CÂMARA MUNICIPAL DE ÉVORA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CÂMARA MUNICIPAL DE ÉVORA"

Transcrição

1 CÂMARA MUNICIPAL DE ÉVORA DIVISÃO DE DESPORTO DOCUMENTO DE ORIENTADOR CENTRO DE FORMAÇÃO DESPORTIVA BASQUETEBOL Técnico Desporto: Jorge Vicente ÉVORA, 2008

2 ÍNDICE ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO CENTROS DE FORMAÇÃO DESPORTIVA CARACTERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO ALVO PROGRAMAÇÃO, ORGANIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE TREINO Programa Anual de Treino Programa Mensal Programa de Unidade de Treino Processo de Treino a Longo Prazo Estruturação do Processo de Treino a Longo Prazo Formação Geral de Base Treino de Jovens Competências a Desenvolver Estratégias Psicopedagógicas PROGRAMAÇÃO E IMPORTÂNCIA DA COMPETIÇÃO PARA A EVOLUÇÃO DO NÍVEL DE TREINO Competição e Desenvolvimento sistemático da Performance A competição como meio de treino eficaz Planeamento do Centro de Formação em BASES DA BIOLOGIA DESPORTIVA NO TREINO DAS CRIANÇAS Desenvolvimento das Capacidades Motrizes Fundamentais Treino da Força nesta Faixa Etária: Treino da Resistência nesta Faixa Etária: Treino da Velocidade nesta Faixa Etária: Treino das Capacidades Coordenativas nesta Faixa Etária: Documento Orientador Centro de Formação Desportiva Mini Ténis 2

3 6. DETECÇÃO E ENCOROJAMENTO DO TALENTO DESPORTIVO NAS CRIANÇAS A detecção do talento e das aptidões desportivas CENTRO DE FORMAÇÃO DE BASQUETEBOL Treino da Técnica Desportiva Etapas de Aprendizagem Técnica Fases de Aprendizagem do Treino da Técnica Objectivos Específicos Propostas de Exercícios AVALIAÇÃO DA ACTIVIDADE DESENVOLVIDA BIBLIOGRAFIA Documento Orientador Centro de Formação Desportiva Mini Ténis 3

4 INTRODUÇÃO O Programa JOGAR MAIS, vem no prosseguimento do Programa JOGAR, que funciona no âmbito das Actividades de Enriquecimento Curricular. O processo didáctico surge com o objectivo de dar-mos a conhecer às crianças um maior número de modalidades possíveis, bem como as especifidades de cada uma para a construção de um repertório motor mais valorizado e enriquecido. A abertura nos processos de ensino, de aprendizagem e de prática do desporto é ditada pela preocupação de transmitir a todos as crianças qualificações e competências fundamentais, recorrendo para tanto a diversidade, variedade, criatividade e fantasia nas formas de abordagem. Em resumo esta abertura pedagógico-didáctica não subentende qualquer atitude de reserva em relação ao ensino das modalidades desportivas, antes procura concretizar três ideias principais: Ultrapassar o entendimento restrito de cada modalidade desportiva, enriquecendo-o com a latitude de perspectivas da evolução presente e futura do desporto e relacionando-o com novos conteúdos e formas de organização de movimento, jogo e desporto; Corresponder às necessidades insuficientes resultantes, das condições de vida das crianças, estabelecendo os elementos e fundamentos de um repertório motor imprescindível à afirmação de uma capacidades de aprendizagem desportiva abrangente; Contemplar o leque de interesses e motivações, encorajando e capacitando, com soluções diferenciadas, para um relacionamento afectivo e inteligível com as práticas desportivo-motoras, para uma aquisição e expressão individuais da competência desportiva. O Programa JOGAR MAIS, tem Centros de Formação Desportiva, fora do contexto escolar e com um conjunto de objectivos, bem definidos e de importância extrema para o desenvolvimento desportivo do concelho. Estes Centros de Formação Desportiva, procuram complementar a actividade de sensibilização à actividade física proporcionada nas escolas, pretende também ir ao encontro das necessidades e motivações desportivas específicas de cada criança, proporcionando-lhe as condições desejáveis para o início de um novo ciclo desportivo. Com o novo modelo de intervenção nas escolas, as crianças têm acesso a um conjunto de modalidades, tendo como Documento Orientador Centro de Formação Desportiva Mini Ténis 4

5 finalidade a iniciação à prática da modalidade e despistar possíveis praticantes da mesma. Ao terem acesso às diversas modalidades leccionadas pelos monitores, irão ter a possibilidade de escolher aquela para a qual têm maior apetência e que gostariam de praticar regularmente. Assim, será também da responsabilidade de cada monitor conseguir cativar as crianças a participarem neste programa, bem como já foi referido, despistar algumas que revelem já nestas idades, mais talento e capacidades de praticar uma ou outra modalidade. O presente documento é destinado a todos os coordenadores dos centros, é um documento mais direccionado para o treino e para o desenvolvimento das competências básicas e específicas da criança em cada modalidade. Foi elaborado pelos técnicos da Divisão de Desporto, e vai de encontro às perspectivas e finalidades da Câmara Municipal de Évora, no que diz respeito ao desenvolvimento desportivo e sensibilização para a prática desportiva. (Nota: Adaptado do Documento Orientador 2006 do Prof. Óscar Tojo Técnico da Div. Desporto da C.M.E.) Documento Orientador Centro de Formação Desportiva Mini Ténis 5

6 1. CENTROS DE FORMAÇÃO DESPORTIVA Hoje em dia as cidades, ruas e praças são cada vez menos compatíveis com os jogos e brincadeiras das crianças, mas cada vez mais compatíveis com o automóvel e com a ofensiva do betão. Por outro lado as crianças copiam de muitos adultos e da televisão os seus comportamentos de consumo do tempo, reduzindo actividades motoras a índices preocupantes. Deste modo ficam por realizar experiências e operações motoras fundamentais, afectando o repertório de habilidades e capacidades. A alteração das condições de vida das crianças provoca obviamente modificações intra e inter individuais nos seus interesses, inclinações, hábitos e apetências. O que implica problemas de motivação, de instabilidade e individualização de interesses em relação ao desporto em geral e a cada modalidade desportiva em particular. O desporto é assim, chamado a cumprir uma função de compensação e recuperação, pelo que as modalidades desportivas prestam um serviço que transcende, nos seus objectivos, conteúdos, métodos, espaços e materiais, os limites habituais e naturais noutras circunstâncias. Conscientes de que a realidade desportiva do país, expressa por número de praticantes extremamente baixo, obrigam à tomada de medidas globais e concertadas, estamos a avançar cautelosamente, mas com segurança, para a tomada de medidas que venham a contribuir para uma melhoria da situação do Desporto, quer no Sistema Educativo, quer no Sistema Desportivo. Ora os Centros de Formação encerram em si mesmo conteúdos e objectivos próprios tão específicos, nomeadamente, os da promoção da saúde para um desenvolvimento e crescimento harmonioso e equilibrado (somente esta área tem esta virtualidade), bem como o da prevenção de comportamentos desajustados, integração social, respeito pelas regras, pelos outros e por si próprio, de superação, compreensão e aceitação dos outros, em suma, para o desenvolvimento de um conceito de cidadania. Para não falar dos objectivos operacionais inerentes a cada modalidade/centro. Assim e tendo em conta esta realidade, o Programa JOGAR MAIS apresenta os seguintes objectivos gerais: Desenvolver o gosto pela prática da Actividade Física e Desporto; Diversificar a oferta desportiva do Concelho; Documento Orientador Centro de Formação Desportiva Mini Ténis 6

