SISTEMA SUPERVISÓRIO DE CONTROLE DE UMA CENTRÍFUGA DE PROCESSAMENTO DE AÇÚCAR UTILIZANDO A BANCADA WEG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA SUPERVISÓRIO DE CONTROLE DE UMA CENTRÍFUGA DE PROCESSAMENTO DE AÇÚCAR UTILIZANDO A BANCADA WEG"

Transcrição

1 Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Automação e Sistemas Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Automação e Sistemas Projeto REUNI 2010 SISTEMA SUPERVISÓRIO DE CONTROLE DE UMA CENTRÍFUGA DE PROCESSAMENTO DE AÇÚCAR UTILIZANDO A BANCADA WEG Daniel C. Ramos Florianópolis, Fevereiro de 2011

2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO O PROBLEMA FERRAMENTAS IMPLEMENTAÇÃO CONFIGURAÇÃO E INICIALIZAÇÃO FUNCIONAMENTO CONCLUSÕES REFERÊNCIAS... 12

3 ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1 - Visão geral da centrífuga Figura 2 - Ciclo completo da centrífuga Figura 3 - Bancada da WEG Figura 4 - Exemplo de linha de código no ladder... 6 Figura 5 - Interface com usuário do sistema supervisório Figura 6 Tela de edição do VBS script Figura 7 - Tela inicial do supervisório... 9 Figura 8 - Tela das siglas Figura 9 - Telas dos sensores, atuadores e velocidades Figura 10 - Telas do temporizador e da aceleração... 10

4 1. INTRODUÇÃO Na indústria, o caldo de cana quando concentrado via cozimento, sua viscosidade aumenta, tornando-se massa. Quando alcança 78 C à 80 C, os cristais de açúcar começam a aparecer e a massa vai ficando cozida, alterando o seu estado liquido para um estado pastoso. Deixando esta massa em repouso nos cristalizadores, a sacarose começa a ser depositada sobre os cristais. Ao se esgotar a massa, basta separá-lo dos cristais para obter o açúcar comercial. Este procedimento é realizado em turbinas centrífugas de secagem, que são chamadas de centrífugas. A centrífuga é constituída de um motor, situado na parte superior, o qual aciona um eixo vertical que sustenta uma cesta cilíndrica, na qual se coloca a massa cozida a ser turbinada. Esta cesta é perfurada para deixar passa o mel e reforçada com anéis para resistir a foca centrifuga. É protegida com telas metálicas para reter o açúcar e, ao mesmo tempo, deixar passar o mel, o qual retorna para ser processado. Na parte superior, existe uma válvula que controla a abertura para entrada da massa e na parte inferior existe uma válvula para controlar a abertura do fundo para descarga do açúcar. Este trabalho constituiu-se da elaboração de um sistema supervisório didático para a aplicação industrial real, porém simplificada, desta centrifuga de açúcar, utilizando a bancada da WEG e os softwares disponibilizados pela mesma. 1

5 2. O PROBLEMA O sistema da centrifuga consiste no controle de um motor de indução principal e de válvulas para controle dos compostos. Há vários sensores para indicar o funcionamento correto e um botão de emergência. Neste trabalho os sensores e as válvulas são simulados apenas, tendo como foco o controle total do motor na bancada. Figura 1 - Visão geral da centrífuga. Os sensores indicados na Figura 1 são: Sensor de tubo de água em cima S01; Sensor de tubo de água embaixo S02; Sensor de descarregador em cima S03; Sensor de descarregador embaixo S04; Sensor de fundo fechado S05; Sensor de fundo aberto S06; Sensor de válvula do mel aberta S07; Sensor do apalpador S08; Os atuadores indicados na Figura 1 são: Botão de emergência B01; Válvula solenóide para liberação do freio SV01; Válvula solenóide para descida tubo de água SV02; Válvula solenóide de abertura da água SV03; Válvula solenóide de abertura do fundo SV04; 2

6 Válvula solenóide para descida do descarregador SV05; Válvula solenóide p ara abertura da carga SV06; Válvula solenóide para separação do mel SV07; A centrifugação do açúcar pode ser realizada através de 3 modos: automático, semi-automático ou manual. No modo automático e semi-automático a seqüência de funcionamento deve ser a mesma, porém, o modo semi-automático realiza apenas um ciclo por vez. O ciclo completo é descrito resumidamente na Figura 2. Figura 2 - Ciclo completo da centrífuga. Cada etapa da Figura 2 é descrita detalhadamente a seguir: 1 Inicialização: Como condição para habilitar o inversor, os sensores S01, S03 e S05 devem estar acionados. Pressionado start, a válvula do freio SV01 deve ser acionada, inversor habilitado e executar o comando gira. O inversor utiliza como referência a velocidade de carga; 2 Lavagem da Tela: Enquanto o sistema estiver em aceleração para velocidade de carga deve-se realizar a lavagem da tela que consiste em acionar válvula SV02 para descida do tubo, confirmado tubo de água embaixo S02, abrir válvula de água SV03 e iniciar contagem do tempo de lavagem da tela. Decorrido tempo programado, fechar válvula de água SV03 e subir tubo, fechando SV02; 3 Carregamento: Finalizada lavagem da tela e confirmado retorno do tubo de água S01, verificar se o sistema está na velocidade de carga (dentro dos limites máximo e mínimo) e iniciar o carregamento. Para realizar o carregamento, todos os cilindros devem estar recuados S01, S03 e S05. Abrir a válvula de carga SV06 e abrir (energizar) a de separação do mel SV07. Iniciar a contagem de um tempo máximo de carga. Para finalizar a carga verifica-se o evento que ocorrer primeiro: tempo de carga ou o acionamento do sensor do apalpador S08. Fechar válvula de carga SV06 para finalizar etapa; 3

