da memória coletiva que se inscreve na mente dos cidadãos. E é este ponto que nos interessa. A 5 A Santur - Santa Catarina Turismo S/A, é uma empresa de economia mista, anteriormente denominada de CITUR - Companhia de Turismo e Empreendimentos de Santa Catarina, criada em 28 de junho de 1977, resultante da fusão da TURESC e da CITUR/Rodofeira de Balneário Camboriú, que tem como objetivo o fomento e a divulgação da política estadual de turismo, encontrando-se vinculada a Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esporte. Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ANPUH São Paulo, julho

7 construção de uma memória coletiva ocorre não somente através da escola uma vez que as crianças e jovens chegam a escola com conhecimentos prévios que são adquiridos e formados a partir de distintas referências. Pode ser as memórias dos mais velhos, os espaços de memória espalhados pelas cidades, as novelas, filmes e minisséries baseadas em contextos ditos históricos, as peças publicitárias veiculadas em distintos veículos, entre outros. Os contextos de aprendizado são os mais diversos. Além dos historiadores não serem os únicos de trabalham com o passado, também a escola não é o único espaço onde a transmissão destes conhecimentos sobre o passado são difundidos. Neste sentido concordamos com Selva Fonseca quando ela diz que discutir o ensino de história, hoje, é pensar os processos formativos que se desenvolvem nos diversos espaços, é pensar fontes e formas de educar cidadãos, numa sociedade complexa marcada por diferenças e desigualdades (FONSECA, 2005:15). Jörn Rüsen também se preocupa com isto quando diz que o aprendizado da história transforma a consciência histórica em tema da didática da história. Vale lembrar que os processos de aprendizado histórico não ocorrem apenas no ensino de história, mas nos mais diversos e complexos contextos da vida concreta dos aprendizes, nos quais a consciência histórica desempenha um papel (RÜSEN, 2007: 91). Com a profissionalização do trabalho dos historiadores, ocorrida a partir do século XIX, estes profissionais deixaram de se preocupar com os problemas práticos da vida e a moral que, até o século XVIII, definia a tarefa do historiador para se preocupar com os problemas teóricos e empíricos definidos pela metodologia da pesquisa histórica. Segundo Rüsen a cientifização da história excluiu da competência da reflexão histórica racional aquelas dimensões do pensamento histórico inseparavelmente combinadas com a vida prática (2006: 9). Neste movimento a didática da história desloca-se do campo da história e aproxima-se do campo pedagógico ao se constituir como uma disciplina que faz a mediação entre o saber científico e o saber escolar, ao se concentrar nos métodos de ensino de história em sala de aula e nas condições e propósitos do ensinar e aprender história (RÜSEN, 2006: 90). Esta concepção da didática da história muda a partir dos anos 60 e 70, na Alemanha, devido a vários fatores entre os quais o próprio movimento de mudança na concepção do conhecimento histórico: Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ANPUH São Paulo, julho

8 a didática da história agora analisa todas as formas e funções do raciocínio e conhecimento histórico na vida cotidiana, prática. Isso inclui o papel da história na opinião pública e as representações nos meios de comunicação de massa; ela considera as possibilidades e limites das representações históricas visuais em museus e explora diversos campos onde os historiadores equipados com essa visão podem trabalhar (RÜSEN, 2006: 12) A didática da história tem se dedicado a analisar as relações estabelecidas entre o saber erudito (ou acadêmico) e o aprendizado histórico, que pode ocorrer no espaço escolar mas também através de um aprendizado informal, nas relações estabelecidas com o grupo familiar e social, e também através de outros meios de divulgação sobre o conhecimento histórico, como a televisão, internet, rádio, imprensa, visitas a museus, filmes, livros (literatura, didáticos) monumentos. Segundo Klaus Bergmann a didática da história não tematiza apenas a história regulada e disciplinada pela ciência e pelo ensino mas também abarca a história transmitida no processo de socialização, que não é filtrada por nenhuma disciplina científica (1989/1990: 32). A reflexão históricodidática deve refletir sobre o que é transmitido, o que poderia ser transmitido e o que deveria ser transmitido no processo de ensino e aprendizagem. No entanto além de refletir sobre a história escolar, deve refletir também sobre como se forma a consciência histórica, e seus efeitos, na vida prática dos indivíduos. Tanto Bergmann como Rüsen entendem que o conhecimento histórico acionado pelas pessoas em diferentes momentos é decorrente do processo de escolarização, mas também é decorrente do processo de socialização. Antes mesmo de ingressar na escola, as crianças e jovens já possuem referências sobre o passado que foram se constituindo em diferentes espaços de convívio e através de diferentes referências. No Brasil um espaço privilegiado de divulgação de versões sobre o passado são as telenovelas e as minisséries, os desfiles carnavalescos 6, e nos últimos anos têm ocorrido uma demanda crescente por livros e revistas que tratam sobre temas históricos, escritos tanto por historiadores como por outros profissionais, em sua maioria jornalistas. Peter Burke (2008: 3) salienta que o Brasil tem o que poderíamos chamar de um regime de memória próprio. Em contraste com a França e outras partes da Europa, há menos preocupação com o passado, e os lugares associados às memórias também são diferentes. 6 No ano de 2000, quando da comemoração dos 500 anos do descobrimento do Brasil, as escolas de samba do Rio de Janeiro tiverem que desenvolver seus desfiles a partir deste tema. Além disso, todos os anos temas referentes ao passado brasileiro são utilizados nos enredos das escolas de samba. Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ANPUH São Paulo, julho