7 Proporcionar prática desportiva sem custos, para todos indivíduos do escalão etário a que se destina; Ocupar os tempos livres de uma forma saudável; Desenvolver e continuar a prática das modalidades desportivas no 1º ciclo; Colmatar as insuficiências resultantes do estilo de vida cada vez mais sedentário das crianças, procurando estimular e enriquecer o seu reportório motor; Fomentar o processo de iniciação Desportiva como uma etapa fundamental no processo de formação do praticante desportivo; Possibilitar a aquisição, nos momentos certos (períodos críticos), de habilidades e competências motoras essenciais para p futuro pessoal e desportivo dos jovens; Envolver e incentivar as Associações Desportivas, para que no futuro criem núcleos/grupos destas modalidades, que lhes permitam a posteriori enveredar pela vertente federada. Incentivar à prática de modalidades desportivas com menor capacidade de mobilização; É importante reforçar que a acção dos coordenadores de cada Centro Formação Desportiva, em cada Escola do concelho, torna-se essencial e de extrema importância para cativar e sensibilizar as crianças a integrarem os mesmos. Assim, deverão os coordenadores ser os próprios a desenvolver estratégias de divulgação e sensibilização, com organização de actividades e iniciativas de promoção, de forma a aumentar o número de participantes no Centro de Formação Desportiva da Modalidade. Documento Orientador Centro de Formação Desportiva Mini Ténis 7

8 2. CARACTERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO ALVO Tendo o Programa JOGAR uma intervenção dirigida à população das escolas do 1º Ciclo do Ensino Básico, é de todo pertinente que o monitor se acerque das particularidades desenvolvimentais desta população, para que possa desenvolver uma metodologia de trabalho adequada às suas características e, assim, atingir os objectivos previamente delineados. Durante o escalão etário dos 6/7 aos 10/11 anos, no qual se inscreve a população alvo em questão, ocorre a fase mais crucial dos processos de crescimento do sistema nervoso e do desenvolvimento motor. Neste último, a criança aperfeiçoa progressivamente as suas acções, nomeadamente ao nível da rapidez e precisão, como também é capaz de acompanhar o aumento de complexidade das tarefas. Verifica-se também a consolidação da adaptação às estruturas espaciais e temporais, o que permite à criança melhorar a coordenação das suas acções e uma maior segurança na realização dos movimentos. Outra aquisição característica desta fase é a capacidade de diferenciação das diferentes partes do corpo, sendo que o ganho de consciência corporal permite à criança ter comportamentos socialmente mais ajustados. Em termos morfológicos, segundo Pacheco (2001) a criança poderá ser considerada como um Mosaico, que possui mais de 1500 cartilagens em período de crescimento, que se irão posteriormente transformar nos cerca de 208 ossos que todos nós possuímos na idade adulta, havendo por isso que ter alguns cuidados nas cargas a ministrar nas sessões de ensino. É, no entanto, necessário entender que as características que se descrevem para uma determinada idade, nem sempre têm uma correspondência absoluta com a realidade. Isto porque pode haver diferentes formas de expressão e de envolvimento durante a infância e também porque nem sempre a idade cronológica (o número de anos e dias de vida decorridos após o nascimento) corresponde à idade biológica (a maturidade geral do organismo, do sistema hormonal, do esqueleto, determinado neste caso, pelo grau de ossificação da estrutura óssea) da criança. Documento Orientador Centro de Formação Desportiva Mini Ténis 8

9 Passamos a enumerar algumas características predominantes: Boa capacidade de aprendizagem dos exercícios e dos objectivos a atingir; Possuem o gosto pelo movimento, pelo jogo e pelas actividades físicas; Fraca capacidade de atenção à informação que lhe queremos fornecer; Fraca possibilidade de integração e de retenção de conteúdos, se os mesmos não forem sistematizados; Boa capacidade de imaginação; Impera o pensamento concreto e o pensamento centrado em si; Gostam de ser o centro das atenções, atraindo para si as atenções do professor e colegas; Constituição física equilibrada e harmoniosa; Boa predisposição para o desenvolvimento de flexibilidade, capacidades coordenativas e lateralidade. Quadro I Características das Crianças entre os 6 e os 10 anos (adaptado de Pacheco, 2001) Documento Orientador Centro de Formação Desportiva Mini Ténis 9

10 3. PROGRAMAÇÃO, ORGANIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE TREINO Para que um processo de treino seja eficaz, é preciso não apenas prever-lhe a forma, mas também a programação a longo prazo, a estruturação e avaliação fundamental. 3.1.Programa Anual de Treino O programa anual do treino indica a estruturação do trabalho no desportista ou do grupo de desportistas no espaço de um ano. Ele concretiza, portanto, o programa plurianual para o ano corrente. Contém: A definição dos diferentes objectivos e pontos importantes no decorrer do ano; A programação das cargas de treino, metodologia aplicada e conteúdos das sessões; O diagnóstico com caracter previsional da performance; O programa de aproximação à competição, estando nele contidas as fases de preparação e as competições-testes; O programa de avaliação. No Programa Jogar Mais, o planeamento ocorre durante o ano lectivo em causa, sendo a planificação elaborada Setembro a Junho cumprindo com as interrupções lectiva, organizando o plano de actividades para o respectivo período. Documento Orientador Centro de Formação Desportiva Mini Ténis 10

11 3.2.Programa Mensal O programa de treino mensal, denominado também como microciclo ou como programa operacional, indica a programação de sequências de treino de vários dias, podendo ir até uma semana. Ele contém, por um lado, a definição da carga de treino para a semana e, por outro lado, a sucessão de variação de tarefas principais no interior das unidades de treino. Por conseguinte, ele mostra também os dias em que as cargas superiores ou inferiores devem ser programadas e a ordem pela qual devem intervir os métodos e conteúdos de treino. O Coordenador Modalidade deverá periodizar em função do mês em causa tendo em conta 2 sessões semanais. 3.3.Programa de Unidade de Treino O programa de unidades de treino encerra a indicação concreta da estruturação de cada sessão de treino, precisando os objectivos individuais da carga, assim como os métodos, os conteúdos e os meios necessários para a sua realização. Ele fornece indicações sobre a estruturação do programa de aquecimento, do ponto forte da sessão e do fim do treino, como por exemplo uma pequena marcha de descanso ou outras medidas de recuperação; Estruturação de uma Unidade de Treino - A sessão de treino representa a mais pequena unidade na totalidade do processo de treino; o seu conteúdo, a sua forma, a sua periodicidade e a sua organização constituem um todo. A unidade de treino desenvolve factores físicos da performance, as competências técnicas e tácticas, as disposições e os comportamentos desportivos específicos da modalidade desportiva em questão. Na prática, demonstrou-se ser produtivo dividir a sessão de treino em três fases sequenciais: fase preparatória, fase principal e fase terminal. Documento Orientador Centro de Formação Desportiva Mini Ténis 11

12 Diferentes modalidades de programação de uma Sessão de Treino Fase Preparatória Fase Principal Fase Terminal Conteúdo dos exercícios e objectivos; Métodos observações; Estipular situações pedagógicas; Preparação organismo; Exercícios estímulo inicial. Controlo vestuário aparelhos desportivos; do de do e Começar a sessão a horas; Melhoramento do estado de treino; Exercer reforçar desenrolar movimento; e o do Preparação da competição. Intervenções, assimilação e reforço dos conhecimentos das capacidades e das habilidades; Acalmar o organismo ou trabalhar novamente os pontos importantes; Interpelar as sensações (experiência do sucesso); Conclusões pedagógicas positivas. Exercícios relaxamento, etc; de jogos, Retorno à calma do organismo após exercícios intensos; Escolha da Matéria; Esforço Definição objectivos tarefas; de de Exercícios simples e diversificados; (exercícios de base; jogos); Dar atenção à passagem para a parte seguinte; Cargas de trabalho crescentes Resolver consequentemen te os exercícios e os objectivos parciais; Considerar a compatibilidade dos esforços; Fazer avançar a sua própria educação; Cargas elevadas Arrumar os exercícios e a sessão de treino (avaliação e reconhecimento); Conclusão do exercício ou da unidade de treino; Cargas Elevadas Duração 10-15min 35-45min 5-10min As sessões do Centros de Formação Desportiva, deverão ter uma duração mínima de 50 minutos até uma 1h 10m no máximo de prática efectiva. Documento Orientador Centro de Formação Desportiva Mini Ténis 12

