Hipertrofia Muscular Uma abordagem didática

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Hipertrofia Muscular Uma abordagem didática"

Transcrição

1 Hipertrofia Muscular Uma abordagem didática Muitas pessoas, pesquisadores, professores, atletas e treinadores já falaram sobre a hipertrofia muscular. Seu conceito técnico e fisiológico está ligado ao aumento na secção transversa do músculo, no aumento do tamanho e no número de filamentos de actina e miosina e na adição de sarcômeros dentro das fibras musculares já existentes (Minamoto e Salvini, 2001). Esta, também, tem sido apontada como uma das principais adaptações da musculatura esquelética diante do treinamento de força (Fleck e Kraemer; 1997; Aagard, 2004). Porém, dentro de um treinamento específico, para que aconteça esse processo, é necessário que muitos fatores estejam envolvidos. Dentre os primeiros podemos colocar: idade, sexo, genética, nível hormonal (testosterona entre outros) circulante e qualidade de vida; ou seja, inicialmente hipertrofiar a musculatura pode ser muito mais fácil para quem possui alguns desses fatores a seu favor, o que não impede as pessoas que não tem isso como favorecimento, de conquistar músculos mais bem desenvolvidos. Para tanto, quem deseja atingir a melhoria de sua musculatura esquelética (músculos como peitoral, bíceps, dorsais, etc.) deve treinar com esse objetivo específico e ainda obedecer outros fatores que serão relacionados mais à frente. O que o treinamento faz é uma degradação das fibras musculares. Segundo Goldspink (1998), esse treinamento deve ser resistido, ou seja, deve gerar um alto nível de tensão para as fibras musculares a fim de causar uma adaptação vinculada a degradação muscular. Quando você estimula uma musculatura, está quebrando as ligações internas desse local. Isso gerará uma inflamação (micro-lesão) local. No entanto, após o treino, essa condição vai se invertendo até que começa a acontecer a síntese protéica. Essa síntese é o preenchimento dos locais degradados com proteínas específicas localizados na corrente sanguínea. Esse é o processo que provocará o aumento das miofibrilas, conseqüentemente o aumento da musculatura. A inversão da degradação para a síntese protéica começa a ocorrer logo após o fim do treino e costuma permanecer durante 48 horas. Nesse período a síntese supera, gradativamente, a degradação (Houston, 1999). Isso justifica a observação que não se deve treinar o mesmo grupo muscular em menos de 48 horas (quando o treino for de hipertrofia). Esses processos são bastantes específicos devido à ação de alguns hormônios ligados a essa degradação e síntese protéica. Células satélites que são responsáveis pela percepção da lesão ocasionada pelo treinamento e sua conseqüente reparação também estão contidas

2 nessa fase. Porém não vale a pena esmiuçar sobre esses fatos técnicos e muito específicos neste artigo, pois a idéia aqui é passar, de forma global e simples, a noção dos processos que devem ocorrer para que a hipertrofia muscular seja facilitada. Tendo isso em vista, que o treinamento gera micro-lesão muscular, degradação protéica, o que vale ser citado neste artigo é qual o tipo de treinamento ideal para que tudo isso aconteça de forma maximizada. Para que se possa entender melhor é preciso observar os princípios do treinamento. A estimulação das adaptações estruturais e funcionais que aprimoram o desempenho em tarefas específicas constitui o principal objetivo do treinamento com exercícios. Para tanto seus princípios são: Como primeira fase mais específica envolvendo hormônios específicos, células satélites, treinamento, micro-lesões e micro-rupturas, podemos continuar em uma segunda fase falando da importância da alimentação dentro desse momento. Uma boa vascularização, ou seja, uma boa irrigação de sangue dentro da célula muscular ajuda muito a nutrição da mesma. A própria necessidade criada pela célula muscular diante da adaptação criada pelo treino irá gerar um aumento dessa vascularização. E para que seja mais eficiente, alguns nutrientes são necessários. De acordo com a necessidade, esses nutrientes (proteínas, carboidratos, lipídios, vitaminas, minerais e água) podem ser mais úteis ou não. Abaixo temos um quadro sobre os nutrientes essenciais para os seres humanos de uma forma geral.

3 Para os praticantes de exercícios resistidos (musculação) alguns nutrientes são essenciais para que seus processos aconteçam de uma forma maximizada. Nesse caso são os macronutrientes necessários ao corpo quando há necessidade diária de grandes fornecimentos de energia e desenvolvimento de tecidos corporais, como as proteínas, carboidratos e lipídios. Os micronutrientes também são indispensáveis, embora sejam necessários em pequenas quantidades; são eles: vitaminas e minerais. As proteínas são parte fundamental para quem busca aumento da musculatura esquelética. Isso vem sido conferido há mais de 2000 anos quando guerreiros da antiga Grécia se utilizavam de grandes quantidades de carne para lhes ajudar a conquistar mais músculos, o que facilitava na hora muito na hora das batalhas. Esse aumento no consumo de proteínas sugerem uma otimização no processo anabólico e uma melhora das respostas fisiológicas ao treinamento. Um fato importante que deve ser citado neste artigo é a diferença entre proteínas e aminoácidos. Muitos acham que são nutrientes diferentes, e são, porém um descende do outro. Na verdade aminoácidos são proteínas já quebradas, ou seja, são pequenas partes de proteínas, isso devido às proteínas serem moléculas muito grandes e difíceis de serem metabolizadas. Mas o que muitos não sabem é que existe uma quantidade certa para cada um consumir e utilizar a proteína para a construção de tecido muscular, sem que haja um excesso e por conseqüência eliminação do mesmo e problemas de alto funcionamento do organismo para metabolizar essa parte. Grandes centros de pesquisa no exterior como EUA e Austrália medem a quantidade certa de nutrientes que nosso corpo necessita para viver saudavelmente. Segundo o RDA (Recommended Daily Allowwance), órgão norte-americano que faz esse tipo de recomendação, um indivíduo normal de 80 kg de ingerir 0,65 a 0,83 gramas de proteína de boa qualidade/kg/dia, ou 52 a 66,4 gramas de proteínas por dia. Porém a mesma recomendação desse órgão refere a atletas de força e resistência aeróbica um consumo de 1,2 a 1,8 g/kg/peso corporal/dia, ou 96 a 144 g de proteínas por dia para um atleta de 80 kg. Esse nível pode variar de acordo com o nível de treinabilidade ou com o período de preparação física do atleta. Consumo recomendado de proteínas por dia Indivíduo Peso Proteínas/kg de peso Proteínas em gramas Corporal Normal 80 kg 0,65 g a 0,83 g 52 g a 66,4 g Atleta praticante de atividade 80 kg 1,2 g a 1,8 g 96 g a 144 g Figura 5 - Consumo recomendado de proteínas por dia segundo o RDA (Recommended Daily Allowwance) O próximo quadro abaixo representará os 20 aminoácidos encontrados como constituintes das proteínas dos mamíferos, Laidlaw e Kopple (1987). Lembrando que os aminoácidos são blocos formadores das proteínas.