7 4 Centrifugação: Após o carregamento, o sistema deve utilizar como referência a velocidade de centrifugação. Durante a aceleração, o sistema realiza a contagem de um tempo para atrasar a abertura da água para lavagem do açúcar. Decorrido esse tempo, desenergizar a válvula SV07 para fechar a saída de mel, acionar válvula SV02 para descida do tubo de água. 5 - Lavagem: Confirmado tubo de água embaixo S02, acionar a válvula para abertura da água SV03. Iniciar temporização de água aberta. Finalizado tempo programado, fechar a válvula de água SV03 e realizar a subida do tubo SV02. Ao finalizar a lavagem do açúcar, o sistema verifica se a velocidade do sistema já atingiu no mínimo 80% da velocidade de centrifugação. Sendo atingido este limite mínimo, iniciar contagem do tempo de centrifugação. 6 Descarregar: Finalizado tempo de centrifugação, o sistema deve habilitar a velocidade de descarga. Quando a velocidade do sistema alcançar a velocidade de descarga, é acionada a válvula SV04 para abertura do fundo. Confirmado fundo aberto S06 e velocidade da máquina dentro do alcance estabelecido em máxima e mínima de descarga, acionar a solenóide SV05 para descida do descarregador (ou raspador). Confirmado descida S04, iniciar o tempo de descarregador embaixo. Finalizado o tempo, subir o descarregador SV05. Quando este em cima S03, realizar o fechamento do fundo SV04. Ao finalizar o ciclo, estando em automático, uma nova batelada é iniciada. Se selecionado modo semi-automático, sistema finaliza ciclo e pára máquina. No modo manual o ciclo completo é realizado com intervenção do operador, ou seja, cada etapa ou operação deve ser encadeada / executada pelo operador da centrífuga. 4

8 3. FERRAMENTAS A centrífuga é representada pela bancada da WEG disponível no laboratório da UFSC, que consiste no inversor de freqüência CFW09 (Figura 3) para controle de um motor de indução trifásico. Este inversor de freqüência pode assumir papel de um CLP, recebendo comandos, analisando velocidade de rotação do motor através de um encoder já embutido. A comunicação é realizada através da porta RS-232, diretamente ligada ao computador. Este utiliza o software Indusoft Web Studio para supervisionar o funcionamento do motor. Ainda é utilizado o software WLP Weg Ladder Programmer para passar as instruções na linguagem Ladder para o inversor. Assim, neste trabalho foi feita a programação em Ladder básica, visando simplificar e diminuir ao máximo a programação no supervisório. Figura 3 - Bancada da WEG. 5

9 4. IMPLEMENTAÇÃO Como a listagem de todos os comandos e programações seria demasiadamente extensa, irão ser destacados nesta sessão os principais conceitos e programações que requerem um conhecimento um pouco mais complexo. Os códigos em ladder e no supervisório foram feitos com comentários antecedendo as linhas de código para facilitar o entendimento. No ladder, o início e final de cada etapa possui uma Tag própria para ser acionado e percebido pelo supervisório. Ainda antecedendo todas as linhas existe uma Tag para segurança, que se acionada, desabilita todos os comandos (MX3333). Ao final das páginas de código em ladder, há as linhas para transformação de variáveis de float para inteiro e vice versa e a linha de referencia de velocidade, onde sempre transfere a mesma posição de memória para o inversor. Para controlar a velocidade é transferido durante a programação a referência para esses espaços de memória, assim, evita conflitos e erros durante a programação. Figura 4 - Exemplo de linha de código no ladder. O módulo supervisório possui vários sub menus, para controle das funções e das tags do ladder. O mesmo ainda passa por constantes mudanças na interface, melhorando a cada versão (Figura 5). Mas basicamente, o mesmo possui uma interface onde é possível visualizar os estados dos sensores e atuadores (vermelho e verde), sendo o verde quando o mesmo está ativado. Neste trabalho foi considerado que os atuadores mudam de estado ao colocar o valor 1 e ao colocar o valor 0 voltam ao seu estado inicial. É considerado que o controle dos sensores no supervisório é mutuamente exclusivo, ou seja, caso o sensor 1 seja ativado automaticamente o sensor 2 é desabilitado e vice versa. 6

10 Figura 5 - Interface com usuário do sistema supervisório. Ainda há a seleção do modo (automático, semi e manual), a contagem de ciclos, a exibição da velocidade, exibição do significado das siglas, iniciação das variáveis já com valores padrões (facilitar a simulação no laboratório), entre outras funções. Figura 6 Tela de edição do VBS script. A programação do que fazer em cada módulo, em grande parte está no Ladder como mencionado anteriormente, mas para executá-los na seqüência certa, um mínimo de programação de alto nível é necessária. A mesma é encontrada no Script da tela inicial, no formato de VBS Script. É uma linguagem de fácil compreensão e foi totalmente comentada para futuras edições (Figura 6). 7

11 5. CONFIGURAÇÃO E INICIALIZAÇÃO Para inicializar o CFW09 corretamente para a utilização do supervisório deve-se seguir os seguintes passos: 1. Liberar a senha: Pressione [Prog] e utilize as setas para mudar de P002 até aparecer na tela de leds o código P000. Aperte novamente [Prog] e com as setas vá até o parâmetro 5, apertando novamente [Prog] para finalizar. Isto fará como que você libere o CFW09 para modificações de parâmetros. 2. Utilizando as setas novamente, mude até o código P204, apertando [Prog] em seguida. Modifique até o código 7 (Carr. Us. 1) e aperte [Prog]. Isto iniciará as configurações básicas na bancada. 3. Agora verifique se a bancada está conectada ao computador e inicialize o WLP. Abra o arquivo centrifuga.idd e vá no menu Comunicação e faça o download do ladder para o CFW09. Isto repassa as linhas de programação de baixo nível em ladder para a bancada. 4. Inicialize o software Indusoft e abra o projeto centrifuga e inicialize o supervisório. 8

12 6. FUNCIONAMENTO A tela inicial do supervisório é de fácil uso. Pode-se escolher o modo de operação, visualizar os ciclos e as velocidades de referência e real. Na figura do sistema inicial (Figura 7) é possível ver quais sensores e atuadores estão ativado através das cores. Verde sinaliza que está ativado e vermelho que está parado. Este menu foi feito pois não há o hardware dos sensores e atuadores, portanto é necessário ir ativando estes na seqüência correta, simulando o sistema. Figura 7 - Tela inicial do supervisório. Figura 8 - Tela das siglas. Para o aluno lembrar quais siglas os significados das siglas, há um botão que abrirá uma tela indicando o significado das mesmas (Figura 8). Na figura 9, é possível ver a ativação dos sensores e atuadores conforme for comandado. Ainda é possível ver o monitoramento e modificação de parâmetros do sistema como os sensores, atuadores e velocidades. 9

13 Figura 9 - Telas dos sensores, atuadores e velocidades. A Figura 10 mostra as telas restantes, do temporizador e aceleração. Figura 10 - Telas do temporizador e da aceleração No momento o modo automático executa indefinidos ciclos, continuamente. O modo semi-automático, irá prosseguir até ao final do ciclo e pedirá a confirmação. O modo manual possibilita controlar os parâmetros diretamente. Existe a possibilidade de transformar o modo automático em um modo onde não é necessário controlar a seqüência de ativação dos sensores e atuadores. Assim, o ciclo é executado de uma maneira completa para demonstração. O modo semi-automático irá conduzindo os procedimentos automaticamente na medida em que o aluno executa a ordem de ativação dos sensores e atuadores, e o manual permitiria o controle de cada parâmetro sem algum encadeamento. 10