13 3.4.Controlo e Avaliação do Treino Distinguimos o controlo imediato e o controlo diferido. O controlo imediato efectua-se no seguimento de uma única sessão de treino cuja eficácia se deseja verificar; O controlo diferido diz respeito à análise do efeito interactivo de um certo número de sessões que, geralmente, formam um bloco de treino (período de treino, treino de um ano inteiro). A ligação entre o controlo imediato e o controlo diferido, ou seja, entre o controlo detalhado e o controlo mais complexo, é particularmente significativo, visto que os efeitos de uma sessão ou de um bloco de treino não são efectivamente conhecidos a não ser ao fim de um certo período de tempo. As sessões devem ser definidas de acordo com blocos programáticos que se pretendam envolver na aprendizagem. 3.5.Processo de Treino a Longo Prazo A prática desportiva demonstra cada vez mais claramente que as mais elevadas performances desportivas só podem ser atingidas se as bases necessárias para esse efeito tiverem sido adquiridas desde a infância e adolescência. Isto supõe uma programação sistemática do processo de treino a longo prazo. Para a programação do processo de treino a longo prazo, os elementos decisivos são, por um lado, a programação a longo prazo das condições de evolução da performance e, por outro, a definição das etapas necessárias no tempo, em função da idade performance máxima e das condições gerais de preparação a longo prazo para o desenvolvimento de performances ideias. Pretende-se que a evolução surja com base numa sequenciação sistemática e regular de aulas a longo prazo. Documento Orientador Centro de Formação Desportiva Mini Ténis 13

14 3.5.1.Estruturação do Processo de Treino a Longo Prazo O processo de treino a longo prazo está muito em geral dividido em diferentes sequências, apresentando cada uma objectivos, métodos e conteúdos relativamente independentes e uma organização adaptada a uma determinada faixa de idade. O objectivo do processo de treino a longo prazo é o aumento progressivo das exigências do treino, ou seja, o melhoramento contínuo da capacidade de performance desportiva. Esta capacidade de performance desportiva depende das capacidades físicas, psíquicas, técnicas, tácticas e intelectuais. Para chegar, dentro do conjunto destas componentes parciais da capacidade de performance desportiva, ao mais alto nível possível, é preciso que o processo de treino seja programado judiciosamente. Aumentar a complexidade ao longo do período anual para que ocorra aprendizagem. 3.6.Formação Geral de Base A formação geral de base é a sequência (etapa) de encorajamento dos talentos. Designámo-la também de «treino motor de base» e ela corresponde sobretudo ao desenvolvimento das capacidades de coordenação. O essencial é a ocorrência da aprendizagem de habilidades e de combinações motoras simples, adaptadas ao estádio de desenvolvimento respectivo, que serão o «veículo» do melhoramento progressivo das capacidades de coordenação em particular a capacidade de equilíbrio, capacidade de ritmo, a capacidade de reactividade, a capacidade de diferenciação muscular, a capacidade de orientação no tempo e no espaço, a capacidade de correlação e a de adaptação. A formação geral de base deve fixar as exigências (diversas e variadas) adaptadas à idade e deve desenrolar-se numa atmosfera feliz para permitir o enriquecimento sistemático do repertório motor e acumulação mais diversas Documento Orientador Centro de Formação Desportiva Mini Ténis 14

15 experiências motoras e psíquicas. Para certas categorias de idade, a aprendizagem pode efectuar-se apenas de forma lúdica. É preciso respeitar, desde esta etapa, o princípio da progressividade das cargas: o aumento da complexidade dos movimentos e dos encadeamento motores, o aumento da velocidade de movimento e da precisão do movimento melhoram não apenas capacidades de performance coordenativa, mas também aumentam a capacidade de aprendizagem motora pela aquisição de uma grande quantidade de «rotinas motoras». As rotinas base transversais a todas as modalidades deverão estar sempre presentes. Crianças e Adolescentes Treino Base Geral de Treinos de Sensibilização para Actividade Desportiva Jogar Júnior; Jogar; Práticas informais; Treino de Aprendizagem Treino de Base Treino Intensivo Jogar Mais; Actividade no Clube; Treino de transição Competição; Actividade no Clube; Treino de Alta Performance Treino Aperfeiçoamento de Actividade nas Associações/Federações; Competição; Documento Orientador Centro de Formação Desportiva Mini Ténis 15

16 3.7.Treino de Jovens CÂMARA MUNICIPAL ÉVORA DIVISÃO DE DESPORTO O objectivo do treino dos jovens é, antes de mais, a detecção das qualidades específicas e das capacidades de desenvolvimento individual na modalidade desportiva considerada. A utilização de indicações específicas de uma modalidade desportiva desempenha, nesta ocorrência, um papel importante. No que diz respeito por exemplo ao Treino de Base tem como objectivos os seguintes pontos: Uma formação de base polivalente orientada para uma modalidade desportiva; O emprego de métodos e de conteúdos de treino polivalentes, inscrevendo-se no âmbito da formação geral; A aquisição de capacidades técnicas fundamentais, por exemplo de um importante repertório de capacidades motoras de base; Competências a Desenvolver O contributo da educação psicomotora constitui um elemento fundamental para o desenvolvimento da inteligência, da afectividade e da personalidade da criança, uma vez que não só lhe permite ganhar consciência do seu corpo e do mundo que a circunda, como também lhe providencia o espaço para os seus primeiros contactos sociais dentro de um grupo, que auxiliam o desenvolvimento da sua espontaneidade, criatividade e responsabilidade (Dominguez, et al., 1999). Por outro lado, o desenvolvimento físico da criança atinge estádios qualitativos que precedem o desenvolvimento cognitivo e social. Assim, a actividade física educativa oferece aos alunos experiências concretas, necessárias às abstracções e operações cognitivas inscritas nos Programas de outras áreas, preparando os alunos para a sua abordagem ou aplicação. Estas evidências justificam a importância crucial desta Área Curricular no 1º Ciclo, como componente inalienável da Educação. As actividades lúdicas e pré-desportivas assumem assim importância fundamental como veículo de desenvolvimento da criança, entendido num processo integral e harmonioso. Resumidamente, podemos considerar três Documento Orientador Centro de Formação Desportiva Mini Ténis 16

17 grandes domínios do desenvolvimento: o cognitivo, o sócio-afectivo e o psicomotor: Domínio Capacidades a desenvolver Coordenação motora global; Execução de elementos e gestos técnicos e tácticos específicos a cada modalidade; Resistência geral; Psicomotor Flexibilidade e agilidade; Ritmo; Controlo da orientação espacial; Velocidade de reacção simples e complexa de execução de acções motoras básicas e de deslocamento; Equilíbrio dinâmico em situações de voo, de aceleração e de apoio instável e/ou limitado; Auto-estima; Auto-confiança; Motivação intrínseca; Respeito pelo próximo; Sócioafectivo Cooperação; Responsabilidade; Cordialidade e auto-controlo; Interpretação correcta dos exercícios realizados; Compreensão, aplicação e cumprimento de regras; Cognitivo Realização de forma correcta das componentes críticas de cada exercício; Expressão oral com correcção de alguns elementos da actividade; Utilização destas aprendizagens noutras áreas curriculares; Quadro II: Identificação de algumas capacidades a desenvolver nos domínios psicomotor, sócio-afectivo e cognitivo. Documento Orientador Centro de Formação Desportiva Mini Ténis 17

18 Porque a criança é uma totalidade, personalidade complexa que se desenvolve de forma integrada, global, a intervenção do monitor processa-se de forma sistemática, interagindo em qualquer dos domínios. A riqueza de estímulos e vivências diversificadas, devem reforçar todas as dimensões possíveis dos três domínios de aprendizagem, potenciando-se umas às outras (Matos, 2000). Orientada neste sentido, a intervenção do monitor deve desenvolver-se de forma estruturada, procurando em cada momento o desenvolvimento de capacidades concretas, que assegurem no final do processo a aquisição de um conjunto de competências fundamentais Estratégias Psicopedagógicas Segundo Coelho (2004), apesar da preparação psicopedagógica dos técnicos desportivos ser um instrumento fundamental e indispensável à acção e intervenção dos mesmos no processo desportivo, verifica-se que os insucessos obtidos pelos técnicos no exercer das suas funções e cumprimento dos seus objectivos, em geral, são justificados por carências psicopedagógicas (estratégias desajustadas do contexto de intervenção). Posto isto, apresentamos em seguida ALGUMAS sugestões de estratégias psicopedagógicas a que o monitor poderá recorrer no decurso da sua actividade (Buceta, 2001; Martens, 1999). Motivação Providenciar um clima de trabalho agradável, em que predominem actividades estimulantes e interessantes; Programar tarefas concretizáveis e exigências adequadas ao nível das capacidades dos alunos, salvaguardando uma aprendizagem gradual e diferentes ritmos de progressão; Utilizar diferentes materiais e exercícios que pressuponham tanto o trabalho em grupo como individual; Proporcionar aos alunos experiências de êxito e ajudá-los a atribuir o sucesso às suas próprias capacidades, à sua competência; Centrar o elogio no esforço, empenho e progresso conseguidos pelos alunos, ao invés dos resultados propriamente ditos; Documento Orientador Centro de Formação Desportiva Mini Ténis 18

