LISTA DE EXERCÍCIOS. Prontuário Nome Assinatura QUESTÕES TEÓRICAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LISTA DE EXERCÍCIOS. Prontuário Nome Assinatura QUESTÕES TEÓRICAS"

Transcrição

1 Data: / / Prontuário Nome Assinatura QUESTÕES TEÓRICAS 1) Faça um diagrama do contador CTD contemplando todos os pinos de forma que fique demonstrado o comportamento do pino Q. 2) Das características mais importantes dos CLPs, cite 3 características de hardware e 3 características de software? MMK CLP Página 1 de 13

2 3) Quando afirmamos que a ligação entre a parte interna e a parte externa de um CLP está isolada galvânicamente, o que isso significa? 4) Faça um diagrama do timer TOF contemplando todos os pinos de forma que fique demonstrado o comportamento do pino Q. MMK CLP Página 2 de 13

3 QUESTÕES DIGITAIS, CONTADORES E TIMERS 5) Um cliente pede para que seja desenvolvido um programa para um CLP de um ventilador com as seguintes configurações de velocidade: CHAVE DE VELOCIDADE MOTOR LÂMPADAS MSB LSB VI V2 V3 LI (VEL BAIXA) L2 (VEL. MÉDIA) L3 (VEL. ALTA) a) Desenvolver o programa Ladder; b) Fazer o diagrama de ligação prático da montagem, contemplando todas as ligações e componentes envolvidos. Considerações: O motor só deve ser acionado após pressionar o botão liga/desliga (sem retenção); O ventilador desliga se for selecionada a velocidade 0 (zero) ou pressionada a chave liga/desliga; MMK CLP Página 3 de 13

4 6) Deseja-se controlar a velocidade de rotação de um motor industrial através da interligação de um CLP à um INVERSOR DE FREQUENCIA, onde o CLP será programado utilizando-se o programa Sucosoft S4 da Möeller. Serão oito programas, onde as frequências serão selecionadas através de duas ThumbWheels. Três saídas do CLP (Q0, Q1, Q2 e Q3) são interligadas às entradas digitais do INVERSOR DE FREQUENCIA. TumbWheel Digito b3 b2 b1 b Velocidade ThumbWheel 2 ThumbWheel 1 INVERSOR Frequência Digito Digito b3 b2 b1 b0 b3 b2 b1 b0 Programa b2 b1 b0 de rotação* MsB LsB Prog Prog Prog Prog Prog Prog Prog Prog O sistema possui uma chave Liga/Desliga (sem retenção) (I0). O motor só poderá girar em frequências válidas e o acionamento SOMENTE deverá ser feito através de (I0); *As velocidades de rotação serão fornecidas em sala de aula. a) Elaborar o programa em LD e o Supervisório; b) Fazer um esboço da ligação prática do sistema, incluindo as interligações elétricas, contatores, motor, botões, lâmpadas indicativas, etc... c) Elaborar uma tabela como a apresentada a seguir contendo os dados referente às variáveis declaradas no programa (Considerar as declarações do programa Codesys): MMK CLP Página 4 de 13

5 7) Em uma linha de produção, existe uma etapa em que os produtos devem ser separados, como descrito no esquema apresentado a seguir: Considerações: O sistema possui um botão NA de Liga e outro botão NA de Desliga, ambos sem retenção; O sistema só liga (MOT1 = 1) a partir do momento em que pressionarmos o botão Liga; Os produtos são diferenciados através da sua altura, sendo que o Produto 1 não passa do Sensor 3 (S3) e o Produto 2 chega ao sensor 1 (S1); Qualquer produto identificado de forma diferente, devese parar o sistema (MOT1 = 0) e a Lâmpada de Erro (L3) deve acender; Ao passar o Produto 1, deve ser acionada a Porta 2 (P2); Ao passar o produto 2, deve ser acionada a Porta 1 (P1); As portas 1 e 2 devem ser fechadas sempre que os sensores 5 ou 6 (S5 OU S6) identificarem a passagem de um produto; A Lâmpada L1 Indica que o Produto 1 passou, e a Lâmpada L2 indica que o Produto 2 passou. Todas as Lâmpadas devem guardar seu status até que passe um novo produto (nos casos de LI e L2) ou até que o botão Liga (no caso de L3 Lâmpada de Erro) seja acionado. a) Desenvo ver o programa Ladder; MMK CLP Página 5 de 13

6 8) Deseja-se elaborar um sistema supervisório utilizando-se o programa CodeSys: TEMPORIZAÇÃO SOMENTE NO VERMELHO (NÃO USAR) SINAL CARRO PEDESTRE VERMELHO 10 seg. 7 seg. AMARELO 2 seg. - VERDE 5 seg. 10 seg. a) Elaborar o programa em LD; b) Fazer um esboço da ligação prática do sistema, incluindo as interligações elétricas, contatores, botões, lâmpadas indicativas, descrição das Entradas e Saídas, etc... c) Preencher a tabela a apresentada no verso da folha contendo os dados referente às variáveis declaradas, caso estivéssemos utilizando o programa Sucosoft S4 da empresa Möeller: MMK CLP Página 6 de 13

7 9) Considerando-se o desenho apresentado a seguir, pede-se: SINAL CARRO PEDESTRE Seleção 1 Seleção 2 Seleção 1 Seleção 2 VERMELHO 5 seg. 10 seg. 3 piscadas 3 piscadas AMARELO 2 seg. 3 seg. - - VERDE 5 seg. 10 seg. - - a) Elaborar o programa em LD para simulação e o sistena supervisório com indicação do tempo decorrido dos timers, utilizando-se programa CodeSys; b) Fazer um esboço da ligação prática do sistema, incluindo as interligações elétricas, contatores, botões, lâmpadas indicativas, descrição das Entradas e Saídas, etc... c) Preencher a tabela a apresentada no verso da folha contendo os dados referente às variáveis declaradas, caso estivéssemos utilizando o programa CodeSys da empresa Mõeller. MMK CLP Página 7 de 13

8 10) Programar o controle de uma esteira de alimentação em um processo industrial. Na parte inferior da esteira tem um sensor de presença S1, na parte superior um outro sensor de presença S2 (S1 e S2 detectam a presença do recipiente na posição e não detectam o produto), dentro do recipiente de transporte existe um sensor que detecta quando tem produto S3. Os produtos são sempre carregados na parte inferior da esteira. A partir do momento que o operador coloca o produto dentro do recipiente na parte inferior, o motor M1 deve ser acionado para levar o produto até a parte superior. No final do percurso (limite superior), os objetos devem ser retirados do recipiente. E então M2 é acionado para que o recipiente volte para a origem. Caso isso não ocorra, M2 é então acionado para que o recipiente retorne para a origem e acender uma lâmpada (L1) que indica que o produto está no recipiente e não foi retirado. M2 deve ser desligado quando o recipiente estiver à origem (limite interior). L2 indica processo de transporte ocorrendo (sempre que um dos motores estiver funcionando). L1 - Produto não retirado L2 - Produto em trânsito S3 a) Elaborar o programa em LD; b) Fazer um esboço da ligação prática do sistema, incluindo as interligações elétricas, contatores, motor, botões, lâmpadas indicativas, etc... c) Elaborar uma tabela como a apresentada a seguir contendo os dados referente às variáveis declaradas no programa: MMK CLP Página 8 de 13

