VidaBosch. Furor bem temperado Na moto, chef Henrique Fogaça deixa de lado sua fama de bad boy

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VidaBosch. Furor bem temperado Na moto, chef Henrique Fogaça deixa de lado sua fama de bad boy"

Transcrição

1 VidaBosch abril maio junho de 2015 nº 39 Recicle a informação: passe esta revista adiante Furor bem temperado Na moto, chef Henrique Fogaça deixa de lado sua fama de bad boy Receita de refúgio Cinco princípios que não podem faltar em uma casa de campo Alexandre Schneider

2 editorial Chefs para preparar nosso aperitivo Ao longo das últimas 38 edições, você se acostumou a ler reportagens em que personalidades falavam sobre os carros que tiveram, os carros que dirigiam. Desta vez, decidimos mudar um pouco. O entrevistado, Henrique Fogaça, do reality show MasterChef (TV Bandeirantes), até tem um automóvel, que usa para viajar com a família. Mas o que ele curte mesmo é moto. Sobre esse universo (e sobre sua Harley-Davidson) ele conversou com a VidaBosch, como você verá em eu e minha moto. Falou em chef? Outra novidade desta edição envolve justamente as receitas tradicionalmente publicadas nas páginas finais da revista, em saudável e gostoso. A partir de agora, as delícias virão de cozinheiras especialmente antenadas: as que mantêm blog de culinária. Na estreia, Gabriela Rossi (Blog do Bom Gosto) e Juliana Gonçalez (Limão com Alecrim) dão dicas para fazer pratos irrecusáveis de salmão. Outra pequena alteração aparece em viagem. O tema, desta vez, não é propriamente um destino, mas um caminho: a Estrada da Graciosa, uma das mais belas do Brasil, via histórica que liga Curitiba ao litoral paranaense. Esta é a ideia para os próximos números: abordar também estradas e roteiros em qualquer lugar do mundo aonde seja possível chegar de carro, moto ou até bicicleta. Gostou? Então se prepare. Essas novidades são um aperitivo de outras mudanças que você vai saborear na VidaBosch. Boa leitura! Sumário Expediente viagem No Paraná, história e natureza criaram a estrada mais graciosa do Brasil 08 eu e minha moto Henrique Fogaça, um easy rider na cozinha e nas estradas 10 torque e potência Montadoras apostam nos SUVs para continuar crescendo 14 em casa Os segredos para criar um refúgio aconchegante e seguro no campo 20 tendências Impressoras 3D abrem caminho para uma nova revolução industrial 26 grandes obras Vila Olímpica do RJ quer ser a mais sofisticada da história dos Jogos 30 Brasil cresce Tecnologia no campo mantém café brasileiro no topo do mundo 36 atitude cidadã Empresas investem em parcerias com as comunidades onde atuam 40 aquilo deu nisso Há 30 anos, Bosch abria caminho para surgimento dos carros flex 44 saudável e gostoso Salmão se populariza e vira um hit na mesa do brasileiro VidaBosch é uma publicação trimestral da Robert Bosch Ltda., desenvolvida pelo departamento de Marketing e Comunicação Corporativa. Se tiver dúvidas, reclamações ou sugestões, fale com o SAC Bosch: ou 44 Produção, reportagem e edição: Pri mapagina (www.primapagina.com.br), tel. (11) / pagina.com.br Projeto gráfico, direção de arte e diagramação: Buono Disegno (cargocollective.com/buonodisegno), tel. (11) Tratamento de imagem: Paulo Lopes Acompanhamento gráfico: Paulo Lopes Impressão: Gráfica Mundo Revisão: Marcelo Moura

3 2 VidaBosch viagem Por Walterson Sardenberg Sº Marcos Guerra Quando o caminho é o Na viagem entre Curitiba e o litoral paranaense, a maior atração é o próprio principal destino trajeto: a Estrada da Graciosa, uma das mais bonitas do Brasil

4 4 VidaBosch viagem viagem VidaBosch 5 A Estrada da Graciosa, no Paraná, liga Quatro Barras, na região metropolitana de Curitiba, a Morretes, no litoral. Tem pouco mais de 33 quilômetros de extensão. Dito assim, sem adjetivos nem retoques, parece só mais uma via rodoviária, entre outras tantas. Mas tratá-la com tal frieza seria uma injustiça com uma vereda que faz muito mais do que apenas conectar na estrita e impessoal geografia o planalto, com seus metros de altitude, ao nível do mar, já próximo da Baía de Paranaguá. Para quem tem alguma sensibilidade, esta estrada única liga Curitiba ao melhor da colorida natureza nativa. Não só. Também vincula o Brasil moderno ao seu passado imperial. E mais: interliga o modo de vida agitado da atualidade a um outro sem pressa, contemplativo, com tempo livre para estacionar o carro várias vezes no trajeto e admirar a paisagem. A travessia, no caso, pode ser o próprio destino e, para muitos viajantes, funciona exatamente assim. Embora curta, a Graciosa já foi chamada, sem favor nenhum, de a estrada mais bonita do Brasil. O critério de beleza, como bem sabemos, é sempre subjetivo. Seja como for, basta lembrar que o caminho serpenteia pela área mais preservada da Mata Atlântica e isso foi reconhecido pela Unesco para começar a dar razão aos apologistas da Graciosa. Afinal, contando todo o litoral brasileiro, sobraram somente 7% do que havia em vegetação nativa quando o colonizador aqui jogou suas amarras. A Graciosa é, assim, uma exceção verde em um país no vermelho em matéria de preservação ambiental. Neste trecho, a densa Mata Atlântica recepciona, com toda a fidalguia, a passagem de riachos e cachoeiras límpidos. Mas o mais impressionante é a quantidade de flores. Elas estão por quase todo o trecho. São bromélias, hortênsias, marias-sem-vergonha, margaridas e, em especial, orquídeas, para ficar em apenas cinco espécies. A Graciosa daria um tratado botânico. Que outra rodovia do país tem placas onde se lê Preserve a Natureza: Não colha flores? Acima de tudo, eis uma estrada que cheira bem no sentido lato do verbo. E não cobra pedágio! Além da paisagem, a própria rodovia está muito bem preservada. A maior parte deste caminho sinuoso ainda é calçado por paralelepípedos, tal como nos idos em que foi inaugurado, no ano de Se esta pavimentação obriga a dirigir com mais atenção e menos velocidade, também remonta aos tempos do império. A Graciosa é testemunha da história, e uma participante ativa dela, aliás. Em 20 de maio de 1880, o imperador Dom Pedro 2º, em pessoa, acompanhado da mulher, Thereza Christina, e de uma comitiva de sete carros movidos por tração animal, subiu a estrada, rumo a Curitiba. À época, o Paraná somava apenas 150 mil habitantes. A trilha começou a ser destrinchada ainda no século 16, por índios, jesuítas e os primeiros colonizadores. Cem anos mais tarde, tornou-se fundamental para os chamados tropeiros pioneiros que levavam, em tropas (daí o nome), víveres e artigos em geral das regiões produtoras aos consumidores. No início do século 19, a atividade incrementou-se. A Graciosa passou a servir de rota sistemática para o escoamento da produção de erva-mate, madeira e, mais tarde, de café para os Luísa Henriqueta/www.laeti.com.br A via tortuosa ainda conserva trechos em paralelepípedo, como os da época em que foi inaugurada, em 1873 portos de Antonina e Paranaguá. Em 1853, quando foi designado governador (àquela altura, dizia-se presidente) do Paraná, Zacarias de Góis e Vasconcelos logo percebeu que a pavimentação da estrada seria essencial para a economia. E tratou de botá-la em prática. Na orientação das placas, a estrada também é conhecida por PR-410. Mas quem a percorre com prazer e frequência costuma preferir o velho batismo. A Graciosa, alguém poderia supor, deve seu nome ao indiscutível charme com que se delineia entre montanhas. Não é esta, porém, a origem da denominação. Ela decorre do fato de a estrada estar encravada na Serra da Graciosa. O conjunto de montanhas, por sua vez, ganhou o batismo em razão de seu formato: a serra, vista de alguns pontos do litoral, assemelha-se à figura de uma Luísa Henriqueta/www.laeti.com.br A viagem até Morretes (ao alto) pela Serra da Graciosa é um passeio encantador em meio às flores e à bela vegetação da Mata Atlântica esbelta mulher deitada. Uma índia graciosa. Assim também nascem as lendas e as nomenclaturas. A Graciosa faz jus ao nome não só pela paisagem e pela preservação, mas também pelas intervenções pontuais da arquitetura. Ali estão alguns casarões históricos do século 19, embora nem todos em bom estado de conservação. Um deles, a Casa do Burro Bravo, serviu de armazém e pousada de tropeiros, que ali amarravam seus burros ariscos. Mais tarde, tornou-se um refinado bordel, conhecido por Casa das Francesas. Dalton Trevisan, o maior escritor do Paraná e um dos principais do país, faz menção ao imóvel no conto Em busca da Curitiba perdida. Em tempos mais recentes, a Estrada da Graciosa ganhou dois parques estaduais bem cuidados (o da Graciosa e o Roberto Ribas Lange). Há também pontos do caminho em que se pode parar o automóvel e contar com a estrutura de banheiros, quiosques, churrasqueiras e mirantes. Para aproveitar tais lugares, recomenda-se vir em dias da semana. Ou viajar bem cedo, pois, em épocas mais concorridas, as vagas já estão preenchidas por volta das 9h30. Evidentemente, é mais fácil arrumar espaço para estacionar carros menores. De todo modo, a Graciosa deve ser desbravada durante o dia, até pela sua exuberância de curvas. Estas, aliás, sucedem-se com frequência. Algumas são tão fechadas que lembram um cotovelo. E trata-se de uma estrada à antiga: uma faixa sobe e a outra desce, quase sem áreas de escape. Na chuva, o paralelepípedo fica ainda mais deslizante que o normal. Perigosa? Nem tanto. Não há ônibus ou caminhões trafegando. Mas cabe ao motorista redobrar os cuidados. A rigor, existem seis lugares para uma parada nesta vereda da Serra do Mar paranaense. No Engenheiro Lacerda, o primeiro ponto para quem parte de Curitiba, foi instalado um belvedere. A partir dele divisam-se as baías de Paranaguá e de Antonina desde que o céu não esteja encoberto. Na segunda parada, a do Rio Cascata, Dwph/Shutterstock

5 6 VidaBosch viagem viagem VidaBosch 7 Onde comer Morretes Armazém Romanus Rua Visconde do Rio Branco, 41, tel. (41) O barreado é o prato mais pedido. Aqui, a gordura das carnes é retirada antes de levadas ao fogo. Isso torna a receita mais leve mas não menos saborosa. PR PR LEGENDA Oficinas da rede Bosch Car Service Estrada da Graciosa PR Luísa Henriqueta/www.laeti.com.br Empório do Largo Rua Rômulo José Pereira, 152, tel. (41) O cenário é muito agradável: um deque sobre um rio. Também faz sucesso a comida. Além do barreado tradicional, servem-se pescados e frutos do mar. Antonina Caçarola do Joça Praça Romildo G. Pereira, 42, tel. (41) Também oferece o onipresente barreado. Mas sua cozinha é variada, com muitos peixes e frutos do mar. Curitiba PR PR Morretes PR Antonina Com seu casario histórico e o tradicional barreado, a cidade de Morretes é uma das atrações ao longo da estrada Onde ficar Curitiba Transamérica Av. do Batel, 1732, tel. (41) , com.br Um hotel com excelentes instalações e quartos muito espaçosos, mas com preço mais acessível do que os de sua categoria. Além disso, está cercado de bons restaurantes e bares. Morretes Pousada Hakuna Matata Estrada da Graciosa, km 5, tel. (41) , Funciona em um antigo haras, cuja área das baias foi transformada em amplos quartos. Fica em uma região arborizada e aos fundos passa um rio. Antonina Camboa Capela Av. Valle Porto, tel. (41) , br Instalado em parte de um prédio histórico à beira-mar, fica perto das ruínas do antigo armazém do porto. o divertimento é uma encantadora queda d água. Já em Grota Funda, admira-se um vale profundo, assim como em Bela Vista descortinam-se, ao longe, a cidade de Paranaguá e o Pico Marumbi (1.547 metros). Há ainda a parada na curva da Ferradura e, por fim, o Parque Mãe Catira, onde o programa é nadar no rio. Só neste ponto, aliás, o viajante pode banhar-se sem restrições. Um aviso: a água costuma ser um bocado fria mas também revigorante. No ano passado, chuvas fortíssimas causaram o desmoronamento de um trecho da estrada, no quilômetro 10. Para evitar futuros deslizamentos, uma estrutura de concreto foi erguida, obrigando o governo do Paraná a bloquear a rodovia por seis meses. Por fim, os paralelepípedos foram recolocados, para preservar o encanto e o patrimônio. A Graciosa está novamente tinindo e ainda mais graciosa. O bloqueio, no entanto, atingiu o bolso dos comerciantes de Morretes. Compreende-se. A cidade vive, sobretudo, do turismo. Não apenas dos que fazem o caminho de automóvel, mas também daqueles que descem a serra de trem, a bordo de um comboio confortável, preparado para atender turistas. Morretes, fundada em 1733, tem 16 mil moradores. Seu casario histórico está razoavelmente bem preservado. Não é ele, todavia, a principal atração. Eis o grande chamariz: o prato mais tradicional do Paraná, o barreado, que, segundo os morretenses, teria nascido ali. A receita consiste em cozinhar em fogo baixo, numa panela de barro, ao longo de ao menos 10 horas, cubos de carne de cortes menos nobres do boi acém, músculo e patinho, temperados com cebola, alho, cominho e louro. A carne se desmancha no demorado processo de cozimento. Para isso, é preciso vedar ou barrear a junção da panela com a tampa, utilizando uma massa de farinha de mandioca e água. O barreado, mesmo em versão light, continua sendo um prato pesado, o que desaconselha, depois de consumi-lo, o retorno no mesmo dia pela Estrada da Graciosa. A alternativa é uma rodovia moderna, a BR-277, para retornar a Curitiba rapidamente. Mas alojar-se em Morretes ou, mais adiante, em Antonina pode ser um desfecho perfeito. E sempre com um assunto em pauta: a Graciosa é ou não é a estrada mais bonita do Brasil? A Bosch na sua vida 1 2 Curva tranquila à frente Para aproveitar ainda mais as belezas da Estrada da Graciosa, nada melhor do que se preocupar o menos possível com suas curvas sinuosas. Dirigir um carro equipado com controle de estabilidade faz muita diferença nessas horas. O sistema é muito indicado, ainda mais em viagens longas ou com muitas curvas, diz Alexandre Pagotto, chefe de marketing da divisão de segurança veicular da Bosch. A empresa fabrica o Electronic Stability Program (ESP), que se desdobra em várias funções (foto 1). Ele faz o controle independente de cada roda, aplicando ou retirando a pressão dos freios. Assim, evita tanto que um pneu gire em falso quanto que trave na frenagem. O ESP previne em até 80% os acidentes por derrapagem, destaca Pagotto. O dispositivo também ajuda a evitar acidentes quando o piso está molhado, algo importante na Graciosa: quando chove, o paralelepípedo fica especialmente escorregadio. Um sistema associado ao ESP ajuda quando há neblina, comum nesta região do Paraná. Trata-se do Adaptive Cruise Control (ACC), que dispõe de radar no para-choque (foto 2). O equipamento calcula a distância em relação ao veículo da frente e, se percebe que há uma redução na velocidade, aciona os freios automaticamente através do ESP, explica. O ESP inclui ainda outras funções, como o controle de tração (TCS) e o assistente de partida em rampa (HHC). Eles asseguram que mesmo um eventual congestionamento na Graciosa possa virar momento de contemplação da natureza. Quando o carro parado precisa voltar a andar, o TCS garante uma melhor aderência na subida, evitando derrapagens. Se o motorista tirar o pé do freio, seja na descida ou na subida, o HHC segura o veículo por cerca de dois segundos para que ele arranque e não volte para trás, diz Pagotto. Para entender melhor como funciona o ESP, acesse Arquivo Bosch

6 8 VidaBosch eu e minha moto Por Frederico Kling Alexandre Schneider Piloto de fogões e de motos Fora da cozinha, Henrique Fogaça, um dos jurados do MasterChef, faz jus a seu visual todo tatuado: é um roqueiro que curte suas Harleys O chef Henrique Fogaça costuma dizer que suas criações gastronômicas começam pelo visual afinal, as pessoas comem primeiro com os olhos. Se a primeira impressão é a que fica, quem vê o jurado tatuado do MasterChef, reality show de culinária da Rede Bandeirantes, pensa que ele deve ser um motoqueiro encrenqueiro que ouve rock no último volume. O estereótipo é quase correto. Só não vale a parte do encrenqueiro. Sou um cara tranquilo, diz Fogaça. Mas o chef não só gosta de rock, como é vocalista da banda de hardcore Oitão, cujo nome, aliás, ele traz tatuado de forma nada discreta no pescoço. Já as motos surgiram quase de forma natural para quem passou a infância e a juventude no interior paulista. Fogaça nasceu em Piracicaba e, logo cedo, mudou-se para Ribeirão Preto. Eu acho que até por uma cultura interiorana, sempre andei muito sobre duas rodas. Costumava andar muito de bicicleta. Depois, mais velho, de mobilete meu pai comprou uma para mim e para o meu irmão. A primeira moto que comprou foi uma Suzuki GF 500. Era um modelo mais esportivo. Com o tempo, fui mudando um pouco e, quando comprei minha Harley, mudei completamente, diz Fogaça, que gosta tanto da marca que tem uma Harley- Davidson 1200 e uma Eu gosto de motos com guidão alto, mais para passeio mesmo. Depois que comprei essas com esse estilo, me acostumei, agora fica difícil de trocar. O chef não se contenta em ter uma Harley quer uma que seja a sua cara: Costumo colocar rodas traseiras maiores e coloridas, para-lamas cortados. Pinto o tanque, levanto o guidão.... As grandes motos da fabricante norteamericana Harley-Davidson tornaram-se um fenômeno cultural, popularizado pelo filme Sem destino, de 1969, que mostrava andanças de dois motoqueiros pelas estradas dos Estados Unidos. Em parte, é esse espírito que o chef aprecia. Gosto do vento na cara e no corpo, e talvez isso tenha a ver com a liberdade. Gosto de ser livre, define Fogaça, para logo acrescentar: Mas rebeldia, não. O jurado da Band, no entanto, também considera as motos muito úteis em cidades assoladas por congestionamentos. Uso muito no dia a dia, principalmente por conta do trânsito de São Paulo. Mas ele não é de correr riscos ziguezagueando entre os carros. Pelo tamanho, minha moto nem permite que eu faça isso. Fogaça não só evita os habituais malabarismos, como cuida periodicamente de suas motos: O risco para quem anda de moto é muito grande e fica ainda maior se você não costuma fazer manutenção. E é na cidade mesmo que ele mais usa sua Harley. Quando viajo, costumo ir com minha família, então não há como usar moto, explica Fogaça, casado e pai de dois filhos. Fama Até 2013, Fogaça era um chef famoso apenas entre os apreciadores da boa comida. Seus estabelecimentos são um reflexo de sua personalidade. O lado tranquilo está presente no Sal Gastronomia, restaurante que abriu em 2005 e que se destaca pelo estilo sóbrio e pela cozinha contemporânea. No andar de cima, fica o Admiral s Place, um bar que reproduz os ambientes dos clubes ingleses e tem como destaque a carta de whiskies. Já o Cão Véio é um típico bar de rock. O estilo predomina não só nas caixas de som, mas até entre os sócios: além de Fogaça, estão Badauí, vocalista da banda de hardcore CPM22, e Kichi, promoter que já trabalhou com a banda de metal Sepultura. Em 2014, Fogaça se tornou, ao lado de Paola Carosella e Erick Jacquin, um dos jurados do MasterChef. O sucesso na TV mandou para o espaço o anonimato, e andar de moto não é exatamente uma maneira eficaz de evitar o olhar dos curiosos. Depois do programa, às vezes, algumas pessoas abaixam o vidro do carro e começam a gritar MasterChef, MasterChef. Acho engraçado, é algo com que não estava acostumado. No programa, o chef motoqueiro ficou marcado por ser rígido às vezes, até ríspido, mas capaz de se emocionar ao dizer adeus a um eliminado. O lado rock and roll e a face tranquila também se encontram nas panelas: Cozinha é pressão, correria, vontade de acertar, agilidade. Sou a mesma pessoa dentro e fora dali. As duas coisas se combinam. A Bosch na sua vida Freando sem cair Muitos acidentes com motos acontecem quando o piloto realiza uma frenagem de emergência e as rodas travam, causando perda de controle. Redobrar os cuidados, como faz Fogaça, ajuda. Mas a tecnologia pode ser decisiva. A Bosch oferece um sistema de freios ABS que evita o travamento das rodas para motos. Antes, esses equipamenos eram iguais aos dos carros, com pequenas adaptações. Por causa do tamanho do equipamento, ele só podia ser instalado em motos maiores. A Bosch criou uma linha de ABS específicos para motos módulos leves e pequenos, que podem ser instalados em qualquer moto que tenha pelo menos um freio hidráulico, explica Alexandre Pagotto, chefe de marketing da divisão de segurança veicular da Bosch. Em modelos mais simples, é possível instalar o ABS só na roda dianteira. Para os modelos maiores, em que o ABS atua nas duas rodas, a Bosch criou um sistema para equalizar a força de frenagem em ambas, o Electronic Combined Brake System (ecbs). Na moto, os freios são independentes, e o motociclista pode colocar mais pressão em um do que no outro. O ecbs equilibra ambos para evitar acidentes, diz Pagotto. Para mais informações sobre os freios ABS da Bosch para motos, acesse Arquivo Bosch

7 10 VidaBosch torque e potência Por Manuel Alves Filho TonyV3112/Shutterstock Os SUVs estão chegando Indústria automobilística aposta no lançamento de novos modelos de utilitários esportivos para continuar crescendo A indústria automobilística brasileira teve um 2014 difícil. Fatores como a diminuição do crédito ao consumidor, a grande quantidade de feriados por causa da Copa do Mundo e a instabilidade econômica global culminaram em uma queda de 5,9% nas vendas de veículos fabricados no país em comparação a Mas um nicho específico foi na contramão e teve desempenho digno de bandeira quadriculada: os SUVs, sigla em inglês que designa os utilitários esportivos automóveis que unem a robustez dos utilitários ao conforto e potência de carros de passeio maiores. Atuais queridinhos dos brasileiros, esses fora de estrada assumiram tamanha importância no mercado automotivo nacional que provocaram uma mudança nos critérios de classificação da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). Até dezembro de 2014, eles eram enquadrados como veículos comerciais leves, na companhia de vans e furgões, mas a partir de janeiro de 2015 foram deslocados para o segmento de automóveis, o mesmo dos populares e dos sedãs. Ao explicar a mudança, o presidente da entidade, Luiz Moan, afirmou que o ajuste foi necessário porque esses carros tornaram-se o fiel da balança na análise da performance do setor. Os dados de 2014 ilustram a afirmação de Moan. Classificados como comerciais leves, os SUVs contribuíram para o bom resultado dessa área no ano passado: alta de 1,7% nas vendas. Já os automóveis amargaram um declínio de 6,7% no mesmo período, de acordo com dados da Anfavea. O sucesso dos SUVs não é propriamente uma novidade. A última edição disponível do anuário da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), publicada em 2013, mostra que o número de SUVs que ganharam as ruas do país cresceu de modo constante entre 2009, quando foram comercializadas unidades, e 2013, que viu a cifra chegar a um avanço de 71,45%. Tal exuberância transformou o segmento na grande aposta da indústria automobilística para continuar se expandindo em um cenário de incerteza econômica. De olho nesse mercado, várias montadoras estão lançando neste ano no mercado brasileiro modelos novos ou repaginados de

8 12 VidaBosch torque e potência torque e potência VidaBosch 13 A mistura de espaço e potência conquistou o público brasileiro whatwolf/shutterstock por modelos movidos a diesel, alternativa que não está disponível para os demais automóveis de passeio no país. Os modelos a diesel são mais econômicos na hora de abastecer. Por outro lado, costumam ser mais caros. Em relação aos motores, muita gente considera ser vantajoso adquirir um SUV a diesel, porque o combustível é mais barato. Entretanto, esse carro custa cerca de 30% a mais que os de motores flex e paga um valor de IPVA proporcionalmente maior, alerta Fraga. O preço do combustível e o valor inicial, no entanto, não devem ser os únicos critérios a serem levados em conta na hora da escolha. O grande diferencial que tem que ser considerado na equação é o consumo. Em um veículo do porte de um SUV, o motor a diesel vai consumir uma quantidade de combustível significativamente menor do que o motor a gasolina ou flex. As estimativas apontam uma economia que pode variar de 30% a 50%, afirma Mário Massagardi, diretor de engenharia da divisão Diesel Systems da Bosch e presidente da Aprove Diesel, associação de empresas criada em 2013 para divulgar os benefícios da tecnologia de motores a diesel, sobretudo para veículos de passeio. Além disso, o preço mais alto dos modelos a diesel se deve ao fato de que esses carros são equipados com motores mais robustos, que duram mais e que têm mais tecnologia, acrescenta Massagardi. A combinação entre potência e economia levou a esta onda de lançamentos de SUVs a diesel no Brasil nos últimos anos. Segundo Massagardi, o avanço se deve ao esforço das montadoras para se enquadrar nas metas de consumo de combustível estipuladas pelo programa Inovar-Auto. Elas são facilmente atendidas por carros pequenos, mas causam problemas para modelos mais pesados, como os utilitários esportivos. Assim, os motores a diesel são uma saída para as montadoras produzirem veículos ao mesmo tempo potentes e econômicos. Eu interpreto essa onda de lançamentos de SUVs a diesel que está ocorrendo no Brasil como uma iniciativa das montadoras para colocar uma motorização mais econômica e ter mais chances de atingir as metas do Inovar-Auto, conclui Massagardi. utilitários esportivos. A lista inclui desde marcas chinesas de pouca tradição, como Geely, Lifan, Land Wind, Chery e JAC, até pesos-pesados como Volvo, Land Rover, Ford, Renault, Peugeot, Honda, Toyota, Mitsubishi e Suzuki. O bom momento dos SUVs também atraiu novas montadoras ao país. A Jeep abriu este ano sua primeira fábrica no Brasil, localizada no município de Goiana, em Pernambuco. A inauguração da planta foi acompanhada pelo lançamento do Jeep Renegade, primeiro SUV compacto com motor a diesel no mercado nacional (ver boxe ao lado). A pretensão da marca não é nada modesta: liderar as vendas no segmento. Paixão nacional e internacional O sucesso dos SUVs não é um fenômeno exclusivamente brasileiro. Esses carrões foram igualmente a tábua de salvação da indústria automobilística da Europa nos últimos anos. De acordo com matéria publicada pelo The Wall Street Journal, o mercado automotivo europeu amargou declínio entre 2007 e 2013, com exceção dos utilitários esportivos, que apresentaram um crescimento da ordem de 6,7% no período. Lá, um dos modelos mais populares é bastante conhecido do consumidor brasileiro: o Ecosport, uma espécie de ícone da categoria no país, por ter dado, por assim dizer, a arrancada para o sucesso dos jipinhos modernos por aqui. Mas qual é o segredo do sucesso dos SUVs? No mercado brasileiro, a primeira explicação está na falta de opções de veículos capazes de transportar uma família com conforto e ainda oferecer um portamalas espaçoso. Se você observar com cuidado, vai ver que há poucos modelos à venda com essas características, sendo que alguns deles, como as station wagons (peruas), representam projetos ultrapassados, afirma o engenheiro e consultor Paulo Pedro Aguiar Jr, sócio da Engin Engenharia Automotiva, de São Paulo. Outros dois atrativos são o design esportivo e o status. Diferentemente do que ocorre em outros países, o automóvel no Brasil é considerado muito mais um símbolo de prestígio que um meio de transporte, avalia Aguiar Jr. Os utilitários esportivos agradam principalmente às mulheres, que se sentem mais seguras ao dirigir um automóvel alto portanto, com visibilidade melhor e mais ampla que a dos demais modelos e de visual robusto, afirma o experiente jornalista Antônio Fraga, membro da Associação Brasileira da Imprensa Automotiva (Abiauto). O consumidor, no entanto, tem de analisar detidamente os prós e contras no momento da compra de um desses jipinhos, afirma o jornalista. As grandes dimensões, por exemplo, podem dar uma sensação de segurança, mas se tornam um problema na hora de estacionar o carro inclusive em garagens de apartamentos. Outro fator que deve ser colocado na balança é o tipo de motor do veículo. Quem compra um utilitário esportivo pode optar A Bosch na sua vida Queima eficiente Graças a uma tecnologia de injeção desenvolvida pela Bosch e inédita no Brasil, o Jeep Renegade chega ao país como um dos utilitários mais econômicos e modernos do mercado. Lançado oficialmente em 10 de abril, o carro traz como principal novidade um motor a diesel com funções encontradas apenas nos modernos modelos europeus. Ele é equipado com um sistema Common Rail capaz de executar até oito injeções por ciclo de combustão. Isso permite aproveitar da melhor maneira todas as etapas da queima do combustível no motor, explica Gustavo Castagna, chefe de desenvolvimento de produto e coordenador do laboratório de teste de motores da Bosch. A otimização da queima de combustível é realizada por uma unidade de comando que faz a leitura em tempo real dos sensores de gerenciamento do motor e adapta o sistema de injeção às condições de operação do carro. Isso possibilita corrigir a curva de trabalho do motor para que ele opere sempre da forma mais otimizada, de acordo com as diferentes condições a que é exposto, sejam elas de condução ou de temperatura e altitude, por exemplo, acrescenta Castagna. Esses recursos permitem que os SUVs ofereçam o conforto e o espaço valorizados pelos brasileiros, consumindo e poluindo menos. No Brasil, temos uma legislação que só permite motor a diesel em veículos com capacidade de carga acima de uma tonelada ou 4x4 com marcha reduzida na transmissão. Por estes motivos, eles são carros relativamente pesados, o que demanda uma adequação no motor, que é um dos trabalhos desenvolvidos pela Bosch, finaliza o chefe de desenvolvimento de produto da companhia. Saiba mais sobre o sistema Common Rail em Para comparar os benefícios das versões a gasolina e a diesel de vários modelos de carros, acesse Arquivo Bosch

9 14 VidaBosch em casa Por Letícia Liñeira Spectral-Design/Shutterstock Os cinco pilares da Arquitetos e decoradores dão dicas para construir ou decorar um repouso de fim de semana casa de campo

10 16 VidaBosch em casa em casa VidaBosch 17 N ão são apenas Tavito e Zé Rodrix ou mesmo Elis Regina, que tornou famosos os versos dos dois primeiros. Todo mundo quer uma casa no campo. E há milhares de anos: na Roma Antiga, o poeta Horácio já adotava o princípio do fugere urbem (fugir da cidade). No século 18, os poetas neoclássicos brasileiros retomaram o lema e, mesmo vivendo em um país ainda tão pouco urbanizado, faziam versos idealizando vaqueiros, riachos, campinas e prados onde pasta alegre o manso gado. Hoje, então, quando nada menos que 85% da população brasileira mora de frente para o asfalto, fugir da muvuca e dar um descanso para desacelerar e recarregar o corpo e a mente é praticamente uma questão de sobrevivência. Tanto melhor se isso puder ser feito em seu próprio canto, desenhado de acordo com seus próprios planos, ornamentado segundo seu próprio gosto. A VidaBosch conversou com arquitetos e decoradores que mostram os fundamentos para caprichar nesses repousos campestres. O mais importante é conviver com a vida silvestre, integrar-se a ela. Tanto na decoração quanto na construção. Nem precisa ser um casarão. Basta, como diz a canção imortalizada por Elis, ser o suficiente para ficar no tamanho da paz. Abuse de janelas. O lado de fora ajuda a compor o lado de dentro. A iluminação natural é uma maneira de integrar a natureza à decoração Olhar para fora Uma das motivações de quem vai a um sítio ou chácara é passar tardes preguiçosas admirando a paisagem montanhas, pastos verdinhos, um pomar com frutas caindo do pé ou mesmo um quintal bucólico. Por isso, abuse de janelas, enormes janelas. No campo, o lado de fora ajuda muito a compor o lado de dentro. A iluminação natural é uma maneira de integrar a natureza à decoração, comenta a decoradora de interiores Marília Veiga, de São Paulo, que há mais de 30 anos mantém um trabalho caracterizado por linhas neutras, sempre alinhando design e aconchego. Convém, entretanto, que essa escolha seja acompanhada de contrapartidas. Como se sabe, grandes aberturas podem significar, em alguns horários do dia, forte incidência de sol. É recomendado, por exemplo, o uso de cortinas e persianas para filtrar e não danificar o piso e os móveis, sugere a decoradora. André Eisenlohr/Divulgação André Eisenlohr usou sobras de madeira nas paredes internas da casa Eucaliptus Aderir ao rústico Em casas de campo, cai especialmente bem uma decoração despojada. O importante, como resume Marília, é criar espaços que transmitam aquela vontade de não sair dali, de se sentir acolhido, à vontade. Em todos os ambientes, dê preferência a móveis com fibras naturais, como palha, de bambu ou madeiras de demolição. As arquitetas Andrea Teixeira e Fernanda Negrelli, também de São Paulo, aconselham o uso de tecidos naturais (palhas de seda, couro) em tons claros, com toques de cores alegres e contrastes de destaque. O predomínio de um estilo rústico não dispensa o aconchego. Para reforçar o conforto, uma boa pedida é colocar tapetes e lareiras, sobretudo se o sítio ficar em região fria. Se não quiser correr riscos, opte por lareiras ecológicas, abastecidas com fluido. Coloque flores: além de refrescar, transmitem uma sensação de ar Na casa Pinus, Eisenlohr usou pilares e vigas suspensas para preservar o terreno André Eisenlohr/Divulgação

11 18 VidaBosch em casa em casa VidaBosch 19 Marília Veiga/Divulgação Dê preferência a móveis feitos com madeira de demolição, aconselha Marília Veiga novo. Almofadas também dão aconchego, complementa Marília. O projeto de iluminação é outro aliado na criação de espaços convidativos. Misturar embutidos no teto com abajur favorece o local. A luz mexe bastante com o clima do ambiente, diz a decoradora. Respeitar o verde Um refúgio no meio do verde é local mais que propício para subir o patamar de respeito à natureza. O arquiteto André Eisenlohr, do escritório paulistano Cabana Arquitetos, tem projetos premiados nessa área, como as já famosas casas Pinus e Eucaliptus. Uma das bases de suas obras é evitar, por exemplo, processos de construção que danificam as características originais do terreno. É preciso respeitar o entorno e (re)aproveitar o máximo possível de materiais. Os resíduos de madeira gerados durante a obra podem compor paredes internas, prateleiras e móveis, atribuindo uma aparência rústica, exemplifica. Outro princípio é recorrer a itens que não agridam o meio ambiente. Suas casas são basicamente de madeira. A casa fica mais confortável, atingindo níveis de desempenho termoacústico melhores, se comparados aos de uma alvenaria comum, argumenta. Mas as espécies que costuma usar, como eucalipto, pínus, garapeira e muiracatiara, são de áreas de reflorestamento ou de manejo sustentável. Técnicas de captação de água da chuva e painéis solares para colher energia e aquecer a água também são levados em conta na criação do projeto. Descansar pra valer Se a ideia é relaxar, convém que a casa contribua para isso. As arquitetas Andrea Teixeira e Fernanda Negrelli sugerem fazer um espaço zen, que funciona como um refúgio para se desconectar dos problemas. Num dos projetos que fizeram, o recanto ficava ao lado da lareira. Um tatame, feito em freijó cimentado e com futon, convidava a pessoa a apreciar a bela vista ou brincar com os filhos. A iluminação foi pensada estrategicamente para que desse continuidade à lareira em relação aos demais elementos do espaço, além de conferir conforto, conta Fernanda. Para a parte externa, elas sugerem um bangalô de madeira cumaru e sapé no telhado um toque aconchegante na área da piscina. A ideia é tentar criar uma espécie de santuário de tranquilidade e equilíbrio, em que os detalhes são concebidos para que se possa usufruir de momentos de quietude. O espaço com deck, também em cumaru, em conjunto com poltronas típicas de Bali, confere ao ambiente serenidade, leveza e elegância. Um convite para desfrutar tardes de leitura, descanso e longas conversas com amigos e familiares, explica Andrea. Ficar seguro Sossego, bucolismo, repouso, distância do corre-corre. Uma casa no campo pode oferecer tudo isso. Mas você só vai descansar de fato se estiver prevenido contra um problema que, embora seja mais comum A Bosch na sua vida Segurança no campo Sítios e chácaras são ótimos refúgios para escapar dos problemas da cidade grande, mas o isolamento dessas propriedades muitas vezes gera preocupação com a segurança. Um modo de reforçar a proteção é colocar sistemas de segurança como os da Bosch, que trabalham com transmissão de dados via sinal de celular, o que permite o monitoramento remoto de localidades afastadas. Um dos grandes desafios para fazer o monitoramento remoto de sítios e chácaras é a transmissão dos dados, afirma Renato de Araújo Lima, especialista da linha de produtos de intrusão da Bosch no Brasil. Segundo ele, as informações podem trafegar por linha telefônica convencional, sinal de celular, internet a cabo ou 3G. Nós trabalhamos com todas essas possibilidades, mas a que tem maior alcance no território nacional é o sinal de celular. Instalar sistemas de alarme e de monitoramento no interior e no entorno da residência ajuda a garantir descanso de fato no campo Entre as soluções fornecidas pela Bosch está um sensor de perímetro que forma uma cerca virtual por meio de feixes de luz infravermelha. Assim, um alarme será acionado se qualquer pessoa cruzar essa linha. Dá para fazer ajustes de sensibilidade por conta de neblina e fumaça de queimada, que são comuns nessas localidades rurais. Também contamos com sensores para portas e janelas, e todos eles funcionam sem fio, o que agiliza a instalação, diz Lima. Os sistemas de intrusão da Bosch também permitem o acesso à transmissão de dados de áreas remotas por meio de um aplicativo para dispositivos móveis (foto). Além disso, o usuário ainda pode contar com a possibilidade de monitoramento por vídeo, integrado no mesmo sistema, caso possua câmeras no local. Assim, se alguma movimentação estranha for captada pelos sensores ou visualizada no meio urbano, também acossa a zona rural. Há algum tempo furtos e assaltos preocupam donos de sítios e chácaras até porque esses locais geralmente ficam isolados e, durante a semana, inabitados. Há como se precaver, porém. Antes de comprar um imóvel desse tipo ou um terreno para construí-lo, pesquise a região onde ele está situado. Verifique, por exemplo, se há grande incidência de crimes por lá. Prefira casas ou terrenos dentro de associações com segurança privada, em vez de casas em ruas, sugere Samuel Rubens Pereira, diretor operacional do Grupo Haganá, uma das maiores empresas de segurança patrimonial de São Paulo. A fim de diminuir as situações de vulnerabilidade, alguns proprietários preferem manter um caseiro no local. Antes de contratá-lo, pesquise seus antecedentes, recomenda o especialista. Utilizar materiais bem resistentes nas portas, nas janelas e no teto e instalar sistemas de alarme e de monitoramento no interior e no entorno da residência são outros cuidados que auxiliam no reforço da segurança. Além de serem preventivas, essas precauções ajudam a detectar possíveis invasões. Utilize, inclusive, recursos de segurança eletrônica, tais como cercas elétricas e proteção perimetral, sugere Pereira. Evite deixar objetos de valor entre eles equipamentos de som, bicicletas e até mesmo botijão de gás nas áreas externas da casa, adverte o diretor operacional do Grupo Haganá. É aconselhável que os vizinhos tenham seu telefone, principalmente se forem moradores da região. E, se a casa ficar em loteamentos fechados, tenha os contatos dos responsáveis pela gestão da segurança e dos administradores. pelas câmeras, a pessoa é informada e poderá tomar as medidas necessárias, como chamar a polícia ou ligar para que alguém que more próximo cheque o lugar. O mesmo aplicativo permite ao usuário receber as informações sobre os sensores de intrusão e imagens de até quatro câmeras ao mesmo tempo, ressalta Lima. Saiba mais sobre sistemas de segurança da Bosch em Arquivo Bosch

12 20 VidaBosch tendência Por Tiago Cordeiro nikkytok/shutterstock Imprimindo o futuro Após três décadas restritas a centros de pesquisa, as impressoras 3D estão prestes a conduzir uma revolução industrial marcada pela autonomia e pela criatividade

13 22 VidaBosch tendência tendência VidaBosch 23 D esde a Idade da Pedra, a humanidade conhece essencialmente duas formas de produzir: a manufatura (baseada na fabricação artesanal e autoral, mas em pequena escala) e a indústria (baseada em maquinário que cria mercadorias padronizadas em grande escala). Uma invenção da década de 1980, no entanto, abriu caminho para uma terceira modalidade, que tem potencial para desencadear uma nova revolução: as máquinas que imprimem em três dimensões. Em 1984, o engenheiro eletrônico norteamericano Charles W. Hull desenvolveu um sistema capaz de transformar modelos digitais 3D em objetos concretos, da mesma forma que uma impressora comum converte uma imagem virtual em um documento escrito ou visual. Devido à complexidade de operação e aos altos custos, por três décadas esses equipamentos ficaram restritos a laboratórios científicos e grandes empresas, mas com o avanço tecnológico ao longo desse período, agora esses dispositivos parecem prontos para levar o mundo a um novo estágio: o da produção personalizada e replicável em massa. A impressão em três dimensões reúne as melhores qualidades do artesanato que são a autonomia e a liberdade criativa do indivíduo e acrescenta a capacidade de produzir com precisão e, se necessário, em quantidades industriais, afirma o professor Hod Lipson, diretor do Laboratório de Máquinas Criativas, da Universidade Cornell, nos Estados Unidos. Sergi Lopez Roig/Shutterstock Funcionamento complexo O princípio operacional de uma impressora 3D é simples: assim como um aparelho em duas dimensões, ela faz a leitura de uma imagem digital e a recria em um suporte material. A diferença é que, em vez de lançar tinta sobre uma folha de papel, a impressora 3D usa plástico, aço, titânio, ouro, cerâmica, papel, açúcar, borracha, areia ou mesmo células humanas para moldar objetos tridimensionais. No limite, as possibilidades oferecidas por esse tipo de tecnologia são infinitas. Se o conceito é simples, o funcionamento, nem tanto. Primeiro, o usuário Em vez de transpor uma imagem digital para uma folha de papel, a impressora 3D a recria num suporte material

14 24 VidaBosch tendência tendência VidaBosch 25 cria no computador um projeto usando um aplicativo de modelagem em 3D. Na sequência, o software da impressora decompõe a imagem em camadas e envia essas informações para um dispositivo que vai imprimir o objeto. Assim como acontece com a resolução de uma imagem impressa em 2D, quanto mais camadas, maior a qualidade do objeto e mais demorada a impressão, que pode demorar várias horas. A partir do fatiamento da imagem digital em camadas, existem diferentes técnicas de impressão. A primeira foi a criada por Hull em 1984, batizada de estereolitografia. Consiste em projetar um feixe de laser ultravioleta sobre um recipiente cheio de uma resina líquida que se solidifica ao reagir com esse raio de luz. Assim, o laser vai desenhando sucessivas camadas na resina líquida, até formar o objeto. De lá para cá surgiram procedimentos diferentes. A modelagem por fusão e depósito, mais simples e muito usada para modelos domésticos, usa um bico injetor para aquecer e modelar filamentos plásticos para criar cada camada do objeto. Na sinterização, um processo mais complexo, a máquina forma pó de metal ou plástico e usa um rolo aquecido para formar as camadas. Por fim, jatos de ar comprimido, ou escovas próprias, removem o excesso de pó. Todas essas técnicas seguem um mesmo princípio: moldam objetos por meio da adição de fatias sucessivas de material. Por isso, toda impressora 3D funciona com uma plataforma móvel que desloca o elemento conforme cada camada é completada. Também por isso, esse processo produtivo foi batizado de manufatura aditiva. Mil e uma utilidades Se, por décadas, as impressoras 3D foram utilizadas apenas para criar protótipos de instrumentos, equipamentos e maquetes de obras, hoje elas são empregadas em empreitadas cada vez maiores e mais variadas. Na China, na Holanda, na Inglaterra e nos Estados Unidos, arquitetos já desenvolvem projetos experimentais de construção de casas inteiras a partir de material pré-moldado feito por impressoras 3D. Em 2013, a empresa norte-americana Kor Ecologic terminou a montagem do Urbee, o primeiro carro feito com esse tipo de ferramenta. Na moda, o designer italiano Francis Bitonti criou no computador e imprimiu sapatos, maiôs de natação e um vestido inteiro, todos sem costura (uma das maiores vantagens do método). Na culinária, os equipamentos podem ser usados na produção de pizzas, massas e chocolates caseiros, e estão em andamento pesquisas para desenvolver carne sintética. Na decoração, a nova tecnologia permite personalizar modelos, tamanhos e cores de móveis e enfeites. De todas as áreas, a medicina é uma das mais promissoras. Com a disseminação das impressoras 3D, a produção de próteses se torna mais rápida e barata, e as cirurgias ficam mais ágeis o que acelera a recuperação e diminui os riscos de infecção por parte dos pacientes. Além disso, as pesquisas para o desenvolvimento de remédios usando a tecnologia estão bem adiantadas. Num futuro muito próximo, será possível enviar a fórmula do medicamento por , e o paciente vai imprimi-la em casa, em pílulas adequadas à sua necessidade, afirma o professor Lee Cronin, do Departamento de Química da Universidade de Glasgow, na Escócia, líder de um grupo de pesquisa na área de impressão de medicamentos. Uma equipe da Universidade Hangzhou Dianzi, na China, já se mostrou capaz de criar tecidos de fígado e de ouvidos, e pesquisadores da Universidade Wake Forest, nos Estados Unidos, conseguiram recriar sete bexigas. São passos gigantescos no caminho dos transplantes mais acessíveis. A odontologia está bem adiantada na criação de próteses sob medida, e os laboratórios universitários se mostram muito avançados na produção de tecidos vivos para transplantes de pele e testes farmacêuticos, um processo que já funcionou para desenvolver partes de crânios, mandíbulas e até mesmo um quadril novo. E mais: o geneticista norte-americano J. Craig Venter, um dos pioneiros no sequenciamento do DNA, trabalha num projeto de impressão 3D de vacinas. Futuro promissor Nos últimos anos, o surgimento de modelos mais baratos abriu o mundo das impressoras 3D para o consumidor doméstico. Hoje, um equipamento de ponta custa em torno de US$ 2 mil, ao passo que há dez anos custava mais de US$ 20 mil. Além disso, há modelos caseiros simples, de eficácia muito mais limitada, mas preço muito mais acessível na casa dos US$ 300. Com isso, um relatório da empresa britânica de pesquisa de mercado Report- Buyer prevê que a demanda mundial por produtos impressos desta forma deverá crescer 20% por ano, até atingir US$ 5 bilhões em Mesmo quem ainda não consegue ter um equipamento próprio em casa pode se reunir a outros fabricantes em espaços comunitários, que fornecem maquinário e permitem que os criadores compartilhem ideias e experiências. Os chamados espaços makers são uma onda no Japão, já se espalharam por vários países do mundo desenvolvido e também existem no Brasil. Em São Paulo, o Garagem Fab Lab, por exemplo, recebe mais de 100 pessoas todo mês. Diante de todas essas possibilidades, não é difícil projetar o tamanho do alcance da revolução que as impressoras 3D estão apenas iniciando. Carros fabricados em casa. Vacinas enviadas pela internet para serem impressas em lugares pobres. Órgãos produzidos a partir de células dos próprios pacientes. Robôs projetados para necessidades específicas, como o trabalho humanitário em campos minados ou no atendimento a portadores de doenças contagiosas. Em termos de tecnologia, promessas nem sempre são cumpridas. Faltam décadas de pesquisa para que se torne possível, por exemplo, criar robôs caseiros, e muitos obstáculos técnicos precisam ser superados, ressalva o professor Hod Lipson. Mas parece claro que as impressoras 3D vieram para ficar e logo terão um impacto muito mais vasto do que apenas imprimir capas de smartphones. Stefano Tinti/Shutterstock Hoje já é possível conectar um dispositivo a um laptop e imprimir objetos em casa A Bosch na sua vida Experiência para criar o futuro Há décadas, a Rexroth, divisão de tecnologias de acionamento e controle do Grupo Bosch, fornece equipamentos de ponta para o mercado mundial. Agora, a empresa está pronta para desempenhar um papel de destaque na nova revolução industrial desencadeada pelas impressoras 3D. A Bosch Rexroth fornece um pacote de componentes para a fabricação de máquinas do gênero utilizadas em ambientes industriais. É possível fazer uma impressora praticamente completa com os produtos da Bosch Rexroth uma tecnologia consistente que já está presente há várias décadas no ambiente industrial em máquinas-ferramenta, na robótica e nas linhas de montagem, afirma o chefe de aplicações para automação fabril da companhia, Paulo Zanini. Os componentes eletrônicos, mecânicos e eletromecânicos que a Bosch Rexroth fornece para impressoras 3D movimentam a cabeça de impressão do aparelho ao longo de três eixos, para recriar um modelo digital tridimensional. Tudo começa com os motion controllers, pequenos computadores responsáveis por enviar comandos para os servomotores que colocam em funcionamento os atuadores eletromecânicos. Estes transmitem os movimentos dos servomotores para a cabeça de impressão. Finalmente, esta é posicionada por guias lineares no ponto exato para moldar a matéria-prima em cada etapa do processo. Geralmente, são diferentes empresas que fornecem cada componente. Ao trabalhar com a Rexroth, o fabricante obtém todos eles de um único fornecedor, explica Zanini. Essa tecnologia foi testada e aprovada pela empresa alemã Voxeljet, que utilizou componentes da Bosch Rexroth em sua impressora 3D, a VX O equipamento foi usado para imprimir réplicas do Aston Martin DB5, o clássico carro de James Bond, utilizadas nas filmagens de Operação Skyfal, último longa-metragem do agente 007. Saiba mais sobre as tecnologias de impressão da Rexroth em Arquivo Bosch

15 26 VidaBosch grandes obras Por Cláudia Zucare Boscoli Olimpo à beira-mar Vila que receberá os atletas nas Olimpíadas de 2016 se transformará em um dos mais ambiciosos empreendimentos imobiliários da história do Rio após os Jogos Divulgação E m 1969, o arquiteto e urbanista Lúcio Costa apresentou seu plano piloto para a Baixada de Jacarepaguá, apostando que a cidade do Rio de Janeiro em crescimento e espremida entre mar e montanha só teria um caminho a seguir: o da Zona Oeste. Um de seus amigos, Carlos Fernando de Carvalho, levou a sério a previsão. Passou a adquirir uma série de terrenos a preços módicos no então grande areal que era a Barra da Tijuca. Hoje, sua construtora está por trás de alguns dos empreendimentos de maior suces- so na região. É dele também um terreno de 800 mil metros quadrados na avenida Salvador Allende, local de construção da Vila dos Atletas, alojamento dos esportistas que disputarão os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Palco do primeiro Rock in Rio, em 1985, a área foi escolhida pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) em razão da proximidade com o Parque Olímpico, local de provas erguido sobre o que um dia foi o Autódromo de Jacarepaguá. Até março do ano que vem, a Vila dos Atletas contará com apartamentos, divididos em 31 prédios de 17 andares. Inicialmente, em agosto de 2016, os mais de 10 mil quartos hospedarão os 18 mil atletas que participarão das competições. A pretensão dos organizadores é apresentar ao mundo a Vila dos Atletas de mais alto padrão da história dos Jogos. Em setembro, será a vez dos paralímpicos ocuparem o local. No início de 2017, a Vila dará lugar ao bairro planejado Ilha Pura. Os apartamentos, aliás, já estão à venda a preços que superam a casa dos R$ 9 mil por metro quadrado. Dez anos em quatro A Carvalho Hosken, empresa do dono do terreno, e a Odebrecht Realizações, sua parceira na empreitada, calculam que um projeto semelhante demoraria ao menos dez anos para ser concluído em condições normais. Como deve estar pronto para as Olimpíadas, garantem que entregam tudo antes do fim do quarto ano de obras. Até agora, 70% do prometido ao COI foi feito. Para acelerar o processo, há 7 mil operários divididos em sete equipes, trabalhando simultaneamente no mesmo canteiro uma média de mil homens para cada um dos sete condomínios independentes que compõem o empreendimento. Até dezembro de 2014 foram usados 370 mil metros cúbicos de concreto (o suficiente para encher 180 piscinas olímpicas), 37 mil toneladas de aço (o que daria para construir cinco torres Eiffel) e 800 mil metros quadrados de tijolos. Isso tudo sem falar nas máquinas: são 27 gruas trabalhando ao mesmo tempo. Na área ambiental, a Vila dos Atletas/ Ilha Pura recebeu duas certificações, uma internacional, do Green Building Council, e outra nacional, da Fundação Vanzolini. Ao adotar práticas como instalação de usina de concreto e implantação de coleta seletiva no próprio canteiro, o projeto deixou de emitir 39 mil toneladas de gás carbônico nos dois primeiros anos de obras o equivalente à preservação de uma área florestal do tamanho de 65 campos de futebol.

16 28 VidaBosch grandes obras grandes obras VidaBosch 29 Fotos Divulgação Após os Jogos, o local vira um loteamento com potencial para abrigar 50 mil pessoas Cidade dentro da cidade Os apartamentos, adaptados para pessoas com deficiências e mobiliados para receber atletas com mais de 2 metros de altura, têm metragens que vão de 77 a 230 metros quadrados, com opção de dois, três ou quatro quartos. A Vila contará ainda com um centro de treinamento para 11 esportes olímpicos e oito paralímpicos, um refeitório para 5 mil pessoas e a Zona Internacional, onde serão realizadas as cerimônias de boas-vindas. Haverá uma rua para confraternizações, com cafés, restaurantes e loja. E o Parque Ilha Pura projetado pelo escritório Burle Marx contará com 72 mil metros quadrados de verde e uma ciclovia de 4,5 quilômetros ligada aos condomínios. Quando virar um loteamento, o local deve abrigar mais de 12 mil moradores. Mas a promessa é crescer muito mais. Dos 800 mil metros quadrados totais, 200 mil estão sendo utilizados. Ou seja, há espaço para erguer pelo menos mais 60 novas torres. A previsão é abrigar mais de 50 mil moradores nos próximos dez anos. Esses planos, porém, esbarram no desaquecimento do mercado imobiliário do Rio de Janeiro: dos 600 apartamentos do Ilha Pura já colocados à venda, apenas 231 haviam sido vendidos até o primeiro trimestre de Legado polêmico Diferentemente da maioria das vilas olímpicas, a carioca não tem contrapartida pública (o único caso semelhante é o de Sydney, nos Jogos Olímpicos de 2000). Todo investimento é das duas incorporadoras que não revelam os valores envolvidos. A prefeitura participa com as obras de infraestrutura interna, como pavimentação de ruas, saneamento básico e eletricidade. Os investimentos em infraestrutura externa, também a cargo da prefeitura e considerados o grande legado da Vila dos Atletas para a cidade, privilegiam a mobilidade urbana e vêm de recursos do BNDES. Compreendem a duplicação de duas avenidas, o aumento da oferta de BRTs (Bus Rapid Transit, em inglês, ou ônibus rápidos em faixa segregada) e a integração destes com a Linha 4 do metrô que liga A Bosch na sua vida Tecnologia para acelerar as obras A menos de 500 dias do início das Olimpíadas do Rio de Janeiro, a rapidez é fator fundamental nas obras da Vila dos Atletas. E a Bosch tem várias ferramentas que dão muito mais agilidade aos serviços no gigantesco empreendimento. O nível a laser GLL 3-80 P (foto 3), por exemplo, possibilita que uma pessoa faça, sozinha, o trabalho que antes demandava, no mínimo, duas. O equipamento emite raios laser em todo o cômodo no qual está sendo feita a obra, permitindo, assim, ajustar diversos níveis, tanto no solo quanto no teto, facilitando trabalhos como ajuste de piso e instalação de azulejos, explica o consultor técnico comercial da Bosch, Luiz Cláudio Theophilo. Outra ferramenta que usa a tecnologia para facilitar o trabalho de construção é a trena a laser GLM 80+R60 (foto 1). Geralmente, usam-se trenas de bambu, que precisam ser esticadas e recolhidas, mas, com este equipamento, basta encostá-lo em uma parede para que ele calcule distâncias e até volumes de um cômodo, diz Theophilo. 1 A obra em números 31 prédios residenciais de 17 andares cada 7 condomínios apartamentos 7 mil trabalhadores 370 mil metros cúbicos de concreto 800 mil metros quadrados de tijolos 27 gruas trabalhando ao mesmo tempo Já a parafusadeira elétrica GSR 6-25 TE (foto 2) é, nas palavras de Theophilo, uma ajuda no trabalho. O equipamento é especialmente útil para quem precisa lidar com muitos parafusos. Ela é bastante usada na instalação de pisos, telhados e estruturas metálicas, afirma o consultor. Para facilitar ainda mais a vida dos operários que estão construindo a Vila dos Atletas, a Bosch fornece parafusadeiras Ipanema ao Jardim Oceânico, único local da Barra a contar com estação desse tipo. Quem defende a escolha da Barra da Tijuca como principal polo olímpico alega que tais investimentos precisariam ser feitos em algum momento nessa região, tamanho seu potencial de crescimento. Os Jogos teriam apenas acelerado o processo. Os críticos, por sua vez, apontam falta de discussão e de transparência nas escolhas. As Olimpíadas deveriam ser uma oportunidade de tornar a cidade menos desigual. O dinheiro público deveria ser aplicado pensando no todo, mas priorizaram a Barra da Tijuca por interesses do mercado imobiliário, afirma o professor Orlando Santos Junior, do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Já o arquiteto e urbanista Sérgio Magalhães, coautor do livro Depois dos Jogos Pensando o Rio para o pós-2016, diz que foi um erro concentrar os investimentos olímpicos no transporte rodoviário, como previa o plano de Lúcio Costa, traçado há mais de quatro décadas e, por isso mesmo, ultrapassado. O problema é que alguns críticos esperam das Olimpíadas algo que a competição não pode dar, contrapõe o professor de marketing esportivo Marcelo Weishaupt, da Unicamp, autor do livro Jogos Olímpicos: Impactos econômicos de megaeventos esportivos. As expectativas com eventos desse porte são sempre superdimensionadas, afirma. Parece plausível supor que haverá efeitos positivos para a cidade. Mas alguns segmentos sociais e econômicos são beneficiados, e outros não. No Rio, os efeitos positivos devem se concentrar em turismo e na construção civil. 2 3 elétricas sem fio, alimentadas por baterias. A GSR 14,4 V-LI e a GSR LI são portáteis e servem para trabalhos mais rápidos ou em áreas de difícil acesso. Além disso, também podem ser usadas como furadeira sem impacto, conta Theophilo. Se quiser saber mais sobre a niveladora a laser e vê-la em funcionamento, acesse Arquivo Bosch

17 30 VidaBosch brasil cresce Por Gabriel Ferreira B. and E. Dudzinscy/Shutterstock Crescimento com sabor e aroma Indústria brasileira de café investe em tecnologia e produtos de melhor qualidade para manter liderança mundial do setor

18 32 VidaBosch brasil cresce brasil cresce VidaBosch 33 SOMMAI/Shutterstock Tischenko Irina/Shutterstock Stokkete /Shutterstock P ara acordar melhor, para enfrentar um dia de trabalho, para colocar a conversa em dia com os amigos... O brasileiro sempre encontra um bom motivo para tomar café em casa, no trabalho ou em lojas especializadas. Tamanha é a tradição e tantos são os momentos em que a bebida pode ser apreciada, que o Brasil consome 1,6 bilhão de quilos do grão por ano um dos maiores volumes no mundo. Trata-se da segunda bebida mais consumida no país, atrás apenas da água: 79% das famílias brasileiras bebem café, segundo a última Pesquisa de Orçamentos Familiares, realizada pelo IBGE em 2008 e É um hábito que vem de família e passa de geração para geração, afirma o diretor executivo da Associação Brasileira da Indústria de Café (Abic), Nathan Herszkowicz. O levantamento do IBGE mostra que outras bebidas têm penetração menor: sucos são consumidos por 40% das famílias; refrigerantes, por 23%; e leite integral, por 12%. Os grandes números também predominam na produção: o Brasil é líder mundial desde meados do século 19. Uma a cada três xícaras de café ingeridas no planeta tem origem em alguma fazenda nacional. O cultivo é de tal dimensão que não só garante os bebericos de uma enorme quantidade de brasileiros como ainda sobra para o exterior: o país exporta cerca de 60% dos grãos que nascem por aqui. A força do setor faz com que ele consiga expandir-se mesmo em anos mais austeros. Em 2014, por exemplo, enquanto o país debatia-se em meio à pasmaceira econômica, o café registrou o maior aumento entre os itens mais exportados. Segundo o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, a alta foi de 26,1% (enquanto as vendas totais a outras nações tombaram 7%). Maior e melhor Ainda que produção e exportação coincidam nas cifras exuberantes, por muito tempo houve discrepância entre o que ficava e o que saía. Não em quantidade, mas em qualidade. Como acontecia em muitos outros setores, o naco mais sofisticado emigrava. Restava ao mercado interno o que não tinha propriedade ou aparência boas o suficiente para ser vendido aos clientes internacionais. O que ficava por aqui tinha qualidade tão baixa que os grãos precisavam ser muito torrados, dando origem àquele café extremamente forte, para mascarar os problemas que apresentava, diz Ensei Neto, especialista no assunto e autor do site Coffee Traveler. Essa história começou a mudar em meados da década de 1990, quando uma conjunção de fatores fez com que o cafeicultor nacional passasse a investir no aprimoramento de suas mercadorias também para o mercado interno. Foi então que o setor passou a adquirir os contornos atuais: expressiva diversidade de grãos, com variedades planejadas para agradar incontáveis gostos e bolsos. Um dos primeiros fatores foi uma grande crise global de preços. O baque levou as cotações aos menores índices da história inferiores até às registradas na crise de 1929, quando o governo comprou sacas para que o setor não fosse para o buraco. A crise dos anos 90 foi tão intensa que muita gente começou a arrancar os pés de café para plantar outras culturas, afirma Herszkowicz. Para agravar a situação, no final da década, ainda sob efeito do mergulho dos preços, diversas regiões do Brasil foram afetadas por uma geada severa, que comprometeu a safra. Para combater a crise, a saída encontrada pelos cafeicultores foi investir na qualidade. Era o jeito de fugir dos valores baixos, diz Ensei Neto. Em paralelo, surgiram as primeiras certificações e os primeiros concursos de qualidade, trazendo maior rigor ao mercado. Tecnologia Os aportes para combater a crise se deram principalmente em tecnologia, em todos os estágios da produção. No campo, boa parte dos aportes ocorreu em melhoramento genético. Estudos conduzidos tanto por grandes cooperativas como pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) geraram frutos melhores e árvores mais produtivas. Além disso, as fazendas investiram em maior mecani- Daqui para fora Exportação brasileira do grão (em milhões de sacas de 60 kg) Sempre à mesa Consumo interno no Brasil (em milhões de sacas de 60 kg) Fonte: Abic 18,4 19,1 19,7 20,3 20,1 20,

19 34 VidaBosch brasil cresce brasil cresce VidaBosch 35 O café foi o produto que liderou os avanços das exportações brasileiras em 2014: as vendas externas caíram 7%, mas as do grão saltaram 26% zação da lavoura, com grandes colheitadeiras e maquinário para secagem dos grãos. A colheita e a secagem são duas etapas fundamentais na preservação da qualidade, então essa maior mecanização ajuda muito, aponta Herszkowicz. Do lado da indústria, a aposta em equipamentos sofisticados também tem papel relevante para que o cliente final receba um produto melhor. Há máquinas mais modernas, por exemplo, para torrar café, processo em que o grão ganha o aspecto final para consumo. É possível controlar melhor esse processo, liberando todo o potencial de aromas e sabores de cada grão, diz o executivo da Abic. Outro ponto muito relevante para a indústria são os processos de embalagem, que, quanto mais modernos, melhor preservam as características da mercadoria. Atualmente, todo o processo de encher, pesar e selar as embalagens se dá de forma automática, com equipamentos capazes de finalizar mais de mil pacotes por hora. Resultados A principal consequência dessa evolução foi uma maior sofisticação da bebida comercializada no país. Hoje não há mais diferença entre o café que o brasileiro consome e o que vai para o exterior, afirma Herszkowicz. As prateleiras dos supermercados são um bom indicativo desta mudança. Se até há pouco tempo encontravam-se apenas grãos dos tipos tradicionais, agora é possível levar para casa uma variedade muito maior inclusive iguarias que chegam a custar 20 vezes mais do que o cafezinho comum. Só entre as marcas registradas na Abic há mais de 150 cafés especiais. Há uma mudança cultural, com as pessoas aprendendo que café é um item de características tão complexas e variadas quanto os vinhos, compara Ensei Neto. Ele estima que, das 20 milhões de sacas consumidas por aqui todos os anos, pelo menos 500 mil sejam de produtos especiais. Já é um número bastante significativo. Mesmo para quem não está disposto a gastar R$ 300 por um quilo, há opções mais em conta com perfil elaborado. Os intermediários, com preços na casa dos R$ 40, têm se estabelecido como um importante ponto de acesso do consumidor médio a grãos de melhor qualidade. Exemplo disso são as máquinas caseiras de café em cápsula, que contribuem muito para a divulgação de tipos diferentes, sendo muitas vezes as responsáveis por apresentar ao brasileiro especialidades da bebida com as quais ele não está acostumado, e até a cafés processados em outras nações. Além do esforço da indústria, o que torna este tipo de produto mais popular é a maior diversidade de cafeterias especiais nas grandes cidades e a maior divulgação da profissão de barista o profissional que prepara cafés de maneiras não muito habituais. Isso só mostra que, mesmo que o café já tenha grande penetração no país, esse é um mercado com grande potencial para crescer. Se não fosse assim, não surgiam novas empresas investindo no segmento a cada ano, conclui Neto. A Bosch na sua vida AFNR/Shutterstock O próximo passo Um dos grandes saltos tecnológicos que contribuíram para que os cafeicultores brasileiros superassem a crise dos anos 90 foi a mecanização da produção. Agora, o Grupo Bosch está ajudando os agricultores nacionais a darem o próximo passo na modernização da indústria cafeeira. A primeira geração de tratores e colhedoras de café que chegou ao campo brasileiro promoveu um primeiro salto na produtividade, mas operava com uma tecnologia relativamente simples. Nos últimos anos, porém, novos componentes e sistemas desenvolvidos pela Rexroth divisão de tecnologias de acionamento e controle do Grupo Bosch têm levado as máquinas agrícolas a um patamar diferente. Em um primeiro momento tivemos um salto que foi a mecanização da lavoura. Agora, estamos dando um segundo passo, que é a adoção de uma tecnologia muito mais inteligente, chamada load sensing, afirma Denis Kluge, chefe de gerenciamento de produtos mobil da Bosch Rexroth. A empresa fornece componentes hidráulicos como bombas de engrenagem, bombas de pistões, cilindros e blocos com válvulas de controle, responsáveis por acionar partes das máquinas a partir da energia gerada pelo motor. Com a tecnologia load sensing, esses componentes se tornam peças inteligentes que identificam quando a máquina precisa de potência hidráulica e só entram em funcionamento nos momentos necessários. Com isso, o consumo de diesel da máquina cai, reduzindo custos e diminuindo o impacto ambiental. Além dos componentes mecânicos, a Bosch Rexroth também fornece um pacote de sistemas eletrônicos que ajuda a otimizar a operação das máquinas agrícolas. O pacote BODAS (foto) é formado por sensores, processadores, softwares e equipamentos de vídeo que permitem coordenar os movimentos da colhedora e do trator, entre outras funções. Saiba mais sobre as tecnologias da Bosch Rexroth para máquinas agrícolas em: Arquivo Bosch

20 36 VidaBosch atitude cidadã Por Claudia Zucare Boscoli Ivelin Radkov/Shutterstock De bem com a comunidade Empresas percebem que é preciso conquistar a confiança dos moradores da região onde atuam e garantir uma licença social para operar D esde que o licenciamento ambiental foi instituído no Brasil, em 1981, as empresas que aqui atuam vêm se preocupando cada vez mais com o futuro de seus negócios e adotando medidas para reduzir possíveis impactos negativos sobre o seu entorno. O problema é que muitas delas ainda se preocupam apenas com os efeitos de suas atividades na natureza e se esquecem de outro elemento fundamental para a sustentabilidade de qualquer empreendimento: as consequências sobre a vida das pessoas que vivem ao redor. Por isso, um outro tipo de licença, ainda pouco conhecido no Brasil, começa a ser debatido e levado em consideração no país, a chamada licença social para operar. Ao contrário do licenciamento ambiental, não é um documento emitido por governos ou instituições. Não é uma obrigação prevista em lei, nem um conjunto de regras detalhadas a ser seguido. Não é um certificado, um ISO, um selo de qualidade. Trata-se de um conceito abstrato cada vez mais utilizado no meio corporativo para medir o grau de aceitação de um empreendimento pela região na qual está inserido. É um processo de construção de legitimidade, de aceitação e de confiança, define a economista Ana Letícia Silva, gerente de articulação do Grupo de Institutos, Fundações e Empresas (Gife), organização sem fins lucrativos de incentivo ao investimento social privado. O termo social license to operate foi usado pela primeira vez em 1997, durante uma conferência do Banco Mundial sobre mineração e comunidades realizada em Quito, no Equador. A partir de então, passou a ser usado para descrever uma situação em que um empreendimento conquista a confiança dos moradores do entorno, que concede uma espécie de permissão tácita para ele operar na região. Não existe um documento comprovando a boa-fé da empresa. O reconhecimento nasce da boa relação com a sociedade, afirma o engenheiro Cláudio Boechat, professor

Fazer as costelas de vários mini saltos, pular em uma e quando cair pular em outra e assim em diante.

Fazer as costelas de vários mini saltos, pular em uma e quando cair pular em outra e assim em diante. Concentração e Atenção são as palavras chaves para uma pilotagem segura. Embora tenham a moto adequada, muitos pilotos apresentam deficiências, especialmente de postura, na hora de frenagem e na escolha

Leia mais

Dicas para minimizar o. risco de quedas

Dicas para minimizar o. risco de quedas saúde Sinal Canal de Comunicação da Sistel para os Usuários de Saúde Ano I - Nº 1 - Março 2014 Dicas para minimizar o risco de quedas Adaptação dos ambientes e produtos específicos podem evitar quedas

Leia mais

ESTUDO DE CASO. São Paulo, novembro de 2009

ESTUDO DE CASO. São Paulo, novembro de 2009 ESTUDO DE CASO São Paulo, novembro de 2009 O PROJETO PATRIMÔNIO DO CARMO Local: residência em condomínio fechado em São Roque / SP Área: 2.700 m² (que se unem às áreas de reserva, comuns a todos os condôminos)

Leia mais

Decor Store. Interiores. Loja de Decorações de Interiores. Cristiane Dal Prá Designer de Interiores

Decor Store. Interiores. Loja de Decorações de Interiores. Cristiane Dal Prá Designer de Interiores Decor Store Interiores Loja de Decorações de Interiores Cristiane Dal Prá Designer de Interiores Quem somos A Decor Store Interiores é uma loja que agrega em um único espaço vários itens relacionados a

Leia mais

A peça volta a ganhar espaço em casas e apartamentos, só que, desta vez, repaginada em projetos contemporâneos

A peça volta a ganhar espaço em casas e apartamentos, só que, desta vez, repaginada em projetos contemporâneos Eleestádevolta Fogãoalenhaadicionaumapitadagostosadeinterior nadecoraçãomoderna Apeçavoltaaganharespaçoemcasaseapartamentos,sóque,destavez,repaginadaem projetoscontemporâneos postadoem 12/04/201507:00/atualizadoem14/04/201514:47

Leia mais

Internet of Things. utilizá-la em diversos tipos de negócios.

Internet of Things. utilizá-la em diversos tipos de negócios. Internet of Things 10 formas de utilizá-la em diversos tipos de negócios. INTRODUÇÃO As interfaces Machine to Machine (M2M) estão facilitando cada vez mais a comunicação entre objetos conectados. E essa

Leia mais

Imóveis: o que os paulistanos buscam na hora da compra

Imóveis: o que os paulistanos buscam na hora da compra 13/10/2010 Imóveis: o que os paulistanos buscam na hora da compra Pesquisa revela quanto gastam os novos proprietários De mudança para fugir do trânsito: Moro no Morumbi e todos os dias tenho de enfrentar

Leia mais

Receita infalível para uma boa viagem

Receita infalível para uma boa viagem Receita infalível para uma boa viagem Para que a tão sonhada viagem de férias não se transforme em um pesadelo, alguns cuidados básicos devem ser tomados. Pensando no seu conforto e na sua segurança nesse

Leia mais

Planta do pavimento térreo

Planta do pavimento térreo Planta do pavimento térreo Cortes e elevações típicos Acesso principal e praça de eventos Permeabildade do projeto com seu entorno Ecosistema interno com bosque de mata nativa Telhados verdes e praça de

Leia mais

Pesquisa Bosch de Segurança Ativa no Brasil

Pesquisa Bosch de Segurança Ativa no Brasil Sistema de Segurança Ativa Bosch, o anjo da guarda dos motoristas. Pesquisa Bosch de Segurança Ativa no Brasil Os motoristas brasileiros conhecem seu anjo da guarda? 2 Sistema de Segurança Ativa Bosch,

Leia mais

Scania Driver Support, Opticruise e Retarder.

Scania Driver Support, Opticruise e Retarder. Scania Condução Econômica Scania Driver Support, Opticruise e Retarder. Scania Condução Econômica 2 3 A Scania avança para que o seu negócio não pare de prosperar. A Scania não para de acelerar rumo à

Leia mais

Estilo e qualidade de vida em um endereço único.

Estilo e qualidade de vida em um endereço único. Estilo e qualidade de vida em um endereço único. Faça a melhor escolha. Mude-se para este charmoso residencial e desfrute de muito verde, um belíssimo projeto paisagístico e inúmeras opções de lazer. Tudo

Leia mais

Reformas. aula 10. www.casa.com.br/cursodedecoracao2012. Por Tania Eustáquio

Reformas. aula 10. www.casa.com.br/cursodedecoracao2012. Por Tania Eustáquio www.casa.com.br/cursodedecoracao2012 aula 10 Por Tania Eustáquio Reformas Para mostrar como é possível fazer interferências na arquitetura de um imóvel sem dor de cabeça com obras, prazos e orçamento,

Leia mais

SofiSticação despojada

SofiSticação despojada [ D E C O R A Ç Ã O ] Sofá na cor uva ganha destaque em meio à decoração sóbria com cores neutras e poucos modismos, apartamento de jovem casal ganha requinte na medida certa A busca do casamento perfeito

Leia mais

Freios ABS SISTEMA DE FREIO ABS. HISTÓRIA DO sistema DE FREIO ABS. FUNCIONAMENTO DO sistema DE FREIO ABS

Freios ABS SISTEMA DE FREIO ABS. HISTÓRIA DO sistema DE FREIO ABS. FUNCIONAMENTO DO sistema DE FREIO ABS Freios ABS SISTEMA DE FREIO ABS Um veículo equipado com um sistema de freios convencionais, durante uma situação dedesaceleração de emergência, produzirá marcas de frenagem sobre a pista. Conhecendo o

Leia mais

Não abra a carteira ou a bolsa na frente de estranhos. Separe pequenas quantias de dinheiro para pagar passagem, café, cigarros etc.

Não abra a carteira ou a bolsa na frente de estranhos. Separe pequenas quantias de dinheiro para pagar passagem, café, cigarros etc. Dicas de Segurança I Cuidados no dia-a-dia Nas Ruas Previna-se contra a ação dos marginais não ostentando objetos de valor como relógios, pulseiras, colares e outras jóias de valor. Evite passar em ruas

Leia mais

Caminhões Mercedes-Benz oferecem elevado padrão de segurança

Caminhões Mercedes-Benz oferecem elevado padrão de segurança Segurança nas estradas Caminhões Mercedes-Benz oferecem elevado padrão de segurança Informação à imprensa 21 de novembro de 2012 Solução integrada da Mercedes-Benz inclui a oferta de itens de avançada

Leia mais

Grupo Usiminas fabrica em Cubatão e Ipatinga, em Minas Gerais, perfis de aço para a construção de habitações

Grupo Usiminas fabrica em Cubatão e Ipatinga, em Minas Gerais, perfis de aço para a construção de habitações Edição: 5132010 Litoral Paulista, sexta-feira, 20 de agosto Página: 1 Grupo Usiminas fabrica em Cubatão e Ipatinga, em Minas Gerais, perfis de aço para a construção de habitações w w w. u s i m i n a s.

Leia mais

1. Descrição da Cidade

1. Descrição da Cidade 1. Descrição da Cidade 2. Top Atrações da Cidade 2.1 - Atração Passeios de Lancha 2.2 - Atração Passeio de Escuna 2.3 - Atração Lagoa Azul 2.4 - Atração Lagoa Verde 2.5 - Atração Aqueduto 2.6 - Atração

Leia mais

PLANO DE PATROCÍNIO EVENTO REGIONAL VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL

PLANO DE PATROCÍNIO EVENTO REGIONAL VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL PLANO DE PATROCÍNIO EVENTO REGIONAL VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL Dir. Nac. de Marketing Jun/13 APRESENTAÇÃO Sustentabilidade é um projeto que visa conscientizar a população a preservar o meio ambiente, buscando

Leia mais

ÍNDICE 1. EMPRESA 2. LOCALIZAÇÃO 3. PROJETO VILA DOS ATLETAS 4. SUSTENTABILIDADE 5. RESPONSABILIDADE SOCIAL

ÍNDICE 1. EMPRESA 2. LOCALIZAÇÃO 3. PROJETO VILA DOS ATLETAS 4. SUSTENTABILIDADE 5. RESPONSABILIDADE SOCIAL ÍNDICE 1. EMPRESA 2. LOCALIZAÇÃO 3. PROJETO VILA DOS ATLETAS 4. SUSTENTABILIDADE 5. RESPONSABILIDADE SOCIAL 1. EMPRESA A EMPRESA ILHA PURA EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS É UMA EMPRESA CRIADA COM O OBJETIVO

Leia mais

Novo Opticruise, Retarder e Scania Driver Support

Novo Opticruise, Retarder e Scania Driver Support Condução Econômica Novo Opticruise, Retarder e Scania Driver Support Condução Econômica 2-3 A Scania avança para os custos recuarem. A Scania não para de acelerar rumo à diminuição de custos operacionais

Leia mais

Estrada Real é Nossa vai dar descontos em restaurantes. Passaporte ER chega ao Caminho do Sabarabuçu. Programa do IER treina condutores dos parques

Estrada Real é Nossa vai dar descontos em restaurantes. Passaporte ER chega ao Caminho do Sabarabuçu. Programa do IER treina condutores dos parques Ano 1 Nº 3 Informativo Estrada Real é Nossa vai dar descontos em restaurantes Pág. 02 Novo portal do Instituto Estrada Real é lançado Pág. 03 Passaporte ER chega ao Caminho do Sabarabuçu Pág. 05 Programa

Leia mais

Prime IHC. Intelligent Home Control. Automação residencial com estilo, segurança e economia de energia.

Prime IHC. Intelligent Home Control. Automação residencial com estilo, segurança e economia de energia. Intelligent Home Control com estilo, segurança e economia de energia. Projetos inteligentes exigem um sistema de automação completo. Funcionamento do sistema. O funciona com entradas e saídas, controlando

Leia mais

Rio de cara nova. Conheça dez obras que prometem mudar a cara da cidade nos próximos dez anos

Rio de cara nova. Conheça dez obras que prometem mudar a cara da cidade nos próximos dez anos Rio de cara nova Conheça dez obras que prometem mudar a cara da cidade nos próximos dez anos por Ernesto Neves 01 de Agosto de 2011 Fonte: Revista Veja Rio Cidade do Rock O terreno de 250 mil metros quadrados

Leia mais

Cidade de Grenoble testa sistema público de partilha de viaturas Toyota i-road e Toyota COMS

Cidade de Grenoble testa sistema público de partilha de viaturas Toyota i-road e Toyota COMS Cidade de Grenoble testa sistema público de partilha de viaturas Toyota i-road e Toyota COMS # Grenoble, a cidade inteligente a partir de Outubro com a 'Citélib by Ha:mo', uma inovação recorrendo as últimas

Leia mais

A GAMA TECNOLOGIA E SEGURANÇA PATRIMONIAL

A GAMA TECNOLOGIA E SEGURANÇA PATRIMONIAL A GAMA TECNOLOGIA E SEGURANÇA PATRIMONIAL, entendendo a necessidade do mercado em serviços relacionados a segurança e proteção do patrimônio, reúne as melhores tecnologias em soluções de segurança e geolocalização.

Leia mais

Ao lado da Vila Leopoldina, próximo ao parque e ao shopping Villa Lobos, em uma região com grande demanda.

Ao lado da Vila Leopoldina, próximo ao parque e ao shopping Villa Lobos, em uma região com grande demanda. Localização Ao lado da Vila Leopoldina, próximo ao parque e ao shopping Villa Lobos, em uma região com grande demanda. Macrorregião 10.416,74m² Macrorregião Vila Leopoldina Shopping e Parque Villa Lobos

Leia mais

Mude seu ponto de vista sobre como morar

Mude seu ponto de vista sobre como morar Mude seu ponto de vista sobre como morar De tempos em tempos a humanidade descobre uma nova perspectiva de vida. A mente cria desejos. Desejos que abrem espaços. Espaços que se transformam em novos enfoques.

Leia mais

P&E Estilos do Brasil. Por: Tatiana Izquierdo ÁREAS. Externas. 34 CASA Projeto&Estilo

P&E Estilos do Brasil. Por: Tatiana Izquierdo ÁREAS. Externas. 34 CASA Projeto&Estilo P&E Estilos do Brasil Por: Tatiana Izquierdo ÁREAS Externas 34 CASA Projeto&Estilo pe_17.indb 34 09/12/11 15:55 Local apropriado para quem pretende unir bem-estar e natureza, as áreas externas estão se

Leia mais

Grupo WTB Experiência e solidez

Grupo WTB Experiência e solidez Grupo WTB Experiência e solidez Fundado em 1999, o Grupo WTB teve um crescimento sustentado e prosperou ao longo dos anos. Hoje, sua marca está presente em vários empreendimentos de sucesso, contando com

Leia mais

Apartamentos Disponíveis em Salvador

Apartamentos Disponíveis em Salvador Apartamentos Disponíveis em Salvador Não é surpresa que um apartamento em Salvador seja a escolha de muitos compradores que querem viver ou investir nessa linda cidade litorânea. Tem tudo o que um investidor

Leia mais

Schindler 5300 Personalidade. Muito espaço. Sofisticação e modernidade para os elevadores de seu edifício

Schindler 5300 Personalidade. Muito espaço. Sofisticação e modernidade para os elevadores de seu edifício Schindler 5300 Personalidade. Muito espaço. Sofisticação e modernidade para os elevadores de seu edifício Elevadores de Passageiros Schindler Espaço Schindler 5300 significa espaço Ampliamos a cabina de

Leia mais

Pesquisa de segurança da Bosch sobre Sistemas Antibloqueio de Frenagem para motocicletas no Brasil e na Argentina

Pesquisa de segurança da Bosch sobre Sistemas Antibloqueio de Frenagem para motocicletas no Brasil e na Argentina Robert Bosch Ltda. Chassis Systems Control Rodovia Anhanguera, km 98 CEP: 13065-900 Campinas SP Brasil www.bosch-moto.com.br Pesquisa de segurança da Bosch sobre Sistemas Antibloqueio de Frenagem para

Leia mais

Imprimimos seus projetos e sonhos enquanto isso, você fica tranquilo e contribui para um mundo melhor.

Imprimimos seus projetos e sonhos enquanto isso, você fica tranquilo e contribui para um mundo melhor. Imprimimos seus projetos e sonhos enquanto isso, você fica tranquilo e contribui para um mundo melhor. Gráfica e Editora O Lutador, há mais de 85 anos imprimindo com Responsabilidade Social e Ambiental.

Leia mais

Resolva os exercícios a mão.

Resolva os exercícios a mão. Lista de Exercícios de Física I Estes exercícios tem a finalidade de auxiliar os alunos nos estudos para a matéria: Física I. Resolva os exercícios a mão. Não digite, não faça copy/paste, não procure respostas

Leia mais

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014 Mobilidade Urbana VASCONCELOS, Eduardo Alcântara de. Mobilidade urbana e cidadania. Rio de Janeiro: SENAC NACIONAL, 2012. PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL LUCIANE TASCA COMO SE FORMAM AS CIDADES? Como um

Leia mais

Soluções permitem o monitoramento a distância das instalações da casa, visando redução de consumo e alto desempenho

Soluções permitem o monitoramento a distância das instalações da casa, visando redução de consumo e alto desempenho Casa do futuro Soluções permitem o monitoramento a distância das instalações da casa, visando redução de consumo e alto desempenho Por Heloisa Medeiros A rápida evolução de produtos e equipamentos eletrônicos

Leia mais

Dicas para segurança. no trânsito. realização. apoio

Dicas para segurança. no trânsito. realização. apoio Dicas para segurança no trânsito realização apoio 1 Dicas de viagem segura. Viajar sozinho ou com toda a família requer certas responsabilidades. Aqui você encontrará várias recomendações para uma viagem

Leia mais

Vitrallis. Um novo modo de viver. Bem melhor.

Vitrallis. Um novo modo de viver. Bem melhor. Vitrallis. Um novo modo de viver. Bem melhor. Criamos o Vitrallis como um condomínio completo, pensado para os dias de hoje e para o seu futuro. Nos primeiros pavimentos, você encontrará todas as conveniências,

Leia mais

sua Casa é o lugar para onde você sempre quer voltar.

sua Casa é o lugar para onde você sempre quer voltar. Imagem ilustrativa Imagine poder proporcionar para a sua família uma vida onde a felicidade está por trás de cada café da manhã ao ar livre ou mergulho num dia de sol. E se as crianças pudessem dar os

Leia mais

22 BANCADAS. Estilosas. Apê de solteiro. Green Home. Madeira certificada. Entre, a casa é sua! Água cristalina

22 BANCADAS. Estilosas. Apê de solteiro. Green Home. Madeira certificada. Entre, a casa é sua! Água cristalina OBRA MAIS BARATA: APOSTE NA ALVENARIA ESTRUTURAL E ECONOMIZE ATÉ 30% NA CONSTRUÇÃO Estilosas 22 BANCADAS QUE FAZEM TODA A DIFERENÇA NOS BANHEIROS Apê de solteiro 3 PROJETOS QUE MOSTRAM O MODO COMO OS DONOS

Leia mais

Vale do Loire - foto em setembro de 2008. Apartamento do Reserva Albalonga - foto em julho de 2011. Chácara Suíça - foto em julho de 2011

Vale do Loire - foto em setembro de 2008. Apartamento do Reserva Albalonga - foto em julho de 2011. Chácara Suíça - foto em julho de 2011 Vale do Loire - foto em setembro de 2008 O Parque Tropical é completo porque reúne segurança, qualidade, valor, estilo e inovação, além de ter na marca da incorporadora um dos seus principais diferenciais.

Leia mais

Deguste. com os olhos

Deguste. com os olhos 2 ARQUITETURA & DECORAÇÃO Especial A&D Projeto MAINA HARBOE Por Por Fernanda Pinho Fotos Marcelo Stammer Deguste com os olhos Quente, sofisticado e atemporal. Características que podem ser atribuídas ao

Leia mais

Exposição 40 anos de Porsche 911

Exposição 40 anos de Porsche 911 Exposição 40 anos de Porsche 911 Classic News Porsche 912E (1968) A história diante dos olhos Exposição em Interlagos resgata os 40 anos de história do Porsche 911, um evento sem similar em todo o mundo.

Leia mais

Montando o seu Escritório

Montando o seu Escritório Montando o seu Escritório SAIBA COMO MONTAR UM AMBIENTE ADEQUADO AO TRABALHO Independentemente de ser um escritório comercial ou um home office, na hora de se decorar um escritório, é preciso atenção a

Leia mais

Gráficos: Q2)Para cada função posição x(t) diga se a aceleração é positiva, negativa ou nula.

Gráficos: Q2)Para cada função posição x(t) diga se a aceleração é positiva, negativa ou nula. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA-CFM DEPARTAMENTO DE FÍSICA FSC 5107 FÍSICA GERAL IA Semestre 2012.2 LISTA DE EXERCÍCIOS 2 - MOVIMENTO EM UMA DIMENSÃO Gráficos: Q1) Para cada gráfico seguinte de

Leia mais

Empreendimentos Imobiliários

Empreendimentos Imobiliários SINDUSCONPREMIUM 2013 ETAPA LITORAL NORTE 1ª EDIÇÃO Categoria Empreendimentos Imobiliários Edificação Residencial Unifamiliar - Black House 01 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA O escritório Torres & Bello Arquitetos

Leia mais

www.peugeot.com.br/professional

www.peugeot.com.br/professional www.peugeot.com.br/professional Todos os veículos Peugeot estão de acordo com o PROCONVE, Programa de Controle de Poluição do Ar por Veículos Automotores. Colar etiqueta de identificação da Concessionária.

Leia mais

mudanças nos modelos de negócios do setor automobilístico, impulsionadas pelas pesquisas de novas tecnologias energéticas e de segurança.

mudanças nos modelos de negócios do setor automobilístico, impulsionadas pelas pesquisas de novas tecnologias energéticas e de segurança. AUTOMOTIVE Mudança de rumos Pressões dos consumidores por praticidade e economia, somadas à necessidade de adaptação dos veículos ao planejamento urbano, criam um cenário desafiador para a indústria automobilística

Leia mais

CONDOMÍNIO FECHADO DE GALPÕES MODULARES

CONDOMÍNIO FECHADO DE GALPÕES MODULARES CONDOMÍNIO FECHADO DE GALPÕES MODULARES Ilustração artística da portaria Rua Atilio Biscuola, nº 1.831 - Louveira - SP - Brasil 23 05 09.00 S 46 58 10.00 O SÃO PAULO DHL RODOVIA ANHANGUERA KM 72 Por que

Leia mais

Na Melhor Rua do Paraíso - Tomás Carvalhal, 555

Na Melhor Rua do Paraíso - Tomás Carvalhal, 555 ALTÍSSIMO PADRÃO Na Melhor Rua do Paraíso - Tomás Carvalhal, 555 Eu quero mais que morar bem. Eu quero morar na Tomás Carvalhal. Foto da Rua Tomás Carvalhal Basta uma breve caminhada pelas nobres e acolhedoras

Leia mais

Trilhas e Passeios em Cunha:

Trilhas e Passeios em Cunha: Trilhas e Passeios em Cunha: CIRCUITO MONJOLO Cachoeira do Pimenta Distância: 12km (a partir do centro de Cunha) Percurso: Estrada do Monjolo - 8km em estrada de terra e 4km com calçamento (trechos íngremes)

Leia mais

Fugindo do tradicional

Fugindo do tradicional construção Fugindo do tradicional Distante do padrão das casas colonial-americanas que predominam no condomínio, o projeto ganhou linhas diferenciadas e muita iluminação natural, com janelas amplas por

Leia mais

CONDOMÍNIO FECHADO DE GALPÕES MODULARES

CONDOMÍNIO FECHADO DE GALPÕES MODULARES Ilustração artística da portaria. CONDOMÍNIO FECHADO DE GALPÕES MODULARES Estrada Ferreira Guedes, 784 Potuverá Itapecerica da Serra SP Brasil 23 43 04.00 S 46 53 32.00 O GR Guarulhos GR Hortolândia GR

Leia mais

A coleção 360 GRAUS, foi criada e desenvolvida para um novo conceito em áreas de lazer.

A coleção 360 GRAUS, foi criada e desenvolvida para um novo conceito em áreas de lazer. CATALOGO_DANI2.indd 1 06/06/13 14:09 A coleção 360 GRAUS, foi criada e desenvolvida para um novo conceito em áreas de lazer. Com um novo design associado à excelente qualidade de produto. Possibilita que

Leia mais

CONSTRUTORA LIX DA CUNHA S.A.

CONSTRUTORA LIX DA CUNHA S.A. Campinas/SP, 16 de Agosto de 2011 Prezados Senhores, Apesar dos problemas que se lançam sobre algumas construtoras da região, com embargos, projetos irregulares aprovados indevidamente, atrasos na entrega

Leia mais

COMO A TECNOLOGIA PODE AJUDAR UM ATACADISTA DISTRIBUIDOR A REDUZIR CUSTOS

COMO A TECNOLOGIA PODE AJUDAR UM ATACADISTA DISTRIBUIDOR A REDUZIR CUSTOS COMO A TECNOLOGIA PODE AJUDAR UM ATACADISTA DISTRIBUIDOR A REDUZIR CUSTOS 1 ÍNDICE 1. Introdução... 2. Por que preciso investir em tecnologia?... 3. Cinco passos para usar a tecnologia a meu favor... 4.

Leia mais

AMBIENTES RESIDENCIAIS, CORPORATIVOS E HOTELARIA

AMBIENTES RESIDENCIAIS, CORPORATIVOS E HOTELARIA AMBIENTES RESIDENCIAIS, CORPORATIVOS E HOTELARIA Princípios Respeito pelo indivíduo da forma mais ampla possível sejam nossos clientes, colaboradores, parceiros e fornecedores. Queremos compartilhar nossa

Leia mais

iphone 5S APRESENTAÇÃO

iphone 5S APRESENTAÇÃO Ideal Voz Empresarial iphone 5S O iphone 5 é uma verdadeira evolução do smartphone da Apple. Muito Fino e leve, o iphone 5 impressiona com seu design impecável e tela Retina de 4 polegadas. Apesar de seu

Leia mais

Resumo de Convenções de Deslocamento Motociclístico

Resumo de Convenções de Deslocamento Motociclístico Resumo de Convenções de Deslocamento Motociclístico Você foi convidado a rodar com o Twister Moto Clube! Evento: Dia: Ponto de Encontro: Hora: Além de uma honra, esta será também uma grande responsabilidade

Leia mais

Agora você pode morar perto da praia com o conforto e tranquilidade que sempre quis.

Agora você pode morar perto da praia com o conforto e tranquilidade que sempre quis. Agora você pode morar perto da praia com o conforto e tranquilidade que sempre quis. Posto de gasolina Av. Santos Dummont Restaurante Fagulha Hotel Vila Galé Os bons tempos voltaram. Padaria Foto aérea

Leia mais

Uma Viagem inesquecível pela História da Ferrovia

Uma Viagem inesquecível pela História da Ferrovia Uma Viagem inesquecível pela História da Ferrovia Poucos destinos no Brasil têm o valor histórico dos passeios pelos trilhos da Serra Verde Express. No trecho da Mata Atlântica mais preservada do País,

Leia mais

SOMOS UM FIQUE DE OLHO NA PRÓXIMA EDIÇÃO. Unidade de Negócios Centro Norte (SP) realiza apresentação na Funenseg

SOMOS UM FIQUE DE OLHO NA PRÓXIMA EDIÇÃO. Unidade de Negócios Centro Norte (SP) realiza apresentação na Funenseg Assessoria de Comunicação Lojacorr S.A. 7ª Edição, Ano 2014. Comunicação Interna Ana Clara Baptistella Assessoria de Imprensa Prisma Comunicação Diagramação Rafael Martins Email: comunicacao@lojacorr.com.br

Leia mais

MARKETING PARA VENCER RESISTÊNCIAS

MARKETING PARA VENCER RESISTÊNCIAS MARKETING PARA VENCER RESISTÊNCIAS ALPHAVILLE URBANISMO DESTINO: GRAMADO CATEGORIA CONSTRUÇÃO CIVIL/ EMPREENDIMENTOS No começo parecia uma aventura digna dos antigos tropeiros e das levas de imigrantes

Leia mais

Vol. IV. Instituições Financeiras. Manual de Segurança. Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br

Vol. IV. Instituições Financeiras. Manual de Segurança. Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br Instituições Financeiras Vol. IV Manual de Segurança Apresentação N a calçada, antes mesmo de se aproximar da entrada da agência bancária, o cliente coloca as

Leia mais

Seus companheiros de infância vão adorar o amiguinho novo. Honda CR-V. Brinquedo de gente grande.

Seus companheiros de infância vão adorar o amiguinho novo. Honda CR-V. Brinquedo de gente grande. Honda CR-V Seus companheiros de infância vão adorar o amiguinho novo. Lembra a sensação de ganhar um brinquedo novo? A ansiedade de rasgar o papel do embrulho e ver materializar-se o seu desejo mais sonhado?

Leia mais

Pense compre um Fit. Não pense compre um Fit. Novo Honda Fit 2015.

Pense compre um Fit. Não pense compre um Fit. Novo Honda Fit 2015. Novo Honda Fit 2015 Pense compre um Fit. Não pense compre um Fit. Antes de comprar um Honda Fit você pensava em todo o conforto, no desempenho superior, na segurança inigualável, na inovação tecnológica

Leia mais

EM JUNHO: BEST WESTERN LINHARES DESIGN HOTEL

EM JUNHO: BEST WESTERN LINHARES DESIGN HOTEL V I V E R C O M E S T I L O FEVEREIRO 2015 ano V I EM JUNHO: BEST WESTERN LINHARES DESIGN HOTEL NOVAS PARCERIAS BENEFICIAM INVESTIDORES. PAG. 4 VEM AÍ: BEST WESTERN VIB. PAG. 4 ARTIGO: O BRASIL NA ROTA

Leia mais

nada é referência por acaso. corporate&offices

nada é referência por acaso. corporate&offices lançamento Um produto Melnick Even corporate&offices nada é referência por acaso. A Melnick Even usou toda sua expertise para trazer à rua Anita Garibaldi um empreendimento comercial pensado cuidadosamente

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

Localização Rua Campos Sales 76 Passeio público Distância: 1Km. Graciosa Country Club Distância: 2,2Km. Vindouro Vinhos e Bistrô Distância: 1Km

Localização Rua Campos Sales 76 Passeio público Distância: 1Km. Graciosa Country Club Distância: 2,2Km. Vindouro Vinhos e Bistrô Distância: 1Km Pré Lançamento Cabral Rua Campos Sales 76 Rua Campos Sales Localização Rua Campos Sales 76 Passeio público Distância: 1Km Av. João Gualberto Shopping Mueller Distância: 1,2Km Museu Oscar Niemeyer Distância:

Leia mais

O trajeto. Podemos dividir o trajeto em 4 partes:

O trajeto. Podemos dividir o trajeto em 4 partes: 01 O que é? A Rota Marcia Prado é uma proposta de caminho cicloturístico que possa ser percorrida por todo tipo de ciclista por um trajeto de São Paulo a Santos, pedalando pelo mínimo de rodovias possíveis,

Leia mais

Volvo Trucks. Driving Progress. novo Volvo VM. DISTRIBUIÇÃO 4x2R / 6x2R / 8x2R

Volvo Trucks. Driving Progress. novo Volvo VM. DISTRIBUIÇÃO 4x2R / 6x2R / 8x2R Volvo Trucks. Driving Progress novo Volvo VM DISTRIBUIÇÃO 4x2R / 6x2R / 8x2R Entregas garantidas e economia sempre. O novo Volvo VM é um caminhão semipesado, confortável, seguro e o mais econômico da categoria.

Leia mais

BAIRRO PLANEJADO BASE I N V E S T I M E N T O S

BAIRRO PLANEJADO BASE I N V E S T I M E N T O S BAIRRO PLANEJADO BASE I N V E S T I M E N T O S Sua vida em transformação Do sonho à realidade. Do projeto à execução. Da necessidade dos clientes à superação das expectativas. Com essas idéias em mente,

Leia mais

Computação Embarcada Projeto e Implementação de Veículos Autônomos Inteligentes

Computação Embarcada Projeto e Implementação de Veículos Autônomos Inteligentes XXV CONGRESSO DA SBC JAI 2005 Computação Embarcada Projeto e Implementação de Veículos Autônomos Inteligentes - GPVA http://www.eletrica eletrica.unisinos..unisinos.br/~autonom Dr. Christian R. Kelber

Leia mais

Recife terá ônibus HíbridoBR durante a Copa das Confederações

Recife terá ônibus HíbridoBR durante a Copa das Confederações Ônibus Informação à imprensa Recife terá ônibus HíbridoBR durante a Copa das Confederações 10 de junho de 2013 Veículo tem tecnologia nacional e baixa emissão de poluentes A Eletra, empresa brasileira

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL. São Paulo - 2012 BRUNO HENRIQUE CESAR ALBUQUERQUE GUILHERME CAVALHEIRO GUILHERME FERREIRA VINICIUS LIMA

ENGENHARIA CIVIL. São Paulo - 2012 BRUNO HENRIQUE CESAR ALBUQUERQUE GUILHERME CAVALHEIRO GUILHERME FERREIRA VINICIUS LIMA ENGENHARIA CIVIL São Paulo - 2012 BRUNO HENRIQUE CESAR ALBUQUERQUE GUILHERME CAVALHEIRO GUILHERME FERREIRA VINICIUS LIMA Sumário Como escolher sua carreira?...3 Bases disciplinares...4 O mar está para

Leia mais

Veículo Urbano Inteligente da ZF: perfeito para a cidade

Veículo Urbano Inteligente da ZF: perfeito para a cidade Página 1/6, 01/07/2015 Veículo Urbano Inteligente da ZF: perfeito para a cidade Manobrabilidade no trânsito urbano com o conceito inovador de eixo dianteiro e motores elétricos montados próximos às rodas

Leia mais

A Feira do Empreendedor 2014 em São Paulo faz parte de um circuito de feiras que será realizado em vários estados da federação.

A Feira do Empreendedor 2014 em São Paulo faz parte de um circuito de feiras que será realizado em vários estados da federação. 1 A Feira do Empreendedor é um evento de sucesso promovido pelo SEBRAE-SP, com o objetivo de oferecer informação, conhecimento e oportunidade para empresários e futuros empreendedores. A Feira do Empreendedor

Leia mais

Sensoriamento A UU L AL A. Um problema. Exemplos de aplicações

Sensoriamento A UU L AL A. Um problema. Exemplos de aplicações A UU L AL A Sensoriamento Atualmente, é muito comum nos depararmos com situações em que devemos nos preocupar com a segurança pessoal e de nossos bens e propriedades. Daí decorre a necessidade de adquirir

Leia mais

COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR

COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR CONTEÚDO 1 2 3 4 5 6 Por que as empresas precisam estar conectadas ao mundo mobile Como os aplicativos mobile podem atrair mais clientes. Como os aplicativos

Leia mais

A paz do campo. NAdA MELhOR do que viver EM uma MORAdA tranquila E ROdEAdA POR MuitO verde

A paz do campo. NAdA MELhOR do que viver EM uma MORAdA tranquila E ROdEAdA POR MuitO verde 40 A paz do campo NAdA MELhOR do que viver EM uma MORAdA tranquila E ROdEAdA POR MuitO verde Abrir A janela e contemplar A natureza, que parece não ter fim. Barulho quase não existe, a não ser o canto

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO MINI- MOTO. Página 1- Indicações de uso AVISOS!

MANUAL DO USUÁRIO MINI- MOTO. Página 1- Indicações de uso AVISOS! MANUAL DO USUÁRIO MINI- MOTO Página 1- Indicações de uso AVISOS! *Não é permitido para pessoas que não entenderam o manual de instruções, dirigirem a mini-moto. *Deve ser utilizado a mistura de gasolina

Leia mais

manhattan R E S I D E N C E C a C h o e i r o d e i t a p e m i r i m

manhattan R E S I D E N C E C a C h o e i r o d e i t a p e m i r i m manhattan R E S I D E N C E C a c h o e i r o d e i t a p e m i r i m Lorenge e Cachoeiro: o melhor da vida em sintonia. A Lorenge chega a Cachoeiro em sintonia com a grande fase que a cidade está passando.

Leia mais

Uma experiência sensorial

Uma experiência sensorial Uma experiência sensorial C o m e s t e p r o p ó s i t o s u r g i u a M O B LO. Uma empresa brasileira que desenvolve mobiliário único e diferente, com tecnologia própria e matérias primas nacionais.

Leia mais

Normas gerais de circulação e conduta

Normas gerais de circulação e conduta Normas gerais de circulação e conduta É muito importante a leitura do Capítulo III Normas Gerais de Circulação e Conduta, que vai dos artigos 26 ao 67, contidos no Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

Leia mais

Jardins urbanos suspensos

Jardins urbanos suspensos Jardins urbanos suspensos Retirado do site: Mercado Ético - 16/06/2011 12:22:58 Seu nome é Jardins de Cristal (Crystal Gardens), uma referência direta à interessante combinação de vidro e verde. Mas os

Leia mais

No ritmo da criação OPORTUNIDADE

No ritmo da criação OPORTUNIDADE Shutterstock POR BRUNO MORESCHI No ritmo da criação Nosso país ainda caminha a passos lentos quando o assunto é economia criativa. Mas as incubadoras podem ajudar a recuperar o tempo perdido Da música

Leia mais

BOM PRA CABEÇA. N o 4 PASSATEMPOS

BOM PRA CABEÇA. N o 4 PASSATEMPOS BOM PRA CABEÇA N o 4 PASSATEMPOS Você escolheu o melhor! Seja bem-vindo(a), você está no melhor, mais confortável e seguro meio de transporte do Brasil. O Sistema Rodoviário de Transporte de Passageiros

Leia mais

RUMO CERTO. Investimento seguro. Boletim informativo da F A Oliva & Cia. Ltda. Nº 30 - Julho / Agosto / Setembro de 2015. ANOS construindo sonhos

RUMO CERTO. Investimento seguro. Boletim informativo da F A Oliva & Cia. Ltda. Nº 30 - Julho / Agosto / Setembro de 2015. ANOS construindo sonhos RUMO CERTO ANOS construindo sonhos Boletim informativo da F A Oliva & Cia. Ltda. Nº 30 - Julho / Agosto / Setembro de 2015 Investimento seguro imóveis da f a oliva são ótimas opções para aplicar seu dinheiro

Leia mais

Mais do que um lugar para viver, uma história.

Mais do que um lugar para viver, uma história. Solar Bezerra de Menezes. Mais do que um lugar para viver, uma história. Três grandes e frondosas árvores de juazeiro, localizadas a 13 km da cidade do Crato, faziam sombra para comboieiros, homens que

Leia mais

Plataformas Aéreas de Trabalho & Manipuladores Telescópicos

Plataformas Aéreas de Trabalho & Manipuladores Telescópicos Plataformas Aéreas de Trabalho & Manipuladores Telescópicos Mills, uma História Entrelaçada ao Desenvolvimento do Brasil Fundada em 1952, a Mills tornou-se líder na prestação de serviços e soluções de

Leia mais

O MAIOR E MAIS INFLUENTE PROJETO GASTRONÔMICO DO PAÍS.

O MAIOR E MAIS INFLUENTE PROJETO GASTRONÔMICO DO PAÍS. O MAIOR E MAIS INFLUENTE PROJETO GASTRONÔMICO DO PAÍS. O Guia Comer & Beber Os Eventos Comer & Beber Comer & Beber Digital Envolvimento da Marca Proposta Comercial Patrocínio Nacional Apoio Nacional Apoio

Leia mais

AGORA, OS OUTROS FICARAM NO PASSADO.

AGORA, OS OUTROS FICARAM NO PASSADO. AGORA, OS OUTROS FICARAM NO PASSADO. E M P R E S A R I A L UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO MELHOR Localização Reta da Penha: o coração empresarial da Grande Vitória. CANAL DE Camburi A Avenida Nossa

Leia mais

Portamaris CLUB CONDOMINIUM

Portamaris CLUB CONDOMINIUM twob Incorporação e construção: Projeto arquitetônico: Projeto paisagístico: Arquitetura de interiores: DANIEL & ISIDRO ARQUITETOS Projeto arquitetônico: Daniel & Isidro Arquitetos. Projeto paisagístico:

Leia mais

EDIÇÃO ESPECIAL LAMIECCO NA CASA COR

EDIÇÃO ESPECIAL LAMIECCO NA CASA COR News Uma publicação de Lamiecco Plásticos Ltda - Ano 2 - número 9 - julho de 2009 EDIÇÃO ESPECIAL LAMIECCO NA CASA COR Editorial Por Alexandre Figueiró - Diretor Se existe algum segredo para a concretização

Leia mais

ESTRADA REAL. Melhor época

ESTRADA REAL. Melhor época ESTRADA REAL Bem-vindo(a) ao Brasil do século XVIII. Era ao longo destes caminhos que as coisas aconteciam durante os 100 anos em que este foi o eixo produtivo mais rico do jovem país que se moldava e

Leia mais

A em pre sa. Institucional. Edifício Waterloo

A em pre sa. Institucional. Edifício Waterloo A em pre sa Institucional Desde 2003 no mercado do Vale do Aço, a Costa Construtora investe em qualidade e tecnologia com o objetivo de atender toda a demanda na área de construção civil e melhorar o desempenho

Leia mais

A perfeição da obra está na beleza de cada detalhe.

A perfeição da obra está na beleza de cada detalhe. A perfeição da obra está na beleza de cada detalhe. A felicidade tem endereço certo. Residencial. Privilegiado. Completo. É assim o Bairro de Fátima. Uma das regiões mais valorizadas de Fortaleza. Central,

Leia mais