19 Elogiar imediatamente a seguir à apresentação de um comportamento desejado; Reforçar continuamente os alunos no início da aprendizagem de conteúdos novos e, numa fase mais avançada, atribuir o reforço de forma intermitente; Abordar positivamente os aspectos a corrigir, destacando primeiramente um aspecto positivo evidenciado pelo aluno, em seguida o que se pretende corrigir e, por último, novamente o reconhecimento de um aspecto positivo. Comportamento Equilibrar a intervenção estruturada e proposta pelo monitor e a participação dos alunos nos processos de tomada de decisão, atendendo ao seu nível de maturidade; Reconhecer que a superação dos erros é alcançada com o tempo, que permite uma melhor assimilação e domínio da informação recebida, e que os mesmos são inerentes ao processo formativo dos alunos; Complementar uma explicação com a respectiva demonstração, executada pelo monitor ou pelos alunos, por forma a consolidar a explicação e os critérios de êxito da tarefa; Ser activo nos deslocamentos no espaço de aula para que os alunos possam ser adequadamente supervisionados, garantindo aspectos de segurança, rentabilização do tempo de aula e prevenção de comportamentos menos correctos; Observar como os alunos actuam para que o monitor se certifique se a explicação foi compreendida e, em caso contrário, interromper o exercício e explicar de novo; Explicar, em caso de realização incorrecta de uma tarefa, onde o aluno procedeu mal, como o deve corrigir e oferecer-lhe uma nova oportunidade de realização da tarefa, ao invés de o repreender; Centrar a atenção no progresso dos alunos mais do que nos seus aspectos deficitários, destacando sempre os aspectos de evolução; Distribuir a atenção por todos os alunos; Documento Orientador Centro de Formação Desportiva Mini Ténis 19

20 Providenciar aos alunos um feedback descritivo e avaliativo, para que saibam como estão a executar uma determinada tarefa, o que necessitam de melhorar e como; Dar prioridade à aprendizagem e execução dos exercícios propostos e só depois deixar o aluno fazer o que mais gosta; Comunicação Apresentar de forma clara, precisa e sucinta as tarefas e os seus objectivos Estabelecer regras de funcionamento da tarefa e as consequências do seu não cumprimento; Permitir que os alunos pensem por si mesmos, ao invés de ser o monitor a dizer sistematicamente o que deverão fazer em cada momento; Apropriar comportamentos verbais e não verbais, como sendo o olhar para os alunos quando falamos com eles, utilizar um tom e volume de voz adequados, etc.; Utilizar o questionamento como método de ensino, quer na fase principal quer na final, de forma a verificar os conhecimentos/aquisições dos alunos. Organização Utilizar tarefas que se relacionem com aprendizagens anteriores; Consciencializar os alunos para a necessidade de se disporem em U, sempre que o monitor dê qualquer tipo de instrução; Fazer com que todos os alunos participem na arrumação do material. Quadro III: Sugestões de algumas estratégias psicopedagógicas a que o monitor poderá recorrer no decurso da sua actividade. Documento Orientador Centro de Formação Desportiva Mini Ténis 20

21 4. PROGRAMAÇÃO E IMPORTÂNCIA DA COMPETIÇÃO PARA A EVOLUÇÃO DO NÍVEL DE TREINO A performance individual máxima só pode ser atingida pela utilização adequada de todas as categorias de exercícios, isto é, no momento certo, na medida ajustada e com a intensidade própria. As competições desportivas são importantes sob várias perspectivas. Elas servem para o desenvolvimento sistemático da performance, para o melhoramento do estado de treino do desportista, para a verificação do estado de performance desportiva, para atingir uma boa concretização do plano e permitem controlar a eficácia do treino. 4.1.Competição e Desenvolvimento sistemático da Performance De um modo geral, a competição desportiva pratica-se em interacção com o treino. A competição e o treino constituem uma unidade. O treino sem a competição perde o seu valor para o desportista, dado que o treino é a preparação para o sucesso em competição. De um ponto de vista metodológico pedagógico e didáctico, temos necessidade não só de uma teoria de treino, que vise a optimização da capacidade da performance, mas também de uma teoria da competição. Assim, é necessário aquando da realização dos convívios com cariz mais competitivo respeitar os seguintes pontos: Uma sucessão de competições judiciosa; Um número de competições adequado; Um nível de competição correspondente ao nível de preparação; O jovem desportista deve poder provar a sua capacidade, as técnicas e comportamentos que adquiriu; O jovem desportista deve participar em competições nas diferentes disciplinas da sua modalidade desportiva e de outras modalidades (pluridisciplinar); As competições devem desenvolver-se ao longo do ano e ao longo de todas as fases do treino. As competições devem ser organizadas no interior dos grupos de treino e entre grupos de treino com mesmo nível de performance. Documento Orientador Centro de Formação Desportiva Mini Ténis 21

CÂMARA MUNICIPAL DE ÉVORA

CÂMARA MUNICIPAL DE ÉVORA CÂMARA MUNICIPAL DE ÉVORA DIVISÃO DE DESPORTO DOCUMENTO DE ORIENTADOR CENTRO DE FORMAÇÃO DESPORTIVA MINI-TÉNIS Técnico Desporto: Jorge Vicente ÉVORA,2008 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 4 1. CENTROS DE FORMAÇÃO DESPORTIVA...

Leia mais

Desenvolvimento da criança e o Desporto

Desenvolvimento da criança e o Desporto Desenvolvimento da criança e o Desporto Desenvolvimento da criança e o Desporto DESPORTO ENSINO TREINO CRIANÇAS E JOVENS I - O QUÊ? II - QUANDO? III - COMO? Desenvolvimento da criança e o Desporto I Capacidades

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 7º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 7º ANO PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 7º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO 7º ANO METAS ATIVIDADES DESPORTIVAS O aluno cumpre o nível INTRODUÇÃO de cinco matérias diferentes distribuídas da seguinte

Leia mais

Escola E.B. 2/3 dos Olivais

Escola E.B. 2/3 dos Olivais Escola E.B. 2/3 dos Olivais Esta planificação foi concebida como um instrumento necessário. Os objectivos da Educação Física no ensino básico bem como os princípios de organização das actividades nas aulas,

Leia mais

Organização do treino de Badminton

Organização do treino de Badminton Organização do treino de Badminton Introdução O treino tem sempre uma variabilidade de factores enorme, qual o objectivo, a quem se destina, iniciação ou alto rendimento, qual a altura da época que nos

Leia mais

DISCIPLINA: PESO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

DISCIPLINA: PESO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS PESO 220 DISCIPLINA: PESO DOMÍNIO DAS TÉCNICAS (LANÇADORES DESTROS) FASE III APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO B FASES / NÍVEIS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS - Adquirir noções gerais do lançamento do peso, através de

Leia mais

Organização da Carreira Desportiva no Pentatlo Moderno

Organização da Carreira Desportiva no Pentatlo Moderno Organização da Carreira Desportiva no Pentatlo Moderno ETAPA IDADES ESCALÕES PROVAS INICIAÇÃO ATÉ 9 ANOS APRENDIZES TRIATLO 9 A 10 ANOS BENJAMINS TRIATLO APRENDIZAGEM 11 A 12 ANOS INFANTIS TRIATLO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