9 QUESTÕES ANALÓGICAS 11) Para um sensor de pressão, com as características descritas a seguir, acoplado em uma entrada analógica de um CLP de 10 bits, qual o valor em bar que identificaremos ao receber da entrada do CLP o valor 532 em decimal? Faixa de indicação: de 5 à 32 bar; Faixa de tensão: de 4 à 20mA. 12) Desenvolva o trecho de programa em IL para ligar e desligar um painel de lâmpadas (Q0, Q1 e Q2) de acordo com o valor do sensor de temperatura: Temperatura 1: valor do AD (230d); Temperatura 2: valor do AD (460d); Temperatura 3: valor do AD (690d); Faixa de indicação: de 30 à 100 ºC; Faixa de tensão: de -5V à +5V. Dados do CLP: Resolução do A/D: 10 bits. a) Elaborar o programa em IL; b) Elaborar uma tabela como a apresentada a seguir com os dados referente às variáveis declaradas no programa Sucosoft S4; c) O cliente deseja que seja declarado no programa uma entrada analógica com nome APL_FUT para uma aplicação futura que está em desenvolvimento, declarar essa variável na tabela do item b. MMK CLP Página 9 de 13

10 13) Deseja-se controlar a temperatura de um forno de indução aplicando-se um CLP com resolução nos AD s de 12Bits. O CLP será programado utilizando-se o programa Sucosoft S4 da Möeller, devendo utilizar-se da linguagem IL. Sensor a laser de temperatura: Saída de 4 à 20mA Faixa de Leitura: de ºC à ºC O sistema possui uma chave liga/desliga (I0) (com retenção) e uma lâmpada (Q1) indicativa de forno ligado. E deseja-se manter uma temperatura constante em C. O forno (Q0) deve ser ligado se a temperatura estiver abaixo de 500ºC do valor selecionado e deve ser desligado quando estiver 500ºC acima do valor selecionado. O cliente deseja que seja declarado no programa duas entradas analógicas com nome APL_FUT1 e APL_FUT2 para uma aplicação futura que está em desenvolvimento. a) Elaborar o programa em IL; b) Elaborar uma tabela como a apresentada a seguir com os dados referente às variáveis declaradas no programa: 14) Para um sensor de pressão, com as características descritas a seguir, acoplado em uma entrada analógica de um CLP de 12 bits, qual o valor em bar que identificaremos ao receber da entrada do CLP o valor 1500 em decimal? Faixa de indicação: de 30 à 150 bar; Faixa de tensão: de -10V à +10V. MMK CLP Página 10 de 13

11 15) Deseja-se monitorar a temperatura de uma calceira aplicando-se um CLP, cujo as entradas analógicas possuem uma resolução de 12 bits, e será programado utilizando-se o programa Sucosoft S4 da Mõeller. Tipo: Sensor a laser de temperatura; Saída: de -1 à +1Vdc Faixa de Leitura: de C à O sistema possui: Uma chave liga/desliga (I0) (com retenção); Uma lâmpada (Q0) indicativa de sistema indicador ligado; Uma lâmpada (Q1) indicativa de temperatura baixa; Uma lâmpada (Q2) indicativa de temperatura na faixa; Uma lâmpada (Q3) indicativa de temperatura alta; A faixa temperatura que se deseja monitorar é de à ºC O cliente deseja que seja reservado no programa duas entrada analógica com nome APL_FUT1 e APL_FUT2 para uma aplicação futura que está em desenvolvimento (declarar na tabela). a) Elaborar o programa em IL considerando-se o sensor acoplado a uma entrada analógica; b) Elaborar o programa em LD substituindo o sensor an alógico por termostatos; c) Preencher a tabela abaixo com os dados obtidos nesse exercício. MMK CLP Página 11 de 13

12 16) Para um sensor de pressão, com as caracteristicas descritas a seguir, foi identificado pelo CLP o valor de 1200 em decimal. Qual o valor em "bar"? Dados: Faixa de indicação do sensor: de 15 à 45 bar; Faixa de tensão do sensor: de -10V à +10V; Resolução da entrada analógica do CLP: 10 bits. 17) Para um sensor de nível, com as características descritas a seguir, acoplado em uma entrada analógica de um CLP de 10 bits, qual o valor que devemos colocar em nosso programa para que o CLP identifique o nível de 3,7 litros? Faixa de indicação: de 1 à 10 litros; Faixa de tensão: de -10 à +10 Vdc 18) Para um sensor de pressão, com as características descritas a seguir, acoplado em uma entrada analógica de um CLP de 10 bits, qual o valor em 'bar' que identificaremos ao receber da entrada do CLP o valor 532 em decimal? Faixa de indicação: de 5 à 32 bar; Faixa de tensão: de 4 à 20mA. MMK CLP Página 12 de 13

13 19) Deseja-se desenvolver um controlador de fluxo acoplando-se um CLP à uma válvula instalala à uma tubulação em uma planta industrial. O cliente pede para que o controlador atenda às seguintes características: a) O sistema deve possuir uma chave Liga/Desliga (I0) com retenção; b) O fluxo deve ser ajustado através de um potenciômetro, onde: O sistema só inicie o acionamento da válvula a partir de 30% do curso do potenciômetro. O controle de fluxo deve funcionar até os 80%, a partir daí a válvula deverá ser fechada, voltando a ser acionada somente quando o operador reduzir abaixo de 30% e voltar a aumentar o fluxo; c) De 30 à 80%, o CLP deverá acionar uma saída amalógica proporcionalmente à entrada, ou seja, caso o operador ajuste 40% de fluxo, a saída deverá também estar aos 40%, caso esteja ajustado 60%, a saída devera estar em 60% e assim por diante.. Dados da entrada: Tipo: Analógica (potenciômetro); Resolução: 10bits; Tensão: de -1 à +1Vdc Dados da saída: Tipo: Analógica; Resolução: 12bits; Tensão: de 0 à +10Vdc d) Elaborar o programa em IL; e) Preencher a tabela abaixo com os dados obtidos nesse exercício, tendo como referência o programa Sucosoft S4 da Möeller. MMK CLP Página 13 de 13

Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica Laboratório de Informática Industrial

Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica Laboratório de Informática Industrial Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica Laboratório de Informática Industrial 1 2 a AULA Controlador Lógico Programável: Características de software.