9 A história ensinada na escola, mas também a história cotidiana (CARRETERO, ROSA, GONZÁLEZ, 2007) e os lugares de memórias são importantes na constituição da consciência histórica dos indivíduos, entendida aqui como uma das condições inerentes do ser humano, que se constitui a partir da sua inserção no coletivo. É a consciência histórica que nos permite situar no tempo e perceber que a identidade de um grupo se constrói na oposição entre nós e eles, mas também integrando dimensões do passado, do presente e do futuro (CERRI, 2001). Retornando a nossa fonte, neste caso a propaganda divulgada pelo governo do estado em 1995, podemos identificar que através deste material publicitário são divulgados imagens e representações sobre o presente e o passado do estado. O que se salienta nesta propaganda é o reforço de representações sobre o estado. Os grupos representados são os alemães, os italianos, os açorianos e os serranos enquanto grupos como afro-descendentes e indígenas. Reforça-se a imagem de que o estado de Santa Catarina é o mais europeu do Brasil. Além de grupos étnicos excluídos também outras regiões do estado são deixadas de lado. As imagens valorizam principalmente as regiões litorâneas, região que nas últimas décadas do século XX teve grande incremento no setor turístico, principalmente naquele vinculado ao turismo de praia e mar. A escolha do passado a se divulgar vincula-se ao projeto de presente e de futuro para o estado escolhido para ser desenvolvido pelos grupos que encontram-se no poder. BIBLIOGRAFIA: BURKE, Peter. A fabricação do rei: a construção da imagem pública de Luís XIV. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., CARRETERO, Mario, ROSA, Alberto & GONZÁLEZ, Maria Fernanda (orgs.) Ensino da História e Memória Coletiva. Porto Alegre: Artmed, CERRI, Luis Fernando. A política, a propaganda e o ensino da história. Caderno Cedes, Campinas, vol. 25, n. 67, pp , set./dez FONSECA, Selva. Didática e prática de ensino de história: experiências, reflexões e aprendizagens. Campinas, SP: Papirus, FUNARI, Pedro Paulo & PINSKY, Jaime (orgs.) Turismo e patrimônio cultural. São Paulo: Contexto, Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ANPUH São Paulo, julho

10 GADDIS, John Lewis. Paisagens da História: como os historiadores mapeiam o passado. Rio de Janeiro: Campus, KORNIS, Mônica Almeida. A representação da história na televisão: rompendo os limites entre presente, passado e futuro. Estudos Históricos, Mídia, nº 31, 2003/1. MENESES, José Newton Coelho. História e Turismo Cultural. Belo Horizonte: Autêntica, OLIVA, Terezinha Alves de. Ensino de História, conhecimento histórico e formação de professores. Saeculum Revista de História. Nº 6/7, jan/dez/ pp OLIVEIRA, Paulo Rogério Melo de. O Passado Encravado no Presente: turismo histórico e passado-espetáculo nas Missões Jesuíticas do Rio Grande do Sul. In: Tempo e argumento. Florianópolis, v. 1, n. 1, p , jan. / jun ORLANDI, Eni Pulcinelli. Terra à Vista!: Discurso do Confronto: velho e novo mundo. São Paulo: Cortez/Campinas: Editora da Unicamp, ROSSATO, Luciana. História Local e Consciência História no Ensino de História: uma pesquisa entre jovens do Ensino Fundamental de Itajaí/SC. Cadernos do Aplicação/UFRGS. v. 20, n.2/2 (jul./dez. 2007) - pp RÜSEN, Jörn. História Viva: teoria da história III: formas e funções do conhecimento histórico. Brasília: Editora Universidade de Brasília, RÜSEN, Jörn. Razão Histórica: teoria da história: fundamentos da ciência histórica. Brasília: Editora Universidade de Brasília, URRY, John. O olhar do turista: lazer e viagens nas sociedades contemporâneas. São Paulo: Studio Nobel,SESC, VENERA, Raquel A. S. Turismo e ensino de história: potencialidades e interpretações locais. Turismo em análise. v. 21, n. 2 agosto pp Anais do XXVI Simpósio Nacional de História ANPUH São Paulo, julho

Festas de Outubro em Santa Catarina!!