14 7. CONCLUSÕES O supervisório e a programação em ladder funcionam adequadamente para executar o ciclo completo nos modos automático e semi, e no modo manual foi levemente adaptado, abrindo uma nova tela onde é possível executar os atuadores individualmente e controlar a velocidade de rotação do motor. Como limitação neste desenvolvimento foi a implementação virtual dos sensores e atuadores, que podem ser facilmente modificados quando houver o seu desenvolvimento por hardware. Ainda não foi implementado os alarmes e temporizadores de tempo por ciclo, isto devido a limitação no supervisório e no ladder, alguns comandos na programação do supervisório simplesmente não funcionam, principalmente os ligados ao desligamento automático da tela (para sair é necessário apertar Alt+f4) e o temporizador por segundos, no qual apenas funciona a contagem de segundos desde o ano de 1930, o que causa um grande processamento para fazer um simples cálculo. Como futuros trabalhos, sugerem-se o desenvolvimento dos sensores em hardware, a inserção dos alarmes e procedimentos de segurança, e se possível o desenvolvimento do supervisório em uma plataforma mais atual, que possibilite uma gama maior de comandos e de programação. 11

15 8. REFERÊNCIAS 12

Sistema Multibombas Controle Fixo CFW-11

Sistema Multibombas Controle Fixo CFW-11 Motores Energia Automação Tintas Sistema Multibombas Controle Fixo CFW-11 Manual de Aplicação Idioma: Português Documento: 10000122700 / 01 Manual de Aplicação para Sistema Multibombas Controle Fixo Série:

Leia mais

Conectar diferentes pesquisas na internet por um menu

Conectar diferentes pesquisas na internet por um menu Conectar diferentes pesquisas na internet por um menu Pré requisitos: Elaboração de questionário Formulário multimídia Publicação na internet Uso de senhas na Web Visualização condicionada ao perfil A

Leia mais

Manual de Configuração e Operação

Manual de Configuração e Operação ALFA INSTRUMENTOS ELETRÔNICOS LTDA Manual de Configuração e Operação Última alteração Número do documento 21/02/2013 10:38 Este documento contém os procedimentos de configuração e operação do sistema de

Leia mais

Manual do Usuário ICCTAB 705B/W/P

Manual do Usuário ICCTAB 705B/W/P Manual do Usuário ICCTAB 705B/W/P 1. Introdução ao Tablet PC 1.1 Diagrama geral do Tablet PC Diagrama Frontal: Figura 1-1. Diagrama Lateral: Figura 1-2 Diagrama Traseiro: Figura 1-3 1.2 Tablet PC - Uso

Leia mais

Descrição do Produto. Altus S. A. 1

Descrição do Produto. Altus S. A. 1 Descrição do Produto O software MasterTool IEC é um ambiente completo de desenvolvimento de aplicações para os controladores programáveis da Série Duo. Esta ferramenta permite a programação e a configuração

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÕES AHC CRANE 21644

MANUAL DE OPERAÇÕES AHC CRANE 21644 MANUAL DE OPERAÇÕES AHC CRANE 21644 PÁGINA DO AHC Na figura acima são exibidas as seguintes informações: 1- Velocidade do cabo. 2- Pressão do Nitrogênio no Compensador do AHC. 3- Carga máxima permitida

Leia mais

MANUAL DA SECRETARIA

MANUAL DA SECRETARIA MANUAL DA SECRETARIA Conteúdo Tela de acesso... 2 Liberação de acesso ao sistema... 3 Funcionários... 3 Secretaria... 5 Tutores... 7 Autores... 8 Configuração dos cursos da Instituição de Ensino... 9 Novo

Leia mais

Mapeamento de memória e programação da IHM do controlador CP-WS41/8DO8DI4AO2AI2TAI

Mapeamento de memória e programação da IHM do controlador CP-WS41/8DO8DI4AO2AI2TAI Comércio e Manutenção de Produtos Eletrônicos Manual CP-WS1 Mapeamento de memória e programação da IHM do controlador CP-WS41/8DO8DI4AO2AI2TAI PROXSYS Versão 1.0 Março-2013 Controlador Industrial CP-WS1

Leia mais

CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMAVEL

CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMAVEL CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMAVEL Controlador Lógico Programável ( Hardware ) Para aprendermos como funciona um CLP, é necessário uma análise de seus componentes básicos, utilizados por todos os CLPs disponíveis

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 10ª Série Automação Industrial Engenharia Elétrica A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio

Leia mais

Manual do Usuário Publicador

Manual do Usuário Publicador Manual do Usuário Publicador Portal STN SERPRO Superintendência de Desenvolvimento SUPDE Setor de Desenvolvimento de Sítios e Portais DEDS2 Versão 1.1 Fevereiro 2014 Sumário Sobre o Manual... 3 Objetivo...

Leia mais

Evolução Constante GUIA RÁPIDO ELETRODRIVE

Evolução Constante GUIA RÁPIDO ELETRODRIVE Evolução Constante GUIA RÁPIDO ELETRODRIVE STARA S.A. - INDÚSTRIA DE IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS AV. STARA, 519 CEP 99470-000 - Não-Me-Toque/RS - Brasil Telefone/Fax: (54) 3332-2800 e-mail: stara@stara.com.br

Leia mais

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Ultrassom. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13. www.robouno.com.br

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Ultrassom. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13. www.robouno.com.br R O B Ó T I C A Sensor Smart Ultrassom Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13 Sensor Smart Ultrassom 1. Introdução Os sensores de ultrassom ou ultrassônicos são sensores que detectam

Leia mais

MADIS RODBEL SOLUÇÕES DE PONTO E ACESSO LTDA

MADIS RODBEL SOLUÇÕES DE PONTO E ACESSO LTDA MADIS RODBEL SOLUÇÕES DE PONTO E ACESSO LTDA Manual de operação Relógio MD 5705 Revisão 1.02 Maio de 2010 1 Índice Apresentação... 3 Display de LCD... 3 Leitor de crachás... 3 Leitor biométrico... 3 Teclado...