Leia mais

Trabalho T1 de Projetos de Automação Automação Semestre 01/2015

Trabalho T1 de Projetos de Automação Automação Semestre 01/2015 Trabalho T1 de Projetos de Automação Automação Semestre 01/2015 Engenharia de Controle e Automação Nome do Projeto: Prensa hidráulica para conformação de peças. Para este projeto desenvolva: Descritivo

Leia mais

O objetivo deste material é demonstrar com exemplos como a máquina de estado reproduz fielmente todas as etapas idealizadas pelo projetista.

O objetivo deste material é demonstrar com exemplos como a máquina de estado reproduz fielmente todas as etapas idealizadas pelo projetista. Parte 06 - Técnicas de programação (máquina de estados) MÁQUINA DE ESTADOS FINITO Pode-se definir máquina de estado como sendo um modelo de comportamento de um determinado processo, em nosso caso industrial.

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 10ª Série Automação Industrial Engenharia Elétrica A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio

Leia mais

APOSTILA ZELIO SOFT 2

APOSTILA ZELIO SOFT 2 APOSTILA ZELIO SOFT 2 Prof. Maycon Max Kopelvski Fev/2010 rev.01 Página 1 de 20 1) Clique no ícone para abrir o programa Zelio Soft 2 2) Abrirá a tela inicial do Programa: Clique em Criar um novo programa.

Leia mais

4.3. Máquina de estados: São utilizados em sistemas de complexos, é de fácil transformação para ladder desde que não haja muitas ramificações.

4.3. Máquina de estados: São utilizados em sistemas de complexos, é de fácil transformação para ladder desde que não haja muitas ramificações. Parte 4 - Técnicas de programação (Lógica simples) INTRODUÇÃO Programar em ladder é muito simples, desde que ele tenha uma estrutura sob a qual o programa deve ser desenvolvido, ou seja, se deve ter um

Leia mais

Portaria Inmetro/Dimel n.º 0257, de 13 de outubro de 2010.

Portaria Inmetro/Dimel n.º 0257, de 13 de outubro de 2010. Portaria Inmetro/Dimel n.º 0257, de 13 de outubro de 2010. O Diretor de Metrologia Legal do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - Inmetro, no exercício da delegação de

Leia mais

Controladores Lógicos Programáveis

Controladores Lógicos Programáveis Controladores Lógicos Programáveis Diagramas de Blocos Diagramas de Escada Grafcet Exercícios de Programação Autómato da Siemens Laboratórios Integrados III Departamento de Electrónica Industrial e de

Leia mais

Parte V Linguagem de Programação

Parte V Linguagem de Programação www.spei.br Sociedade Paranaense de Ensino e Informática Parte V Linguagem de Programação 2 1 Linguagens de Programação de CLPs As linguagens de programação permitem aos usuários se comunicar com o CLP

Leia mais

PROGRAMAÇÃO BÁSICA DE CLP

PROGRAMAÇÃO BÁSICA DE CLP PROGRAMAÇÃO BÁSICA DE CLP Partindo de um conhecimento de comandos elétricos e lógica de diagramas, faremos abaixo uma revisão para introdução à CLP. Como saber se devemos usar contatos abertos ou fechados

Leia mais

SISTEMAS DIGITAIS Universidade Católica - Exercício I

SISTEMAS DIGITAIS Universidade Católica - Exercício I SISTEMAS DIGITAIS Universidade Católica - Exercício I Nome do Aluno : Gabarito 1) Associe as definições abaixo : (a) Base de Numeração (b) Símbolos de um sistema de numeração (c) Valor de um número (d)

Leia mais

Programa Ladder para Esteiras Transportadoras Automação Semestre 01/2015

Programa Ladder para Esteiras Transportadoras Automação Semestre 01/2015 Programa Ladder para Esteiras Automação Semestre 01/2015 Engenharia de Controle e Automação Programa Ladder Esteiras Descrição de funcionamento: O sistema é ligado e desligado pelo botão de comando de

Leia mais

CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMAVEL

CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMAVEL CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMAVEL Controlador Lógico Programável ( Hardware ) Para aprendermos como funciona um CLP, é necessário uma análise de seus componentes básicos, utilizados por todos os CLPs disponíveis

Leia mais

Técnico/a de Refrigeração e Climatização

Técnico/a de Refrigeração e Climatização Técnico/a de Refrigeração e Climatização 1315 Eletricidade e eletrónica - programação de autómatos 2013/ 2014 Gamboa 1 Introdução Automação, estudo dos métodos e procedimentos que permitem a substituição

Leia mais

Keypad com IR via Rede I 2 C

Keypad com IR via Rede I 2 C Keypad com IR via Rede I 2 C O Keypad para µdx200 é um dispositivo com 8 teclas momentâneas e 8 leds indicativos, muito usado em automações residenciais e prediais. Ele substitui as tradicionais chaves

Leia mais

Controladores Lógicos Programáveis CLP (parte-3)

Controladores Lógicos Programáveis CLP (parte-3) Controladores Lógicos Programáveis CLP (parte-3) Mapeamento de memória Na CPU (Unidade Central de Processamento) de um CLP, todas a informações do processo são armazenadas na memória. Essas informações

Leia mais

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Ultrassom. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13. www.robouno.com.br

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Ultrassom. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13. www.robouno.com.br R O B Ó T I C A Sensor Smart Ultrassom Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13 Sensor Smart Ultrassom 1. Introdução Os sensores de ultrassom ou ultrassônicos são sensores que detectam

Leia mais

Sistema Multibombas Controle Fixo CFW-11

Sistema Multibombas Controle Fixo CFW-11 Motores Energia Automação Tintas Sistema Multibombas Controle Fixo CFW-11 Manual de Aplicação Idioma: Português Documento: 10000122700 / 01 Manual de Aplicação para Sistema Multibombas Controle Fixo Série:

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia

Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia 1 Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica Laboratório de Informática Industrial 3ª AULA - Programação Convencional de CLP - Parte I Objetivos: Analisar

Leia mais

Compatível com o módulo AIO571 Nota: Os conectores de interface dos módulos podem ser do tipo alavanca (para os módulos novos) ou do tipo parafuso.