Festas de Outubro em Santa Catarina!! ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA DAS DST/HIV/AIDS E HEPATITES VIRAIS Festas de

Leia mais

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Tema: Consciência Negra Público-alvo: O projeto é destinado a alunos do Ensino Fundamental - Anos Finais Duração: Um mês Justificativa:

Leia mais

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO Juliana Ponqueli Contó (PIBIC/Fundação Araucária - UENP), Jean Carlos Moreno (Orientador),

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO. O ESPORTE SEM CORES. Uma Perspectiva para a desconstrução do racismo

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO. O ESPORTE SEM CORES. Uma Perspectiva para a desconstrução do racismo UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO O ESPORTE SEM CORES. Uma Perspectiva para a desconstrução do racismo Uberaba 2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO O ESPORTE SEM CORES. Uma Perspectiva

Leia mais

Geyso D. Germinari Universidade Estadual do Centro-Oeste

Geyso D. Germinari Universidade Estadual do Centro-Oeste O ENSINO DE HISTÓRIA LOCAL E A FORMAÇÃO DA CONSCIÊNCIA HISTÓRICA DE ALUNOS DO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM A UNIDADE TEMÁTICA INVESTIGATIVA Geyso D. Germinari Universidade Estadual

Leia mais

DATA: 06 / 12 / 2013 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 5.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR: 10,0 MÉDIA: 6,0 RESULTADO: %

DATA: 06 / 12 / 2013 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 5.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR: 10,0 MÉDIA: 6,0 RESULTADO: % SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA UNIDADE: DATA: 06 / 12 / 2013 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 5.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR:

Leia mais

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu GTT: Escola O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu Almir Zandoná Júnior 1 Fernando Henrique Silva Carneiro 2 Justificativa/Base teórica A entrada da Educação

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ Selma Andrade de Paula Bedaque 1 - UFRN RESUMO Este artigo relata o desenvolvimento do trabalho de formação de educadores

Leia mais

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL FACULDADE SETE DE SETEMBRO INICIAÇÃO CIENTÍFICA CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL COM HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA ALUNA: NATÁLIA DE ARAGÃO PINTO ORIENTADOR: PROF. DR. TIAGO SEIXAS THEMUDO A IMPRENSA

Leia mais

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo Artes Audiovisuais: Estratégia cooperativa na modalidade Educação Jovem e Adulta - EJA STEFANELLI, Ricardo 1 Instituto Federal de Educação Tecnológica de São Paulo RESUMO O presente trabalho na disciplina

Leia mais

O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB

O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB Introdução Este trabalho se insere nas discussões atuais sobre relação étnico-cultural

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL

A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL 20 a 24 de outubro de 2008 A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL Caroline de Souza Gervazio 1 ; Luciana Figueiredo Lacanallo 2, Maria Ângela Garcia de Almeida 3 RESUMO:

Leia mais

Visite a Rota da Amizade. e viva. grandes experiências

Visite a Rota da Amizade. e viva. grandes experiências Visite a Rota da Amizade e viva grandes experiências A região da Rota da Amizade tem um grande potencial turístico e pequenas cidades que encantam os visitantes. Com a criação deste roteiro, Santa Catarina

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA

PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 134, Toledo PR Fone: 377-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA SÉRIE: 3º ano PROFESSORES: Vera

Leia mais

O ensino de História Antiga e as inovações metodológicas

O ensino de História Antiga e as inovações metodológicas A transposição didática nas salas de aula: O ensino de História Antiga e as inovações metodológicas DANIEL FRANCISCO DA SILVA 1 DEIZE CAMILA DIAS SALUSTIANO 2 Resumo: Um dos maiores desafios enfrentados

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Paraná Programa de Pós-Graduação em Teologia Linha Teologia e Sociedade

Pontifícia Universidade Católica do Paraná Programa de Pós-Graduação em Teologia Linha Teologia e Sociedade Pontifícia Universidade Católica do Paraná Programa de Pós-Graduação em Teologia Linha Teologia e Sociedade PROJETO ESPAÇO SAGRADO: UMA PROPOSTA DE TURISMO EDUCACIONAL E UMA ESTRATÉGIA PARA CONHECER E

Leia mais

Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa

Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa Diversidade Cultural X Estereótipos: Discursos Ideológicos em Livros Didáticos para o ensino de Língua Inglesa Mary Clevely Mendes Programa de Iniciação Científica UEG / CNPq Orientador (Pesquisador-líder):

Leia mais

FESTAS DE AFRICANOS E AFRODESCENDENTES EM DESTERRO DO SÉCULO XIX ATRAVÉS DE DOCUMENTOS ICONOGRÁFICOS: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO DE HISTÓRIA

FESTAS DE AFRICANOS E AFRODESCENDENTES EM DESTERRO DO SÉCULO XIX ATRAVÉS DE DOCUMENTOS ICONOGRÁFICOS: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO DE HISTÓRIA FESTAS DE AFRICANOS E AFRODESCENDENTES EM DESTERRO DO SÉCULO XIX ATRAVÉS DE DOCUMENTOS ICONOGRÁFICOS: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO DE HISTÓRIA Isabella Cristina de Souza UFSC 1 RESUMO Este trabalho apresenta