4 Em uma excelente revisão de um estudo feita por Rennie e Tipton (2000), e outras pesquisas mais recentes de dois australianos Bilsborough e Neil Mann (2006), mostram que o aumento exagerado no consumo de proteínas antes e após o exercício, principalmente no treinamento de força visando hipertrofia muscular, não causa efeito significativo na oxidação tecidual de leucina, sugerindo que o uso de proteína como combustível energético não é considerável nesse tipo de atividade, o que ainda pode resultar na formação de moléculas triacilglicerídeos (combinação de glicerol com ácidos graxos, um tipo de molécula de gordura). Por tanto, esse aumento no consumo de proteínas, acima dos níveis recomendados pela RDA são completamente dispensáveis. Resumindo: Para complementar a fase nutricional dos processos necessários para que aconteça a hipertrofia muscular, falaremos dos carboidratos. Em termo gerais eles são classificados como simples, complexos e fibras alimentares. Os carboidratos simples são subdivididos em monossacarídeos (glicose, sacarose e galactose que são tipos de açúcar) e dissacarídeos (são formados por dois monossacarídeos, são os açúcares duplos). E os carboidratos complexos que são conhecidos como amido (formados por várias combinações de monossacarídeos, esses são polissacarídeos). São classificados quanto à origem, como vegetais (amido) e animais (glicogênio). E por fim as fibras alimentares que são fibras solúveis (gomas e pectinas) e fibras insolúveis (celulose, hemicelulose e lignina). O departamento de agricultura dos EUA recomenda que temos que ingerir 20 a 30 g de fibra alimentar por dia. Quanto à ingestão de carboidratos é recomendado para uma pessoa normal em torno de 55% a 60% da ingestão calórica total, o que atualmente é muito difícil de ser atingido, mesmo para os atletas que também deixam a desejar. Os carboidratos são facilmente digeridos ao contrário das proteínas que são molécula mais complexas e despendem de mais energia para serem reduzidos e posteriormente metabolizando e absorvidos pelo intestino caindo na corrente sanguínea. Eles passam das moléculas maiores (polissacarídeos) até as menores (monossacarídeos) e resíduos menores como maltose, isomaltose e dextrinas que são prontamente absorvidas pela mucosa intestinal. Pesquisas recentes (Juel,2006; Holten et al., 2004; Kennedy et al., 1999; Tabata et al., 2009) mostram que o treinamento de força provoca o aumento das proteínas transportadoras de glicose para dentro das células musculares, ou seja, o treinamento com pesos necessita dos carboidratos, que no corpo se transformam em glicose, gerando energia para a ação muscular. E para que isso ocorra é necessário o transporte dessa glicose para dentro do músculo que é feito por um proteína Glut-4, aumentada pelo treinamento.

5 Dessa forma o que esses e outros estudos relacionados ao consumo de carboidratos (pré, durante e pós treinamento) mostram a importância dessa ingestão para praticantes de exercícios com pesos e aeróbicos de alta intensidade e longa duração.

6 Referências Bibliográficas - GUEDES, D.P.; SOUZA JUNIOR, T. P.; ROCHA, A. C. Treinamento Personalizado em musculação. São Paulo: Phorte Editora p. - UCHIDA, M.C.; CHARRO, M.A.; BACURAU, R.F.P.; NAVARRO, F.; PONTES JÚNIOR, F. L. Manuel de musculação. uma abordagem teórico-prática ao treinamento de força. São Paulo: Phorte Editora p. - MCARDLE, W. D.; KATCH, F.I.; KATCH, V.L. Fisiologia do exercício. Energia, nutrição e desempenho humano. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan p.

Hidratos de Carbono. Monossacarídeo (Glicose) Polissacarídeo (Glicogénio) Dissacarídeo (Frutose + Glicose = Sacarose)

Hidratos de Carbono. Monossacarídeo (Glicose) Polissacarídeo (Glicogénio) Dissacarídeo (Frutose + Glicose = Sacarose) Hidratos de Carbono Os hidratos de carbono são compostos orgânicos, constituídos por carbono (C), hidrogénio (H) e oxigénio (O). São a principal fonte de energia para o movimento, trabalho e realização

Leia mais

VALOR NUTRITIVO DA CARNE

VALOR NUTRITIVO DA CARNE VALOR NUTRITIVO DA CARNE Os alimentos são consumidos não só por saciarem a fome e proporcionarem momentos agradáveis à mesa de refeição mas, sobretudo, por fornecerem os nutrientes necessários à manutenção

Leia mais

FATORES INTERVENIENTES NO GANHO DA MASSA MUSCULAR Jakeline Castro de Oliveira Ana Maria da Silva Rodrigues

FATORES INTERVENIENTES NO GANHO DA MASSA MUSCULAR Jakeline Castro de Oliveira Ana Maria da Silva Rodrigues FATORES INTERVENIENTES NO GANHO DA MASSA MUSCULAR Jakeline Castro de Oliveira Ana Maria da Silva Rodrigues RESUMO: O presente trabalho, de cunho bibliográfico, tem como objetivo discutir os fatores intervenientes

Leia mais

27/08/2014. Carboidratos. Monossacarídeos. Introdução. Classificação (quanto ao número de monômeros) Carboidratos

27/08/2014. Carboidratos. Monossacarídeos. Introdução. Classificação (quanto ao número de monômeros) Carboidratos Introdução CARBOIDRATOS Outras denominações: - Hidratos de carbono - Glicídios, glícides ou glucídios - Açúcares. Ocorrência e funções gerais: São amplamente distribuídos nas plantas e nos animais, onde

Leia mais

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano.

