Ao Agente Comunitário de Saúde:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ao Agente Comunitário de Saúde:"

Transcrição

1 : COMO IDENTIFICAR O IDOSO E O SEU CUIDADOR NA VISITA DOMICILIAR Pesquisadora CNPq Grupo de Pesquisa Epidemiologia do Cuidador Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq - Nível 1A Ursula Margarida Karsch Doutora em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Mestre em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo

2 A população brasileira está ficando mais velha e as pessoas estão morrendo mais tarde. Esta é uma conquista da humanidade e é preciso garantir a sua continuidade. Hoje há mais idosos no Brasil, do que há 30 anos.

3 As pessoas devem envelhecer mantendo a sua capacidade de realizar as Atividades de Vida Diária (AVD s). Quando isto não acontece, o idoso torna-se dependente de alguém que o ajuda a andar, vestir, ir ao banheiro, comer e manter sua higiene. É muito importante que o Agente Comunitário de Saúde identifique como o idoso vive, se é dependente ou independente, se tem autonomia ou não.

4 O que é saúde para a pessoa Idosa? INDEPENDÊNCIA - capacidade de realizar Atividades da Vida Diária sem ajuda de terceiros. AUTONOMIA - capacidade e direito do indivíduo poder eleger, por si próprio, as regras de conduta, a orientação de seus atos e os riscos que está disposto a correr durante sua vida.

5 No Brasil, geralmente, os idosos encontram-se nas casas de suas famílias. Se o Agente Comunitário de Saúde, ao cadastrar uma família e encontra uma pessoa com mais de 60 anos no domicílio, deve aplicar um roteiro para avaliar a capacidade funcional do idoso. É fundamental que a evolução de seu envelhecimento seja acompanhada.

6 É necessário saber se o idoso tem ou não tem habilidades físicas e mentais necessárias para uma vida independente e autônoma. Se for um idoso dependente por motivo de uma ou mais doenças, é preciso identificar onde se localiza sua incapacidade. Esta avaliação é importante, e se for necessário, este idoso deve ser encaminhado para um serviço de saúde.

7 Roteiro para avaliar a Capacidade Funcional do Idoso A partir das informações recebidas, assinale com cuidado a(s) doença(s) ou as condições referidas pela família. Comece pelos movimentos que o idoso consegue ou não consegue fazer: Faz movimentos Braços Simž Nãož Pernas Simž Nãož Se os movimentos estão Braço direito Simž Nãož prejudicados Qual o grau de incapacidade Movimento perna Braço esquerdo Simž Nãož Perna direita Simž Nãož Perna esquerda Simž Nãož Totalmente prejudicado Simž Nãož Parcialmente prejudicado Simž Nãož Movimento braço Totalmente prejudicado Simž Nãož Parcialmente prejudicado Simž Nãož

8 Roteiro para avaliar a Capacidade Funcional do Idoso Se o idoso é independente, ele precisa ser orientado quanto à manutenção da sua capacidade funcional. Para isso ele deve ser orientado para o seu envelhecimento saudável.

9 Roteiro para avaliar a Capacidade Funcional do Idoso Existem várias formas de assegurar uma velhice saudável: controle das doenças junto ao médico: pressão alta, diabete, colesterol evitar o fumo e o álcool fazer uma dieta alimentar, comendo alimentos leves e "balanceados" praticar exercícios diários, evitando a vida sedentária tomar vacinas contra gripe, pneumonia e tétano manter relacionamentos pessoais com parentes, amigos e vizinhos sempre que possível, adquirir práticas de lazer em grupo conhecer os direitos das pessoas mais velhas e exigir o seu cumprimento

10 Estes cuidados são importantes para um envelhecimento saudável com capacidade funcional, bem como para aqueles que necessitam recuperar suas capacidades funcionais perdidas. A incapacidade de movimentos gera a dependência para as Atividades da Vida Diária. De quem depende o idoso que perdeu sua capacidade de ser independente?

11 Da pessoa que o ajuda a suprir sua incapacidade para realizar as atividades da vida diária. Esta pessoa é chamada de: CUIDADOR PRINCIPAL

12 Geralmente, o CUIDADOR PRINCIPAL é alguém da família, o marido ou a mulher, o filho ou a filha, um irmão ou uma irmã, ou alguém da vizinhança, um amigo ou alguém muito próximo do idoso. O CUIDADOR PRINCIPAL pratica uma das mais difíceis tarefas que existem.

13 A maioria dos cuidadores principais também é idosa. São mulheres casadas com os idosos dependentes, e apresentam: cansaço, sentem-se sobrecarregadas, têm pouca ou nenhuma ajuda e, precisam de atenção à sua saúde.

14 Elas não encontram tempo para cuidar de si mesmas. É preciso que os cuidadores sejam orientados e recebam apoio na comunidade.

15 Procure dar informações de forma clara, repetindo-as várias vezes se for necessário. Fale devagar, com frases curtas. Não force o idoso e o cuidador a respostas complicadas. Busque uma boa comunicação por meio de gestos, de expressões do rosto, da escrita, de desenhos, da música, entre outros.

16 Se o cuidador principal faz parte da família e mora na mesma casa, já consta do cadastro da família. Acrescente esta sua condição no CADASTRO DA FAMÍLIA.

17 Se não mora na mesma casa, pergunte ao cuidador: Nome... idade...anos data de nascimento.../.../... sexo masculino feminino Sendo ou não da família, acrescente estes dados: estado civil casado solteiro viúvo separado amasiado

18 É muito importante identificar bem o/a cuidador/a, considerando que é a pessoa que complementa a vida do idoso. RELAÇÃO CUIDADOR/IDOSO (para saber qual é a relação básica entre idoso e cuidador): esposo esposa filho filha genro nora irmão irmã outro... localizar a posição do(a) filho(a) cuidador na família (mais velho, mais novo, etc)...

19 A experiência de cuidar traz emoções conflituosas, tanto para o cuidador como para o idoso.

20 Ao assumir os cuidados, são necessárias: decisões difíceis e dolorosas, como deixar de lado compromissos pessoais, para cuidar de um idoso dependente.

21 Isso pode trazer à tona: raiva, ressentimento, ódio e, culpa.

22 Cada um demonstra os seus sentimentos de forma diferente. Reconhecer estes sentimentos e falar sobre eles ajudará a superá-los. Sentimentos como raiva, ressentimento, culpa são comuns tanto para quem cuida como para quem é cuidado.

23 Para o melhor atendimento do idoso e do seu cuidador, é importante saber se há algum indício de maus tratos para com o idoso. Se alguma forma de maus tratos aparecer, é preciso anotar.