Leia mais

Aline Gabriela Klauck 1 Luís Guilherme Fagundes 2

Aline Gabriela Klauck 1 Luís Guilherme Fagundes 2 DEVOÇÃO AO ROSÁRIO E FESTAS DE AFRICANOS NA ILHA : EDUCAÇÃO PATRIMONIAL E ENSINO DE HISTÓRIA DE POVOS AFRICANOS E AFRODESCENDENTES EM DESTERRO NO SÉCULO XIX Aline Gabriela Klauck 1 Luís Guilherme Fagundes

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA EDUCAÇÃO, CURRÍCULO E DIVERSIDADE CULTURAL RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Michelly Spineli de Brito Campos Vieira/Prefeitura de Itapissuma-PE Paloma Viana de

Leia mais

SANTA CATARINA EM CENA 2003

SANTA CATARINA EM CENA 2003 SANTA CATARINA EM CENA 2003 Com média de 19 pontos de audiência e 63% de share e grande repercussão junto ao público, o projeto Santa Catarina em Cena, levou para os lares catarinenses, no ano de 2002,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO PROJETO DE ETENSÃO CÂMPUS: Campos Belos ANO DE EECUÇÃO: 2015 LINHAS DE

Leia mais

A EDUCAÇÃO INCLUSIVA COMO OBJETIVO DE UMA GESTÃO DEMOCRÁTICA

A EDUCAÇÃO INCLUSIVA COMO OBJETIVO DE UMA GESTÃO DEMOCRÁTICA A EDUCAÇÃO INCLUSIVA COMO OBJETIVO DE UMA GESTÃO DEMOCRÁTICA Rozieli Bovolini Silveira 1 Diane Santos de Almeida 2 Carina de Souza Avinio 3 Resumo: A educação inclusiva e processo de educação de pessoas

Leia mais

Assessoria de Comunicação & Marketing Assessoria de Imprensa e Divulgação Científica

Assessoria de Comunicação & Marketing Assessoria de Imprensa e Divulgação Científica Assessoria de Comunicação & Marketing Assessoria de Imprensa e Divulgação Científica Monitoramento das Notícias da UNISUL Dia 18 de abril de 2012 JORNAIS UDESC e ACAFE aquecem os vestibulandos Diário Catarinense

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este?

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este? Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL maria.schlickmann@unisul.br Palavras iniciais... As reflexões que apresento neste texto são um recorte de estudo que venho realizando na minha tese de doutorado.

Leia mais

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS EIXOS TEMÁTICOS 1. Cultura, saberes e práticas escolares e pedagógicas na educação profissional e tecnológica: arquivos escolares, bibliotecas e centros de documentação. Para este eixo temático espera

Leia mais

A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO

A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO Gabriela Gonçalves da Silva 1 Jonney Gomes de Freitas Abreu 2 Marielli Gomes Mendonça 3 Mônica Mitchell de Morais Braga 4 Murilo Raphael Dias

Leia mais

CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Edda Curi Resumo Os Parâmetros Curriculares Nacionais de Matemática dos Ensinos Fundamental e Médio enfatizam como um critério essencial para

Leia mais

A Evolução da Mídia Exterior. Dados Demográficos NAVEGANTES

A Evolução da Mídia Exterior. Dados Demográficos NAVEGANTES A Evolução da Mídia Exterior Dados Demográficos NAVEGANTES JOINVILLE Jaraguá do Sul é a terceira economia de Santa Catarina e sede de algumas das maiores empresas do Brasil nos setores eletromecânico e

Leia mais

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES COMO CITAR ESTE TEXTO: Formato Documento Eletrônico (ISO) NASCIMENTO, Alexandre do. Os Cursos Pré-Vestibulares Populares. [Acesso em dd/mm/aaaa]. Disponível em http://www.alexandrenascimento.com. OS CURSOS

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS

Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS Com objetivo de auxiliar na elaboração dos trabalhos, apresentamos critérios relacionados a Economia Criativa e Inovação, conceitos

Leia mais

Cinema e História - um olhar cultural sobre os espaços de sociabilidades

Cinema e História - um olhar cultural sobre os espaços de sociabilidades Cinema e História - um olhar cultural sobre os espaços de sociabilidades Eliane A Silva Rodrigues * Desde que a humanidade se afirmou capitalista, conheceu a modernidade e as indústrias se desenvolveram

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO General Carneiro 2010 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO. O Ensino Religioso existiu num primeiro

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

Estudos da Natureza na Educação Infantil

Estudos da Natureza na Educação Infantil Estudos da Natureza na Educação Infantil Referenciais Curriculares Nacionais da Educação Infantil (RCNEI) parte 3 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE HISTÓRIA NO ENSINO A DISTÂNCIA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE HISTÓRIA NO ENSINO A DISTÂNCIA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE HISTÓRIA NO ENSINO A DISTÂNCIA Resumo SILVA, Fábio Luiz UNOPAR fabio.luiz@unopar.br FRANÇA, Cyntia Simioni - UNOPAR cyntiasimioni@yahoo.com.br Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