A TREINABILIDADE DO JOVEM JOGADOR DE HÓQUEI EM PATINS JORNADA TÉCNICO - PEDAGÓGICA DEZEMBRO 2005 PROF. LUIS SÉNICA

A TREINABILIDADE DO JOVEM JOGADOR DE HÓQUEI EM PATINS JORNADA TÉCNICO - PEDAGÓGICA DEZEMBRO 2005 PROF. LUIS SÉNICA A TREINABILIDADE DO JOVEM JOGADOR DE HÓQUEI EM PATINS JORNADA TÉCNICO - PEDAGÓGICA DEZEMBRO 2005 PROF. LUIS SÉNICA EVOLUÇÃO/DESENVOLVIMENTO DO JOVEM PRATICANTE Processo constante mas descontínuo, por ciclos

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 10ª Classe

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 10ª Classe PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 10ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Formação Geral Ficha Técnica Título Programa de Educação Física - 10ª Classe Formação de Professores do 1º

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ODIVELAS MATRIZ DO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA 3º Ciclo Ano lectivo 2009/2010

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ODIVELAS MATRIZ DO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA 3º Ciclo Ano lectivo 2009/2010 Ginástica de Solo Prova Prática ESCOLA SECUNDÁRIA DE ODIVELAS MATRIZ DO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA 3º Ciclo Ano lectivo 2009/2010 Tempo de realização: 45m A prova é composta por

Leia mais

Fundamentos do Treino de Jovens no Ténis: O Desenvolvimento Técnico

Fundamentos do Treino de Jovens no Ténis: O Desenvolvimento Técnico Fundamentos do Treino de Jovens no Ténis: O Desenvolvimento Técnico Pedro Felner 2012 Aspectos Decisivos para o Desenvolvimento de uma Técnica Eficiente FLUIDEZ NO MOVIMENTO Aproveitamento do Peso da Raquete:

Leia mais

PROGRAMA DE TEORIA E METODOLOGIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 12ª e 13ª classes

PROGRAMA DE TEORIA E METODOLOGIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 12ª e 13ª classes PROGRAMA DE TEORIA E METODOLOGIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 12ª e 13ª classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Disciplina de Educação Física Ficha Técnica Título Programa de Teoria e Metodologia

Leia mais

PROGRAMA DE ENSINO Ano Lectivo 2014/2015

PROGRAMA DE ENSINO Ano Lectivo 2014/2015 ENSINO Ano Lectivo 2014/2015 ENSINO 2014/2015 BEBÉS Este processo é caracterizado como uma adaptação a um meio novo, com uma afectividade e desenvolvimento integrador, e não de aprendizagem das técnicas

Leia mais

1. História do Voleibol. 2. Caracterização do Voleibol. 2. Regras do Voleibol. Documento de Apoio de Voleibol VOLEIBOL

1. História do Voleibol. 2. Caracterização do Voleibol. 2. Regras do Voleibol. Documento de Apoio de Voleibol VOLEIBOL VOLEIBOL 1. História do Voleibol O Voleibol foi criado em 1885, em Massachussets, por William G. Morgan, responsável pela Educação Física no Colégio de Holyoke, no Estado de Massachussets, nos Estados

Leia mais

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Escola Básica Integrada da Praia da Vitória DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Após a avaliação diagnóstica realizada para cada matéria/turma, e mediante o documento de departamento «Adaptação do Currículo

Leia mais

PROGRAMA DE PSICOLOGIA DESPORTIVA 11ª Classe

PROGRAMA DE PSICOLOGIA DESPORTIVA 11ª Classe PROGRAMA DE PSICOLOGIA DESPORTIVA 11ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Disciplina de Educação Física Ficha Técnica Título Programa de Psicologia Desportiva - 11ª Classe Formação

Leia mais

A Sessão de Treino. A Sessão de Treino. Curso de Treinadores de Nível 1. Cascais, 27 de Setembro

A Sessão de Treino. A Sessão de Treino. Curso de Treinadores de Nível 1. Cascais, 27 de Setembro A Sessão de Treino 2008 Temas a abordar A Sessão de Treino Preocupações do Treinador no treino Instrução Gestão Clima Disciplina Formas de organização da sessão de treino Para que servem Critérios de selecção

Leia mais

Auto-formação para colaboradores

Auto-formação para colaboradores Formação e familiarização directa com o posto de trabalho é, muitas vezes, da responsabilidade da organização. Para uma organização eficaz desta tarefa, o instrutor/tutor necessita não só do conhecimento

Leia mais

Educação Pré-escolar: Expressão e Educação Físico Motora

Educação Pré-escolar: Expressão e Educação Físico Motora Educação Pré-escolar: Expressão e Educação Físico Motora O corpo que a criança vai progressivamente dominando desde o nascimento e de cujas potencialidades vai tomando consciência, constitui o instrumento

Leia mais

Ser um Treinador de Sucesso com Crianças

Ser um Treinador de Sucesso com Crianças APEF Ser um Treinador de Sucesso com Crianças Pedro Teques Departamento de Psicologia e Comunicação da APEF Direcção de Contacto: Pedro Teques, Departamento de Psicologia e Comunicação, Associação Portuguesa

Leia mais

"Na perspectiva da melhoria da qualidade de vida, da saúde e do bem-estar:

Na perspectiva da melhoria da qualidade de vida, da saúde e do bem-estar: Currículo Nacional do Ensino Básico Competências Essenciais Educação Física Introdução A Educação Física, enquanto área curricular, estabelece um quadro de relações com as que com ela partilham os contributos

Leia mais

Desenvolvimento Pessoal e Social em Desporto. O Domínio Sócio-Afectivo

Desenvolvimento Pessoal e Social em Desporto. O Domínio Sócio-Afectivo Desenvolvimento Pessoal e Social em Desporto O Domínio Sócio-Afectivo Questões É possível sistematizar a nossa intervenção nesta área? Que objectivos são concretizáveis? Que conteúdos seleccionar? Que

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DA ÁREA CURRICULAR DE EDUCAÇÃO FÍSICA. 2º Ciclo e 6º Ano PCD Ano letivo: 2015/2016

PLANIFICAÇÃO DA ÁREA CURRICULAR DE EDUCAÇÃO FÍSICA. 2º Ciclo e 6º Ano PCD Ano letivo: 2015/2016 PLANIFICAÇÃO DA ÁREA CURRICULAR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º Ciclo e 6º Ano PCD Ano letivo: 2015/2016 COMPETÊNCIAS - CHAVE Competência em Línguas Competência Matemática Competência Científica e Tecnológica Competência

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL Actividades de Enriquecimento Curricular Expressão Dramática/Teatro e Corporal

PLANIFICAÇÃO ANUAL Actividades de Enriquecimento Curricular Expressão Dramática/Teatro e Corporal PLANIFICAÇÃO ANUAL Actividades de Enriquecimento Curricular Expressão Dramática/Teatro e Corporal Ano de escolaridade: 1.º e 2.º Ano Ano lectivo: 2011/2012 Professor/a da Disciplina:... Agrupamento/Escola:.

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FÍSICA

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FÍSICA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 7ª, 8ª e 9ª classes 1º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Educação Física - 7ª, 8ª e 9ª classes EDITORA: INIDE IMPRESSÃO: GestGráfica, S.A. TIRAGEM:

Leia mais

PLANIFICAÇÃO EDUCAÇÃO FÍSICA. Secundário Andebol

PLANIFICAÇÃO EDUCAÇÃO FÍSICA. Secundário Andebol Secundário Andebol Conhecer o objectivo e campo do jogo; Conhecer as seguintes regras do jogo: duração do jogo, constituição das equipas, golo, lançamento de saída, guarda-redes, área de baliza, violação

Leia mais

Em nome de toda a equipe da F12 Sports, gostaria de felicitá-lo pela recente aquisição da franquia Centro de Treinamento Falcão 12.

Em nome de toda a equipe da F12 Sports, gostaria de felicitá-lo pela recente aquisição da franquia Centro de Treinamento Falcão 12. CARTA DE BOAS VINDAS Prezado Franqueado e Parceiro, Em nome de toda a equipe da F12 Sports, gostaria de felicitá-lo pela recente aquisição da franquia Centro de Treinamento Falcão 12. Acreditamos que esta

Leia mais

"Quando vejo uma criança, ela me inspira dois sentimentos; ternura pelo que ela é, respeito pelo que poderá ser". Piaget.