Leia mais

Manual de Operação. Impressora Térmica Não fiscal ZP220 UBT 1-12

Manual de Operação. Impressora Térmica Não fiscal ZP220 UBT 1-12 Manual de Operação Impressora Térmica Não fiscal ZP220 UBT 1-12 1. INTRODUÇÃO ZP220-UBT é uma impressora térmica top de linha que trabalha em alta velocidade de impressão, baixo nível de ruído de impressão,

Leia mais

Trabalho T1 de Projetos de Automação Automação Semestre 01/2015

Trabalho T1 de Projetos de Automação Automação Semestre 01/2015 Trabalho T1 de Projetos de Automação Automação Semestre 01/2015 Engenharia de Controle e Automação Nome do Projeto: Prensa hidráulica para conformação de peças. Para este projeto desenvolva: Descritivo

Leia mais

MANUAL SIMPLIFICADO COMANDO WT-P04

MANUAL SIMPLIFICADO COMANDO WT-P04 MANUAL SIMPLIFICADO COMANDO WT-P04 2 ÍNDICE 1. DESCRIÇÃO BÁSICA 3 1.1 COMPOSIÇÃO BÁSICA DO QUADRO DE COMANDO 3 1.2 PRECAUÇÕES TÉCNICAS 4 2. MENUS PARA MONITORAR O ELEVADOR 4 2.1 MENUS PARA AJUSTE DO ELEVADOR

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. Central de Alarme Particionada

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. Central de Alarme Particionada MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO AP6 Central de Alarme Particionada www.compatec.com.br 2 www.compatec.com.br 3 4. Dimensões do produto... 5. Conhecendo o seu produto... 7 5.1 Conhecendo as funções da central...

Leia mais

Balança Especial tipo Silo para ensaque de Big- Bag Suspenso 0007-EV-00-M

Balança Especial tipo Silo para ensaque de Big- Bag Suspenso 0007-EV-00-M Balança Especial tipo Silo para ensaque de Big- Bag Suspenso 0007-EV-00-M MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO Revisão 1.0 Alfa Instrumentos Eletrônicos Ltda R. Cel. Mário de Azevedo, 138 São Paulo - SP 02710-020

Leia mais

MGE 144 Medidor Multigrandezas

MGE 144 Medidor Multigrandezas MGE 144 Medidor Multigrandezas Modo de uso do software IBIS_BE ABB Instrumentação 1 PROGRAMA IBIS BE Conexão Compatibilidade - Compatível com 486 8M RAM ou superior com 1 saída de comunicação serial disponível,

Leia mais

C o t a ç ã o E l e t r ô n i c a V i l l a r e s M e t a l s

C o t a ç ã o E l e t r ô n i c a V i l l a r e s M e t a l s C o t a ç ã o E l e t r ô n i c a V i l l a r e s M e t a l s M a n u a l d o F o r n e c e d o r Portal de Compras Página 1 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Informações importantes... 3 3. Acessando o portal...

Leia mais

Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br KDE50. Kit Didático de Eletrônica

Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br KDE50. Kit Didático de Eletrônica Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br KDE50 Kit Didático de Eletrônica MANUAL Jul / 2011 Sumário 1.Descrição Geral...2 2.Composição

Leia mais

Manual de utilização do módulo NSE METH 3E4RL

Manual de utilização do módulo NSE METH 3E4RL INSTALAÇÃO 1 - Baixe o arquivo Software Configurador Ethernet disponível para download em www.nse.com.br/downloads-manuais e descompacte-o em qualquer pasta de sua preferência. 2 - Conecte a fonte 12Vcc/1A

Leia mais

Ajuda On-line - Sistema de Relacionamento com o Cliente. Versão 1.1

Ajuda On-line - Sistema de Relacionamento com o Cliente. Versão 1.1 Ajuda On-line - Sistema de Relacionamento com o Cliente Versão 1.1 Sumário Sistema de Relacionamento com Cliente 3 1 Introdução... ao Ambiente do Sistema 4 Acessando... o Sistema 4 Sobre a Tela... do Sistema

Leia mais

APOSTILA ZELIO SOFT 2

APOSTILA ZELIO SOFT 2 APOSTILA ZELIO SOFT 2 Prof. Maycon Max Kopelvski Fev/2010 rev.01 Página 1 de 20 1) Clique no ícone para abrir o programa Zelio Soft 2 2) Abrirá a tela inicial do Programa: Clique em Criar um novo programa.

Leia mais

Freedom Software. Sistema de Representação. Freedom Software Sistema de Representação Página 1

Freedom Software. Sistema de Representação. Freedom Software Sistema de Representação Página 1 Freedom Software Sistema de Representação Freedom Software Sistema de Representação Página 1 FREEVENDMOBILE (Sistema de Vendas Mó vel) Sumário INSTALAÇÃO:... 3 O SISTEMA... 7 MENU E BARRAS DO SISTEMA...

Leia mais

Notas de Aplicação. Driver OPC para Comunicação Através do Protocolo SCP-HI HS1 - Serial e HT1 - Ethernet. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Driver OPC para Comunicação Através do Protocolo SCP-HI HS1 - Serial e HT1 - Ethernet. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Driver OPC para Comunicação Através do Protocolo SCP-HI HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00033 Versão 1.04 dezembro-2013 HI Tecnologia Driver OPC para Comunicação Através

Leia mais

4.3. Máquina de estados: São utilizados em sistemas de complexos, é de fácil transformação para ladder desde que não haja muitas ramificações.

4.3. Máquina de estados: São utilizados em sistemas de complexos, é de fácil transformação para ladder desde que não haja muitas ramificações. Parte 4 - Técnicas de programação (Lógica simples) INTRODUÇÃO Programar em ladder é muito simples, desde que ele tenha uma estrutura sob a qual o programa deve ser desenvolvido, ou seja, se deve ter um

Leia mais

Procedimento de. Diagnóstico e Configuração CP-3000. CPU - 3A/E e 4A/E PROCESSADORES DE REDE INTERFACES DE REDE

Procedimento de. Diagnóstico e Configuração CP-3000. CPU - 3A/E e 4A/E PROCESSADORES DE REDE INTERFACES DE REDE Procedimento de Diagnóstico e Configuração CP-3000 CPU - 3A/E e 4A/E PROCESSADORES DE REDE INTERFACES DE REDE Elaboração: Alfasistema Engenharia Autor: Engº Rodney P. Santos Revisão 1.1 Ano: 2005 I. DIAGNÓSTICO

Leia mais

Tutorial 122 CP DUO Inversor WEG (RS485 Protocolo MODBUS - DUO Master)

Tutorial 122 CP DUO Inversor WEG (RS485 Protocolo MODBUS - DUO Master) Tutorial 122 CP DUO Inversor WEG (RS485 Protocolo MODBUS - DUO Master) Este documento é propriedade da ALTUS Sistemas de Informática S.A., não podendo ser reproduzido sem seu prévio consentimento. Altus

Leia mais

RESERVAR MANUAL SISTEMA DE RESERVAS DE SALAS INFORMATIZADAS

RESERVAR MANUAL SISTEMA DE RESERVAS DE SALAS INFORMATIZADAS RESERVAR MANUAL SISTEMA DE RESERVAS DE SALAS INFORMATIZADAS Faculdades Integradas do Brasil www.unibrasil.com.br 1 Sumário 1 INTRODUÇÃO...3 2 ÁREA DE ACESSO PÚBLICO...4 2.1 VISUALIZAÇÃO E NAVEGAÇÃO POR

Leia mais

OPL9815 Inventário Configurável

OPL9815 Inventário Configurável OPL9815 Inventário Configurável Versão: PXOINCG (OPL9815) 30/09/2015: Revisão 01 Opticon Latin America Versão: INCG - Página 1 1. Funcionalidades... 3 2. Teclas... 3 3. Estrutura de Menus... 4 3. 1. Coleta...