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano. Oficina CN/EM 2012 Alimentos e nutrientes (web aula) Caro Monitor, Ao final da oficina, o aluno terá desenvolvido as habilidade: H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo

Leia mais

Bioenergética. Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti

Bioenergética. Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Bioenergética Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Natal/RN Fevereiro de 2011 Substratos para o exercício O corpo utiliza nutrientes carboidratos, gorduras e proteínas consumidos diariamente para

Leia mais

Nutrição Normal: Carboidratos. Histórico. Monossacarídeos. Características químicas Estrutura química

Nutrição Normal: Carboidratos. Histórico. Monossacarídeos. Características químicas Estrutura química Universidade de São Paulo Faculdade de Saúde Pública Departamento de Nutrição Nutrição Normal: Carboidratos Daniela Saes Sartorelli Histórico Principal fonte de energia utilizada pelos seres vivos. Seres

Leia mais

Eliane Petean Arena Nutricionista - CRN 3257. Rua Conselheiro Antônio Prado 9-29 Higienópolis Bauru - SP Telefone : (14) 3243-7840

Eliane Petean Arena Nutricionista - CRN 3257. Rua Conselheiro Antônio Prado 9-29 Higienópolis Bauru - SP Telefone : (14) 3243-7840 Músculos Ok Eliane Petean Arena Nutricionista - CRN 3257 Rua Conselheiro Antônio Prado 9-29 Higienópolis Bauru - SP Telefone : (14) 3243-7840 Conhecendo seu corpo e seus músculos Proteínas e o ganho de

Leia mais

Função orgânica nossa de cada dia. Profa. Kátia Aquino

Função orgânica nossa de cada dia. Profa. Kátia Aquino Função orgânica nossa de cada dia Profa. Kátia Aquino Vamos analisar! Funções Carboidratros (ou Glicídios) Energética: eles são os maiores fornecedores de energia para os seres vivos, principalmente a

Leia mais

O QUE SÃO SUBSTÂNCIAS INORGÂNICAS? QUAL A FUNÇÃO BIOLÓGICA DE CADA UMA?

O QUE SÃO SUBSTÂNCIAS INORGÂNICAS? QUAL A FUNÇÃO BIOLÓGICA DE CADA UMA? O QUE SÃO SUBSTÂNCIAS ORGÂNICAS? O QUE SÃO SUBSTÂNCIAS INORGÂNICAS? QUAL A FUNÇÃO BIOLÓGICA DE CADA UMA? SUBSTÂNCIAS ORGÂNICAS: CARBONO, HIDROGÊNIO, OXIGÊNIO E NITROGÊNIO FORMAM CADEIAS LONGAS E COMPLEXAS

Leia mais

NUTRIÇÃO APLICADA À FARMÁCIA

NUTRIÇÃO APLICADA À FARMÁCIA NUTRIÇÃO APLICADA À FARMÁCIA METABOLISMO BASAL GASTO ENERGÉTICO TOTAL Profª. Alcinira Furtado Farias METABOLISMO BASAL Conjunto de processos por meio dos quais o organismo vivo recolhe e transforma as

Leia mais

Alimentos de Soja - Uma Fonte de Proteína de Alta Qualidade

Alimentos de Soja - Uma Fonte de Proteína de Alta Qualidade Alimentos de Soja - Uma Fonte de Proteína de Alta Qualidade Documento de posição do Comité Consultivo Científico da ENSA Introdução As proteínas são um importante nutriente necessário para o crescimento

Leia mais

A base molecular da vida Constituintes da matéria-viva

A base molecular da vida Constituintes da matéria-viva A base molecular da vida Constituintes da matéria-viva Principais elementos químicos dos seres vivos Quando se analisa a matéria-viva que constitui os seres vivos, encontram-se principalmente os seguintes

Leia mais

Fisiologia Humana. Prof. Ms.Sandro de Souza

Fisiologia Humana. Prof. Ms.Sandro de Souza Prof. Ms.Sandro de Souza Existem 3 tipos de Tecido Muscular Liso Forma a parede de diversos órgãos. São constituídos de fibras fusiformes, mas muito mais curtas do que as fibras musculares esqueléticas:

Leia mais

SUMÁRIO MÓDULO 6 ALIMENTOS E NUTRIENTES ATIVIDADE 1 (PÁGINA 221)

SUMÁRIO MÓDULO 6 ALIMENTOS E NUTRIENTES ATIVIDADE 1 (PÁGINA 221) 1 SUMÁRIO Módulo 6 Alimentos e nutrientes... 1 Atividade 1 (página 221)... 1 Atividade 2 (página 228)... 1 Atividade 3 (página 229)... 2 Em Casa (pagina 231)... 3 Módulo 7 O processo de digestão I... 4

Leia mais

FISIOLOGIA DIGESTIVA

FISIOLOGIA DIGESTIVA EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA DIGESTIVA 01. Na digestão, a redução dos alimentos a partículas através de processos mecânicos tem por finalidade: a) facilitar a eliminação de substâncias inúteis

Leia mais

A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo

A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo A alimentação adequada e nutricionalmente equilibrada é um dos fatores importantes e essenciais para a otimização do desempenho, sendo

Leia mais

Importante reserva energética; são as gorduras.

