Universidade Estadual do Centro-Oeste/Centro de Ciências da Saúde - Departamento de Enfermagem - Guarapuava PR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Estadual do Centro-Oeste/Centro de Ciências da Saúde - Departamento de Enfermagem - Guarapuava PR"

Transcrição

1 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE IDOSOS INTERNADOS NA CLINICA MÉDICA E CLÍNICA CIRÚRGICA EM UM HOSPITAL DE GUARAPUAVA PARANÁ Michele Teixeira (CVI-UNICENTRO), Evani Marques Pereira (UNICENTRO), Evani Marques Pereira (Orientadora), Universidade Estadual do Centro-Oeste/Centro de Ciências da Saúde - Departamento de Enfermagem - Guarapuava PR Palavras-chave: Enfermagem, Idoso, Epidemiologia. Resumo O objetivo deste estudo foi traçar o perfil epidemiológico da população idosa internada na clinica médica e cirúrgica de um Hospital da cidade de Guarapuava. Trata-se de um estudo quantitativo, participaram quarenta e nove idosos, de ambos os sexos. Utilizou-se para a coleta de dados segmentos do Brazil Old Age Schedule (BOAS) e atendeu as normas éticas da Resolução 196/96. Para análise dos dados utilizamos o Programa EPIINFO. Permitiu conhecer a realidade social do idoso desta pesquisa caracterizada por mulheres, com idade entre 60 e 69 anos, casados, com escolaridade primária, possuem filhos e não moram sozinhos. O motivo do internamento foram os problemas cardiovasculares (38,8%), demonstrando a necessidade de repensar na reestruturação da promoção e prevenção no âmbito da saúde pública. Introdução A Organização Mundial da Saúde OMS define a população idosa como aquela a partir dos 60 anos de idade, fazendo-se uma distinção quanto ao local de residência desses idosos. Este limite é valido para os países em desenvolvimento, subindo para 65 anos de idade quando se trata de países desenvolvidos. No Brasil o idoso configura um contingente de quase 16 milhões de pessoas 2. A expectativa de vida da população tem aumentado consideravelmente, com isso o número de pessoas idosas está cada vez maior 3. O envelhecimento traz várias mudanças tanto fisiológicas quanto psicossociais para o indivíduo, diante disso, a educação em saúde é muito importante para a prevenção de várias doenças como: hipertensão, diabetes, neoplasias, osteoporose, que são prevalentes na velhice.

2 Materiais e Métodos Caracterizou-se por um estudo exploratório de caráter quantitativo, com idosos internados na clínica médica e cirúrgica do Hospital na cidade de Guarapuava-PR, no período de fevereiro a março de Participaram do estudo 79 idosos, nos quais 15 não possuíam condições neurológicas para responder o questionário e 12 se recusaram a participar. No total participaram 49 idosos com idade igual ou superior a 60 anos, de ambos os sexos. Foi utilizado como base para a coleta de dados segmentos do Brazil Old Age Schedule (BOAS). As entrevistas foram realizadas mediante consentimento livre e esclarecido, sendo garantido sigilo e anonimato aos participantes. O projeto foi aprovado sob o protocolo no /2007 atendendo as normas éticas da Resolução 196/96. A análise dos dados foi com uso do Programa EPIINFO. Resultados e Discussão No que diz respeito aos dados sociais, a população em estudo foi composta por 49 indivíduos com idade igual ou superior a 60 anos, dos quais vinte e cinco (51%) eram do sexo feminino e vinte e quatro (49%) do sexo masculino. A distribuição entre as faixas etárias apresentou vinte e oito (57,1%) dos indivíduos entre 60 e 69 anos; quatorze (28,6%) entre 70 e 79 anos; seis (12,2%) com 80 e 89 anos e um (2%) com 90 anos ou mais. Destaca-se, quanto ao estado conjugal, que vinte e três (46,9%) são casados/morando junto, quatro (8,2%) são divorciados, vinte (40,8%) são viúvos e dois (4,1%) nunca se casou. Quanto à escolaridade, quatorze (28,6%) são analfabetos, trinta e um (63,3%) possui apenas o primário, três (6,1%) possui 2º grau e um (2%) possui ensino superior. Na estrutura familiar observou-se que quarenta e seis (93,9%) tem filhos e dezoito (36,70%) moram pelo menos com uma pessoa. Com o surgimento de doenças o idoso necessita de cuidados e encontra na família sua rede de apoio, neste estado de saúde há a probabilidade do desenvolvimento de sentimentos como fragilidade, dependência, insegurança, medos, tristeza e inutilidade podendo levar a agravos de saúde como a depressão. 4 Em face à hospitalização muitos idosos que antes eram chefes de família, passam desta condição, a depender de cuidadores familiares. Este enfrentamento do idoso e sua família do processo saúde-doença ocasionam necessidades, muitas vezes, de uma nova reestruturação familiar na qual um dos familiares passa a gerenciar o cuidado ao idoso. A perda de sua autonomia e

3 independência leva o idoso, muitas vezes, a insatisfação, o que gera uma busca de melhorar de estar melhor e qualidade de vida. Dos entrevistados, quarenta e um (83,7%) disseram estar satisfeito com sua vida de maneira geral. A satisfação com a vida pode ser definida como uma avaliação geral da própria vida que avalia suas condições de moradia, saúde, trabalho, relações sociais, autonomia entre outros, inclui também suas experiências de vida positivas, refletindo o bem-estar subjetivo individual composto pelos componentes afetivo e cognitivo 5. À medida que um indivíduo envelhece sua qualidade de vida e a satisfação é associada a questões de habilidade de manter sua autonomia e a independência 6. No entanto, este estudo demonstrou que os idoso insatisfeitos com a vida foram (16,3%) os quais apresentaram problemas de saúde, falta de atividades, problemas com moradia e conflito nos relacionamentos pessoais. Em relação ao envelhecimento, este é um processo dinâmico e progressivo que provoca alterações físicas, psicológicas e sociais causando o declínio das mesmas, e aumentando a suscetibilidade as Doenças Crônicas Não- Transmissíveis (DCNT). Com o desenvolvimento de novas tecnologias, a expectativa de vida das pessoas acima dos 60 anos aumentou. Diante disso, 38,8% mencionaram problemas cardiovasculares como causa principal de sua internação e 55,1% relatou que esse problema de saúde atrapalha a fazer as coisas que precisa ou quer fazer. As doenças cardiovasculares são as causas mais freqüentes de óbito na população idosa, conseqüentemente, as incidências das doenças cardiovasculares acompanharam o processo de envelhecimento 7. Nesta pesquisa, quando questionados em relação ao tempo que tem sofrido com estas doenças treze (31,7%) dizem ter a doença de 13 meses a 6 anos e oito (19,5%) de 7 anos a 12 anos. Quando perguntados se possui problemas nos pés que inibe a mobilidade 11 (22,4%) relataram que sim. Ainda, dezessete (34,7%) possuem problemas nas articulações dos braços, pernas, mãos e pés. Entretanto, oito (16,3%) relataram ter tido queda e três (6,1%) referiu fratura em membros superiores como conseqüência. O equilíbrio do idoso pode sofrer alterações devido a postura fletida, os passos curtos, o movimento rígido da cintura pélvica e escapular, a diminuição da visão e audição e a marcha lenta. Com o equilíbrio alterado pode sofrer queda ocasionando complicações no desenvolvimento das atividades de vida diária 8. Na população estudada, 44,9% relataram estar com a audição ruim e 55,1% disseram que a audição ruim atrapalha a fazer as atividades. Em relação a visão, 55,1% relataram estar com a visão ruim e 61,2% disseram que a visão ruim atrapalha a fazer as atividades.

4 A pesquisa mostra que vinte e três (46,9%) possuem perda de urina involuntariamente seja porque não deu tempo de chegar ao banheiro, ou quando está dormindo, ou quando tosse ou espirra, ou faz força. Destes, (20,4%) relatou que em uma freqüência de uma a duas vezes por semana apresentam incontinência urinária. Quanto ao uso de medicamentos, os sujeitos desse estudo demonstraram que 43 (87,8%) fazem uso de medicamentos e quarenta (81,6%) disseram usar o serviço médico de instituição pública gratuita quando necessita de atendimento de saúde, e ainda, quarenta e um (83,7%) disseram que o médico foi o responsável pela indicação do medicamento. A medicação mais utilizada pelos idosos na pesquisa foi o hipotensor arterial com vinte e nove (59,2%) de uso. No paciente idoso a terapia com hipotensor arterial deve ser utilizada com cautela, para que os sistemas renal e hepático não sejam comprometidos em relação a sua função 7. Conclusões O idoso apesar de sua doença crônica, hospitalização e medicalização possui uma percepção positiva em relação em sua vida e se diz satisfeito. Este fato ficou comprovado com quarenta e um (83,7%) dos entrevistados, que o idoso demonstrou satisfação em relação as suas condições de moradia, saúde, trabalho, relações sociais, autonomia entre outros. A relevância desse trabalho nos permitiu conhecer a realidade social do idoso residente no Município de Guarapuava onde a maioria dos entrevistados é composta por mulheres, com idade entre 60 e 69 anos, casados, com escolaridade primária, possuem filhos e não moram sozinhos. Outro aspecto importante foi o fato de 38,8% mencionar os problemas cardiovasculares como a principal causa de internação. Este dado nos remete a uma reflexão ao cuidado específico do idoso com problemas cardiovasculares, uma vez que, este alto índice apresentado no estudo demonstra uma necessidade de repensar na reestruturação da promoção e prevenção no âmbito da saúde publica. O enfermeiro deve conhecer as alterações decorrentes do envelhecimento para poder detectar precocemente os fatores de risco associados às Doenças Crônicas Não-Transmissíveis (DCNT). Além, da implantação da assistência sistematizada para o cuidado proporcionando o bem-estar, autonomia, independência e qualidade de vida.

5 Referências Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Censo Demográfico, Rio de Janeiro; Ministério da Saúde. DATASUS População Residente Brasil, segundo região. Período de Disponível em: < Acessado em: 12 ago Smeltzer, S.C; Bare, B.G; Brunner e Suddarth: Tratado de Enfermagem Médico-Cirúrgica. 8a. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; Neri, A.L. Qualidade de vida no adulto maduro. Interpretações teóricas e evidências de pesquisa. In Neri AL. Qualidade de vida e idade adulta. 2a. ed. Campinas: Papirus; Albuquerque, A.S; Tróccoli, B.T. Desenvolvimento de uma escala de bemestar subjetivo. Psicol Teoria Pes. 2004;20: Organização Mundial da Saúde. Organização Pan- Americana da Saúde. Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Brasília: OMS/OPAS; Al Khaja, J.K.A; Sequeira, R.P; Mathur, V.S. Prescribing patterns and therapeutic implications for diabetic hypertension in Bahrain. Ann Pharmacother. 2001;35: Caldas, C.P. A Saúde do Idoso: a arte de cuidar. In: Caldas CP. Cuidados Relativos as Alterações Urinarias. Rio de Janeiro: EdUERJ; p Ministério da Saúde. Política Nacional de Saúde da Pessoa Portadora de Deficiência Pub. L. N ; Disponível em: Acessado em 14 abr Perry, A.G; Potter, P.A. Fundamentos de Enfermagem. 6º Edição. Rio de Janeiro:Editora Elsevier; p

INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO

INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO Rosângela Alves Almeida Bastos - Universidade Federal da Paraíba- email: rosalvesalmeida2008@hotmail.com Maria das Graças Melo Fernandes

Leia mais

PERFIL DE CUIDADORES DOMICILIARES E DE IDOSOS ASSISTIDOS NA ATENÇÃO BÁSICA DO MUNICÍPIO DE FOZ DO IGUAÇU- PR

PERFIL DE CUIDADORES DOMICILIARES E DE IDOSOS ASSISTIDOS NA ATENÇÃO BÁSICA DO MUNICÍPIO DE FOZ DO IGUAÇU- PR 25 a 28 de Outubro de 21 ISBN 978-85-8084-5-1 PERFIL DE CUIDADORES DOMICILIARES E DE IDOSOS ASSISTIDOS NA ATENÇÃO BÁSICA DO MUNICÍPIO DE FOZ DO IGUAÇU- PR Ângela Caroline Fachinello 1, Marieta Fernandes

Leia mais

SINTOMAS DEPRESSIVOS, VARIÁVEIS SOCIODEMOGRÁFICAS E MORBIDADES AUTORREFERIDAS EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS

SINTOMAS DEPRESSIVOS, VARIÁVEIS SOCIODEMOGRÁFICAS E MORBIDADES AUTORREFERIDAS EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS SINTOMAS DEPRESSIVOS, VARIÁVEIS SOCIODEMOGRÁFICAS E MORBIDADES AUTORREFERIDAS EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS Karoline de Lima Alves UFPB/ e-mail: krol_lima_17@hotmail.com 1 Marcella Costa Souto Duarte UFPB/

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 6CCSDEMCAMT03-P ESTUDO DAS DROGAS: IMPORTÂNCIA PARA OS DISCENTES DE ENFERMAGEM NO CENÁRIO DE PRÁTICA Lucilla Vieira Carneiro (2), Patrícia Serpa de Souza Batista (3), Jacira dos Santos Oliveira (4) Centro

Leia mais

GRUPOS DE TERAPIA OCUPACIONAL NA ESTIMULAÇÃO COGNITIVA DE IDOSOS QUE RESIDEM EM INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA.

GRUPOS DE TERAPIA OCUPACIONAL NA ESTIMULAÇÃO COGNITIVA DE IDOSOS QUE RESIDEM EM INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA. GRUPOS DE TERAPIA OCUPACIONAL NA ESTIMULAÇÃO COGNITIVA DE IDOSOS QUE RESIDEM EM INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA. ANTUNES 1, Brenda; GOMES 2, Elaine; MORAES 3, Berla; SILVA 4, Daniele. RESUMO EM LÍNGUA

Leia mais

O IMPACTO DA DOR CRÔNICA NA VIDA DAS PESSOAS QUE ENVELHECEM

O IMPACTO DA DOR CRÔNICA NA VIDA DAS PESSOAS QUE ENVELHECEM O IMPACTO DA DOR CRÔNICA NA VIDA DAS PESSOAS QUE ENVELHECEM Eliane de Sousa Leite. Universidade Federal de Campina Grande/UFCG. Email: elianeleitesousa@yahoo.com.br. Jéssica Barreto Pereira. Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Cargo: ENFERMEIRO/ÁREA 1. DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO CARGO: Prestar assistência ao paciente e/ou usuário em clínicas, hospitais, ambulatórios, navios, postos de saúde e em domicílio, realizar consultas e procedimentos

Leia mais

MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE

MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE Karolayne Germana Leal e Silva e-mail: karolaynegermana@hotmail.com Magna Adriana de Carvalho e-mail: magnacreas@hotmail.com

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. OTAVIO LEITE) Regulamenta a Profissão de Cuidador de Pessoa, delimita o âmbito de atuação, fixa remuneração mínima e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO

A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO SATO, Camila Massae 1 Palavras-chave: Idoso, AIDS, conhecimento Introdução A população idosa brasileira

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUIDADOS PREVENTIVOS PARA O ENVELHECER SAUDÁVEL E ATIVO

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUIDADOS PREVENTIVOS PARA O ENVELHECER SAUDÁVEL E ATIVO TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUIDADOS PREVENTIVOS PARA O ENVELHECER SAUDÁVEL E ATIVO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO SOCIAL INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS DE BOTUCATU

Leia mais

TRABALHADORES DE ENFERMAGEM E OS IDOSOS HOSPITALIZADOS: UMA PROPOSTA DE INVESTIGAÇÃO

TRABALHADORES DE ENFERMAGEM E OS IDOSOS HOSPITALIZADOS: UMA PROPOSTA DE INVESTIGAÇÃO TRABALHADORES DE ENFERMAGEM E OS IDOSOS HOSPITALIZADOS: UMA PROPOSTA DE INVESTIGAÇÃO JULIANA PETRI TAVARES 1 CARMEM LÚCIA COLOMÉ BECK 2 ROSÂNGELA MARION 3 SUSAN BUBLITZ 4 SABRINA MEDIANEIRA WIETHAN QUINHONES

Leia mais

O acelerado ritmo de envelhecimento no Brasil cria novos desafios para a sociedade brasileira contemporânea. O envelhecimento ocorre num cenário de

O acelerado ritmo de envelhecimento no Brasil cria novos desafios para a sociedade brasileira contemporânea. O envelhecimento ocorre num cenário de Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Programa de Melhoria da Qualidade de Vida dos Idosos Institucionalizados Área Temática de Saúde Resumo

Leia mais

Programa Melhoria da Qualidade de Vida dos Idosos Institucionalizados

Programa Melhoria da Qualidade de Vida dos Idosos Institucionalizados Programa Melhoria da Qualidade de Vida dos Idosos Institucionalizados SIEXBRASIL: 17805 Área Temática Principal: Saúde Autores Professora Leani Souza Máximo Pereira - Doutora em Ciências Biológicas/UFMG

Leia mais

Universidade Aberta à Terceira Idade da Universidade do Sagrado Coração (UATI/USC): estudo de caso

Universidade Aberta à Terceira Idade da Universidade do Sagrado Coração (UATI/USC): estudo de caso teses Universidade Aberta à Terceira Idade da Universidade do Sagrado Coração (UATI/USC): estudo de caso Open university for senior citizens at the Sagrado Coração university: a case study Ao mesmo tempo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS DIABETES MELLITUS E AUTOAVALIAÇÃO DE SAÚDE EM IDOSOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS DIABETES MELLITUS E AUTOAVALIAÇÃO DE SAÚDE EM IDOSOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS DIABETES MELLITUS E AUTOAVALIAÇÃO DE SAÚDE EM IDOSOS ÉRICA QUINTILIANO OLIVEIRA DOURADOS MS 2015 ÉRICA QUINTILIANO OLIVEIRA DIABETES MELLITUS E AUTOAVALIAÇÃO DE

Leia mais

ESTRESSE OCUPACIONAL DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

ESTRESSE OCUPACIONAL DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTRESSE OCUPACIONAL DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Cristiane Luchtenberg 1 ; Rosangela Costa 1 ; Willian Augusto

Leia mais

PERFIL DE IDOSOS RESIDENTES EM UMA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA NA CIDADE DE MOSSORÓ

PERFIL DE IDOSOS RESIDENTES EM UMA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA NA CIDADE DE MOSSORÓ PERFIL DE IDOSOS RESIDENTES EM UMA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA NA CIDADE DE MOSSORÓ INTRODUÇÃO O envelhecimento populacional é hoje um fenômeno universal, observado tanto nos países desenvolvidos

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE A PARTIR DO PERFIL SÓCIO- DEMOGRÁFICO DE IDOSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA.

EDUCAÇÃO EM SAÚDE A PARTIR DO PERFIL SÓCIO- DEMOGRÁFICO DE IDOSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA. EDUCAÇÃO EM SAÚDE A PARTIR DO PERFIL SÓCIO- DEMOGRÁFICO DE IDOSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA. Resumo CAMPOS, Zípora de Oliveira 1 ; FREIBERGER, Caroline de Oliveira 2 ; MARISCO, Nara da Silva

Leia mais

ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM CARACTERIZANDO O IDOSO PORTADOR DE HIPERTENSÃO: UM RELATO DE EPXERIÊNCIA

ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM CARACTERIZANDO O IDOSO PORTADOR DE HIPERTENSÃO: UM RELATO DE EPXERIÊNCIA ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM CARACTERIZANDO O IDOSO PORTADOR DE HIPERTENSÃO: UM RELATO DE EPXERIÊNCIA Jeferson Santos Araujo 1 Lucialba Maria Silva dos Santos 1 Ralrizônia Fernandes Sousa 1 Silvio Éder Dias

Leia mais

PERFIL DE IDOSOS COM ALTERAÇÕES PODAIS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA

PERFIL DE IDOSOS COM ALTERAÇÕES PODAIS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA PERFIL DE IDOSOS COM ALTERAÇÕES PODAIS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA INTRODUÇÃO Saemmy Grasiely Estrela de Albuquerque 1 Mayara Muniz Dias Rodrigues 2 Maria das Graças Melo Fernandes 3 Fabiana

Leia mais

Ao Agente Comunitário de Saúde:

Ao Agente Comunitário de Saúde: : COMO IDENTIFICAR O IDOSO E O SEU CUIDADOR NA VISITA DOMICILIAR Pesquisadora CNPq Grupo de Pesquisa Epidemiologia do Cuidador Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP Bolsista de Produtividade

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE ALTERAÇÕES DE EQUILÍBRIO E A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS

A RELAÇÃO ENTRE ALTERAÇÕES DE EQUILÍBRIO E A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS A RELAÇÃO ENTRE ALTERAÇÕES DE EQUILÍBRIO E A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS Autor José André Ramos Gouveia; Orientadora: Isabella Dantas da Silva; Co-autores: Lorena Maria Brito Neves Pereira; Gabriela Brasileiro

Leia mais

Desafios da maturidade

Desafios da maturidade Desafios da maturidade PATRÍCIA ESTER Ação de extensão da UFMG enfrenta contratempos após trajetória de mais de duas décadas Foto: patientsafetyauthority.org Q uando a velhice chega, poucos sabem para

Leia mais

A RELEVÂNCIA DO CUIDADO DA ENFERMAGEM PARA SAÚDE MENTAL DO IDOSO

A RELEVÂNCIA DO CUIDADO DA ENFERMAGEM PARA SAÚDE MENTAL DO IDOSO A RELEVÂNCIA DO CUIDADO DA ENFERMAGEM PARA SAÚDE MENTAL DO IDOSO Ianine Alves da Rocha¹, Aralinda Nogueira Pinto¹, L enilma Bento de Araújo Meneses¹, Lucineide Alves Vieira Braga¹, Ana Neri A lves da Rocha¹,

Leia mais

PERCEPÇÃO DA INSATISFAÇÃO COM A IMAGEM CORPORAL E AUTOESTIMA DE IDOSAS DE UM PROGRAMA DE PROMOÇÃO À SAÚDE

PERCEPÇÃO DA INSATISFAÇÃO COM A IMAGEM CORPORAL E AUTOESTIMA DE IDOSAS DE UM PROGRAMA DE PROMOÇÃO À SAÚDE PERCEPÇÃO DA INSATISFAÇÃO COM A IMAGEM CORPORAL E AUTOESTIMA DE IDOSAS DE UM PROGRAMA DE PROMOÇÃO À SAÚDE Jarlson Carneiro Amorim da Silva¹, Luciano Meireles de Pontes² ¹Programa Associado de Pós-graduação

Leia mais

TÍTULO: CORRELAÇÃO ENTRE COGNIÇÃO E FUNCIONALIDADE EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

TÍTULO: CORRELAÇÃO ENTRE COGNIÇÃO E FUNCIONALIDADE EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE TÍTULO: CORRELAÇÃO ENTRE COGNIÇÃO E FUNCIONALIDADE EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA AUTOR(ES):

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS Michele Muller 1 Gabriele Bester Hermes 2 Liziane Maahs Flores 3 1 Apresentadora, Acadêmica do Curso

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Hipertensão. Diabetes mellitus. Obesidade abdominal.

PALAVRAS-CHAVE Hipertensão. Diabetes mellitus. Obesidade abdominal. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA 1 ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PET-Saúde

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: SAÚDE DO ADULTO I Código: ENF - 206 CH Total: 90h Pré-Requisito: Nenhum Período

Leia mais

ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA O X PROGRAMA TRAINEE ENFERMEIRO 2014

ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA O X PROGRAMA TRAINEE ENFERMEIRO 2014 ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA O X PROGRAMA TRAINEE ENFERMEIRO 2014 O Hospital Estadual Mário Covas, mantendo seus princípios quanto ao atendimento médico-hospitalar de alta complexidade, resolutividade e,

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS CASOS DE VIOLÊNCIA NA POPULAÇÃO ACIMA DE 60 ANOS NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE-PB

AVALIAÇÃO DOS CASOS DE VIOLÊNCIA NA POPULAÇÃO ACIMA DE 60 ANOS NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE-PB AVALIAÇÃO DOS CASOS DE VIOLÊNCIA NA POPULAÇÃO ACIMA DE 60 ANOS NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE-PB INTRODUÇÃO Anna Flávia Martins Diniz 1 Janine Florêncio de Souza 2 Jéssica Oliveira Rodrigues 3 Natália

Leia mais

CUIDADORES FORMAIS DE IDOSOS COM TRANSTORNOS MENTAIS: CONCEPÇÕES SOBRE AS DOENÇAS E SOBRE A TAREFA DO CUIDAR

CUIDADORES FORMAIS DE IDOSOS COM TRANSTORNOS MENTAIS: CONCEPÇÕES SOBRE AS DOENÇAS E SOBRE A TAREFA DO CUIDAR CUIDADORES FORMAIS DE IDOSOS COM TRANSTORNOS MENTAIS: CONCEPÇÕES SOBRE AS DOENÇAS E SOBRE A TAREFA DO CUIDAR Ana Paula Freitas; apfreitas@trilhasat.com.br Jessica Ferreira da Silva; jessicafs01@hotmail.com

Leia mais

TÍTULO: DADOS EPIDEMIOLÓGICOS OBRE CÂNCER DE MAMA E COLO UTERINO ENTRE MULHERES DE BAIXA RENDA DA CIDADE DE LINS SP

TÍTULO: DADOS EPIDEMIOLÓGICOS OBRE CÂNCER DE MAMA E COLO UTERINO ENTRE MULHERES DE BAIXA RENDA DA CIDADE DE LINS SP Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: DADOS EPIDEMIOLÓGICOS OBRE CÂNCER DE MAMA E COLO UTERINO ENTRE MULHERES DE BAIXA RENDA DA CIDADE

Leia mais

PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO

PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO 1322 PROCESSO DE TRABALHO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ENQUANTO MORADOR E TRABALHADOR DE SAÚDE INSERIDO NO MESMO TERRITÓRIO Janyelle Silva Mendes¹;Juliana Alves Leite Leal² 1. Graduanda do Curso de Enfermagem,

Leia mais

PERFIL CLÍNICO E SOCIODEMOGRÁFICO DE INTERNAÇÃO DE IDOSOS NA UNIDADE DE EMERGÊNCIA DE UM HOSPITAL GERAL

PERFIL CLÍNICO E SOCIODEMOGRÁFICO DE INTERNAÇÃO DE IDOSOS NA UNIDADE DE EMERGÊNCIA DE UM HOSPITAL GERAL PERFIL CLÍNICO E SOCIODEMOGRÁFICO DE INTERNAÇÃO DE IDOSOS NA UNIDADE DE EMERGÊNCIA DE UM HOSPITAL GERAL Bárbara Silva e Silva Cunha 1 Amanda Silva Nascimento 2 Selma Petra Chaves Sá 3 resumo O objetivo

Leia mais

PALAVRAS-CHAVES: Qualidade de vida. Idosos. Atividade física. Benefícios.

PALAVRAS-CHAVES: Qualidade de vida. Idosos. Atividade física. Benefícios. 197 QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS. Pricila Aparecida de Oliveira Cláudia Christina Mendes Rocha Deyliane Aparecida de Almeida Pereira RESUMO O objetivo deste estudo foi

Leia mais

ENVELHECIMENTO HUMANO E QUALIDADE DE VIDA NO CENÁRIO ACADÊMICO EM TERESINA PIAUÍ

ENVELHECIMENTO HUMANO E QUALIDADE DE VIDA NO CENÁRIO ACADÊMICO EM TERESINA PIAUÍ ENVELHECIMENTO HUMANO E QUALIDADE DE VIDA NO CENÁRIO ACADÊMICO EM TERESINA PIAUÍ Fabiana Soares de Almeida-FACID email-f.abby.almeida@hotmail.com INTRODUÇÃO O envelhecimento humano é um processo natural,

Leia mais

Amil alerta sobre obesidade infantil com apelo das próprias crianças: diga não!

Amil alerta sobre obesidade infantil com apelo das próprias crianças: diga não! Amil alerta sobre obesidade infantil com apelo das próprias crianças: diga não! Um dos maiores problemas enfrentados pelos pais na educação alimentar dos filhos é conseguir entender a linha tênue entre

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Saúde da mulher. Prevenção. Neoplasia. Atenção Primária de Saúde.

PALAVRAS-CHAVE Saúde da mulher. Prevenção. Neoplasia. Atenção Primária de Saúde. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE

Leia mais

COMUNICAÇÃO TERAPÊUTICA ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE IDOSO EM PÓS-OPERATÓRIO

COMUNICAÇÃO TERAPÊUTICA ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE IDOSO EM PÓS-OPERATÓRIO COMUNICAÇÃO TERAPÊUTICA ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE IDOSO EM PÓS-OPERATÓRIO Kaisy Pereira Martins - UFPB kaisyjp@hotmail.com Kátia Neyla de Freitas Macêdo Costa UFPB katianeyla@yahoo.com.br Tatiana Ferreira

Leia mais

O PROCESSO DE CUIDAR DO IDOSO QUE CUIDA DE OUTRO IDOSO: UM CONTEXTO INTRAFAMILIAR - Maykon dos Santos Marinho

O PROCESSO DE CUIDAR DO IDOSO QUE CUIDA DE OUTRO IDOSO: UM CONTEXTO INTRAFAMILIAR - Maykon dos Santos Marinho O PROCESSO DE CUIDAR DO IDOSO QUE CUIDA DE OUTRO IDOSO: UM CONTEXTO INTRAFAMILIAR Maykon dos Santos Marinho Mayckon_ufba@hotmail.com Estudante, Curso Enfermagem Universidade Federal da Bahia (UFBA) Vitória

Leia mais

ENVELHECIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO: O DESAFIO DA CAPACIDADE FUNCIONAL

ENVELHECIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO: O DESAFIO DA CAPACIDADE FUNCIONAL ENVELHECIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO: O DESAFIO DA CAPACIDADE FUNCIONAL Jorcely Victório Franco 1 José Rodrigo de Moraes 2 Palavras-chave: Envelhecimento; Funcionalidade; Modelo RESUMO O envelhecimento

Leia mais

Paridade. puerperais Não 24 45,3. neonatal Não 34 63,0 19 35,8 29 54,7

Paridade. puerperais Não 24 45,3. neonatal Não 34 63,0 19 35,8 29 54,7 PERCEPÇÃO DA PUÉRPERA EM RELAÇÃO À ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA Viana, J.C 1 ; Mota, L.L 2 ; Corrêa, A.L³; Perroni, C. A. 4 jamilli-viana@bol.com.br; lidiener @hotmail.com.br;

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO LUIZA MACHADO COORDENADORA Objetivo estratégico do MS relacionado ao envelhecimento

Leia mais

TÍTULO: A INFLUÊNCIA DA DANÇA DO VENTRE NOS SINTOMAS DEPRESSIVOS EM IDOSAS DA COMUNIDADE

TÍTULO: A INFLUÊNCIA DA DANÇA DO VENTRE NOS SINTOMAS DEPRESSIVOS EM IDOSAS DA COMUNIDADE Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: A INFLUÊNCIA DA DANÇA DO VENTRE NOS SINTOMAS DEPRESSIVOS EM IDOSAS DA COMUNIDADE CATEGORIA:

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

SUMÁRIO. 1.Histórico 2. 2. Legislação pertinente 2. 3. Análise 3. 4. Considerações 5. 5. Conclusão 7. 6. Referências 7.

SUMÁRIO. 1.Histórico 2. 2. Legislação pertinente 2. 3. Análise 3. 4. Considerações 5. 5. Conclusão 7. 6. Referências 7. Coordenação Geral das Câmaras Técnicas Câmara Técnica de Gestão e Assistência em Enfermagem CTGAE Comissão de Gestão do Cuidado na Média e Alta Complexidade PAD nº 800/2013 Parecer CTGAE nº 002/2013 EMENTA:

Leia mais

O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE

O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE ISSN: 1981-3031 O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE Eva Pauliana da Silva Gomes 1. Givanildo da Silva 2. Resumo O presente

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO Nº 23/2014 PROFESSOR SUBSTITUTO

EDITAL DE SELEÇÃO Nº 23/2014 PROFESSOR SUBSTITUTO MINISTÉRI MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário - Viçosa, MG - 36570-000 - Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail:

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE EDITAL Nº 18, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2012.

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE EDITAL Nº 18, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2012. EDITAL Nº 18, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2012. O Diretor do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, da Universidade Federal de Campina Grande, Campus de Campina Grande PB, na forma do que dispõe a Portaria

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA 1/7 PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ENFERMAGEM CLÍNICA E CIRÚRGICA CÓDIGO: ENB041 CARGA HORÁRIA TEÓRICA 75H CARGA HORÁRIA PRÁTICA 105H CRÉDITOS 12 VERSÃO CURRICULAR: 2010/2 PERÍODO: 6º DEPTO: ENB PRÉ-REQUISITOS

Leia mais

ANÁLISE DE ASPECTOS NUTRICIONAIS EM IDOSOS ADMITIDOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

ANÁLISE DE ASPECTOS NUTRICIONAIS EM IDOSOS ADMITIDOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA ANÁLISE DE ASPECTOS NUTRICIONAIS EM IDOSOS ADMITIDOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Belarmino Santos de Sousa Júnior¹ ; Fernando Hiago da Silva Duarte²; Ana Elza da Silva Mendonça³ ¹ Acadêmico de Enfermagem

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA PED PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA CIDADE DE SANTOS Setembro - 2014 OBJETIVO Os principais objetivos desta pesquisa são conhecer e divulgar a situação do emprego e desemprego na cidade de Santos,

Leia mais

DOR TORÁCICA: ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NA UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO Marques, C.P.¹, Rubio, L.F.², Oliveira, M.S.³, Leit e, F.M.N. 4, Machado, R.C.

DOR TORÁCICA: ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NA UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO Marques, C.P.¹, Rubio, L.F.², Oliveira, M.S.³, Leit e, F.M.N. 4, Machado, R.C. DOR TORÁCICA: ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NA UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO Marques, C.P.¹, Rubio, L.F.², Oliveira, M.S.³, Leit e, F.M.N. 4, Machado, R.C. 5 1,2,3,4,5 Universidade do Vale Paraíba/Faculdade de

Leia mais

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição.

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Projeto Ação Social Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Objetivo Geral: A equipe de Nutrição teve por objetivo atender aos pacientes

Leia mais

A PRÁTICA DA TERAPIA OCUPACIONAL NA ESTIMULAÇÃO COGNITIVA DE IDOSOS QUE FREQUENTAM CENTRO DE CONVIVÊNCIA.

A PRÁTICA DA TERAPIA OCUPACIONAL NA ESTIMULAÇÃO COGNITIVA DE IDOSOS QUE FREQUENTAM CENTRO DE CONVIVÊNCIA. A PRÁTICA DA TERAPIA OCUPACIONAL NA ESTIMULAÇÃO COGNITIVA DE IDOSOS QUE FREQUENTAM CENTRO DE CONVIVÊNCIA. MEDEIROS 1, Halessandra; MORAES 2, Berla; PEDROSA 3, Mayra; RIBEIRO 4, Lys. RESUMO Este estudo

Leia mais

SISTEMAS RENAL E URINÁRIO. Enf. Juliana de S. Alencar HC/UFTM Dezembro de 2011

SISTEMAS RENAL E URINÁRIO. Enf. Juliana de S. Alencar HC/UFTM Dezembro de 2011 SISTEMAS RENAL E URINÁRIO Enf. Juliana de S. Alencar HC/UFTM Dezembro de 2011 CONSIDERAÇÕES GERAIS É de extrema importância para a vida a função adequada dos sistemas renal e urinário. A principal função

Leia mais

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL Ocilma Barros de Quental. Faculdade de Medicina do ABC(ocilmaquental2011@hotmail.com) Sheylla Nadjane Batista Lacerda.

Leia mais

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012.

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Layz Dantas de Alencar 1 - layzalencar@gmail.com Rosimery

Leia mais

CATETERISMO VESICAL INTERMITENTE

CATETERISMO VESICAL INTERMITENTE Revisão: PÁG: 1 CONCEITO É a introdução de um cateter estéril através da uretra até a bexiga, com o objetivo de drenar a urina. FINALIDADE Esvaziamento da bexiga em pacientes com comprometimento ou ausência

Leia mais

Yeda Duarte Maria Lucia Lebrão Daniella Pires Nunes Tabatta Renata P Brito

Yeda Duarte Maria Lucia Lebrão Daniella Pires Nunes Tabatta Renata P Brito Yeda Duarte Maria Lucia Lebrão Daniella Pires Nunes Tabatta Renata P Brito United Nations, 2007 Todas as idades aumentarão 35% United Nations, 2007 Entre 65 e 84 anos aumentará 164% United Nations, 2007

Leia mais

ESCOLA DE ENFERMAGEM COMISSÃO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM ATIVIDADE ESTÁGIO CURRICULAR II TACIANA MADRUGA SCHNORNBERGER

ESCOLA DE ENFERMAGEM COMISSÃO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM ATIVIDADE ESTÁGIO CURRICULAR II TACIANA MADRUGA SCHNORNBERGER ESCOLA DE ENFERMAGEM COMISSÃO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM ATIVIDADE ESTÁGIO CURRICULAR II TACIANA MADRUGA SCHNORNBERGER RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR II: Serviços da Rede Básica Porto Alegre

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO AMBIENTE DOMÉSTICO NA INCIDÊNCIA DE QUEDAS EM IDOSOS

A INFLUÊNCIA DO AMBIENTE DOMÉSTICO NA INCIDÊNCIA DE QUEDAS EM IDOSOS A INFLUÊNCIA DO AMBIENTE DOMÉSTICO NA INCIDÊNCIA DE QUEDAS EM IDOSOS GIDEON BITTENCOURT MOTTA CARINE PEREIRA DE LEMOS GECIELY MUNARETTO FOGAÇA DE ALMEIDA RACHEL SCHLINDWEIN-ZANINI Centro Universitário

Leia mais

GERENCIAMENTO de Casos Especiais

GERENCIAMENTO de Casos Especiais GERENCIAMENTO de Casos Especiais Gerenciamento de Casos Especiais.indd 1 19/10/2015 15:32:28 Gerenciamento de Casos Especiais Objetivo: Facilitar o atendimento aos clientes que apresentam dificuldades

Leia mais

ANÁLISE DA IMAGEM E ESQUEMA CORPORAL DE CRIANÇAS COM SÍNDROME DE DOWN

ANÁLISE DA IMAGEM E ESQUEMA CORPORAL DE CRIANÇAS COM SÍNDROME DE DOWN ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 ANÁLISE DA IMAGEM E ESQUEMA CORPORAL DE CRIANÇAS COM SÍNDROME DE DOWN Anecaroline Gomes Davina 1

Leia mais

EDITAL 01/2016 RETIFICADO

EDITAL 01/2016 RETIFICADO EDITAL 01/2016 RETIFICADO Dispõe sobre a abertura de inscrições ao para as funções de Artesão, Auxiliar Administrativo, Auxiliar de Serviços Gerais, Enfermeiro, Fonoaudiólogo,Jornalista/Comunicação, Músico,

Leia mais

COBERTURA E CONHECIMENTO VACINAL DOS FUNCIONÁRIOS ADMINISTRATIVOS DE UMA UNIVERSIDADE PRIVADA NO RIO DE JANEIRO

COBERTURA E CONHECIMENTO VACINAL DOS FUNCIONÁRIOS ADMINISTRATIVOS DE UMA UNIVERSIDADE PRIVADA NO RIO DE JANEIRO Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2012, v. 15, edição especial, p. 31 38 COBERTURA E CONHECIMENTO VACINAL DOS FUNCIONÁRIOS ADMINISTRATIVOS DE UMA UNIVERSIDADE PRIVADA NO RIO DE JANEIRO BARBOSA, Bruno

Leia mais

Orientadora, Docente do Curso de Nutrição do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS.

Orientadora, Docente do Curso de Nutrição do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS. ATUAÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA PACIENTES COM DIABETES NA ATENÇÃO BASICA UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 1 BOEIRA, Giana 2 ; CADÓ, Thaís 3 ; FRIGO, Letícia 4 ; MANFIO, Francieli 5 ; MATTOS, Karen 6 ; PIAIA, Eveline

Leia mais

Introdução: a população idosa está aumentando, e com ela existe a necessidade de estudarmos

Introdução: a população idosa está aumentando, e com ela existe a necessidade de estudarmos Fisioterapia TCC em Re-vista 2010 79 BURANELLO, Mariana Colombini 13. Equilíbrio corporal e risco de queda em idosas que praticam atividades físicas e idosas sedentárias. 2010. 19 f. Trabalho de Conclusão

Leia mais

A PERCEPÇÃO DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS SOBRE ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL: UM ESTUDO DE CASO

A PERCEPÇÃO DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS SOBRE ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL: UM ESTUDO DE CASO 1 A PERCEPÇÃO DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS SOBRE ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL: UM ESTUDO DE CASO INTRODUÇÃO DEISE JAQUELINE ALVES FALEIRO SUZANA HÜBNER WOLFF Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Leia mais

PRONATEC CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) CUIDADOR DE IDOSOS

PRONATEC CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) CUIDADOR DE IDOSOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CAMPUS NOVA VENÉCIA Rodovia Miguel Curry Carneiro, 799 Santa Luzia 29830-000 Nova Venécia ES 27 3752-4300 PRONATEC CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E

Leia mais

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA INTRODUÇÃO MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA Mayara Muniz Dias Rodrigues 1 Saemmy Grasiely Estrela de Albuquerque 2 Maria das Graças Melo Fernandes 3 Keylla

Leia mais

Introdução. Classificação Qualis/CAPES. Introdução. Religiosidade. Journal of Rehabilitation Medicine 2011; 43: 316 322. Papel protetor na saúde:

Introdução. Classificação Qualis/CAPES. Introdução. Religiosidade. Journal of Rehabilitation Medicine 2011; 43: 316 322. Papel protetor na saúde: Associação Médico-Espírita do Estado do Espírito Santo Departamento Acadêmico Estudo de Artigo Científico Afeta Saúde Mental, Dor e Qualidade de Vida em Pessoas Idosas em Ambulatório de Reabilitação Luiz

Leia mais

COMPLICAÇÕES DECORRENTES DA DIABETES: RELATO DE CASO

COMPLICAÇÕES DECORRENTES DA DIABETES: RELATO DE CASO COMPLICAÇÕES DECORRENTES DA DIABETES: RELATO DE CASO Adelita Iatskiu (UNICENTRO), Amanda Constantini (UNICENTRO), Carolina G. de Sá (UNICENTRO), Caroline M. Roth ((UNICENTRO), Cíntia C. S. Martignago (UNICENTRO),

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO

IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO IMPORTÂNCIA DA RECREAÇÃO PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADO Eliane de Sousa Leite/Universidade Federal de Campina Grande/UFCG. E-mail: elianeleitesousa@yahoo.com.br Jeruzete Almeida de Menezes/ Universidade

Leia mais

IDOSO MUITO IDOSO. Medidas preventivas da Equipe do Gerenciamento do Idoso para reduzir quedas no Núcleo de Atenção à Saúde.

IDOSO MUITO IDOSO. Medidas preventivas da Equipe do Gerenciamento do Idoso para reduzir quedas no Núcleo de Atenção à Saúde. IDOSO MUITO IDOSO Medidas preventivas da Equipe do Gerenciamento do Idoso para reduzir quedas no Núcleo de Atenção à Saúde. CARDOSO, ECA FERREIRA,DG RAMPO, FS UNIMED LIMEIRA SP 2016 Porcentagem da população

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE CRUTAC. Diabetes mellitus. Exames Laboratoriais. Extensão.

PALAVRAS-CHAVE CRUTAC. Diabetes mellitus. Exames Laboratoriais. Extensão. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AUTOCUIDADO

Leia mais

Área de Abrangência / População

Área de Abrangência / População QUALIDADE DE VIDA DOS PACIENTES COM AFECÇÕES MUSCULOESQUELÉTICAS RELACIONADAS AO TRABALHO ATENDIDOS NO CENTRO DE REFERÊNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR DO MUNICÍPIO DE GUARULHOS Elaine A. de Paula Orientador:

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA SEGUNDO A PERCEPÇÃO DE ESTUDANTES DA REDE PÚBLICA INCLUSOS NO PROJOVEM ADOLESCENTE

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA SEGUNDO A PERCEPÇÃO DE ESTUDANTES DA REDE PÚBLICA INCLUSOS NO PROJOVEM ADOLESCENTE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA SEGUNDO A PERCEPÇÃO DE ESTUDANTES DA REDE PÚBLICA INCLUSOS NO PROJOVEM ADOLESCENTE Angélica da Silva Santos 1, Cicera Rócila Pereira Araújo¹, Lourdes Lanes Ferreira Pereira¹,

Leia mais

DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM : AS EMOÇÕES PRESENTES NO PERÍODO PRÉ-OPERATÓRIO DE PACIENTES COM INDICAÇÃO DE CIRURGIA ONCOLÓGICA 1

DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM : AS EMOÇÕES PRESENTES NO PERÍODO PRÉ-OPERATÓRIO DE PACIENTES COM INDICAÇÃO DE CIRURGIA ONCOLÓGICA 1 DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM : AS EMOÇÕES PRESENTES NO PERÍODO PRÉ-OPERATÓRIO DE PACIENTES COM INDICAÇÃO DE CIRURGIA ONCOLÓGICA 1 Rosana Rodrigues dos SANTOS 2 Marister PICCOLI 3 Ariana Rodrigues Silva CARVALHO