Leia mais

PCT-3001 plus. Display LCD

PCT-3001 plus. Display LCD PCT3 plus CONTROLADOR DIGITAL DE PRESSÃO PARA CENTRAIS DE REFRIGERAÇÃO Ver.2 DESCRIÇÃO Controlador de pressão para sistemas de refrigeração que controla os estágios de sucção (compressores) e de descarga

Leia mais

Software RedeMB5 Manual do Usuário (Ver. 2)

Software RedeMB5 Manual do Usuário (Ver. 2) Manual do Usuário (Ver. 2) 1. Introdução O software RedeMB5 é uma ferramenta que permite monitorar em tempo real 247 medidores de energia ou multitransdutores digitais KRON em uma rede padrão RS-485 com

Leia mais

BV-4000X. Manual Simplificado

BV-4000X. Manual Simplificado BV-4000X Manual Simplificado Este Manual Simplificado têm o intuito de expor as principais funções de seu Planet tab BV-4000X. Pode ser encontrado na memória interna de seu Planet tab ou no site da Bravva,

Leia mais

LASERTECK LTA450 MANUAL DE USO

LASERTECK LTA450 MANUAL DE USO LASERTECK LTA450 MANUAL DE USO 2014 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 INFORMAÇÕES TÉCNICAS... 3 3 CALIBRAGEM DOS MÓDULOS LASER (AFERIÇÃO E TEMPORIZAÇÃO)... 3 3.1 AFERIÇÃO DO LASER PONTO LONGITUDINAL...3 3.2

Leia mais

Figura 1: tela inicial do BlueControl COMO COLOCAR A SALA DE INFORMÁTICA EM FUNCIONAMENTO?

Figura 1: tela inicial do BlueControl COMO COLOCAR A SALA DE INFORMÁTICA EM FUNCIONAMENTO? Índice BlueControl... 3 1 - Efetuando o logon no Windows... 4 2 - Efetuando o login no BlueControl... 5 3 - A grade de horários... 9 3.1 - Trabalhando com o calendário... 9 3.2 - Cancelando uma atividade

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS. Prontuário Nome Assinatura QUESTÕES TEÓRICAS

LISTA DE EXERCÍCIOS. Prontuário Nome Assinatura QUESTÕES TEÓRICAS Data: / / Prontuário Nome Assinatura QUESTÕES TEÓRICAS 1) Faça um diagrama do contador CTD contemplando todos os pinos de forma que fique demonstrado o comportamento do pino Q. 2) Das características mais

Leia mais

Attack 1.35. Software de controle e Monitoração de amplificadores

Attack 1.35. Software de controle e Monitoração de amplificadores Attack 1.35 Software de controle e Monitoração de amplificadores 1 Índice 1 Hardware necessário:... 3 1.1 Requisitos do computador:... 3 1.2 Cabos e conectores:... 3 1.3 Adaptadores RS-232 USB:... 4 1.4

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções EL-USB-2-LCD Registador de Humidade, Temperatura e Ponto de Condensação com visor LCD Manual de Instruções Este registador mede e armazena até 16,379 leituras relativas a humidade e 16,379 leituras relativas

Leia mais

COTAÇÃO DE COMPRAS COM COTAÇÃO WEB

COTAÇÃO DE COMPRAS COM COTAÇÃO WEB COTAÇÃO DE COMPRAS COM COTAÇÃO WEB RMS Software S.A. - Uma Empresa TOTVS Todos os direitos reservados. A RMS Software é a maior fornecedora nacional de software de gestão corporativa para o mercado de

Leia mais

Inversor GV3000/SE CA para Operação Volts/Hertz e Vetorial Manual de Referência e Start-up do Software Versão 6.0. Manual de Instruções D2-3359-2PT

Inversor GV3000/SE CA para Operação Volts/Hertz e Vetorial Manual de Referência e Start-up do Software Versão 6.0. Manual de Instruções D2-3359-2PT Inversor GV3000/SE CA para Operação Volts/Hertz e Vetorial Manual de Referência e Start-up do Software Versão 6.0 Manual de Instruções D2-3359-2PT As informações contidas neste manual estão sujeitas à

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilização do Driver DDE com Microsoft Excel. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Utilização do Driver DDE com Microsoft Excel. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Utilização do Driver DDE com Microsoft Excel HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00006 Versão 1.01 fevereiro-2014 HI Tecnologia Utilização do Driver DDE com Microsoft Excel

Leia mais

Manual de Instalação SIM/SINASC

Manual de Instalação SIM/SINASC Manual de Instalação SIM/SINASC Agosto/2009 Versão 2.2 Índice CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO... 4 CAPÍTULO 02 - PERFIL DO HARDWARE... 5 CAPÍTULO 03 INSTALADOR SIM SINASC 2.2... 6 CAPÍTULO 04 - MODO DE INSTALAÇÃO...

Leia mais

Manual do Usuário - Cliente Externo

Manual do Usuário - Cliente Externo Versão 3.0 SGCL - Sistema de Gestão de Conteúdo Local SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1. Referências... 4 2. COMO ESTÁ ORGANIZADO O MANUAL... 4 3. FUNCIONALIDADES GERAIS DO SISTEMA... 5 3.1. Acessar a Central

Leia mais

Virtual Box. Guia. Instalação E Utilização. Criado por Wancleber Vieira wancleber.vieira@ibest.com.br

Virtual Box. Guia. Instalação E Utilização. Criado por Wancleber Vieira wancleber.vieira@ibest.com.br Virtual Box Guia De Instalação E Utilização 1 Sumário Instalação do Linux Ubuntu através de um gerenciador de Máquinas Virtuais 1.1 Introdução, 3 1.2 Instalação do Virtual Box, 3 1.3 Configuração do Virtual

Leia mais

Atualização, backup e recuperação de software

Atualização, backup e recuperação de software Atualização, backup e recuperação de software Guia do usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada nos Estados Unidos da Microsoft Corporation. As informações

Leia mais

Manual do Painel Aceno Digital A3000/A6000. www.acenodigital.com.br. Rua Porto Alegre, 212 Jd. Agari 43 3027-2255 Cep: 86.