Importante reserva energética; são as gorduras. Importante reserva energética; são as gorduras. 1g de lipídio libera 9kcal contra 4kcal por 1g de carboidrato. Podem ser armazenados de forma mais concentrada que os carboidratos. O excesso do consumo

Leia mais

Atividade Física e Alimentação Protéica

Atividade Física e Alimentação Protéica Atividade Física e Alimentação Protéica Para obter um bom desempenho o atleta não necessita somente de um bom treinamento, precisa de uma dieta balanceada que contenha quantidades adequadas de proteína,

Leia mais

DIFERENTES DIETAS ALIMENTARES E SUAS RELAÇÕES COM O DESENVOLVIMENTO.

DIFERENTES DIETAS ALIMENTARES E SUAS RELAÇÕES COM O DESENVOLVIMENTO. V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 DIFERENTES DIETAS ALIMENTARES E SUAS RELAÇÕES COM O DESENVOLVIMENTO. Izamara Maria Fachim Rauber 1 IZAMARA_MARIA_FACHIM_RAUBER.doc,

Leia mais

( ) Falta de vitamina D. Dificuldades em absorver o cálcio, provocando problemas para a calcificação dos ossos.

( ) Falta de vitamina D. Dificuldades em absorver o cálcio, provocando problemas para a calcificação dos ossos. NOME: ANO: 8º ENSINO: FUNDAMENTAL I TURMA: DATA: / / PROF(ª).:Sandra Medeiros ATIVIDADE DIAGNÓSTICA DE CIÊNCIAS 1. Questão Estabeleça relação entre as colunas. (a) Beribéri ( ) Falta de vitamina D. Dificuldades

Leia mais

exercício físico na obesidade e síndrome metabólica

exercício físico na obesidade e síndrome metabólica exercício físico na obesidade e síndrome metabólica CONCEITOS Atividade Física é qualquer movimento corporal produzido pelos músculos esqueléticos que resultam em gasto energético; Exercício é uma atividade

Leia mais

3ªsérie B I O L O G I A

3ªsérie B I O L O G I A 3.1 QUESTÃO 1 Três consumidores, A, B e C, compraram, cada um deles, uma bebida em embalagem longa vida, adequada às suas respectivas dietas. As tabelas abaixo trazem informações nutricionais sobre cada

Leia mais

Força e hipertrofia muscular. Msd. Júlia Veronese Marcon

Força e hipertrofia muscular. Msd. Júlia Veronese Marcon Força e hipertrofia muscular Msd. Júlia Veronese Marcon Função do músculo esquelético Contratilidade; Produz movimento humano (ex: locomoção, postura); Produz contra-inclinação muscular aumentando a resistência

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

COMPOSIÇÃO QUÍMICA CELULAR COMPOSTOS INORGÂNICOS: ÁGUA- SAIS MINERAIS COMPOSTOS ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS

COMPOSIÇÃO QUÍMICA CELULAR COMPOSTOS INORGÂNICOS: ÁGUA- SAIS MINERAIS COMPOSTOS ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS COMPOSIÇÃO QUÍMICA CELULAR COMPOSTOS INORGÂNICOS: ÁGUA- SAIS MINERAIS COMPOSTOS ORGÂNICOS: CARBOIDRATOS COMPOSTOS INORGÂNICOS Não apresentam Carbono em sua estrutura DOIS TIPOS: Água e Sais Minerais ÁGUA:

Leia mais

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa SISTEMA DIGESTÓRIO SALIVA A saliva é um líquido claro, viscoso, alcalino (ph entre 6 e 7), que contém em sua composição: 95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. Além disso, também

Leia mais

NUTRIÇÃO. Prof. Marta E. Malavassi

NUTRIÇÃO. Prof. Marta E. Malavassi Prof. Marta E. Malavassi Conceito: processo orgânico que envolve ingestão, digestão, absorção, transporte e eliminação das substâncias alimentares para a manutenção de funções, a formação e regeneração

Leia mais

08/10/2012. Citologia. Equipe de Biologia. De que são formados os seres vivos? Substâncias inorgânicas. Água Sais minerais. Substâncias orgânicas

08/10/2012. Citologia. Equipe de Biologia. De que são formados os seres vivos? Substâncias inorgânicas. Água Sais minerais. Substâncias orgânicas Citologia Equipe de Biologia De que são formados os seres vivos? Substâncias inorgânicas Água Sais minerais Substâncias orgânicas Carboidratos Lipídios Proteínas Vitaminas Ácidos nucleicos .

Leia mais

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa SISTEMA DIGESTÓRIO SALIVA A saliva é um líquido claro, viscoso, alcalino (ph entre 6 e 7), que contém em sua composição: 95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. Além disso, também

Leia mais

Sistemas do Corpo Humano

Sistemas do Corpo Humano Sistemas do Corpo Humano Sistema Digestório consegue energia e matéria prima. Cada órgão tem uma função específica no processo de transformação dos alimentos O QUE É UM SISTEMA????? Sistema Digestório

Leia mais

Manual de Rotulagem de Alimentos

Manual de Rotulagem de Alimentos Manual de Rotulagem de Alimentos Agosto 2013 Programa Mesa Brasil Sesc O Mesa Brasil Sesc é um programa de segurança alimentar e nutricional sustentável, que redistribui alimentos excedentes próprios para

Leia mais

Recuperação. Células tecidos órgãos sistemas. - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões:

Recuperação. Células tecidos órgãos sistemas. - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões: Recuperação Capítulo 01 - Níveis de organização Células tecidos órgãos sistemas - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões: A- Membrana Plasmática - Revestimento da célula;

Leia mais

Nutrientes. E suas funções no organismo humano

Nutrientes. E suas funções no organismo humano Nutrientes E suas funções no organismo humano O corpo humano necessita de uma série de substâncias básicas indispensáveis para a formação de tecidos, para obtenção de energia, para a realização de atividades

Leia mais

ALIMENTAÇÃO DE CAVALOS ATLETAS

ALIMENTAÇÃO DE CAVALOS ATLETAS ALIMENTAÇÃO DE CAVALOS ATLETAS Prof. Dr. ALEXANDRE AUGUSTO de OLIVEIRA GOBESSO Departamento de Nutrição e Produção Animal Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia/USP Campus de Pirassununga/SP gobesso.fmvz@usp.br