Compatível com o módulo AIO571 Nota: Os conectores de interface dos módulos podem ser do tipo alavanca (para os módulos novos) ou do tipo parafuso. Automação Industrial Módulos Controlador P7C - HI Tecnologia 7C 573 57 3 O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador P7C da HI tecnologia (PMU10700100). A lista de verbetes consta

Leia mais

Manual de Instruções de Instalação e Garantia. Aquecedor Universal Com Acionamento Digital

Manual de Instruções de Instalação e Garantia. Aquecedor Universal Com Acionamento Digital Manual de Instruções de Instalação e Garantia Aquecedor Universal Com Acionamento Digital Parabéns! Você acabou de adquirir um produto com a qualidade AQUAPLÁS Apresentação O Aquecedor AQUAPLÁS é utilizado

Leia mais

SISTEMA SUPERVISÓRIO DE CONTROLE DE UMA CENTRÍFUGA DE PROCESSAMENTO DE AÇÚCAR UTILIZANDO A BANCADA WEG

SISTEMA SUPERVISÓRIO DE CONTROLE DE UMA CENTRÍFUGA DE PROCESSAMENTO DE AÇÚCAR UTILIZANDO A BANCADA WEG Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Automação e Sistemas Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Automação e Sistemas Projeto REUNI 2010 SISTEMA SUPERVISÓRIO DE CONTROLE DE UMA CENTRÍFUGA

Leia mais

DeviceNet Drive Profile CFW-09

DeviceNet Drive Profile CFW-09 Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas DeviceNet Drive Profile CFW09 Manual da Comunicação Manual da Comunicação DeviceNet Drive Profile Série: CFW09 Idioma: Português Versão de Software:

Leia mais

Manual de Operação e Configuração. Balança Dosadora de Ração

Manual de Operação e Configuração. Balança Dosadora de Ração Manual de Operação e Configuração Balança Dosadora de Ração 2 1- INTRODUÇÃO A (SPM e SPF) foi projetada para atender as necessidades no setor de pesagem e distribuição de ração em toda linha avícola, fornecendo

Leia mais

Introdução à Planta Didática MPS-PA Estação Compacta da Festo

Introdução à Planta Didática MPS-PA Estação Compacta da Festo Introdução à Planta Didática MPS-PA Estação Compacta da Festo Objetivos: Estudo dirigido da estação compacta da Festo para experimentos em controle de processos. Além da familiarização com os componentes

Leia mais

Mapeamento de memória e programação da IHM do controlador CP-WS41/8DO8DI4AO2AI2TAI

Mapeamento de memória e programação da IHM do controlador CP-WS41/8DO8DI4AO2AI2TAI Comércio e Manutenção de Produtos Eletrônicos Manual CP-WS1 Mapeamento de memória e programação da IHM do controlador CP-WS41/8DO8DI4AO2AI2TAI PROXSYS Versão 1.0 Março-2013 Controlador Industrial CP-WS1

Leia mais

IINTRODUÇÃO SOFTWARE DE PROGRAMAÇÃO GP-SOFTWARE

IINTRODUÇÃO SOFTWARE DE PROGRAMAÇÃO GP-SOFTWARE IINTRODUÇÃO SOFTWARE DE PROGRAMAÇÃO GP-SOFTWARE Rev.: 01 (03/09/2007) PRODUTOS ELETRÔNICOS METALTEX LTDA. Rua: José Rafaelli, 221 - Socorro - S. Amaro - São Paulo / SP. CEP: 04763-280 - Brasil Tel.: 55

Leia mais

MD-50 Plus. Com a senha mestre são permitidas todas as funções de programação do módulo. A senha de fábrica é 5-6-7-8.

MD-50 Plus. Com a senha mestre são permitidas todas as funções de programação do módulo. A senha de fábrica é 5-6-7-8. MD-50 Plus DESCRIÇÃO DO PRODUTO Com esse equipamento você pode monitorar qualquer central de alarme convencional ou eletrificador. Ele possui 4 entradas e uma saída PGM que pode ser acionada por telefone

Leia mais

CONHECIMENTO ESPECÍFICO

CONHECIMENTO ESPECÍFICO CONHECIMENTO ESPECÍFICO 6. O PID (Proporcional Integral Derivativo) é comumente usado na automação industrial para se encontrar um erro entre a entrada e a saída de um processo qualquer. Nesse processo,

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO DISCADORA DM-908

GUIA DE INSTALAÇÃO DISCADORA DM-908 GUIA DE INSTALAÇÃO DISCADORA DM-908 R ÍNDICE Característica do Aparelho... 3 Funcionamento Geral... 3 Painel Frontal... 3 Programação dos Telefones... 4 Apagando uma Posição de Memória... 4 Programação

Leia mais

Guia do Instalador & MANUAL DO USUÁRIO. AlbaLED Cores Piscina

Guia do Instalador & MANUAL DO USUÁRIO. AlbaLED Cores Piscina Guia do Instalador & MANUAL DO USUÁRIO AlbaLED Cores Piscina Copyright G2N Automação Indústria e Comércio Ltda. 2009. AlbaLED Cores Piscina Este Guia do Instalador e Manual do Usuário foi publicado pela

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÕES AHC CRANE 21644

MANUAL DE OPERAÇÕES AHC CRANE 21644 MANUAL DE OPERAÇÕES AHC CRANE 21644 PÁGINA DO AHC Na figura acima são exibidas as seguintes informações: 1- Velocidade do cabo. 2- Pressão do Nitrogênio no Compensador do AHC. 3- Carga máxima permitida

Leia mais

DE PRESSÃO EM UMA RESPECTIVA TUBULAÇÃO

DE PRESSÃO EM UMA RESPECTIVA TUBULAÇÃO 1 4.ª Prática Controle (PID) DE PRESSÃO EM UMA RESPECTIVA TUBULAÇÃO da Planta de Instrumentação Industrial e Controle de Processos Contínuos da De Lorenzo OBJETIVO: 1. Fazer o controle (PID) de Pressão

Leia mais

(E) (A) A bobina do rele de tempo dt1 está queimada. (B) A1. (B) A bobina do contator 1K3 está queimada. (C) A2

(E) (A) A bobina do rele de tempo dt1 está queimada. (B) A1. (B) A bobina do contator 1K3 está queimada. (C) A2 Técnico de Lab.: Automação Industrial 31. De acordo com a norma NBR 8403/1984: Aplicação de linhas em desenhos Tipos de linhas - Larguras das linhas e a norma NBR 198/1995: Representação de área de corte

Leia mais

Manual da Comunicação Profibus DP

Manual da Comunicação Profibus DP Manual da Comunicação Profibus DP Relé Inteligente Série: SRW 01 Versão de Software: V1.3X Idioma: Português Documento: 10000089150 / 00 04/2008 Sumário SOBRE O MANUAL...5 1 A REDE PROFIBUS DP...6 1.1