Manual do Painel Aceno Digital A3000/A6000. www.acenodigital.com.br. Rua Porto Alegre, 212 Jd. Agari 43 3027-2255 Cep: 86. Manual do Painel Aceno Digital A3000/A6000 Manual do Painel Aceno Digital A3000/A6000 Este manual apresenta o funcionamento e os procedimentos de configuração e instalação dos painéis Aceno Digital, modelos

Leia mais

Papel de Parede Secreto

Papel de Parede Secreto USO DO WINDOWS o Windows XP finalmente está perdendo forças no mercado de sistemas operacionais. Na pesquisa mais recente feita pelo StatsCounter, com dados de novembro de 2014, a versão foi ultrapassada

Leia mais

Manual de Operação e Configuração Versão Dosador de Óleo 1.1. Dosador de Óleo PESO EXATO

Manual de Operação e Configuração Versão Dosador de Óleo 1.1. Dosador de Óleo PESO EXATO Manual de Operação e Configuração Versão Dosador de Óleo 1.1 Dosador de Óleo PESO EXATO DEZEMBRO / 2009 2 ÍNDICE 1 MENU F1:... 4 1.1 Programação do peso do Óleo a ser dosado... 4 2 MENU F2... 5 2.1 Quantidade

Leia mais

programa técnico Centrífugas de bateladas - Série-E A nova geração de centrífugas de bateladas reúne vários anos de experiência e

programa técnico Centrífugas de bateladas - Série-E A nova geração de centrífugas de bateladas reúne vários anos de experiência e programa técnico Centrífugas de bateladas - Série-E A nova geração de centrífugas de bateladas reúne vários anos de experiência e novos desenvolvimentos para a eficiente fabricação de açúcar. A nova geração

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilização do ScpDDEServer com Microsoft Excel. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Utilização do ScpDDEServer com Microsoft Excel. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Utilização do ScpDDEServer com Microsoft Excel HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00020 Versão 1.02 outubro-2004 HI Tecnologia Utilização do ScpDDEServer com Microsoft Excel

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia

Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia 1 Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica Laboratório de Informática Industrial 3ª AULA - Programação Convencional de CLP - Parte I Objetivos: Analisar

Leia mais

1. Introdução a Microsoft Excel

1. Introdução a Microsoft Excel Introdução a Microsoft Excel 1. Introdução a Microsoft Excel 1.1. O que é Microsoft Excel Microsoft Excel é um software de planilha eletrônica produzido pela Microsoft Corporation, para o sistema operacional

Leia mais

DESCRIÇÃO DO FUNCIONAMENTO Basicamente o ANTRON II-s recebe sinais provenientes da atuação de contatos elétricos externos, associados a equipamentos

DESCRIÇÃO DO FUNCIONAMENTO Basicamente o ANTRON II-s recebe sinais provenientes da atuação de contatos elétricos externos, associados a equipamentos DESCRIÇÃO DO FUNCIONAMENTO Basicamente o ANTRON II-s recebe sinais provenientes da atuação de contatos elétricos externos, associados a equipamentos ou sistemas que se queiram supervisionar, via contatos

Leia mais

Sistemas SCADAS. Apresentação dos sistemas de supervisão do mercado de automação: - Elipse E3 (fabricante Eilpse)

Sistemas SCADAS. Apresentação dos sistemas de supervisão do mercado de automação: - Elipse E3 (fabricante Eilpse) A palavra SCADA é um acrônimo para Supervisory Control And Data Acquisition. Os primeiros sistemas SCADA, basicamente telemétricos, permitiam informar periodicamente o estado corrente do processo industrial,

Leia mais

Simulador PMP - 4º Edição Exame de Certificação do PMI

Simulador PMP - 4º Edição Exame de Certificação do PMI Simulador PMP - 4º Edição Exame de Certificação do PMI WWW.ASASSOFTWARES.COM.BR Índice 1 Informações Básicas... 1 1.1 Sair da aplicação... 1 1.2 Testar aplicação... 1 1.3 Licenciando a aplicação... 1 1.4

Leia mais

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Automação Industrial Porto Alegre, Outubro de 2014 Revisão: B Conhecer os principais conceitos e aplicações de um Software Supervisório; Conhecer

Leia mais

APLICAÇÕES E ANÁLISE DE SISTEMAS SUPERVISÓRIOS "SCADA"

APLICAÇÕES E ANÁLISE DE SISTEMAS SUPERVISÓRIOS SCADA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE PESQUISA E

Leia mais

1 Introdução. 2 REDES sem fio de comunicações

1 Introdução. 2 REDES sem fio de comunicações 1 Introdução Neste manual serão apresentados os procedimentos de instalação e configuração do sistema de detecção e prevenção de incêndio GALBA V251, além de dicas que certamente agilizarão os trabalhos

Leia mais

Atualização, Backup e Recuperação de Software. Número de Peça: 405533-201

Atualização, Backup e Recuperação de Software. Número de Peça: 405533-201 Atualização, Backup e Recuperação de Software Número de Peça: 405533-201 Janeiro de 2006 Sumário 1 Atualizações de Software Recebimento Automático de Atualizações de Software HP...................................

Leia mais

hardwarecar.com.br 1 Tecla para acionamento do freio de largada e Reset dos cronômetros e Mapas. 4 Teclas para navegação e programações.

hardwarecar.com.br 1 Tecla para acionamento do freio de largada e Reset dos cronômetros e Mapas. 4 Teclas para navegação e programações. Tecla para acionamento do freio de largada e Reset dos cronômetros e Mapas. 4 Teclas para navegação e programações. A saída do chicote esta localizada na parte traseira ou inferior do. hardwarecar.com.br

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E UTILIZAÇÃO SISTEMA DE PAGAMENTO ONLINE. Versão: 01.08

MANUAL DE INSTALAÇÃO E UTILIZAÇÃO SISTEMA DE PAGAMENTO ONLINE. Versão: 01.08 MANUAL DE INSTALAÇÃO E UTILIZAÇÃO SISTEMA DE PAGAMENTO ONLINE Versão: 01.08 Índice Instalação do Sistema...03 Tela inicial do Sistema...10 Módulos...11 Conteúdo do Menu Arquivo...11 Finalizar...11 Inclusão