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE MACRONUTRIENTES ANTES, DURANTE E APÓS A ATIVIDADE FÍSICA DE FREQUENTADORES DE UMA ACADEMIA EM SÃO PAULO

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE MACRONUTRIENTES ANTES, DURANTE E APÓS A ATIVIDADE FÍSICA DE FREQUENTADORES DE UMA ACADEMIA EM SÃO PAULO AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE MACRONUTRIENTES ANTES, DURANTE E APÓS A ATIVIDADE FÍSICA DE FREQUENTADORES DE UMA ACADEMIA EM SÃO PAULO Gabriela Tammy Dias de Oliveira * ; Camila Araújo da Silva Monte * ; Mariana

Leia mais

SISTEMA DIGESTIVO. Ciências Naturais 9º ano

SISTEMA DIGESTIVO. Ciências Naturais 9º ano SISTEMA DIGESTIVO Ciências Naturais 9º ano Digestão e Sistema Digestivo A digestão é o processo através do qual moléculas complexas dos alimentos são desdobradas, em moléculas mais simples que podem ser

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, ADAPTAÇÃO E SAÚDE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

ATIVIDADE FÍSICA, ADAPTAÇÃO E SAÚDE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior ATIVIDADE FÍSICA, ADAPTAÇÃO E SAÚDE Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior A quebra do Equilíbrio Durante a atividade física ocorre uma quebra do equilíbrio homeostático; O organismo tenta se adaptar

Leia mais

ÍNDICE BRAVEWHEY WHEY PROTEIN BRAVEWK2 PRÉ-TREINO BRAVECARBUS CARBO AMINOBRAVE BCAA BRAVEPURE CREATINA GLUTABRAVE L-GLUTAMINA OXYBRAVE TERMOGÊNICO

ÍNDICE BRAVEWHEY WHEY PROTEIN BRAVEWK2 PRÉ-TREINO BRAVECARBUS CARBO AMINOBRAVE BCAA BRAVEPURE CREATINA GLUTABRAVE L-GLUTAMINA OXYBRAVE TERMOGÊNICO ÍNDICE BRAVEWHEY WHEY PROTEIN BRAVEWK2 PRÉ-TREINO BRAVECARBUS CARBO AMINOBRAVE BCAA BRAVEPURE CREATINA GLUTABRAVE L-GLUTAMINA OXYBRAVE TERMOGÊNICO 04 05 06 07 08 09 10 BRAVEWHEY CONCENTRADO O BRAVEWHEY

Leia mais

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE. Profª Sandra Carvalho

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE. Profª Sandra Carvalho COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE Profª Sandra Carvalho A carne magra: 75% de água 21 a 22% de proteína 1 a 2% de gordura 1% de minerais menos de 1% de carboidratos A carne magra dos diferentes animais de abate

Leia mais

Dieta e suplementação. para. eventos esportivos

Dieta e suplementação. para. eventos esportivos Dieta e suplementação para eventos esportivos Rachel F. Elias Scalet Nutricionista CRN/3-5.956 Alimentação saudável + atividade física Bem estar físico; Equilíbrio emocional; Prevenção e tratamento de

Leia mais

é a quebra física dos alimentos através da mastigação e dos movimentos peristálticos.

é a quebra física dos alimentos através da mastigação e dos movimentos peristálticos. SISTEMA DIGESTIVO Digestão Digestão mecânica: é a quebra física dos alimentos através da mastigação e dos movimentos peristálticos. Digestão química é a transformação das moléculas mais complexas em moléculas

Leia mais

www.receitasganharmassamuscular.com

www.receitasganharmassamuscular.com Esse e-book é oferecido como bônus na compra do e- book Receitas Anabólicas no site: www.receitasganharmassamuscular.com INTRODUÇÃO Nesse e-book você vai aprender a montar uma dieta para musculação personalizada,

Leia mais

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Object 1 Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Curso de Educação Física. Centro Universitário Toledo de Araçatuba - UNITOLEDO. (Brasil) Prof. Mário Henrique

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO. Introdução

SISTEMA DIGESTÓRIO. Introdução SISTEMA DIGESTÓRIO Introdução Os animais não encontram no meio, em forma imediatamente utilizável, todos os alimentos ou nutrientes de que necessitam. A absorção direta de nutrientes ocorre, excepcionalmente,

Leia mais

ÁCIDOS NUCLÉICOS. Prof. Sharline F. M. Santos UFPB CT DEQ

ÁCIDOS NUCLÉICOS. Prof. Sharline F. M. Santos UFPB CT DEQ ÁCIDOS NUCLÉICOS Prof. Sharline F. M. Santos UFPB CT DEQ ÁCIDOS NUCLÉICOS Na natureza há dois tipos de ácidos nucleicos: DNA ou ácido desoxiribonucleico e RNA ou ácido ribonucleico. Ácidos Nucléicos Os

Leia mais

Necessidades Nutricionais Antes, Durante e Depois do Exercício

Necessidades Nutricionais Antes, Durante e Depois do Exercício Nut. Cláudia Dornelles Schneider Prof. Adj. Depto. de Nutrição Necessidades Nutricionais Antes, Durante e Depois do Exercício Porto Alegre, RS, Brasil Janeiro de 2013 Nutrição Esportiva últimas 2 décadas

Leia mais

Trato Digestivo do Suíno

Trato Digestivo do Suíno Trato Digestivo do Suíno Monogástrico onívoro com limitada fermentação pós-gástrica Estômago simples, incapaz de utilizar dietas ricas em forragem Incapaz de digerir algumas substâncias presentes em grãos,

Leia mais

23/03/2015. Moléculas orgânicas - Carboidratos

23/03/2015. Moléculas orgânicas - Carboidratos Moléculas orgânicas - Carboidratos São formados por C, H, O. São Conhecidos como: Hidratos de Carbono Glucídios Glicídios Açúcares Sacarídeos Funções: Energética (glicose); Glicogênio : reserva energética

Leia mais

COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE ATLETAS NO PRÉ TREINO DE UMA CIDADE DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO

COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE ATLETAS NO PRÉ TREINO DE UMA CIDADE DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE ATLETAS NO PRÉ TREINO DE UMA CIDADE DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO RESUMO Mari Uyeda Larissa Fabiane da Silva Toledo Este trabalho apresenta como objetivo demonstrar o comportamento

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO. Boca Glândulas salivares Esófago Fígado Vesícula biliar. Faringe. Estômago Pâncreas Intestino grosso. Intestino delgado.

SISTEMA DIGESTÓRIO. Boca Glândulas salivares Esófago Fígado Vesícula biliar. Faringe. Estômago Pâncreas Intestino grosso. Intestino delgado. SISTEMA DIGESTÓRIO SISTEMA DIGESTÓRIO O sistema digestivo tem a função de realizar a digestão, ou seja, fraccionar os alimentos e transformar as macromoléculas em micromoléculas. SISTEMA DIGESTÓRIO Boca

Leia mais

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista Secretaria de Estado da Saúde - SESAU Superintendência de Assistência em Saúde SUAS Diretoria de Atenção Básica - DAB Gerência do Núcleo do Programa Saúde e Nutrição Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Leia mais

Proteína: digestibilidade e sua importância na produção. Fabrizio Oristanio (Biruleibe)

Proteína: digestibilidade e sua importância na produção. Fabrizio Oristanio (Biruleibe) Proteína: digestibilidade e sua importância na produção Fabrizio Oristanio (Biruleibe) Introdução Evolução das estimativas protéicas a partir da década de 80 Método fatorial Manutenção Produção Sistemas

Leia mais

34 Por que as vacas mastigam o tempo todo?

34 Por que as vacas mastigam o tempo todo? A U A UL LA Por que as vacas mastigam o tempo todo? Nos sítios e fazendas que têm criação de gado, os bois e vacas se espalham pelo pasto e têm hora certa para ir ao cocho receber o trato. O trato pode

Leia mais

ALIMENTAÇÃO NA ADOLESCÊNCIA

ALIMENTAÇÃO NA ADOLESCÊNCIA ALIMENTAÇÃO NA ADOLESCÊNCIA Maria Sylvia de Souza Vitalle (Texto extraído de Manual de atenção à saúde do adolescente. Secretaria da Saúde. Coordenação de Desenvolvimento de Programas e Políticas de Saúde

Leia mais

VEGESOY FIBER. Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó. Informações Técnicas

VEGESOY FIBER. Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó. Informações Técnicas Informações Técnicas VEGESOY FIBER Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó INTRODUÇÃO A soja é uma leguminosa cultivada na China há mais de 5 mil anos. Ao longo do tempo passou a ser consumida por

Leia mais

M E T B O L I S M O CATABOLISMO ANABOLISMO

M E T B O L I S M O CATABOLISMO ANABOLISMO METABOLISMO É o conjunto das reações químicas que ocorrem num organismo vivo com o fim de promover a satisfação de necessidades estruturais e energéticas. ...metabolismo Do ponto de vista físico-químico,

Leia mais

Mesomorfo, Ectomorfo ou Endomorfo? Qual o seu tipo físico?

Mesomorfo, Ectomorfo ou Endomorfo? Qual o seu tipo físico? Mesomorfo, Ectomorfo ou Endomorfo? Qual o seu tipo físico? Você provavelmente já notou que seu corpo não é o mesmo que o de seus amigos ou colegas de trabalho. Algumas pessoas tendem a ser mais magras

Leia mais

1. Introdução. Digestão, Absorção e Transporte:

1. Introdução. Digestão, Absorção e Transporte: 1. Introdução Todas as células do corpo necessitam de nutrição tendo este que lhe ser fornecido. O aparelho digestivo, com a colaboração importante do aparelho circulatório, forma como que uma refeição

Leia mais

CURSO DE NUTRIÇÃO DESPORTIVA

CURSO DE NUTRIÇÃO DESPORTIVA CURSO DE NUTRIÇÃO DESPORTIVA Faber Martins-2012 CONCEITOS FUNDAMENTAIS DA NUTRIÇÃO Os nutrientes podem ser classificados em 6 categorias distintas: Água, Hidratos de Carbono, Gorduras, Proteínas, Vitaminas

Leia mais

A RODA DOS ALIMENTOS E OS NOVOS VALORES NUTRICIONAIS Mafra, 14 de Março de 2008. Ana Leonor DataPerdigão Nutricionista

A RODA DOS ALIMENTOS E OS NOVOS VALORES NUTRICIONAIS Mafra, 14 de Março de 2008. Ana Leonor DataPerdigão Nutricionista A RODA DOS ALIMENTOS E OS NOVOS VALORES NUTRICIONAIS Mafra, 14 de Março de 2008 Ana Leonor DataPerdigão Nutricionista A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL É Completa Fornece energia e todos os nutrientes essenciais

Leia mais

BASES FISIOLÓGICAS DO TREINAMENTO ESPORTIVO

BASES FISIOLÓGICAS DO TREINAMENTO ESPORTIVO BASES FISIOLÓGICAS DO TREINAMENTO ESPORTIVO Dr. José Maria Santarem* Exercícios físicos são parte integrante da prática e preparação esportiva, e podem ser utilizados em medicina com diversas finalidades.

Leia mais

O emprego das técnicas alimentares no controle Metabólico.

O emprego das técnicas alimentares no controle Metabólico. O emprego das técnicas alimentares no controle Metabólico. Atualmente muitos indivíduos nos procuram com o intuito de reduzir a gordura localizada, ganhar volume e definição muscular, associando a alimentação

Leia mais

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO:

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO: NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO: 1750 Europa com o início do processo da Revolução Industrial houve aumento da população nas cidades, com

Leia mais

14 Aproveitamos tudo o que comemos?

14 Aproveitamos tudo o que comemos? A U A UL LA Aproveitamos tudo o que comemos? Nas Aulas 1 e 5 vimos a importância de carboidratos, proteínas e gorduras para o bom funcionamento do corpo e o quanto é fundamental uma alimentação saudável,

Leia mais

NUTRIÇÃO DO CAVALO ATLETA

NUTRIÇÃO DO CAVALO ATLETA NUTRIÇÃO DO CAVALO ATLETA Fernando Queiroz de Almeida Instituto de Veterinária Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro EQUINOS (Equus caballus) Herbívoros não-ruminantes Pastejadores Gramíneas, leguminosas

Leia mais

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h)

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementário: Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementa: Organização Celular. Funcionamento. Homeostasia. Diferenciação celular. Fisiologia

Leia mais

Fonte: Disponível em: http://veja.abril.com.br. Acesso em: 25 set. 2014.

Fonte: Disponível em: http://veja.abril.com.br. Acesso em: 25 set. 2014. 1. (Ufsm 2015) O consumo exagerado de sódio está associado a uma serie de doenças crônicas não transmissíveis (DCNT), como as cardiovasculares. Essas moléculas são responsáveis por 72% das mortes no Brasil,

Leia mais

Tecido Muscular e Contração

Tecido Muscular e Contração Tecido Muscular e Contração Aula ao Vivo Características gerais: Constitui os músculos Originado do mesoderma; Relacionado à locomoção e movimentação de substâncias internas do corpo em função da capacidade

Leia mais

MANEJO NUTRICIONAL DE EQUINOS. Prof. Dr. Alexandre A. de O. Gobesso

MANEJO NUTRICIONAL DE EQUINOS. Prof. Dr. Alexandre A. de O. Gobesso MANEJO NUTRICIONAL DE EQUINOS Prof. Dr. Alexandre A. de O. Gobesso 1 2 3 4 5 6 Características Anatômicas Características Fisiológicas mastigação e salivação eructação e regurgitação velocidade de trânsito

Leia mais

Confira a lista dos 25 melhores alimentos para emagrecer:

Confira a lista dos 25 melhores alimentos para emagrecer: Emagrecer nem sempre é uma das tarefas mais simples. A fórmula parece simples (dieta + exercício + descanso) porém diferentes pessoas precisam de diferentes soluções. Uma coisa é certa: qualquer ajuda

Leia mais

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente.

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente. Conceitos aplicados a alimentação animal Introdução Produção animal Marinaldo Divino Ribeiro EMV Depto de Produção ão Animal - UFBA Genética Sanidade Nutrição Alimento Susbstância que, consumida por um

Leia mais

ILSI Brasil Workshop Estilos de Vida Saudáveis: Nutrição e Saúde da Mulher. A mulher que faz esporte Tânia Rodrigues

ILSI Brasil Workshop Estilos de Vida Saudáveis: Nutrição e Saúde da Mulher. A mulher que faz esporte Tânia Rodrigues ILSI Brasil Workshop Estilos de Vida Saudáveis: Nutrição e Saúde da Mulher A mulher que faz esporte Tânia Rodrigues A atividade física é importante para a mulher nas diferentes fases da vida. * ZAMAI,

Leia mais

EMAIL 1 ASSUNTO: Comece a Comer Certo

EMAIL 1 ASSUNTO: Comece a Comer Certo EMAIL 1 ASSUNTO: Comece a Comer Certo Olá, tudo bem? Obrigado pelo cadastro no meu site! Nos próximos dias vou passar para você algumas dicas ótimas para aumentar a massa muscular. Se você está buscando

Leia mais

AULÃO BIOS SOLIDÁRIO. Profª. Mary Ann Saraiva

AULÃO BIOS SOLIDÁRIO. Profª. Mary Ann Saraiva AULÃO BIOS SOLIDÁRIO Profª. Mary Ann Saraiva ENERGIA NOS SERES VIVOS TIPOS DE CARBOIDRATOS MONOSSACARÍDEOS CnH2nOn Pentoses: ribose (RNA) desoxirribose (DNA) Hexoses: glicose frutose galactose DISSACARÍDEOS

Leia mais

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS HISTOLOGIA = estudo dos tecidos TECIDOS Grupos de células especializadas, semelhantes ou diferentes entre si, e que desempenham funções específicas. Num

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS ALEXANDRE DA SILVA SECHINATO Médico veterinário Pesquisador Tortuga Cia Zootecnica Agrária INTRODUÇÃO Ovo é um excelente alimento Alimento completo

Leia mais

XlII ÍNDICE GLICÊMICO E CARGA GLICÊMICA ÍNDICE GLICÊMICO

XlII ÍNDICE GLICÊMICO E CARGA GLICÊMICA ÍNDICE GLICÊMICO XlII ÍNDICE GLICÊMICO E CARGA GLICÊMICA ÍNDICE GLICÊMICO O índice glicêmico dos alimentos é hoje reconhecidamente o fator mais importante na elaboração de qualquer dieta que vise perda e manutenção de

Leia mais

Apresentação. O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos

Apresentação. O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos Valor Energético É a energia produzida pelo nosso corpo proveniente dos carboidratos, proteínas e gorduras totais. Na rotulagem

Leia mais

N1101 ATENÇÃO, ALUNO! Agora, você vai responder a questões de Biologia.

N1101 ATENÇÃO, ALUNO! Agora, você vai responder a questões de Biologia. N1101 ATENÇÃO, ALUNO! Agora, você vai responder a questões de Biologia. Questão 01 B110006RJ Os seres vivos obtêm energia a partir da matéria orgânica que se encontra no organismo, comumente, na forma

Leia mais

INTERATIVIDADE FINAL EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Treinamento e nutrição.

INTERATIVIDADE FINAL EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Treinamento e nutrição. Conteúdo: Treinamento e nutrição. Habilidades: Relacionar a alimentação saudável com a prática de exercícios físicos. X Nutrientes macronutrientes micronutrientes Micronutrientes Macronutrientes A importância

Leia mais

Convivendo bem com a doença renal. Guia de Nutrição e Diabetes Você é capaz, alimente-se bem!

Convivendo bem com a doença renal. Guia de Nutrição e Diabetes Você é capaz, alimente-se bem! Convivendo bem com a doença renal Guia de Nutrição e Diabetes Você é capaz, alimente-se bem! Nutrição e dieta para diabéticos: Introdução Mesmo sendo um paciente diabético em diálise, a sua dieta ainda

Leia mais

Metodologia do Treinamento Desportivo

Metodologia do Treinamento Desportivo Metodologia do Treinamento Desportivo PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO ESPORTIVO Princípios do treinamento [5] Individualidade biológica Adaptação Sobrecarga Interdependência volume / intensidade Continuidade

Leia mais

Aula 9 Sistema digestório

Aula 9 Sistema digestório Aula 9 Sistema digestório Os alimentos fornecem nutrientes para construção de estruturas celulares e, ainda, liberação de energia para as atividades celulares. A função da digestão é converter os alimentos

Leia mais

Dr. Milton Mizumoto Diretor Médico da Corpore

Dr. Milton Mizumoto Diretor Médico da Corpore Manual do corredor n Este manual tem como objetivo orientar o corredor iniciante que pretende praticar corridas em busca de bem estar e condicionamento físico. n São dicas aprendidas em livros e observações

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 64 3,20 Carboidratos 14,20 4,73 Proteínas 1,30 1,73 Gorduras

Leia mais

Prof Weber Ciências 7ºANO

Prof Weber Ciências 7ºANO Prof Weber Ciências 7ºANO O que é a digestão? É a transformação dos alimentos em moléculas menores para que possam ser absorvidos pelo nosso corpo. Acontece em um tubo chamado TUBO DIGESTÓRIO. O tubo digestório

Leia mais

Intestino delgado. Intestino grosso (cólon)

Intestino delgado. Intestino grosso (cólon) As fibras alimentares estão presentes nos alimentos de origem vegetal, englobando um conjunto de compostos que não podem ser digeridos pelas enzimas do nosso sistema gastrointestinal, não sendo por isso

Leia mais

CIÊNCIAS PROVA 2º BIMESTRE 8º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ

CIÊNCIAS PROVA 2º BIMESTRE 8º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS PROVA 2º BIMESTRE 8º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ Prova elaborada

Leia mais

www.projetoverao.org 1

www.projetoverao.org 1 1 No mundo da nutrição e do fitness, existem muitos mitos que são difundidos como se fossem verdade absoluta. Por exemplo: você já deve ter ouvido falar que não se deve comer depois das 19:00h. Esses especialistas

Leia mais

O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista

O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista O consumo de dietas vegetarianas tem sido associado a muitos benefícios à saúde, incluindo menores taxas de mortes por doenças cardiovasculares, diabetes

Leia mais

Exercícios de Aprofundamento Biologia Digestão Animal e Humana

Exercícios de Aprofundamento Biologia Digestão Animal e Humana 1. (Unifesp 2015) Recomenda-se frequentemente aos vestibulandos que, antes do exame, prefiram alimentos ricos em carboidratos (glicídios) em vez de gorduras (lipídios), pois estas são digeridas mais lentamente.

Leia mais

TÍTULO: SCREENING PARA GLICOGÊNIO MUSCULAR EM AMOSTRA DE CARNES EM ARMAZENAMENTO FRIGORÍFICO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

TÍTULO: SCREENING PARA GLICOGÊNIO MUSCULAR EM AMOSTRA DE CARNES EM ARMAZENAMENTO FRIGORÍFICO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE TÍTULO: SCREENING PARA GLICOGÊNIO MUSCULAR EM AMOSTRA DE CARNES EM ARMAZENAMENTO FRIGORÍFICO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHEMBI

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 1/2014

PROCESSO SELETIVO EDITAL 1/2014 PROCESSO SELETIVO EDITAL 1/2014 CARGO E UNIDADES: Instrutor de Esportes - Ginástica(Natal) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova: 3 (três) horas.

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE

FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE União Metropolitana de Educação e Cultura Faculdade: Curso: NUTRIÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE Disciplina: INTRODUÇÃO A NUTRIÇÃO Carga horária: Teórica 40 Prática 40 Semestre: 1 Turno:

Leia mais

NUTRIÇÃO ESPORTIVA. Nutr. Graziela Beduschi

NUTRIÇÃO ESPORTIVA. Nutr. Graziela Beduschi NUTRIÇÃO ESPORTIVA Nutr. Graziela Beduschi Graduação em Nutrição - UFPR MSC Nutrição - Wollongong University - AUS Sports Dietitian Course Australian Institute of Sports Passos para uma alimentação saudável

Leia mais

www.emagrecerdevez.com

www.emagrecerdevez.com www.emagrecerdevez.com page 1 / 10 Tudo que você precisa saber sobre Carboidratos! by rpolesso - quinta-feira, maio 13, 2010 http://emagrecerdevez.com/tudo-que-voce-precisa-saber-sobre-carboidratos "O

Leia mais

Nutrição. tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º. Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista

Nutrição. tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º. Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista A Enfermagem e o Serviço de Nutrição e Dietética tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista 1 A enfermagem e o Serviço

Leia mais

Nutrientes. Manutenção/funcionamento do organismo. Alimentos. Energia

Nutrientes. Manutenção/funcionamento do organismo. Alimentos. Energia Por que devemos ingerir alimentos? Nossa vida é mantida por um número enorme de reações químicas, cujos reagentes são obtidos por meio da alimentação e respiração. Existe uma integração entre os sistemas

Leia mais

Ingestão; Secreção; Mistura e propulsão; Digestão; Absorção; Defecação; Ingestão de Alimento. Processo Digestivo. Processo Absortivo.

Ingestão; Secreção; Mistura e propulsão; Digestão; Absorção; Defecação; Ingestão de Alimento. Processo Digestivo. Processo Absortivo. Ingestão; Secreção; Mistura e propulsão; Digestão; Absorção; Defecação; Ingestão de Alimento Processo Digestivo Processo Absortivo Defecação Grandes moléculas Moléculas menores Utilização Resíduos Trato

Leia mais