MEMÓRIA SOCIAL - UM REGISTRO DE COSTUMES DA SOCIEDADE DE JOÃO PESSOA NO SÉCULO XX

MEMÓRIA SOCIAL - UM REGISTRO DE COSTUMES DA SOCIEDADE DE JOÃO PESSOA NO SÉCULO XX MEMÓRIA SOCIAL - UM REGISTRO DE COSTUMES DA SOCIEDADE DE JOÃO PESSOA NO SÉCULO XX MOURA FILHA 1, Maria Berthilde CAVALCANTI FILHO 2, Ivan QUEIROZ 3, Louise Costa GONDIM 4, Polyanna Galvão RESUMO Nos últimos

Leia mais

O documentário gaúcho contemporâneo: memória e identidade (1995-2010). De Moringue a Barão do Jacuí: a trajetória de Francisco Pedro de Abre.

O documentário gaúcho contemporâneo: memória e identidade (1995-2010). De Moringue a Barão do Jacuí: a trajetória de Francisco Pedro de Abre. 35. MESTRADO EM HISTÓRIA (CÓDIGO 1049) 35.1. Área de Concentração e vagas: História, Poder e Cultura: 15 (quinze) vagas 35.1.1 Linha de Pesquisa e vagas: Integração, Política e Fronteira: oito vagas PROFESSOR

Leia mais

Pág. 1. Caracterização. Pré-requisitos. Ementa. Objetivo da disciplina. Descrição do conteúdo Objetivos Conteúdo Data Aulas Estratégias de Ensino

Pág. 1. Caracterização. Pré-requisitos. Ementa. Objetivo da disciplina. Descrição do conteúdo Objetivos Conteúdo Data Aulas Estratégias de Ensino Pág. 1 Caracterização Curso: C U R S O S U P E R I O R D E T E C N O L O G I A E M H O T E L A R I A Ano/Semestre letivo: 2010/2 Período/Série: 5 Carga horária semanal: 4 aulas (1 h 30) Carga horária total:

Leia mais

AS TECNOLOGIAS, A CIÊNCIA E A PESQUISA NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL

AS TECNOLOGIAS, A CIÊNCIA E A PESQUISA NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL AS TECNOLOGIAS, A CIÊNCIA E A PESQUISA NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Márcia Adriana Rosmann 1 Francieli da Veiga dos Santos 2 Palavras-chaves: Formação. Informação. Comunicação. Escola. A escola de Educação

Leia mais

cerca de 200 crianças, adolescentes e jovens em situação de vulnerabilidade social do Centro Histórico e da periferia de Salvador.

cerca de 200 crianças, adolescentes e jovens em situação de vulnerabilidade social do Centro Histórico e da periferia de Salvador. I ENCONTRO, CAPOEIRA e PATRIMÔNIO IMATERIAL no BRASIL: perspectivas para a implementação de políticas públicas de salvaguarda da Capoeira. Local: UFF Niterói RJ Data: 3 de setembro de 2006 às 16:00 h Tema:

Leia mais

vrocha@coc.fiocruz.br evelyse@ioc.fiocruz.br vtschall@cpqrr.fiocruz.br

vrocha@coc.fiocruz.br evelyse@ioc.fiocruz.br vtschall@cpqrr.fiocruz.br 1 A CONTRIBUIÇÃO DO MUSEU DA VIDA PARA A EDUCAÇÃO NÃO FORMAL EM SAÚDE E AMBIENTE: UMA PROPOSTA DE PRODUÇÃO DE INDICADORES PARA A ELABORAÇÃO DE NOVAS ATIVIDADES EDUCATIVAS. Vânia Rocha COC Museu da Vida

Leia mais

Como ensinamos o Holocausto? Essas linhas mestras foram traduzidas pelo Ministério da Educação português

Como ensinamos o Holocausto? Essas linhas mestras foram traduzidas pelo Ministério da Educação português Como ensinamos o Holocausto? Essas linhas mestras foram traduzidas pelo Ministério da Educação português O Holocausto O Holocausto foi o extermínio de, aproximadamente, seis milhões de judeus pelos nazis

Leia mais

PIRENÓPOLIS EM FOCO Renata Oliveira Pina 1 ; Carlos Alberto Afonso de Lima 2 ; Marcos Gomes Vieira 2 ; João Guilherme da Trindade Curado 3

PIRENÓPOLIS EM FOCO Renata Oliveira Pina 1 ; Carlos Alberto Afonso de Lima 2 ; Marcos Gomes Vieira 2 ; João Guilherme da Trindade Curado 3 PIRENÓPOLIS EM FOCO Renata Oliveira Pina 1 ; Carlos Alberto Afonso de Lima 2 ; Marcos Gomes Vieira 2 ; João Guilherme da Trindade Curado 3 1 Bolsista PBIC/UEG, graduanda do Curso de Tecnologia em Gestão

Leia mais

A Evolução da Mídia Exterior. Projeto de Mídia Exterior JOINVILLE TOTAL

A Evolução da Mídia Exterior. Projeto de Mídia Exterior JOINVILLE TOTAL A Evolução da Mídia Exterior Projeto de Mídia Exterior JOINVILLE TOTAL JOINVILLE Com aproximadamente 516 mil habitantes, Joinville, também conhecida como Cidade das Flores, é a maior e mais próspera cidade