Quando vejo uma criança, ela me inspira dois sentimentos; ternura pelo que ela é, respeito pelo que poderá ser. Piaget. Infância e adolescência "Quando vejo uma criança, ela me inspira dois sentimentos; ternura pelo que ela é, respeito pelo que poderá ser". Piaget. Características ou particularidades da infância (Desenvolvimento)

Leia mais

Lentos, atrasados e desequilibrados

Lentos, atrasados e desequilibrados Deslocamentos Lentos, atrasados e desequilibrados Descoordenação espaço-tempo pela falta de referências e pelas dificuldades naturais da areia, vento ou sol Maior dificuldade em deslocamentos para trás

Leia mais

AEC Atividade Física e Desportiva. Orientações pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC Atividade Física e Desportiva. Orientações pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2014/2015 AEC Atividade Física e Desportiva Orientações pedagógicas 1.º Ciclo do Ensino Básico A proposta de trabalho que se segue resulta de uma adaptação

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013

PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013 PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013 É pela vivência diária que cada um de nós aprende a conhecer-se e a respeitar-se, conhecendo e respeitando os outros, intervindo, transformando e tentando melhorar

Leia mais

Corrida de Barreiras. José Carvalho. Federação Portuguesa de Atletismo

Corrida de Barreiras. José Carvalho. Federação Portuguesa de Atletismo Corrida de Barreiras José Carvalho F P A Federação Portuguesa de Atletismo CORRIDAS DE BARREIRAS José Carvalho Objectivo Ser capaz de realizar uma corrida com barreiras - ritmada em velocidade máxima.

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL 3º CICLO EDUCAÇÃO FÍSICA 8º ANO Documento(s) Orientador(es): Programas nacionais de Educação Física; legislação em vigor

Leia mais

MANUAL DO TREINADOR NÍVEL I LANÇAMENTO DO PESO

MANUAL DO TREINADOR NÍVEL I LANÇAMENTO DO PESO LANÇAMENTO DO PESO REGRAS DO LANÇAMENTO DO PESO Local da Competição A prova do lançamento do peso disputa-se num local específico da pista de atletismo, que deverá ter um círculo de lançamentos com 2,135

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

PLANO DE CARREIRA DO NADADOR DO AMINATA ÉVORA CLUBE DE NATAÇÃO

PLANO DE CARREIRA DO NADADOR DO AMINATA ÉVORA CLUBE DE NATAÇÃO PLANO DE CARREIRA DO NADADOR DO AMINATA ÉVORA CLUBE DE NATAÇÃO PLANO DE CARREIRA DO NADADOR AMINATA ÉVORA CLUBE DE NATAÇÃO Introdução O Aminata Évora Clube de Natação, sendo um clube dedicado a várias

Leia mais

Casa do Povo de Óbidos - Creche e Jardim de Infância Ano lectivo de 2011/2012 1

Casa do Povo de Óbidos - Creche e Jardim de Infância Ano lectivo de 2011/2012 1 PROJECTO DE VALÊNCIA DE CRECHE Ano lectivo de 2011/2012 1 Índice 1-INTRODUÇÃO... 1 2-PRINCÍPIOS GERAIS E OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS DA CRECHE... 2 3-ÁREAS DE CONTEÚDO... 4 3.1 - ÁREA DE FORMAÇÃO PESSOAL E

Leia mais

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO A actual transformação do mundo confere a cada um de nós professores, o dever de preparar os nossos alunos, proporcionando-lhes as qualificações básicas necessárias a indivíduos

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

TRIPLO SALTO VELOCIDADE FORÇA OUTRAS VELOCIDADE EXECUÇAO (MOV. ACÍCLICO) FORÇA RESISTÊNCIA HIPERTROFIA CAPACIDADE DE ACELERAÇÃO EQUILÍBRIO

TRIPLO SALTO VELOCIDADE FORÇA OUTRAS VELOCIDADE EXECUÇAO (MOV. ACÍCLICO) FORÇA RESISTÊNCIA HIPERTROFIA CAPACIDADE DE ACELERAÇÃO EQUILÍBRIO TRIPLO SALTO O TRIPLO SALTO É UMA DISCIPLINA TÉCNICA MUITO COMPLEXA QUE OBRIGA A UM GRANDE APERFEIÇOAMENTO EM VÁRIAS VERTENTES, VISTO O SEU DESENVOLVIMENTO DEPENDER DE UMA COMBINAÇÃO DE VÁRIAS HABILIDADES

Leia mais

INTRODUÇÃO. A educação física é uma disciplina curricular que pedagogicamente bem orientada contribui para o desenvolvimento integral do homem.

INTRODUÇÃO. A educação física é uma disciplina curricular que pedagogicamente bem orientada contribui para o desenvolvimento integral do homem. INTRODUÇÃO O ensino da educação física no 1º nível de ensino joga um papel importante no desenvolvimento das diferentes qualidades físicas, assim como das diversas habilidades motoras dos educandos. Através

Leia mais

JARDIM INFÂNCIA ALFARAZES

JARDIM INFÂNCIA ALFARAZES Projecto O Computador no Jardim-de-Infância JARDIM INFÂNCIA ALFARAZES JARDIM INFÂNCIA BAIRRO DA LUZ JARDIM INFÂNCIA PÓVOA DO MILEU JARDIM INFÂNCIA TORREÃO 1- Designação

Leia mais

CURSOS PROFISSIONAIS Ficha de Planificação Modular

CURSOS PROFISSIONAIS Ficha de Planificação Modular CURSOS PROFISSIONAIS Ficha de Planificação Modular Ano Lectivo: 2015-2016 Curso: Técnico de Gestão Ano: 11º Turma: Q Disciplina: Educação Física Módulo nº: 7 Data de início: 28/09/2011 TEMA do MÓDULO:

Leia mais

Aventura da Acrobática

Aventura da Acrobática Atividades Extracurriculares 2015-2016 Aos Pais Queridos pais: A nossa oferta de atividades extracurriculares pretende ser o mais variada possível, de modo a cobrir as áreas de interesse das nossas crianças.

Leia mais

ESCOLA: 1º CEB de Mouriscas ATIVIDADE: Atividade Físico-Desportiva ANO:1º/2º ANO LETIVO 2013/2014

ESCOLA: 1º CEB de Mouriscas ATIVIDADE: Atividade Físico-Desportiva ANO:1º/2º ANO LETIVO 2013/2014 ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR Entidade Promotora: Câmara Municipal de Abrantes Entidade Parceira: Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola de Mouriscas ESCOLA: 1º CEB de Mouriscas

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

PROVAS DE ROBUSTEZ FÍSICA, PSÍQUICA E ENTREVISTA PROFISSIONAL DE SELECÇÃO

PROVAS DE ROBUSTEZ FÍSICA, PSÍQUICA E ENTREVISTA PROFISSIONAL DE SELECÇÃO PROVAS DE ROBUSTEZ FÍSICA, PSÍQUICA E ENTREVISTA PROFISSIONAL DE SELECÇÃO INTRODUÇÃO O presente concurso de selecção de candidaturas para elementos a incluir na Força Especial de Bombeiros, rege-se pelas

Leia mais

7. AVALIAÇÃO. 5º ao 9ºano Áreas Parâmetros % Aptidão Física 10% Conhecimentos

7. AVALIAÇÃO. 5º ao 9ºano Áreas Parâmetros % Aptidão Física 10% Conhecimentos 7. AVALIAÇÃO A avaliação incide sobre as aprendizagens e competências definidas no currículo nacional para as diversas áreas e disciplinas de cada ciclo, expressas no projecto curricular de escola e no

Leia mais

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO Princípios orientadores O Ensino Secundário no Colégio Pedro Arrupe orienta-se de forma coerente para o desenvolvimento integral do aluno, promovendo um crescimento