Leia mais

GUINDASTE CONTROLADO POR PC ATRAVÉS DE INTERFACE SERIAL RS- 232

GUINDASTE CONTROLADO POR PC ATRAVÉS DE INTERFACE SERIAL RS- 232 GUINDASTE CONTROLADO POR PC ATRAVÉS DE INTERFACE SERIAL RS- 232 Carlos Renato Borges dos Santos Instituto Federal de Minas Gerais - IFMG Departamento de Engenharia Elétrica Campus Formiga MG carlos.renato@ifmg.edu.br

Leia mais

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Geral. Núcleo de Tecnologia da Informação

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Geral. Núcleo de Tecnologia da Informação Divisão de Almoxarifado DIAX/CGM/PRAD Manual do Sistema de Almoxarifado Geral Versão On-Line Núcleo de Tecnologia da Informação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Manual do Sistema de Almoxarifado

Leia mais

Passo a Passo do Cadastro Funcionários no SIGLA Digital

Passo a Passo do Cadastro Funcionários no SIGLA Digital Passo a Passo do Cadastro Funcionários no SIGLA Digital Funcionários Página 1 de 12 O cadastro de funcionários permite cadastrar o usuário que vai utilizar o SIGLA Digital e também seus dados pessoais.

Leia mais

Página deixada intencionalmente em branco

Página deixada intencionalmente em branco Operação Torno 1 Página deixada intencionalmente em branco 2 1 - Operação Máquina... 5 1.1 - Inicialização... 5 1.2 - Busca de Referência.... 8 1.2.1 - Busca através de micros de referência.... 8 1.2.2

Leia mais

GUIA DE INÍCIO RÁPIDO

GUIA DE INÍCIO RÁPIDO GUIA DE INÍCIO RÁPIDO Ao usar sua câmera GoPro como parte de seu estilo de vida ativo, sempre esteja ciente do ambiente onde está para evitar lesões, a si mesmo e a outros, além de prevenir danos à sua

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA. Manual do Moodle- Sala virtual

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA. Manual do Moodle- Sala virtual UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Manual do Moodle- Sala virtual UNIFAP MACAPÁ-AP 2012 S U M Á R I O 1 Tela de Login...3 2 Tela Meus

Leia mais

Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda.

Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. Manual do equipamento Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. +55 41 3661-0100 Rua Rio Piquiri, 400 - Jardim Weissópolis - Pinhais/PR - Brasil CEP: 83322-010 CNPJ: 01.245.055/0001-24 Inscrição

Leia mais

Software para o gerenciamento do acesso Ponto Digital icontrol

Software para o gerenciamento do acesso Ponto Digital icontrol Software para o gerenciamento do acesso Ponto Digital icontrol Em empresas, condomínios, eventos... organizações e setores que necessitam de um gerenciamento do controle do acesso através de bloqueadores

Leia mais

Guia Rápido Monitor CFX-750

Guia Rápido Monitor CFX-750 Guia Rápido TELA EXECUTAR O CFX-750 da Trimble possui tela touch screen, onde todas as funções de trabalho e configurações são realizadas tocando-se a tela do monitor. Os ícones na tela irão alterar conforme

Leia mais

Manual de Operação &

Manual de Operação & MEC-180H 2Fios Manual de Operação & Instruções de Operação 1 INTRODUÇÃO: Este manual tem por objetivo, instruir o operador na utilização da MEC-180 H. São mostradas as funções de todas as teclas e a seqüência

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO RADAR DUO N de Homologação: 0723-12-2791

MANUAL DE INSTALAÇÃO RADAR DUO N de Homologação: 0723-12-2791 MANUAL DE INSTALAÇÃO RADAR DUO N de Homologação: 0723-12-2791 Versão 1.00 Manual de Instalação RADAR DUO 2 Índice 1. Introdução... 3 2. Especificações técnicas... 3 3. Conhecendo o equipamento... 4 3.1

Leia mais

Utilização da Macro de Upload de Cotação

Utilização da Macro de Upload de Cotação Upload de Cotação Última Atualização: 19/02/2015 Objetivo do documento Orientar os fornecedores do Grupo Petrobras sobre a utilização da Macro de Upload de Cotações. Para que tipo de oportunidade posso

Leia mais

Tutorial 160 CP FBs - Elipse Scada (RS232 Protocolo MODBUS)

Tutorial 160 CP FBs - Elipse Scada (RS232 Protocolo MODBUS) Tutorial 160 CP FBs - Elipse Scada (RS232 Protocolo MODBUS) Este documento é propriedade da ALTUS Sistemas de Informática S.A., não podendo ser reproduzido sem seu prévio consentimento. Altus Sistemas

Leia mais

Introdução ao icare 2

Introdução ao icare 2 Introdução ao icare 2 (Instrumentação para a Coleta Assistida de Resíduos Recicláveis V.2) Arthur Elídio da Silva Lucas Zenaro José Tarcísio F. de Camargo Unipinhal (2015) SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 O

Leia mais

,QWURGXomRDR(GLWRUGH $SUHVHQWDo}HV3RZHU3RLQW

,QWURGXomRDR(GLWRUGH $SUHVHQWDo}HV3RZHU3RLQW Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática,QWURGXomRDR(GLWRUGH $SUHVHQWDo}HV3RZHU3RLQW Flaviano Aguiar Liziane Santos Soares Jugurta Lisboa Filho (Orientador) PROJETO UNESC@LA Setembro

Leia mais

IINTRODUÇÃO SOFTWARE DE PROGRAMAÇÃO GP-SOFTWARE

IINTRODUÇÃO SOFTWARE DE PROGRAMAÇÃO GP-SOFTWARE IINTRODUÇÃO SOFTWARE DE PROGRAMAÇÃO GP-SOFTWARE Rev.: 01 (03/09/2007) PRODUTOS ELETRÔNICOS METALTEX LTDA. Rua: José Rafaelli, 221 - Socorro - S. Amaro - São Paulo / SP. CEP: 04763-280 - Brasil Tel.: 55

Leia mais

PROGRAMAÇÃO BÁSICA DE CLP

PROGRAMAÇÃO BÁSICA DE CLP PROGRAMAÇÃO BÁSICA DE CLP Partindo de um conhecimento de comandos elétricos e lógica de diagramas, faremos abaixo uma revisão para introdução à CLP. Como saber se devemos usar contatos abertos ou fechados

Leia mais

Guia de Início Rápido SystemTweaker

Guia de Início Rápido SystemTweaker Guia de Início Rápido SystemTweaker O SystemTweaker é uma ferramenta segura e fácil de usar para personalizar o Windows de acordo com as suas preferências. Este guia de início rápido irá ajudar você a

Leia mais

Introdução. Software (Parte I)

Introdução. Software (Parte I) Universidade Federal de Campina Grande Centro de Engenharia Elétrica e Informática Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Introdução à Computação Software (Parte I) Prof. a Joseana Macêdo Fechine Régis

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica Laboratório de Informática Industrial

Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica Laboratório de Informática Industrial Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Eletrônica Laboratório de Informática Industrial 1 2 a AULA Controlador Lógico Programável: Características de software.

Leia mais

LogixPro Laboratório simulador de porta de garagem utilizando lógica de reles (LADDER)

LogixPro Laboratório simulador de porta de garagem utilizando lógica de reles (LADDER) LogixPro Laboratório simulador de porta de garagem utilizando lógica de reles (LADDER) Simulação do ProSim-II de uma Porta de Garagem A partir do menu Simulations na parte superior da janela escolha a

Leia mais

Vigilância Remota. Distância não faz diferença

Vigilância Remota. Distância não faz diferença Vigilância Remota Distância não faz diferença Para nossos clientes valiosos, Obrigado por escolher este produto. Você vai se surpreender com as úteis funções que este produto oferece, especialmente pelo

Leia mais

REGISTRO DE PROJETOS

REGISTRO DE PROJETOS REGISTRO DE PROJETOS 1. REGISTRO DE PROJETOS Esta aplicação tem o objetivo de realizar o Registro de Projetos da Instituição. É possível, incluir, alterar ou excluir essas informações. 1.1. Acessando a

Leia mais

Aparelho Mod. 4028/4029

Aparelho Mod. 4028/4029 Aparelho Mod. 4028/4029 Monofone Regulador de Inclinação Indicador Luminoso Piscando Verde: Entrada de chamada Piscando Vermelho : Alarme Teclas Programáveis Navegação Teclas de Funções Programáveis Teclas

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Online WebOpinião

Manual do Teclado de Satisfação Online WebOpinião Manual do Teclado de Satisfação Online WebOpinião Versão 1.2.3 27 de novembro de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação

Leia mais

Manual do usuário. SIM 5 Lite Versão 1.0 - Português

Manual do usuário. SIM 5 Lite Versão 1.0 - Português Manual do usuário SIM 5 Lite Versão 1.0 - Português Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. Este manual serve como referência para a sua instalação e operação

Leia mais

O objetivo deste material é demonstrar com exemplos como a máquina de estado reproduz fielmente todas as etapas idealizadas pelo projetista.

O objetivo deste material é demonstrar com exemplos como a máquina de estado reproduz fielmente todas as etapas idealizadas pelo projetista. Parte 06 - Técnicas de programação (máquina de estados) MÁQUINA DE ESTADOS FINITO Pode-se definir máquina de estado como sendo um modelo de comportamento de um determinado processo, em nosso caso industrial.

Leia mais

Ajustes para o sistema de web conferências Adobe Connect

Ajustes para o sistema de web conferências Adobe Connect SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CEaD Ajustes para o sistema de web conferências Adobe Connect Principais ajustes que melhoram

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DE SANTA CATARINA PONTO SECULLUM 4 SISTEMA DE CONTROLE DE PONTO MANUAL PARA A GERÊNCIA DE GESTÃO DE PESSOAS

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DE SANTA CATARINA PONTO SECULLUM 4 SISTEMA DE CONTROLE DE PONTO MANUAL PARA A GERÊNCIA DE GESTÃO DE PESSOAS SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DE SANTA CATARINA PONTO SECULLUM 4 SISTEMA DE CONTROLE DE PONTO MANUAL PARA A GERÊNCIA DE GESTÃO DE PESSOAS SUMÁRIO 1 ABRINDO O SISTEMA... 3 1.1 ÍCONE DO PROGRAMA NA VERSÃO

Leia mais

ROBERTO OLIVEIRA CUNHA

ROBERTO OLIVEIRA CUNHA LEIAME APRESENTAÇÃO Nenhuma informação do TUTORIAL DO MICRO- SOFT OFFICE WORD 2003 poderá ser copiada, movida ou modificada sem autorização prévia e escrita do Programador Roberto Oliveira Cunha. Programador:

Leia mais

Segurança. Guia do Usuário

Segurança. Guia do Usuário Segurança Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos. As informações contidas neste documento

Leia mais

Manual do Usuário. Declaração de Substituição Tributária, Diferencial de Alíquota e Antecipação - DeSTDA

Manual do Usuário. Declaração de Substituição Tributária, Diferencial de Alíquota e Antecipação - DeSTDA Livro Super Simples Manual do Usuário Declaração de Substituição Tributária, Diferencial de Alíquota e Antecipação - DeSTDA Secretarias de Fazenda Estaduais, do Distrito Federal e Comitê Gestor do Simples

Leia mais

Comm5 Tecnologia Manual de utilização da família MI. Manual de Utilização. Família MI

Comm5 Tecnologia Manual de utilização da família MI. Manual de Utilização. Família MI Manual de Utilização Família MI ÍNDICE 1.0 COMO LIGAR O MÓDULO... pág 03 e 04 2.0 OBJETIVO... pág 05 3.0 COMO CONFIGURAR O MÓDULO MI... pág 06, 07, 08 e 09 4.0 COMO TESTAR A REDE... pág 10 5.0 COMO CONFIGURAR

Leia mais

Simulador CCNA Exame de Certificação da CISCO

Simulador CCNA Exame de Certificação da CISCO Simulador CCNA Exame de Certificação da CISCO Índice 1 Informações Básicas... 1 1.1 Sair da aplicação... 1 1.2 Testar aplicação... 1 1.3 Licenciando a aplicação... 1 1.4 Aceitar as condições de uso da

Leia mais

Instruções para Transferência de Dados OPL9728

Instruções para Transferência de Dados OPL9728 Instruções para Transferência de Dados OPL9728 1.0 Preparação para Configuração do PC Para carregar o aplicativo nos coletores da linha OPL972X, baixe e instale o aplicativo APPLOAD e siga as instruções

Leia mais

LEIA O MANUAL ANTES DE USAR O PRODUTO!

LEIA O MANUAL ANTES DE USAR O PRODUTO! LEIA O MANUAL ANTES DE USAR O PRODUTO! Manual de uso Interface Lumikit WiFi 2015 Lumikit Sistemas para Iluminação rev 0 15/03/2015 Lumikit Sistemas para Iluminação www.lumikit.com.br 1 Considerações importantes,

Leia mais