Leia mais

UMA. Publicação RIC EDITORA A MAIOR EDITORA DE SANTA CATARINA VERÃO 2014/2015 REVISTA 4ª EDIÇÃO

UMA. Publicação RIC EDITORA A MAIOR EDITORA DE SANTA CATARINA VERÃO 2014/2015 REVISTA 4ª EDIÇÃO UMA Publicação RIC EDITORA A MAIOR EDITORA DE SANTA CATARINA VERÃO 2014/2015 REVISTA 4ª EDIÇÃO DIVULGAÇÃO DE SANTA CATARINA Apresentação DA REVISTA SHOW ME é um produto inovador no mercado de Santa Catarina.

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO Maria Angélica Zubaran Sabemos que, no âmbito das ciências humanas, a memória está relacionada aos processos da lembrança

Leia mais

Uma reflexão sobre a didática do ensino\aprendizagem de história nas salas de aula de rede pública.

Uma reflexão sobre a didática do ensino\aprendizagem de história nas salas de aula de rede pública. Uma reflexão sobre a didática do ensino\aprendizagem de história nas salas de aula de rede pública. ANA CARLA DE MEDEIROS TRINDADE * BRENDA SOARES SILVA * Resumo: Esse trabalho tem por objetivo fazer uma

Leia mais

O PAPEL DA PROPAGANDA NO AMBIENTE ESCOLAR

O PAPEL DA PROPAGANDA NO AMBIENTE ESCOLAR O PAPEL DA PROPAGANDA NO AMBIENTE ESCOLAR Izabele Silva Gomes Vívian Galvão Barbosa Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com viviangbarbosa@msn.com INTRODUÇÃO Termos como Era

Leia mais

O CONTO AFRICANO NA SALA DE AULA: PROPOSTA EDUCATIVA DOS SABERES AFRICANOS E LITERÁRIOS NA SALA DE AULA

O CONTO AFRICANO NA SALA DE AULA: PROPOSTA EDUCATIVA DOS SABERES AFRICANOS E LITERÁRIOS NA SALA DE AULA O CONTO AFRICANO NA SALA DE AULA: PROPOSTA EDUCATIVA DOS SABERES AFRICANOS E LITERÁRIOS NA SALA DE AULA INTRODUÇÃO Rafael Nóbrega Araújo, graduando em História (UEPB) 1 e-mail: rafaelnobreg@hotmail.com

Leia mais

A INCIVILIDADE EM SALA DE AULA

A INCIVILIDADE EM SALA DE AULA A INCIVILIDADE EM SALA DE AULA Claudiane Lorini claudianelorini@hotmail.com Silvana Rodrigues da Silva madonalongati@hotmail.com Tânia Marli Peçanha de Brito taniam.brito@hotmail.com RESUMO: O ambiente

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

Introdução. Núcleo de Pesquisas

Introdução. Núcleo de Pesquisas Introdução O verão é um período onde Santa Catarina demonstra todo a sua vocação para a atividade turística. Endereço de belas praias, o estado se consolidou como um dos principais destinos de turistas,

Leia mais

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA Rose Madalena Pereira da Silva Prof. da Educação Básica e Pós graduanda em Educação e Novas Tecnologias Sara Ingrid Borba Mestra em

Leia mais

Fotografe Curitiba - Uma Campanha de Incentivo ao Turismo

Fotografe Curitiba - Uma Campanha de Incentivo ao Turismo Fotografe Curitiba - Uma Campanha de Incentivo ao Turismo Daniel de Castro Brainer Pereira PIRES 1 Thatiane Oliveira de ALENCAR 2 Alessandra Oliveira ARAÚJO 3 Universidade de Fortaleza, Fortaleza, CE RESUMO

Leia mais

A DIDÁTICA DO PROFESSOR NO ENSINO SUPERIOR: a importância de uma prática reflexiva nos dias atuais.

A DIDÁTICA DO PROFESSOR NO ENSINO SUPERIOR: a importância de uma prática reflexiva nos dias atuais. 1 A DIDÁTICA DO PROFESSOR NO ENSINO SUPERIOR: a importância de uma prática reflexiva nos dias atuais. Introdução Amanda Da Fonseca Cavalcanti &Isabely Fernandes Leão Nunes O ensino superior, incluso numa

Leia mais

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA PLANO DE DISCIPLINA 1. UNIDADE: Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação 2. PROGRAMA: Pós-graduação em Televisão Digital: Informação e Conhecimento 3. NÍVEL: Mestrado Profissional 4. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO Priscila Reinaldo Venzke Luciano Leal Loureiro RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE ENSINO 2011-1 DISCIPLINA: Arte e Educação - JP0029 PROFESSOR: Ms. Clóvis Da Rolt I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária Teórica: 60h Carga Horária Prática: 15h II EMENTA A disciplina de Arte e

Leia mais

A cidade mais alema do Brasil

A cidade mais alema do Brasil O Projeto de Iniciação Turística Escolar - Pomerode foi desenvolvido e é executado pela turismóloga Priscila Romig, formada em 2004 pela Fundação Universidade Regional de Blumenau (FURB). Projeto patrocinado

Leia mais

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 Claudiane da S. EUSTACHIO Dayana Pires Alves GARCIA Fátima RODRIGUES Jean de J. SANTANA 2 Juliana CESANA 3 Ana Lucia de Carvalho MARQUES

Leia mais

Aplicativo Santur 1. PALAVRAS-CHAVE: Aplicativo; Santur; Turismo; Publicidade Digital; Mobile Marketing.