Leia mais

Os Benefícios do Taekwon-do na Infância e na Adolescência

Os Benefícios do Taekwon-do na Infância e na Adolescência Liga Desportiva de Taekwon-do do Estado de Minas Gerais - LDTEMG Mestre Ronaldo Avelino Xavier Os Benefícios do Taekwon-do na Infância e na Adolescência Belo Horizonte, 06 de Fevereiro de 2013. Mestre

Leia mais

5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001

5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001 5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001 2 No âmbito do disposto no número anterior, o professor: a) Reflecte sobre as suas práticas, apoiando-se na experiência, na investigação

Leia mais

Regimento Interno Unidade de Apoio Especializado para a Educação de alunos com Multideficiência e Surdocegurira Congénita Ano Letivo 2011/2012

Regimento Interno Unidade de Apoio Especializado para a Educação de alunos com Multideficiência e Surdocegurira Congénita Ano Letivo 2011/2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIXO Escola Básica Integrada de Eixo Ano letivo 2011/2012 Regimento Interno Unidade de Apoio Especializado para a Educação de alunos com Multideficiência e Surdocegurira Congénita

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO Objectivo da Carta... 3 Definição e âmbito de aplicação da Carta... 3 O movimento desportivo... 4 Instalações e actividades... 4 Lançar as bases... 4 Desenvolver a participação...

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ANO LETIVO: 2013/2014

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ANO LETIVO: 2013/2014 INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ANO LETIVO: 2013/2014 ENSINO BÁSICO 6º ANO DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA CÓDIGO 28 MODALIDADE PROVA ESCRITA E PROVA PRÁTICA INTRODUÇÃO: O presente documento

Leia mais

Projecto de criação. Escola de Futebol do. Clube Académico de Futebol Viseu

Projecto de criação. Escola de Futebol do. Clube Académico de Futebol Viseu Projecto de criação Escola de Futebol do Clube Académico de Futebol Viseu Setembro de 2002 Índice Metas propostas do projecto... 3 Recursos humanos... 3 Recursos materiais... 4 Instalações... 4 Material

Leia mais

Critérios de Avaliação de Educação Física. Agrupamento de Escola de Caneças

Critérios de Avaliação de Educação Física. Agrupamento de Escola de Caneças Critérios de Avaliação de Educação Física Agrupamento de Escola de Caneças 2014/2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO A avaliação dos alunos do 2º ciclo do ensino básico na disciplina de

Leia mais

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES OPERACIONAIS E INDICADORES COMPORTAMENTAIS Pag. 1 Elaborada por Central Business Abril 2006 para o ABRIL/2006 2 COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

Leia mais

Hip Hop. Guia de Curso. Nível II

Hip Hop. Guia de Curso. Nível II Guia de Curso Hip Hop Nível II Índice Apresentação CEF... 3 Cursos Nível II:... 3 Hip Hop... 3 Publico Alvo... 3 Modalidade de Formação... 3 Competências a Adquirir... 3 Conteúdos Programáticos:... 4 Condições

Leia mais

ICC Europe Howzat Text Portuguese Version

ICC Europe Howzat Text Portuguese Version ICC Europe Howzat Text Portuguese Version Bem-vindo ao Howzat! A ECB Coach Education em parceria com a ICC Europe está empenhada em disponibilizar recursos de nível mundial; o Howzat! foi pensado para

Leia mais

DEFESA INDIVIDUAL por Luís Laureano

DEFESA INDIVIDUAL por Luís Laureano DEFESA INDIVIDUAL por Luís Laureano Sempre que me encontro em Reguengos não perco a oportunidade de observar atentamente os jogos do meu Clube. Tenho visto, nomeadamente, no escalão de Sub 14 masculino

Leia mais

Treino em Circuito. O que é?

Treino em Circuito. O que é? Circuitando O que é? O trabalho em circuito foi idealizado por R.E.Morgan e G.T. Adamson em 1953, na Universidade de Leeds, na Inglaterra, como ofrma de manter os seus atletas em trabalho físico num espaço

Leia mais

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações Representado por: 1 OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS! Adquirir as 11 competências do coach de acordo com o referencial da ICF! Beneficiar

Leia mais

CICLO VIRTUOSO DA EDUCAÇÃO FÍSICA

CICLO VIRTUOSO DA EDUCAÇÃO FÍSICA CICLO VIRTUOSO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ATUAÇÃO DO PROFESSOR no Nível de Habilidade no Nível de Desempenho DIVERSIDADE DE CONTEÚDO Inserção no Grupo na Auto-estima CONCEITOS E INFORMAÇÕES Comportamentos e Atitudes

Leia mais

ANTF. Acção de Actualização para Treinadores de Futebol de Jovens. Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo. Fases do Jogo

ANTF. Acção de Actualização para Treinadores de Futebol de Jovens. Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo. Fases do Jogo ANTF Acção de Actualização para Treinadores de Futebol de Jovens Simplificação da Estrutura Complexa do Jogo Fases do Jogo VÍTOR URBANO FASES DO JOGO No Futebol Moderno, todos os jogadores da equipa, sem

Leia mais

ESTILOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM MOTORA: IMPLICAÇÕES PARA A PRÁTICA

ESTILOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM MOTORA: IMPLICAÇÕES PARA A PRÁTICA ESTILOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM MOTORA: IMPLICAÇÕES PARA A PRÁTICA Míriam Stock Palma Nádia Valentini Ricardo Petersen Herbert Ugrinowitsch PST e aquisição de habilidades motoras; Aprendizagem significativa;

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

Caracterização. Objetivo

Caracterização. Objetivo VOLEIBOL Caracterização O voleibol é um jogo desportivo coletivo praticado por duas equipas, cada uma composta por seis jogadores efetivos e, no máximo, seis suplentes, podendo um ou dois destes jogadores

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO: 12º ano - TMI (2010 / 2013) DISCIPLINA: Educação Física N.º TOTAL DE MÓDULOS: 4 N.º N.º DE 11 20 JCD III - Basquetebol (Nível Elementar)

Leia mais

CRITÉRIOS DE CLASSIFICAÇÃO DOS ALUNOS. 1 - Currículo Nacional do Ensino Básico Competências Essenciais de Educação Física

CRITÉRIOS DE CLASSIFICAÇÃO DOS ALUNOS. 1 - Currículo Nacional do Ensino Básico Competências Essenciais de Educação Física CRITÉRIOS DE CLASSIFICAÇÃO DOS ALUNOS Os Critérios de Avaliação de Educação Física têm como base de referência os seguintes documentos: 1. Decreto-Lei nº 139 de 5 de julho de 2012 2. Currículo Nacional

Leia mais

200 educação, ciência e tecnologia

200 educação, ciência e tecnologia 200 A LÍNGUA FRANCESA NO JARDIM DE INFÂNCIA E NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO * A Área Científica de Francês promoveu, no âmbito da Semana Cultural da Escola Superior de Educação de Viseu, que decorreu de

Leia mais

ASPECTOS PSICOLÓGICOS NO Futsal através do treino Integrado

ASPECTOS PSICOLÓGICOS NO Futsal através do treino Integrado ASPECTOS PSICOLÓGICOS NO Futsal através do treino Integrado Francisco Batista Introdução A aplicação da Psicologia no treino desportivo tem, nestes últimos anos sido muito importante. A Psicologia é uma

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PSICOMOTRICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PRÁTICAS DESENVOLVIDAS NO CENTRO EDUCACIONAL LUÍS DA CÂMARA CASCUDO EM MACAÍBA / RN

A IMPORTÂNCIA DA PSICOMOTRICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PRÁTICAS DESENVOLVIDAS NO CENTRO EDUCACIONAL LUÍS DA CÂMARA CASCUDO EM MACAÍBA / RN A IMPORTÂNCIA DA PSICOMOTRICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PRÁTICAS DESENVOLVIDAS NO CENTRO EDUCACIONAL LUÍS DA CÂMARA CASCUDO EM MACAÍBA / RN Autora: Eliza Christina Toscano de Mendonça 1 Co-autores: Luanda

Leia mais

Avaliação do valor educativo de um software de elaboração de partituras: um estudo de caso com o programa Finale no 1º ciclo