24 SITUAÇÃO OCUPACIONAL DO CUIDADOR (para saber a relação com o trabalho) TRABALHA Sim Não SE SIM Ocupação... SE NÃO TRABALHA, POR QUÊ? deixou de trabalhar para ser cuidador está desempregado procura emprego: quer trabalhar precisa trabalhar é aposentado está recebendo auxílio-doença é pensionista é do lar outro (s)... o que fazia antes de ser cuidador...

25 A FAMÍLIA RECEBE ALGUM TIPO DE AJUDA? (para conhecer eventuais apoios) em dinheiro em espécie serviços outros... de quem... freqüência da ajuda... O idoso contribui para a renda? sim não parcial como?... a renda cobre os gastos da família? sim não

26 CHEFE DA FAMÍLIA (para conhecer a relação de poder) O idoso era o chefe da família antes da doença? sim não E depois da doença? sim não Agora o cuidador principal exerce a chefia da família? sim não Como são as relações familiares com o cuidador? Como são as relações familiares com o idoso doente?

27 O CUIDADOR JÁ CUIDOU DE ALGUÉM ANTES? (para conhecer a experiência) sim não de quem? Próprio idoso outro membro da família quem...idade... alguém fora da família quem...idade... cuida de mais alguém além do idoso, agora? sim não quem?... idade...

28 LOCALIZAÇÃO DO IDOSO E DO SEU CUIDADOR NA MORADIA (para conhecer as condições do idoso e do cuidador em casa) Idoso e cuidador ficam no mesmo pavimento sim não idoso e cuidador ficam no mesmo cômodo sim não MOVIMENTAÇÃO DO IDOSO NA MORADIA (para conhecer a movimentação do idoso) nenhuma não sai do cômodo onde dorme é levado para outros cômodos anda sozinho

29 CUIDADOS EXECUTADOS PARA E COM O IDOSO (ajuda direta prestada pelo cuidador ao paciente em atividades de vida diária) Cuidados executados pelo cuidador Cuidador dá ajuda total ao pac. Cuidador dá ajuda parcial ao pac. cuidador não precisa ajudar cuidador recebe ajuda de terceiros Cuidador já fazia antes andar no plano Subir escadas ou rampas Toalete (uso do banheiro) banho Exercícios/fisioterapi a Deitar e levantar da cama

30 CUIDADOS EXECUTADOS PARA E COM O IDOSO (ajuda direta prestada pelo cuidador ao paciente em atividades de vida diária) Cuidados executados pelo cuidador Mudanças de posição alimentação Vestimentas em geral medicação Pentear os cabelos escovar os dentes barbear cortar as unhas outras... Cuidador dá ajuda total ao pac..... Cuidador dá ajuda parcial ao pac. cuidador não precisa ajudar cuidador recebe ajuda de terceiros Cuidador já fazia antes

31 CUIDADOS EXECUTADOS PARA O IDOSO (ajuda instrumental prestada pelo cuidador ao paciente em atividades de vida diária) Cuidados instrumentais Transporte para locais fora do domicílio Cuidados com roupas Cuidados com a casa Preparo de alimentos cuidador executa cuidador cuidador já cuidador não executava recebe ajuda executa anteriormente de terceiros

32 CUIDADOS EXECUTADOS PARA O IDOSO (ajuda instrumental prestada pelo cuidador ao paciente em atividades de vida diária) Cuidados instrumentais cuidados de vigilância diurna cuidados de vigilância noturna Serviços como banco, compras, etc.. cuidador executa cuidador cuidador já cuidador não executava recebe ajuda executa anteriormente de terceiros

33 A sobrecarga do cuidador é grande e a impaciência pode levar a consequências que podem ser evitadas. É importante que o cuidador responda naturalmente a seguinte pergunta. Pergunte com respeito para obter a melhor resposta.

34 QUAIS PROBLEMAS DO IDOSO SÃO MAIS COMPLICADOS PARA SEREM ENFRENTADOS? físicos (quais?)... mentais (confusão mental)... por que?......

35 SOBRE AS CONDIÇÕES ATUAIS DO IDOSO: conversar sobre eventuais mudanças de comportamento do paciente em relação a situações anteriores a esta visita.

36 SITUAÇÃO DE SAÚDE DO CUIDADOR (para encaminhar ou não para consulta médica) Existe algum problema de saúde? sim não Assinale as alternativas (inclusive fatores de risco de doenças) Você fuma? sim não Você sofre de diabete (açúcar no sangue)? sim não Você faz algum tipo de tratamento? sim não Você se acha gordo? sim não

37 Assinale as alternativas (inclusive fatores de risco de doenças) Você fuma? Você sofre de diabete (açúcar no sangue)? Você se acha gordo? Você tem problema de coração? Você tem problemas de pressão? alta baixa Você se sente nervoso (a) Você tem problemas de dentes ou gengivas? Você tem problemas de coluna?

38 Assinale as alternativas (inclusive fatores de risco de doenças) Você tem algum problema de pele? Você tem insônia (perde o sono)? Você tem reumatismo? Você tem problema de respiração? Você tem alguma problema de alergia? Você sofre de varizes? Você sente depressão? Você tem problemas de menopausa? Você tem alguma outra doença que não está nesta lista?...

39 Você tem algum problema de saúde quanto a: pés mãos braços pernas visão audição Você faz algum tratamento? sim não qual...onde...

40 Em geral, depois que você passou a ser cuidador, a sua saúde ficou: muito melhor melhor a mesma coisa pior muito pior n/sei Em relação à sua saúde, você pensa que poderia evitar futuras doenças se tomasse alguns cuidados ou mudasse algumas coisas que faz atualmente? Que mudanças e para quais doenças? Agente Comunitário...Data:...

41

42

43 OBRIGADA Ursula Margarida Karsch

Ficha de Informação da Criança

Ficha de Informação da Criança Ficha de Informação da Criança Data: / / Nome: Data de Aniversário: / / Sexo: Masculino Feminino Apelido: Língua materna: Nome do pai: Língua materna: Nível de inglês: Nome da mãe: Língua materna: Nível

Leia mais

Setembro, 2008. Fátima Barbosa

Setembro, 2008. Fátima Barbosa Uma nova realidade, um novo desafio Setembro, 2008. História de um Cuidador Tenho 65 anos, fui emigrante na França e na Alemanha e cá em Portugal trabalhei em várias zonas. Sempre gostei da vida! Reformei-me

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde dos indivíduos com 60 anos ou mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde dos indivíduos com 60 anos ou mais Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde dos indivíduos com 60 anos ou mais Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 %Idosos c/limitação

Leia mais

Módulo K - Saúde dos indivíduos com 60 anos ou mais e cobertura de mamografia entre mulheres de 50 anos e mais