Aplicativo Santur 1. PALAVRAS-CHAVE: Aplicativo; Santur; Turismo; Publicidade Digital; Mobile Marketing. Aplicativo Santur 1 Luis Gustavo Mondini SCHMIDT 2 Filipe Bagio PFEIFFER 3 Mauro Celso de AGUIAR 4 Edézio Domingos dos SANTOS 5 Maikon SCHULZ 6 Nayara Caroline SPRUNG 7 Paulo Henrique do NASCIMENTO 8 Diogo

Leia mais

A estrutura social e as desigualdades

A estrutura social e as desigualdades 3 A estrutura social e as desigualdades Unidade As desigualdades sociais instalaram se no Brasil com a chegada dos portugueses. Os povos indígenas foram vistos pelos europeus como seres exóticos e ainda

Leia mais

PROCESSO DE INGRESSO NA UPE

PROCESSO DE INGRESSO NA UPE PROCESSO DE INGRESSO NA UPE SOCIOLOGIA 2º dia 1 SOCIOLOGIA VESTIBULAR 11. A Sociologia surgiu das reflexões que alguns pensadores fizeram acerca das transformações ocorridas na sociedade do seu tempo.

Leia mais

Camila Marchesan Cargnelutti, UFSM RESUMO: INTRODUÇÃO

Camila Marchesan Cargnelutti, UFSM RESUMO: INTRODUÇÃO MÍDIA E EDUCAÇÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIA DAS OFICINAS DE JORNAL E RÁDIO ESCOLAR NO PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO NA ESCOLA IRMÃO JOSÉ OTÃO, EM SANTA MARIA (RS) Camila Marchesan Cargnelutti, UFSM RESUMO: Este trabalho

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL DA CRIANÇA RESUMO

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL DA CRIANÇA RESUMO A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL DA CRIANÇA *Sandra Rejane Silva Vargas **Luiz Fernandes Pavelacki RESUMO O presente trabalho tem como principal objetivo identificar qual a importância

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS: INFLUÊNCIAS NO COTIDIANO

AS NOVAS TECNOLOGIAS: INFLUÊNCIAS NO COTIDIANO AS NOVAS TECNOLOGIAS: INFLUÊNCIAS NO COTIDIANO AS NOVAS TECNOLOGIAS: INFLUÊNCIAS NO COTIDIANO ROSEMAR ROSA (rosemar.rosa@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br) MÁRCIA MARIA PALHARES (marcia.palhares@uniube.br)

Leia mais

HISTÓRIA DAS MULHERES NO BRASIL: TRAJETÓRIAS DE RECOMPOSIÇÃO DIDÁTICA. Resumo

HISTÓRIA DAS MULHERES NO BRASIL: TRAJETÓRIAS DE RECOMPOSIÇÃO DIDÁTICA. Resumo HISTÓRIA DAS MULHERES NO BRASIL: TRAJETÓRIAS DE RECOMPOSIÇÃO DIDÁTICA Angela Ribeiro Ferreira UEPG Luis Fernando Cerri UEPG Resumo O problema central de discussão da pesquisa diz respeito a dois pontos:

Leia mais

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão.

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA Aline Mendes da SILVA, Marcilene Cardoso da SILVA, Reila Terezinha da Silva LUZ, Dulcéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES, Departamento de Educação UFG - Campus

Leia mais

O USO DO TANGRAM COMO QUEBRA-CABEÇA PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA SOBRE MULTIPLICAÇÃO DE POLINÔMIOS

O USO DO TANGRAM COMO QUEBRA-CABEÇA PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA SOBRE MULTIPLICAÇÃO DE POLINÔMIOS ISSN 2177-9139 O USO DO TANGRAM COMO QUEBRA-CABEÇA PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA SOBRE MULTIPLICAÇÃO DE POLINÔMIOS Morgana Fernandes da Silva 1 morganaf60@gmail.com Faculdades Integradas de Taquara,

Leia mais

A CULTURA AFRO-BRASILEIRA COMO CONTEÚDO A SER ENSINADO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA

A CULTURA AFRO-BRASILEIRA COMO CONTEÚDO A SER ENSINADO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A CULTURA AFRO-BRASILEIRA COMO CONTEÚDO A SER ENSINADO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Vagner Ferreira Reis 1 ; Jacqueline da Silva Nunes Pereira 2 RESUMO:

Leia mais

Período: agosto e setembro de 2004 Especial para mostrar a formação do mapa étnico do Sul de Santa Catarina.