Avaliação do valor educativo de um software de elaboração de partituras: um estudo de caso com o programa Finale no 1º ciclo Aqui são apresentadas as conclusões finais deste estudo, as suas limitações, bem como algumas recomendações sobre o ensino/aprendizagem da Expressão/Educação Musical com o programa Finale. Estas recomendações

Leia mais

ENQUADRAMENTO E DISPOSIÇÕES COMUNS AOS JARDINS-DE-INFANCIA DO AGRUPAMENTO JOSÉ MARIA DOS SANTOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

ENQUADRAMENTO E DISPOSIÇÕES COMUNS AOS JARDINS-DE-INFANCIA DO AGRUPAMENTO JOSÉ MARIA DOS SANTOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR ENQUADRAMENTO E DISPOSIÇÕES COMUNS AOS JARDINS-DE-INFANCIA DO AGRUPAMENTO JOSÉ MARIA DOS SANTOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR A educação pré-escolar destina-se às crianças com idades compreendidas entre os três

Leia mais

Regulamento UEFA B (Nível II)

Regulamento UEFA B (Nível II) Cursos de Treinadores de Futebol 11 Regulamento UEFA B (Nível II) 2005/2006 Índice 1. REGULAMENTO DO CURSO...3 1.1. ORGANIZAÇÃO...3 1.2. CONDIÇÕES DE INSCRIÇÃO...3 1.3. CRITÉRIOS DE SELECÇÃO...4 1.4. RECEITAS

Leia mais

DGEstE - Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares DSRAl - Direção de Serviços da Região Algarve AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ENGº DUARTE PACHECO

DGEstE - Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares DSRAl - Direção de Serviços da Região Algarve AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ENGº DUARTE PACHECO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO A avaliação incide sobre as aprendizagens e competências definidas no currículo nacional para as diversas áreas e disciplinas de cada ciclo, expressas no projecto curricular de escola

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA 2010/2011 Coordenadora Elvira Maria Azevedo Mendes Projecto: Mais Sucesso Escolar Grupo de Matemática 500 1 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1.1 Nome do projecto:

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO INTRODUÇÃO A Carta Europeia do Desporto do Conselho da Europa é uma declaração de intenção aceite pelos Ministros europeus responsáveis pelo Desporto. A Carta Europeia do Desporto

Leia mais

O Rugby na Escola. Acção de Formação Maia Saudável Junho 2009. Francisco Carvalho - "Maia Saudável" - 2009

O Rugby na Escola. Acção de Formação Maia Saudável Junho 2009. Francisco Carvalho - Maia Saudável - 2009 O Rugby na Escola Acção de Formação Maia Saudável Junho 2009 História do Jogo O rugby teve origem em Inglaterra quando um estudante, Web Wellis do Colégio de Rugby, durante um jogo de futebol, segurou

Leia mais

Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999)

Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999) Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999) 1. Levantar e Sentar na Cadeira Avaliar a força e resistência dos membros inferiores (número de execuções em

Leia mais

A COMPETIÇÃO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA. Prof. Dr. Renato Sampaio Sadi DCEFS-UFSJ 2012

A COMPETIÇÃO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA. Prof. Dr. Renato Sampaio Sadi DCEFS-UFSJ 2012 A COMPETIÇÃO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA Prof. Dr. Renato Sampaio Sadi DCEFS-UFSJ 2012 Apresentação Produtividade do Grupo de Estudos e Pesquisas em Pedagogia do Esporte - GEPE Variáveis físicas, psicológicas

Leia mais

Estruturação dos Conteúdos Unidade Didáctica de Basquetebol. Aula Objectivo Específico Conteúdos Estratégias

Estruturação dos Conteúdos Unidade Didáctica de Basquetebol. Aula Objectivo Específico Conteúdos Estratégias Estruturação dos Conteúdos Unidade Didáctica de Basquetebol Aula Objectivo Específico Conteúdos Estratégias 1 Posição Básica Ofensiva; Passe (Peito e Picado) /recepção; Drible de Avaliar a prestação motora

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Rio de Mouro Padre Alberto Neto CÓDIGO 170318. Sub-departamento de Educação Especial

Agrupamento de Escolas de Rio de Mouro Padre Alberto Neto CÓDIGO 170318. Sub-departamento de Educação Especial Sub-departamento de Educação Especial A deficiência mental interfere directamente no funcionamento intelectual do ser humano, sendo este abaixo da média. O aluno apresenta comprometidos, além das funções

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 129 6 de Julho de 2010 36724-(3)

Diário da República, 2.ª série N.º 129 6 de Julho de 2010 36724-(3) Diário da República, 2.ª série N.º 129 6 de Julho de 2010 36724-(3) 3.4 Compete ao director pedagógico, consultados os encarregados de educação, decidir sobre a data exacta do início das actividades lectivas

Leia mais

Departamento de Educação Física e Desporto

Departamento de Educação Física e Desporto ESCOLA SECUNDÁRIA VITORINO NEMÉSIO Ano Letivo 2013-2014 Departamento de Educação Física e Desporto CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico Disciplina de Educação Física Revisto em Departamento no dia

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas EDUCAÇÃO FÍSICA Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo e o

Leia mais

Português 2º ciclo Ano letivo 2013/ 2014. Critérios de avaliação 1.º 2.º e 3.º Períodos

Português 2º ciclo Ano letivo 2013/ 2014. Critérios de avaliação 1.º 2.º e 3.º Períodos Domínio das atitudes e valores Domínio Cognitivo Português 2º ciclo Ano letivo 2013/ 2014 Docente: Graça Silva Turma: 6.º A Critérios de avaliação 1.º 2.º e 3.º Períodos Domínios de Avaliação Instrumentos

Leia mais

DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO

DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO PARA IDOSOS Introdução Uma velhice tranquila é o somatório de tudo quanto é beneficio do organismo, como por exemplo, exercícios

Leia mais

Matemática B Programa do 11 ō Ano Texto para Discussão

Matemática B Programa do 11 ō Ano Texto para Discussão Matemática B Programa do 11 ō Ano Texto para Discussão Novembro de 2000 1 Notas Introdutórias 1.1 No 10 ō ano, os estudantes dos Cursos Tecnológicos recuperaram e aprofundaram, para um nível secundário,

Leia mais

ITS / CTA. Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos

ITS / CTA. Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos ITS / CTA Escola Técnica Volume Simonsen I Capítulo I Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos 1 ITS / CTA Sumário SUMÁRIO Volume I Capítulo I Unidade I Capítulo I - Beneficios da Educação Física Capítulo

Leia mais

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ARTÍSTICA EDUCAÇÃO FÍSICA _7º ANO_A

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ARTÍSTICA EDUCAÇÃO FÍSICA _7º ANO_A DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ARTÍSTICA EDUCAÇÃO FÍSICA _7º ANO_A Ano Letivo: 0/03. Introdução A Educação Física, enquanto área curricular estabelece um quadro de relações com as que com ela partilham

Leia mais

Situação Geográfica e História

Situação Geográfica e História Centro de Formação e de Consulta para Crianças e Adolescentes Deficientes Auditivos Escolas Públicas com externato e internato D 79252 Stegen Sobre a Escola Situação Geográfica e História Em 1970 o estabelecimento

Leia mais

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR INTRODUÇÃO ÍNDICE - Objectivos de Educação Pré-Escolar - Orientações Curriculares - Áreas de Conteúdo/Competências - Procedimentos de Avaliação - Direitos e Deveres dos Encarregados de Educação - Calendário

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTADORES DE DEFICIÊNCIA

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTADORES DE DEFICIÊNCIA LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTADORES DE DEFICIÊNCIA PRINCÍPIOS GERAIS APLICÁVEIS: Todos os portugueses têm direito à Educação e à Cultura, nos termos da Constituição Portuguesa

Leia mais

DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS CONTEÚDOS OBJETIVOS. 1.º Período: ATIVIDADES DESPORTIVAS

DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS CONTEÚDOS OBJETIVOS. 1.º Período: ATIVIDADES DESPORTIVAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA 5.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO Metas Intermédias Atividades Desportivas O aluno cumpre o nível introdutório de quatro matérias diferentes: Um nível introdutório na categoria

Leia mais