Módulo K - Saúde dos indivíduos com 60 anos ou mais e cobertura de mamografia entre mulheres de 50 anos e mais Módulo K - Saúde dos indivíduos com 60 anos ou mais e cobertura de mamografia entre mulheres de 50 anos e mais Para mulheres de 50 a 59 anos de idade realizar apenas as perguntas K40 a K43 e K62. Primeiramente,

Leia mais

1. Muito boa 2. Boa 3. Regular 4. Ruim 5. Muito Ruim. 1. Sim 2. Não. 1. Muito boa 2. Boa 3. Regular 4. Ruim 5. Muito Ruim

1. Muito boa 2. Boa 3. Regular 4. Ruim 5. Muito Ruim. 1. Sim 2. Não. 1. Muito boa 2. Boa 3. Regular 4. Ruim 5. Muito Ruim ..... I. Saúde dos Idosos (indivíduos com 60 anos e mais) Horário de Início :. Primeiramente, gostaria de fazer algumas perguntas sobre os primeiros 15 anos de sua vida.. I1 I2 I3 Como o(a) sr(a) descreveria

Leia mais

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA QUESTÃO 38 Rosa está com 56 anos de idade e vive em um hospital psiquiátrico desde os 28 anos de idade. Em seu prontuário, encontra-se que ela é doente mental desde

Leia mais

APRESENTAÇÃO Qualidade de Vida e Suporte Social do Doente com Diabetes Domiciliado

APRESENTAÇÃO Qualidade de Vida e Suporte Social do Doente com Diabetes Domiciliado APRESENTAÇÃO Qualidade de Vida e Suporte Social do ACES Porto Oriental / Centro de Saúde de Campanhã Unidade de Saúde de S. Roque da Lameira Emília Aparício, Assistente Social Cristina Campos, Psicóloga

Leia mais

PACIENTE Como você pode contribuir para que a sua saúde e segurança não sejam colocadas em risco no hospital?

PACIENTE Como você pode contribuir para que a sua saúde e segurança não sejam colocadas em risco no hospital? Cartilha de Segurança do PACIENTE Como você pode contribuir para que a sua saúde e segurança não sejam colocadas em risco no hospital? CARO PACIENTE, Esta Cartilha foi desenvolvida para orientá-lo sobre

Leia mais

Acompanhamento. Sejam bem-vindos. 7 dias 1 mês 2 meses 3 meses 6 meses 1 ano

Acompanhamento. Sejam bem-vindos. 7 dias 1 mês 2 meses 3 meses 6 meses 1 ano Acompanhamento Sejam bem-vindos Nós desenvolvemos este guia para ajudá-lo a se preparar para a alta de sua criança. Muitas famílias acreditam que aprendendo e conversando antes da alta hospitalar de sua

Leia mais

QUEM É A PESSOA IDOSA?

QUEM É A PESSOA IDOSA? INTRODUÇÃO Líder, este caderno é seu, para cadastrar e acompanhar as pessoas idosas no domicílio. Ele contém os principais indicadores que nos levam a conhecer a realidade na qual vivem as pessoas, permitindo

Leia mais

AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE

AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE WHOQOL-120 HIV AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE Genebra Versão em Português 1 Departamento de Saúde Mental e Dependência Química Organização Mundial da Saúde CH-1211 Genebra

Leia mais

Centro Social Paroquial São Maximiliano Kolbe. Instituição Particular de Solidariedade Social

Centro Social Paroquial São Maximiliano Kolbe. Instituição Particular de Solidariedade Social Centro Social Paroquial São Maximiliano Kolbe Instituição Particular de Solidariedade Social Serviços e Equipamentos para Idosos Centro de Convívio Centro de Dia Apoio Domiciliário Centro de Convívio Resposta

Leia mais

Acupuntura: a escuta das dores subjetivas

Acupuntura: a escuta das dores subjetivas 38 Acupuntura: a escuta das dores subjetivas Simone Spadafora A maior longevidade expõe os seres vivos por mais tempo aos fatores de risco, resultando em maior possibilidade de desencadeamento de doenças

Leia mais

Acção de Sensibilização Demência. Prevenção Clinica

Acção de Sensibilização Demência. Prevenção Clinica Acção de Sensibilização Demência Prevenção Clinica Mitos sobre o Envelhecimento... Mito 1: A maioria é senil ou tem demência Facto: Menos de 20% tem limitações consideráveis da memória Mito 2: A maioria

Leia mais

FICHA DE INSCRIÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA OPERAÇÕES DE JANEIRO DE 2014 SANTOS - SÃO PAULO

FICHA DE INSCRIÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA OPERAÇÕES DE JANEIRO DE 2014 SANTOS - SÃO PAULO FICHA DE INSCRIÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA OPERAÇÕES DE JANEIRO DE 2014 SANTOS - SÃO PAULO NOME: NÚMERO DE MATRÍCULA : IDADE: SEXO: CURSO: RG: PLANO DE SAÚDE: Nº DO PLANO: INFORMAÇÕES GERAIS ( ) MASCULINO

Leia mais

CUIDADOS COM A BELEZA

CUIDADOS COM A BELEZA CUIDADOS COM A BELEZA Dihego Pansini Getúlio Cantão Quando observamos os padrões de beleza determinados pela sociedade no decorrer dos, podemos perceber que a mesma possui uma característica de transitoriedade,

Leia mais

Planificação Disciplina de HSCG 2.º ano Módulos 5, 6 Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde

Planificação Disciplina de HSCG 2.º ano Módulos 5, 6 Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde Objetivos gerais: Planificação Disciplina de HSCG 2.º ano Módulos 5, 6 Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde 2015/2016 Explicar que as tarefas que se integram no âmbito de intervenção do/a técnico/a

Leia mais

FICHA DE MATRÍCULA Dados da Criança

FICHA DE MATRÍCULA Dados da Criança FICHA DE MATRÍCULA Dados da Criança Nome: Data de nasc: / / Sexo: Masculino Feminino Dados da Mãe Nome: data de nasc: / / Nacionalidade: Endereço Res.: Tel Res.: Celular: Empresa: Cargo: End. Cml.: RG.:

Leia mais

Guia de Finanças Pessoais

Guia de Finanças Pessoais Guia de Finanças Pessoais GUIA DE FINANÇAS PESSOAIS Como estão suas FinanÇas? De onde vem o dinheiro não costuma ser um mistério. Em geral, as pessoas têm uma boa noção de suas receitas, provenientes do

Leia mais

Aula 9. Saúde e Higiene no trabalho META DA AULA OBJETIVOS

Aula 9. Saúde e Higiene no trabalho META DA AULA OBJETIVOS Aula 9 Saúde e Higiene no trabalho META DA AULA Adquirir noções de higiene e segurança pessoal, ressaltando a importância da higiene pessoal para a saúde do trabalhador. OBJETIVOS Ao final desta aula,