Período: agosto e setembro de 2004 Especial para mostrar a formação do mapa étnico do Sul de Santa Catarina. ETNIAS DO SUL Período: agosto e setembro de 2004 Especial para mostrar a formação do mapa étnico do Sul de Santa Catarina. A região Sul de Santa Catarina se caracteriza pela colonização italiana, mas outros

Leia mais

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR O USO DO BLOG COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR Isnary Aparecida Araujo da Silva 1 Introdução A sociedade atual vive um boom da tecnologia,

Leia mais

Palavras-chave: Aprendizagem dialógica, aprendizagem escolar, conteúdos-escolares.

Palavras-chave: Aprendizagem dialógica, aprendizagem escolar, conteúdos-escolares. APRENDIZAGEM ESCOLAR NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI: POSSÍVEIS ENCONTROS COM A APRENDIZAGEM DIALÓGICA NOS CADERNOS DE PESQUISA 1 Adrielle Fernandes Dias 2 Vanessa Gabassa 3 Pôster - Diálogos Abertos

Leia mais

PLANO DE ENSINO DESENVOLVIMENTAL 1

PLANO DE ENSINO DESENVOLVIMENTAL 1 PLANO DE ENSINO DESENVOLVIMENTAL 1 Edslene Dias Pereira Schütz RESUMO: O trabalho pretende apresentar teorias sobre o a didática abordando assunto ressaltando a importância do plano de ensino desenvolvimental

Leia mais

FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA

FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA Marta Marques 1 O livro Leituras sobre John Dewey e a educação, do Prof. Dr. Altair

Leia mais

CAMPANHAS ELEITORAIS E COMUNICAÇÃO MIDIÁTICA: CICLOS DE MUDANÇA E CONTINUIDADE

CAMPANHAS ELEITORAIS E COMUNICAÇÃO MIDIÁTICA: CICLOS DE MUDANÇA E CONTINUIDADE CAMPANHAS ELEITORAIS E COMUNICAÇÃO MIDIÁTICA: CICLOS DE MUDANÇA E CONTINUIDADE 48 Monalisa Soares Lopes Universidade Federal do Ceará (UFC) monalisaslopes@gmail.com Os estudos da política contemporânea,

Leia mais

PROJETO ESPORTIVO MODIFICA ESTILO DE VIDA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM VULNERABILIDADE SOCIAL

PROJETO ESPORTIVO MODIFICA ESTILO DE VIDA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM VULNERABILIDADE SOCIAL 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PROJETO ESPORTIVO MODIFICA ESTILO DE VIDA DE CRIANÇAS

Leia mais

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL Bruna Maria de Oliveira (¹) ; Elcione Trojan de Aguiar (2) ;Beleni Salete Grando (3) 1.Acadêmica

Leia mais

Procuramos verificar o que propõem alguns professores que ministram disciplinas relacionadas aos temas em questão nos cursos de licenciatura em

Procuramos verificar o que propõem alguns professores que ministram disciplinas relacionadas aos temas em questão nos cursos de licenciatura em A SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR RELACIONADA AOS TEMAS JOGOS E BRINCADEIRAS E CAPOEIRA, NA PERSPECTIVA DE DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR André Barros Laércio Iório Luciana Venâncio

Leia mais

CULTURA, GASTRONOMIA E TURISMO: DESENVOLVIMENTO LOCAL ESTUDO DE CASO DA III FESTA DA FARINHA DE ANASTÁCIO (MS)

CULTURA, GASTRONOMIA E TURISMO: DESENVOLVIMENTO LOCAL ESTUDO DE CASO DA III FESTA DA FARINHA DE ANASTÁCIO (MS) CULTURA, GASTRONOMIA E TURISMO: DESENVOLVIMENTO LOCAL ESTUDO DE CASO DA III FESTA DA FARINHA DE ANASTÁCIO (MS) 1 TREVIZAN, Fernanda Kiyome Fatori INTRODUÇÃO A promoção dos recursos humanos e do planejamento

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC)

Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC) Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC) Rosana Rodrigues da Silva 1 GD5 História da Matemática e Cultura

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Problematização das práticas educativas na escola. A História nas propostas curriculares do ensino médio. A relação entre métodos, metodologias, técnicas e a prática do professor de História

Leia mais

AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU.

AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU. AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU. Autora: MARIA JOSÉ CALADO Introdução Diante da necessidade e do direito

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA PROGRAMA DA DSCPLNA Disciplina: Prática Código da Disciplina: Carga Horária Semestral: 45 Obrigatória: sim Eletiva: não Número de Créditos: 03 Pré-Requisitos: não EMENTA Refletir sobre a produção da prática

Leia mais

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL APROVO Em conformidade com as Port. 38-DECEx, 12ABR11 e Port 137- Cmdo Ex, 28FEV12 MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais