MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL PLANO AMAZÔNIA SUSTENTÁVEL - PAS SECRETARIA DE POLÍTICAS DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL PLANO AMAZÔNIA SUSTENTÁVEL - PAS SECRETARIA DE POLÍTICAS DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE POLÍTICAS DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL COORDENAÇÃO DE PLANEJAMENTO TERRITORIAL PLANO AMAZÔNIA SUSTENTÁVEL - PAS Brasília, outubro/novembro de 2007

2

3 O QUE É O PAS? Um plano estratégico para a Amazônia Brasileira, a partir de um amplo acordo entre o Governo Federal, os governos estaduais, o setor empresarial e a sociedade civil, em torno da necessidade de implementação de um novo modelo de desenvolvimento para esta região. O PAS não se trata de um plano operacional, mas de um conjunto de orientações para o desenvolvimento das políticas públicas e de sinalizações para os setores produtivos.

4 COMO SURGIU O PAS? A proposta do PAS surgiu em 09 de maio de 2003 em Rio Branco (AC) em reunião do Presidente Lula com os governadores dos estados da Região Norte, quando foi assinado um termo de cooperação. Em junho de 2003 foi criada a Comissão de Coordenação Interministerial do PAS, sob a coordenação do MI, tendo o MMA como Secretaria Executiva. A realidade Amazônica requeria um novo modelo e novas estratégias de desenvolvimento para a região. Em outubro de 2003, foi elaborada uma primeira versão preliminar do PAS, com as diretrizes gerais e as estratégias propostas.

5 QUAL É ESTA AMAZÔNIA ATUAL A Bacia Amazônica estende-se por 7 milhões Km², envolvendo 9 dos 13 países sul-americanos, sendo que 65% de seu total (4,55 milhões Km²) ficam em território brasileiro. A Amazônia Legal Brasileira, mais ampla que a bacia Amazônica, cobre 5,1 milhões Km² (60% do território nacional), envolvendo nove estados, abrigando:. um terço das florestas tropicais úmidas do planeta;. 20% da água doce fluvial e lacustre do mundo;. 30% da diversidade biológica mundial;. um subsolo com gigantescas reservas minerais. Quase 200 milhões de hectares na Amazônia Legal (40% de seu território) constitui-se de áreas protegidas ou de destinação específica (unidades de conservação, terras indígenas, terras quilombolas e áreas militares).

6 A população em 2007 soma quase 25 milhões (13% do total nacional), que cresce num ritmo de 2,1% ao ano, sendo que mais de 70% vivem nas áreas urbanas. O contingente populacional indígena tem crescido nos últimos anos, sendo estimado em 400 mil, distribuído principalmente na Terras Indígenas (1,02 milhão Km²). O PIB regional foi da ordem de R$ 175 bilhões em 2006 (8% do total nacional) resultando num PIB per capita de R$ 6,5 mil, 40% inferior à média nacional. A população urbana está ocupada principalmente em atividades de serviços e comércio, tendo a atividade industrial relevância maior apenas em Manaus.

7 A atividade agrícola ocupa cerca de 13 milhões de hectares na região (2,5% do território total), tendo produziu em 2007, 29,2 milhões toneladas de grãos, 22% da produção nacional (previsão de 31,0 milhões em 2008). Os principais produtos em 2007 foram: a soja, com 17,52 milhões t (30%) o milho, com 7,32 milhões t (14%); o arroz, com 2,01 milhões t (18%); o algodão, com 2,03 milhões t (52%); a mandioca, com 8,20 milhões t (37%); a banana, com 1,50 milhão t (22%).

8 A pecuária bovina compreendia em 2005 um rebanho de 75 milhões de cabeças (40% do efetivo nacional), distribuídos em cerca de 70 milhões de hectares de pastagens naturais e plantadas (13,5% do território). Desde 1990, mais de 80% do crescimento do rebanho bovino nacional deu-se na Amazônia Legal. O setor florestal tem grande expressão na economia regional, sendo que a produção extrativa de madeira em tora, de 17 milhões m³ representou 83% do total nacional. Deve-se destacar também os produtos florestais não madeireiros, a produção pesqueira, e o garimpo. Merece ressalva a crescente produção industrias (Manaus) e a mineral (Províncias Minerais de Carajás e Tapajós).

9 AS CONSULTAS PÚBLICAS DO PAS EM 2006 Em 2006, foi elaborada a versão preliminar para discussão nas consultas públicas, realizadas em todas as capitais dos Estados da Amazônia Legal em junho de 2006: Participaram das consultas do PAS representantes de: órgãos federais presentes na Amazônia; órgãos estaduais; prefeituras municipais; diversos níveis do poder legislativo; entidades sindicais dos trabalhadores; organizações empresariais; movimentos sociais diversos; organizações ambientalistas; comunidade universitária; instituições militares; organizações eclesiásticas, A versão final vem agora para ser debatida nas mesmas capitais e no I Simpósio Amazônia e Desenvolvimento Nacional.

10 O QUE VEM OCORRENDO DESDE 2003? O PAS tem sido desde 2003 o instrumento norteador das políticas públicas na Região, notadamente do Governo Federal. Desde o início, sabia-se que o problema de fundo na região era uma absoluta falta de ordenamento do território, muitas vezes agravado pelas grandes obras de infraestrutura, que, não obstante seus potenciais benefícios econômicos, na ausência de um plano estratégico, aceleravam os aspectos sociais e ambientais indesejáveis, como: migrações desordenadas; grilagem e ocupação de terras públicas; concentração fundiária; desmatamento; queimadas e incêndios florestais; desemprego; criminalidade e piora nas condições de saúde pública.

11 Foi inspirado nas formulações do PAS, que: O Governo Federal, vem desenvolvendo, em parceria com os governos estaduais da região, ações de ordenamento do território, através de instrumentos como: Áreas sob Limitação Administrativa Provisória (ALAP); Macro-zoneamento e Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE). Objetivo: promover a destinação das terras públicas na região, de acordo com as suas características e potencial: a) para comunidades indígenas, ribeirinhas e quilombolas; b) para unidades de conservação de proteção integral; c) para unidades de conservação de uso sustentável; d) para projetos de assentamento; e) para atividade agropecuária comercial; e f) para atividade de mineração e outras.

12 Foi inspirado nas formulações do PAS, que: O INCRA tem promovido a regularização fundiária, mediante a regularização das posses de milhares de agricultores, tendo como base a Portaria nº 10 do MDA/INCRA. Aprovou-se no Congresso Nacional a nova Lei nº /05, que define novos parâmetros para a regularização de ocupações entre 100 e 500 hectares em terras públicas na Amazônia, antiga demanda da Região, compatível com a Reserva Legal de 80% da área dos estabelecimentos.

13 Foi inspirado nas formulações do PAS, que: Implementou-se o Plano de Ação para a Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia Legal - PPCDAM, que reduziu em 65% o desmatamento na região entre 2003/04 (27,4 mil Km²) e 2006/07 (cerca 9,6 mil Km²) ; Instituíram-se as Áreas sob Limitação Administrativa Provisória (ALAP) das BR-163 (8,2 milhões hectares) e BR-319 (15,2 milhões hectares); Criaram-se 27 novas unidades de conservação federais, com uma área superior a 18 milhões de hectares, e instalaram-se 14 novas bases do IBAMA.

14 Também inspirado nas formulações do PAS, vem sendo travado o combate ao ilícito, com a forte ação da Polícia Federal, do Ministério da Defesa e outros órgãos no combate ao desmatamento predatório e ilegal; à grilagem de terras públicas e o tráfico de drogas, armas, plantas e animais. Também nelas inspirado, vários projetos estruturantes começaram a ser implantados, como a pavimentação da BR- 163, as UHE do Madeira, a eclusa de Tucuruí, a Ferrovia Norte- Sul e os gasodutos Coari-Manaus e Urucu-Porto Velho. Ações também foram desenvolvidas nas áreas de fomento às atividades produtivas e de inclusão social. Por fim, foi inspirado no PAS que o Governo elaborou o Plano BR-163 Sustentável, que foi lançado pelo Presidente da República em junho/06 e o Plano do Arquipélago do Marajó, a ser lançado em novembro/07.

15 QUAL A CONCEPÇÃO ESTRATÉGICA GERAL PROPOSTA NO PAS? Entendimento essencial do Plano é de que é falsa a dicotomia entre conservação da floresta e desenvolvimento econômico. É perfeitamente possível e desejável combinar a conservação com a exploração econômica racional e sustentável. O PAS tem como seu alicerce o ordenamento territorial e fundiário e como seus dois pilares as inversões em inovação tecnológica e em infraestrutura e logística.

16 QUAL O OBJETIVO GERAL DO PAS? Implementar um novo modelo de desenvolvimento na Amazônia Brasileira, pautado na valorização de seu enorme patrimônio natural e no aporte de investimentos em tecnologia e infra-estrutura; voltado para a viabilização de atividades econômicas dinâmicas e inovadoras com a geração de emprego e renda; compatível com o uso sustentável dos recursos naturais e a preservação dos biomas; e visando a elevação do nível de vida da população.

17 QUAIS SÃO SUAS DIRETRIZES GERAIS? a) Promoção do ordenamento do território, mediante a regularização fundiária, a proteção dos ecosistemas, o respeito aos direitos das populações tradicionais e a melhor destinação das terras para a exploração produtiva; b) Agregação de valor à produção regional mediante a capacitação tecnológica dos setores tradicionais; c) Promoção do desenvolvimento com eqüidade social; d) Minimização do desmatamento ilegal associado à transformação da estrutura produtiva regional; e) Fortalecimento e empoderamento da sociedade civil; e f) Estímulo à cooperação entre os entes federativos;

18 E QUAIS SÃO AS ESTRATÉGIAS PROPOSTAS: 1 - Promover o ordenamento territorial e fundiário de toda a Região, combatendo a grilagem e o desmatamento; 2 - Fomentar a valorização de atividades compatíveis com a conservação do bioma e da biodiversidade; 3 - Promover o desenvolvimento sustentável, de forma que: a) Nas áreas florestais, promova-se a utilização da riqueza florestal com a simultânea conservação do bioma, mediante a criação de diferentes modalidades de unidades de conservação; b) Nas áreas já abertas, promova-se o uso mais intensivo (menos extensivo) das potencialidades agropecuárias, com a recuperação de áreas alteradas e/ou abandonadas, com aporte tecnológico e com o adensamento das cadeias produtivas;

19 4 - Promover a difusão de tecnologia para o setor produtivo.. e a cooperação entre instituições de pesquisa e a estrutura produtiva; 5 - Fomentar as atividades econômicas urbanas (indústria, comércio e serviços), que geram emprego e renda; 6 - Ampliar e melhorar o suporte às atividades produtivas através de investimentos em infra-estrutura econômica, mediante um planejamento estratégico das obras; 7 - Promover a inclusão social, mediante a ampliação e melhoraria da infra-estrutura social (serviços públicos) e do acesso ao emprego; 8 - Assegurar os direitos das populações mais vulneráveis aos processos de expansão da fronteira, como os agricultores familiares, populações ribeirinhas e comunidades indígenas; 9 - Promover a integração sul-americana, mediante o fortalecimento da Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA) e da Iniciativa para a Integração Regional Sul-Americana (IIRSA).

20 ESTRATÉGIAS CENTRAIS P/ AS MACRORREGIÕES: A - ARCO DO POVOAMENTO: 1 Intensificar as atividades dinâmicas não predatórias, priorizando a recuperação de áreas alteradas e degradadas, destinando-as à projetos de assentamentos e /ou à expansão da cultura de grãos; 2 Estimular as cadeias produtivas, como às vinculadas à pecuária (frigoríficos, laticínios e curtumes), agricultura (processamento de grãos, fruticultura, sucro-alcooleiro), madeira (mobiliário, materiais de construção) e mineração (metalurgia de ferro e alumínio), fortalecendo as economias dos núcleos urbanos; 3 Consolidar a infra-estrutura de transportes e de energia.

21 B - AMAZÔNIA CENTRAL: 1 Promover o ordenamento dos eixos de expansão, através da regularização fundiária, ZEEs e ampliação das áreas protegidas (demarcação e homologação de Terras Indígenas e criação de UCs); 2 fortalecer a produção madeireira em bases sustentáveis (Distritos Florestais Sustentáveis); 3 fortalecer a produção familiar, facilitando a concessão de crédito, assistência técnica e canais de comercialização; e 4 fomentar a bioindústria e a bioprospecção apoiada nos recursos genéticos regionais.

22 C - AMAZÔNIA OCIDENTAL: 1- ampliar e consolidar as áreas protegidas; 2- valorizar a biodiversidade e os recursos hídricos; 3- fomentar a bioindústria e a bioprospecção, notadamente a produção de fármacos e de óleos essenciais voltados para a indústria de cosméticos e de fitoterápicos no PIM; 4 - criar o pólo gás-químico e de informática no PIM, e consolidar o CBA em Manaus; 5 desconcentrar as atividades dinâmicas; e 6 - promover a intensificação dos fluxos econômicos nas regiões fronteiriças.

23 PRÓXIMOS PASSOS: Após a conclusão da rodada de consultas públicas em 2006, a equipe coordenadora do PAS incorporou as propostas delas advindas, concluindo assim a elaboração do Documento Final do PAS. O Plano será encaminhado ao Presidente da República, aos Ministros e aos Governadores, para ser lançado e sancionado, em novembro/07.

24

Carta dos Governadores da Amazônia

Carta dos Governadores da Amazônia Carta dos Governadores da Amazônia Os Governadores dos Estados da Amazônia Legal abaixo subscritos, reunidos durante o Fórum dos Governadores, realizado no dia 01 de junho de 2012, na cidade de Manaus

Leia mais

Brasília, 28 de novembro de 2011. O que é o PPCerrado:

Brasília, 28 de novembro de 2011. O que é o PPCerrado: PPCerrado Brasília, 28 de novembro de 2011. 1 O que é o PPCerrado: É um Plano de Ação (tático-operacional) que reúne ações para a redução do desmatamento no Cerrado e a viabilização de alternativas de

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

Capacitação para o Desenvolvimento Sustentável na Amazônia

Capacitação para o Desenvolvimento Sustentável na Amazônia Programa 0502 Amazônia Sustentável Objetivo Promover o desenvolvimento da Amazônia, mediante o uso sustentável de seus recursos naturais. Indicador(es) Número de Ações 9 Taxa de participação de produtos

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERENCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 006/2011- FAO/GCP/BRA/070/EC

ANEXO I TERMO DE REFERENCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 006/2011- FAO/GCP/BRA/070/EC FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS ORGANISATION DES NATIONS UNIES POUR L ALIMENTATION ET L AGRICULTURE ORGANIZACION DE LAS NACIONES UNIDAS PARA LA AGRICULTURA Y LA ALIMENTACION ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Fortalecimento da Gestão Regional Conjunta para o Aproveitamento Sustentável da Biodiversidade Amazônica

Fortalecimento da Gestão Regional Conjunta para o Aproveitamento Sustentável da Biodiversidade Amazônica Fortalecimento da Gestão Regional Conjunta para o Aproveitamento Sustentável da Biodiversidade Amazônica PAULO KAGEYAMA. SBF Ministério do Meio Ambiente PRIMEIRA REUNIÃO DE COORDENADORES NACIONAIS DO PROJETO

Leia mais

Grupo Sustentabilidade

Grupo Sustentabilidade ABIOVE Grupo Sustentabilidade de Trabalho da Moratória na ria Amazônia da Soja (GTS) ABAG Reunião com o Governo Associação Brasileira de Agribusiness 16/maio/2007 Carlo Lovatelli Presidente Alemanha 10

Leia mais

EMENDA AO PLDO/2003 - PL Nº 009/2002-CN ANEXO DE METAS E PRIORIDADES

EMENDA AO PLDO/2003 - PL Nº 009/2002-CN ANEXO DE METAS E PRIORIDADES Emenda Nº: 656 0468 CIENCIA E TECNOLOGIA PARA A GESTÃO DE ECOSSISTEMAS 4134 DESENVOLVIMENTO DE PESQUISAS SOBRE FRAGMENTAÇÃO NA MATA ATLANTICA PESQUISAS REALIZADAS 20 Para conservar biodiversidade precisamos,

Leia mais

Recursos Naturais e Biodiversidade

Recursos Naturais e Biodiversidade 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 Florestas Gestão dos Recursos Hídricos Qualidade e Ocupação do Solo Proteção da Atmosfera e Qualidade

Leia mais

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Workshop Adaptação às mudanças climáticas e os desafios da gestão ambiental integrada no Brasil O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Diretoria de Recursos Hídricos Ministério

Leia mais

COMPLEXOS REGIONAIS A AMAZÔNIA

COMPLEXOS REGIONAIS A AMAZÔNIA COMPLEXOS REGIONAIS A AMAZÔNIA Ocupa mais de 5 milhões de km ²; Abrange quase toda a região Norte, centro-norte do Mato Grosso e oeste do Maranhão; É marcada pela presença da Floresta Amazônica; A Floresta

Leia mais

Presidência da República Secretaria de Relações Institucionais Subchefia de Assuntos Federativos

Presidência da República Secretaria de Relações Institucionais Subchefia de Assuntos Federativos Presidência da República Secretaria de Relações Institucionais Subchefia de Assuntos Federativos Memória da VI Reunião do Pleno Sistema de Assessoramento para Assuntos Federativos - SASF 06.11. 07 I- 9h00

Leia mais

Regularização Fundiária de Unidades de Conservação Federais

Regularização Fundiária de Unidades de Conservação Federais Programa 0499 Parques do Brasil Objetivo Ampliar a conservação, no local, dos recursos genéticos e o manejo sustentável dos parques e áreas de proteção ambiental. Indicador(es) Taxa de proteção integral

Leia mais

Força Total Amazônia Prof a. Rose Rodrigues

Força Total Amazônia Prof a. Rose Rodrigues Força Total Amazônia Prof a. Rose Rodrigues 1- (UNICAMP) As figuras a seguir representam duas concepções geopolíticas de ocupação da Amazônia brasileira no período militar. Responda às perguntas: a) Quais

Leia mais

O Lavrado de Roraima:

O Lavrado de Roraima: DIAGNÓSTICO O Lavrado de Roraima: importância biológica, desenvolvimento e conservação na maior savana do Bioma Amazônia Ciro CAMPOS, Flavia PINTO, Reinaldo Imbrozio BARBOSA ciro.roraima@yahoo.com.br,

Leia mais

MEIO AMBIENTE DESENVOLVIMENTO COM SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE DESENVOLVIMENTO COM SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE DESENVOLVIMENTO COM SUSTENTABILIDADE Introdução A capacidade da atuação do Estado Brasileiro na área ambiental baseia-se na ideia de responsabilidades compartilhadas entre União, Estados,

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS E FOCOS DE ATUAÇÃO PARA O BIÊNIO 2013 E 2014

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS E FOCOS DE ATUAÇÃO PARA O BIÊNIO 2013 E 2014 DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS E FOCOS DE ATUAÇÃO PARA O BIÊNIO 2013 E 2014 Projetos no Bioma Amazônia A Critérios Orientadores B C D E F Condicionantes Mínimos para Projetos Modalidades

Leia mais

SÍNTESE JUINA. Meio Ambiente

SÍNTESE JUINA. Meio Ambiente SÍNTESE JUINA Aperfeiçoar mecanismos controle ambiental Meio Ambiente Instalação de viveiros de distribuição de mudas para o reflorestamento e matas ciliares Ampliar aceso aos programas de crédito de Capacitar

Leia mais

Plano de Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento da Amazônia PCTI/Amazônia. Apresentação na Reunião do Confap

Plano de Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento da Amazônia PCTI/Amazônia. Apresentação na Reunião do Confap Desenvolvimento da Amazônia PCTI/Amazônia Apresentação na Reunião do Confap Brasília/DF, 13 de Maio de 2014 Plano de Ação em Ciência, Tecnologia e Inovação para o desenvolvimento da Amazônia Brasileira

Leia mais

Instrumentos Legais de Proteção Ambiental em Propriedades Rurais

Instrumentos Legais de Proteção Ambiental em Propriedades Rurais Instrumentos Legais de Proteção Ambiental em Propriedades Rurais Uberlândia Minas Gerais Abril de 2015 Índice Introdução... 2 Instrumentos de planejamento e gestão do uso do solo... 2 Zoneamento Ecológico-

Leia mais

TÍTULO: ANOTAÇÕES SOBRE A LEI DE GESTÃO DE FLORESTAS PÚBLICAS E AS LICITAÇÕES PARA CONCESSÃO FLORESTAL

TÍTULO: ANOTAÇÕES SOBRE A LEI DE GESTÃO DE FLORESTAS PÚBLICAS E AS LICITAÇÕES PARA CONCESSÃO FLORESTAL Página112 TÍTULO: AS LICITAÇÕES PARA CONCESSÃO FLORESTAL Vanderson Roberto Vieira 1 SUMÁRIO: 1- INTRODUÇÃO; 2- FNDF; 3- PLANO ANUAL DE OUTORGA FLORESTAL - PAOF; 4- CONCESSÃO FLORESTAL ONEROSA; 5- A LICITAÇÃO

Leia mais

Ciclo BIOTA-Educação SP, setembro de 2013. QUEIROZ, Helder L. Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá - IDSM

Ciclo BIOTA-Educação SP, setembro de 2013. QUEIROZ, Helder L. Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá - IDSM As Principais Ameaças a Conservação do Ecossistema de Várzea Amazônica, e a Experiência do Instituto Mamirauá (IDSM-OS) Ciclo BIOTA-Educação SP, setembro de 2013 QUEIROZ, Helder L. Instituto de Desenvolvimento

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA RELACIONADA NO ÂMBITO DOS TEMAS

Leia mais

Unidades de conservação valorizando o patrimônio natural brasileiro

Unidades de conservação valorizando o patrimônio natural brasileiro Unidades de conservação valorizando o patrimônio natural brasileiro Fábio França Silva Araújo Departamento de Áreas Protegidas Ministério do Meio Ambiente Unidades de conservação: Espaços territoriais

Leia mais

Pacto pela Valorização da Floresta e pelo Fim do Desmatamento na Amazônia 1

Pacto pela Valorização da Floresta e pelo Fim do Desmatamento na Amazônia 1 Pacto pela Valorização da Floresta e pelo Fim do Desmatamento na Amazônia 1 Introdução Os signatários deste documento propõem à sociedade brasileira um Pacto Nacional pela Valorização da Floresta e pelo

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2006 Regulamenta o 4º do art. 225 da Constituição Federal, para instituir o Plano de Gerenciamento da Floresta Amazônica. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei

Leia mais

PROGRAMA DE GOVERNO DA FRENTE POPULAR A FAVOR DO AMAPÁ PROPOSTAS PARA O AMAPÁ CONTINUAR AVANÇANDO

PROGRAMA DE GOVERNO DA FRENTE POPULAR A FAVOR DO AMAPÁ PROPOSTAS PARA O AMAPÁ CONTINUAR AVANÇANDO PROGRAMA DE GOVERNO DA FRENTE POPULAR A FAVOR DO AMAPÁ PROPOSTAS PARA O AMAPÁ CONTINUAR AVANÇANDO MACAPÁ-AP JULHO DE 2014 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 1 INTRODUÇÃO 2 DIRETRIZES 3 PRINCÍPIOS 4 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

Boa Vista - Roraima Eixos Discutidos Energia Mudanças Climáticas Amazônia Biodiversidade e Recursos Naturais Saúde e Meio Ambiente Capacitação para o Desenvolvimento Social Eixos Discutidos Energia Mudanças

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Histórico 1989 - Plataforma Ambiental Mínima para Candidatos à Presidência 1990 - Plataforma Ambiental Mínima para os Candidatos ao Governo do Estado de São Paulo 1998 - Plataforma Ambiental Mínima para

Leia mais

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E PROGRAMAS DO GOVERNO FEDERAL PARA O USO SUSTENTÁVEL E A CONSERVAÇÃO DE SOLOS AGRÍCOLAS

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E PROGRAMAS DO GOVERNO FEDERAL PARA O USO SUSTENTÁVEL E A CONSERVAÇÃO DE SOLOS AGRÍCOLAS ESTUDO LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E PROGRAMAS DO GOVERNO FEDERAL PARA O USO SUSTENTÁVEL E A CONSERVAÇÃO DE SOLOS AGRÍCOLAS ESTUDO DEZEMBRO/2014 Rodrigo Hermeto Corrêa Dolabella Consultor Legislativo da Área

Leia mais

PNDH - 3 DECRETO Nº 7.037, DE 21 DE DEZEMBRO DE

PNDH - 3 DECRETO Nº 7.037, DE 21 DE DEZEMBRO DE CURSO NEON PNDH - 3 DECRETO Nº 7.037, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2009. Profª Andréa Azevêdo Disciplina: DIREITOS HUMANOS E PARTICIPAÇÃO SOCIAL ANDRÉA AZEVÊDO Professora. e-mail: professoraandreaazevedo@yahoo.com.br

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Regional Sustentável do Xingu. Junho 2015

Plano de Desenvolvimento Regional Sustentável do Xingu. Junho 2015 Plano de Desenvolvimento Regional Sustentável do Xingu Junho 2015 Dados Gerais - PDRSX Antecedentes: DEZ/2007 CRIAÇÃO (informal): Grupo de Trabalho Intergovernamental constituído em 2007, coordenado pela

Leia mais

TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO [27] TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO 1. Nos últimos anos a maioria dos países enfrentou grave crise econômica, que gerou um grande

Leia mais

O SETOR FLORESTAL SÉCULO XXI

O SETOR FLORESTAL SÉCULO XXI O SETOR FLORESTAL SÉCULO XXI PONTOS FORTES AMBIENTAIS Maior área florestal do mundo com 477 milhões de ha Estoque de carbono nas florestas da ordem de 50 bilhões de t C 150 milhões de ha com terras indígenas

Leia mais

MÓDULO II - DIAGNÓSTICO

MÓDULO II - DIAGNÓSTICO MÓDULO II - DIAGNÓSTICO Etapas do PMMA Organização do processo de elaboração do Plano Municipal da Mata Atlântica MOBILIZAÇÃO QUE CO SO ANÁLISE PRON CO VO Definição da Visão de Futuro DIAGNÓSTICO QUE CO

Leia mais

CEFIR. Cadastro Estadual Ambiental Rural

CEFIR. Cadastro Estadual Ambiental Rural CEFIR Cadastro Estadual Ambiental Rural Dezembro.2013 SISEMA SISTEMA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DESAFIO Tornar o Sistema mais ágil e compatibilizá-lo com as demandas da sociedade sem perder o foco na qualidade

Leia mais

O programa brasileiro de unidades de conservação

O programa brasileiro de unidades de conservação O programa brasileiro de unidades de conservação MARINA SILVA Ministério do Meio Ambiente, Esplanada dos Ministérios, Brasília, Distrito Federal, Brasil. e-mail: marina.silva@mma.gov.br INTRODUÇÃO A Convenção

Leia mais

O ESTADO DE RONDÔNIA E OS PROGRAMAS DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL

O ESTADO DE RONDÔNIA E OS PROGRAMAS DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL O ESTADO DE RONDÔNIA E OS PROGRAMAS DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL Valdelise Martins dos Santos Ferreira¹, Monica Franchi Carniello², Fabio Ricci³ Marilsa de Sá Rodrigues Tadeucci 4 ¹,2,3,4 Universidade de

Leia mais

Assistência Técnica e Extensão Rural no Brasil: Um debate nacional sobre as realidades e novos rumos para o desenvolvimento do País

Assistência Técnica e Extensão Rural no Brasil: Um debate nacional sobre as realidades e novos rumos para o desenvolvimento do País Assistência Técnica e Extensão Rural no Brasil: Um debate nacional sobre as realidades e novos rumos para o desenvolvimento do País Cenário 66 ANOS DE EXTENSÃO RURAL A agricultura como via estratégica

Leia mais

sustentável Crescimento

sustentável Crescimento sustentável Crescimento A população urbana aumenta de forma significativa, e gestores têm o desafio de buscar soluções criativas e inovadoras para financiar a infraestrutura necessária a esse contingente

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações e normas

Leia mais

Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010

Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010 Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010 Distribuição dos Recursos entre Áreas de Aplicação Área de Aplicação Limite de ção do total dos recursos

Leia mais

BNDES. Fundo Amazônia. Documento do Projeto

BNDES. Fundo Amazônia. Documento do Projeto BNDES Fundo Amazônia Documento do Projeto Revisado em 28 de fevereiro de 2013 Sumário 1. Descrição do Fundo Amazônia... 4 1.1 Histórico... 4 1.2 Finalidade... 4 1.3 Gestão do Fundo Amazônia... 5 2. Dinâmica

Leia mais

COMISSÃO DA AMAZÔNIA, INTEGRAÇÃO NACIONAL E DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL

COMISSÃO DA AMAZÔNIA, INTEGRAÇÃO NACIONAL E DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL COMISSÃO DA AMAZÔNIA, INTEGRAÇÃO NACIONAL E DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 2.590, DE 2010 (MENSAGEM N o 921/2008) Autoriza a União a ceder ao Estado de Rondônia, a título

Leia mais

Plano Executivo de Desenvolvimento Sustentável do Agronegócio na Amazônia Legal. Julho de 2007 Brasília, DF

Plano Executivo de Desenvolvimento Sustentável do Agronegócio na Amazônia Legal. Julho de 2007 Brasília, DF Plano Executivo de Desenvolvimento Sustentável do Agronegócio na Amazônia Legal Julho de 2007 Brasília, DF AMAZÔNIA LEGAL Limites da Floresta Amazônica AMAZÔNIA LEGAL 9 Estados brasileiros 5,2 milhões

Leia mais

Comunicado Conjunto. Reunião dos Presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e José Alberto Mujica Cordano

Comunicado Conjunto. Reunião dos Presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e José Alberto Mujica Cordano Comunicado Conjunto Reunião dos Presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e José Alberto Mujica Cordano (Santana do Livramento/Rivera, 30 de julho de 2010) Os Presidentes da República Federativa do Brasil,

Leia mais

A Floresta Amazônica, as mudanças climáticas e a agricultura no Brasil

A Floresta Amazônica, as mudanças climáticas e a agricultura no Brasil A Floresta Amazônica, as mudanças climáticas e a agricultura no Brasil Quem somos? A TNC é a maior organização de conservação ambiental do mundo. Seus mais de um milhão de membros ajudam a proteger 130

Leia mais

Legislação brasileira sobre mudança do clima

Legislação brasileira sobre mudança do clima Legislação brasileira sobre mudança do clima ILIDIA DA ASCENÇÃO GARRIDO MARTINS JURAS Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano

Leia mais

DECRETO DE 13 DE FEVEREIRO DE 2006

DECRETO DE 13 DE FEVEREIRO DE 2006 DECRETO DE 13 DE FEVEREIRO DE 2006 Institui o complexo geoeconômico e social denominado Distrito Florestal Sustentável - DFS da BR-163, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições

Leia mais

Oportunidades da Agropecuária Brasileira

Oportunidades da Agropecuária Brasileira Oportunidades da Agropecuária Brasileira Carne sustentável para o mundo Buenos Aires, 28 de setembro de 2010 SANIDADE ANIMAL BEM ESTAR ANIMAL PRESERVAÇÃO AMBIENTAL RASTREABILIDADE 1 O governo brasileiro

Leia mais

Governo Federal investe R$ 13,3 bilhões no combate à pobreza em 2007

Governo Federal investe R$ 13,3 bilhões no combate à pobreza em 2007 Governo Federal investe R$ 13,3 bilhões no combate à pobreza em 2007 O Governo Federal está investindo R$ 13,3 bilhões, em 2007, no combate à pobreza, integrando mais de 30 programas e ações que visam

Leia mais

Estrutura da Apresentação. 1. Conceitos. 2. Características da Amazônia Legal. 4. Considerações Finais

Estrutura da Apresentação. 1. Conceitos. 2. Características da Amazônia Legal. 4. Considerações Finais PROPOSTA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA PARA A AMAZONIA Elisio Contini, Geraldo Martha Jr. e Marcos Pena I Congresso de Engenheiros Agrônomos da Amazônia Belém, 22 a 25 de Novembro de 2010 Estrutura da Apresentação

Leia mais

EMENDA à versão original do MARCO INDÍGENA E QUILOMBOLA DO PARÁ RURAL de março de 2005. Atualização Relacionada à Reestruturação do Pará Rural em 2013

EMENDA à versão original do MARCO INDÍGENA E QUILOMBOLA DO PARÁ RURAL de março de 2005. Atualização Relacionada à Reestruturação do Pará Rural em 2013 GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ PROGRAMA DE REDUÇÃO DA POBREZA E GESTÃO DOS RECURSOS NATURAIS DO ESTADO DO PARÁ PARÁ RURAL EMENDA à versão original do MARCO INDÍGENA E QUILOMBOLA DO PARÁ RURAL de março de 2005

Leia mais

NORTE DO ES: ARACRUZ E ÁREAS DE INFLUÊNCIA

NORTE DO ES: ARACRUZ E ÁREAS DE INFLUÊNCIA NORTE DO ES: ARACRUZ E ÁREAS DE INFLUÊNCIA Aracruz Celulose e a Estrada de Ferro Vitória Minas Esse estudo tem como objeto de análise uma região caracterizada pela influência de dois sistemas de infra-estrutura:

Leia mais

Criada pela Lei Complementar no. 124/2007 de 03 de janeiro de 2007. Finalidade

Criada pela Lei Complementar no. 124/2007 de 03 de janeiro de 2007. Finalidade Criada pela Lei Complementar no. 124/2007 de 03 de janeiro de 2007. Finalidade Art. 3 o A Sudam tem por finalidade promover o desenvolvimento includente e sustentável de sua área de atuação e a integração

Leia mais

Proposta de Plano de Desenvolvimento Local para a região do AHE Jirau

Proposta de Plano de Desenvolvimento Local para a região do AHE Jirau Proposta de Plano de Desenvolvimento Local para a região do AHE Jirau Fundação Getulio Vargas, Abril de 2011 REGIÃO PODE TER LEGADO COMPATÍVEL COM DESENVOLVIMENTO INOVADOR E SUSTENTÁVEL Deixar um legado

Leia mais

DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DE PROJETO (DIP) ESTÁGIO CONCEITUAL Relatório n o : PIDC859

DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DE PROJETO (DIP) ESTÁGIO CONCEITUAL Relatório n o : PIDC859 DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DE PROJETO (DIP) ESTÁGIO CONCEITUAL Relatório n o : PIDC859 Nome do Projeto Região País Setor(es) Tema(s) Instrumento de Empréstimo ID do Projeto Mutuário(s) Agência Implementadora

Leia mais

PLANO NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA PNMC

PLANO NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA PNMC PLANO NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA PNMC 19 de Maio de 2009 National Climate Change Policy National Plan on Climate Change Climate Fund Amazon Fund Política Nacional sobre Mudança Climática 2 objetivos

Leia mais

PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO. Conciliando Biodiversidade e Agricultura

PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO. Conciliando Biodiversidade e Agricultura PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO Conciliando Biodiversidade e Agricultura DESAFIO Compatibilizar a Conservação e a Agricultura O crescimento da população global e a melhoria dos padrões de vida aumentaram

Leia mais

Plano Anual de Aplicação Regionalizada

Plano Anual de Aplicação Regionalizada Plano Anual de Aplicação Regionalizada PAAR - 2015 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO FLORESTAL Introdução PLANO ANUAL DE APLICAÇÃO REGIONALIZADA

Leia mais

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1 Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1 Conceito de Tecnologia Social aplicada a Municípios Sustentáveis: "Compreende técnicas, metodologias e experiências

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO VI DO MEIO AMBIENTE Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do

Leia mais

Projeto de Fortalecimento e Intercâmbio de Mosaicos de Áreas Protegidas na Mata Atlântica

Projeto de Fortalecimento e Intercâmbio de Mosaicos de Áreas Protegidas na Mata Atlântica Documento de referência RBMA: Subsídios para Marco Regulatório de Mosaicos de Áreas Protegidas versão 1.0 agosto 2009 I Definição e base conceitual: 1 Os mosaicos foram definidos no SNUC a partir de: LEI

Leia mais

EVOLUÇÃO POPULACIONAL MUNDIAL

EVOLUÇÃO POPULACIONAL MUNDIAL EVOLUÇÃO POPULACIONAL MUNDIAL ANO BILHÕES 2010 6,8 2030 8,3 2050 9,4 DESAFIOS PARA 2050 + 2,3 BILHÕES DE PESSOAS. + 70% NA NECESSIDADE DE ALIMENTOS. + 1 BILHÃO DE TONELADAS DE CEREAIS. + 200 MILHÕES TON.

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC. Agricultura do Século XXI Agropecuária, Meio Ambiente, Sustentabilidade e Inovação.

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC. Agricultura do Século XXI Agropecuária, Meio Ambiente, Sustentabilidade e Inovação. SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC Agricultura do Século XXI Agropecuária, Meio Ambiente, Sustentabilidade e Inovação. Avanços da Agricultura Brasileira. Passou de importador

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA REGIONAL DE

1ª CONFERÊNCIA REGIONAL DE PROJETO ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL SUSTENTÁVEL DO VALE DO RIBEIRA E IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS PRIORITÁRIOS 1ª CONFERÊNCIA REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL SUSTENTÁVEL

Leia mais

VISÃO TERRITORIAL DO BRASIL. Uma Abordagem Estratégica. Palestrante: Luiz Cezar Loureiro de Azeredo IPEA- Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada

VISÃO TERRITORIAL DO BRASIL. Uma Abordagem Estratégica. Palestrante: Luiz Cezar Loureiro de Azeredo IPEA- Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada VISÃO TERRITORIAL DO BRASIL Uma Abordagem Estratégica Palestrante: Luiz Cezar Loureiro de Azeredo IPEA- Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Brasília, agosto de 2009 ORDENAMENTO TERRITORIAL Marco

Leia mais

A PECUÁRIA E A RIO+20 Fernando Sampaio 1

A PECUÁRIA E A RIO+20 Fernando Sampaio 1 dossiê PECUÁRIA A PECUÁRIA E A RIO+20 Fernando Sampaio 1 Em um mundo em crescimento populacional e econômico, a demanda por proteína é crescente, principalmente nos países em desenvolvimento. Ao mesmo

Leia mais

Agricultura & Inovação:

Agricultura & Inovação: Agricultura & Inovação: Rota para o Desenvolvimento Sustentável Belém, 03 de setembro de 2012 TRANSFORMAÇÃO Macro-objetivos Macro - objetivos REDUÇÃO DA POBREZA E DAS DESIGUALDADES REGIONAIS PRODUÇÃO CONHECIMENTO

Leia mais

Reflexões sobre legislação, conservação e a sociobiodiversidade

Reflexões sobre legislação, conservação e a sociobiodiversidade Reflexões sobre legislação, conservação e a sociobiodiversidade Priscila Facina Monnerat Engenheira Florestal Instituto Contestado de Agroecologia - ICA A devastação histórica das florestas no Paraná 1890

Leia mais

ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL SUGESTÕES

ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL SUGESTÕES ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL 1) INTRODUÇÃO SUGESTÕES Ao longo dos seus vinte e oito anos e com a experiência de centenas de administrações que

Leia mais

O Papel do Serviço Florestal Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável

O Papel do Serviço Florestal Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável O Papel do Serviço Florestal Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável José Humberto Chaves Gerência de Planejamento Florestal Setembro, 2010-1 - Sumário 1. As florestas no Brasil. 2. O Setor Florestal

Leia mais

CONQUISTAS AOS AGRICULTORES NO CÓDIGO FLORESTAL

CONQUISTAS AOS AGRICULTORES NO CÓDIGO FLORESTAL CONQUISTAS AOS AGRICULTORES NO CÓDIGO FLORESTAL 1. DISPENSA AOS PROPRIETÁRIOS DE ÁREAS CONSOLIDADAS DE RECOMPOSIÇÃO DA RESERVA LEGAL Art. 61 a. Área rural consolidada: é a área de imóvel rural com ocupação

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria Executiva Departamento de Politicas de Combate ao Desmatamento

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria Executiva Departamento de Politicas de Combate ao Desmatamento MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria Executiva Departamento de Politicas de Combate ao Desmatamento Ações de Prevenção e Controle do Desmatamento no Brasil: Amazônia, Cerrado e Caatinga Brasília, setembro

Leia mais

O Brasil acabou? Evaristo Eduardo de Miranda, Coordenador do GITE EMBRAPA

O Brasil acabou? Evaristo Eduardo de Miranda, Coordenador do GITE EMBRAPA O Brasil acabou? Evaristo Eduardo de Miranda, Coordenador do GITE EMBRAPA Em 25 anos, o Governo federalizou quase 35% do território nacional destinando-o a unidades de conservação, terras indígenas, comunidades

Leia mais

O Desafio da Implementação Das Políticas Transversais. Professora: Carolina S Comandulli Período: Novembro de 2013

O Desafio da Implementação Das Políticas Transversais. Professora: Carolina S Comandulli Período: Novembro de 2013 O Desafio da Implementação Das Políticas Transversais Professora: Carolina S Comandulli Período: Novembro de 2013 POLÍTICAS PÚBLICAS PARA POVOS E TERRAS INDÍGENAS Um enfoque da Fundação Nacional do Índio

Leia mais

Palavras-chave: Cana-de-açúcar; Bem-estar; Goiatuba; Expansão agrícola.

Palavras-chave: Cana-de-açúcar; Bem-estar; Goiatuba; Expansão agrícola. Implicações da Expansão do cultivo da cana-deaçúcar sobre o município de Goiatuba Washington Pereira Campos8 Márcio Caliari9 Marina Aparecida da Silveira10 Resumo: A partir de 2004, ocorreu um aumento

Leia mais

Versão preliminar. por. Trabalho para Discussão no Seminário:

Versão preliminar. por. Trabalho para Discussão no Seminário: Versão preliminar O Planejamento Participativo da Br-163: Um Estudo de Caso da Implantação de Grandes Projetos de Infraestrutura Rodoviária na Panamazônia. por 1,2 David McGrath, 1 Ane Alencar e 1 Rosana

Leia mais

Entenda o Programa Fome Zero

Entenda o Programa Fome Zero Entenda o Programa Fome Zero 1. O que é o Programa Fome Zero? O Programa Fome Zero é um conjunto de ações que estão sendo implantadas gradativamente pelo Governo Federal. O objetivo é promover ações para

Leia mais

Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu a sanciono a seguinte Lei:

Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu a sanciono a seguinte Lei: Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Faço saber

Leia mais

Introdução. Gestão Ambiental Prof. Carlos Henrique A. de Oliveira. Introdução à Legislação Ambiental e Política Nacional de Meio Ambiente - PNMA

Introdução. Gestão Ambiental Prof. Carlos Henrique A. de Oliveira. Introdução à Legislação Ambiental e Política Nacional de Meio Ambiente - PNMA Gestão Ambiental Prof. Carlos Henrique A. de Oliveira Introdução à Legislação Ambiental e Política Nacional de Meio Ambiente - PNMA O mar humildemente coloca-se abaixo do nível dos rios para receber, eternamente,

Leia mais

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Eu, ( ) (sigla do partido) me comprometo a promover os itens selecionados abaixo

Leia mais

Água Subterrânea na Amazônia: Relevância, Estado Atual do Conhecimento e Estratégia de Pesquisa

Água Subterrânea na Amazônia: Relevância, Estado Atual do Conhecimento e Estratégia de Pesquisa Água Subterrânea na Amazônia: Relevância, Estado Atual do Conhecimento e Estratégia de Pesquisa Ingo Daniel Wahnfried * * Departamento de Geociências, ICE, Universidade Federal do Amazonas Manaus/AM Introdução

Leia mais

O Brasil no século XXI. Desafios Estratégicos para o Brasil em 2022

O Brasil no século XXI. Desafios Estratégicos para o Brasil em 2022 O Brasil no século XXI Desafios Estratégicos para o Brasil em 2022 Construir o Brasil do século XXI Reduzir as Vulnerabilidades Externas; Enfrentar as desigualdades; Realizar as potencialidades; Construir

Leia mais

Experiências da Embrapa sobre Produção Sustentável na Amazônia

Experiências da Embrapa sobre Produção Sustentável na Amazônia Experiências da Embrapa sobre Produção Sustentável na Amazônia Luciano Mansor de Mattos 1 Tatiana Deane de Abreu Sá 2 A pesquisa agrícola na Amazônia iniciou-se no final da década de 30, com a criação,

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE GESTÃO TERRITORIAL E AMBIENTAL DE TERRAS INDÍGENAS - PNGATI

POLÍTICA NACIONAL DE GESTÃO TERRITORIAL E AMBIENTAL DE TERRAS INDÍGENAS - PNGATI POLÍTICA NACIONAL DE GESTÃO TERRITORIAL E AMBIENTAL DE TERRAS INDÍGENAS - PNGATI FUNAI - CGGAM Coordenação Geral de Gestão Ambiental Fundação Nacional do Índio Diretoria de Promoção ao Desenvolvimento

Leia mais

O que é a Convenção de Ramsar? Convenção de Zonas Úmidas de Importância Internacional

O que é a Convenção de Ramsar? Convenção de Zonas Úmidas de Importância Internacional O que é a Convenção de Ramsar? Convenção de Zonas Úmidas de Importância Internacional (Ramsar, Irã, 1971) Missão: a conservação e o uso racional de todas as zonas úmidas por meio de ação local, regional

Leia mais

Sistema de Cadastro Ambiental Rural

Sistema de Cadastro Ambiental Rural Sistema de Cadastro Ambiental Rural XX Simpósio Jurídico ABCE ÂNGELO RAMALHO ASSESSOR MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO DIRETORIA DE FOMENTO E INCLUSÃO FLORESTAL São Paulo, Outubro/2014

Leia mais

Análise de Viabilidade

Análise de Viabilidade Análise de Viabilidade 1. Identificação Município: Itaúna Localização: Região de Tabuões Bacia Hidrográfica: Rio São Francisco 2. Resultados: Considerando as especulações que estão sendo levantadas com

Leia mais

Manejo Sustentável da Floresta

Manejo Sustentável da Floresta Manejo Sustentável da Floresta 1) Objetivo Geral Mudança de paradigmas quanto ao uso da madeira da floresta, assim como a percepção dos prejuízos advindos das queimadas e do extrativismo vegetal. 2) Objetivo

Leia mais

20114 Advocacia-Geral da União. Apoio às Políticas Públicas e Áreas Especiais 0580 Defesa Jurídica da União. 92000 Atividades Padronizadas

20114 Advocacia-Geral da União. Apoio às Políticas Públicas e Áreas Especiais 0580 Defesa Jurídica da União. 92000 Atividades Padronizadas Anexo III - s Responsáveis por s 20114 Advocacia-Geral da União 0580 Defesa Jurídica da União 92000 Atividades Padronizadas 0089 Previdência de Inativos e Pensionistas da União 0750 0807 Apoio Administrativo

Leia mais

Pronunciamento do Excelentíssimo Senhor Deputado ANSELMO, na Sessão Plenária do dia 31/03/06. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados,

Pronunciamento do Excelentíssimo Senhor Deputado ANSELMO, na Sessão Plenária do dia 31/03/06. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Pronunciamento do Excelentíssimo Senhor Deputado ANSELMO, na Sessão Plenária do dia 31/03/06 Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Ocupo hoje a tribuna desta Casa para mostrar um panorama dos

Leia mais

1ª Oficina Chamada Pública de Projetos do Fundo Amazônia Apoio à Planos de Gestão Territorial e Ambiental (PGTA) em Terras Indígenas

1ª Oficina Chamada Pública de Projetos do Fundo Amazônia Apoio à Planos de Gestão Territorial e Ambiental (PGTA) em Terras Indígenas 1ª Oficina Chamada Pública de Projetos do Fundo Amazônia Apoio à Planos de Gestão Territorial e Ambiental (PGTA) em Terras Indígenas Brasília, 10 e 11 de Junho 2014 Política Nacional de Gestão Ambiental

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 Altera a Lei nº 11.445, de 5 de janeiro de 2007, que estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico, para incentivar a dessalinização da água do mar e das

Leia mais

O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL

O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL 08 de Novembro de 2012 O que é o Brasil Rural? O Brasil Rural Diversidade: raças, origens étnicas, povos, religiões, culturas Conflitos: concentração de terra, trabalho

Leia mais

egime de Mudanças Climáticas e o Acordo d Paris/2015: desafios para o Brasil

egime de Mudanças Climáticas e o Acordo d Paris/2015: desafios para o Brasil egime de Mudanças Climáticas e o Acordo d Paris/2015: desafios para o Brasil Rômulo Paes Diretor Seminário Internacional sobre Regimes Ambientais e Mudanças Climáticas Belo Horizonte, 24 de maio de 2016

Leia mais

O NOVO INCRA 1. POR QUE MUDAR O INCRA

O NOVO INCRA 1. POR QUE MUDAR O INCRA O NOVO INCRA Apresentação Estamos chegando ao final do processo de reestruturação do Incra. Foram alguns meses de árduo trabalho, construindo nosso futuro. Chegamos agora ao termo de uma mudança que foi

Leia mais

Curso E-Learning Licenciamento Ambiental

Curso E-Learning Licenciamento Ambiental Curso E-Learning Licenciamento Ambiental Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Objetivos do Curso

Leia mais

Segurança Alimentar e Nutricional na Amazônia

Segurança Alimentar e Nutricional na Amazônia Segurança Alimentar e Nutricional na Amazônia Contribuições ao debate na XI Plenária do Consea Agosto de 2013 Aprimoramento da estratégia de identificação e caracterização das famílias pertencentes a povos

Leia mais