Leia mais

D. Morbidade Horário de Início : :

D. Morbidade Horário de Início : : D. Morbidade Horário de Início : : Agora vou perguntar sobre doenças crônicas e infecciosas. Vou fazer perguntas sobre diagnóstico de doenças, uso dos serviços de saúde e tratamento dos problemas. D1 D2

Leia mais

RESULTADOS RELATIVOS A GRÂNDOLA INDICADORES DO «CIDADES» (N = 306)

RESULTADOS RELATIVOS A GRÂNDOLA INDICADORES DO «CIDADES» (N = 306) RESULTADOS RELATIVOS A GRÂNDOLA INDICADORES DO «CIDADES» (N = 306) Inquiridos que assinalam (N) % Espaços públicos (Ex.: Jardins, Praças, etc...) 182 61,5% Passeio das ruas 203 68,6% Passadeiras 196 66,2%

Leia mais

PERFIL DE CUIDADORES DOMICILIARES E DE IDOSOS ASSISTIDOS NA ATENÇÃO BÁSICA DO MUNICÍPIO DE FOZ DO IGUAÇU- PR

PERFIL DE CUIDADORES DOMICILIARES E DE IDOSOS ASSISTIDOS NA ATENÇÃO BÁSICA DO MUNICÍPIO DE FOZ DO IGUAÇU- PR 25 a 28 de Outubro de 21 ISBN 978-85-8084-5-1 PERFIL DE CUIDADORES DOMICILIARES E DE IDOSOS ASSISTIDOS NA ATENÇÃO BÁSICA DO MUNICÍPIO DE FOZ DO IGUAÇU- PR Ângela Caroline Fachinello 1, Marieta Fernandes

Leia mais

A LUDICIDADE E A PARTICIPAÇÃO SOCIAL DO IDOSO

A LUDICIDADE E A PARTICIPAÇÃO SOCIAL DO IDOSO A LUDICIDADE E A PARTICIPAÇÃO SOCIAL DO IDOSO Ana Paula Sabchuk Fernandes UEPG ana-sabchuk@hotmail.com Rita de Cássia Oliveira soliveira13@uol.com.br Cintia Aparecida Canani cicacanani@yahoo.com.br Eixo

Leia mais

O IMPACTO DA DOR CRÔNICA NA VIDA DAS PESSOAS QUE ENVELHECEM

O IMPACTO DA DOR CRÔNICA NA VIDA DAS PESSOAS QUE ENVELHECEM O IMPACTO DA DOR CRÔNICA NA VIDA DAS PESSOAS QUE ENVELHECEM Eliane de Sousa Leite. Universidade Federal de Campina Grande/UFCG. Email: elianeleitesousa@yahoo.com.br. Jéssica Barreto Pereira. Universidade

Leia mais

Identificação do projeto

Identificação do projeto Seção 1 Identificação do projeto ESTUDO BÍBLICO Respondendo a uma necessidade Leia Neemias 1 Neemias era um judeu exilado em uma terra alheia. Alguns dos judeus haviam regressado para Judá depois que os

Leia mais

Cuidar e Educar: Noções básicas de cuidados para os alunos com deficiência e transtornos globais do desenvolvimento

Cuidar e Educar: Noções básicas de cuidados para os alunos com deficiência e transtornos globais do desenvolvimento Cuidar e Educar: Noções básicas de cuidados para os alunos com deficiência e transtornos globais do desenvolvimento Procedimentos básicos sobre higiene, alimentação e locomoção Desenvolvimento infantil

Leia mais

SEXUALIDADE E PREVENÇÃO DAS DST/AIDS NA TERCEIRA IDADE SEXUALIDADE E PREVENÇÃO DAS DST/AIDS NA TERCEIRA IDADE

SEXUALIDADE E PREVENÇÃO DAS DST/AIDS NA TERCEIRA IDADE SEXUALIDADE E PREVENÇÃO DAS DST/AIDS NA TERCEIRA IDADE SEXUALIDADE E PREVENÇÃO DAS DST/AIDS NA TERCEIRA IDADE SEXUALIDADE E PREVENÇÃO DAS DST/AIDS NA TERCEIRA IDADE Marília Viana Berzins Secretaria Municipal da Saúde /Cidade de São Paulo mariliaa@prefeitura.sp.gov.br

Leia mais

O uso do passaporte da comunicação no desenvolvimento de Interação e comunicação de pessoas com surdocegueira e com deficiência múltipla sensorial

O uso do passaporte da comunicação no desenvolvimento de Interação e comunicação de pessoas com surdocegueira e com deficiência múltipla sensorial O uso do passaporte da comunicação no desenvolvimento de Interação e comunicação de pessoas com surdocegueira e com deficiência múltipla sensorial 1 O uso do passaporte da comunicação no desenvolvimento

Leia mais

A Importância da Família na Educação

A Importância da Família na Educação A Importância da Família na Educação Não caminhes à minha frente Posso não saber seguir-te. Não caminhes atrás de mim Posso não saber guiar-te. Educadora Social Dra. Joana Valente Caminha antes a meu lado

Leia mais

Os cinco papeis do homem e da mulher

Os cinco papeis do homem e da mulher Os cinco papeis do homem e da mulher Por Lincoln Máximo Alves 2014 O que uma mulher espera de um homem? Sigla: P.A.P.A.S Pai Amigo Príncipe Amante Servo 1 Papel de PAI A esposa perdeu o pai quando saiu

Leia mais

1 O que é terapia sexual

1 O que é terapia sexual 1 O que é terapia sexual Problemas, das mais diversas causas, estão sempre nos desafiando, dificultando o nosso diaa-dia. A vida é assim, um permanente enfrentamento de problemas. Mas existem alguns que

Leia mais

CONHECENDO A PSICOTERAPIA

CONHECENDO A PSICOTERAPIA CONHECENDO A PSICOTERAPIA Psicólogo Emilson Lúcio da Silva CRP 12/11028 2015 INTRODUÇÃO Em algum momento da vida você já se sentiu incapaz de lidar com seus problemas? Se a resposta é sim, então você não

Leia mais

SENTIMENTOS DE USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS LÍCITAS E ILÍCITAS: PROCESSO DE RESSOCIALIZAÇÃO

SENTIMENTOS DE USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS LÍCITAS E ILÍCITAS: PROCESSO DE RESSOCIALIZAÇÃO SENTIMENTOS DE USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS LÍCITAS E ILÍCITAS: PROCESSO DE RESSOCIALIZAÇÃO Terezinha Possa 1 Solânia Durman 2 INTRODUÇÃO: Este é um trabalho monográfico do Curso de Especialização em Saúde

Leia mais

SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA NO DOMICÍLIO PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E IDOSAS

SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA NO DOMICÍLIO PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E IDOSAS SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA NO DOMICÍLIO PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E IDOSAS O serviço tem por finalidade a prevenção de agravos que possam provocar o rompimento de vínculos familiares e sociais

Leia mais

Para começar, algumas perguntas se referem a seu estado de saúde.

Para começar, algumas perguntas se referem a seu estado de saúde. 0 0 0 IDENTIFICADOR Para começar, algumas perguntas se referem a seu estado de saúde. A. De um modo geral, em comparação a pessoas da sua idade, como você considera o seu próprio estado de saúde? Muito

Leia mais

PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ACS DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO

PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ACS DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ACS DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO Não deixe de preencher as informações a seguir: NOME Nº DE IDENTIDADE

Leia mais

Yeda Duarte Maria Lucia Lebrão Daniella Pires Nunes Tabatta Renata P Brito

Yeda Duarte Maria Lucia Lebrão Daniella Pires Nunes Tabatta Renata P Brito Yeda Duarte Maria Lucia Lebrão Daniella Pires Nunes Tabatta Renata P Brito United Nations, 2007 Todas as idades aumentarão 35% United Nations, 2007 Entre 65 e 84 anos aumentará 164% United Nations, 2007

Leia mais

ESTRATÉGIAS PARA PROVA MENTALIDADE E ORGANIZAÇÃO TODO CONTEÚDO DE ENFERMAGEM PARA CONCURSOS CICLO E3R PREPARO PARA O ESTUDO

ESTRATÉGIAS PARA PROVA MENTALIDADE E ORGANIZAÇÃO TODO CONTEÚDO DE ENFERMAGEM PARA CONCURSOS CICLO E3R PREPARO PARA O ESTUDO ESTRATÉGIAS PARA PROVA TODO CONTEÚDO DE ENFERMAGEM PARA CONCURSOS MENTALIDADE E CICLO E3R PREPARO PARA O ESTUDO OBJETIVO DO MÓDULO SEU MAIOR CONCORRENTE É VOCÊ. SE VOCÊ IDENTIFICA OS PRÓPRIOS ERROS E ORGANIZA

Leia mais

B R A S I L EMERGENTE E X P E C T A T I V A D E V I D A E C O N S U M O E M 2 0 1 5

B R A S I L EMERGENTE E X P E C T A T I V A D E V I D A E C O N S U M O E M 2 0 1 5 B R A S I L EMERGENTE E X P E C T A T I V A D E V I D A E C O N S U M O E M 2 0 1 5 O I N V E S T I M E N T O P E L A L Ó G I C A D A D E M A N D A R E N A T O M E I R E L L E S r e n a t o @ d a t a p

Leia mais

Ativando o poder. Feminino. 7 Dicas Para Ser Feliz Todos Os Dias. Cris Guerra Grupo Poder Feminino

Ativando o poder. Feminino. 7 Dicas Para Ser Feliz Todos Os Dias. Cris Guerra Grupo Poder Feminino Ativando o poder Feminino 7 Dicas Para Ser Feliz Todos Os Dias Ativando o poder Feminino 7 Dicas Para Ser Feliz Todos Os Dias Sou Cristiane Guerra, atuo como facilitadora para mulheres em seu processo

Leia mais

Atenção à Saúde dos Idosos no Setor de Saúde

Atenção à Saúde dos Idosos no Setor de Saúde Atenção à Saúde dos Idosos no Setor de Saúde PLANO DE CUIDADOS DOS IDOSOS - OPASPLANO DE CUIDADOS DOS IDOSOS - OPAS Suplementar Martha Oliveira O Envelhecimento Populacional é um fenômeno Mundial Fonte:

Leia mais

O menino e o pássaro. Rosângela Trajano. Era uma vez um menino que criava um pássaro. Todos os dias ele colocava

O menino e o pássaro. Rosângela Trajano. Era uma vez um menino que criava um pássaro. Todos os dias ele colocava O menino e o pássaro Era uma vez um menino que criava um pássaro. Todos os dias ele colocava comida, água e limpava a gaiola do pássaro. O menino esperava o pássaro cantar enquanto contava histórias para

Leia mais

Habilidades e competências no Cuidado à pessoa idosa. Karla Giacomin, MD, PhD

Habilidades e competências no Cuidado à pessoa idosa. Karla Giacomin, MD, PhD Habilidades e competências no Cuidado à pessoa idosa Karla Giacomin, MD, PhD Roteiro Seminário Preâmbulo Envelhecimento ativo Cuidado Habilidades e competências Ferramentas da gestão 2003 Estatuto do

Leia mais

TIPOS DE RELACIONAMENTOS

TIPOS DE RELACIONAMENTOS 68 Décima-Segunda Lição CONSTRUINDO RELACIONAMENTOS DE QUALIDADE Quando falamos de relacionamentos, certamente estamos falando da inter-relação de duas ou mais pessoas. Há muitas possibilidades de relacionamentos,

Leia mais

ATIVIDADE 03 POR água ABAIXO!

ATIVIDADE 03 POR água ABAIXO! ATIVIDADE 03 POR água ABAIXO! A água, elemento fundamental para a sobrevivência humana, foi motivo de muitos problemas para os moradores da Regional Norte. Além das dificuldades que eles tiveram de enfrentar

Leia mais

SEGURANÇA NA TERCEIRA IDADE OS FATORES QUE MAIS CAUSAM AS QUEDAS PODEM SER:

SEGURANÇA NA TERCEIRA IDADE OS FATORES QUE MAIS CAUSAM AS QUEDAS PODEM SER: SEGURANÇA NA TERCEIRA IDADE As quedas tornam-se mais frequentes com o avançar da idade. Segundo a Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, a maioria dos casos acontecem dentro de casa e são a

Leia mais

DPOC e Oxigenoterapia Guia Rápido

DPOC e Oxigenoterapia Guia Rápido Homehealth provider DPOC e Oxigenoterapia Guia Rápido www.airliquide.com.br O que é DPOC? O paciente com DPOC doença pulmonar obstrutiva crônica possui falta de ar e tosse porque seus pulmões e suas vias

Leia mais

Os direitos do idoso

Os direitos do idoso 1 de 5 05/10/2012 15:00 Os direitos do idoso Fonte: http://www.prodam.sp.gov.br/idososp/direito.htm Idoso é toda pessoa adulta com 60 anos ou mais O IDOSO TEM DIREITO À VIDA A família, a sociedade e o

Leia mais

Módulo 2. Valores e princípios

Módulo 2. Valores e princípios Módulo 2. Valores e princípios Para o bem-estar de uma sociedade é necessário que existam normas compartidas que orientam o comportamento de seus integrantes. Todo ser humano se rege por valores próprios,

Leia mais

Atendimento Domiciliar

Atendimento Domiciliar Atendimento Domiciliar Definição da Unimed Porto Alegre sobre Home Care O Home Care é um beneficio de prestação de serviço de assistência à saúde, a ser executado no domicilio do paciente com patologias

Leia mais

DOS CRITÉRIOS DE ISENÇÃO:

DOS CRITÉRIOS DE ISENÇÃO: SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS PRO-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS PROEST ISENÇÃO DA TAXA DE INSCRIÇÃO DO VESTIBULAR UFT/ 2010.2 EDITAL Nº 001/2010, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2010

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO ENSINO SUPERIOR: um estudo sobre o perfil dos estudantes usuários dos programas de assistência estudantil da UAG/UFRPE

ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO ENSINO SUPERIOR: um estudo sobre o perfil dos estudantes usuários dos programas de assistência estudantil da UAG/UFRPE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO ENSINO SUPERIOR: um estudo sobre o perfil dos estudantes usuários dos programas de assistência estudantil da UAG/UFRPE José Albuquerque Constantino 1 Joselya Claudino de Araújo

Leia mais

As Mulheres e o Trabalho de Cuidar SÃO PAULO,07 DE NOVEMBRO DE 2014.

As Mulheres e o Trabalho de Cuidar SÃO PAULO,07 DE NOVEMBRO DE 2014. As Mulheres e o Trabalho de Cuidar MYRIAN MATSUO II Seminário de Sociologia da FUNDACENTRO: Condições de Trabalho das Mulheres no Brasil SÃO PAULO,07 DE NOVEMBRO DE 2014. Doutora em Sociologia pelo Departamento

Leia mais

REQUERIMENTO DE MATRÍCULA

REQUERIMENTO DE MATRÍCULA Nº de Matrícula Parte integrante do Contrato de Prestação de Serviços Educacionais Cláusula 4ª. REQUERIMENTO DE MATRÍCULA Venho requerer a matrícula de meu (a) filho (a), adiante qualificado, para o ano

Leia mais

ATENDIMENTO AO CLIENTE: DIFERENCIE-SE DA CONCORRÊNCIA E VENDA MAIS

ATENDIMENTO AO CLIENTE: DIFERENCIE-SE DA CONCORRÊNCIA E VENDA MAIS DIFERENCIE-SE DA CONCORRÊNCIA E VENDA MAIS DIFERENCIE-SE DA CONCORRÊNCIA E VENDA MAIS Visa a ampliar a visão de empresários quanto à necessidade de aperfeiçoar o atendimento a clientes como forma de construir

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 01. Tratando se das atribuições de um Vigia de um órgão público municipal, é correto afirmar que: A) A realização de rondas diurnas e noturnas tem como objetivo evitar roubos,

Leia mais

CURSO: Cuidador de Idoso

CURSO: Cuidador de Idoso CURSO: Cuidador de Idoso Bárbara Pereira Quaresma Enfermeira Docente 2 1 3 Bem vindos 4ª aula 4 Mãos As mãos do cuidador são suas maiores, melhores e mais usadas ferramentas. Por isso devem estar SEMPRE

Leia mais

Como preparar sua casa após cirurgia de quadril

Como preparar sua casa após cirurgia de quadril PÓS-OPERATÓRIO Como preparar sua casa após cirurgia de quadril Retire os tapetes, extensões e fios telefônicos, pois eles podem ocasionar quedas. Caso ainda não tenha, instale corrimãos em pelo menos um

Leia mais

Artigo 2. o O presente regulamento entra em vigor no vigésimo dia seguinte ao da sua publicação no Jornal Oficial da União Europeia.

Artigo 2. o O presente regulamento entra em vigor no vigésimo dia seguinte ao da sua publicação no Jornal Oficial da União Europeia. 19.4.2016 L 103/13 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) 2016/594 DA COMISSÃO de 18 de abril de 2016 que estabelece um modelo para o inquérito estruturado aos destinatários finais dos programas operacionais de

Leia mais

Psicose pós-parto. A psicose pós-parto é um quadro de depressão pós-parto mais grave e mais acentuado, pois na psicose pós-parto existe o

Psicose pós-parto. A psicose pós-parto é um quadro de depressão pós-parto mais grave e mais acentuado, pois na psicose pós-parto existe o Psicose pós-parto Pode ir desde uma leve tristeza que desaparece com o passar dos dias até um grau mais grave de depressão onde é necessária uma rápida intervenção médica. Este estágio é chamado de psicose

Leia mais

Foto: Jan de Jong. Agricultora Ismenia trabalhando em sua propriedade agroecológica. Construindo. Sonia Irene Cárdenas Solís

Foto: Jan de Jong. Agricultora Ismenia trabalhando em sua propriedade agroecológica. Construindo. Sonia Irene Cárdenas Solís autonomia, território e paz Agricultora Ismenia trabalhando em sua propriedade agroecológica Foto: Jan de Jong Construindo autonomia, território e paz Sonia Irene Cárdenas Solís 15 Agriculturas v. 12 -

Leia mais

I - Desenvolvimento Humano

I - Desenvolvimento Humano I - Desenvolvimento Humano 1.1. Conceito O desenvolvimento humano se estabelece através da interação do indivíduo com o ambiente físico e social. Se caracteriza pelo desenvolvimento mental e pelo crescimento

Leia mais

Pastoral da pessoa idosa

Pastoral da pessoa idosa 24 Pastoral da pessoa idosa A Pastoral da Pessoa Idosa (PPI) é um Organismo vinculado à CNBB Conferência Nacional dos Bispos do Brasil e foi fundada no dia 5 de novembro de 2004. Atua diretamente junto

Leia mais

ASSISTÊNCIA SOCIAL AOS IDOSOS SUBSÍDIOS E AUXÍLIOS SAÚDE E LAZER. Prefeitura Municipal de Iwata Setor de Promoção à Longevidade

ASSISTÊNCIA SOCIAL AOS IDOSOS SUBSÍDIOS E AUXÍLIOS SAÚDE E LAZER. Prefeitura Municipal de Iwata Setor de Promoção à Longevidade ASSISTÊNCIA SOCIAL AOS IDOSOS SUBSÍDIOS E AUXÍLIOS Subsídio Social para Idosos Estrangeiros Pagaremos o subsídio no valor de 10.000 por mês, para a pessoa que esteja residindo no município há mais de 1

Leia mais

A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL

A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Por que a criança de seis anos no ensino fundamental? Porque, pelo que entendi, em minha vida inteirinha, para umas coisas serei grande, para outras, pequenininha.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARARAS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. 1.4. Ensino Médio, maior parte: Regular Supletivo Técnico Telecurso Outros:

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARARAS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. 1.4. Ensino Médio, maior parte: Regular Supletivo Técnico Telecurso Outros: I - DADOS DE Curso Pré-Vestibular do Campus Araras da UFSCar Ficha para Caracterização Socioeconômica do Candidato Processo Seletivo 2011 ADOS DE CARACTERIZAÇÃO SOCIAL I.A. SOBRE A ESCOLARIDADE DO(A) CANDIDATO(A)

Leia mais

A GRIPE SAZONAL Porque deve ser vacinado

A GRIPE SAZONAL Porque deve ser vacinado A GRIPE SAZONAL Porque deve ser vacinado A Gripe. Proteja-se a si e aos outros. A GRIPE SAZONAL: PORQUE DEVE SER VACINADO É possível que, recentemente, tenha ouvido falar bastante sobre diversos tipos

Leia mais

Atividade Física na Terceira Idade. Prof. Dra. Bruna Oneda 2015

Atividade Física na Terceira Idade. Prof. Dra. Bruna Oneda 2015 Atividade Física na Terceira Idade Prof. Dra. Bruna Oneda 2015 Brasil Expectativa de vida: Inicio século XX 33,6 anos Década de 50 43,2 anos Atualmente 72,7 anos De 1991 para 2000 houve um crescimento

Leia mais

PREPARANDO-SE PARA O CASAMENTO UMA PALESTRA PARA FILHOS E PAIS

PREPARANDO-SE PARA O CASAMENTO UMA PALESTRA PARA FILHOS E PAIS PREPARANDO-SE PARA O CASAMENTO UMA PALESTRA PARA FILHOS E PAIS Judith Sonja Garbers - Psicóloga Jörg Garbers Ms. de Teologia PERGUNTAS FREQUENTES Quem deve pedir em casamento? Que idade deve ter? Quanto

Leia mais

Seminário debate medidas para migrantes e refugiados

Seminário debate medidas para migrantes e refugiados Seminário debate medidas para migrantes e refugiados Buscando construir orientações e diretrizes nas ações de acolhida a migrantes e refugiados, a Cáritas Brasileira realizou nos dias 19 e 20 de outubro

Leia mais

Sumário. Introdução - O novo hábito... 1. Capítulo 1 - Pra que serve tudo isso?... 3. Sobre o vocabulário... 4. Benefícios... 7

Sumário. Introdução - O novo hábito... 1. Capítulo 1 - Pra que serve tudo isso?... 3. Sobre o vocabulário... 4. Benefícios... 7 Sumário Introdução - O novo hábito... 1 Capítulo 1 - Pra que serve tudo isso?... 3 Sobre o vocabulário... 4 Benefícios... 7 Perguntas Frequentes sobre o Orçamento Doméstico... 10 Capítulo 2 - Partindo

Leia mais

Portuguese version 1

Portuguese version 1 1 Portuguese version Versão Portuguesa Conferência Europeia de Alto Nível Juntos pela Saúde Mental e Bem-estar Bruxelas, 12-13 Junho 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e Bem-Estar 2 Pacto Europeu para

Leia mais

Simone Garcia Carlos Eduardo Panfilio Daniel Fernandez Córdoba Regina Maura Zetone Grespan Rosamaria Rodrigues Garcia

Simone Garcia Carlos Eduardo Panfilio Daniel Fernandez Córdoba Regina Maura Zetone Grespan Rosamaria Rodrigues Garcia 56 Formação para Cuidadores. Relato de uma experiência bem sucedida de parceria entre a Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul, a Sociedade Espanhola do Grande ABC e a Universidade Municipal de São

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). A Temporalidade no Serviço de Residência Terapêutica Maria Aparecida Souza Rosa Vanessa Idargo Mutchnik Associação Saúde da Família. Pça. Mal.Cordeiro de Farias, 65. Higienópolis SP Brasil Centro de Atenção

Leia mais

Atividade física: pratique essa ideia.

Atividade física: pratique essa ideia. Atividade física: pratique essa ideia. Quando o assunto é qualidade de vida, não dá para ficar parado. Para a Organização Mundial de Saúde (OMS), a atividade física é o principal fator de promoção do bem-estar

Leia mais

Questionário para caracterização da População Idosa do concelho de Bombarral

Questionário para caracterização da População Idosa do concelho de Bombarral Questionário para caracterização da População Idosa do concelho de Bombarral Uma sociedade envelhecida exige definição de medidas de politicas específicas, no contexto de uma politica socialmente global,

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

PLANEJAMENTO FINANCEIRO PESSOAL O GUIA PARA COMEÇAR A TER SUCESSO NAS FINANÇAS

PLANEJAMENTO FINANCEIRO PESSOAL O GUIA PARA COMEÇAR A TER SUCESSO NAS FINANÇAS PLANEJAMENTO FINANCEIRO PESSOAL O GUIA PARA COMEÇAR A TER SUCESSO NAS FINANÇAS SUMÁRIO INTRODUÇÃO 03 CONTROLE DE CONTAS 04 ENTENDER E CONTROLAR AS DESPESAS FIXAS E VARIÁVEIS 05 DEFINIR PRIORIDADES 07 IDENTIFICAR

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste/Centro de Ciências da Saúde - Departamento de Enfermagem - Guarapuava PR

Universidade Estadual do Centro-Oeste/Centro de Ciências da Saúde - Departamento de Enfermagem - Guarapuava PR PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE IDOSOS INTERNADOS NA CLINICA MÉDICA E CLÍNICA CIRÚRGICA EM UM HOSPITAL DE GUARAPUAVA PARANÁ Michele Teixeira (CVI-UNICENTRO), Evani Marques Pereira (UNICENTRO), Evani Marques Pereira

Leia mais

Para não cair, a melhor dica é se prevenir.

Para não cair, a melhor dica é se prevenir. Para não cair, a melhor dica é se prevenir. Um projeto para cuidar de quem cuidou de nós por muito tempo. Uma das maiores causas de acidentes e fraturas de idosos no Brasil são as quedas. Cerca de 30%

Leia mais

E PESCADORA PESCA? REPRODUÇÃO DA HIERARQUIA DOS GÊNEROS ENTRE PESCADORAS ARTESANAIS.