Leia mais

CUIDADOS A IDOSOS, SUAS FAMÍLIAS E O SUPORTE SOCIAL RECEBIDO 1

CUIDADOS A IDOSOS, SUAS FAMÍLIAS E O SUPORTE SOCIAL RECEBIDO 1 1 CUIDADOS A IDOSOS, SUAS FAMÍLIAS E O SUPORTE SOCIAL RECEBIDO 1 1. O cuidar Ana Paula de Freitas 2 Cuidar, de acordo com o dicionário Aurélio vem do latim cogitare e pode significar: 1. Imaginar, pensar,

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON SUBMETIDOS AO TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO NO SOLO E NA ÁGUA

ANÁLISE DA QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON SUBMETIDOS AO TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO NO SOLO E NA ÁGUA ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 ANÁLISE DA QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON SUBMETIDOS AO TRATAMENTO

Leia mais

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes O Dia Mundial da Saúde é celebrado todo 7 de abril, e neste ano, o tema escolhido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para conscientização

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa. Os objetivos dessa unidade são:

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa. Os objetivos dessa unidade são: Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Módulo Unidade 01 Tópico 01 Avaliação Global da Pessoa Idosa na Atenção Básica A identificação de Risco Introdução Os objetivos dessa unidade são: Identificar

Leia mais

SÍNDROME DO CUIDADOR: EM BUSCA DO EQUILÍBRIO ENTRE O CUIDAR E O CUIDAR-SE

SÍNDROME DO CUIDADOR: EM BUSCA DO EQUILÍBRIO ENTRE O CUIDAR E O CUIDAR-SE SÍNDROME DO CUIDADOR: EM BUSCA DO EQUILÍBRIO ENTRE O CUIDAR E O CUIDAR-SE Poliana Pereira Faculdade de Ciências Medicas de Campina Grande FCM (polianapereira7@hotmail.com) Isabella Barros Almeida Faculdade

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MEDICINA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MEDICINA EDITAL 57/2014 Processo Seletivo Simplificado para contratação de professores substitutos da Universidade Federal de Uberlândia UFU. PROGRAMA (TEMAS) 1- Sistematização da Assistência de Enfermagem 2- Ações

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

ATIVIDADES PSICOMOTORAS E LÚDICAS NA PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS INTITUCIONALIZADOS

ATIVIDADES PSICOMOTORAS E LÚDICAS NA PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS INTITUCIONALIZADOS ATIVIDADES PSICOMOTORAS E LÚDICAS NA PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS INTITUCIONALIZADOS Resumo Marília Pinto Ferreira MURATA 1 - UFPR Marciele Magna KAPUSCINSKI 2 - UFPR Maressa MARTINS 3 - UFPR

Leia mais

CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL

CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL Nubia C. Freitas - UFV nubia.freitas@ufv.br Estela S. Fonseca UFV estela.fonseca@ufv.br Alessandra V. Almeida UFV

Leia mais

Idosos em um hospital universitário e em um hospital geriátrico*

Idosos em um hospital universitário e em um hospital geriátrico* ARTIGO ORIGINAL Arq Med Hosp Fac Cienc Med Santa Casa São Paulo 2011; 56(1):7-11 Idosos em um hospital universitário e em um hospital geriátrico* Elderly: in a university hospital and in a geriatric hospital

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TERAPIA OCUPACIONAL 1 º PERÍODO 1) História da Terapia Ocupacional (30 hs) EMENTA: Marcos históricos que antecederam o surgimento formal da profissão de

Leia mais

A Enfermagem na Prevenção e Controle da Dor no Paciente Oncológico

A Enfermagem na Prevenção e Controle da Dor no Paciente Oncológico A Enfermagem na Prevenção e Controle da Dor no Paciente Oncológico Duque, A. A. S.¹; Leal, A. B.²; Filipini, S. M. 3 123 Univap/Enfermagem, Rua José Proficio Filho, nº121, Altos do Bosque, SJC, alineasduque@yahoo.com.br;

Leia mais

Temas especiais: análise de séries. temporais de. causas de morte. selecionadas

Temas especiais: análise de séries. temporais de. causas de morte. selecionadas 5 Temas especiais: análise de séries temporais de causas de morte selecionadas SAÚDE BRASIL 2004 UMA ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE TENDÊNCIA DO RISCO DE MORTE POR ALGUMAS DOENÇAS NÃO TRANSMISSÍVEIS NAS

Leia mais

1. CARACTERIZAÇÃO DA CLÍNICA ESCOLA DE ATENDIMENTO PSICOLÓGICO CEAP

1. CARACTERIZAÇÃO DA CLÍNICA ESCOLA DE ATENDIMENTO PSICOLÓGICO CEAP 1. CARACTERIZAÇÃO DA CLÍNICA ESCOLA DE ATENDIMENTO PSICOLÓGICO CEAP Das Atribuições O CEAP-AJES tem como atribuição específica a coordenação geral das atividades destinadas a proporcionar aos acadêmicos

Leia mais

Dicas que ajudam pais na escolha da escola dos seus filhos

Dicas que ajudam pais na escolha da escola dos seus filhos Dicas que ajudam pais na escolha da escola dos seus filhos Com a chegada do fim do ano, muitos pais vivem um impasse na escolha da melhor escola para seus filhos. Quais aspectos levar em consideração?

Leia mais

social e pessoal, linguagem e habilidades motoras consideradas como características do desenvolvimento (BRITO et al, 2011).

social e pessoal, linguagem e habilidades motoras consideradas como características do desenvolvimento (BRITO et al, 2011). 1 INTRODUÇÃO A saúde da criança no Brasil estrutura-se, prioritariamente, em torno da assistência em puericultura, com enfoque no controle do crescimento e desenvolvimento infantil. O conhecimento da situação

Leia mais

PERFIL DA POPULAÇÃO DE MICRO-ÁREAS DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DO BAIRRO SANTA FELICIDADE DO MUNICÍPIO DE CASCAVEL PR

PERFIL DA POPULAÇÃO DE MICRO-ÁREAS DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DO BAIRRO SANTA FELICIDADE DO MUNICÍPIO DE CASCAVEL PR PERFIL DA POPULAÇÃO DE MICRO-ÁREAS DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DO BAIRRO SANTA FELICIDADE DO MUNICÍPIO DE CASCAVEL PR Ângela Gonçalves da Silva 1 Aline Reche Mendonça 2 Samuel Leandro Santos 3 Adeline Furutani

Leia mais