Leia mais

AULA 06 LINGUAGEM DE BLOCOS DE FUNÇÃO (FB) ENG1016 - Informática Industrial I Profa. Letícia Chaves Fonseca

AULA 06 LINGUAGEM DE BLOCOS DE FUNÇÃO (FB) ENG1016 - Informática Industrial I Profa. Letícia Chaves Fonseca AULA 06 LINGUAGEM DE BLOCOS DE FUNÇÃO (FB) ENG1016 - Informática Industrial I Profa. Letícia Chaves Fonseca 2 1. Linguagem de Blocos de Função (FB) 1. Linguagem de Blocos de Função (FB) 3 Historicamente

Leia mais

Princípio de Funcionamento

Princípio de Funcionamento ROTEIRO Introdução O Controlador Lógico Programável CLP nasceu dentro da General Motors, em 1968, devido a grande dificuldade de mudar a lógica de controle dos painéis de comando a cada mudança na linha

Leia mais

3.5 SAÍDAS DE CONTROLE * Saída 1: Saída do Compressor. Saída à relé, máx. 2A, carga resistiva. * Saída 2: Saída do degelo.

3.5 SAÍDAS DE CONTROLE * Saída 1: Saída do Compressor. Saída à relé, máx. 2A, carga resistiva. * Saída 2: Saída do degelo. (63(&,,&$d (6 1Ë9(/'(352*5$0$d 2 &$5$&7(5Ë67,&$6 O MJS é um controlador digital microcontrolado projetado para aplicações de refrigeração, atuando no controle do compressor, nos ciclos de degelo, nos ventiladores

Leia mais

Manual de Operação BALANÇA ELETRÔNICA US 30/2

Manual de Operação BALANÇA ELETRÔNICA US 30/2 Manual de Operação BALANÇA ELETRÔNICA US 30/2 1- CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Prato em aço inoxidável 340 x 310 mm. Saída serial para impressora matricial Urano USE-PII. Temperatura de operação: 0 a 50 ºC.

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE SELEÇÃO DE PEÇA USANDO CONCEITOS DE PROGRAMAÇÃO DE SISTEMA DE AUTOMAÇÃO. João Alvarez Peixoto*

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE SELEÇÃO DE PEÇA USANDO CONCEITOS DE PROGRAMAÇÃO DE SISTEMA DE AUTOMAÇÃO. João Alvarez Peixoto* IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE SELEÇÃO DE PEÇA USANDO CONCEITOS DE PROGRAMAÇÃO DE SISTEMA DE AUTOMAÇÃO João Alvarez Peixoto* * Mestrando do Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica - UFRGS Porto

Leia mais

Práticas de laboratório de Eletrônica Digital

Práticas de laboratório de Eletrônica Digital Universidade Federal de Uberlândia Práticas de laboratório de Eletrônica Digital Prof. Dr. Alan Petrônio Pinheiro Faculdade de Engenharia Elétrica Curso de Engenharia Eletrônica e de Telecomunicações (campus

Leia mais

M150SP MANUAL DO UTILIZADOR / INSTALADOR. v1.0 REV. 10/2015

M150SP MANUAL DO UTILIZADOR / INSTALADOR. v1.0 REV. 10/2015 M150SP MANUAL DO UTILIZADOR / INSTALADOR v1.0 REV. 10/2015 00. CONTEÚDO 01. AVISOS DE SEGURANÇA ÌNDICE 01. AVISOS DE SEGURANÇA NORMAS A SEGUIR 02. O DISPOSITIVO CARACTERISTICAS TÉCNICAS ASPETO VISUAL LEGENDA

Leia mais

Considere um alarme residencial ligado a um CLP compacto com os seguintes I/Os:

Considere um alarme residencial ligado a um CLP compacto com os seguintes I/Os: Exercícios de CLP Exercício 1 I/O Simulator Considere um alarme residencial ligado a um CLP compacto com os seguintes I/Os: I:1/1 Aciona o Alarme I:1/2 Desliga o Alarme I:1/3 Sensor de Presença I:1/4 Sensor

Leia mais

Manual Balanças Kids. Balança Pesadora Kids Manual do Usuário. www.upxsolution.com.br Vendas: 11 4096-9393 Página: 1

Manual Balanças Kids. Balança Pesadora Kids Manual do Usuário. www.upxsolution.com.br Vendas: 11 4096-9393 Página: 1 Balança Pesadora Kids Manual do Usuário www.upxsolution.com.br Vendas: 11 4096-9393 Página: 1 Indice 1. Instalação 2. Localização da Funções 3. Ligando a Balança 4. Operação 5. Configurações 6. Mensagens

Leia mais

Dicas de Ecoeficiência. santander.com.br/sustentabilidade

Dicas de Ecoeficiência. santander.com.br/sustentabilidade Dicas de Ecoeficiência santander.com.br/sustentabilidade água Torneira aberta Cada minuto utilizado para escovar os dentes com a torneira aberta, é gasto de 12 a 20 litros de água. Por isso, recomenda-se

Leia mais

Estudo do sistema de IHM para automação de sistema de renovação de água dos chillers em processo de abate de aves.

Estudo do sistema de IHM para automação de sistema de renovação de água dos chillers em processo de abate de aves. Estudo do sistema de IHM para automação de sistema de renovação de água dos chillers em processo de abate de aves. TIAGO NELSON ESTECECHEN tiago_cascavel@hotmail.com UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ

Leia mais

Manual de instalação e configuração do módulo de saídas NSR-08

Manual de instalação e configuração do módulo de saídas NSR-08 Manual de instalação e configuração do módulo de saídas NSR-08 Sumário DESCRIÇÃO GERAL...4 VANTAGENS...4 CARACTERÍSTICAS...4 LED DE STATUS DO MODULO...4 ESQUEMA DE LIGAÇÕES...5 LIGAÇÃO DO CABO DE COMUNICAÇÃO...6

Leia mais

Manual de operações e instruções

Manual de operações e instruções Manual de operações e instruções Transmissor e Indicador de Vazão de Ar TIVA Com display LCD Rua Cincinati, 101 - São Paulo -SP Tel. / Fax (011) 5096-4654 - 5096-4728. E-mail: vectus@vectus.com.br Para

Leia mais

Módulo I. Desenvolvimento Software CLP - Básico

Módulo I. Desenvolvimento Software CLP - Básico Desenvolvimento Software CLP - Básico Lista de exercícios utilizados nas vídeo aulas e manual de referência das instruções utilizadas em cada aula. Setor de capacitação técnica Branqs Automação Santos

Leia mais

Serviços de Automação DESCRITIVO. Produtos

Serviços de Automação DESCRITIVO. Produtos Serviços de Automação DESCRITIVO Produtos QTA-ST10M Quadro de Transferência Automática com informação do STATUS do conjunto (gerador + painel) em Led s. Realiza a transferência automática entre o contator