E PESCADORA PESCA? REPRODUÇÃO DA HIERARQUIA DOS GÊNEROS ENTRE PESCADORAS ARTESANAIS. E PESCADORA PESCA? REPRODUÇÃO DA HIERARQUIA DOS GÊNEROS ENTRE PESCADORAS ARTESANAIS. Maria de Fatima Massena de Melo Daisyvângela E. S. Lima Hulda Helena Coraciara Stadtler Universidade Federal Rural de

Leia mais

O QUE MAIS ESTRESSA O CARIOCA? FEVEREIRO

O QUE MAIS ESTRESSA O CARIOCA? FEVEREIRO Enquete Algumas reportagens e matérias dão conta que o Brasil é o segundo país mais estressado do mundo e o trabalho é apontado como uma das principais causas desse mal. Porém, nem só de trabalho vive

Leia mais

Índice de Impactos Odontológicos no Desempenho das Atividades Diárias da Criança (OIDP-Infantil)

Índice de Impactos Odontológicos no Desempenho das Atividades Diárias da Criança (OIDP-Infantil) Índice de Impactos Odontológicos no Desempenho das Atividades Diárias da Criança (OIDP-Infantil) Instruções para aplicação Identificação A identificação da criança deve ser preenchida antes da aplicação

Leia mais

http://obaudoeducador.blogs.sapo.pt/ https://www.facebook.com/profeducespecialfatimagomes CENCAL ALCOBAÇA UFCD 3245 FORMADORA FÁTIMA GOMES

http://obaudoeducador.blogs.sapo.pt/ https://www.facebook.com/profeducespecialfatimagomes CENCAL ALCOBAÇA UFCD 3245 FORMADORA FÁTIMA GOMES CENCAL ALCOBAÇA UFCD 3245 FORMADORA FÁTIMA GOMES OBJETIVOS DA UFCD Reconhecer a importância dos vários fatores que condicionam o desenvolvimento da criança; Identificar teorias do desenvolvimento infantil

Leia mais

CUIDADORES FORMAIS DE IDOSOS COM TRANSTORNOS MENTAIS: CONCEPÇÕES SOBRE AS DOENÇAS E SOBRE A TAREFA DO CUIDAR

CUIDADORES FORMAIS DE IDOSOS COM TRANSTORNOS MENTAIS: CONCEPÇÕES SOBRE AS DOENÇAS E SOBRE A TAREFA DO CUIDAR CUIDADORES FORMAIS DE IDOSOS COM TRANSTORNOS MENTAIS: CONCEPÇÕES SOBRE AS DOENÇAS E SOBRE A TAREFA DO CUIDAR Ana Paula Freitas; apfreitas@trilhasat.com.br Jessica Ferreira da Silva; jessicafs01@hotmail.com

Leia mais

II SEMINÁRIO ESTADUAL DA CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

II SEMINÁRIO ESTADUAL DA CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA II SEMINÁRIO ESTADUAL DA CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA FLORIANÓPOLIS/SC Junho 2010 Júlio César V Guimarães O Reordenamento Institucional da Liga das Senhoras Católicas de São Paulo Educandário Dom

Leia mais

A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA

A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA 1 A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA José Fernando de Freitas RESUMO Os doentes têm uma relação especial com suas doenças. A mente diz que quer se curar, mas, na realidade,

Leia mais

Aquecimento inespecífico: Os participantes devem andar pela sala não deixando nenhum espaço vazio, andando cada um no seu ritmo.

Aquecimento inespecífico: Os participantes devem andar pela sala não deixando nenhum espaço vazio, andando cada um no seu ritmo. DINÂMICA DO ESPELHO Embrulha o espelho com papel de presente, mas dentro o espelho deve ser embrulhado com outro papel e colado a seguinte frase: Há pessoas que querem ser bonitas pra chamar a atenção,

Leia mais

Tipo do produto: Plano de aula

Tipo do produto: Plano de aula Edital PIBID n 11 /2012 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID Plano de Atividades (PIBID/UNESPAR) Tipo do produto: Plano de aula 1 IDENTIFICAÇÃO NOME DO SUBPROJETO: POPULARIZANDO

Leia mais

Matrícula: Data de Nascimento: / / Naturalidade: Nacionalidade: Curso: Período: Turno: Cidade em que residia antes de João Monlevade:

Matrícula: Data de Nascimento: / / Naturalidade: Nacionalidade: Curso: Período: Turno: Cidade em que residia antes de João Monlevade: Prezados Alunos, O Núcleo de Assuntos Comunitários e Estudantis de João Monlevade NACE-JM é vinculado a Pró-Reitoria Especial de Assuntos Comunitários e Estudantis - PRACE, localizada em Ouro Preto, no

Leia mais

Questionário sobre os exames de saúde da criança (exceto os ítens comuns com o questionário da província)

Questionário sobre os exames de saúde da criança (exceto os ítens comuns com o questionário da província) Questionário sobre os exames de saúde da criança (exceto os ítens comuns com o questionário da província) Criança de 1 mês 1 A criança está se alimentando (mamando) bem? Sim 2 A criança bate as mãos e

Leia mais

EPSS Equipa de Políticas de Segurança Social. www.gep.mtss.gov.pt

EPSS Equipa de Políticas de Segurança Social. www.gep.mtss.gov.pt EPSS Equipa de Políticas de Segurança Social A Informação Estatística sobre Deficiência e Incapacidade Lisboa, 01 de Junho de 2009 Estrutura da Apresentação A informação estatística no contexto do planeamento,

Leia mais

"PENSANDO NA PRÁTICA: IDENTIFICANDO OS SINAIS DE VIOLÊNCIA, AS CONSEQUÊNCIAS E OS MARCOS LEGAIS QUE RESPALDAM AS INTERVENÇÕES E GARANTEM DIREITOS"

PENSANDO NA PRÁTICA: IDENTIFICANDO OS SINAIS DE VIOLÊNCIA, AS CONSEQUÊNCIAS E OS MARCOS LEGAIS QUE RESPALDAM AS INTERVENÇÕES E GARANTEM DIREITOS "PENSANDO NA PRÁTICA: IDENTIFICANDO OS SINAIS DE VIOLÊNCIA, AS CONSEQUÊNCIAS E OS MARCOS LEGAIS QUE RESPALDAM AS INTERVENÇÕES E GARANTEM DIREITOS" SINAIS DE VIOLÊNCIA FÍSICA deve-se suspeitar dos casos

Leia mais

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL Autonomia econômica das mulheres Autonomia econômica das mulheres se refere à capacidade das mulheres de serem provedoras de seu próprio sustento,

Leia mais

SANTO ANTÔNIO ENERGIA SA

SANTO ANTÔNIO ENERGIA SA Pesquisador (apresente-se): Data: / / Setor censitário: Questionário: IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO DOMICÍLIO E DO ENTREVISTADO. Nome do responsável pela família: Telefone fixo: Telefone celular:.

Leia mais

A formação moral de um povo

A formação moral de um povo É um grande desafio evangelizar crianças nos dias de hoje. Somos a primeira geração que irá dizer aos pais e evangelizadores como evangelizar os pequeninos conectados. Houve um tempo em que nos colocávamos

Leia mais

DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69. 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos

DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69. 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69 1 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos 2. Lição Bíblica: Daniel 1-2 (Base bíblica para a história e

Leia mais