Leia mais

1 Esfera de aço 1 Transitor BC547

1 Esfera de aço 1 Transitor BC547 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO VICENTE DO SUL ROTEIRO DE MONTAGEM DA ATIVIDADE DE AQUISIÇÃO AUTOMÁTICA DE DADOS REOMETRIA DE FLUIDOS NEWTONIANOS PROFESSOR RAFHAEL BRUM WERLANG 1.0 OBJETIVO

Leia mais

Bancada Didática para CLP SIEMENS S7-1200 com Inversor - XC124 -

Bancada Didática para CLP SIEMENS S7-1200 com Inversor - XC124 - T e c n o l o g i a Bancada Didática para CLP SIEMENS S7-1200 com Inversor - XC124 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. Bancada Didática para CLP SIEMENS

Leia mais

CLP s9300. CLP s9300 revisão 1 - Página 1 de 8

CLP s9300. CLP s9300 revisão 1 - Página 1 de 8 CLP s9300 CLP s9300 revisão 1 - Página 1 de 8 Controlador Lógico Programável s9300 Descrição: O CLP s9300 (Controlador Lógico Programável) é o módulo que possui um alto nível de integração entre seus componentes.

Leia mais

3.1.6 Entradas digitais Quantidade: 8. Tipo: NPN / PNP conforme configuração, dividida em 2 grupos de 4 entradas. Impedância de entrada: 8.8KΩ.

3.1.6 Entradas digitais Quantidade: 8. Tipo: NPN / PNP conforme configuração, dividida em 2 grupos de 4 entradas. Impedância de entrada: 8.8KΩ. 8 Tecla Cancelar. Utilizado para retorno de nível de programação. 9 Tecla Enter. Utilizado para acessar programação. Obs.: Todas as teclas podem ser utilizadas no diagrama Ladder. 3. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

Leia mais

Guia de utilização do software. universal GPRS M-300.

Guia de utilização do software. universal GPRS M-300. Guia de utilização do software Programador do módulo universal GPRS M-300. JFL Equipamentos Eletrônicos Ind. e Com. Ltda. Rua: João Mota, 471 - Bairro: Jardim das Palmeiras Santa Rita do Sapucaí - MG CEP:

Leia mais

Treinamento. ACE Schmersal Boituva - SP. Duvidas (15)3263-9800 suporte.linhalogica@schmersal.com.br

Treinamento. ACE Schmersal Boituva - SP. Duvidas (15)3263-9800 suporte.linhalogica@schmersal.com.br Treinamento ACE Schmersal Boituva - SP Duvidas (15)3263-9800 suporte.linhalogica@schmersal.com.br Produtos Schmersal Controladores e Inversores Princípio de Funcionamento de um Controlador Programavél

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E CALIBRAÇÃO

MANUAL DE OPERAÇÃO E CALIBRAÇÃO MANUAL DE OPERAÇÃO E CALIBRAÇÃO ] CONVERSOR DE SINAL PARA CÉLULA DE CARGA (Versão 1.2 Out./10) 1 INDÍCE PÁG. 1 Garantia 3 2 Introdução 3 3 Instalação 3 4 Dados Técnicos 4 5 Alimentação Elétrica 4 6 Disposição

Leia mais

Central de Detecção de Incêndio 4 Zonas Manual de Instalação

Central de Detecção de Incêndio 4 Zonas Manual de Instalação Central de Detecção de Incêndio 4 Zonas Manual de Instalação Características Quatro zonas com capacidade de teste/isolamento. Dois circuitos de alarme com possibilidade de isolamento. Fonte de alimentação

Leia mais

3. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

3. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 3. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 3.2 CARACTERÍSTICAS DE SOFTWARE 1. CARACTERÍSTICAS O CLG535R é um controlador programável que integra os principais recursos empregados em uma automação industrial. Dispõe integrado

Leia mais

TÍTULO: ENVERNIZADORA DE PORTA OBJETOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

TÍTULO: ENVERNIZADORA DE PORTA OBJETOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ENVERNIZADORA DE PORTA OBJETOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA:

Leia mais

GPRS Universal. Manual do Instalador. C209994 - Rev 0

GPRS Universal. Manual do Instalador. C209994 - Rev 0 GPRS Universal Manual do Instalador C209994 - Rev 0 » Introdução: Antes da instalação deste produto, recomendamos a leitura deste manual, que contém todas as informações necessárias para a correta instalação

Leia mais

ITALWIN Prestige Smart

ITALWIN Prestige Smart Guia do Usuário 1 ITALWIN COMPONENTES MOTOR 250W /36V - Dianteiro BATERIAS - Lítio -Ion - 36 Volts/09 AmpéresHora RECARREGADOR - Recarregador inteligente com display em LED VELOCIDADE - 25 km/h (depend.

Leia mais

APOSTILA SUCOSOFT S4 MARÇO DE 2009

APOSTILA SUCOSOFT S4 MARÇO DE 2009 APOSTILA DO SUCOSOFT S4 MARÇO DE 2009 1 SUCOSOFT S4 O primeiro exercício no CLP PS4-201-MM1 e o de partida de motor trifásico por meio de contator com acionamento por botões liga e desliga e com proteção

Leia mais

Soft-Starter SSW-06 Manual da Comunicação Profibus DP e DeviceNet

Soft-Starter SSW-06 Manual da Comunicação Profibus DP e DeviceNet Soft-Starter SSW-06 Manual da Comunicação Profibus DP e DeviceNet 10/2007 Série: SSW-06 SSW-06: V1.4x 0899.5843 P/4 Sumário REDES FIELDBUS... 4 ABREVIAÇÕES E DEFINIÇÕES... 4 REPRESENTAÇÃO NUMÉRICA... 4

Leia mais

3.1.2 CONTROLE REMOTO * Alimentação: 12V - 1 pilha A23. * Alcance: 15 metros sem obstáculos.

3.1.2 CONTROLE REMOTO * Alimentação: 12V - 1 pilha A23. * Alcance: 15 metros sem obstáculos. 1. CARACTERÍSTICAS CONTROLADOR DE TEMPERATURA PARA AQUECIMENTO SOLAR E AUTOMAÇÃO DE PISCINA MTZ621R - 90~240VCA - P551 MANUAL DE INSTRUÇÕES VERSÃO 1.2 - JAN/2014 2.2 CONTROLE REMOTO 3.3 SENSOR DE TEMPERATURA

Leia mais

Sistema Inversor. Modelos Tipo Parede. Localização e reparação de erros

Sistema Inversor. Modelos Tipo Parede. Localização e reparação de erros Sistema Inversor Modelos Tipo Parede Localização e reparação de erros 1- Quando a unidade apresenta algum problema (a lâmpada de operação e Timer não irá acender) 2- A função autodiagnóstico (a lâmpada

Leia mais

Rastreador RST-VT RST. Manual do Usuário. Versão 1.3 RST-VT

Rastreador RST-VT RST. Manual do Usuário. Versão 1.3 RST-VT Rastreador RST Manual do Usuário Versão 1.3 Rastreador Emissão: Revisão 1.4 Data: 12/03/2012 Número de Páginas 24 Histórico de Revisões DATA VERSÃO DESCRIÇÃO AUTORES 06/10/2011 1.3 05/10/2011 1.2 19/09/2011

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL

SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL Módulos para automação Características gerais - Processamento independente - Possui alerta sonoro e luminoso de falta de conexão - Não precisa ser configurado (Plug and

Leia mais

Astra ThinClient Manual de Configuração

Astra ThinClient Manual de Configuração 2011 www.astralab.com.br Astra ThinClient Manual de Configuração Guia para configuração do software Astra ThinClient. Equipe Documentação Astra AstraLab 20/07/2011 1 Sumário Configurando padrões... 3 Configurando

Leia mais

Manual de Operação LINHA UR LIGHT

Manual de Operação LINHA UR LIGHT Manual de Operação LINHA UR LIGHT 1 APRESENTAÇÃO Este equipamento atende os usuários que necessitam automatizar ou agilizar processos que envolvam pesagem ou dosagens de receitas. O comando UR LIGHT possui

Leia mais

Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais. Manual de Instruções Controlador Digital Microprocessado CCM44. Versão 0.xx / Rev.

Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais. Manual de Instruções Controlador Digital Microprocessado CCM44. Versão 0.xx / Rev. Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais Manual de Instruções Controlador Digital Microprocessado CCM44 Versão 0.xx / Rev. 03 Índice Ítem Página 1. Introdução... 02 2. Características...

Leia mais

Manual de Operação. Impressora Térmica Não fiscal ZP220 UBT 1-12

Manual de Operação. Impressora Térmica Não fiscal ZP220 UBT 1-12 Manual de Operação Impressora Térmica Não fiscal ZP220 UBT 1-12 1. INTRODUÇÃO ZP220-UBT é uma impressora térmica top de linha que trabalha em alta velocidade de impressão, baixo nível de ruído de impressão,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA SÉRIE DE EXERCÍCIO #A4 (1A) FONTE CHAVEADA PAINEL SOLAR Uma aplicação possível

Leia mais

BALANÇAS PARA PONTE ROLANTE MODELO BGB RADIO

BALANÇAS PARA PONTE ROLANTE MODELO BGB RADIO BALANÇAS PARA PONTE ROLANTE MODELO BGB RADIO ÍNDICE I Cuidados de Uso... 2 II Características... 2 III Características Técnicas.... 2 IV Capacidade..... 3 V Dimensões. 3 VI Operação 4 VII Diagrama de Funcionamento..

Leia mais

PCT-3001 plus. Display LCD

PCT-3001 plus. Display LCD PCT3 plus CONTROLADOR DIGITAL DE PRESSÃO PARA CENTRAIS DE REFRIGERAÇÃO Ver.2 DESCRIÇÃO Controlador de pressão para sistemas de refrigeração que controla os estágios de sucção (compressores) e de descarga

Leia mais

Indicador de pesagem. WT3000-I-Plus. Manual Técnico. Versão 04, Revisão 05. Soluções Globais em Sistemas de Pesagem

Indicador de pesagem. WT3000-I-Plus. Manual Técnico. Versão 04, Revisão 05. Soluções Globais em Sistemas de Pesagem Indicador de pesagem Manual Técnico Versão 04, Revisão 05 Soluções Globais em Sistemas de Pesagem Obrigado por escolher a WEIGHTECH! Agora, além de adquirir um equipamento de excelente qualidade, você

Leia mais

Teste de Sensores e Atuadores do sistema de Injeção Eletrônica de Motocicletas

Teste de Sensores e Atuadores do sistema de Injeção Eletrônica de Motocicletas Teste de Sensores e Atuadores do sistema de Injeção Eletrônica de Motocicletas 2 - Índice: - Introdução. 3 - Acessórios Utilizados. 4 - Funções: - Teste de Polaridade. 5 - Teste de Tensão Contínua: 1,5v

Leia mais

MANUAL DA BANCADA DE TESTES JET SONIC

MANUAL DA BANCADA DE TESTES JET SONIC MANUAL DA BANCADA DE TESTES JET SONIC São Carlos Maio de 2008 Índice Introdução Características principais Especificações técnicas Ligação do equipamento à rede Solução (líquido) de teste Configuração

Leia mais

Aula 2. - Elaboração de algoritmos/fluxogramas. - Gravação do programa no microcontrolador

Aula 2. - Elaboração de algoritmos/fluxogramas. - Gravação do programa no microcontrolador Aula 2 - Elaboração de algoritmos/fluxogramas - Set de instruções do 8051 - Programação em Assembly - Gravação do programa no microcontrolador - Simulação Exercícios da aula passada... 1) Converta os números

Leia mais

CONTROLADOR ELETRÔNICO DE AR CONDICIONADO. GL-T540 Painel de Controle

CONTROLADOR ELETRÔNICO DE AR CONDICIONADO. GL-T540 Painel de Controle CONTROLADOR ELETRÔNICO DE AR CONDICIONADO GL-T540 Painel de Controle MANUAL PARA OPERADOR Maio 2005 Rev. BI Versão Software: 1.1 SUMMARIO 1) INTRODUÇÃO... 03 1.1) Introdução... 03 1.2) Painel de Controle...

Leia mais

HUMITECH 1. DESCRIÇÃO

HUMITECH 1. DESCRIÇÃO PARA RESFRIAMENTO EVAPORATIVO TEMPER UMIDADE 1. DESCRIÇÃO Controlador microprocessado de alta performance, o Humitech aplica-se em conjunto a sistemas de resfriamento evaporativo para conforto térmico

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica Apostila de Automação Industrial Elaborada pelo Professor M.Eng. Rodrigo Cardozo Fuentes Prof. Rodrigo

Leia mais

CVMDDC - CONTROLE DE VELOCIDADE DO MOTOR DC

CVMDDC - CONTROLE DE VELOCIDADE DO MOTOR DC UFLA Universidade Federal de Lavras DEX Departamento de Ciências Exatas Bacharelado em CVMDDC - CONTROLE DE VELOCIDADE DO MOTOR DC Autor: Edna Mie Kanazawa Orientador: Wilian Soares Lacerda Lavras, novembro

Leia mais

Profª Danielle Casillo

Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Automação e Controle Aula 07 Linguagem Ladder Profª Danielle Casillo A LINGUAGEM LADDER Foi a primeira que surgiu para programação

Leia mais

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) Sensores

Leia mais

Funções de Posicionamento para Controle de Eixos

Funções de Posicionamento para Controle de Eixos Funções de Posicionamento para Controle de Eixos Resumo Atualmente muitos Controladores Programáveis (CPs) classificados como de pequeno porte possuem, integrados em um único invólucro, uma densidade significativa

Leia mais

CAPÍTULO 1 REVISÃO DE LÓGICA COMBINACIONAL

CAPÍTULO 1 REVISÃO DE LÓGICA COMBINACIONAL 1 CAPÍTULO 1 REVISÃO DE LÓGICA COMBINACIONAL Sumário 1.1. Sistemas de Numeração... 3 1.1.1. Conversão Decimal Binária... 3 1.1.2. Conversão Binária Decimal... 3 1.1.3. Conversão Binária Hexadecimal...

Leia mais

hardwarecar.com.br 1 Tecla para acionamento do freio de largada e Reset dos cronômetros e Mapas. 4 Teclas para navegação e programações.

hardwarecar.com.br 1 Tecla para acionamento do freio de largada e Reset dos cronômetros e Mapas. 4 Teclas para navegação e programações. Tecla para acionamento do freio de largada e Reset dos cronômetros e Mapas. 4 Teclas para navegação e programações. A saída do chicote esta localizada na parte traseira ou inferior do. hardwarecar.com.br

Leia mais

Bancada Didática para CLP SCHNEIDER _ TWIDO - XC110 -

Bancada Didática para CLP SCHNEIDER _ TWIDO - XC110 - T e c n o l o g i a Bancada Didática para CLP SCHNEIDER _ TWIDO - XC110 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. Bancada Didática para CLP Schneider TWIDO

Leia mais

Linha Basculante. Descrição do Produto

Linha Basculante. Descrição do Produto Descrição do Produto A linha BV Rossi foi desenvolvida para portões basculantes e traz a comodidade de ser instalado em ambos os lados do portão, evitando mexer na estrutura original para a fixação. Sua

Leia mais

DIMENSÕES (Essas dimensões são válidas para todos os modelos com o mesmo número de entradas e de saídas):

DIMENSÕES (Essas dimensões são válidas para todos os modelos com o mesmo número de entradas e de saídas): INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DO MILLENIUM 3 2009 DIMENSÕES (Essas dimensões são válidas para todos os modelos com o mesmo número de entradas e de saídas): 1 Partes para fixação retráteis 2 Terminais da alimentação

Leia mais

WT-1000 LED INDICADOR DE PESAGEM

WT-1000 LED INDICADOR DE PESAGEM WT-1000 LED INDICADOR DE PESAGEM Manual do usuário Rev0 21/03/2006 Índice 1 Funções das teclas Página 2 2 Operação Página 2 2.1 Carregando a Bateria Página 2 2.2 Zero Manual Página 3 2.3 Função de Tara

Leia mais

LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 267 - TELEFONE: 6823-8800 Revisado em 24/10/2006 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 www.linear-hcs.com.

LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 267 - TELEFONE: 6823-8800 Revisado em 24/10/2006 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 www.linear-hcs.com. LINEAR-HCS RUA SÃO JORGE, 267 - TELEFONE: 6823-8800 Revisado em 24/10/2006 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP: 09530-250 www.linear-hcs.com.br CENTRAL ELETRÔNICA TRIFÁSICA DE CONTROLE DE PORTÃO rev2 CARACTERÍSTICAS

Leia mais

Manual do Usuário Balança SA-110 WWW.ELGIN.COM.BR

Manual do Usuário Balança SA-110 WWW.ELGIN.COM.BR Manual do Usuário Balança SA-110 WWW.ELGIN.COM.BR Índice Capítulo 1: O Produto Acessórios que compõem o produto Função do modelo Capítulo 2: Instalação do Produto Instalação física Conexão a tomada Cabo

Leia mais

DRAFT. CLP e SDCD CONCURSO PETROBRAS. Questões Resolvidas TÉCNICO DE MANUTENÇÃO JÚNIOR - ELETRÔNICA

DRAFT. CLP e SDCD CONCURSO PETROBRAS. Questões Resolvidas TÉCNICO DE MANUTENÇÃO JÚNIOR - ELETRÔNICA CONCURSO PETROBRAS TÉCNICO DE MANUTENÇÃO JÚNIOR - ELETRÔNICA CLP e SDCD Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO DRAFT Eng. Guilherme R. Dalmedico Eng. Guilherme A. Rutzen www.exatasconcursos.com.br

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. RELÓGIO ESPIÃO Elegance

MANUAL DE INSTRUÇÕES. RELÓGIO ESPIÃO Elegance MANUAL DE INSTRUÇÕES RELÓGIO ESPIÃO Elegance Antes de manusear leia atentamente todas as instruções deste manual: Este aparelho é constituído de mecanismos internos muito sensíveis e delicados, sendo que

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL

SISTEMA DE TREINAMENTO EM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL SISTEMA DE TREINAMENTO EM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL MODELO: CARACTERÍSTICAS 32 Pontos de Entrada / 32 Pontos de Saída. 3 Módulos Básicos: Controlador de Entrada, Simulador de Saída, Contador & Simulador

Leia mais

Manual de instalação e configuração do módulo de entradas WEBER-REP

Manual de instalação e configuração do módulo de entradas WEBER-REP Manual de instalação e configuração do módulo de entradas WEBER-REP Sumário CONVENÇÕES UTILIZADAS...3 DESCRIÇÃO GERAL...4 VANTAGENS...4 CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS...4 ESPECIFICAÇÕES GERAIS...5 LED DE STATUS

Leia mais

Guia de consulta rápida

Guia de consulta rápida Guia de consulta rápida DigiFlash Smart Trigger 1 2 3 4 5 17 Smart Trigger 6 7 8 9 16 15 14 13 12 11 10 O DigiFlash Smart Trigger é um dispositivo para disparar flashes a partir de um evento externo. Pode

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES REFRIGERADOR PARA ÔNIBUS MODELO G7

MANUAL DE INSTRUÇÕES REFRIGERADOR PARA ÔNIBUS MODELO G7 MANUAL DE INSTRUÇÕES Compact Indústria de Produtos Termodinâmicos Ltda. Fábrica: Est. BR-116 KM 152,3, 21940 Pavilhão 1 Bairro Planalto Caxias do Sul - RS - CEP 95070-070 Fone (0XX) 54-2108-3838- Fax:

Leia mais